HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO VALE DO PARAÍBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO VALE DO PARAÍBA"

Transcrição

1 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO VALE DO PARAÍBA Neusa Fernandes Olinio Gomes P. Coelho Organizadores VASSOURAS 2013

2 História e Geografia do Vale do Paraíba 1

3 História e Geografia do Vale do Paraíba Organização Neusa Fernandes e Olinio Gomes P. Coelho Diagramação Gustavo Leoni Capa Joacir Esteves Ilustração da capa Mapa de parte das capitanias do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo [ca. 176-]. Revisão Sandra Pássaro Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras Presidente: Olinio Gomes P. Coelho Vice-Presidente: Sebastião Deister Primeiro Secretário: Marco Aurélio Martins Santos Segundo Secretário: Jeronimo de Paula da Silva Primeira Tesoureira: Roselene de Cássia Coelho Martins Segunda Tesoureira: Magaly Oberlaender Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado do Rio de Janeiro CREA-RJ Presidente: Agostinho Guerreiro Prefeitura de Vassouras Prefeito: Renan Vinicius Santos de Oliveira Comissão Executiva do I Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba Neusa Fernandes, Presidente Elizabeth Soriano Pletsch Jeronimo de Paula da Silva Marco Aurélio Martins Santos Maria Clara Amado Martins Roselene de Cássia Coelho Martins Ficha Catalográfica H673 História e Geografia do Vale do Paraíba / organizado por Neusa Fernandes, Olinio Gomes P. Coelho. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, CREA-RJ, Prefeitura de Vassouras, p. Inclui bibliografia ISBN: XXX-XX-XXX-XXX-X Artigos apresentados no I Congresso de História e Geografia do Paraíba, realizado no Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, de 18 a 21 de maio de Brasil História Congressos. 2. Brasil Geografia História Congresso. I. Fernandes, Neusa. II. Coelho, Olinio Gomes P. CDD Ficha catalográfica elaborada pela bibliotecária Ana Cristina Monteiro Mesquita - CRB Os artigos publicados não refletem necessariamente a opinião ou a concordância dos organizadores, seno o conteúdo e a veracidade dos mesmos de inteira e exclusiva responsabilidade de seus autores, inclusive quanto aos direitos autorais de terceiros sobre textos e imagens. 2

4 História e Geografia do Vale do Paraíba Sumário Memória e Patrimônio... 7 Renan Vinicius Santos de Oliveira Prefeito de Vassouras Abertura... 9 Olinio Gomes P. Coelho Presidente do IHGV Um Vale de Tesouros Arquitetônicos e Culturais Agostinho Guerreiro Presidente do CREA-RJ Quando o Dever se Transforma em Prazer Flora de Paoli Faria Decana do Centro de Letras e Artes/UFRJ Apresentação Os Organizadores Parte I Conferências Conferência Inaugural Singelos, poesias de um cego...há cem anos em Vassouras...23 Cybelle de Ipanema Conferências Arqueologia do Vale do Paraíba...37 Ondemar Ferreira Dias Júnior Matrizes Africanas do Território Brasileiro...45 Rafael Sânzio Araujo dos Anjos O Vale do Café no Imaginário da Literatura Brasileira...59 Ivo Barbiéri Parte II Homenagem a Milton Santos Milton Santos, pensador do aço humano...71 João Henrique dos Santos Meu Mestre Milton Santos...75 Eliane Alves da Silva 3

5 Parte III Capítulos Capítulo I No Rastro da História do Vale do Paraíba Índios do Vale do Paraíba...81 Jeronimo de Paula da Silva Vassouras: os primórdios da evolução urbana...87 Francisco Salvador Veríssimo A História da Estrada de Mangaratiba, Atual RJ Cláudia Braga Gaspar Cidades Imperiais: Os Processos das Mercês de São Luís do Paraitinga e Bananal...99 Rogéria Moreira de Ipanema A Escravidão Brasileira no século XIX: As Estratégias de Resistência dos Escravos Marcelo Serra Martins A Ferida incurável: zoonose na implantação e expansão da cultura cafeeira Vassouras, Magno Fonseca Borges Guilherme Pinheiro Fursawa Pedro Eduardo de Mesquita Marinho Depois do escravo, a terra! : O Abolicionismo e a Elite Fluminense no final do Império Roselene de Cássia Coelho Martins Capítulo 2 O Vale do Paraíba: Problemas e Tranformações O Médio Paraíba, suas Transformações Econômicas e seus Impactos Flavio Gomes de Almeida e Maurício Silva Santos Os Atlas do IBGE Roberto Schmidt Projeto de Mapeamento de Ecotrilhas do Parque Nacional de Itatiaia, Município de Itatiaia / Município de Resende Eliane Alves da Silva A Problemática da Escassez de Água Face ao COMPERJ Flávio Gomes de Almeida 4

6 História e Geografia do Vale do Paraíba Regiões de Governo Maurício Silva Santos Capítulo 3 A Riqueza Imperial do Vale Abolição e Decadência Fluminense Alex Nicolaeff O Rei do Café Rosimeiri Fonseca de Mello Capítulo 4 Gênero e Grupos Sociais Uma Mulher Inatual Neusa Fernandes Parentela, Riqueza e Poder; Três Gerações de Mulheres Miridan B. Britto Falci Narcisa Amália: Uma Trajetória Feminina do Sul Fluminense do Século XIX Gisele Oliveira Ayres Barbosa A Busca de uma Mulher em Vassouras na Ficção do Alentejano Diogo Ribero Flores Celeste Varella Capítulo 5 O Patrimônio Cultural no Vale do Paraíba Vassouras: Patrimônio Nacional Olinio Gomes P. Coelho Museus-Casas: Relicários Arquitetônicos e Lugares de Memória Fabíola do Valle Zonno Fazenda Nossa Senhora da Piedade de Vera Cruz: Origens, Glória e Decadência na Serra do Tinguá Sebastião Deister Fazenda Três Poços do Café à Universidade Roberto Guião de Souza Lima Observações acerca da Pintura no Solar do Barão de Itambé, em Vassouras Sérgio Guimarães Lima 5

7 O Significado da Talha na Catedral de Valença e na Matriz de Paty do Alferes Magaly Oberlaender Acervo de Imagens Digitais do Patrimônio Edificado Aplicado na Educação para Preservação do Patrimônio Histórico Luiz Neves A Documentação de Vassouras e do Vale do Paraíba no Acervo da Presidência da Província Século XIX Paulo Knauss Capítulo 6 Educação, Cultura e Lazer Instrução Pública em Vassouras no Segundo Reinado Gabriela Maria Costa da Silva Brandão, o Popularíssimo e as Companhias Teatrais Mambembes no Vale do Paraíba, no século XIX: Uma Viagem Pitoresca Marco Martins Santos A Crítica como Condição à Preservação da Arte Popular: a Escola de Samba e o Boi-Bumbá Raphael David dos Santos Filho O Correio da Lavoura: Múltiplos Olhares de uma Região: Sociedade, Poder e Cultura. Nova Iguaçu ( ) Ivonete Cristina Campos Lima 6

8 História e Geografia do Vale do Paraíba Memória e Patrimônio Com grande honra presenciamos hoje um momento histórico para nossa região. Vassouras, assim como todos os municípios que integram a região do Vale do Ciclo do Café, é detentora de um patrimônio histórico, material e imaterial, que retrata um período que muito contribuiu para o desenvolvimento econômico e cultural do Brasil. Nosso Patrimônio Material, com os suntuosos palacetes, casarões e fazendas que pertenceram aos barões do café, além de outras construções imponentes de época, destacam a riqueza daquele período e retratam a importância econômica da região para o Brasil, ao passo que representam a arquitetura histórica da região. É fundamental a luta constante pela preservação! Já nosso Patrimônio Imaterial, intangível sim, mas fortemente presente e vivo em cada militante da Cultura, em cada estudante da rede pública de ensino, em cada visitante, enfim, em cada um de nós, expressa nossa maior riqueza e, quando valorizado, eleva à máxima potência o ideal de preservação de nossa história. Da música à dança, da culinária às crenças populares, ou em outras expressões, temos um rico e variado legado, digno de ser estudado e cada vez mais enaltecido. Logo, nossos patrimônios material e imaterial, juntos, mantêm viva nossa maior essência: a Cultura! Este Congresso é um presente para Vassouras. Sendo assim, em nome da população vassourense registro especial agradecimento ao Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, na pessoa de seu presidente Doutor Olinio Gomes Paschoal Coelho, e a todos que apoiaram a realização, na pessoa do presidente do CREA-RJ Agostinho Guerreiro. A Prefeitura de Vassouras, cuja atribuição é zelar pela preservação da história de nosso Município, se apresenta como parceira do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, e registra aqui o agradecimento especial a todos os militantes da Cultura, que lutam pela preservação de nossa memória e contribuem sobremaneira com o nosso desenvolvimento. Que Deus abençoe a todos! Renan Vinicius Santos de Oliveira Prefeito de Vassouras 7

9 8

10 História e Geografia do Vale do Paraíba Abertura Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras I Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba Sessão Solene de Abertura Vassouras, 18 de maio de 2011 Excelentíssimo senhor doutor Renan Vinicius Santos de Oliveira, prefeito do Município de Vassouras Excelentíssima senhora doutora Cybelle de Ipanema, presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro Excelentíssimo senhor doutor Arciley Pinheiro, Representante do Presidente do CREA-RJ doutor Agostinho Guerreiro Excelentíssima senhora Flora de Paoli Faria, decana do Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro Excelentíssimos senhores secretários municipais de Vassouras Senhoras e Senhores Meus Confrades e Confreiras do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras É com enorme prazer que abrimos este I Congresso de História e Geografia do Vale do Paraíba, realizado em nossa administração, que contou com o inestimável apoio da Prefeitura Municipal de Vassouras, do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro CREA-RJ e do Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro realizou, até agora, três congressos envolvendo sua História e Geografia: o primeiro, em 1963, organizado pelo Instituto Histórico e Geográfico de Petrópolis; o segundo, em 1967, organizado pela Universidade Federal Fluminense; e o terceiro, em 2007, organizado pelo Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. E, em 2011, quando o Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras completa dez anos de sua fundação, temos a oportunidade de realizar este I Congresso, de âmbito nacional, abrangendo a História e Geografia de todo o Vale do Rio Paraíba do Sul. Com isso, professores e estudiosos destas disciplinas poderão ampliar seus conhecimentos, a partir desta reunião, que envolve, além de historiadores e geógrafos, também arquitetos, engenheiros, sociólogos, antropólogos, economistas, ambientalistas e demais pesquisadores e interessados na atualização dos estudos sobre essa importante região fluminense. 9

11 Ao empreender todos os esforços para realizar este congresso, aqui, nesta cidade, com o apoio da prefeitura, do jornal Tribuna do Interior, dos nossos patrocinadores, e especialmente com o envolvimento dos sócios do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, tínhamos por objetivos: Promover o intercâmbio entre os diversos institutos históricos e geográficos, centros de documentação, conselhos de cultura e de educação, instituições de ensino superior e demais entidades culturais da região; Comemorar os 10 anos de fundação do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras; Prestar homenagem ao geógrafo Milton Almeida dos Santos, um dos maiores nomes da Geografia no Brasil, pela passagem do 10º aniversário de seu falecimento; Produzir subsídios aos governos do Estado do Rio de Janeiro e das prefeituras municipais de Vassouras e dos municípios do Vale do Paraíba, no sentido de enriquecimento do planejamento administrativo, econômico, estratégico e cultural para a efetivação de ações públicas, frente a projetos sociais, econômicos, culturais e de outras naturezas, que visem a melhoria da qualidade de vida dessas populações; Contribuir para o desenvolvimento social, econômico e cultural dos municípios fluminenses envolvidos e incentivar a criação de outros institutos históricos e geográficos municipais. Para isso, contamos com a significativa participação da Comissão Organizadora do Congresso, presidida pela incansável professora pós-doutora Neusa Fernandes, integrada pelos consócios Elizabeth Soriano Pletsch, Jeronimo de Paula da Silva, Marco Aurélio Martins Santos, Maria Clara Amado Martins e Roselene de Cássia Coelho Martins, todos envolvidos pela chama do ideal que gerou e trouxe à luz este Congresso. O Instituto agradece profundamente a todos os que colaboraram de alguma forma para a realização deste evento. A partir de amanhã, até sábado, mais de 40 mesas farão comunicações sobre aspectos diversos da História do Vale do Paraíba e desde já podemos antecipar o sucesso desta empreitada. Especialmente, agradecemos ao Excelentíssimo Senhor prefeito de Vassouras, doutor Renan Vinicius Santos de Oliveira, pelo apoio ao evento e pela produção de nosso terceiro Informativo, à Excelentíssima senhora decana do Centro de Letras e Artes da UFRJ, doutora Flora de Paoli Faria e ao Excelentíssimo senhor diretor da Escola de Belas Artes, doutor Carlos Gonçalves Terra, pela apresentação que vamos amanhã ter do Grupo Teatral Centro de Teatro dessa Escola, e ao doutor Agostinho Guerreiro, presidente do CREA-RJ pelo patrocínio concedido a este congresso e especialmente pela apresentação do Coral desse Conselho que congrega engenheiros, arquitetos, agrônomos, meteorologistas, geólogos e geógrafos. A todos, o nosso sincero Muito obrigado. Olinio Gomes P. Coelho Presidente do IHGV 10

12 História e Geografia do Vale do Paraíba Um Vale de Tesouros Arquitetônicos e Culturais As terras do Vale do Paraíba estão localizadas no eixo Rio de Janeiro São Paulo, compreendidas entre os primeiros trechos do Rio Paraíba do Sul e as encostas das Serras do Mar e da Mantiqueira. A história da região está intimamente ligada a ciclos econômicos de caráter agrário, principalmente ao do café, período iniciado no século XIX e que teve seu declínio detonado pela crise na Bolsa de Nova York, em O Ciclo do Café foi uma época de grande opulência, que modificou a estrutura social e deu prestígio e poder político ao Vale do Paraíba. A riqueza produzida pelos grãos do café propiciou também a construção de um importante acervo histórico e cultural. Monumentos arquitetônicos muito significativos, como fazendas, igrejas, sobrados, estações ferroviárias, e pontes destacam-se pelas boas condições de conservação e preservação. Além dos bens materiais, o Vale guarda, ainda, uma cultura rica em tradições, com usos e costumes antigos das comunidades, constituída de conhecimentos e práticas resultantes de fonte oral, de hábitos ou de recordações reveladoras da sabedoria popular. Assim, as festas religiosas, o variado artesanato e a culinária regional também representam o relevante legado histórico do Vale do Paraíba. Enfim, a modernização das cidades do Vale do Paraíba não representou a morte das tradições. Pelo contrário, a modernidade mistura-se ao passado, fomentando o turismo que quer ver de perto a antiga arquitetura dos tempos do café e, também, desfrutar das belezas naturais da região. Sob esta perspectiva, o CREA-RJ não poderia deixar de apoiar a produção deste documento, elaborado pelo Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, tendo em vista a relevância do seu conteúdo para o aprofundamento dos conhecimentos não só sobre o município, mas para a construção da História de toda a Região. Assim, o Conselho reafirma seu compromisso de apoiar ações que vão além da técnica, que valorizam o fazer humano, suas causas e suas consequências. Agostinho Guerreiro Presidente do CREA-RJ 11

13 12

14 História e Geografia do Vale do Paraíba Quando o Dever se Transforma em Prazer Flora de Paoli Faria* Em uma belíssima tarde/noite de maio de 2011, na qualidade de Decana do Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro participei dos trabalhos de abertura do I Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba. O evento foi realizado no período de 18 a 21 de maio de 2011, na cidade de Vassouras, coração fluminense desse vale fértil. Organizado sob a égide do IHGV- Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, entidade considerada por muitos como uma das mais ativas do país, principalmente pelo trabalho desenvolvido na recuperação e divulgação da importante arquitetura das fazendas de café que marcaram a história da região. O IHGV conta em seu quadro de associados com nomes de destaque da UFRJ. Na impossibilidade de citar todos, me atenho especificamente aos docentes que colaboraram efetivamente na organização do Congresso. Nesse caso, reportamo-nos a Olinio Gomes P. Coelho, Professor Titular de nossa Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, que embora aposentado, continua sendo um dos motores principais de eventos e atividades correlacionadas com sua extensa área de conhecimento, que objetiva, principalmente, a preservação de nossos bens culturais. Recordo também a Professora Doutora Maria Clara Amado Martins, destacada docente da FAU/UFRJ, responsável pela Coordenação das atividades de extensão do Centro de Letras e Artes e do Professor Jerônimo de Paula da Silva, agora aposentado, e que durante mais de trinta anos exerceu as mais distintas funções na nossa Faculdade de Arquitetura, responsáveis ainda pelo convite encaminhado a mim e à decana substituta do Centro de Letras e Artes, a arquiteta Cristina Grafanassi Tranjan, que atua na Escola de Belas Artes. Nesse momento, é oportuno lembrar que o Centro de Letras e Artes é constituído pelas Faculdades de Letras e Arquitetura e Urbanismo e pelas Escolas de Belas Artes e Música, perfazendo uma importante área de conhecimento no seio da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Dessa forma, a própria constituição de nosso Centro e a leitura e o conhecimento dos objetivos do evento confirmam sua abrangência para os pesquisadores das áreas envolvidas, além de aguçar a minha curiosidade de estudiosa das Letras Italianas, por conhecer melhor as histórias e os espaços da terra dos Barões do Café, que nesse ano de 2011, festejavam os dez anos de fundação de seu Instituto Histórico e Geográfico, além do décimo aniversário de falecimento do Geógrafo Milton de Almeida Santos. É indispensável dizer do orgulho e emoção que nos acomete em momentos como esses, quando vemos brilhar a prata da casa, transformando nosso dever de representar uma Instituição Pública de Ensino, no caso, a UFRJ em prazer de seguir e acompanhar os vários trabalhos que recuperam a formação do povo e a ocupação do solo brasileiro, dando vida a uma cidade encruzilhada por onde passaram e continuam a passar distintas estradas que contribuem para a interiorização do saber e a preservação da cultura. * Decana do Centro de Letras e Artes da UFRJ. Professora Titular do Setor de Letras Italianas do Departamento de Letras Neolatinas da UFJ. 13

15 Sem dúvida, histórica e geograficamente Vassouras simboliza de forma magistral os intrincados caminhos que conduzem à formação da multiforme identidade brasileira, nesse caso, espelhada de forma clara nos diversos temas que constituem o objeto de estudos do evento, que partindo do exame da aristocracia vassourense, passa pela escravidão e suas marcas sociais, favorecendo assim o exame das etnias que constituem o Vale do Paraíba. É esse olhar ampliado da história e do próprio espaço que transcende o físico até alcançar o espaço único da memória que nos leva a identificar a cidade de Vassouras como uma verdadeira encruzilhada de estradas, capaz de abrir até hoje novos caminhos, conforme nos assegura a sua própria história. E é exatamente através da memória que nos aproximamos desse Congresso de história e geografia através da lembrança de colegas da UFRJ que deixaram seus nomes inscritos nos caminhos do saber trilhados em Vassouras, me refiro ao saudoso colega Afonso Carlos Marques dos Santos, Titular de História da UFRJ, que muitas vezes esteve nessa cidade para dar cursos, e que nos ensina em seu livro A Invenção do Brasil que é necessário estar atento para as delicadas relações de arquitetura urbana, da política e da história, para que essas relações não se transformem em barbárie, quando um interesse se sobrepõem ao outro (como aconteceu, por exemplo, com a abertura do túnel Dois Irmãos no Rio de Janeiro) quando o governador carioca Chagas Freitas resolve rasgar ao meio o conjunto habitacional do Parque Proletário da Gávea, projetado por Afonso Eduardo Reidy, para proteger o terreno ocupado pela PUC e pelo condomínio de luxo- Jardim Pernambuco, situação em que o poder político, da primeira e o poder econômico, do segundo se sobrepõe ao valor arquitetônico e histórico do prédio projetado por Reidy. Na esteira dos docentes da UFRJ que contribuíram de forma efetiva para a revitalização da vida acadêmica da cidade de Vassouras, me permito lembrar as colegas Telenia Hill e Dalma Braune Portugal do Nascimento. Essas professoras foram companhia frequente do cearense Severino Sombra de Albuquerque, em suas andanças pelos meandros acadêmicos do Rio de Janeiro, em busca de pessoal qualificado para atuar na hoje Universidade Severino Sombra. A presença em Vassouras dessas professoras e suas lições de Teoria Literária nos trazem à mente o livro do escritor português Miguel Sousa Tavares Rio das Flores hoje mais um dos municípios fluminenses, que nos conta a saga da família Ribera Flores num espaço temporal que vai de 1915 até 1945, passando pelo Alentejo, pela Espanha e finalmente pelo Brasil ao retratar exatamente o Vale do Paraíba. Seguir pelas trilhas da literatura e da memória nos conduz obrigatoriamente à figura vanguardista de Eufrásia Teixeira Leite, seu romance com Joaquim Nabuco e os mistérios que envolvem a vida dessa grande benemérita de Vassouras e de sua mágica Chácara da Hera. É ainda nessa trilha que queremos seguir ao recordar o belíssimo artigo de Inácio de Loyola Brandão, intitulado Tarde de tango entre montanhas, publicado no Jornal Estado de São Paulo de 27 de outubro de 2010, quando ele nos narra uma fantástica visita à Fazenda Cachoeira Grande de propriedade de Nubia Caffareli e que no passado serviu de cenário para Eufrásia Teixeira Leite oferecer para a Princesa Isabel e seu marido Conde D Eu, uma 14

16 História e Geografia do Vale do Paraíba ceia, cujo requinte e iguarias detiveram os convivas à mesa por mais de cinco horas. É nesse ambiente de luxo e refinamento que o escritor conhece a tia de Nubia, Magadalena Manso Vieira, refinada dama da sociedade, que segundo informações obtidas por Loyola junto a uma amiga comum, foi um dos grandes amores de Juscelino Kubitschek: A atmosfera da tarde que caía, a garoa (ou chuvisco), a luz esmaecida da sala, o retrato sobre a lareira, me levaram ao filme Rebeca, Mulher Inesquecível, de Hitchcock. A visita terminou, as imagens daquela tarde me acompanharam, quando voltei a São Paulo liguei para Heleninha, sólida amizade que me resta do tempo de colégio. Contei o episódio, ela ficou arrepiada. Encontrou Dalena? Onde está? Que mundo pequeno, que coisa bonita. Foi a minha vez de espantar. Dalena? E Heleninha: Um dia, acompanhei papai e tio Hélio a uma festa e fui apresentada a JK. Conversava com o presidente, quando ele olhou sobre meus ombros, abriu um sorriso, esqueceu tudo, com quem falava, o que dizia, e correu para Magdalena que acabara de entrar: Dalena, Dalena! Assim ouvi, assim ele a tratava. Aquele encontro nunca me saiu da memória. Ela sempre foi mulher deslumbrante. E continua deslumbrante, disse eu. Dalena, Magdalena, Madá me pareceu feliz, sem idade, embalada por memórias aquecedoras. Vassouras. Eufrásia, Dalena, o retrato sobre a lareira, o cheiro do café coado, do pão de queijo saído do forno, o perfume de Núbia, a garoa umedecendo a atmosfera. Onde estou, em que ano, em que lugar? Os tangos ainda ecoam nas montanhas que foram cobertas por cafeeiros. O clima de sonho e nostalgia que marcam a crônica de Loyola Brandão em certos momentos parece invadir toda a cidade, nos transportando para um tempo que existe apenas na nossa imaginação, porém os testemunhos arquitetônicos, espalhados por toda a parte, mostram-se tão vivos que fica impossível não se deixar levar por essa enxurrada de lembranças, que trazem consigo o desejado gosto do prazer. 15

17 16

18 História e Geografia do Vale do Paraíba Apresentação O Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, com o apoio do Conselho Regional de Arquitetura-RJ, apresenta este volume intitulado História e Geografia do Vale do Paraíba, composto das comunicações apresentadas no 1º Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba, realizado de 18 a 21 de maio, no Parque Hotel Santa Amália, em Vassouras. Os objetivos do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras centram-se em pesquisar, estudar e difundir a História e a Geografia do Município de Vassouras e do Vale do Paraíba Fluminense; defender e promover o patrimônio natural e cultural do Município e da Região, além de buscar o domínio das informações relativas à região do Vale do Paraíba Fluminense, através da geração e permanente atualização de um banco de dados. Considerando as principais preocupações do IHGV e a obrigatoriedade de sua presença nas discussões que envolvem questões étnicas, democracia, igualdade de direitos sociais e civis e de oportunidades para os cidadãos, o acesso à terra, à educação, à saúde e à cultura, resolveu o Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras promover o 1º Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba. A presente publicação permite acesso aos diversos temas desenvolvidos e discutidos pelos comunicadores que, nesse congresso, estiveram reunidos a fim de apontar soluções para os múltiplos problemas que cercam o Vale do Paraíba. A organização deste livro, em três partes, I, II e III, contendo seis capítulos, seguiu as temáticas apresentadas no 1º Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba. A Parte I, denominada Conferências, englobou três: a conferência de abertura, intitulada Singelos, poesias de um cego...há cem anos em Vassouras, pronunciada pela professora doutora Cybelle de Ipanema, presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro e secretária do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; a conferência feita pelo professor doutor Ondemar Ferreira Dias Júnior, denominada A Arqueologia no Vale do Paraíba; e a conferência O Vale do Café no Imaginário da Literatura Brasileira, proferida pelo professor doutor Ivo Barbiéri. A Parte II, intitulada Homenagem a Milton Santos, abriu o 1º Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba, lembrando os dez anos do desaparecimento do geógrafo. Abordando sua carreira profissional como homem de ciência e professor, a Mesa tratou da visão política e social de Milton Santos e discutiu a importância das suas ideias para a construção e a compreensão da nação brasileira. A Parte III é composta dos seguintes Capítulos: No Rastro da História do Vale do Paraíba é o tema do primeiro capítulo que englobou o reconhecimento da primitiva região, seus primeiros habitantes, o surgimento das principais estradas e cidades, bem como seu processo civilizatório. 17

19 O segundo capítulo preocupa-se com a Geografia do Vale do Paraíba, abordando os atlas brasileiros, os mapeamentos e em especial o Rio Paraíba do Sul. O café é o temário do terceiro capítulo que fez um panorama da história da cultura cafeeira no Vale do Paraíba, refletindo sobre o auge e analisando as causas da decadência da plantation que determinou a história de várias cidades da região. O quarto capítulo apresenta histórias de mulheres e diferenças de gênero na evolução e na formação da comunidade do Vale do Paraíba. O capítulo quinto trata do patrimônio cultural, das políticas de preservação do acervo dos bens tombados, ressaltando os monumentos das cidades de Vassouras, Paty do Alferes e Miguel Pereira. Uma análise comparativa dos instrumentos fundamentais para a preservação da documentação da história do Vale do Paraíba, em âmbitos federal estadual, municipal e regional é o objetivo do sexto capítulo. Para finalizar a Parte III, é o capítulo sexto dedicado à cultura, educação e lazer, contemplando o teatro, as instituições educacionais e as festas populares, no Brasil imperial e nas principais cidades do Vale do Paraíba. Os Organizadores 18

20 História e Geografia do Vale do Paraíba Parte I Conferências 19

21 20

22 História e Geografia do Vale do Paraíba Conferência Inaugural 21

23 22

24 História e Geografia do Vale do Paraíba Singelos, poesias de um cego...há cem anos em Vassouras Cybelle de Ipanema* Prepara-se, o Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, para em quatro dias trazer aos estudiosos, realidades da cidade e de seu entorno, no âmbito de território fluminense marcado pela presença do rio Paraíba do Sul e de uma pujante cultura do segundo Reinado, o café. Honra-nos apresentar a fala de Abertura, em nome do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, aliás sob cuja égide nasceu este Instituto, aos influxos do I Colóquio dos Institutos Históricos Municipais do Estado do Rio de Janeiro, no ano 2000, realizado na capital do Estado com a participação múltipla de entidades de história e memória, por seus operadores e guardiãs. Honra que agradecemos ao Instituto anfitrião, nas pessoas de seu presidente, dr. Olinio Gomes Coelho, e da dra. Neusa Fernandes, mentora, sócia benemérita e ex-presidente, símbolos representativos da entidade que, com o presente Congresso de História e Geografia, alarga o conhecimento da região. É valiosíssima a documentação do Vale do Paraíba, sobretudo pelo papel desempenhado na economia do Brasil Imperial e por ser o Vale, elo de ligação entre as duas, a partir de certo tempo, maiores cidades do país, Rio de Janeiro e São Paulo. O Vale fluminense comporta 23 municípios. Dos 92 do Estado, correspondem a 25% ou 4ª parte. Recordemos algumas iniciativas visando ao seu estudo, de interesse local ou amplo, nacional. Em 1978, o IV Simpósio de História do Vale do Paraíba, do Instituto de Estudos Valeparaibanos-IEV, realizado nesta cidade de Vassouras. Posteriormente, o XI Simpósio, de nossa coordenação, em 1992, na cidade de Paraíba do Sul, ligada muito diretamente a Tiradentes, pois no ano do bicentenário de sua execução. Ainda do IEV, com centralização na Sociedade Ipanema de Educação e Cultura. Depois de um largo interregno não se efetivava desde 1967, planejamos, pelo Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, o III Congresso Fluminense de História e Geografia, cuja coordenação solicitamos à professora Neusa Fernandes, com equipe, integrada pelo professor Olinio Gomes Coelho, membros do IHGRJ, ela, vice-presidente. Do Congresso, resultou a edição do livro História e Geografia Fluminense, da organização de ambos, com numerosos trabalhos sobre o Vale. Felicitações, pois, ao atual I Congresso Nacional de História e Geografia do Vale do Paraíba, do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras, na certeza de novas e ricas contribuições! * Livre docente e doutora em Comunicação pela ECO/UFRJ, Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro IHG-RJ, primeira secretária do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro IHGB e Sócia do Instituto Histórico e Geográfico de Vassouras. 23

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho *JACINTO GUERRA, de Brasília para o Portal de Aboim da Nóbrega Em 1967, quando o Dr.Laércio Rodrigues lançou seu livro História de Bom Despacho origens e formação,

Leia mais

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL Convivência Revista do PEN Clube do Brasil 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL PEN CLUBE DO BRASIL: 76 ANOS (1936-2012) Cláudio Aguiar O sentido de qualquer

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Geografia História Tradição Util Pública Centro urbano Além da oferta municipal, com clima agradável, incontáveis rios, cachoeiras e vilas

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL O processo de emancipação e a primeira eleição municipal de São João da Ponta ocorreram com muitas dificuldades. Para entendermos um pouco mais como

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca deirantes de ontem, mas dos homens

Leia mais

Escola desamba do Batel: Música e História

Escola desamba do Batel: Música e História Escola desamba do Batel: Música e História Cainã Alves 1ª Edição Curitiba/PR 1 2 DEDICATÓRIA Este livro é dedicado: À todas as pessoas que, direta ou indiretamente, fazem o carnaval de Antonina, não se

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

Fecomércio-RJ realiza festa de confraternização no hotel Sheraton

Fecomércio-RJ realiza festa de confraternização no hotel Sheraton dezembro 2007, nº 014 Fecomércio-RJ realiza festa de confraternização no hotel Sheraton DESTAQUES: Secovi Rio recebe Medalha Tiradentes da Alerj Fecomércio-RJ discute a nova metodologia dos PIBs estaduais

Leia mais

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL lugares URBANOS PAPELERACULTURAL O PROJETO Este projeto pretende revelar os legados das diversas intervenções urbanísticas pelas quais passou a região metropolitana do Rio de Janeiro. São prédios, casarões,

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO LITERÁRIO CONTOS DE SÃO JOÃO MARCOS

REGULAMENTO CONCURSO LITERÁRIO CONTOS DE SÃO JOÃO MARCOS REGULAMENTO CONCURSO LITERÁRIO CONTOS DE SÃO JOÃO MARCOS Com o objetivo de incentivar a produção literária fluminense o Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos, em Parceria com a Editora Cidade

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

ENCICLOPÉDIA VERBO LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA EDIÇÃO SÉCULO XXI

ENCICLOPÉDIA VERBO LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA EDIÇÃO SÉCULO XXI ENCICLOPÉDIA VERBO LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA EDIÇÃO SÉCULO XXI A Enciclopédia VERBO, Edição Século XXI constitui o mais formidável conjunto organizado de conhecimentos, culturais, científicos e outros,

Leia mais

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira.

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. INCENTIVO À CULTURA Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. Por isso criamos o projeto MPB pela MPE. Ao

Leia mais

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG).

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola Castro SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). Resumo O Presente artigo trata da autora Maria Ceres Pimenta Spínola

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

1 - Nome da Instituição: Hospital Frei Antônio ou Hospital dos Lázaros

1 - Nome da Instituição: Hospital Frei Antônio ou Hospital dos Lázaros PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS 1 - Nome da Instituição: Hospital Frei Antônio ou Hospital dos Lázaros 2 - Histórico: A igreja de Nossa Senhora da Candelária, monumento de arte religiosa

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

A cidade dos espíritos

A cidade dos espíritos Home» Revistas» Edição 2170 / 23 de junho de 2010 Comportamento A cidade dos espíritos Uberaba tem mais centros kardecistas do que igrejas católicas. Eles atraem multidões de visitantes em busca da comunicação

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Seleção. Conheça a Comissão:

Seleção. Conheça a Comissão: O Edital de Patrimônio Cultural, Arquitetura e Urbanismo apoia propostas culturais nas áreas de Patrimônio Cultural (material e imaterial), Sítios Arqueológicos e Arquitetura e Urbanismo que tenham como

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas Aviso n.º 6326/2003 (2.ª série). O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas faz publicar por círculos

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

Patrimônios na BR-135

Patrimônios na BR-135 Patrimônios na BR-135 Conhecer para preservar e valorizar nossas riquezas! Gestão Ambiental da nova BR-135 2 Patrimônios Cartilha de Educação Ambiental Tema: Patrimônios na BR-135 Ano III, número 1, I

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 PRESIDÊNCIA: DR. FRANCISCO RODRIGUES DE ARAÚJO VEREADORES PRESENTES: DR. JOÃO MANUEL DO AMARAL ESTEVES

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

1ª CONVOCATÓRIA 1 - APRESENTAÇÃO

1ª CONVOCATÓRIA 1 - APRESENTAÇÃO 1ª CONVOCATÓRIA 1 - APRESENTAÇÃO O evento DIÁLOGOS DE CONHECIMENTOS EM AGROECOLOGIA reunirá a um só tempo e no mesmo espaço três iniciativas convergentes que vêm contribuindo para o fortalecimento do campo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Damaris I. SILVA 2 Anelice BELMONTE 3 Marcia Gabrielle Guimarães LOPES 4 Marcela Guimarães

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CONTRIBUIÇÕES DE IGNACY SACHS

DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CONTRIBUIÇÕES DE IGNACY SACHS DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CONTRIBUIÇÕES DE IGNACY SACHS Conselho Editorial Bertha K. Becker (in memoriam) Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs Jurandir Freire Costa Ladislau

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

Alfredo de Almeida Russell

Alfredo de Almeida Russell Diretoria-Geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento Acervo do Museu da Justiça Alfredo de Almeida Russell Natural da cidade do Rio de Janeiro, nasceu em 3 de agosto de 1875. Estudou no Colégio

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO VEÍCULO: NATAL NOTÍCIAS DATA: 02.12.15 01 Dez 2015 Presidente Marcelo Queiroz participa da 17ª Convenção do Comércio e Serviços

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

turismo industrial AGENDAMarinhaGrande GUIA CULTURAL APRESENTAÇÃO OFICIAL Circuitos Industriais Marinha Grande

turismo industrial AGENDAMarinhaGrande GUIA CULTURAL APRESENTAÇÃO OFICIAL Circuitos Industriais Marinha Grande 11.MARÇO.2013 25 anos da elevação a cidade APRESENTAÇÃO OFICIAL Circuitos Industriais Marinha Grande turismo industrial Marinha Grande www.cm-mgrande.pt MARÇO 2013 AGENDAMarinhaGrande GUIA CULTURAL DESTAQUE

Leia mais

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho 19 de novembro Hino à Bandeira Música de Francisco Braga Letra de Olavo Bilac Apresentado pela primeira vez em 15 de agosto de 1906 (Extraído do livro Bandeira

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Realizações e projetos do Estado

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

IATE CLUBE PETROLINA IATE: ANO 10

IATE CLUBE PETROLINA IATE: ANO 10 IATE CLUBE PETROLINA IATE: ANO 10 Corria o ano de 1966 e um grupo de freqüentadores mais assíduos da chácara de Dr. Balbino Oliveira, em Juazeiro próximo a Faculdade de Agronomia, se reuniam a beira de

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site

DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site Editora Zahar Veículo: Sites Data: 27/06/2014 Tópico: Institucional Página: 00:00:00 Editoria: Saraiva Conteúdo 1 / 1 DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site

Leia mais

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha Resenha VENANCIO, Giselle Martins. Pontes sobre o Atlântico: ensaios sobre relações intelectuais e editoriais luso-brasileiras (1870-1930). Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2012. Mariana Rodrigues Tavares

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

COLOC A Ç ÕES DOS NOSSOS ALUNOS NA 1ª FAS E

COLOC A Ç ÕES DOS NOSSOS ALUNOS NA 1ª FAS E Alexandre Garcia Franco Ana Filipa dos Anjos Soares Ana Filipa Martins Antunes Ana Rita Fragoso Jordão André Daniel Andrade Nunes dos Santos Beatriz Alexandra da Silva Oliveira Beatriz Henriques Xavier

Leia mais

COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO. As Músicas Luso-Brasileiras no Final do Antigo Regime. Repertórios, Práticas e Representações

COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO. As Músicas Luso-Brasileiras no Final do Antigo Regime. Repertórios, Práticas e Representações 1 COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO As Músicas Luso-Brasileiras no Final do Antigo Regime. Repertórios, Práticas e Representações Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-9 de Junho de 2008 Organização: Serviço

Leia mais

Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata. A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José!

Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata. A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José! JORNAL do Edição Nº 13 De 1º a 30 de SETEMBRO de 2012 Educandário São José Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José!

Leia mais

Breve histórico das literaturas africanas de língua portuguesa na PUC Minas. Maria Nazareth Soares Fonseca *

Breve histórico das literaturas africanas de língua portuguesa na PUC Minas. Maria Nazareth Soares Fonseca * Breve histórico das literaturas africanas de língua portuguesa na PUC Minas Maria Nazareth Soares Fonseca * Até o final da década de 1980, o ensino das literaturas africanas de língua portuguesa se fazia,

Leia mais

Programas e Projetos Culturais

Programas e Projetos Culturais Programas e Projetos Culturais A Diret etoria de Assuntos Culturais tem como mis- são principal preserv eservar as tradições, a memória e os va- lores culturais e históricos do Exércit cito. Consubstanciados

Leia mais

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO ANL 2012

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO ANL 2012 JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO ANL 2012 Com a presença de mais de 100 executivos e profissionais do segmento do livro, aconteceu na capital paulista no último dia 04 de dezembro, o Jantar de Confraternização

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais