O DIREITO DE IR E VIR ACESSIBILIDADE DOS ESPAÇOS DE CIRCULAÇÃO DO CENTRO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DIREITO DE IR E VIR ACESSIBILIDADE DOS ESPAÇOS DE CIRCULAÇÃO DO CENTRO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 O DIREITO DE IR E VIR ACESSIBILIDADE DOS ESPAÇOS DE CIRCULAÇÃO DO CENTRO DE SÃO PAULO Simone Helena Tanoue Vizioli 1 Patricia Tanoue Peres 2 RESUMO Existem no mundo 600 milhões de pessoas com algum tipo de limitação de mobilidade, das quais 25 milhões estão no Brasil. A acessibilidade adequada e a preocupação com o desenho universal devem promover a integração social do portador de deficiência. O objeto deste trabalho são as vias públicas de circulação de pedestres do Centro de São Paulo e o acesso aos principais meios de transportes coletivos ônibus e metrô - pelo usuário cadeirante. As calçadas devem exercer sua função de circulação com conforto e segurança. Ao limitar ou excluir determinados usuários destes espaços, está se descumprindo parte da função social da cidade o direito de ir e vir de qualquer cidadão. A Associação Nacional de Transportes Públicos do Brasil vem buscando melhorar as condições de acessibilidade no Sistema de Transportes Públicos e nas vias de pedestres. Esta pesquisa tem como objetivo avaliar as condições de acessibilidade não apenas sob o aspecto técnico, mas principalmente sob o aspecto comportamental. Para tanto, este trabalho utiliza como metodologia a Avaliação Pós- Ocupação, que envolve os aspectos psicológicos, necessidades, atitudes, objetivos e percepções humanas. A APO é uma das metodologias de avaliação de desempenho de ambientes construídos, eue além de resgatar como subsídios de análise a memória da produção do edifício, prioriza aspectos de uso, operação e manutenção, considerando essencial o ponto de vista dos usuários. Este trabalho apresenta a acessibilidade dos espaços públicos de circulação pelo resultado da aplicação de um questionário piloto em um grupo de 55 pessoas, 31 cadeirantes de 34 não cadeirantes. Circular com segurança e conforto é um direito básico do ser humano. PALAVRAS-CHAVE: Acessibilidade. Cadeirante. Cidade de São Paulo. Avaliação Pós- Ocupação. 1 Profa Msc, Universidade Presbiteriana Mackenzie. 2 Chefe do Departamento de Reabilitação Infantil do Setor de Reabilitação da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

2 186 INTRODUÇÃO A acessibilidade inadequada e a pouca preocupação com o desenho universal dos espaços públicos abertos de São Paulo, dificultam a integração social do cidadão cadeirante. Além de suas funções de uso, como por exemplo circulação e lazer, os espaços públicos possuem caráter de convívio social e ao limitar ou excluir determinados usuários destes espaços, a cidade passa a não cumprir sua função social. Neste âmbito, cabe ressaltar que acessibilidade é a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos [1]; e Desenho Universal é a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão possível [2]. Os princípios básicos do Desenho Universal envolvem desde questões técnicas e de design até questões comportamentais: acomodar grande gama antropométrica, ou seja, pessoas de diversos padrões ou em diferentes situações (altos, baixos, em pé, sentados, etc); reduzir a energia necessária para utilizar produtos e ambiente; tornar os ambientes e os produtos mais compreensíveis (sinalização, cores, etc) e inter-relacionar produto e ambiente, concebendo-os como um sistema. A performance de uma atividade depende da interação entre o usuário e o ambiente. A integração entre as necessidades do usuário com o programa tradicional de arquitetura e design passa a ter um papel importante na concepção e adaptação para se alcançar o desenho universal. De acordo com Jacobs (2000), as calçadas, os usos que as limitam e seus usuários são protagonistas ativos do drama urbano da civilização versus a barbárie. Manter a segurança urbana é uma função fundamental das ruas das cidades e suas calçadas. A confiança na rua forma-se com o tempo, a partir de inúmeros pequenos contatos públicos nas calçadas. O contato público e a segurança nas ruas, juntos, têm relação direta com o problema social da segregação e da discriminação racial. Aparentemente despretenciosos, despropositados e aleatórios, os contatos nas ruas constituem a pequena mudança a partir da qual pode florescer a vida pública exuberante da cidade.

3 187 O espaço público pode unir ou segregar, e para que ele cumpra sua função social, é necessário que ele propicie tanto a integração social de vários grupos ou comunidades, como também, a acessibilidade a todos. Uma calçada viva tem uso contínuo, pela diversidade física funcional de usos adjacentes e pela conseqüente diversidade de usuários e seus horários. O sistema de espaços livres urbanos pode ser dividido em: a) vias públicas circulação de pedestres e/ou veículos calçadas e ruas; b) espaços livres públicos de lazer e recreação funções culturais, recreativas, contemplativas, de lazer, de repouso e amenização das áreas urbanas praças e parques urbanos; c) espaços livres (públicos ou privados) - conservação e preservação ambiental parques e reservas e d) espaços livres privados jardins, quintais, recuos, terrenos baldios, estacionamentos, parques privados ( MENNECH, 2002). O pedestre vem tendo o seu direito de ir e vir paulatinamente cerceado em favor dos outros atores do sistema de tráfego e do ambiente urbano. Segundo documento editado pela Associação Nacional de Transportes Públicos [5], o pedestre no Brasil, não tem recebido o tratamento adequado as suas necessidades de caminhar, com conforto e segurança. A engenharia de tráfego dispõe de tecnologia e de instrumentos adequados para resolver problemas de fluidez e segurança veicular e priorizar o transporte coletivo sem, contudo, dedicar a devida atenção aos deslocamentos a pé. O principal objetivo desta pesquisa foi a análise do espaço público de circulação de pedestres do Centro de São Paulo sob a ótica, tanto do pedestre, como principalmente do usuário de cadeira de rodas. De todo o sistema de circulação de pedestre, a pesquisa teve como foco a calçada, o calçadão (rua de pedestre) e os caminhos de circulação das praças. A metodologia consistiu em pesquisar leis, normas, bibliografias referentes ao tema, para então iniciar uma pesquisa de campo baseada nas técnicas da Avaliação Pós-Ocupação (APO). Dentre as técnicas utilizadas, pode-se citar: a) walkthrough, que consiste em um reconhecimento prévio pelo pesquisador, para se detectar as principais características físicas relevantes para o trabalho; b) aplicação de questionário aos usuários do espaço urbano, para que fosse feita uma avaliação qualitativa do uso daquele espaço; c) registro fotográfico, e) mapeamento das guias rebaixadas.

4 188 As pesquisas avaliativas, no campo das ciências sociais, têm como objetivos coletar, analisar e interpretar sistematicamente informações a respeito da implementação e eficiência de quaisquer intervenções humanas, para otimizar as condições sociais e comunitárias. A Avaliação Pós-Ocupação configura-se como um mecanismo eficiente de realimentação de projetos semelhantes e de controle de qualidade global do ambiente construído. Pelo Censo 2000, o número de pessoas portadoras de necessidades especiais em São Paulo chega a 1 milhão. Em todo o Brasil são 24,5 milhões, que representam 14,5% da população. [6]. As tipologias de deficientes pode ser caracterizada na Tabela 1. Tabela 1 Porcentagens de pessoas com algum tipo de deficiência ou dificuldade População total do Brasil Com alguma deficiência Deficiência mental Tetraplegia/ paraplegia/ hemiplegia Falta de algum membro Com dificuldade de visão Com dificuldade de audição Dificuldade de locomoção Fonte: Censo, 2000 [6]. Em 2003, foi realizada uma pesquisa desenvolvida pela Associação Nacional de Transporte Público, que permitiu a estimativa de valores médios amostrais para os custos associados a acidentes de trânsito com pedestres e ciclistas, sem envolvimento de veículos motorizados. Os custos referem-se apenas a custos hospitalares, de tratamento e resgate. Ver Tabela 2. Tabela 2 Queda de pedestres e ciclistas na aglomeração urbana de São Paulo Discriminação Valor Domicílios visitados 354 Moradores entrevistados Queda de pedestres e ciclistas por grupo de pessoas 11,2 Custo médio por acidentado (em R$ de abril/2003) 2.656,00 Fonte: ANTP, 2003 [5]

5 189 O sistema de circulação de pedestres é utilizado por vários tipos de pessoas, dentre elas, pessoas com dificuldades de locomoção: pessoas dependentes de cadeira de rodas, de muletas, portadoras de deficiência temporária ou permanente, pessoas idosas, gestantes, obesos, pessoas de baixa estatura, entre outras. RECORTE ESPACIAL DISTRITO DA SÉ E REPÚBLICA A área central do Município de São Paulo é formada por 10 distritos: Sé, República, Bom Retiro, Santa Cecília, Consolação,Bela Vista, Liberdade e Cambuci, Brás e Pari. O centro de São Paulo é formado por 2 distritos: Sé e República. O cotidiano do centro é intenso e contraditório, sua população flutuante é muito maior que sua população residente; nota-se duas tipologias de usos, a formalidade dos serviços versus a informalidade das ruas (ver Figura 1). É notória a presença dos serviços básicos do Estado no território, porém, a ausência do Estado na proteção dos moradores, ocasionando o abandono do centro. Estes fatos são agravados pela insegurança e violência existentes na área. Na Figura 2 é apresentado um exemplo de barreira arquitetônica falta de rebaixamento de guia. Figura 1: Rua Veridiana: calçada ocupada por ambulante em frente ao Hospital Santa Casa de Misericórdia de SP. Foto: SHTV/2003 Figura 2: percurso do Hospital à Estação do Metrô Santa Cecília sem rebaixamento junto à faixa de travessia de pedestre. Foto: SHTV/2003 Dados sobre o Distrito Sé e República: área total : 4,4 km habitantes (0,7% da população do município) 50% da população residente em idade economicamente ativa 65% da população possui renda até 10 salários mínimos

6 190 17% da população acima de 40 anos 30% da população em situação de rua da cidade ( pessoas) Destino de 29% do transporte coletivo do Município Circulação flutuante de 2 milhões de pessoas / dia 8% dos empregos formais do Município 57 edifícios públicos e 910 edifícios tombados Fonte: PMSP [7] WALKTHROUGH RECONHECIMENTO FÍSICO DA ÁREA DE ESTUDO Durante o percurso pela área de estudo, pôde-se destacar que as condições dos pisos das calçadas e calçadões é péssimo em alguns casos, como ilustrado nas Figuras 4 e 5. Figura 3: Bueiro em péssimo estado de conservação. Foto: SHTV/2004 Figura 4: Praça da Sé, placas de granito soltas. Foto: SHTV/2004 Em alguns casos, pôde-se verificar que houve uma iniciativa de eliminar a barreira do desnível, construindo-se guias rebaixadas; porém, como é observado nas Figuras 6 e 7, não basta executar o rebaixamento se a interface entre este rebaixamento e a rua é um obstáculo ainda maior, seja por poças de água acumuladas pelo inadequado escoamento, seja pelo piso esburacado da sarjeta.

7 191 Figura 5: Rebaixamento de guia sem continuidade com a rua Foto: SHTV/2004 Figura 6: Rebaixamento de guia segundo as normas e rua esburacada. Foto: SHTV/2004 Os tipos de calçadas existentes no Centro de São Paulo são: cimentado, cerâmica, granito, ladrilho hidráulico, misto (placa de concreto e granito), misto (mosaico português e granito), mosaico português, pastilhas e paralelepípedo. Foram percorridas 128 vias de pedestres (ruas, avenidas e viadutos), para além do cadastro do tipo de piso, avaliar o estado de conservação de cada um. A avaliação foi feita para os dois lados do leito carroçável, perfazendo um total de 256 calçadas. Das 128 ruas, 11,7% possuem calçadas em bom estado de conservação em toda a sua extensão, tendo sido o restante classificado em regular e péssimo, necessitando intervenções e adaptações. AVALIAÇÃO COMPORTAMENTAL DO SISTEMA DE CIRCULAÇÃO DE PEDESTRES Pensar em acessibilidade e Desenho Universal é preciso compreender que nem todos são iguais. A Tabela 3 mostra os números de portadores de algum tipo de deficiência. Segundo o Censo de 2000, para o Estado de São Paulo (não existem dados no Censo de 2000 para a categoria de deficientes por Município), foram entrevistadas pessoas, das quais, eram homens e mulheres. Deste universo, são tetraplégicos, paraplégicos ou hemiplégicos. Dos portadores destas deficiências, 55,53% são homens e 44,47% são mulheres. Durante os meses de setembro, outubro e novembro de 2003 foram aplicados questionários pilotos aos transeuntes (cadeirantes e não cadeirantes) na Região da Sé e República. Participaram da pesquisa, quatro estagiárias do Setor de Terapia Ocupacional da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, uma vez que a aplicação do questionário para cadeirantes

8 192 deveria ocorrer de forma natural e estas profissionais por lidarem diariamente com este público, tornaram a abordagem aos cadeirantes uma atividade espontânea. Foram aplicados 55 questionários sendo que destes, 21 eram cadeirantes e 34 não cadeirantes. Os questionários pilotos eram divididos por tipologia de espaço de circulação: calçada, calçadão e passagem em praças e serviram para corrigir o que seria o questionário final. O questionário final foi unificado e aplicado durante os meses de abril a novembro de 2004, na mesma área de estudo, pelas mesmas estagiárias, que já haviam recebido treinamento para a aplicação do questionário. Foram aplicados 159 questionários, sendo 73 cadeirantes e 86 pedestres. Os resultados dos questionários aplicados no Centro do Município de São Paulo revelam que dos cadeirantes, apenas 21,9% são mulheres enquanto dos não cadeirantes, 51,8% são mulheres. Comparando-se esta informação com o Censo de 2000, onde não existe uma diferença significativa entre deficientes do sexo feminino e do sexo masculino, constata-se que no Centro de São Paulo, existe uma anormalidade, isto é, por razões adversas as mulheres cadeirantes não circulam no Centro de São Paulo. Ver Figura % 80% 60% 51,8% 78,1% 48,2% Wheelchairs users 40% 20% 21,9% on wheelchairs users 0% women men Figura 7: perfil dos cadeirantes e não cadeirantes quanto ao sexo De acordo com o perfil obtido, constatou-se que os cadeirantes que circulam no Centro de São Paulo pertencem a uma faixa sócio-econômica inferior a dos não cadeirantes. Ver Figura 8. De acordo com os resultados dos questionários, tanto os cadeirantes como os não cadeirantes consideram os buracos e desníveis os principais obstáculos no espaço de circulação. Figura 9.

9 % 80% 60% 40% 20% 72,6% 37,2% 30,2% 17,8% 9,6% 24,4% Wheelchairs users Non wheelchairs users 8,2% 0% 0 to 3 3,1 to 5 5,1 to 10 > 10 Minimun Reference Salary Figura 8: renda familiar mensal 100% 80% 60% 40% 20% 0% 20,9% 8,2% 2,3% 0,0% 0,0% ambulantes equipamentos públicos árvores e canteiros 1,1% 80,8% 58,1% buracos e desníveis Minimun Reference Salary Wheelchairs users Non wheelchairs users 11,0% 9,3% outros Figura 9: principal obstáculo nas calçadas PRINCIPAIS LEIS E NORMAS As principais normas e leis que tratam da acessibilidade no Brasil são: a NBR 9050/94 ABNT, o Código de Obras e Edificações [8], Rebaixamento de calçadas/ guias: Lei nº 9.803/84, Lei nº /96, Decreto /97 (regulamenta a Lei /96); Norma para execução de rebaixamento de calçada (CET/ CPA). Em 1996, foi criada, na capital paulista, a Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, diretamente subordinada à Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Urbano Sehab. A CPA tem como objetivo principal proporcionar condições de acesso das pessoas portadoras de

10 194 deficiência, ou com mobilidade reduzida, aos prédios públicos e privados, vias e espaços públicos, transportes e mobiliário urbano. Seu trabalho consiste em eliminar as barreiras arquitetônicas por meio do Desenho Universal e assegurar, assim, a inclusão social. Decreto nº de 1988, regula a Lei /88 no seu artigo 17 - os responsáveis por imóveis, edificados ou não, lindeiros a vias e logradouros públicos dotados de guias e sarjetas, são obrigados a construir os respectivos passeios na extensão correspondente de sua testada ; art 18 os passeios deverão ser mantidos em perfeito estado de conservação, para que os pedestres que nele transitem com segurança, resguardados, também seus aspectos estéticos ou harmônicos ; art 23 os passeios deverão ser contínuos, sem mudanças abruptas de nível ou inclinações que dificultem o trânsito seguro dos pedestres, observados, quando possível, os níveis imediatos dos passeios vizinhos já executados. PROPOSTAS DE AÇÃO No ano de 2004, em São Paulo, muitas foram as obras de revitalização dos espaços urbanos, dentre elas pode-se citar as adjacência do Teatro Municipal que teve seu calçamento todo refeito e as guias rebaixadas abrangem grande extensão, além das travessias não contarem com os desníveis das ilhas. Figura 12. Outro exemplo de adaptação, foi o da Rua João Cachoeira, uma parceria entre empresas privadas e públicas, (Prefeitura Municipal, Associação Brasileira de Cimento Portland e os comerciantes do bairro): alteração do piso das calçadas e aplicação de rebaixamento de guia pré-moldado. Figura 12: Travessia em nível em frente ao Teatro Municipal. Foto: SHTV/2005 Figura 13: R. João Cachoeira. Projeto piloto de calçadas pré-moldadas. Foto: SHTV/2005 Apesar do Decreto nº /88 (BLOCH e BOTELHO, 1999) ser claro quanto às responsabilidades do proprietário do lote em relação à calçada, a falta de manutenção dos

11 195 pisos e os desníveis foram apontados como maiores obstáculos aos transeuntes, seja ele de cadeira de rodas ou não. Uma ação neste sentido poderia ser pensada em se alterar a responsabilidade pelo calçamento, passaria a ser do Município, o que resultaria em pisos contínuos, projetados, como pôde ser observado nos projetos de remodelação do Centro de São Paulo. Outra possibilidade seria a fiscalização efetiva do cumprimento da lei. Ferreira (2004) ressalta muito bem uma das falhas da norma brasileira: o conceito de acessibilidade sem discriminação, fundamentado na NBR9050 ABNT, fica restrito ao interior ou área útil das casas ou imóveis; pouco fala sobre acessibilidade e comunicação com ambientes ou áreas externas das casas ou imóveis e esquece totalmente das calçadas. fazendo parte do sistema, a calçada deve permitir a entrada a todos os ambientes do imóvel. É preciso rever as normas e fiscalizar a execução das obras de acessibilidade, pois os questionários mostram que não é a falta de rebaixamento de guias o que mais desfavorece o cadeirante, mas sim, a execução mal feita, que acaba sendo computada como acessível um espaço que não o é. CONCLUSÃO Em relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas, o Brasil é apresentado como país com legislação mais avançada das Américas para pessoas com deficiências, seguido pelos Estados Unidos e pelo Canadá. Entretanto existe uma grande distância entre a legislação e o dia-a-dia dos portadores de deficiências. Por outro lado, a falta de tradição no tratamento das questões de circulação de pedestres, é uma das razões da situação atual, pois é dada pouca importância ao assunto. Segundo ANTP [5], é preciso ter claro que projetar um sistema para o pedestre não significa apenas, oferecerlhe esquemas que lhe proporcionem uma caminhada segura. Deve-se considerar também, seu conforto quanto à qualidade do caminhar e em termos de dispêndio de tempo e energia requeridos para o uso das facilidades propostas. Tratar o deslocamento à pé, e incluir os cadeirantes, deve ser visto não só como um problema de segurança de tráfego, mas também uma questão de bem-estar, saúde e qualidade de vida.

12 196 É necessária uma política de calçadas públicas em que a iluminação, a orientação e as condições de acessibilidade aos portadores de deficiência sejam garantidas com recursos do poder público.

13 197 REFERÊNCIAS [1] ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE NORMAS TÉCNICAS. Fórum Nacional de Normalização. Acessibilidade de Pessoas Portadoras de Deficiências a Edificações, Espaço, Mobiliário e Equipamentos Urbanos. Rio de Janeiro: Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo, [2] (acessado em 07/09/2004) [3] JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, [4] MENNEH, Marcia Halluli. O sistema de espaços livres públicos da cidade de São Paulo. Tese de Doutorado. FAUUSP: São Paulo: [5] ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTE PÚBLICO. Mobilidade e Cidadania. São Paulo: [6] (acessado em 15/01/2005) [7] Prefeitura Municipal de São Paulo _ PMSP. Diagnóstico e ações do Programa de Reabilitação do Centro de São Paulo, [8] BLOCH, L. e BOTELHO, M.H.C. Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo: comentado e criticado. São Paulo: PINI, [9] FERREIRA, Daniel. Áreas externas também precisam de acessibilidade in Revista CREA. SP: nº 13, ano IV, jan/fev 2004.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo?

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo? Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: A Integração do Portador de Deficiência Física Qual o papel do Governo? Evolução das Terminologias Portador de Deficiência Física??? NÃO... Pessoa com

Leia mais

Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas

Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas Cenário 20% das ruas não possui pavimentação 46% das casas no país não têm calçadas no entorno e, quando têm, falta acessibilidade 4,7% apresenta rampas

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA LEI Nº 5.477 Regulamenta a Lei nº 1.674/77 e a Lei nº 5.406/13, nos aspectos que definem a reforma e a construção dos passeios dos logradouros públicos municipais, através do projeto denominado Calçada

Leia mais

ADAPTAÇÃO PARA A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS DE UVARANAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

ADAPTAÇÃO PARA A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS DE UVARANAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ADAPTAÇÃO

Leia mais

VEREADOR POLICE NETO VSB / Adelino Ozores 31/07/2013

VEREADOR POLICE NETO VSB / Adelino Ozores 31/07/2013 2013 VEREADOR POLICE NETO VSB / Adelino Ozores 31/07/2013 Plano de Acessibilidade Plano de Acessibilidade Plano de Bairros INTRODUÇÃO Vivemos em uma cidade construída por pessoas e para pessoas, onde os

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política de Mobilidade Urbana

Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política de Mobilidade Urbana Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal 1

Acessibilidade e Desenho Universal 1 Acessibilidade e Desenho Universal 1 Adriana Romeiro de Almeida Prado 2 É papel do planejador intervir nos espaços para criação de ambientes que desafiam e para eliminação dos ambientes que intimidam.

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PROGRAMA CALÇADA SEGURA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

INICIATIVAS INSPIRADORAS MOBILIDADE PROGRAMA CALÇADA SEGURA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP MOBILIDADE INICIATIVAS INSPIRADORAS PROGRAMA CALÇADA SEGURA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE AS 7 ETAPAS PARA UMA CIDADE MAIS ACESSÍVEL LEGISLAÇÃO PARCERIAS FORMAÇÃO AÇÃO EDUCATIVA

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa 1 Curso: Construção de Edifícios Equipe: Professor coordenador: EULER SOARES FRANCO Alunos: Camila Silva Romoaldo Liege Farias Tailine Mendes Martins Dutra ESTUDO DA ACESSIBILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

ACESSIBILIDADE NAS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS: INDIVÍDUOS COM DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTE

ACESSIBILIDADE NAS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS: INDIVÍDUOS COM DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTE PALAVRAS-CHAVE Acessibilidade; Inclusão social; Legislação CONEXÃO ACESSIBILIDADE NAS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS: INDIVÍDUOS COM DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTE Elisângela

Leia mais

Avaliação das condições de deslocamento dos pedestres

Avaliação das condições de deslocamento dos pedestres Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil Engenharia de Tráfego Urbano Prof. João Cucci Neto Avaliação das condições de deslocamento dos pedestres Compilação

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL PARA INSTALAÇÃO DE PARACICLOS NA CIDADE DE SÃO PAULO. Paraciclos

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL PARA INSTALAÇÃO DE PARACICLOS NA CIDADE DE SÃO PAULO. Paraciclos Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL PARA INSTALAÇÃO DE PARACICLOS NA CIDADE DE SÃO PAULO Paraciclos Departamento de Planejamento, Estudos e Projetos Cicloviários - DCL Maio-2015 INTRODUÇÃO Este manual,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra¹ 1) Prefeitura do Município de Londrina; Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Acessibilidade Viviane Fernandes Lima Manaus, 28 de junho de 2012. 1. DADOS E CONCEITOS 2. INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS Acessibilidade, responsabilidade de todos Conquista consciente, com responsabilidade O QUE É ACESSIBILIDADE? Acessibilidade, responsabilidade de todos Todos temos

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Como garantir uma cidade mais acessível

Como garantir uma cidade mais acessível Como garantir uma cidade mais acessível Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado mestre em gerontologia e especialista em acessibilidade técnica da Coordenadoria de Gestão de Políticas Públicas Cogepp 25

Leia mais

ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES: RUAS E CALÇADAS DE MONTES CLAROS/MG. Palavras Chave: Mobilidade; Acessibilidade; Deficiência física; Calçadas; Ruas.

ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES: RUAS E CALÇADAS DE MONTES CLAROS/MG. Palavras Chave: Mobilidade; Acessibilidade; Deficiência física; Calçadas; Ruas. Acessibilidade para cadeirantes: ruas e calçadas de Montes Claros/MG 129 ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES: RUAS E CALÇADAS DE MONTES CLAROS/MG Admilson Eustáquio Prates 1 Carlos Eduardo Vieira 2 Danyllo

Leia mais

Conserve a sua calçada. O respeito ao outro começa na porta da sua casa.

Conserve a sua calçada. O respeito ao outro começa na porta da sua casa. C A R T I L H A D A Conserve a sua calçada. O respeito ao outro começa na porta da sua casa. Apresentação Olá, amigos. O direito de ir e vir começa na porta da nossa casa, na calçada. Por isso, os passeios

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

DO DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA A ACESSIBILIDADE AOS PRÉDIOS URBANOS

DO DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA A ACESSIBILIDADE AOS PRÉDIOS URBANOS DO DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA A ACESSIBILIDADE AOS PRÉDIOS URBANOS RICARDO DINIZ B. LIMA 1 FAPI FACULDADES DE PINHAIS PINHAIS-PR EVANIZE ROSANA SALOMÃO 2 FAPI FACULDADES DE PINHAIS

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

Produto 2: O Sistema Viário Estrutural: Análise e Diagnóstico decorrentes das Visitas de Campo

Produto 2: O Sistema Viário Estrutural: Análise e Diagnóstico decorrentes das Visitas de Campo Produto 2: O Sistema Viário Estrutural: Análise e Diagnóstico decorrentes das Visitas de Campo DA CARACTERIZAÇÃO INICIAL A cidade de Socorro foi colonizada no início de 1738, fundada em 09 de agosto de

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE MANUAL DE ACESSIBILIDADE INSTITUTO DE PLANEJAMENTO URBANO DE FLORIANÓPOLIS Equipe Técnica: Engenheira Luiza Regina dos Santos Medeiros Engenheiro Keedson Sousa dos Santos Técnico Baiard Tadeu Frediani

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 8.068, DE 28 DE MAIO DE 2001 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, no Município de Belém,

Leia mais

Guia Prático para a Construção de Calçadas

Guia Prático para a Construção de Calçadas Guia Prático para a Construção de Calçadas Sumário Apresentação... 05 O que é uma calçada ideal?... 07 Desenho na calçada... 09 Rebaixamento das calçadas... 11 Inclinação transversal... 13 Sinalização

Leia mais

Sumário. Apresentação 05. O que é uma calçada ideal? 07. Desenho na calçada 09. Rebaixamento das calçadas 11. Inclinação transversal 13

Sumário. Apresentação 05. O que é uma calçada ideal? 07. Desenho na calçada 09. Rebaixamento das calçadas 11. Inclinação transversal 13 1 Sumário Apresentação 05 O que é uma calçada ideal? 07 Desenho na calçada 09 Rebaixamento das calçadas 11 Inclinação transversal 13 Sistemas adequados para a construcão de calçadas 16 Calçadas verdes

Leia mais

EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES/MG

EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES/MG Página 1 EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES/MG O MINISTÉRIO PÚBLICO, no estrito cumprimento de suas atribuições de Defesa dos Direitos das Pessoas Portadoras de

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos.

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos. Medidas Mitigatórias para Polos Geradores de Tráfego. Rovana Reale; Júlio Cezar Miranda; Isabel Cristina Guimarães Haifuch; Lúcia de Borba Maciel EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação (Porto

Leia mais

Dicas para manutenção e construção de passeios públicos SECRETARIA DE OBRAS E VIAÇÃO

Dicas para manutenção e construção de passeios públicos SECRETARIA DE OBRAS E VIAÇÃO Dicas para manutenção e construção de passeios públicos SECRETARIA DE OBRAS E VIAÇÃO E ste manual foi editado pela Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov), por meio do projeto Minha Calçada: Eu curto.

Leia mais

IMUS ÍNDICE DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

IMUS ÍNDICE DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL IMUS ÍNDICE DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL Guia de Indicadores SUMÁRIO DOMÍNIO ACESSIBILIDADE... 6 Acessibilidade ao transporte público... 7 Transporte público para pessoas com necessidades especiais...12

Leia mais

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Débora Machado Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Avaliando as questões de transformação da sociedade, o texto

Leia mais

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL GERÊNCIA DE OPERAÇÕES VIÁRIAS TRANSERP Planejamento Viário SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL Eng. José Antônio S. Gonçalves 2006 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO SP. PLANEJAMENTO

Leia mais

EXECUÇÃO DE OBRA NA VIA PÚBLICA PASSEIO PÚBLICO

EXECUÇÃO DE OBRA NA VIA PÚBLICA PASSEIO PÚBLICO SUBPREFEITURA CAPELA do SOCORRO SP CS COORDENADORIA de PLANEJAMENTO e DESENVOLVIMENTO URBANO SUPERVISÃO TÉCNICA de USO do SOLO E LICENCIAMENTO EXECUÇÃO DE OBRA NA VIA PÚBLICA PASSEIO PÚBLICO Esta PALESTRA

Leia mais

I Fórum Políticas Públicas do Idoso"

I Fórum Políticas Públicas do Idoso I Fórum Políticas Públicas do Idoso" O idoso no mundo Em 2050, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 30% da população mundial será de idosos; 2 bilhões dos habitantes do planeta terão mais de

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PASSEIOS PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal

Leia mais

2º semestre de 2012. Compilação de trabalhos acadêmicos. Parte 1 de 3

2º semestre de 2012. Compilação de trabalhos acadêmicos. Parte 1 de 3 Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil Engenharia de Tráfego Urbano Prof. João Cucci Neto Compilação de trabalhos acadêmicos 2º semestre de 2012 Parte 1 de

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO

HUMANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO ISSN 1984-9354 HUMANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO José Amaro Barcelos Lima (Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro - SENGERJ) Resumo Com o crescimento desordenado das cidades, vias abarrotadas

Leia mais

Prefeitura faz obras na região do Riacho PREFEITURA ESPECIAL REGIÃO RIACHO

Prefeitura faz obras na região do Riacho PREFEITURA ESPECIAL REGIÃO RIACHO PREFEITURA FAZ INFORMATIVO DA PREFEITURA DE CONTAGEM Nº 1 - Janeiro de 2008 ESPECIAL REGIÃO RIACHO Prefeitura faz obras na região do Riacho A Prefeitura de Contagem prioriza investimentos na região do

Leia mais

Introdução. Esta norma é o resultado do trabalho conjunto do DSV/CET e da Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA.

Introdução. Esta norma é o resultado do trabalho conjunto do DSV/CET e da Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA. Introdução Esta norma é o resultado do trabalho conjunto do DSV/CET e da Comissão Permanente de Acessibilidade - CPA. Contém os critérios para elaboração e execução de projetos de rebaixamento de calçada

Leia mais

ACESSIBILIDADE É MUITO MAIS DO QUE CONSTRUIR UMA RAMPA

ACESSIBILIDADE É MUITO MAIS DO QUE CONSTRUIR UMA RAMPA ACESSIBILIDADE É MUITO MAIS DO QUE CONSTRUIR UMA RAMPA Mara Gabrilli Índice Mini currículo dos autores RESUMO Divulgar o Desenho Universal - um conceito que tem por objetivo definir produtos e ambientes

Leia mais

Superintendência de Planejamento e Gestão Territorial (SGT)

Superintendência de Planejamento e Gestão Territorial (SGT) Superintendência de Planejamento e Gestão Territorial (SGT) SEMINÁRIO CONFEA/CREA-BA: ACOMPANHAMENTO OBRAS DA COPA 12/04/2011 OBRAS A CARGO DA SEDUR Corredor Estruturante Aeroporto-Acesso Norte, do Sistema

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE MANUAL DE ACESSIBILIDADE Símbolo internacional de acesso Organizadores: -Engª. Luiza Regina Medeiros -Baiard Tadeu Frediani -Alessandro Della Giustina Resolução CONTRAN 236/2007 Conforme Resolução CONTRAN

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 8 Mobilidade e Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

Mobilidade Urbana. Políticas Públicas de Mobilidade Urbana: conquistas e desafios

Mobilidade Urbana. Políticas Públicas de Mobilidade Urbana: conquistas e desafios Mobilidade Urbana Políticas Públicas de Mobilidade Urbana: conquistas e desafios Entende-se mobilidade urbana como a capacidade de deslocamento de pessoas e bens no espaço urbano para a realização das

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA

PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MOBILIDADE NÃO MOTORIZADA PARA O ESTADO DA BAHIA DIURB - Diretoria de Equipamentos e Qualificação Urbanística SUDEN - Superintendência de Desenvolvimento Urbanístico COISP - Coordenação de

Leia mais

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Acessibilidade e a Pessoa com Deficiência M.Sc. Eng.º GILMAR BORGES RABELO - Assessor de Mobilidade Urbana da Superintendência da Pessoa com Deficiência e Mobilidade

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL 1

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL 1 MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL 1 FICHA TÉCNICA COORDENAÇÃO CENTROS DE APOIO OPERACIONAL DA ORDEM URBANÍSTICA E QUESTÕES FUNDIÁRIAS E DOS DIREITOS HUMANOS TEXTOS DÉBORA MENEGAT (PROMOTORA DE JUSTIÇA)

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

Viva Acessibilidade!

Viva Acessibilidade! MARKETING/MP-GO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Procuradoria-Geral de Justiça do Estado de Goiás Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e do Cidadão Viva Acessibilidade! Goiânia 2013 MINISTÉRIO

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Civil Regulamento Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade

Leia mais

WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP

WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP Eixo Temático: Ciências Sociais WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP RESUMO: Carolina Furlan Carcaioli 1 Odaleia Telles M.M. Queiroz 2 O planejamento urbano lida basicamente com

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica

Relatório de Vistoria Técnica Relatório de Vistoria Técnica REFORMA DE IMÓVEL PARA ABRIGAR A SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE IPIAÚ/BA Sede da OAB Rua Senhor do Bomfim, nº83 Centro, Ipiaú/BA Elaborado para: Ordem dos Advogados

Leia mais

Bairro Natal Data: 29/04/2015

Bairro Natal Data: 29/04/2015 Bairro Natal Data: 29/04/2015 Nomes: - Rialdo -Roberto -Heric -William Turma: 101 Descrição: O bairro conhecido como Vila Natal se encontra com muitos problemas graves. Existe acúmulo de lixo em vias públicas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro Proposta de revisão dos Calçadões do Centro Apresentação Durante a campanha eleitoral para a Prefeitura, em 2004, a Associação Viva o Centro apresentou aos candidatos dez propostas para impulsionar o desenvolvimento

Leia mais

CARTILHA CALÇADAS PELOTAS MAIO

CARTILHA CALÇADAS PELOTAS MAIO CARTILHA CALÇADAS PELOTAS MAIO 2014 1 2 Informações desta cartilha Apresentação O que é logradouro e passeio público O responsável pela calçada Diretrizes de acessibilidade urbana Drenagem Urbana Rotas

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Sabe-se que, as mazelas vividas pela sociedade brasileira, têm suas raízes na forma que se deu

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA Nº PROPOSTA 01 02 Inclusão do segmento dos surdos na isenção dos impostos, assim como as demais pessoas com deficiência, quando da aquisição de veículo de transporte de passeio;

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais