Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados"

Transcrição

1 Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Metodologias Ágeis Prof. Rodolfo Miranda de Barros

2 O que é agilidade? Agilidade: Rapidez, desembaraço; Qualidade de quem é veloz; Capacidade de responder rapidamente a mudanças: Mudanças de tecnologias, de equipe, de requisitos... Entregar valor ao cliente quando se lida com imprevisibilidade e dinamismo dos projetos;

3 O que é agilidade? Linha de pensamento revolucionária: Precisamos parar de tentar evitar mudanças; Metodologias ágeis: Filosofia onde muitas metodologias se encaixam; Definem um conjunto de atitudes e não um processo prescritivo.

4 Metodologias ágeis Reação às metodologias tradicionais; Manifesto ágil (2001): Movimento iniciado por programadores experientes e consultores em desenvolvimento de software; Questiona e se opõe a uma série de mitos/práticas adotadas em abordagens tradicionais de Engenharia de Software e Gerência de Projetos.

5 Metodologias ágeis Princípios do Manifesto Ágil: Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas; Software funcionando é mais importante que documentação completa (abrangente); Colaboração do cliente é mais importante que negociação de contratos; Adaptação às mudanças é mais importante que seguir um plano; Isto é, ainda que haja valor nos itens á direita, valorizamos mais os itens à esquerda.

6 Metodologias ágeis Segundo Pressman: A engenharia de software ágil combina uma filosofia e um conjunto de diretrizes de desenvolvimento; A filosofia encoraja a satisfação do cliente e a entrega incremental de software logo no início; Equipes de projetos pequenas e altamente motivadas; Métodos informais; Produtos de trabalho de engenharia de software mínimos e simplicidade global de desenvolvimento; As diretrizes de desenvolvimento enfatizam a entrega em contraposição à análise e ao projeto (apesar destas atividades não serem desencorajadas); Comunicação ativa e contínua entre desenvolvedores e clientes.

7 Princípios da agilidade 1. A mais alta prioridade é a satisfação do cliente, por meio da liberação mais rápida e contínua de software de valor; 2. Receba bem as mudanças de requisitos, mesmo em estágios tardios do desenvolvimento. Processos ágeis devem admitir mudanças que trazem vantagens competitivas para o cliente; 3. Libere software freqüentemente (em intervalos de 2 semanas até meses), dando preferência para uma escala de tempo mais curta; 4. Mantenha pessoas ligadas ao negócio (clientes) e desenvolvedores trabalhando juntos a maior parte do tempo do projeto;

8 Princípios da agilidade 5. Construa projetos com indivíduos motivados, dê a eles o ambiente e suporte que precisam e confie neles para ter o trabalho realizado; 6. O método mais eficiente e efetivo para repassar informação entre uma equipe de desenvolvimento é pela comunicação face-a-face; 7. Software funcionando é a principal medida de progresso de um projeto de software; 8. Processos ágeis promovem desenvolvimento sustentado. Assim, patrocinadores, desenvolvedores e usuários devem ser capazes de manter conversação pacífica indefinidamente;

9 Princípios da agilidade 9. A atenção contínua para a excelência técnica e um bom projeto (design) aprimoram a agilidade; 10. Simplicidade - a arte de maximizar a quantidade de trabalho não feito é essencial, devendo ser assumida em todos os aspectos do projeto; 11. As melhores arquiteturas, requisitos e projetos emergem de equipes auto-organizadas; 12. Em intervalos regulares, as equipes devem refletir sobre como se tornarem mais efetivas, e então refinarem e ajustarem seu comportamento de acordo.

10 Características gerais Procuram minimizar riscos desenvolvendo software em pequenos espaços de tempo (iterações); Cada iteração é como um pequeno projeto: Planejamento, requisitos, projeto, codificação, testes... Propõem o desenvolvimento de software de forma mais rápida, com um grande número de ciclos, mas com qualidade; Objetivo de cada iteração: Produzir componentes de software (incrementos); Arquitetura vai sendo desenhada a partir da refatoração dos componentes;

11 Características gerais Um catalizador efetivo para o feedback do cliente é um protótipo executável ou parte de um sistema operacional ( incrementos de software); Incrementos de software devem ser entregues em curtos períodos de tempo de modo que a adaptação acerte o passo com as modificações (imprevisibilidade); Essa abordagem iterativa habilita o cliente a avaliar o incremento de software regularmente, fornecer feedback necessário à equipe de software e influenciar as adaptações do processo feitas para acomodar o feedback.

12 Características gerais Encorajamento de atitudes reflexivas e contínuo aprendizado; Lições aprendidas: as lições aprendidas de qualquer atividade de solução de problema (inclusive aquelas que resolvem o problema errado) podem ser benéficas para a equipe mais adiante no projeto ou em outros projetos;

13 Características gerais Fatores Humanos: Segundo Cockburn e Highsmith, o desenvolvimento ágil enfoca os talentos e habilidades dos indivíduos moldando o processo a pessoas e equipe específicas ; Auto-organização no contexto de desenvolvimento ágil: 1. A equipe ágil organiza-se para o trabalho a ser feito; 2. A equipe organiza o processo para melhor acomodar seu ambiente local; 3. A equipe organiza o cronograma de trabalho para conseguir melhor entrega do incremento de software; Uma equipe auto-organizada está no controle do trabalho que realiza. A equipe estabelece os seus próprios compromissos e define os planos para cumpri-los;

14 Características gerais Segundo Ken Schwaber: A equipe seleciona quanto trabalho acredita que pode realizar dentro da iteração e a equipe se compromete com o trabalho. Nada desmotiva tanto uma equipe quanto alguém de fora assumir compromissos por ela. Nada motiva tanto uma equipe quanto a aceitação da responsabilidade de cumprir seus compromissos que ela própria estabeleceu.

15 Conclusões Pró-agilidadex Pró-engenharia tradicional segundo HighSmith: Os metodologistas tradicionais são um punhado de bitolados que preferem produzir documentação perfeita a um sistema funcionando que satisfaça às necessidades do negócios. ; Os metodologistas levianos, quer dizer, ágeis, são um punhado de gloriosos hackers que terão uma grande surpresa quando tiverem de ampliar seus brinquedos para chegar a um software que abranja toda a empresa. ;

16 Conclusões Não fique limitado a uma arma ou técnica em particular; Metodologias diferentes são necessárias para diferentes tipos de projetos Fatores a serem considerados: Número de Pessoas envolvidas no Projeto; Criticidade do Sistema; Prioridades do Projeto; Construa a sua caixa de ferramentas ;

17 Conclusões Em cada modelo ágil (XP, SCRUM, Crystal, FDD) há um conjunto de idéias ( tarefas de trabalho ) que representam um afastamento significativo da engenharia de software convencional; Segundo Pressman, muitos conceitos ágeis são simples adaptações de bons conceitos de engenharia de software; Conclusão segundo Pressman: há muito a ser ganho considerando o melhor de ambas as escolas, e quase nada a ser ganho denegrindo qualquer uma dessas abordagens.

18 Conclusões Assista o vídeo; Que conclusões podemos chegar? Vamos discutir...

19 XP Extreme Programming

20 XP Extreme Programming O trabalho pioneiro sobre o assunto, escrito por Kent Beck, foi publicado em 1999; Trata-se de uma metodologia ágil para equipes pequenas e médias desenvolvendo software com requisitos vagos e em constante mudança Kent Beck

21 XP Extreme Programming Uma Pergunta: Como você programaria se tivesse tempo suficiente? Mais testes? Mais projeto e arquitetura? Menos pessoas? Mais qualidade? Kent Beck

22 XP Extreme Programming Levar todas as boas práticas ao Extremo Se testar é bom, vamos testar toda hora! Se projetar é bom, vamos fazer disso parte do trabalho diário de cada pessoa! Se integrar é bom, vamos integrar a maior quantidade de vezes possível! Se executar iterações curtas é bom, vamos deixar as iterações realmente curtas!

23 XP Extreme Programming XP tem como premissa técnica a combinação de: Inserção do cliente no projeto; Liberações de pequenos incrementos ao longo das iterações no desenvolvimento; Projeto simples; Programação em pares; Refatoração; Integração contínua;

24 A base do XP está sedimentada sobre cinco valores: i. Comunicação: comunicação constante entre os membros da equipe e destes com os clientes; ii. iii. iv. XP Extreme Programming Simplicidade: desenvolvimento focado no atendimento às necessidades do cliente da maneira mais simples possível; Feedback: o feedback do sistema (por meio da utilização constante de testes de unidade), o feedback do cliente (por meio da de testes de aceitação) e o feedback da equipe de projeto (através da comunicação constante); Coragem: reforça o fato de que as tarefas não devem ser adiadas, ou seja, devem ser desempenhadas o quanto antes, colaborando para que os desenvolvedores se sintam mais confortáveis com a refatoração do código; v. Respeito: por meio do respeito mútuo entre os membros da equipe, como o objetivo de evitar a desvalorização do trabalho de qualquer membro da equipe de trabalho e almejar uma equipe mais confiante e motivada.

25 XP Extreme Programming O XP inclui um conjunto de regras e práticas que ocorrem no contexto de quatro atividades: planejamento, projeto, codificação e teste.

26 XP Extreme Programming Planejamento: Começa com a criação de um conjunto de histórias (histórias de usuários) que descrevem as características e funcionalidades requeridas para o software; Cada história é escrita pelo cliente e é colocada em um cartão de indexação; O cliente atribui um valor (prioridade) para a história, com base no valor de negócio global da característica ou da função;

27 XP Extreme Programming Planejamento (continuação): As histórias de usuário descrevem cenários com situações de utilização que os envolvidos gostariam que o sistema em desenvolvimento viesse a oferecer; As histórias de usuário são a base para a criação de estimativas de tempo que serão utilizadas nas reuniões de planejamento de entregas (releases); O plano de entregas direciona todo o planejamento do desenvolvimento e do plano de iterações para cada iteração individual;

28 XP Extreme Programming Planejamento (continuação): Membros da equipe XP avaliam cada história e lhe atribuem um custo medido em semanas de desenvolvimento; Se a história precisar mais do que três semanas, pede-se para o cliente para dividir a história em histórias menores e a atribuição de custo ocorre novamente; É importante notar que novas histórias podem ser escritas a qualquer momento;

29 XP Extreme Programming Planejamento (continuação): Depois do primeiro incremento de software tiver sido entregue, a equipe XP calcula a velocidade do projeto; Velocidade é a quantidade de histórias do cliente implementadas durante a iteração; A velocidade pode ser usada para: Ajudar a estimar as datas de entrega e o cronograma para as versões subseqüentes; Determinar se um comprometimento excessivo foi feito para todas as histórias ao longo de todo o projeto de desenvolvimento. Se o comprometimento excessivo ocorrer, o conteúdo das versões (incrementos) será modificado ou as datas de entrega finais são alteradas.

30 XP Extreme Programming

31 XP Extreme Programming

32 Projeto: XP Extreme Programming O projeto XP segue rigorosamente o princípio KIS (Keep it simple mantenha a simplicidade); O XP encoraja o uso de cartões CRC (Class Responsability - Colaborator) como um mecanismo efetivo para raciocinar sobre o software no contexto orientado a objetos; Os cartões CRC identificam e organizam as classes orientadas a objetos que são relevantes para o incremento de software atual; Os cartões CRC são o único produto de trabalho do projeto que é realizado como parte do processo XP;

33 XP Extreme Programming Projeto (Continuação): O uso de cartões CRC (Classes, Responsabilidades e Colaborações) é recomendado de forma a permitir o design em equipe; Responsabilidades são identificadas para cada classe. As colaborações determinam as interações entre classes. Os cartões permitem que o todo o time possa colaborar com o design;

34 XP Extreme Programming Cartão CRC no campo Classe, pode-se colocar opcionalmente, sob o nome da classe, o nome da sua superclasse e de suas subclasses; Responsabilidades podem ser: conhecimento (saber algo, guardar algum valor); comportamental (fazer algo); Colaboradores são outras classes com as quais essa classe interage diretamente para atingir o objetivo maior do sistema como um todo.

35 XP Extreme Programming Projeto (Continuação): Se um problema de projeto difícil é encontrado como parte do projeto de uma história, o XP recomenda a criação imediata de um protótipo operacional daquela parte do projeto; A idéia do protótipo é diminuir o risco quando a implementação verdadeira começa e validar as estimativas originais correspondentes à história que contém o problema de projeto.

36 XP Extreme Programming Codificação: O XP recomenda que depois que as histórias forem desenvolvidas e o trabalho preliminar do design for feito, a equipe não avance para o código, mas, em vez disso, desenvolva uma série de testes unitários que exercitarão cada uma das histórias que devem ser incluídas na versão atual (incremento); Programação em pares: O XP recomenda que duas pessoas trabalhem juntas em uma estação de trabalho de computador para criar o código correspondente a uma história; Idéia: fornecer um mecanismo de solução de problemas em tempo real e de garantia de qualidade em tempo real;

37 XP Extreme Programming Codificação (Continuação): O XP encoraja a refatoração: processo pelo que os programadores reestruturam o sistema sem mudar suas funcionalidades para remover duplicidades, melhorar a comunicação, simplificar ou adicionar flexibilidade, preservando sua funcionalidade.

38 Testes: XP Extreme Programming Os testes unitários que são criados devem ser implementados usando um arcabouço que lhes permita ser automatizados; Isto encoraja uma estratégia de regressão sempre que o código é modificado (lembre-se, considerando a filosofia de refatoração); Testes de aceitação ou testes do cliente: São derivados das histórias dos usuários que foram implementadas como parte de um incremento. Estes testes são especificados pelos clientes e focalizam as características e funcionalidades do sistema global que são visíveis e passíveis de revisão pelo cliente.

39 Exercícios Fazer um algoritmo para calcular quantos dias você já viveu Programação em pares e Refatoração; Cartões CRC.

40 SCRUM

41 SCRUM O Scrum (o nome é derivado de uma atividade que ocorre durante um jogo de rugby) é um modelo ágil de processo que foi desenvolvido por Jeff Sutherland e por sua equipe no início da década de 90;

42 SCRUM O Scrum é um framework de processo ágil utilizado para gerenciar e controlar o desenvolvimento de um produto de software através de práticas iterativas e incrementais. Incremental Iterativo É composto por um conjunto de boas práticas de gestão que admite ajustes rápidos, acompanhamento e visibilidade constantes e planos realísticos;

43 SCRUM Uma alternativa de utilizar métodos ágeis na gerência de projetos; Pode ser aplicável a qualquer tipo de projeto; É simples: Processo, artefatos e regras são poucos e fáceis de entender ; A simplicidade pode ser decepcionante aos acostumados com metodologias clássicas.

44 SCRUM Não é um método prescritivo: Não define previamente o que deve ser feito em cada situação; Projetos complexos não permitem prever todos os eventos; Aplica o senso comum: Combinação de experiência, treinamento, confiança e inteligência de toda a equipe; Senso comum em vez do senso de uma única pessoa é uma das razões do sucesso do Scrum;

45 SCRUM Os princípios Scrum são consistentes com o manifesto ágil: Pequenas equipes de trabalho são organizadas de modo a maximizar a comunicação, minimizar a supervisão e maximizar o compartilhamento de conhecimento tácito informal ; O processo precisa ser adaptável tanto a modificações técnicas quanto de negócios para garantir que o melhor produto possível seja produzido ; O processo produz freqüentes incrementos de software que podem ser inspecionados, ajustados, testados, documentados e expandidos O trabalho de desenvolvimento e o pessoal que realiza é dividido em partições claras, de baixo acoplamento, ou em pacotes ; Testes e documentação constantes são realizados à medida que o produto é construído.

46 Papéis no Scrum Todas as responsabilidades de gerenciamento são divididas entre três papéis: Product Owner; Scrum Master; Equipe; Para o bom funcionamento do Scrum as pessoas responsáveis pelo projeto devem ter autoridade para fazer o que for necessário pelo seu sucesso; Pessoas não responsáveis não podem interferir no projeto: Tal fato gera aumento de produtividade; Evita situações constrangedoras para os envolvidos; Cada um conhece sua participação frente ao projeto e trabalha em conjunto para conseguir alcançar o objetivo definido.

47 Papéis Product Owner (PO) Responsável por apresentar os interesses de todos os stakeholders; Define fundamentos iniciais do projeto, objetivos e planos de release; Responsável pela lista de requisitos (Product Backlog); Certifica se as atividades com maior valor para o negócio são desenvolvidas primeiro: Priorização freqüente das funcionalidades antes de cada iteração; É um facilitador. Tira obstáculos para que a equipe entregue valor agregado ao cliente;

48 Papéis Scrum Master (SM) Responsável pelo sucesso do Scrum; Garantir que a equipe conheça e saiba trabalhar com Scrum; Implementa o Scrum na empresa de forma adaptada a sua cultura, para continuamente gerar benefícios; Certifica se cada pessoa envolvida está seguindo seus papéis e as regras do Scrum; Certifica que pessoas não responsáveis não interfiram no processo; Conduz reuniões e apresentações;

49 Papéis Equipe Responsável por escolher as funcionalidades a serem desenvolvidas em cada interação e desenvolvê-las; O time se auto-gerencia, se auto-organiza; Todos os membros do time são coletivamente responsáveis pelo sucesso de cada iteração;

50 PO SCRUM

51 SCRUM Visão do Produto Monta a visão do Produto; Pode usar printscreen, folder do concorrente, artefatos, documentos, etc. Pode ter n páginas; Para <público alvo> que <oportunidade ou necessidade>, o <nome do produto> é um <categoria do produto> que <benefícios do usuário>. Ao contrário <produtos concorrentes>, nosso produto <diferenciais>. 5W2H pode ser útil.

52 SCRUM Product Backlog Lista de todas as funcionalidades desejadas; É gerada incrementalmente: Começa pelo básico, o extra aparece com o tempo; Novos requisitos aparecem quando o cliente vê o produto; Pode conter: Tarefas diretas, casos de uso e histórias (como no XP); A lista é priorizada pelo Producto Owner, que deve entender cada item da lista (história); Deve conter características que agreguem algum valor de negócio ao produto.

53 SCRUM Product Backlog Uma reunião de validação do Product Backlog pode durar 4h (conversa, sugestões, reflexões). Participam: Equipe + PO + SM Exemplo Negativo: Para facilitar a busca pro livros, como um cliente eu gostaria de ter vários tipos de buscas; Exemplo Positivo: Para facilitar a busca por livros, como um cliente eu gostaria de ter uma busca por títulos; Trazer uma idéia: Boleto bancário;

54 Tamanho-Story Points Story points: Medida relativa do tamanho de uma história; Não existe fórmula; É resultado do agrupamento de fatores: esforço É resultado do agrupamento de fatores: esforço envolvido no desenvolvimento da funcionalidade, a complexidade, riscos, etc.

55 Tamanho-Story Points Usualmente, para cada story do backlog deverá ser atribuído um valor da série aproximada de Fibonacci (1,2,3,5,8,13,21,...) (Planning Poker); O significado dos valores é relativo, onde uma story de pontuação 8 demanda aproximadamente quatro vezes mais esforço que uma story de pontuação 2; Essa atribuição deve ser feita pelo time e não por uma única pessoa; Para começar a pontuar as stories de um product backlog, pega-se a story que o time julga ser a de menor esforço e atribui pontuação 2. As demais stories deverão seguir uma pontuação relativa a essa primeira.

56 Velocidade É o total de story points (sp) entregues em uma iteração pela equipe; Exemplo: Se uma equipe completa em uma interação 3 histórias, uma estimada em 5 sp, uma outra em 3 sp e a terceira em 5 sp, a velocidade do time é de 13;

57 Velocidade Velocidade da equipe = 20 Total de Story Points = 100 Total de iterações do projeto = 100/20 = 5 iterações Duração da iteração = 3 semanas Estimativa de entrega do produto = 15 semanas

58 SCRUM -Fases

59 SCRUM -Fases Planejamento Sprints Reuniões Diárias Revisão Retrospectivas Encerramento

60 SCRUM-Planejamento Relativamente curto; Projeto da arquitetura do sistema; Estimativas de datas e custos; Criação do backlog: Participação de clientes: Levantamento dos requisitos e atribuição de prioridades; Definição de equipes e seus líderes; Definição de pacotes a serem desenvolvidos; Backlog

61 SCRUM -Sprint O time recebe uma parte do backlogpara desenvolvimento; O backlog não sofrerá modificações durante o Sprint Duração de 1 a 4 semanas; Sempre apresentam um executável ao final;

62 Sprint-Reuniões Diárias Cerca de 15 minutos de duração; Todos respondem às perguntas: O que você realizou desde a última reunião? Quais problemas você enfrentou? Em que você trabalhará até a próxima reunião? Benefícios: Maior integração entre os membros da equipe; Rápida solução de problemas: Promove o compartilhamento de conhecimento; Progresso medido continuamente: Minimização de riscos;

63 Sprint-Revisão Deve obedecer à data de entrega: Permitida a diminuição de funcionalidades; Apresentação do produto ao cliente: Sugestões de mudanças são incorporadas ao backlog; Benefícios: Apresentar resultados concretos ao cliente; Integrar e testar uma boa parte do software; Motivação da equipe;

64 Encerramento Finalização do projeto Atividades: Testes de integração; Testes de sistema; Documentação do usuário; Preparação de material de treinamento; Preparação de material de marketing.

65 Regras no Scrum O ScrumMaster deve se certificar de que cada envolvido no projeto siga suas regras; As regras permitem a execução correta do Scrum; Mudanças das regras devem se originar do time: O ScrumMaster deve ser convencido de que todos envolvidos entenderam suficientemente as regras do Scrum para o correto discernimento; Discussões desnecessárias são perda de tempo de produção da equipe;

66 Sprint Planning Meeting #1 A reunião de planejamento do Sprint deve ocorrer dentro de 8 horas com duas partes de 4 horas; Primeiro seguimento: Product Owner deve preparar o Product Backlog antes da reunião; Seleção dos itens do Product Backlog que o time se compromete em torná-los incrementos potencialmente implementáveis (Selected Backlog); Decisão final é do Product Owner; Não esquecer da velocidade da equipe;

67 Sprint Planning Meeting #2 Ocorre imediatamente após o primeiro; Product Owner deve estar disponível para que o time faça perguntas; O time deve decidir como os itens selecionados serão implementados (item backlog tarefas); Tarefas identificadas e estimadas (1 a 8 horas); De forma colaborativa, não é feito pelo Scrum Master; Equipe compromete-se a concluir as tarefas; Resultado deste seguimento é o Sprint Backlog; Construção do Sprint burndown;

68 Sprint Planning Meeting #2 Layout Boleto Bancário Código de Barras Arquivo de Remessas Gerar PDF tarefas História Gerar HTML

69 Sprint Planning Meeting #2 Exemplo genérico de Taskboard:

70 Sprint Planning Meeting #2 Exemplo genérico de Sprint Burndown:

71 Scrum Daily Meeting Reunião de no máximo 15 minutos, a menos que o time seja grande o suficiente para precisar de mais tempo; Deve ser feita no mesmo lugar onde o time trabalha; Resulta em melhores resultados se realizada no inicio do dia de trabalho; Todos os membros do time devem participar desta reunião;

72 Scrum Daily Meeting ScrumMaster faz as seguintes perguntas para cada membro do time: O que você fez desde a última reunião diária do Scrum relacionada a este projeto? O que você irá fazer desde agora até a próxima reunião diária do Scrum relacionada a este projeto? O que está impedindo você de realizar o seu trabalho o mais efetivamente possível? Os membros devem responder apenas a estas perguntas para não estender a reunião;

73 Sprint Não deve ser maior do que 30 dias consecutivos; Sem considerar outros fatores, este é o tempo necessário para produzir algo de interesse para o Product Owner e os stakeholders; O time se compromete com o Product Backlog: Não são permitidas modificações nele durante o Sprint;

74 Sprint Responsabilidades do time durante o Sprint: Participar das reuniões diárias do Scrum; Manter o Sprint Backlog atualizado; Disponibilizar o Sprint Backlog publicamente; O time tem o compromisso de implementar todos os itens selecionados;

75 Reunião de Revisão do Sprint Reunião de no máximo 4 horas sob responsabilidade do ScrumMaster; O time não deve gastar mais de 1 hora na preparação desta reunião; Objetivo: Mostrar ao Product Owner e stakeholders as funcionalidades que foram feitas Artefatos não devem ser apresentados, pois não são funcionalidades; No final da reunião: Cada stakeholder fala suas impressões e sugere mudanças com suas respectivas prioridades; Possíveis modificações no Product Backlog são discutidas entre o Product Owner e o time; ScrumMaster anuncia a data e o local da próxima reunião de revisão do Sprint ao Product Owner e a todos stakeholders;

76 Reunião de Retrospectiva do Sprint Não deve ser maior do que 3 horas; Participam desta reunião: Time, ScrumMaster e, opcionalmente, Product Owner; Os membros do time devem responder a duas questões: O que aconteceu de bom durante o último Sprint? O que pode ser melhorado para o próximo Sprint? ScrumMaster escreve as respostas e prioriza na ordem que deseja discutir as potenciais melhorias; ScrumMaster nesta reunião tem o papel de fazer com que o time encontre melhores formas de aplicar o Scrum;

77 Exercícios Leia o estudo de caso, identifique as histórias e crie as respectivas tarefas; Vamos simular algumas iterações...

78 Algumas Referências Agile Software Development with SCRUM by Ken Schwaber Scrum and XP from the Trenches by Henrik Kniberg The Enterprise and Scrum by Ken Schwaber

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br Introdução Criada por Kent Baeck em 1996 durante o projeto Daimler Chrysler. O sucesso

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

Análise de Sistemas Unidade III A Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil

Análise de Sistemas Unidade III A Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil Análise de Sistemas Unidade III A Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil franciscogerson10@gmail.com Conteúdo Programático Introdução O que é um processo ágil A política de desenvolvimento ágil Fatores

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Jutta Eckstein Encontro Ágil 2009 1 Agilidade é Quente Gerenciamento Ágil de Projetos Testes Ágeis Arquitetura Ágeis Offshore Ágil Investimento Ágil PLM

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Engenharia de Software 5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Desenvolver e entregar software o mais rapidamente possível é hoje em dia um dos

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Prazos curtos Baixo custo Agregação ao negócio Fidelidade do cliente Competitividade Sobrevivência Cenário 2000 35% dos projetos apresentam sucesso 31% dos projetos

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Extreme Programming I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Você gostaria de trabalhar assim? Análise de Requisitos Longe de acordo Requerimentos Complexo Anarquia Perto

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças.

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças. METODOLOGIAS ÁGEIS SURGIMENTO As metodologias ágeis surgiram em resposta ao problema dos atrasos no desenvolvimento de software e aos cancelamentos, devido ao fato dos sistemas demorarem muito tempo para

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO Product Backlog Building Fábio Aguiar Agile Coach & Trainer SCRUM SCRUM Desenvolvimento de Software com ENTREGAS FREQUENTES e foco no VALOR DE NEGÓCIO PRODUTO release

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Desenvolvendo Software Livre com Programação extrema

Desenvolvendo Software Livre com Programação extrema Desenvolvendo Software Livre com Programação extrema Dairton Bassi FISL 7.0 abril/2006 Panorama sobre o Desenvolvimento de Software A sociedade demanda: Grande quantidade de sistemas/aplicações Sistemas

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Contextualização: O grupo foi convidado a desenvolver um projeto de um Sistema de informação, que envolve a área de negócio: compras (cadastros de fornecedores,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos:

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos: Scrum É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental. É utilizado quando não se consegue predizer tudo o que irá ocorrer. Em geral, utiliza-se em projetos complexos, de difícil abordagem pela

Leia mais

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software ADRIANA TAVARES FIGUEIREDO Graduaçao em Licenciatura para Computação UNILASALLE RJ / 2006 Pós Graduada em Design Estratégico e MKT Management ESPM RJ

Leia mais

ANEXO 07 CICLO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL PROCERGS

ANEXO 07 CICLO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL PROCERGS ANEXO 07 CICLO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL PROCERGS Descrição ciclo ágil PROCERGS com Fábrica de Software No início da contratação do serviço a equipe de Gestão da Fábrica de Software (FSW) PROCERGS irá encaminhar

Leia mais

2012. Quinta Conferência de Qualidade de Software ASR Consultoria

2012. Quinta Conferência de Qualidade de Software ASR Consultoria 1 Visão CMMI do Ágil 2 Visão CMMI do Ágil 3 Visão Ágil do CMMI 4 Visão Ágil do CMMI 5 Visão Ágil do CMMI 6 Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Software Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS WESLLEYMOURA@GMAIL.COM INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS ANÁLISE DE SISTEMAS Introdução aos métodos ágeis Metodologias tradicionais Estes tipos de metodologias dominaram a forma de desenvolvimento de software

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Scrum no Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Scrum no Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Scrum no Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Vinícius Kiwi Daros Orientador: Prof. Flávio Soares MAC 499 Trabalho de Formatura Supervisionado IME - USP 16 de novembro de 2011 Roteiro Roteiro Introdução

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

A PRIMMER possui casos importantes nesta área. Venha compartilhar conosco desta experiência magnífica no mundo das metodologias ágeis.

A PRIMMER possui casos importantes nesta área. Venha compartilhar conosco desta experiência magnífica no mundo das metodologias ágeis. METODOLOGIAS ÁGEIS Boas Práticas para o Gerenciamento de Projetos de TI utilizando métodos ágeis baseados em SCRUM e XP etc. DIFERENCIAIS Avaliação prévia das necessidades de cada participante para customização

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

Planejamento Ágil de Projetos

Planejamento Ágil de Projetos Planejamento Ágil de Projetos Dairton Bassi Curso de Verão - janeiro de 2009 - IME/USP - São Paulo by: K_iwi Sem Planos Planos demais Alguns fatos 83,2% cancelados ou entregues além do prazo ou custo (3682

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA TUTORIAIS Framework SCRUM Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA SCRUM vs. PMBOK SCRUM vs. PMBOK ESCOPO Restrições de um projeto (Tripla Restrição) TEMPO CUSTO Modelo de Contrato de projetos

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Processo de Abertura de Projetosescritorio. Bizagi Process Modeler

Processo de Abertura de Projetosescritorio. Bizagi Process Modeler Processo de Abertura de Projetosescritorio Bizagi Process Modeler Índice PROCESSO DE ABERTURA DE PROJETOS-ESCRITORIO...1 BIZAGI PROCESS MODELER...1 1 PROCESSO DE ABERTURA DE PROJETOS...5 1.1 PROCESSO

Leia mais

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO... 3 2.

Leia mais

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Metodologias Ágeis e Software Livre Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Bacharel em Informática (PUCRS) Professor Universitário (FACENSA) Mais de 10 anos de experiência em Desenvolvimento de Software, hoje

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Desenvolvedor / Orientador Rafael Raymundo da Silva Guilherme Lacerda Out / 2010 1 Sumário 1.Conhecendo a ferramenta...3 2.Gerência de projetos ágeis...3 2.1Product

Leia mais

Aplicando Scrum no. Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza

Aplicando Scrum no. Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Aplicando Scrum no Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Licença para uso e

Leia mais