SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO"

Transcrição

1 SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento e controle de todo projeto de software, as metodologias ágeis chegam para incentivar a mudança nos requisitos com o objetivo de entregar ao cliente o produto que ele precisa e trazer a satisfação do mesmo através da entrega incremental do software logo de início. Ao considerar a importância de melhorias no desenvolvimento de software e o crescente uso das práticas ágeis, em especial a Scrum, este trabalho teve como objetivo verificar e analisar como as práticas ágeis estão sendo tratadas por equipes de desenvolvimento que utilizam o método ágil Scrum. Para a construção do artigo utilizou-se a pesquisa bibliográfica como metodologia e as conclusões obtidas foram de grande importância pois nos mostrou o objetivo de alcançar a satisfação do cliente, onde ele se interage diretamente com os desenvolvedores através do método Scrum. Palavra-chave: Metodologias ágeis. Scrum. Testes de software. 1. INTRODUÇÃO Com um cenário competitivo, clientes mais exigentes, empresas mais flexíveis e demandas por prazo de entrega mais rápidos, foi necessário adaptar as metodologias tradicionais de gerenciamento de projetos para atender a essas novas exigências. Em virtude desse cenário, em 2001 foi formado a Aliança Ágil, quando dezessete especialistas em processos de desenvolvimento de software estabeleceram princípios comuns de métodos de criação de softwares e publicaram o Manifesto Ágil que sugere (BECK et al., 2001): 1 Graduando em Sistemas de Informação pela Faculdade Infórium de Tecnologia. 2 Graduando em Sistemas de Informação pela Faculdade Infórium de Tecnologia. 3 Especialista em Gestão da Informação pelo IEC PUC Minas. Graduado em Analista de Business Intelligence há 12 anos. Professor da Pós-Graduação das Faculdades PUC Minas, Estácio de Sá e Infórium de Tecnologia. Professor da graduação das Faculdades Infórium de Tecnologia e Batista. 4 Professora da Faculdade Infórium de Tecnologia, e Mestre em Psicologia pela PUC Minas.

2 2 a) Indivíduos e interações melhor que processos e ferramentas. b) Software funcionando melhor que documentação excessiva. c) Colaboração do cliente melhor que negociação de contratos. d) Resposta a modificação melhor que seguir um plano. As metodologias ágeis também dividem o desenvolvimento do software em iterações, eliminando pontos fracos, como análise de riscos. Ao final de cada iteração, uma versão (release) funcional do produto, embora restrita em funcionalidades, é liberada ao cliente. As metodologias ágeis destacam aspectos humanos no desenvolvimento do projeto, promovendo interação na equipe de desenvolvimento e o relacionamento de cooperação com o cliente. A comunicação face-a-face é preferida à documentação compreensiva (VASCO; VITHOFT; ESTANTE, 2004, P.2). Processos de desenvolvimento ágil de software são construídos com os fundamentos do desenvolvimento iterativo. Os processos ágeis usam o feedback, mais que o planejamento, como seus mecanismos de controle primário. O feedback é produzido por testes regulares e das versões do software desenvolvido (SCHWABER, 2009). Os métodos ágeis têm-se destacado nesse contexto de mudanças, oferecendo respostas rápidas a esse novo ambiente de desenvolvimento, onde os requisitos são mutáveis, não estão totalmente claros ou não são totalmente esclarecidos, mas exige-se a entrega do produto com valor tangível. De acordo com (BECK et al., 2001) o Manifesto Ágil, estabeleceu doze princípios de agilidade:

3 3 Prioridade é satisfazer o cliente desde o início com entregas contínuas de software valioso. Alterações de requisitos são bem-vindas. Representam maior competitividade ao cliente. Entrega de softwares de modo frequente, de algumas semanas a alguns meses. Pessoal do negócio e desenvolvedores devem trabalhar juntos diariamente durante o projeto. Construção com indivíduos motivados. Conversa face-a-face, métodos mais eficientes de levar informação para dentro de uma equipe. Software funcionando é a melhor medida de progresso. Desenvolvimento sustentável. Capacidade de manter um nível constante. Atenção contínua, a excelência técnica e ao bom projeto facilitam a agilidade. Simplicidade é essencial. A arte de maximizar a quantidade de trabalho não efetuado. As melhores arquiteturas e projetos surgem de equipes auto-organizadas. Em intervalos regulares, a equipe reflete sobre como se tornar mais efetiva e se ajustar. Portanto, utilizando as pesquisas bibliográficas notamos que ocorreram grandes melhorias nos softwares e também o crescente uso das práticas ágeis, em especial a Scrum. Com isso esse trabalho tem como objetivo verificar e analisar como as práticas ágeis estão sendo tratadas por equipes de desenvolvimento que utilizam o método ágil Scrum. 2. SCRUM O método Scrum é fundamentado na teoria de controle de processos empíricos, e emprega uma abordagem iterativa e incremental para otimizar a previsibilidade e controlar riscos. É incremental, porque envolve a construção de um pedaço de sistema a cada etapa, ou seja, permite a construção de conjuntos de funcionalidades até entregar o produto final. Também é iterativo porque aceita a probabilidade do desenvolvimento estar incorreto da primeira vez, permitindo o feedback do cliente a cada entrega parcial e o aperfeiçoamento em uma próxima etapa (VASCO;

4 4 VITHOFT; ESTANTE, 2004). O Scrum foi implementado por Jeff Sutherland e vem sendo usado para o desenvolvimento de produtos complexos desde o início da década de 90, com foco no gerenciamento da equipe, preocupada na organização dos processos, no modo como as atividades devem ser executadas, deixando a cargo dos participantes do projeto escolher a melhor maneira de concluir com sucesso essas etapas (SCRUM, 2008). Segundo Schwaber (2009), Scrum não é um processo, ou uma técnica para o desenvolvimento de produtos. Ao invés disso, é um framework dentro do qual você pode empregar diversos processos e técnicas. O papel do Scrum é fazer transparecer a eficácia relativa das suas práticas de desenvolvimento para que você possa melhorá-las, enquanto provê um framework dentro do qual os produtos complexos podem ser desenvolvidos. O desenvolvimento de softwares através do Scrum envolve muitas variáveis técnicas e do ambiente, como recursos, requisitos e tecnologia, que podem mudar durante o processo, tornando esse processo imprevisível e complexo, requerendo flexibilidade para acompanhar as mudanças. O resultado desse processo deve ser um software que seja realmente útil para o cliente. Segundo Cohn (2011, p. 202), uma pesquisa realizada em mais de sete mil projetos aponta que o tamanho ideal para uma equipe para obter maior produtividade é de cinco a sete pessoas. Logo, este também é um dos princípios do Scrum, que recomenda equipes pequenas com sete pessoas, podendo variar em mais ou menos duas pessoas. As pequenas equipes maximizam a comunicação e minimizam a supervisão. O Scrum compõe um ciclo de vida baseado em três fases: planejamento, desenvolvimento e pós-planejamento (KOSCIANSKI; SOARES, 2007), ilustrada na figura a seguir:

5 5 Figura 1 Ciclo de vida do Scrum. Fonte: MOUNTAIN GOAT SOFTWARE, Na fase de planejamento, o Product Owner (representante de todos os interessados do projeto e responsável pela gestão do Product Backlog) e o cliente definem e descrevem os requisitos em um documento, ordenados por prioridade, o chamado Product Backlog (Backlog do produto, local onde serão alocadas as funcionalidades a serem implementadas nos projetos). Em seguida, realiza-se o planejamento, o qual inclui a definição da equipe, as ferramentas para o uso, a identificação de possíveis riscos do projeto e lista de tarefas, com os requisitos prioritários, Sprint Backlog (subgrupo do Backlog do produto que foi selecionado para um Sprint). Como resultado, tem-se a proposta de uma arquitetura de desenvolvimento. Na fase de desenvolvimento, é onde as muitas variáveis técnicas e do ambiente identificadas previamente são observadas e controladas. Ao invés de considerar essas variáveis apenas no início do projeto, como no caso das metodologias tradicionais, no Scrum o controle é feito continuamente, o que aumenta a flexibilidade para acompanhar as mudanças. Essa fase é dividida em ciclos, denominados sprints, incluindo a reunião diária, Daily Meeting, e semanal, Sprint Review. O software é implementado e novas funcionalidades são acrescentadas a cada iteração/ciclo. Os riscos identificados são observados e controlados durante todo o desenvolvimento do sistema. Ao final desta fase, a equipe entrega um incremento funcional do projeto.

6 6 A última fase, o pós-planejamento, constitui a integração do software, bem como os testes finais, homologação e documentação do usuário. Em seguida, é feita uma análise do progresso do projeto e demonstração do produto para o cliente. O Scrum é formado por Times Scrum e seus papéis associados, Eventos com Duração Fixa (Time-Boxes), Artefatos e Regras(SCHWABER, 2009) Times Scrum Times Scrum são projetados para otimizar flexibilidade e produtividade. Para esse fim, eles são auto-organizáveis, interdisciplinares e trabalham em iterações. Cada Time Scrum possui três papéis (SCHWABER, 2009): O ScrumMaster, que é responsável por garantir que o processo seja entendido e seguido. Ele é o líder da equipe que lidera a reunião e avalia as respostas e é aquele que cobra as práticas e as regras dos valores do Scrum. O ScrumMaster ajuda o Time Scrum a entender e usar autogerenciamento e interdisciplinaridade. Resolve problemas que possa estar prejudicando o andamento das tarefas, exige dos colaboradores, delega responsabilidades, marca reuniões e tem contato direto com os patrocinadores. Responsável por atualizar manualmente o Product Backlog com respeito a quaisquer mudanças que foram feitas. Quando o Sprint está perto do fim, o ScrumMaster lembra todo mundo sobre a apresentação que ocorrerá em breve. O Product Owner, representante de todos os interessados do projeto e responsável pela gestão do Product Backlog, por maximizar o valor do trabalho que o Time Scrum faz. Essa pessoa mantém o Backlog do Produto e garante que ele está visível para todos. Todos sabem quais itens têm a maior prioridade, de forma que todos sabem em que se irá trabalhar. Normalmente o Product Owner reúne toda a equipe em uma sala, fornece algumas distrações e lhes diz que o objetivo da reunião é fazer uma estimativa de tempo para as 20 estórias mais importantes no Product Backlog (ou algo do tipo).

7 7 Ele passa por cada estória uma vez e então deixa a equipe trabalhar. O Product Owner permanece na sala para responder perguntas e esclarecer o escopo de cada item conforme necessário. Ele é o especialista no domínio que dá o norte a equipe. O Time, que executa o trabalho propriamente dito. O Time consiste em desenvolvedores com todas as habilidades necessárias para transformar os requisitos do Product Owner em um pedaço potencialmente entregável do produto ao final da Sprint. Membros do Time frequentemente possuem conhecimentos especializados, como programação, controle de qualidade, análise de negócios, arquitetura, projeto de interface de usuário ou projeto de banco de dados. No entanto, os conhecimentos que os membros do Time devem compartilhar, isto é, a habilidade de pegar um requisito e transformá-lo em um produto utilizável, tende a ser mais importantes do que aqueles que eles não dividem. Times também são auto-organizáveis. Ninguém, nem mesmo o ScrumMaster, diz ao time como transformar o Backlog do Produto em incrementos de funcionalidades entregáveis. O Time descobre por si só. Cada membro do Time aplica sua especialidade a todos os problemas. A sinergia que resulta disso melhora a eficiência e eficácia geral do Time como um todo. O tamanho ótimo para um Time é de sete pessoas mais ou menos duas pessoas. Quando há menos do que cinco membros em um Time, há menor interação e, como resultado, há menor ganho de produtividade. Mais do que isso, o time poderá encontrar limitações de conhecimento durante partes da Sprint e não ser capaz de entregar uma parte pronta do produto Time-Boxes: eventos com duração fixa Seguem abaixo os conceitos dos time-boxes (COHN, 2011, cap. 14 e 18, SCHWABER, 2009): Sprint: a equipe trabalha por um período fixo de tempo chamado Sprint. É uma iteração do Scrum, onde será projetado, produzido e testado algum código funcional, que entregue valor para o usuário. O coração do Scrum é a Sprint, que é uma

8 8 iteração de um mês ou menos de duração consistente, com o esforço de desenvolvimento. O prazo de um Sprint nunca deve ser estendido. Isso faz com que se tenham entregas mais cedo, o feedback do usuário seja obtido rápido e que a equipe avalie mais cedo o seu progresso e sua produtividade. A equipe deve, no período de um Sprint, se adaptar às circunstâncias, tecnologias e limitações da organização para se organizar de uma forma a conseguir alcançar os objetivos. Essa organização não é mais de responsabilidade do gerente, mas do time. Sprints são eventos com duração fixa. Durante o Sprint, o ScrumMaster garante que não será feita nenhuma mudança que possa afetar a meta do Sprint. Tanto a composição do time quanto as metas de qualidade devem permanecer constantes durante o Sprint. Os Sprints ocorrem um após o outro, sem intervalos entre eles. Durante o ciclo, Sprint, a equipe executa breves reuniões diárias para discutir o que foi feito, o que não foi realizado e quais as dificuldades e limitações encontradas. No final de cada Sprint, a equipe oferece um incremento do produto potencialmente entregável. Planejamento do Sprint: consiste em uma reunião envolvendo cliente, usuários, gerentes, dono do produto e a equipe scrum para discutir e determinar o objetivo e as funcionalidades do próximo Sprint, podendo ser feita presencialmente, por telefone ou virtualmente. O propósito principal é de estabelecer um plano e metas que o Time Scrum e o resto da organização possam entender e se comunicar. Reunião diária de Scrum (daily scrum): parte do pressuposto que o desenvolvimento de software é um processo complexo que requer muita comunicação. A reunião daily scrum deve ser breve e diária, com timebox de quinze minutos, com todos em pé. Normalmente cada membro responde três perguntas: O que você fez desde a última reunião? O que você vai fazer até a próxima reunião? Existe algum impedimento para você realizar seu trabalho? O objetivo é saber o que já está concluído, identificar os impedimentos para que o ScrumMaster possa atuar e engajar o time com suas próximas atividades.

9 9 Revisão de Sprint (Sprint review): é uma reunião informativa de quatro horas onde a equipe Scrum apresenta para a gerência, clientes, usuários e o dono do produto, o próprio produto ou seu incremento que foi construído durante o último Sprint. Esta reunião provê uma forma de corrigir a direção do projeto a tempo, uma vez que força um feedback imediato dos clientes, usuários e dono do produto. Essa é uma reunião informal, com a apresentação da funcionalidade, que tem a intenção de promover a colaboração sobre o que fazer em seguida. O Time discute sobre o que correu bem durante o Sprint e quais problemas foram enfrentados, além de como esses problemas foram resolvidos. O Time então demonstra o trabalho que está pronto e responde a questionamentos. Retrospectiva de Sprint (Sprint retrospective): reunião realizada pela equipe Scrum ao final de um Sprint com foco na melhoria do processo. Ela serve para identificar o que funcionou bem, o que pode ser melhorado e que ações serão tomadas, para melhorar. Nessa reunião, com duração fixa em três horas, o ScrumMaster encoraja o Time a revisar, dentro do modelo de trabalho e das práticas do processo do Scrum, seu processo de desenvolvimento, de forma a torná-lo mais eficaz e gratificante para o próximo Sprint Artefatos Principais Os artefatos são os seguintes (COHN, 2011, cap. 11, SCHWABER, 2009): Backlog do produto (Product Backlog): É o local onde serão alocadas as funcionalidades a serem implementadas nos projetos. Consiste em uma lista priorizada de funcionalidades técnicas e de negócio desejadas que ainda não fazem parte do produto, mantida pelo dono do produto. Pode conter histórias de usuário, épicos, melhorias, mudanças, correções de defeitos ou qualquer outra coisa que precisa ser feita no produto para releases futuras. Diferente de um documento de requisitos tradicional o Backlog do produto é altamente dinâmico, pois itens são adicionados, removidos e repriorizados a cada Sprint à medida que o produto é mais bem conhecido. O Product Owner é o

10 10 responsável pelo Backlog do Produto, por seu conteúdo, por sua disponibilidade e por sua priorização. O Backlog do Produto representa tudo que é necessário para desenvolver e lançar um produto de sucesso. É uma lista de todas as características, funções, tecnologias, melhorias e correções de defeitos que constituem as mudanças que serão efetuadas no produto para versões futuras. Os itens do Backlog do Produto são geralmente representados como Estórias de Usuário. O Backlog do Produto é ordenado por prioridade. Backlog do Sprint (Sprint Backlog): é um subgrupo do Backlog do produto que foi selecionado para um Sprint. Ela consiste nas tarefas que o time executa para transformar itens do Backlog do Produto em um incremento pronto. O Backlog da Sprint é todo trabalho que o Time identifica como necessário para alcançar a Meta da Sprint. Os itens do Backlog da Sprint devem ser decompostos. A decomposição deve ser suficiente para que mudanças no progresso possam ser entendidas na reunião diária. Burndown de versão para entrega: gráfico que mede o Backlog do Produto restante ao longo do tempo de um plano de entrega. Burndown de Sprint: gráfico que mede os itens do Backlog da Sprint restantes ao longo do tempo de uma Sprint. É o principal artefato para acompanhamento do andamento da iteração. Ele é gerado a partir da lista de tarefas do Sprint atualizadas diariamente pela equipe com as tarefas já concluídas e as tarefas ainda pendentes. É baseado no número de horas restantes para a conclusão de cada tarefa. Gráfico de Burndown: é uma ferramenta para auxiliar o gerenciamento de um Sprint, na qual todo o esforço em horas necessário para concluir as atividades do Sprint é plotado em um gráfico, mantendo rastreado o registro da soma das horas restantes a cada dia. Através da visualização é possível verificar se o projeto foi sub ou super estimado. Segue abaixo a figura de um gráfico de Burndown:

11 11 Figura 2 - Exemplo de gráfico de burndown Fonte: MOUNTAIN GOAT SOFTWARE, 2012 Quando um incremento está pronto, pode-se dizer que está incluído toda a análise, projeto, refatoramento, programação, documentação e testes para o incremento e todos os itens do Backlog do Produto no incremento. Os testes incluem testes de unidade, de sistema, de usuário e de regressão, bem como testes não-funcionais como de performance, de estabilidade, de segurança e de integração (SCHWABER, 2009). Para terminar um projeto é necessário que cada incremento seja adicionado aos outros e exaustivamente testado, garantindo que todos os incrementos funcionem juntos. 3. CONCLUSÃO Percebemos que as metodologias ágeis surgiram em resposta às deficiências no desenvolvimento tradicional, oferecendo uma estrutura para desenvolvimento de software altamente colaborativo. Elas são projetadas especificamente para facilitar a comunicação, a colaboração e a coordenação dentro de um ambiente dinâmico, com foco em atividades que contribuem diretamente para o objetivo final do projeto. Dessa forma, diante de um mercado muito competitivo, que exige produtos de

12 12 qualidade, se tornou fundamental o uso de uma metodologia ágil quecorrespondesse a essas expectativas no mundo tecnológico. Então o Scrum que é um processo ágil que permite manter o foco na entrega do maior valor de negócio, no menor tempo possível, tem correspondido a essas exigências. Portanto, com o uso do Scrum ocorre à rápida e contínua inspeção do software em produção a cada Sprint. As necessidades do negócio é que determinam as prioridades do desenvolvimento de um sistema. As equipes se auto-organizam para definir a melhor maneira de entregar as funcionalidades de maior prioridade, até chegar à entrega final do software. REFERÊNCIAS BECK et al.; AGILE MANIFESTO Disponível em: <http://www.agilemanifesto.org/>. Acesso em: 15 de fev COHN, Mike. Desenvolvimento de Software com Scrum: aplicando métodos ágeis com sucesso. Porto Alegre: Bookman, KOSCIANSKI, A.; SOARES, M. S.; Qualidade de Software: Aprenda as metodologias e técnicas mais modernas para o desenvolvimento de software. 2ª Edição. São Paulo: Novatec, KNIBERG, Henrik. Scrum e XP direto das trincheiras: como fazemos Scrum. C4Media Inc, Disponível em <http://www.infoq.com/br/minibooks/scrum-xpfrom-thetrenches>. Acesso em: 03 de mar MOUNTAIN GOAT SOFTWARE; Introduction to Scrum: An Agile Process; Disponível em: <http://www.mountaingoatsoftware.com/topics/scrum>. Acesso em: 23 de fev SCHWABER, Ken. Guia do Scrum: Transforming The Word of Work. Tradução: Heitor Roriz Filho, Disponível em: <http://www.trainning.com.br/download/guia_do_scrum.pdf>. Acesso em: 19 de mar SCRUM. Visão geral do Scrum. [S.l.], Disponível em: <http://epf.eclipse.org/wikis/scrumpt/index.htm>. Acesso em: 21 de mar VASCO, Carlos G.; VITHOFT, Marcelo H.; ESTANTE, Paulo R. C. Comparação entre metodologias RUP e XP. Curitiba, Disponível em: <http://www.ppgia.pucpr.br/~alcides/teaching/mestrado/fundamentosengenh

13 ariasof tware/artigos/resumosapresentacoes/rupvsxp_draft.pdf>. Acesso em: 10 de mar

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Outubro de 2011 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Índice O propósito do Guia do Scrum... 3 Visão geral do Scrum...

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 Tradução Heitor Roriz Filho Michel Goldenberg Rafael Sabbagh Revisão Anderson Marcondes Ânderson Quadros Ari do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Julho de 2013 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Í ndice O propósito do Guia do Scrum... 3 Definição do Scrum...

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Fevereiro 2010 Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Agradecimentos Geral Scrum é baseado nas melhores práticas aceitas pelo mercado, utilizadas e provadas por décadas. Ele é

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland O Guia do Scrum O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo Julho 2011 Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Traduzido para o Português por José Eduardo Deboni (eduardodeboni.com)

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G.

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. Magda A. Silvério Miyashiro 1, Maurício G. V. Ferreira 2, Bruna S. P. Martins 3, Fabio Nascimento 4, Rodrigo Dias

Leia mais

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks S C R U M Apresentação Tiago Domenici Griffo Arquiteto de Software na MCP, MCAD, MCSD, MCTS Web, Windows e TFS, ITIL Foundation Certified, MPS.BR P1 Experiência internacional e de offshoring Agradecimento

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Metodologias Ágeis Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br O que é agilidade? Agilidade: Rapidez,

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

O Guia do Scrum. O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo

O Guia do Scrum. O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo O Guia do Scrum O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo Outubro 2011 Índice Propósito do Guia Scrum... 3 Scrum visão global... 3 A Estrutura Scrum... 3 Teoria do Scrum... 4 Scrum... 5 A equipa Scrum...

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Curso Certified ScrumMaster (CSM)

Curso Certified ScrumMaster (CSM) e Curso Certified ScrumMaster (CSM) 1. Perfil do Instrutor MICHEL GOLDENBERG (CSM, CSPO, CSP, CST) Michel Goldenberg é co-fundador do Grupo de usuário Scrum de Montreal, um dos maiores grupos de usuários

Leia mais

SCRUM com Equipes Inexperientes

SCRUM com Equipes Inexperientes SCRUM com Equipes Inexperientes Cicero Tadeu Pereira Lima França 1, Antonio de Barros Serra 2, Robério Gomes Patricio 3, Isydório Alves Donato 4 Resumo A constante busca dos projetos de TI por um produto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

ESTUDO DE FERRAMENTAS EM SOFTWARE LIVRE PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ESTUDO DE FERRAMENTAS EM SOFTWARE LIVRE PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ESTUDO DE FERRAMENTAS EM SOFTWARE LIVRE PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Trabalho de conclusão do curso Lato Sensu em Desenvolvimento de Sistemas em Software Livre da Universidade

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Claryanne A. Guimarães 1, Daniel Dias S. Rosa 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM CEETEPS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FATEC DE TAUBATÉ HABILITAÇÃO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TEMA MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL:

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL

UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL CARLOS

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos:

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos: Scrum É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental. É utilizado quando não se consegue predizer tudo o que irá ocorrer. Em geral, utiliza-se em projetos complexos, de difícil abordagem pela

Leia mais

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MIRILIAN CARLA ARAUJO CORILLO 1, ANDREA PADOVAN JUBILEU 2. 1 Tecnóloga em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Scrum

Aula 2 Introdução ao Scrum Curso Preparatório para a certificação Scrum Fundamentals Certified (SFC ) da ScrumStudy www.scrumstudy.com Aula 2 Introdução ao Scrum www.sitecampus.com.br - Cadastre-se gratuitamente para acessar ao

Leia mais

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE AUTO PEÇAS Renan Malavazi Mauro Valek Jr Renato Malavazi Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse Sistema de Gerenciamento de AutoPeças A aplicação

Leia mais

Método Ágil em Gerenciamento de Projetos de Software

Método Ágil em Gerenciamento de Projetos de Software Fundação Getulio Vargas MBA em Gerenciamento de Projetos Método Ágil em Gerenciamento de Projetos de Software Ana Cristina Monteiro Almeida Arnaldo Lyrio Barreto (Orientador) Rio de Janeiro Outubro de

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT GUSTAVO ARCERITO MARIVALDO FELIPE DE MELO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT GUSTAVO ARCERITO MARIVALDO FELIPE DE MELO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT GUSTAVO ARCERITO MARIVALDO FELIPE DE MELO Análise da Metodologia Ágil SCRUM no desenvolvimento de software para o agronegócio Limeira

Leia mais

2012. Quinta Conferência de Qualidade de Software ASR Consultoria

2012. Quinta Conferência de Qualidade de Software ASR Consultoria 1 Visão CMMI do Ágil 2 Visão CMMI do Ágil 3 Visão Ágil do CMMI 4 Visão Ágil do CMMI 5 Visão Ágil do CMMI 6 Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Software Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver

Leia mais

Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento do sistema Unidisciplina

Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento do sistema Unidisciplina Perquirere, 11 (1): 113-129, jul. 2014 Centro Universitário de Patos de Minas http://perquirere.unipam.edu.br Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento

Leia mais

Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda. [Highsmith, 2001]

Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda. [Highsmith, 2001] 14 2 Métodos Ágeis 2.1. Manifesto Ágil Em fevereiro de 2001, dezessete representantes de diversas práticas e metodologias de desenvolvimento se reuniram em uma estação de esqui, em Utah nos EUA para discutir

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Iniciando com uma Apresentação (Instrutor, Alunos e Palestra) Apresentação do Professor Sou Bacharel

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS WESLLEYMOURA@GMAIL.COM INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS ANÁLISE DE SISTEMAS Introdução aos métodos ágeis Metodologias tradicionais Estes tipos de metodologias dominaram a forma de desenvolvimento de software

Leia mais

Aplicando Scrum no. Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza

Aplicando Scrum no. Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Aplicando Scrum no Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Licença para uso e

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Prazos curtos Baixo custo Agregação ao negócio Fidelidade do cliente Competitividade Sobrevivência Cenário 2000 35% dos projetos apresentam sucesso 31% dos projetos

Leia mais

PROPOSTA DE SISTEMÁTICA PARA GESTÃO DE PROJETOS BASEADA NA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM

PROPOSTA DE SISTEMÁTICA PARA GESTÃO DE PROJETOS BASEADA NA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM

Uma introdução ao SCRUM Uma introdução ao SCRUM Prof. Silvestre Labiak Jr. UTFPR Gestão da Produção Perdendo no revezamento... O estilo de corrida de revezamento aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos

Leia mais

Scrum Uma breve apresentação. Alfredo Goldman Dairton Bassi

Scrum Uma breve apresentação. Alfredo Goldman Dairton Bassi Scrum Uma breve apresentação Alfredo Goldman Dairton Bassi Scrum Definição informal: Estratégia em um jogo de rugby onde jogadores colocam uma bola quase perdida novamente em jogo através de trabalho em

Leia mais