INQUÉRITO APPBG ANÁLISE E REFLEXÕES SOBRE OS EXAMES NACIONAIS DE BIOLOGIA E GEOLOGIA APRESENTAÇÃO E COMENTÁRIO CRÍTICO DE RESULTADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INQUÉRITO APPBG ANÁLISE E REFLEXÕES SOBRE OS EXAMES NACIONAIS DE BIOLOGIA E GEOLOGIA APRESENTAÇÃO E COMENTÁRIO CRÍTICO DE RESULTADOS"

Transcrição

1 JORNADAS DE REFLEXÃO: METAS, PROGRAMAS E EXAMES NACIONAIS DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS 11 de OUTUBRO de 2014 Auditório do Colégio da Rainha Santa Isabel INQUÉRITO APPBG ANÁLISE E REFLEXÕES SOBRE OS EXAMES NACIONAIS DE BIOLOGIA E GEOLOGIA APRESENTAÇÃO E COMENTÁRIO CRÍTICO DE RESULTADOS Celeste Gomes (Departamento de Ciências da Terra, UC) Armando Rocha, Aires Alexandre, João Oliveira (APPBG)

2 Objetivo: Conhecer as conceções dos professores de BG acerca do Exame Nacional BG702 Metodologia: Questionário usando a escala de Likert, publicado online no site da APPBG e dirigido a professores de Biologia e Geologia (CR 520); Divulgação a associados, colegas e em grupos reservados das redes sociais; Período de recolha de dados: 11 set a 5 out; Construção de base de dados e tratamento estatístico preliminar em SPSS.

3 Caraterização da amostra quanto ao género Feminino 87 78,4 Masculino 24 21,6 Caraterização da amostra quanto à idade anos 12 10, anos 56 50, anos 43 38,7 Caraterização da amostra quanto ao tempo de serviço , , , ,8

4 Caraterização da amostra quanto à habilitação académica Licenciatura 78 70,3 Mestrado 32 28,8 Doutoramento 1 0,9 Caraterização da amostra quanto à área de formação inicial Biologia 58 52,3 Geologia 31 27,9 Biologia-Geologia 22 19,8 Caraterização da amostra quanto à situação profissional Contratado 9 8,1 Quadro ,1 Não colocado 2 1,8

5 Caraterização da amostra quanto à r e a l i z a ç ã o d e formação contínua na área disciplinar nos últimos 3 anos Sim ,8 Não 8 7,2 Caraterização da amostra quanto ao nº de anos de anos de lecionação de Biologia e Geologia , , ,7 Caraterização da amostra quanto à classificação de exames de Biologia e Geologia Sim 88 79,3 Não 23 20,7

6 Caraterização da amostra quanto à classificação de exames de Biologia e Geologia em nº de anos válida ,6 17, ,7 26, ,0 56,8 Total 88 79,3 100,0 Não classificou 23 20,7 Caraterização da amostra quanto à realização de ações de formação sobre os programas atuais de Biologia e Geologia Sim 71 64,0 Não 40 36,0

7 Coeficiente de Consistência Interna do Questionário 1. traduzida no grau de confiança que se pode ter na informação obtida. 2. resultou da análise da totalidade dos 28 itens do instrumento. 3. para o total dos itens do instrumento obteve-se um valor de alpha de Cronbach de 0, este valor de alpha de Cronbach é considerado bom para efeitos de investigação (Hill e Hill, 2000, p. 149) Alfa de Cronbach Nº de itens 0,848 28

8 a1. A linguagem utilizada na prova permite uma leitura inequívoca dos documentos e dos itens pelos alunos. Não responde 1 0,9 Discordo completamente 13 11,7 Discordo 64 57,7 Não concordo nem discordo 8 7,2 Concordo 25 22,5 Concordo completamente 0 0 a2. A prova revela elevada validade de conteúdo, na medida em que os itens constituem uma amostra representativa e relevante dos conteúdos programáticos avaliáveis. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 15 13,5 Discordo 47 42,3 Não concordo nem discordo 24 21,6 Concordo 21 18,9 Concordo completamente 2 1,8

9 a3. Os itens propostos têm relevância/atualidade/ pertinência científica. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 2 1,8 Discordo 7 6,3 Não concordo nem discordo 14 12,6 Concordo 75 67,6 Concordo completamente 10 9,0 a4. O nível de exigência/dificuldade de resolução da prova pelos alunos é elevado. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 0 0 Discordo 5 4,5 Não concordo nem discordo 7 6,3 Concordo 65 58,6 Concordo completamente 31 27,9

10 a5. O nível de exigência/dificuldade de resolução da prova 702 pelos alunos é mais elevado que o das provas internas aplicadas enquanto professor a lecionar a mesma disciplina. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 3 2,7 Discordo 34 30,6 Não concordo nem discordo 17 15,3 Concordo 47 42,3 Concordo completamente 8 7,2 a6. A seleção de itens da prova é coerente com os objetivos do programa. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 8 7,2 Discordo 45 40,5 Não concordo nem discordo 16 14,4 Concordo 37 33,3 Concordo completamente 2 1,8

11 a7. Existe bom enquadramento dos itens nos conteúdos do programa da componente de Geologia. Não responde 4 3,6 Discordo completamente 2 1,8 Discordo 23 20,7 Não concordo nem discordo 18 16,2 Concordo 59 53,2 Concordo completamente 5 4,5 a8. Existe bom enquadramento dos itens nos conteúdos do programa da componente de Biologia. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 4 3,6 Discordo 36 32,4 Não concordo nem discordo 20 18,0 Concordo 44 39,6 Concordo completamente 5 4,5

12 a9. Os critérios de classificação dos itens de resposta restrita são equilibrados e adequados. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 9 8,2 Discordo 49 44,1 Não concordo nem discordo 15 13,5 Concordo 35 31,5 Concordo completamente 0 0 a10. O tipo de prova adequa-se à faixa etária de alunos a que se destina. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 13 11,8 Discordo 46 41,4 Não concordo nem discordo 22 19,8 Concordo 24 21,6 Concordo completamente 3 2,7

13 a11. A qualidade global da prova é boa. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 4 3,6 Discordo 21 18,9 Não concordo nem discordo 23 20,8 Concordo 52 46,8 Concordo completamente 9 8,1 a12. A qualidade global da prova melhorou ao longo do tempo em que tem sido aplicada. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 5 4,5 Discordo 21 18,9 Não concordo nem discordo 17 15,3 Concordo 57 51,4 Concordo completamente 8 7,2

14 a13. É um ponto forte da prova os documentos de suporte e os seus contextos serem atuais e relevantes. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 1 0,9 Discordo 8 7,2 Não concordo nem discordo 13 11,7 Concordo 71 64,0 Concordo completamente 15 13,5 a14. É um ponto forte da prova a formulação dos itens ser estimuladora da mobilização de processos de raciocínio avançados. Não responde 5 4,5 Discordo completamente 2 1,8 Discordo 29 26,1 Não concordo nem discordo 20 18,0 Concordo 52 46,8 Concordo completamente 3 2,7

15 a15. É um ponto forte da prova o equilíbrio e a sua adequação do nível de dificuldade de resolução ao nível médio dos alunos. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 4 3,6 Discordo 59 53,2 Não concordo nem discordo 16 14,4 Concordo 24 21,6 Concordo completamente 5 4,5 a16. É um ponto forte da prova o equilíbrio e a adequação dos critérios de classificação. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 10 9,0 Discordo 55 49,5 Não concordo nem discordo 18 16,3 Concordo 22 19,8 Concordo completamente 3 2,7

16 a17. É uma falha ou insuficiência da prova os documentos integrantes (textos, figuras, esquemas ) serem muito extensos. Não responde 7 6,3 Discordo completamente 2 1,8 Discordo 15 13,5 Não concordo nem discordo 3 2,7 Concordo 61 55,0 Concordo completamente 23 20,7 a18. É uma falha ou insuficiência da prova os documentos integrantes (textos, figuras, esquemas ) serem muito densos relativamente à informação. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 1 0,9 Discordo 10 9,0 Não concordo nem discordo 7 6,3 Concordo 61 55,0 Concordo completamente 30 27,0

17 a19. É uma falha ou insuficiência da prova a formulação pouco rigorosa dos itens. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 4 3,6 Discordo 41 36,9 Não concordo nem discordo 21 18,9 Concordo 31 27,9 Concordo completamente 12 10,9 a20. É uma falha ou insuficiência da prova a formulação excessivamente exigente dos itens. Não responde 4 3,6 Discordo completamente 3 2,7 Discordo 28 25,2 Não concordo nem discordo 15 13,5 Concordo 44 39,6 Concordo completamente 17 15,4

18 a.22. Ano(s) em que a prova 702 atingiu o nível de dificuldade/exigência mais elevado para os alunos. * , , , , , , , , ,8 *total de 111 professores participantes Chart 1 110,0 82,5 55,0 27,

19 a21. É uma falha ou insuficiência da prova o deficiente enquadramento dos itens nos programas. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 4 3,6 Discordo 29 26,1 Não concordo nem discordo 21 18,9 Concordo 39 35,2 Concordo completamente 16 14,4 a23. Um aspeto que poderia melhorar a qualidade da prova no futuro seria a melhoria da sua articulação com o programa. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 1 0,9 Discordo 8 7,2 Não concordo nem discordo 6 5,5 Concordo 48 43,2 Concordo completamente 46 41,4

20 a24. Um aspeto que poderia melhorar a qualidade da prova no futuro seria a formulação mais exigente dos itens. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 10 9,0 Discordo 55 49,5 Não concordo nem discordo 26 23,5 Concordo 14 12,6 Concordo completamente 4 3,6 a25. Um aspeto que poderia melhorar a qualidade da prova no futuro seria a reformulação dos critérios de classificação. Não responde 3 2,7 Discordo completamente 1 0,9 Discordo 11 9,9 Não concordo nem discordo 15 13,5 Concordo 48 43,2 Concordo completamente 33 29,8

21 a26. Um aspeto que poderia melhorar, no futuro, os resultados dos alunos na prova seria a melhoria da qualidade global da prova. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 3 2,7 Discordo 18 16,3 Não concordo nem discordo 24 21,6 Concordo 40 36,0 Concordo completamente 24 21,6 a27. Um aspeto que poderia melhorar, no futuro, os resultados dos alunos na prova seria a reformulação dos critérios de classificação. Não responde 2 1,8 Discordo completamente 5 4,5 Discordo 8 7,3 Não concordo nem discordo 10 9,0 Concordo 51 45,9 Concordo completamente 35 31,5

22 a28. Um aspeto que poderia melhorar, no futuro, os resultados dos alunos na prova seria a reformulação do processo de classificação inerente. Não responde 5 4,5 Discordo completamente 4 3,6 Discordo 16 14,5 Não concordo nem discordo 15 13,5 Concordo 54 48,6 Concordo completamente 17 15,3 a29. Um aspeto que poderia melhorar, no futuro, os resultados dos alunos na prova seria a melhoria das práticas de ensino pelos professores. Não responde 1 0,9 Discordo completamente 6 5,4 Discordo 23 20,7 Não concordo nem discordo 26 23,4 Concordo 37 33,3 Concordo completamente 18 16,3

23 Comentários: Provas muito boas embora por vezes com questões muito exigentes e difíceis de resolver para alunos do 11ºano. Devia de haver verdadeira supervisão na correção das provas. Já revi provas manifestamente mal corrigidas, sub ou sobrevalorizadas, o que torna muito injusta a comparação a nível nacional. Considero que as escolas deviam ser mais responsabilizadas pelas diferenças CIF e CE. nível demasiado erudito dos textos e os estudos experimentais apresentam um grau de complexidade demasiado elevado para o nível etário a que se destina.

24 Comentários: dificuldades na interpretação da linguagem e dos dados (texto, gráficos, etc.) heterogeneidades que as provas tem apresentado nos últimos anos imensidão de conteúdos tão diversificados e sobre os quais eles se debruçaram de forma mais ou menos rápida ao longo de 2 anos a maturidade dos alunos para a preparação e realização de uma prova de exame deste tipo é bastante diferente no 11º ou no 12º ano. considero lamentável que a tutela tenha acabado com os Testes Intermédios inflação nas classificações internas,

25 Comentários: teremos que fazer muita formação ao grupo docente Os exames não manifestam a componente prática dos conteúdos os exames de Biologia não servem os propósitos de aferição/ avaliação do aluno à disciplina mas sim o acesso piramidal a cursos superiores como Medicina. melhor adequação da prova aos conteúdos programáticos, extensos programas, mais exigentes no 10º que no 11º e a Biologia do que a Geologia e o exame ser de 2 anos de matéria para alunos ainda imaturos que esquecem com facilidade.

26 Agradecimentos: Mestre Armando Rocha, pelo tratamento estatístico dos dados; Prof.ª Doutora Celeste Gomes, pela discussão e revisão científica dos dados; Prof.ª Doutora Mª Isabel Festas pela validação dos questionários.

Exames Nacionais: da conceção ao resultado. Jornadas de Reflexão Metas, Programas e Exames Nacionais de Biologia e Geologia Tendências e Perspetivas

Exames Nacionais: da conceção ao resultado. Jornadas de Reflexão Metas, Programas e Exames Nacionais de Biologia e Geologia Tendências e Perspetivas Exames Nacionais: da conceção ao resultado Jornadas de Reflexão Metas, Programas e Exames Nacionais de Biologia e Geologia Tendências e Perspetivas Helder Diniz de Sousa 11 Outubro 2014 Equipas de autoria

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DO ENSINO-APRENDIZAGEM

RELATÓRIO DA QUALIDADE DO ENSINO-APRENDIZAGEM CAMPUS ACADÉMICO DE VILA NOVA DE GAIA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO JEAN PIAGET DE ARCOZELO RELATÓRIO DA QUALIDADE DO ENSINO-APRENDIZAGEM 202/203 Elaborado por: Responsável Local pela Garantia da Qualidade

Leia mais

Relatório da Qualidade do Ensino-Aprendizagem

Relatório da Qualidade do Ensino-Aprendizagem Campus Académico Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde Jean Piaget de Vila Nova de Gaia Relatório da Qualidade do Ensino-Aprendizagem 2012/2013 Elaborado por: Responsável Local pela Garantia da Qualidade

Leia mais

ADAPTAÇÃO, VALIDAÇÃO E NORMALIZAÇÃO DE TESTES PSICOLÓGICOS

ADAPTAÇÃO, VALIDAÇÃO E NORMALIZAÇÃO DE TESTES PSICOLÓGICOS P3 ADAPTAÇÃO, VALIDAÇÃO E NORMALIZAÇÃO DE TESTES PSICOLÓGICOS DINIZ LOPES DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES / CIS-IUL TIPO E CONTEXTOS DE APLICAÇÃO CURSO PSICOLOGIA UNIDADE CURRICULAR

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades

Leia mais

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h INICIAÇÃO AO SPSS 9, 16 e 23 Abril - 9h às 12h e 13h às 16h INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS QUALITATIVOS 30 Abril - 9h às 13h e 14h às 18h ANÁLISE DE DADOS MULTIVARIADA 7 e 14 Maio - 9h às 13h e 14h às 18h CONSTRUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h CONSTRUÇÃO ONLINE DE QUESTIONÁRIOS 21 e 28 Maio - 9h às 16h ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h A ESCRITA DA ESCRITA CIENTÍFICA 18 e 25 Junho -

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

leituras de resultados e processo de classificação

leituras de resultados e processo de classificação As provas nacionais: leituras de resultados e processo de classificação Conselho de Escolas 27 de julho 2012 1. Notas prévias à leitura de resultados As funções das provas de avaliação externa realizadas

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Ana Maria Figueiredo

CURRICULUM VITAE. Ana Maria Figueiredo CURRICULUM VITAE Ana Maria Figueiredo 2015 1 Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Telefone(s) Fax(es) Correio(s) electrónico(s) Matos Vicente Figueiredo Ana Maria Nacionalidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Relatório

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Relatório [Escreva texto] AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA 2012 Relatório Realização: Alexandre Boavida Vicente Bruno Gonçalves Ramos Maria João Teixeira Barreiro Coordenação:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 15/16 (Curso Técnico Superior Profissional em Gestão do Turismo em Espaço Rural) Escola Superior Agrária

RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 15/16 (Curso Técnico Superior Profissional em Gestão do Turismo em Espaço Rural) Escola Superior Agrária Relatório Anual de Curso (Público) RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 15/16 (Curso Técnico Superior Profissional em Gestão do Turismo em Espaço Rural) Escola Superior Agrária Índice 1. Estudantes e ambiente de ensino

Leia mais

ANEXO VII - Gráficos de suporte à análise das hipóteses

ANEXO VII - Gráficos de suporte à análise das hipóteses Valorizar o desenvolvimento profissional Identificar os fatores que influenciam o rendimento profissional Obter indicadores de gestão Promover o trabalho cooperativo ANEXO VII - Gráficos de suporte à análise

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA SATISFAÇÃO DOS FORNECEDORES- 2013

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA SATISFAÇÃO DOS FORNECEDORES- 2013 ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA SATISFAÇÃO DOS FORNECEDORES- 2013 (JULHO 2013) Índice 1-Enquadramento

Leia mais

ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS

ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade Orgânica

Leia mais

desenvolvido no Projeto Melhorar e Recuperar na Matemática

desenvolvido no Projeto Melhorar e Recuperar na Matemática DEPARTAMENTO CURRICULAR DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS GRUPO DISCIPLINAR DE: MATEMÁTICA CÓDIGO: 5000 Balanço do trabalho desenvolvido no Projeto e na Matemática Surge o presente documentoo da necessidade

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Mogadouro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A IMPORTÂNCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES... 2 3. OBJETIVOS... 2 4. METODOLOGIA... 2

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ciências Naturais 2016 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do 3.º Ciclo

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE

2011/2012 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO DE LEIRIA (ISLA-LEIRIA) 2011/2012 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE Resultado do inquérito estatístico aos diplomados Dezembro de 2013 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Relatório dos Resultados do Inquérito aos Alunos do ISEL (análise global) 1º semestre do ano letivo 2011/2012

Relatório dos Resultados do Inquérito aos Alunos do ISEL (análise global) 1º semestre do ano letivo 2011/2012 ISEL Relatório dos Resultados do Inquérito aos Alunos do ISEL (análise global) 1º semestre do ano letivo 11/1 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Lisboa, 1 de setembro

Leia mais

Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016

Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016 Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016 Equipa de Autoavaliação 10 de novembro de 2016 (em branco) Índice 1. Introdução... 1 2. Objetivos da autoavaliação da Escola... 1 3. Atividades da equipa em...

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Índice. Título Perfil do Docente 2010/2011

FICHA TÉCNICA. Índice. Título Perfil do Docente 2010/2011 Índice FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão de Estatísticas

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

ÍNDICE Janelas Menus Barras de ferramentas Barra de estado Caixas de diálogo

ÍNDICE Janelas Menus Barras de ferramentas Barra de estado Caixas de diálogo XXXXXXXX ÍNDICE INTRODUÇÃO 15 1. VISÃO GERAL DO SPSS PARA WINDOWS 17 1.1. Janelas 17 1.2. Menus 20 1.3. Barras de ferramentas 21 1.4. Barra de estado 21 1.5. Caixas de diálogo 22 2. OPERAÇÕES BÁSICAS 23

Leia mais

Introdução do Pensamento Computacional na Formação Docente para Ensino de Robótica Educacional

Introdução do Pensamento Computacional na Formação Docente para Ensino de Robótica Educacional Introdução do Pensamento Computacional na Formação Docente para Ensino de Robótica Educacional Isabelle M. L. Souza 1, Rivanilson S. Rodrigues 2, Wilkerson L. Andrade 2 1 Serviço Social da Indústria (SESI),

Leia mais

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa IPL Carla Costa Lança carla.costa@estesl.ipl.pt 2010 Introdução As competências profissionais no

Leia mais

Introdução Investigação em CS. Introdução a Investigação/ Comunicação Técnica e Científica

Introdução Investigação em CS. Introdução a Investigação/ Comunicação Técnica e Científica Introdução Investigação em CS Introdução a Investigação/ Comunicação Técnica e Científica O que é um Doutoramento? Todo conhecimento humano. O que é um Doutoramento? Aprendes algumas coisas na escola primária.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10 DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10 CICLO: 3º ANO DE ESCOLARIDADE: 9º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da

Leia mais

2012/2013 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE

2012/2013 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE SANTARÉM (ISLA-SANTARÉM) 2012/2013 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE Resultado do inquérito estatístico aos diplomados Dezembro de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Curso Dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia

Curso Dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia Curso Dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Conteúdo INFORMAÇÕES GERAIS... 1 CARACTERIZAÇÃO DOS FORMANDOS... 2 INFORMAÇÕES TÉCNICO-PEDAGÓGICAS... 3 AVALIAÇÃO DA AÇÃO...

Leia mais

ICSLM Congress Covilhã, 24 de novembro de Margarida Barosa(a), Paulo Sacramento (b), Teresa Almeida (a) (a) ACT, b) Pombal, Portugal

ICSLM Congress Covilhã, 24 de novembro de Margarida Barosa(a), Paulo Sacramento (b), Teresa Almeida (a) (a) ACT, b) Pombal, Portugal Análise de conteúdos programáticos relacionados com produtos químicos ministrados em Escolas do 1º Ciclo do (ICSLM16_P20) Margarida Barosa(a), Paulo Sacramento (b), Teresa Almeida (a) (a) ACT, b) Pombal,

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10 CICLO: 3º ANO DE ESCOLARIDADE: 9º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as caraterísticas da prova de exame de equivalência à frequência da

Leia mais

2013/2014 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE

2013/2014 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE SANTARÉM (ISLA-SANTARÉM) 2013/2014 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE Resultado do inquérito estatístico aos diplomados Dezembro de 2015 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior

Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Informação - Prova de Equivalência à Frequência de 3º ciclo - Geografia Disciplina (código: 18) Prova 2014/ 2015 9º Ano de Escolaridade

Leia mais

Relatório dos Inquéritos Novos Alunos (Licenciaturas, Mestrados e Pós-Graduações)

Relatório dos Inquéritos Novos Alunos (Licenciaturas, Mestrados e Pós-Graduações) Relatório dos Inquéritos Novos Alunos (Licenciaturas, Mestrados e Pós-Graduações) Índice ESCS 2016/2017 INFORMAÇÃO DE CANDIDATURAS AOS CURSOS DE LICENCIATURA 2016 / 2017.. 3 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INQUÉRITO

Leia mais

2012/2013 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE

2012/2013 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO DE LEIRIA (ISLA-LEIRIA) 2012/2013 RELATÓRIO DE EMPREGABILIDADE Resultado do inquérito estatístico aos diplomados Dezembro de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Construção e validação de questionário para análise de concepções bioéticas

Construção e validação de questionário para análise de concepções bioéticas Construção e validação de questionário para análise de concepções bioéticas Paloma Rodrigues da Silva, Elaine S. N. Nabuco de Araújo, Ana Maria de Andrade Caldeira, Graça S. Carvalho Rev bioét (Impr.)

Leia mais

Autoavaliação da Escola

Autoavaliação da Escola Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Marco de Canaveses Autoavaliação da Escola Divulgação de resultados a Encarregados de Educação e Alunos 19 de dezembroo de 212 A autoavaliação

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, MARÇO 206 RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, MARÇO 206 Antes de

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência de ECONOMIA C 12º Ano de Escolaridade Prova 312 2015 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Introdução O presente documento

Leia mais

ATITUDES FACE AO DESPORTO COMO EU PRATICO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ATITUDES FACE AO DESPORTO COMO EU PRATICO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ATITUDES FACE AO DESPORTO COMO EU PRATICO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

Associação Portuguesa de Antropologia

Associação Portuguesa de Antropologia Associação Portuguesa de Antropologia O PERFIL DO ANTROPÓLOGO EM PORTUGAL 2015 Caro(a) colega, bem-vindo(a)! Este questionário integra-se num estudo que a APA, Associação Portuguesa de Antropologia, está

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência de Inglês. Prova Escrita + Oral

Informação Prova de Equivalência à Frequência de Inglês. Prova Escrita + Oral Informação Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Prova Escrita + Oral Código 21 9ºAno de Escolaridade Ensino Básico 2016/2017 1. Introdução O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos

Leia mais

Pesquisa. Apresentação sobre:

Pesquisa. Apresentação sobre: Pesquisa Apresentação sobre: Introdução Conhecimento O ser humano tem evoluído práticas e técnicas que possibilitaram o desenvolvimento da sociedade. Este desenvolvimento fundamenta-se na acumulação de

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS ANOS LETIVOS: 2014/2015 A 2017-2018 Coordenadora do plano: Maria José

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA AVISO Nº 5/17_18

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA AVISO Nº 5/17_18 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA AVISO Nº 5/17_18 Nos termos do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho, na redação que lhe foi conferida pelo Decreto-Lei nº 83-A/2014, de 23 de maio, retificado pela Declaração

Leia mais

Informação Exames de Equivalência à Frequência 12º ano

Informação Exames de Equivalência à Frequência 12º ano Informação Exames de Equivalência à Frequência 12º ano Exame de equivalência à frequência - Ensino Secundário Formação Específica - Curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologias Decreto-Lei n.º139/2012

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos em cursos de ensino superior Em 2014/15, inscreveram-se em cursos de ensino superior um total de 349 658 alunos

Leia mais

RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/ENSINO SECUNDÁRIO

RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/ENSINO SECUNDÁRIO RELATÓRIO DOS RESULTADOS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/ENSINO SECUNDÁRIO 2013 1 1ª FASE Carlos Marques Paula Rosas Paulo Miranda Paulo Rocha DATA Código e Designação do Exame Nº de alunos Internos EXAMES

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

Um novo panorama da FEUP Qual a percepção da FEUP por parte dos seus finalistas? Joaquim Barros Joaquim Guimarães

Um novo panorama da FEUP Qual a percepção da FEUP por parte dos seus finalistas? Joaquim Barros Joaquim Guimarães PROJECTO FEUP Um novo panorama da FEUP Qual a percepção da FEUP por parte dos seus finalistas? G_I5 Diogo Mendes Gonçalo Martins Joaquim Barros Joaquim Guimarães João Vilas-Boas Victor Cerqueira Índice

Leia mais

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação Prova de Exame Nacional de Biologia e Geologia Prova 702 2013 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e Ciência Direções Regionais de Educação Secretaria

Leia mais

Flávio Alberto Louro Escada

Flávio Alberto Louro Escada Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Rua Escultor Machado de Castro nº20 2ºDireito, 2735-291 Cacém (Portugal) +351 964689387 flavioescada@hotmail.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 01/09/2011 30/06/2012 Professor

Leia mais

RELATÓRIO DE CURSO SUMÁRIO EXECUTIVO DE CARATERIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE TODAS AS UNIDADES CURRICULARES DO CURSO ANO LETIVO 2012/ 2013

RELATÓRIO DE CURSO SUMÁRIO EXECUTIVO DE CARATERIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE TODAS AS UNIDADES CURRICULARES DO CURSO ANO LETIVO 2012/ 2013 RELATÓRIO DE CURSO SUMÁRIO EECUTIVO DE CARATERIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE TODAS AS UNIDADES CURRICULARES DO CURSO ANO LETIVO 2012/ 2013 Curso: Mestrado em Ensino de Dança (1ª edição) Semestre letivo: 1º

Leia mais

Questionário aos Professores. Apresentação dos dados. Equipa de autoavaliação

Questionário aos Professores. Apresentação dos dados. Equipa de autoavaliação Questionário aos Professores Apresentação dos dados Equipa de autoavaliação Inquérito dos Professores Informação de enquadramento: Responderam ao inquérito 47 professores com idades compreendidas entre

Leia mais

Agrupamento de escolas nº1 de Beja Escola Secundária Diogo de Gouveia

Agrupamento de escolas nº1 de Beja Escola Secundária Diogo de Gouveia Agrupamento de escolas nº1 de Beja Escola Secundária Diogo de Gouveia Objeto de avaliação ENSINO RECORRENTE Curso Científico-humanístico de Nível Secundário MATRIZ MODULAR Disciplina: Biologia/Geologia

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Gabinete para a Cultura da Qualidade Dezembro de 2015 Índice Geral Índice Geral...

Leia mais

Departamento de Ciências Experimentais. Critérios de Avaliação

Departamento de Ciências Experimentais. Critérios de Avaliação Agrupamento de Escolas de Santo André 120340 Departamento de Ciências Experimentais Critérios de Avaliação Grupo Recrutamento 520 Biologia e Geologia Ensino Secundário Ano Letivo 2016/2017 ÍNDICE Avaliação

Leia mais

Informação da Prova de Exame de Equivalência à Frequência. Física Código:

Informação da Prova de Exame de Equivalência à Frequência. Física Código: Científico Humanísticos / 12.º Ano Prova: T / P Nº de anos: 1 Duração: Teórica 90 min Prática 90 min + 30 min (tolerância) Decreto -Lei n.º 139/2012, de 5 de Julho. Deve ainda ser tida em consideração

Leia mais

://.pt/ Método orientado para a obtenção de resultados pessoais e académicos. Sólidas competências interpessoais e de comunicação

://.pt/ Método orientado para a obtenção de resultados pessoais e académicos. Sólidas competências interpessoais e de comunicação MARIA DO ROSÁRIO RODRIGUES CO I M B R A p r o f e s s o r a @.pt ://.pt/ SÍ N T E S E Professora do Ensino Superior com 23 anos de Experiência em Investigação e Ensino Método orientado para a obtenção

Leia mais

FÍSICA E QUÍMCA módulo n.ºq3 curso profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos componente de formação científica 2016

FÍSICA E QUÍMCA módulo n.ºq3 curso profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos componente de formação científica 2016 informação-exame de recuperação/módulos em atraso data: 24.06.2016 FÍSICA E QUÍMCA módulo n.ºq3 curso profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos componente de formação científica

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Profa. Dra. Paula Silva de Carvalho Chagas Faculdade de Fisioterapia UFJF Doutora em Ciências da Reabilitação

Leia mais

Colégio do Amor de Deus - Cascais

Colégio do Amor de Deus - Cascais Colégio do Amor de Deus - Cascais Informação Prova de equivalência à frequência de Psicologia B 12º Ano de Escolaridade Prova 340 Aprovada em: 2016.04.20 1. Introdução O presente documento visa divulgar

Leia mais

Avaliação das Competências Sociais

Avaliação das Competências Sociais 25-27 Julho 2011 Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa Portugal Avaliação das Competências Sociais Estudos psicométricos da prova Socialmente em Acção (SA 360º) com crianças e jovens do Ensino

Leia mais

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST Carla Patrocinio, Núcleo de Estatística e Prospectiva Marta Pile, Gabinete de Estudos e Planeamento 1 Sumário Novo Regime

Leia mais

Plano de autoavaliação

Plano de autoavaliação Plano de autoavaliação 2015/16 Agrupamento de Escolas Gaia Nascente Este documento constitui o plano orientador do Agrupamento para a implementação do projeto de autoavaliação e determina: os objetivos,

Leia mais

Autoavaliação Qualidade do Ensino do Agrupamento

Autoavaliação Qualidade do Ensino do Agrupamento Autoavaliação Qualidade do Ensino do Agrupamento 2014-2018 PLANO DE AÇÃO 1 ÍNDICE 1 Introdução. 3 2 Divulgação. 4 3 Circuito de Informação 5 4 Equipa de Autoavaliação.. 6 4.1 Funções a desempenhar/competências

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOLEGÃ, AZINHAGA E POMBALINHO. Informação - Prova de Equivalência à Frequência à disciplina de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOLEGÃ, AZINHAGA E POMBALINHO. Informação - Prova de Equivalência à Frequência à disciplina de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOLEGÃ, AZINHAGA E POMBALINHO Informação - Prova de Equivalência à Frequência à disciplina de Português Data: 1ª FASE e 2ª FASE 1º Ciclo - 2015/2016 Prova Escrita e Prova Oral

Leia mais

Parte I Prova Escrita

Parte I Prova Escrita INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA FÍSICA PROVA 315/2016 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, republicado pelo Decreto-Lei nº 91/2013, de 10 de julho)

Leia mais

Parte I Visão Geral do Processo de Pesquisa 21. Capítulo 1 Introdução à Pesquisa em Atividade Física 23

Parte I Visão Geral do Processo de Pesquisa 21. Capítulo 1 Introdução à Pesquisa em Atividade Física 23 SUMÁRIO Parte I Visão Geral do Processo de Pesquisa 21 Capítulo 1 Introdução à Pesquisa em Atividade Física 23 Natureza da pesquisa 23 Métodos não científicos e científicos de solução de problemas 30 Modelos

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO E ENSINO NÃO SUPERIOR DIRECÇÃO GERAL DOS RECURSOS HUMANOS DA EDUCAÇÃO DIVISÃO DE APOIO À FORMAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Abril 2016 Prova 302 2016 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS 2016 Prova 02 / 2016 1ª e 2ª fase 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Escola Secundária de Cacilhas Tejo Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria 2013-2014 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FÍSICA 2017 Prova 315 Escrita + Prática 12º Ano de Escolaridade

Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FÍSICA 2017 Prova 315 Escrita + Prática 12º Ano de Escolaridade Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FÍSICA 2017 Prova 315 Escrita + Prática 12º Ano de Escolaridade Dando cumprimento ao estipulado no art.29.º, do Despacho normativo n.º5-a, de 10 de abril,

Leia mais

Perfil do Docente 2007/08

Perfil do Docente 2007/08 Perfil do Docente 2007/08 93 PERFIL DO DOCENTE 2009/2010 1 Índice FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2009/2010 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 2015/16 (CTeSP de Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação) Escola Superior de Tecnologia e Gestão

RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 2015/16 (CTeSP de Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação) Escola Superior de Tecnologia e Gestão Relatório Anual de Curso (Público) RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 2015/16 (CTeSP de Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação) Escola Superior de Tecnologia e Gestão Índice 1. Estudantes e ambiente

Leia mais

CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL A CICLOS DE ESTUDOS DE LICENCIATURA

CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL A CICLOS DE ESTUDOS DE LICENCIATURA INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE DE LISBOA CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL A CICLOS DE ESTUDOS DE LICENCIATURA As condições de acesso e ingresso do Estudante

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NO MESTRADO PROFISSIONAL NORTE UNIFESP/CEDESS COMO ESTIMULADOR DA APRENDIZAGEM COMPARTILHADA.

O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NO MESTRADO PROFISSIONAL NORTE UNIFESP/CEDESS COMO ESTIMULADOR DA APRENDIZAGEM COMPARTILHADA. O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NO MESTRADO PROFISSIONAL NORTE UNIFESP/CEDESS COMO ESTIMULADOR DA APRENDIZAGEM COMPARTILHADA. Beatriz Jansen Ferreira UNICAMP Resumo Este trabalho é resultado de um pós-doutoramento

Leia mais

Relatório de Análise Comparada dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Secundário 11º e 12ºano

Relatório de Análise Comparada dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Secundário 11º e 12ºano Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 Relatório de Análise Comparada dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Secundário 11º e 12ºano Equipa: Rosa Cruz (RD Pré-Escolar) Eliana Antunes (RD

Leia mais

CONCILIAÇÃO ENTRE A VIDA FAMILIAR E A VIDA LABORAL

CONCILIAÇÃO ENTRE A VIDA FAMILIAR E A VIDA LABORAL Anexos Anexo 1- Questionário utilizado no estudo CONCILIAÇÃO ENTRE A VIDA FAMILIAR E A VIDA LABORAL Esta investigação decorre no âmbito do Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e Comportamento Organizacional

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Vimioso 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 2. A IMPORTANCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES 2 3. OBJECTIVOS 2 4. METODOLOGIA 2 5. ANÁLISE

Leia mais

Parecer da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) Revisão da Estrutura Curricular dos Ensino Básico e Secundário

Parecer da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) Revisão da Estrutura Curricular dos Ensino Básico e Secundário Parecer da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) sobre a proposta-base de Revisão da Estrutura Curricular dos Ensino Básico e Secundário apresentada pelo Ministério da Educação e

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2009/2010 Física e química

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2009/2010 Física e química PERFIL DO DOCENTE 2009/2010 FÍSICA E QUÍMICA 1 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2009/2010 Física e química Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de

Leia mais

Causas do insucesso nos exames nacionais de Física e Química A na perspetiva dos professores

Causas do insucesso nos exames nacionais de Física e Química A na perspetiva dos professores Causas do insucesso nos exames nacionais de Física e Química A na perspetiva dos professores Maria Manuela Borges de Madureira 1 e José Alberto Gomes Precioso 2 1 mmadureira@gmailcom, 2 precioso@ie.uminho.pt

Leia mais

Análise de dados provenientes de técnicas moleculares

Análise de dados provenientes de técnicas moleculares CIIMAR Curso de formação Análise de dados provenientes de técnicas moleculares Formadores: Filipe Pereira e Filipe Lopes Manual do Curso 1 Índice Objetivo Geral do Curso... 3 Público-alvo... 3 Objetivos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 2015/16 (Curso Desporto e Lazer) Escola Superior de Desporto e Lazer

RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 2015/16 (Curso Desporto e Lazer) Escola Superior de Desporto e Lazer Relatório Anual de Curso (Público) RELATÓRIO ANUAL DE CURSO 2015/16 (Curso Desporto e Lazer) Escola Superior de Desporto e Lazer Índice 1. Estudantes e ambiente de ensino e aprendizagem... 2 1.1 Caracterização

Leia mais

Balanço Social Abril de 14

Balanço Social Abril de 14 Abril de 14 Índice Introdução... 3 BALANÇO SOCIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013... 4 1. Estrutura orgânica... 4 2. Recursos Humanos... 4 3. Caraterização do efectivo global... 5 3.1 Por estrutura jurídica...

Leia mais