,ERROS E FRAUDES EM AUDITORIA UM CASO ESPECÍFICO DE FRAUDES EM CONTAS A RECEBER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ",ERROS E FRAUDES EM AUDITORIA UM CASO ESPECÍFICO DE FRAUDES EM CONTAS A RECEBER"

Transcrição

1 ,ERROS E FRAUDES EM AUDITORIA UM CASO ESPECÍFICO DE FRAUDES EM CONTAS A RECEBER Aline Nascimento Guido (G-UEM) Fabiana Aparecida Guido da Rocha (G-UEM) Janaina Priscila Santos (G-UEM) Vânia Cassamali (G-UEM) Reinaldo R. Camacho (P-UEM) Resumo Este artigo é resultado de uma pesquisa cujo objetivo é conceituar erros e fraudes em Auditoria. Para alcance dos objetivos deste trabalho foi realizado pesquisa bibliográfica em materiais que tratam do assunto. Também foram colhidos materiais de apoio utilizados em sala de aula disponibilizado pela disciplina de auditoria contábil. A primeira parte desta pesquisa trata do referencial bibliográfico centrado em definições de Auditoria, Erros e Fraudes. No desenvolvimento e corpo do trabalho, é apresentada a Auditoria em contas a receber e os erros e fraudes mais comuns. Para exemplificar o assunto foi utilizado um caso real de fraude ocorrido no Banco Nacional.. Finalmente é apresentado as considerações finais sobre o tema, onde podemos concluir que embora erro e fraude sejam parecidos o que irá diferencia-los é a intenção de quem manipula as informações. Palavras-chave: Contas a receber, auditoria, erros e fraudes. Introdução A Contabilidade é o processo de geração de informações referentes às atividades financeiras dos diversos tipos de atividade econômica, de modo que o usuário desta informação se utilize para a tomada de decisões. Historicamente, os usuários destas informações cada vez mais têm demonstrado interesse pelas atividades financeiras das entidades, destacando-se a Contabilidade por gerar e transmitir esses dados. Existem duas amplas categorias de usuários: os usuários internos (aqueles de dentro da entidade) e os usuários externos (aqueles de fora da entidade e que se utilizam das informações para operações com a entidade ou não). Com o desenvolvimento das grandes empresas, cresce intensamente a figura dos acionistas, proprietários ausentes que não tem nenhum contato com as atividades da empresa. Mesmo sendo proprietários, eles não recebem informações de primeira mão, dependem das

2 2 demonstrações financeiras para se inteirarem das atividades da empresa. Mesmo as pessoas que trabalham dentro da empresa, podem não saber se as informações são verdadeiras ou não. O que dizer então da União, principal usuário externo e que se utiliza da informação para a obtenção de recursos provenientes de impostos sobre os valores apresentados nas demonstrações financeiras das empresas. Tanto uns como outros precisam ter certeza de que a informação contábil que lhes é fornecida seja digna de confiança, exata, fidedigna e apresentada de forma honesta e isenta de distorções. Portanto, os diversos tipos de usuários (internos e externos) exigem que a informação seja examinada por uma pessoa competente, que não a encarregada de preparar essa informação. Esse exame chama-se Auditoria e quem o faz é o Auditor, sendo um dos seus trabalhos identificar a verdadeira intenção de quem manipula as informações ao deparar-se com as divergências encontradas. O objetivo deste trabalho, através de pesquisa bibliográfica é apresentar as diferenças entre erros e fraudes em Auditoria de contas a receber, bem como o procedimento a seguir nesses casos. Auditoria: conceito e definição Para Hilário Franco (2001): A auditoria compreende o exame de documentos, livros e registros, inspeções e obtenção de informações e confirmações, internas e externas, relacionados com o controle do patrimônio, objetivando mensurar a exatidão desses registros e das demonstrações contábeis deles decorrentes. Essa mensuração que Hilário Franco diz, destina-se não somente aos administradores dos órgãos administrativos do patrimônio, mas também a resguardar os interesses de usuários externos ligados de alguma forma ao patrimônio. A Contabilidade utiliza seus princípios, normas e procedimentos para estudar e controlar o patrimônio, com a finalidade de demonstrar e fornecer informações sobre sua estrutura e sua composição, em suas variáveis quantitativas e qualitativas. A Auditoria é a técnica contábil utilizada para avaliar essas informações.

3 3 Cook e Winkle (1983, p. 4) definem Auditoria como O estudo e avaliação sistemáticos de transações, procedimentos, operações e das demonstrações financeiras resultantes. Sua finalidade é determinar o grau de observância dos critérios estabelecidos e emitir um parecer sobre o assunto. Franco e Marra (2001, p. 28) definem Auditoria como: A técnica contábil que através de procedimentos específicos que lhe são peculiares, aplicados no exame de registros e documentos, inspeções, e na obtenção de informações e confirmações, relacionados com o controle do patrimônio de uma entidade objetiva obter elementos de convicção que permitam julgar se os registros contábeis foram efetuados de acordo com princípios fundamentais e normas de Contabilidade e se as demonstrações contábeis deles decorrentes refletem adequadamente a situação economica-financeira do patrimônio, os resultados do período administrativo examinado e as demais situações nelas demonstradas. A Auditoria, apesar de fazer parte da Contabilidade, distingui-se desta por constituir a técnica por ela utilizada para confirmar a veracidade dos registros contábeis, que é o principal meio de que se vale a Contabilidade para alcançar seu fim. Porém, a ação da Auditoria, não se limita àquilo que está registrado nos livros, apura também o que foi omitido nesses registros, ou seja, ela utiliza todos os meios de prova ao seu alcance, mesmo que sejam extracontabeis, ou mesmo de fora da empresa auditada Erro e fraude Para definirmos o que é erro, o que é fraude e saber distinguir entre um e outro, vamos buscar o significado dessas palavras no dicionário e aplicá-las no contexto contábil. Erro O dicionário Aurélio (1977, p. 190), define Erro como: Erro.1. Ato ou efeito de errar. 2. Juízo falso; engano. 3. Incorreção. 4. Desvio do bom caminho. De acordo com o dicionário Rosa (1999, p. 193), Erro é sinônimo de ilusão, engano. Para Cook e Winkle (1983, p. 75): A negligência pode ser tão grosseira que atinja os limites da fraude. se um auditor tiver tão pouco cuidado em seu exame, que não acredite realmente que este seja bom, ou se não tiver tido o mínimo cuidado para fazê-lo, ou ainda, se tiver agido com total desconsideração pela verdade, então pode ser culpado de negligência

4 4 grosseira. Por exemplo, a negligência grosseira ocorre quando o auditor deixa de fazer uma auditoria como as circunstâncias exigem, como por exemplo, verificando se o saldo do razão de contas a receber da subsidiária confere com a conta-controle e com o valor constante nas demonstrações financeiras, ou determinando se os investimentos são feitos em empresas realmente existentes e possuidores de patrimônio corrente. O auditor é passível de culpa por negligência grosseira, assim como por negligência comum e fraude. De acordo com a Ata CFC n 770, de 17/12/97 do Proc. CFC n 2/97 (NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis), erro é o ato não intencional resultante de omissão, desatenção ou má interpretação de fatos na elaboração de registros e demonstrações contábeis. O Conselho Federal de Contabilidade, através da NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis, define erro como o termo referente ao ato nãointencional na elaboração de registros e demonstrações contábeis, que resulte em incorreções deles, consistente em: a) erros aritméticos na escrituração contábil ou nas demonstrações contábeis; b) aplicação incorreta das normas contábeis; c) interpretação errada das variações patrimoniais. Dessas definições, podemos concluir que o erro é o que foi detectado pela Auditoria, porém por engano da pessoa que o fez (ou deixou de fazer). Fraude De acordo com o dicionário Aurélio (1977, p.229): Fraude.1. Logro. 2. Abuso de confiança. 3. Contrabando. Em Rosa (1999, p. 227), fraude é sinônimo de: Fraude. Astúcia para causar dano; engano; logro; dolo; contrabando; burlar. Para Cook e Winkle (1983, p. 75): Normalmente, a fraude consiste em fazer-se uma declaração reconhecidamente falsa ou despida de fundamento razoável, bem como omitir um fato material, necessário para refletir a verdade. Para que haja fraude, deeve existir intenção de que outra pessoa aja em função da omissão ou falseamento de um fato material, e essa pessoa

5 5 precisa realmente agir assim e ser prejudicada por fazê-lo. O auditor, em geral é suscetível de culpa por fraude, em relação a um cliente. De acordo com a Ata CFC n 770, de 17/12/97 do Proc. CFC n 2/97 (NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis), fraude é o ato intencional de omissão ou manipulação de transações, adulteração de documentos, registros e demonstrações contábeis. O Conselho Federal de Contabilidade, através da NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis, define erro como o termo O termo fraude referese a ato intencional de omissão ou manipulação de transações, adulteração de documentos, registros e demonstrações contábeis. A fraude pode ser caracterizada por: a) manipulação, falsificação ou alteração de registros ou documentos, de modo a modificar os registros de ativos, passivos e resultados; b) apropriação indébita de ativos; c) supressão ou omissão de transações nos registros contábeis; d) registro de transações sem comprovação; e e) aplicação de práticas contábeis indevidas. Então, fraude é trapacear em algum ato para produzir o resultado que se esperava. Conclusão O que distingue erro de fraude é a intenção da pessoa que administra as informações e as demonstrações. Se houver intenção em burlar os princípios e procedimentos para geração de resultados, está caracterizada a fraude. Não havendo a intenção de manipular o resultado ou omitindo sem intenção (por não saber ou esquecer) está caracterizado o erro.

6 6 Porém, não podemos diminuir a culpa de um ou outro, tendo em vista que todos que manipulam as informações sobre o patrimônio precisam ser preparados tecnicamente e éticamente para tal ofício, não podendo ser descartado a responsabilidade sobre as conseqüências. Erros e fraudes em contas a receber Para a auditoria a existência do controle interno é fundamental. Caso os estoques não sejam controlados, a manipulação de dinheiro e cheques não esteja subordinada a certas normas, entre outros, o auditor não poderá examinar, testar ou certificar coisa alguma. O auditor deve efetuar o estudo e avaliação do sistema contábil e de controles internos da entidade, como base para determinar a natureza, oportunidade e extensão da aplicação dos procedimentos de auditoria. ( ATTIE, 1998, p. 61). Attie (1998, p. 112 e 113), afirma que: (...) controle interno compreende todos os meios planejados numa empresa para dirigir, restringir, governar e conferir suas várias atividades com o propósito de fazer cumprir os seus objetivos. (...) é oportuno para analisar o crescimento e a diversificação de uma empresa. (...) previne que funcionários possam cair em tentação dado a possíveis problemas pessoais ou financeiros e incorrer em atos ilícitos. Um sistema de controle interno bem desenvolvido pode trazer aspectos de grande relevância dentro da auditoria interna, já que inclui controles que podem ser peculiares tanto à contabilidade como à administração. Alguns conceitos relativos ao controle interno induzem a impressão que um bom sistema de controle interno constitui a garantia contra a ocorrência de fraudes e irregularidades, porém eles apenas previnem as fraudes e minimizam os riscos de erros. Conforme Sá (1982, p.16), é necessário um auditor saber como analisar as possibilidades de ocorrência de fraudes, para identificar os seus indícios, sendo esse conhecimento, condição essencial para sua formação profissional.

7 7 Diversas falhas podem ocorrer tanto por ocasião dos registros contábeis, como após esses lançamentos. Segundo Florentino (1975, p. 136): Por ocasião dos registros contábeis poderão ocorrer as seguintes falhas: a) má classificação da conta a debitar ou da conta a creditar; b) classificação correta das contas, porém registro em outra conta ou subconta; c) lançamento a débito incorretamente registrado a crédito, ou vice-versa; d) valor do registro lançado errado nas duas contas ou apenas em uma das duas contas. Após o lançamento poderão continuar a serem cometidos erros, tais como: a) erros na obtenção dos saldos das contas; b)estornos feitos inadequadamente ou também com erros; c) esquecimentos de baixas em contas de controle ()...(). O pior é que esses erros ou falhas podem ser decorrentes de fraudes, daí o cuidado que se deverá ter na fiscalização e supervisão dos registros contábeis. Por exemplo, existem certas contas que só podem aparecer com saldos devedores (despesas, bens e valores a receber), e outras com saldos credores ( receitas, capitais e contas a pagar); se uma dessas contas de saldo devedor resultar, após alguns registros em saldo credor, isso significa lançamentos errados foram escriturados nessa conta. Há erros que não são intencionais e nem dolosos e sim conseqüência das falhas humanas. Tais erros podem ser classificados em: a) omissão de registros e/ou lançamentos; b) registros/lançamentos processados com valores diferentes dos reais; c) erros em somas, cálculos ou obtenção de saldos; d) registros e/ou lançamentos processados em colunas erradas Diferentes dos erros, as fraudes são manipuladas ou preparadas para beneficiar o defraudador, para apresentar valores contábeis artificiais ou para lesar o Fisco. As fraudes podem ser cometidas: a) por fornecedor ou terceiros, contra a empresa; b) pelos próprios empregados da empresa; c) pela direção ou administração da empresa; A eficiência do controle interno deve permitir detectar não somente erros de atos não intencionais, como também as irregularidades de atos intencionais (fraudes) em qualquer que

8 8 seja a sua modalidade à identificação. A instalação de eficientes controles internos, tais como: manuais de instrução e rotinas, separação de funções, controles de seqüências, escrituração contábil em dia, etc..., consiste no melhor sistema de proteção contra as fraudes. ( FLORENTINO, 1975). O profissional contábil deve atentar especialmente para as disponibilidades, pois representa o conjunto de contas mais visado pelos fraudadores. Tabela 1: Contas contábeis mais utilizadas para classificar e tentar esconder a prática criminosa Contas (%) Caixas e Bancos 17,48 Contas a receber 9,71 Estoque 16,50 Ativo permanente 0,97 Fornecedores 6,80 Contas a Pagar 4,85 Vendas 6,80 Custo de mercadorias vendidas 3,88 Contas da folha de pagamento 3,88 Despesas de viagem 9,71 Outras despesas 7,77 Despesas de serviços 7,77 Outras 3,88 Fonte: GBE Peritos & Investigadores Contábeis, Auditoria nas contas a receber As Contas a Receber podem ser perigosas quando fora de controle. Podemos evitar que isso aconteça recebendo no prazo e nas condições predeterminadas. Há uma série de ferramentas, procedimentos e serviços que ajudam a gerenciar as contas a receber. A auditoria das contas a receber terá a finalidade de determinar se realmente a conta existe; se é de propriedade da empresa; se os princípios contábeis foram devidamente utilizados; determinar que está corretamente classificada nas demonstrações e as divulgações aplicáveis seguem em notas explicativas. Attie (1998, p. 271, 272), nos demonstra vários procedimentos que fortalece o controle das contas a receber:

9 9 (...) poderiam ser assim exemplificados: segregação de funções entre a custódia das contas a receber e a de contabilização; conciliação periódica entre a custódia e a contabilidade;(...) análise permanente das contas a receber atrasadas e esforço para seu recebimento; utilização de recebimentos por via bancaria e confirmação dos devedores, por pessoa independente da custódia. Após determinar se as contas a receber são direitos efetivos contra os devedores e são reais, precisa certificar-se de que, embora estas se constituam direitos efetivos contra os devedores, serão realmente recebidas, se os valores são reais. A fraude do banco nacional Como exemplo de fraudes em contas a receber, temos o balanço fraudado do Banco Nacional, que conseguiu durante dez anos esconder que estava falido através da manipulação de suas contas a receber. Segundo a revista Veja (1996, p.91) o Banco Nacional estava falido desde 1986, por má administração, empréstimos com finalidade política e compra de bancos ruins, sendo que seu patrimônio nesta data só cobria a metade dos débitos. Quando ocorre a falência de um banco, o Banco Central o liquida e vende os bens de seus donos e administradores para pagar os credores. Para que isto não acontece-se os donos e administradores do Banco Nacional, ocultaram sua falência para o Banco Central, para não ceder seus prédios, fazendas, carros de luxo, empresas e o próprio Banco Nacional. Para manter a fortuna intacta, resolveram fraudar o balanço e enganar o país. As fraudes tiveram origem com a vinda de um gerente do Nacional, do interior mineiro, da agência de Patos de Minas, para cuidar da parte técnica da tarefa. Este gerente escolheu um grupo de 642 contas correntes que pertenciam a pequenos clientes que haviam tomado empréstimos do Nacional e nunca pagaram. Em vez de cobrá-los, juntou as fichas cadastrais dessa gente e passou a dar-lhes empréstimos milionários. Não havia dinheiro na transação e o dono da conta não ficava sabendo. Os empréstimos eram só no lápis e papel. Nos balanços do Nacional, no entanto, esses números passaram a mostrar ao público que o banco tinha créditos bons e em grande volume a receber. Esses créditos começaram com uma soma de cerca de 600 milhões de dólares em 1986, e a medida que a fraude continuou funcionando, porque o rombo só aumentava, os créditos foram aumentando e chegaram a 4,6 bilhões de reais dez anos depois em 1996, ou seja quando o caso foi a tona e o Banco Central interveio.

10 10 Esses créditos alinhados na coluna do patrimônio, davam a falsa impressão de que o Nacional era uma instituição rica e sólida, que ocasionou a compra de muitas ações, por acionistas que confiaram em seu balanço maravilhoso e, com a quebra da instituição, suas ações viraram nada. Está ação fraudulenta colocou em risco a credibilidade do sistema financeiro do país, além de poder lesar toda a população em alguns bilhões de reais. Uma empresa de auditoria independente, que está entre as seis maiores do mundo, que há vinte anos assinava os balanços do Nacional, dando-os como peças reais e perfeitas e ficou durante dez anos sem descobrir a farsa. Somente em 1996 está empresa de auditoria soltou um documento apontando problemas sérios de liquidez no banco, e a partir desse momento, o Nacional perdeu qualquer condição de ser negociado ou vendido sem o auxílio direto do Banco Central. No caso do Nacional, os culpados poderão responder por quatro crimes previstos na Lei n º 7492 de 1986, a lei do colarinho-branco. É crime divulgar informações falsas (de dois a seis anos de reclusão), gerir temerariamente instituição financeira (de dois a oito anos), induzir a erro acionistas e o Banco Central (dois a seis anos), falsificar demonstrações contábeis (um a cinco anos), pois não a dúvida quanto à responsabilidade do contador. Evidenciando assim o papel fundamental na auditoria, tendo em vista a sua importância na elaboração de demonstrações contábeis, como suas análises para averiguações de dados e seu parecer técnico. Regina: Para o vice-presidente da corretora Anchorage Capital Partners, de Londres, Pedro de Souza Leão No Brasil também podem acontecer fraudes, como já aconteceu o caso do Banco Nacional em O problema do Nacional não foi de maquiagem contábil, mas de fraude pura e simples. Nenhum auditor teria como descobrir as contas fantasmas que o banco criou antes de a bomba explodir, diz. Conclusão A Auditoria surgiu como conseqüência da necessidade de confirmação dos registros contábeis, em virtude do aparecimento das grandes empresas e da taxação do imposto de renda, baseado nos resultados apurados em balanço.

11 11 Sua evolução ocorreu paralelamente ao desenvolvimento econômico, que gerou as grandes empresas, formadas por capitais de muitas pessoas, que têm na confirmação dos registros contábeis a proteção ao seu patrimônio. Erros e Fraudes estão correlacionadas, porém o que difere um do outro é a intenção em cometer. Porém, não é diminuída a responsabilidade de quem pratica em nenhum dos casos. As Contas a Receber podem ser perigosas para o crescimento e a vida da empresa quando fora de controle. A eficiência do controle interno deve permitir detectar não somente erros de atos não intencionais, como também as irregularidades de atos intencionais (fraudes) em qualquer que seja a sua modalidade à identificação. A auditoria interna é uma excelente ferramenta para que as empresas possam testar seus controles internos e manter as contas a receber em ordem, pois um trabalho ético e feito com profissionais qualificados só tem valores positivos a agregar para seus donos e administradores. É importante, quando a empresa tiver a necessidade de contratar uma empresa de auditoria independente, buscar informações sobre está empresa, sobre sua qualificação e qualidade nos serviços prestados, para assim poder transmitir mais confiabilidade e tranqüilidade para seus acionistas e também para o mercado externo, sobre seus procedimentos contábeis e administrativos. Referências Almanaque Abril Retrospectiva São Paulo: Abril, Ano 23. p.23. ATTIE, William. Auditoria: Conceitos e Aplicações. 3ª.ed. São Paulo: Atlas, COOK, John W./Winkle, Gary M. Auditoria: Filosofia e Técnica. Tradução e Revisão de Sônia Schwart e Wilson Grenjo. São Paulo: Atlas, Disponível em: <http://www.crcsp.org.br/serie_millenium/resolucoes/res836.htm> Acesso em: 02/10/2006. Disponível em: <http://www.portaldecontabilidade.com.br/nbc/t1103.htm> Acesso em: 02/10/2006.

12 12 Disponível em: <http:// /search?q=cache:yfrp_thuhxuj:cfcspw.cfc.org.br/resolucoes_cfc/res _820.DOC+ERRO+FRAUDE+NBCT&hl=pt-BR&gl=br&ct=clnk&cd=4> Acesso em: 02/10/2006. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/economia/020703_donmecopc.shtml> Acesso em: 02/10/2006. FERREIRA, Aurélio B. de H. Minidicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, FLORENTINO, Américo M. Auditoria Contábil. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, FRANCO, Hilário/MARRA, Ernesto. Auditoria Contábil. 4ª.ed.,São Paulo: Atlas, 2001 Revista Veja. O BC é uma caixa preta e tapada. São Paulo: Abril, 21 de agosto, p Revista Veja. A cova é mais funda. São Paulo: Abril, 05 de junho, p Revista Veja. O Golpe do balanço fraudado. São Paulo: Abril, 28 de fevereiro, p Revista Veja. O jogo de empurra no Nacional. São Paulo: Abril, 07 de agosto, p Revista Veja. Os homens que sabiam demais. São Paulo: Abril, 21 de agosto, p ROSA, Ubiratan. Minidicionário Compacto da Língua Portuguesa. 9ª edição. São Paulo Rideel, 1999.

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Procedimentos de Auditoria TURMA: PECC 1 - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA ASPECTOS CONCEITUAIS Nesta aula, estudaremos os Procedimentos de Auditoria, abordando

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade. 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade. 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade FRAUDE Agenda 1 Definição de fraude 2 Diferença entre fraude e erro 3 Condições presentes na ocorrência fraude 4 Ambiente atual 5 Responsabilidades: Administração x Auditor

Leia mais

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Professor Marcelo Aragao ÁREAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A SEREM AUDITADAS Contas de Ativo Contas de Passivo Patrimônio Líquido

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Papéis de Trabalho TURMA: PECC Nesta aula, continuaremos o estudo dos aspectos técnicos concernentes à Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis,

Leia mais

A importância do Controle Interno dentro das organizações

A importância do Controle Interno dentro das organizações , Nº 03, p. 33-44, jan./jun.2004 A importância do Controle Interno dentro das organizações SUELY MARQUES DE REZENDE 1 HAMILTON LUIZ FAVERO 2 RESUMO A economia do país passa por transformações que afetam

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS RISCOS DE AUDITORIA NA EMISSÃO DO PARECER

UMA ABORDAGEM SOBRE OS RISCOS DE AUDITORIA NA EMISSÃO DO PARECER UMA ABORDAGEM SOBRE OS RISCOS DE AUDITORIA NA EMISSÃO DO PARECER Raphael Vinicius Weigert Camargo (G-UEM) Rita de Cássia Correa Pepinelli (G-UEM) Reinaldo Rodrigues Camacho (UEM) Resumo Este estudo busca

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Programas de Auditoria para Contas do Ativo Programas de Auditoria para Contas do Ativo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

Aula Nº 12 Auditoria Externa

Aula Nº 12 Auditoria Externa Aula Nº 12 Auditoria Externa Objetivos da aula: Apresentar a atividade de auditoria externa (independente) como meio para aferir a eficiência dos controles e como ferramenta administrativa para validação

Leia mais

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria Tópico 6: Testes e Procedimentos básicos de auditoria Prof. Marcelo Aragão Testes de auditoria 1. TESTES DE OBSERVÂNCIA (DE CONTROLES, DE ADERÊNCIA OU DE PROCEDIMENTOS) Visam à obtenção de razoável segurança

Leia mais

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Auditoria Profº Guilherme Albuquerque. Profº guilherme

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional.

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. NBC TA 450 CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.216/09 Aprova a NBC TA 450 Avaliação das Distorções Identificadas durante a Auditoria. O

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA! O que faz a auditoria externa?! Quais as funções da auditoria interna?! Qual a interligação entre a auditoria externa

Leia mais

Procedimentos de auditoria utilizados pelas empresas de auditoria independente estabelecidas em Santa Catarina

Procedimentos de auditoria utilizados pelas empresas de auditoria independente estabelecidas em Santa Catarina Procedimentos de auditoria utilizados pelas empresas de auditoria independente estabelecidas em Santa Catarina Paulo Roberto da Cunha (Universidade Regional de Blumenau Brasil) paulo.ccsa@furb.br Nelson

Leia mais

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria.

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria. Caro Concursando, Analisamos as questões de Auditoria da prova para AFRFB/09. Em um primeiro momento, identificamos 5 possíveis recursos: 4 anulações (questões 22, 27, 32 e 40) e 1 alteração de gabarito

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA onilzo farias / onilzo@ig.com.br / onilzo.bangu@click21.com.br / 12/04/04 /1 FACULDADES MACHADO DE ASSIS FAMA DISCIPLINA: AUDITORIA PROFESSOR: ONILZO FARIAS* EXERCÍCIOS BIBLIOGRAFIA BÁSICA: CURSO BÁSICO

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

FACULDADE DE MINAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE DE MINAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE MINAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANILTON ROCHA SILVA CAROLINA CLIVIAN PEREIRA AVIER DÉBORA LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA FERNANDA CAROLINE SILVA FERNANDA SANTOS CLAUDINO JULIANA DE SOUZA PAULA

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Origem Evolução do sistema capitalista; Necessidade de ampliação das instalações; Investimento tecnológico; Redução de custos; Empréstimos

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

FRAUDES EM CONTABILIDADE

FRAUDES EM CONTABILIDADE AUDITORIA COM ENFOQUE EM FRAUDES. AUDITORIA COM ENFOQUE EM FRAUDES Prof. Cláudio Marcelo R Cordeiro 1 O Auditor não tem responsabilidade profissional por detecção de fraudes A administração e o público

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E EXTERNA

AUDITORIA INTERNA E EXTERNA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA Autores 1 Gisele Cristiane Galo Roseli Aparecida de Oliveira Barbosa Orientador (a) 2 Nanci Ribeiro Prestes RESUMO: A evolução das empresas e a conseqüente competição do mercado

Leia mais

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA PARTE II

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA PARTE II Disciplina: Auditoria 1 Turma B Professor: Wolney Resende de Oliveira Alunos: Cláudia Raquel Leão Brizolla 06/17946 Diego Boaventura Soares 05/17402 Guilherme Cardoso Miranda 08/48701 Matheus Lara de Souza

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes

Treinamento de Prevenção a Fraudes Treinamento de Prevenção a Fraudes 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com a PAN Seguros,

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 4 DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA - PAPÉIS DE TRABALHO 1 Os papéis de trabalho constituem os documentos preparados pelo auditor e/ou obtidos diretamente da empresa para comprovar a evidência da transação

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Introdução O auditor tem o dever de documentar, através de papéis de trabalho, todos os elementos significativos

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO 1 AUDITORIA ETERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA AVIER, Débora LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA,

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul AULA 02 Prof. Ailton Azevedo M. da Nóbrega Disciplina: AUDITORIA Turma: 6 CCN 2011.02 AUDITORIA INTERNA CONCEITO: É um controle gerencial que funciona por meio de medição e avaliação da eficiência e eficácia

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

Evidência de Auditoria

Evidência de Auditoria Evidência de Auditoria Compreende as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião. Inclui as informações contidas nos registros contábeis que suportam

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.207/09 Aprova a NBC TA 240 Responsabilidade do Auditor em Relação a Fraude, no Contexto da Auditoria de Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

Etapas da auditoria e exame dos registros

Etapas da auditoria e exame dos registros Etapas da auditoria e exame dos registros Objetivo e planejamento da auditoria (etapa inicial do processo) A auditoria tem fornecido sólidas informações e opiniões que possibilitam uma melhor qualidade

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE ALAGOAS VII ENCONTRO DE CONTABILIDADE DO AGRESTE ALAGOANO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Fernando Carlos Almeida MAIO - 2014 Contabilidade

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Relatório dos Auditores Independentes sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados em 31 de dezembro de 2007 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções:

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções: Comentário Prova Auditor Fiscal SEFAZ-RJ 2011 Parte 1 Olá meus amigos! Irei, a partir deste toque, comentar as questões de Auditoria constantes da prova mais recente para Auditor Fiscal (Secretaria de

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1 PROGRAMAS DE AUDITORIA E PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS PARA CONTAS DO PASSIVO DE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ALUNOS: DIOGO

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Um dos pontos mais polêmicos e de maior impacto nestas alterações das normas de auditoria independente

Leia mais

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE Setembro/2015 MITSUI SUMITOMO SEGUROS Parte integrante do MS&AD Insurance Group, o maior grupo segurador do Japão e um dos maiores do mundo, a Mitsui Sumitomo

Leia mais

AULA 1 DEMONSTRATIVA

AULA 1 DEMONSTRATIVA AULA 1 DEMONSTRATIVA Saudações queridos alunos, eu sou o PROF. HILTON LOPES e estou aqui para ajudá-los com as disciplinas AUDITORIA E CONTROLE INTERNO E GESTÃO DE RISCOS para o concurso de TÉCNICO DE

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA. Helio Denni Viana Lago Filho 1

O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA. Helio Denni Viana Lago Filho 1 O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA Helio Denni Viana Lago Filho 1 1 INTRODUÇÃO A auditoria constitui um dos instrumentos mais eficientes no aprimoramento do sistema

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais

A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais Silvana Duarte dos Santos 1 Resumo No século XXI, a intensificação do processo de globalização da economia, teve como conseqüência

Leia mais

Manual do Módulo Financeiro do Klavix

Manual do Módulo Financeiro do Klavix Introdução O Klavix Enterprise é primariamente um sistema contábil. Ao contrário de sistemas que controlam vendas e produtos e geram contabilidade, o Klavix usa a contabilidade como ferramenta de controle,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Responsabilidade Empresa de Software

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Responsabilidade Empresa de Software Parecer Consultoria Tributária Segmentos 06/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Análise da Consultoria... 3 2.1 Obrigação Tributária... 3 2.2 Sujeito Passivo da Obrigação Tributária...

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

RESUMO. Palavras chaves: Auditores, conceituação, objetivo.

RESUMO. Palavras chaves: Auditores, conceituação, objetivo. FERNANDA MARTINS LEMOS GABRIELA DE CASTRO G. CASSIMIRO LORENA CAMILA MARTINS ARAUJO LUCIANA CHAVES DA SILVA RENATO LUIZ DE JESUS SABRINA LOUISE PEREIRA THIAGO MOURA DE CARVALHO AUDITORIA INTERNA BELO HORIZONTE

Leia mais

UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA

UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA 1º Semestre/2012 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MÓDULO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Palavras-chave: fraude contábil, controle interno, auditoria externa.

Palavras-chave: fraude contábil, controle interno, auditoria externa. PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO DE FRAUDE CONTÁBIL NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO EXTERIOR Viviane Fernandes Pereira Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-SP) viviane.fpereira@outlook.com.br Adilson

Leia mais

Questões Professor Larratéa

Questões Professor Larratéa AUDITORIA GOVERNAMENTAL QUESTÕES DE PROVAS Prof. Larratéa e-mail luizlarratea@hotmail.com (dúvidas) 01) Sobre as características da auditoria, analise as informações a seguir. I - A auditoria interna não

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO DE VERIFICAÇÃO E CONTROLE

A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO DE VERIFICAÇÃO E CONTROLE A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO DE VERIFICAÇÃO E CONTROLE Linha de Pesquisa: Auditoria Interna Maria Inez Costa Oliveira (ACADÊMICA) Ms. Denise Aparecida Gomes dos Santos Universidade

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

ESCRITURAÇÃO É uma técnica que se utiliza dos lançamentos para controlar os elementos patrimoniais.

ESCRITURAÇÃO É uma técnica que se utiliza dos lançamentos para controlar os elementos patrimoniais. MÓDULO IV CONTABILIDADE GERENCIAL ESCRITURAÇÃO As variações no patrimônio, sejam no aspecto qualitativo ou quantitativo, devem ser registradas formalmente através de um modelo racional e sistematizado.

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

Artigo 05 Exercício Comentado Conciliação Bancária PROFESSORA: Ivana Agostinho. Hoje vamos resolver um exercício sobre Conciliação Bancária.

Artigo 05 Exercício Comentado Conciliação Bancária PROFESSORA: Ivana Agostinho. Hoje vamos resolver um exercício sobre Conciliação Bancária. Caro(a) aluno(a), Tudo bem? Hoje vamos resolver um exercício sobre Conciliação Bancária. Gostaria de lembrar que meu curso Contabilidade sem Medo está em andamento, aqui mesmo no site do Ponto; para aqueles

Leia mais

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Relevância e Fiabilidade do Justo Valor Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Contábeis Curso de Graduação em Ciências Contábeis Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis Professor:

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais