ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO"

Transcrição

1 ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

2 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

3 TEMAS DA SESSÃO INTRODUÇÃO AO EPS - POLIESTIRENO EXPANDIDO APLICAÇÃO DO EPS NO ETICS

4 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS EXPANDED POLYSTYRENE EPS ESFEROVITE PRINCIPAIS APLICAÇÕES : ISOLAMENTO TÉRMICO PARA EDIFÍCIOS OUTRAS APLICAÇÕES NA CONSTRUÇÃO CIVIL EMBALAGEM INDUSTRIAL E ALIMENTAR OUTRAS APLICAÇÕES INVENTADO PELA BASF (ALEMANHA) EM 1950 CONSUMO MUNDIAL aprox t / ANO

5 O QUE É O EPS PLÁSTICO CELULAR POLIESTIRENO + AR POLIESTIRENO É HIDROCARBONETO PURO

6 O FABRICO DO EPS MATÉRIA PRIMA POLIESTIRENO EXPANSÍVEL POLIESTIRENO + AGENTE EXPANSOR AGENTE EXPANSOR = PENTANO (DURANTE O FABRICO O PENTANO DIFUNDE PARA A ATMOSFERA)

7 O FABRICO DO EPS 1 PRÉ-EXPANSÃO O PS EXPANSÍVEL É AQUECIDO COM VAPOR O PS É UM TERMOPLÁSTICO E AMOLECE O PENTANO AUMENTA O SEU VOLUME O PS EXPANDE 40 A 50 VEZES OBTÉM-SE GRANULADO DE EPS

8 O FABRICO DO EPS 2 MOLDAGEM O GRANULADO DE EPS É INTRODUZIDO NUM MOLDE O GRANULADO É AQUECIDO O GRANULADO SINTERIZA FUNDE SUPERFICIALMENTE OBTÊM-SE BLOCOS DE EPS PARALEPIPÉDICOS QUE SÃO POSTERIORMENTE CORTADOS

9 O FABRICO DO EPS MOLDAGEM (cont.) OU MOLDADOS PEÇAS EM EPS COM A CONFORMAÇÃO DEFINITIVA

10 O FABRICO DO EPS EM FUNÇÃO DO TIPO DE MATÉRIA PRIMA UTILIZADA É POSSÍVEL OBTER : REACÇÃO AO FOGO DO EPS MELHORADA COMPORTAMENTO HIDRÓFUGO PROPRIEDADES TÉRMICAS MELHORADAS

11 O FABRICO DO EPS DURANTE O PROCESSO DE FABRICO É POSSÍVEL DEFINIR : DENSIDADE DO EPS QUE INFLUENCIA A MAIORIA DAS PROPRIEDADES DO EPS A DIMENSÃO / CONFORMAÇÃO DAS PLACAS O ACABAMENTO SUPERFICIAL CORTE COM FIO A QUENTE CORTE MECÂNICO PLACA MOLDADA TEMPO DE ESTABILIZAÇÃO DO EPS (ESTABILIDADE DIMENSIONAL)

12 O FABRICO DO EPS GRANULADO DE EPS EPS MATÉRIA PRIMA

13 PROPRIEDADES DO EPS TÉRMICA REACÇÃO AO FOGO MECÂNICA DURABILIDADE ÁGUA IMPACTO AMBIENTAL TEMPERATURA ACÚSTICA CONSIDERAÇÕES ECONÓMICAS

14 PROPRIEDADES TÉRMICAS DO EPS COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA λ [W/m ºC] - CCT VARIA (LIGEIRAMENTE) COM A DENSIDADE EPS 15 kg/m 3 (EPS 60) CCT 0,04 [W/mºC] EPS 25 kg/m 3 (EPS 150) CCT 0,035 [W/mºC]

15 EPS GRAFITE EPS COM CONDUTIBILIDADE TÉRMICA MELHORADA EPS GRAFITE CONTÉM PARTÍCULAS QUE ABSORVEM A RADIAÇÃO INFRA- VERMELHA E SUPRIMEM A RADIAÇÃO TÉRMICA Absorsor I.-V.

16 EPS GRAFITE ANÁLISE TERMOGRÁFICA EPS NORMAL EPS GRAFITE A CAPACIDADE DE ISOLAMENTO DO EPS GRAFITE É SIGNIFICATIVAMENTE AUMENTADA

17 COMPARAÇÃO λ - EPS GRAFITE vs. EPS NORMAL VANTAGENS DO EPS GRAFITE thermal conductivity [mw/m*k] EPS NORMAL EPS GRAFITE maior efeito isolante espessura reduzida densidade reduzida density [kg/m³]

18 PROPRIEDADES MECÂNICAS DO EPS RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO EPS SUPORTA CARGAS PERMANENTES RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO AUMENTA COM A DENSIDADE DEFORMAÇÃO 10% (PARA CLASSIFICAÇÃO DO EPS) DEFORMAÇÃO < 2% DEFORMAÇÃO ELÁSTICA VALOR DE REFERÊNCIA PARA CÁLCULO DE CARGAS PERMANENTES

19 COEF. DILATAÇÃO LINEAR VARIAÇÃO DE VOLUME DO EPS EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA m/ºc EXEMPLO T 80ºC EM FACHADA COM 20m 0,5 mm/m 10 mm

20 ABSORÇÃO DE ÁGUA DO EPS O EPS É IMPERMEÁVEL À ÁGUA NO ENTANTO, O EPS ABSORVE PEQUENAS QUANTIDADES DE ÁGUA NOS ESPAÇOS INTERSTICIAIS (ENTRE AS CÉLULAS) ESTE PROCESSO É REVERSÍVEL O EPS VOLTA A SECAR COMPLETAMENTE E NÃO ALTERA AS SUAS CARACTERÍSTICAS O EPS É PERMEÁVEL AO VAPOR DE ÁGUA

21 ABSORÇÃO DE ÁGUA DO EPS EFEITO SOBRE O CCT λ O CONTEÚDO DE ÁGUA DOS ISOLANTES TÉRMICOS REDUZ A SUA CONDUTIBILIDADE TÉRMICA NO CASO DO EPS : CADA 1% DE ÁGUA AUMENTA O λ EM 3 4% O EPS É MUITO POUCO SENSÍVEL À HUMIDADE EM ETICS : REVESTIMENTO EXTERIOR PERMEÁVEL AO VAPOR DE ÁGUA EPS

22 EXPOSIÇÃO A VARIAÇÕES DE TEMPERATURA LIMITE SUPERIOR DE TEMPERATURA 80º A 85 ºC EXPOSIÇÕES CURTAS ATÉ 100 ºC LIMITE INFERIOR APROX. 190 ºC (TEMPERATURA DE CONDENSAÇÃO DO OXIGÉNIO)

23 REACÇÃO AO FOGO DO EPS EPS É COMBUSTÍVEL EM COMUM A TODOS OS PLÁSTICOS NO EPS EXISTEM 2 TIPOS DE REACÇÃO AO FOGO : EPS NÃO INFLAMÁVEL EUROCLASSE E (M1 - AUTO-EXTINGUÍVEL ) EPS NORMAL EUROCLASSE F (M3/M4) EPS NÃO INFLAMÁVEL CONTÉM UM INIBIDOR DE COMBUSTÃO

24 REACÇÃO AO FOGO DO EPS A CLASSIFICAÇÃO RELEVANTE EM EUROCLASSES APLICA-SE ÀS SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS COMPLETAS E NÃO AOS MATERIAIS EXEMPLO : EPS NÃO INFLAMAVÉL (PLACA NUA) É EUROCLASSE E EPS + GESSO CARTONADO 13mm É EUROCLASSE B

25 REACÇÃO AO FOGO DO EPS RISCOS A TOMAR EM CONTA : PROPAGAÇÃO DA CHAMA SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS A RECOBRIR O EPS OPACIDADE DO FUMO IDEM (SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS A RECOBRIR O EPS PARA EVITAR ) EM ETICS PROPAGAÇÃO DA CHAMA PELO EXTERIOR DO EDIFÍCIO

26 REACÇÃO AO FOGO DO EPS USO DO EPS (CORRECTAMENTE APLICADO) NÃO AUMENTA O RISCO DE INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESTUDO STYBENEX (PAÍSES BAIXOS) ANALIZOU DURANTE ANOS TODOS OS INCÊNDIOS COM DANOS SUPERIORES A 1 MILHÃO DE UROS E CONFIRMA QUE O EPS NÃO AUMENTA O RISCO DE INCÊNDIO

27 DURABILIDADE DO EPS EPS NÃO TEM LIMITE DE DURABILIDADE ATENÇÃO EVITAR A EXPOSIÇÃO: RADIAÇÃO SOLAR DIRECTA TEMPERATURAS SUPERIORES A 80 ºC SOLVENTES ORGÂNICOS ESTUDO LNEC SOBRE A DURABILIDADE DO EPS

28 NP EN NORMA EUROPEIA PARA O EPS (ISOLAMENTO TÉRMICO) ENQUADRA-SE NO ÂMBITO DA CPD (DIRECTIVA DOS PRODUTOS DA CONSTRUÇÃO 89/106/CEE) PRIMEIRA NORMA PARA O EPS EM PORTUGAL ENTROU EM VIGOR EM 2003 MARCAÇÃO CE ESTÁ ASSOCIADA À NORMA

29 NP EN CLASSIFICAÇÃO DO EPS COM BASE NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DEFORMAÇÃO 10% RESISTÊNCIA À FLEXÃO RESULTAM OS TIPOS DE EPS EPS 30, EPS 60, EPS 100, EPS 150, EPS 200, EPS 250 (NO TOTAL EXISTEM 16 TIPOS POSSÍVEIS)

30 EN ETICS BASEADO NO EPS NORMA NÃO HARMONIZADA (NÃO OBTEVE MANDATO) SERVE, NO ENTANTO, DE GUIA PARA A APLICAÇÃO DEFINE CARACTERÍSTICAS DO EPS PARA ETICS

31 NP EN EXEMPLO DE RÓTULO IDENTIFICATIVO

32 EPS ESPECIFICIDADES EM ETICS CRITÉRIOS DE ESCOLHA DO TIPO DE EPS GARANTIR O R (RESISTÊNCIA TÉRMICA) DENSIDADE ADEQUADA (EPS 100) ABSORÇÃO DE ÁGUA REDUZIDA MEIA MADEIRA EM ESPESSURAS DE >50mm PLACAS EM ESQUADRIA ESTABILIDADE DIMENSIONAL RESISTÊNCIA MECÂNICA DENSIDADE ADEQUADA (EPS 100) TENSÃO PERPENDICULAR À FACE (TR100)

33 EPS ESPECIFICIDADES EM ETICS CRITÉRIOS DE ESCOLHA DO TIPO DE EPS (CONTINUADO) REDUÇÃO DAS FORÇAS INCIDENTES SOBRE O REVESTIMENTO RESISTÊNCIA MECÂNICA REDUZIDA (MÁX. EPS100) MUITAS JUNTAS ENTRE PLACAS - PLACAS DE DIMENSÕES REDUZIDAS 1 x 0,5m REACÇÃO AO FOGO MELHORADA ESTÉTICA PLANEZA DAS PLACAS

34 EPS ESPECIFICIDADES EM ETICS CUIDADOS NA APLICAÇÃO COLAGEM EM TODO O REBORDO JUNTAS DESFASADAS NAS FIADAS DAS SUPERFÍCIES NAS ARESTAS ELIMINAR MASSAS DE ENTRE AS PLACAS ELIMINAR EVENTUAIS IMPERFEIÇÕES ANTES DA APLICAÇÃO DO REVESTIMENTO

35 RESUMO EPS É O MATERIAL ISOLANTE POR EXCELÊNCIA PARA O ETICS GARANTE OS REQUISITOS TÉCNICOS ECONÓMICO FÁCIL DE APLICAR

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO. Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO. Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS - SOLUÇÕES INOVADORAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DIA DO DEC -

Leia mais

Argamassas Térmicas, uma solução

Argamassas Térmicas, uma solução Argamassas Térmicas, uma solução na melhoria do Desempenho Térmico dos Edifícios André Correia Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Fachadas Energeticamente Eficientes TEKtónica,

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

BASF Poliuretanos Iberia S.A.

BASF Poliuretanos Iberia S.A. BASF Poliuretanos Iberia S.A. Generalidades Propriedades Vantagens Condutibilidade Térmica Reacção ao fogo Absorção de água Impermeabilidade Permeabilidade ao vapor de água Permeabilidade ao ar Resistência

Leia mais

MDF MR Aglomerado de fibras de madeira para uso em ambientes húmidos.

MDF MR Aglomerado de fibras de madeira para uso em ambientes húmidos. MDF MR Aglomerado de fibras de madeira para uso em ambientes húmidos. TIPO: MR (Hidrófugo) DEFINIÇÃO Aglomerado de fibras de madeira de densidade média (MDF) com resistência melhorada à humidade, de uso

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

H E R M A L. Uma reflexão sobre 19/11/2015

H E R M A L. Uma reflexão sobre 19/11/2015 Uma reflexão sobre soluções alternativas ao ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Concreta 2015 EXPONOR Feira Internacional do Porto, 19 de Novembro de 2015 Nuno Simões & Márcio Gonçalves E T H E

Leia mais

Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma

Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma Ana Sofia Ferreira (IST) Jorge de Brito (IST) Fernando Branco (IST) º Congresso Nacional de Argamassas de Construção

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Fichas técnicas. Dow - Soluções para a Construção ROOFMATE WALLMATE FLOORMATE

Fichas técnicas. Dow - Soluções para a Construção ROOFMATE WALLMATE FLOORMATE Dow - Soluções para a Construção Fichas técnicas ROOFMATE WALLMATE FLOORMATE Produto conforme as novas disposições meio ambientais Europeias (EC 2037/2000) 9 Introdução Esta secção fornece uma descrição

Leia mais

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO - Viabilizar

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades, que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

Célula Fechada ou Célula Aberta Aparências semelhantes, prestações diferentes

Célula Fechada ou Célula Aberta Aparências semelhantes, prestações diferentes Poliuretano projectado Célula Fechada ou Célula Aberta Aparências semelhantes, prestações diferentes Célula aberta Célula fechada Aparências semelhantes, prestações diferentes O Poliuretano projectado

Leia mais

EPS para Indústrias. Produtos e Aplicações. Projetos especiais. Sua melhor opção em EPS

EPS para Indústrias. Produtos e Aplicações. Projetos especiais. Sua melhor opção em EPS Sua melhor opção em EPS Produtos e Aplicações EPS para Indústrias Projetos especiais Pensando em todo o seu processo produtivo e em atender às suas mais particulares necessidades, o Grupo Isorecort possui

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT 100% BRASIL

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT 100% BRASIL GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT PA MATRIZ: ANÁPOLIS - GO MT GO UNIDADES FABRIS PR MATRÍZ: GO - 62 4015-12 FILIAIS: PA - 91 3711-2720 MT - 65 3692-4611 PR - 41 3525-5300

Leia mais

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade MARIA DO ROSÁRIO VEIGA TEKTÓNICA 2010 Contribuição das Argamassas e dos ETICS para a Eficiência

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMALIZAÇÃO 5 3 DESCRIÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE PLACAS Placas de madeira maciça (SWP) Contraplacado (PW) 11

1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMALIZAÇÃO 5 3 DESCRIÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE PLACAS Placas de madeira maciça (SWP) Contraplacado (PW) 11 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMALIZAÇÃO 5 3 DESCRIÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE PLACAS 7 3.1 Placas de madeira maciça (SWP) 7 3.2 Contraplacado (PW) 11 3.3 Placa microlamelada colada (LVL) 17 3.4 Placas de

Leia mais

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Conferência Internacional da PEDRA NATURAL ALFÂNDEGA

Leia mais

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Workshop AICCOPN, Porto,13/03/2014 Baio Dias baiodias@ctcv.pt Diretor Adjunto Técnico 1 Enquadramento Normativo Normas aplicáveis

Leia mais

Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas.

Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Autores: Amanda Maria Griebeler dos Santos (1), Mariana Oliveira Engler (2) & Ruth Marlene Campomanes Santana Filiação: Depto Engenharia

Leia mais

Anexo D. Ficha Técnica Sika Icosit K 101 N.

Anexo D. Ficha Técnica Sika Icosit K 101 N. Anexo D Ficha Técnica Sika Icosit K 101 N. Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 04.104 Versão nº 1 Icosit K 101 N Ligante epoxi estrutural em dois componentes Descrição do produto

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS CONSTRUÇÃO CIVIL O QUE É ( EXPANDED POLYS TYRENE)? é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, de acordo com a definição da norma DIN ISO 1043/78. O é um plástico celular rígido, resultado da polimerização

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105774 (51) Classificação Internacional: E04C 2/284 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2011.06.27 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Catálogo Geral

Catálogo Geral Catálogo Geral www.cfdoors.pt Painel de Frio Painel de Cobertura Painel Fachada Painel Fachada em Lã Rocha Painel Acústico Painel Cobertura Telha 2 Simbologia Simbologia dos revestimentos CF Doors identificando

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 10941 (51) Classificação Internacional: E04C 2/284 (2006) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2011.06.27 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

TAFIPAN P2 FR. Descrição. Aplicações. Recomendações. Técnico. TAFIPAN P2 FR - aglomerado para uso interior, incluindo mobiliário, com comportamento ao

TAFIPAN P2 FR. Descrição. Aplicações. Recomendações. Técnico. TAFIPAN P2 FR - aglomerado para uso interior, incluindo mobiliário, com comportamento ao Propriedades Disponível com pigmento vermelho Fácil maquinabilidade Permite uma grande variedade de revestimentos Ignífugo Técnico TAFIPAN P2 FR TAFIPAN P2 FR - aglomerado para uso interior, incluindo

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop color Pág. 2 utilização Revestimento

Leia mais

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro?

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? 5. PROPRIEDADES O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? As propriedades intrínsecas e essenciais do vidro são transparência e durabilidade. Outras propriedades tornam-se significantes

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Colagem de Cerâmicos em Fachadas'

Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Coimbra 13. Novembro. 2013 Agenda Causas das patologias mas antigamente...? Como resolver... Exemplos Reabilitação Conclusões Reboco SUPORTE: Alvenaria de tijolo cerâmico

Leia mais

ARGILA EXPANDIDA. Agregado leve de argila de forma arredondada

ARGILA EXPANDIDA. Agregado leve de argila de forma arredondada 2-4 Densidade aparente seca (Baridade) 358 4,0-8,0 mm NP EN 933-1:2000 Superfícies esmagadas e partidas N.A. (% massa) NP EN 933-5:2002 Resistência ao esmagamento (± 10%) 4,8 (MPa) EN 13055-1 (Anexo A)

Leia mais

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 ETICS E ARGAMASSAS TÉRMICAS: EXIGÊNCIAS DE CONFORMIDADE MARIA DO ROSÁRIO VEIGA

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Pedro Sequeira Dina Frade José Severo Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais TEKtónica, Lisboa, 2014.05.09

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

1.2 REVESTIMENTOS DE PAREDES

1.2 REVESTIMENTOS DE PAREDES 1.2 REVESTIMENTOS DE PAREDES DESCRIÇÃO Denomina-se revestimento de paredes o sistema construtivo que cobre a face interior de uma parede exterior ou qualquer um dos dois lados de uma parede interior com

Leia mais

PLACA DE GESSO + ICB SOLUÇÃO GYPCORK ICB ICB , /2500 9,2 550/210 0,55 52, / ,3 550/210 1,05

PLACA DE GESSO + ICB SOLUÇÃO GYPCORK ICB ICB , /2500 9,2 550/210 0,55 52, / ,3 550/210 1,05 Solução Sustentável CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Placa Gypcork A placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias primas

Leia mais

Foamlite. Leveza para melhores benefícios. Plásticos termoplásticos. Foamlite 07/2017

Foamlite. Leveza para melhores benefícios. Plásticos termoplásticos. Foamlite 07/2017 Foamlite Leveza para melhores benefícios 07/2017 Foamlite Plásticos termoplásticos Foamlite Leveza para melhores benefícios Leveza para melhores benefícios Desenvolvemos o Foamlite P, um material de espuma

Leia mais

Tecnologia: Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Sistema Teproterm

Tecnologia: Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Sistema Teproterm Tecnologia: Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Sistema Teproterm Índice ficha Técnica... 3 I - Introdução... 4 II Vantagens do sistema... 5 III O Sistema... 6 3.1 Argamassa TEPROTERM... 6 3.2

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Aplicações da Espuma de Poliestireno Expandido. nº 16. Nº Pág.s: Fevereiro 2007

FICHA TÉCNICA. Aplicações da Espuma de Poliestireno Expandido. nº 16. Nº Pág.s: Fevereiro 2007 nº 16 FICHA TÉCNICA Aplicações da Espuma de Poliestireno Expandido Nº Pág.s: 18 16 02 Fevereiro 2007 Aplicações da Espuma de Poliesti tireno Expandido E na construção (EPS) 01 As aplicações do EPS na construção

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

Painel Madeira ACH. Rapidez, Qualidade e Isolamento TRANSFORMADOS SOLUTIONS

Painel Madeira ACH. Rapidez, Qualidade e Isolamento TRANSFORMADOS SOLUTIONS Painel Madeira ACH Rapidez, Qualidade e Isolamento TRANSFORMADOS SOLUTIONS Índice Painel Madeira ACH Painel Cobertura Aço-Madeira PIR Tabuleiro Abeto... 4 Painel Cobertura Aço-Madeira PIR OSB... 6 Painel

Leia mais

Elementos de vedação e divisórios

Elementos de vedação e divisórios UNIV. FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV CIV601 - Técnicas Construtivas Elementos de vedação e divisórios Prof. Guilherme Brigolini CONCEITUAÇÃO vedação vertical: elementos que compartimentam

Leia mais

Apresentação da NP EN 12004: A1:2012

Apresentação da NP EN 12004: A1:2012 Joaquim Valente de Almeida LEP/ccMCS materials.habitat Seminário Colagem de Produtos Cerâmicos segundo a NP EN 12004:2008 (Colas para ladrilhos) CTCV/Coimbra 13/11/2013 1 Objectivo e campo de aplicação

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE Roca Lisboa Gallery LISBOA 01.04.2016 ÍNDICE Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto O contributo das Argamassas Térmicas na Sustentabilidade

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

Placa Cimento-Madeira

Placa Cimento-Madeira Placa Cimento-Madeira INFORMAÇÃO GERAL: Painel de superfície lisa ou rugosa para diferentes aplicações. COMPOSIÇÃO: 75% Cimento 25% Madeira APRESENTADA COMO: B1 / A2 Bruto / Lixado Lisa / Bordo Maquinado

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop decor raiada areada utilização

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop gran revestimento orgânico

Leia mais

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Marcação CE em colas para construção Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Conforme Requisitos Essenciais Resistência mecânica e estabilidade Segurança em caso de incêndio Higiene, saúde e ambiente

Leia mais

ELASCOAT DESCRIÇÃO. PREPARO E APLICAÇÃO: As superfícies devem estar limpas, secas e isentas de óleos ou partículas soltas.

ELASCOAT DESCRIÇÃO. PREPARO E APLICAÇÃO: As superfícies devem estar limpas, secas e isentas de óleos ou partículas soltas. DESCRIÇÃO ELASCOAT ELASCOAT é um impermeabilizante à base de borracha líquida vulcanizada a frio, com alto teor de sólidos. Após sua cura forma uma membrana ou uma manta monolítica de excepcional impermeabilidade,

Leia mais

Protecção contra incêndios

Protecção contra incêndios 2.5. Isolamento técnico Protecção contra incêndios Dentro do sector da construção, as Directivas Europeias transpostas para a legislação Portuguesa pelos Decretos Lei 220/2008 de 12 Novembro, e 1532/2008

Leia mais

Compósitos de Poliuretanos para a produção de peças para a Indústria Automobilística. Kleber Bolssonaro Peres

Compósitos de Poliuretanos para a produção de peças para a Indústria Automobilística. Kleber Bolssonaro Peres Compósitos de Poliuretanos para a produção de peças para a Indústria Automobilística Kleber Bolssonaro Peres Feipur 11/10/2010 Índice Sobre a Bayer MaterialScience Compósitos - Baydur -Baypreg - Multitec

Leia mais

Linha Baymer Nova Geração de Expansores. Phase-out 141b

Linha Baymer Nova Geração de Expansores. Phase-out 141b Linha Baymer Nova Geração de Expansores Phase-out 141b Phase out HCFC s Nas últimas discussões entre os países signatários do Protocolo de Montreal ficaram estabelecidas novas metas para eliminação dos

Leia mais

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO António Curado SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO Índice 1. ENERGIA E CONFORTO TÉRMICO 2. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS REGULAMENTARES 2.1. REQUISITOS DE DESEMPENHO 2.2. FACHADAS

Leia mais

K-FLEX K-FLEX ST 74 U M A N O V A G E R A Ç Ã O D E M A T E R I A I S D E I S O L A M E N T O

K-FLEX K-FLEX ST 74 U M A N O V A G E R A Ç Ã O D E M A T E R I A I S D E I S O L A M E N T O K-FLEX 74 U M A N O V A G E R A Ç Ã O D E M A T E R I A I S D E I S O L A M E N T O /SK Tubo de isolamento pré-cortado com adesivo prancha tubos Isolamento elastomérico para todas as aplicações, civil

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso laminado Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias

Leia mais

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA NOVO Sika ThermoCoat NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS CONFORTÁVEL POUPA ENERGIA IMPERMEÁVEL SEM CONDENSAÇÕES SEM FISSURAS prt.sika.com UM

Leia mais

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema TEPROTERM 2 / 19 1. INTRODUÇÃO I Cerca de 1/3 do consumo mundial de energia destina-se a habitações

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

QUEM SOMOS PRODUÇÃO ARMAZENAGEM LOGÍSTICA AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE CERTIFICAÇÃO E LABORATÓRIO PLACAS MASSAS, COLAS E PLACAS ESPECIAIS

QUEM SOMOS PRODUÇÃO ARMAZENAGEM LOGÍSTICA AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE CERTIFICAÇÃO E LABORATÓRIO PLACAS MASSAS, COLAS E PLACAS ESPECIAIS 04 06 08 09 10 11 12 14 15 QUEM SOMOS PRODUÇÃO ARMAZENAGEM LOGÍSTICA AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE CERTIFICAÇÃO E LABORATÓRIO PLACAS MASSAS, COLAS E PLACAS ESPECIAIS SISTEMAS DRYWALL QUEM SOMOS QUAL O NOSSO

Leia mais

SISTEMAS DE POLIURETANO POLYURETHANE

SISTEMAS DE POLIURETANO POLYURETHANE SISTEMAS DE POLIURETANO POLYURETHANE Introdução A Univar Brasil conta com um laboratório exclusivo para desenvolvimento e aplicação de sistemas de poliuretano. Uma série de produtos especiais é desenvolvida

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

WWW.PAINEISTERMOISOLANTES.COM.BR Novas tecnologias para isolamento térmico na construção civil: PIR e PUR Rodnei Massamiti Abe Gerente Técnico em Eficiência Energética Dow Brasil Painéis Termoisolantes

Leia mais

ETICS com lã de rocha

ETICS com lã de rocha LNEC, Lisboa 15 Novembro 2011 Islante con La da Rocha, ETICS com lã de rocha Gama RockSATE e detalhe de instalação 1 ROCKWOOL Isolamento de lã de rocha 2 Presença na Península Rockwool nasceu 70 anos atrás

Leia mais

Catálogo Geral. Harmony with nature. Harmony with nature Vale de Cambra - Portugal Tel:

Catálogo Geral. Harmony with nature. Harmony with nature Vale de Cambra - Portugal Tel: Harmony with nature Z. I. Lordelo Codal - Lote 9 - Apt. 148 3731-901 Vale de Cambra - Portugal Tel: +351 256 472 148 Fax: +351 256 427 134 E-mail: geral@plakamat.pt www.plakamat.pt Harmony with nature

Leia mais

Paredes Fichas de Aplicação

Paredes Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação e Revestimento Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções Recomendadas Viroc

Leia mais

O ISOLAMENTO FLEXÍVEL E VERSÁTIL BASEADO NA TECNOLOGIA ARMAFLEX

O ISOLAMENTO FLEXÍVEL E VERSÁTIL BASEADO NA TECNOLOGIA ARMAFLEX O ISOLAMENTO FLEXÍVEL E VERSÁTIL BASEADO NA TECNOLOGIA ARMAFLEX Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Controlo fiável da condensação em resultado da estrutura de célula fechada Reduz eficazmente as perdas energéticas

Leia mais

ISOLANTE TÉRMICO ELEVADA PERFORMANCE EM POLIESTIRENO EXTRUDIDO (XPS)

ISOLANTE TÉRMICO ELEVADA PERFORMANCE EM POLIESTIRENO EXTRUDIDO (XPS) ISOLANT TÉRMICO LVADA PRFORMANC M POLISTIRNO XTRUDIDO (XPS) caracterização aplicação CARACTRIZAÇÃO APLICAÇÃO DO ISOLANT TÉRMICO FibranCO A IberFibran, fabrica e comercializa o produto XPS FibranCO - um

Leia mais

PLACAS DE GESSO E MASSAS PERFIS E ACESSÓRIOS

PLACAS DE GESSO E MASSAS PERFIS E ACESSÓRIOS PLACAS DE GESSO E MASSAS PERFIS E ACESSÓRIOS PLACAS PLACAS A STANDARD PLACAS H HIDRÓFUGA PLACAS F ANTI-FOGO PLACAS D ALTA-DUREZA PLACAS PROTECT PLACAS COMPOSTAS Isolamento EPS Isolamento XPS Isolamento

Leia mais

O Sistema Dreamdomus Painéis

O Sistema Dreamdomus Painéis Construção Modular Conceito A equipa técnica da dreamdomus aprofundou o conceito de pré-fabricação, levando ao limite a noção de economia habitualmente associada a este tipo de construção, conseguindo

Leia mais

Informação Técnica. Alta Estabilidade Dimensional. Aplicação: Composição Química: Marca : Forma de Fornecimento: Armazenamento, Preparação Prévia:

Informação Técnica. Alta Estabilidade Dimensional. Aplicação: Composição Química: Marca : Forma de Fornecimento: Armazenamento, Preparação Prévia: Informação Técnica Elastopor H 1623/2/AED Página 1 / 5 Aplicação: O sistema Elastopor H 1623/2/AED foi desenvolvido para a aplicação de isolamento térmico através do método de projeção e está especialmente

Leia mais

Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas

Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas Para a Indústria. Para a Construção Civil. Para sua Empresa. Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas www.polycalha.com.br Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas Soluções em isolamento térmico.

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

PROCESSO INDUSTRIAL PREPARAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA - PASTA CONFORMAÇÃO SECAGEM COZEDURA RETIRADA DO FORNO E ESCOLHA

PROCESSO INDUSTRIAL PREPARAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA - PASTA CONFORMAÇÃO SECAGEM COZEDURA RETIRADA DO FORNO E ESCOLHA MATERIAIS CERÂMICOS Tecnologia de produção, exigências e características Hipólito de Sousa 1. PROCESSO INDUSTRIAL PREPARAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA - PASTA CONFORMAÇÃO SECAGEM COZEDURA RETIRADA DO FORNO E ESCOLHA

Leia mais

PAREDES DE ALVENARIA EM BLOCOS DE BETÃO CELULAR AUTOCLAVADO

PAREDES DE ALVENARIA EM BLOCOS DE BETÃO CELULAR AUTOCLAVADO Nº8 NOVEMBRO 2002 PAREDES DE ALVENARIA EM BLOCOS DE BETÃO CELULAR AUTOCLAVADO VITOR MANUEL DIAS GUERREIRO A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios

Leia mais

DuPont Zytel. resina de nylon. Guia de Produtos e Propriedades

DuPont Zytel. resina de nylon. Guia de Produtos e Propriedades Guia de Produtos e Propriedades DuPont Zytel resina de nylon O logotipo Oval da DuPont, DuPont, The Miracles of Science*, e Zytel são marcas registradas ou marcas requeridas de E.I. du Pont de Nemours

Leia mais

MANUAL TÉCNICO INSTALAÇÃO DE SISTEMAS EM PLACAS DE GESSO. 2ª edição

MANUAL TÉCNICO INSTALAÇÃO DE SISTEMAS EM PLACAS DE GESSO.  2ª edição MANUAL TÉCNICO INSTALAÇÃO DE SISTEMAS EM PLACAS DE GESSO www.gyptec.eu 2ª edição MANUAL TÉCNICO INSTALAÇÃO DE SISTEMAS EM PLACAS DE GESSO A sua obra merece o melhor A Gyptec Ibérica - Gessos Técnicos,

Leia mais

Blocos de vidro com isolamento acústico

Blocos de vidro com isolamento acústico Blocos de vidro com isolamento acústico 1919/8 Light Diffusing (ex code: 198 LIGHT DIFFUSING WHITE) 1919/8 Light Diffusing é o bloco de vidro da Linha Technology que permite difundir a luz conferindo uma

Leia mais

Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina.

Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina. FACHADA Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina. Vantagens Estética dos acabamentos em VMZINC Planimetria e robustez excepcionais Grande dimensão dos painéis e estabilidade

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TEOR DE HUMIDADE NA CONDUTIBILIDADE TÉRMICA DE ARGAMASSAS

A INFLUÊNCIA DO TEOR DE HUMIDADE NA CONDUTIBILIDADE TÉRMICA DE ARGAMASSAS A INFLUÊNCIA DO TEOR DE HUMIDADE NA CONDUTIBILIDADE TÉRMICA DE ARGAMASSAS António Soares 1 *, Inês Flores-Colen 2, Maria da Glória Gomes 3 e Jorge de Brito 4 1, 2, 3, 4: Instituto Superior Técnico, Universidade

Leia mais

Armacell Brasil A Importância do Isolamento Térmico em Sistemas de Refrigeração Antonio Borsatti Eng. de Desenvolvimento de Produtos e Aplicação

Armacell Brasil A Importância do Isolamento Térmico em Sistemas de Refrigeração Antonio Borsatti Eng. de Desenvolvimento de Produtos e Aplicação Armacell Brasil A Importância do Isolamento Térmico em Sistemas de Refrigeração Antonio Borsatti Eng. de Desenvolvimento de Produtos e Aplicação Quem somos A Armacell é a empresa que criou a espuma elastomérica

Leia mais

Nome genérico dos processos em que se aplica uma força externa sobre a matéria-prima, obrigando-a a adquirir a forma desejada por deformação plástica.

Nome genérico dos processos em que se aplica uma força externa sobre a matéria-prima, obrigando-a a adquirir a forma desejada por deformação plástica. CONFORMAÇÃO MECÂNICA Nome genérico dos processos em que se aplica uma força externa sobre a matéria-prima, obrigando-a a adquirir a forma desejada por deformação plástica. Em função da temperatura e do

Leia mais

ESZO Fenômenos de Transporte

ESZO Fenômenos de Transporte Universidade Federal do ABC ESZO 001-15 Fenômenos de Transporte Profa. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Bloco A, torre 1, sala 637 Mecanismos de Transferência de Calor Calor Calor pode

Leia mais

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Agenda O Mercado Automotivo Cenário Atual e Desafios A versatibilidade do Poliuretano e sua

Leia mais