BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça"

Transcrição

1 BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO -

2 Viabilizar alternativas construtivas para os resíduos industriais do Aglomerado de Cortiça Expandido (ECG)

3 Desenvolver blocos de betão com incorporação de regranulado de cortiça expandida em substituição parcial de agregados tradicionais: AGREGADOS CORTIÇA Contribuir para a definição de misturas de betão Respeitar as exigências impostas pelas normas de especificação de produto em vigor, aplicáveis a materiais destinados à produção de alvenaria. Garantir adequados desempenhos térmico e acústico. Produto natural Produto renovável Energia incorporada baixa Reciclável

4 1 2 3 Definição da composição das misturas Estudo de composições de betão com cortiça Estudo de geometrias comerciais de blocos de betão 1 Caracterização das propriedades físicas da cortiça e dos agregados minerais, através de ensaios laboratoriais; e selecção de granulometrias específicas.

5 CURVAS GRANULOMÉTRICAS DOS AGREGADOS 0,063 0,125 0,25 0, , ,5 14 Percentagem cumulativa passada (%) BRITA AREIA CORTIÇA ECG3/ Propriedades dos agregados utilizados na mistura Brita Areia Cortiça (ECG 3/10) Mistura Óptima BRITA AREIA CORTIÇA ECG 3/10 POCI/ECM/55889/2004 Baridade Média (mg/m 3 ) Percentagem de vazios (%) Coeficiente de absorção de água (%) Massa volúmica (mg/m 3 ) , ,94 2,25 1, ,23 2,63 0, ,1 0,11 Abertura dos peneiros (mm)

6 1 2 3 Definição da composição das misturas Estudo de composições de betão com cortiça Estudo de geometrias comerciais de blocos de betão 2 Estudo de composições de betão com cortiça, variando a dosagem de regranulado de cortiça expandida; realização de ensaios experimentais para avaliação do seu desempenho.

7 Coeficiente de condutibilidade térmica λ (mw/(m.ºc)) DESEMPENHO TÉRMICO COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA MÉTODO GUARDED HOT PLATE DIMENSÕES DO PROVETE: 150X150 mm 2 ESPESSURA MÉDIA DE 40 mm y = 0,6847x - 462,18 R² = 0, ,0 1300,0 1400,0 1500,0 1600,0 1700,0 1800,0 1900,0 2000,0 2100,0 2200,0 Massa volúmica (kg/m 3 ) ISO 8302:1991 Determination of steady-state thermal resistance and related properties - Guarded hot plate apparatus EN 12664:2001 Thermal performance of building materials and products. Determination of thermal resistance by means of guarded hot plate and heat flow meter methods. Dry and moist products of medium and low thermal resistance

8 1 2 3 Definição da composição das misturas Estudo de composições de betão com cortiça Estudo de geometrias comerciais de blocos de betão 3 Blocos produzidos em equipamentos industriais; Estudo das características físicas, mecânicas, térmicas e acústicas dos blocos; Comparação de resultados com as soluções comerciais. 500 x 270 x 200 (mm 3 ) 490 x 285 x 200 (mm 3 )

9 + CORTIÇA ESTUDO DE GEOMETRIAS COMERCIAIS DE BLOCOS DE BETÃO REF REF L 16ECG 20ECG 25ECG MPD

10 DESEMPENHO TÉRMICO ρ = 1957 Kg/m 3 ʎ = 1,01 W/(m. C) U = 1,40 W/(m 2. C) REF ρ = 1999 Kg/m 3 ʎ = 0,81 W/(m. C) U = 1,26 W/(m 2. C) -17% -36% -10% ρ = 1720 Kg/m 3 ʎ = 0,77 W/(m. C) U = 1,31 W/(m 2. C) ρ = 1616 Kg/m 3 ʎ = 0,67 W/(m. C) U = 1,26 W/(m 2. C) ρ = 1562 Kg/m 3 ʎ = 0,59 W/(m. C) U = 1,23 W/(m 2. C) REF L 16ECG 20ECG 25ECG ρ = 1207 Kg/m 3 ʎ = 0,41 W/(m. C) U = 1,01 W/(m 2. C) ρ = 1645 Kg/m 3 ʎ = 0,52 W/(m. C) U = 1,10 W/(m 2. C) -13% -34% -18% ISO 6946: Building components and building elements, Thermal resistance and thermal transmittance. Calculation method. ISO 10211: Thermal bridges in building construction Heat flows and surface temperatures Detailed calculations MPD ρ = 1522,2 Kg/m 3 ʎ = 0,47 W/(m. C) U = 1,07 W/(m 2. C)

11 DESEMPENHO ACÚSTICO ISOLAMENTO SONORO A SONS AÉREOS PROVETE DE ENSAIO (3.16X3.16 m 2 )

12 Isolamento sonoro normalizado R (db) Isolamento sonoro normalizado R (db) Isolamento sonoro normalizado R (db) Isolamento sonoro normalizado R (db) Isolamento sonoro normalizado R (db) Isolamento sonoro normalizado R (db) ISOLAMENTO SONORO A SONS AÉREOS R W REF =26dB 16ECG =25dB 20ECG =26dB 25ECG =24dB SEM REBOCO REF 30 16ECG 20ECG 20 25ECG 10 R W REF =38dB REF L =31dB 20ECG =40dB REF REF L 20ECG Frequência (Hz) Frequência (Hz) 70 REBOCO NA FACE ORIENTADA PARA A CÂMARA EMISSORA R W REF =---db 16ECG =46dB 20ECG =47dB 25ECG =45dB Frequência (Hz) R W REF =49dB 16ECG =48dB 20ECG =48dB 25ECG =47dB ACRÉSCIMO DE ISOLAMENTO COM + CORTIÇA 16ECG 20ECG 25ECG REBOCO EM AMBAS AS FACES REF 16ECG 20ECG 25ECG R W REF =52dB REF L =49dB 20ECG =50dB REF REF L Frequência (Hz) R W =53dB =50dB MELHOR ISOLAMENTO COM 20ECG DO QUE 20ECG =52dB COM REF L REF REF L 20ECG REF REF L 20ECG Ensaios efectuados de acordo com NP EN :1998 Medição do isolamento sonoro de edifícios e de elementos de construção. Parte 3: Medição em laboratório do isolamento sonoro a sons aéreos de elementos de construção Frequência (Hz) Frequência (Hz)

13 RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO CORRECÇÃO COM ARGAMASSA DE CIMENTO IMERSÃO EM ÁGUA DURANTE 15 HORAS ANTES DO ENSAIO NP EN 772-1:2002 Determinação da resistência à compressão

14 Resistência à compressão (MPa) Resistência à compressão (MPa) 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO ÁREA EFECTIVA (F/A e ) ÁREA TOTAL (F/A b ) 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 REF 16ECG 20ECG 25ECG F/Ab 3,0 1,4 1,2 1,2 F/Ae 8,0 3,6 3,4 3,1 REF REF L 20ECG MPD F/Ab 3,5 1,6 1,4 0,8 F/Ae 8,2 3,7 3,3 1,7 NP EN 772-1:2002 Determinação da resistência à compressão

15 4 5 6 Definição das características dos blocos Validação experimental da produção dos blocos Caracterização experimental de paredes 4 Realização de estudos paramétricos (geometria dos blocos, espessura dos septos, propriedades do material, etc.) Aplicação dos modelos numéricos de previsão do comportamento das paredes; Identificação de limitações no processo de fabrico de blocos.

16 4 5 6 Definição das características dos blocos Validação experimental da produção dos blocos Caracterização experimental de paredes 5 Realização de ensaios laboratoriais para validação experimental das características dos blocos produzidos: Resistência à compressão e à tracção por flexão, absorção de água por capilaridade, propriedades de transmissão de vapor de água, teor de humidade, etc.

17 4 5 6 Definição das características dos blocos Validação experimental da produção dos blocos Caracterização experimental de paredes 6 Realização de ensaios mecânicos, térmicos e acústicos nas paredes construídos em laboratório ; Realização de ensaios in situ.

18 TRANSPORTE DE AGREGADOS MISTURADORA VIBROPRENSA MOLDES DE FABRICO PINÇA EXISTENTE

19 COEFICIENTE DE TRANSMISSÃO TÉRMICA (W/m 2.ºC) Juntas de argamassa SEM REBOCO MPD 20ECG Juntas com argamassa tradicional 1,10 1,13 Juntas com argamassa com cortiça 0,93 0,96-15% =0,1347W/(m.ºC) COM REBOCO Reboco MPD 20ECG Reboco e juntas com argamassa tradicional 1,07 1,10 Reboco e juntas com argamassa com cortiça 0,80 0,82-25% =0,1634W/(m.ºC)

20 Em geometrias comerciais verificou-se: Redução de peso do bloco Acréscimo do índice de isolamento a sons aéreos (paredes sem reboco). Melhoria da resistência térmica, face aos blocos de betão tradicional. Pretende-se propor nova geometria, realizar produção industrial e completar campanha de caracterização de blocos e de paredes. Os blocos de betão com cortiça podem ser considerados como uma alternativa sustentável para a construção de paredes de alvenaria.

21 Agradecimentos: Projecto no âmbito do SI I&DT Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Projectos de I&DT empresas em co-promoção (POCI/ECM/55889/2004)

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma

Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma Ana Sofia Ferreira (IST) Jorge de Brito (IST) Fernando Branco (IST) º Congresso Nacional de Argamassas de Construção

Leia mais

Argamassas industriais com incorporação de granulado de cortiça

Argamassas industriais com incorporação de granulado de cortiça Argamassas industriais com incorporação de granulado de cortiça Dina Frade 1, António Tadeu 2, Isabel Torres 2, Paulo Amado Mendes 2, Nuno Simões 2, Gina Matias 2, Ana Neves 2 1 Secil Martingança, Portugal,

Leia mais

PROCESSO INDUSTRIAL PREPARAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA - PASTA CONFORMAÇÃO SECAGEM COZEDURA RETIRADA DO FORNO E ESCOLHA

PROCESSO INDUSTRIAL PREPARAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA - PASTA CONFORMAÇÃO SECAGEM COZEDURA RETIRADA DO FORNO E ESCOLHA MATERIAIS CERÂMICOS Tecnologia de produção, exigências e características Hipólito de Sousa 1. PROCESSO INDUSTRIAL PREPARAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA - PASTA CONFORMAÇÃO SECAGEM COZEDURA RETIRADA DO FORNO E ESCOLHA

Leia mais

H E R M A L. Uma reflexão sobre 19/11/2015

H E R M A L. Uma reflexão sobre 19/11/2015 Uma reflexão sobre soluções alternativas ao ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Concreta 2015 EXPONOR Feira Internacional do Porto, 19 de Novembro de 2015 Nuno Simões & Márcio Gonçalves E T H E

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso laminado Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

ARGILA EXPANDIDA. Agregado leve de argila de forma arredondada

ARGILA EXPANDIDA. Agregado leve de argila de forma arredondada 2-4 Densidade aparente seca (Baridade) 358 4,0-8,0 mm NP EN 933-1:2000 Superfícies esmagadas e partidas N.A. (% massa) NP EN 933-5:2002 Resistência ao esmagamento (± 10%) 4,8 (MPa) EN 13055-1 (Anexo A)

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

Avaliação do desempenho mecânico e térmico de tijolos de alvenaria cerâmica aditivada com lamas residuais de alumínio

Avaliação do desempenho mecânico e térmico de tijolos de alvenaria cerâmica aditivada com lamas residuais de alumínio Avaliação do desempenho mecânico e térmico de tijolos de alvenaria cerâmica aditivada com lamas residuais de alumínio Inês Grilo 1, Santos P. 2, Gouveia J.P. 3, Júlio E. 4 1 ICIST & DEC FCTUC, Departamento

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DETERMINAÇÃO DAS RESISTÊNCIAS MECÂNICAS DO CIMENTO. DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Conferência Internacional da PEDRA NATURAL ALFÂNDEGA

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DOS CIMENTOS

PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DOS CIMENTOS LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DOS CIMENTOS Fundamental para: Determinar composição do betão superfície específica do cimento Determinar (às vezes) se o cimento está já parcialmente

Leia mais

2ª Conferência Construção e Reabilitação Sustentável de Edifícios no Espaço Lusófono 1

2ª Conferência Construção e Reabilitação Sustentável de Edifícios no Espaço Lusófono 1 2ª Conferência Construção e Reabilitação Sustentável de Edifícios no Espaço Lusófono 1 ARGAMASSAS COM COMPORTAMENTO TÉRMICO MELHORADO COM MATERIAIS SUSTENTÁVEIS Ana Armada Brás, PhD ESTBarreiro/IPS ana.bras@estbarreiro.ips.pt

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE Roca Lisboa Gallery LISBOA 01.04.2016 ÍNDICE Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto O contributo das Argamassas Térmicas na Sustentabilidade

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Ferramentas de Apoio aos Diversos Agentes do Sector da Construção

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Ferramentas de Apoio aos Diversos Agentes do Sector da Construção Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Ferramentas de Apoio aos Diversos Agentes do Sector da Construção Nuno Simões Vítor Gil Sessão realizada no âmbito do projecto SIAC22994:

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

CAL HIDRÁULICA NATURAL (NHL) PARA. Reabilitação e Construção Sustentável

CAL HIDRÁULICA NATURAL (NHL) PARA. Reabilitação e Construção Sustentável CAL HIDRÁULICA NATURAL (NHL) PARA Reabilitação e Construção Sustentável INTRODUÇÃO Fundada em 1891, a Secil Argamassas orgulha-se de ser um dos fabricantes mais antigos de Cal Hidráulica Natural (NHL),

Leia mais

José Luís Miranda Dias. Investigador Auxiliar do LNEC-DED/NTC. 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005

José Luís Miranda Dias. Investigador Auxiliar do LNEC-DED/NTC. 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005 Avaliação das deformações da zona em redor de juntas de argamassa de paredes de alvenaria sujeitas a fendilhação devida a acções de compressão

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo M. F. Paulo Pereira, José B. Aguiar, Aires Camões e Hélder M. A. Cruz University of Minho Portugal 18 e 19 de Março, LNEC, Lisboa 1.

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

DESEMPENHO DE MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE

DESEMPENHO DE MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE DESEMPENHO DE MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE ANTÓNIO MIGUEL COSTA BAPTISTA PROFESSOR ADJUNTO, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

Leia mais

Projecto SipdECO Uma solução inovadora para paredes divisórias

Projecto SipdECO Uma solução inovadora para paredes divisórias Projecto SipdECO Uma solução inovadora para paredes divisórias Graça Vasconcelos ; Pedro Alves Paulo Mendonça; Aires Camões Paulo B. Lourenço Universidade do Minho (graca@civil.uminho.pt) Índice Introdução

Leia mais

Estudo Comparativo do Atraso Térmico de Isolamento Térmico

Estudo Comparativo do Atraso Térmico de Isolamento Térmico Reabilitação Estudo Comparativo do Atraso Térmico de Isolamento Térmico Autoria do Trabalho: I. Simões, N. Simões, A. Tadeu mivsimoes@itecons.uc.pt CICC, Departamento de Engenharia Civil, Faculdade de

Leia mais

50º Congresso Brasileiro do Concreto

50º Congresso Brasileiro do Concreto 50º Congresso Brasileiro do Concreto 50 CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO, SALVADOR, BA, 2008 Blocos de Pavimentação com Cinzas Residuais de Cascas de Arroz Paving Blocks with Rice Husk Ash Waste Renato

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE AGREGADOS GROSSOS CERÂMICOS RECICLADOS E DO BETÃO FRESCO PRODUZIDO

CARACTERIZAÇÃO DE AGREGADOS GROSSOS CERÂMICOS RECICLADOS E DO BETÃO FRESCO PRODUZIDO CARACTERIZAÇÃO DE AGREGADOS GROSSOS CERÂMICOS RECICLADOS E DO BETÃO FRESCO PRODUZIDO Ana Sofia Pereira João Ribeiro Correia Jorge de Brito Arquitecta Assistente Estagiário Professor Associado Mestranda

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

ETA 15/0300. Avaliação Técnica Europeia. de 02/12/2016 R-ICB. ETA 15/0300 de 02/12/2016 pág. 1 de 6. Designação comercial do produto de construção

ETA 15/0300. Avaliação Técnica Europeia. de 02/12/2016 R-ICB. ETA 15/0300 de 02/12/2016 pág. 1 de 6. Designação comercial do produto de construção LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL, I. P. Av. do Brasil 101 1700-066 LISBOA PORTUGAL phone: (351) 21 844 30 00 fax: (351) 21 844 30 11 e-mail: lnec@lnec.pt www.lnec.pt Avaliação Técnica Europeia

Leia mais

ARGAMASSA PRODUZIDA COM AGREGADO DE PÓ DE PEDRA, AREIA, CIMENTO E CAL. Lillian Dias de Oliveira (1). Juzelia Santos da Costa(2).

ARGAMASSA PRODUZIDA COM AGREGADO DE PÓ DE PEDRA, AREIA, CIMENTO E CAL. Lillian Dias de Oliveira (1). Juzelia Santos da Costa(2). ARGAMASSA PRODUZIDA COM AGREGADO DE PÓ DE PEDRA, AREIA, CIMENTO E CAL Lillian Dias de Oliveira (1). Juzelia Santos da Costa(2). Rua 03, Quadra 02, Casa 529 Osmar Cabral Cuiabá MT CEP (1) Discente do curso

Leia mais

A obrigatoriedade da marcação CE

A obrigatoriedade da marcação CE Adesivos cimentícios e a EN 12004: A obrigatoriedade da marcação CE Rogério Tomás, Cimentos Cola, Lda. Concreta 2004 1 Adesivos cimentícios, o que são? Argamassas para a colagem de peças cerâmicas, pedra

Leia mais

Catálogo Geral. Harmony with nature. Harmony with nature Vale de Cambra - Portugal Tel:

Catálogo Geral. Harmony with nature. Harmony with nature Vale de Cambra - Portugal Tel: Harmony with nature Z. I. Lordelo Codal - Lote 9 - Apt. 148 3731-901 Vale de Cambra - Portugal Tel: +351 256 472 148 Fax: +351 256 427 134 E-mail: geral@plakamat.pt www.plakamat.pt Harmony with nature

Leia mais

Então σ betão depende σ agregado

Então σ betão depende σ agregado Resistência mecânica Em geral σ agregado não oferece problema (só para BAD; σ betão > C45/55) BETÕES USUAIS Em geral σ rocha > 50MPa BETÕES USUAIS praticamente só pasta de cimento é que resiste Excepto:

Leia mais

Influência das Juntas de Argamassa no Desempenho Térmico de Paredes de Alvenaria

Influência das Juntas de Argamassa no Desempenho Térmico de Paredes de Alvenaria Influência das Juntas de Argamassa no Desempenho érmico de Paredes de Alvenaria Nuno Simões 1a, Dora Coelho 2, Saúl Martins 3 e António adeu 1b 1 CICC Centro de Investigação em Ciências da Construção,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM BETÃO LEVE DE ELEVADA RESISTÊNCIA

CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM BETÃO LEVE DE ELEVADA RESISTÊNCIA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM BETÃO LEVE DE ELEVADA RESISTÊNCIA ISABEL VALENTE Assistente Universidade do Minho Guimarães PAULO J. S. CRUZ Prof. Associado

Leia mais

3 Boletim 1 Técnico. Thinsulate TM Manta para Absorção Acústica pag.1 de Composição: 2. Modelos e tipos disponíveis:

3 Boletim 1 Técnico. Thinsulate TM Manta para Absorção Acústica pag.1 de Composição: 2. Modelos e tipos disponíveis: 3 Boletim 1 Técnico Thinsulate TM Manta para Absorção Acústica pag.1 de 5 1. Composição: Composto aproximadamente de 67% de fibras polipropileno e 33% de fibras de poliéster. Esta manta em não tecido pode

Leia mais

Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada. Orientador: João Ramôa Correia

Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada. Orientador: João Ramôa Correia Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada Os materiais compósitos de polímero reforçado com fibras (FRP) apresentam diversas vantagens face aos materiais tradicionais

Leia mais

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário.

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário. 1. Descrição: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento é indicado para o assentamento de blocos para alvenaria de vedação e fixação de alvenarias (blocos de concreto, cerâmicos, e

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DE UMA APROVAÇÃO TÉCNICA EUROPEIA (ETA) DE SISTEMAS COMPÓSITOS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR (ETICS)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DE UMA APROVAÇÃO TÉCNICA EUROPEIA (ETA) DE SISTEMAS COMPÓSITOS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR (ETICS) DEPARTAMENTO DE EDIFÍCIOS Núcleo de Revestimentos e Isolamentos Proc. 0803/11/17793 REGRAS PARA A CONCESSÃO DE UMA APROVAÇÃO TÉCNICA EUROPEIA (ETA) DE SISTEMAS COMPÓSITOS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade MARIA DO ROSÁRIO VEIGA TEKTÓNICA 2010 Contribuição das Argamassas e dos ETICS para a Eficiência

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: Sumário. da aula. Terminologia

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: Sumário. da aula. Terminologia 1/31 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T4 Terraplenagens Sumário da aula Fundação e leito do pavimento Tratamento de materiais 2/31 Terminologia 3/31 Pavimento Fundação Terraplenagem

Leia mais

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA O MELHOR ISOLAMENTO PARA CASAS HABITADAS Classe 1 resistente ao fogo Economiza até 50% nas contas de energia Reduz o ruído exterior até 80% Amigo do Ambiente IS O L A M E

Leia mais

Imagem. Anabela Mendes Moreira CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E ACÚSTICAS DE BETONILHAS COM INCORPORAÇÃO DE CORTIÇA

Imagem. Anabela Mendes Moreira CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E ACÚSTICAS DE BETONILHAS COM INCORPORAÇÃO DE CORTIÇA Imagem Anabela Mendes Moreira CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E ACÚSTICAS DE BETONILHAS COM INCORPORAÇÃO DE CORTIÇA Dissertação de Doutoramento na área científica de Engenharia Civil, na especialidade

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS Rodney Cascaes Júnior 1 ; Msc. Lucimara Aparecida Schambeck Andrade 2 (orientadora) RESUMO: O uso de novos

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Misturas Betuminosas para Camadas de Pavimentos Rodoviários

Misturas Betuminosas para Camadas de Pavimentos Rodoviários para Camadas de Pavimentos Rodoviários Características Fundamentais das Estabilidade Durabilidade Flexibilidade Resistência à fadiga Aderência Impermeabilidade Trabalhabilidade 1 Estabilidade o Capacidade

Leia mais

Influência das areias na qualidade de argamassas de cal aérea

Influência das areias na qualidade de argamassas de cal aérea Influência das areias na qualidade de argamassas de cal aérea Maria Goreti Margalha Câmara Municipal de Beja Portugal m.goreti@netvisao.pt Maria do Rosário Veiga LNEC Portugal rveiga@lnec.pt Jorge de Brito

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Marcação CE em colas para construção Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Conforme Requisitos Essenciais Resistência mecânica e estabilidade Segurança em caso de incêndio Higiene, saúde e ambiente

Leia mais

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 ETICS E ARGAMASSAS TÉRMICAS: EXIGÊNCIAS DE CONFORMIDADE MARIA DO ROSÁRIO VEIGA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA Placas de LecaMIX MAXIT, Préfabricação em Betão Leve S.A. Albergaria-a-Velha Dezembro de 2004 praceta da rua da república, nº 17, 2º dto. alagoas. 3810-160

Leia mais

O Sistema Dreamdomus Painéis

O Sistema Dreamdomus Painéis Construção Modular Conceito A equipa técnica da dreamdomus aprofundou o conceito de pré-fabricação, levando ao limite a noção de economia habitualmente associada a este tipo de construção, conseguindo

Leia mais

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Workshop AICCOPN, Porto,13/03/2014 Baio Dias baiodias@ctcv.pt Diretor Adjunto Técnico 1 Enquadramento Normativo Normas aplicáveis

Leia mais

CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO TÉRMICO DAS PAREDES DE TAIPA

CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO TÉRMICO DAS PAREDES DE TAIPA Coimbra, Portugal, 2012 CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO TÉRMICO DAS PAREDES DE TAIPA João P. B. Pereira 1 * e J. J. Correia da Silva 2 1: Escola de Ciências e Tecnologia Universidade de Évora

Leia mais

WALLINBLOCK - Desenvolvimento de soluções para uma construção sustentável

WALLINBLOCK - Desenvolvimento de soluções para uma construção sustentável WALLINBLOCK - Desenvolvimento de soluções para uma construção sustentável J. António a, A. Gil b, A Coelho c, S. Almeida d, A. Valente e, I. Santos f,*, L. Soares g a,b a,b Instituto de Investigação e

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

SISTEMAS DE ARGAMASSA TERMO ISOLANTE

SISTEMAS DE ARGAMASSA TERMO ISOLANTE 1 SISTEMAS DE ARGAMASSA TERMO ISOLANTE EIJI FUKUI (1) ; ALINE TANABE (1) ; ISAC JOSÉ DA SILVA (1) (1) Votorantim Cimentos - eiji.fukui@vcimentos.com.br; ext.aline.tanabe@vcimentos.com.br; isac.silva@vcimentos.com.br

Leia mais

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência Utilização dos Resíduos de Empresas de Beneficiamento de Granito e Mármore como Adição na Produção de Concreto de Alto Desempenho na Região do Agreste Alagoano. Júlia Karolline V. Duarte 1, Lucas R. Silva

Leia mais

SECIL. Argamassas com agregados de cortiça

SECIL. Argamassas com agregados de cortiça SECIL Argamassas com agregados de cortiça CONSTRUÇÃO E SUSTENTABILIDADE 04 SECIL ARGAMASSAS O conceito da construção sustentável surgiu com o intuito de assegurar às gerações futuras um desenvolvimento

Leia mais

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-cimento Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIGROTÉRMICA DE ISOLAMENTOS TÉRMICOS

CARACTERIZAÇÃO HIGROTÉRMICA DE ISOLAMENTOS TÉRMICOS CARACTERIZAÇÃO HIGROTÉRMICA DE ISOLAMENTOS TÉRMICOS CERTIFICAÇÃO E MANUAL EXIGENCIAL Manuel PINTO 1 ; Vasco Peixoto de FREITAS 2 RESUMO A entrada em vigor do Regulamento das Características de Comportamento

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS A. Reis ¹, E. P. Manfroi 2 Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE, Departamento de Engenharia

Leia mais

APLICAÇÕES EM BETÃO LEVE DE ARGILA EXPANDIDA

APLICAÇÕES EM BETÃO LEVE DE ARGILA EXPANDIDA Seminário sobre Paredes de Alvenaria, P.B. Lourenço et al. (eds.), 2007 169 APLICAÇÕES EM BETÃO LEVE DE ARGILA EXPANDIDA A.C. FONTES DE MELO Maxit Alfredo MARQUES Maxit 1. INTRODUÇÃO A nova regulamentação

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

(nome do empreendimento) CADERNO DE ENCARGOS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Materiais e Elementos de Construção. (Cliente)

(nome do empreendimento) CADERNO DE ENCARGOS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Materiais e Elementos de Construção. (Cliente) 1.1. OBJECTO Os blocos de Betão deverão obedecer às prescrições seguintes e as condições que resultam deste caderno de encargos para trabalhos em que são aplicados. 1.2. REFERÊNCIAS Como em Portugal as

Leia mais

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP PÁGINA 01/05 RELATÓRIO DE ENSAIO : Ensaio em argamassa texturizada INTERESSADO : Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP REFERÊNCIA : n/d NATUREZA DO TRABALHO : Determinação da resistência

Leia mais

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento.

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Betão, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA REACTIVIDADE DE UMA POZOLANA

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA REACTIVIDADE DE UMA POZOLANA MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA REACTIVIDADE DE UMA POZOLANA Métodos baseados Na determinação da tensão de rotura de pastas ou argamassas Na determinação do grau de combinação do Ca(OH) 2 com a pozolana Ex:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO DE CASTRO, Mário Lúcio Oliveira Júnior Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção

Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção (Fileira do Cimento) Joana Vaz, Gestora de Processo CERTIF APFAC/CTCV Porto, Outubro 2009 Iniciou a sua actividade em 1999 Constituída por 24 associados

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2

A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2 A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2 B) EMENTA Argamassa: conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE UMA MISTURA PRÉ-DOSEADA

CARACTERIZAÇÃO DE UMA MISTURA PRÉ-DOSEADA CARACTERIZAÇÃO DE UMA MISTURA PRÉ-DOSEADA Designação do produto: Leca Mix B 3/9 Empresa que requisitou o estudo: LECA PORTUGAL Argilas Expandidas, SA Apartado 16 3240-998 AVELAR Técnico da Empresa : Engº

Leia mais

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO CUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO Homologação de novos materiais e processos de construção DH 895 CI/SfB (23) Gf (Ajs) CDU 692.5 ISSN 0870-2063 leiriviga pré-esforçados, Lda. Sede e Fábrica: Ponte das Mestras 20-447

Leia mais

Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos. Modelação física

Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos. Modelação física Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos. Modelação física João Bilé Serra Laboratório Nacional de Engenharia Civil Edgar DuarteTomé FCT-UNL Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos.

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

4º Congresso Português de Argamassas e ETICS

4º Congresso Português de Argamassas e ETICS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO HIGROTÉRMICO DA SOLUÇÃO ETICS NA ÓPTICA DA IDENTIFICAÇÃO E REPARAÇÃO DE ANOMALIAS Fernando Jorne UNL - FCT Portugal fjorne@fct.unl.pt

Leia mais

ARGAMASSAS DE TERRA Comportamento higrotérmico função da granulometria da areia

ARGAMASSAS DE TERRA Comportamento higrotérmico função da granulometria da areia ARGAMASSAS DE TERRA Comportamento higrotérmico função da granulometria da areia Tânia Santos 1 tr.santos@campus.fct.unl.pt Vítor Silva 2 vmd.silva@fct.unl.pt Paulina Faria 3 paulina.faria@fct.unl.pt Resumo

Leia mais

Dosagem Experimental do Concreto - Método ABCP/ACI

Dosagem Experimental do Concreto - Método ABCP/ACI UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA ICET - Instituto de Ciências de Exatas e de Tecnologias Profª. Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Dosagem Experimental do Concreto - Método ABCP/ACI Página 1

Leia mais

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO 1/10 RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 Interessado: Chimica Edile do Brasil Ltda. Endereço: Rod. Cachoeiro X Safra BR 482, km 06 Cachoeiro de Itapemirim/ES CEP: 83707-700 Referência:

Leia mais

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO Homologação de novos materiais e processos de construção DH 886 CI/SfB (23) Gf (Ajs) CDU 692.5 ISSN 0870-2063 Indústria Flaviense de Artefactos de Cimento, Lda. Sede e Fábrica:

Leia mais

RESISTÊNCIA À ABRASÃO DE BETÕES PRODUZIDOS COM AGREGADOS GROSSOS CERÂMICOS RECICLADOS

RESISTÊNCIA À ABRASÃO DE BETÕES PRODUZIDOS COM AGREGADOS GROSSOS CERÂMICOS RECICLADOS RESISTÊNCIA À AASÃO DE BETÕES PRODUZIDOS COM AGREGADOS GROSSOS CERÂMICOS RECICLADOS Brito *, J. de; Pereira **, A. S.; Correia ***, J. R. *Professor Associado. DECivil, Instituto Superior Técnico, Lisboa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS G.D.A. Bastos (1), J.A. Cerri (2) Alameda Prudente

Leia mais

A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa.

A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa. Figura 5 Amostras do teste de Porosidade. A Tabela 2 apresenta os valores médios de porosidade e o desvio padrão para as amostras dos Painéis de Fibra de Coco definidos nesta etapa. Tabela 2 Valores medidos

Leia mais

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS, Coimbra, 29/30 Março 2012 PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS S. LUCAS 1, A. L. VELOSA 1, J. B. AGUIAR 2, V. M. FERREIRA 1 1 Universidade

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

Anexo D. Ficha Técnica Sika Icosit K 101 N.

Anexo D. Ficha Técnica Sika Icosit K 101 N. Anexo D Ficha Técnica Sika Icosit K 101 N. Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 04.104 Versão nº 1 Icosit K 101 N Ligante epoxi estrutural em dois componentes Descrição do produto

Leia mais