Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE"

Transcrição

1 Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO TERMINOLOGIA Considerações gerais Definições Índice de isolamento sonoro, normalizado, Ln,w, do ruído de percussão Redução do nível de ruído de percussão, ponderado, ΔLw Índice de isolamento sonoro, equivalente, normalizado, Ln,eq,0,w, do ruído de percussão, da laje de ensaio sem revestimento Termo de adaptação espectral, CI Nível sonoro, Lj, devido à ação de percussão Nível sonoro, normalizado, Ln, devido à ação de percussão Redução do nível de pressão sonora, ΔL, devido à ação de percussão Nível sonoro, padronizado, L nt, devido à ação de percussão Área de absorção sonora equivalente, A Ruído de percussão num edifício Pavimento Pavimento de referência Revestimento de piso Revestimento de piso de referência Laje de ensaio NORMALIZAÇÃO APLICÁVEL Considerações gerais Resumo das normas aplicáveis NP EN ISO : EN ISO : EN ISO : EN ISO : NP EN ISO 140-7: V

2 A ACÚSTICA NOS EDIFÍCIOS Building Acoustics Estimation of acoustic performance of buildings from the performance of elements Part 2: Impact sound insulation between rooms ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO Considerações gerais Pavimentos Pavimentos de betão Pavimentos aligeirados de vigotas e blocos vazados Pavimentos de madeira Revestimentos de pavimentos Generalidades Revestimentos de piso flexíveis Revestimentos de piso rígidos Revestimentos de piso rígidos acoplados a uma subcamada flexível Pavimentos flutuantes EXIGÊNCIAS REGULAMENTARES Âmbito de aplicação Exigências para os diferentes tipos de edifícios Edifícios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras Edifícios comerciais e de serviços, e partes similares em edifícios industriais Edifícios escolares e similares, e de investigação Edifícios hospitalares e similares Síntese dos requisitos estabelecidos para o índice L nt,w EXEMPLO DE APLICAÇÃO Descrição da situação Dados de entrada Cálculos Determinação de Ln,eq,w, para o pavimento não revestido (conforme Anexo B da ) Determinação da redução do nível de pressão sonora do ruído de percussão, ponderado, ΔLw, devido ao revestimento do pavimento Determinação da correção K devida à transmissão marginal Determinação do nível de pressão sonora, ponderado, do ruído de percussão padronizado, L nt,w, entre os dois locais VI

3 Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão 7 BIBLIOGRAFIA ANEXO Características de isolamento a sons de percussão VII

4 A ACÚSTICA NOS EDIFÍCIOS ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Curvas de referência conforme a NP EN ISO Figura 2 Sobreposição da curva característica de isolamento sonoro à curva de referência, para uma análise por bandas de terços de oitava... 3 Figura 3 Caminhos de transmissão de sons de percussão Figura 4 Processo de estimativa do isolamento a sons de percussão segundo o modelo detalhado Figura 5 Processo de estimativa do isolamento a sons de percussão segundo o modelo simplificado Figura 6 Propagação de ruídos de percussão num edifício Figura 7 Intervenção ao nível de superfície de impacto Figura 8 Intervenção ao nível do caminho de propagação Figura 9 Exemplo de teto falso Figura 10 Nível de pressão sonora ponderado, equivalente, do ruído de percussão normalizado para diferentes tipos de pavimentos Figura 11 Pavimentos de madeira Figura 12 Tábuas de soalho sobre barrotes, sem e com interposição de material resiliente Figura 13 Corte de um pavimento flutuante com detalhe de ligação aos elementos verticais Figura 14 Pavimento flutuante com elementos discretos Figura 15 Pavimentos flutuantes com diferentes soluções de inserção de divisórias Figura 16 Soluções de aplicação de material resiliente Figura 17 Nível de ruído de percussão para soluções de placas de aglomerado de cortiça com borracha, em pavimentos flutuantes, com diferentes espessuras Figura 18 Utilização de borracha a granel em pavimentos flutuantes. Variação do nível de ruído de percussão com a espessura da camada resiliente Figura 19 Lw de elementos flutuantes, em função da rigidez dinâmica do elemento resiliente VIII

5 Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Nível de pressão sonora do ruído de percussão, normalizado, do pavimento de referência... 7 Quadro 2 Redução do nível de ruído de percussão do revestimento de piso de referência... 8 Quadro 3 Correção relativa à transmissão de ruídos de percussão, devida a transmissões marginais Quadro 4 Síntese dos requisitos estabelecidos para o índice L nt,w IX

6 A ACÚSTICA NOS EDIFÍCIOS ÍNDICE DE ANEXOS A1 Pavimentos no tosco (sem revestimento de piso) A1.1 Lajes maciças A1.2 Lajes aligeiradas com vigotas simples A1.3 Lajes aligeiradas com vigotas duplas A1.4 Lajes aligeiradas com vigotas duplas regularizadas com camada de betonilha A2 Pavimentos revestidos A2.1 Lajes aligeiradas com vigotas simples A3 Revestimentos de piso resilientes A3.1 Ladrilhos de aglomerado composto de cortiça A3.2 Ladrilhos de aglomerado composto de cortiça, revestidos a verniz A3.3 Ladrilhos de aglomerado de cortiça, com camada de uso vinílica A3.4 Ladrilhos de aglomerado de cortiça com camada de tardoz vinílica A3.5 Ladrilhos de aglomerado de cortiça, com camada de uso vinílica, assentes sobre placas de aglomerado de cortiça A3.6 Revestimento vinílico sobre forro de espuma de PVC A3.7 Aglomerado de cortiça com borracha A3.8 Ladrilhos de borracha lisos A3.9 Ladrilhos de borracha com relevo A3.10 Alcatifa agulhada A3.11 Alcatifa agulhada incorporando tela de suporte A3.12 Alcatifa agulhada com forro de espuma de PVC A4 Revestimentos de piso rígidos sobre camada resiliente A4.1 Ladrilhos cerâmicos A4.2 Placas de mármore A4.3 Madeira sobre camada resiliente A4.4 Soalhos de madeira A5 Pavimentos flutuantes A5.1 Aglomerado expandido de cortiça (ICB) A5.2 Aglomerado composto de cortiça A5.3 Aglomerado de cortiça com borracha A5.4 Aglomerado de granulado de borracha A5.5 Granulado de cortiça a granel X

7 Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão A5.6 Membrana betuminosa M18 com granulado fino de cortiça A5.7 Placas de poliestireno expandido moldado (EPS) A5.8 Mantas de fibras de coco A5.9 Dupla manta de fibras de coco A5.10 Peças de espuma flexível de polietileno revestido com folha de alumínio A5.11 Mistura de granulado de espuma flexível de poliuretano e de granulado de borracha XI

8 A ACÚSTICA NOS EDIFÍCIOS SIMBOLOGIA Símbolo Unidades Designação Definição A m 2 Área de absorção sonora equivalente NP EN ISO 20354:2007 (1) A0 m 2 Área de absorção sonora equivalente, de referência (A0 = 10 m 2 ) EN ISO :2010 c m Espessura dos elementos de separação CI CI,Δ CI,r CI,0 CI,r,0 CI, Termo de adaptação espectral correspondente à laje de ensaio com o revestimento a ensaiar Termo de adaptação espectral da redução do nível de ruído de percussão Termo de adaptação espectral do pavimento de referência com o revestimento de piso a ensaiar Termo de adaptação espectral correspondente à laje de ensaio sem o revestimento a ensaiar Termo de adaptação espectral correspondente ao pavimento de referência sem o revestimento de piso a ensaiar Termo de adaptação espectral correspondente à laje de ensaio com o revestimento a ensaiar, quando as medições foram efetuadas para o intervalo de bandas de terço de oitava entre 50 Hz e 3150 Hz d m Espessura do material resiliente E din MN/m 2 Módulo de elasticidade dinâmico do material f Hz Frequência para a qual se pretende estimar a eficácia ΔL f0 Hz Frequência própria do material resiliente que funciona como um sistema massa/mola h m Largura dos elementos de separação K Coeficiente de transmissão marginal Kij Coeficiente de transmissão marginal para cada caminho ij l m Comprimento do elemento de separação Lij Lj Ln Ln,0 Ln,d Ln,eq ou SUM Ln Ln,eq,w m Comprimento da ligação comum entre os elementos i (pavimento) e j (elemento lateral) Nível de pressão sonora devido à ação de percussão, numa determinada banda de frequências, j EN ISO :2010 Nível de pressão sonora, normalizado, do ruído de percussão, do pavimento com revestimento EN ISO :2010 Nível de pressão sonora, normalizado, do ruído de percussão, do pavimento sem revestimento EN ISO :2010 Nível de pressão sonora, do ruído de percussão normalizado, devido à transmissão direta Nível de pressão sonora, equivalente, normalizado, do ruído de percussão Índice de isolamento sonoro, equivalente, normalizado, do ruído de percussão, da laje de ensaio com revestimento XII

9 Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão Símbolo Unidades Designação Definição Ln,eq,0,w Ln,ij Ln,oct L n Ln,r Ln,r,0 L nt L nt,w Ln,w L n,w L n,eq L nt,eq Ln,w,1 L n,1/3oct,j Ln,r,w Ln,0,w Ln,r,0,w L n,oct L nt,oct Índice de isolamento sonoro, equivalente, normalizado, do ruído de percussão, da laje de ensaio sem revestimento Nível de pressão sonora, do ruído de percussão normalizado, devido à transmissão marginal, segundo o caminho ij Nível de pressão sonora, do ruído de percussão normalizado por NP EN ISO 140-6:2000 bandas de oitava Nível de pressão sonora, do ruído de percussão normalizado, do NP EN ISO 140-7:2009 pavimento a ensaiar, medido in situ Nível de pressão sonora do ruído de percussão normalizado, do pavimento de referência, com o revestimento a ensaiar Nível de pressão sonora do ruído de percussão normalizado, do pavimento de referência Nível de pressão sonora do ruído de percussão padronizado, NP EN ISO 140-7:2009 determinado a partir de medições in situ Índice de isolamento sonoro, padronizado, do ruído de percussão, determinado a partir de medições in situ Índice de isolamento sonoro, normalizado, Ln,w, do ruído de percussão Índice de isolamento sonoro, normalizado, do ruído de percussão, determinado a partir de medições in situ Nível de pressão sonora, equivalente, normalizado, do ruído de percussão Nível de pressão sonora, equivalente, padronizado, do ruído de percussão Índice de isolamento sonoro, normalizado, do ruído de percussão, da laje de ensaio com o revestimento de piso de referência Nível de pressão sonora, normalizado, para a banda de NP EN ISO 140-7:2009 frequências de um terço de oitava, j Índice de isolamento sonoro, normalizado, do ruído de percussão, do pavimento de referência, com o revestimento a ensaiar Índice de isolamento sonoro, normalizado, do ruído de percussão, da laje de ensaio sem o revestimento Índice de isolamento sonoro, normalizado, do ruído de percussão, do pavimento de referência sem o revestimento a ensaiar (Ln,r,0,w = 78 ) Nível de pressão sonora, do ruído de percussão normalizado, do pavimento de referência sem o revestimento em ensaio, por NP EN ISO 140-7:2008 bandas de oitava Nível de pressão sonora, do ruído de percussão standardizado, do pavimento de referência sem o revestimento em ensaio, por NP EN ISO 140-7:2008 bandas de oitava m kg/m 2 Massa superficial da lajeta flutuante m kg/m 2 Massa superficial média dos elementos laterais m0 kg/m 2 Massa superficial de referência (= 1 kg/m 2 ) Ri Isolamento a sons aéreos do elemento de construção Rj Rn Isolamento a sons aéreos do elemento de construção lateral j, no local de receção Isolamento a sons aéreos, normalizado, dos elementos de construção XIII

10 A ACÚSTICA NOS EDIFÍCIOS Símbolo Unidades Designação Definição Rij Isolamento para cada caminho de transmissão do elemento i (pavimento), através do elemento j s MN/m 3 Rigidez dinâmica do material resiliente Si m 2 Área do elemento de separação (pavimento) Sj m 2 Área do elemento lateral, j, no local de receção T s Tempo de reverberação NP EN ISO 20354:2007 (1) T0 s Tempo de reverberação de referência T0 = 0,5 s NP EN ISO-140-7:2008 V m 3 Volume de um espaço fechado NP EN ISO 354:2007 (1) ΔL Redução do nível de ruído de percussão, para uma dada banda de EN ISO :2010 frequências, devida ao revestimento do pavimento ΔLw Redução do nível de ruído de percussão, ponderado EN ISO :2010 ΔLr Redução do nível de ruído de percussão, devida ao revestimento EN ISO :2010 ΔLr,w ΔRj de piso de referência Redução do nível de ruído de percussão, ponderado, do revestimento de piso de referência, igual a 19 Acréscimo do isolamento a sons aéreos por duplicação interior do elemento lateral, j, no local de receção (1) EN ISO 20354:1993 Acoustics. Measurement of sound absorption in a reverberation room EN ISO :2010 XIV

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA REDUÇÃO SONORA DE REVESTIMENTOS DE PISO E DE

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES Rodrigo Barcelos Pinto 1 ; Erasmo Felipe Vergara 2 ; Dinara Xavier da Paixão 3. (1) Universidade Federal

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA REDUÇÃO SONORA DE SISTEMAS DE PISOS FLUTUANTES

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ Área temática: Gestão Ambiental e Sustentabilidade Wlander Belém Martins

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

PREVISÃO DA TRANSMISSÃO MARGINAL DE SONS DE PERCUSSÃO ENTRE COMPARTIMENTOS SOBREPOSTOS

PREVISÃO DA TRANSMISSÃO MARGINAL DE SONS DE PERCUSSÃO ENTRE COMPARTIMENTOS SOBREPOSTOS Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra PREVISÃO DA TRANSMISSÃO MARGINAL DE SONS DE PERCUSSÃO ENTRE COMPARTIMENTOS SOBREPOSTOS Diogo Mateus 1, Paulo Santos 1 1 Centro

Leia mais

PREVISÃO DA TRANSMISSÃO MARGINAL DE SONS DE PERCUSSÃO ENTRE COMPARTIMENTOS SOBREPOSTOS

PREVISÃO DA TRANSMISSÃO MARGINAL DE SONS DE PERCUSSÃO ENTRE COMPARTIMENTOS SOBREPOSTOS Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra PREVISÃO DA TRANSMISSÃO MARGINA DE SONS DE PERCUSSÃO ENTRE COMPARTIMENTOS SOBREPOSTOS Diogo Mateus 1, Paulo Santos 1 1 Centro de

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos.

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. um produto que une efi ciência técnica com preocupação ambiental EcoSilenzio é um produto que traz ao mercado um novo conceito para a absorção das vibrações

Leia mais

DESEMPENHO DE ARGAMASSAS LEVES EM ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO

DESEMPENHO DE ARGAMASSAS LEVES EM ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra DESEMPENHO DE ARGAMASSAS LEVES EM ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO F. G. Branco 1, L. Godinho 1, R. Masgalos 2 1 CICC, Dep. Eng.

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Parte 4-1 Transmissão de vibrações Transmissão em elementos simples => Fraco isolamento Soluções correctivas Material separador flexivel Duplicação do elemento e criação de caixa de ar Separação com material

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

A MC31 é uma manta natural para isolamento acústico e proteção de fungos. É composta por cortiça aglomerada prensada para isolamento acústico e térmic

A MC31 é uma manta natural para isolamento acústico e proteção de fungos. É composta por cortiça aglomerada prensada para isolamento acústico e térmic Mantas de Cortiça A MC11 é uma manta natural para redução de ruído de impacto. É composta por cortiça aglomerada para isolamento acústico e térmico de pavimentos flutuantes. Elimina contato com laje ou

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA

ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA ENTREPISO DE MADEIRA DE ELEVADAS PRESTAÇÕES : Membrana de polietileno reticulado e lã mineral RHFM 7 8 IMPACTODAN Lã mineral VANTAGENS Isolamento a ruido aéreo

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA

EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA António P. O. Carvalho, Mário R. M. Sousa Laboratório de Acústica, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto. Portugal carvalho@fe.up.pt,

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

Estudo de soluções de reabilitação acústica para o caso dos pavimentos tradicionais em madeira

Estudo de soluções de reabilitação acústica para o caso dos pavimentos tradicionais em madeira Sofia Raquel Freitas Cabral Torra Estudo de soluções de reabilitação acústica para o caso dos pavimentos tradicionais em madeira Study of acoustic rehabilitation solutions for traditional wood floors Dissertação

Leia mais

Acústica nos edifícios

Acústica nos edifícios Acústica nos edifícios Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de Edifícios 1 Os materiais ou sistemas absorventes sonoros podem ser classificados em: - materiais texturados; -Ressoadores

Leia mais

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável Professor Rogério Mori Materiais porosos Quando a energia sonora penetra num material poroso, parte dela é convertida em calor, devido a resistência viscosa e ao atrito nos poros e ainda pela vibração

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Absorção Sonora Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

ANEXO I AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DAS SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PARA PAVIMENTOS CÁLCULO

ANEXO I AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DAS SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PARA PAVIMENTOS CÁLCULO ESCOLA DE ENGENHARA Departamento de Engenharia Civil Mestrado em Engenharia Civil -Novas tecnologias construtivas com vista à sustentabilidade da construção- ANEXO AVALAÇÃO DA SUSTENTABLDADE DAS SOLUÇÕES

Leia mais

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal fjbranco@dec.uc.pt Luís Godinho CICC,

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso laminado Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos.

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. paper ID: 136 /p.1 Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. Diogo Mateus, Julieta António, António Tadeu Departamento de Engenharia

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING DESEMPENHO ACÚSTICO DE LAJES MISTAS MADEIRA-BETÃO ESTUDO EXPERIMENTAL

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

A LAJE PLANA DE PREFABRICADOS CASTELO MINOS II CASTELO

A LAJE PLANA DE PREFABRICADOS CASTELO MINOS II CASTELO A LAJE PLANA DE PREFABRICADOS CASTELO MINOS II CASTELO www.prefabricadoscastelo.com APLICAÇÕES MINOS II CASTELO constitui uma solução optima para a construção de lajes planas, para utilizar em moradias,

Leia mais

Análise comparativa dos métodos normalizados de previsão da transmissão sonora por via aérea. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em

Análise comparativa dos métodos normalizados de previsão da transmissão sonora por via aérea. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Análise comparativa dos métodos normalizados de previsão da transmissão sonora por via aérea Ricardo Manuel de Abreu Dias Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em ENGENHARIA CIVIL Júri Presidente:

Leia mais

CYPEVAC. Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00 351 253 20 94 39 http://www.topinformatica.

CYPEVAC. Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00 351 253 20 94 39 http://www.topinformatica. VAC IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE O CONHECIMENTO E AS APLICAÇÕES LECA NA MELHORIA TÉRMICA E ACÚSTICA DOS HABITATS 1. INTRODUÇÃO O Conhecimento e a Experiência acumulados pela Saint-Gobain Weber Portugal SA (S-GWP), no desenvolvimento e

Leia mais

Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto

Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto 13 Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto Nunes, M.F.O.; Zini, A.; Pagnussat, D.T. *Laboratório de Tecnologia Construtiva, Universidade de

Leia mais

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION.

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

Natureza e Tecnologia A solução ideal. Natureza e tecnologia a solução ideal

Natureza e Tecnologia A solução ideal. Natureza e tecnologia a solução ideal Natureza e Tecnologia A solução ideal ÁREA FLORESTAL DE SOBRO (HECTARES) PAÍSES HECTARES TONELADAS Portugal 725 000 (33%) 185 000 (54%) Espanha 510 000 (23%) 88 000 (26%) Algeria 460 000 (21%) 15 000 (4%)

Leia mais

Consulta Pública 1/2014

Consulta Pública 1/2014 Consulta Pública 1/2014 Acordo quadro para o fornecimento de mobiliário - Anexo A2.TE: Testes e ensaios - Março de 2014 2012 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos

Leia mais

97,61 - Unid. GINA x1000x100mm 23 Kg/m3. 132,11 - Unid. GINA1021. Tapete para Ginástica cobertura em Lona Verde.

97,61 - Unid. GINA x1000x100mm 23 Kg/m3. 132,11 - Unid. GINA1021. Tapete para Ginástica cobertura em Lona Verde. Colchão de quedas com revestimento em PVC, base antiderrapante. Colchão de quedas com revestimento em Lona. GINA1019 3000x2000x200mm 314,73 GINA1023 2000x1000x100mm 97,61 GINA1020 3000x2000x300mm 365,71

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

Relatório de Adequação Tecnológica de Produto para Exportação ATPEx n o 065/04 - ProgEX RJ

Relatório de Adequação Tecnológica de Produto para Exportação ATPEx n o 065/04 - ProgEX RJ Relatório de Adequação Tecnológica de Produto para Exportação ATPEx n o 065/04 - ProgEX RJ Produto: Placas de Fibra de Coco para Isolamento Térmico e Acústico 1. EMPRESA Cliente: V 34 ALIMENTOS LTDA-ME

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Workshop AICCOPN, Porto,13/03/2014 Baio Dias baiodias@ctcv.pt Diretor Adjunto Técnico 1 Enquadramento Normativo Normas aplicáveis

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Architectural Acoustics - Room and Building Acoustics: FIA2016-38 Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Josiane Reschke Pires (a), Sérgio Klippel

Leia mais

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo

Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas. Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Soluções em Poliuretanos Bayer para Aplicações Automotivas Novembro de 2014 Fernanda Porto Painel Automotivo Agenda O Mercado Automotivo Cenário Atual e Desafios A versatibilidade do Poliuretano e sua

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

Catálogo Geral

Catálogo Geral Catálogo Geral www.cfdoors.pt Painel de Frio Painel de Cobertura Painel Fachada Painel Fachada em Lã Rocha Painel Acústico Painel Cobertura Telha 2 Simbologia Simbologia dos revestimentos CF Doors identificando

Leia mais

Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas

Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas Para a Indústria. Para a Construção Civil. Para sua Empresa. Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas www.polycalha.com.br Soluções Inteligentes em Isolações Térmicas Soluções em isolamento térmico.

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100 Documentação Índice Documentação Geral... 2 Especificações Type 100... 4 Painéis de Parede e de Porta... 5 Sistema de Parqueamento dos Painéis... 6 Calhas dos Painéis... 7 Detalhes dos Painéis... 8 Tipos

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios

Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios Outubro de 2014 SONIA CARINA MATOS ABREU Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal...

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... Índice Nota Introdutória... IX Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... 1 1.1 CONCEITO DE METROLOGIA... 1 1.2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA METROLOGIA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprovação...3 Regiões Autónomas...3 Regime transitório...3 Entrada em vigor...3 REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Disposições gerais...4 Objecto

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CHAPADÃO DO CÉU, ESTADO DE GOIÁS, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte lei Complementar:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CHAPADÃO DO CÉU, ESTADO DE GOIÁS, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 130 DE12 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece Manual de Cadastro e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CHAPADÃO DO CÉU, ESTADO DE GOIÁS, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

quadro de escolha para colagem

quadro de escolha para colagem quadro de escolha para colagem São 3 os parâmetros que determinam a cola a utilizar em função dos trabalhos a realizar: 1º suporte 2º local 3º as peças a colar A natureza: Onde: Destino/uso: Natureza:

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO CUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO Homologação de novos materiais e processos de construção DH 895 CI/SfB (23) Gf (Ajs) CDU 692.5 ISSN 0870-2063 leiriviga pré-esforçados, Lda. Sede e Fábrica: Ponte das Mestras 20-447

Leia mais

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h)

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h) 6.8 RECUPERADORES DE CALOR UNIREC Recuperadores de calor monozona de elevada eficiência para instalações domésticas Concebidos para a renovação do ar no interior da habitação, minimizando as perdas energéticas,

Leia mais

EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS

EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS PACS: 43.50.Gf Bragança, Luís 1 ; Freitas, Elisabete 2 ; Pinheiro, Daniel 3 Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho Campus de Azurém 4800-058 Guimarães

Leia mais

Cesva Insulation Studio

Cesva Insulation Studio Cesva Insulation Studio Software para o cálculo e emissão de relatórios de isolamento Versão DEMO em www.cesva.com D_CIS_v0023_20091015_POR Aplicações Cálculo e emissão de relatórios de isolamento a: Isolamento

Leia mais

Construção de Pavimentos. Construção de pavimentos flutuantes de baixa espessura sem retrações

Construção de Pavimentos. Construção de pavimentos flutuantes de baixa espessura sem retrações Schlüter -BEKOTEC Construção de Pavimentos 9.1 Construção de pavimentos flutuantes de baixa espessura sem retrações Ficha Técnica Aplicação e função Schlüter -BEKOTEC é a técnica de construção segura de

Leia mais

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO

DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO CUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO Homologação de novos materiais e processos de construção DH 884 CI/SfB (23) Gf (Ajs) CDU 692.5 ISSN 0870-2063 Euroviga Pré-Fabricados, S.A. Sede e fábrica: Apartado 134 3770-909

Leia mais

ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE UM ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO DE MÚSICA DA CONCEÇÃO À EXECUÇÃO

ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE UM ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO DE MÚSICA DA CONCEÇÃO À EXECUÇÃO ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE UM ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO DE MÚSICA DA CONCEÇÃO À EXECUÇÃO Diogo Mateus 1, Andreia Pereira 1, Luís Godinho 1 1 ISISE, Department of Civil Engineering, University of Coimbra,

Leia mais

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa Aluno(s): Lucio Vinicius Andrade Carlini Luiza Pautz Aguiar Professor : Damin Santos / SP LUIZA 1 Revestimento Função Proteger os elementos da vedação e

Leia mais

ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP

ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP Relatório DCT.C.15.003.2006-R1 MAIO/2008 ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DEPARTAMENTO

Leia mais

CONDICIONAMENTO ACÚSTICO

CONDICIONAMENTO ACÚSTICO GUIA PARA A REABILITAÇÃO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO compartimentação interior, fachadas, coberturas e instalações técnicas PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Diogo Mateus

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

www.solucoesparaconstrucao.com Grupo Preceram - grupo familiar de capital nacional Águeda Oliveira do Bairro Figueira da Foz Pombal www.solucoesparaconstrucao.com Fábricas em Pombal e Águeda. Tijolo PRECERAM

Leia mais

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS O que é revestimento? Revestimentos mais comuns Argamassas Cerâmicos Pedra

Leia mais

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL "

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL " Major Eduardo Estevam Rodrigues Msc. Engenheiro de Segurança do Trabalho Chefe da Divisão de Operações e Defesa Civil Corpo de Bombeiros Militar

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes:

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes: ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTRAS E VIDROS a) Paredes: 1 de 9cm bloco de concreto 9cm Argamassa interna () Bloco de concreto (9,0 x 19,0 x Argamassa externa () 2,78

Leia mais

C 10/2 PT Jornal Oficial da União Europeia

C 10/2 PT Jornal Oficial da União Europeia C 10/2 PT Jornal Oficial da União Europeia 13.1.2017 Comunicação da Comissão no âmbito da execução do Regulamento (UE) n. o 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece condições harmonizadas

Leia mais