PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS"

Transcrição

1 PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

2 ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FICHAS DE PATOLOGIA - EXEMPLO Descrição da Patologia Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

3 FICHAS DE PATOLOGIA - EXEMPLO Sondagens e Medidas Análise da configuração do pavimento Determinação do perfil de teor de humidade da camada de suporte Caracterização das condições higrotérmicas Teor de Humidade - w das amostras 0,082 0,072 0,037 0,022 w [kg/kg] Profundidade [cm] Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FICHAS DE PATOLOGIA - EXEMPLO Causas da Patologia Noite 6 ºC 13 ºC Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

4 FICHAS DE PATOLOGIA - EXEMPLO Soluções Possíveis de Reparação Solução A Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FICHAS DE PATOLOGIA - EXEMPLO Soluções Possíveis de Reparação Solução A Solução B Barreira pára-vapor Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

5 FICHAS DE PATOLOGIA - EXEMPLO Soluções Possíveis de Reparação Solução A Solução B Barreira pára-vapor Revestimento e sistema de fixação não sensível à água Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO À BASE DE RESINAS EPOXY DO PAVIMENTO DE UM LABORATÓRIO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

6 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO À BASE DE RESINAS EPOXY DO PAVIMENTO DE UM LABORATÓRIO SONDAGENS E MEDIDAS Recolha de amostras e análise da configuração do pavimento Medição da temperatura e da humidade relativa do laboratório e da zona técnica (piso inferior) Medição da temperatura da laje Medição do teor de humidade do betão celular e da camada de argamassa Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO À BASE DE RESINAS EPOXY DO PAVIMENTO DE UM LABORATÓRIO CAUSAS DA PATOLOGIA Dia Inverno Noite ºC ºC ºC ºC ºC Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

7 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO À BASE DE RESINAS EPOXY DO PAVIMENTO DE UM LABORATÓRIO CAUSAS DA PATOLOGIA Inverno Noite Impermeável ao vapor de água Impermeável à água líquida permeável ao vapor de água Impermeável à água líquida Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO À BASE DE RESINAS EPOXY DO PAVIMENTO DE UM LABORATÓRIO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Aquecimento contínuo do laboratório Substituição do revestimento por outro que seja permeável ao vapor de água Colocação de uma barreira pára vapor Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

8 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO DO PAVIMENTO EM LADRILHOS VINÍLICOS SOBRE AGLOMERADO DE CORTIÇA DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO DO PAVIMENTO EM LADRILHOS VINÍLICOS SOBRE AGLOMERADO DE CORTIÇA SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

9 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO DE PAVIMENTO EM LADRILHOS VINÍLICOS SOBRE AGLOMERADO DE CORTIÇA SONDAGENS E MEDIDAS Medição da temperatura e da humidade relativa no interior de diversos compartimentos e nos vários pisos Registo da situação com o edifício desocupado (sistema de aquecimento desligado) e de máxima ocupação Medição da temperatura no interior do pavimento Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO DE PAVIMENTO EM LADRILHOS VINÍLICOS SOBRE AGLOMERADO DE CORTIÇA CAUSAS DA PATOLOGIA Ocupação e aquecimento descontínuos No Inverno a temperatura acima da laje era inferior à dos espaços técnicos Fluxo de vapor ascendente Revestimento do pavimento impermeável ao vapor Condensações no plano de colagem Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

10 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO DE PAVIMENTO EM LADRILHOS VINÍLICOS SOBRE AGLOMERADO DE CORTIÇA SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Substituição do revestimento por outro que seja permeável ao vapor de água Colocação de uma barreira pára v apor numa posição adequada Barreira pára ra-vapor Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR EM GESSO CARTONADO DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

11 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR EM GESSO CARTONADO DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR EM GESSO CARTONADO DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO CAUSAS DA PATOLOGIA Inverno Primavera ºC ºC Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

12 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR EM GESSO CARTONADO DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Isolamento térmico Cobertura existente Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO TÉRREO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

13 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO TÉRREO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO TÉRREO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

14 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO TÉRREO CAUSAS DA PATOLOGIA Com aquecimento Sem aquecimento Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO TÉRREO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Barreira pára ra-vapor Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

15 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

16 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA CAUSAS DA PATOLOGIA Processo de corrosão originado por cloretos e sulfatos transportados pela água, provenientes do aglomerado de cortiça e do betão celular Presença de água líquida no interior da cobertura deve-se á condensação do vapor de água Revestimento em zinco aplicado sem que o betão celular estivesse em equilíbrio higroscópico Chapas de zinco estavam em contacto directo com o aglom erado de cortiça, não existindo ventilação Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA CAUSAS DA PATOLOGIA Betão Celular Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

17 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA CAUSAS DA PATOLOGIA % de ar Teor de humidade (saturação) Resistência mecânica (27 dias) Massa volúmica Teor de humidade higroscópico (98% H. R.) Teor de humidade (50% H.R.) 50% (volume) 1,2 kg/kg 0,7-2,1 MPa kg/m 3 0,21 kg/kg 0,08 kg/kg Betão Celular - Propriedades Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA Valores de teor de humidade de amostras secas em laboratório (média) MASSA VOLÚMICA (kg/m 3 ) ESPESSURA DA CAMADA (mm) 23 (dias) 30 (dias) TEOR EM ÁGUA ( kg/kg ) (dias) (dias) (dias) 102 (dias) 127 (dias) ,32 0,28-0,27 0,26 0, ,23 0,17 0,15 0,14 0,12 0,10 0, ,23-0,22 0,22 0,21 0,18 0,17 + 1,2 l/m l/m l/m 2 EXCEDE Teor de Humidade 50% H.R. Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

18 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM ZINCO DE UMA COBERTURA SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Espaço de ar ventilado Barreira pára-vapor Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

19 FISSURAÇÃO DA ENVOLVENTE EXTERIOR DA ALVENARIA EM TIJOLO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FISSURAÇÃO DA ENVOLVENTE EXTERIOR DA ALVENARIA EM TIJOLO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

20 FISSURAÇÃO DA ENVOLVENTE EXTERIOR DA ALVENARIA EM TIJOLO CAUSAS DA PATOLOGIA t 60 ºC Expansão do tijolo com a humidade t 15 ºC l 0,3 mm/m l 1 mm/m Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FISSURAÇÃO DA ENVOLVENTE EXTERIOR DA ALVENARIA EM TIJOLO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Travamento dos panos exteriores de alvenaria A rgamassa especial Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

21 FISSURAÇÃO DA ENVOLVENTE EXTERIOR DA ALVENARIA EM TIJOLO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Suporte (alv enar ia ou betão) Isolamento térmic o (poliestireno expandido - EPS) Camada de bas e Armadura (fibr a de vidr o) Camada de prim ário Camada de acabamento (RPE) Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DE PEITORIS EM PEDRA CALCÁRIA DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

22 DEGRADAÇÃO DE PEITORIS EM PEDRA CALCÁRIA SONDAGENS E MEDIDAS Verificação da estabilidade dos peitoris Análise da configuração dos peitoris Caracterização da ligação peitoril/ fachada Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DE PEITORIS EM PEDRA CALCÁRIA CAUSAS DA PATOLOGIA Envelhecimento do material Solicitações de carácter higrotérmico Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

23 DEGRADAÇÃO DE PEITORIS EM PEDRA CALCÁRIA SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Aplicação de revestimento contínuo à base de resina de poliuretano Resina d e poliuretano Armadura Primário Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR DO CONTORNO DE UM VÃO ENVIDRAÇADO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

24 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR DO CONTORNO DE UM VÃO ENVIDRAÇADO SONDAGENS E MEDIDAS Desmontagem de uma j anela Análise da configuração dos peitoris Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR DO CONTORNO DE UM VÃO ENVIDRAÇADO CAUSAS DA PATOLOGIA Solução de caixilharia adoptada Deficiente configuração da ligação da caixilharia /fachada Deficiente configuração da ligação peitoril/ombreira Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

25 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO INTERIOR DO CONTORNO DE UM VÃO ENVIDRAÇADO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Substituição por uma caixilharia certificada Correcção da configuração da ombreira e do peitoril Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DESENVOLVIMENTO DE BOLORES NA SUPERFÍCIE INTERIOR DE UMA INSTALAÇÃO SANITÁRIA DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

26 DESENVOLVIMENTO DE BOLORES NA SUPERFÍCIE INTERIOR DE UMA INSTALAÇÃO SANITÁRIA SONDAGENS E MEDIDAS Medição da temperatura e humidade relativa do ar e do caudal de ventilação da instalação sanitária Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DESENVOLVIMENTO DE BOLORES NA SUPERFÍCIE INTERIOR DE UMA INSTALAÇÃO SANITÁRIA CAUSAS DA PATOLOGIA Ausência de aquecimento do ambiente interior ou aquecimento insuficiente e intermitente Deficiente isolamento térmico da env olv ente Produção de v apor de água no interior da habitação/ compartimento significativ a Ventilação insuficiente Higroscopicidade inadequada dos revestimentos interiores CONDENSAÇÕES SUPERFICIAIS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

27 DESENVOLVIMENTO DE BOLORES NA SUPERFÍCIE INTERIOR DE UMA INSTALAÇÃO SANITÁRIA SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Criação de um sistema de ventilação geral e permanente Reforço do aquecimento Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DESTACAMENTO DO BETÃO À VISTA DA FACHADA DE UM EDIFÍCIO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

28 DESTACAMENTO DO BETÃO À VISTA DA FACHADA DE UM EDIFÍCIO SONDAGENS E MEDIDAS Recolha de amostras e caracterização do estado de conservação do betão Profundidade de carbonatação Avaliação do teor em cloretos e sulfatos totais do betão Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DESTACAMENTO DO BETÃO À VISTA DA FACHADA DE UM EDIFÍCIO CAUSAS DA PATOLOGIA Carbonatação do betão Deficiente espessura da camada de protecção das armaduras Localização do edifício num ambiente marinho CORROSÃO DAS ARMADURAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

29 DESTACAMENTO DO BETÃO À VISTA DA FACHADA DE UM EDIFÍCIO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Substituição das armaduras degradadas Protecção das armaduras (aplicação de barreira estanque/anticorrosão e de protecção passivante ) Reconstituição do betão Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FISSURAÇÃO DA GUARDA DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

30 FISSURAÇÃO DA GUARDA DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de FISSURAÇÃO DA GUARDA DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO CAUSAS DA PATOLOGIA Deformações de carácter higrotérmico do tijolo, devido às variações dimensionais quer pela acção da temperatura, quer pela expansão irreversível pela acção da humidade Diferenças de comportamento face ás solicitações de caracter higrotérmico dos dois materiais que constituem a guarda o betão, que constitui a parte interior da guarda, e a forra exterior em tijolo vazado Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

31 FISSURAÇÃO DA GUARDA DE UMA COBERTURA EM TERRAÇO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Reforço da estabilidade da forra em tijolo vazado Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DAS JUNTAS DE DILATAÇÃO VERTICAIS DE UM EDIFÍCIO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

32 DEGRADAÇÃO DAS JUNTAS DE DILATAÇÃO VERTICAIS DE UM EDIFÍCIO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DAS JUNTAS DE DILATAÇÃO VERTICAIS DE UM EDIFÍCIO CAUSAS DA PATOLOGIA Envelhecimento natural do material de preenchimento das juntas face às solicitações de caracter higrotérmico Falta de protecção mecânica das juntas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

33 DEGRADAÇÃO DAS JUNTAS DE DILATAÇÃO VERTICAIS DE UM EDIFÍCIO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO DESCRIÇÃO DA PATOLOGIA Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

34 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO SONDAGENS E MEDIDAS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO CAUSAS DA PATOLOGIA Sistema ETICS Revestimento cerâmico impermeável ao vapor Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

35 DEGRADAÇÃO DO REVESTIMENTO EM MADEIRA DE UM PAVIMENTO SOLUÇÕES POSSÍVEIS DE REPARAÇÃO Não é aconselhável aplicar uma camada impermeável ao vapor de água sobre um sistema ETICS Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de CONCLUSÕES? Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

36 CONCLUSÕES? Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de CONCLUSÕES? CONFORTO DURABILIDADE Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS Vasco Peixoto de Freitas Andreia Mota Miranda Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas e Andreia

Leia mais

INSPECÇÃO, PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE E PISOS

INSPECÇÃO, PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE E PISOS INSPECÇÃO, PATOLOGIA E REABILITAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE E PISOS 1/72 Adaptado dos textos originais: Autores: Arq.ª Sofia Ruivo, Arq.ª Teresa Ferreira, Eng.º João Garcia Coordenação: Prof. F.A. Branco,

Leia mais

PATOLOGIA DE ARGAMASSAS

PATOLOGIA DE ARGAMASSAS PATOLOGIA DE ARGAMASSAS Vasco Peixoto de Freitas Sandro Alves Vasco Peixoto de Freitas / Sandro Alves APFAC Tektónica, Maio de 2008-1 ESTRUTURAÇÃO I. INTRODUÇÃO II. TIPIFICAÇÃO DE PATOLOGIAS DE ARGAMASSAS

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Elaboração de um Catálogo

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Elaboração de um Catálogo 1 PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Elaboração de um Catálogo Marília Margarida Ferreira de Sousa O PROBLEMA DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO FRANÇA AQC SYCODÉS Seguro de Responsabilidade Decenal Seguro de Reparação de

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS Vasco Peixoto de Freitas (Prof Catedrático FEUP) Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 ESTRUTURAÇÃO I. PATOLOGIA ACTIVIDADE PROFISSINAL II. III. O PROBLEMA DA PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO RESPONSABILIDADES,

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS DA REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS DA REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS Auditório José Silvestre do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve continuação ASPECTOS CONSTRUTIVOS DA REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS Susana Fernandes Oz, Lda. A reabilitação

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Inês Simões

Leia mais

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade MARIA DO ROSÁRIO VEIGA TEKTÓNICA 2010 Contribuição das Argamassas e dos ETICS para a Eficiência

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007 nº 17 FICHA TÉCNICA Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior Nº Pág.s: 07 17 12 Fevereiro 2007 Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior 01 Para responder às crescentes exigências de conforto higrotérmico,

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Pedro Sequeira Dina Frade José Severo Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais TEKtónica, Lisboa, 2014.05.09

Leia mais

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Conferência Internacional da PEDRA NATURAL ALFÂNDEGA

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000039148429 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO Morada / Localização Rua Quinta

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop color Pág. 2 utilização Revestimento

Leia mais

Reabilitação da envolvente de edifícios na ótica da estanquidade à água

Reabilitação da envolvente de edifícios na ótica da estanquidade à água Seminário APCMC REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Reabilitação da envolvente de edifícios na ótica da estanquidade à água Jorge M. Grandão Lopes (Investigador do LNEC) glopes@lnec.pt 11 de outubro de 2012 Algumas

Leia mais

REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS METODOLOGIA - DIAGNÓSTICO

REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS METODOLOGIA - DIAGNÓSTICO REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS METODOLOGIA - DIAGNÓSTICO Vasco Peixoto de Freitas Marília Sousa Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sousa Dezembro de 2003-1 ESTRUTURAÇÃO I. METODOLOGIA A UTILIZAR NO PROJECTO

Leia mais

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 ETICS E ARGAMASSAS TÉRMICAS: EXIGÊNCIAS DE CONFORMIDADE MARIA DO ROSÁRIO VEIGA

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop decor raiada areada utilização

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Colagem de Cerâmicos em Fachadas'

Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Coimbra 13. Novembro. 2013 Agenda Causas das patologias mas antigamente...? Como resolver... Exemplos Reabilitação Conclusões Reboco SUPORTE: Alvenaria de tijolo cerâmico

Leia mais

HUMIDADE NA CONSTRUÇÃO

HUMIDADE NA CONSTRUÇÃO HUMIDADE NA CONSTRUÇÃO HUMIDADE ASCENSIONAL Vasco Peixoto de Freitas Pedro Filipe Gonçalves Vasco Peixoto de Freitas Pedro Filipe Gonçalves Outubro 2003-1 ESTRUTURAÇÃO I. INTRODUÇÃO II. III. IV. HUMIDADES

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO Inês Flores-Colen (I.S.T) Jorge de Brito (I.S.T) Fernando A. Branco (I.S.T.) Introdução Índice e objectivo Ensaio de arrancamento pull-off Estudo

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

ISO... Sistema ETICS. therm

ISO... Sistema ETICS. therm ISO... Sistema ETICS therm By O Isolamento térmico de qualidade O sistema ETICS ISOtherm tem na sua composição diferentes soluções de acordo com as distintas necessidades das habitações/edifícios. Propomos

Leia mais

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação da Escola Secundária de Rio Tinto, Gondomar Vasco Pereira, Saint-Gobain Weber Portugal 1. Introdução 2. Reabilitação

Leia mais

Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios

Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios SEMINÁRIO Eficiência energética e arquitectura solar passiva: exemplos de aplicação JOÃO SANTA RITA Universidade do Minho, Guimarães

Leia mais

INTERVENÇÕES EM FACHADAS: NOVAS SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS ANTIGOS

INTERVENÇÕES EM FACHADAS: NOVAS SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS ANTIGOS Seminário Reabilitação de Fachadas, Vasconcelos&Lourenço (eds.), 2016 73 INTERVENÇÕES EM FACHADAS: NOVAS SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS ANTIGOS João GRAÇA Diretor de Obra STB Reabilitação do Património Edificado,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

Ficha de trabalho Workshop do curso de Peritos RCCTE da UFP

Ficha de trabalho Workshop do curso de Peritos RCCTE da UFP Ficha de trabalho Workshop do curso de Peritos RCCTE da UFP 1ª) Qual a área mínima de colectores solares padrão que segundo o RCCTE se devem obrigatoriamente colocar num edifício de habitação multifamiliar

Leia mais

quadro de escolha para colagem

quadro de escolha para colagem quadro de escolha para colagem São 3 os parâmetros que determinam a cola a utilizar em função dos trabalhos a realizar: 1º suporte 2º local 3º as peças a colar A natureza: Onde: Destino/uso: Natureza:

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma

Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma Desempenho relativo das argamassas de argila expandida na execução de camadas de forma Ana Sofia Ferreira (IST) Jorge de Brito (IST) Fernando Branco (IST) º Congresso Nacional de Argamassas de Construção

Leia mais

4º Congresso Português de Argamassas e ETICS

4º Congresso Português de Argamassas e ETICS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO HIGROTÉRMICO DA SOLUÇÃO ETICS NA ÓPTICA DA IDENTIFICAÇÃO E REPARAÇÃO DE ANOMALIAS Fernando Jorne UNL - FCT Portugal fjorne@fct.unl.pt

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE Roca Lisboa Gallery LISBOA 01.04.2016 ÍNDICE Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto O contributo das Argamassas Térmicas na Sustentabilidade

Leia mais

FLEX HILLS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTO

FLEX HILLS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTO FLEX HILLS Banda G - Rua de Breias Gualtar Braga LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTO Índice 1. Sistema Estrutural 2. Acabamentos exteriores 3. Acabamentos interiores Cozinha Sala Quartos Quartos de banho

Leia mais

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação www.candigres.com :: candigres@candigres.com Índice Pág. 1.0 Cálculo do Material necessário 4 2.0 Preparação do suporte 4 2.1 Condições Gerais

Leia mais

PATOLOGIAS DE SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS. APFAC - Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS

PATOLOGIAS DE SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS. APFAC - Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS PATOLOGIAS DE SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS APFAC - Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS RELATÓRIO LFC-IC-282A-2014 PORTO, DEZEMBRO DE 2014 PATOLOGIAS

Leia mais

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO

Leia mais

Patologias das Edificações

Patologias das Edificações Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Patologias das Edificações Prof. André L. Gamino Tipos Comuns: Patologias das alvenarias; Patologias

Leia mais

DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA CAPÍTULO 4

DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA CAPÍTULO 4 DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA CAPÍTULO 4 DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA 27 CAPÍTULO 4 ÍNDICE 4. DEFINIÇÃO

Leia mais

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Dados técnicos: Base Poliuretano Consistência Espuma estável Sistema de endurecimento Polimerização pela humidade do ar Formação de pele Ca. 8 min. (20 C/65% H.R.) Tempo de secagem

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

SOLUÇÕES PARA INTERIORES

SOLUÇÕES PARA INTERIORES SOLUÇÕES PARA INTERIORES TINTAS PLÁSTICAS Muráqua Paredes & Tectos Tinta plástica destinada à pintura de paredes interiores e tectos. Passimur Quartos & Salas Tinta plástica decorativa para interiores

Leia mais

Soluções SecilArgamassas. Barreiro

Soluções SecilArgamassas. Barreiro Soluções SecilArgamassas Barreiro 15.12.2014 Agenda A SECIL Argamassas Cal Hidráulica - NHL Argamassas Secas _ sustentáveis Argamassa Térmicas Gama ecocork; Soluções de ETICS: Secil Vit Cork; Conclusões

Leia mais

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA NOVO Sika ThermoCoat NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS CONFORTÁVEL POUPA ENERGIA IMPERMEÁVEL SEM CONDENSAÇÕES SEM FISSURAS prt.sika.com UM

Leia mais

Sistemas de Paredes. Parede Segurança

Sistemas de Paredes. Parede Segurança Parede Segurança CATÁLOGO TÉCNICO 2014 Parede composta por duas linhas de perfis guias e montantes em aço galvanizado intercaladas por tela metálica, com duas camadas de chapa de gesso sobrepostas em cada

Leia mais

BASF Poliuretanos Iberia S.A.

BASF Poliuretanos Iberia S.A. BASF Poliuretanos Iberia S.A. Generalidades Propriedades Vantagens Condutibilidade Térmica Reacção ao fogo Absorção de água Impermeabilidade Permeabilidade ao vapor de água Permeabilidade ao ar Resistência

Leia mais

Isolamento. de Coberturas. Saiba mais sobre

Isolamento. de Coberturas. Saiba mais sobre Isolamento de Coberturas Saiba mais sobre 1 ENQUADRAMENTO TIPOS DE COBERTURAS CONSTRUÍDAS EM PORTUGAL As coberturas são fundamentais para o conforto de uma habitação e responsáveis por ganhos e perdas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada CASARÃO CINZENTO - CALDAS DE MONCHIQUE,, Localidade CALDAS DE MONCHIQUE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada CASARÃO CINZENTO - CALDAS DE MONCHIQUE,, Localidade CALDAS DE MONCHIQUE Válido até 21/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada CASARÃO CINZENTO - CALDAS DE MONCHIQUE,, Localidade CALDAS DE MONCHIQUE Freguesia MONCHIQUE Concelho MONCHIQUE GPS 37.284644, -8.555011 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PONTELHAS, 154, 1º DRT Localidade LEÇA DO BALIO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PONTELHAS, 154, 1º DRT Localidade LEÇA DO BALIO Válido até 19/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PONTELHAS, 154, 1º DRT Localidade LEÇA DO BALIO Freguesia CUSTÓIAS, LEÇA DO BALIO E GUIFÕES Concelho MATOSINHOS GPS 41.223490, -8.641373 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1 DIMENSÕES QUANTIDADES comp. larg. alt. UN elemento parciais CAP. art. DESCRIÇÃO DOS TRABALHOS ELEMENTO 0 ESTALEIRO 0.1 Montagem e desmontagem de estaleiro 1 vg 1 ALVENARIAS 1.1 Tijolo Cerâmico 1.1.1 Paredes

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada TRAVESSA DE D. AFONSO III, 39, Localidade MAIA. Freguesia CIDADE DA MAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada TRAVESSA DE D. AFONSO III, 39, Localidade MAIA. Freguesia CIDADE DA MAIA Válido até 12/06/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DE D. AFONSO III, 39, Localidade MAIA Freguesia CIDADE DA MAIA Concelho MAIA GPS 41.228592, -8.601183 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE VENTILAÇÃO EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO Análise crítica

REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE VENTILAÇÃO EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO Análise crítica REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE VENTILAÇÃO EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO Análise crítica Manuel Pinto 1 mpinto@estv.ipv.pt Resumo O surgimento de regulamentação e normalização na área da certificação energética

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA VERA CRUZ, 1C, 2º Localidade PORTO. Freguesia BONFIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA VERA CRUZ, 1C, 2º Localidade PORTO. Freguesia BONFIM Válido até 24/12/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA VERA CRUZ, 1C, 2º Localidade PORTO Freguesia BONFIM Concelho PORTO GPS 41.148140, -8.591561 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Quadro de escolha para colagem

Quadro de escolha para colagem Quadro de escolha para colagem A seleção do tipo de cola depende da análise dos 3 parâmetros seguintes: 1º suporte 2º local 3º as peças a colar Novo (cimento, betão, gesso, ) A natureza: Antigo (cerâmica,

Leia mais

ÍNDICE 1. EMPRESA BREVES NOÇÕES PRINCIPAIS VANTAGENS ÂMBITO DE APLICAÇÃO INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO...

ÍNDICE 1. EMPRESA BREVES NOÇÕES PRINCIPAIS VANTAGENS ÂMBITO DE APLICAÇÃO INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO... DOSSIER INFORMATIVO ÍNDICE 1. EMPRESA... 3 2. BREVES NOÇÕES... 4 3. PRINCIPAIS VANTAGENS... 5 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 7 5. INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO... 8 2 1. EMPRESA A FLEX2000 é uma empresa

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua D. Nuno Alvares Pereira, 53 2490 114 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop therm

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa de Chá no Jardim da Sereia Parque de Santa Cruz 2. LOCALIZAÇÃO Freguesia de Santa Cruz 3. PROJECTO Projecto de Arquitectura: Gabinete para o

Leia mais

MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS CEUSAREVESTIMENTOS

MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS  CEUSAREVESTIMENTOS [ MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS [ PISO AQUECIDO Indicações: O sistema de piso aquecido é indicado para porcelanatos 60x60 cm, 80x80 cm, 20,2x86,5, 58,8x119,0 e 28,8x119,0 cm, assentados com junta de 2

Leia mais

O especialista em Renovação de FACHADAS

O especialista em Renovação de FACHADAS A GAMA FACHADAS O especialista em Renovação de FACHADAS A pintura das fachadas dos edifícios tem por objetivos fundamentais: Proteger e Decorar. A proteção processa-se por efeito de barreira, ou seja,

Leia mais

Placa Cimento-Madeira

Placa Cimento-Madeira Placa Cimento-Madeira INFORMAÇÃO GERAL: Painel de superfície lisa ou rugosa para diferentes aplicações. COMPOSIÇÃO: 75% Cimento 25% Madeira APRESENTADA COMO: B1 / A2 Bruto / Lixado Lisa / Bordo Maquinado

Leia mais

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO António Curado SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO Índice 1. ENERGIA E CONFORTO TÉRMICO 2. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS REGULAMENTARES 2.1. REQUISITOS DE DESEMPENHO 2.2. FACHADAS

Leia mais

Melhoria da Aderência de Revestimentos Contínuos de Gesso a Camadas Contínuas Impermeáveis ao Vapor

Melhoria da Aderência de Revestimentos Contínuos de Gesso a Camadas Contínuas Impermeáveis ao Vapor 1 INTRODUÇÃO O trabalho experimental que tem por base a comunicação que se apresenta foi desenvolvido no âmbito da Tese de Doutoramento que está a ser realizada na Escuela Técnica Superior de Arquitectura

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop gran revestimento orgânico

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada URB QUINTA DAS OLIVEIRAS, LT 18, 1 DTO Localidade PORTIMÃO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada URB QUINTA DAS OLIVEIRAS, LT 18, 1 DTO Localidade PORTIMÃO IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada URB QUINTA DAS OLIVEIRAS, LT 18, 1 DTO Localidade PORTIMÃO Freguesia PORTIMÃO Concelho PORTIMÃO GPS 37.143250, -8.562790 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo

Leia mais

Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Argamassas no estado seco e fresco Prof. Ederaldo Azevedo Aula 6 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 1.1 Conceitos Básicos: Argamassa é um material composto,

Leia mais

Célula Fechada ou Célula Aberta Aparências semelhantes, prestações diferentes

Célula Fechada ou Célula Aberta Aparências semelhantes, prestações diferentes Poliuretano projectado Célula Fechada ou Célula Aberta Aparências semelhantes, prestações diferentes Célula aberta Célula fechada Aparências semelhantes, prestações diferentes O Poliuretano projectado

Leia mais

Márcio Manuel Ferreira da Cunha Licenciado em Engenharia Civil - UM Mestre em Construções de Edifícios - FEUP

Márcio Manuel Ferreira da Cunha Licenciado em Engenharia Civil - UM Mestre em Construções de Edifícios - FEUP Márcio Manuel Ferreira da Cunha Licenciado em Engenharia Civil - UM Mestre em Construções de Edifícios - FEUP Porto, 08 de Abril de 2011 FACHADA A fachada é um elemento fulcral para a valorização de um

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIGROTÉRMICA DE ISOLAMENTOS TÉRMICOS

CARACTERIZAÇÃO HIGROTÉRMICA DE ISOLAMENTOS TÉRMICOS CARACTERIZAÇÃO HIGROTÉRMICA DE ISOLAMENTOS TÉRMICOS CERTIFICAÇÃO E MANUAL EXIGENCIAL Manuel PINTO 1 ; Vasco Peixoto de FREITAS 2 RESUMO A entrada em vigor do Regulamento das Características de Comportamento

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO. Válido até 02/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO Freguesia BONFIM Concelho PORTO GPS 41.160805, -8.594971 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

Tecnologia: Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Sistema Teproterm

Tecnologia: Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Sistema Teproterm Tecnologia: Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Sistema Teproterm Índice ficha Técnica... 3 I - Introdução... 4 II Vantagens do sistema... 5 III O Sistema... 6 3.1 Argamassa TEPROTERM... 6 3.2

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. somos especialistas em sistemas de isolamento cappotto ISOJOFER. Largo do Cruzeiro Calde - Viseu

MANUAL TÉCNICO. somos especialistas em sistemas de isolamento cappotto ISOJOFER. Largo do Cruzeiro Calde - Viseu MANUAL TÉCNICO somos especialistas em sistemas de isolamento cappotto ISOJOFER Largo do Cruzeiro. 55-77 Calde - Viseu Aplicação do sistema Condições Gerais para aplicação Como condições gerais de aplicação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, 3ºESQ Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, 3ºESQ Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 811, 3ºESQ Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Texsalastic. Impermeabilização Eficaz. EN e EN ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE. De acordo com:

Texsalastic. Impermeabilização Eficaz. EN e EN ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE. De acordo com: Texsalastic ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE Impermeabilização Eficaz De acordo com: EN 1504-9 e EN 1504- ama TEXSALASTIC é uma argamassa impermeável e flexível bicomponente. É composto por

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa.

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. Para melhorar a fluidez da argamassa o pedreiro adiciona água, o que modifica todas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topcola therm t1 Pág. 2 ideal para

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais