Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas."

Transcrição

1 Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Autores: Amanda Maria Griebeler dos Santos (1), Mariana Oliveira Engler (2) & Ruth Marlene Campomanes Santana Filiação: Depto Engenharia dos Materiais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. (1) (2) (3) INTRODUÇÃO Uso de espuma para embalagens é extremamente difundido atualmente, a mais comum é o EPS (Expanded PolyStyrene ou Poliestireno Expandido). Um plástico celular e rígido, tecnologicamente avançado e econômico que se apresenta uma grande variedade de formas e aplicações. O EPS tem inúmeras aplicações em embalagens industriais, artigos de consumo (caixas térmicas, pranchas, porta-gelo etc.) e até mesmo na agricultura. As embalagens em EPS são as mais indicadas para o setor industrial, alimentício e outros segmentos de mercado com aplicações diversas. [1]. Sendo um material plástico na forma de espuma com microcélulas fechadas, composto basicamente de 2% de poliestireno e 98% de vazios contendo ar, na cor branca, inodoro e fisicamente estável, é sem dúvida um dos material isolantes mais usados. É um material isolante térmico, de baixo peso, com alta resistência mecânica, resistente ao envelhecimento e à compressão, absorve pouca água, é fácil de manusear. O maior problema do EPS é que não é biodegradável, logo sua reciclagem não é economicamente viável [2] Resinas poliméricas obtidas de plantas como milho, batata, arroz, cana-de-açúcar, soja e mamona são a base de produtos biodegradáveis destinados a substituir EPS, um produto de difícil reciclagem. A bioespuma, pode ser aplicada em vários produtos,

2 incluindo embalagens normalmente feitas de EPS. A grande vantagem do biomaterial é o tempo de degradação na natureza. Na presença do oxigênio e no solo, ele degrada em dois anos sem oxigênio pode levar até três anos.[3-4]. Polímeros biodegradáveis são polímeros nos quais a degradação resulta da ação de micro-organismos de ocorrência natural como bactérias, fungos e algas, podendo ser consumidos em semanas ou meses sob condições favoráveis [5]. Neste sentido, o objetivo deste trabalho é avaliar a estabilidade dimensional e de biodegradação de bioespumas de amido de batata frente a umidade. EXPERIMENTAÇÃO Materiais Para confecção das placas de amido termoplástico (TPS) foi utilizado água destilada, amido de batata alimentar comercial, Giro Verde LTDA, e como plastificante álcool polivinílico (PVA) Neon comercial LTDA. O material de comparação foram bandejas comerciais.de poliestireno expandido (EPS). Metodologia Para produção das placas foi primeiro feito uma pasta de amido, esta pasta foi obtida à partir da mistura de quatro componentes (PVA, água e amido em duas formas, gelatinizado e seco em pó). Para obtenção do amido gelatinizado, 20g de amido seco em pó foram adicionadas a 100mL de água destilada à ~70ºC, sob agitação constante. Foram usados dois teores de sólidos (37 e 64%) e o processamento para a termoexpansão foi feito com temperatura de 205ºC, com tempo de 4 minutos e pressão de 1 tonelada. A mistura foi realizada com auxilio de misturador mecânico dupla rosca durante 60 segundos. Após 55 gramas da mesma foram utilizadas para preencher um molde de dimensões 15cm x 15cm, que foi acondicionado em prensa hidráulica modelo Solar SL11. O processo de compressão e termoexpansão é mostrado na Figura 1. O espaçamento entre a parte superior e inferior do molde, foi de 1,0 mm e assegurado por uma peça metálica - Fig.1.[6]

3 Figura 1: Fluxograma de processamento das espumas de amido de batata TPS [6]

4 % Umidade Caracterização Foi avaliado a absorção de água de placas de EPS e TPS durante um período de tempo de 15 dias. As amostras foram divididas em três grupos: EPS, TPS-37 com 37% de sólidos e TPS-64 com 64% de sólidos. Foram recortadas três amostras de cada grupo, com dimensões aproximadas de 40x25mm. Essas amostras foram colocadas em frascos com 200ml de água, os quais foram vedados e mantidos à temperatura ambiente (26 C) como mostrado na Figura 2. T=25 o C TPS água Figura 2: Sistema de exposição das amostras em alta umidade. Diariamente foram monitoradas as dimensões (espessura, comprimento e largura) de cada placa, assim como a variação de massa para determinar a taxa de absorção de umidade de cada amostra. Ao longo de todo o período do ensaio foi realizada uma análise qualitativa da formação de biofilmes. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Figura 3 são mostrados os resultados de absorção de água das amostras. Como esperado o EPS tem um absorção extremamente baixa, quase nula, ao contrario das outras duas amostras de TPS. As amostras de TPS-37 e TPS- 64 tiveram resultados bem próximos, ainda assim, a amostra de 64% teve um maior teor de umidade. 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0,0-0, Dias Figura 3: Umidade em função do tempo de exposição EPS TPS 37% TPS 64%

5 Na Figura 3a é mostrado uma comparação entre o comprimento das amostras no primeiro dia do experimento (t 0) e no 15º dia (t 15). É possível observar que o comprimento inicial das amostras de TPS eram ligeiramente superiores do que a de EPS; e após os 15 dias de exposição a umidade, houve um acréscimo nas amostras de TPS, sendo mais pronunciado na amostra TPS-64, fato relacionado ao maior teor de sólidos e a ação da gravidade. Da mesma forma que na figura anterior, a Figura 3b mostra a relação entre a largura das amostras no primeiro dia (t 0) e no último dia do experimento (t 15 dias). Observa-se que inicialmente como após 15 dias as amostras de TPS apresentaram menor largura do que a amostra de EPS. Por outro lado, não houve variação significativa da largura das amostras em função do tempo de exposição, resultado que poderia estar indicando que a largura não foi afetado pelo teor de sólidos e nem pela gravidade. (a) (b) Figura 3: Comprimento e Largura dos três grupos em função do tempo de exposição Na Figura 4 é mostrado comparação do tamanho das amostras no primeiro dia de experimento (t 0) e no último dia de experimento (t 15 dias). É possível perceber que as amostras de TPS-37 e TPS-64 é sofrem uma grande variação nas suas dimensões, ao contrário das amostras de EPS, que, como mostrado anteriormente não sofre variações perceptíveis. Nas amostras de TPS-37 há uma grande deformação na forma das placas. (a) (b) (c) Figura 4: Comparação do tamanho das amostras em t 0 e t 15 dias (a) EPS, (b) TPS-37 e (c) TPS-64

6 Ao longo do experimento foi observado o surgimento de biofilmes. A evolução desses biofilmes é mostrada na Figura 5. Os primeiros sinais da formação de biofilmes foram observados já no segundo dia do experimento na amostra 3 de TPS-37. É possível perceber uma evolução muito rápida nessa amostra, no 15º dia esta mesma amostra já esta completamente tomada pelo biofilme, especificamente de fungos. Dia 1 Dia 2 Dia 15 Figura 5: Evolução do biofilme ao longo dos 15 dias da amostra de TPS-37 CONCLUSÕES A partir deste trabalho concluímos que o processo de biodegradação das bioespumas de amido de batata é extremamente mais rápido que o processo do EPS. Também podemos perceber que a taxa de biodegradação tem uma forte relação com a quantidade de amido do material, como visto no desenvolvimento de biofilmes nas amostras de TPS-37. Porém estas placas de TPS mostraram ser instáveis dimensionalmente quando comparadas com as de EPS. BIBLIOGRAFIA 1. ACEPE. O Poliestireno Expandido. Disponível em:< Data de acesso: 20 mar ABRAPEX. O que é EPS? Disponível em: < Data de acesso: 20 mar ANDRIOTTI, MARCELO. Bioespuma é a nova era da embalagem. Correio Popular, Campinas-SP, 17 jul ERENO, DINIRAH. Isopor Vegetal. Revista de Pesquisa FAPESP, São Paulo, fev BRITO, G.F.; AGRAWAL, P.; ARAÚJO, E.M.; MÉLO, T.J.. Biopolímeros, Polímeros Biodegradáveis e Polímeros Verdes. Revista Eletrônica de Materiais e Processos, Campina Grande-PB, v.6.2, p.13, ENGEL, M. O.; REATEGUI, D. R.; SANTANA, R. M. C. Influência dos parâmetros de processamento por compressão térmica nas propriedades de placas expandidas de amido de batata. 21º CBECIMAT Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, Cuiabá MT, Nov. 2013

Autores: Mariana Oliveira Engel (1), Bruno Felipe Bergel (2) & Ruth Marlene Campomanes Santana. (2)

Autores: Mariana Oliveira Engel (1), Bruno Felipe Bergel (2) & Ruth Marlene Campomanes Santana. (2) Título: Estudo Comparativo das Propriedades Físicas e Reológicas de Embalagens Rígidas Biodegradáveis de Amido de Batata, Amido de Mandioca e Amido de Milho Autores: Mariana Oliveira Engel (1), Bruno Felipe

Leia mais

Título: Propriedades Físicas de Embalagens Rígidas Biodegradáveis de Amido de Batata Reforçadas com Casca de Soja

Título: Propriedades Físicas de Embalagens Rígidas Biodegradáveis de Amido de Batata Reforçadas com Casca de Soja Título: Propriedades Físicas de Embalagens Rígidas Biodegradáveis de Amido de Batata Reforçadas com Casca de Soja Autores: Mariana Oliveira Ergel (1), Bruno Felipe Bergel Campomanes (2) & Elizangela Gonçalves

Leia mais

15 a 17 junho de 2016 Porto Alegre, RS

15 a 17 junho de 2016 Porto Alegre, RS ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE ESPUMAS BIODEGRADÁVEIS DE AMIDO DE DISTINTAS FONTES AMILÁSEAS Bruno Felipe Bergel 1 (bruno-bergel@hotmail.com), Cassio Alessandro de Bolba 1 (cassio.bolba@gmail.com),

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE PROCESSAMENTO POR COMPRESSÃO TÉRMICA NAS PROPRIEDADES DE PLACAS EXPANDIDAS DE AMIDO DE BATATA RESUMO

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE PROCESSAMENTO POR COMPRESSÃO TÉRMICA NAS PROPRIEDADES DE PLACAS EXPANDIDAS DE AMIDO DE BATATA RESUMO INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE PROCESSAMENTO POR COMPRESSÃO TÉRMICA NAS PROPRIEDADES DE PLACAS EXPANDIDAS DE AMIDO DE BATATA M. O. Engel 1, D. R. Reategui², R. M. C Santana 3 1,2,3 Universidade Federal do

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

Título: Efeito do Intemperismo Natural nas Mudanças Físicas do PEAD com Pródegradante (1)

Título: Efeito do Intemperismo Natural nas Mudanças Físicas do PEAD com Pródegradante (1) Título: Efeito do Intemperismo Natural nas Mudanças Físicas do PEAD com Pródegradante Orgânico Autores: Camila P. Alvarez (1) & Ruth M. C. Santana (2) Filiação: (1, 2) Depto de Engenharia de Materiais,

Leia mais

Área de Competência: Polímeros

Área de Competência: Polímeros Área de Competência: Polímeros Evento Inovacão e o Futuro da Indústria FIESC Painel: Tendências Tecnológicas em Materiais e Química 31/10/16 Florianópolis/SC Descrição das sub áreas tecnológicas de atuação

Leia mais

BIOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO EXPANDIDO REFORÇADO COM CASCA DE SOJA

BIOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO EXPANDIDO REFORÇADO COM CASCA DE SOJA BIOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO EXPANDIDO REFORÇADO COM CASCA DE SOJA M. O. Engel 1, D. R. Reategui², R. M. C Santana 3 1,2,3 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS 1,2 Universidad Nacional

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM COMPÓSITO NATURAL DESENVOLVIDO COM FIBRA DE CARNAÚBA M. H. de F. Fonseca, U. P. de Lucena Junior, R. O. C. Lima Universidade Federal Rural do Semi-Árido Rua José

Leia mais

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS CONSTRUÇÃO CIVIL O QUE É ( EXPANDED POLYS TYRENE)? é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, de acordo com a definição da norma DIN ISO 1043/78. O é um plástico celular rígido, resultado da polimerização

Leia mais

EPS para Indústrias. Produtos e Aplicações. Projetos especiais. Sua melhor opção em EPS

EPS para Indústrias. Produtos e Aplicações. Projetos especiais. Sua melhor opção em EPS Sua melhor opção em EPS Produtos e Aplicações EPS para Indústrias Projetos especiais Pensando em todo o seu processo produtivo e em atender às suas mais particulares necessidades, o Grupo Isorecort possui

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPÓSITO TERMOPLÁSTICO-MADEIRA FEITO COM ADESIVO DE AMIDO PARA MOLDAGEM POR INJEÇÃO Maurício de Oliveira Gondak, MSc (UFPR)

DESENVOLVIMENTO DE COMPÓSITO TERMOPLÁSTICO-MADEIRA FEITO COM ADESIVO DE AMIDO PARA MOLDAGEM POR INJEÇÃO Maurício de Oliveira Gondak, MSc (UFPR) DESENVOLVIMENTO DE COMPÓSITO TERMOPLÁSTICO-MADEIRA FEITO COM ADESIVO DE AMIDO PARA MOLDAGEM POR INJEÇÃO Maurício de Oliveira Gondak, MSc (UFPR) Márcia Silva de Araújo, PHd (UTFPR) IMPORTÂNCIA DO TEMA Reaproveitamento

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIOPLÁSTICO A PARTIR DO AMIDO DE MANDIOCA

PRODUÇÃO DE BIOPLÁSTICO A PARTIR DO AMIDO DE MANDIOCA PRODUÇÃO DE BIOPLÁSTICO A PARTIR DO AMIDO DE MANDIOCA Bruna dos Santos 1 ; Rahgy Souza da Silva 2 ;Tânia Maria Coelho 3 ; Nabi Assad Filho 4. RESUMO: Encontrar soluções que buscam diminuir o volume de

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

VISÃO GERAL SOBRE POLÍMEROS BIODEGRADÁVEIS

VISÃO GERAL SOBRE POLÍMEROS BIODEGRADÁVEIS VISÃO GERAL SOBRE POLÍMEROS BIODEGRADÁVEIS Diego Saboya 7ª Semana de Polímeros Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano IMA UFRJ 30/10/2013 Introdução Polímeros têm se tornado uma parte essencial

Leia mais

Chimica Edile Group CHIMICA EDILE DO BRASIL DRY D1 NG

Chimica Edile Group CHIMICA EDILE DO BRASIL DRY D1 NG Chimica Edile Group & CHIMICA EDILE DO BRASIL DRY D1 NG Page1 Dry D1 NG para concreto, argamassas e rebocos leve - celular Em março de 2013, Riccardo Vannetti, do grupo Chimica Edile assinou um acordo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ESTUDO DE LIGAÇOES DE PEÇAS DE BAMBU REFORÇADAS COM GRAUTE Josiane Elidia de Faria 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Alba Pollyana Silva 3,4. 1 Bolsista PIBIC/CNPq 2 Pesquisadora - Orientadora 3 Voluntário

Leia mais

Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD

Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD G.CORRÊA 1 e P. J. MELO 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail: guilherme.correa95@gmail.com RESUMO

Leia mais

Oficina de Identificação de Plásticos. Grupo Lavoisier Escola Frei Plácido

Oficina de Identificação de Plásticos. Grupo Lavoisier Escola Frei Plácido Oficina de Identificação de Plásticos Grupo Lavoisier Escola Frei Plácido O que são plásticos? São polímeros sintéticos, ou seja, grandes moléculas fabricadas para suprir nossas necessidades com custo

Leia mais

Plástico Biodegradável a partir do açúcar da cana de açúcar e a sustentabilidade. Seminário de Tecnologia ABIQUIM/2008

Plástico Biodegradável a partir do açúcar da cana de açúcar e a sustentabilidade. Seminário de Tecnologia ABIQUIM/2008 Plástico Biodegradável a partir do açúcar da cana de açúcar e a sustentabilidade PHB INDUSTRIAL S/A Seminário de Tecnologia ABIQUIM/2008 17-18 18 de Junho de 2.008 Produtos Petrobasedos Avaliação do Ciclo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA RADIAÇÃO POR FEIXES DE ELÉTRONS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO POLIPROPILENO

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA RADIAÇÃO POR FEIXES DE ELÉTRONS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO POLIPROPILENO 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 AVALIAÇÃO DOS

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Influência da temperatura de secagem na higroscopia das madeiras de (Dinizia excelsa Ducke) e Cedro (Cedrela fissillis), oriundas do município de Gurupi/TO Leonardo Victor R. da Silveira; EdyEime Pereira

Leia mais

Processos de Fundição

Processos de Fundição Processos de Fundição O Molde O Molde (partes básicas) Tipos de Moldes Colapsáveis são quebrados para retirada das peças 1 molde = 1 peça ou conjunto de peças Permanentes são abertos para retirada das

Leia mais

MAPA DE CONSOLIDAÇÃO DAS COTAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO ESCOLAR

MAPA DE CONSOLIDAÇÃO DAS COTAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO ESCOLAR Estado do Amazonas PREFEITURA MUNICIPAL DE ENVIRA PODER EXECUTIVO MAPA DE CONSOLIDAÇÃO DAS COTAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO ESCOLAR Item Especificação Und. Quant. M J P Rodrigues - ME L. F.

Leia mais

Foamlite. Leveza para melhores benefícios. Plásticos termoplásticos. Foamlite 07/2017

Foamlite. Leveza para melhores benefícios. Plásticos termoplásticos. Foamlite 07/2017 Foamlite Leveza para melhores benefícios 07/2017 Foamlite Plásticos termoplásticos Foamlite Leveza para melhores benefícios Leveza para melhores benefícios Desenvolvemos o Foamlite P, um material de espuma

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

1 - Objetivos. 2 Materiais e Métodos. Confecção dos Coletores

1 - Objetivos. 2 Materiais e Métodos. Confecção dos Coletores PROTOCOLO PARA MONITORAMENTO DA ASSEMBLÉIA DE MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS EM SISTEMA DE TANQUES-REDE PARA AQÜICULTURA UTILIZANDO COLETORES COM SUBSTRATO ARTIFICIAL 1 - Objetivos Este protocolo tem por

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE Alberto Kazushi Nagaoka 1 Angela de Emília de Almeida Pinto 2 Pedro Castro Neto 3 Antônio Carlos Fraga 4 Afonso Lopes 5 José

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE PROCESSO PARA OBTENÇÃO DE MEL CO- CRISTALIZADO COM SACAROSE

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE PROCESSO PARA OBTENÇÃO DE MEL CO- CRISTALIZADO COM SACAROSE AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE PROCESSO PARA OBTENÇÃO DE MEL CO- CRISTALIZADO COM SACAROSE DANIELI NATALI KONOPKA 1*, MARCIA MISS GOMES 1, LEDA BATTESTIN QUAST 2 1 Acadêmica do curso de Engenharia de Alimentos

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO 1 AVICULTURA COMERCIAL 1.1 Aves vivas para necropsia 1.1.1 Identificação: identificar empresa remetente, lote, tipo de exploração, linhagem,

Leia mais

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos: APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas 2016-1 - Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais

Leia mais

INFLUÊNCIA DA UMIDADE NAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE EMBALAGENS EXPANDIDAS BIODEGRADÁVEIS DE AMIDO DE BATATA ENRIQUECIDAS COM CASCA DE SOJA

INFLUÊNCIA DA UMIDADE NAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE EMBALAGENS EXPANDIDAS BIODEGRADÁVEIS DE AMIDO DE BATATA ENRIQUECIDAS COM CASCA DE SOJA INFLUÊNCIA DA UMIDADE NAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE EMBALAGENS EXPANDIDAS BIODEGRADÁVEIS DE AMIDO DE BATATA ENRIQUECIDAS COM CASCA DE SOJA M. O. ENGEL 1, R. M. S. CAMPOMANES 2, B. F. BERGEL 2,

Leia mais

PRENSAS PARA PROCESSAMENTO DE TERMOPLÁSTICOS DE ENGENHARIA E DE TERMOFIXOS. Dr. Philip von Pritzelwitz LFS EPUSP Prof. Dr. Hélio Wiebeck PMT EPUSP

PRENSAS PARA PROCESSAMENTO DE TERMOPLÁSTICOS DE ENGENHARIA E DE TERMOFIXOS. Dr. Philip von Pritzelwitz LFS EPUSP Prof. Dr. Hélio Wiebeck PMT EPUSP PRENSAS PARA PROCESSAMENTO DE TERMOPLÁSTICOS DE ENGENHARIA E DE TERMOFIXOS Dr. Philip von Pritzelwitz LFS EPUSP Prof. Dr. Hélio Wiebeck PMT EPUSP 1 PRINCIPAIS ELEMENTOS 2 AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO 3 OUTRAS

Leia mais

PROCESSAMENTO DE LIGAS À BASE FERRO POR MOAGEM DE ALTA ENERGIA

PROCESSAMENTO DE LIGAS À BASE FERRO POR MOAGEM DE ALTA ENERGIA PROCESSAMENTO DE LIGAS À BASE FERRO POR MOAGEM DE ALTA ENERGIA Lucio Salgado *, Francisco Ambrozio Filho * * Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, C.P. 11049

Leia mais

descartáveis biodegradáveis

descartáveis biodegradáveis descartáveis biodegradáveis de amido de milho, da China ECO RESINA origem vegetal ECO PRODUTOS 100% biodegradáveis PLANTA - MILHO renovável COMPOSTAGEM degrada em CO² e H²O agora sua empresa pode provar

Leia mais

ENSAIOS DE PERMEABILIDADE À ÁGUA EM AMOSTRAS DE EPS PARA O USO GEOTÉCNICO

ENSAIOS DE PERMEABILIDADE À ÁGUA EM AMOSTRAS DE EPS PARA O USO GEOTÉCNICO ENSAIOS DE PERMEABILIDADE À ÁGUA EM AMOSTRAS DE EPS PARA O USO GEOTÉCNICO José Orlando Avesani Neto Instituto de Pesqusias Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT, São Paulo, Brasil, avesani@ipt.br Benedito

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7. tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm)

0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7. tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm) * esp. peso. espessura nominal 80 100 120 150 180 200 0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7 tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm) comprimento

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA Iara T. D. Oliveira 1 *, Leila L. Y. Visconte 1 1 Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano Universidade Federal do Rio

Leia mais

Introdução Conceitos Gerais. Profa. Daniela Becker

Introdução Conceitos Gerais. Profa. Daniela Becker Introdução Conceitos Gerais Profa. Daniela Becker O que são materiais? materiais são substâncias com propriedades que as tornam úteis na construção de máquinas, estruturas, dispositivos e produtos. Em

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Material de (Alimentício e Limpeza) 001 039859-6 AÇÚCAR EM PÓ, BRANCO, ALVO, EM EMBALAGEM DE 01 (UM) QUILO. LOTE 1 KG 3 002 000047-3 AGUA SANITARIA, BASE HIPOCLORITO DE SODIO. O produto

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA

INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA A. C. A. SOUSA 1, T. S. CARVALHO 1, I. F. SANTOS 2 e M. H.V da SILVA 3 1, 3 Instituto Federal do Pará, Coordenação de Engenharia de Materiais

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT 100% BRASIL

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT 100% BRASIL GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT PA MATRIZ: ANÁPOLIS - GO MT GO UNIDADES FABRIS PR MATRÍZ: GO - 62 4015-12 FILIAIS: PA - 91 3711-2720 MT - 65 3692-4611 PR - 41 3525-5300

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROVINDOS DA BIODIGESTÃO.

UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROVINDOS DA BIODIGESTÃO. 200. UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROVINDOS DA BIODIGESTÃO. Cássio Back Westrupp (Bolsista)¹; Julia da Silva Machado 2 ; Everton Skoronski 3 ; Mauricio Vicente Alves (orientador) 4. INTRODUÇÃO

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 44 4 Materiais e Métodos 4.1 Materiais utilizados Foram utilizadas para esta pesquisa as seguintes membranas de PTFE: Gore-Tex, Bionnovation e dois tipos diferentes de membranas produzidas durante a pesquisa,

Leia mais

3M Fitas Dupla-face e Transferíveis. Inovação. e versatilidade. para suas. ideias.

3M Fitas Dupla-face e Transferíveis. Inovação. e versatilidade. para suas. ideias. 3M Fitas Dupla-face e Transferíveis Inovação e versatilidade para suas ideias. Fitas Dupla-face e Transferíveis Do uso pessoal ao industrial, a 3M oferece uma solução certa para cada tipo de fixação. Sua

Leia mais

MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO PARA PREPARAÇÃO DA MISTURA NR/PMMA NUM REATOR DE BATELADA

MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO PARA PREPARAÇÃO DA MISTURA NR/PMMA NUM REATOR DE BATELADA MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO PARA PREPARAÇÃO DA MISTURA NR/PMMA NUM REATOR DE BATELADA P.A. M. ALVES 1, S.C.M. FILHO 1, A de ALMEIDA 1, C.G.F.REZENDE 1 e P.J de OLIVEIRA 1 1 Universidade

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

Gabinete de ciência para quatro grupos. EQ055B. Função Estudo da Terra e universo, vida e ambiente, ser humano e saúde, tecnologia e sociedade.

Gabinete de ciência para quatro grupos. EQ055B. Função Estudo da Terra e universo, vida e ambiente, ser humano e saúde, tecnologia e sociedade. Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa LTDA. Gabinete de ciência para quatro grupos. EQ055B Função Estudo da Terra e universo, vida e ambiente, ser humano e saúde, tecnologia e sociedade.

Leia mais

Compósitos de Poliuretanos para a produção de peças para a Indústria Automobilística. Kleber Bolssonaro Peres

Compósitos de Poliuretanos para a produção de peças para a Indústria Automobilística. Kleber Bolssonaro Peres Compósitos de Poliuretanos para a produção de peças para a Indústria Automobilística Kleber Bolssonaro Peres Feipur 11/10/2010 Índice Sobre a Bayer MaterialScience Compósitos - Baydur -Baypreg - Multitec

Leia mais

Lençóis Técnico de Borracha

Lençóis Técnico de Borracha Lençóis Técnicos de Borracha Os lençóis de borracha são laminados com características técnicas para atender às mais variadas necessidades industriais. Usados como componentes de produtos, podem ser transformados

Leia mais

EXERCÍCIOS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS

EXERCÍCIOS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS EXERCÍCIOS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS 1- Considere o sistema e responda as questões: A) Quantos átomos estão representados? B) Quantos elementos químicos há no sistema? C) Quantas moléculas estão representadas

Leia mais

Bento Gonçalves RS, Brasil, 23 a 25 de Abril de 2014

Bento Gonçalves RS, Brasil, 23 a 25 de Abril de 2014 Uso de Polímeros como revestimentos térmicos para reservatórios de água em sistemas de aquecimento solar de baixo custo ¹SEUS, Susane Beatriz 1 ; SÁ, Jocelito Saccol De 2 1 Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Mecânica dos solos AULA 4

Mecânica dos solos AULA 4 Mecânica dos solos AULA 4 Prof. Nathália Duarte Índices físicos dos solos OBJETIVOS Definir os principais índices físicos do solo; Calcular os índices a partir de expressões matemáticas; Descrever os procedimentos

Leia mais

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS 7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS O objetivo principal deste trabalho era fazer uma comparação entre os valores de forças de

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO. Descrição Resumida

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO. Descrição Resumida FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO Visando à eventual aquisição de Mobiliário para o SEAD - Pregão 43/2010 Processo nº23402.001684/2010-10 Item Descrição

Leia mais

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MC 153 NF Blue_Endurecedor W 57.01 Resina epóxi

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua D. Nuno Alvares Pereira, 53 2490 114 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt juntaemcor natural

Leia mais

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH 2000 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina HEC 010_Endurecedor HEH 2000 Resina epóxi para laminação

Leia mais

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável Professor Rogério Mori Materiais porosos Quando a energia sonora penetra num material poroso, parte dela é convertida em calor, devido a resistência viscosa e ao atrito nos poros e ainda pela vibração

Leia mais

MOLDAGEM DE CASCA SHELL MOLDING. Prof. César Augusto Agurto Lescano, PhD.

MOLDAGEM DE CASCA SHELL MOLDING. Prof. César Augusto Agurto Lescano, PhD. MOLDAGEM DE CASCA SHELL MOLDING Prof. César Augusto Agurto Lescano, PhD. VANTAGENS E DESVANTAGENS DA MOLDAGEM EM AREIA Vantagens 1. A moldagem por areia verde é o mais barato dentre todos os métodos de

Leia mais

BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR

BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Aluminium Repair_Endurecedor Aluminium

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

TÍTULO: FERMENTAÇÃO DE EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA VERDE POR BACTÉRIAS PROBIÓTICAS

TÍTULO: FERMENTAÇÃO DE EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA VERDE POR BACTÉRIAS PROBIÓTICAS TÍTULO: FERMENTAÇÃO DE EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA VERDE POR BACTÉRIAS PROBIÓTICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO

Leia mais

Fitas VHB /4910/4950/4955/9469

Fitas VHB /4910/4950/4955/9469 Fitas VHB - 4905/4910/4950/4955/9469 Dados Técnicos Janeiro/04 Substitui: Agosto/ 00 Propriedades: As fitas VHB são ideais para utilização em diversas aplicações industriais interiores e exteriores. Em

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

Tintas, Vernizes, Lacas e Esmaltes. Professora Ligia Pauline

Tintas, Vernizes, Lacas e Esmaltes. Professora Ligia Pauline Tintas, Vernizes, Lacas e Esmaltes Professora Ligia Pauline Tintas Suspensão de partículas opacas (pigmentos) em veículo fluido; Função das partículas: cobrir e decorar as superfícies; Função do veículo:

Leia mais

CABO ÓPTICO SPEED STAR DROP FIGURA 8

CABO ÓPTICO SPEED STAR DROP FIGURA 8 ILUSTRAÇÃO Elemento de Sustentação Capa Externa Loose Tube Geléia Fio de Rasgamento (Rip Cord) Elemento de tração Fibra Óptica - Sem escala - Figura Ilustrativa - ELEMENTOS DO CABO Capa de Proteção Externa:

Leia mais

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP L U M I N U M MANUAL TÉCNICO Francisco Ceará Barbosa, 859 - Campo dos Amarais - Campinas - SP - 1.08-00 fibralit.com.br - PABX: 19 16 000 - DDG: 0800 701 0809 - luminum@fibralit.com.br PROPRIEDADES DOS

Leia mais

CINÉTICA DAS CURVAS DE RESFRIAMENTO E CONGELAMENTO DO ÓLEO DE MAMONA

CINÉTICA DAS CURVAS DE RESFRIAMENTO E CONGELAMENTO DO ÓLEO DE MAMONA CINÉTICA DAS CURVAS DE RESFRIAMENTO E CONGELAMENTO DO ÓLEO DE MAMONA Ticiana Leite Costa 1 Maria Elita Martins Duarte 2 Napoleão Esberardi de Macedo Beltrão 3 Luciana Façanha Marques 1 Francisco Jardel

Leia mais

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados G. Nassetti e C. Palmonari Centro Cerâmico Italiano, Bologna,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 Análise da Resistência à Compressão Simples e Diametral de Misturas com Areia, Metacaulim e Cal Aluno: Ricardo José Wink de

Leia mais

SISTEMA DE FÔRMA COM REFIL PARA EXECUÇÃO DE LAJE NERVURADA (SISTEMA PATENTEADO)

SISTEMA DE FÔRMA COM REFIL PARA EXECUÇÃO DE LAJE NERVURADA (SISTEMA PATENTEADO) SISTEMA DE FÔRMA COM REFIL PARA EXECUÇÃO DE LAJE NERVURADA 1. INTRUDUÇÃO (SISTEMA PATENTEADO) A presente invenção é um sistema de fôrma utilizada para execução de laje nervurada montada sobre tablado ou

Leia mais

químicas e mecânicas da fibra do ubuçu visando sua aplicação em materiais compósitos poliméricos. A poliuretana derivada do óleo de mamona é um

químicas e mecânicas da fibra do ubuçu visando sua aplicação em materiais compósitos poliméricos. A poliuretana derivada do óleo de mamona é um 1 Introdução Atualmente as questões ambientais trazem a tona uma série de quadros problemáticos que estão a nossa volta, principalmente a degradação do meio ambiente. OLIVEIRA et al., (2007) afirmam que

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC

Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC Baseado em trabalho apresentado em: AVIPLAS - Caracas, Venezuela - maio, 1999 O que é NITRIFLEX NP 2183? NITRIFLEX NP-2183 é um

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 CARACTERIZAÇÃO DA RESINA TERMOPLÁSTICA DE POLIPROPILENO UTILIZADA NA FABRICAÇÃO DE CADEIRAS PLÁSTICAS Parmentier Carvalho,

Leia mais

Caixa concentradora de disjuntores

Caixa concentradora de disjuntores FIGURA 1 - CAIXA COM TAMPA 532 15 4 2,5 162 120 42 DETALHE 1 VISTA SUPERIOR DETALHE 2 49 ALINHAMENTO ENTRE A JANELA PARA DISJUNTOR E O TRILHO PARA DISJUNTOR TAMPA DA JANELA PARA DISJUNTOR JANELA VENEZIANA

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de aquecimento baseado em placa de Peltier para microdispositivos

Desenvolvimento de um sistema de aquecimento baseado em placa de Peltier para microdispositivos Desenvolvimento de um sistema de aquecimento baseado em placa de Peltier para microdispositivos G.B. SANCHEZ 1, H. S. SANTANA 1, D.S. TORTOLA 1 e O. P. TARANTO 1 1 Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

Descrição Simplificada Especificação Unidade de compra

Descrição Simplificada Especificação Unidade de compra Canudo descartável Colher plástica descartável Conjunto de detergente e secante para uso em máquinas de lavar louças Canudo descartável e articulável, confeccionado em plástico atóxico, resistente, medindo

Leia mais

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA O MELHOR ISOLAMENTO PARA CASAS HABITADAS Classe 1 resistente ao fogo Economiza até 50% nas contas de energia Reduz o ruído exterior até 80% Amigo do Ambiente IS O L A M E

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO*

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* ANTONIO FERNANDO OLITTA** KEIGO M I N A M I * * * INTRODUÇÃO O método de irrigação por gotejo foi desenvolvido em termos de uma agricultura intensiva e altamente produtiva,

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO Título do Projeto: Reciclagem e avaliação da degradação de resíduos da indústria de calçados Título Original: Estudo da reciclagem de resíduos gerados pela indústria de calçados

Leia mais

Inovação e Tecnologia. Polietileno Verde

Inovação e Tecnologia. Polietileno Verde Inovação e Tecnologia Polietileno Verde 1 Braskem a maior petroquímica da América Latina Sólido modelo de negócio baseado na integração competitiva da cadeia de valor Integração Competitiva Extração 1ª

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

Produtos e Aplicações - Vol.1

Produtos e Aplicações - Vol.1 www.isorecort.com.br Faça o download de um leitor de QR Code na loja virtual do seu celular ou tablet e baixe este material. Produtos e Aplicações - Vol.1 1 2 3 10 12 13 4 11 5 9 8 6 Legendas 7 EPS de

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 023/2013 PROCESSO Nº 493/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 74/2013

PREGÃO PRESENCIAL Nº 023/2013 PROCESSO Nº 493/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 74/2013 PREGÃO PRESENCIAL Nº 023/2013 PROCESSO Nº 493/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 74/2013 Aos 26 dias do mês de julho do ano de 2013, na cidade de Miracatu,, na PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACATU, com sede

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO

ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO Nome dos autores: Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Adão Lincon

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de (Limpeza) 001 038481-3 AÇUCAR EM PÓ, BRANCO, ALVO, contendo data de fabricacao e prazo de validade. O produto devera ter registro no Ministerio da Saude. Lote

Leia mais

Roteiro de Aula de Ceras para Restaurações Fundidas

Roteiro de Aula de Ceras para Restaurações Fundidas Roteiro de Aula de Ceras para Restaurações Fundidas DEFINIÇÃO TIPOS DE CERA PARA FUNDIÇÃO COMPOSIÇÃO PROPRIEDADES ESCOAMENTO PROPRIEDADES TÉRMICAS DISTORÇÃO MANIPULAÇÃO OUTRAS CERAS ODONTOLÓGICAS CERAS

Leia mais

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes:

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes: ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTRAS E VIDROS a) Paredes: 1 de 9cm bloco de concreto 9cm Argamassa interna () Bloco de concreto (9,0 x 19,0 x Argamassa externa () 2,78

Leia mais

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 7 Technological Constraints est of tructural dhesives high connections resistance 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS... 82 1.1 COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS... 82 2 ESTUDO

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 10 AVALIAÇÃO DE DOSES D CULTURA DO MILHO SE LUCAS DO RIO VERDE M Objetivo Avaliar o efeito do emprego diferentes doses de nitrogênio aplicado via cobertura nos caracteres agronômicos e na produtividade

Leia mais

Aula Prática. - Preparo de meio de cultivo. - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos

Aula Prática. - Preparo de meio de cultivo. - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos Aula Prática - Preparo de meio de cultivo - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos PREPARO DE MEIO DE CULTIVO Exercício BDA (Batata-Dextrose-Ágar) - Caldo de batata ------------ 100ml

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CCA NO TRAÇO DE CONCRETO PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CCA NO TRAÇO DE CONCRETO PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CCA NO TRAÇO DE CONCRETO PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS FRANCIELLI PRIEBBERNOW PINZ 1 ; STAEL AMARAL PADILHA 2 CHARLEI MARCELO PALIGA 3 ; ARIELA DA SILVA TORRES 4 1 Universidade

Leia mais

Massa Específica. Massa Específica MASSA ESPECÍFICA. Massa Específica Aparente ou Unitária. Massa Específica Real ou Absoluta.

Massa Específica. Massa Específica MASSA ESPECÍFICA. Massa Específica Aparente ou Unitária. Massa Específica Real ou Absoluta. Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II AGREGADOS MASSA ESPECÍFICA 2 As definições de massa específica e massa

Leia mais