APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais de moldagem Equipamentos Cubas misturadoras Cimentos resinosos CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS 1.De acordo com o processo de polimerização. 1. Polimerização: reação química na qual uma macro-molécula (polímero) é formada a partir de um grande número de moléculas pequenas (monomeros). 2. São freqüentemente chamadas de plásticos. 3. Plástico: substância que apresenta estabilidade durante o seu uso mas que foi plasticamente reformada na sua fabricação. 2.De acordo com a forma e a morfologia dos polímeros. 1. Determinam se a resina é uma fibra, um material rígido ou um borrachóide. 3. De acordo com seu comportamento térmico, classificam-se em: 1. Termoplásticos amolecem quando aquecidos 2. Termorrígidos não amolecem quando aquecidos 4.De acordo com a consistência do material 1. Rígidos ou borrachóides: 2. Elastômeros: material semelhante a borracha, com um alongamento amplo e reversível quando submetido a tensões POLÍMEROS Requisitos para os polímeros odontológicos: 1. Compatibilidade Biológicos: 1. Compatibilidade biológica 2. Propriedades físicas 3. Facilidade de manipulação 4. Qualidades estéticas 5. Custo baixo 6. Estabilidade química Insípia Inodóra Atóxica Não irritar os tecidos orais Insolúvel em saliva ou qualquer outro produto levado à boca Impenetrável aos fluídos orais (higiene) ANUSAVICE, K, J, Phillips Science of Dental Materials Ed.

2 2. Propriedades Físicas: 3. Facilidade de manipulação: Resistência à compressão Forças mastigatórias Forças de impacto Desgaste excessivo Estabilidade dimensional Mudança de temperatura Variações de carga Não produzir gazes ou pó tóxico durante a manipulação. Tempo de presa relativamente curto Não deve sofrer alteração por complicações orais. inibição de oxigênio, saliva, sangue Fácil polimento e/ou reparo 5. Custo baixo: 4. Qualidades estéticas: Custo da resina e do processamento deve ser Translucidez Passível de pigmentação Sem alteração de cor ou aparência após a confecção. baixo Não utilizar equipamentos complexos NATUREZA DOS POLÍMEROS 6. Estabilidade química: Moléculas muito grandes apresentando conformações e configurações sem limites. Condições orais extremamente rígidas. Estabilidade química Inertes As propriedades dos materiais poliméricos dependem: Comprimento das ramificações Extensão as ramificações Organização das cadeias Ligações cruzadas São macromoléculas Peso molecular maior que

3 COMPRIMENTO DA CADEIA PESO MOLECULAR Quanto mais longa a cadeia polimérica, maior a quantidade de tramas entre as cadeias. Propriedades aumentadas: Rigidez Resistência Temperatura de fusão Quantidade de moléculas em uma determinada cadeia. Quanto maior a cadeia, maior o peso molecular. Peso molecular médio de polímeros odontológicos: a , podendo excepcionalmente, chegar a ; Dentes de resina para próteses podem ter um peso ainda maior. Problema: Raras vezes a polimerização é completa; Cadeias com monômeros não polimerizados e/ou cadeias pequenas com baixo peso molecular podem causar reações alérgicas. CADEIAS RAMIFICADAS E LIGAÇÕES CRUZADAS São braços extras que crescem a partir de uma cadeia polimérica. Aumentam significativamente o peso molecular do polímero em formação. Propriedades físicas e mecânicas variam com a composição e extensão das ligações cruzadas. Polímeros com rede tridimensional de ligações cruzadas são mais rígidos e resistentes a solventes. Deformação e recuperação Propriedades reométricas (reológicas) Solvatação Propriedades térmicas Deformação e recuperação Propriedades reológicas: Comportamentos: Deformação plástica Irreversível Nova forma permanente Deformação elástica Reversível Forma recuperada após a eliminação da tensão Deformação viscoelástica Combinação das duas anteriores Podem ocorrer dois comportamentos: Estes comportamentos estão em função de: Comprimento da cadeia; Numero de ligações cruzadas; Temperatura Taxa de aplicação da força Escoamento plástico Regiões amorfas dos polímeros Cadeias deslizam umas sobre as outras. Irreversível Escoamento elástico Cadeias esticam e retraem umas sobre as outras. Esticam e retraem como molas. Não deslizam umas sobre as outras. Reversíveis

4 Propriedades de solvatação: Propriedades térmicas: Ver literatura básica Anusavice 11ª ed. P. 143 e 144 Duvidas, buscar orientação com professor! Ver literatura básica Anusavice 11ª ed. P Duvidas, buscar orientação com professor! LABORATÓRIO EM 15 MINUTOS Não é permitida a permanência no laboratório de alunos que não estejam vestidos de acordo com a NR-32 Polimerização por adição Monômeros ativados um de cada vez e adicionados em seqüência formando grandes cadeias. Resina acrílica Polimerização por condensação Todos os monômeros são ativados simultaneamente Cadeias crescem por ligações graduais que podem formar sub-produtos de baixo peso molecular (água ou álcool) Polisulfetos Silicona por condensação Polimerização por adição Indução: Possibilidade de formação de moléculas gigantes (alto peso molecular). Não há mudança na composição durante a polimerização. Estágios da polimerização Indução Propagação Transferência de cadeia Terminação A indução é controlada por dois estágios: Ativação Iniciação Para haver um processo de polimerização é necessária a presença de radicais livres, que são gerados pela ativação de moléculas produtoras de radicais livres usando um reagente. Luz visível Calor

5 INDUÇÃO Peróxido de benzoíla iniciado INICIAÇÃO ATIVADOR Calor Quimica Luz Metil metacrilato (monômero) Peróxido de benzoíla Peróxido de benzoíla INICIADO PROPAGAÇÃO TRANSFERÊNCIA DE CADEIA TERMINAÇÃO Polimerização por condensação (crescimento ou em cascata) Polímero é obtido a partir da condensação de vários monômeros que foram ativados simultaneamente. Em cada passo da reação, um novo composto é formado com tamanho e peso molecular maiores. Problema: Formação de sub-produtos Lentidão na formação da cadeia

6 Copolimerização: LABORATÓRIO EM 15 MINUTOS Ver literatura básica Anusavice 11ª ed. P. 153 e 154 Duvidas, buscar orientação com professor! Não é permitida a permanência no laboratório de alunos que não estejam vestidos de acordo com a NR-32

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila Disciplina Materiais Dentários II Ano-semestre 2016-1 Titulo da aula Expositor Resinas Acrílicas Prof. Dr. Eclérion Chaves Slides 46 Duração Aproximadamente 1:50 Texto base Plano de aula Anusavice Phillips

Leia mais

ROTEIRO DE AULA DE RESINAS ACRÍLICAS

ROTEIRO DE AULA DE RESINAS ACRÍLICAS ROTEIRO DE AULA DE RESINAS ACRÍLICAS HISTÓRICO 1937 - Introdução dos polímeros acrílicos na odontologia. 1946-98% das bases de próteses totais em acrílico. DEFINIÇÃO Resinas sintéticas ou plásticos representam

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R.

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. Demarquete 1 Roteiro da Aula Histórico Química das moléculas poliméricas Estrutura

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE RESINAS ACRÍLICAS

Leia mais

MATERIAIS POLIMÉRICOS

MATERIAIS POLIMÉRICOS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais MATERIAIS POLIMÉRICOS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 2º Semestre de

Leia mais

Física dos Materiais FMT0502 ( )

Física dos Materiais FMT0502 ( ) Física dos Materiais FMT0502 (4300502) 1º Semestre de 2010 Instituto de Física Universidade de São Paulo Professor: Antonio Dominguesdos Santos E-mail: adsantos@if.usp.br Fone: 3091.6886 http://plato.if.usp.br/~fmt0502n/

Leia mais

Mecanismos de polimerização Reação em cadeia - poliadição

Mecanismos de polimerização Reação em cadeia - poliadição Mecanismos de polimerização Reação em cadeia - poliadição Reações que ocorrem em etapas dependentes uma da outra Iniciação geração de espécies reativas Propagação adição seqüencial de monômeros Terminação

Leia mais

ASFALTOS MODIFICADOS

ASFALTOS MODIFICADOS ASFALTOS MODIFICADOS Razões para substituição de asfaltos convencionais por modificados Vias com alto volume de tráfego (ex.: corredores de ônibus) Melhoria da resistência à formação de trilhas de roda

Leia mais

Nome da Disciplina: Carga Horária: Período:

Nome da Disciplina: Carga Horária: Período: 1 FACULDADES INTEGRADAS DA Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº 368/2008 de 19//2008 (DOU 20//2008) PLANO DE ENSINO CURSO DE ODONTOLOGIA (para alunos ingressantes a partir do 1º semestre letivo de 2006)

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS

CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS Curso: Engenharia Mecânica - Terceiro Semestre Letivo Período: Primeiro Semestre 2010 Carga Horária: 60 horas Docente: Prof. Dr. Wagner M. Pachekoski As formas geralmente utilizadas

Leia mais

Química 12.º Ano Unidade 3 Plásticos, Vidros e Novos Materiais Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Química 12.º Ano Unidade 3 Plásticos, Vidros e Novos Materiais Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Química 12.º Ano Unidade 3 Plásticos, Vidros e Novos Materiais Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Lição n.º 87 Sumário: Polímeros: conceitos fundamentais, classificação, reciclagem e reacções de polimerização.

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO. Departamento ODT - Odontologia

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO. Departamento ODT - Odontologia UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7102 Materiais Dentários II Departamento ODT - Odontologia

Leia mais

Polímeros no Estado Sólido

Polímeros no Estado Sólido Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Polímeros no Estado Sólido O Estado Sólido Sólidos Cristalinos: Possuem um arranjo ordenado de átomos/moléculas, formando um retículo

Leia mais

POLÍMEROS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

POLÍMEROS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio POLÍMEROS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio POLI MERO MUITAS PARTES Para pensar... Nossos descendentes, no futuro, talvez se refiram à nossa época como sendo a era dos plásticos. Muitos

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Regime plástico Propriedades

Leia mais

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 9 Reologia: conceitos básicos Sumário Conceitos Deformação em um sólido ideal Deformação em um fluido ideal Comportamento

Leia mais

POLÍMEROS O que são, suas aplicações e as áreas de formações técnicas e acadêmicas VII Semana de Polímeros

POLÍMEROS O que são, suas aplicações e as áreas de formações técnicas e acadêmicas VII Semana de Polímeros Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano - IMA POLÍMEROS O que são, suas aplicações e as áreas de formações técnicas e acadêmicas VII Semana de Polímeros

Leia mais

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, cap 1, 5ed.,

Leia mais

MATRIAIS POLÍMEROS. Curso: Engenharia de Produção / Engenharia Civil 1. ESTRUTURA DE MATERIAIS POLÍMERICOS

MATRIAIS POLÍMEROS. Curso: Engenharia de Produção / Engenharia Civil 1. ESTRUTURA DE MATERIAIS POLÍMERICOS Curso: Engenharia de Produção / Engenharia Civil MATRIAIS POLÍMEROS 1. ESTRUTURA DE MATERIAIS POLÍMERICOS A maioria dos materiais poliméricos é composta por cadeias moleculares muito grandes, com grupos

Leia mais

COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS POLÍMEROS 4

COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS POLÍMEROS 4 COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS POLÍMEROS 4 Propriedades Mecânicas de Materiais Poliméricos Dois tipos principais de interesse para Engenharia. Velocidades de teste de média a baixa Impacto: altas velocidades

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO ODT 7101 Materiais Dentários I

PROGRAMA DE ENSINO ODT 7101 Materiais Dentários I PROGRAMA DE ENSINO ODT 7101 Materiais Dentários I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina Departamento ODT 7101 Materiais Dentários I ODT Odontologia Identificação da Oferta Odontologia,

Leia mais

Sempre que há a necessidade da construção de componentes específicos ou máquinas complexas sempre será necessário a utilização dos materiais.

Sempre que há a necessidade da construção de componentes específicos ou máquinas complexas sempre será necessário a utilização dos materiais. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Sempre que há a necessidade

Leia mais

LISTA N 01-3 A, B, C, D, E CATAGUASES PROF. SÍLVIO QUÍMICA ORGÂNICA 3 BIM. ENTREGAR FOLHA DE RESPOSTAS DIA 16/09/2011 (SEXTA FEIRA)

LISTA N 01-3 A, B, C, D, E CATAGUASES PROF. SÍLVIO QUÍMICA ORGÂNICA 3 BIM. ENTREGAR FOLHA DE RESPOSTAS DIA 16/09/2011 (SEXTA FEIRA) 1 LISTA N 01-3 A, B, C, D, E CATAGUASES - 2011 PROF. SÍLVIO QUÍMICA ORGÂNICA 3 BIM. ENTREGAR FOLHA DE RESPOSTAS DIA 16/09/2011 (SEXTA FEIRA) 1. Outra possibilidade para o seqüestro do CO atmosférico é

Leia mais

Sempre que há a necessidade da construção de um elemento orgânico de máquina haverá a necessidade

Sempre que há a necessidade da construção de um elemento orgânico de máquina haverá a necessidade Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Sempre que há a necessidade

Leia mais

Química de Polímeros. Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Síntese de Polímeros

Química de Polímeros. Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Síntese de Polímeros Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Síntese de Polímeros Polimerização Conjunto de reações nos quais moléculas simples reagem entre si formando uma macromolécula de

Leia mais

Roteiro de Aula Materiais de Moldagem Elastoméricos

Roteiro de Aula Materiais de Moldagem Elastoméricos Roteiro de Aula Materiais de Moldagem Elastoméricos Elastômeros: São borrachas sintéticas semelhantes às borrachas naturais, formados a partir de uma rede tridimensional de grandes moléculas (polímeros),

Leia mais

Escola Secundária Alfredo da Silva Ensino Básico 6º Ano Disciplina de Educação Tecnológica Materiais e Técnicas (7) Plásticos e Borrachas / 6ºB

Escola Secundária Alfredo da Silva Ensino Básico 6º Ano Disciplina de Educação Tecnológica Materiais e Técnicas (7) Plásticos e Borrachas / 6ºB Escola Secundária Alfredo da Silva Ensino Básico 6º Ano Disciplina de Educação Tecnológica Materiais e Técnicas (7) Plásticos e Borrachas / 6ºB 1. Alguns factos sobre os plásticos Os plásticos são materiais

Leia mais

CIMENTOS ODONTOLÓGICOS

CIMENTOS ODONTOLÓGICOS CIMENTOS ODONTOLÓGICOS USO E CLASSIFICAÇÃO DOS CIMENTOS ODONTOLÓGICOS CIMENTOS São usados como materiais restauradores apresentam baixa resistência quando comparados ao amálgama e a resina composta. Além

Leia mais

Os materiais termoplásticos e termorígidos podem ser empregados na fabricação de tubulações em substituição aos metais. No campo dos polímeros

Os materiais termoplásticos e termorígidos podem ser empregados na fabricação de tubulações em substituição aos metais. No campo dos polímeros 1 Introdução Em muitas aplicações civis, a distribuição e o transporte de derivados de petróleo (óleo, gasolina, álcool...), utilizam redes de tubulações de aço-carbono. Porém, essas tubulações apresentam

Leia mais

Capítulo 6. Materiais poliméricos

Capítulo 6. Materiais poliméricos Capítulo 6. Materiais poliméricos Tópicos a abordar... Quais são as características microestruturais básicas? Como é que as propriedades do material polimérico são afectadas pelo peso molecular? Como se

Leia mais

APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE

APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE Nome: nº: Bimestre: 4º Ano/série: 3ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE TEORIA 28 POLÍMEROS Alguns tipos de moléculas

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

Ensaio Tração Polímero

Ensaio Tração Polímero Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística Ensaio Tração Polímero SMM0342- Introdução aos Ensaios Mecânicos dos

Leia mais

FUNDIÇÃO ODONTOLÓGICA

FUNDIÇÃO ODONTOLÓGICA FUNDIÇÃO ODONTOLÓGICA DEFINIÇÃO É o processo de se obter objetos vazando líquidos ou metal viscoso em um molde preparado ou forma. O objetivo de uma fundição é o de produzir réplicas de um objeto qualquer.

Leia mais

Tecnologia Mecânica Propriedades dos materiais

Tecnologia Mecânica Propriedades dos materiais Propriedades dos materiais Por que o plástico é "plástico"? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a sua forma primitiva? Por que o cobre conduz eletricidade

Leia mais

Texto de apoio da aula de resina acrílica 1

Texto de apoio da aula de resina acrílica 1 Texto de apoio da aula de resina acrílica 1 1 Marina Roscoe e Josete Meira 1 INTRODUÇÃO: 1.1 Breve histórico: As primeiras aplicações da resina acrílica na indústria datam de 1933 (Plexiglas, Perspex).

Leia mais

Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais. Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES

Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais. Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES Resolução do 1º Teste de Ciência de Materiais Lisboa, 27 de Abril de 2010 COTAÇÕES Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 0,50 1. (d) 0,50 2. (a) 0,50 2. (b) 0,50 2. (c) 0,50 2. (d) 0,50 2. (e)

Leia mais

GMEC7301-Materiais de Construção Mecânica Introdução

GMEC7301-Materiais de Construção Mecânica Introdução GMEC7301-Materiais de Construção Mecânica Introdução TIPOS DE MATERIAIS Quais são os materiais disponíveis para o engenheiro? Classificação dos materiais. i O sistema de classificação mais comum considera

Leia mais

A viscosidade e a sua medição. Profa. Débora Gonçalves

A viscosidade e a sua medição. Profa. Débora Gonçalves A viscosidade e a sua medição Profa. Débora Gonçalves Reologia Termo - 1920 - escoamento (fluxo) e deformações decorrentes. - mudanças na forma e escoamento de materiais fluidos. Viscosidade resposta do

Leia mais

4. Classificação dos materiais quanto à função:

4. Classificação dos materiais quanto à função: 1. Introdução A disciplina Materiais de Construção tem a sua importância na formação e no exercício profissional por ser um pré-requisito a ser aplicado em Técnicas Construtivas, que posteriormente serão

Leia mais

Departamento ODT Odontologia. Horário Terças-feiras (das 7:30 às 11:50 horas)

Departamento ODT Odontologia. Horário Terças-feiras (das 7:30 às 11:50 horas) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7101 Materiais Dentários I Departamento ODT Odontologia Professores da disciplina Luiz Henrique Maykot Prates, Marcelo Carvalho Chain, João Adolfo

Leia mais

Principais propriedades mecânicas

Principais propriedades mecânicas Principais propriedades mecânicas Resistência à tração Elasticidade Ductilidade Fluência Fadiga Dureza Tenacidade,... Cada uma dessas propriedades está associada à habilidade do material de resistir às

Leia mais

Dois tipos de monômeros são utilizados para obtenção de polímeros sob condições controladas de pressão e temperatura na presença de um catalisador.

Dois tipos de monômeros são utilizados para obtenção de polímeros sob condições controladas de pressão e temperatura na presença de um catalisador. PROCESSAMENTOS DE POLÍMEROS 1. Características gerais dos polímeros Vantagens: facilidade de fabricação: fácil moldagem, produção seriada de peças complexas baixa densidade: razoável relação resistência

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROF. M. SC. MARCONI FURTADO 2013 Importância. Propriedades físicas dos materiais Comportamento

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Revisão -Propriedades ópticas em materiais -Propriedades magnéticas -Metais -Cerâmicas -Polímeros Propriedades ópticas

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

Roteiro de Aula de Ceras para Restaurações Fundidas

Roteiro de Aula de Ceras para Restaurações Fundidas Roteiro de Aula de Ceras para Restaurações Fundidas DEFINIÇÃO TIPOS DE CERA PARA FUNDIÇÃO COMPOSIÇÃO PROPRIEDADES ESCOAMENTO PROPRIEDADES TÉRMICAS DISTORÇÃO MANIPULAÇÃO OUTRAS CERAS ODONTOLÓGICAS CERAS

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS PARA MODELO. Modelo. Modelos

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS PARA MODELO. Modelo. Modelos Disciplina Ano-semestre 2016-1 Materiais Dentários I INDICAÇÃO DE USO DOS GESSOS Titulo da aula Expositor Gessos Odontológicos Prof. Dr. Eclérion Chaves Modelos Slides 35 Duração Aproximadamente 1:30 Texto

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário Resposta: 02 + 32 + 64 = 98 01. Incorreta. carbonato de magnésio é um sal insolúvel em H 2, logo não dissocia-se em Mg 2+ e (aq) C2. 3(aq) 02. Correta. 12 Mg 2+ = 1s 2 2s 2 2p 6 K L 04. Incorreta. É um

Leia mais

Cerâmicas Odontológicas

Cerâmicas Odontológicas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Disciplina ODB401 - Materiais para uso indireto Roteiro de estudos (24/04/13) Prof. Paulo Francisco Cesar

Leia mais

Polímeros: fabricação.

Polímeros: fabricação. Polímeros: fabricação http://en.wikipedia.org/wiki/file:single_polymer_chains_afm.jpg Polímeros naturais e sintéticos Naturais Celulose, amido, borracha natural, quitosana Sintéticos Fabricados com matérias-primas

Leia mais

Capítulo 2. Polímeros: Introdução e conceitos fundamentais. 2.1 Classificação dos polímeros

Capítulo 2. Polímeros: Introdução e conceitos fundamentais. 2.1 Classificação dos polímeros Capítulo 2 Polímeros: Introdução e conceitos fundamentais 2.1 Classificação dos polímeros Segundo suas características tecnológicas os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termorrígidos.

Leia mais

ÓLEOS E GORDURAS (LIPÍDEOS) - TRIGLICERÍDEOS

ÓLEOS E GORDURAS (LIPÍDEOS) - TRIGLICERÍDEOS Moléculas Orgânicas constituintes dos seres vivos (Biomoléculas Orgânicas) Gorduras ou Lipídeos (Triglicerídeos) Derivadas de ácidos graxos e podem se classificar em: Gorduras Saturadas Gorduras insaturadas

Leia mais

HIDROCARBO ETOS ALCANOS OME CLATURA. 1. Alcanos lineares: PREFIXO que indica o número de átomos de carbono da cadeia + o SUFIXO ano.

HIDROCARBO ETOS ALCANOS OME CLATURA. 1. Alcanos lineares: PREFIXO que indica o número de átomos de carbono da cadeia + o SUFIXO ano. 1 HIDROCARBO ETOS OME CLATURA ALCANOS 1. Alcanos lineares: PREFIXO que indica o número de átomos de carbono da cadeia + o SUFIXO ano. Nº de C Prefijo Nº de C Prefijo Nº de C Prefijo 1 met 6 hex 11 undec

Leia mais

Avaliação Quantitativa das Preparações Enzimáticas

Avaliação Quantitativa das Preparações Enzimáticas Avaliação Quantitativa das Preparações Enzimáticas Como diferenciar enzimas? Quando não podemos determinar a concentração de uma enzima devemos diferenciar as enzimas por sua atividade (moléculas não podem

Leia mais

Meios de Têmpera: Têmpera em água

Meios de Têmpera: Têmpera em água Meios de Têmpera: Têmpera em água A água é o meio de têmpera mais antigo, mais barato e o mais empregado. O processo de têmpera em água é conduzido de diversas maneiras: por meio de imersão, jatos, imersão

Leia mais

Processos de Fabricação 2. Parte 2 - polímeros

Processos de Fabricação 2. Parte 2 - polímeros Processos de Fabricação 2 Parte 2 - polímeros Polímeros Introdução Polímeros naturais Polímeros artificiais Madeira, borracha, algodão, lã, couro, seda, etc. Plástico, borrachas e materiais de fibras Propriedades

Leia mais

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA O MELHOR ISOLAMENTO PARA CASAS HABITADAS Classe 1 resistente ao fogo Economiza até 50% nas contas de energia Reduz o ruído exterior até 80% Amigo do Ambiente IS O L A M E

Leia mais

Ciência que estuda a química da vida (características dos seres vivos)

Ciência que estuda a química da vida (características dos seres vivos) Ciência que estuda a química da vida (características dos seres vivos) Características dos seres vivos 1 - Complexidade química e organização microscópica Elementos químicos comuns C, O, N, H e P Grande

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 44 4 Materiais e Métodos 4.1 Materiais utilizados Foram utilizadas para esta pesquisa as seguintes membranas de PTFE: Gore-Tex, Bionnovation e dois tipos diferentes de membranas produzidas durante a pesquisa,

Leia mais

Os valores obtidos no ensaio de tração (Tabela 9 no Anexo II) para carga máxima,

Os valores obtidos no ensaio de tração (Tabela 9 no Anexo II) para carga máxima, 61 TABELA 8 Propriedades físicas e mecânicas das formulações Materiais Teor fibra (%) Alongamento na ruptura (%) Carga max. (Tração) (N) Tensão na Carga máxima (MPa) Módulo de Elasticidade (GPa) Impacto

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

CAPA DO DOCUMENTO. Cópia Controlada MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEETS 16/07/15 MSDS FICHA DE SEGURANCA RESINAS ACRILICAS DENCRIL

CAPA DO DOCUMENTO. Cópia Controlada MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEETS 16/07/15 MSDS FICHA DE SEGURANCA RESINAS ACRILICAS DENCRIL CAPA DO DOCUMENTO Cópia Controlada Data: 9/1/215 1:9 MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEETS 16/7/15 MSDS FICHA DE SEGURANCA RESINAS ACRILICAS DENCRIL Objetivo: Destinatário: FLAVIA DE ALMEIDA QUEIROZ Unidade:

Leia mais

LABORATÓRIO DE ORGÂNICA II

LABORATÓRIO DE ORGÂNICA II COLÉGIO META LABORATÓRIO DE ORGÂNICA II Prof. ABEL SCUPELITI ARTILHEIRO SÃO PAULO 2012 1 LABORATÓRIO DE QUÍMICA ORGÂNICA II EXPERIÊNCIA 1 OBTENÇÃO DE POLÍMEROS 1. OBJETIVO Este experimento tem como objetivo

Leia mais

Moldagem por Injeção

Moldagem por Injeção Moldagem por Injeção Injeção Inúmeros produtos contêm partes moldadas por injeção: pentes, telefones, componentes de automóveis, computadores, monitores,televisores, etc; Processo relativamente simples

Leia mais

Dyneon TM Fluorelastômero. Guia de Produto. 3 Inovação

Dyneon TM Fluorelastômero. Guia de Produto. 3 Inovação Dyneon TM Fluorelastômero Guia de Produto 3 Inovação Introdução Os fluorelastômeros Dyneon TM, BRE TM e Aflas TM TFE são elastômeros sintéticos fluorados, conhecidos como Borracha Fluorada, desenvolvidos

Leia mais

Tecnologia dos Materiais e Ensaios Classificação e Propriedades dos materiais. Prof. C. BRUNETTI

Tecnologia dos Materiais e Ensaios Classificação e Propriedades dos materiais. Prof. C. BRUNETTI Tecnologia dos Materiais e Ensaios Classificação e Propriedades dos materiais Prof. C. BRUNETTI Introdução O que contribui para avanço e desenvolvimento tecnológico das sociedades? Fragmento de um retrato

Leia mais

ANEXO II - RESOLUÇÃO Nº 282/2006-CEPE PLANO DE ENSINO

ANEXO II - RESOLUÇÃO Nº 282/2006-CEPE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 3º Curso: Odontologia Modalidade: Semestral Turno: Integral Centro: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Campus: Cascavel APCC 4 Total Disciplina

Leia mais

POLÍMEROS. Conceitos Gerais

POLÍMEROS. Conceitos Gerais POLÍMEROS Conceitos Gerais Ana Barros Timmons Departamento de Química Universidade de Aveiro Aveiro, 11 de Abril de 2006 Definições Gerais Classificação de Polímeros Síntese de Polímeros Impacto Ambiental

Leia mais

Química de Polímeros

Química de Polímeros Química de Polímeros Tópicos de QO essenciais para compreender a química de polímeros: 1. Estabilidade Relativa de Carbocátions, Carbânions e Radicais. 2. Estruturas de Ressonância. 3. Mecanismo de Reações

Leia mais

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico.

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Revestimentos odontológicos Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Cimentos para Fixação (Prof. Braga)

Cimentos para Fixação (Prof. Braga) DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Disciplina ODB 401 Materiais para uso indireto Roteiro de estudos Data: 18/04/2017 Cimentos para Fixação (Prof. Braga) 1 Introdução Conceito de cimento (Houaiss):

Leia mais

GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO

GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO Faculdade de Odontologia Departamento de Biomateriais e Biologia Oral Materiais para Uso Indireto GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO ROTEIRO DE AULA Apresentação e usos Composição, reação e estrutura Requisitos

Leia mais

Informação de emergência: : CEATOX

Informação de emergência: : CEATOX 1. Identificação dos produtos Nome do Produto: PX 277 TRAVA ROSCAS ALTA RESISTÊNCIA GRANDES DIÂMETROS VERMELHO 36ML Código do Item: 27740 Tipo de produto: Anaeróbico Fabricante / Fornecedor: ANAEROBICOS

Leia mais

Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas.

Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Autores: Amanda Maria Griebeler dos Santos (1), Mariana Oliveira Engler (2) & Ruth Marlene Campomanes Santana Filiação: Depto Engenharia

Leia mais

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes Site: marongomes.wix.

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes   Site: marongomes.wix. Química dos Colóides e Superfícies Profº Janilson Lima Souza E-mail: Prof. janilsonlima@ifma.edu.br M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes E-mail: maron@ifma.edu.br Site: marongomes.wix.com/maron A Ciência

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica 1. Ligas de ouro tradicionais ou clássicas As ligas de ouro tradicionais já estavam bem estudadas até o início da década de 30. Elas foram classificadas em 4 tipos em função da dureza, que por sua vez

Leia mais

Polimerização e Reações Orgânicas

Polimerização e Reações Orgânicas Polimerização e Reações Orgânicas Material de Apoio para Monitoria 1. (FATEC-SP) A polimerização por adição consiste na reação entre moléculas de uma mesma substância, na qual em sua estrutura, ocorre

Leia mais

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO NR-10 CHOQUE ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br Definição CHOQUE ELÉTRICO É a perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no

Leia mais

ASFALTO MODIFICADO COM POLÍMEROS (A M P)

ASFALTO MODIFICADO COM POLÍMEROS (A M P) ASFALTO MODIFICADO COM POLÍMEROS (A M P) Tecnologia para prolongar a vida dos pavimentos asfálticos. DEZ/2003 Asfalto Modificado (melhorado) ¾Histórico Ao longo de 30 anos (Europa/USA) têm desenvolvidos

Leia mais

LAMINAÇÃO LAMINAÇÃO. Prof. MSc: Anael Krelling

LAMINAÇÃO LAMINAÇÃO. Prof. MSc: Anael Krelling LAMINAÇÃO Prof. MSc: Anael Krelling 1 DEFINIÇÃO DO PROCESSO É um processo de conformação que consiste na deformação de um metal pela passagem entre dois cilindros rotatórios que giram em sentidos opostos,

Leia mais

Ciência dos Materiais I Prof. Nilson C. Cruz

Ciência dos Materiais I Prof. Nilson C. Cruz Ciência dos Materiais I Prof. Nilson C. Cruz Visão Geral sobre Propriedades Físicas e Aplicações de Materiais: metais, polímeros, cerâmicas e vidros, semicondutores, compósitos 1/64 2/64 Polímeros Polímeros

Leia mais

Aula 01. LIGAÇÕES de H ou PONTES de H H 2 O HF NH 3

Aula 01. LIGAÇÕES de H ou PONTES de H H 2 O HF NH 3 LIGAÇÕES de H ou PONTES de H Este tipo de ligação é um caso especial de ligação dipolo-dipolo, só ocorrendo entre moléculas polares. H 2 O HF NH 3 17 Polietileno (PEAD ou PEBD) É o polímero de maior aplicação

Leia mais

SUMÁRIO. 2 P á g i n a

SUMÁRIO. 2 P á g i n a SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS SOBRE O POLÍMERO... 04 1.1 Definição de polímeros... 04 1.2 Cadeia produtiva de polímeros... 04 2. POLIPROPILENO... 06 2.1 Comercialização do polipropileno...

Leia mais

Estrutura Atômica. encontrada na natureza das ligações químicas. 2-0

Estrutura Atômica. encontrada na natureza das ligações químicas. 2-0 Estrutura Atômica A base para a classificação dos materiais é encontrada na natureza das ligações químicas. 2-0 As ligações tem duas categorias gerais a) Ligações Primárias Envolvem a transferência e/ou

Leia mais

DuPont Zytel. resina de nylon. Guia de Produtos e Propriedades

DuPont Zytel. resina de nylon. Guia de Produtos e Propriedades Guia de Produtos e Propriedades DuPont Zytel resina de nylon O logotipo Oval da DuPont, DuPont, The Miracles of Science*, e Zytel são marcas registradas ou marcas requeridas de E.I. du Pont de Nemours

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

HIDROCARBONETOS FUNÇÕES ORGÂNICAS

HIDROCARBONETOS FUNÇÕES ORGÂNICAS HIDROCARBONETOS FUNÇÕES ORGÂNICAS FUNÇÕES ORGÂNICAS O átomo de carbono: Apresenta capacidade singular de compartilhar elétrons com outros átomos de carbono formando ligações carbono-carbono estáveis. Permite

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

DEFEITOS CRISTALINOS E DEFORMAÇÃO PLÁSTICA

DEFEITOS CRISTALINOS E DEFORMAÇÃO PLÁSTICA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais DEFEITOS CRISTALINOS E DEFORMAÇÃO PLÁSTICA PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia

Leia mais

Os processos de fabricação mecânica podem ser agrupados em 5 grupos principais.

Os processos de fabricação mecânica podem ser agrupados em 5 grupos principais. Os processos de fabricação mecânica podem ser agrupados em 5 grupos principais. a) Fundição d) Metalurgia do pó b) Usinagem c) Soldagem E) CONFORMAÇÃO MECÂNICA Esquema geral dos processos de conformação

Leia mais

Fonte de energia Estrutura celular Sinais. Função biológica. Monossacarídeos Oligossacarídeos Polissacarídeos. Classificação

Fonte de energia Estrutura celular Sinais. Função biológica. Monossacarídeos Oligossacarídeos Polissacarídeos. Classificação Função biológica Fonte de energia Estrutura celular Sinais Classificação Monossacarídeos Oligossacarídeos Polissacarídeos Monossacarídeos Aldose ou cetose 3 a 7 carbonos Isomeria D e L Solução aquosa Forma

Leia mais

Tecnologia de compostos e novos materiais. MSc. Guilherme Wolf Lebrão Prof. de materiais compósitos poliméricos Eng.

Tecnologia de compostos e novos materiais. MSc. Guilherme Wolf Lebrão Prof. de materiais compósitos poliméricos Eng. Tecnologia de compostos e novos materiais MSc. Guilherme Wolf Lebrão Prof. de materiais compósitos poliméricos Eng. Mauá, CEUN - IMT AUTOMOTIVE DAY BRASIL, 6 de outubro de 2011 O que é compósito? 2 Material

Leia mais

deformabilidade: um provete deve suportar deformações muito elevadas sem ruptura (alongamento à ruptura de valor elevado);

deformabilidade: um provete deve suportar deformações muito elevadas sem ruptura (alongamento à ruptura de valor elevado); ҡelastómeros Elastómero: material que apresenta um comportamento mecânico semelhante ao da borracha vulcanizada num dado intervalo de temperatura. Características pretendidas: flexibilidade: o módulo de

Leia mais

Curso ENSINO MÉDIO GUILHERME ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

Curso ENSINO MÉDIO GUILHERME ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina QUÍMICA Curso Professor ENSINO MÉDIO GUILHERME ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 3º SÉRIE Número: 1 Conteúdo: Geometria molecular Polaridade e solubilidade Isomeria

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

Desenvolvimento presente em todo o mundo.

Desenvolvimento presente em todo o mundo. 1 Desenvolvimento presente em todo o mundo. - Faturamento anual de U$ 18 bilhões. - Mais de 875 unidades em 54 países Fundada em 1912, a Illinois Tool Works Inc. é uma empresa multinacional produtora de

Leia mais