Embora os números não sejam exatos, 35% dos brasileiros passa fome. Este dado me leva a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Embora os números não sejam exatos, 35% dos brasileiros passa fome. Este dado me leva a"

Transcrição

1 1. Título A ALMA DAS COISAS INDIGESTAS um olhar culturalmente imaginativo para a anima mundi 2. Autor Silvia Eugenia Faibischew Graubart 3. Resumo Embora os números não sejam exatos, 35% dos brasileiros passa fome. Este dado me leva a experimentar o poema O Bicho, de Manuel Bandeira, como fio condutor para denunciar que problemas sociais vivem e respiram em nós. Proponho um olhar imaginativo e o simples exercício de amplificação do vocábulo fome nos coloca frente a importantes constatações: do nutrir para satisfazer as necessidades imediatas ao empanturrar-se ou devorar, o alimento não se mostra apenas como fonte de prazer e sobrevivência, mas, metaforicamente, como recurso para aplacar uma fome interior que nem toda comida do mundo seria capaz de saciar: a cobiça e a fartura desmedidas, parceiras inseparáveis, imagética e sensorialmente, da penúria, da privação e da exclusão social. 4. Objetivos Por mais que nos esforcemos para minimizar as dores individuais com o cultivo da alma, somos todos afetados pelas aflições da anima-mundi. Seus sintomas denunciam um sofrimento que também é nosso. Por isso, é para ela que precisamos nos curvar a fim de refletir suas tragédias, possibilidades, perspectivas, desequilíbrios, sonhos e angústias, na tentativa de alterar o mundo e a nós mesmos. Se, entretanto, a proposta parecer ilusória, ao

2 menos teremos elementos suficientes para iniciar uma saborosa (ou seria indigesta?) discussão. 5. Justificativa O que a leitura psicológica das distorções alimentares teria a nos dizer sobre a alma do mundo no século XXI? Não me propus a fazer um estudo psicossomático, abordando a psicodinâmica ou a leitura simbólica que determinam a inanição decorrente da fome ou a obesidade ocasionada pela ingestão incorreta de alimentos. Se a isso me dispusesse, estaria apenas envolvida com a psique individual e suas armadilhas, situações e memórias, como se estas não fossem determinadas pela inevitável conjunção indivíduo e mundo. No lugar disso, aventurei-me à tentativa de enxergar um segundo sentido de alma em todos os fenômenos do mundo, não apenas no indivíduo. Quis caminhar na direção de algo que pudesse nascer do aprofundamento a consciência de que as qualidades internas do mundo externo são plenas de significado. Lancei-me ao desafio de propor que o exercício da psicologia amplie suas possibilidades de atuação por territórios menos desbravados e um campo de ação mais abrangente a anima mundi enxergando a patologia que nos assombra a cada esquina, para tratarmos suas imagens com o mesmo cuidado com que fazemos do setting terapêutico um lugar sagrado.

3 A ALMA DAS COISAS INDIGESTAS um olhar culturalmente imaginativo para a anima mundi O Bicho Manuel Bandeira Vi ontem um bicho na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, não examinava nem cheirava, Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, não era um gato, não era um rato, O bicho, meu Deus, era um homem... Distintas experiências, idêntica atitude para entrar em relação. Um caso clínico de compulsão alimentar, sobrepeso, anorexia ou bulimia é um retrato imediato do sofrimento a psique do paciente fantasiando em torno do comer; sua alma apresentando peças de um quebra-cabeça a ser organizado com novas dimensões, na captura da profundidade que dá sentido à estreiteza literal da queixa. Assim também acontece com as aflições da anima mundi. Basta um olhar atento às esquinas, não apenas das periferias, mas especialmente nos quarteirões mais abastados das metrópoles, aliás, onde os contrastes se mostram com mais intensidade. Reportagens, registros fotográficos, letras de música, teatro, cinema, poesia... são ainda boas fontes de observação que falam desse sofrimento. É por meio da consideração desse material que talvez possam surgir os elos perdidos da sucessão de acontecimentos que desencadearam a cisão e o conflito. Um verdadeiro labirinto de imagens visuais, auditivas e sensoriais alimenta a imaginação, cria realidade, desperta analogias, reflexão... alma. E esse vitral de imagens

4 permite buscar um segundo sentido tanto em quem o observa quanto no mundo. Um convite para trazer a psique do mundo aos nossos consultórios. Como escreve Hillman, a psique como anima mundi, a alma neoplatônica do mundo, já está dada junto com o mundo, de tal forma que uma das tarefas da psicologia é escutar a psique falando através de todas as coisas do mundo, recuperando assim o mundo como lugar da alma. (HILLMAN, 1991: 40). Jung identifica a fome como um dos cinco principais grupos de fatores instintivos, ao lado da criatividade, reflexão, atividade e sexualidade (CW 8, 246). Para ele, a fome é um instinto primário de autopreservação, talvez o mais fundamental de todos os impulsos que, assim como os outros, pode se transformar, pelo controle da consciência, tornando-se civilizado. Jung escreve: Inequívoco como possa ser o estado físico de excitação chamado fome, as conseqüências psíquicas dele resultantes podem ser múltiplas e variadas. Não somente as reações à fome ordinária podem ser as mais variadas possíveis, como a própria fome pode ser desnaturada e mesmo parecer como algo metafórico. Podemos não somente usar a palavra fome nos seus mais diversos sentidos, mas a própria fome pode assumir os mais variados aspectos, em combinação com outros fatores. A determinante, originariamente simples e unívoca, pode se manifestar como cobiça pura e simples ou sob as mais variadas formas, tais como a de um desejo e uma insaciabilidade incontroláveis, como por exemplo, a cupidez pelo lucro ou a ambição sem freios. (CW 8, 236) Quando Jung se refere à fome que pode ser saciada com comida, fica mais viável pensar na transformação desse instinto pelo controle da consciência, enveredando pelas

5 camadas mais profundas da psique. Entretanto, quando esta fome denuncia a miséria uma das patologias que existiu desde sempre, mas se acentuou consideravelmente com a modernidade a combinação com os outros fatores, aos quais ele se refere, ultrapassa os limites de um processo individual e nos conecta inevitavelmente com as aflições do mundo. Ambas situações me remetem ao substrato fundamental da psique inconsciente e sua íntima relação com o mundo dos objetos. Jung se refere a essa camada estrutural da psique o inconsciente coletivo em diversos momentos do seu trabalho: (...) quanto mais nos tornamos conscientes de nós mesmos, através do autoconhecimento, atuando conseqüentemente, tanto mais se reduzirá a camada do inconsciente pessoal que recobre o inconsciente coletivo. Desta forma vai emergindo uma consciência livre do mundo mesquinho, suscetível e pessoal do eu, aberta para a livre participação de um mundo mais amplo de interesses objetivos. Essa consciência ampliada não é mais aquele novelo egoísta de desejos, temores e esperanças e ambições de caráter pessoal, que sempre deve ser compensado ou corrigido por contratendências inconscientes; tornar-se-á uma função de relação com o mundo dos objetos, colocando o indivíduo numa comunhão incondicional, obrigatória e indissociável com o mundo em geral. (CW 7/2, 275) Na conferência Psicoterapia e Atualidade, elaborada para a reunião dos psicoterapeutas suíços em Zurique, no ano de 1941, Jung é mais explícito ao descrever essa comunhão incondicional com o mundo: Seria uma incumbência realmente importante examinar mais de perto quais as relações da psicoterapia com a situação atual do espírito europeu (...) Ao conceito de psicoterapia inere uma enorme exigência, qualquer que seja o âmbito a que a circunscrevemos, posto que a alma é a

6 matriz de toda ação, e, conseqüentemente, de todos os acontecimentos determinados pela vontade dos homens. Não seria apenas difícil, mas literalmente impossível, destacar aleatoriamente um pedacinho do campo infinitamente vasto da vida da alma, e estabelecer, daqui para frente, o campo de jogos reservado a uma coisa chamada psicoterapia (...) Realmente, é impossível fazer o tratamento da alma, e da personalidade humana, isolando umas partes do resto. Nos distúrbios psíquicos talvez apareça com maior clareza do que nas doenças físicas, que a alma é um todo, onde tudo depende de tudo. Com a sua neurose, o doente não nos põe em presença de uma especialidade, mas de toda uma alma, e com ela, de todo um mundo; essa alma depende dele, e sem ele nunca será possível entendê-la satisfatoriamente. É por isso, talvez, que a psicoterapia tem menos condições que qualquer outro campo especializado, de refugiar-se no domínio sacrossanto de uma especialidade, que, por assim dizer, já nada tem a ver com a vastidão do mundo que está aí. Por mais que tentemos concentrar-nos no mais pessoal da pessoa, a nossa terapia não teria sentido sem a pergunta: de que mundo vem o nosso doente e a que mundo ele deve ajustar-se? O mundo é uma realidade que transcende a pessoa, e uma psicologia essencialmente personalística nunca poderá fazer-lhe justiça. Este tipo de psicologia só vale até onde vai o aspecto pessoal do ser humano. Mas, na medida que o homem também é um pedaço do mundo, ele traz o mundo, isto é, algo de suprapessoal ou de impessoal dentro de si. (CW 16, 212). A partir dessa noção primordialmente junguiana o aspecto suprapessoal no homem aliada à percepção de um mundo almado, que capta nas verdades arquetípicas

7 uma compreensão da realidade literal é possível ampliar, como propõe Hillman, a noção usual de realidade psíquica, resgatando a consciência dos e nos objetos. E isso nos leva a sentir como sua projeção em nós acaba nos afetando. Essa tradição vem desde Heráclito, passa por Plotino, Vico, Ficino e Platão. Quando resgatamos a alma das coisas, a visão racional que confina a idéia de subjetividade às pessoas humanas e divide o mundo em objetos e egos, animação e inanimação, vida e morte, dá lugar a um modo de experimentar o mundo como um campo psicológico, no qual as pessoas são dadas com os eventos, assim como estes são experiências que nos tocam, movem e chamam, aponta Hillman em Re-visionig Psychology. Pois bem, vamos aos fatos: só no nosso país, mesmo com programas de combate à fome, aproximadamente 60 milhões de brasileiros não tem o que comer ou se alimentam com extrema precariedade. O que nos leva a constatar que da alma à comida há mesmo um insondável universo de imagens a ser desbravado: nutrir, saborear, deliciar-se, empanturrarse, ou então, devorar... engolir com sofreguidão o que houver pela frente... As imagens que vocês vêem denunciam sintomas de um sofrimento que também é nosso. Problemas sociais vivem e respiram em nós, não como projeções de nossas fantasias, pois seu corpo nos afeta, chacoalha, choca. Confrontamos essa realidade a contragosto. Enquanto milhões de pessoas morrem por falta de alimento, crescem os índices de desperdício e distorções nutricionais determinam subnutrição, sobrepeso e obesidade. Essas constatações externas forçam a psique a reconhecer tais informações e, aos poucos, identificá-las dentro, psicologicamente, com formas preexistentes os modelos arquetípicos aos quais correspondem e que lhes dão significado. Mais: excitam a compreender a relação entre alma e comida como uma experiência que ultrapassa a psique

8 individual, na tentativa de identificar, por trás de suas cruéis distorções, um sofrimento que nos contamina. Nunca o planeta viveu tanto desenvolvimento científico e tecnológico, nem a informação chegou tão fácil e rápida com um simples dedilhar no teclado. No entanto, as promessas de justiça e paz social parecem cada vez mais distantes. O modelo de desenvolvimento adotado a partir do século XVIII desencadeou sintomas que mostram esse indigesto contágio: desigualdades sociais, violência, destruição e fome uma das mais desastrosas epidemias da modernidade. A dor da anima mundi se revela nas imagens que estamos vendo e enxergá-las com um olhar imaginativo nos permite explorar suas distorções e complexidades para criar com elas a intimidade necessária à sua compreensão. Afinal, não adotamos atitude semelhante quando mergulhamos nas imagens dos pacientes na captura de sua profundidade? Se como psicólogos temos esse sério compromisso com a profundidade e, se desde Heráclito, a alma foi definida como incomensuravelmente profunda e não localizada (fragmento 45), a psicologia não pode se apartar dos dilemas do planeta, pois uma vez que os limites da alma não são definidos, a alma também permeia o mundo das coisas como anima mundi. Assim, podemos considerar arbitrária a ruptura cartesiana que se fez entre ego e mundo natural, apesar desta separação ser necessária e indispensável à própria construção do eu. Ao propor esse olhar imaginativo para as deformidades em relação à comida, um simples exercício de amplificação do vocábulo fome nos coloca frente a importantes constatações: do nutrir para satisfazer as necessidades imediatas ao empanturrar-se ou devorar, a comida não se mostra apenas como fonte de prazer e sobrevivência, mas, metaforicamente, como um recurso para aplacar uma fome interior que nem todo alimento

9 do mundo seria capaz de saciar: a cobiça e a fartura desmedidas, parceiras inseparáveis, imagética e sensorialmente, da penúria, da privação e da exclusão social. Teria o homem-bicho ou o bicho-homem de Bandeira optado por essa condição? Ou sua miséria estaria diretamente ligada à hybris de uma sociedade dominada pelo poder e pelo desenvolvimento tecnológico? Fazendo uso da linguagem metafórica, também o poeta nos confronta com a tensão entre significados ostensivamente compatíveis que fazem eco em nosso psiquismo: a metáfora, como uma forma não literal de observar a realidade, enxerga por semelhanças e analogias. É mais que um modo de falar, um modo de perceber, sentir, existir. A partir da metáfora também podemos chegar ao mito, não como parte de um passado morto, mas algo intensamente vivo tanto nos sintomas da anima mundi, quanto nos nossos. O mito contém a verdade da metáfora e nos permite ver o factual sob o ponto de vista arquetípico. Pela vulnerabilidade à hybris, o homem perdeu os limites e a justa medida, abrindo espaço para o retorno dos titãs, banidos para o Tártaro no mito. E como excluídos, os titãs voltam como energia inconsciente, desenfreada e desproporcional, mostrando exagero em tudo e agindo sobre os mais diversos campos da atividade humana: da política à tecnologia, passando pelos negócios, pela devastação da natureza e pela distribuição injusta da comida. Essas imagens tão contundentes revelam um tecido social esgarçado: Nêmesis, a deusa grega do equilíbrio, a Maat dos egípcios, agoniza. Não há meio-termo entre o mais e o menos; o excesso titânico irrompe irrefreável e nos torna reféns da iniqüidade, da crueldade, do que não é justo.

10 Empresto de Hillman os traços bem definidos da patologia que nos ronda e insiste em continuar nos ameaçando: a anima mundi sofre por falta de Justiça aquilo que cabe, o lugar de cada ser, de cada coisa no cosmo. Quase tão instintiva quanto a fome, a Justiça também nos mobiliza intensamente, preservando valores indispensáveis à organização das sociedades, enquanto que a fome, como um dos cinco instintos propostos por Jung, preserva a própria vida. Triste imagem de bicho-homem, a quem o destino reserva privação e morte. Triste imagem de miseráveis, aos quais as estações do ano (como a Justiça governando a natureza) reservam colheitas fartas e abundância inacessível. Triste imagem de humanidade, que não aprendeu a usar com moderação a fartura de alimentos disponível com as modernas tecnologias de produção. Triste imagem de alimento desperdiçado, enquanto tantos necessitam. Triste imagem de mundo, cujo sofrimento vem da falta de justiça. E se, entretanto, apenas nos é dado contemplar o horror dessas distorções, deixo o convite para que vocês avancem comigo nessa reflexão. 6. Referências Bibliográficas AVENS, Robert (1993). Imaginação é Realidade. Petrópolis: Editora Vozes. BANDEIRA, Manuel (1993). Estrela da Vida Inteira. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 20ª edição. BRANDÃO, Junito de Souza (1986). Mitologia Grega. Petrópolis: Editora Vozes, 2ª ed., v.1.

11 EDINGER, Edward (2003). A Psique na Antiguidade. Livro Um. São Paulo: Editora Colares, 8ª edição. ÉSQUILO. Prometeu Acorrentado. Rio de Janeiro: Ediouro. GUGGENBÜHL-CRAIG, Adolph (1998). Do Lado Avesso Uma Abordagem Paradoxal em Psicologia. Editora Corsária. HILLMAN, James (1975). Re-Visioning Psychology. New York: HarperCollins Publishers. (1981). Estudos de Psicologia Arquetípica. Rio de Janeiro: Editora Achiamé. ( 1984). O Mito da Análise. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra. (1991). Psicologia Arquetípica. São Paulo: Editora Cultrix/Pensamento. (1993). Cidade & Alma. São Paulo: Studio Nobel. (1994). Psychology, Self and Community. Em: Resurgence nº 166. (1995). A Psyque the Size of the Earth. Em: Ecopsychology: Restoring the Earth, Healing the Mind, Eds. T Rosnak, M.E. Gomes, A.D. Kanner. San Francisco: Sierra Books. (1997). Encarando os Deuses. São Paulo: Editora Cultrix/Pensamento. (1997). The Thought of the Heart and Soul of the World. 3th printing, Connecticut: Spring Publications. (1998). In. Spring n 63, California: Pacifica Graduate

12 Institute. (2000). Laying the Table. Em: Psychology at the Threshold. California: Pacifica Graduate Institute. (2001). Tipos de Poder. São Paulo: Editora Axis Mundi. HOUAISS, Antonio (2003). Dicionário Houaiss de Sinônimos e Antônimos.Rio de Janeiro: Editora Objetiva. JACKSON, Eve (1999). Alimento e Transformação.São Paulo: Editora Paulus. JUNG, Carl Gustav. The Collected Works of C.G.Jung, traduzidos para o inglês por R.F.C. Hull, editados por H. Read, M. Fordham, G. Adler e Wm McGuire. Princeton: Princeton University Press, Bollingen Series XX, volumes 1-20, referidos pela abreviatura CW seguida do número do volume e do parágrafo. Ou pela abreviatura OC seguida do número do volume, brochura e parágrafo da edição brasileira, da Editora Vozes. (1975). Memórias Sonhos e Reflexões. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 13ª edição. LÓPEZ-PEDRAZA, Rafael (1997). Ansiedade Cultural. São Paulo: Editora Paulus. (1999). Hermes e Seus Filhos. São Paulo: Editora Paulus. SARDELLO, Robert (1997). No Mundo com Alma. São Paulo: Editora Agora. SOUZENELLE, Annick (1995). O Simbolismo do Corpo

13 Humano.São Paulo: Editora Pensamento. ZOIA, Luigi (2001). Os dois lados do Atlântico. In: Manhã de Setembro. São Paulo: Editora Axis Mundi. WHITMONT, Edward C (1995). A Busca do Símbolo, São Paulo: Editora Cultrix. Endereços eletrônicos: BOFF, Leonardo. A Justa Medida que nos Falta. Disponível em: Acesso em: MAAT. Disponível em: 7. Recursos de apresentação imagens em Power Point

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES Sheila Carla de Souza 1 (Mackenzie) Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta (C. G. Jung) RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

Auto-liderança: uma jornada espiritual

Auto-liderança: uma jornada espiritual Auto-liderança: uma jornada espiritual Nos últimos séculos os humanos têm sido cruéis com a vida no planeta. O paradigma mecanicista, ao dar o primado à razão e negligenciado as dimensões emocional e espiritual,

Leia mais

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo.

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo. Título do trabalho O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo Resumo O presente trabalho vem investigar literatura especializada sobre individuação

Leia mais

Conceitos Introdutórios

Conceitos Introdutórios Alexa B. Leirner Pintar aquilo que vemos diante de nós é uma arte diferente de pintar o que vemos dentro de nós. (Carl.Gustav Jung) 1 Objetivos Apresentar em linhas gerais os principais objetivos e o programa

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Os sonhos e o inconsciente

Os sonhos e o inconsciente Os sonhos e o inconsciente Um fato conhecido de todos é que dormimos, em média, um terço de nossa vida. Portanto, quem vive 60 anos, dorme 20 anos e sonha cerca de cinco anos. Os 40 anos que vivemos acordados

Leia mais

Descobrindo os Sonhos. Liane Zink

Descobrindo os Sonhos. Liane Zink Descobrindo os Sonhos O que Significam os Nossos Sonhos? SÃO PROFECIAS? SÃO CURADORES? VÊM DE DEUS? SÃO VESTÍGIOS DE MEDOS MEDIEVAIS? Como trabalham com Sonhos FREUD JUNG MORENO PERLS RON ROBBINS Sonhos

Leia mais

Aplicação Terapêutica das Imagens de Arte e Metáforas

Aplicação Terapêutica das Imagens de Arte e Metáforas Alexa B. Leirner A arte é uma mentira que nos ajuda a perceber a verdade. (Pablo Picasso) 1 Objetivos Conhecer os principais fundamentos que demonstram os benefícios da utilização de imagens de arte e

Leia mais

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam:

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: Neiruaitt Norberto de Sousa A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: O inconsciente é a história não escrita do homem a partir de épocas imemoriais, podemos dizer que: O

Leia mais

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante O BICHO VI ONTEM um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato,

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 Sumário Introdução, 11 1 Temperamento: o que não se vê, 14 2 Os vários nomes do amor, 33 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 4 Guardiães, parceiros sociais, 69 5 Idealistas, parceiros de alma, 88 6 Cerebrais,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

O CORPO EM ANÁLISE ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

O CORPO EM ANÁLISE ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 O CORPO EM ANÁLISE Rubens Marcondes Weber RESUMO A psicologia profunda se desenvolveu a partir do esforço para compreender o processo de representação simbólica, seu papel na formação da personalidade

Leia mais

Dor física e dor psíquica

Dor física e dor psíquica Dor crônica A causa desse fenômeno é tão vasta e complexa como a própria dor. Questões socioculturais, as formas de trabalho e os avanços da Medicina que proporcionam sobrevida mesmo em casos de doenças

Leia mais

Voce recebeu a vida; é seu dever (e também seu direito como ser humano) encontrar alguma coisa de belo nessa vida, por mais ínfimo que seja

Voce recebeu a vida; é seu dever (e também seu direito como ser humano) encontrar alguma coisa de belo nessa vida, por mais ínfimo que seja Voce recebeu a vida; é seu dever (e também seu direito como ser humano) encontrar alguma coisa de belo nessa vida, por mais ínfimo que seja Decidindo prosseguir, O Mago experimenta a extroversão das conquistas

Leia mais

1875 1900 Infância e juventude de Jung

1875 1900 Infância e juventude de Jung usuario: usuario: Hospital Hospital burghölzli burghölzli 1 --1900/1905 1900/1905 1875 1900 Infância e juventude de Jung 1875 Nasce em 26 de julho, em Kesawill, na Suíça, filho do Pastor Protestante Johann

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

DISCURSO DE FORMATURA

DISCURSO DE FORMATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DISCURSO DE FORMATURA Turmas 2014/2: Bacharelado e Licenciatura ORADOR: Prof. Francisco Eduardo Beckenkamp

Leia mais

Docente: Dr. Carlos Amadeu Botelho Byington. Reflexões sobre a aula 1 05.03.2015. Introdução do Curso

Docente: Dr. Carlos Amadeu Botelho Byington. Reflexões sobre a aula 1 05.03.2015. Introdução do Curso Instituto Sedes Sapientiæ Curso de Pedagogia Simbólica Junguiana 1º Ano Curso de Supervisão com Técnicas Expressivas 3º Ano Curso de Psicologia e Psicopatologia Simbólica Junguiana 6º Ano Docente: Dr.

Leia mais

Em 1980, iniciei com a Dra. Nise da Silveira a realização de

Em 1980, iniciei com a Dra. Nise da Silveira a realização de Cinema O mundo das imagens Luiz Carlos Mello Em 1980, iniciei com a Dra. Nise da Silveira a realização de quinze documentários que sintetizam as principais pesquisas realizadas por ela e seus colaboradores.

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

CIDADE, IMAGENS E POLIFONIAS: REVERBERAÇÕES URBANAS. Victor Tinoco Delgado - Mestrando em Psicologia PPGP/UFF Niterói/RJ. victor.tinoco@hotmail.

CIDADE, IMAGENS E POLIFONIAS: REVERBERAÇÕES URBANAS. Victor Tinoco Delgado - Mestrando em Psicologia PPGP/UFF Niterói/RJ. victor.tinoco@hotmail. CIDADE, IMAGENS E POLIFONIAS: REVERBERAÇÕES URBANAS Victor Tinoco Delgado - Mestrando em Psicologia PPGP/UFF Niterói/RJ. victor.tinoco@hotmail.com Roberto Novaes de Sá - Professor Associado do PPGP/UFF

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Mudança é a parte mais constante de nossa existência: nosso pâncreas substitui a maioria

Leia mais

Abram Eksterman. 26,27/Nov/2010

Abram Eksterman. 26,27/Nov/2010 Estudo Crítico dos Pontos de Mudança na Obra de Freud 26,27/Nov/2010 Amor e trabalho são os marcos do existir humano O ser humano tornou-se uma espécie de um deus protético. Quando ele utiliza todos os

Leia mais

CLÍNICA TRANSDISCIPLINAR: CORPO E SUBJETIVIDADE

CLÍNICA TRANSDISCIPLINAR: CORPO E SUBJETIVIDADE 1 CLÍNICA TRANSDISCIPLINAR: CORPO E SUBJETIVIDADE Anita Rink RESUMO A proposta deste trabalho é apresentar a Clínica Transdisciplinar como um sistema aberto e uma criação polifônica produtora de subjetividade.

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas e bolsista do Programa de Educação Tutorial PET/SESu MEC. catiusia_gabriel@yahoo.com.

Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas e bolsista do Programa de Educação Tutorial PET/SESu MEC. catiusia_gabriel@yahoo.com. UMA PROPOSTA ALTERNATIVA PARA ABORDAR A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL Catusia Gabriel 1 Aline Jaime Leal 2 Resumo: O desenvolvimento social e econômico vem promovendo uma modernização da sociedade e produzindo

Leia mais

Mandalas. A Busca do Equilíbrio

Mandalas. A Busca do Equilíbrio Mandalas A Busca do Equilíbrio Mandalas A Busca do Equilíbrio Maria Tereza Franchi 3 Índice O Interesse pelas Mandalas... 15 Tudo é Mandala... 20 As Mandalas da Natureza... 23 O Uso das Mandalas... 25

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 2015 Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 2015 Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 2015 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para a questão 1. TÔ COM FOME. POSSO FAZER

Leia mais

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES Silva. M. C, (Dra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia CEFET-PR/PPGTE e doutora pela FAU-USP) Magnabosco, M. (Mestrando do

Leia mais

Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo

Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo Sagrado Masculino O Sagrado Masculino há muito foi esquecido... Diante de um tempo em que a humanidade cultivou o medo, e criou verdadeiras muralhas

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1)

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1) Roteiro semanal 3º ano Matutino De 23 a 27 de fevereiro Colégio Guilherme Ramos. Goiânia, 23 de fevereiro de 2015. Professora: Nome: Turma: 3 ano Ensino Fundamental Segunda-feira 23/02/2015 Português no

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

PSICOSE E REENCARNAÇÃO

PSICOSE E REENCARNAÇÃO Matéria de capa 6 PSICOSE E REENCARNAÇÃO NESTA ENTREVISTA, O DR. MÁRIO SÉRGIO SILVEIRA, PSICOTERAPEUTA, EXPLICA COMO O ESPIRITISMO PODE ABRIR NOVAS PERSPECTIVAS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS MENTAIS Por Érika

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Intervenções terapêuticas

Intervenções terapêuticas Alexa B. Leirner A arte não reproduz o invisível, em vez disso, torna visível. (Paul Klee) 1 Objetivos Conhecer como a Gestalt Terapia aborda a intervenção terapêutica no trabalho com as imagens de arte.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Silvia Ivancko Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Sedes Sapientiae 1983- SP Mestre em Psicossomática- PUC-SP Especialista em Psicologia Hospitalar-

Silvia Ivancko Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Sedes Sapientiae 1983- SP Mestre em Psicossomática- PUC-SP Especialista em Psicologia Hospitalar- Silvia Ivancko Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Sedes Sapientiae 1983- SP Mestre em Psicossomática- PUC-SP Especialista em Psicologia Hospitalar- HC.-USP Especialista em Stress e Psiconeuroimunologia I.P.S.P.

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A Síndrome de Asperger, patologia do espectro do autismo, mantém preservada

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A ARTE DE EDUCAR E A ARTE NA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE A ARTE APLICADA AO ENSINO NUMA ESCOLA WALDORF RESUMO

A ARTE DE EDUCAR E A ARTE NA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE A ARTE APLICADA AO ENSINO NUMA ESCOLA WALDORF RESUMO A ARTE DE EDUCAR E A ARTE NA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE A ARTE APLICADA AO ENSINO NUMA ESCOLA WALDORF Profa. Dra. Rosely A. Romanelli Universidade do Estado de Mato Grosso Depto. de Letras Campus de Pontes

Leia mais

PORTUGUÊS FUNDAMENTAL

PORTUGUÊS FUNDAMENTAL PORTUGUÊS FUNDAMENTAL Responda a questão 01 com base no texto abaixo: O bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio, Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava:

Leia mais

Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti

Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti Resumo Este trabalho usa alguns fragmentos clínicos de acompanhamentos terapêuticos (AT) para falar sobre a importância de se ter um

Leia mais

Alguns comentários sobre o Conceito de Inconsciente na Psicanálise (1912) Sigmund Freud

Alguns comentários sobre o Conceito de Inconsciente na Psicanálise (1912) Sigmund Freud Alguns comentários sobre o Conceito de Inconsciente na Psicanálise (1912) Sigmund Freud Quero expor, em poucas palavras e do modo mais claro possível, que sentido deve ser atribuído, no campo da psicanálise,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 2.1 Jung (2014)

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 2.1 Jung (2014) NÚCLEO 2.1- ABORDAGEM JUNGUIANA: FUNDAMENTOS TEÓRICOS E INTERVENÇÃO. Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco Penna Heloisa Dias

Leia mais

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL Processos psíquicos envolvem duas áreas do processo psicológico, uma refere-se à cognição e a outra à dimensão afetivo-emocional. Ambas

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

30/8/2010 HARRY STACK SULLIVAN ESTRUTURA DA PERSONALIDADE PSIQUIATRIA PROCESSOS CAMPOS INTERATIVOS

30/8/2010 HARRY STACK SULLIVAN ESTRUTURA DA PERSONALIDADE PSIQUIATRIA PROCESSOS CAMPOS INTERATIVOS HARRY STACK SULLIVAN Profa. Marilene Zimmer Psicologia - FURG HARRY STACK SULLIVAN Nova York 21/2/1892 14/01/1949 1917 Diploma de Médico Chicago College of Medicine and Surgery Serviu forças armadas I

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Transtorno do Pânico e Fobias

Transtorno do Pânico e Fobias Transtorno do Pânico e Fobias Debate em 14/05/2011 http://grupo.gede.vilabol.com.br Objetivo Apresentar os processos que podem conduzir o espírito a vivenciar o transtorno do pânico e fobias. PONTOS A

Leia mais

O excesso da imagem e a questão do ouvir. A Era da Iconofagia. Erika Ventura Gross Nicolle Brandão Simão

O excesso da imagem e a questão do ouvir. A Era da Iconofagia. Erika Ventura Gross Nicolle Brandão Simão O excesso da imagem e a questão do ouvir. A Era da Iconofagia. Erika Ventura Gross Nicolle Brandão Simão A cultura do ouvir e a Sociedade da imagem Mundo da visualidade O valor do som é menor que o valor

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Abril, 2009. Clínica de Projetos

Abril, 2009. Clínica de Projetos Abril, 2009 Clínica de Projetos Apresentação O Programa Clínica de Projetos Dispositivos da Clínica Ampliada: - Tramando a Rede - Site - Interlocuções - Eventos Clínica de Projetos Clínica de Projetos

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca DURANTE OS TRABALHOS DA 8? CONFERÊNCIA

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia OBRA ANALISADA: O Coração Disparado 1978 GÊNERO Poesia AUTOR Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas BIBLIOGRAFIA Poesia Bagagem, Imago - 1975 O Coração Disparado, Nova

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA BERVIQUE, Profa. Dra. Janete de Aguirre Docente do Curso de Psicologia FASU / ACEG - Garça-SP Brasil e-mail: jaguirreb@uol.com.br 1. IDENTIDADE DA OBRA MAY, Rollo O homem à procura

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Auto desenvolvimento no passado e no presente

Auto desenvolvimento no passado e no presente Auto desenvolvimento no passado e no presente DESAFIOS AOS PAIS CONTEMPORÂNEOS parte 4 Ana Paula Cury Em tempos antigos, na infância da humanidade, o homem foi guiado, a princípio, diretamente por seres

Leia mais

A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis. Cybele Ramalho (PROFINT)

A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis. Cybele Ramalho (PROFINT) A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis Cybele Ramalho (PROFINT) Matriz de Identidade A matriz de identidade é o lugar onde a criança se insere desde o nascimento, relacionando-se com outros

Leia mais

Análise do filme: Waking Life

Análise do filme: Waking Life Trabalho realizado por e publicado nos Cadernos Junguianos No. 2 2006, Revista Anual da Associação Junguiana do Brasil, São Paulo, Ferrari-Editora e Artes Gráficas LTDA, São Paulo www.psicologiasandplay.com.br

Leia mais

Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca. Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários

Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca. Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários PARENTALIDADE : TORNAR-SE PAIS Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca (SBPSP - SBPRJ) Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários pontos de partida e várias reflexões. É

Leia mais

A INDIVIDUAÇÃO E A MORTE PRESENTE - LIGAÇÃO ENTRE JUNG E A TRADIÇÃO BUDISTA NICHIREN

A INDIVIDUAÇÃO E A MORTE PRESENTE - LIGAÇÃO ENTRE JUNG E A TRADIÇÃO BUDISTA NICHIREN Anais do V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade ISSN:2175-9685 Licenciado sob uma Licença Creative Commons A INDIVIDUAÇÃO E A MORTE PRESENTE - LIGAÇÃO ENTRE JUNG E A TRADIÇÃO BUDISTA

Leia mais

1ª PARTE: MÚLTIPLA ESCOLHA

1ª PARTE: MÚLTIPLA ESCOLHA 1ª PARTE: MÚLTIPLA ESCOLHA (Marque com um X a única opção que atende ao que é solicitado em cada questão.) TEXTO I GENTE É BICHO E BICHO É GENTE 01 Querido Diário, não tenho mais dúvida de que este mundo

Leia mais

Sandplay. inconsciente. Rose Campos é jornalista e escreve para esta publicação. 52 psique ciência&vida

Sandplay. inconsciente. Rose Campos é jornalista e escreve para esta publicação. 52 psique ciência&vida Sandplay Um a conexão com o inconsciente Rose Campos é jornalista e escreve para esta publicação 52 psique ciência&vida Por Rose Campos O Jogo de Areia se utiliza do lúdico para expressar de forma não

Leia mais

Musicalidade, self e personalidade *

Musicalidade, self e personalidade * Musicalidade, self e personalidade * Gregório Pereira de Queiroz 1 RESUMO A musicalidade pode ser um meio para reorganizar a relação entre personalidade e self, estimulando a manifestação deste em direção

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais