Os Conhecimentos de Transporte podem ser declarados na DIA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Conhecimentos de Transporte podem ser declarados na DIA?"

Transcrição

1 PERGUNTA RESPOSTA O que é período de referência da DIA? É o período em que as notas ingressaram no Amazonas, de acordo com o desembaraço efetuado junto à SEFAZ. Qual o prazo de entrega da DIA? Até o décimo quinto dia útil do mês seguinte ao período de referência. Qual o prazo de vencimento da DIA? Até quarenta e cinco dias após do mês de referência. O que significa homologação da MATRI-NAC? É a verificação, por parte do Fisco, da apresentação do arquivo MATRI-NAC, no leiaute definido pela legislação. Esta homologação não se constitui em ato definitivo, podendo a SEFAZ apurar eventuais diferenças, dentro do período decadencial. Quem está obrigado a entregar a DIA? Todas as empresas relacionadas nas resoluções n 008 e 39 de 2012 e aqueles Os Conhecimentos de Transporte podem ser declarados na DIA? As contribuições são geradas pela DIA? O que é fechamento da DIA-Mensal? Qual o tratamento que devemos adotar na MATR-NAC para os materiais que não possuem códigos no sistema do contribuinte? Quando ocorrer compras de produtos ou materiais novos, deveremos alterar a MATRI-NAC? Temos uma inscrição de corredor de importação que só recebe devoluções de mercadorias, neste caso é necessário declarar a MATRI-NAC? Gostaria de saber no caso de uma nota fiscal emitida para minha empresa, porém na inscrição errada, como devo informar essa nota na DIA-Mensal das duas inscrições? Para as notas fiscais que não constarem da relação da SEFAZ, e que serão incluídas na DIA-Mensal, como serão preenchidos os campos B03-numOrdemNota, B06-numItens, C02-numItemNFe e C07- valorbasecalculoitem, do leiaute da referida declaração? O que devo declarar na DIA quando for cobrada a alíquota cheia (17, 18 ou 19%) na origem? Como indústria incentivada, quais as principais situações encontradas na DIA? A obrigação da DIA começa a partir de Janeiro de 2013, já tenho que informar as notas do mês de Dezembro/2012 em Janeiro de 2013, ou devo declarar somente em Fevereiro de 2013 com as notas do mês de Janeiro/2013? Para a inscrição estadual sem movimento, existe a obrigação de entregar a DIA sem movimento? Como proceder? que optaram voluntariamente pelo regime. Por enquanto, não. A DIA deve ser utilizada para documentos eletrônicos, porém, com a implantação do CT-e iremos incluir brevemente estes documentos. Somente a partir do vencimento de abril de Ocorre quando a DIA-Mensal é processada sem erros. É possível atribuir um número genérico para determinado seguimento de produtos utilizados como Uso e Consumo ou Ativo, ou ainda, Ativo da Produção, porém os insumos deverão ter códigos individualizados. Não, todo produto novo será acrescentado automaticamente a MATRI-NAC através da informação constante na DIA-Mensal. Sim, a obrigatoriedade é para todas as inscrições, porém o contribuinte poderá optar por indicar a MATRI-NAC de outra inscrição como centralizadora, desde que sejam do mesmo CNPJ raiz. Na DIA-Mensal da inscrição onde consta a nota fiscal, deve ser informada no campo ReconheceNfe o carácter Z e na DIA- Mensal da inscrição estadual correta, inclua a nota fiscal não reconhecida. O sistema de processamento de declarações da DIA, não gerará erros, pois as inscrições possuem a mesma RAIZ de CNPJ (declarante). Os campos citados terão seu preenchimento como de praxe, por exemplo, caso sua DIA- Mensal possua 10 notas fiscais e o contribuinte incluir uma nova nota fiscal após a décima nota fiscal da declaração no campo B03 o valor a ser preenchido deverá ser 11 (onze). Nas operações interestaduais entre contribuintes, é direito da UF de destino o diferencial entre a alíquota interna e a interestadual, mesmo que o fornecedor destaque erroneamente na nota fiscal, o percentual integral do imposto. Temos a situação de Insumos classificados nos códigos N003 e N004, Ativos classificados nos códigos N015 e A011, e Uso e Consumo classificado no código A012. Os contribuintes obrigados a entrega da DIA a partir de Janeiro de 2013, devem declarar em Janeiro de 2013 as notas do mês de referência Dezembro de Não. Somente será necessário enviar a DIA-Mensal nos períodos em que houver movimento de entrada de notas fiscais.

2 Quando e onde posso efetuar o download do arquivo Notas Fiscais a Declarar? Os valores de base de cálculo dos itens da nota fiscal, presentes no arquivo xml Notas Fiscais a Declarar, não coincidem com os valores registrados no meu sistema. Qual a razão destas divergências? Enviei a minha DIA-Mensal, a mesma foi processada com alguns erros. Dentre eles o seguinte erro foi apresentado: CÓDIGO DE TRIBUTAÇÃO DIVERGE DO INFORMADO NA MATRI-NAC. Porque isso ocorreu? Como posso regularizar? A inscrição sem movimento é obrigado a enviar a MATRI-NAC? Minha empresa não consta na obrigatoriedade da DIA. Quais são os princípios para obrigatoriedade? No projeto DIA, portal da SEFAZ, existe a possibilidade de verificar os itens de nossa MATRI-NAC, quantidade de itens registrados e código de tributação registrado para o item atualmente? Minha empresa compra o um determinado produto destinado à comercialização, porém, algumas vezes ele é destinado ao consumo, como proceder? Minha empresa regularmente compra um determinado item que pode se apresentar no mesmo mês com dois códigos de tributação diferentes em notas fiscais distintas. Exemplo hipotético: A001 e S001. Qual o procedimento para solucionar os problemas de erros decorrentes dessa situação? Sempre a partir do 2 dia útil de cada mês, para os contribuintes que possuem movimentação (notas discais desembaraçadas) no mês anterior, o arquivo Notas Fiscais a Declarar é disponibilizado para download no link Download do Arquivo Mensal de Notas a Declarar. Os valores de base de cálculo constantes no arquivo Notas Fiscais a Declarar, são obtidos no arquivo xml da nota fiscal, porém, podem ocorrer divergências relacionadas a descontos aplicados aos produtos, porém informados em campo diverso. O contribuinte pode declarar os valores que possui em seus registros, obedecendo algumas regras, como: - Valores superiores ao informado estão livres de críticas; - Valores inferiores ao informado serão acumulados e verificados posteriormente. Todos os itens informados na DIA-Mensal do contribuinte são confrontados com sua MATRI-NAC. Caso o item com o referido código interno já exista, será realizada essa validação. Sim, mesmo sem movimento a inscrição está apta a ser destinatária de mercadorias de fora do estado do Amazonas. Alternativamente o contribuinte poderá utilizar a MATRI-NAC de outra inscrição estadual do mesmo CNPJ raiz, que será denominada de centralizadora. As empresas são obrigadas através de resoluções publicadas pela SEFAZ/AM, onde consta o CNPJ raiz das empresas. Os critérios básicos são pelo volume de notas recepcionadas no estado adicionado a algum outro critério particular de interesse da SEFAZ/AM. Qualquer contribuinte pode solicitar sua participação através de uma manifestação de interesse via mensagem eletrônica. No atendimento on line, existe uma opção onde o contribuinte pode fazer essa consulta, onde é apresentada uma listagem com os itens cadastrados em sua MATRI- NAC. Nestas situações, o sistema de análise da DIA está preparado para acatar algumas substituições de códigos, desde que consideradas compatíveis. Exemplificado, um produto de comercialização poderá ser informado como de uso e consumo, porém um produto com substituição tributária (S) NÃO poderá ser informado como normal (A). Sugerimos que especificamente nesses casos, o contribuinte deverá providenciar um segundo registro para o determinado item, através da declaração do mesmo com um código interno alterado para que o sistema de processamento da MATRI-NAC entenda que se trata de item NOVO. Dessa forma, haverá dois registros para o item com essa particularidade ambígua em suas declarações. Exemplo: Arroz Branco, código interno CB001, com código de tributação A001 ; Arroz Branco, código interno CB001x, com código interno de tributação A005. Quando do preenchimento da DIA-Mensal, o contribuinte deverá informar o código interno do produto de acordo com o código de tributação que se deseja aplicar.

3 Com relação ao campo (C08) valormultiplicador e (C09) valorimpostodeclarado onde posso obter os valores para realizar o respectivo preenchimento dos campos? Como devo proceder para incluir um registro novo em minha MATRI-NAC? Enviei minha DIA-Mensal e o sistema informa que há erro de numitemnfe em algumas notas de minha declaração. Porém, verifiquei que a quantidade de itens das notas criticadas coincide com a quantidade de itens informadas no arquivo Notas Fiscais a Declarar. Qual a razão desta ocorrência? Como devo proceder para alterar as informações da MATRI-NAC? Constam no arquivo de notas a declarar do mês passado algumas notas fiscais que somente foram registradas no livro de entradas neste mês, o que devo fazer? Constam no arquivo de notas a declarar do mês passado algumas notas fiscais que ainda não entraram no meu estoque, o que devo fazer? Como deve pagar o diferencial de alíquota, na DAM ou na DIA? O valor do campo (C08) valormultiplicador, deverá ser obtido junto a tabela de multiplicadores da DIA, verificando na linha do código de tributação aplicado com a coluna do percentual que deverá ser aplicado de acordo com a origem e destino do produto. Quanto ao campo (C09) valorimpostodeclarado, o contribuinte devera informar o resultado do cálculo da aplicação do percentual do campo C08 ao valor base de base de cálculo obtido no campo C07. A atualização da MATRI-NAC é efetuada através do processamento das Declarações Mensais. Quando o sistema de processamento de declarações da DIA identifica itens com código interno não presentes em sua MATRI-NAC, o mesmo realiza automaticamente a inclusão desse registro, utilizando para isso os dados relativos a código de tributação informados na presente DIA-Mensal. O campo numitemnfe, se refere a um registro existente em sua DIA-Mensal e no arquivo gerado pela SEFAZ/AM, Notas Fiscais a Declarar, que devem obrigatoriamente coincidir, pois o mesmo é utilizado como chave identificadora de cada item dentro da nota fiscal, o valor declarado nesse campos não é apenas um valor sequencial. Em muitos casos, notas com apenas um item podem conter neste campo o número 10, ou qualquer outro, e não obrigatoriamente o número 1. As alterações poderão ser efetuadas diretamente pelo site da SEFAZ, no on line, quando se tratarem de mudanças pontuais. Se a mudança ocorrer em razão de alteração da legislação, para um grande número de itens, poderá ser enviado um novo arquivo MATRI-NAC. A DIA considera apenas a data de desembaraço, portanto as datas de entrega ou de registro nos livros fiscais e contábeis são irrelevantes para DIA- Mensal. Desta forma, o contribuinte deve declarar todas as notas constantes do arquivo no mês de desembaraço. Neste caso, o declarante, deve apurar se a mercadoria é de sua propriedade e a entrega não foi realizada por outro motivo. Em caso positivo, a nota deve ser declarada normalmente, caso contrário, deverá ser rejeitada e a SEFAZ notificará o transportador a recolher o imposto devido. Para os contribuintes que apresentarem sem erros a DIA-Mensal, será gerado o débito relativo às notas fiscais informadas pela DIA. Nos demais casos o recolhimento será efetuado com base na DAM. Qual o formato do arquivo a ser enviado? Os arquivos devem ser enviados no formato XML Qual o requisito para poder baixar o É necessário que o declarante arquivo de notas a declarar e enviar o primeiramente envia a MATRI-NAC para ter arquivo DIA-Mensal. disponível os demais arquivos. O que devo declarar no arquivo MATRI-NAC? Os produtos ativos no estoque da empresa, ou seja, aqueles comprados Como devo declarar um produto que as vezes tem substituição tributária no fornecedor e outras não? O que é código geral? normalmente no mercado nacional. Deve ser declarado com o código mais frequente e quando ocorrer uma situação diversa, o código deve ser alterado apenas na DIA-Mensal. É um código de classificação de

4 mercadoria utilizado nacionalmente como a NCM ou o GTIN. Qual código geral devo usar? A codificação de referência que é utilizada pelo próprio contribuinte em seu estoque. Como devo escolher o código de Verificando a descrição existente na tributação? tabela de tributação disponibilizada pela SEFAZ na Internet e escolhendo o mais adequado às suas operações. Por que é necessária a certificação Porque é a garantia de que o declarante digital para acessar o sistema? tem ciência da informação prestada, vez que o seu processamento gerará débitos no conta corrente do declarante, que poderão ser cobrados administrativa e judicialmente. Quem gera o arquivo de notas a declarar? A SEFAZ. Quais notas fiscais compõe o arquivo de Apenas as notas fiscais que receberam Notas a Declarar? leitura através de Capa de Lote no período de referência, ou seja, desembaraçadas ou com desembaraço Por que a SEFAZ não gera o arquivo mensal com o código e a tributação existente na MATRI-NAC? Qual a relação entre os períodos de referência, de declaração e de vencimento? Quando e como obtenho esse arquivo? Como é possível retificar a DIA-Mensal? Por que a SEFAZ alterou minha declaração e está me cobrando o que não devo? Como será gerado o imposto a recolher? As advertências também impedem o fechamento da DIA-Mensal? Quando devo denegar uma nota fiscal? Se a mercadoria não entrar no meu estoque, posso denegar a nota? Mas na situação acima, vou pagar sem ter recebido a mercadoria? A base de cálculo é igual ao valor do item da nota fiscal? Como devo entregar o arquivo da DIA- Mensal? Onde consulto os valores a recolher? iniciado. Os códigos enviados no arquivo mensal são informados pelo fornecedor, são diferentes dos utilizados pelo destinatário. Por outro lado, as descrições informadas pelo emissor divergem da constante na MATRI-NAC, inviabilizando essa associação. O período de referência está relacionado com a entrada da mercadoria no Estado, ou seja, seu desembaraço. O período para declaração é o mês imediatamente posterior ao desembaraço. O vencimento ocorre de acordo com a legislação, ou seja, no mínimo 45 dias após o desembaraço. O arquivo será disponibilizado no sítio da SEFAZ, para download, até o segundo dia útil após encerramento de período de referência. Através do envio de nova DIA-Mensal, alterando as informações incorretas. A auditoria é realizada apenas na MATRI- NAC, o restante do processo é realizado sem interferência humana, impossibilitando mudança de código ou alteração de valores declarados. Após o fechamento da DIA-Mensal, os valores declarados, conforme o extrato de processamento, serão incluídos no conta corrente da empresa. Não, as advertências representam possível indício de irregularidade que serão objeto de verificação posterior. Apenas na situação em que o destinatário desconhece a operação e seus dados foram utilizados irregularmente. Apenas se o destinatário desconhece a operação, os demais motivos como falta de espaço ou por falta de programação da transportadora, não constituem justificativa para a denegação. Sim, pois a demora ocorre somente em razão da conveniência do destinatário ou transportador. Na maioria das vezes sim, porém, quando o fornecedor concede algum desconto incondicional em campo diverso do devido, pode ser necessário descontar o valor proporcional. Através de upload, disponível no link da DIA, no sítio da SEFAZ. Através do relatório consolidado de impostos, dentro do extrato de processamento, disponível no link da DIA, no sítio da SEFAZ.

5 Quantas retificações posso fazer? Posso retificar a DIA após o pagamento do imposto? Tantas quanto necessárias para sanear os erros existentes. Sim, porém se houve diferença a recolher, esta deverá sofrer as penalidades cabíveis.

Boletim Técnico. DIA Declaração Ingressos Amazonas. Procedimento para Implementação

Boletim Técnico. DIA Declaração Ingressos Amazonas. Procedimento para Implementação DIA Declaração Ingressos Amazonas Produto : TOTVS 11 Obrigações Fiscais (MOF) Chamado : THRDV3 Data da criação : 17/04/2014 Data da revisão : 13/05/14 País : Brasil Bancos de Dados : Progress/Oracle/SQL

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES EVENTOS DE MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO

PERGUNTAS FREQUENTES EVENTOS DE MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO PERGUNTAS FREQUENTES EVENTOS DE MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO 1. O que é um evento da Nota Fiscal Eletrônica NF-e? É qualquer fato relacionado com uma NF-e, normalmente ocorrido após a sua respectiva autorização

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Comprei mercadoria com NF-e denegada. Qual o procedimento para regularizar essa situação? Resposta: Preliminarmente, temos que esclarecer o que é uma NF-e Denegada:, A Denegação

Leia mais

GUIA RÁPIDO MANIFESTO DO DESTINATÁRIO

GUIA RÁPIDO MANIFESTO DO DESTINATÁRIO GUIA RÁPIDO MANIFESTO DO DESTINATÁRIO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

Rotina de Manifesto Destinatário Tramitador NF-e. Manual desenvolvido para Célula Nf-e Equipe Avanço Informática

Rotina de Manifesto Destinatário Tramitador NF-e. Manual desenvolvido para Célula Nf-e Equipe Avanço Informática Rotina de Manifesto Destinatário Tramitador NF-e Manual desenvolvido para Célula Nf-e Equipe Avanço Informática 1 Esclarecimentos sobre Manifestação do Destinatário 1. O que é a Manifestação do Destinatário?

Leia mais

Manual Manifestação de Destinatário pelo módulo Faturamento

Manual Manifestação de Destinatário pelo módulo Faturamento Manual Manifestação de Destinatário pelo módulo Faturamento Foi implementado no sistema Consisanet, recurso para que os clientes possam realizar a manifestação de notas fiscais de entrada emitidas para

Leia mais

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA Sistema JAD NOTA FISCAL ELETRÔNICA OBJETIVO: O objetivo deste WORKSHOP é apresentar a nova ferramenta do Sistema JAD, conforme o Ajuste Sinief 10 de 30/09/2011, que altera

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital. Institui o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped)

Sistema Público de Escrituração Digital. Institui o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) Escrituração Fiscal Digital Evolução 2003 2004 2005 2006 2007 Decreto nº 6.022-22/01/07 Institui o (Sped) Objetivo: promover a atuação integrada dos fiscos, mediante a padronização e racionalização das

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Novo Layout NF-e versão 310

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Novo Layout NF-e versão 310 Segmentos Novo Layout NF-e versão 310 24/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009 Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe Respostas Perguntas Frequentes versão 02/2009 I. Conceito, uso e obrigatoriedade da CTe 1. O que é o Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe? Podemos conceituar

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Denegação de NF-e por. Irregularidade Fiscal do Destinatário

Denegação de NF-e por. Irregularidade Fiscal do Destinatário Denegação de NF-e por Irregularidade Fiscal do Destinatário Denegação da Autorização de Uso da NF-e em Razão da Irregularidade Fiscal do Destinatário Junho de 2015 Vs 1.3 1 DO QUE SE TRATA? Trata-se da

Leia mais

G N R E CONSIDERAÇÕES INICIAIS

G N R E CONSIDERAÇÕES INICIAIS G N R E CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais GNRE é um documento para operações de vendas que são feitas para fora do estado de produção do produto, sujeitas à substituição

Leia mais

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 Manual para Emissão da Carta de Correção eletrônica (CT-e) Este Manual tem como finalidade a apresentação do procedimento operacional de uma Carta de Correção

Leia mais

Passo a Passo para Emissão da CC-E ( Carta de Correção do CTE )

Passo a Passo para Emissão da CC-E ( Carta de Correção do CTE ) Passo a Passo para Emissão da CC-E ( Carta de Correção do CTE ) Neste processo iremos utilizar o sistema Tecnocargas na versão WEB O que pode ser alterado em uma CC-e: Segue o modelo de um XML para melhor

Leia mais

Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e

Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e Sumário: 1. Orientações Gerais:... 3 1.1 Cadastros Básicos:... 3 1.2 Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe:... 3 1.3 Tela inicial:... 4 2. CT-e (Conhecimento

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG 06/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 8 5. Informações Complementares... 8 6. Referências...

Leia mais

Módulo NF-e. Manual de Utilização

Módulo NF-e. Manual de Utilização Módulo NF-e Manual de Utilização 1 Conteúdo Passo-a-passo para emissão de NF-e... 3 1. Obtendo seu Certificado Digital... 3 2. Registrando-se na Secretaria da Fazenda para Homologação (testes)... 4 3.

Leia mais

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo:

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: Não gere toda a movimentação de uma vez. O ideal e aconselhável

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014. Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional.

Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014. Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional. Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014 Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional. Solicitação de Opção pelo Simples Nacional Podem optar pelo Simples

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito

Leia mais

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e Este documento tem por objetivo orientar a etapa de Credenciamento para emissão de Nota Fiscal eletrônica (NF-e) por contribuintes paranaenses.

Leia mais

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade Nota Fiscal Eletrônica Helder da Silva Andrade 23/08/2010 SPED SUBSISTEMAS Escrituração Contábil Digital EFD ECD Escrituração Fiscal Digital Nota Fiscal Eletrônica CTe Conhecimento Transporte Eletrônico

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA. NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP

O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA. NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP 1. Certificado Digital - Antes de mais nada você precisa possuir um certificado digital

Leia mais

Manual Prático do MerchSintegra

Manual Prático do MerchSintegra Manual Prático do MerchSintegra Bento Gonçalves Setembro de 2010 Índice 1. Introdução... 3 2. O MerchSintegra... 4 2.1. Configurador... 4 2.2. Inconsistências... 16 2.2.1. Gerar Nota Entrada... 16 2.2.2.

Leia mais

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0 Manual de Operação Versão 2.0 Índice de Operações 1. Apresentação...2 2. Solicitação de Uso da NFS-e...3 3. Consultar Andamento da Solicitação de Uso...5 4. Emitindo a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica...5

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Página1 e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é MDF-e?... 03 2. Safeweb e-nota MDF-e... 04 3. Acesso e-nota

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Manual de Integração Web Service. Prefeitura de Ituiutaba/MG

Manual de Integração Web Service. Prefeitura de Ituiutaba/MG Manual de Integração Web Service Prefeitura de Ituiutaba/MG 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar as especificações e critérios técnicos necessários para utilização do Web Service disponibilizado

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e

Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e Versão 1.6 Abril/2011 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Requisitos... 3 Credenciamento... 4 Fase de Homologação... 5 o Fase de Testes... 5 o Fase de Emissão

Leia mais

Manual de Integração Web Service

Manual de Integração Web Service Manual de Integração Web Service Prefeitura de São Simão/MG 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar as especificações e critérios técnicos necessários para utilização do Web Service disponibilizado

Leia mais

Manual de Integração Web Service. Prefeitura Municipal de Valparaíso de Goiás/GO

Manual de Integração Web Service. Prefeitura Municipal de Valparaíso de Goiás/GO Manual de Integração Web Service Prefeitura Municipal de Valparaíso de Goiás/GO 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar as especificações e critérios técnicos necessários para utilização

Leia mais

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda Manual do Sistema para Apuração Simplificad plificada do Crédito Acumulado Versão 1.0.0.1 do Anexo I da Portaria CAT - 207, de 13-10-2009 Página 1 de

Leia mais

ELETRÔNICA FELLIPE M. GUERRA

ELETRÔNICA FELLIPE M. GUERRA 3ª GERAÇÃO - NOTA FISCAL ELETRÔNICA FELLIPE M. GUERRA ROTEIRO BREVE REVISÃO SOBRE NF-e - Conceito, características e modelo operacional. - Processamento da NF-e(autorização/denegação/rejeição). - Cancelamento

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007. Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação,

Leia mais

2ª VIA ELETRÔNICA DE NOTAS FISCAIS DE COMUNICAÇÃO E ENERGIA ELÉTRICA

2ª VIA ELETRÔNICA DE NOTAS FISCAIS DE COMUNICAÇÃO E ENERGIA ELÉTRICA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA Superintendência da Receita Unidade de Fiscalização UNIFIS 2ª VIA ELETRÔNICA DE NOTAS FISCAIS DE COMUNICAÇÃO E ENERGIA ELÉTRICA Envio através da internet Orientações

Leia mais

1. Instalação e Registro

1. Instalação e Registro 1. Instalação e Registro 1.1. Instalando o Controle de Transportadoras Para instalar o Controle de Transportadoras, acesse o site da Bsoft (www.bsoft.com.br), entre na seção de Downloads e baixe o instalador

Leia mais

DF-e Manager 2.6 Manual de integração manifestação do destinatário Fevereiro de 2016

DF-e Manager 2.6 Manual de integração manifestação do destinatário Fevereiro de 2016 DF-e Manager 2.6 Manual de integração manifestação do destinatário Fevereiro de 2016 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil Conteúdo 1. Introdução... 1 2. Conceitos da manifestação do destinatário...

Leia mais

SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS

SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS Sumário INTRODUÇÃO... 4 1. SEDIF-SN: QUESTÕES TÉCNICAS... 4 1.1. Como ler o nome identificador da declaração gerada pelo SEDIF_SN? Também como identificar se trata de uma

Leia mais

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011.

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. Regulamenta a Lei Municipal nº 1.874, de 11 de novembro de 2011, que instituiu a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) O Prefeito do Município de Campina Verde,

Leia mais

Orientações para preenchimento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Orientações para preenchimento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Orientações para preenchimento da Índice APRESENTAÇÃO...3 ENTENDENDO AS MUDANÇAS...4 1. NOTAS FISCAIS REFERENTES A PEDIDO DE COMPRA...5 2. NOTAS FISCAIS REFERENCIADAS...6 3. NOTAS FISCAIS COMPLEMENTARES...7

Leia mais

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Meus Caros, A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Fizemos esse manual no formato - perguntas e respostas- com o objeto de ajudá-lo na emissão de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D A NFS-e NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NOTA NATALENSE ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...4 1. Acesso ao Portal do Sistema...7

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada Modelo Operacional

Leia mais

Manual de Instruções. Programa para Baixar Arquivos XML XML CONQUER

Manual de Instruções. Programa para Baixar Arquivos XML XML CONQUER 1 Manual de Instruções Programa para Baixar Arquivos XML XML CONQUER Sumário Apresentação:... 2 Exigência para funcionalidade do software:... 3 Instalação:... 4 Utilização... 5 Menu NFE/CTE XML... 7 XML

Leia mais

(*) RESOLUÇÃO 13 DO SENADO FEDERAL (1ª versão 11.01.2013)

(*) RESOLUÇÃO 13 DO SENADO FEDERAL (1ª versão 11.01.2013) (*) RESOLUÇÃO 13 DO SENADO FEDERAL (1ª versão 11.01.2013) PERGUNTAS Se o conteúdo de importação for inferior a 40% é obrigatório o cadastro da FCI? RESPOSTAS Todo o contribuinte que, concomitantemente,

Leia mais

e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica

e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica Página1 e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica Manual do Usuário Produzido por Informática Educativa Página2 Índice Nota Fiscal eletrônica... 03 Safeweb e-nota C... 04 Documentos eletrônicos... 08

Leia mais

Programa Contag Consultoria e Escola de Negócios, representação da Nasajon Sistemas no Amapá

Programa Contag Consultoria e Escola de Negócios, representação da Nasajon Sistemas no Amapá Programa Contag Consultoria e Escola de Negócios, representação da Nasajon Sistemas no Amapá Instrutor: José Jeová Junior Contador, com formação nesta área pelo Instituto IOB de São Paulo Dinâmica das

Leia mais

Resolução do Senado 13/2012. Análise da Aplicação da norma e do cumprimento das obrigações acessórias

Resolução do Senado 13/2012. Análise da Aplicação da norma e do cumprimento das obrigações acessórias Resolução do Senado 13/2012 Análise da Aplicação da norma e do cumprimento das obrigações acessórias 1 Tributação do Consumo: A tributação do consumo no Brasil: Repartição de competências: Art. 155. Compete

Leia mais

Pág. 5 - GERAÇÃO DE GUIAS PARA RECOLHIMENTO DO ISS

Pág. 5 - GERAÇÃO DE GUIAS PARA RECOLHIMENTO DO ISS Manual prático Pág. 2 - EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA Pág. 5 - GERAÇÃO DE GUIAS PARA RECOLHIMENTO DO ISS Pág. 8 - ATRIBUIR UM CONTADOR A UMA EMPRESA Pág. 9 - VERIFICAR REGISTRO DE RPS Pág. 11 - TRANSMISSÃO

Leia mais

Além da digitação dos dados citados, o interessado deverá fazer o upload do arquivo com a Nota digitalizada no formato PDF, no mesmo ambiente.

Além da digitação dos dados citados, o interessado deverá fazer o upload do arquivo com a Nota digitalizada no formato PDF, no mesmo ambiente. Esclarecimentos iniciais: O desembaraço das Notas Fiscais modelo 1 ou 1A para as operações ainda autorizadas pelo Protocolo 42/09, descritas mais abaixo, deverão ser feitas com a inclusão dessa Nota na

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e DECRETO Nº 5.257, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. Publicado no DOE nº 10.993, de 22-02-2013. Institui a Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final - NFC-e e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

Manual Operacional Versão 2.2

Manual Operacional Versão 2.2 1 Manual Operacional Versão 2.2 2 SUMÁRIO 1) Assistente de configuração 4 2) Módulo Geral 9 2.1) Administradora 9 2.2) Empresa 9 2.3) Grupo de Empresa 12 2.4) Responsável 13 2.5) CEP 13 2.6) Configurações

Leia mais

ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012

ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 DRT-05 RESOLUÇÃO DO SENADO 13/2012 ABRANGÊNCIA Será de 4% a alíquota do ICMS nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior que, após

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO

MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO Apresentação A manifestação do destinatário da NF-e permite que ele se manifeste sobre sua participação comercial descrita na NF-e, confirmando as informações prestadas pelo seu fornecedor e emissor do

Leia mais

Manifestação do Destinatário da NF-e

Manifestação do Destinatário da NF-e Manifestação do Destinatário da NF-e DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Gustavo Aprovado em: Novembro de 2014. Nota de copyright Copyright 2014 Teorema Informática, Guarapuava.

Leia mais

SOLICITAR USUÁRIO E SENHA DE ACESSO GERAÇÃO DE GUIAS PARA RECOLHIMENTO DO ISS ATRIBUIR UM CONTADOR A UMA EMPRESA

SOLICITAR USUÁRIO E SENHA DE ACESSO GERAÇÃO DE GUIAS PARA RECOLHIMENTO DO ISS ATRIBUIR UM CONTADOR A UMA EMPRESA 1 Manual prático Pág. 2 Pág. 4 Pág. 9 Pág. 11 SOLICITAR USUÁRIO E SENHA DE ACESSO EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DECLARAÇÃO DE NOTA FISCAL RECEBIDA GERAÇÃO DE GUIAS PARA RECOLHIMENTO DO ISS IMPOSTO

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.1 12/11/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 23, 25, 30, 31, 34, 35, 37, 46, 47 e 48 Incluído: itens 14, 40, 41 e

Leia mais

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Este documento descreve o processo de credenciamento de contribuintes de ICMS estabelecidos no Estado de Minas Gerais como Emissores de Nota

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA SPED FISCAL REGRAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA SPED FISCAL REGRAS GERAIS Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Nota Técnica 2015/004. Divulga novas regras de validação e inclusão do fundo de combate à pobreza

Nota Técnica 2015/004. Divulga novas regras de validação e inclusão do fundo de combate à pobreza Projeto Conhecimento de Transporte Eletrônico Nota Técnica 2015/004 Divulga novas regras de validação e inclusão do fundo de combate à pobreza Novembro 2015 Pág. 1 / 6 1. Resumo Esta Nota Técnica divulga

Leia mais

- Nota Fiscal Eletrônica -

- Nota Fiscal Eletrônica - Manual Portal de Clientes e Transportadores - Nota Fiscal Eletrônica - ÍNDICE. INTRODUÇÃO 3. OBJETIVO 3.2 ABRANGÊNCIA 3 2. FUNCIONALIDADES 3 2. CADASTRO DE CLIENTES NO PORTAL 3 2.2 CONSULTA NOTAS FISCAIS

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual da Declaração Eletrônica de Serviços de Instituições Financeiras (DES-IF) Todos os dados e valores apresentados neste manual são ficticios. Qualquer dúvida consulte a legislação vigente. Página

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica 3.10. www.integrationsys.com Solução SEAFZ Atualização 3.10

Nota Fiscal Eletrônica 3.10. www.integrationsys.com Solução SEAFZ Atualização 3.10 Nota Fiscal Eletrônica 3.10 www.integrationsys.com Solução SEAFZ Atualização 3.10 Objetivo Atualmente o leiaute da NF-e está na versão 2.00 e a Nota Técnica nº 05/2013 tem o objetivo de divulgar: Funcionalidades

Leia mais

SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE

SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE O arquivo digital do Sistema de Escrituração Fiscal (SEF) deve ser declarado pelos contribuintes inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de Pernambuco CACEPE,

Leia mais

ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL

ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL Em 16/04/2015 foi publicada a Emenda Constitucional (EC) nº 87/2015, com o objetivo de equiparar as operações de vendas interestaduais

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aplicação da Resolução do Senado para NF-e de devolução

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aplicação da Resolução do Senado para NF-e de devolução Aplicação 07/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Analise da Legislação... 3 2.1. Nota Técnica 2013/06... 4 3. Processos Impactados... 5 4. Detalhamento dos Processos... 6 5. Conclusão...

Leia mais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais O sistema eletrônico de cruzamento de dados, denominado Gestão do Malha Fina foi instituído, no âmbito da Secretaria da Fazenda, considerando a necessidade

Leia mais

Portal de Fornecedores Não-Revenda

Portal de Fornecedores Não-Revenda Portal de Fornecedores Não-Revenda Emissão de Nota Fiscal e Criação de Espelho Consulte neste manual os procedimentos para emissão de Nota Fiscal para o Walmart e as atividades relativas à Criação do Espelho

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF 2012 Livros da Apuração do ICMS. (atualizado até 27/09/2013)

ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF 2012 Livros da Apuração do ICMS. (atualizado até 27/09/2013) ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF 2012 Livros da Apuração do ICMS (atualizado até 27/09/2013) 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...5 2. REQUISITOS GERAIS DA ESCRITURAÇÃO FISCAL...5 2.1 Fonte dos lançamentos...5 2.2 Tempestividade

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DO SISTEMA Versão 6.08 Introdução... 2 Requisitos para Utilização do Módulo NF-e... 2 Termo de Responsabilidade... 2 Certificados... 2 Criação de Séries... 2 Framework... 3 Teste de Comunicação...

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

CONTESTAÇÃO DA ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA

CONTESTAÇÃO DA ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA atualizado em 19/10/2015 acrescentados os itens 6.3 e 6.4 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...4 2. MODALIDADES DA CONTESTAÇÃO...5 3. PRAZOS PARA A CONTESTAÇÃO...5 4. REQUISITOS GERAIS PARA ACESSO AO SISTEMA e-fisco/cmt...7

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015 Dispõe sobre a emissão da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica - NFC-e (NF-e, modelo 65) e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

LIVRO ÚNICO DO REGULAMENTO DO IMPOSTO ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO 26.278 DE 17 DE JULHO DE 2009.

LIVRO ÚNICO DO REGULAMENTO DO IMPOSTO ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO 26.278 DE 17 DE JULHO DE 2009. LIVRO ÚNICO DO REGULAMENTO DO IMPOSTO ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO 26.278 DE 17 DE JULHO DE 2009. ÍNDICE SISTEMÁTICO DO REGULAMENTO DO ICMS DECRETO Nº 21.400, DE 10/12/2002 - QUE APROVOU O NOVO REGULAMENTO

Leia mais

SAD Gestor ERP. Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônicos. treinamento@worksoft.inf.br

SAD Gestor ERP. Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônicos. treinamento@worksoft.inf.br Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônicos treinamento@worksoft.inf.br Manifestação O permite que o destinatário obtenha informações resumidas sobre todas as notas emitidas para o seu CNPJ, em todo país,

Leia mais

Portaria CAT 102, de 10-10-2013

Portaria CAT 102, de 10-10-2013 Publicado no D.O.E. (SP) de 11/10/2013 Portaria CAT 102, de 10-10-2013 Dispõe sobre a emissão do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e, do Documento Auxiliar do Manifesto Eletrônico de Documentos

Leia mais

5. Web Services Informações Adicionais

5. Web Services Informações Adicionais 5. Web Services Informações Adicionais 5.1 Regras de validação As regras de validação aplicadas nos Web Service estão agrupadas da seguinte forma: Grupo Aplicação A Validação do Certificado Digital utilizada

Leia mais

30/08/2012 (Orientação) Nota fiscal gaúcha

30/08/2012 (Orientação) Nota fiscal gaúcha 30/08/2012 (Orientação) Nota fiscal gaúcha 1. Considerações 1.1. Relação de Versões Publicadas 2. Sobre a Nota Fiscal Gaúcha 2.1. O Programa Nota Fiscal Gaúcha 2.2. Benefícios 2.2.1. Às empresas 2.2.2.

Leia mais

Para facilitar o entendimento do processo de geração da DIRF 2010 nos Sistemas Cordilheira, a equipe de Suporte Técnico da EBS Sistemas

Para facilitar o entendimento do processo de geração da DIRF 2010 nos Sistemas Cordilheira, a equipe de Suporte Técnico da EBS Sistemas Para facilitar o entendimento do processo de geração da DIRF 2010 nos Sistemas Cordilheira, a equipe de Suporte Técnico da EBS Sistemas disponibilizou este pequeno manual que contém dicas importantes sobre

Leia mais

Cordilheira Escrita Fiscal 2.109A

Cordilheira Escrita Fiscal 2.109A LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais