AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ Área temática: Gestão Ambiental e Sustentabilidade Wlander Belém Martins Helton Luiz Santana Oliveira Pedro Vieira De Souza Junior Resumo: O presente trabalho trata da avaliação do nível de conforto acústico em ambiente construído do sistema de piso de apartamentos para fins residenciais, na fase pré-ocupação, isto é, anterior à sua ocupação definitiva, antes que elementos de mobiliário que modificam as características acústicas do ambiente sejam introduzidos em seu interior. Atualmente, face ao forte crescimento da ocupação imobiliária de grande parte das cidades brasileiras, este tema tem ganhado cada vez mais importância na vida urbana, o que se evidencia principalmente pelos registros de incômodos de habitantes desses apartamentos residenciais em relação ao ruído proveniente do pavimento superior. Dentre as possíveis razões para este fenômeno tem-se a redução das espessuras de piso e não adoção de soluções construtivas adequadas, seja por mero desconhecimento dos projetistas, seja por não exigência do futuro habitante, ou por simples adoção de estratégias equivocadas de racionalização e redução de custos pelo construtor sem a real consideração dos benefícios de médio e longo prazo de técnicas construtivas e materiais adequados. Este trabalho pretende com o emprego da metodologia do estudo de caso verificar em que medida um imóvel residencial construído segundo padrões clássicos distancia-se dos preceitos estabelecidos na NBR (ABNT, 2013), com relação ao desempenho acústico do sistema de piso de seus elementos construtivos em termos de segurança, habitabilidade e sustentabilidade. A pesquisa de campo deu-se num imóvel recentemente edificado em Niterói-RJ. A geração dos sinais sonoros padronizados empregados nos ensaios de campo foi efetuada com o emprego do equipamento Tapping Machine e com um Medidor de Nível de Pressão Sonora. Verificou-se com o trabalho que os valores encontrados para o nível de pressão padronizado estão dentro dos limites estabelecidos pela norma para o desempenho mínimo. Palavras-chaves: Desempenho acústico, Qualidade acústica, Sistema de Piso. 1

2 1. INTRODUÇÃO As empresas que atuam na construção civil hoje, em função das mudanças ocorridas nesses últimos anos, estão buscando alternativas para se tornarem mais competitivas. Diante desse quadro, elas estão buscando racionalizar os métodos, processos e sistemas construtivos empregado com o objetivo principal de diminuição dos custos. Essa racionalização construtiva leva a uma adequação tecnológica e de mudanças organizacionais dos processos tradicionais de construção (BARROS, 1998). Essas mudanças construtivas podem refletir em redução de espessuras de paredes e pisos resultando numa perda de desempenho e da qualidade acústica das edificações (REZENDE, 2014). Diversas fontes geram ruído nas edificações, tais como as aéreas e as estruturais. Podem-se considerar como aéreas: o som gerado por vozes, buzinas, tráfego urbano e, como estruturais: o impacto em pisos causados por quedas de objetos, móveis sendo arrastados no pavimento superior e os sistemas hidrossanitários, que são transmitidos através do próprio sistema de piso e dos elementos laterais ou paredes NBR (ABNT, 2013). 2.OBJETIVO O objetivo deste artigo é avaliar os índices estabelecidos pela norma de desempenho de edificações no Brasil, a NBR (ABNT, 2013), apresentado um estudo de caso através do ensaio de um sistema de piso de um imóvel residencial construído segundo padrões clássicos, e comparando com os critérios de classificação estabelecidos pela norma brasileira. 3.METODOLOGIA Os ensaios para coleta de dados foram realizados conforme as recomendações das normas ISO (ISO,1998), ISO (ISO,2013 e ISO (ISO,2004), cujo detalhamento é apresentado a seguir). 3.1 Medições de acordo com a ISO e ISO As medições dos níveis de pressão sonora foram realizadas utilizando filtros de bandas de oitava e, foi adotado o tempo de um minuto para a leitura dos níveis de pressão sonora. 2

3 Conforme NBR (ABNT, 2013), a metodologia de medição especificada nas normas ISO (ISO,1998) e ISO (ISO,2004) estão baseadas na emissão de ruído de impacto, através da utilização da Tapping Machine padronizada, instalada no recinto superior (emissor), e a medição do nível de pressão sonora em bandas de frequência sendo feita no recinto subjacente (receptor). Ao nível efetivamente medido se processa uma correção, segundo as condições acústicas do recinto receptor, obtido com o cálculo do tempo de reverberação, que proporcionam o Nível de Pressão Sonora de Impacto Padrão Ponderado (L nt,w ). Para o ensaio do ruído de impacto do piso foi posicionada a Tapping machine em 4 diferentes pontos, distribuídos no piso do pavimento superior (emissor), conforme norma ISO (ISO,1998). As medições do nível de ruído de impacto foram efetuadas, para cada posição da máquina, em 4 posições do equipamento de medição do nível de pressão sonora no ambiente inferior ao piso ensaiado (receptor), num total de 72 registros para cada ponto, sendo obtida a média para cada frequência em cada ponto. O equipamento de medição foi instalado em tripé a 1,2 m do piso, a uma distância mínima entre posições de 0,7 m e, entre paredes de 0,5 m. Figura 1. Esquema de medição de ruído de impacto utilizando a Tapping machine A determinação do nível de pressão sonora por impacto padronizado em cada frequência se dá pela fórmula abaixo: L nt = L i 10 Log ( T T 0 ) db (1) Onde: Li é o nível de pressão sonora no piso do ambiente que está sendo excitado pela Tapping Machine [db]; 3

4 T é tempo de reverberação (RT60) medido no piso do ambiente [s]; T 0 é o tempo de reverberação de referência (0,5s) [s]. Os tempos de reverberação utilizados no cálculo do nível de pressão sonora padronizado foram estimados conforme os materiais das superfícies absorventes do ambiente estudado e calculados segundo as médias de Sabine e Eyring. Foi também levado em consideração no cálculo o coeficiente de absorção sonora do ar, considerando a umidade da cidade de 60% e a temperatura de 25 C. 3.2 Medição de acordo com a ISO Após obtidos os L nt para cada frequência, é necessário transformá-los em um único valor de acordo com a ISO (ISO,2013). Para isso, a curva de L nt obtida na medição de campo deve ser ajustada à curva de valores de referência para ruído de impacto em bandas de oitava encontrada na ISO (ISO,2013). Através do ajuste, os desvios desfavoráveis são utilizados para que se encontre o número único. A soma dos desvios desfavoráveis, segundo a medição em bandas de oitava, é de 10 db. O ajuste que mais se aproximar deste somatório será utilizado para a obtenção do número único, que no caso se refere à frequência de 500Hz (PARMANEN, 1988). 3.3 Objetos de estudo Os ensaios experimentais utilizados neste trabalho referem-se à avaliação do desempenho do piso de um imóvel residencial construído segundo padrões clássicos, cujos sistemas construtivos são compostos por materiais usualmente utilizados na construção civil. Os ensaios foram realizados entre dois pavimentos, sendo ambas as situações, sala sobre sala. No quadro 1, estão descritas as características dos sistemas construtivos do imóvel. Constituição do Espessura Área do Volume de superfície do Pé direito do piso total piso [m 2 ] ambiente receptor [m 3 ] ambiente receptor [m] Cerâmico 16 cm com 88,4 43,2 2,5 contra piso Quadro 1. Características dos sistemas construtivos e cômodo ensaiado 4

5 3.4 Equipamentos Os equipamentos utilizados na realização das medições foram: Medidor de Nível de Pressão Sonora do fabricante Larson Davis, modelo 831; Calibrador de Nível de Pressão Sonora tipo 1 do fabricante Larson Davis; Tapping Machine do fabricante Look Line, modelo EM50; Foi feito uma medição de ruído de fundo no ambiente receptor em duas posições, para que, caso necessário, fossem efetuadas as correções necessárias nos níveis de ruído medidos no pavimento receptor. 4. ANÁLISE DE RESULTADOS 4.1 Cálculo do Tempo de Reverberação do Ambiente Receptor No cálculo das estimativas de tempo de reverberação levam-se em consideração as propriedades sono absorventes dos diferentes materiais construtivos empregados no ambiente receptor, que são apresentados na tabela 1, bem como seus parâmetros dimensionais característicos, mais especificamente: áreas das superfícies de absorção e o volume total do ambiente, que são apresentados na tabela 2. Segundo Beranek (2006) existem vários métodos que podem ser empregados para tais estimativas e, neste trabalho adotou-se uma média entre as estimativas pelo método de Sabine (equação 1) e o método de Eyring (equação 2), apresentadas respectivamente, a seguir: RT 60 = 0,161 V n i=1(s i α i )+(4 m V) [s] (2) RT 60 = 0,161 Onde: V n i=1[ S i ln(1 α i )]+(4 m V) [s] (3) V: Volume geométrico interno total do ambiente em estudo [m 3 ]; S i : Área plana da superfície de absorção sonora [m 2 ]; m: Coeficiente de absorção sonora pelo ar atmosférico interno do ambiente [m -1 ]; 5

6 α i : Coeficiente de absorção sonora do material de construção da superfície por banda de oitava [1]; RT 60 : Tempo de reverberação do ambiente em estudo [s] Tabela 1 - Coeficientes de Absorção Sonora dos materiais em Banda de Oitava - α [1]: Materiais de construção considerados Frequências em Bandas de Oitavas [Hz] Cerâmica (piso) 0,01 0,01 0,01 0,02 0,02 0,02 Madeira envernizada (porta) 0,05 0,05 0,03 0,03 0,03 0,03 Esquadria convencional de vidro 0,35 0,25 0,18 0,12 0,07 0,04 Bloco de concreto pintado (paredes) 0,10 0,05 0,06 0,07 0,09 0,08 Gesso em placas (teto) 0,02 0,02 0,03 0,03 0,05 0,05 Fonte: Carvalho, Tabela 2 - Absorção sonora das superfícies por bandas de Oitavas: Si.αi [m2] Componente de Superfície Frequências em Bandas de Oitavas [Hz] Área física de piso plano [m 2 ] 17,27 0,17 0,17 0,17 0,35 0,35 0,35 Área física de portas de madeira: 3x(2,1 x 0,7)+1x(2,10 x 0,8) [m 2 ] 6,09 0,30 0,30 0,18 0,18 0,18 0,18 Área física de porta de correr envidraçada: 1x(1,5 x 2,5) [m 2 ] 3,75 1,31 0,94 0,68 0,45 0,26 0,15 Área física de Paredes (descontadas as cavidades de portas e janelas) [m 2 ] 44,04 4,40 2,20 2,64 3,08 3,96 3,52 Área física de teto plano [m 2 ] 17,27 0,35 0,35 0,52 0,52 0,86 0,86 Área total de absorção sonora [m 2 ] 88,41 Volume geométrico interno total [m 3 ] 43,17 Absorção sonora pelas superfícies [m 2.Sabine] 6,54 3,96 4,19 4,58 5,62 5,06 Na tabela 3, são apresentados os coeficientes de absorção sonora do ar segundo Harris (1966), assim como são apresentados os valores da absorção pelo ar e a absorção total, que inclui as parcelas devidas às superfícies do ambiente construído e mais o ar que ocupa internamente este espaço. 6

7 Tabela 3 - Absorção sonora pelo ar e total em bandas de Oitavas. Frequências em Bandas de Oitavas [Hz] Coeficiente de absorção sonora pelo ar [m -1 ] 0,0000 0,0000 0,0000 0,0010 0,0022 UR=60% e T=25ºC Absorção sonora pelo ar [m 2.Sabine] 0,00 0,00 0,00 0,17 0,38 0,95 Absorção sonora total [m 2.Sabine] 6,54 3,96 4,19 4,41 5,24 4,11 Tabela 4 - Estimativas dos tempos de reverberação (RT60) por diferentes métodos e coeficiente de absorção médio (αmédio) por bandas de oitava. Frequências em Bandas de Oitavas [Hz] RT60_Calculado por Sabine [s] 1,06 1,75 1,66 1,58 1,33 1,69 Coeficiente de absorção sonora médio: α médio 0,07 0,05 0,05 0,05 0,06 0,06 RT60_Calculado por Eyring [s] 1,03 1,72 1,62 1,43 1,13 1,13 RT60_Médio (Sabine e Eyring) [s] 1,04 1,74 1,64 1,50 1,23 1,41 Logo, foram adotados para estimar os tempos de reverberação por bandas de oitavas do ambiente estudado valor médio apresentado na última linha da tabela 4, que são obtidos pelo cálculo das médias entre a estimativa segundo o método de Sabine e a estimativa segundo o método de Eyring. Tabela 5 - Posição 1 da Tapping machine no ambiente emissor f [Hz] TR [s] Curva Std L' nt [db] Delta Parcelas Std Deslocada Delta Parcelas Patamar 125 1, ,7-30,3 0 75,09-19, , , ,8-24,2 0 75,09-13, , , ,4-19,6 0 73,09-8, , , ,4-17,6 0 70,09-6, , ,1-0,9 0 57,09 10,00 10,0 Deslocar -10,9 0,0 10,0 Ok 7

8 Nível de Pressão Sonora, NPS [db] Bandas de Oitava, f [Hz] Figura 2. Gráfico para obtenção do valor único em 500 Hz Valor único= 73,9 db CLASSIFICAÇÃO ISO CLASSIFICAÇÃO NBR L nt,w = 73,9 Nível de Desempenho Mínimo Quadro 2. Classificação do nível de desempenho na posição 1 Tabela 3. Posição 2 da Tapping machine no ambiente emissor f [Hz] TR [s] Curva Std L' nt [db] Delta Parcelas Std Deslocada Delta Parcelas Patamar 125 1, ,0-31,0 0 77,22-22, , , ,8-25,2 0 77,22-16, , , ,4-18,6 0 75,22-9, , , ,8-16,2 0 72,22-7, , ,2 1,2 1,2 59,22 10,00 10,0 Deslocar -8,8 1,2 10,0 Ok 8

9 Nível de Pressão Sonora, NPS [db] Nível de Pressão Sonora, NPS [db] Bandas de Oitava, f [Hz] Figura 3. Gráfico para obtenção do valor único em 500Hz Valor único= 75,2 db CLASSIFICAÇÃO ISO CLASSIFICAÇÃO NBR L nt,w = 75,2 Nível de Desempenho Mínimo Quadro 3. Classificação do nível de desempenho na posição 2 Tabela 4. Posição 3 da Tapping machine no ambiente emissor f [Hz] TR [s] Curva Std L' nt [db] Delta Parcelas Std Deslocada Delta Parcelas Patamar 125 1, ,2-30,8 0 71,92-16, , , ,5-25,5 0 71,92-11, , , ,6-21,4 0 69,92-7, , , ,0-19,0 0 66,92-4, , ,9-4,1 0,00 53,92 10,00 10,0 Deslocar -14,0 0,0 10,0 Ok Bandas de Oitava, f [Hz] 9

10 Nível de Pressão Sonora, NPS [db] Figura 4. Gráfico para obtenção do valor único em 500Hz Valor único= 69,9 db CLASSIFICAÇÃO ISO CLASSIFICAÇÃO NBR L nt,w = 69,9 Nível de Desempenho Mínimo Quadro 4. Classificação do nível de desempenho na posição 3 Tabela 5. Posição 4 da Tapping machine no ambiente emissor f [Hz] TR [s] Curva Std L' nt [db] Delta Parcelas Std Deslocada Delta Parcelas Patamar 125 1, ,9-35,1 0 72,72-21, , , ,9-26,1 0 72,72-12, , , ,7-23,3 0 70,72-10, , , ,9-18,1 0 67,72-4, , ,7-3,3 0,0 54,72 10,00 10,0 Deslocar 0,0 10,0-10,9 Ok Bandas de Oitava, f [Hz] Figura 5. Gráfico para obtenção do valor único em 500Hz Valor único= 70,7 db CLASSIFICAÇÃO ISO CLASSIFICAÇÃO NBR L nt,w = 70,7 Nível de Desempenho Mínimo Quadro 5. Classificação do nível de desempenho na posição 4 5. CONCLUSÕES Através dos resultados obtidos nos ensaios experimentais, foi possível avaliar os critérios estabelecidos pela norma brasileira ABNT NBR (ABNT, 2013). 10

11 Quanto ao desempenho acústico para isolamento de impacto do sistema de pisos deste imóvel residencial em Niterói, RJ, e levando-se em consideração que na construção do prédio não foram levadas em conta os requisitos da Norma (ABNT, 2013), pode-se observar que para o sistema construtivo, os valores encontrados para o L nt,w estão dentro dos limites estabelecidos pela norma brasileira para o Desempenho Mínimo que é no intervalo de até 80 db. Segundo a ABNT (2013), o requisito Mínimo para isolamento de ruído de impacto entre unidades é reconhecidamente insuficiente para prover o desejável conforto aos usuários. Portanto, recomenda-se, sempre que possível, o desempenho Intermediário ou Superior, seja pela aplicação de contrapisos flutuantes ou por sistemas de lajes mais robustos. Espera-se que a publicação da Norma de Desempenho ABNT NBR ocorrida em julho de 2013 promova uma mudança de atitude pelas empresas de construção civil, pois a partir de agora os consumidores de imóveis poderão exigir das construtoras os requisitos mínimos de desempenho ao logo da vida da unidade habitacional. Caso não sejam atendidos, poderão exigir, amparados na norma técnica, o cumprimento dos requisitos de desempenho acústico. Uma mudança de paradigma é esperada a partir da publicação da norma, pois será necessária uma nova metodologia de projeto que exigirá um nível de conhecimento maior por parte dos construtores que o atual, principalmente quanto aos requisitos relacionadas ao desempenho acústico. 11

12 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT), NBR : Edificações habitacionais Desempenho. BARROS, M. M. S. B. Racionalização dos métodos, processos e sistemas construtivos. Comissão de Pesquisa do Departamento de Construção Civil. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo, BERANEK, L. L. Analysis of Sabine and Eyring equations and their application to concert hall audience and chair absorption. The Journal of the Acoustical Society of America, v. 120, n. 3, p , BISTAFA, S. R. Acústica aplicada ao controle do ruído. São Paulo: Edgard Blucher, CARVALHO, R.P. Acústica Arquitetônica. 2. Ed. Brasília: Thesaurus, FERRAZ, R., Atenuação de Ruído de Impacto em Pisos de Edificações de Pavimentos Múltiplos. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Estruturas) Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Estruturas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. HARRIS, C. M. Absorption of sound in air versus humidity and temperature. The Journal of the Acoustical Society of America, v. 40, n. 1, p , INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO), ISO 140-7: Acoustics: Measurement in of sound in buildings and of building elements. Part 7: Field measurements of impact sound insulation of floors. Genève, Switzerland ISO 717-2: Acoustics: Rating of sound insulation in buildings and of building elements. Genève, Switzerland ISO 10052: Acoustics: Field measurements of airborne and impact sound insulation and of service equipament sound Survey method. Genève, Switzerland. PERMANEN J. Principles of Constructing a short test method for impact sound insulation measurements Technical Research Centre of Finland, Laboratory of Heating and Ventilation, SF Espoo, Finland, REZENDE, J.B. de, RODRIGUES, F. C., VECCI, M. A. M. Uma análise de critérios de desempenho acústico para sistemas de piso em edificações. Juiz de Fora, MG, maio p

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Quimicryl S/A. Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP

Quimicryl S/A. Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP Quimicryl S/A Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP Avaliação Normalizada para ensaio de campo do isolamento ao som de impacto em pisos Relatório nº 16-761-EIM-E1 Este relatório

Leia mais

Tabela 1 Identificação das amostras ensaiadas. Espessura (mm) 01 Manta PISO EBIOS AM A 10 Referência Laje+contrapiso+porcelanato 170

Tabela 1 Identificação das amostras ensaiadas. Espessura (mm) 01 Manta PISO EBIOS AM A 10 Referência Laje+contrapiso+porcelanato 170 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 32208461 Lab. Acústica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES Rodrigo Barcelos Pinto 1 ; Erasmo Felipe Vergara 2 ; Dinara Xavier da Paixão 3. (1) Universidade Federal

Leia mais

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS: UNISINOS INSTITUTO TECNOLÓGICO EM DESEMPENHO E CONSTRUÇÃO CIVIL NORMA DE DESEMPENHO E OS SISTEMAS VERTICAIS DE VEDAÇÃO DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Prof. Dr. Bernardo

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

ESTUDO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE LAJES E PISOS SUBMETIDOS A RUIDO DE IMPACTO

ESTUDO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE LAJES E PISOS SUBMETIDOS A RUIDO DE IMPACTO ESTUDO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE LAJES E PISOS SUBMETIDOS A RUIDO DE IMPACTO Jorge.Luiz Pizzutti dos Santos, Eng Civil, PhD Dinara Xavier da Paixão, Eng Civil, Esp. Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚSTICO EM EDIFICAÇÕES DO NORDESTE BRASILEIRO RESULTADOS DE ESTUDOS DE CASOS

PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚSTICO EM EDIFICAÇÕES DO NORDESTE BRASILEIRO RESULTADOS DE ESTUDOS DE CASOS PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚTICO EM EDIFICAÇÕE DO NORDETE BRAILEIRO REULTADO DE ETUDO DE CAO Otávio Joaquim da ilva Júnior 1*, Angelo Just da Costa e ilva 2 1: TECOMAT Tecnologia da Construção e Materiais

Leia mais

Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade

Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade Buenos Aires 5 to 9 September 2016 Acoustics for the 21 st Century PROCEEDINGS of the 22 nd International Congress on Acoustics Architectural Acoustics Room and Building Acoustics: FIA2016-93 Case study

Leia mais

Palavras-chave: Isolamento sonoro. Parede em light steel frame. Banda acústica. Barra resiliente. Índice de redução sonora ponderado (Rw).

Palavras-chave: Isolamento sonoro. Parede em light steel frame. Banda acústica. Barra resiliente. Índice de redução sonora ponderado (Rw). ISSN 1678-1740 http://ulbratorres.com.br/revista/ Torres,Vol. I - Novembro, 2016 Submetido em: Jul/Ago/Set, 2016 Aceito em: Out/2016 BANDA ACÚSTICA FIXADA EM GUIAS E MONTANTES PROMOVE AUMENTO DO ISOLAMENTO

Leia mais

Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE

Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE Pavimentos e revestimentos de pavimentos, isolamento a sons de percussão ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 1 2 TERMINOLOGIA... 2 2.1 Considerações gerais... 2 2.2 Definições... 2 2.2.1 Índice de isolamento sonoro,

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque PISO / PAREDE 1 Parte 01: Requisitos Gerais; Parte 02: Requisitos para os sistemas estruturais; Parte 03: Requisitos para os sistemas de pisos; Parte 04: Requisitos para os sistemas de vedações verticais

Leia mais

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo PÁGINA 01/05 TÍTULO : Ensaios Avaliação Sonora. INTERESSADO : Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo REFERÊNCIA : N/D NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica Manual ProAcústica sobre a Norma de Desempenho Guia prático sobre cada uma das partes relacionadas à área de acústica nas edificações da Norma ABNT NBR 15575:2013 Edificações habitacionais - Desempenho

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica Manual ProAcústica sobre a Norma de Desempenho Guia prático sobre cada uma das partes relacionadas à área de acústica nas edificações da Norma ABNT NBR 15575:2013 Edificações habitacionais - Desempenho

Leia mais

TRANSMISSÃO DO SOM TRANSMISSÃO DO SOM TRANSMISSÃO DO SOM 1º MODO DE VIBRAÇÃO ESTRUTURAL ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA DE ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO

TRANSMISSÃO DO SOM TRANSMISSÃO DO SOM TRANSMISSÃO DO SOM 1º MODO DE VIBRAÇÃO ESTRUTURAL ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA DE ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO A transmissão do som entre locais pode efectuar-se: por via aérea: quando a vibração do elemento é provocada pelo campo sonoro criado pela fonte no ar; por percussão: quando a vibração do elemento é provocada

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

Intervenients in floating floors execution process and its reflects on acoustic performance

Intervenients in floating floors execution process and its reflects on acoustic performance Buenos Aires 5 to 9 September 2016 Acoustics for the 21 st Century PROCEEDINGS of the 22 nd International Congress on Acoustics Architectural Acoustics - Room and Building Acoustics: FIA2016-51 Intervenients

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING DESEMPENHO ACÚSTICO DE SISTEMAS DE PISOS EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS PACS:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

PENSANDO BLOCOS E TIJOLOS COMO VEDAÇÕES VERTICAIS

PENSANDO BLOCOS E TIJOLOS COMO VEDAÇÕES VERTICAIS PENSANDO BLOCOS E TIJOLOS COMO VEDAÇÕES VERTICAIS ABNT NBR 15270-1:2005 - BLOCOS CERAMICOS PARA ALVENARIA DE VEDACÃO - TERMINOLOGIA E REQUISITOS ABNT NBR 15270-2:2005 - BLOCOS CERAMICOS PARA ALVENARIA

Leia mais

PROPOSTA DE CORREÇÃO ACÚSTICA DO AUDITÓRIO CENTRAL DO CAMPUS PALMAS DO IFTO 1

PROPOSTA DE CORREÇÃO ACÚSTICA DO AUDITÓRIO CENTRAL DO CAMPUS PALMAS DO IFTO 1 PROPOSTA DE CORREÇÃO ACÚSTICA DO AUDITÓRIO CENTRAL DO CAMPUS PALMAS DO IFTO 1 Liliane Flávia Guimarães da Silva 2 1 Pesquisa da autora 2 Graduada em Arquitetura e Urbanismo, Mestre em Desenvolvimento e

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA Placas de LecaMIX MAXIT, Préfabricação em Betão Leve S.A. Albergaria-a-Velha Dezembro de 2004 praceta da rua da república, nº 17, 2º dto. alagoas. 3810-160

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Architectural Acoustics - Room and Building Acoustics: FIA2016-38 Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Josiane Reschke Pires (a), Sérgio Klippel

Leia mais

NBR NBR

NBR NBR NBR 10.821 A NBR 10.821:2011 é a norma técnica que estabelece os requisitos de desempenho de esquadrias para edificações. Se uma esquadria que não atende a essa norma técnica é escolhida para uma determinada

Leia mais

Legislação e Normas Técnicas

Legislação e Normas Técnicas Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Ruído, Legislação e Normas Técnicas Alessandra

Leia mais

Evaluation of the acoustic performance of systems of walls and floors for verifying compliance with standard

Evaluation of the acoustic performance of systems of walls and floors for verifying compliance with standard Buenos Aires 5 to 9 September 2016 Acoustics for the 21 st Century PROCEEDINGS of the 22 nd International Congress on Acoustics Architectural Acoustics Room and Building Acoustics: FIA2016-56 Evaluation

Leia mais

LAJE NERVURADA: ANÁLISE DA PERFORMANCE ACÚSTICA PARA RUÍDO DE IMPACTO.

LAJE NERVURADA: ANÁLISE DA PERFORMANCE ACÚSTICA PARA RUÍDO DE IMPACTO. LAJE NERVURADA: ANÁLISE DA PERFORMANCE ACÚSTICA PARA RUÍDO DE IMPACTO. Daniel Pereyron, Arq. e Urbanista; Jorge Luiz Pizzutti dos Santos, Eng. Civil, PhD. Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Centro

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

ANALISE EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE RUÍDO DE IMPACTO EM DIFERENTES TIPOLOGIAS DE LAJES

ANALISE EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE RUÍDO DE IMPACTO EM DIFERENTES TIPOLOGIAS DE LAJES ANALISE EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE RUÍDO DE IMPACTO EM DIFERENTES TIPOLOGIAS DE LAJES Mariane Raichaski Silvano (1); Alexandre Vargas (2); Patrícia Allem (3) UNESC Universidade do Extremo Sul

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS VECCI, M.A. (1); FERRAZ, R.M. (2); HORTA, F.C. (3) (1) Departamento de Engenharia de Estruturas Universidade Federal

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

Análise comparativa do isolamento do ruído aéreo entre diferentes painéis de vedação utilizados no Brasil

Análise comparativa do isolamento do ruído aéreo entre diferentes painéis de vedação utilizados no Brasil paper ID: 087 /p.1 Análise comparativa do isolamento do ruído aéreo entre diferentes painéis de vedação utilizados no Brasil GARCIA, Danielly Borges a, VECCI, Marco A.M. b a Curso de Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS

PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS Aplicação da Normalização Europeia e de Marcação CE à Caixilharia Exterior 16 de Setembro de 2009 Eng.ª Odete Domingues PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS ANÁLISE GERAL Local de implantação Conforto

Leia mais

Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra

Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra ESTUDO DA QUALIDADE ACÚSTICA EM AUDITÓRIOS MARCO A. OLIVEIRA 1, SANDRA M. SILVA 2,TANIA C. FORTES 3, LUIS M. BRAGANÇA 4 1: Escola de Engenharia da

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Fábio MAUBER (1); Vinícius SOBRAL (2); Homero CARVALHO (3); Coordenação de Design de Interiores/IFPB (1) IFPB, e-mail: fbmauber@hotmail.com

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO SEGUNDO A NOVA NORMA NBR 15575: ANÁLISE DE VEDAÇÕES VERTICAIS DE EDIFÍCIO ALTO

DESEMPENHO ACÚSTICO SEGUNDO A NOVA NORMA NBR 15575: ANÁLISE DE VEDAÇÕES VERTICAIS DE EDIFÍCIO ALTO DEEMPENHO ACÚTICO EGUNDO A NOVA NORMA NBR 15575: ANÁLIE DE VEDAÇÕE VERTICAI DE EDIFÍCIO ALTO Otávio Júnior (1); Rego ilva (2) (1) Engenheiro Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO SEGUNDO A NOVA NORMA NBR 15575: ANÁLISE DE VEDAÇÕES HORIZONTAIS DE EDIFÍCIO ALTO

DESEMPENHO ACÚSTICO SEGUNDO A NOVA NORMA NBR 15575: ANÁLISE DE VEDAÇÕES HORIZONTAIS DE EDIFÍCIO ALTO DEEMPENHO ACÚTICO EGUNDO A NOVA NORMA NBR 15575: ANÁLIE DE VEDAÇÕE HORIZONTAI DE EDIFÍCIO ALTO Otávio Júnior (1); Rego ilva (2) (1) Engenheiro Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DOS COEFICIENTES DE ABSORÇÃO SONORA DO AR E DA MASSA DE ÁGUA EM FUNÇÃO DA UMIDADE RELATIVA PARA AMBIENTES ÚMIDOS

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DOS COEFICIENTES DE ABSORÇÃO SONORA DO AR E DA MASSA DE ÁGUA EM FUNÇÃO DA UMIDADE RELATIVA PARA AMBIENTES ÚMIDOS PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DOS COEFICIENTES DE ABSORÇÃO SONORA DO AR E DA MASSA DE ÁGUA EM FUNÇÃO DA UMIDADE RELATIVA PARA AMBIENTES ÚMIDOS Thaise Moser Teixeira 1 Caroline Salgueiro da Purificação Marques

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE DESEMPENHO ACÚSTICO, DE SISTEMA DE VEDAÇÃO VERTICAIL (SVV) E SISTEMA DE PISO (SP)

ESTUDO DE CASO DE DESEMPENHO ACÚSTICO, DE SISTEMA DE VEDAÇÃO VERTICAIL (SVV) E SISTEMA DE PISO (SP) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO DE CASO DE DESEMPENHO ACÚSTICO, DE SISTEMA DE VEDAÇÃO VERTICAIL (SVV) E SISTEMA DE PISO (SP) TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

LINHA OPTIMA 4+ Tratamento térmico e acústico de ambientes

LINHA OPTIMA 4+ Tratamento térmico e acústico de ambientes LINHA OPTIMA 4 Tratamento térmico e acústico de ambientes LINHA OPTIMA A LINHA OPTIMA 4 é composta por painéis e feltros em uma nova geração de lã de vidro. Sua cor remete ao tom natural da terra e reforça

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Transmissão Sonora e Acústica de Edificações

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS INTERLABORATORIAIS

PROGRAMA DE ENSAIOS INTERLABORATORIAIS Ref INT01/12V.01 20/08/2012 Pág. 1 PROGRAMA DE ENSAIOS INTERLABORATORIAIS 2012 LABORATÓRIOS DE CAMPO PARA ACÚSTICA EM EDIFICAÇÕES Ref INT01/12V.01 20/08/2012 Pág. 2 1. INTRODUÇÃO A norma ABNT NBR 15.575

Leia mais

IMPACTE DO NOVO DL 96/2008 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL

IMPACTE DO NOVO DL 96/2008 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL Acústica 28 2-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra IMPACTE DO NOVO DL 96/28 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL Clotilde A. Lages 1, Rodrigo A. Tomaz 1, Luís Conde Santos

Leia mais

ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP

ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP Relatório DCT.C.15.003.2006-R1 MAIO/2008 ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DEPARTAMENTO

Leia mais

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Enga. Célia Maria Martins Neves cneves@superig.com.br DESEMPENHO 1 70 80 90 materiais tradicionais mdo treinada no canteiro desafios localizados

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RODRIGO SCOCZYNSKI RIBEIRO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RODRIGO SCOCZYNSKI RIBEIRO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RODRIGO SCOCZYNSKI RIBEIRO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE UM SISTEMA DE CONSTRUÇÃO MODULAR: ESTUDO DE CASO

Leia mais

Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP

Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP Laudo Técnico Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho realiza-se em cumprimento ao requisito determinado

Leia mais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto - Lei 96/2008 de 1 Julho 1 Objectivos Principais Estabelecer um conjunto de critérios de desempenho exigências que potenciem condições de conforto

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

PANORAMA DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFICAÇÕES: RESULTADOS DE TESTES DE ISOLAMENTO SONORO EM CAMPO 1

PANORAMA DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFICAÇÕES: RESULTADOS DE TESTES DE ISOLAMENTO SONORO EM CAMPO 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 PANORAMA DO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFICAÇÕES:

Leia mais

Mais conforto, menos impacto. Mantas Acústicas Pisos Ecológicos

Mais conforto, menos impacto. Mantas Acústicas Pisos Ecológicos Mais conforto, menos impacto. Mantas Acústicas Pisos Ecológicos SOBRE A AUBICON Somos uma empresa brasileira, com escritório na cidade de São Paulo, que atende a todo o Mercosul com produtos destinados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PATOLOGIA NAS OBRAS CIVIS

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PATOLOGIA NAS OBRAS CIVIS UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PATOLOGIA NAS OBRAS CIVIS LEONEL DE OLIVEIRA GUARNIERI ANÁLISE DO ISOLAMENTO AO RUÍDO

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

ISOLAMENTO SONORO DE PAREDE EM LIGHT STEEL PLACAS CIMENTÍCIAS VS. ISOLAMENTO SONORO DE PAREDES CONVENCIONAIS

ISOLAMENTO SONORO DE PAREDE EM LIGHT STEEL PLACAS CIMENTÍCIAS VS. ISOLAMENTO SONORO DE PAREDES CONVENCIONAIS XIII Encontro Nacional e IX Encontro Latino-americano de Conforto no Ambiente Construído ISOLAMENTO SONORO DE PAREDE EM LIGHT STEEL FRAME COM PLACAS CIMENTÍCIAS VS. ISOLAMENTO SONORO DE PAREDES CONVENCIONAIS

Leia mais

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 ABNT NBR 10821 Esquadrias externas para edificações ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 Parte 4 Requisitos de desempenhos

Leia mais

NBR 10151/00 Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade

NBR 10151/00 Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade http://smmaspbh.vilabol.uol.com.br/10151.htm NBR 10151/00 Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade JUN 2000 NBR 10151 Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS.

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. Prof. Msc. Lucas C. Azevedo Pereira ALTAMIRA/PA 04 de novembro de 2016 A ACÚSTICA é a ciência do som, incluindo sua produção, transmissão e efeitos.

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA REDUÇÃO SONORA DE REVESTIMENTOS DE PISO E DE

Leia mais

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013.

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. Ensaios de Desempenho. Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. CONCREMAT INSPEÇÓES E LABORATÓRIOS. A Concremat Inspeções e laboratórios possui corpo de engenheiros e técnicos experientes em

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Absorção Sonora Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013.

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. Ensaios de Desempenho. Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. CONCREMAT INSPEÇÓES E LABORATÓRIOS. UMA MARCA DAS EMPRESAS CONCREMAT. Com mais de 60 anos de experiência no mercado nacional e

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL ALVENARIA ESTRUTURAL L.PRADO GESTÃO DE PROJETOS www.lprado.arq.br lucianaprado@terra.com.br rachel.bergantin@hotmail.com ARQUITETA LUCIANA PRADO ESTÁGIÁRIA RACHEL BERGANTIN Conjunto Habitacional de interesse

Leia mais

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS pág. i DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL T E X T O D E A P O I O À D I S C I P L I N A D E ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS A. P. Oliveira de Carvalho ÍNDICE pág. PREÂMBULO

Leia mais

Uncertainty in measurement determination in the sound reduction index in laboratory

Uncertainty in measurement determination in the sound reduction index in laboratory Buenos Aires 5 to 9 September 2016 Acoustics for the 21 st Century PROCEEDINGS of the 22 nd International Congress on Acoustics Architectural Acoustics Room and Building Acoustics: FIA2016-70 Uncertainty

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA TRANSMISSÃO MARGINAL NO VALOR DO ÍNDICE DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE IMPACTO

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA TRANSMISSÃO MARGINAL NO VALOR DO ÍNDICE DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE IMPACTO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA TRANSMISSÃO MARGINAL NO VALOR DO ÍNDICE DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE IMPACTO REFERÊNCIA PACS: 43.55 Jorge Patrício Laboratório Nacional de Engenharia Civil

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 (ABNT) Esquadrias Diretora do IBELQ Instituto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA MEDIÇÃO DE ISOLAÇÃO SONORA EM FACHADAS EM ANDARES ELEVADOS ATENDENDO À NORMA ABNT NBR

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA MEDIÇÃO DE ISOLAÇÃO SONORA EM FACHADAS EM ANDARES ELEVADOS ATENDENDO À NORMA ABNT NBR XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial

Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial paper ID: 174 /p.1 Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial L. Bragança a e J. Matos b a,b Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Azurém 4800-058

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAREDES DE BLOCO/TIJOLO CERÂMICO: UMA COMPARAÇÃO ENTRE BRASIL E PORTUGAL

DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAREDES DE BLOCO/TIJOLO CERÂMICO: UMA COMPARAÇÃO ENTRE BRASIL E PORTUGAL X ENCONTRO NACIONAL e VI ENCONTRO LATINO AMERICANO de C O N F O R T O N O A M B I E N T E C O N S T R U Í D O Natal, 16 a 18 de setembro de 2009 DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAREDES DE BLOCO/TIJOLO CERÂMICO:

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IX semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT FREQUENCIA UMA OITAVA E

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE JANELA COM PERSIANA INTEGRADA AO DESEMPENHO ACÚSTICO DE FACHADA DE EDIFICAÇÃO SITUAÇÕES DE USO CORRENTE

CONTRIBUIÇÃO DE JANELA COM PERSIANA INTEGRADA AO DESEMPENHO ACÚSTICO DE FACHADA DE EDIFICAÇÃO SITUAÇÕES DE USO CORRENTE CONTRIBUIÇÃO DE JANELA COM PERSIANA INTEGRADA AO DESEMPENHO ACÚSTICO DE FACHADA DE EDIFICAÇÃO SITUAÇÕES DE USO CORRENTE MIRANDA, Fulvio B. (1); IKEDA, Cristina Y. K.(2) (1) Laboratório de Conforto Ambiental

Leia mais

Propostas para o debate quanto ao incremento de exigências pela CAIXA

Propostas para o debate quanto ao incremento de exigências pela CAIXA Norma de Desempenho Propostas para o debate quanto ao incremento de exigências pela CAIXA GEPAD Gerência Nacional de Normas e Padrões Email : gepad10@caixa.gov.br 23 telas CAIXA Apoio a Projetos para Evolução

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Soluções Inovadoras e Sustentáveis para Sua obra.

Soluções Inovadoras e Sustentáveis para Sua obra. BARREIRAS ACÚSTICAS ECO-SOUND é um novo conceito da ECOPORE para barreiras acústicas, construídas a partir de blocos e painéis especiais produzidos em concreto leve estrutural. APLICAÇÕES Proteção de edifícios

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ARGAMASSA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAREDES DE VEDAÇÃO COM BLOCOS CERÂMICOS

A INFLUÊNCIA DA ARGAMASSA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAREDES DE VEDAÇÃO COM BLOCOS CERÂMICOS UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL GESTÃO, TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE JÚLIA STRADIOTTO A INFLUÊNCIA

Leia mais

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes CAEd Cálculo Acústico de Edifícios Autores: João Mariz Graça Jorge Patrício Luís Santos Lopes Lisboa, Junho de 2008 1 Introdução O programa CAEd foi desenvolvido por João Mariz da Graça, Jorge Patrício

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

Avaliação acústica de uma sala de aula do curso de Engenharia de Produção na FAACZ Faculdades Integradas de Aracruz.

Avaliação acústica de uma sala de aula do curso de Engenharia de Produção na FAACZ Faculdades Integradas de Aracruz. Avaliação acústica de uma sala de aula do curso de Engenharia de Produção na FAACZ Faculdades Integradas de Aracruz. Cleyton Warlen Nieiro Cruz Aluno de graduação do curso de Engenharia Mecânica da FAACZ.

Leia mais

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA PARA CÁLCULO DO TEMPO DE REVERBERAÇÃO EM AMBIENTES

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais