Acústica em Reabilitação de Edifícios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acústica em Reabilitação de Edifícios"

Transcrição

1 Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores em forma de caixa (15 a 0 db) Protecção contra o ruído transmitido p/ o exterior ou do exterior para o interior

2 Reabilitação 009- Reabilitação 009- Ruído radiado por equipamentos e transmitido por via aérea Transmissão entre espaços fechados DnT ou DnT,w Para T=T0 => LAeq ( ) LAeq(1) D nt, w L Ar, nt LAeq() + K (K Correcção tonal e/ou impulsiva) D nt, w + Ctr T LAeq + + ( 1) LAW 14 10Log V P/ eq. c/ forte emissão em baixas frequências (1) (1) Transmissão no exterior LAeq (1) D + 10Log 4πd = LAW med D representa a directividade do equipamento (de uma forma geral para equipamentos sobre um piso pode considera-se D=) 4

3 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas Passagem de db para db(a) => Subtrair: 5 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas Nível de ruído no compartimento receptor D 4 LAeq ) = W ( LA A1 A A3 A4) + 10Log + 5 4π d R ( A onde, LA - nível de potência sonora dos equipamentos, radiada para o interior das condutas; W A1 Atenuação por absorção sonora das paredes interiores da tubagem; A Atenuação sonora resultante de mudanças de direcção; A3 Atenuação sonora resultante de derivações com alteração de secção; A4 Atenuação sonora devida a reflexão terminal (fim de circuito); A5 Atenuação sonora adicional resultante da aplicação de atenuadores sonoros; D coeficiente de direccionalidade (considerado normalmente igual a ); R constante de absorção acústica do compartimento receptor (em espaços abertos 4/R=0; em espaços fechados R = S i α i /( 1 α med ) ); d distância entre a extremidade da conduta e o ponto onde se pretende avaliar LAeq (). 6

4 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas A Atenuação sonora das paredes / m A1 Tipo de secção φ ,07 0,1 0,1 0,16 0,33 0,33 0,39 0,39 φ ,07 0,1 0,1 0,16 0,3 0,3 0,3 0,3 φ ,07 0,07 0,07 0,1 0,16 0,16 0,16 0,16 φ ,03 0,03 0,03 0,07 0,07 0,07 0,07 0,07 X e Y=> ,16 0,33 0,49 0,33 0,33 0,33 0,33 0,33 X e Y=> ,49 0,66 0,49 0,33 0,3 0,3 0,3 0,3 X e Y=> ,8 0,66 0,33 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 X e Y=> ,66 0,33 0,16 0,1 0,07 0,07 0,07 0,07 Atenuação sonora das curvas a 90º / un D φ=> φ=> φ=> Curvas circulares φ=> ou rectangulares com pás 7 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas A3_1 A1/A 5 4 3,5 1 0,5 0,4 0,33 0,5 0, atenuação db,6 1,9 1,3 0,9 0,5 0 0,5 0,9 1,3 1,9,6 A1 A A1 A3_ A3_ Atenuação de derivação de circuito A/A1 A1/A 0 0,0 0,05 0,1 0, 0,5 1 Atenuação (db) A A4 Atenuação devido a reflexão terminal Diâmetro ou secção mm 0,0m mm 0,031m mm 0,05m mm 0,1m mm 0,m mm 0,8m mm 3,1m

5 Reabilitação 009- Níveis de ruído de fundo admissíveis Quadro 5 Curvas NC e valores de LAeq, dos níveis de ruído de fundo, recomendados [11]. Curva NC LAeq máximo Tipo de local recomendada recomendado (db) db(a) Estúdios de gravação 15 8 Salas de espectáculos e teatros Habitações e quartos de hotéis Salas de conferências e de aulas Escritórios e bibliotecas Restaurantes e áreas públicas em hotéis Pastelarias e cafetarias Recintos desportivos Indústria ligeira Indústria pesada Curvas NC (em db) db Curva NC Bandas de Figura 38 Curvas NC (Noise Criteria). NC70 NC65 NC60 NC55 NC50 NC45 NC40 Exemplo NC35 NC35 NC30 NC5 NC0 NC15 9 Reabilitação 009- Exemplo: Dimensionar silenciador de forma a que no interior de uma cozinha não se ultrapasse a curva NC40 a 1.5 m da grelha (<50 db(a)). Dados: V=30 m3 e Σsi = 60 m 6 m de conduta (φ50) + 1 curva + 1 derivação com φ15 de terminal Ventilador Silens Air 50C => Freq. (Hz) Tr Freq. (Hz) α medio 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 R 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 LAw A1 (p/ absorção) 0,4 0,6 0,6 0,96 1,38 1,38 1,38 1,38 A (p/ curvas) A3 (p/ derivação c/ red. 0,5) A4 (terminal) A1+A+A3+A4 = 0,4 16,6 1,6 10,0 9,4 10,4 10,4 10,4 D 4 10 Log + d 4π R 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 LAw-A1-A-A3-A4+10Log( ) 1,1 35,9 44,9 46,6 40,1 37,1 34,1,1 LAeq= 49,9???? NC NC40 em db(a) Atenuação requerida - 16,9-5,1 3,9 4,6-0,9 -,9-4,9-13,9 Ex. Silenciador SC 1φ LAeq final 1,1 34,9 40,9 41,6 9,1 4,1 5,1 16,1 LAeq= Comparação c/ NC40-16,9-6,1-0,1-0,4-11,9-15,9-13,9-19,9 45,0 OK OK 10

6 Reabilitação 009- Cálculo Simplificado => Cálculo apenas para a banda de oitava de 50Hz Exemplo: Dimensionar silenciador de forma a que no interior de uma cozinha não se ultrapasse a curva NC40 a 1.5 m da grelha. Dados: V=30 m3 e Σsi = 60 m 6 m de conduta (φ50) + 1 curva + 1 derivação com φ15 de terminal Ventilador Silens Air 50C => Resolução: NC40 => L50Hz = 50 db L50 = ( LAW D 4 A1 A A3 A4) + 10Log + 4π d R A5 Hz Sem silenciador (A5=0) L50 4 Hz = (( ,5) 6 0, ) + 10Log + = 53,4 54dB 4π 1,5 3,78 => A dB = No mínimo um silenciador φ50 (interior) com L=1xφ Reabilitação 009- Ruído produzido pela circulação de ar em grelhas (ex. ar condicionado em quartos) 1

7 Reabilitação 009- Caso de estudo - Avaliação e Controlo de Ruído Produzido por Equipamentos de Ventilação Utilizados na Fabricação de Vidro 1ª Fase: Caracterização acústica do local, com medições de ruído ambiente dentro e fora do compartimento dos ventiladores. Equipamento utilizado: Solo Master, da marca 01dB-Stell, com um microfone de 1/" + Préamplificador (modelos MCE 1 e PRE 1 S, da marca 01dB-Stell); P4 calibrador acústico tipo 1, modelo NC-74 da marca Rion. Interior da P1 P Arruamento Escritórios da unidade industrial vizinha P3 Portão da Planta de implantação esquemática 13 Reabilitação 009- Caracterização da situação inicial Chapa metálica dupla Chapa metálica em sanduíche Espuma de poliuretano rígido (5 cm) Grelha (sem atenuação sonora) Corte AA' Ventilador axial (Q=0m3/s) Chapa metálica em sanduíche AA' Interior da Ventilador axial (Q=0m3/s) Interior da Exterior Esquema das instalações inicialmente existentes 14

8 Reabilitação 009- Caracterização da situação inicial 110 LAeq 9 a 95 db(a) P4 100 Interior da P1 P 90 P3 LAeq [db(a)] Portão da P3 (lado direito) - LAeq=87dB(A) P4 (lado esquerdo) - LAeq=8dB(A) P (em frente) - LAeq=103dB(A) P1 (interior) - LAeq=114dB(A) Bandas de 1/3 de oitava (Hz) Níveis de ruído no interior e envolvente exterior do compartimento dos ventiladores 15 Reabilitação 009- Soluções construtivas implementadas Substituição da grelha de ventilação por painéis sanduíche idênticas às existentes no resto da envolvente do compartimento dos ventiladores; Abertura lateral de um canal de atenuação, revestido com material fonoabsorvente; Reforço da envolvente do compartimento dos ventiladores (lã de rocha + BA13); Revestimento interior das paredes e tecto, sobre os BA13, com material fonoabsorvente; Fecho das zonas abertas entre o compartimento dos ventiladores e o pavilhão, através de uma divisória em gesso cartonado. 16

9 Reabilitação 009- Soluções construtivas implementadas Rev. fonoabsorvente AA' Nova entrada de ar Ventilador axial (Q=0m3/s) Ventilador axial (Q=0m3/s) Porta em rede (5 m ) Chapa metálica em sanduíche Reforço + Rev. fonoabsorvente Substituição de grelha por chapa em sanduíche Esquema em planta com as soluções propostas 17 Reabilitação 009- Soluções construtivas implementadas Corte AA' Aglomerado de espuma de poliuretano flexível (6 cm de 80kg/m3) Gesso cartonado (BA13) Lã de rocha (5 cm de 70kg/m3) Chapa metálica em sanduíche (existente) Reforço + Rev. fonoabsorvente Fecho da zona aberta (divisória dupla em gesso cartonado) Esquema em corte com as soluções propostas 18

10 Reabilitação 009- Resultados previstos em projecto Modelação aproximada das instalações Software CATT-Acoustic V8.0 (modelação numérica Ray Tracing ) C/ intervenção L 46dB(A) (Linterior,inicial Lexterior,final) C/ intervenção L 6dB(A) (Linicial Lfinal) Coeficientes de absorção sonora na envolvente do compartimento dos ventiladores. Chapa metálica em sanduíche e zonas em gesso cartonado à vista Chapa metálica + Reforço + Espuma de 6 cm de espessura Piso interior equivalente (incluindo equipamentos) c/ difusão Piso do canal e parede exterior da 15 Hz 50 Hz 500 Hz 1000 Hz 000 Hz 4000 Hz Piso exterior α= Reabilitação 009- Resultados experimentais após intervenção Níveis de ruído antes e depois da intervenção P Interior da P1 P 85 P3 LAeq [db(a)] Portão da Inicial - P1 => LAeq=114dB(A) Final - P1 => LAeq=109dB(A) Inicial - P => LAeq=103dB(A) Final - P => LAeq=6dB(A) Inicial - P3 => LAeq=87dB(A) Final - P3 => LAeq=70dB(A) Bandas de 1/3 de oitava (Hz) 0

11 Reabilitação 009- Resultados experimentais versus previstos Redução nos níveis sonoros com a intervenção Resultados previstos versus medidos LAeq [db(a)] 5 Medição => LAeq(interior inicial) - LAeq(interior final) [ LAeq=5dB(A)] Previsão => LAeq(interior inicial) - LAeq(interior final) [ LAeq=6dB(A)] Medição => LAeq (interior inicial) - LAeq (exterior final) [ LAeq=44dB(A)] Previsão => LAeq (interior inicial) - LAeq (exterior final) [ LAeq=46dB(A)] Bandas de oitava (Hz) 1

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

SISTIMETRA CONTIMETRA 47 Porto EXEMPLO DE APLICAÇÃO. 2º, 3º e 4 Pisos. 3 m. 10 m. 8 m LEGENDA. UTAN Planta do tecto

SISTIMETRA CONTIMETRA 47 Porto EXEMPLO DE APLICAÇÃO. 2º, 3º e 4 Pisos. 3 m. 10 m. 8 m LEGENDA. UTAN Planta do tecto EXEMPLO DE APLICAÇÃO 2º, 3º e 4 Pisos 1 3 4 5 6 AR NOVO 2 3 m 7 8 m 10 m Ø250 mm DIFUSOR ROTACIONAL TDF-SA/600 LEGENDA 1-1 UTAN Marca: TROX Technik Planta do tecto X Modelo: TKM-50/Tam3 Ventilador: TPF

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS pág. i DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL T E X T O D E A P O I O À D I S C I P L I N A D E ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS A. P. Oliveira de Carvalho ÍNDICE pág. PREÂMBULO

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS

PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS Aplicação da Normalização Europeia e de Marcação CE à Caixilharia Exterior 16 de Setembro de 2009 Eng.ª Odete Domingues PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS ANÁLISE GERAL Local de implantação Conforto

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV Cliente: GQS Endereço: Alfeite, 2810-001 Almada Referência do Cliente: PTI 38935 Obra n.º: P538 A1489 OE 2779 Designação: Caracterização do Ruído Ambiental da ARSENAL DO ALFEITE, SA. Local de execução:

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto - Lei 96/2008 de 1 Julho 1 Objectivos Principais Estabelecer um conjunto de critérios de desempenho exigências que potenciem condições de conforto

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA Placas de LecaMIX MAXIT, Préfabricação em Betão Leve S.A. Albergaria-a-Velha Dezembro de 2004 praceta da rua da república, nº 17, 2º dto. alagoas. 3810-160

Leia mais

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA IMPERALUM Manual de Acústica nº 24 Nº Pág.s: 10 24 04. Maio 2006 MANUAL DE ACÙSTICA IMPERSOM 01 1. MANUAL DE ACÙSTICA A gama acústica IMPERSOM Fruto de todo um trabalho de investigação e

Leia mais

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax:

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax: MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DE RUÍDO E VIBRAÇÕES LISBOA Taguspark Edificío Tecnologia I, n.º 11 2780-920 Oeiras Tel: +351 214 228 950 Fax: +351 214 228 959 PORTO Zona Industrial da Maia I, Sector X, Lote

Leia mais

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro Projetos Salas de Múltiplo uso MSc. Keliane Castro Há dois critérios básicos a serem atendidos pelo projeto acústico: o isolamento e o condicionamento interno do ambiente. O primeiro, em síntese, bloqueia

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h)

Frequência (Hz) Eficiência térmica (%) Caudal máximo (m3/h) 6.8 RECUPERADORES DE CALOR UNIREC Recuperadores de calor monozona de elevada eficiência para instalações domésticas Concebidos para a renovação do ar no interior da habitação, minimizando as perdas energéticas,

Leia mais

Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial

Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial paper ID: 174 /p.1 Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial L. Bragança a e J. Matos b a,b Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Azurém 4800-058

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO. Caixas centrífugas de ventilação CVTT. Junta flexível de descarga. Baixo nível sonoro.

CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO. Caixas centrífugas de ventilação CVTT. Junta flexível de descarga. Baixo nível sonoro. CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO Série CVTT Caixas de ventilação fabricadas em chapa de aço galvanizado, isolamento termoacústico de melamina, ventilador centrifugo de alhetas curvadas para a frente

Leia mais

Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra

Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra Simpósio de Acústica e Vibrações 3 de fevereiro Coimbra ESTUDO DA QUALIDADE ACÚSTICA EM AUDITÓRIOS MARCO A. OLIVEIRA 1, SANDRA M. SILVA 2,TANIA C. FORTES 3, LUIS M. BRAGANÇA 4 1: Escola de Engenharia da

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 7 - - Soluções de Reabilitação 1 Reabilitação 2009- Regulamento Geral do Ruído (RGR) Com as alterações do DL278/2007 de 1 Agosto DL 9/2007 de 17/01 (revoga o anterior RLPS, aprovado

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica. Comunicação sem fios 2007/2008

Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica. Comunicação sem fios 2007/2008 Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica Comunicação sem fios 2007/2008 1º Trabalho: Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Índice Introdução...3 Objectivos...4 Relatório...7

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

CORREÇÃO. Resumo projeto, Abstract. preferred. obtaining applying

CORREÇÃO. Resumo projeto, Abstract. preferred. obtaining applying APLICABILIDADE DA FÓRMULA DE SABINE A ESPAÇOS COM ELEVADA ABSORÇÃO SONORA: PROPOSTA DE PRÉVIA CORREÇÃO DE COEFICIENTES DE ABSORÇÃO Diogo Mateus 1, André Marinho 2, Andreia Pereira 1 1 CICC, Universidade

Leia mais

VMC HABITAÇÕES CoLECTIVAS CAIXAS DE VENTILAÇÃo A TRANSMISSÃo certificadas 400ºC-1/2h para extracção de ar em caso de incêndio

VMC HABITAÇÕES CoLECTIVAS CAIXAS DE VENTILAÇÃo A TRANSMISSÃo certificadas 400ºC-1/2h para extracção de ar em caso de incêndio Habitações colectivas CAIXAS D VNTILAÇÃO A TRANSMISSÃO Caixas em chapa de aço galvanizado, certificadas 4ºC-1/2h para extracção de ar em caso de incêndio e especialmente desenhadas para manter uma pressão

Leia mais

LINHA MBI Isolação para coberturas

LINHA MBI Isolação para coberturas LINHA MBI Isolação para coberturas FACEFELT Isolação para coberturas Feltro constituído por lã de vidro aglomerada com resina vegetal e possui características termoacústicas. Revestido em uma das faces

Leia mais

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas:

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas: O sistema Giacoklima é um sistema inovador ideal para a climatização no Verão e Inverno, que alia o bem estar ao baixo consumo energético. O elemento chave deste sistema é a utilização da água, que permite

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

SonaSpray. A solução acústica e térmica definitiva. Celulose Projectada. Para tectos e paredes. Divisão de Isolamentos Acústicos

SonaSpray. A solução acústica e térmica definitiva. Celulose Projectada. Para tectos e paredes. Divisão de Isolamentos Acústicos SonaSpray Celulose Projectada A solução acústica e térmica definitiva Para tectos e paredes Representado e aplicado por Sociedade Técnica de Isolamentos e Energias Renováveis, Lda. Divisão de Isolamentos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS 12 de Junho de 2002 Rute Roque OBJECTIVO E ENQUADRAMENTO LEGAL Cumprir o Decreto-Lei nº 292/2000 de 14 de Novembro (REGIME LEGAL SOBRE A POLUIÇÃO SONORA

Leia mais

NP ISO :2011. Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011. Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 Índice Objectivo e campo de aplicação Referências normativas

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO NUMÉRICO-EXPERIMENTAL DE QUALIDADE ACÚSTICA DE AUDITÓRIOS VECCI, M.A. (1); FERRAZ, R.M. (2); HORTA, F.C. (3) (1) Departamento de Engenharia de Estruturas Universidade Federal

Leia mais

Unidades Tipo Cassete de 4 Vias

Unidades Tipo Cassete de 4 Vias 40 Unidades Tipo Cassete de 4 s A "Cassete de 4 s" da LG é uma unidade de interior que é instalada com um objectivo específico. A cassete de 4 s é utilizada para fins comerciais. Pode ser instalada em

Leia mais

Historial da Legislação Acústica em Portugal

Historial da Legislação Acústica em Portugal Ruído Historial da Legislação Acústica em Portugal Lei 11/87: Lei de Bases do Ambiente (em vigor) DL 251/87: 1º Regulamento Geral Sobre o Ruído Revogado pelo 292/200 (alterado pelos DL 76/2002, DL 259/2002

Leia mais

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100 Documentação Índice Documentação Geral... 2 Especificações Type 100... 4 Painéis de Parede e de Porta... 5 Sistema de Parqueamento dos Painéis... 6 Calhas dos Painéis... 7 Detalhes dos Painéis... 8 Tipos

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

MESTRADO EM ARQUITECTURA

MESTRADO EM ARQUITECTURA MESTRADO EM ARQUITECTURA DISCIPLINA DE FÍSICA DAS CONSTRUÇÕES PARA ARQUITECTURA ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS Cristina Matos Silva CONCEITO DE SOM O som é o resultado de uma perturbação física (vibração) provocada

Leia mais

Fácil montagem. Os pés suporte incluídos facilitam a fixação em qualquer posição. Acoplamento circular na aspiração

Fácil montagem. Os pés suporte incluídos facilitam a fixação em qualquer posição. Acoplamento circular na aspiração CAIXAS DE VENTILAÇÃO Série CENTRIBOX CVB / CVT Caixas de ventilação, fabricadas em chapa de aço galvanizado, isolamento acústico ignífugo (M1) de espuma de melamina, ventilador centrífugo de dupla entrada

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS.

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. Prof. Msc. Lucas C. Azevedo Pereira ALTAMIRA/PA 04 de novembro de 2016 A ACÚSTICA é a ciência do som, incluindo sua produção, transmissão e efeitos.

Leia mais

Grupos de aspiração. Ventiladores: Centrífugos de dupla ou simples entrada com motor directamente acoplado.

Grupos de aspiração. Ventiladores: Centrífugos de dupla ou simples entrada com motor directamente acoplado. GRUPOS DE ASPIRAÇÃO NOVOS GRUPOS DE ASPIRAÇÃO PAINÉIS DUPLOS COM ISOLAMENTO INTERIOR VENTILADORES DE DUPLA ENTRADA COM MOTORES FECHADOS GOLA DE DESCARGA CIRCULAR OU RECTANGULAR Grupos de aspiração DD Estrutura:

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

Homologados conforme norma EN (certificação nº 0370-CPD-0359)

Homologados conforme norma EN (certificação nº 0370-CPD-0359) CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO 400ºC/2h Série CVHT Configuração descarga horizontal CVHT-H Homologados conforme norma EN12101-3 (certificação nº 0370-CPD-0359) Caixas de ventilação para transportar

Leia mais

DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS

DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS Os Difusores de Ar direcionais da TroCalor, estão disponíveis em uma grande variedade de modelos e tamanhos, são destinados a aplicações diversas em instalações de ar condicionado,

Leia mais

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos.

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. paper ID: 136 /p.1 Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. Diogo Mateus, Julieta António, António Tadeu Departamento de Engenharia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

Varycontrol Caixas VAV

Varycontrol Caixas VAV 5/3/P/4 Varycontrol Caixas VAV Para Sistemas de Volume Variável Série TVR TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

Campo sonoro em espaços fechados

Campo sonoro em espaços fechados Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Ambientes fechados Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO - Viabilizar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprovação...3 Regiões Autónomas...3 Regime transitório...3 Entrada em vigor...3 REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Disposições gerais...4 Objecto

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

Fontes sonoras. Acústica Ambiental - EAM-23 - Capítulo 8 - Fontes sonoras

Fontes sonoras. Acústica Ambiental - EAM-23 - Capítulo 8 - Fontes sonoras Comprimento de onda >> dimensão da fonte ondas esféricas Comprimento de onda dimensão da fonte direcional Esfera pulsante fonte omnidirecional 2 L p = L 20log r W o 11 Lwo potência sonora da fonte omnidirecional

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A distribuição de ar aos diversos ambientes a serem

Leia mais

CET em Telecomunicações e Redes Telecomunicações. Lab 13 Antenas

CET em Telecomunicações e Redes Telecomunicações. Lab 13 Antenas CET em e Redes Objectivos Familiarização com o conceito de atenuação em espaço livre entre o transmissor e o receptor; variação do campo radiado com a distância; razão entre a directividade e ganho de

Leia mais

UDT UDTX UNIDADES DE FILTRAÇÃO E MÓDULOS DE TRATAMENTO DE AR

UDT UDTX UNIDADES DE FILTRAÇÃO E MÓDULOS DE TRATAMENTO DE AR MF: Módulos de filtração UDT ME: Módulos com bateria elétrica MA: Módulos com bateria de água UDTX UDT UDTX UNIDADES DE FILTRAÇÃO E MÓDULOS DE TRATAMENTO DE AR According EU Regulation UDT UDT Unidades

Leia mais

EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS

EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS PACS: 43.50.Gf Bragança, Luís 1 ; Freitas, Elisabete 2 ; Pinheiro, Daniel 3 Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho Campus de Azurém 4800-058 Guimarães

Leia mais

SÉRIE RF 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 2 FOLHAS BATENTE

SÉRIE RF 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE RF SÉRIE RF 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE RF 1 2 3 4 Fotografias gerais e pormenores SÉRIE RF 5 6 7 Fotografias gerais e pormenores 6 1 FOLHA / 2

Leia mais

ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA

ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA ENTREPISO DE MADEIRA DE ELEVADAS PRESTAÇÕES : Membrana de polietileno reticulado e lã mineral RHFM 7 8 IMPACTODAN Lã mineral VANTAGENS Isolamento a ruido aéreo

Leia mais

PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO

PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO As portas podem ser acionadas manualmente ou à distância através de simples comandos ou mesmo por um telemóvel. As portas seccionais abrem verticalmente para cima e ficam

Leia mais

Moradias Aljubarrota. Rua de Aljubarrota c/ Rua de Corte Real

Moradias Aljubarrota. Rua de Aljubarrota c/ Rua de Corte Real Moradias Aljubarrota Rua de Aljubarrota c/ Rua de Corte Real Índice 1 Localização 3 2 Imagens Tridimensionais 5 3 Quadro de áreas/preços 7 4 Plantas 11 5 Mapa de Acabamentos 14 6 Contactos 16 Moradias

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

ENCLAUSURAMENTOS ACÚSTICOS DROP OVER

ENCLAUSURAMENTOS ACÚSTICOS DROP OVER Enclausuramentos acústicos são sistemas de tratamento de ruídos utilizados para separar a fonte do receptor do ruído, podendo resultar no confinamento da fonte ou no confinamento do receptor. Em ambas

Leia mais

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS Conceitos e princípios pios elementares de projecto. António Moret Rodrigues IST

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS Conceitos e princípios pios elementares de projecto. António Moret Rodrigues IST ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS Conceitos e princípios pios elementares de projecto António Moret Rodrigues IST ÍNDICE Conceito de som (2 slides) Propagação do som (3 slides) Grandezas acústicas (4 slides) Medição

Leia mais

ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO INTERIOR DE UM AUDITÓRIO AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE SONORA

ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO INTERIOR DE UM AUDITÓRIO AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE SONORA Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO INTERIOR DE UM AUDITÓRIO AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE SONORA Nuno M. Paulino 1, Andreia

Leia mais

SÉRIE PLANO 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE

SÉRIE PLANO 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE PLANO SÉRIE PLANO 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE Produto vencedor do Red Dot Design Award 2013 Produto patenteado registo nº. 002200311 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE Caracterização

Leia mais

Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga

Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga Cliente: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO - SESC AR/DF Endereço:

Leia mais

Acústica nos edifícios

Acústica nos edifícios Acústica nos edifícios Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de Edifícios 1 Os materiais ou sistemas absorventes sonoros podem ser classificados em: - materiais texturados; -Ressoadores

Leia mais

Sistemas de Forros Placostil

Sistemas de Forros Placostil Sistemas de Forros Placostil Soluções Construtivas Proteção acústica e térmica, design diferenciado e muita segurança. Ao longo dos anos, os forros melhoraram sua tecnologia e agregaram valor às construções,

Leia mais

VENTILADORES HELICOCENTRIFUGOS IN-LINE TD-MIXVENT. Exaustores para condutas

VENTILADORES HELICOCENTRIFUGOS IN-LINE TD-MIXVENT. Exaustores para condutas VENTILADORES HELICOCENTRIFUGOS IN-LINE Série Ventiladores helicocentrífugos de baixo perfil fabricados (1) em material plástico (até ao modelo 500) ou em chapa de aço galvanizado protegida com pintura

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM Características: Modelo indicado para ambientes que necessitam apresentação estética e alto isolamento acústico. Alguns ambientes que poderão ser instaladas

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação da Escola Secundária de Rio Tinto, Gondomar Vasco Pereira, Saint-Gobain Weber Portugal 1. Introdução 2. Reabilitação

Leia mais

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes CAEd Cálculo Acústico de Edifícios Autores: João Mariz Graça Jorge Patrício Luís Santos Lopes Lisboa, Junho de 2008 1 Introdução O programa CAEd foi desenvolvido por João Mariz da Graça, Jorge Patrício

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

Posto de Trabalho n.º 1:

Posto de Trabalho n.º 1: Posto de Trabalho n.º 1: Por forma a avaliar a exposição pessoal diária de cada trabalhador ao ruído no trabalho procedeu-se ao preenchimento do Anexo III - Quadro I e II, do Decreto-Lei n.º 182/2006,

Leia mais

Ø de saída (mm) Ø de saída (mm)

Ø de saída (mm) Ø de saída (mm) BOCAS Auto-regulaveis BAR ALIZE Bocas de extracção auto-regulaveis de poliestireno branco para instalar em cozinhas, banhos e outros locais que necessitem regulação de caudal. Versões: BARJ: com manguito

Leia mais

série 20.1 Grelhas de insuflação

série 20.1 Grelhas de insuflação série 20.1 Grelhas de insuflação www.koolair.com Série 20.1 1 ÍNDICE Grelhas de simples deflexão 2 Grelhas de dupla deflexão 3 Quadros de selecção 4 Generalidades 6 Acessórios e montagem 8 Grelhas para

Leia mais

RAV Gama Comercial Controlo vectorial do Inverter O Super Digital Inverter série 4 estabelece um novo limite para o desempenho energético Avançado sis

RAV Gama Comercial Controlo vectorial do Inverter O Super Digital Inverter série 4 estabelece um novo limite para o desempenho energético Avançado sis Super Digital Inverter Digital Inverter Grande Digital Inverter Unidades Exteriores Unidades Interiores RAV-SPxxx4AT - Série 4 RAV-SMxxx3AT - Série 3 RAV-SMxxx4AT - Série 4 Cassete 4Vias RAV-SMxxx UT-E

Leia mais

VaryControl Regulador VAV

VaryControl Regulador VAV 5/3.5/BR/2 VaryControl Regulador VAV Série TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 225 559-5 São Paulo SP Fone: (11) 337-39 Fax: (11) 337-391 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br Conteúdo -,

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

Painéis absorvedores sonoros

Painéis absorvedores sonoros Painéis absorvedores sonoros Absorção Sonora de Alta Performance Desenvolvidos pela Isover, os painéis Decorsound e Sonare reduzem os efeitos da reverberação sonora, minimizando a propagação de ruídos

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais