Acústica em Reabilitação de Edifícios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acústica em Reabilitação de Edifícios"

Transcrição

1 Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores em forma de caixa (15 a 0 db) Protecção contra o ruído transmitido p/ o exterior ou do exterior para o interior

2 Reabilitação 009- Reabilitação 009- Ruído radiado por equipamentos e transmitido por via aérea Transmissão entre espaços fechados DnT ou DnT,w Para T=T0 => LAeq ( ) LAeq(1) D nt, w L Ar, nt LAeq() + K (K Correcção tonal e/ou impulsiva) D nt, w + Ctr T LAeq + + ( 1) LAW 14 10Log V P/ eq. c/ forte emissão em baixas frequências (1) (1) Transmissão no exterior LAeq (1) D + 10Log 4πd = LAW med D representa a directividade do equipamento (de uma forma geral para equipamentos sobre um piso pode considera-se D=) 4

3 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas Passagem de db para db(a) => Subtrair: 5 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas Nível de ruído no compartimento receptor D 4 LAeq ) = W ( LA A1 A A3 A4) + 10Log + 5 4π d R ( A onde, LA - nível de potência sonora dos equipamentos, radiada para o interior das condutas; W A1 Atenuação por absorção sonora das paredes interiores da tubagem; A Atenuação sonora resultante de mudanças de direcção; A3 Atenuação sonora resultante de derivações com alteração de secção; A4 Atenuação sonora devida a reflexão terminal (fim de circuito); A5 Atenuação sonora adicional resultante da aplicação de atenuadores sonoros; D coeficiente de direccionalidade (considerado normalmente igual a ); R constante de absorção acústica do compartimento receptor (em espaços abertos 4/R=0; em espaços fechados R = S i α i /( 1 α med ) ); d distância entre a extremidade da conduta e o ponto onde se pretende avaliar LAeq (). 6

4 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas A Atenuação sonora das paredes / m A1 Tipo de secção φ ,07 0,1 0,1 0,16 0,33 0,33 0,39 0,39 φ ,07 0,1 0,1 0,16 0,3 0,3 0,3 0,3 φ ,07 0,07 0,07 0,1 0,16 0,16 0,16 0,16 φ ,03 0,03 0,03 0,07 0,07 0,07 0,07 0,07 X e Y=> ,16 0,33 0,49 0,33 0,33 0,33 0,33 0,33 X e Y=> ,49 0,66 0,49 0,33 0,3 0,3 0,3 0,3 X e Y=> ,8 0,66 0,33 0,16 0,16 0,16 0,16 0,16 X e Y=> ,66 0,33 0,16 0,1 0,07 0,07 0,07 0,07 Atenuação sonora das curvas a 90º / un D φ=> φ=> φ=> Curvas circulares φ=> ou rectangulares com pás 7 Reabilitação 009- Ruído transmitido através do interior de condutas A3_1 A1/A 5 4 3,5 1 0,5 0,4 0,33 0,5 0, atenuação db,6 1,9 1,3 0,9 0,5 0 0,5 0,9 1,3 1,9,6 A1 A A1 A3_ A3_ Atenuação de derivação de circuito A/A1 A1/A 0 0,0 0,05 0,1 0, 0,5 1 Atenuação (db) A A4 Atenuação devido a reflexão terminal Diâmetro ou secção mm 0,0m mm 0,031m mm 0,05m mm 0,1m mm 0,m mm 0,8m mm 3,1m

5 Reabilitação 009- Níveis de ruído de fundo admissíveis Quadro 5 Curvas NC e valores de LAeq, dos níveis de ruído de fundo, recomendados [11]. Curva NC LAeq máximo Tipo de local recomendada recomendado (db) db(a) Estúdios de gravação 15 8 Salas de espectáculos e teatros Habitações e quartos de hotéis Salas de conferências e de aulas Escritórios e bibliotecas Restaurantes e áreas públicas em hotéis Pastelarias e cafetarias Recintos desportivos Indústria ligeira Indústria pesada Curvas NC (em db) db Curva NC Bandas de Figura 38 Curvas NC (Noise Criteria). NC70 NC65 NC60 NC55 NC50 NC45 NC40 Exemplo NC35 NC35 NC30 NC5 NC0 NC15 9 Reabilitação 009- Exemplo: Dimensionar silenciador de forma a que no interior de uma cozinha não se ultrapasse a curva NC40 a 1.5 m da grelha (<50 db(a)). Dados: V=30 m3 e Σsi = 60 m 6 m de conduta (φ50) + 1 curva + 1 derivação com φ15 de terminal Ventilador Silens Air 50C => Freq. (Hz) Tr Freq. (Hz) α medio 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 R 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 LAw A1 (p/ absorção) 0,4 0,6 0,6 0,96 1,38 1,38 1,38 1,38 A (p/ curvas) A3 (p/ derivação c/ red. 0,5) A4 (terminal) A1+A+A3+A4 = 0,4 16,6 1,6 10,0 9,4 10,4 10,4 10,4 D 4 10 Log + d 4π R 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 0,53 LAw-A1-A-A3-A4+10Log( ) 1,1 35,9 44,9 46,6 40,1 37,1 34,1,1 LAeq= 49,9???? NC NC40 em db(a) Atenuação requerida - 16,9-5,1 3,9 4,6-0,9 -,9-4,9-13,9 Ex. Silenciador SC 1φ LAeq final 1,1 34,9 40,9 41,6 9,1 4,1 5,1 16,1 LAeq= Comparação c/ NC40-16,9-6,1-0,1-0,4-11,9-15,9-13,9-19,9 45,0 OK OK 10

6 Reabilitação 009- Cálculo Simplificado => Cálculo apenas para a banda de oitava de 50Hz Exemplo: Dimensionar silenciador de forma a que no interior de uma cozinha não se ultrapasse a curva NC40 a 1.5 m da grelha. Dados: V=30 m3 e Σsi = 60 m 6 m de conduta (φ50) + 1 curva + 1 derivação com φ15 de terminal Ventilador Silens Air 50C => Resolução: NC40 => L50Hz = 50 db L50 = ( LAW D 4 A1 A A3 A4) + 10Log + 4π d R A5 Hz Sem silenciador (A5=0) L50 4 Hz = (( ,5) 6 0, ) + 10Log + = 53,4 54dB 4π 1,5 3,78 => A dB = No mínimo um silenciador φ50 (interior) com L=1xφ Reabilitação 009- Ruído produzido pela circulação de ar em grelhas (ex. ar condicionado em quartos) 1

7 Reabilitação 009- Caso de estudo - Avaliação e Controlo de Ruído Produzido por Equipamentos de Ventilação Utilizados na Fabricação de Vidro 1ª Fase: Caracterização acústica do local, com medições de ruído ambiente dentro e fora do compartimento dos ventiladores. Equipamento utilizado: Solo Master, da marca 01dB-Stell, com um microfone de 1/" + Préamplificador (modelos MCE 1 e PRE 1 S, da marca 01dB-Stell); P4 calibrador acústico tipo 1, modelo NC-74 da marca Rion. Interior da P1 P Arruamento Escritórios da unidade industrial vizinha P3 Portão da Planta de implantação esquemática 13 Reabilitação 009- Caracterização da situação inicial Chapa metálica dupla Chapa metálica em sanduíche Espuma de poliuretano rígido (5 cm) Grelha (sem atenuação sonora) Corte AA' Ventilador axial (Q=0m3/s) Chapa metálica em sanduíche AA' Interior da Ventilador axial (Q=0m3/s) Interior da Exterior Esquema das instalações inicialmente existentes 14

8 Reabilitação 009- Caracterização da situação inicial 110 LAeq 9 a 95 db(a) P4 100 Interior da P1 P 90 P3 LAeq [db(a)] Portão da P3 (lado direito) - LAeq=87dB(A) P4 (lado esquerdo) - LAeq=8dB(A) P (em frente) - LAeq=103dB(A) P1 (interior) - LAeq=114dB(A) Bandas de 1/3 de oitava (Hz) Níveis de ruído no interior e envolvente exterior do compartimento dos ventiladores 15 Reabilitação 009- Soluções construtivas implementadas Substituição da grelha de ventilação por painéis sanduíche idênticas às existentes no resto da envolvente do compartimento dos ventiladores; Abertura lateral de um canal de atenuação, revestido com material fonoabsorvente; Reforço da envolvente do compartimento dos ventiladores (lã de rocha + BA13); Revestimento interior das paredes e tecto, sobre os BA13, com material fonoabsorvente; Fecho das zonas abertas entre o compartimento dos ventiladores e o pavilhão, através de uma divisória em gesso cartonado. 16

9 Reabilitação 009- Soluções construtivas implementadas Rev. fonoabsorvente AA' Nova entrada de ar Ventilador axial (Q=0m3/s) Ventilador axial (Q=0m3/s) Porta em rede (5 m ) Chapa metálica em sanduíche Reforço + Rev. fonoabsorvente Substituição de grelha por chapa em sanduíche Esquema em planta com as soluções propostas 17 Reabilitação 009- Soluções construtivas implementadas Corte AA' Aglomerado de espuma de poliuretano flexível (6 cm de 80kg/m3) Gesso cartonado (BA13) Lã de rocha (5 cm de 70kg/m3) Chapa metálica em sanduíche (existente) Reforço + Rev. fonoabsorvente Fecho da zona aberta (divisória dupla em gesso cartonado) Esquema em corte com as soluções propostas 18

10 Reabilitação 009- Resultados previstos em projecto Modelação aproximada das instalações Software CATT-Acoustic V8.0 (modelação numérica Ray Tracing ) C/ intervenção L 46dB(A) (Linterior,inicial Lexterior,final) C/ intervenção L 6dB(A) (Linicial Lfinal) Coeficientes de absorção sonora na envolvente do compartimento dos ventiladores. Chapa metálica em sanduíche e zonas em gesso cartonado à vista Chapa metálica + Reforço + Espuma de 6 cm de espessura Piso interior equivalente (incluindo equipamentos) c/ difusão Piso do canal e parede exterior da 15 Hz 50 Hz 500 Hz 1000 Hz 000 Hz 4000 Hz Piso exterior α= Reabilitação 009- Resultados experimentais após intervenção Níveis de ruído antes e depois da intervenção P Interior da P1 P 85 P3 LAeq [db(a)] Portão da Inicial - P1 => LAeq=114dB(A) Final - P1 => LAeq=109dB(A) Inicial - P => LAeq=103dB(A) Final - P => LAeq=6dB(A) Inicial - P3 => LAeq=87dB(A) Final - P3 => LAeq=70dB(A) Bandas de 1/3 de oitava (Hz) 0

11 Reabilitação 009- Resultados experimentais versus previstos Redução nos níveis sonoros com a intervenção Resultados previstos versus medidos LAeq [db(a)] 5 Medição => LAeq(interior inicial) - LAeq(interior final) [ LAeq=5dB(A)] Previsão => LAeq(interior inicial) - LAeq(interior final) [ LAeq=6dB(A)] Medição => LAeq (interior inicial) - LAeq (exterior final) [ LAeq=44dB(A)] Previsão => LAeq (interior inicial) - LAeq (exterior final) [ LAeq=46dB(A)] Bandas de oitava (Hz) 1

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax:

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax: MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DE RUÍDO E VIBRAÇÕES LISBOA Taguspark Edificío Tecnologia I, n.º 11 2780-920 Oeiras Tel: +351 214 228 950 Fax: +351 214 228 959 PORTO Zona Industrial da Maia I, Sector X, Lote

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO. Caixas centrífugas de ventilação CVTT. Junta flexível de descarga. Baixo nível sonoro.

CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO. Caixas centrífugas de ventilação CVTT. Junta flexível de descarga. Baixo nível sonoro. CAIXAS DE VENTILAÇÃO POR TRANSMISSÃO Série CVTT Caixas de ventilação fabricadas em chapa de aço galvanizado, isolamento termoacústico de melamina, ventilador centrifugo de alhetas curvadas para a frente

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica. Comunicação sem fios 2007/2008

Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica. Comunicação sem fios 2007/2008 Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica Comunicação sem fios 2007/2008 1º Trabalho: Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Índice Introdução...3 Objectivos...4 Relatório...7

Leia mais

Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial

Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial paper ID: 174 /p.1 Caso Prático de Acondicionamento Acústico de um Sistema de Ventilação Industrial L. Bragança a e J. Matos b a,b Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Azurém 4800-058

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

Grupos de aspiração. Ventiladores: Centrífugos de dupla ou simples entrada com motor directamente acoplado.

Grupos de aspiração. Ventiladores: Centrífugos de dupla ou simples entrada com motor directamente acoplado. GRUPOS DE ASPIRAÇÃO NOVOS GRUPOS DE ASPIRAÇÃO PAINÉIS DUPLOS COM ISOLAMENTO INTERIOR VENTILADORES DE DUPLA ENTRADA COM MOTORES FECHADOS GOLA DE DESCARGA CIRCULAR OU RECTANGULAR Grupos de aspiração DD Estrutura:

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

ENCLAUSURAMENTOS ACÚSTICOS DROP OVER

ENCLAUSURAMENTOS ACÚSTICOS DROP OVER Enclausuramentos acústicos são sistemas de tratamento de ruídos utilizados para separar a fonte do receptor do ruído, podendo resultar no confinamento da fonte ou no confinamento do receptor. Em ambas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprovação...3 Regiões Autónomas...3 Regime transitório...3 Entrada em vigor...3 REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Disposições gerais...4 Objecto

Leia mais

Unidades Tipo Cassete de 4 Vias

Unidades Tipo Cassete de 4 Vias 40 Unidades Tipo Cassete de 4 s A "Cassete de 4 s" da LG é uma unidade de interior que é instalada com um objectivo específico. A cassete de 4 s é utilizada para fins comerciais. Pode ser instalada em

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A distribuição de ar aos diversos ambientes a serem

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA

ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA ENTREPISOS DE MADEIRA REABILITAÇÃO ACÚSTICA ENTREPISO DE MADEIRA DE ELEVADAS PRESTAÇÕES : Membrana de polietileno reticulado e lã mineral RHFM 7 8 IMPACTODAN Lã mineral VANTAGENS Isolamento a ruido aéreo

Leia mais

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100 Documentação Índice Documentação Geral... 2 Especificações Type 100... 4 Painéis de Parede e de Porta... 5 Sistema de Parqueamento dos Painéis... 6 Calhas dos Painéis... 7 Detalhes dos Painéis... 8 Tipos

Leia mais

Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga

Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga Cliente: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO - SESC AR/DF Endereço:

Leia mais

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS

DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS DIFUSORES DE AR DIRECIONAIS Os Difusores de Ar direcionais da TroCalor, estão disponíveis em uma grande variedade de modelos e tamanhos, são destinados a aplicações diversas em instalações de ar condicionado,

Leia mais

Ventiladores de impulso Novenco. Novax Fevereiro 2009

Ventiladores de impulso Novenco. Novax Fevereiro 2009 Ventiladores de impulso Novenco Novax Fevereiro 2009 Produto factos Produto Os ventiladores de impulso Novenco tipo Novax são produzidos na versão unidireccional (AU_) e reversível (AR_). AUT/ART ventiladores

Leia mais

Campo sonoro em espaços fechados

Campo sonoro em espaços fechados Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Ambientes fechados Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio A área da acústica esteve ligada, desde muito cedo, ao sector da edificação urbana, e, em especial, aos requisitos

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

VENTILADORES HELICOCENTRIFUGOS IN-LINE TD-MIXVENT. Exaustores para condutas

VENTILADORES HELICOCENTRIFUGOS IN-LINE TD-MIXVENT. Exaustores para condutas VENTILADORES HELICOCENTRIFUGOS IN-LINE Série Ventiladores helicocentrífugos de baixo perfil fabricados (1) em material plástico (até ao modelo 500) ou em chapa de aço galvanizado protegida com pintura

Leia mais

Sistemas de Forros Placostil

Sistemas de Forros Placostil Sistemas de Forros Placostil Soluções Construtivas Proteção acústica e térmica, design diferenciado e muita segurança. Ao longo dos anos, os forros melhoraram sua tecnologia e agregaram valor às construções,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES Rodrigo Barcelos Pinto 1 ; Erasmo Felipe Vergara 2 ; Dinara Xavier da Paixão 3. (1) Universidade Federal

Leia mais

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Índice de refracção e propriedades ópticas Química 12º Ano Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Dezembro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica

Leia mais

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM Características: Modelo indicado para ambientes que necessitam apresentação estética e alto isolamento acústico. Alguns ambientes que poderão ser instaladas

Leia mais

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos.

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. paper ID: 136 /p.1 Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. Diogo Mateus, Julieta António, António Tadeu Departamento de Engenharia

Leia mais

VaryControl Regulador VAV

VaryControl Regulador VAV 5/3.5/BR/2 VaryControl Regulador VAV Série TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 225 559-5 São Paulo SP Fone: (11) 337-39 Fax: (11) 337-391 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br Conteúdo -,

Leia mais

O Coração do colector de névoa / sistema recolha fumos

O Coração do colector de névoa / sistema recolha fumos Ventiladores de Alto Rendimento para Processos de Ventilação Inteligente O Coração do colector de névoa / sistema recolha fumos Diferentes tipos de ventiladores para usos diferentes. Ao desenhar e planear

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica

Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica Crescendo com Você Forro Gypsum Drywall de alta performance em absorção acústica Em ambientes públicos com altos níveis de ruído como, restaurantes,

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

ANEXO 2 - GLOSSÁRIO. CAIXA DE DERIVAÇÃO - Caixa que permite a distribuição dos cabos, fazendo parte da coluna montante.

ANEXO 2 - GLOSSÁRIO. CAIXA DE DERIVAÇÃO - Caixa que permite a distribuição dos cabos, fazendo parte da coluna montante. ANEXO 2 - GLOSSÁRIO AMPLIFICADOR - Dispositivo destinado a elevar o nível do sinal recebido na sua entrada. ANTENA Elemento de recepção/emissão de telecomunicações. ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES DE EDIFÍCIO

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

Posto de Trabalho n.º 1:

Posto de Trabalho n.º 1: Posto de Trabalho n.º 1: Por forma a avaliar a exposição pessoal diária de cada trabalhador ao ruído no trabalho procedeu-se ao preenchimento do Anexo III - Quadro I e II, do Decreto-Lei n.º 182/2006,

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

Grelhas para Insuflamento e Retorno

Grelhas para Insuflamento e Retorno C - 00 Grelhas para Insuflamento e Retorno Dados Acústicos Perdas de Pressão VAT AE AH AT AF AR TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 009-00 São Paulo SP Fone: () -900 Fax: () -9 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE UM ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO DE MÚSICA DA CONCEÇÃO À EXECUÇÃO

ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE UM ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO DE MÚSICA DA CONCEÇÃO À EXECUÇÃO ESTUDO DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE UM ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO DE MÚSICA DA CONCEÇÃO À EXECUÇÃO Diogo Mateus 1, Andreia Pereira 1, Luís Godinho 1 1 ISISE, Department of Civil Engineering, University of Coimbra,

Leia mais

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária 2001 2xT26 32W - 2001.232.100 / Folha de dados de luminária Emissão luminosa 1: É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. 105 90 105 90 75 75 60 60 160 45 45 320 30 15 0

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Fábio MAUBER (1); Vinícius SOBRAL (2); Homero CARVALHO (3); Coordenação de Design de Interiores/IFPB (1) IFPB, e-mail: fbmauber@hotmail.com

Leia mais

Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro

Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro Sugestão: Sistema de três canais com cluster central para voz e estéreo esquerdo / direito para música Produto Indicado: Caixa Studio R modelo SKY Sound 6, três

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ Área temática: Gestão Ambiental e Sustentabilidade Wlander Belém Martins

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

SILENT. Extractores para quartos de banho. Prestações - Modelos. Características técnicas. Curva característica. Dimensões (mm) Acessórios

SILENT. Extractores para quartos de banho. Prestações - Modelos. Características técnicas. Curva característica. Dimensões (mm) Acessórios Prestações - Modelos CZ CRZ CHZ CZ SILVER CRZ SILVER CHZ SILVER Luz piloto Comporta anti-retorno Temporizador regulável (entre 1 e 3 minutos) Higrostato regulável Rolamentos de esferas Cor prateado kit

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

ÍNDICE 1. EMPRESA BREVES NOÇÕES PRINCIPAIS VANTAGENS ÂMBITO DE APLICAÇÃO INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO...

ÍNDICE 1. EMPRESA BREVES NOÇÕES PRINCIPAIS VANTAGENS ÂMBITO DE APLICAÇÃO INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO... DOSSIER INFORMATIVO ÍNDICE 1. EMPRESA... 3 2. BREVES NOÇÕES... 4 3. PRINCIPAIS VANTAGENS... 5 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 7 5. INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO... 8 2 1. EMPRESA A FLEX2000 é uma empresa

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

Endereço: Rua Euclides de Andrade, 29. Área do Terreno: 1.696,40. Número de torres: Número de pavimentos: Unidades por andar: Total de unidades:

Endereço: Rua Euclides de Andrade, 29. Área do Terreno: 1.696,40. Número de torres: Número de pavimentos: Unidades por andar: Total de unidades: Endereço: Rua Euclides de Andrade, 29 Área do Terreno: 1.696,40 Número de torres: Número de pavimentos: 1 torre 3º pavimento garden + 16 pavimentos tipo + 20º pavimento 3º pavimento 4 UH /pavimento Unidades

Leia mais

VENTILADORES HELICOIDAIS PARA VIDRO OU PAREDE HV-STYLVENT. Exaustores para vidro ou parede. Desenho elegante adaptável a qualquer ambiente.

VENTILADORES HELICOIDAIS PARA VIDRO OU PAREDE HV-STYLVENT. Exaustores para vidro ou parede. Desenho elegante adaptável a qualquer ambiente. VENTILADORES HELICOIDAIS PARA VIDRO OU PAREDE Série Ventiladores helicoidais com carcaça de plástico ABS, persiana incorporada, motor V-5Hz, IPX4, Classe II. Gama composta por diâmetros: 5, e mm, com diferentes

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

PAVILHÕES PARA INDÚSTRIA E AGRICULTURA. Sistemas em aço para apoio e armazenamento. Catálogo Geral XFRAME

PAVILHÕES PARA INDÚSTRIA E AGRICULTURA. Sistemas em aço para apoio e armazenamento. Catálogo Geral XFRAME PAVILHÕES PARA INDÚSTRIA E AGRICULTURA Sistemas em aço para apoio e armazenamento Catálogo Geral 016.01 0 PAVILHÕES CHAVE NA MÃO SOLUÇÃO INTEGRAL Solução desenvolvida e industrializada de forma a ser facilmente

Leia mais

As projeções de dose devem levam em consideração o tempo de permanência dos clientes e a jornada de trabalho no local.

As projeções de dose devem levam em consideração o tempo de permanência dos clientes e a jornada de trabalho no local. APRESENTAÇÃO Este trabalho foi realizado em meados de 1996 quando na oportunidade realizou-se três medições em boates no Município do Rio de Janeiro. Tive como colaborador dos trabalhos o Engenheiro e

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

série KAT Unidades de transferência de ar acústica www.koolair.com

série KAT Unidades de transferência de ar acústica www.koolair.com série Unidades de transferência de ar acústica www.koolair.com 1 Unidade de transferência de ar acústica ÍNDICE Unidade de transferência de ar acústica. 2 Dimensões. 3 Dados técnicos. 5 Codificação. 7

Leia mais

REF 909PCNM67A VENTILAÇÃO VENTILAÇÃO E ACABAMENTOS E ACABAMENTOS.

REF 909PCNM67A VENTILAÇÃO VENTILAÇÃO E ACABAMENTOS E ACABAMENTOS. REF 909PCNM67A VENTILAÇÃO VENTILAÇÃO E ACABAMENTOS E ACABAMENTOS _1 GRELHAS DE VENTILAÇÃO PARA ISOLAMENTO ACÚSTICO As paredes dos edifícios devem obedecer a um determinado nível de isolamento acústico.

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO CONCORRENCIA 06/2012 CADERNO 3 - ACÚSTICA

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO CONCORRENCIA 06/2012 CADERNO 3 - ACÚSTICA 1 DE 5 ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO CONCORRENCIA 06/2012 CADERNO 3 - ACÚSTICA 2 DE 5 CLIENTE CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO OBRA PROJETOS EXECUTIVOS PARA REALOCAÇÃO DE GRUPOS

Leia mais

Relativamente ao isolamento acústico em Apartamentos, Moradias e Lojas, é necessário alertar para alguns pontos em termos de execução em obra:

Relativamente ao isolamento acústico em Apartamentos, Moradias e Lojas, é necessário alertar para alguns pontos em termos de execução em obra: Relativamente ao isolamento acústico em Apartamentos, Moradias e Lojas, é necessário alertar para alguns pontos em termos de execução em obra: 1 - Sons aéreos entre o exterior e o interior dos apartamentos

Leia mais

Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades:

Vidro. 14 Vidraria Taipas. Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: 14 Vidraria Taipas Esta estrutura dota o vidro duplo das seguintes propriedades: Propriedades Acústicas Propriedades Espectrofotométricas Propriedades Térmicas Propriedades de Segurança Propriedades Decorativas

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Parte 4-1 Transmissão de vibrações Transmissão em elementos simples => Fraco isolamento Soluções correctivas Material separador flexivel Duplicação do elemento e criação de caixa de ar Separação com material

Leia mais

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VII Registro de Preços Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

Reação ao fogo de materiais e revestimentos

Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo de materiais e revestimentos Reação ao fogo é a forma como determinado material reage quando arde, ou seja a quantidade de calor e fumo que produz, se ao arder deita gotas incandescentes,

Leia mais

KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla

KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla série KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla www.koolair.com Série KD 1 ÍNDICE Descrição 2 Execuções e dimensões 3 Quadros de selecção e codificação 4 2 Série KD Caixa mistura de conduta dupla,

Leia mais

Técnico em Canto Técnico em Regência

Técnico em Canto Técnico em Regência Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO Técnico em Canto Técnico em Regência

Leia mais

Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão.

Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão. Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão. SISTEMA DE AR CONDICIONADO VRF OU VRV Sistema VRF ou VRV:O VRV (Volume de refrigerante variável) ou VRF (do inglês variable

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO ESTAS NORMAS SÃO PRODUZIDAS E REVISADAS POR (ABNT) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, ATRAVÉS DO COMITÊ BRASILEIRO Nº55 (CB 55) COM SEDE NA

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

ÍNDICE DE FIGURAS. Pág.

ÍNDICE DE FIGURAS. Pág. Índice de Figuras ÍNDICE DE FIGURAS Pág. Figura 1 - Complexidade das fontes de poluição.... Figura 2 - Edifício de habitação.. Figura 3 - Vãos que abrem para um arruamento estreito Figura 4 - Condições

Leia mais

LISTAGEM DE ACABAMENTOS 1

LISTAGEM DE ACABAMENTOS 1 LISTAGEM DE ACABAMENTOS 1 APARTAMENTOS GERAIS SALAS, QUARTOS E CIRC. Paredes estucadas e pintadas a branco Pavimento em Soalho de madeira de Afizélia com base acústica em lâmina de cortiça Rodapés em MDF

Leia mais

REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO

REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO Fotografia Autor 30 mm x 40 mm Jorge Patrício Eng.º Civil LNEC Lisboa; Portugal e-mail:jpatricio@lnec.pt Odete Domingues Eng.ª Civil

Leia mais

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42 O objectivo deste artigo é efectuar um resumo das principais alterações ao Manual ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios). Manual ITED - 2ª Edição

Leia mais

ROTEIRO DE CÁLCULO PARA ACÚSTICA

ROTEIRO DE CÁLCULO PARA ACÚSTICA ROTEIRO DE CÁLCULO PARA ACÚSTICA DIAGNÓSTICO, PROJETO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO a. Caracterizar as condições de exposição: ruído urbano móvel (tráfego viário, aéreo, etc) e fixo (casas noturnas, indústrias,

Leia mais

SISTEMA 50 - Alumínio

SISTEMA 50 - Alumínio 9.5 SISTEMA 50 - Alumínio s Material Resumo 1-5021 210 mm Tubo em alumínio anodizado Recomendado para fontes de concentração de poluição pequenas 1-5031 310 mm Tubo em alumínio anodizado Recomendado para

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

Novas Moradias V3 com Altos Padrões de Qualidade, a 5 Minutos de Faro e da Ilha de Faro VILLA EM FARO

Novas Moradias V3 com Altos Padrões de Qualidade, a 5 Minutos de Faro e da Ilha de Faro VILLA EM FARO Novas Moradias V3 com Altos Padrões de Qualidade, a 5 Minutos de Faro e da Ilha de Faro VILLA EM FARO ref. S5180 348.000 4 4 126 m2 250 m2 Localização + Cidade Freguesia Concelho Região Detalhes + Faro

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

ITED-ITUR, do saber ao fazer Aspetos técnicos

ITED-ITUR, do saber ao fazer Aspetos técnicos ITED-ITUR, do saber ao fazer Aspetos técnicos Paulo Mourato Mendes Direção de Fiscalização Porto, 13 de outubro de 2015 Sumário Materiais Cabos de pares de cobre Não residenciais de 1 fogo Ensaios PTI

Leia mais

4. PISO E CONTRAPISO. 4.1 Contrapiso

4. PISO E CONTRAPISO. 4.1 Contrapiso 4. PISO E CONTRAPISO 4.1 Contrapiso O piso acabado é executado sobre um contrapiso, e esse sobre o terreno compactado. Caso, no lugar do contrapiso houvesse uma laje, as paredes superiores teriam sido

Leia mais