PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS"

Transcrição

1 Aplicação da Normalização Europeia e de Marcação CE à Caixilharia Exterior 16 de Setembro de 2009 Eng.ª Odete Domingues PROGRAMA DE CONFORTO ACÚSTICO EM EDIFÍCIOS ANÁLISE GERAL Local de implantação Conforto integrado dos habitantes Restrições económicas Escolha dos materiais Ruído do exterior para o interior Definição do isolamento Ventilação sonoro das fachadas Ruído no interior do edifício Estabelecimento das exigências População a ocupar o edifício DEFINIÇÃO DE EIGÊNCIAS Ruídos exteriores Ruídos interiores Correcção acústica Definição do isolamento sonoro da fachada, D 2m,nT,w Definição do isolamento dos elementos de construção D 2m,nT,w e L n,w Dimensão, utilização e ocupação do espaço TR COMPATIBILIDADE COM OUTRAS ÁREAS 1

2 LEGISLAÇÃO ENVOLVIDA Regulamento Geral do Ruído Aprovado pelo Decreto-Lei nº 9/2007, de 17 de Janeiro (Enquadra e dá resposta ao problema da poluição sonora, tendo por base o regime jurídico estabelecido na Lei de Bases do Ambiente, Lei nº 11/87 de 7 de Abril) Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Aprovado pelo Decreto-Lei nº 129/2002, de 11 de Maio (Regula a vertente do conforto acústico no âmbito do regime da edificação) Decreto-Lei nº 96/2008, de 9 de Junho (Altera o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios) RGR Alíneas v) e x) do artigo 3º v) Zona mista a área definida em plano de ordenamento do território, cuja ocupação seja afecta a outros usos, existentes ou previstos, para além dos referidos na definição de zona sensível; x) Zona sensível a área definida em plano de ordenamento do território como vocacionada para uso habitacional, ou para escolas, hospitais ou similares, ou espaços de lazer, existentes ou previstos, podendo conter pequenas unidades de comércio e de serviços destinadas a servir a população local, tais como cafés e outros estabelecimentos de restauração, papelarias e outros estabelecimentos de comércio tradicional, sem funcionamento no período nocturno. Alíneas c) e d) do número 1 do artigo 11º As zonas sensíveis não podem ficar expostas a um nível sonoro superior a 55 db(a) para o indicador diurno-entardecer-nocturno, L den, e 45 db(a) para o indicador nocturno, L n ; As zonas mistas não podem ficar expostas a um nível sonoro superior a 65 db(a) para o indicador diurno-entardecer-nocturno, L den, e 55 db(a) para o indicador nocturno, L n. 2

3 RRAE Alíneas a) e h) do artigo 2º Isolamento sonoro a sons de condução aérea, normalizado, D 2m,nT,w, diferença entre o nível médio de pressão sonora exterior, medido a 2 m da fachada do edifício (L 1,2 m ), e o nível médio de pressão sonora medido no local de recepção (L 2 ), corrigido da influência da área de absorção sonora equivalente do compartimento receptor: D 2m,nT,w = L 1,2m L 2 10 log (T/ T 0 ) db onde: T é o tempo de reverberação do compartimento receptor, em segundos; T 0 é o tempo de reverberação de referência, em segundos. Artigos 5º, 6º, 7º e 8º Edifícios de habitação e mistos, edifícios escolares e similares, investigação e edifícios hospitalares: D 2m,nT,w 33 db (zonas mistas) D 2m,nT,w 28 db (zonas sensíveis) Edifícios comerciais e de serviços, e partes similares em edifícios industriais: Escritórios D 2m,nT,w 30 db Restantes recintos D 2m,nT,w 25 db 3

4 AS CARACTERÍSTICAS DE ISOLAMENTO SONORO DE UMA JANELA PODEM APRESENTAR-SE: Curva característica de isolamento sonoro R W = 38 db (sem termos de adaptação) R W = 38 db (-2; -3) (com termos de adaptação e análise por terços de oitava entre 100 e 3150 Hz) R W = 38 db (-2; -3; -2; -4) (com termos de adaptação correspondentes a C; C tr ; C ; C tr, e análise por terços de oitava entre 50 Hz e 5000 Hz) R = 38 db (A) (em termos de valor global) R 1000 Hz = 38 db (para uma determinada frequência) CURVA CARACTERÍSTICA DE ISOLAMENTO SONORO R (db) f (Hz) 4

5 R w - ÍNDICE DE ISOLAMENTO SONORO A SONS AÉREOS R (db) R w = 34 db A soma dos desvios ( ), no sentido desfavorável, é segundo a EN ISO 717 1, o maior dos valores não superior a: Por oitavas Σ n 10 db Por terços de oitava Σ n 32 db f (Hz) Termo de adaptação do índice R w determinado conforme a EN ISO Fonte de ruído Recreio infantil Actividades domésticas (vozes, música, rádio, TV) Discotecas Tráfego rodoviário rápido, com v» 80 km/h Tráfego rodoviário lento ou urbano Tráfego ferroviário com velocidade média ou rápida Tráfego ferroviário lento Indústrias com ruído de médias e altas frequências Indústrias com ruído de médias e baixas frequências Factor de adaptação C C tr 5

6 Tipos de Transmissão do Exterior para o Interior dos Edifícios DIRECTA MARGINAL PARASITA.TRANSMISSÃO DIRECTA A transmissão directa ocorre através da janela JANELAS DE VIDRO SIMPLES Área do painel Tipo do caixilho Tipo e espessura do vidro JANELAS DE VIDRO DUPLO Área do painel Tipo do caixilho Tipo e espessura do vidro Caixa de ar entre os painéis de vidro JANELA DUPLA Área do painel Tipo do caixilho Tipo e espessura do vidro Caixa de ar entre os dois caixilhos 6

7 TRANSMISSÃO MARGINAL A transmissão marginal ocorre através dos elementos contíguos à fachada. A transmissão caixilho/vão pode considerar-se também transmissão marginal. TRANSMISSÃO PARASITA Entradas de ar; ligações da caixilharia ao vão; estanquidade da caixilharia. Exemplo de caixa de estore interior com tratamento acústico Isolamento sonoro conferido por uma solução de vidro simples e uma solução de vidro duplo com a mesma espessura total. 7

8 Influência da espessura da caixa de ar em soluções de vidro duplo. Comparação da eficácia, para a mesma espessura, de diferentes tipos de vidro. 8

9 ISOLAMENTO SONORO DE FACHADAS Anexo B da EN :2005 Determinação do isolamento sonoro das janelas a partir do isolamento sonoro do vidro Exemplo: Determinação do isolamento sonoro de uma janela giratória, com dimensões de 1,2 m x 1,6 m, um vedante e classe 3 de permeabilidade ao ar. As características de isolamento sonoro do vidro são: R W (C; Ctr) = 30 (-1;-4) Da tabela B.1 vidro R w = 30 db janela R w = 33 db Da tabela B.2 vidro R w + Ctr = 26 db janela R w + Ctr = 28 db C = -1 db Ctr = 28 db 33 db = - 5 db Então o isolamento da janela será R w (C; Ctr) = 33 (-1; -5) Da tabela B.3 Área = 1,2 m x 1,6 m = 1,92 m 2 < 2,7 m 2 Sem correcção 9

10 R w do Vidro a B1.R w da janela a partir do R w do vidro R w Janelas simples b Janelas simples de correr c Janela Número de R w Janela Número de vedantes d vedantes d N/A N/A N/A N/A a - Resultados de ensaios de acordo com a EN ISO (método de referência) ou dados obtidos conforme EN ou EN b - Fixas ou de abrir ( top/side/bottom-hung ou pivotantes) janelas simples da classe 3 de permeabilidade ao ar c - Janelas simples de correr da classe 2 de permeabilidade ao ar d - Apenas para janelas de abrir R w + C tr do Vidro a T2.R w + C tr da janela a partir do R w + C tr do vidro Janelas simples b R w + C tr Janela Número de vedantes d Janelas simples de correr c R w + C tr Janela Número de vedantes d N/A N/A N/A N/A a - Resultados de ensaios de acordo com a EN ISO (método de referência) ou dados obtidos conforme EN ou EN b - Fixas ou de abrir (giratórias ou pivotantes) janelas simples da classe 3 de permeabilidade ao ar. c - Janelas simples de correr da classe 2 de permeabilidade ao ar. d - Apenas para janelas de abrir. 10

11 B3.Correcção do isolamento sonoro para diferentes dimensões de janela Dimensões Dimensões da janela -100% a +50% da área de referência Dimensões de referência a Área = 2,7 m2 Correcções R w e R w + C tr sem correcção +50% a +100% 2,7 m2< Área = 3,6 m2 R w e R w + C tr -1dB da área de referência +100% a +150% 3,6 m2< Área =4,6 m2 R w e R w + C tr -2 db da área de referência > 150% 4,6 m2< Área R w e R w + C tr -3 db da área de referência a - Estas dimensões são referenciadas à dimensão recomendada para os ensaios 1,23 m x 1,48 m R w (vidro) R w da janela a partir do R w do vidro Comparação dos valores da norma com resultados de ensaios Janela de abrir R w(janela) Anexo B da Norma R w(janela) R w(vidro) R w(janela) Ensaios (LNEC) R w(janela) R w(vidro)

12 R w da janela a partir do R w do vidro Comparação dos valores da norma com resultados de ensaios Janela de correr Anexo B da Norma Ensaios (LNEC) R w (vidro) R w (janela) R w(janela) R w (vidro) R w(janela) R w(janela) R w (vidro)

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto - Lei 96/2008 de 1 Julho 1 Objectivos Principais Estabelecer um conjunto de critérios de desempenho exigências que potenciem condições de conforto

Leia mais

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / )

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / ) A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / 2 0 0 7 ) P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L D E S Ã O P E D R O D O S U

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE FORNOS DE ALGODRES AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO 1

ADAPTAÇÃO DO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE FORNOS DE ALGODRES AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO 1 CÂMARA MUNICIPAL DE FORNOS DE ALGODRES ADAPTAÇÃO DO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE FORNOS DE ALGODRES AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO RESUMO NÃO TÉCNICO DATA: 2015-05-14 ADAPTAÇÃO DO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO

INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE ACÚSTICA MAPA DE RUÍDO PARA O CONCELHO DE VILA VELHA DE RÓDÃO (Resumo não-técnico) Direcção Técnica: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS 12 de Junho de 2002 Rute Roque OBJECTIVO E ENQUADRAMENTO LEGAL Cumprir o Decreto-Lei nº 292/2000 de 14 de Novembro (REGIME LEGAL SOBRE A POLUIÇÃO SONORA

Leia mais

DE RUÍDO E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

DE RUÍDO E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CNAI 2008 Beja, 22-24 de Outubro MAPAS DE RUÍDO E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Luís Conde Santos www.absorsor.pt luis.conde@absorsor.pt Introdução A recente transposição da Directiva 2001/42/CE, relativa

Leia mais

Decreto-Lei Nº 129/2002 de 11 de Maio - protecção acústica dos edifícios Gesetzesdekret Nr. 129 vom 11. Mai 2002 Lärmschutz bei Gebäuden

Decreto-Lei Nº 129/2002 de 11 de Maio - protecção acústica dos edifícios Gesetzesdekret Nr. 129 vom 11. Mai 2002 Lärmschutz bei Gebäuden Decreto-Lei Nº 129/2002 de 11 de Maio - protecção acústica dos edifícios Gesetzesdekret Nr. 129 vom 11. Mai 2002 Lärmschutz bei Gebäuden A área da acústica esteve ligada, desde muito cedo, ao sector da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprovação...3 Regiões Autónomas...3 Regime transitório...3 Entrada em vigor...3 REGULAMENTO DOS REQUISITOS ACÚSTICOS DOS EDIFÍCIOS...4 Disposições gerais...4 Objecto

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS

ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS pág. i DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL T E X T O D E A P O I O À D I S C I P L I N A D E ACÚSTICA AMBIENTAL E DE EDIFÍCIOS A. P. Oliveira de Carvalho ÍNDICE pág. PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio A área da acústica esteve ligada, desde muito cedo, ao sector da edificação urbana, e, em especial, aos requisitos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO Abril de 2013 IP 3 - Mortágua (EN 228) / Raiva (IC 6). Resumo do Plano de Acção ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - CONSIDERAÇÕES GERAIS...

Leia mais

Ruído. Mapas de Ruído

Ruído. Mapas de Ruído Ruído Mapas de Ruído Mapa de Ruído Representação geográfica do ruído do ambiente exterior, onde se visualizam as áreas às quais correspondem determinadas classes de valores em db(a), reportando-se a uma

Leia mais

Mapa de Ruído do Concelho de Castro Daire. Resumo Não Técnico. Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007. Equipa Técnica do Mapa de Ruído:

Mapa de Ruído do Concelho de Castro Daire. Resumo Não Técnico. Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007. Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Mapa de Ruído do Concelho de Castro Daire Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007 Resumo Não Técnico Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director Técnico Frederico Vieira, Gestor

Leia mais

JANELAS E PORTAS PEDONAIS EXTERIORES GUIA PARA A MARCAÇÃO CE (EN :2006+A1:2010) ÍNDICE

JANELAS E PORTAS PEDONAIS EXTERIORES GUIA PARA A MARCAÇÃO CE (EN :2006+A1:2010) ÍNDICE ÍNDICE NOTA PRELIMINAR... 1 1 OBJECTIVO... 1 2 ENQUADRAMENTO... 3 3 CAMPO DE APLICAÇÃO DA PUBLICAÇÃO... 8 4 PROCEDIMENTOS DE HARMONIZAÇÃO... 9 4.1 Identificação de produtos e materiais... 9 4.2 Características

Leia mais

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes CAEd Cálculo Acústico de Edifícios Autores: João Mariz Graça Jorge Patrício Luís Santos Lopes Lisboa, Junho de 2008 1 Introdução O programa CAEd foi desenvolvido por João Mariz da Graça, Jorge Patrício

Leia mais

IMPACTE DO NOVO DL 96/2008 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL

IMPACTE DO NOVO DL 96/2008 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL Acústica 28 2-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra IMPACTE DO NOVO DL 96/28 NAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL Clotilde A. Lages 1, Rodrigo A. Tomaz 1, Luís Conde Santos

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE BENAVENTE

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE BENAVENTE MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE BENAVENTE RESUMO NÃO TÉCNICO 2013-02-18 Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director Técnico Jorge Preto, Técnico Superior RUA 7 DE JUNHO, Nº 24, R/C C LOJA,

Leia mais

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV Cliente: GQS Endereço: Alfeite, 2810-001 Almada Referência do Cliente: PTI 38935 Obra n.º: P538 A1489 OE 2779 Designação: Caracterização do Ruído Ambiental da ARSENAL DO ALFEITE, SA. Local de execução:

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

M A P A S D E R U Í D O ( R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O - D E C. - L E I

M A P A S D E R U Í D O ( R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O - D E C. - L E I M A P A S D E R U Í D O ( R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O - D E C. - L E I 9 / 2 0 0 7 ) P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L R E S U M O N Ã O T É C N I C O C O N C E L H O D E V

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Miguel Lopes, Director do Laboratório; Fátima Valado, Responsável Técnica da Divisão Mapa de Ruído; Eduardo

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO

REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO Fotografia Autor 30 mm x 40 mm Jorge Patrício Eng.º Civil LNEC Lisboa; Portugal e-mail:jpatricio@lnec.pt Odete Domingues Eng.ª Civil

Leia mais

Mapa de Ruído do Concelho de Salvaterra de Magos. Resumo Não Técnico. Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007

Mapa de Ruído do Concelho de Salvaterra de Magos. Resumo Não Técnico. Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007 Mapa de Ruído do Concelho de Salvaterra de Magos Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007 Resumo Não Técnico Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director Técnico Jorge Preto, Técnico

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque PISO / PAREDE 1 Parte 01: Requisitos Gerais; Parte 02: Requisitos para os sistemas estruturais; Parte 03: Requisitos para os sistemas de pisos; Parte 04: Requisitos para os sistemas de vedações verticais

Leia mais

Mapa de Ruído do Concelho de Mirandela. Resumo Não Técnico. Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007. Equipa Técnica do Mapa de Ruído:

Mapa de Ruído do Concelho de Mirandela. Resumo Não Técnico. Actualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007. Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Mapa de Ruído do Concelho de Mirandela ctualização de acordo com o Dec.-Lei n.º 9/2007 Resumo Não Técnico Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director do Laboratório Frederico Vieira, Gestor

Leia mais

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A.

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇOS ALMADA / FOGUETEIRO / COINA / PALMELA / NÓ A2-A12 / MARATECA / NÓ A2-A6-A13 / ALCÁCER DO SAL / GRÂNDOLA NORTE / GRÂNDOLA SUL MAPA

Leia mais

Hospitais e Laboratórios com esquadrias em PVC

Hospitais e Laboratórios com esquadrias em PVC Hospitais e Laboratórios com esquadrias em PVC O que poderia ser mais um obra inacabada se transformou em um aliado no tratamento do câncer infantil. O prédio do Instituto de Tratamento do Câncer Infantil

Leia mais

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS: índices de isolamento a sons aéreos utilizados no espaço europeu

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS: índices de isolamento a sons aéreos utilizados no espaço europeu ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS: índices de isolamento a sons aéreos utilizados no espaço europeu PACS: 43.35.Cg Patricio J. Presidente de la Sociedad Portuguesa de Acústica Representante Português no CEN Investigador

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA

A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA PÁG. 1 DE 12 A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA IEP002/0 Pág. 2 de 12 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Resumo Não Técnico (RNT), parte integrante da Memória Descritiva,

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Normalização Técnica Brasileira Acústica - Processo, tendências e perspectivas. Krisdany Cavalcante

Normalização Técnica Brasileira Acústica - Processo, tendências e perspectivas. Krisdany Cavalcante Normalização Técnica Brasileira Acústica - Processo, tendências e perspectivas Krisdany Cavalcante Normalização Técnica ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Entidade privada, sem fins lucrativos,

Leia mais

AEROPORTO DE LISBOA MAPA DE RUÍDO. Resumo Não Técnico

AEROPORTO DE LISBOA MAPA DE RUÍDO. Resumo Não Técnico AEROPORTO DE LISBOA MAPA DE RUÍDO Resumo Não Técnico Março 2007 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 O SOM E O RUÍDO...5 METODOLOGIA PARA A CARTOGRAFIA DE RUÍDO DO AEROPORTO DE LISBOA...10 CARTOGRAFIA DE RUÍDO DO AEROPORTO

Leia mais

ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL

ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL PACS: :55.Rg Patrício, Jorge Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. do Brasil, 1700 Lisboa, Portugal Tel. 5121827; Fax.

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A.

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A. Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo Não Técnico IC10 Santarém / Almeirim (N118) Relatório nº AG/08/0424-5RNT Página 1 de 11 IC10 Santarém / Almeirim (N118) PLANO DE AÇÃO Resumo Não Técnico

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 ABNT NBR 10821 Esquadrias externas para edificações ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 Parte 4 Requisitos de desempenhos

Leia mais

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA

CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 1 de 17 CARTA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO GAIA Pág. 2 de 17 I INTRODUÇÃO O ruído é um dos principais factores que afectam o ambiente urbano, contribuindo de modo significativo para a degradação da qualidade

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Desmistificando os mapas de ruído. Associação ProAcústica Comissão de Acústica Ambiental Coordenador MSc. Arq. Marcos Holtz

Desmistificando os mapas de ruído. Associação ProAcústica Comissão de Acústica Ambiental Coordenador MSc. Arq. Marcos Holtz Desmistificando os mapas de ruído Associação ProAcústica Comissão de Acústica Ambiental Coordenador MSc. Arq. Marcos Holtz Introdução Gerenciamento do ruído Por quê? Poluição Sonora Poluição sonora É um

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS GABINETE DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL. - Mapa de Ruído do Concelho de Oeiras - Resumo Não Técnico

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS GABINETE DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL. - Mapa de Ruído do Concelho de Oeiras - Resumo Não Técnico CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS GABINETE DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL - Mapa de Ruído do Concelho de Oeiras - NOVEMBRO 2009 1 ÍNDICE 1. Objectivos 2. Como se elabora o Mapa de Ruído 3. Mapa de Ruído do Concelho

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo não Técnico EN10 Fogueteiro/Nó de Coina EN10 Porto Alto/Vila Franca de Xira EN10 Vila Franca de Xira/Alverca Relatório nº AG/08/0424-9RNT Página 1

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008. Registado com o n.º DL 35/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008. Registado com o n.º DL 35/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 35/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008 O -Lei 129/2002, de 11 de Maio, aprovou o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Leia mais

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS / ENSAIOS / CORRECÇÕES A EFECTUAR NO AMBITO DO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFICIOS

ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS / ENSAIOS / CORRECÇÕES A EFECTUAR NO AMBITO DO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFICIOS paper ID: 0126 /p.1 CÚSTIC DE EDIFÍCIOS / ENSIOS / CORRECÇÕES EFECTUR NO MBITO DO CONDICIONMENTO CÚSTICO DE EDIFICIOS Jorge Nunes a a PROLB Laboratório de Ruído da Projecovas, projecovas@mail.telepac.pt,

Leia mais

CARTOGRAFIA DE RUIDO DA CIDADE DE LISBOA

CARTOGRAFIA DE RUIDO DA CIDADE DE LISBOA CARTOGRAFIA DE RUIDO DA CIDADE DE LISBOA 43.50.Sr Palma, M.J.; Bento Coelho, J.L. CAPS - Instituto Superior Técnico Av. Rovisco Pais, P-1049-001 Lisboa Portugal Tel: 351 218419393 Fax: 351 218465303 E-mail:

Leia mais

Marcação CE de Janelas e Portas Pedonais Exteriores

Marcação CE de Janelas e Portas Pedonais Exteriores Marcação CE de Janelas e Portas Pedonais Exteriores Experiência de um Instalador na Implementação da Marcação CE CCIPD Ponta Delgada 7 de Abril C. PINHEIRO SISTEMAS POSIÇÃO DE VANGUARDA NO MERCADO PERFORMANCE

Leia mais

Decreto-Lei n.º 9/2007. de 17 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 9/2007. de 17 de Janeiro Decreto-Lei n.º 9/2007 de 17 de Janeiro A prevenção do ruído e o controlo da poluição sonora visando a salvaguarda da saúde humana e o bem-estar das populações constitui tarefa fundamental do Estado, nos

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A ELABORAÇÃO E SUBSCRIÇÃO DE PROJETOS DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS 1. Introdução De acordo com o disposto no nº 2 do artº 3 do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO RUÍDO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO RUÍDO 2 PREÂMBULO O ruído é uma questão ambiental que nos últimos anos tem vindo a ter uma relevância crescente a nível nacional, decorrente da implementação das medidas preconizadas no Regime Legal Sobre a

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RUÍDO DO CONCELHO DE CASCAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RUÍDO DO CONCELHO DE CASCAIS CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RUÍDO DO CONCELHO DE CASCAIS VERSÃO FINAL / REV. 02 Dezembro 2011 CERTIPROJECTO - Arquitectos e Engenheiros Consultores, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA

Leia mais

SISTEMA DE ETIQUETAGEM DE JANELAS

SISTEMA DE ETIQUETAGEM DE JANELAS SISTEMA DE ETIQUETAGEM DE JANELAS REGRAS A CONSIDERAR NA ESCOLHA DO PROTÓTIPO 1. Tipologia do protótipo representativo do produto A tipologia do protótipo submetido a cálculo numérico/ensaio para efeitos

Leia mais

ADAPTAÇÃO À NOVA REGULAMENTAÇÃO DO RUÍDO

ADAPTAÇÃO À NOVA REGULAMENTAÇÃO DO RUÍDO MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE ALJEZUR ADAPTAÇÃO À NOVA REGULAMENTAÇÃO DO RUÍDO (Dec.-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro) - RESUMO NÃO TÉCNICO - DEZEMBRO 2007 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. JUSTIFICAÇÃO /

Leia mais

ADAPTAÇÃO DOS MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE VILA DO PORTO AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO

ADAPTAÇÃO DOS MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE VILA DO PORTO AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA DO PORTO ADAPTAÇÃO DOS MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE VILA DO PORTO AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO MEMÓRIA DESCRITIVA FEVEREIRO 2008 Trabalho elaborado por HIDROPROJECTO, Engenharia

Leia mais

Aeroporto Francisco Sá Carneiro

Aeroporto Francisco Sá Carneiro Aeroporto Francisco Sá Carneiro Mapa Estratégico de Ruído 2011 Resumo Não Técnico Setembro 2013 ÍNDICE Introdução... 3 O Som e o Ruído... 4 Metodologia para a Cartografia de Ruído do Aeroporto... 9 Cartografia

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

Mapa de Ruído Plano de Urbanização do UP2 do Alto do Poço e Alvor

Mapa de Ruído Plano de Urbanização do UP2 do Alto do Poço e Alvor Mapa de Ruído Plano de Urbanização do UP2 do Alto do Poço e Alvor Relatório final de apresentação do mapa de ruído do Plano de Urbanização da UP2 do Alto do Poço e Alvor, elaborado pela Associação para

Leia mais

Desempenho acústico de esquadrias e NBR

Desempenho acústico de esquadrias e NBR Desempenho acústico de esquadrias e NBR 15.575 Deixe o Excesso de Barulho do Lado de Fora A NBR 15.575 é a norma da ABNT com orientações referentes ao desempenho de edificações. A qualidade acústica das

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO SONORA Placas de LecaMIX MAXIT, Préfabricação em Betão Leve S.A. Albergaria-a-Velha Dezembro de 2004 praceta da rua da república, nº 17, 2º dto. alagoas. 3810-160

Leia mais

MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A7 E A11

MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A7 E A11 MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO DA A7 E A11 RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica: Luís Conde Santos, Director Técnico Christine Matias, Técnica Superior Catarina Melo, Técnica estagiária Referência: 12_116_MRIT01_RNT01

Leia mais

Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios

Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios Outubro de 2014 SONIA CARINA MATOS ABREU Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de Edifícios Análise do Desempenho Acústico de Elementos Construtivos na Reabilitação de

Leia mais

O Ruído Urbano e o Desenvolvimento de Empreendimentos. Fabio Villas Bôas

O Ruído Urbano e o Desenvolvimento de Empreendimentos. Fabio Villas Bôas O Ruído Urbano e o Desenvolvimento de Empreendimentos Fabio Villas Bôas AGENDA ACÚSTICA X AVALIAÇÃO DE TERRENOS ACÚSTICA COMO SUBSÍDIO PARA PROJETO ACÚSTICA E DESENVOLVIMENTO DA OBRA PERCEPÇÃO DO USUÁRIO

Leia mais

ADAPTAÇAO DOS MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE MANTEIGAS AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO

ADAPTAÇAO DOS MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE MANTEIGAS AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS ADAPTAÇAO DOS MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE MANTEIGAS AOS NOVOS INDICADORES DE RUÍDO MEMÓRIA DESCRITIVA JULHO 2010 Trabalho elaborado por HIDROPROJECTO, Engenharia e Gestão,

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA COVA DO LAGO

PLANO DE PORMENOR DA COVA DO LAGO Câmara Municipal de Sines SINES PLANO DE PORMENOR DA COVA DO LAGO Estudo de Ruído GGT Gabinete de Planeamento e Gestão do Território, Lda. ESTUDO DE RUÍDO PLANO DE PORMENOR DA COVA DO LAGO (SINES) GGT,

Leia mais

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 10/2015, de 16 de janeiro, aprovou o regime

Leia mais

PERFORMANCE 70 GTI Porta de uso intensivo de grandes dimensões

PERFORMANCE 70 GTI Porta de uso intensivo de grandes dimensões PERFORMANCE 70 GTI Porta de uso intensivo de grandes dimensões www.sapabuildingsystem.pt 1 até 3 m 2.000.000 de ciclos ELEVADO DESEMPENHO TÉRMICO A porta de uso intensivo de grandes dimensões Performance

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo PÁGINA 01/05 TÍTULO : Ensaios Avaliação Sonora. INTERESSADO : Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo REFERÊNCIA : N/D NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

Avaliação do Ruído SOM: Variações de pressão detectáveis pelo ouvido humano

Avaliação do Ruído SOM: Variações de pressão detectáveis pelo ouvido humano SOM: Variações de pressão detectáveis pelo ouvido humano 1 Medição do som Nível de pressão sonora P L = 10log 10 p P amplitude das flutuações de pressão p pressão de referência = 0 µpa (menor som audível)

Leia mais

Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos. Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis

Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos. Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis Quem somos? A France Air Portugal pertence ao grupo France Air, sediado

Leia mais

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax:

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax: MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DE RUÍDO E VIBRAÇÕES LISBOA Taguspark Edificío Tecnologia I, n.º 11 2780-920 Oeiras Tel: +351 214 228 950 Fax: +351 214 228 959 PORTO Zona Industrial da Maia I, Sector X, Lote

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Acústica nos edifícios

Acústica nos edifícios Acústica nos edifícios Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de Edifícios 1 Os materiais ou sistemas absorventes sonoros podem ser classificados em: - materiais texturados; -Ressoadores

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES Rodrigo Barcelos Pinto 1 ; Erasmo Felipe Vergara 2 ; Dinara Xavier da Paixão 3. (1) Universidade Federal

Leia mais

MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETAR DO FUNCHAL RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME 3 ANEXOS

MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETAR DO FUNCHAL RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME 3 ANEXOS MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETAR DO FUNCHAL RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME 3 ANEXOS ANEXO B PLANO GERAL DE MONITORIZAÇÃO MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Componentes Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Laboratório de Sistemas e Componentes Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Caracterização do Desempenho de Sistemas de Caixilharia em Fachadas de Edifícios 1 1. Importância dos sistemas de caixilharia 2. Alguns aspectos funcionais associados ao desempenho das fachadas 3. Enquadramento

Leia mais

LUSOPONTE. PONTE VASCO DA GAMA Mapa Estratégico de Ruído. Resumo Não Técnico

LUSOPONTE. PONTE VASCO DA GAMA Mapa Estratégico de Ruído. Resumo Não Técnico LUSOPONTE PONTE VASCO DA GAMA Mapa Estratégico de Ruído Resumo Não Técnico Procº 046/I/14 RT02-T03-V00 julho, 2015 ÍNDICE DE ANEXOS ANEXO 1 MAPAS DE RUÍDO Pág. Desenho 01 Mapa de Ruído Margem Norte Indicador

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Diário da República, 1. a série N. o 12 17 de Janeiro de 2007 389 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Decreto-Lei n. o 9/2007 de 17 de Janeiro A prevenção

Leia mais

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA IMPERALUM Manual de Acústica nº 24 Nº Pág.s: 10 24 04. Maio 2006 MANUAL DE ACÙSTICA IMPERSOM 01 1. MANUAL DE ACÙSTICA A gama acústica IMPERSOM Fruto de todo um trabalho de investigação e

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO EN 223 FEIRA IP1 / MACEDO IC1 MEMÓRIA DESCRITIVA

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO EN 223 FEIRA IP1 / MACEDO IC1 MEMÓRIA DESCRITIVA PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO EN 223 FEIRA IP1 / MACEDO IC1 MEMÓRIA DESCRITIVA Novembro de 2013 ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 1.1 - IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE COMPETENTE PELA ELABORAÇÃO DO PLANO E

Leia mais

Sistema

Sistema www.anicolor.pt 345 Sistema C C Sistema C Sistema de correr - 78 mm Características dos sistemas C/C Plus Sistemas de alumínio para execução de vãos de correr ou janelas duplas com rotura térmica. Perfis

Leia mais

51 LEGENDA. Pq. Estacionamento 16 Limite do Plano ELABORADO POR CLIENTE 13 TÍTULO

51 LEGENDA. Pq. Estacionamento 16 Limite do Plano ELABORADO POR CLIENTE 13 TÍTULO 1 17 29 50 2 49 26 28 27 30 3 24 12 18 4 5 44 25 43 11 22 6 23 21 31 32 33 42 9 40 8 51 16 46 45 47 20 10 48 7 41 19 35 37 14 13 36 34 39 38 15 Identificação das Fontes Sonoras do Mapa de Ruído do PU da

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO - Viabilizar

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

Regulamento Geral de Ruído e de Controlo da Poluição Sonora

Regulamento Geral de Ruído e de Controlo da Poluição Sonora CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regulamento Geral de Ruído e de Controlo da Poluição Sonora RAA Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito

Leia mais

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral ANEXO TABELA DE TAXAS Quadro I Taxa geral 1. Apreciação e análise de pedido de licenciamento 38,30 2. Apreciação e análise de pedido de admissão de comunicação prévia 38,30 3. Em operações de loteamento

Leia mais

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral ANEXO TABELA DE TAXAS Quadro I Taxa geral 1. Apreciação e análise de pedido de licenciamento 38,10 2. Apreciação e análise de pedido de admissão de comunicação prévia 38,10 3. Em operações de loteamento

Leia mais