Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade"

Transcrição

1 Buenos Aires 5 to 9 September 2016 Acoustics for the 21 st Century PROCEEDINGS of the 22 nd International Congress on Acoustics Architectural Acoustics Room and Building Acoustics: FIA Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade Luís Eduardo Correa Rodrigues (a), Maria Fernanda de O. Nunes (b). (a) Universidade de Caxias do Sul (UCS) - LABTEC, Brazil, (b) Universidade de Caxias do Sul (UCS) - LABTEC, Brazil, Abstract A building is composed of several subsystems, each one with many specifications for which the building project compatibilization is an essential tool since the initial phase of the design. However, in some cases, not always the building project compatibilization is made and the acoustic insulation failures of the enclosures can be indicated as one of many others undesirable consequences. This paper addresses the results of airborne sound insulation of corrections made in the junction between the internal masonry walls and the curtain wall façade. Three correction proposals for the failure resultant from the incompatibility between the internal walls and the frame modulation of the curtain wall were executed in an office building. The field measurement were applied according to the ISO and the results obtained show an increase in the D nt,w between 8 and 9 db. Keywords: Airbone sound insulation, sound insulation, walls system, project incompatibility.

2 Avaliação de desempenho acústico de sistema de vedação vertical com fechamento em pele de vidro 1 Introdução O conforto acústico está relacionado com pontos importantes do projeto de uma edificação, dos quais podem ser citados: a solução construtiva adequada para o meio onde o projeto será desenvolvido, características dos materiais empregados, a execução propriamente dita de cada etapa do projeto e a compatibilização dos projetos de cada subsistema da edificação. A compatibilização de projetos compreende a ação de detectar falhas relacionadas a inconsistências físicas entre os vários elementos da obra ainda no desenvolvimento do conjunto de projetos que compõem o edifício. Deve-se pensar no conforto acústico de forma preventiva, buscando soluções adequadas durante a fase de concepção do projeto, pois é financeiramente mais econômico e evita transtornos após a entrega ao cliente final [1]. A demanda do estudo surge devido à incompatibilidade entre a modulação dos caixilhos da fachada em pele de vidro e as divisórias verticais internas entre as salas de um mesmo pavimento. Diante desta situação, fez-se necessário a execução de diferentes propostas de correções do fechamento para atenuar o problema incompatibilidade nesse ponto. O trabalho objetiva analisar e classificar conforme a norma NBR [2] o desempenho quanto ao isolamento de ruído aéreo do sistema de vedação vertical interno das salas nas quais foram executadas as propostas de correção para a incompatibilidade, bem como realizar um comparativo entre os resultados de desempenho destas salas com uma sala a qual não foi feito nenhum tipo de intervenção. Para então, de posse destes dados, definir qual dos sistemas será replicado para as demais salas e pavimentos que apresentam a mesma configuração física do que foi estudado. 2 Materiais e Métodos O objeto de estudo é um edifício comercial localizado na área central da cidade de Caxias do Sul, RS/BR, que conta com 15 pavimentos e dispõe de salas de 40,67 m² a 285 m². Executado com tecnologia de concreto armado, as vedações internas são em bloco cerâmico e a vedação externa é uma composição em sistema de pele de vidro e em bloco cerâmico. Os ensaios de desempenho acústico foram realizados no terceiro, quarto e quinto pavimentos nas salas de números e As salas de final quatro possuem 41,89 m² com pé direito de 2,50 m, logo, volume de 104,72 m³. Já as salas de final cinco possuem área de 54,78 m² e os mesmos 2,50 m de pé direito, volume igual a 136,95 m². A divisão entre as salas é feita com parede dupla de 25 cm de espessura em bloco cerâmico de 9x19x19 cm sendo o vazio de 4 cm entre paredes e reboco de 1,5 cm. O acabamento do piso é em cimento alisado. 2

3 A Figura 1 apresenta a planta em corte do terceiro, quarto e quinto pavimentos, destacando as salas onde foram realizados os ensaios de desempenho quanto ao isolamento de ruído aéreo e no círculo vermelho o ponto de encontro entre o fechamento vertical interno e a modulação dos caixilhos do sistema de pele de vidro da fachada externa. SALA COMERCIAL P: Cimento Alisado A: 41,89 m² SALA COMERCIAL P: Cimento Alisado A: 54,78 m² Fonte: (Atena Incorporações, 2013) Figura 1 - Planta baixa em corte das salas ensaiadas. As imagens apresentadas na Figura 2 ilustram o ponto de encontro entre o fechamento vertical interno e a modulação dos caixilhos do sistema de pele de vidro da fachada externa. 3

4 Figura 2 - Ponto de encontro entre o fechamento vertical interno e a modulação dos caixilhos do sistema de pele de vidro da fachada externa. No terceiro pavimento o ensaio foi realizado sem qualquer intervenção no vão entre o fechamento vertical interno e a modulação dos caixilhos do sistema de pele de vidro da fachada externa. No quarto e quinto pavimentos foram fixados no vidro com PU (Poliuretano) preto perfis U de alumínio com 15 mm de base, 15 mm de altura e 2,00 mm de espessura. Nestes perfis foram fixadas placas de gesso com 9,5 mm de espessura e densidade de 8,5 kg/m². Entre os dois perfis, paralelo ao vidro, foi colocada uma placa de MDF pintada de preto. O preenchimento do espaço vazio, entre as placas de gesso, no quarto pavimento foi feito com lã de rocha de densidade entre 25/30 Kg/m³ e no quinto pavimento com espuma expansiva com densidade entre 22/24 Kg/m³. O acabamento dos cantos e pontos de encontro entre diferentes materiais foi feito em PU (Poliuretano) branco. As correções propostas foram definidas com base no conceito de sistema massa-mola-massa. Bistafa [3] sugere para o aumento da isolação mecânica o uso de sistemas de paredes duplas com a criação de um espaço vazio entre elas, ou ainda, com a adição de materiais absorventes acústicos, devendo-se assegurar que o material na cavidade entre as paredes não forme uma ponte mecânica entre elas e anule o isolamento. Para tal, a utilização de materiais de baixa rigidez, com características porosas, fibrosas e maciez é fundamental. A Figura 3 é um croqui do método utilizado para corrigir o ponto de incompatibilidade entre as vedações interna e externa. 4

5 Figura 3 - Croqui do sistema utilizado para correção do ponto de incompatibilidade entre as vedações interna e externa. As imagens apresentadas na Figura 4 ilustram as correções feitas no quarto e quinto pavimentos antes do fechamento com a placa de gesso em um dos lados e a aplicação do acabamento em PU (Poliuretano) branco. 4º Pavimento Lã de Rocha 5º Pavimento Espuma Expansiva Figura 4 - Correções feitas no 4º e 5º pavimentos. 5

6 D'nT (db) X CONGRESO FIA Os ensaios foram realizados conforme os procedimentos das normas ISO :2014 [3] e ISO :2008 [4], nas bandas de 1/3 de oitava entre as faixas de frequência dos 100 Hz até os 3150 Hz. Os equipamentos utilizados foram: analisador sonoro B&K 2270, amplificador de potência B&K 2716C, fonte B&K Onmipower 4296, calibrador portátil B&K 4231 e microfone. 3 Resultados O gráfico apresentado na Figura 5 apresenta o resultado do ensaio de desempenho quanto ao isolamento acústico da parede entre as salas 304 e 305 no terceiro pavimento. Frequência (Hz) D'nT (db) , , , , , , , , , , , , , , , , SVVI Ensaiado Referência ISO LABTEC/UCS D'nT,w (db) 37,0 Frequência (Hz) Figura 5 Resultado ensaio da parede entre as salas 304 e 305. Pode-se indicar que o desempenho acústico do sistema foi determinado pela perda de transmissão entre as frequências de 100 a 225 Hz e acima dos 1700 Hz, intervalos em que a curva do sistema ensaiado transpõe a curva de referência da ISO 717-2:2006 [5]. O fraco desempenho está relacionado com a falta rigidez da parede e com as características de contorno, influenciadas pelo vão aberto entre a parede e a modulação do caixilho do sistema de pele de vidro da fachada externa. O D nt,w = 37 db não atinge o nível mínimo de desempenho da NBR 15575:2013. Na Figura 6 é apresentado o gráfico com o resultado do ensaio de desempenho quanto ao isolamento acústico da parede entre as salas 404 e 405 do quarto pavimento. O material resiliente aplicado entre as placas de gesso conforme indicado na Figura 3 foi lã de rocha com densidade entre 25/30 Kg/m³ 6

7 D'nT (db) X CONGRESO FIA Frequência (Hz) D'nT (db) , , , , , , , , , , , , , , , , SVVI Ensaiado Referência ISO LABTEC/UCS D'nT,w (db) 46,0 Frequência (Hz) Figura 6 - Resultado ensaio da parede entre as salas 404 e 405. Os pontos críticos de redução da transmissão sonora, assim como no ensaio realizado no terceiro pavimento, ocorreram nas baixas frequências (100 e 150 Hz) e em nas altas frequências (1250 a 2250 Hz). A diferença é que a aplicação do sistema de vedação placa de gesso / material resiliente / placa de gesso no vão entre a parede e a modulação do caixilho do sistema de pele de vidro da fachada externa aumentou a capacidade de isolamento acústico da parede a transmissão ressonante, conferindo um aumento na diferença de nível padronizada, D nt,w = 46 db, sendo considerado o nível de desempenho intermediário conforme classificação da NBR 15575:2013. O resultado do ensaio realizado entre as salas 504 e 505 do quinto pavimento é apresentado na Figura 7. O material resiliente aplicado entre as placas de gesso conforme indicado na Figura 3 foi espuma expansiva de densidade entre 22/24 Kg/m³. 7

8 D'nT (db) X CONGRESO FIA Frequência (Hz) D'nT (db) , , , , , , , , , , , , , , , , SVVI Ensaiado Referência ISO LABTEC/UCS D'nT,w (db) 45,0 Frequência (Hz) Figura 7 - Resultado ensaio da parede entre as salas 504 e 505. Em comparação com o quarto pavimento onde também foi aplicado o sistema placa de gesso / material resiliente / placa de gesso, o resultado obtido no quinto pavimento foi muito parecido, nota-se uma melhora nas altas frequências e uma piora nas baixas frequências, que pode ser associada à diferença de densidade do material resiliente empregado. A D nt,w = 45 db obtida, é classificada como nível de desempenho intermediário pela NBR 15575: Considerações Finais Comparando os resultados obtidos nas paredes em que o foi realizada a intervenção com o sistema placa de gesso / material resiliente / placa de gesso obteve-se um ganho positivo de 9 db no índice de redução sonora entre as salas. Entre os diferentes tipos de material resiliente, lã de rocha e espuma expansiva, a diferença no índice de redução sonora foi de apenas 1 db, esta diferença pode estar contida no erro do processo ou do próprio instrumento de medição, sendo assim, para definir qual material seria utilizado nos demais pavimentos foram avaliados custo e aplicabilidade do material, optando-se pelo uso da espuma expansiva devido a facilidade de aplicação. 8

9 Referências [1] CALLEGARI, S. Análise da compatibilização de projetos em três edifícios residenciais multifamiliares. Dissertação Arquitetura e Urbanismo. UFSC. Florianópolis, [2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Edifícios habitacionais de até cinco pavimentos Desempenho. NBR Parte 4: Sistemas de vedações verticais internas e externas - SVVIE, [3] BISTAFA, S.R. Acústica aplicada ao controle de ruído. 2 ed. São Paulo: E. Blucher, p.; [4] INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. Acoustics Field measurements of sound insulation in buildings and of building elements. ISO Part 1: Airbone sound insulation, [5]. Acoustics Measurement of room acoustic parameters. ISO Part 2: Reverberation time in ordinary rooms, [6]. Acoustics Rating of sound insulation in buildings and of building elements. ISO 717.Part 1: Airbone sound insulation,

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES

AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA DE PAREDES DE ALVENARIA USADAS COMO DIVISÓRIAS INTERNAS EM HABITAÇÕES Rodrigo Barcelos Pinto 1 ; Erasmo Felipe Vergara 2 ; Dinara Xavier da Paixão 3. (1) Universidade Federal

Leia mais

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Architectural Acoustics - Room and Building Acoustics: FIA2016-38 Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Josiane Reschke Pires (a), Sérgio Klippel

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo PÁGINA 01/05 TÍTULO : Ensaios Avaliação Sonora. INTERESSADO : Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo REFERÊNCIA : N/D NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

Análise comparativa do isolamento do ruído aéreo entre diferentes painéis de vedação utilizados no Brasil

Análise comparativa do isolamento do ruído aéreo entre diferentes painéis de vedação utilizados no Brasil paper ID: 087 /p.1 Análise comparativa do isolamento do ruído aéreo entre diferentes painéis de vedação utilizados no Brasil GARCIA, Danielly Borges a, VECCI, Marco A.M. b a Curso de Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ACÚSTICA PRÉ-OCUPAÇÃO PARA O SISTEMA DE PISO EM AMBIENTE CONSTRUÍDO DE UM APARTAMENTO RESIDENCIAL EM NITERÓI-RJ Área temática: Gestão Ambiental e Sustentabilidade Wlander Belém Martins

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

46º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EUROPEAN SYMPOSIUM ON VIRTUAL ACOUSTICS AND AMBISONICS

46º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EUROPEAN SYMPOSIUM ON VIRTUAL ACOUSTICS AND AMBISONICS ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS COM PLACAS DE GESSO ACARTONADO: ESTUDO COMPARATIVO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO PACS: 43.55.TI Sérgio Klipell Filho¹; Josiane Reschke Pires¹; Maria Fernanda de O. Nunes¹ 1. Instituto

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DETERMINAÇÃO DO ISOLAMENTO SONORO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES EM LABORATÓRIO itt PERFORMANCE UNISINOS Av. Unisinos, 9 Cristo Rei, São Leopoldo APRESENTAÇÃO Único instituto da

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚSTICO EM EDIFICAÇÕES DO NORDESTE BRASILEIRO RESULTADOS DE ESTUDOS DE CASOS

PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚSTICO EM EDIFICAÇÕES DO NORDESTE BRASILEIRO RESULTADOS DE ESTUDOS DE CASOS PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚTICO EM EDIFICAÇÕE DO NORDETE BRAILEIRO REULTADO DE ETUDO DE CAO Otávio Joaquim da ilva Júnior 1*, Angelo Just da Costa e ilva 2 1: TECOMAT Tecnologia da Construção e Materiais

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE JANELA COM PERSIANA INTEGRADA AO DESEMPENHO ACÚSTICO DE FACHADA DE EDIFICAÇÃO SITUAÇÕES DE USO CORRENTE

CONTRIBUIÇÃO DE JANELA COM PERSIANA INTEGRADA AO DESEMPENHO ACÚSTICO DE FACHADA DE EDIFICAÇÃO SITUAÇÕES DE USO CORRENTE CONTRIBUIÇÃO DE JANELA COM PERSIANA INTEGRADA AO DESEMPENHO ACÚSTICO DE FACHADA DE EDIFICAÇÃO SITUAÇÕES DE USO CORRENTE MIRANDA, Fulvio B. (1); IKEDA, Cristina Y. K.(2) (1) Laboratório de Conforto Ambiental

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica

Manual ProAcústica. Associação Brasileira para a Qualidade Acústica Manual ProAcústica sobre a Norma de Desempenho Guia prático sobre cada uma das partes relacionadas à área de acústica nas edificações da Norma ABNT NBR 15575:2013 Edificações habitacionais - Desempenho

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP

ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP Relatório DCT.C.15.003.2006-R1 MAIO/2008 ABESC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONCRETAGEM SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO E TILT-UP AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DEPARTAMENTO

Leia mais

Associação ProAcústica Office Solution

Associação ProAcústica Office Solution Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. ABNT NBR 15.575:2-13 Edificações habitacionais

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto

Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto 13 Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto Nunes, M.F.O.; Zini, A.; Pagnussat, D.T. *Laboratório de Tecnologia Construtiva, Universidade de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N O RT0112/12 Isolação sonora de parede Drywall e mantas de fibra plástica

RELATÓRIO TÉCNICO N O RT0112/12 Isolação sonora de parede Drywall e mantas de fibra plástica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Depto. de Engenharia Mecânica Laboratório de Vibrações e Acústica Campus universitário, Trindade, CP 476 CEP 88.040-900, Florianópolis-SC Fone: 55 48 3721 7716 /

Leia mais

RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO

RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO Em parceria com: Prof.Daniel Tregnago Pagnussat, Dr. UFRGS/CLN RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO 1 Prof. Daniel Tregnago Pagnussat, Dr. PROFESSOR UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Desempenho acústico de paredes de blocos e tijolos cerâmico: uma comparação entre Brasil e Portugal

Desempenho acústico de paredes de blocos e tijolos cerâmico: uma comparação entre Brasil e Portugal Desempenho acústico de paredes de blocos e tijolos cerâmico: uma comparação entre Brasil e Portugal Acoustic performance of ceramic brick and block walls: a comparative study between Brazil and Portugal

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA REDUÇÃO SONORA DE REVESTIMENTOS DE PISO E DE

Leia mais

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal fjbranco@dec.uc.pt Luís Godinho CICC,

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA Propriedade: SENAI Área: 217 mil metros quadrados Jan/2015 Mai/2016 Set/2016 Mai/2016 Mai/2016

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO REVESTIMENTO NO ISOLAMENTO ACÚSTICO DE PAREDES DE ALVENARIA

CONTRIBUIÇÃO DO REVESTIMENTO NO ISOLAMENTO ACÚSTICO DE PAREDES DE ALVENARIA CONTRIBUIÇÃO DO REVESTIMENTO NO ISOLAMENTO ACÚSTICO DE PAREDES DE ALVENARIA Adriana F. Friedrich (1); Dinara X. Paixão (1); Erasmo F. Vergara(1) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PPGEC),

Leia mais

CONFORTO ACÚSTICO ENTRE UNIDADES HABITACIONAIS EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE SÃO PAULO, BRASIL

CONFORTO ACÚSTICO ENTRE UNIDADES HABITACIONAIS EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE SÃO PAULO, BRASIL Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra CONFORTO ACÚSTICO ENTRE UNIDADES HABITACIONAIS EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE SÃO PAULO, BRASIL Maria de Fatima Ferreira Neto 1,

Leia mais

Técnicas das Construções I ESQUADRIAS. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 10

Técnicas das Construções I ESQUADRIAS. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 10 200888 Técnicas das Construções I ESQUADRIAS Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 10 1. Conceituação Elemento da Vedação Vertical utilizado no fechamento de

Leia mais

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS)

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) ENSAIO DE DESEMPENHO DE LAJE PARA ISOLAMENTO DE RUÍDO DE IMPACTO NBR 15575-3:2013 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) deve estar de acordo com as exigência da norma IEC

Leia mais

Conforto Acústico em edifícios residenciais

Conforto Acústico em edifícios residenciais ARTIGO Conforto Acústico em edifícios residenciais Maria de Fatima Ferreira Neto, pesquisadora e professora da UNIP-Sorocaba; Stelamaris Rolla Bertoli, professora Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura

Leia mais

Consultoria Assessoria Projetos

Consultoria Assessoria Projetos Consultoria Assessoria Projetos Giner Sound Vibration Transmissão Interfaces Acústica Recepção Massa Rigidez Amortecimento Conforto Acústico Interno em Hotéis José Carlos Giner, BSc(EEng) CEng Aco Principal

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO ACÚSTICO EM SALAS DE AULA ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO PARANÁ

AVALIAÇÃO DO CONFORTO ACÚSTICO EM SALAS DE AULA ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO PARANÁ AVALIAÇÃO DO CONFORTO ACÚSTICO EM SALAS DE AULA ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO PARANÁ Daniele Petri Zanardo Zwirtes (1); Paulo Henrique Trombetta Zannin (2) (1) Laboratório de Acústica Ambiental, Industrial

Leia mais

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE CÂMARAS DE ENSAIO ACÚSTICO DE ESQUADRIAS

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE CÂMARAS DE ENSAIO ACÚSTICO DE ESQUADRIAS PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE CÂMARAS DE ENSAIO ACÚSTICO DE ESQUADRIAS DE GODOY, Marcelo 1 ; MORAES, Edison C. 2 1 Modal Acústica marcelo@modalacustica.com.br 2 Atenua Som edison@atenuasom.com.br Resumo Este

Leia mais

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM Características: Modelo indicado para ambientes que necessitam apresentação estética e alto isolamento acústico. Alguns ambientes que poderão ser instaladas

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS INTERLABORATORIAIS

PROGRAMA DE ENSAIOS INTERLABORATORIAIS Ref INT01/12V.01 20/08/2012 Pág. 1 PROGRAMA DE ENSAIOS INTERLABORATORIAIS 2012 LABORATÓRIOS DE CAMPO PARA ACÚSTICA EM EDIFICAÇÕES Ref INT01/12V.01 20/08/2012 Pág. 2 1. INTRODUÇÃO A norma ABNT NBR 15.575

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS

INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS PACS: 43..Rg Diogo M. R. Mateus; Andreia S. C. Pereira CICC, Departamento de Engenharia Civil, Faculdade

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 (ABNT) Esquadrias Diretora do IBELQ Instituto

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM DOCENTE

RELATÓRIO DE VIAGEM DOCENTE RELATÓRIO DE VIAGEM DOCENTE Arqto. Prof. Dr. João Gualberto de Azevedo Baring Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP - Departamento de Tecnologia da Arquitetura. PERÍODO DE AFASTAMENTO 23 a 27 de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza OBJETIVO: O presente memorial descritivo destina-se a estabelecer as etapas necessárias, juntamente com sua descrição, para contratação de mão

Leia mais

UMA ANÁLISE DE CRITÉRIOS DE DESEMPENHO ACÚSTICO PARA SISTEMAS DE PISO EM EDIFICAÇÕES

UMA ANÁLISE DE CRITÉRIOS DE DESEMPENHO ACÚSTICO PARA SISTEMAS DE PISO EM EDIFICAÇÕES XI Simpósio de Mecânica Computacional II Encontro Mineiro de Modelagem Computacional Juiz De Fora, MG, 28-30 de Maio De 2014 UMA ANÁLISE DE CRITÉRIOS DE DESEMPENHO ACÚSTICO PARA SISTEMAS DE PISO EM EDIFICAÇÕES

Leia mais

SISTIMETRA CONTIMETRA 47 Porto EXEMPLO DE APLICAÇÃO. 2º, 3º e 4 Pisos. 3 m. 10 m. 8 m LEGENDA. UTAN Planta do tecto

SISTIMETRA CONTIMETRA 47 Porto EXEMPLO DE APLICAÇÃO. 2º, 3º e 4 Pisos. 3 m. 10 m. 8 m LEGENDA. UTAN Planta do tecto EXEMPLO DE APLICAÇÃO 2º, 3º e 4 Pisos 1 3 4 5 6 AR NOVO 2 3 m 7 8 m 10 m Ø250 mm DIFUSOR ROTACIONAL TDF-SA/600 LEGENDA 1-1 UTAN Marca: TROX Technik Planta do tecto X Modelo: TKM-50/Tam3 Ventilador: TPF

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IX semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax:

APRESENTAÇÃO GRUPO ABSORSOR. MADRID c/ Lopez Aranda, Madrid Tel: Fax: MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DE RUÍDO E VIBRAÇÕES LISBOA Taguspark Edificío Tecnologia I, n.º 11 2780-920 Oeiras Tel: +351 214 228 950 Fax: +351 214 228 959 PORTO Zona Industrial da Maia I, Sector X, Lote

Leia mais

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos.

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. um produto que une efi ciência técnica com preocupação ambiental EcoSilenzio é um produto que traz ao mercado um novo conceito para a absorção das vibrações

Leia mais

ÍNDICE 1. EMPRESA BREVES NOÇÕES PRINCIPAIS VANTAGENS ÂMBITO DE APLICAÇÃO INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO...

ÍNDICE 1. EMPRESA BREVES NOÇÕES PRINCIPAIS VANTAGENS ÂMBITO DE APLICAÇÃO INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO... DOSSIER INFORMATIVO ÍNDICE 1. EMPRESA... 3 2. BREVES NOÇÕES... 4 3. PRINCIPAIS VANTAGENS... 5 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 7 5. INSTRUÇÕES SIMPLIFICADAS DE APLICAÇÃO... 8 2 1. EMPRESA A FLEX2000 é uma empresa

Leia mais

REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO

REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO REABILITAÇÃO DE FACHADAS O ISOLAMENTO ACÚSTICO COMO FACTOR CONTRIBUTIVO Fotografia Autor 30 mm x 40 mm Jorge Patrício Eng.º Civil LNEC Lisboa; Portugal e-mail:jpatricio@lnec.pt Odete Domingues Eng.ª Civil

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

quadro de escolha para colagem

quadro de escolha para colagem quadro de escolha para colagem São 3 os parâmetros que determinam a cola a utilizar em função dos trabalhos a realizar: 1º suporte 2º local 3º as peças a colar A natureza: Onde: Destino/uso: Natureza:

Leia mais

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100

PAINEIS MÓVEIS ACÚSTICOS TYPE 100 Documentação Índice Documentação Geral... 2 Especificações Type 100... 4 Painéis de Parede e de Porta... 5 Sistema de Parqueamento dos Painéis... 6 Calhas dos Painéis... 7 Detalhes dos Painéis... 8 Tipos

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS . HISTÓRICO O uso da Alvenaria como elemento apenas comprimido é uma das mais antigas formas de construção empregadas pelo homem HISTÓRICO OBRAS

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a)

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a) Desempenho Acústico DESEMPENHO ACÚSTICO O ruído gerado pela circulação de veículos, crianças brincando no playground e música alta no apartamento vizinho são causas de desentendimentos e de estresse. Por

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA

EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA EFEITO DO TAMANHO DA AMOSTRA EM ENSAIOS LABORATORIAIS DE ABSORÇÃO SONORA António P. O. Carvalho, Mário R. M. Sousa Laboratório de Acústica, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto. Portugal carvalho@fe.up.pt,

Leia mais

FIGURA 30: Isolamento de vidro laminado duplo; espessura total de 18/19 mm (PUJOLLE, 1978, p.521)

FIGURA 30: Isolamento de vidro laminado duplo; espessura total de 18/19 mm (PUJOLLE, 1978, p.521) 4 FIGURA 3: Isolamento de vidro laminado duplo; espessura total de 18/19 mm (PUJOLLE, 1978, p.21) FIGURA 31: Isolamento de vidro laminado triplo; espessura total de 12 mm (PUJOLLE, 1978, p.21) FIGURA 32:

Leia mais

EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS

EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS PACS: 43.50.Gf Bragança, Luís 1 ; Freitas, Elisabete 2 ; Pinheiro, Daniel 3 Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho Campus de Azurém 4800-058 Guimarães

Leia mais

Materiais acústicos: selecionando e utilizando de forma correta

Materiais acústicos: selecionando e utilizando de forma correta Materiais acústicos: selecionando e utilizando de forma correta Wagner Isidoro Simioni * RESUMO Os problemas relacionados com ruído atingem grande parte da população mundial. No âmbito da construção civil,

Leia mais

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA PARA CÁLCULO DO TEMPO DE REVERBERAÇÃO EM AMBIENTES

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis.

FICHA TÉCNICA. Meias canas para isolamento de tubagens, com diâmetros variáveis. FICHA TÉCNICA 1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Aglomex Acoustic é um produto resultante da aglomeração de espuma flexível de poliuretano de diferentes densidades que evidencia uma composição homogénea e estável.

Leia mais

Comportamento acústico do peitoril ventilado em edificações de clima quente úmido

Comportamento acústico do peitoril ventilado em edificações de clima quente úmido Buenos Aires, 5, 6 y 7 de noviembre de 2008 Comportamento acústico do peitoril ventilado em edificações de clima quente úmido Maria Lucia G. R.Oiticica ª, Stelamaris R. Bertoli b. (a) Doutoranda da Faculdade

Leia mais

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos.

Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. paper ID: 136 /p.1 Isolamento acústico conferido por divisórias leves em gesso cartonado. Resultados experimentais versus teóricos. Diogo Mateus, Julieta António, António Tadeu Departamento de Engenharia

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão

ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS SONS AÉREOS. Proveniência dos Sons Aéreos. Sons Aéreos. Isolamento. Sons de Percussão ISOLAMENTO A SONS AÉREOS ISOLAMENTO AOS SONS Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão A distinção entre sons aéreos e sons de percussão é importante porque o isolamento sonoro dos elementos de construção

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Coordenação Modular. Jean Marie Désir

Coordenação Modular. Jean Marie Désir Coordenação Modular Jean Marie Désir http://chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Função Coordenação modular Modulação Horizontal Malha modular Cantos e amarrações Ajustes Modulação Vertical

Leia mais

DIVISÃO DE ACÚSTICA NORMA ABNT NBR 15575/13 REUNIÃO TÉCNICA

DIVISÃO DE ACÚSTICA NORMA ABNT NBR 15575/13 REUNIÃO TÉCNICA NORMA ABNT NBR 15575/13 REUNIÃO TÉCNICA Assunto: NORMA DO DESEMPENHO ACÚSTICA APLICAÇÃO PRÁTICA Data: 15/05/14 (quinta feira) Horário: das 20h às 22h. EXPOSITORES: SCHAIA AKKERMAN Engenheiro Civil e Engenheiro

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE O CONHECIMENTO E AS APLICAÇÕES LECA NA MELHORIA TÉRMICA E ACÚSTICA DOS HABITATS 1. INTRODUÇÃO O Conhecimento e a Experiência acumulados pela Saint-Gobain Weber Portugal SA (S-GWP), no desenvolvimento e

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO M.D

MEMORIAL DESCRITIVO M.D DISTRITO CONCEIÇÃO DO MUQUI 1. INTRODUÇÃO. As obras serão realizadas obedecendo rigorosamente aos projetos, detalhes e especificações, bem como as normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DOS MOMENTOS FLETORES EM LAJES DE CONCRETO ARMADO 1

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DOS MOMENTOS FLETORES EM LAJES DE CONCRETO ARMADO 1 COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DOS MOMENTOS FLETORES EM LAJES DE CONCRETO ARMADO 1 CECCHETTO, Carise Taciane 2 ; CHRISTMANN, Samara Simon 3 ; RODRIGUES, Paulo Cesar 4. Palavras-chave:

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Bernardo Fonseca Tutikian Maria Fernanda de Oliveira Nunes. Palavras-chaves: Desempenho acústico. Janelas. Persiana. Vidros.

Bernardo Fonseca Tutikian Maria Fernanda de Oliveira Nunes. Palavras-chaves: Desempenho acústico. Janelas. Persiana. Vidros. Análise comparativa do desempenho acústico de sistemas de fachada com esquadrias de PVC com persiana e diferentes tipos de vidros em ensaios de laboratório Comparative analysis of the acoustic performance

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO EM SISTEMAS DRYWALL

DESEMPENHO ACÚSTICO EM SISTEMAS DRYWALL DESEMPENHO CÚSTICO EM SISTEMS DRYWLL 2 a EDIÇÃO www.drywall.org.br presentação Desempenho acústico em sistemas drywall - 2 a Edição ssociação Brasileira do Drywall utor: Carlos Roberto de Luca Revisão

Leia mais