Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico"

Transcrição

1 Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa

2 TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem, em: gerados no ar e de impacto; Fonte: Akkerman e Holtz.

3 Na acústica de edificações é importante ter domínio sobre três fenômenos importantes da propagação sonora: ISOLAMENTO SONORO REFLEXAO SONORA ABSORÇÃO SONORA

4 Tratamento Acústico Isolamento Acústico Uso adequado de materiais capazes de permitir a necessária impermeabilidade acústica Condicionamento Acústico Estudo geométrico-acústico do recinto e cálculo do tempo de reverberação. Fonte: NBR / 92 ; Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha

5 Isolamento Acústico São medidas arquitetônicas que facultam a redução do nível de ruído gerado em um ambiente para o ambiente vizinho, separados por uma barreira.

6 Nos casos normais, a lei que gere o isolamento dos sons aéreos é chamada de LEI DA MASSA ou da DENSIDADE.

7 O uso da LEI DE MASSA não é o suficiente para resolver todos os casos de isolamento sonoro, por isso existem soluções que usam a combinação de materiais com carga menor. A combinação de painéis leves, afastados, formando espaço preenchido pelo ar pode isolar mais que o efeito produzido pela lei da massa, para uma mesma espessura. É o chamado efeito Sanduíche. Espessuras zig-zag dos montantes; Preenchimento da caixa de ar, com lã de vidro ou lã de rocha; Evitando efeito mola causado pelo vazio (ar); Isolamentos de parede s / divisórias

8 ILUSTRAÇÃO DO ESQUEMA MASSA MOLA MASSA

9 PAREDES DE GESSO ACARTONADO

10

11

12 Fonte: SILVA, Pérides, 2005

13 Fonte: SILVA, Pérides, 2005

14 Fonte: SILVA, Pérides, 2005

15 Fonte: SILVA, Pérides, 2005

16 Fonte: LANÇA, Pedro.

17 Fonte: LANÇA, Pedro.

18 Fonte: LANÇA, Pedro.

19

20 Fonte: SILVA, Pérides, 2005

21 EXEMPLO DE PISO FLUTUANTE - RESIDENCIAL

22 EXEMPLO DE PISO FLUTUANTE SALA DE BALLET

23 EXEMPLO DE PISO FLUTUANTE PISO ESPORTIVO Sistema de piso esportivo flexível em madeira, destinado ao uso poliesportivo em ginásios cobertos para prática de esportes. É definido como um piso que tem grande capacidade de absorver impactos e alto desempenho esportivo (alto rendimento).

24 CORTE ESQUEMÁTICO PISO FLUTUANTE Piso Flutuante Isolar Sons de Impacto Fonte: SILVA, Pérides, 2005

25 Piso Flutuante Isolar Sons de Impacto Fonte: FERREIRA, Ana Rafaela Penedones Caixeiro. 2007

26 Formula que verifica o valor do Isolamento Acústico de um dado material é:

27 Exemplo de utilização da fórmula: Considere uma parede de tijolos maciços, com 10 cm de espessura, cuja a densidade superficial é de 160 kg/m². Calculemos o seu isolamento acústico, para a frequência média de 512 Hz e para outra, mais alta, de 4096 Hz.

28 Condicionamento Acústico Condicionamento acústico significa minimizar as múltiplas reflexões do som no ambiente em que é gerado, tornando menor o índice de ruído interno e melhorando o conforto.

29

30 Paineis de Parede Espumas Acústicas

31 Cubos Acústicos Recentemente foi finalizada a execução do projeto de condicionamento acústico do Acampamento Recanto da Benção, em Salvador BA. Havia a demanda por um tratamento com custo não elevado e de fácil instalação. Além do material absorvente na parede composto por painéis lã de PET, o grande diferencial deste projeto foi o uso dos cubos acústicos suspensos na cobertura existente.

32 ROTEIRO ANÁLISE 1. Estudo da Morfologia do Local e Estudo Geométrico Acústico (auditórios e salas de conferência). 2. Cálculo do Tempo de Reverberação NBR12179 (auditorios, salas de conferencia, escritorios, igrejas, ambientes onde e desejado o controle do ruido). 3. Materiais, usos, aplicações e estratégias.

33 Fonte: NBR / Morfologia do Local e Estudo Geométrico

34 Fonte: Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha

35 Fonte: Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha

36 DIMENSIONAR CONSIDERANDO O VOLUME Volume Auditório x Número Assentos Fonte: Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha

37 GEOMETRIA RECINTO

38 PARA ESTUDAR A DISTRIBUIÇÃO DO SOM NO AMBIENTE

39 Princípio da reflexão; Diferenças entre raios diretos e refletidos; Beneficiar os usuários que ocupam as cadeiras do fundo do auditório com o raio sonoro refletido pelas paredes e pelo forro;

40 Aplicação

41 Estudos de raio de visão

42 Neufert, 2004

43 2. Cálculo do Tempo de Reverberação

44 TEMPO DE REVERBERAÇÃO

45

46 3 m Exercício 1 Considerando uma sala de aula com as dimensões abaixo discriminadas, calcule o Tempo de Reverberação do som nela. Revestimentos: 1 Quadro Negro 1,60x6,50m 2 Janelas Vidro 1,70x2,50 m 1 Porta Madeira 1x2 m Teto e Parede revestido com argamassa Piso revestido com ladrilho

47 Coeficiente de absorção do som ( ) Fonte: Revista acústica e Vibrações n o 29 julho/ HZ 500 HZ 1000 HZ Parede ou teto de argamassa 0,10 0,06 0,05 Vidro 0,25 0,18 0,12 Porta de madeira 0,11 0,09 0,07 Quadro negro 0,01 0,01 0,01 Pisos de linólio ou paviflex ou ladrilho 0,03 0,03 0,03 Carpet fino sobre concreto 0,10 0,25 0,30 Placa de gesso 0,15 0,08 0,06 Coeficiente de absorção do som ( ) Fonte: SILVA, Pérides. Acústica arquitetônica. 4.ed. Belo Horizonte:EDTAL, HZ 512 HZ 2048 HZ Parede alvenaria rebocada e caiada 0,028 0,025 0,03 Parede rebocada e pintada a óleo 0,018 0,023 0,024 Teto em laje rebocado e caiado 0,015 0,02 0,025 Superfícies metálicas 0,002 0,002 0,002 Quadro negro 0,03 0,03 0,03 Vidro simples 0,03 0,27 0,025 Mármore 0,01 0,01 0,15 Piso de taco de peroba 0,04 0,03 0,03 Porta de madeira compensada pintada 0,04 0,03 0,03 Concreto celular siporex e= 100 0,2 0,19 0,34 Cortiça em placas( ABNT-NB-101) e=19 0,09 0,6 0,21 Cortina simples de algodão dobrada 0,07 0,49 0,66 Madeira maciça invernizada, e=3cm 0,1 0,05 0,04 Pastilha cerâmica 0,12 0,15 0,00

48 Resolução 1º passo Calcular o volume da sala de aula V= Largura x Comprimento x Altura V = 8 x 10 x 3 = 240 m³ 2º passo Calcular a área dos materiais Quadro negro = 1,60x6,50 = 10,4 m² Janelas = 2 x (1,70x2,5) = 8,5 m² Porta = 1x2 = 2m² Paredes = ( )x 3 = 108 m² Descontar Portas + Janelas + Quadro = 10,4+8,5+2 = 20,9 => ,9 = 87,10 m² Teto= 8x10 = 80 m² Piso = 8x10 = 80 m²

49 3º passo Somatória das áreas multiplicadas pelo coeficiente Quadro negro = 10,4 m² x 0,01 = 0,104 Janelas = 8,5 m² x 0,18 = 1,53 Porta = 2m² x 0,09 = 0,18 Paredes = 87,10 m² x 0,06 = 5,226 Teto= 80 m²x 0,06 = 4,8 Piso = 80 m² x 0,03 = 2,4 RT(60) = 0, m³ = 2,71 segundos em 500 Hz 0, ,53 + 0, ,026+ 2,4

50

51 Atenuação Sonora por Absorção é a área de absorção existente pós-tratamento acústico; é a área de absorção antes do tratamento;

52

53 Referências FERREIRA, Ana Rafaela Penedones Caixeiro. Soluções Técnicas para Isolamento Sonoro de Edifícios de Habitação. Dissertação PÉRIDES, Silva. Acústica arquitetônica e condicionamento de ar (simplificado). 5. ed. Belo Horizonte, 2005.

54 Atividade Proposta Grupo 4 alunos Escolher uma ambiente na UNIC e levantar as suas medidas; Descrever os materiais de acabamento interno; Cálcular o Tempo de Reverberação do ambiente, com e sem móveis; Calcular o Isolamento Acústico dos materiais de vedação do ambiente, como paredes, lajes, janelas e portas. Entregar no final da aula para a professora: Croqui de levantamento, com medidas e descrição dos materiais; Memorial de Cálculos; Resultados.

55

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro Projetos Salas de Múltiplo uso MSc. Keliane Castro Há dois critérios básicos a serem atendidos pelo projeto acústico: o isolamento e o condicionamento interno do ambiente. O primeiro, em síntese, bloqueia

Leia mais

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica

Conforto Térmico Acústica Arquitetônica Abril de 2012 Conforto Térmico Acústica Arquitetônica MÓDULO II Acústica Arquitetônica Isolamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 2009- Parte 2-1 Reabilitação 2009- Acústica de edifícios 1+2 Condicionamento acústico interior 3 - Isolamento de sons aéreos 4 - Isolamento de ruídos de instalações 5 - Isolamento de ruídos

Leia mais

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC

Materiais. Conceitos para acústica arquitetônica. Marcelo Portela LVA/UFSC Materiais Acústicos Conceitos para acústica arquitetônica Marcelo Portela LVA/UFSC LEMBRANDO... ISOLAMENTO ACÚSTICO Capacidade de certos materiais formarem uma barreira, impedindo que a onda sonora passe

Leia mais

Campo sonoro em espaços fechados

Campo sonoro em espaços fechados Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Ambientes fechados Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 5 - Reabilitação 009- Protecção contra o ruído de equipamentos colocados no exterior Silenciadores circulares p/ condutas de ventilação Grelhas atenuadoras (5 a 1 db) Atenuadores

Leia mais

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável

0.05 a 0.10 pequeno 0.10 a 1.20 significativo acima de 0.20 considerável Professor Rogério Mori Materiais porosos Quando a energia sonora penetra num material poroso, parte dela é convertida em calor, devido a resistência viscosa e ao atrito nos poros e ainda pela vibração

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque

PISO / PAREDE. Prof. Francisco Buarque PISO / PAREDE 1 Parte 01: Requisitos Gerais; Parte 02: Requisitos para os sistemas estruturais; Parte 03: Requisitos para os sistemas de pisos; Parte 04: Requisitos para os sistemas de vedações verticais

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ACÚSTICO DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Fábio MAUBER (1); Vinícius SOBRAL (2); Homero CARVALHO (3); Coordenação de Design de Interiores/IFPB (1) IFPB, e-mail: fbmauber@hotmail.com

Leia mais

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES SUMÁRIO Conceito e Definição de Desempenho Histórico do desempenho das edificações; Abordagem de desempenho nas edificações; Norma Prescritivas X Normas de Desempenho; Metodologia

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Absorção Sonora Ranny L. X. N. Michalski

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Levantamento de Quantitativos Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Levantamento de Quantitativos Orçamentação Serviços que compõem a obra Quais? MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS DE PREVISÃO DE ISOLAMENTO SONORO A SONS DE CONDUÇÃO AÉREA DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS Luís Bragança, Francisco Correia da Silva Departamento de Engenharia Civil, Universidade do

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário,

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário, 26.(TRT-8/CESPE/2013) A respeito de conforto térmico, assinale a opção correta. A) Em climas secos (desérticos ou semidesérticos), em que a temperatura é elevada, o uso de pouca roupa garante condições

Leia mais

Paredes Knauf. Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Paredes Knauf. Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Knauf Folheto Técnico 08 / 2016 Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não

Leia mais

Revestimentos Knauf Conforto térmico e acústico com alta qualidade de acabamento

Revestimentos Knauf Conforto térmico e acústico com alta qualidade de acabamento Knauf Folheto Técnico 05 / 2017 Revestimentos Knauf Conforto térmico e acústico com alta qualidade de acabamento Revestimento Knauf Utilizados em áreas internas das edificações para revestir paredes, pilares,

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza OBJETIVO: O presente memorial descritivo destina-se a estabelecer as etapas necessárias, juntamente com sua descrição, para contratação de mão

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

sinapi BDI BONIFICAÇÕES E DESPESAS INDIRETAS SINAPI 20,00%

sinapi BDI BONIFICAÇÕES E DESPESAS INDIRETAS SINAPI 20,00% ORÇAMENTO ESTIMATIVO OBRA: PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CANOAS RS LOCALIDADE: Rua Dr. Barcelos nº 1135 - salas nº 201 a 206, - Edifício San Rafael Canoas - RS Data base de preços SINAPI :

Leia mais

Técnicas das Construções I ALVENARIA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 6

Técnicas das Construções I ALVENARIA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 6 200888 Técnicas das Construções I ALVENARIA Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 6 Objetivos: 1. DISCUTIR A IMPORTÂNCIA DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. 2. DISCUTIR

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 12 Forros FORROS Definição: Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir a superfície superior de um ambiente fechado FORROS FORROS Critérios de escolha:

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 0 Sumário 1. LINHA ECONÔMICA... 2 1.1 LINHA ECONÔMICA ALMOXARIFADO / DEPÓSITO / FERRAMENTARIA... 3 1.2 LINHA ECONÔMICA ESCRITÓRIO / VESTIÁRIO / REFEITÓRIO... 4 1.3 LINHA ECONÔMICA

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina A - Acústica Arquitetônica

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina A - Acústica Arquitetônica Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003736A - Acústica Arquitetônica Docente(s) João Roberto Gomes de Faria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT 0278 - Desempenho Acústico, Arquitetura e Urbanismo Transmissão Sonora e Acústica de Edificações

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo Edificações térreas ou assobradadas, podendo ser geminadas, inclusive em ambos os lados, satisfazendo a projeto arquitetônico simples, geralmente

Leia mais

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM

PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM PAREDE DIVISÓRIA ARTICULADA - LINHA PREMIUM Características: Modelo indicado para ambientes que necessitam apresentação estética e alto isolamento acústico. Alguns ambientes que poderão ser instaladas

Leia mais

ANEXO XIII MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII MEMORIAL DESCRITIVO 1. APRESENTAÇÃO O presente MEMORIAL DESCRITIVO tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados na reforma do

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC - 1 - UNIP - Universidade Paulista CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 01 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS CONCRETO (SEC) NOTAS DE AULA - PARTE 1 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS - 2 - NA_01/2014 1. CARGAS

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

Conforto Ambiental Acústica Arquitetônica

Conforto Ambiental Acústica Arquitetônica Março de 2012 Conforto Ambiental Acústica Arquitetônica UNIDADE I Acústica Arquitetônica Conceitos Básicos e Condicionamento Acústico Prof. Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy

Leia mais

Refietem e absorvem o ruído! Barreiras acústicas de isolamento sonoro em recintos exteriores

Refietem e absorvem o ruído! Barreiras acústicas de isolamento sonoro em recintos exteriores Refietem e absorvem o ruído! Barreiras acústicas de isolamento sonoro em recintos exteriores Instalação fácil Sem recurso a mecanismos elevatórios Grande isolamento acústico Resistência às intempéries

Leia mais

Parafuso autoperfurante TA 3,5x25mm. Massa para tratamento de juntas com fita de papel microperfurado. Fita de isolamento Montante

Parafuso autoperfurante TA 3,5x25mm. Massa para tratamento de juntas com fita de papel microperfurado. Fita de isolamento Montante Parede Knauf W111 - Detalhes Técnicos Corte Vertical Detalhe - Junta de chapas estrutura simples TA 3,5x25mm TA 3,5x25mm com fita de com fita de Detalhe - Encontro com parede TA 3,5x25mm Parafuso com bucha

Leia mais

Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos:

Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos: Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos: RECEPTOR FONTE MEIO DE PROPAGAÇÃO A resposta acústica de um ambiente depende das características morfológicas do meio de propagação. PROPAGAÇÃO

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE MUSICA DA FACULDADE ENIAC

TÍTULO: PROJETO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE MUSICA DA FACULDADE ENIAC 16 TÍTULO: PROJETO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE MUSICA DA FACULDADE ENIAC CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): WILKER

Leia mais

Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro

Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro Igreja Metodista Caraguá Sidnei Ribeiro Sugestão: Sistema de três canais com cluster central para voz e estéreo esquerdo / direito para música Produto Indicado: Caixa Studio R modelo SKY Sound 6, três

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA. IMPERALUM Manual de Acústica. nº 24. Nº Pág.s: Maio Copyright Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA IMPERALUM Manual de Acústica nº 24 Nº Pág.s: 10 24 04. Maio 2006 MANUAL DE ACÙSTICA IMPERSOM 01 1. MANUAL DE ACÙSTICA A gama acústica IMPERSOM Fruto de todo um trabalho de investigação e

Leia mais

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA O Template MCMV O Template MCMV Minha Casa Minha Vida tem como objetivo fornecer um arquivo BIM (Building Information Modeling) com Famílias e Famílias de Sistemas adaptados

Leia mais

Memorial Descritivo. Habitação Social API5

Memorial Descritivo. Habitação Social API5 Memorial Descritivo Habitação Social API5 O projeto de Habitação Social projetado para o Jardim Holanda foi pensado em modulações, tendo todas as suas medidas multiplas de 60cm, usando medidas de 0,6m,

Leia mais

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS O que é revestimento? Revestimentos mais comuns Argamassas Cerâmicos Pedra

Leia mais

Sistemas de Forros Placostil

Sistemas de Forros Placostil Sistemas de Forros Placostil Soluções Construtivas Proteção acústica e térmica, design diferenciado e muita segurança. Ao longo dos anos, os forros melhoraram sua tecnologia e agregaram valor às construções,

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

Painéis absorvedores sonoros

Painéis absorvedores sonoros Painéis absorvedores sonoros Absorção Sonora de Alta Performance Desenvolvidos pela Isover, os painéis Decorsound e Sonare reduzem os efeitos da reverberação sonora, minimizando a propagação de ruídos

Leia mais

CNPJ /

CNPJ / 1. REFORMA EM GERAL 1.1 Serviços Preliminares 74209/001 Placa de obra em chapa de aço galvanizado m2 4,50 413,13 101,18 2.314,37 Total do ìtem 2.314,37 1.2 Demolições e Remoções 72142 Retirada de folhas

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. Msc. Anderson Alencar Edificações - IFPA INTRODUÇÃO Materiais de construção são todos os utilizados nas obras (construção de casas, prédios

Leia mais

1. TIPO DE CASA 2. TIPO DE PAREDE 3. TIPO DE FUNDAÇÃO 4. MEDIDAS DE CASA 5. DIVISÃO DE CASA. No exterior, argamassa, no interior placa de gesso

1. TIPO DE CASA 2. TIPO DE PAREDE 3. TIPO DE FUNDAÇÃO 4. MEDIDAS DE CASA 5. DIVISÃO DE CASA. No exterior, argamassa, no interior placa de gesso Preço de aproximar: 81300 * *O preço calculado reflete acerca do 80 porcento de preço final. Depois de uma reunião pessoal, a gente calcula o valor final. 1. TIPO DE CASA Variação tipo de casa 1. Variação

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010.

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas

Leia mais

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1

Gestão da Construção - Anexo 7A1 - Mapa de quantidades Página 1 DIMENSÕES QUANTIDADES comp. larg. alt. UN elemento parciais CAP. art. DESCRIÇÃO DOS TRABALHOS ELEMENTO 0 ESTALEIRO 0.1 Montagem e desmontagem de estaleiro 1 vg 1 ALVENARIAS 1.1 Tijolo Cerâmico 1.1.1 Paredes

Leia mais

Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga

Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga Referencial Técnico para Licitação Brise acústico para a unidades do Serviço Social do Comércio SESC, localizada na cidade satélite de Taguatinga Cliente: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO - SESC AR/DF Endereço:

Leia mais

ANÁLISE ACÚSTICA DO AUDITÓRIO PAULO BONAVIDES NAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS/PB

ANÁLISE ACÚSTICA DO AUDITÓRIO PAULO BONAVIDES NAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS/PB ANÁLISE ACÚSTICA DO AUDITÓRIO PAULO BONAVIDES NAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS/PB GOMES, Emmily Gersica Santos (1); LUCENA, Pedro Gomes de (2); CUNHA, Marcella Viana Portela de Oliveira (3); ALVES, Anderson

Leia mais

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume Definição: AGLOMERANTES Aglomerantes são materiais ativos, geralmente pulverulentos, que entram na composição das pastas, argamassas e concretos. Nomenclatura Exemplos: Aglomerantes Aglomerantes = materiais

Leia mais

Forros. Classificação e tipos. Segundo a forma de fixação: 12/11/2013

Forros. Classificação e tipos. Segundo a forma de fixação: 12/11/2013 Definição Forros Prof. MSc. Eng. Poliana Tatiana da Silva Gratão Engenharia Civil Construção Civil II 8º Período Turma B01 Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir a superfície

Leia mais

Mais conforto, menos impacto. Mantas Acústicas Pisos Ecológicos

Mais conforto, menos impacto. Mantas Acústicas Pisos Ecológicos Mais conforto, menos impacto. Mantas Acústicas Pisos Ecológicos SOBRE A AUBICON Somos uma empresa brasileira, com escritório na cidade de São Paulo, que atende a todo o Mercosul com produtos destinados

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento

REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 13 EXERCÍCIO 1 ESCOLHA DO SISTEMA DE

Leia mais

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes:

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes: ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTRAS E VIDROS a) Paredes: 1 de 9cm bloco de concreto 9cm Argamassa interna () Bloco de concreto (9,0 x 19,0 x Argamassa externa () 2,78

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias

Leia mais

Normas ABNT em Consulta Pública, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas 18 de Outubro à 04 de Novembro de2016

Normas ABNT em Consulta Pública, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas 18 de Outubro à 04 de Novembro de2016 em, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas ABNT/CEE-185 ABNT NBR 16569 _ Parede e laje de concreto celular estrutural moldada no local para a construção de edificações Projeto, execução e controle Requisitos

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Revestimento Knauf W61 Construção As chapas Knauf gesso podem ser fi-xadas diretamente sobre a parede original, como revestimento, com massa para fixação. Os revestimentos Knauf indireto

Leia mais

E STEEL FRAME. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jan. 2014

E STEEL FRAME. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jan. 2014 PRODUTOS DE GESSO SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME jan. 2014 GESSO O gesso é uma substância, normalmente vendida na forma de um pó branco, produzida a partir do mineral gipsita, composto basicamente de sulfato

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

clipso sound A solução acústica ideal

clipso sound A solução acústica ideal clipso sound A solução acústica ideal Graças aos revestimentos clipso e às inúmeras possibilidades de instalação, você pode otimizar o desempenho acústico de suas paredes e forros, assim como seus quadros,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE GINÁSIO POLIESPORTIVO LOCAL: SEDE DO MUNICÍPIO MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO Obra: Construção de um Prédio Residencial Multifamiliar Local: Avenida Maria José Pinheiro Machado x Jorge Calixto nº 570 Planta aprovada nº 174/16 expedida

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DA UNIDADE HABITACIONAL DO CONJUNTO GERVÁSIO MAIA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DA UNIDADE HABITACIONAL DO CONJUNTO GERVÁSIO MAIA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ACÚSTICO DA UNIDADE HABITACIONAL DO CONJUNTO GERVÁSIO MAIA Titiany OLIVEIRA (1); Raissa ALBUQUERQUE (2); Homero CARVALHO (3). (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1 Preliminares 1.1 Atualização de projetos/as Built (A2) 1,00 vb. 50,00 135,00 50,00 135,00 185,00 TOTAL MATERIAL 50,00 TOTAL MÃO-DE-OBRA 135,00 VALOR TOTAL DO ITEM 185,00 2 Implantação

Leia mais

Acústica nos edifícios

Acústica nos edifícios Acústica nos edifícios Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de Edifícios 1 Os materiais ou sistemas absorventes sonoros podem ser classificados em: - materiais texturados; -Ressoadores

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 3 PELOTÃO/ 2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 3 PELOTÃO/ 2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 3 PELOTÃO/ 2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar

Leia mais

Moradias Aljubarrota. Rua de Aljubarrota c/ Rua de Corte Real

Moradias Aljubarrota. Rua de Aljubarrota c/ Rua de Corte Real Moradias Aljubarrota Rua de Aljubarrota c/ Rua de Corte Real Índice 1 Localização 3 2 Imagens Tridimensionais 5 3 Quadro de áreas/preços 7 4 Plantas 11 5 Mapa de Acabamentos 14 6 Contactos 16 Moradias

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÃO TRATAMENTO ACÚSTICO

CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÃO TRATAMENTO ACÚSTICO 1 / 11 CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÃO 2 / 11 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...03 2. DESCRIÇÃO GERAL...03 3. / ABSORÇÃO...06 4. DOCUMENTOS...10 3 / 11 1 - INTRODUÇÃO: Trata-se do Projeto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais