Empreendedorismo no Brasil Relatório Executivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedorismo no Brasil Relatório Executivo"

Transcrição

1 2014 Empreendedorismo no Relatório Executivo cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 1

2

3 COORDENAÇÃO DO GEM Internacional Global Entrepreneurship Research Association GERA Babson College, Estados Unidos International Development Research Centre (IDRC), Canadá London Business School, Reino Unido Tecnológico de Monterrey, México Universidad del Desarrollo, Chile Universiti Tun Abdul Razak, Malásia Nacional Instituto eiro da Qualidade e Produtividade (IBQP) Sandro Nelson Vieira Diretor Presidente Eduardo Camargo Righi Diretor Jurídico Alcione Belache Diretor de Operações Simara M. de Souza Silveira Greco Gerente de Projetos de Pesquisa PARCEIRO MASTER NO BRASIL Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) Roberto Simões Presidente do Conselho Deliberativo Nacional (CDN) Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho Diretor Presidente Heloisa Regina Guimarães de Menezes Diretora Técnica José Claudio dos Santos Diretor de Administração e Finanças Pio Cortizo Gerente da Unidade de Gestão Estratégica (UGE) Marco Aurélio Bedê Gestor do Projeto pelo SEBRAE PARCEIRO ACADÊMICO NO BRASIL Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) Carlos Ivan Simonsen Leal Presidente da FGV Maria Tereza Leme Fleury Diretora da Escola de Administração de Empresas de São Paulo Tales Andreassi Coordenador do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios PARCEIROS NO PARANÁ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Zaki Akel Sobrinho Reitor Edilson Sergio Silveira Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-graduação Emerson Carneiro Camargo Diretor Executivo da Agência de Inovação UFPR Fernando Antônio Prado Gimenez Coordenação de Empreendedorismo e Incubação de Empresas Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) Júlio César Felix Diretor Presidente EQUIPE TÉCNICA Coordenação Geral IBQP Simara Maria de Souza Silveira Greco - IBQP Análise e Redação Adriano Luiz Antunes IBQP Mariano de Matos Macedo - IBQP Mario Tamada Neto IBQP Morlan Luigi Guimarães IBQP Simara M. de Souza Silveira Greco IBQP Revisão Fernando Antonio Prado Gimenez UFPR Graziela Boabaid Righi IBQP Leonardo Basílio dos Santos - IBQP Marco Aurélio Bedê SEBRAE Pesquisa de campo com Especialistas Nacionais em Empreendedorismo Graziela Boabaid Righi IBQP Pesquisa de Campo com População Adulta Zoom Serviços Administrativos Ltda Arte da capa Juliana Scheller Diagramação e finalização da capa Juliana Montiel Gráfica Imprensa da Universidade Federal do Paraná (UFPR) EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 3

4 ENTREVISTADOS NA PESQUISA COM ESPECIALISTAS BRASIL 2014 Região Norte Alan Sousa Cardoso - PMW Consultoria em Gestão e Planejamento. Ana Sabrina Silva Favacho - Universidade da Amazônia - UNAMA. Ananda Carvalho - Confederação Nacional dos Jovens Empresários (CONAJE) - Amazonas. Célia Cardoso Almeida - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amapá (SEBRAE-AP) Unidade de Políticas Públicas. Fabiano Vieira de Cristo e Silva - Atuallis Consultoria & Projetos. Fernando Fernandes - Associação de Jovens Empresários do Amazonas (AJEAM). Francisco Elno B. Herculano - Incubadora da Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica da Amazônia (FUCAPI). João Machado Neto - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Roraima (SEBRAE-RR). João Marcelino Silva Santos - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Pará (SEBRAE-PA). Leandro R. Rattis Mourthe - Meridional Engenharia Ltda. Miriam do Carmo Paiva - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Ácre (SEBRAE-AC) Unidade de Políticas Públicas. Raimunda Ferreira Nakauth - Ponto Certo (Raimunda Ferreira Nakauth - ME). Regina Ayumi Loureiro - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas (SEBRAE-AM) Unidade de Políticas Públicas. Renato Albuquerque da Cunha - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Tocantins (SEBRAE-TO). Rodrigo Viegas - Associação de Jovens Empresários do Amazonas (AJEAM). Vitor Hugo Perin - Associação de Jovens Empresários do Roraima (AJERR). Região Nordeste Alexandre Maynard Wendel - Unidade de Informação, Pesquisa e Consultoria Ltda (Única) Soluções Estratégicas. Almir Bezerra - Net.com Telecomunicações LTDA. Éverton Wagner Santos de Lucena - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte (SEBRAE / RN). Francisco Nobre de Oliveira - Junta Comercial do Estado da Bahia. Getúlio Alves de Abreu - Instituto Nordeste Cidadania (INEC). Hélmani de Souza Rocha - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Janemary Monteiro - Prefeitura de fortaleza - Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Juliana Soares Queiroga - Endeavor - Nordeste. Leonardo Ferreira Barbosa Filho - 3WEBS. Leonardo Lacerda - Núcleo Regional do Ceará da Anjos do. Marcia Suede Leite Froes da Mota - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Bahia (SEBRAE / BA). Maria Conceição de Aguiar - Escola Cisne. Maria de Fátima Santos - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Alagoas (SEBRAE - AL). Raimundo Eduardo Silveira Fontenele - Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ceará. Roberto Rodrigues Evangelista - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Bahia (SEBRAE-BA) - Unidade de Políticas Públicas. Rodrigo Paolilo - Confederação Nacional dos Jovens Empresários (CONAJE) Pernambuco. Rosane Shereschewsky - Junior Achievement - Pernambuco. Região Sudeste Alexandre Caseira - Endeavor Rio de Janeiro. Amanda Cattoni - Endeavor de Minas Gerais. Ana Lucia Pedro Fontes - Natheia. André Luiz Guimarães Amorim - Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES). Bernardo Pereira Monzo - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio de Janeiro (SEBRAE-RJ) Setor de Conhecimento e Competitividade. Carla Maria Macedo Leite - Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Minas Gerais (CTIT/ UFMG). Cássio Spina - Anjos do. Daniel Freitas Resende - Associação Comercial e Industrial de Patos de Minas (ACIPATOS). Éber Gonçalves - Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo do Estado de Minas Gerais. Eduardo Sales Machado Borges - Instituto Federal Sudeste de MG. Edvar Dias Campos - CED CONTABILIDADE. Eric Gomes Nobre Ribeiro - Criatec - MG. Evaldo Ferreira Vilela - Universidade Federal de Viçosa (UFV). Fernando Dolabela - Fundação Dom Cabral. Gilber Rebelo da Silva Machado - e-brand Comunicação e Marketing Ltda. Gustavo Junqueira Pessoa - INSEED Investimentos. Inocêncio Magela de Oliveira - Dialétika Fenômenos Organizacionais. João Batista Vieira Bonomo - Instituto eiro de Mercado de Capitais (IBMEC).

5 João Pedro Pompeu Melhado - Endeavor Nacional. Juliana Gazzotti Schneider - Escola de Negócios do Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (SEBRAE-SP). Juliana Saldanha - Doatorium. Leonardo Filardi - Programa Shell Iniciativa Jovem. Leonardo Frossard - Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CESJF). Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos - Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). Letícia Castello - MyJobSpace. Manoel Rodrigues Neto - ACIU - Associação Comercial Industrial e de Serviços de Uberaba. Marcelo Pimenta - Conectt. Marco Aurélio Cunha de Almeida - Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais (CRCMG). Maria José Tonelli - Iberoamerican Academy of Management. Valda Eurides Alves Sánchez - Sociedade eira de cultura inglesa de Araxá. Vandré Luis Meneses Brilhante - Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (CIEDS). Região Sul Alessandra Herranz - Universidade Estadual de Maringá (UEM). Alexandre Pereira - Universidade Unisinos. Anna Karina Boszczowski - Junior Achievement Paraná. Augusto Muratori - Instituto eiro da Qualidade e Produtividade (IBQP). Cesar Reinaldo Rissete - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae- PR). Darci Piana - Federação do Comércio (FECOMERCIO) Paraná. Denise Regina Américo da Fonseca - Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social do Rio Grande do Sul. Elóide Teresa Pavoni - Universidade de Caxias do Sul. Fabiano Maury Raupp - Universidade do Estado de Santa Catarina. Henrique Ricardo Santos - Agência Paraná do desenvolvimento. José Celso Zolim - Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Umuarama (Aciu). Leide Albergoni - Universidade Positivo. Lênia Luz - Blog Empreendedorismo Rosa. Luiz Carlos Floriani - Banco do Empreendedor. Marcio Tadeu Aurélio - Aurélio Luz Franchising & Varejo Formatação e comercialização de franquias. Nerci Linck - Biotecno dermocosméticos. Patrizia Bittencourt Pereira - Creare Consultoria, Gestão e Treinamentos. Paulo Renato Parreira - Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Projetos Agência PUC. Samir Bazzi - FAE Centro Universitário. Schirlei Freder - Creare Consultoria, Gestão e Treinamentos. Simone Paiva Mendes - Universidade de Caxias do Sul. Tiago Pisetta - Conselho Estadual do Jovem Empreendedor de Santa Catarina (CEJESC). Região Centro-Oeste Cristina Castro Lucas de Souza - Universidade de Brasília (UNB). Cybelle Bretas Vasconcelos - CYA Produção e Eventos. Danilo Ferreira Gomes - Secretaria de Estado de Industria e Comércio de Goiás. Diogo Batista Rosas - Yasai Alimentos LTDA. Giovani Ehrhardt - Universidade Federal de Goiás (UFG). Hermano Carvalho - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal. Isabela Cadena Henrique de Araújo - Caixa Crescer. José Francisco dos Reis Neto - Universidade Anhanguera Uniderp. Lauro Fabiano Alves Ojeda - USE Coworking. Lucas Vieira Matias - Câmara Setorial da Agricultura Orgânica - Secretaria de Política Econômica - Ministério da Fazenda. Marisa Brandão Soares Martins - Junior Achievement - Goiás. Maristela de Oliveira França - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul (SEBRAE-MS). Rafael Bastos Lousa Vieira - Secretaria de Inovação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior de Goiás. Reginaldo Alves Lacerda - Centro de Educação Nery Lacerda Ltda. Ricardo Messias Rossi - Universidade Federal de Goiás (UFG). Sandra Amarilha - Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul (SEBRAE-MS). Sheila Oliveira Pires - Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC). Vilson Aparecido da Costa - Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Secretaria de Política de Informática. EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 5

6

7 INTRODUÇÃO Esta pesquisa é parte do projeto Global Entrepreneurship Monitor, iniciado em 19 com uma parceria entre a London Business School e o Babson College, abrangendo no primeiro ano 10 países. Desde então, quase 100 países se associaram ao projeto, que constitui o maior estudo em andamento sobre o empreendedorismo no mundo. Em 2014, foram incluídos 70 países, cobrindo 75% da população global e 90% do PIB mundial. O projeto tem como objetivo compreender o papel do empreendedorismo no desenvolvimento econômico dos países. Entendese como empreendedorismo qualquer tentativa de criação de um novo empreendimento, como, por exemplo, uma atividade autônoma, uma nova empresa ou a expansão de um empreendimento existente. É importante destacar que o foco principal é o indivíduo empreendedor, mais do que o empreendimento em si. O participa deste esforço desde 2000, onde a pesquisa é conduzida pelo Instituto eiro da Qualidade e Produtividade (IBQP) e conta com o apoio técnico e financeiro do Serviço eiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Desde 2011, o Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getúlio Vargas tornou-se parceiro acadêmico do projeto. As principais informações produzidas pelo GEM são organizadas em dois grupos. O primeiro refere-se às atitudes, atividades e aspirações da população com relação ao empreendedorismo, sendo os dados obtidos a partir da Pesquisa com a População Adulta. O segundo refere-se a avaliações sobre o ambiente para iniciar novos negócios no país, realizadas junto a profissionais dos vários setores da sociedade por meio da chamada Pesquisa com Especialistas. O GEM apresenta importantes diferenciais em relação a outros estudos sobre empreendedorismo. O primeiro deles é que o levantamento dos dados é feito em fontes primárias, com indivíduos e não com empresas. Assim sendo, as conclusões serão sempre relacionadas aos indivíduos empreendedores e seus respectivos empreendimentos. O segundo diferencial é que o GEM utiliza um conceito amplo de empreendedorismo que visa captar os diversos tipos de empreendedores (formais ou informais), sejam os empreendedores da base da pirâmide, envolvidos com empreendimentos muito simples ou aqueles envolvidos em empreendimentos mais sofisticados e de mais alto valor agregado. As diferenciações e reagrupamentos são feitos a partir das diversas questões levantadas no questionário, as quais permitem a posterior classificação desses empreendedores conforme suas características sociais e as características do empreendimento. É importante ressaltar que o GEM utiliza um corpo conceitual próprio, com recortes que não vão obrigatoriamente coincidir com informações sobre empreendedorismo disponíveis em outras fontes, principalmente quanto se trata de registros administrativos. As comparações com outras fontes são possíveis, mas não sem antes estabelecer as equivalências com conceitos e medidas adotados pelas diversas pesquisas. Os resultados sobre o estão resumidos neste documento, que é uma apresentação preliminar do estudo completo Empreendedorismo no 2014, a ser publicado em maio de ATIVIDADE EMPREENDEDORA NO BRASIL Resultados da pesquisa com a população adulta Principais conceitos e metodologia A Pesquisa com a população adulta consiste em um levantamento domiciliar conduzido junto a uma amostra representativa de indivíduos da população de 18 a 64 anos do país. Os dados obtidos fornecem as informações quantitativas sobre a parcela da população envolvida com o empreendedorismo. Na metodologia da pesquisa GEM, os empreendedores são classificados como iniciais (nascentes e novos) e estabelecidos: 9 9 Os empreendedores nascentes estão envolvidos na estruturação de um negócio do qual são proprietários, mas que ainda não pagou salários, pró-labores ou qualquer outra forma de remuneração aos proprietários por mais de três meses. EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 7

8 Já os empreendedores novos administram e são proprietários de um novo negócio que pagou salários, gerou pró-labores ou qualquer outra forma de remuneração aos proprietários por mais de três e menos de 42 meses. Os empreendedores nascentes e novos são considerados empreendedores iniciais ou em estágio inicial. Os empreendedores estabelecidos administram e são proprietários de um negócio tido como consolidado, que pagou salários, gerou pró-labores ou qualquer outra forma de remuneração aos proprietários por mais de 42 meses (3,5 anos). O período de referência da pesquisa é o ano anterior (últimos doze meses) à coleta de dados. No caso do GEM 2014, como a pesquisa foi aplicada entre abril e julho de 2014, o período considerado é de maio de 2013 a julho de Em 2014 foram entrevistados indivíduos adultos (de 18 a 64 anos), residentes nas cinco regiões do país (2000 entrevistados em cada uma das regiões), a respeito de suas atitudes, atividades e aspirações individuais. A amostra é representativa da população e seus resultados possuem 95% de confiança, com margem de erro de 1,4% para o país e 2,2% para as regiões. Os resultados quantitativos são representados de duas formas: Taxas de empreendedorismo indicam o percentual (%) da população total de 18 a 64 anos (taxa geral) que é considerada empreendedora (em estágio nascente, novo ou estabelecido); ou o percentual (%) dos que são considerados empreendedores em estratos da mesma população (taxas específicas). Os estratos podem ser subdivisões segundo o gênero, faixas de idade, níveis de renda, etc. Distribuição percentual dos empreendedores ou dos empreendimentos também apresentadas na forma % indicam a distribuição dos empreendedores segundo as suas características sociodemográficas ou dos empreendimentos segundo a novidade do produto, idade da tecnologia,concorrência, etc. 1.2 Taxas de empreendedorismo no Em 2014, no, a taxa total de empreendedores TTE (iniciais e estabelecidos), como percentual da população entre 18 e 64 anos foi de 34,5%: A TTE de 2014, no, em trajetória crescente desde 2011 (26,9%), superou a de 2013 (32,3%) em 2,2 pontos percentuais. A taxa de empreendedores iniciais (TEA) em 2014 foi de 17,2%: A TEA no manteve-se estável de 2013 para 2014, com 17,3%, e 17,2% respectivamente. Na composição da TEA no, em 2014, observa-se: forte influência da taxa de empreendedores novos, 13,8%, a qual vem apresentando crescimento constante, em média de um ponto percentual, desde De 2013 para 2014 essa taxa aumentou em 1,2 pontos percentuais; baixa participação da taxa de empreendedores nascentes, 3,7%, a qual sofreu significativa redução de 2013 (5,1%) para 2014 (3,7%). Essa taxa, entre 2011 e 2013, já se encontrava em retração, apresentando um tímido crescimento de ano para ano. A taxa de empreendedores estabelecidos (TEE) em 2014, foi de 17,5%, podendo ser considerada tecnicamente igual à TEA: A taxa de empreendedores estabelecidos teve um crescimento significativo, de 2,1 pontos percentuais, de 2013 para 2014 e, complementada pelo crescimento da taxa de empreendedores novos, foi a principal responsável pelo aumento da taxa total de empreendedores em Considerando os dados mais recentes da população brasileira de 18 a 64 anos, cerca de 130,7 milhões de indivíduos 1, estima-se que: o número de empreendedores no é de 45 milhões de indivíduos 2, divididos Tabela Taxas* de empreendedorismo segundo estágio dos empreendimentos 2014 Estágio do empreendedorismo Empreendedores Iniciais 17,2 Empreendedores Nascentes 3,7 Empreendedores Novos 13,8 Empreendedores Estabelecidos 17,5 Taxa total de empreendedores 34,5 * Percentual da população de anos 1 Projeções PNAD para Observação: Alguns empreendedores são classificados como nascentes, novos e estabelecidos, ao mesmo tempo, pois possuem mais de um negócio. Por essa razão, a soma dos percentuais dos empreendedores iniciais (17,2%) e dos estabelecidos (17,5%) é um pouco maior do que a taxa total de empreendedores (34,5%). 8 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO

9 Empreendedores Novos 8,5 6,9 8,9 8,2 8,6 8,7 9,3 9,8 11,7 11,0 11,3 12,6 Empreendedores Estabelecidos 7,8 7,6 10,1 10,1 12,1 9,9 14,6 11,8 15,3 12,2 15,2 15,4 Total de Empreendedores 20,9 20,3 23,0 21,1 23,4 22,4 26,4 26,9 32,3 26,9 30,2 32,3 Fonte: GEM 2013 Exemplo: Em 2013, 17,6% da população de 18 a 64 anos da região norte são empreendedores iniciais. Gráfico Evolução da atividade empreendedora segundo estágio do empreendimento TEA, TEE, TTE 2002:2014 Empreendedores Iniciais Empreendedores Estabelecidos Total de Empreendedores 34,5 32,3 32,3 Gráfico 30,2 26,4 26,9 26,9 23,0 23,4 Estágio do empreendimento 20,9 20,3 21,1 22,4 % da população adulta de anos 17,5 17,3 17, , , , ,5 12,9 13,5 11,3 11,7 12,7 14,6 Estágio 17,5 Empreendedores Iniciais 13,5 12,9 13,5 11,3 11,7 15,3 12,7 12,0 15,2 15,3 15,4 17,5 14,9 15,4 17,3 Empreendedores Nascentes 5,7 12,1 6,5 5,0 3,3 12,0 11,8 3,5 4,3 12,2 2,9 5,8 5,9 4,1 4,5 5,1 10,1 10,1 9,9 Empreendedores 7,8 Novos 7,6 8,5 6,9 8,9 8,2 8,6 8,7 9,3 9,8 11,7 11,0 11,3 12,6 Empreendedores Estabelecidos 7,8 7,6 10,1 10,1 12,1 9,9 14,6 11,8 15,3 12,2 15,2 15,4 Total de Empreendedores , , , , , , , , , ,9 30,2 32,3 Fonte: GEM 2013 Exemplo: Em 2013, 17,6% da população de 18 a 64 anos da região norte são empreendedores iniciais. Gráfico Evolução da atividade empreendedora segundo estágio do empreendimento: taxas de Nascentes e Novos 2002:2014 Empreendedores Nascentes Empreendedores Novos 8,5 6,9 8,9 8,2 8,6 8,7 9,3 9,8 11,7 11,0 11,3 12,6 13,8 5,7 6,5 5,0 3,3 3,5 4,3 2,9 5,8 5,9 4,1 4,5 5,1 3, igualmente entre iniciais e estabelecidos sendo: 22,9 milhões de empreendedores iniciais compostos por: 4,8 milhões de empreendedores nascentes, 18,0 milhões de empreendedores novos e, 22,9 milhões de empreendedores estabelecidos. 1.3 Motivação para empreender no Em 2014, a proporção de empreendedores por oportunidade em relação à TEA, no foi de 70,6%. Ou seja, do total de empreendedores brasileiros em 2014, 70,6% o foram por oportunidade. Essa proporção observada no em 2014 pode ser considerada tecnicamente igual à proporção de 2013 (71%) ; Em 2014, a razão entre oportunidade e necessidade alcançou 2,4. Isso indica que para cada empreendedor que iniciou suas atividades por necessidade, 2,4 o fizeram por oportunidade; Em termos gerais, observa-se que a proporção de empreendedores por oportunidade na composição da TEA do vem apresentando pequenas variações de 2010 a Tabela Empreendedores iniciais (TEA) segundo a motivação 2014 Motivação Taxa de oportunidade (%) 12,2 Taxa de necessidade (%) 5,0 Oportunidade como percentual da TEA (%) 70,6 Razão oportunidade / necessidade 2,4 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 9

10 Estágio Empreendedores por oportunidade como % da TEA 42,4 53,3 52,3 52,3 50,9 56,1 66,7 60,0 67,3 67,5 69,2 71,3 Fonte: GEM 2013 Exemplo: Em 2013, 17,6% da população de 18 a 64 anos da região norte são empreendedores iniciais. Gráfico Evolução da atividade empreendedora segundo a oportunidade como percentual da TEA 2002: ,4 53,3 52,3 52,3 50,9 56,1 66,7 60,0 67,3 67,5 69,2 71,3 70, Taxas específicas de empreendedorismo As taxas específicas de empreendedorismo, expressas nas figuras a seguir, possibilitam conclusões sobre a maior ou menor pró-atividade de diferentes estratos da população em termos de empreendedorismo e, portanto, a influência destes na formação das taxas de empreendedores iniciais ou estabelecidos apresentadas no item 1.2. Assim sendo, no, em 2014, as taxas de empreendedorismo inicial (Figura 1) permitem as seguintes conclusões: 10 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO

11 Homens e mulheres são igualmente ativos em termos de atividade empreendedora inicial; Indivíduos na faixa etária de 25 a 34 anos são mais ativos em termos de atividade empreendedora inicial; Indivíduos na faixa etária de 55 a 64 anos são menos ativos em termos de atividade empreendedora inicial; Indivíduos com escolaridade entre o primeiro grau incompleto (nível 2) e o nível superior completo (níveis 3 e 4), são igualmente ativos no que se refere à atividade empreendedora inicial; Indivíduos com escolaridade inferior ao primeiro grau incompleto (nível 1) são os menos ativos no empreendedorismo inicial; Indivíduos com renda familiar acima de 3 salários mínimos são os que apresentam maior atividade em termos de empreendedorismo inicial. Para as taxas de empreendedorismo estabelecido, pode se destacar o seguinte (Figura 2): Homens são mais ativos do que as mulheres em termos de atividade empreendedora em estágio estabelecido; Indivíduos na faixas etária de de 45 a 54 anos são mais ativos em termos de atividade empreendedora em estágio estabelecido; Indivíduos na faixa etária de 18 a 24 anos são menos ativos em termos de atividade empreendedora em estágio estabelecido; Indivíduos com escolaridade até o segundo grau incompleto (níveis 1 e 2) são os mais ativos no que se refere à atividade empreendedora em estágio estabelecido; Indivíduos com escolaridade superior ao segundo grau completo (níveis 3 e 4) são os que apresentam menor atividade no que se refere ao empreendedorismo estabelecido; Indivíduos com renda familiar acima de 6 salários mínimos apresentam maior atividade empreendedora em estágio estabelecido. 1.5 Composição sociodemográfica do grupo de empreendedores brasileiros No capítulo anterior, foi feita uma avaliação da população brasileira de 18 a 64 anos, identificando a pró-atividade dos segmentos da população em termos de empreendedorismo. No presente capítulo será analisada a composição dos grupos de empreendedores brasileiros em termos de suas características sociodemográficas (Tabela 1.5.1). Conforme já apresentado no item 1.2, pela pesquisa de 2014, estima-se a existência de 46 milhões de empreendedores no, divididos em igual número entre iniciais e estabelecidos. As principais características desses dois grupos de empreendedores estão descritas a seguir. Dos 23 milhões de empreendedores em estágio inicial, 49% são homens e 51% são mulheres; 53% tem de 18 a 34 anos 40% tem de 35 a 54 anos 8% tem de 55 a 64 anos; 50% tem escolaridade de segundo grau completo ou acima; 41% possuem renda familiar maior que 3 salários mínimos; 62% são casados ou vivem em união estável; e 51% são brancos. Dos 23 milhões de empreendedores em estágio estabelecido, 55% são homens e 45% são mulheres; 24% tem de 18 a 34 anos 58% tem de 35 a 54 anos ο ο 17% tem de 55 a 64 anos; 42% tem escolaridade de segundo grau completo ou acima; 43% possuem renda familiar maior que 3 salários mínimos; Concluindo: 63% são casados ou vivem em união estável; e, 54% são brancos. O grupo de empreendedores iniciais e o grupo dos estabelecidos são semelhantes nas características de renda familiar, estado civil e cor; O grupo de empreendedores iniciais é composto por homens e mulheres em quantidades praticamente iguais, enquanto no grupo de empreendedores estabelecidos a maioria é masculina; O grupo de empreendedores iniciais EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 11

12 Tabela Distribuição¹ dos empreendedores segundo características sociodemográficas 2014 Características Sociodemográficas Empreendedores Iniciais Estabelecidos Total Gênero Masculino 48,8 54,9 51,7 Feminino 51,2 45,1 48,3 Faixa etária anos 18,4 4,5 11, anos 34,3 19,9 27, anos 23,6 30,2 26, anos 16,2 28,2 22, anos 7,5 17,2 12,4 Nível de escolaridade² Nível 1 1,2 2,6 1,9 Nível 2 48,5 55,4 52,0 Nível 3 42,2 34,5 38,3 Nível 4 8,1 7,5 7,7 Faixa de renda Até 3 salários mínimos 58,9 57,3 58,3 Mais 3 até 6 salários mínimos 31,9 31,3 31,5 Mais 6 até 9 salários mínimos 4,5 5,2 4,8 Mais de 9 salários mínimos 4,7 6,2 5,4 Estado Civil Casado 45,3 50,5 47,8 União Estável 16,4 13,0 14,7 Divorciado 5,5 6,9 6,2 Solteiro 29,7 25,5 27,7 Viúvo 2,5 3,1 2,8 Outros 0,6 1,0 0,8 Raça / cor Branca 51,2 53,9 52,6 Preta 9,4 7,0 8,0 Parda 37,5 38,3 38,0 Outras 1,9 0,8 1,4 ¹ Distribuição Percentual dos empreendedores em cada categoria ² Nível de escolaridade: Nível 1 inclui: nenhuma educação formal; O Nível 2 inclui: primeiro grau incompleto e segundo grau incompleto; O Nível 3 inclui: segundo grau completo e superior incompleto; O Nível 4 inclui: superior completo, especializações, mestrado incompleto, mestrado completo e doutorado completo e incompleto. apresenta um número expressivamente maior de jovens do que o grupo de empreendedores estabelecidos. Por outro lado, no grupo de empreendedores estabelecidos é expressivamente maior a quantidade de indivíduos com mais de 45 anos do que o grupo de empreendedores iniciais; O grupo de empreendedores iniciais concentra um número relativamente maior de indivíduos com escolaridade mais alta do que o grupo de empreendedores estabelecidos Características dos empreendimentos no A pesquisa de 2014 indica que a maioria dos empreendimentos no ainda se mantém concentrado em características pouco compatíveis com ambientes de maior competitividade, porém, sinaliza a possibilidade de melhoria nos indicadores relacionados à novidade do produto, idade da tecnologia e concorrência (Tabela 1.6.1), com os seguintes destaques: 22% dos empreendedores iniciais afirmaram considerar o seu produto ou serviço novo para alguns ou para todos. Entre os empreendedores estabelecidos esse percentual foi de 15,8%; 39,6% dos empreendedores iniciais indicaram a existência de pouco ou nenhum concorrente. No caso dos empreendedores estabelecidos esse percentual foi de 30,7%; A tecnologia ou processo utilizado em 3,2% dos empreendimentos iniciais tem menos de 5 anos. Entre os empreendimentos estabelecidos esse percentual alcançou 1,7%; 7,4% dos empreendimentos iniciais e 7,1% dos empreendimentos estabelecidos teriam 12 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO

13 pelo menos 1% de consumidores no exterior; Considerando a geração de empregos: 84,1% dos empreendimentos iniciais não possui empregados atualmente. No caso dos empreendimentos estabelecidos esse percentual foi de 79,5%; 44% dos empreendedores iniciais afirmou que nos próximos 5 anos tem a expectativa de gerar pelo menos um emprego. Merece destaque a indicação de 16,7% desses empreendedores que pretendem gerar 5 ou mais empregos nos próximos anos; 32,7% dos empreendedores estabelecidos afirmou que nos próximos 5 anos tem a expectativa de gerar pelo menos um emprego. Em 2014, ao abordar o faturamento dos empreendedores, a pesquisa abriu 5 novas faixas no intervalo de até R$ ,00. Verificou-se com esse detalhamento que 51,1% dos empreendedores iniciais se concentrou na faixa de faturamento de até R$ , 23% entre R$ e R$ e 3,6% entre R$ e R$ , totalizando 77,7% até R$ Por sua vez, 47,8% dos empreendedores esta- Tabela Distribuição¹ dos empreendedores segundo características do empreendimento 2014 Empreendedores Características do empreendimento Iniciais Estabelecidos Conhecimento dos produtos ou serviços Novo para todos 2,5 2,0 Novo para alguns 19,4 13,8 Ninguém considera novo 78,1 84,2 Concorrência Muitos concorrentes 60,4 69,3 Poucos concorrentes 31,9 25,9 Nenhum concorrente 7,7 4,8 Idade da Tecnologia ou processos Menos de 1 ano 0,8 0,6 Entre 1 a 5 anos 2,4 1,1 Mais de 5 anos 96,8 98,3 Orientação internacional Nenhum consumidor no exterior 92,6 92,9 De 1 a 25% dos consumidores são do exterior 6,8 7,0 De 25 a 75% dos consumidores são do exterior 0,6 0,1 Mais de 75% dos consumidores são do exterior 0,0 0,0 Empregados atualmente Nenhum 84,1 79,5 1 Empregado 6,4 7,3 2 Empregados 4,3 4,8 3 Empregados 1,7 2,3 4 Empregados 1,0 1,3 5 ou mais empregados 2,5 4,9 Expectativa de criação de empregos (cinco anos) Nenhum emprego 55,9 67,3 1 Emprego 8,4 7,4 2 Empregos 10,1 8,0 3 Empregos 5,7 5,0 4 Empregos 3,1 1,8 5 ou mais empregos 16,7 10,5 Faturamento anual Até R$ ,00 51,1 47,8 De R$ ,01 a R$ ,00 15,9 28,4 De R$ ,01 a R$ ,00 7,1 11,0 De R$ ,01 a R$ ,00 2,2 3,7 De R$ ,01 a R$ ,00 1,4 2,6 De R$60.000,01 a R$ ,00 2,7 5,0 DeR$ ,01 a R$ ,00 0,3 0,0 Acima de R$ ,00 0,1 0,0 Ainda não faturou 19,3 1,4 Formalização Possui registro formal 22,6 25,0 Possui CNPJ 20,2 20,0 ¹ Distribuição Percentual dos empreendedores. EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 13

14 belecidos, em 2014, tiveram faturamento anual de até R$12.000, 39,4% entre R$ e R$ e 6,3% entre R$ e R$ , totalizando 93,5% até R$ Mentalidade empreendedora no Neste item foram analisadas as percepções da população entre 18 e 64 anos, a respeito do empreendedorismo (Tabela 1.7.1), o que permitiu analisar o grau de disposição dos indivíduos em relação ao tema e o seu potencial para empreender. O GEM pesquisou o conhecimento sobre o processo de abertura de novos negócios, oportunidades e capacidades percebidas, além do medo do fracasso. Foram também levantados os sonhos e desejos dessas pessoas (Tabela 1.7.2), particularmente a vontade de possuir um negócio próprio. Observa-se que, no, em 2014, 37,7% dos indivíduos afirmou conhecer pessoas que abriram um negócio novo nos últimos dois anos. Esse percentual é maior que em 2012 (33,7%), mas não difere de 2013; Quanto à percepção de boas oportunidades para iniciar um novo negócio nos próximos seis meses, em 2014, 55,5% da população respondeu positivamente, percentual superior aos de 2012 (50,2%) e de 2013 (50,0%); 50% dos indivíduos afirma possuir conhecimento, habilidade e experiência necessários para começar um novo negócio. Nesse item houve redução, quando comparado com 2012 (54,0%) e 2013 (52,1%); O medo do fracasso não impediria 60,9% da população entrevistada em 2014 de se envolver na criação de um novo negócio, percentual inferior a 2012 (64,5%), mas superior a 2013 (57,3%). Com relação aos desejos e expectativas da população adulta brasileira, a Tabela mostra que, em 2014, ter o próprio negócio (31,4%) apareceu em terceiro lugar no conjunto dos desejos dos brasileiros, depois da compra da casa própria (41,9%) e de viajar pelo (32,0%), o mesmo acontece nos anos anteriores, assim como a supremacia do sonho ter o próprio negócio sobre fazer carreira numa empresa (15,8% em 2014). Tabela Percentual da população segundo a mentalidade 2014 Mentalidade Afirmam conhecer pessoalmente alguém que começou um novo negócio nos últimos 2 anos. Afirmam perceber, para os próximos seis meses, boas oportunidades para se começar um novo negócio nas proximidades onde vivem. Afirmam ter o conhecimento, a habilidade e a experiência necessários para iniciar um novo negócio. Afirmam que o medo de fracassar não impediria que começassem um novo negócio. 33,7 37,7 37,7 50,2 50,0 55,5 54,0 52,1 50,0 64,5 57,3 60,9 * Percentual da população de anos Tabela Percentual da população segundo o sonho 2014 Sonho Comprar a casa própria 48,0 45,2 41,9 Viajar pelo 50,2 42,5 32,0 Ter seu próprio negócio 43,5 34,6 31,4 Comprar um automóvel 36,4 34,3 26,9 Ter um diploma de ensino superior 31,6 25,5 21,6 Viajar para o exterior 33,0 26,8 18,0 Ter plano de saúde 29,9 22,5 17,1 Fazer carreira numa empresa 24,7 18,8 15,8 Casar ou formar uma família 16,1 14,0 11,5 Comprar um computador 15,2 11,9 6,3 * Percentual da população de anos 14 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO

15 1.8 Busca de orgãos de apoio no A pesquisa procurou saber também o percentual dos empreendedores que buscam apoio junto aos órgãos como Senac, Sebrae, Senai, entre outros. A Tabela mostra que 86,6% dos empreendedores identificados em 2014 não procurou o auxílio de órgãos de apoio. Esse percentual aumentou em relação a 2012 (79,6%) e 2013 (84,6%); Em relação aos órgãos de apoio pesquisados, o SEBRAE se destaca, sendo citado por 10,4% dos entrevistados. Nos anos anteriores, o SEBRAE também se destaca como órgão de apoio. A grande maioria (44%) dos empreendedores que não buscaram um órgão de apoio afirmaram que o motivo foi a falta de necessidade (Tabela 1.8.2). Este percentual foi mais alto para os empreendedores estabelecidos (49,3%) em relação aos empreendedores iniciais (38,9%). 28,9% dos empreendedores iniciais indicou que a falta de conhecimento foi a principal causa de não ter buscado um órgão de apoio. Este percentual é menor para os empreendedores estabelecidos (23%). 15,4% dos empreendedores iniciais afirmou que o principal motivo para não buscar um órgão de apoio foi a falta de tempo. Tabela Percentual¹ da população do total de empreendedores (TTE) segundo a busca de órgãos de apoio 2014 Órgãos de apoio Não procurou nenhum 79,6 84,6 86,6 SEBRAE 12,7 9,2 10,4 SENAC 1,5 1,4 1,9 SENAI 1,2 1,8 1,0 Associação comercial 1,8 0,6 0,7 Outros² 3,2 2,5 0,8 ¹ Percentual da população de anos ² Outros orgão citados na pesquisa: Sindicado, SENAR, Endeavor, SENAT, Bancos, Conselho, Institutos, Prefeitura, OAB, Cred Amigo e Emater. Tabela Distribuição dos empreendedores segundo os motivos que o levaram a não buscar um órgãos de apoio 2014 Órgãos de apoio Por falta de conhecimento Empreendedores Iniciais Estabelecidos Total 28,9 22,9 25,7 Por não ter interesse 18,2 18,1 18,0 Por não ter necessidade 38,9 49,3 44,4 Por falta de tempo 15,6 9,7 12,5 Outro 0,0 0,2 0,1 ¹ Percentual dos empreendedores 2 CONDIÇÕES PARA EMPREENDER NO BRASIL Resultados da pesquisa com os especialistas Principais conceitos e metodologia A Pesquisa com especialistas, no contexto do projeto, tem como objetivo identificar os fatores que auxiliam ou dificultam a atividade empreendedora no País por meio de entrevistas com pessoas escolhidas por seu perfil profissional. O especialista é alguém diretamente envolvido com algum aspecto importante relacionado a uma das condições que interferem na atividade empreendedora no País e, com conhecimento ou experiência expressiva para opinar sobre alguma dessas condições. Entre as condições que interferem na atividade empreendedora estão: finanças, políticas e programas governamentais, educação e treinamento, transferência de tecnologia, infraestrutura de suporte e sociedade e cultura em geral. Os Especialistas Nacionais ligados ao empreendedorismo podem ser políticos, acadêmicos, empresários, agentes do governo ou qualquer outro profissional ligado ao empreendedorismo com conhecimento resultante de diferentes experiências ou estudos. O instrumento de coleta utilizado na pesquisa é um questionário padronizado para todos os países. A primeira parte desse questionário consiste em uma série de afirmações referentes às condições que interferem na atividade empreendedora no país, sobre as quais o especialista avalia o grau de veracidade de acordo com uma escala Likert. Na segunda parte o especialista é arguido, por meio de questões abertas, sobre os 3 aspectos que considera mais favoráveis ao empreendedorismo, os 3 aspectos mais limitantes e suas recomendações para que hajam melhoras no setor. Os resultados da pesquisa com especialistas, além de contribuírem para a compreensão da dinâmica do empreendedorismo, fornecem recomendações relativas ao fomento e melhoria das condições para o desenvolvimento de novos negócios no país. Em 2014 foram entrevistados 108 especialistas no. EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 15

16 2.2 Resultados da pesquisa com especialistas em 2014 O gráfico mostra o resultado das respostas dos especialistas para as questões abertas sobre as condições para empreender no e traz a visão geral das respostas dos especialistas para os fatores limitantes e para os fatores favoráveis. Os três tópicos mais citados como favoráveis foram: capacidade empreendedora, políticas governamentais e educação e capacitação. Em relação aos fatores limitantes, os três tópicos mais citados foram políticas governamentais, educação e capacitação e apoio financeiro. Nota-se que a maior parte dos fatores selecionados pelos especialistas são citados tanto como fatores favoráveis quanto como fatores limitantes ao empreendedorismo no, com destaque para os fatores capacidade empreendedora (32,4% favorável contra 14,3% limitante), políticas governamentais (24,8% favorável contra 62,9% limitante), educação e capacitação (23,8% favorável contra 61% limitante) e, apoio financeiro (22,9% favorável contra 46,7% limitante) A disseminação da cultura empreendedora e a aceitação do empreendedorismo pela população contribuíram para as avaliações positivas do fator capacidade empreendedora à medida que aproxima o empreendedorismo do cotidiano da população. Por outro lado, a baixa escolaridade e a falta de foco no empreendedorismo como alternativa de carreira profissional explicam a opinião dos especialistas ao escolher este fator também como limitante. Ainda há na opinião dos especialistas falta de planejamento e deficiência na gestão dos empreendimentos, os quais acabam fechando suas portas nos primeiros anos de atividade ou se mantêm em operação, mas sem potencial de crescimento. Vale também destacar que, os especialistas ao indicarem o fator políticas governamentais como favorável, abordam principalmente as leis e estruturas criadas pelo governo para as micro e pequenas empresas. Quando indicam o mesmo fator como limitante, estão falando de impostos, burocracia e complexidade dos processos. O aumento de referências à educação e capacitação) como fator favorável deve-se, na opinião dos especialistas, à inserção de conteúdo empreendedor nas Instituições de Ensino Superior ( IES ) do e programas de órgãos como Sebrae ou Senai que têm contribuído de maneira significativa para o desenvolvimento de conhecimento voltado às oportunidades e aos desafios da atividade empreendedora. O aumento geral do acesso à educação superior (através do FIES e PROUNI) e técnica (através do Pronatec) também contribui para o aumento da percepção positiva do fator educação e capacitação como condição favorável. Por outro lado, a estrutura tradicional de ensino que prevalece no enfatiza o direcionamento dos alunos para obtenção de empregos no setor público ou privado e em sua maioria negligencia o empreendedorismo como alternativa de carreira, geralmente associando essa iniciativa a atividades de alto risco. A baixa qualidade da educação também é percebida como fator que restringe o potencial de crescimento das empresas brasileiras, pois os produtos e serviços oferecidos ao mercado são em sua maioria de baixo valor agregado e não integram qualquer tipo de inovação. O aumento como favorável do fator apoio financeiro deve-se em parte a alguns programas desenvolvidos por bancos privados e públicos de apoio ao empreendedor, com taxas de juros abaixo das praticadas pelo mercado. Porém esse fator ainda pode ser aperfeiçoado no que diz respeito ao acesso ao crédito, motivo pelo qual aparece em quinto como favorável e em terceiro como limitante ao empreendedorismo no. Tabela Distribuição¹ das principais recomendações citadas pelos especialistas 2014 Recomendações Educação e capacitação: fatores em que a educação ou capacitação estão envolvidas em qualquer forma ou nível. 58,6 51,9 55,2 Políticas governamentais: fatores relacionados com as políticas públicas que interferem na atividade empreendedora, apoio ou restrição, impostos, burocracia, regulamentações, as empresasregistro, as agências, o pessoal público que atende empresários.) 62,1 69,1 52,4 Apoio financeiro: fatores relacionados a qualquer tipo de financiamento, incluindo subsídios públicos, investimento informal, bancos, crédito, microcrédito e capital de risco. 42,5 32,1 41,0 ¹ Percentual de especialistas que citaram a recomendação 16 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO

17 Gráfico Especialistas avaliando o segundo os fatores limitantes e favoráveis 2014 Capacidade Empreendedora Políticas Governamentais Educação e Capacitação Programas públicos e privados Apoio Financeiro Pesquisa e Desenvolvimento (Transferência de Tecnologia) Clima econômico Abertura de Mercado/ Barreiras à Entrada Infraestrutura Comercial e Profissional Informações Normas Culturais e Sociais Acesso à Infraestrutura Física Diferenças entre pequenas, médias e grandes empresas Internacionalização Características da Força Trabalho Custos do trabalho, o acesso e regulação Crise internacional Contexto Político, Institucional e Social Composição da População Percebida Corrupção Fatores Limitantes Fatores Favoráveis 100% 80% 60% 40% 20% 0% 20% 40% 60% 80% 100% As principais recomendações relacionadas aos fatores mencionados foram: Inserir conteúdo empreendedor nos três níveis de educação de forma sistemática e consistente, com vistas ao desenvolvimento de uma cultura empreendedora que permeie a sociedade como um todo. O foco na educação infantil seria o primeiro contato com o empreendedorismo, no ensino médio seriam as competições de planos de negócios e o estímulo à criação de empresas e, no ensino superior, um modelo de empreendedorismo conectado ao mercado e que apresente aos alunos o empreendedorismo como opção real de carreira; Estímulo das instituições de ensino à criatividade e a conscientização sobre importância do empreendedorismo para a economia do país nas escolas, cursos técnicos e universidades brasileiras; Capacitação dos professores para o ensino do empreendedorismo; Adequar as políticas governamentais à realidade dos pequenos e médios negócios no ; Adequacão da legislação tributária às necessidades do empreendedor com redução de impostos, principalmente nos primeiros anos de vida das empresas; Redução da burocracia relacionada à formalização do negócio e obtenção de licenças de funcionamento; Acesso a linhas de crédito específicas ao empreendedor com taxas de juros reduzidas; Aperfeiçoamento na eficiência dos órgãos que atendem os empreendedores e leis que dêem preferência às micro e pequenas empresas em processos licitatórios. O fator políticas governamentais deve compreender esforços nos três níveis de governo, nos âmbitos federal, estadual e municipal, de forma coordenada e extensiva; Importante destacar, os avanços no sentido de se melhorar o ambiente institucional ao desenvolvimento do empreendedorismo no, com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, Micro Empreendedor Individual, criação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, entre outros, mas ainda há muito a fazer, a exemplo da implementação da REDESIM, que visa simplificar o processo de abertura, alteração e baixa de empresas. Estímulo à criação de cooperativas de crédito, programas de microcrédito, associações de investidores anjo e outras formas alternativas de financiamento, a exemplo de financiamentos colaborativos (crowdfunding) entre outros; Desenvolvimento do mercado de capitais estimulando o investimento por meio de incentivos fiscais e responsabilidade limitada para investidores privados que comprometem recursos pessoais em negócios nascentes. EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 17

18 COORDENAÇÃO DO GEM NACIONAL: INTERNACIONAL: International Development Research Centre Universidad del Desarrollo Universidad de Excelencia PARCEIRO MASTER NO BRASIL PARCEIRO ACADÊMICO NO BRASIL cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios PARCEIROS NO PARANÁ Centre de recherches pour le développement international Canada

Empreendedorismo na Região Centro-Oeste do Brasil

Empreendedorismo na Região Centro-Oeste do Brasil 2014 Empreendedorismo na Região Centro-Oeste do Brasil cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO centro-oeste DO BRASIL 1 COORDENAÇÃO DO GEM Internacional Global Entrepreneurship

Leia mais

Empreendedorismo na Região Sul do Brasil

Empreendedorismo na Região Sul do Brasil 2014 Empreendedorismo na Região do Brasil cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios 1 COORDENAÇÃO DO GEM Internacional Global Entrepreneurship Research Association GERA Babson College, Estados Unidos

Leia mais

Empreendedorismo no Brasil Relatório Executivo

Empreendedorismo no Brasil Relatório Executivo 2014 Empreendedorismo no Relatório Executivo cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios EMPREENDEDORISMO NO BRASIL - RELATÓRIO EXECUTIVO 1 COORDENAÇÃO DO GEM Internacional Global Entrepreneurship

Leia mais

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NO BRASIL 1 Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NO BRASIL Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NO BRASIL COORDENAÇÃO DO GEM INTERNACIONAL Global Entrepreneurship Research Association GERA

Leia mais

Empreendedorismo na Região Sudeste do Brasil

Empreendedorismo na Região Sudeste do Brasil 2014 Empreendedorismo na Região Sudeste do Brasil cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO SuDESTE DO BRASIL 1 COORDENAÇÃO DO GEM Internacional Global Entrepreneurship

Leia mais

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL 1 2 Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL COORDENAÇÃO DO GEM INTERNACIONAL Global Entrepreneurship

Leia mais

Empreendedorismo no Brasil

Empreendedorismo no Brasil INTERNACIONAL: International Development Research Centre Universidad del Desarrollo Universidad de Excelencia PARCEIRO MASTER NO BRASIL PARCEIRO ACADÊMICO NO BRASIL cenn Centro de Empreendedorismo e Novos

Leia mais

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORTE DO BRASIL 1 2 Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO NORTE DO BRASIL COORDENAÇÃO DO GEM INTERNACIONAL Global Entrepreneurship

Leia mais

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL

Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL 1 2 Global Entrepreneurship Monitor EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL COORDENAÇÃO DO GEM INTERNACIONAL

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado Turma : A 2002 1 Ana Catarina Loureiro Silva S 171 2 André Eduardo Dias Santos S 173 3 Ângelo Rafael Costa e Silva S S 2007 4 Bruno da Silva Gonçalves S 20 5 Catarina Daniela

Leia mais

Empreendedorismo no Brasil

Empreendedorismo no Brasil GEM Global Entrepreneurship Monitor 2011 Empreendedorismo no Brasil Relatório Executivo 2 Global Entrepreneurship Monitor INTERNACIONAL COORDENAÇÃO DO GEM Global Entrepreneurship Research Association GERA

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Perfil das mulheres empreendedoras

Perfil das mulheres empreendedoras Perfil das mulheres empreendedoras Estado de São Paulo Março/ 2013 Objetivos Conhecer quantas são as mulheres empreendedoras no estado de São Paulo; Conhecer o perfil das mulheres empreendedoras quanto

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência

Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência Número Nome Nota Obs 10780 ALEXANDRE JOSÉ SIMÕES SILVA 15 11007 ALEXANDRE REIS MARTINS 7,7 11243 Álvaro Luis Cortez Fortunato 11,55

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA 2.º Ciclo - TABUADA 1.ºs 6.º Ac 7 Fernando Miguel L. Fontes 100,0 6.º Ac 8 Francisca Vicente Silva 100,0 6.º Bc 2 Daniel Henriques Lourenço 99,6 3.ºs 5.º Bc 16 Simão Pedro Tojal Almeida 99,6 5.º Ac 10

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Abril de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

0800 570 0800 / www.sebrae.com.br Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Elaboração e Coordenação Unidade de Gestão Estratégica Camilla Carvalho Costa Gerente Ficha Técnica Diretoria Executiva Manoel

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2012

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2012 14472273 ANA CARLA MELO VALADÃO Colocada em 0911 14595437 ANA ISABEL TERRA SILVA Colocada em 3101 9084 14541457 ANA MARIA DE SOUSA MARTINS Colocada em 7220 8149 14314779 ANDRÉ ALVES HOMEM Colocado em 0130

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE. 2ª Edição - Brasília 2010

METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE. 2ª Edição - Brasília 2010 METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE 2ª Edição - Brasília 2010 Versão 2.0 - Brasília - Julho/2010 METODOLOGIA DA PESQUISA CNI-IBOPE 2ª Edição - Brasília 2010 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

Amanda Cardoso de Melo

Amanda Cardoso de Melo Aime Pinheiro Pires participou da palestra: Empreendedor De Sucesso, Amanda Cardoso de Melo Amanda Loschiavo Amoiré Santos Ribeiro Ana Carolina Pereira Pires Ana Carolina Pioto Magalhães Ana Cristina Angelo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL FOLHA DE RESULTADOS CORTA-MATO ESCOLAR 2013 PROVA: Corta-Mato Escolar - Fase de Ilha ORGANIZAÇÃO: S. Desporto de S. Miguel / A. Atletismo de S. Miguel DATA: 16 de

Leia mais

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA REALIZADA /2015, EM GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, REFERENTE À PERSPECTIVA DE INTENÇÃO DE

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015.

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015. Certifico que, Ademir dos Santos Ferreira, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Certifico que, Almir Junio Gomes Mendonça, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Engenheiro

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

Resultado Final - Turma Gestão em TI

Resultado Final - Turma Gestão em TI Resultado Final - Turma Gestão em TI Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Resultado Etapa 1 Resultado Etapa 2 Resultado Final Alexandre Antunes Barcelos 7,080 5,118 6,295 Centro Federal

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 46 Samuel Souza Evangelista 130 104 Jussara Cândida Soares Desclassificada 45 Bruno José Rupino 130 61 Fabiana Grigógio

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

CENTRO INTEGRADO DE SAÚDE

CENTRO INTEGRADO DE SAÚDE 15 DIAS: 17/07/2015 A 31/07/2015 ENGENHARIA CIVIL MARCELO MARTINS AZEVEDO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EVALDO MORAES DO NASCIMENTO ARQUITETURA E URBANISMO DESIGNER DE INTERIORES MATKIARA FRANCY DE CARVALHO

Leia mais

ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO PROVISÓRIA - PROVA PRÁTICA

ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO PROVISÓRIA - PROVA PRÁTICA Prefeitura Municipal de Capivari Concurso Público - 5/2015 PUBLICONSULT ASSESSORIA E CONSULTORIA PUBLICA LTDA ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO PROVISÓRIA - PROVA PRÁTICA 1 - Auxiliar de Padeiro Class Inscrição

Leia mais

CURSO: GESTÃO FINANCEIRA

CURSO: GESTÃO FINANCEIRA 30 de maio de 2015 CURSO: GESTÃO FINANCEIRA JADER SOUTO FRANCO 8h CURSO: GESTÃO FINANCEIRA BRUNO SOUZA ROCHA LUCIENE FREIRE SILVA VERÔNICA PEREIRA DA SILVA SANTOS 8h30 CURSO: PROCESSOS GERENCIAIS GILDEANE

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO BANCA: D-01D LINHA DE PESQUISA: DIREITOS HUMANOS E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO: FUNDAMENTAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E EFETIVIDADE ÁREA DE ESTUDO: DIREITO POLÍTICO SALA: 501 Carlos Athayde Valadares Viegas Ricardo

Leia mais

RELAÇÃO DOS CANDIDATOS APROVADOS NA 1º ETAPA PÓS-RECURSO. Credenciamento de Consultores e Instrutores do Sebrae/ DF.

RELAÇÃO DOS CANDIDATOS APROVADOS NA 1º ETAPA PÓS-RECURSO. Credenciamento de Consultores e Instrutores do Sebrae/ DF. RELAÇÃO DOS CANDIDATOS APROVADOS NA 1º ETAPA PÓS-RECURSO. Credenciamento de es e es do Sebrae/ DF. ÀREA DE CONHECIMENTO: AGRONEGÓCIOS agronegócios Alejandro Luiz Pereira da Silva empreendimentos agropecuários

Leia mais

Planilha Mensal de Ajuda de Custo (Res. 03/2011) Período de junho/2015

Planilha Mensal de Ajuda de Custo (Res. 03/2011) Período de junho/2015 Crédito no dia 30/07/15 Planilha Mensal de Ajuda de Custo (Res. 03/2011) Período de junho/2015 NOME Nº DE PROCESSO ALEXANDRE DA FONSECA MORETH 0012546-17.2012.8.19.0211 ALEXANDRE DA FONSECA MORETH 0007033-68.2012.8.19.0211

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

SELEÇÃO TUTORES A DISTÂNCIA 2015 2 NOTA FINAL CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UNIRIO

SELEÇÃO TUTORES A DISTÂNCIA 2015 2 NOTA FINAL CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UNIRIO / NÃO ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE ANA PAULA SANTOS DE SOUZA 7,50 9,00 9,50 8,67 ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE JOSÉ MAURO DE OLIVEIRA BRAZ 4,50 8,50 9,00 7,33 ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE JONAS SALES DOS SANTOS 6,50

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

Listagem de contactos e ramos/áreas de especialidade dos Professores Doutorados na Escola de Direito da Universidade do Minho

Listagem de contactos e ramos/áreas de especialidade dos Professores Doutorados na Escola de Direito da Universidade do Minho Departamento de Ciências Jurídicas Gerais Profª. Doutora Maria Clara da Cunha Calheiros de Carvalho Profª. Associada, Com Agregação Email: claracc@direito.uminho.pt Profª. Doutora Patrícia Penélope Mendes

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira: A indústria brasileira na visão da população

Retratos da Sociedade Brasileira: A indústria brasileira na visão da população 18 Retratos da Sociedade Brasileira: A indústria brasileira na visão da população CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Curso: Bacharelado em Administração - João Pessoa - Integral - Transferência 097003400004 RAYSSA KELLY SILVA LIMA APTO 097003400013 LUANA JARDELINA DE SOUZA NERY INAPTO 097003400002 KEDYMA DA COSTA SILVA

Leia mais

Resultado Parcial 3 - Betim - Edital 125 RETIFICAÇÃO II

Resultado Parcial 3 - Betim - Edital 125 RETIFICAÇÃO II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS. Resultado Parcial 3 - Betim - Edital 125 RETIFICAÇÃO II Técnico

Leia mais

VESTIBULAR 1º SEM 2015

VESTIBULAR 1º SEM 2015 Ampla Concorrência Curso : 012 Engenharia de Computação 1º 1448967 JOAO PAULO TINOCO ALVARENGA 93,0 Convocado 2º 1464090 GABRIEL BARROSO RUBIAO 89,0 Convocado 3º 1441526 ITALO NICOLA PONCE PASINI JUDICE

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Atendimento no sábado 06/11/2010 Grupo I 8h00 às 10h30 NOME José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Edmilson de Araujo Cavalcante Alexandre Brito dos Santos Vacirlene Moura

Leia mais

ADRIANO JOSÉ CAVALCANTI SILVA CRM AL 03616 ENDEREÇO: AV.HUMBERTO MENDES, 140 FAROL (82) 3326-6816

ADRIANO JOSÉ CAVALCANTI SILVA CRM AL 03616 ENDEREÇO: AV.HUMBERTO MENDES, 140 FAROL (82) 3326-6816 ADRIANO JOSÉ CAVALCANTI SILVA CRM AL 03616 ENDEREÇO: AV.HUMBERTO MENDES, 140 FAROL (82) 3326-6816 ALAN TEIXEIRA BARBOSA CRM AL 02229 RUA COMENDADOR PALMEIRA, 122 FAROL (82) 3223-5517 ALBERTO ANTUNES DOS

Leia mais

REPRESENTANTES - 5ª CCR

REPRESENTANTES - 5ª CCR REPRESENTANTES - 5ª CCR Unidade Procurador(a) E-mail Telefones 5ªCCR Composição 5ª CCR Denise Vinci Túlio Coordenadora Rodrigo Janot Monteiro de Barros Membro-Titular Valquíria Oliveira Quixadá Nunes Membro-Titular

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES

II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES PROVA 25m Livres femininos Class Escola Nome Escalão Tempo Obs. EBS Vieira de Araújo Mariana Fonseca Infantis A 20:2 2 EBS

Leia mais

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia 2640 RD.2013/2 11/09/2013 ACÁCIA TROTA 2013/09.00879 Universidade Federal de Minas Gerais 2666 RD.2013/2 12/09/2013 AILTON BATISTA JUNIOR Ciências Contábeis 2013/09.00916 Universidade Federal de Minas

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância

Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância 15 Retratos da Sociedade Brasileira: Educação a Distância CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Notas do exame da época de recurso de Contabilidade Financeira II 2008/09 Curso de Gestão

Notas do exame da época de recurso de Contabilidade Financeira II 2008/09 Curso de Gestão Notas do exame da época de recurso de Contabilidade Financeira II 2008/09 Curso de Gestão Exame Nota No. Nome Regime Recurso Final 22528 Adriana da Silva Afonso Ordinário 1.25 R 21342 Alexandra Crespo

Leia mais

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos Nome Curso s Amarelos Vermelhos Carlos Júnior Mestrado 4 Jogo 15 Rui Nascimento Mestrado Jerónimo Mestrado 1 Jogo 15 Pedro Francês Mestrado 1 Andre Figueiredo Mestrado 3 Jogo6 Artur Daniel Mestrado 2 João

Leia mais

Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO) FEVEREIRO/MARÇO DE 2013

Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO) FEVEREIRO/MARÇO DE 2013 Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO) FEVEREIRO/MARÇO DE 2013 Relatório do Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO), calculado pela parceria Sebrae-GO e Nepec FACE/UFG. Goiânia Abril

Leia mais

DEFESA DE MONOGRAFIA Sala: 101

DEFESA DE MONOGRAFIA Sala: 101 CURSO DE BANCA 1 15/12 (Terça) 17:30h Prof. André Brown de Carvalho, Prof. Carlos Henrique Soares e Profa. Carolina Silveira Machado ALINE SIMÕES BARROS A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES SOCIAIS E ECONÔMICOS

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

CONVOCAÇÃO PARA ENTREVISTA NO SERVIÇO SOCIAL (SETOR DE SAÚDE)

CONVOCAÇÃO PARA ENTREVISTA NO SERVIÇO SOCIAL (SETOR DE SAÚDE) POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE CONVOCAÇÃO PARA ENTREVISTA NO SERVIÇO SOCIAL (SETOR DE SAÚDE) Conforme necessidade

Leia mais

Resultados da Candidatura a Alojamento

Resultados da Candidatura a Alojamento Resultados da Candidatura a Alojamento Unidade Orgânica: Serviços de Acção Social RESIDÊNCIA: 02 - ESE ANO LECTIVO: 2015/2016 2ª Fase - Resultados Definitivos >>> EDUCAÇÃO BÁSICA 14711 Ana Catarina Mendes

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA RIBEIRO 5 ALEXANDRE FERREIRA DE MENEZES 6 ADALBERTO GOMES DA SILVA

Leia mais

MONTE ALEGRE TÉCNICO EM COMÉRCIO EXTERIOR CANDIDATOS COTISTAS COM RENDA ATÉ 1,5 SALÁRIOS MÍNIMOS E DENTRO DA RESERVA POR ETNIA

MONTE ALEGRE TÉCNICO EM COMÉRCIO EXTERIOR CANDIDATOS COTISTAS COM RENDA ATÉ 1,5 SALÁRIOS MÍNIMOS E DENTRO DA RESERVA POR ETNIA TÉCNICO EM COMÉRCIO EXTERIOR CANDIDATOS COTISTAS COM RENDA ATÉ 1,5 SALÁRIOS MÍNIMOS E DENTRO DA RESERVA POR ETNIA Não foram encontrados candidatos inscritos nessa categoria! TÉCNICO EM COMÉRCIO EXTERIOR

Leia mais

Empreendedorismo no Brasil 2010

Empreendedorismo no Brasil 2010 1 2 COORDENAÇÃO INTERNACIONAL DO GEM Babson College Universidad Del Desarrollo Global Entrepreneurship Research Association (GERA) PROJETO GEM BRASIL EQUIPE TÉCNICA Coordenação Simara Maria de Souza Silveira

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015 LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110 Ano Letivo - 2014/2015 CANDIDATOS ADMITIDOS: Nº Candidato NOME OSERVAÇÕES 1367130034 Alexandra

Leia mais

LÍDER NORTE 2013 NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO Inovando na Criação e Gestão de Empresas

LÍDER NORTE 2013 NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO Inovando na Criação e Gestão de Empresas LÍDER NORTE 2013 NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO Inovando na Criação e Gestão de Empresas Pela primeira vez no Estado do Amazonas acontecerá a 4ª edição regional do LÍDER NORTE um encontro de jovens empresários

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013 13897152 ALEXANDRE RIBEIRO DA SILVA Colocado em 0701 9011 11279428 ANA CATARINA MELO DE ALMEIDA Colocada em 0902 14423301 ANA CATARINA VITORINO DA SILVA Colocada em 0604 9229 14306028 ANA JOÃO REMÍGIO

Leia mais

3. A lista está organizada por Profissional Indicado pela Pessoa Jurídica (pág. 02 à 03) e Profissional Individual (pág. 04 à 11).

3. A lista está organizada por Profissional Indicado pela Pessoa Jurídica (pág. 02 à 03) e Profissional Individual (pág. 04 à 11). SEBRAE AL Edital 01/ 2011 Credenciamento de Profissionais Individuais e Pessoas Jurídicas para Compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE RESULTADO DO PROCESSO DE CREDENCIAMENTO Publicado

Leia mais

CLASSIFICADOS. Grupo C 10 100721 MARIA EDUARDA ROCHA VALENTE DA SILVA QUÍMICA INFORMÁTICA

CLASSIFICADOS. Grupo C 10 100721 MARIA EDUARDA ROCHA VALENTE DA SILVA QUÍMICA INFORMÁTICA 1 101208 IAGO IGNACIO BOTELHO E SILVA INFORMÁTICA ELETRÔNICA 2 101041 THAYANA XAVIER LUCERO ELETRÔNICA QUÍMICA 3 100746 ARTHUR MOREIRA RAMOS 4 100083 LECTICIA VIANNA LEAL SOARES BESSA MECATRÔNICA MECÂNICA

Leia mais

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03 Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo Novembro/03 1 Objetivos: Informações sobre a Pesquisa Identificar as principais características dos empreendedores paulistas

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 2ª FASE - ECT SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO CARLA MARIA CARNEIRO ALVES Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologias 3,9 de 5 4 CARLOS EDUARDO DOS

Leia mais

Inscrição Nome Opção de Curso Status. 000000005133 RAQUEL REZENDE DANTAS EDUCACAO FISICA Aprovado

Inscrição Nome Opção de Curso Status. 000000005133 RAQUEL REZENDE DANTAS EDUCACAO FISICA Aprovado Processo Seletivo 2016/1 000000005133 RAQUEL REZENDE DANTAS EDUCACAO FISICA Aprovado 000000004960 VALERIA DIAS MIRANDA EDUCACAO FISICA Aprovado 000000005764 BRUNNO DE PAULA SILVA BARBOSA EDUCACAO FISICA

Leia mais

Iflfl flfl 5 95 12 39

Iflfl flfl 5 95 12 39 Ano Escolar 0 1 PORTUGAL 0 Ano de Escolaridade Turma D Estabelecimento de Ensino 0 Escola Básica de Vale de Milhaços 05 0 0 1 1 5 110 0 pg irncpp 51 105 0 1 01 001 0 1 01 05 001 11 1 055 ALINE VALENCE

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de Operações: Rafael

Leia mais

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014 Abril/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Abril/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA

RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA 12 RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA N OVEMBRO/2013 12 Retratos da Sociedade Brasileira: Padrão de Vida CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

Ana Carolina Pereira Pires

Ana Carolina Pereira Pires Aimê Pinheiro Pires universidades e centros de pesquisa na geração de novos negócios, Ana Carolina Pereira Pires Ana Cristina Angelo Rocha Ana Paula Andrade Galvão Andre Araujo André Lopes Andre Luiz Santos

Leia mais

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2015/2) CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. ORIENTADOR: Prof. AGUINALDO TEODORO BARBOSA FONSECA

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2015/2) CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. ORIENTADOR: Prof. AGUINALDO TEODORO BARBOSA FONSECA O coordenador do Núcleo de Atividades Complementares NAC, nos termos da Resolução CONSUP Faculdade CESUC 001/2015, divulga abaixo a relação das BANCAS PÚBLICAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO do Curso

Leia mais

LISTA DE ORDENAÇÃO ENSINO INGLÊS ANO LETIVO 2012-2013

LISTA DE ORDENAÇÃO ENSINO INGLÊS ANO LETIVO 2012-2013 LISTA DE ORDENAÇÃO ENSINO INGLÊS ANO LETIVO 2012-2013 OFERTA 2737 433133 2737 435006 2737 433645 2737 431145 2737 411431 2737 447993 2737 432457 2737 412330 2737 415973 2737 427952 2737 417413 2737 417268

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO DESPACHO DIGES 1536

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO DESPACHO DIGES 1536 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA ª REGIÃO DESPACHO DIGES 536 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO E STRICTO SENSU RESULTADO DA CLASSIFICAÇÃO FINAL Em conformidade

Leia mais

ADEMIR CATARINO DE SÁ ADRIANE GONÇALVES DE SOUZA ADRIELE SALES DA SILVA ALAN KARDEK SILVA BARROS

ADEMIR CATARINO DE SÁ ADRIANE GONÇALVES DE SOUZA ADRIELE SALES DA SILVA ALAN KARDEK SILVA BARROS NOME ADEMIR CATARINO DE SÁ ADRIANA DE JESUS DE BRITO ADRIANA OLIVEIRA SOUZA ADRIANE GONÇALVES DE SOUZA ADRIELE FATIMA ROCHA ADRIELE SALES DA SILVA ALAN KARDEK SILVA BARROS ALDAIR FEREIRA MELO ALINE FERREIRA

Leia mais