COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS ANALÍTICOS PARA DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM SUCO, VINHOS E ESPUMANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS ANALÍTICOS PARA DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM SUCO, VINHOS E ESPUMANTE"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO TÉCNICA E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM VITICULTURA E ENOLOGIA Tamiris Sellmer Nilson COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS ANALÍTICOS PARA DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM SUCO, VINHOS E ESPUMANTE BENTO GONÇALVES 2010

2 1 Tamiris Sellmer Nilson COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS ANALÍTICOS PARA DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM SUCO, VINHOS E ESPUMANTE Trabalho de conclusão de Curso Superior apresentado ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves, como requisito para a obtenção do grau de Tecnóloga em Viticultura e Enologia. Orientadora: Simone Bertazzo Rossato. BENTO GONÇALVES 2010

3 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...3 LISTA DE TABELAS...4 RESUMO...5 ABSTRACT...6 INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Acidez Total em Mostos e Vinhos Análise Titrimétrica Titulação ácido / base acidimetria Titulação Potenciométrica Indicadores Fenolftaleína Azul de Bromotimol Determinação da acidez total em mostos e vinhos MATERIAIS E MÉTODO Amostras Preparo da amostra Análise Análise estatística RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS...24 BIBLIOGRAFIA...25

4 3 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Ponto de viragem da Fenolftaleína...13 Figura 2. Estruturas químicas da fenolftaleína em meios ácido e básico e as colorações adquiridas...14 Figura 3. Azul de Bromotimol em ph ácido, neutro e soluções alcalinas...14

5 4 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Coloração da fenolftaleína em diferentes intervalos de ph...13 Tabela 2 Equivalente-grama dos ácidos...18 Tabela 3 Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Titulométrico sem o uso do indicador Fenolftaleína...19 Tabela 4 Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Titulométrico com o uso do indicador Fenolftaleína...20 Tabela 5 Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Potenciométrico sem o uso do indicador Fenolftaleína...21 Tabela 6 Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Potenciométrico com o uso do indicador Fenolftaleína...21 Tabela 7 Valores da Acidez Total (meq/l), média, desvio padrão e coeficiente de variação (CV%) obtidos entre os métodos Titulométrico e Potenciométrico com e sem o uso de indicador Fenolftaleína...23

6 5 RESUMO A uva, matéria prima para a elaboração de vinhos, contém quantidades significativas de vários ácidos orgânicos. Assim, o mosto nada mais é do que soluções ácidas diluídas contendo principalmente ácidos relativamente fracos como ácido tartárico, málico, acético, lático, etc. Durante o processo de fermentação, naturalmente ocorre um decréscimo relevante na concentração de vários destes ácidos e pode ocorrer aumento da concentração de outros, enquanto que algumas variações podem ser indicativo de alterações de origem microbiana. A acidez pode ser expressa de duas formas: acidez total que representa o conjunto de todos os ácidos sendo indicativo da quantidade de ácidos; e o ph ou a acidez real, que permite medir a força destes ácidos. A acidez total é formada principalmente pelos ácidos tartárico, málico, cítrico, succínico e acético e o resultado dessa análise é uma importante ferramenta de controle do processo de maturação da uva e da elaboração do vinho. Neste trabalho, serão comparados dois métodos de determinação da acidez total utilizados pelo setor vitivinícola: o método por titulação na presença de indicador e o método por titulação potenciométrica, utilizando hidróxido de sódio como titulante. A diferença entre os métodos ocorre na determinação do ponto final da titulação. No primeiro, o ponto final é fornecido por um indicador que tem sua coloração alterada dependendo do ph do meio, da precisão humana e de uma padronização da intensidade da cor indicativa do ponto final. No segundo, o ponto final da titulação é fornecido pela leitura do ph da solução por meio de um eletrodo inserido na amostra e esse método dependerá da calibração e sensibilidade do phmetro, além da estabilização do ph no ponto final da titulação. Existiu variação entre os diferentes métodos avaliados com coeficientes de variação variando de 1,24 % a 12,04%. As maiores variações foram verificadas para amostras tintas possivelmente pela dificuldade de visualização da coloração rosa indicativa do ponto final da titulação nestas amostras. Apesar da ausência de diferença significativa (p< 0,05) entre algumas comparações, as diferenças encontradas são bastante importantes para a interpretação de resultados durante o processo de elaboração de sucos e vinhos. Palavras-chave: Titulometria, Potenciometria, Acidez Total, Vinho, Suco, Espumante.

7 6 ABSTRACT Grape, raw material for the production of wine contains significant amounts of several organic acids. Thus, the wort is nothing more than diluted acid solutions containing mainly relatively weak acids such as tartaric acid, malic acid, acetic, lactic, etc.. During the fermentation process naturally occurs in a significant decrease in concentration of several of these acids may occur and increase the concentration of others, while some variations can be indicative of changes of microbial origin. The acidity can be expressed in two ways: total acidity that represents the set of all acids is indicative of the amount of acid, and the actual ph or acidity, which can measure the strength of these acids. Acidity is formed primarily by tartaric, malic, citric, succinic and cetic acids and the results of this analysis is an important tool to control the maturation of grapes and winemaking. In this paper, two methods are compared for determining total acidity in wine used by the industry: the titration method in the presence of indicator and potentiometric titration method using sodium hydroxide as titrant. The difference between the methods ccurs in determining the end point. At first, the end point is provided by an indicator which has changed its color depending on ph of human accuracy and standardization of the intensity of color indicative of the end point. In the second, the end point is provided by reading the ph of the solution through an electrode inserted into the sample and this method will depend on the sensitivity and calibration of ph meter, in addition to stabilizing the ph at the end point.there was variation between the different methods evaluated, with coefficients of variation ranging from 1.24% to 12.04%. The largest variations were found for paint samples possibly due to the difficulty of viewing the pink color indicative of the end point in these samples. Despite the absence of significant difference (p < 0.05) in some comparisons, the differences are quite important for the interpretation of results during the preparation of juices and wines. Keywords: Titrimetry, Potentiometry, Total Acidity, Wine, Juice, Sparkling.

8 7 INTRODUÇÃO A acidez do vinho é dada principalmente pela presença dos ácidos tartárico, málico cítrico e acético e esta varia em função das condições climáticas, da variedade de uva, dos métodos de cultivo adotados durante o desenvolvimento da videira, dos métodos empregados durante a vinificação (acidificação ou desacidificação) e da ocorrência de alguma enfermidade de origem microbiológica. Sendo a concentração de ácido no vinho um importante parâmetro tecnológico em enologia, o profissional precisa ter domínio sobre as práticas relacionadas, para que determine a acidez total de mostos e vinhos com exatidão e precisão e assim possa controlar a maturação da uva e, juntamente com outros parâmetros, defina a data de colheita, possa controlar alterações indesejáveis, acompanhar os processos de vinificação, estabilização e caso necessário, realize as devidas intervenções. Para a determinação da acidez total em mostos e vinhos, o setor vitivinícola utiliza a titulação de neutralização como método analítico. Entretanto, existem algumas variações nesse método referente à definição do ponto final da titulação, sendo algumas dessas variações, inclusive sugeridas na própria Legislação Brasileira. Este trabalho visa comparar duas formas de determinação da acidez total: o método por titulação com a presença de indicador e o método potenciométrico, realizados com amostras de suco, vinhos e espumante para verificar se há diferença significativa entre os resultados obtidos por ambos os métodos, os quais são amplamente utilizados pelo setor vitivinícola.

9 8 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1 Acidez Total em Mostos e Vinhos A acidez total em mostos e vinhos é conferida principalmente pela presença de ácidos como tartárico, málico, cítrico e acético e dos ácidos succínico, lático e outros em menor concentração. Como o ácido tartárico é o principal ácido no mosto e no vinho, a acidez total é normalmente expressa em g/l em ácido tartárico. De acordo com Ferreto (2003), a acidez total compreende: - Acidez fixa: constituída pelos ácidos que não são arrastados pelo vapor da água (tartárico, málico, cítrico, lático, succínico, sulfúrico e fosfórico); - Acidez volátil: constituída pelos ácidos arrastados pelo vapor da água (acético, fórmico, propiônico e butírico). Dessa forma, a acidez total é formada pelo somatório da acidez fixa com a acidez volátil. Os valores de acidez total, considerados normais, variam em um intervalo muito amplo. De forma geral, os vinhos mais ricos em álcool são menos ácidos que aqueles com graduação alcoólica baixa, isto é a causa da precipitação (devido ao álcool) do bitartarato de potássio que constitui uma notável parte da acidez. Geralmente a acidez total diminui com o envelhecimento dos vinhos. Pode também ser modificada por tratamentos como a refrigeração, desacidificação e acidificação. (CARRARO, CESCA, NILSON, 2010). No mosto e no vinho, o conhecimento da acidez total permite prever as possíveis correções (acidificação e desacidificação), favorecer ou impedir a fermentação malolática, detectar alterações microbianas, como a tourné (volta), que é uma doença onde leveduras entram em ação diminuindo a acidez total e a acidez fixa. Outro fator importante da determinação é a de que uma boa acidez nos mostos assegura uma fermentação normal, além de dar frescor aos vinhos, realçar a cor e assegurar sua conservação. (FERRETO, 2003). O conteúdo da acidez total no vinho varia com o tempo, devido à instabilidade natural do vinho (precipitação tartárica, variação de acidez volátil, processo de fermentação malolática, etc.).

10 9 O vinho é um meio menos ácido do que o mosto que lhe deu origem, isto acontece, tendo em vista que, durante a fermentação, certa quantidade de tartarato ácido de potássio se insolubiliza, ocorrendo também, durante a estabilização e envelhecimento, certas precipitações que reduzem a acidez, (FERRETO, 2003) por isso, a determinação de acidez total é uma das análises do vinho mais importante e mais frequentemente efetuada. A legislação brasileira prevê um mínimo de 55,0 e máximo de 130,0 meq/l de acidez total para vinhos e espumantes e até 9g/L de acidez total expressa em ácido tartárico, para sucos.

11 Análise Titrimétrica A titrimetria, termo oriundo do inglês titration (titulação), é o processo de análise química quantitativa no qual determina-se a concentração de uma solução pela medida do volume de uma solução titulada (VOGEL, 2008). Esse termo substituiu o termo volumetria utilizado antigamente porque análise titrimétrica expressa melhor o processo de titulação, enquanto o termo análise volumétrica pode ser confundido com a medição de volumes, como no caso de gases. A titulação é a principal operação da volumetria, pois os cálculos partem da medida do volume da solução titulada, ou seja, titulação é uma operação de laboratório através da qual se determina a concentração de uma solução A medindo-se o volume de uma solução B de concentração conhecida, que reage completamente com um volume conhecido da solução (CARVALHO, 1995). De acordo com Fonseca (1992), a titulação se baseia no princípio da equivalência, ou seja, podemos determinar a concentração com base no fato de que o número de equivalentes que reagem da solução A e B são iguais: A reação é completa quando: e A = e B Como: e A = Normalidade A x Volume A (L) e B = Normalidade B x Volume B (L) Então: Normalidade A x Volume A = Normalidade B x Volume B Na titulação, são usadas duas soluções: uma cuja normalidade é conhecida, chamada solução titulada ou solução padrão e a outra, cuja normalidade se quer determinar, chamada solução problema. (FELTRE, 1994). Existem diversos tipos de titulações e a escolha por uma ou outra dependerá do tipo de composto químico a ser quantificado. A titulação de oxirredução envolve reações de transferências de elétrons entre agentes oxidantes (que os recebem) e agentes redutores (que os perdem), a titulação de precipitação é o método da volumetria no qual ocorre a combinação de íons para formar precipitado e a titulação de neutralização, uma das mais utilizadas, que baseia-se na reação de combinação dos íons hidrogênio e hidróxido com a formação de água (VOGEL, 2008).

12 Titulação ácido / base acidimetria É a determinação da concentração de uma solução ácida pela titulação com uma solução básica de concentração conhecida (FONSECA, 1992). As hidroxilas da solução alcalina combinam-se com os hidrogênios ionizáveis do ácido, aumentando o ph da solução, fator de controle da realização e finalização da reação, pois representa a quantidade de íons hidrogênio (H + ) ainda presente no meio reacional e assim, em um determinado ph o ponto de equivalência é atingido e a reação termina. (OBOISTA, 2008). Quando uma titulação de neutralização envolve ácido e base fortes, o ponto final verdadeiro é em ph 7,0. Quando uma titulação envolve ácido forte e base fraca, o ponto final ocorre em ph inferior a 7,0. Já uma titulação de neutralização envolvendo ácido fraco e base forte tem seu ponto final verdadeiro em ph superior a 7,0. (CAPUCHO, 2001) Titulação potenciométrica A potenciometria ou método potenciométrico de análise química consiste em determinar o ponto final de um processo de titulação por intermédio da medida do ph, onde o ponto de equivalência será revelado pela modificação do mesmo. Para isso, é necessário um potenciômetro devidamente calibrado, que forneça diretamente os valores variáveis do ph à medida que a titulação avança. Ou seja, em uma titulação potenciométrica, o potencial do eletrodo indicador é medido em função do volume de titulante adicionado, sendo importante que a solução que contém o analito seja agitada durante a titulação (VOGEL, 2008). É um método que utiliza um equipamento simples e relativamente barato, constituído de um eletrodo de referência, um eletrodo indicador e um dispositivo para leitura do potencial (potenciometro), além de dispensar o uso de indicadores. É considerado um método confiável a ser aplicado nas volumetrias, em química analítica quantitativa.

13 Indicadores São substâncias que mudam de cor de acordo com a concentração de íons de hidrogênio na solução e essa mudança de cor não ocorre abruptamente, mas dentro de um pequeno intervalo de ph, denominado intervalo de mudança de cor (faixa de viragem) do indicador. A posição da faixa de viragem na escala de ph é diferente para cada indicador. Assim, é possível selecionar para a maior parte das titulações ácido-base um indicador que muda de cor em um ph próximo ao ponto de equivalência e essa mudança de cor se deve às modificações estruturais, incluindo a formação de estruturas quinoidais (coloridas) e formas de ressonância (VOGEL, 2008), quando um composto pode ser representado por duas ou mais fórmulas estruturais. Os indicadores de ph são frequentemente ácidos ou bases orgânicas muito fracas (VOGEL, 2008). O ph aumenta à medida que um titulante básico é adicionado à amostra, os íons hidroxila (OH - ) reagem com íons hidrogênio (H + ), diminuindo a concentração de hidrogênios, alterando a estrutura do indicador e, consequentemente, a cor do mesmo (GUBIANI, 2001). Ou seja, um ácido libera H+ na solução, onde este será neutralizado pelo OH- proveniente da base, formando água (H + + OH - H2O) Fenolftaleína A fenolftaleína é um indicador ácido, ou seja, possui hidrogênio (s) ionizável (eis) em sua estrutura. Quando o meio está ácido (ph menor que 7), a molécula de indicador é forçada a manter seus hidrogênios devido o efeito do íon comum, quando o meio está básico (ph maior que 7), os hidrogênios do indicador são fortemente atraídos pelos grupos OH - (hidroxila) para formarem água, e neste processo são liberados os ânions do indicador que irão colorir o meio (FERNANDES).

14 13 Os ácidos fracos não se dissociam totalmente, assim, é possível calcular uma constante que irá relacionar a quantidade de moléculas dissociadas e a quantidade de moléculas não-dissociadas, quando o sistema atinge o equilíbrio, é a constante de dissociação (K a ) (ROCHA, 2000). A variação de ph próximo ao ponto de equivalência é importante, pois permite escolher o indicador que fornece o menor erro de titulação, em geral, os ácidos fracos (K a > 5 x 10-6 ), que significa que o intervalo de ph está entre 8 e 10, permitindo assim o uso de fenolftaleína como indicador (VOGEL, 2008). A Tabela 1 mostra a coloração da fenolftaleína em diferentes intervalos de ph. Tabela 1: Coloração da fenolftaleína em diferentes intervalos de ph. Fenolftaleína (indicador de ph) ph abaixo de 8,0 ph entre 8,0 e 10,0 ph entre 10,0 e 12,0 Incolor Rosa Carmim ou Roxa Fonte: de ph 8,2. Conforme a Figura 1, a Fenolftaleína apresenta o seu ponto de viragem em torno Figura 1 Ponto de viragem da Fenolftaleína. (Fonte: Arquivo Pessoal)

15 14 A figura 2 mostra as estruturas químicas da fenolftaleína em meios ácido e básico e as colorações adquiridas. Figura 2 Estruturas químicas da fenolftaleína em meios ácido e básico e as colorações adquiridas. (Fonte: Azul de Bromotimol O azul de bromotimol é um indicador de ph que em solução ácida, adquire coloração amarela, em solução básica adquire coloração azul e em solução neutra adquire coloração verde, atuando como um ácido fraco na mesma. Esse indicador apresenta uma faixa de viragem em ph próximo a sete. A Figura 3 mostra o Azul de Bromotimol em diferentes phs e cores. Figura 3: Azul de Bromotimol em ph ácido, neutro, e soluções alcalinas (da esquerda para a direita). (Fonte:

16 Determinação da acidez total em mostos e vinhos. A acidez de mostos e vinhos é determinada por meio de uma titulação de neutralização utilizando hidróxido de sódio (base forte) como titulante (ou solução padrão). A solução de hidróxido de sódio é introduzida, pouco a pouco, no erlenmeyer contendo a amostra de mosto ou vinho. Enquanto houver ácido, a solução permanecerá com determinada coloração, até que em determinado momento, uma gota excedente, de hidróxido de sódio entra em contato com a solução problema e o meio adquire nova coloração. Esse excesso é desprezível e esse momento de mudança de cor indica que o ácido reagiu completamente com a base, ou seja, é o fim da titulação. Uma das dificuldades que existe durante o processo de titulação, é saber exatamente qual o instante do término da reação, isso porque ocorrem diferenças muito pequenas, que se chama erro da titulação, onde o ponto final visível deve coincidir com o ponto final estequiométrico ou teórico (FELTRE, 1994; VOGEL, 2008). Segundo Carraro, Cesca e Nilson, a acidez total é a soma da acidez titulável que se obtém levando o vinho a ph 7,0 mediante a adição de uma solução alcalina (hidróxido de sódio) de título conhecido. Entretanto, como os ácidos presentes em mostos e vinhos são ácidos orgânicos relativamente fracos, segundo Vogel, quando mostos ou vinhos são titulados com uma base forte, o ponto final verdadeiro será maior do que 7,0, geralmente 8,2, pois, os ácidos fracos são pouco ionizáveis e, à medida que o meio torna-se menos ácido por adição de NaOH, a constante de dissociação é alterada e os ácidos fracos conseguem se ionizar, sendo neutralizados pela base. O anidrido carbônico não faz parte da acidez total, uma vez que, em contato com íons de hidrogênio, pode-se formar o ácido carbônico e o valor da acidez será elevado (CARRARO, CESCA, NILSON, 2010). Como a determinação da acidez total de mostos e vinhos trata-se de uma titulação de ácidos fracos com base forte, a fenolftaleína seria um indicador mais adequado, pois o azul de bromotimol é adequado para determinações de ácidos fracos e bases fracas, preferencialmente em ph próximo de 7. (ARTIGOSSOBRE.COM).

17 16 2. MATERIAIS E MÉTODO O trabalho foi realizado no laboratório da Cooperativa Vinícola Aurora LTDA, buscando comparar os resultados obtidos em dois métodos de determinação da acidez total Amostras engarrafados. Foram utilizadas amostras de suco tinto, vinho tinto, vinho branco e espumante branco 2.2. Preparo da amostra As amostras de suco e vinhos não passaram por etapa de preparação, enquanto a amostra de espumante foi filtrada em em papel filtro, para eliminação parcial de gases a fim de evitar a interferência dos mesmos nas análises, os quais podem formar ácido carbônico e este será quantificado na titulação, elevando o valor da acidez total Análise As análises foram realizadas seguindo os métodos oficiais previstos na legislação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

18 17 O titulante hidróxido de sódio 0,1 N (Merck, Alemanha) foi utilizado sem padronização, visando tornar o trabalho mais próximo da realidade do setor vitivinícola. Todas as análises foram realizadas com hidróxido de sódio proveniente do mesmo lote para eliminar esse fator nos resultados obtidos. O potenciômetro utilizado (phmetro _827 ph lab Metrohm Pensalab) foi calibrado no dia da análise sendo que o mesmo é submetido à calibrações externas por empresa certificada uma vez ao ano. magnético (Quimis). Foram utilizados bureta digital (Bureta digital _Titrette 50ml Brand) e Agitador Foi escolhido o indicador fenolftaleína por apresentar uma faixa de viragem mais adequada à situação real de titulação de ácidos fracos e bases fortes que proporcionam um ponto final em ph maior que 7,0 e por ser o indicador mais utilizado pelo setor vitivinícola. A seguir, o procedimento utilizado em todas as amostras: 1) Para um erlenmeyer ou bécker de 250 ml, foram transferidas 10 ml da amostra, 100 ml de água destilada e quando necessário, as 3 gotas de fenolftaleína a 1% (solução hidroalcoólica). 2) Titulou-se com solução de hidróxido de sódio 0,1N até o ponto de viragem da fenolftaleína, no caso do método titulométrico, ou em potenciômetro, até ph 8,2, mantendo sempre a solução problema em agitador magnético. 3) Para fermentado alcoólico, a acidez total pode ser expressa em miliequivalentes por litro segundo fórmula a seguir: n N At = 1000 V Ou em gramas por Litro expresso em ácido tartárico segundo fórmula a seguir: Onde: At = n = N = V = Acidez total em meq/l. At = n x N x 1000 x 0,075 V Volume da solução de hidróxido de sódio gasto na titulação, em ml. Normalidade da solução de hidróxido de sódio. Volume da amostra em ml. 4) Para fermentado não alcoólico, a acidez total é expressa em gramas de ácido por 100g ou 100mL de amostra, pelas fórmulas:

19 18 n N Eq ATT( g /100mL) = ou 10 V Onde: ATT ( g /100 g) n N Eq = 10 p N = normalidade da solução de hidróxido de sódio. n = volume da solução de hidróxido de sódio gastos na titulação em ml. p = massa da amostra em grama. V = volume da amostra em ml. Eq = equivalente-grama do ácido. Observação: a) O equivalente-grama dos respectivos ácidos deve ser tomado conforme determinam os padrões de identidade e qualidade das matrizes. b) Equivalente-grama: Tabela 2 Equivalente-grama dos ácidos Ácido cítrico 64,02 Ácido tartárico 75,04 Ácido málico 67,04 Ácido fumárico 58,04 Ácido fosfórico 32,68 Fonte: Análise estatística As análises foram realizadas em triplicata e uma comparação das médias foi realizada por Análise de Variância (ANOVA one-way) seguida de teste de Tukey para casos de ocorrência de diferença significativa. Valores de p menores que 0,05 foram considerados significativos para a comparação entre as médias. O coeficiente de variação (CV%) foi calculado tanto entre as triplicatas da análise de cada amostra quanto entre as médias de cada análise para cada amostra. Para todas as análises, foi utilizado o programa Sigma stat 3.5.

20 19 3. RESULTADOS As tabelas 3 e 4 mostram a média das 3 repetições da titulação de sucos, vinhos e espumante com e sem o uso do indicador fenolftaleína, o valor da acidez total (meq/l e g/l em ácido tartárico), o desvio padrão das repetições e o coeficiente de variação obtido entre as triplicatas de cada amostra. Tabela 3: Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Titulométrico sem o uso do indicador Fenolftaleína. Amostra AT (meq/l) AT (g/l em ácido tartárico) Desvio Padrão das 3 repetições Coeficiente de Variação (%) entre as 3 repetições Suco Tinto 47 3,5 0 0 Vinho Tinto 68 5,1 0 0 Vinho Branco 78 5,8 0 0 Espumante Branco 79 5,9 1,15 1,44 Pode-se perceber pela tabela 3 que a determinação do ponto final da titulação sem o uso do indicador e apenas pela mudança na coloração da antocianina (pigmento da uva tinta) é adequado para amostras tintas e é de fácil visualização não havendo variação entre a triplicata das análises (Coeficiente de Variação igual a zero). Para amostras de vinho branco e espumante, esse tipo de determinação mostrou-se adequado para vinho branco, ou seja, a visualização do ponto final apenas pela mudança dos pigmentos flavonóis das uvas brancas os quais adquirem coloração amarela intensa foi de fácil visualização e apresentou ótima repetibilidade (coeficiente de variação igual a zero). Entretanto, pelo fato de a quarta amostra tratar-se de espumante branco, esperava-se ausência de variação da mesma forma que ocorreu com a amostra de vinho branco. Pode-se sugerir que a variação de 1.44 % entre as triplicatas da análise de espumante pode ter sido devido à etapa preliminar de filtração com objetivo de

21 20 eliminar gás carbônico e essa eliminação pode não ter ocorrido da mesma forma para as três análises, ou seja, em alguma amostra pode ter restado mais gás carbônico do que em outra. Esse resultado é importante para que futuramente, o analista possa desenvolver uma forma de eliminar os gases completamente e possa verificar a eficiência dessa etapa de preparação da amostra pois uma variação de resultados pode não ser devido à etapa analítica propriamente dita, mas sim à etapa de preparação da amostra. Vale salientar que sempre que um procedimento analítico envolve etapas de preparação da amostra, o mesmo está mais sujeito à variações uma vez que mais etapas estão envolvidas. Tabela 4. Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Titulométrico com o uso do indicador Fenolftaleína. Amostra AT (meq/l) AT (g/l em ácido tartárico) Desvio Padrão das 3 repetições Coeficiente de Variação (%) entre as 3 repetições Suco Tinto 47,7 3,58 0,58 1,22 Vinho Tinto 67,3 5,05 0,58 0,86 Vinho Branco 78 5,8 0 0 Espumante Branco 79,3 5,95 0,58 0,73 A tabela 4 mostra que com o uso do indicador fenolftaleína os maiores coeficientes de variações ocorreram para amostras tintas. Esse resultado pode ser explicado pela dificuldade de visualização da coloração rosa em amostras tintas, que é a cor adquirida pela fenolftaleína ao final da titulação. Esse procedimento exige muita habilidade e treino do analista e o grau de dificuldade está diretamente relacionado com a intensidade de cor da amostra de suco ou vinho. Já a visualização da coloração rosa nas amostras brancas é facilmente observada e portanto não houve variação para a amostra de vinho branco e a pequena variação nos resultados de espumante pode ser decorrente da etapa de eliminação de gases não ter sido eficaz e padronizada. As tabelas 5 e 6 mostram a média das 3 repetições, o valor da acidez total (meq/l e g/l em ácido tartárico), o desvio padrão das repetições e o coeficiente de variação entre as

22 21 repetições obtidos pela titulação potenciométrica até ph 8,2 de sucos, vinhos e espumante com e sem o uso do indicador fenolftaleína. Tabela 5. Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Potenciométrico sem o uso do indicador Fenolftaleína. Amostra AT (meq/l) AT (g/l em ácido tartárico) Desvio Padrão das 3 repetições Coeficiente de Variação (%) entre as 3 repetições Suco Tinto 58 4,3 1 1,72 Vinho Tinto 75,3 5,65 1,53 2,03 Vinho Branco 77,7 5,83 2,1 2,7 Espumante Branco 77,7 5,83 1,53 1,97 Tabela 6. Média das repetições da Acidez Total em meq/l e em g/l em ácido tartárico, desvio padrão das repetições e coeficiente de variação obtidos pelo Método Potenciométrico com o uso do indicador Fenolftaleína. Amostra AT (meq/l) AT (g/l em ácido tartárico) Desvio Padrão das 3 repetições Coeficiente de Variação (%) entre as 3 repetições Suco Tinto 58,7 4,40 0,58 1,7 Vinho Tinto 76 5,7 1 1,31 Vinho Branco 81,3 6,10 1,53 1,88 Espumante Branco 77,3 5,80 1,53 1,98 Pelas tabelas 5 e 6 pode-se perceber que houve variação em todas as amostras, indicando que a titulação potenciométrica até ph 8,2 apesar de ser a mais correta e

DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM VINHOS TINTOS DESCOLORIDOS POR CARVÃO ATIVADO ATRAVÉS DA VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO.

DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM VINHOS TINTOS DESCOLORIDOS POR CARVÃO ATIVADO ATRAVÉS DA VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO. DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ TOTAL EM VINHOS TINTOS DESCOLORIDOS POR CARVÃO ATIVADO ATRAVÉS DA VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO. DETERMINATION OF TOTAL ACIDITY ON WINES DISCOLORED BY ACTIVATED CARBON THROUGH VOLUMETRY

Leia mais

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E DES. SUSTENTÁVEL CET-0303 QUÍMICA APLICADA PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

Leia mais

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ.

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Naiane Ramilio 1, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 2, Adriano MARTENDAL 3 1 Estudante do Curso Técnico em

Leia mais

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran HCl 0,1N FCAV/UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Analítica Fundamentos da Análise Titrimétrica (Volumétrica) NaOH 0,1N Prof a. Dr a. Luciana M. Saran Fenolftaleína 1 O QUE É? ANÁLISE TITRIMÉTRICA

Leia mais

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Curvas de titulação ² A curva de titulação é a representação gráfica de como

Leia mais

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos Objectivo Composição em açúcares: Composição em ácidos: Maturação fenólica: Estado sanitário:

Leia mais

Zona de Transição. Azul de Timol (A) (faixa ácida) 1,2 2,8 Vermelho Amarelo. Tropeolina OO (B) 1,3 3,2 Vermelho Amarelo

Zona de Transição. Azul de Timol (A) (faixa ácida) 1,2 2,8 Vermelho Amarelo. Tropeolina OO (B) 1,3 3,2 Vermelho Amarelo ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. Indicador Zona de Transição Cor Ácida Cor Básica Azul de Timol (A) (faixa ácida) 1,2 2,8 Vermelho Amarelo Tropeolina

Leia mais

ácido 1 base 2 base 1 ácido 2

ácido 1 base 2 base 1 ácido 2 Experimento 7 ESTUDO DE ÁCIDOS E BASES EM MEIO AQUOSO OBJETIVOS Reforçar a aprendizagem do conceito de ácidos e bases por meio de experimentos simples em meio aquoso. Identificar substâncias ácidas e básicas

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

Produção de Graspa. Jean Pierre Rosier. Eng. Agr. Dr. Em Enologia

Produção de Graspa. Jean Pierre Rosier. Eng. Agr. Dr. Em Enologia Produção de Graspa Jean Pierre Rosier Eng. Agr. Dr. Em Enologia Histórico Regiões montanhosas e frias Álcool >>>> medicamentos +/- 1.400 > Norte Itália >1 a produção Consumo: Com Café ou Pura Pela manhã

Leia mais

Química - Grupo J - Gabarito

Química - Grupo J - Gabarito - Gabarito 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Informe a que volume deve ser diluído com água um litro de solução de um ácido fraco HA 0.10 M, de constante de ionização extremamente pequena (K

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química - II sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

MARCOS DE BARROS VALADÃO

MARCOS DE BARROS VALADÃO Ministério da Abastecimento Atualização de dados gerais: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA LABORATÓRIO ALAC Nome Empresarial: LABORATÓRIO ALAC LTDA. CNPJ: 94.088.952/0001-52 Endereço: Rua David Sartori,

Leia mais

ÁCIDOS. Função Inorgânica

ÁCIDOS. Função Inorgânica ÁCIDOS Função Inorgânica LEMBRANDO CONCEITOS: PH POTENCIAL HIDROGENIÔNICO É a medida de acidez de uma solução aquosa, cuja escala de medidas vai de 0 a 14. ALGUNS VALORES DE PH: Substância ph Coca-cola

Leia mais

Atividade 03 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DAS ÁGUAS PRÓXIMAS A ATIVIDADES MINERADORAS DE CALCÁRIO

Atividade 03 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DAS ÁGUAS PRÓXIMAS A ATIVIDADES MINERADORAS DE CALCÁRIO Atividade 03 - AVALIAÇÃO AMBIENTAL DAS ÁGUAS PRÓXIMAS A ATIVIDADES MINERADORAS DE CALCÁRIO Prof. Dr. Anelise Marlene Schmidt Técnico Químico Guilherme Pacheco Casa Nova André Luiz Cordeiro Ferreira, CSTM

Leia mais

Exercícios de ph Turma Evolução

Exercícios de ph Turma Evolução . A forma dos fios do cabelo (liso ou ondulado) se deve à forma das estruturas proteicas da queratina. Promovendo reações químicas nas ligações dissulfeto (RSSR) presentes na proteína, é possível alterar

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DO VINHO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DO VINHO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO SUL IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DO VINHO Bento Gonçalves 2009 1 INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS EM DIFERENTES MARCAS DE CACHAÇAS COMERCIALIZADAS EM NATAL-RN

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS EM DIFERENTES MARCAS DE CACHAÇAS COMERCIALIZADAS EM NATAL-RN AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS EM DIFERENTES MARCAS DE CACHAÇAS COMERCIALIZADAS EM NATAL-RN Genickson Borges de carvalho 1 (PG), Denise Porfirio Emerenciano 1 (PG), Geovane Chacon de Carvalho

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de hidróxido de sódio; Determinação da acidez no vinagre

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de hidróxido de sódio; Determinação da acidez no vinagre Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Analítica Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de hidróxido de sódio; Determinação da acidez no

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ FOOD INTELLIGENCE Nome Empresarial: FOOD INTELLIGENCE CONSULTORIA EM ALIMENTOS S/S LTDA. CNPJ: 03.627.116/0001-43 Endereço: Rua Pássaro e Flores, nº. 141 Bairro: Brooklin CEP: 04704-000 Cidade: São Paulo-SP

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Capítulo XXVIII - Condimentos e Vinagres XXVIII CAPÍTULO CONDIMENTOS E VINAGRES IAL - 883

Capítulo XXVIII - Condimentos e Vinagres XXVIII CAPÍTULO CONDIMENTOS E VINAGRES IAL - 883 Capítulo XXVIII - Condimentos e Vinagres CAPÍTULO XXVIII CONDIMENTOS E VINAGRES IAL - 883 Métodos Físico-Químicos para Análise de Alimentos - 4ª Edição 1ª Edição Digital 884 - IAL XXVIII CONDIMENTOS E

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental deseja-se que o aluno seja capaz de: - Elaborar processos para a transformação de materiais,

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

Equilíbrio Químico do íon bicarbonato: Efeito da concentração. Introdução. Materiais Necessários

Equilíbrio Químico do íon bicarbonato: Efeito da concentração. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução O equilíbrio químico do íon bicarbonato faz parte de uma série de sistemas como formação das cavernas, equilíbrio no sangue e no oceano. Como a concentração de CO 2 pode afetar o equilíbrio

Leia mais

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Nesta oficina, abordaremos as reações químicas, com foco nas evidências de uma transformação.

Leia mais

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura.

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura. ACIDEZ EM ÓLEOS E GORDURAS VEGETAIS UTILIZADOS NA FRITURA Álvaro Ramos Junior 1* ; Cleiton Teixeira 1 ; Vinícius Jatczak Amazonas 1 ; Daniela Trentin Nava 2 ; Raquel Ribeiro Moreira 2 ; Ricardo Fiori Zara

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Puede determinarse el contenido de tanino en tiempo real, tonel por tonel

Puede determinarse el contenido de tanino en tiempo real, tonel por tonel Puede determinarse el contenido de tanino en tiempo real, tonel por tonel Açucares Repesenta uma parte importante do mosto e também do vinho, sendo consituída principalmente de frutose e glicose HOCH 2

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

EQUILÍBRIO IÔNICO Solução [H+] (mol.l-1) CORRETO CORRETO III III

EQUILÍBRIO IÔNICO Solução [H+] (mol.l-1) CORRETO CORRETO III III EQUILÍBRIO IÔNICO 1- (PUCRS) Para a identificação do caráter ácido ou básico de um meio, usam-se substâncias indicadoras, como a fenolftaleína e o tornassol. Assim, um indicador ácido-base apresenta, em

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas Equilíbrio Ácido-Básico Água : solvente das reações químicas Introdução Polaridade molecular: moléculas que possuem uma maior concentração de cargas numa parte da molécula. Os elétrons são compartilhados

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ph DURANTE O PROCESSO DE VINIFICAÇÃO DAS VARIEDADES PINOT NOIR E SHIRAZ 1

EVOLUÇÃO DO ph DURANTE O PROCESSO DE VINIFICAÇÃO DAS VARIEDADES PINOT NOIR E SHIRAZ 1 EVOLUÇÃO DO ph DURANTE O PROCESSO DE VINIFICAÇÃO DAS VARIEDADES PINOT NOIR E SHIRAZ 1 COLINA, Aline 2 ; FOGAÇA, Aline O 2. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Farmácia do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 2 Soluções & Titulação Condutométrica. Revisão sobre preparação de soluções (concentração, molaridade,

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Com o conhecimento de átomos e moléculas, passa-se a

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

Guia do Professor. Módulo Soluções; Equilíbrio Ácido-Base; Reações Químicas. Área de Aprendizagem: Química. Público-alvo: 2 o ano do Ensino Médio

Guia do Professor. Módulo Soluções; Equilíbrio Ácido-Base; Reações Químicas. Área de Aprendizagem: Química. Público-alvo: 2 o ano do Ensino Médio Olá Professor(a)! Eu sou a Quimneca e informo a você que este Guia tem por finalidade, ajudá-lo a conduzir as atividades propostas para o estudo das Cores nas Interações Químicas. O software Colorindo

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 Água pode ser eletrolisada com a finalidade de se demonstrar sua composição. A figura representa uma aparelhagem em que foi feita a eletrólise da água, usando eletrodos inertes de platina. a)

Leia mais

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq)

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq) ÁCIDOS E BASES O conhecimento sobre termodinâmica, particularmente sobre as constantes de equilíbrio é de grande importância na discussão quantitativa das forças de ácidos e bases o que permite desenvolver

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DIFERENTES SANTANA, M. T. A. MARCAS et al. DE SUCOS DE UVA COMERCIALIZADOS EM DUAS REGIÕES DO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DE DIFERENTES SANTANA, M. T. A. MARCAS et al. DE SUCOS DE UVA COMERCIALIZADOS EM DUAS REGIÕES DO BRASIL 882 CARACTERIZAÇÃO DE DIFERENTES SANTANA, M. T. A. MARCAS et al. DE SUCOS DE UVA COMERCIALIZADOS EM DUAS REGIÕES DO BRASIL Characterization of different trading marks of grape juice in two regions of Brazil

Leia mais

Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido de sódio 0,1mol/L para posteriormente determinar a acidez de amostras.

Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido de sódio 0,1mol/L para posteriormente determinar a acidez de amostras. Pág. 1 de 8 I - OBJETIVOS Preparar e padronizar uma solução de ácido clorídrico 0,1mol/L para posterior determinação de pureza de amostras alcalinas. Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido

Leia mais

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo Página 1 de 6 Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo 1- Objetivo Verificar a confiabilidade de medição da concentração de Flúor pelo método ISE 2- Aplicação Aplicável aos equipamentos

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A MAIO 2011

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A MAIO 2011 FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A MAIO 2011 APSA Nº21 11º Ano de Escolaridade 1- Classifique, justificando, as soluções aquosas dos sais que se seguem como ácidas, básicas ou neutras. a) CaCO 3 b)

Leia mais

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph ÁGUA, ph E TAMPÕES- DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICOS (Adaptado de http://perfline.com/cursos/cursos/acbas) A regulação dos líquidos do organismo inclui a regulação da concentração do íon hidrogênio, para assegurar

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO VINHO E DOS DERIVADOS DA UVA E DO VINHO

COMPLEMENTAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO VINHO E DOS DERIVADOS DA UVA E DO VINHO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 55, DE 27 DE JULHO DE 2004 Nota: Prazo encerrado O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

Qualidade Ambiental Química

Qualidade Ambiental Química Qualidade Ambiental Química Programa Revisão dos Conceitos Básicos de Química e Estatística Poluição o Ar e a Química da Troposfera Reações Químicas ligadas à Emissão de Poluentes da Atmosfera Bibliografia

Leia mais

"Kit para Análise de Vinho" Ref. No. 814 500

Kit para Análise de Vinho Ref. No. 814 500 "Kit para Análise de Vinho" Ref. No. 814 500 Rev.02.03 TESTE RÁPIDO CROMATOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DA CONVERSÃO DO ÁCIDO MÁLICO PARA ÁCIDO LÁTICO NO VINHO (Degradação ácida biológica durante a segunda fermentação)

Leia mais

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool Unidade 6 Açúcar e álcool Açúcares A sacarose é um dos açúcares presentes na canadeaçúcar. Junto com ele também são encontrados os açúcares glicose e frutose. A diferença é que a sacarose está presente

Leia mais

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier Química em Solventes não Aquosos Prof. Fernando R. Xavier UDESC 2013 Reações químicas podem acontecer em cada uma das fases ordinárias da matéria (gasosa, líquida ou sólida). Exemplos: Grande parte das

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DE COT POR ESPECTROFOTOMETRIA

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DE COT POR ESPECTROFOTOMETRIA DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DE COT POR ESPECTROFOTOMETRIA LEME, Bruno de Campos Technes Agrícola Ltda. bruno.leme@technes.com.br SAITO, Bruno Orui Technes Agrícola Ltda. saito@technes.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABORATÓRIO NACIONAL AGROPECUÁRIO EM GOIÁS LABORATÓRIO DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE BEBIDAS E VINAGRES LABV/LANAGRO-GO Endereço: Rua da Divisa, s/n Bairro: Setor Jaó CEP: 74674-025 Cidade: Goiânia Fone:

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

, em vez de apenas em água.

, em vez de apenas em água. Questão 01 QUÍMIA Utilizada comumente para desinfecção, a água clorada é obtida por meio de borbulhamento do gás cloro em água, num processo que corresponde à reação descrita nesta equação: + - (g) ( )

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

ANEXO 4, A QUE SE REFERE O ARTIGO 30, IV. Método Referência para a Determinação de Oxidantes Fotoquímicos

ANEXO 4, A QUE SE REFERE O ARTIGO 30, IV. Método Referência para a Determinação de Oxidantes Fotoquímicos ANEXO 4, A QUE SE REFERE O ARTIGO 30, IV Método Referência para a Determinação de Oxidantes Fotoquímicos 1. Princípio. 1.1. O ar amostrado e etileno são injetados em uma câmara de reação onde o ozona (O

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

QUALIDADE DE SUCOS DE UVA ORGÂNICOS DE DIVERSAS CULTIVARES DE VIDEIRA

QUALIDADE DE SUCOS DE UVA ORGÂNICOS DE DIVERSAS CULTIVARES DE VIDEIRA QUALIDADE DE SUCOS DE UVA ORGÂNICOS DE DIVERSAS CULTIVARES DE VIDEIRA Daniéla Alberti Carlesso e Isadora Bruski Gazzi 1 ; Gilson Ribeiro Nachtigall 2 ; Aledson Rosa Torres 3 1. INTRODUÇÃO A produção orgânica

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

Oficinas Analíticas 2015 Análises Ambientais. Rede Metrológica RS

Oficinas Analíticas 2015 Análises Ambientais. Rede Metrológica RS Oficinas Analíticas 2015 Análises Ambientais Rede Metrológica RS Agenda do dia: 1) Comentários iniciais sobre o PEP da Rede Metrológica RS; 2) Apresentação do estudo de caso 1 (equivalência entre métodos

Leia mais

ALINE MARIA CARBONERA RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA VINÍCOLA WINE PARK: UMA VISÃO DA ELABORAÇÃO DE VINHOS, ESPUMANTES E SUCO DE UVA.

ALINE MARIA CARBONERA RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA VINÍCOLA WINE PARK: UMA VISÃO DA ELABORAÇÃO DE VINHOS, ESPUMANTES E SUCO DE UVA. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL Campus Bento Gonçalves ALINE MARIA CARBONERA RELATÓRIO

Leia mais

Funções Inorgânicas. Letícia R. Teixeira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Funções Inorgânicas. Letícia R. Teixeira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Letícia R. Teixeira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico 1. (UFF 2009) Desde a Antiguidade, diversos povos obtiveram metais, vidro, tecidos, bebidas alcoólicas, sabões, perfumes, ligas metálicas, descobriram elementos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOOLICA: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA

FERMENTAÇÃO ALCOOLICA: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA FERMENTAÇÃO ALCOOLICA: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA Anelise Grünfeld de Luca (Colégio Sinodal Ruy Barbosa) Araceli Gonçalves Schneider (Colégio Sinodal Ruy Barbosa) Sandra

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E COMPOSIÇÃO FENÓLICA DE CACHAÇAS ENVELHECIDAS EM BARRIS DE CARVALHO E AMARELO DO PARÁ WILDER DOUGLAS SANTIAGO 1 ; MARIA DAS GRAÇAS CARDOSO 2 ; LIDIANY MENDONÇA ZACARONI 3 ; ANA

Leia mais

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS WLADYMYR JEFFERSON BACALHAU DE SOUZA 1 ; NORMANDO MENDES RIBEIRO FILHO 2 ; RAISSA CRISTINA SANTOS 4 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ;

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE. Emissão inicial: 23.04.2007 Última revisão: 25.07.2012

MÉTODO DE ANÁLISE. Emissão inicial: 23.04.2007 Última revisão: 25.07.2012 Pág.: 1/5 1.0. OBJETIVO Determinar o teor Zinco em Óxido de Zinco, Pó de Zinco, ligas metálicas de Zinco e resíduos de Zinco. 2.0. ABRANGÊNCIA Laboratório de Controle de Qualidade. 3.0 DEFINIÇÕES Não se

Leia mais

RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE9. Química - Setor A. Aulas 1 e 2. Aulas 3 e 4. Aula 1 O. Aula 1. Aula 2. Aula 2. Aula 3 ENSINO MÉDIO H H

RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE9. Química - Setor A. Aulas 1 e 2. Aulas 3 e 4. Aula 1 O. Aula 1. Aula 2. Aula 2. Aula 3 ENSINO MÉDIO H H ENSINO MÉDIO RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE9 Química - Setor A Aulas 1 e 2 1. a) O etanol e a glicose são substâncias orgânicas, já que possuem carbono em sua composição, são formados por ligação covalente

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Zelita de Oliveira Lopes Brasil Colaboradora Análise crítica: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto

Leia mais

BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS

BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS Ministério da Abastecimento Data de atualização: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS Nome Empresarial: BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS LTDA. CNPJ: 00.000.410/0001-32 Endereço:

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO Prof(a): Erika Liz 2011 VINHO - DEFINIÇÃO Vinho é a bebida obtida por fermentação alcoólica do suco de uva (mosto). O ph varia entre 2,9 e 3,8. O teor alcoólico varia de 7 a

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A.

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A. Autores: Luiz Antonio Macedo Ramos e Rosane Bittencourt Wirth. - Revisor: Leandro dos Santos Silveira - Direitos autorais reservados Índice Remissivo... 4 9999.994... 6 Instruções para o professor....6

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Os metais alcalinos, ao reagirem com água, produzem soluções dos respectivos hidróxidos e gás hidrogênio. Esta tabela apresenta

Leia mais

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres 1. MÉTODO Titulométrico (Método Eynon Lane) 2. PRINCÍPIO Os açúcares redutores reagem com os íons cúpricos da solução de Fehling, reduzindo-se a íons cuprosos, sob a ação do calor em meio alcalino. Ao

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

Relatório do Estágio 1168. Borras de café! O que fazer? Joana Maria Feliciano Lázaro. Orientação: Professora Doutora Ana Luísa Almaça da Cruz Fernando

Relatório do Estágio 1168. Borras de café! O que fazer? Joana Maria Feliciano Lázaro. Orientação: Professora Doutora Ana Luísa Almaça da Cruz Fernando Relatório do Estágio 1168 Borras de café! O que fazer? Joana Maria Feliciano Lázaro Orientação: Professora Doutora Ana Luísa Almaça da Cruz Fernando Relatório do Estágio 1168 Borras de café! O que fazer?

Leia mais