a redução vai afetar o seu plano

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "a redução vai afetar o seu plano"

Transcrição

1 Como a redução da taxa de juros da meta atuarial vai afetar o seu plano

2 Novos tempos O crescimento econômico vivido pelo Brasil nos últimos anos levou o país a reduzir as suas taxas de juros. Essa tendência do mercado financeiro é reflexo da maturidade econômica que temos alcançado. Se antes éramos conhecidos por praticar uma das taxas mais altas do mundo, hoje nos aproximamos das taxas praticadas pelas economias de países mais desenvolvidos. Ao mesmo tempo, o país registra um aumento significativo da expectativa de vida da população, consequência dos avanços sociais e da medicina. Os fundos de pensão, como são chamadas as entidades de previdência complementar fechada, têm, por natureza, a obrigação de pensar e agir para garantir o benefício de seus participantes e assistidos no longo prazo. É por isso que as premissas biométricas, econômicas e financeiras adotadas para a avaliação dos planos devem estar sempre de acordo com a realidade econômica e social vigente. Se os brasileiros estão vivendo mais, em um cenário econômico que passou por transformações, é necessário se adaptar a essas mudanças. A redução da taxa de juros A taxa de juros é a taxa real, descontando a inflação, que estima o crescimento dos investimentos realizados pelos fundos de pensão no mercado financeiro. É também usada como taxa de desconto para calcular o valor dos benefícios e das contribuições dos planos de previdência. Para o cálculo do custeio do plano e de suas obrigações, os fundos de pensão utilizam algumas premissas. Essas premissas, reavaliadas constantemente e reajustadas quando necessário, mantêm a saúde financeira do plano, desde o momento da adesão do participante até o seu falecimento - ou de seu último beneficiário. Entre essas premissas, está a taxa de juros, que ao ser adotada em um plano de benefícios deve levar em conta as tendências de longo prazo apontadas pelos especialistas e pelo mercado, assegurando que os planos tenham recursos suficientes para garantir suas obrigações, ou seja, o pagamento de benefícios, décadas à frente.

3 Os montantes acumulados pelos planos de previdência são, portanto, resultado das contribuições realizadas para o plano mais a rentabilidade obtida pelos investimentos realizados pela entidade. O aumento da longevidade Entre 1980 e 2011, a expectativa de vida do brasileiro cresceu 11,24 anos, segundo dados do IBGE. Essa mudança afeta os planos de previdência complementar, já que a expectativa de vida é uma das premissas que influenciam no pagamento dos benefícios de aposentadoria. Como as pessoas estão vivendo mais, é preciso que os planos acumulem mais recursos para poderem pagar benefícios por mais tempo. O que mudou para os fundos de pensão Acompanhando a nova conjuntura econômica, o Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC), que regula o setor, publicou a Resolução 09/2012, que altera alguns parâmetros técnicos dos planos de benefícios oferecidos pelas entidades fechadas de previdência complementar. A ideia é fazer com que o cálculo do quanto é preciso acumular de recursos para pagar os benefícios no futuro esteja adequado à nova realidade de juros mais baixos, que envolve uma rentabilidade menor dos investimentos no mercado financeiro. Foi estabelecido que os juros da meta atuarial, ou seja, os juros utilizados no cálculo dos benefícios, sofrerão uma redução de 0,25 pontos percentuais ao ano a partir de 2014, até Hoje, a taxa máxima adotada pelos planos é de 6% ao ano. A partir de 1º de janeiro de 2014, passará a ser de 5,75% ao ano, chegando a 4,5% ao ano em O CNPC também publicou a Resolução 10/2012, que dispõe, dentre outros aspectos, sobre a destinação e utilização de superávit dos planos previdenciários. Segundo a regra anterior, a taxa máxima de juros usada nos cálculos para revisão de planos superavitários é de 5% ao ano. A nova resolução faz com que essa taxa máxima também sofra uma redução gradativa, baixando para 4,75% ao ano em 2014 até chegar a 3,5% ao ano em 2019.

4 O que vale até o fim de 2013 Taxa máxima de juros usada pelos fundos de pensão: 6% ao ano. Taxa máxima de juros usada pelos fundos de pensão para revisão de planos superavitários: 5% ao ano. Depois das Resoluções 09/2012 e 10/2012 Taxa máxima de juros usada pelos fundos de pensão: 5,75% ao ano em 2014, com redução de 0,25 pontos percentuais até chegar a 4,5% ao ano em Taxa máxima de juros usada pelos fundos de pensão para revisão de planos superavitários: 4,75% ao ano em 2014, com redução de 0,25 pontos percentuais até chegar a 3,5% ao ano em Entenda como é feita a distribuição de superávit O plano PS-II apresenta resultado superavitário desde dezembro de Por isso, é preciso conhecer um pouco sobre a legislação que trata da revisão de planos superavitários e a redução da taxa máxima de juros para os planos nesta situação. O resultado superavitário de um plano de benefícios é dividido em duas reservas: a de contingência e a especial. A reserva de contingência equivale à parcela do superávit constituída até o limite de 25% das reservas matemáticas. Após a constituição da reserva de contingência, o superávit excedente é empregado na constituição da reserva especial para a revisão do plano de benefícios. Ou seja, equivale ao montante formado pela diferença entre o superávit total apurado e a reserva de contingência. A destinação da reserva especial é uma decisão da entidade, obedecida as formas, prazos, valores e condições para sua utilização, observadas as normas legais e regulamentares. A revisão do plano de benefícios poderá se dar de forma voluntária, a partir da constituição da reserva especial, e será obrigatória após o decurso de três exercícios. As normas que tratam da distribuição do superávit indicam, na revisão de planos superavitários para a destinação da reserva especial, além da alteração

5 da taxa de juros, a adoção de tábua de mortalidade que gere expectativas de vida completa iguais ou superiores às resultantes da aplicação da tábua AT Suavizada em 10%. Segundo a legislação, a revisão de plano superavitário deverá seguir as seguintes etapas: 1- Alteração dos parâmetros técnicos de taxa de juros e tábua de mortalidade. 2- Enquadramento das Aplicações dos Recursos Garantidores e dedução, da reserva especial, dos valores de contratos de dívida do patrocinador. 3- Determinação de novo valor das Reservas Matemáticas, Superávit e Reserva de Contingência do plano. 4- Havendo recursos superavitários excedentes da Reserva de Contingência, será constituída nova Reserva Especial para revisão do plano, que obedecerá as seguintes formas de distribuição, a serem sucessivamente adotadas: I - redução parcial de contribuições; II - redução integral ou suspensão da cobrança de contribuições no montante equivalente a, pelo menos, três exercícios; ou III - melhoria dos benefícios e/ou reversão de valores de forma parcelada aos participantes, aos assistidos e/ou ao patrocinador. Distribuição de superávit 25% do valor das reservas matemáticas forma a reserva de contingência o excedente forma a reserva especial Os impactos nos planos SERPROS Como acontece com outras entidades do país, os planos oferecidos pelo SERPROS são influenciados por diversas variáveis econômicas, financeiras e sociais. As premissas utilizadas para o cálculo dos planos sempre devem levar em conta o momento que o país vive e sua tendência futura. Essa adaptação possibilita ao plano a acumulação necessária ao longo dos anos para que se cumpra as obrigações com os pagamentos de benefícios. O SERPROS, assim como os demais fundos de pensão, fazem o

6 acompanhamento anual dessas premissas, sempre agindo de acordo com a indicação de estudos técnicos, respeitando a legislação em vigor. Até o fim de 2013, a taxa de juros adotada pelos planos do SERPROS continuará sendo de 6% ao ano. Para o PS-I, no fechamento do exercício de 2013, essa taxa deverá ser alterada respeitando o novo limite máximo da legislação, ou seja, 5,75% ao ano. No caso do PS-II, permanecendo o resultado superavitário, com constituição de reserva especial para revisão do plano de benefícios, a taxa de juros a ser adotada será de, no máximo, 4,75% ao ano. Todas essas decisões são respaldadas por estudos técnicos de viabilidade que indicam a rentabilidade dos investimentos financeiros a longo prazo. A seguir, o que vai mudar, a partir de 2014, para todos os participantes e assistidos do PS-I e PS-II: PS-I Se você é um participante saldado: A redução da taxa de juros não afetará diretamente o seu benefício, uma vez que o Benefício Proporcional Acumulado (BPA) já está calculado. Futuramente, caso haja insuficiência de recursos para custear os benefícios nesse novo cenário de rentabilidade menor e pessoas vivendo por mais tempo, deixando o plano deficitário, poderá ser cobrada nova contribuição extraordinária paritária entre participantes ativos, assistidos e a patrocinadora, conforme previsto na legislação. A medida, caso seja necessária, terá como objetivo o equacionamento do déficit do plano. Se você já se aposentou: Seu benefício não será diretamente afetado pelas alterações legais. A redução na taxa de juros, no entanto, vai implicar em um compromisso maior do plano para o cumprimento das suas obrigações, que é o pagamento dos benefícios. Assim como no caso de quem ainda é participante, caso haja insuficiência de recursos, deixando o plano deficitário, poderá ser cobrada nova contribuição extraordinária paritária entre participantes ativos, assistidos e a patrocinadora, conforme previsto na legislação. A medida, caso seja necessária, terá como objetivo o equacionamento do déficit do plano.

7 PS-II Se você é participante e está na ativa: A redução da taxa de juros e a mudança nas premissas da expectativa de vida interferem tanto no retorno esperado nas aplicações financeiras, quanto no fator de cálculo para a projeção do benefício de aposentadoria e sua reversão em pensão por morte. Em um cenário de investimentos com rentabilidades menores, com a mudança na legislação reduzindo a taxa usada no cálculo dos benefícios e participantes vivendo mais, a estimativa do benefício a ser concedido será menor. Por isso, é importante que você refaça seu planejamento, levando em conta duas opções para recuperar o benefício esperado: contribuir para o plano por mais tempo, ou aumentar o valor de sua contribuição. Se você já se aposentou: Não há impacto direto e imediato em seu benefício. Porém, haverá aumento do montante necessário para custear este benefício no longo prazo. Futuramente, caso haja insuficiência de recursos para custear este novo cenário de rentabilidade menor e pessoas vivendo por mais tempo, deixando o plano deficitário, poderá ser cobrada contribuição extraordinária paritária entre participantes ativos, assistidos e a patrocinadora, conforme previsto na legislação. A medida, caso seja necessária, terá como objetivo o equacionamento do plano. Veja como vai ficar o seu benefício O SERPROS está disponibilizando em seu site um simulador de benefícios e contribuições do PS-II para que os participantes ativos avaliem o impacto das alterações das premissas da taxa de juros e do aumento da expectativa de vida impostas pela legislação. Faça sua simulação e acompanhe as notícias sobre o tema em nosso portal. Em caso de dúvidas, entre em contato com o SERPROS. Fale com a gente! Estamos sempre à disposição para qualquer esclarecimento. Entre em contato em caso de dúvidas, comentários, críticas e sugestões. Serviço de Atendimento ao Participante (de segunda a sexta, das 9h às 17h)

8

Equilíbrio Atuarial dos Planos de Benefício Definido BD. Cícero Rafael Barros Dias

Equilíbrio Atuarial dos Planos de Benefício Definido BD. Cícero Rafael Barros Dias Equilíbrio Atuarial dos Planos de Benefício Definido BD Cícero Rafael Barros Dias Out/2014 1 AGENDA 1. Introdução 2. Base Normativa Geral 3. Principais Riscos Atuariais das EFPC s 4. Controles de Risco

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 162 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

DADOS DOS PLANOS DATAS PLANOS APROVAÇÃO INÍCIO ÚLTIMA ALTERAÇÃO VALOR DE RESGATE NÚMERO DE EMPREGADOS

DADOS DOS PLANOS DATAS PLANOS APROVAÇÃO INÍCIO ÚLTIMA ALTERAÇÃO VALOR DE RESGATE NÚMERO DE EMPREGADOS SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS NÚMERO DE PLANOS: 2 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS

Leia mais

Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Apresentação do cenário e etapas do processo. São Paulo, Março de 2014

Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Apresentação do cenário e etapas do processo. São Paulo, Março de 2014 Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Apresentação do cenário e etapas do processo São Paulo, Março de 2014 Agenda 1. Programa de Previdência Privada Complementar LANXESS Estrutura atual do Programa

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Página 1 de 9 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO

Leia mais

PDI. Vou aderir ao PDI.

PDI. Vou aderir ao PDI. Vou aderir ao PDI. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego, na doença,

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Página 1 de 10 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 6 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.020-38 - PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PAQUETÁPREV DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

Cartilha de Tributação 2016

Cartilha de Tributação 2016 Cartilha de Tributação 2016 Como funciona o Imposto de Renda incidente sobre Planos de Previdência Complementar *? * Na modalidade de Contribuição Definida ou Variável Conforme a legislação tributária

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: FACHESF 2- CÓDIGO: 00361 3- RAZÃO SOCIAL: Fundação CHESF de Assistência e Seguridade Social

Leia mais

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório.

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório. 1 O PLEBISCITO 1.1 Para que serve este Plebiscito? Consultar a opinião dos Participantes sobre as alternativas de solução para os planos de benefícios da FUNCEF, com saldamento do REG/REPLAN e implementação

Leia mais

APOSENTADORIA PROGRAMADA SERPROS ESCLARECE

APOSENTADORIA PROGRAMADA SERPROS ESCLARECE APOSENTADORIA PROGRAMADA SERPROS ESCLARECE APRESENTAÇÃO A previdência complementar tem como objetivo proporcionar ao empregado aposentado um padrão de vida próximo ao da sua fase laborativa. Os participantes

Leia mais

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 009 Distinção das Hipóteses Atuariais e Referenciais Atuariais.

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 009 Distinção das Hipóteses Atuariais e Referenciais Atuariais. Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 009 Distinção das Hipóteses Atuariais e Referenciais Atuariais. regimentais, O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício

Leia mais

Destinação do Superávit do Plano II Perguntas e Respostas

Destinação do Superávit do Plano II Perguntas e Respostas Destinação do Superávit do Plano II Perguntas e Respostas 1) Qual a origem da destinação do superávit? Resposta: A destinação do superávit se tornou possível, pois o Plano II registrou Reserva Especial

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2009

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2009 AVALIAÇÃO ATUARIAL Data da Avaliação: 31/12/2009 Dados do Plano Nome do Plano: Plano Único da CGTEE CNPB: 19.790.045-11 Patrocinadora: Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica - CGTEE Data Início:

Leia mais

Página 1 de 9 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 32 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.820.015-18 - PLANO DE BENEFÍCIOS I - FNTTA 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8-

Leia mais

2º Semestre de

2º Semestre de 1 2 2º Semestre de 2010 Informações sobre a nova estrutura do Plano de Benefícios PreviSenac 3 Introdução: Este folheto é destinado aos participantes do Plano de Benefícios PreviSenac que, até a data da

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. Bandeprev - Bandepe Previdência Social

REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. Bandeprev - Bandepe Previdência Social REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR Bandeprev - Bandepe Previdência Social Índice I. Da Finalidade...1 II. Das Definições... 2 III. Do INSTITUIDOR, Participantes e Beneficiários...

Leia mais

Página 1 de 11 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 32 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.820.016-74 - PLANO DE BENEFÍCIOS I - SNA 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: FACHESF 2- CÓDIGO: 00361 3- RAZÃO SOCIAL: Fundação CHESF de Assistência e Seguridade Social

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: ITAUBANCO 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO ITAUBANCO 4- NÚMERO DE PLANOS: NÚMERO DE EMPREGADOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: ITAUBANCO 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO ITAUBANCO 4- NÚMERO DE PLANOS: NÚMERO DE EMPREGADOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 7 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.009-56 - PLANO DE BENEFÍCIOS 002 DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar GLOSSÁRIO Este glossário tem como objetivo apresentar as expressões e termos utilizados no contexto da Previdência Complementar, em especial dos

Leia mais

Folheto explicativo PLANO A

Folheto explicativo PLANO A Folheto explicativo PLANO A Como está o seu planejamento para a aposentadoria? Você já parou para pensar que a vida está passando rápido demais? A gente sabe que ao longo dos anos muitas prioridades surgem

Leia mais

ReckittPrev. Relatório Anual. Resumo

ReckittPrev. Relatório Anual. Resumo ReckittPrev Relatório Anual Resumo 2015 Relatório Anual 2015 ÍNDICE Mensagem da Diretoria 2015 3 Demonstrações Financeiras 4 Relatório dos Auditores Independentes 5 Investimentos 7 Resumo das Demonstrações

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2015

PARECER ATUARIAL 2015 PARECER ATUARIAL 2015 Plano de Benefícios 1 1. OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais, o custo e plano de custeio

Leia mais

Consolidação de Sugestões da Consulta Pública nº 003/2016

Consolidação de Sugestões da Consulta Pública nº 003/2016 Consolidação de Sugestões da Consulta Pública nº 003/2016 SUGESTÕES RECEBIDAS - Redações associadas a proposições de alterações à Resolução CGPC 26/2008. - Inclusão de redações associadas a proposições

Leia mais

UBB PREV Previdência Complementar

UBB PREV Previdência Complementar UBB PREV Previdência Complementar 23 de março 2011 Quadro Comparativo das Alterações Propostas para o Regulamento do Plano de Previdência Unibanco (Futuro Inteligente Aprovadas na ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

Regime de trabalho FAPI

Regime de trabalho FAPI Regime de trabalho Pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) Pelos Estatutos dos Servidores Públicos Civis INSS Previdência Complementar de natureza privada Institutos de Previdência (RPPS) Entidade

Leia mais

ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL PLANO CPqDPREV

ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL PLANO CPqDPREV ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL PLANO CPqDPREV AGENDA 1. OBJETIVO 2. CPqDPREV 3. InovaPrev 4. ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL E REGRAS DE TRANSAÇÃO 5. RESERVA MATEMÁTICA DE TRANSAÇÃO INDIVIDUAL - RMT i 6. COMPARATIVO

Leia mais

Folheto explicativo PLANO D

Folheto explicativo PLANO D Folheto explicativo PLANO D Como está o seu planejamento para a aposentadoria? Plano D Previ Novartis Veja algumas vantagens do plano: 1 2 Flexibilidade para planejar o seu futuro; Contrapartida da empresa

Leia mais

CARTILHA DA PORTABILIDADE. - Visão Prev -

CARTILHA DA PORTABILIDADE. - Visão Prev - CARTILHA DA PORTABILIDADE - - CARTILHA DA PORTABILIDADE Tome uma decisão consciente entenda, conheça e analise todos os fatores envolvidos em um processo de portabilidade. Após o encerramento de seu vínculo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [42.160.192/0001-43] FUND CHESF DE ASSIST E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2001.0022-38] BS ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria

PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria 2016 DUPREV Entidade Fechada da Previdência Complementar Sociedade Civil sem fins lucrativos independente da DuPont Regulada

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [42.160.192/0001-43] FUND CHESF DE ASSIST E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2001.0021-65] CD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

Page 1 of 10 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO

Leia mais

Perspectivas para o Mercado Regulação

Perspectivas para o Mercado Regulação 20º Encontro Nacional de Líderes do Mercado Segurador Perspectivas para o Mercado Regulação 07 de fevereiro de 2015 Carlos de Paula Diretor-Superintendente Agenda O Sistema de Previdência Complementar

Leia mais

Novo Plano de Contribuição Definida -CD

Novo Plano de Contribuição Definida -CD Previ-Siemens Novo Plano de Contribuição Definida -CD Protection notice / Copyright notice Agenda A Importância de um plano de previdência Plano de Aposentadoria CD -Previ-Siemens Contribuições Procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Instrução Normativa Conjunta SRF, SPC e Susep n o 524, de 11 de março de 2005. Regulamenta o prazo de acumulação de que trata o 3º do art. 1º da Lei

Leia mais

Resumo do Relatório Anual de Informações RAI 2014 Plano PRV Saldado

Resumo do Relatório Anual de Informações RAI 2014 Plano PRV Saldado Resumo do Relatório Anual de Informações RAI 2014 Plano PRV Saldado Sociedade de Previdência Complementar da Dataprev Prevdata Plano Plano PRV Saldado Resumo do Relatório Anual de Informações - RAI 2014

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telemig Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telemig Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telemig Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

Relatório Anual. São Rafael Sociedade de Previdência Privada

Relatório Anual. São Rafael Sociedade de Previdência Privada 2011 Relatório Anual São Rafael Sociedade de Previdência Privada Prezados Participantes: O ano de 2011 foi mais um ano marcado por muitas incertezas nas economias mundiais acarretando uma instabilidade

Leia mais

02 O que eu preciso fazer

02 O que eu preciso fazer 01 Quais são os documentos que necessito apresentar para requerer minha aposentadoria no FusanPrev e atualizar minha situação no SaneSaúde? Cópia simples dos seguintes documentos: - Identidade e CPF do

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstrativos Financeiros Relatório Anual 2014 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Período: 2014 e 20 dezembro R$ Mil Descrição 2014 20 Variação (%) 1. Ativos 896.289

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.900.016-29 - PLANO DE COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA E PENSÃO - SISTEMA FCEMG 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE

Leia mais

COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO

COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO PLANO PETROS 2 O Plano PETROS 2 é um plano de benefícios estruturado na modalidade Contribuição Variável, onde os benefícios programados são de contribuição

Leia mais

BEM-VINDO AO PLANO SinMed/RJ O Plano SinMed/RJ foi criado em parceria pelo Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, e pela Petros, para garantir uma r

BEM-VINDO AO PLANO SinMed/RJ O Plano SinMed/RJ foi criado em parceria pelo Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, e pela Petros, para garantir uma r ÍNDICE BEM-VINDO AO PLANO SinMed/RJ 02 FALANDO A NOSSA LÍNGUA 03 CONHECENDO O PLANO 05 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 09 FORMAS DE CONTATO 12 Versão: janeiro 2008 BEM-VINDO AO PLANO SinMed/RJ O Plano SinMed/RJ

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV

CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV DATUSPREV Sociedade de Previdência Complementar CIASC Plano CIASCPREV CNPJ 10.605.283/0001-59 CNPB 2009.0009-19 Órgão Regulamentador PREVIC Ministério da Previdência Social

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução...4 Sobre o Plano Previplan...5 Adesão...5 Benefícios do Plano...6 Entenda o Plano...7 Rentabilidade...8 Veja como funciona a Tributação...9

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - Quem pode ingressar no Plano de Benefícios FAF? O Plano de Benefícios está fechado ao ingresso de novos Participantes desde 01.01.2003. 2 - Como são fixadas as contribuições mensais dos Participantes

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Introdução - Entenda o Conceito da Previdência Complementar PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - Você precisa O que é Previdência complementar pode ser definida como o patrimônio que irá garantir uma vida digna

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada CNPB:19.980.047-83 CNPJ:02.726.871/0001-12 Anexo I Ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

Instrução Normativa nº 7/13 (Análise da Comissão de Fechadas) Comissão de Fechadas IBA Rio de Janeiro

Instrução Normativa nº 7/13 (Análise da Comissão de Fechadas) Comissão de Fechadas IBA Rio de Janeiro Instrução Normativa nº 7/13 (Análise da Comissão de Fechadas) Comissão de Fechadas IBA Rio de Janeiro 1978 Resolução MPAS/CPC N O. 1/1978 Legislação Art. 40 Todos os cálculos mencionarão as tábuas biométricas

Leia mais

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência.

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. O que é o OABPREV/RS? CARTILHA DO PARTICIPANTE O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. Quem instituiu o OABPREV/RS? A Ordem dos Advogados

Leia mais

Assim sendo, a seguir apresentaremos esclarecimentos sobre o saldamento do Plano SERPRO - PS-I:

Assim sendo, a seguir apresentaremos esclarecimentos sobre o saldamento do Plano SERPRO - PS-I: Número 1107 - de 06 de junho de 2011 Prezado Participante, O SERPROS tem apresentado, periodicamente, notícias a respeito do saldamento do Plano SERPRO - PS-I, dentro do seu compromisso de transparência

Leia mais

Adesão ao Plano de Benefícios HP

Adesão ao Plano de Benefícios HP Adesão ao Plano de Benefícios HP 1 Objetivo da HP Prev Proporcionar aos seus participantes a oportunidade de contribuir para a HP Prev e, juntamente com as contribuições da patrocinadora, formar uma renda

Leia mais

Regulamento do Plano e direitos dos participantes e assistidos

Regulamento do Plano e direitos dos participantes e assistidos T R A N S PA R Ê N C I A A Prestação de Contas tem como objetivo trazer pessoalmente, aos participantes e assistidos, informações relevantes a respeito de temas como: Regulamento do Plano e direitos dos

Leia mais

Resolução nº 11, de 13/5/2013

Resolução nº 11, de 13/5/2013 Resolução nº 11, de 13/5/2013 Alteração das Regras para Retirada de Patrocínio No Diário Oficial da União de 24/5/2013, foi publicada a Resolução nº 11, de 13 de maio de 2013, expedida pelo Conselho Nacional

Leia mais

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 Dispõe sobre o instituto da portabilidade em planos de benefícios de entidades fechadas de previdência complementar

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Cassimiro Pinheiro Borges Diretor-Presidente

Cassimiro Pinheiro Borges Diretor-Presidente 2 Mensagem Carta PRE-786 09 de maio de 2014 Prezado Associado, Atendendo ao que estabelece a Resolução MPS/CGPC nº 23, de 06/12/2006, está sendo disponibilizado, para seu conhecimento, o Relatório Anual

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Page 1 of 9 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.039-47 - PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO CIFRÃO - PBDC 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

Leia mais

7 Disponível. 1. Adições. -7 Recebível Investimento -31. (+) Contribuições. -18 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações

7 Disponível. 1. Adições. -7 Recebível Investimento -31. (+) Contribuições. -18 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Período: 205 e 204 dezembro R$ Mil Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Período: 205 e 204 dezembro

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Page 1 of 11 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO

Leia mais

PLANO PORTOPREV II MATERIAL EXPLICATIVO

PLANO PORTOPREV II MATERIAL EXPLICATIVO Perfis de Investimento Diversificados PLANO PORTOPREV II MATERIAL EXPLICATIVO quem está seguro, tem futuro. Perfis de Investimento Diversificados www.portoprev.org.br Introdução Este Material Explicativo

Leia mais

Saiba mais sobre Finanças

Saiba mais sobre Finanças Saiba mais sobre Finanças 3Previdência Sumário O que fazer com minha árvore?... 4 Ciclo de crescimento das árvores... 6 Garantindo a qualidade dos frutos... 8 A colheita... 10 Na sombra da sua árvore...

Leia mais

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Quais as principais mudanças? Um regulamento para cada plano Em razão das diferenças entre as duas modalidades de plano, teremos regulamentos diferentes para

Leia mais

CARTILHA DO PLANO CELPREV

CARTILHA DO PLANO CELPREV CARTILHA DO PLANO CELPREV O QUE É O CELPREV? O CELPREV é um plano de contribuição definida, também conhecido como plano CD, que nada mais é do que uma poupança individual na qual serão investidos dois

Leia mais

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL.

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL. Previdência Privada Modalidades de Previdência Privada Aberta 1) FAPI Fundo de Aposentadoria Programada Individual Inspirado no IRA Individual Retirement Account, dos Estados Unidos, onde o contribuinte

Leia mais

REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV

REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV 1) Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime Geral da Previdência Social (INSS) sobre a forma de estabelecer o valor da

A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime Geral da Previdência Social (INSS) sobre a forma de estabelecer o valor da A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime Geral da Previdência Social (INSS) sobre a forma de estabelecer o valor da aposentadoria, vem através destas transparências demonstrar como

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n )

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n ) PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n. 2013.0011-18) TEXTO ORIGINAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA Do Glossário XXVII Resgate : o instituto que prevê o recebimento do valor conforme previsto no Regulamento

Leia mais

ESTUDO CEP/ANCEP nº 01/2012. ESTUDO SOBRE O CUSTEIO ADMINISTRATIVO CONCEITO E FORMA.

ESTUDO CEP/ANCEP nº 01/2012. ESTUDO SOBRE O CUSTEIO ADMINISTRATIVO CONCEITO E FORMA. ESTUDO CEP/ANCEP nº 01/2012. ESTUDO SOBRE O CUSTEIO ADMINISTRATIVO CONCEITO E FORMA. Objetivo: Padronizar as fórmulas para apuração dos limites para Cobertura das Despesas Administrativa, de que tratam

Leia mais

Aula 01 Valor do Dinheiro e Juros Tema 01 Dinheiro no Tempo

Aula 01 Valor do Dinheiro e Juros Tema 01 Dinheiro no Tempo Aula 01 Valor do Dinheiro e Juros Tema 01 Dinheiro no Tempo Mario Henrique Trentim, MSc Objetivos da Aula 01 1. Introduzir elementos essenciais de matemática financeira. 2. Iniciar o debate sobre custo

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista

Manual do Aposentado e Pensionista Manual do Aposentado e Pensionista 1 SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento do Benefício?...3 Quais as formas de recebimento dos Benefícios?...3 Quando

Leia mais

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS XIII XIV "Índice de Reajuste": significa o índice geral de aumentos salariais concedidos pela Patrocinadora 3M do Brasil Ltda., desconsiderados os aumentos reais. O Conselho Deliberativo poderá determinar

Leia mais

Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Definição do Administrador do Plano. São Paulo, Janeiro de 2015

Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Definição do Administrador do Plano. São Paulo, Janeiro de 2015 Plano Petros LANXESS Processo de concorrência Definição do Administrador do Plano São Paulo, Janeiro de 2015 Agenda 1. O processo de concorrência para administração do Plano Petros LANXESS 2. Informações

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA PREVSAN - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA PREVSAN - PGA REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA PREVSAN - PGA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III CAPÍTULO IV CAPÍTULO V CAPÍTULO VI CAPÍTULO VII CAPÍTULO VIII CAPÍTULO IX CAPÍTULO X CAPÍTULO XI

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo ABBprev Sociedade de Previdência Privada Este material explicativo tem como objetivo fornecer informações sobre um dos benefícios que as patrocinadoras ABB Ltda e Cooperativa de Crédito

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS Esta cartilha traz informações e dicas, de forma simples e clara, para que você conheça as vantagens que o seu plano de previdência oferece. Leia com atenção e comece a

Leia mais

Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo. SPC-DNP Versão /2005 Instruções de Uso

Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo. SPC-DNP Versão /2005 Instruções de Uso Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo SPC-DNP Versão 2.0 11/2005 Instruções de Uso Ministério da Previdência Social Secretaria de Previdência Complementar Elaboração: Departamento de Assuntos Econômicos

Leia mais

Saiba mais sobre Finanças

Saiba mais sobre Finanças Saiba mais sobre Finanças Planejamento Previdenciário, Benefício Fiscal, 4Aposentadoria e Institutos Sumário Que estilo de vida você quer levar quando se aposentar?... 4 Iniciando o planejamento... 5

Leia mais

EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA

EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 17, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2014 Estabelece as condições para o licenciamento automático na autorização para

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação PLANO PETROS 2 PREMISSAS DA SUA ESTRUTURAÇÃO O PLANO PETROS-2 será estruturado na modalidade de Contribuição Variável, nos termos da legislação aplicável

Leia mais

Anteprojeto de alterações à Lei Complementar 109/2001 PLC

Anteprojeto de alterações à Lei Complementar 109/2001 PLC Anteprojeto de alterações à Lei Complementar 109/2001 PLC Texto Atual Texto Proposto Justificativas Art. 7º. Os planos de benefícios atenderão a padrões mínimos fixados pelo órgão regulador e fiscalizador,

Leia mais

Etapa 1. Etapa 2. Etapa 3. Etapa 4

Etapa 1. Etapa 2. Etapa 3. Etapa 4 São Paulo, 02 de janeiro de 2015 PREZADO (A) PARTICIPANTE DO PLANO III, Conforme já divulgado na Edição nº 10 Dezembro/2014 do nosso Jornal e no site, o Plano III da BRF Previdência passará por mudanças

Leia mais

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE O trabalho de projeções do mercado de seguros, previdência privada e capitalização, realizado pela SISCORP, é desenvolvido com detalhes

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente OABPrev/RJ FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL RIO DE JANEIRO Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado RJPrev Quadro Comparativo das Alterações

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2015 MENSAGEM AOS PARTICIPANTES RELATÓRIO ANUAL 2015

RELATÓRIO ANUAL 2015 MENSAGEM AOS PARTICIPANTES RELATÓRIO ANUAL 2015 MENSAGEM AOS PARTICIPANTES O Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional da Paraíba OABPrev- Nordeste apresenta o relatório das suas principais atividades durante o ano

Leia mais

O novo modelo de previdência do setor público. Outubro/2013

O novo modelo de previdência do setor público. Outubro/2013 O novo modelo de previdência do setor público Outubro/2013 MODELO ADOTADO PREVIDÊNCIA BÁSICA SPPREV ou INSS + PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor

Leia mais

MUNICÍPIO DE CEDRO - PE

MUNICÍPIO DE CEDRO - PE 0 NOTA TÉCNICA Conforme determinação da Portaria nº 403 de 10 de dezembro de 2008 do MPS/SPS/CGAAI ANO/MÊS BASE DEZEMBRO/2014 EXERCÍCIO 2015 Geração Atual e Geração Futura MUNICÍPIO DE CEDRO - PE Base

Leia mais

Page 1 of 11 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.015-29 - PLANO BÁSICO DE BENEFÍCIOS 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

Avaliação Atuarial Município de Pelotas/RS Brasília, agosto de Avaliação Atuarial

Avaliação Atuarial Município de Pelotas/RS Brasília, agosto de Avaliação Atuarial Avaliação Atuarial Município de Pelotas/RS Brasília, agosto de 2016. Avaliação Atuarial 1 ÍNDICE 1. Apresentação... 6 2. Bases Utilizadas na Elaboração da Avaliação Atuarial... 7 2.1. Bases Legais... 7

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV COMPARATIVO PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV II

PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV COMPARATIVO PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV II PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV COMPARATIVO PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV II MIGRAR OU NÃO, EIS A QUESTÃO! Conheça as principais diferenças entre o Plano de Benefícios PORTOPREV (Plano I) e o Plano de Benefícios

Leia mais

Questão central é: qual o critério de elegibilidade à aposentadoria e forma de determinação de seu valor.

Questão central é: qual o critério de elegibilidade à aposentadoria e forma de determinação de seu valor. Fator Previdenciário: O que se diz dele: Redutor do valor da aposentadoria Injusto, especialmente para quem começa a trabalhar mais cedo Adotado unicamente por razões fiscais conter déficit do INSS O que

Leia mais

Simuladores de benefícios Saiba como ficará sua projeção de aposentadoria com as taxas de juros reduzidas

Simuladores de benefícios Saiba como ficará sua projeção de aposentadoria com as taxas de juros reduzidas Simuladores de benefícios Saiba como ficará sua projeção de aposentadoria com as taxas de juros reduzidas Passo a passo Para ajudá-lo na simulação, preparamos um passo a passo do preenchimento do simulador

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as regras de portabilidade de recursos de planos de benefícios de Entidades Abertas

Leia mais

1) O que é um Plano de Previdência Complementar? É um plano cujo objetivo o pagamento de benefícios semelhantes aos pagos pela Previdência Social.

1) O que é um Plano de Previdência Complementar? É um plano cujo objetivo o pagamento de benefícios semelhantes aos pagos pela Previdência Social. Preparamos uma lista com as dúvidas mais comuns a respeito do Plano PREV-ESTAT. Se você ainda precisar de ajuda, ligue para 0800 025 35 45, das 8 às 19h. 1) O que é um Plano de Previdência Complementar?

Leia mais