Projeto Amamentar é tri: garantindo o direito à alimentação saudável desde pequenininho.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Amamentar é tri: garantindo o direito à alimentação saudável desde pequenininho."

Transcrição

1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Setor de Nutrição Projeto Amamentar é tri: garantindo o direito à alimentação saudável desde pequenininho. Annelise Barreto Krause CRN Coordenadora do Setor de Nutrição

2 O aleitamento materno é a mais sábia estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança e constitui a mais sensível, econômica e eficaz intervenção para redução da morbimortalidade infantil. Nos últimos 30 anos, as políticas nacionais de apoio ao aleitamento materno se basearam eminentemente na perspectiva hospitalar ou no apoio legal, mas houve pouco e incipiente estímulo para estabelecer essas ações no âmbito da Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica, n.23

3 MS, 2009

4 MS, 2009

5 MS, 2009

6 Marco legal Federal - PORTARIA GM/MS Nº 321 de 26 de maio de 1988 Aprovar as normas e os padrões mínimos, que com esta baixam, destinados a disciplinar a construção, instalação e o funcionamento de creches, em todo o território nacional Sala para amamentação Estadual - PORTARIA RS N 172/2005 Estabelece o regulamento técnico para licenciamento de Estabelecimentos de Educação Infantil no RS Sala para amamentação Municipal - RESOLUÇÃO N.º 003/2001 DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME Estabelece normas para a oferta da Educação Infantil no Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre Art. 21º - Espaço favorável à amamentação

7 Porto Alegre: cenário atual Adesão a campanhas e estratégias de incentivo e promoção do Aleitamento Materno nível federal (Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil, Rede Cegonha) Espaço Aconchego do Bebê unidades de saúde Postos de Coleta de Leite Humano

8

9 Objetivo Fomentar a prática do aleitamento materno às crianças que frequentam as escolas infantis da rede municipal de ensino e conveniadas Projeto piloto em cinco escolas

10

11 2011 A preparação Reunião com Assessoria Pedagógica; Definição de escolas para Projeto Piloto Sensibilização com a Rede Amamenta; Articulação com a Secretaria da Saúde; Reuniões com as equipes diretivas, educadores, setores de nutrição; Reuniões com os pais matrícula.

12 2012 A implementação Organização do espaço (poltrona e sala); Material para armazenamento de LHO (higiene, etiquetas, termômetro, geladeira, etc); Capacitação das equipes da cozinha, do berçário e pedagógica; Aquisição de kit lúdico - verba para o projeto por escola; Desenvolvimento de material informativo.

13

14 Rotinas de acolhimento Acesso da nutriz à escola horários pré-combinados mas com flexibilidade; Estabelecimento de espaço e critérios de entrada das mães - fornecimento de crachá; Apoio à decisão da mãe mulher.

15 Em julho/ escolas com mães amamentando no espaço escolar (total de 6 mães e 1 pai); 1 escola oferecendo LHO para 1 criança; Principal razão de não haver crianças amamentando ou recebendo LHO: falta de adesão das famílias.

16

17

18 Avaliação do Projeto Piloto Aspectos para o sucesso do Projeto: Divulgação do projeto na inscrição das famílias interessadas Inclusão da opção amamentação na ficha de inscrição, para organização da escola Outros recursos, como poltronas de conforto e adequação do espaço, se necessário Formação com toda equipe das escolas, para que a parceria seja junto a toda comunidade escolar. Relação estreita com Unidades de Saúde/Hospitais.

19 2013 em diante... Inclusão de todas escolas com berçário Redução/Não utilização de mamadeiras e chupetas Ações de promoção ao aleitamento materno contextualizadas aos demais temas abordados no projeto político pedagógico Inserção do tema nas EMEFs Remoção de brinquedos ou materiais que sejam alusivos ao desmame, como mamadeiras de brinquedo Ampliação para as escolas conveniadas

20 Materiais disponibilizados Copo Inox Caixa Isopor Frasco Fralda Papel Toalha Sabonete Líquido Touca Cirúrgica Feminina Luva Cirúrgica, número 7.5 Luva Cirúrgica, número 8.5 Termômetro Digital Etiqueta Adesiva Caixa Plástica Poltrona Balanço

21

22

23 Acompanhamento I: visitas programadas às EMEIs para reunião com pais e educadores sobre o projeto e práticas de alimentação saudável na infância. (ação fundamental com vistas ao processo de transição alimentar ao longo do ano) Acompanhamento II: contatos com equipes de saúde para promoção de atividades de apoio.

24

25 Obrigada! Annelise Barreto Krause CRN Coordenadora do Setor de Nutrição

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira Alimentação no primeiro ano de vida Verônica Santos de Oliveira Nutrição nos Primeiros Anos de Vida Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação ( Hipócrates ) Nutrição nos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 (Do Sr. MANATO)

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 (Do Sr. MANATO) PROJETO DE LEI Nº DE 2011 (Do Sr. MANATO) Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de salas de apoio à amamentação em órgãos e entidades públicas federais e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

NORMAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO BANCO DE LEITE HUMANO

NORMAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO BANCO DE LEITE HUMANO NORMAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO BANCO DE LEITE HUMANO Identificar a necessidade da mãe em receber orientação quanto ao aleitamento materno adequado; Orientar as mães, acompanhantes e/ou familiares,

Leia mais

TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL

TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL Palavras-chave: Aleitamento Materno; Políticas Públicas de Saúde, Desmame Precoce Introdução A alimentação infantil deve

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

BERÇARIO I E II (DE 6 MESES A 18 MESES)

BERÇARIO I E II (DE 6 MESES A 18 MESES) 1. MATERIAL INDIVIDUAL BERÇARIO I E II (DE 6 MESES A 18 MESES) A entrega de matéria na data prevista é indispensável para o início das atividades da criança na Creche PARA MEIO EXPEDIENTE PARA TEMPO INTEGRAL

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da. Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil

Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da. Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil a ser realizado com apoio do Senac São Paulo e Santander Universidades Maio 2008 2 Nome da organização:

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL DE ALEITAMENTO MATERNO. Plano de ação: Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno 2007

II SEMINÁRIO NACIONAL DE ALEITAMENTO MATERNO. Plano de ação: Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno 2007 II SEMINÁRIO NACIONAL DE ALEITAMENTO MATERNO 13 A 15 de agosto de 2007 Brasília - DF Plano de ação: Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno 2007 Objetivo: Definir o plano de ação para as

Leia mais

GRUPO I Material de uso pessoal (alimentação e higiene) Material escolar

GRUPO I Material de uso pessoal (alimentação e higiene) Material escolar GRUPO I Material de uso pessoal (alimentação e higiene) 1 sabonete líquido 1 xampu 1 condicionador 1 caixa de lenço umedecido (terá que ser reposta de acordo com consumo) 1 lata de leite em pó (de preferência

Leia mais

Manual Básico de Implantação de Salas de Apoio à Amamentação

Manual Básico de Implantação de Salas de Apoio à Amamentação Manual Básico de Implantação de Salas de Apoio à Amamentação dezembro de 2014 Introdução esses espaços foram idealizados em 2014, dentro da Área de Apoio à Saúde, nos escritórios de São Paulo, com o nome

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Sala de Apoio a Amamentação em Empresas 2010 PORTARIA Anvisa nº 193, de 23 de fevereiro de 2010 Aprova a Nota Técnica Conjunta nº 01/2010, Anvisa e Ministério da Saúde, conforme anexo. OBJETIVO Oi Orientar

Leia mais

Programas Sociais Federais de. transferência de renda. Programas Sociais Municipais de. transferência de renda. Geração de emprego e renda

Programas Sociais Federais de. transferência de renda. Programas Sociais Municipais de. transferência de renda. Geração de emprego e renda Programas Sociais Federais de transferência de renda Programa Bolsa Família: 2.994 beneficiários; Programa Projovem Adolescente: 125 beneficiários; PETI: 650 beneficiários; Programa Seguro-Safra: 1.221

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO BOLETIM INTERNO - EXTRA

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO BOLETIM INTERNO - EXTRA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO BOLETIM INTERNO - EXTRA Brasília-DF, 29 de Julho de 2009 - Para conhecimento e devida execução, publica-se o seguinte: ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS CONTROLADORIA-GERAL

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO APRESENTAÇÃO O aleitamento materno exclusivo (AME) é sinônimo de sobrevivência para o recém-nascido,

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

Título: PROJETO SOCIAL LEITE É VIDA: NO COMBATE À DESNUTRIÇÃO. Data de realização: mensalmente

Título: PROJETO SOCIAL LEITE É VIDA: NO COMBATE À DESNUTRIÇÃO. Data de realização: mensalmente 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: PROJETO SOCIAL LEITE É VIDA: NO COMBATE À DESNUTRIÇÃO. Data de realização: mensalmente Local de realização: nas residências das famílias cadastradas Horário: das 06h00

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

População total = 417 983 Censo 2000

População total = 417 983 Censo 2000 AS AÇÕES BEM SUCEDIDAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NUTR. JULIANA C. F. DE OLIVEIRA CHEFE DA SEÇÃO DE AÇÕES PREVENTIVAS COORDENADORIA DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SECRETARIA

Leia mais

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a criação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança - IHAC pela Organização Mundial da

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

NOTA TÉCNICA 37 /2013

NOTA TÉCNICA 37 /2013 NOTA TÉCNICA 37 /2013 Minuta de Portaria que atualiza as diretrizes nacionais do Programa Nacional de Suplementação de Ferro para prevenção e controle da anemia por deficiência de ferro e dá outras providências.

Leia mais

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO O atendimento na creche e o PIM Porto Alegre/RS Março/2015 Secretaria de Educação Básica É direito dos trabalhadores urbanos e rurais à assistência gratuita

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

Direitos da Mulher Trabalhadora: na Gravidez, no Pós Parto e Durante o Aleitamento Materno

Direitos da Mulher Trabalhadora: na Gravidez, no Pós Parto e Durante o Aleitamento Materno Direitos da Mulher Trabalhadora: na Gravidez, no Pós Parto e Durante o Aleitamento Materno Luciano Borges Santiago*, Elzimar Ricardino*, Graciete Oliveira Vieira* * Membros do Departamento Científico de

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

Conselho de Alimentação Escolar

Conselho de Alimentação Escolar Conselho de Alimentação Escolar Controle Social no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Ana Luiza Scarparo Nutricionista Agente do PNAE Porto Alegre, 30 de setembro de 2014 Centros Colaboradores

Leia mais

Equipe de Saúde. Jeanine e Sarah

Equipe de Saúde. Jeanine e Sarah Equipe de Saúde Jeanine e Sarah Considerando o saber popular dos agentes comunitários, quais as atividades de educação e promoção do aleitamento materno e alimentação complementar saúdável podem ser realizadas

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

LISTA DE MATERIAL MATERNAL I. Material de uso pessoal ( alimentação e higiene ) Material escolar

LISTA DE MATERIAL MATERNAL I. Material de uso pessoal ( alimentação e higiene ) Material escolar MATERNAL I Material de uso pessoal ( alimentação e higiene ) 1 sabonete líquido 1 xampu 1 condicionador 1 caixa de lenço umedecido ( terá que ser reposta de acordo com consumo) 1 lata de leite em pó (

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 04/08/2015

Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 04/08/2015 Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 04/08/2015 Jornal Acrítica Cidades Pág. C4 04 de Agosto de 2015. Jornal Em Tempo Dia a dia pág. Av. Mário Ypiranga, 1695 Adrianópolis Jornal Diário do Amazonas Brasil

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES -RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES -RS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES -RS PARECER Nº 14/2004 A APROVADO EM : 15 de dezembro de 2004 I ASSUNTO:Solicitação da autorização de funcionamento da Escola de Educação Infantil Ursinho

Leia mais

Escola Municipal de Educação Infantil Cônego Stanislau Olejnik

Escola Municipal de Educação Infantil Cônego Stanislau Olejnik LISTA DE MATERIAL TURMA BERÇÁRIO I Com o intuito de aprimorar as atividades pedagógicas com as crianças solicitamos aos senhores, se possível, a contribuição dos seguintes materiais: 01 bico com cordão

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2011/2012

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2011/2012 Plano Anual de Actividades Jardins de Infância Organização do Ambiente Educativo e espaços comuns. (de 4 a 09-09-2011) Cada educadora prepara a sua sala Organizar o Ambiente Educativo educadoras. Observação

Leia mais

Relação de Materiais - 2015

Relação de Materiais - 2015 MATERIAL PARA ALIMENTAÇÃO 01 mamadeira de 250 ml 02 mamadeiras de 150 ml 01 copo com tampa (a partir dos 10 meses) 01 prajela de plástico tipo Tupperware com +/-15,5 cm de diâmetro para refeição 01 prajela

Leia mais

Alimentação e Nutrição

Alimentação e Nutrição Seminário Estadual de Saúde Doenças da Pobreza Atenção Básica Alimentação e Nutrição Palestrante: Cláudia Montal Nutricionista da SESAB Risco de Desnutrição em < de 5 nos - Bahia 97,3% municípios apresentam

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas UFCD 3275 Formadora Fátima Pires Gomes Ação Educativa I Programa da UFCD Objetivos do Módulo Reconhecer as principais técnicas

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 021 de 10 de junho de 2009.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 021 de 10 de junho de 2009. Resolução nº 021 de 10 de junho de 2009. Fixa normas para Educação Infantil no âmbito do Sistema Municipal de Ensino do Município de Várzea Grande Estado de Mato Grosso O Conselho Municipal de Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 INTRODUÇÃO Modificações na população brasileira vêm sendo objetivamente

Leia mais

Documentos para Encontros Regionais. Lista de Presença. Creche. Eleições Municipais

Documentos para Encontros Regionais. Lista de Presença. Creche. Eleições Municipais Nº 3 13 de Setembro de 2012 Documentos para Encontros Regionais Encaminhamos em anexo a este Boletim, para reprodução nas Subsedes, a icha de Inscrição de Delegados e Suplentes, icha para Inscrição na

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Agenda da Criança

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Agenda da Criança MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Subsecretaria de Assuntos Administrativos Agenda da Criança Brasília DF 2009 MISSÃO DO SAMIP O Serviço de Assistência Materno Infantil e Puericultura, pertence

Leia mais

BERÇÁRIO I E II Unidade II

BERÇÁRIO I E II Unidade II BERÇÁRIO I E II 01 malinha com aproximadamente 4 trocas (incluindo 2 babadores) 01 sabonete 01 saboneteira 01 shampoo 01 condicionador 01 pomada contra assaduras 01 pote de lenços umedecidos 01 toalha

Leia mais

4 Lençóis de elástico ou jogos de lençol (os pediatras não recomendam peças

4 Lençóis de elástico ou jogos de lençol (os pediatras não recomendam peças QUARTO/DECORAÇAO 1 berço 1 colchão 1 travesseiro anti sufocante (opcional) 2 protetores de colchão 1 mosquiteiro (opcional) 1 cômoda/trocador 1 colchão do trocador 1 a 2 capas para o trocador (pode-se

Leia mais

- Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada. Fonte: O Diário de Teresópolis. Da Redação

- Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada. Fonte: O Diário de Teresópolis. Da Redação - Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada Fonte: O Diário de Teresópolis Da Redação Fortalecer o aleitamento materno por meio do apoio às mulheres que amamentam é o objetivo da Semana Mundial

Leia mais

Atividades desenvolvidas na SMAM 2011 no Brasil

Atividades desenvolvidas na SMAM 2011 no Brasil Atividades desenvolvidas na SMAM 2011 no Brasil 1- Atividades em Unidades Básicas de Saúde (UBS) Exposição no hall da UBS de mural educativo com fotos. Exposição no hall da UBS de dados estatísticos e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL Introdução O aumento da obesidade e inadequados hábitos alimentares durante a infância e a juventude

Leia mais

Amamentação na primeira hora, proteção sem demora.

Amamentação na primeira hora, proteção sem demora. Amamentação na primeira hora, proteção sem demora. Amamentar logo após o nascimento, na primeira hora, é muito importante para a mãe e para o bebê porque: Protege mais o bebê contra doenças. Ajuda a mulher

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826 PARECER COREN-SP 021/2013 CT PRCI n 100.555 Ticket nº 249.826 Ementa: Indicação e prescrição pelo Enfermeiro de leite artificial e outras fórmulas. 1. Do fato Enfermeira informa que colabora na formulação

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2010 ANVISA E MINISTÉRIO DA SAÚDE

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2010 ANVISA E MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2010 ANVISA E MINISTÉRIO DA SAÚDE ASSUNTO: SALA DE APOIO À AMAMENTAÇÃO EM EMPRESAS Em decorrência da reunião realizada em 10 de março de 2009 com a Área Técnica de Saúde da

Leia mais

Resposta Social Creche

Resposta Social Creche Fundação Manuel Francisco Clérigo Instituição Particular de Solidariedade Social Caro(a) novo(a) utente GUIA DE ACOLHIMENTO Resposta Social Creche É com o maior prazer que lhe damos as boas vindas, como

Leia mais

SEÇÃO III DA EQUIPE TÉCNICA

SEÇÃO III DA EQUIPE TÉCNICA RESOLUÇÃO Nº 4/95 O Conselho Universitário da Universidade Federal de Viçosa, órgão superior de administração, no uso de suas atribuições legais, considerando o que consta do Processo nº 94-10326, RESOLVE

Leia mais

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV Inês Mindlin Lafer gerente de programas 27 de maio de 2010 Agenda Apresentação FMCSV Os projetos Comunitários FMCSV A avaliação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO BEBE E DA CRIANÇA DE TERESINA. (12 a 18 de outubro) Abertura da Semana do Bebe e da Criança no Município de Teresina

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO BEBE E DA CRIANÇA DE TERESINA. (12 a 18 de outubro) Abertura da Semana do Bebe e da Criança no Município de Teresina PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO BEBE E DA CRIANÇA DE TERESINA (12 a 18 de outubro) Dia 13/10/15 terça-feira MANHÃ Abertura da Semana do Bebe e da Criança no Município de Teresina Local: Centro de Saúde Poti Velho

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução ALEITAMENTO MATERNO I Introdução O incentivo ao aleitamento materno continua sendo um grande desafio em saúde pública, considerando-se o alto índice de desmame precoce e o grande número de óbitos infantis

Leia mais

PREFEITURA DE XINGUARA

PREFEITURA DE XINGUARA 50/000-20 Anexo IV - Programas, Metas e Ações - (PPA Inicial) Página de 5 Programa: 000 AÇÃO LEGISLATIVA Manutenção da CMX através do apoio financeiro às atividades legislativas, custeio de despesas administrativas,

Leia mais

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Por que Investir na Primeira Infância Os retornos dos investimentos no desenvolvimento da primeira infância são altos, na medida em que

Leia mais

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos.

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. Relatório Mesa 4 OBJETIVO 4 Meta 5 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. I. Introdução Após a apresentação dos participantes

Leia mais

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009.

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. Consolida a Legislação Municipal sobre Alimentação Escolar, no Município de Chapadão do Sul-MS, como um direito Constitucional dos Escolares e Dever do Estado, e

Leia mais

Análise Institucional do Banco de Leite Humano. do Hospital Universitário Antônio Pedro

Análise Institucional do Banco de Leite Humano. do Hospital Universitário Antônio Pedro Análise Institucional do Banco de Leite Humano do Hospital Universitário Antônio Pedro Alunos: Aisha, Alice, Cícero, Wésley e Wil Disciplina de Planejamento e Gerência em Saúde 2 Medicina UFF 5 Período

Leia mais

EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA

EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO COLETIVA II Professora: VIVIAN VIEIRA EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA 1. Marque V ou F nas questões

Leia mais

IMPACTO DA MAMADEIRA NO COMPORTAMENTO VIDA ESTUDO TRANSVERSAL

IMPACTO DA MAMADEIRA NO COMPORTAMENTO VIDA ESTUDO TRANSVERSAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEVANGÉLICA CURSO DE ENFERMAGEM IMPACTO DA MAMADEIRA NO COMPORTAMENTO DE AMAMENTAR NOS PRIMEIROS DOIS ANOS DE VIDA ESTUDO TRANSVERSAL Marcela de Andrade Silvestre Sandra Valéria

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

BRASIL 2014 8,5 6,5. Políticas e Programas / Indicador 1 a 10 Práticas Alimentares de Lactentes e Crianças Pequenas / Indicador 11 a 15 42,9%- 67,7%

BRASIL 2014 8,5 6,5. Políticas e Programas / Indicador 1 a 10 Práticas Alimentares de Lactentes e Crianças Pequenas / Indicador 11 a 15 42,9%- 67,7% INICIATIVA MUNDIAL SOBRE TENDÊNCIAS DO ALEITAMENTO MATERNO (WBTi) 2014 97 150 SITUAÇÃO da Estratégia Global para alimentação de lactentes e crianças de primeira infância Políticas e Programas / Indicador

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS PARECER Nº 10/2004 APROVADO EM: 15/12/04 I- ASSUNTO: Solicitação de autorização de funcionamento da Creche Casa da Amizade, situada na rua Tiradentes nº

Leia mais

Vínculo entre mãe e bebê

Vínculo entre mãe e bebê Vínculo mãe/bebê Vínculo entre mãe e bebê Tenha uma idéia audaciosa hoje. Amanhã ela já não será nova. O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado sempre pela mesma pessoa.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Paranavaí Acolher Seu Filho com Amor / 2011

Mostra de Projetos 2011. Paranavaí Acolher Seu Filho com Amor / 2011 Mostra de Projetos 2011 Paranavaí Acolher Seu Filho com Amor / 2011 Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

Amamentação e Segurança Alimentar

Amamentação e Segurança Alimentar Amamentação e Segurança Alimentar Penny Van Esterik Segurança alimentar significa a garantia de obtenção de alimento em quantidade e qualidade suficiente para que todos possam manter uma vida produtiva

Leia mais

SITUÃÇÕES PRÁTICAS DO RETORNO AO TRABALHO E AMAMENTAÇÃO. Semana Mundial da Amamentação 2015

SITUÃÇÕES PRÁTICAS DO RETORNO AO TRABALHO E AMAMENTAÇÃO. Semana Mundial da Amamentação 2015 SITUÃÇÕES PRÁTICAS DO RETORNO AO TRABALHO E AMAMENTAÇÃO Semana Mundial da Amamentação 2015 SITUAÇÃO PROBLEMA Sueli tem bebê de 1 mês de vida em aleitamento materno exclusivo. Está preocupada como fará

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Programa de Saúde na Escola e na Creche no Município do Rio de Janeiro. Carioquinhas Saudáveis

Programa de Saúde na Escola e na Creche no Município do Rio de Janeiro. Carioquinhas Saudáveis Programa de Saúde na Escola e na Creche no Município do Rio de Janeiro Carioquinhas Saudáveis SAÚDE ESCOLAR: MODELOS E CONCEPÇÕES DE CONSTRUÇÃO DE SAUDE NA ESCOLA E NA CRECHE Higiene Escolar Medicina Escolar

Leia mais

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 1 JUSTIFICATIVA 1. SUPEN/SEDUC.PI mediação tecnológica do Programa Mais Saber; 2. PI quarto lugar: índice de 35,9 matriculadas

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO : Gerenciamento da Secretaria de Educação PROGRAMA: 005 - ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL JUSTIFICATIVA: Manutenção

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 TRABALHO: HUMANIZAÇÃO DO ATENDIMENTO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO

Leia mais

LISTA DE MATERIAIS 2014 TURMAS: BI e BII

LISTA DE MATERIAIS 2014 TURMAS: BI e BII TURMAS: BI e BII 1 Mamadeira para água Medicamento antitérmico 1 Mamadeira para suco Carteirinha do convênio da criança, para eventual necessidade 1 Mamadeira para leite 1 Pacote de algodão ROUPA DE CAMA

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 003/2012 CARGO DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 003/2012 CARGO DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PREFEITURA DE ORLEANS 1) Nos Centros de Educação Infantil a forma como é feita a acolhida é muito importante, não só para a criança, mas também para os pais. Das alternativas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação.

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. APRESENTAÇÃO A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. Em 1983, o hoje extinto INAMPS publicou uma portaria tornando a medida obrigatória em

Leia mais

INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO POR MEIO DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO EXPERIÊNCIA 1

INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO POR MEIO DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO EXPERIÊNCIA 1 INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO POR MEIO DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO EXPERIÊNCIA 1 NAIDON, Ângela Maria 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 RESUMO O Aleitamento Materno

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/ DAPES /SAS

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

RESUMO DE REGISTRO DE PREÇOS

RESUMO DE REGISTRO DE PREÇOS RESUMO DE REGISTRO DE PREÇOS Às 18:00 horas do dia 31 de outubro de 2012, a Prefeitura Municipal de Gravataí, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Gravataí e respectivos membros da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009. O Conselho Municipal de Educação fixa normas aprovadas em 09/12/09, de funcionamento do Ensino Fundamental de 09 (nove) anos no Sistema Municipal de Ensino de Jequié-BA. Clique no Leia Mais e confira as

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais