Atualização na candidíase de repetição Existem novas propostas de tratamento? Vera Fonseca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atualização na candidíase de repetição Existem novas propostas de tratamento? Vera Fonseca"

Transcrição

1 TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Atualização na candidíase de repetição Existem novas propostas de tratamento? Vera Fonseca Conselheira do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ) Chefe do Setor de Patologia do Trato Genital Inferior do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF-UFRJ) Professora do Curso de Medicina da Universidade Estácio de Sá

2 D efinição Processo descamativo e transudativo, que acomete o epitélio vulvovaginal causado pela presença de Candida albicans, associado invariavelmente a quadro inflamatório local de maior ou menor intensidade. MARTINS, 2014

3 IMPORTÂNCIA DO TEMA Sintomas desagradáveis Automedicação Diagnóstico inadequado pelo próprio ginecologista Processo inflamatório intenso

4 CANDIDÍASE VULVOVAGINAL 2ª causa de vulvovaginites 1/3 dos casos Não é considerada doença oportunista Não é DST

5 PREVALÊNCIA 10% a 20% idade reprodutiva 6% a 7% menopausa 3% a 6% pré-púberes SOBEL, 2016

6 PREVALÊNCIA 75% pelo menos um episódio 40 a 50% apresentarão novo surto 5% a 10% episódios de recorrência MARTINS, 2014

7 MICROBIOLOGIA 80 a 92%: Candida albicans 2º maior incidência: Candida glabrata Outras: Candida tropicalis Candida krusei Candida parapsilopsis Candida guilliermondi SOBEL, 2016

8 CANDIDÍASE DE REPETIÇÃO Definida como quatro ou mais episódios de infecção sintomática dentro de 1 ano. CDC, 2015

9 FATORES DE RISCO Diabetes mellitus Uso prévio de antibiótico Aumento dos níveis de estrogênio Dispositivos contraceptivos Fatores comportamentais

10 FATORES DE RISCO E AINDA: Deficiências específicas na imunidade local Mulheres alérgicas podem apresentar maior tendência a candidíase recorrente

11 APRESENTAÇÃO CLÍNICA Prurido vulvar/vaginal Disúria Dispareunia 1 semana antes da menstruação

12 AGINOSE CITOLÍTICA Prurido vulvar Dispareunia Disúria Corrimento vaginal branco Citologia a fresco Número exagerado de lactobacilos Núcleos celulares desnudos Lise de células epiteliais vaginais ph 3,5 e 4,5

13 EXAME FÍSICO Eritema em vulva/vagina Edema vulvar Escoriações Conteúdo vaginal branco, espesso e aderente

14 CLASSIFICAÇÃO CANDIDÍASE COMPLICADA NÃO COMPLICADA

15 C lassificação Não complicada: Mulheres sadias Sintomas esporádicos e infrequentes Terapia antifúngica e convencional Candida albicans 90% de cura Complicada: Sinais e sintomas graves 3 episódios ou mais por ano Pacientes imunossuprimidas Candida glabrata ou outras não albicans Tratamento mais prolongado Uso de anti-inflamatórios Tratamento profilático

16 MUNOSSUPRESSÃO Pacientes imunossuprimidas são aquelas em que os mecanismos normais de defesa contra infecção estão comprometidos. TRANSPLANTADAS QUEIMADAS PORTADORAS DE HIV TERAPIA IMUNOSSUPRESSORA

17 DIAGNÓSTICO ph vaginal <4,5 Wiff teste negativo EXAME A FRESCO: LEVEDURAS OU PSEUDO-HIFAS (40 A 60% DE SENSIBILIDADE) Esfregaço gram: leveduras ou pseudo-hifas (> 65% de sensibilidade) Cultura vaginal positiva para espécies Candida sp. Se possível, devem ser distinguidas se albicans ou não-albicans.

18 CANDIDA GLABRATA Observada em 10 a 20% das mulheres com candidíase de repetição Agentes terapêuticos azólicos têm eficácia diminuída Maior incidência em mulheres HIV-positivas Microscopia: não forma hifas ou pseudohifas. Somente esporos são visualizados.

19 T ratamento Controlar fatores predisponentes Não interrompe o tratamento durante o fluxo menstrual Evitar prescrever associações medicamentosas

20 T ipos de Anti-fúngicos Poliênicos: nistatina Azólicos: miconazol, clortrimazol, econazol e cetoconazol Triazóis: fluconazol, ifraconazol e terconazol Outras opções: violeta genciana, ácido bórico

21 TRATAMENTO CANDIDÍASE NÃO COMPLICADA CDC, 2015

22 TRATAMENTO ORAL FLUCONAZOL 150 MG DOSE ÚNICA TRATAMENTO INTRAVAGINAL CLOTRIMAZOL CREME VAGINAL 1% (7 DIAS) ou 2% (3 DIAS) MICONAZOL CREME VAGINAL 2% (7 DIAS) ou 4% (3 DIAS) TIOCONAZOL 6,5% 5g DOSE ÚNICA BUTOCONAZOL 2% 5g DOSE ÚNICA TERCONAZOL 0,4% (7 DIAS) ou 0,8% (3 DIAS) CDC, 2015

23 TRATAMENTO CANDIDÍASE COMPLICADA CANDIDÍASE DE REPETIÇÃO

24 TRATAMENTO ORAL TRATAMENTO INICIAL FLUCONAZOL 150 MG A CADA 3 DIAS. TOTAL 3 TOMADAS (DIAS 1,4 E 7 ) TERAPÊUTICA ANTIFÚNGICA TÓPICA 7-14 DIAS TRATAMENTO MANUTENÇÃO FLUCONAZOL 150 MG 1 VEZ POR SEMANA DURANTE 6 MESES AGENTES IMIDAZÓLICOS TÓPICOS DE USO INTERMIDENTE CDC, 2015

25 CONSIDERAÇÕES TTO profilático com fluconazol : > 93% de resolução nos primeiros 6 meses 40 a 50% das pacientes terão nova recidiva

26 TRATAMENTO CANDIDÍASE COMPLICADA CANDIDÍASE SEVERA CDC, 2015

27 TRATAMENTO ORAL FLUCONAZOL 150 MG TOMADA ÚNICA E REPETIR APÓS 3 DIAS (DIAS 1 E 4) TERAPÊUTICA ANTIFÚNGICA TÓPICA 7-14 DIAS CDC, 2015

28 TRATAMENTO CANDIDÍASE COMPLICADA CANDIDÍASE NÃO ALBICANS TERAPIA DE LONGA DURAÇÃO COM IMIDAZÓLICOS ÁCIDO BÓRICO 600 MG, DIÁRIO, 14 DIAS CDC, 2015

29 CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS Tratamento do parceiro sexual: balanite Gestação: somente agentes tópicos imidazólicos por 7 dias Tratamento das pacientes HIV positivas não difere

30 OBRIGADA!

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto Vulvovaginites Recorrentes Maristela Vargas Peixoto VULVOVAGINITES Frequência elevada Manifestações clínicas desconfortáveis Atividades cotidianas Desempenho sexual Alterações na pele e mucosas favorecem

Leia mais

TRATAR VAGINOSE BACTERIANA PELO RESULTADO DA CITOLOGIA ONCÓTICA?

TRATAR VAGINOSE BACTERIANA PELO RESULTADO DA CITOLOGIA ONCÓTICA? Trocando Idéias TRATAR VAGINOSE BACTERIANA PELO RESULTADO DA CITOLOGIA ONCÓTICA? Dra. Vera Fonseca Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO)

Leia mais

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais.

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais. Histologia do sistema genital feminino Camada basal Células superficiais Células intermediárias Células parabasais Células basais Papila do estroma Estroma Epitélio escamoso estratificado Histologia do

Leia mais

CLOTRIGEL (clotrimazol)

CLOTRIGEL (clotrimazol) CLOTRIGEL (clotrimazol) Glenmark Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 100 mg/5g CLOTRIGEL clotrimazol LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico:

Leia mais

Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Agosto 2011 44ª edição

Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Agosto 2011 44ª edição Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Agosto 2011 44ª edição DIRETRIZES EUROPEIAS 2011 DE CONDUTA NOS CORRIMENTOS VAGINAIS (IUSTI/OMS) As três infecções

Leia mais

Faculdade de Medicina do ABC

Faculdade de Medicina do ABC Faculdade de Medicina do ABC Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Disciplina de Ginecologia Prof.Dr.César Eduardo Fernandes Dr. Fernando Sansone Rodrigues TEMA - VULVOVAGINITES Vaginite - conceito

Leia mais

Infecções Vulvo-vaginais

Infecções Vulvo-vaginais Infecções Vulvo-vaginais Sintomatologia: Leucorréia (Corrimento Vaginal) Prurido Dor Tumoração Lesões Verrucosas Queixas Urinárias (Ardor Miccional, Disúria, etc...) Leucorréia Inespecífica Leucorréia

Leia mais

VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA MT/CCS/DMI/HULW

VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA MT/CCS/DMI/HULW VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA VULVOVAGINITES Todas as manifestações inflamatórias e/ou infecciosas do trato genital feminino inferior Causas: Agentes infecciosos Agentes alérgicos

Leia mais

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE Filomena Aste Silveira Mestre ginecologia UFRJ Doutoranda UFRJ Medica do IG UFRJ Profª. Faculdade de Medicina de Valença Candidíase vulvo

Leia mais

Infecções Genitais Femininas

Infecções Genitais Femininas Infecções Genitais Femininas 1963 2011 FMBotucatu 20ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia Maternidade Sinhá Junqueira Vulvovaginites Recorrentes Ribeirão Preto 2011 Mecanismos de Defesa do TGI TGI Feminino

Leia mais

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005)

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Dekker JH, Boeke AJP, Gercama AJ, Kardolus GJ, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine Vulvovaginites Aline Estefanes Eras Yonamine Definição Manifestação inflamatória e/ou infecciosa do trato genital inferior (vulva, vagina ou ectocérvice) que se manifesta por meio de corrimento vaginal

Leia mais

vaginais ou por via oral.

vaginais ou por via oral. ÓLEO DE MELALEUCA em creme vaginal Ação cientificamente comprovada no tratamento da C. albicans: 90% de sucesso! Doutor, O objetivo desse Informe Científico é apresentar o creme vaginal com Óleo de Melaleuca

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

VULVOVAGINITES NO PERÍODO GESTACIONAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

VULVOVAGINITES NO PERÍODO GESTACIONAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA VULVOVAGINITES NO PERÍODO GESTACIONAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Renata Dantas Jales 1 ; Carla Emanuelle Medeiros Nunes 2 ; Ellen Cristina Porto de Lima 3 ; Janeuma Kelli de Araújo Ferreira 4 ; Maria Benegelania

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

CLOTRIGEL. Glenmark Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 100 mg/5g. Clotrigel_VP01

CLOTRIGEL. Glenmark Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 100 mg/5g. Clotrigel_VP01 CLOTRIGEL Glenmark Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 100 mg/5g CLOTRIGEL clotrimazol I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico: clotrimazol APRESENTAÇÕES Cada bisnaga de Clotrigel contém 20g de creme

Leia mais

Métodos Anticoncepcionais

Métodos Anticoncepcionais Métodos Anticoncepcionais Tabelinha O que é? A tabelinha, também conhecida por método rítmico, é baseada em um cálculo realizado a partir de um calendário, para saber o início e o fim do período fértil.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERAPIA ORAL E LOCAL NO TRATAMENTO DE CORRIMENTOS VAGINAIS: CANDIDÍASE, TRICOMONÍASE E VAGINOSE BACTERIANA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERAPIA ORAL E LOCAL NO TRATAMENTO DE CORRIMENTOS VAGINAIS: CANDIDÍASE, TRICOMONÍASE E VAGINOSE BACTERIANA Vol.15,n.1,pp.123-128 (Jun - Ago 2016) Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERAPIA ORAL E LOCAL NO TRATAMENTO DE CORRIMENTOS VAGINAIS: CANDIDÍASE, TRICOMONÍASE

Leia mais

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV TÍTULO E-PÔSTER SALA PRÉDIO IV HORÁRIO RESISTÊNCIA A MÚLTIPLAS DROGAS NA TERAPIA ANTICÂNCER E O POTENCIAL EFEITO DE FLAVONOIDES NA RECUPERAÇÃO

Leia mais

FORMA FARMACEUTICA E APRESENTAÇÃO Creme vaginal - bisnaga de 35 g acompanhada de 7 aplicadores descartáveis de 5 g.

FORMA FARMACEUTICA E APRESENTAÇÃO Creme vaginal - bisnaga de 35 g acompanhada de 7 aplicadores descartáveis de 5 g. Takil tioconazol + tinidazol FORMA FARMACEUTICA E APRESENTAÇÃO Creme vaginal - bisnaga de 35 g acompanhada de 7 aplicadores descartáveis de 5 g. VIA VAGINAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Creme - cada 5 gramas

Leia mais

Guidelines da Infecção por Candida. IDSA 2009 vs ESCMID 2012 Joana Estilita Junho 2012

Guidelines da Infecção por Candida. IDSA 2009 vs ESCMID 2012 Joana Estilita Junho 2012 Guidelines da Infecção por Candida IDSA 2009 vs ESCMID 2012 Joana Estilita Junho 2012 Candida Causa mais frequente de infecção fúngica invasiva Candidémia: 4ª causa de septicémia nosocomial Doença dos

Leia mais

Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST

Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST Pela sua magnitude, transcendência, vulnerabilidade e factibilidade de controle, as Doenças Sexualmente Transmissíveis devem ser priorizadas enquanto agravos

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A anticoncepção hormonal de emergência é um método que utiliza concentração de hormônios para evitar gravidez após a

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

Elementos normais em esfregaços cérvicovaginais

Elementos normais em esfregaços cérvicovaginais Colpocitopatologia (Citologia cérvico-vaginal) Para que serve - Pesquisa a presença de células cancerígenas, lesões atípicas no colo do útero e a presença de bactérias, vírus, fungos e parasitas. Como

Leia mais

Perfil das Mulheres com Processo Inflamatório por Candida

Perfil das Mulheres com Processo Inflamatório por Candida 26 ARTIGO ARTICLE PERFIL DAS MULHERES COM PROCESSO INFLAMATÓRIO POR CANDIDA EM RESULTADOS DE COLPOCITOLOGIA ONCOLÓGICA NUMA CLÍNICA DE DST PROFILE OF WOMEN WITH INFLAMMATORY PROCESS BY CANDIDA BY PAP SMEAR

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 9.2 Conteúdo Métodos Contraceptivos II e planejamento

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Prevalência de Candida spp. em amostras de secreção vaginal e sua relação com fatores associados à vulvovaginite

Prevalência de Candida spp. em amostras de secreção vaginal e sua relação com fatores associados à vulvovaginite Prevalência de Candida associada à vulvovaginite 53 Prevalência de Candida spp. em amostras de secreção vaginal e sua relação com fatores associados à vulvovaginite Prevalence of Candida spp. from samples

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 7 INFECÇÕES VULVOVAGINAIS

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 7 INFECÇÕES VULVOVAGINAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 7 INFECÇÕES VULVOVAGINAIS CANDIDÍASE, VAGINOSE BACTERIANA, TRICOMONÍASE INFECÇÕES VULVOVAGINAIS Considera-se

Leia mais

Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno

Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Software de resultados BGI com marca CE (Conformidade Europeia) para a trissomia 21 Detecta as trissomias fetais dos cromossomos 21, 18 e 13 Informa

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 04/CT/2016 Assunto: Penicilina Palavras-chave: Penicilina, Injetáveis, Benzilpenicilinas I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Quais são os equipamentos e insumos obrigatórios

Leia mais

Bio-vagin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme vaginal

Bio-vagin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme vaginal Bio-vagin Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme vaginal 62,5 mg/g de benzoilmetronidazol + 25.000 UI/g de nistatina + 1,25 mg/g de cloreto de benzalcônio I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BIO-VAGIN

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

Caso Real: Vaginose Bacteriana

Caso Real: Vaginose Bacteriana Caso Real: Vaginose Bacteriana Isabel do Val Profª Adjunta Ginecologia UFF Chefe Amb. Patologia TGI e Colposcopia-UFF Fellow ISSVD Board Member IFCPC Identificação: 35 anos, branca. QP: corrimento com

Leia mais

premium Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno

premium Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Software de resultados BGI com marca CE (Conformidade Europeia) para a trissomia 21 Detecta as trissomias fetais dos cromossomos 21, 18 e 13 Informa sobre as trissomias fetais 9, 16 e 22 Informa sobre

Leia mais

Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia

Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Encontro de Ligas de Infectologia/SP Associação Paulista de Medicina - APM Mai/2016 - São Paulo - SP - Brasil O material que se segue faz

Leia mais

Clotrimazol GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme vaginal. 10 mg/ g

Clotrimazol GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme vaginal. 10 mg/ g Clotrimazol GERMED FARMACÊUTICA LTDA Creme vaginal 10 mg/ g Clotrimazol medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Creme vaginal. Embalagem com 35 g de creme vaginal 10mg/g + 6 aplicadores

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS)

LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS) Faculdade de Medicina de Santo Amaro Liga de Saúde da Mulher LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS) André Augusto S. Dos Santos Juliana da S. Milhomem Renato César Monteiro Maio/2011 LEUCORRÉIA A leucorréia

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

Métodos anticoncepcionais

Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais A partir da puberdade, o organismo dos rapazes e das garotas se torna capaz de gerar filhos. Mas ter filhos é uma decisão muito séria. Cuidar de uma

Leia mais

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI.

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA III CURSO DE MEDICINA Prof. Antonio Augusto Pereira Martins Especialista em Docência do Ensino Superior

Leia mais

CETOCONAZOL + CLINDAMICINA. Associação previne ruptura prematura da membrana em pacientes com vulvovaginites

CETOCONAZOL + CLINDAMICINA. Associação previne ruptura prematura da membrana em pacientes com vulvovaginites CETOCONAZOL + CLINDAMICINA Associação previne ruptura prematura da membrana em pacientes com vulvovaginites CETOCONAZOL + CLINDAMICINA Associação previne ruptura prematura da membrana em pacientes com

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto de Ginecologia Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antônio Pedro Vagina

Leia mais

ANTIFÚNGICOS MICOSES

ANTIFÚNGICOS MICOSES ANTIFÚNGICOS MICOSES Fungos patogênicos Infectam diretamente o hospedeiro oportunistas Raramente causam infecções, mas aproveitam os momentos de queda da resistência imunológica Fungos Células mais complexas

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

Takil (tioconazol, tinidazol) é indicado no tratamento de vulvovaginites causadas por Candida, Trichomonas e Gardnerella isoladas ou mistas.

Takil (tioconazol, tinidazol) é indicado no tratamento de vulvovaginites causadas por Candida, Trichomonas e Gardnerella isoladas ou mistas. Takil Laboratório Marjan Apresentação de Takil Creme vaginal bisnaga de 35g acompanhada de 7 aplicadores descartáveis de 5g. VIA VAGINAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Creme cada 5 gramas contém: Tinidazol...150mg

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

Bula. Cartrax (tioconazol, tinidazol)

Bula. Cartrax (tioconazol, tinidazol) Bula Cartrax (tioconazol, tinidazol) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial:cartrax Nome genérico: tioconazol e tinidazol. Forma farmacêutica: creme vaginal. Via de administração: TÓPICA (INTRAVAGINAL).

Leia mais

União das Associações de Portadores de Psoríase do Brasil. Cenário da Psoríase no Brasil: Uma revisão necessária

União das Associações de Portadores de Psoríase do Brasil. Cenário da Psoríase no Brasil: Uma revisão necessária União das Associações de Portadores de Psoríase do Brasil Cenário da Psoríase no Brasil: Uma revisão necessária Comissão de Assuntos Sociais Senado Federal Brasília, 03 de Junho de 2015 PSORÍASE BRASIL:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA E TOLERABILIDADE DO USO DE ÓVULOS VAGINAIS CONTENDO METRONIDAZOL E NITRATO DE MICONAZOL NO TRATAMENTO DE VAGINITES

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA E TOLERABILIDADE DO USO DE ÓVULOS VAGINAIS CONTENDO METRONIDAZOL E NITRATO DE MICONAZOL NO TRATAMENTO DE VAGINITES UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Medicina AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA E TOLERABILIDADE DO USO DE ÓVULOS VAGINAIS CONTENDO METRONIDAZOL E NITRATO DE MICONAZOL NO TRATAMENTO DE VAGINITES Fábio

Leia mais

APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 10 mg/g: embalagem com 35 g + 6 aplicadores descartáveis.

APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 10 mg/g: embalagem com 35 g + 6 aplicadores descartáveis. clotrimazol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 10 mg/g: embalagem com 35 g + 6 aplicadores descartáveis. USO VAGINAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada grama de creme vaginal

Leia mais

QUEIMADURAS. Vera Maria Sargo Escoto Médica Auditora da ULSNA Hospital de Santa Luzia de Elvas Queimaduras 1

QUEIMADURAS. Vera Maria Sargo Escoto Médica Auditora da ULSNA Hospital de Santa Luzia de Elvas Queimaduras 1 QUEIMADURAS Vera Maria Sargo Escoto Médica Auditora da ULSNA Hospital de Santa Luzia de Elvas 15-06-2011 Queimaduras 1 Identificar as causas externas das queimaduras a codificar nas categorias 940 a 949

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

DIOGRANDE DIÁRIO OFICIAL DE CAMPO GRANDE-MS

DIOGRANDE DIÁRIO OFICIAL DE CAMPO GRANDE-MS DIOGRANDE Digitally signed by RODRIGO LENZ:51860678149 DN: c=br, o=icp-brasil, ou=secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, ou=rfb ecpf A3, ou=(em BRANCO), ou=ar NAPTON, cn=rodrigo LENZ:51860678149

Leia mais

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e Projecto Tutorial - Diabetes Trabalho realizado por: Carlos Bernardo 2 º Ano Bioquímica No âmbito da Cadeira de M.E.T. III Ano Lectivo: 2007/2008 Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino.

Leia mais

nitrato de miconazol Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 20 mg/g

nitrato de miconazol Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 20 mg/g nitrato de miconazol Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 20 mg/g nitrato de miconazol Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 20 mg/g: embalagem com 80 g

Leia mais

DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER

DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER Universidade Federal do Maranhão MESTRADO: SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER MÓDULO: MECANISMO DA CARCINOGÊNESE DO HPV NAS LESÕES CERVICO-VAGINAIS 3ª Etapa - CITOLOGIA HORMONAL Prof.

Leia mais

Candidíase Vulvovaginal em Mulheres Infectadas pelo Vírus da Imunodeficiência Humana

Candidíase Vulvovaginal em Mulheres Infectadas pelo Vírus da Imunodeficiência Humana PESQUISA Revista Brasileira de Ciências da Saúde Research Volume 13 Número 2 Páginas 21-26 2009 ISSN 1415-2177 Candidíase Vulvovaginal em Mulheres Infectadas pelo Vírus da Imunodeficiência Humana Vulvovaginal

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Doenças Sexualmente Transmissíveis

Leia mais

R2. Qual o principal motivo da sra nunca ter feito um exame preventivo? 01. Nunca teve relações sexuais 02. Não acha necessário 03.

R2. Qual o principal motivo da sra nunca ter feito um exame preventivo? 01. Nunca teve relações sexuais 02. Não acha necessário 03. Módulo R. Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. R1. Quando foi a

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Taxonomia dos Fungos e Drogas Antifúngicas. Profª Francis Moreira Borges Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia - UFJF

Taxonomia dos Fungos e Drogas Antifúngicas. Profª Francis Moreira Borges Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia - UFJF Taxonomia dos Fungos e Drogas Antifúngicas Profª Francis Moreira Borges Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia - UFJF Taxonomia dos Fungos A grande dificuldade na identificação/classificação

Leia mais

vaginais ou por via oral.

vaginais ou por via oral. ÓLEO DE MELALEUCA em creme vaginal Ação cientificamente comprovada no tratamento da C. albicans: 90% de sucesso! Doutor, O objetivo desse Informe Científico é apresentar o creme vaginal com Óleo de Melaleuca

Leia mais

Oseltamivir para Influenza H1N1. Paulo D. Picon, MD, PhD Professor Adjunto Medicina Interna, FAMED-UFRGS Chefe da Política de Medicamentos da SES-RS

Oseltamivir para Influenza H1N1. Paulo D. Picon, MD, PhD Professor Adjunto Medicina Interna, FAMED-UFRGS Chefe da Política de Medicamentos da SES-RS Oseltamivir para Influenza H1N1 Paulo D. Picon, MD, PhD Professor Adjunto Medicina Interna, FAMED-UFRGS Chefe da Política de Medicamentos da SES-RS Foi descoberto como tudo começou! E o Tratamento? Como

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

FLUCONAZOL FLUCONAZOL ANTIFÚNGICO

FLUCONAZOL FLUCONAZOL ANTIFÚNGICO Nome Genérico: fluconazol Classe Química: derivado triazólico Classe Terapêutica: antifúngico Forma Farmacêutica e Apresentação: Fluconazol 100 mg em blister com 10 cápsulas INDICAÇÕES Candidíase oral,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LIDIANI ALMEIDA PEDROSO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LIDIANI ALMEIDA PEDROSO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LIDIANI ALMEIDA PEDROSO ESTUDOS DOS ASPECTOS CLÍNICOS DA GARDNERELLA VAGINALIS E CANDIDÍASE

Leia mais

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI.

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA III CURSO DE MEDICINA Prof. Antonio Augusto Pereira Martins Especialista em Docência do Ensino Superior

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

1- O que é a flora vaginal? 2- Quais são as principais características da flora vaginal? 3- O que são vulvovaginites?

1- O que é a flora vaginal? 2- Quais são as principais características da flora vaginal? 3- O que são vulvovaginites? 1- O que é a flora vaginal? A vagina humana possui uma concentração de bactérias maior do que qualquer parte do corpo com exceção do cólon. As bactérias da flora vaginal foram descobertas pelo ginecologista

Leia mais

das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas

das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas GISELE MADEIRA DUBOC DE ALMEIDA Rhodotorula spp. isoladas de hemocultura no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas Tese

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

nistatina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal UI/g

nistatina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal UI/g nistatina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 25.000 UI/g nistatina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 25.000 UI/g: embalagem com 60 g + aplicador.

Leia mais

Gino-Canesten 1 Comprimido Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como "antifúngicos".

Gino-Canesten 1 Comprimido Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como antifúngicos. Folheto informativo: Informação para o utilizador Gino-Canesten 1, 500 mg, Comprimido Vaginal Clotrimazol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS MANUAL ENTENDA COMO E POR QUE RELATAR EventoS AdversoS Apresentação O desastre da Talidomida no final da década de 50 foi um marco mundial na história da

Leia mais

BIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS

BIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS BIOLOGIA 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Vida e Ambiente 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdo Doenças sexualmente transmissiveis

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dra. Cássia Elena Soares Fluxograma de Pré-Natal Mulher com suspeita de gravidez Atraso menstrual Náusea Suspensão ou irregularidade do uso do contraceptivo

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES REVISÃO DOS CONTEÚDOS Unidade II Ser Humano e Saúde 2 REVISÃO DOS CONTEÚDOS Aula 13 Revisão e Avaliação 3 REVISÃO 1 O sistema reprodutor

Leia mais

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA CLASSIFICAÇÃO DOS FÁRMACOS Introdução o que são FÁRMACOS? Substância química conhecida e de estrutura

Leia mais

Material exclusivo para pacientes.

Material exclusivo para pacientes. Material exclusivo para pacientes. O que você deve saber sobre o risco de malformações fetais e ações mandatórias para prevenção de gravidez durante o tratamento com Roacutan (isotretinoína) 1 2 Volta

Leia mais

Dor na mama da mãe lactante: candidíase. Sofia Quintero Romero

Dor na mama da mãe lactante: candidíase. Sofia Quintero Romero Dor na mama da mãe lactante: candidíase Sofia Quintero Romero Dor na mama da mãe lactante Causas: Trauma Dermatite Vasoespasmo ou síndrome de Raynaud Infecção bacteriana, candidíase Sem causa aparente

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

MANEJO FARMACOLÓGICO DO OFENSOR SEXUAL. Prof. MSc. Thiago Blanco

MANEJO FARMACOLÓGICO DO OFENSOR SEXUAL. Prof. MSc. Thiago Blanco MANEJO FARMACOLÓGICO DO OFENSOR SEXUAL Prof. MSc. Thiago Blanco Do currículo do apresentador Médico, Psiquiatra Geral e Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Psiquiatria e Psicologia Médica pela

Leia mais

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara O Valor de Diagnóstico Antonio Vergara O valor de Diagnóstico em beneficio do paciente O Valor do Diagnóstico Valor Clínico O Valor de Diagnóstico Industria dos Diagnósticos Valor de Inovação IVD da despensa

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não induzidas por placa MODIFICADA Associada só a placa Fatores sistêmicos Medicação Má nutrição Classificação

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais