Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp."

Transcrição

1 SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento Discente do Curso de Enfermagem Unaerp - Campus Guarujá Adriana Silva de Moraes Docente do Curso de Enfermagem Unaerp Campus Guarujá Rachel Monteiro dos Santos Docente do Curso de Enfermagem Unaerp Campus Guarujá Este simpósio tem o apoio da Fundação Fernando Eduardo Lee. 1-Introdução O câncer de colo de útero é o segundo com maior índice nas mulheres brasileiras, perdendo apenas para o câncer de mama. As principais causas são múltiplos parceiros, tabagismo, fator idade, múltiparidade, uso de contraceptivo oral, má higiene íntima e infecção pelo Papilomavírus humano (HPV), por isso há uma grande preocupação em relação à saúde da mulher para que todas tenham acesso a esse serviço e garanta uma melhor qualidade de vida, recebendo a orientação devida pelos profissionais da área da saúde, de maneira clara e objetiva, respeitando o grau de escolaridade e a crença. O profissional tem que estar atento para a realização de todas as etapas do controle de câncer de colo de útero e mama descritos no manual de prevenção do câncer do colo uterino (M.S), essas etapas são: promoção, 1

2 prevenção, rastreamento/detecção precoce, diagnóstico, tratamento, reabilitação e cuidados paliativos. O HPV está diretamente relacionado com o câncer do colo do útero, pois em 95% dos casos foi encontrado algum tipo de HPV. A partir do diagnóstico e tratamento do HPV as chances de desenvolver o câncer do colo do útero são menores. Com a realização do preventivo periodicamente é possível identificar a presença do HPV e de outras DST, embora o objetivo do preventivo não seja a identificação de DST e sim o câncer do colo do útero em estágio precoce ou anormalidades nas células. Os principais achados são verrugas genitais causadas pelo HPV, Herpes genital, infecções vaginais causadas por fungos, como a candidíase, ou por bactérias, como a trichonomas vaginalis. O colo do útero é revestido por camadas de células epiteliais pavimentosas, arranjadas de forma ordenada. Quando há uma desordenação das camadas pode haver alterações, como núcleos mais corados ou figuras atípicas de divisão celular. As lesões são divididas em: NIC I (Neoplasia Intraepitelial Cervical Grau I) É uma lesão de baixo grau encontrada no 1/3 proximal da membrana. NIC II (Neoplasia Intraepitelial Cervical Grau II) É uma lesão de alto grau encontrada no 2/3 proximal da membrana. NIC III (Neoplasia Intraepitelial Cervical Grau III) Também é uma lesão de alto grau com o desarranjo em todas as camadas, sem romper a membrana basal. 2- Objetivos 2.1- Objetivo Geral Caracterizar o perfil socioeconômico das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica na clínica escola da Universidade de Ribeirão Preto, campus Guarujá no 1º semestre de Objetivo Específico I- Identificar a idade média e escolaridade das mulheres que procuram o serviço oferecido pela clínica escola; II- Realizar levantamento acerca dos principais resultados encontrados na citologia oncótica de mulheres atendidas na clínica escola. 2

3 3- Metodologia Trata-se de uma pesquisa de campo quantitativa realizada na clínica escola da Universidade de Ribeiro Preto Campus Guarujá. A coleta de citologia oncótica é voltada para a comunidade em geral, assim possibilitando um maior acesso ao serviço pelas mulheres. A coleta de dados ocorreu no 1º semestre de 2011, sendo utilizado o termo de consentimento esclarecido e o instrumento de coleta de dados composto de duas partes, sendo a primeira caracterização da amostra e a segunda parte de perguntas referentes ao assunto, contendo a entrevista de Enfermagem e os processos de Sistematização da Assistência de Enfermagem. 4 Resultados e Discussões Caracterização da amostra: Fonte: Autores, pesquisa de campo, De acordo com o gráfico, no total de 17 mulheres que realizaram a citologia oncótica tinham idade entre 15 e 65 anos, sendo a sua maioria na faixaetária de (29%) e (29%) e em sua minoria idade entre

4 anos (6%). Comparando os dados com a cidade de São Leopoldo (Rio Grande do Sul) a faixa etária de mulheres que aderiram ao serviço foi em sua maioria de anos (29,1%), seguido de (28,7%), a maioria também foi de mulheres entre anos (15,5%). Conclui-se então que há uma maior prevalência da realização da citologia oncótica por mulheres com idades entre anos, ou seja, idade que há vida sexual ativa. Fonte: Autores, pesquisa de campo, De um total de 17 mulheres, 29% possuem o 2º grau completo, já na cidade de São Leopoldo apenas 16,5% o possuem, 12% das mulheres possuem o 2º grau incompleto e o 1º grau imcompleto, já em São Leopoldo são 19,5% que possuem o 1º grau imcompleto.35% não informaram a escolaridade. Pontanto entendemos que a maioria das mulheres que procuraram o serviço na clínica tem um grau de instrução razoável, já que pouco mais da metade (29%) possuem o 2º grau completo.o baixo índice de procura por mulheres com nível de escolaridade menor (sem alfabetizaçao, 1º grau completo e incompleto) é relacionado com a classe social, o difícil acesso ao serviço de saúde e desconhecimento da importância da citologia oncótica. 4

5 Fonte: Autores, pesquisa de campo, De um total de 17 mulheres, 12 apresentaram corrimento com caraterísticas diferentes. 46% com aspecto esbranquiçado e 21% amarelado. Além de presença de odor em 15% e de prurido 8%. A maioria das mulheres com corrimentos, tem como principal causa as vulvovaginites, definida pelo Ministério da Saúde como: Toda manifestação inflamatória e/ou infecciosa do trato genital feminino inferior, ou seja, vulva, vagina e epitélio escamoso do colo uterino (ectocérvice). O quadro clínico é variável de acordo com a etiologia, podendo manifestar-se pela presença de corrimento vaginal cujas características podem diferir bastante, podendo apresentar coloração variada (branca, amarelada, acinzentada, esverdeada), ter ou não odor desagradável, dor, irritação, prurido ou ardência na vagina ou na vulva, dor ou ardor ao urinar e sensação de desconforto pélvico. As mais comuns são Candidíase vulvovaginal causada pelos fungos Candida albicans e Candida glabrata, Vaginose Bacteriana causada pela bactéria Gardnerella vaginalis, e Tricomoníase Vulvovaginal causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. 5

6 Bibliografia SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS Unaerp Guarujá, Normas, disponível em Acesso em 24 ago BRASIL, Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica: nº13 Controle dos Cânceres do colo do útero e da mama. Brasília, Disponível em: Acesso em 17 ago MULLER D.K, COSTA J.S.D, LUZ A.M.H, OLINTO M.T.A. Cobertura do exame citopatológico do colo do útero na cidade de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Rio Grande do Sul,2007. Disponível em: Acesso em: 16 ago LEITE F.M.C, AMORIM M.H.C, NASCIMENTO L.G.D, MENDONÇA M.R.F, GUEDES N.S.A, TRISTAO K.M.Mulheres submetidas à coleta de Papanicolau: perfil socioeconômico e reprodutivo. Espiríto Santo,2010. Disponível em:http://pesquisa.bvsalud.org/enfermagem/resources/lil Acesso em: 23 ago

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem.

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem. Kelly Cristina Nascimento Discente do Curso de Enfermagem Unaerp

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia.

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEIXA DE LEUCORRÉIA

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Doenças Sexualmente Transmissíveis

Leia mais

Câncer de Colo Uterino

Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Aspectos conceituais Câncer é o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais.

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais. Histologia do sistema genital feminino Camada basal Células superficiais Células intermediárias Células parabasais Células basais Papila do estroma Estroma Epitélio escamoso estratificado Histologia do

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Francisca Maria Barbosa de Souza 1 ; Elaine Cristina Batista Tavares 1 ; Jéssica Tavares de Assis 2 ; Douglas Mendes Cavalcante

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

Anexo 15. Doenças sexualmente transmissíveis

Anexo 15. Doenças sexualmente transmissíveis Anexo 15 Doenças sexualmente transmissíveis 1. Hepatite B Infecção das células hepáticas (fígado) pelo Vírus da Hepatite B pode ser infecção inaparente e subclínica (sem sintomas) até progressiva e fatal.

Leia mais

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

PRINCIPAIS PATÓGENOS OPORTUNISTAS DECORRENTES NO CLIMATÉRIO

PRINCIPAIS PATÓGENOS OPORTUNISTAS DECORRENTES NO CLIMATÉRIO PRINCIPAIS PATÓGENOS OPORTUNISTAS DECORRENTES NO CLIMATÉRIO Ericka Garcia Leite¹; Tiago Ferreira da Silva Araújo² ( 1 Graduada em Biomedicina pela Faculdade Maurício de Nassau-CG, email: erickacg7@hotmail.com;

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UM CONSULTÓRIO DE ATENDIMENTO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UM CONSULTÓRIO DE ATENDIMENTO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UM CONSULTÓRIO DE ATENDIMENTO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER Jéssica Elen Lins Ferreira 1 Milena Costa Alves 2 Manuela de Carvalho Vieira Martins 3 Maria da Pureza Ramos de

Leia mais

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Jader Iury de Souza Mercante Graduando em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rafaela Giuzeppe Rodrigues Graduanda em Fisioterapia,

Leia mais

Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência

Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência CANDIDÍASE VULVO-VAGINAL INFEÇÕES VAGINAIS - Enquadramento Sintomatologia do trato genital inferior Modificações patológicas ou mesmo fisiológicas

Leia mais

INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSAS

INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSAS INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSAS Jéssica Tavares de Assis 1 ; Douglas Mendes Cavalcante 1 ; Elaine Cristina Batista Tavares 2 ; Francisca Maria Barbosa de Souza 3 ; Gerlane

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE COLO FRIÁVEL E A MICROBIOTA VAGINAL PELO MÉTODO DE PAPANICOLAOU

A RELAÇÃO ENTRE COLO FRIÁVEL E A MICROBIOTA VAGINAL PELO MÉTODO DE PAPANICOLAOU ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A RELAÇÃO ENTRE COLO FRIÁVEL E A MICROBIOTA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CITÓLISE EM PREPARADOS CERVICOVAGINAIS NO EXAME PAPANICOLAOU

PREVALÊNCIA DE CITÓLISE EM PREPARADOS CERVICOVAGINAIS NO EXAME PAPANICOLAOU 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2 399 IMPLANTAÇÃO DA VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) NA POPULAÇÃO FEMININA EM IDADE FÉRTIL: PERSPECTIVAS DE DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DE CASOS DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO 1 Kelen Lopes Da Silva

Leia mais

Atualização na candidíase de repetição Existem novas propostas de tratamento? Vera Fonseca

Atualização na candidíase de repetição Existem novas propostas de tratamento? Vera Fonseca TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Atualização na candidíase de repetição Existem novas propostas de tratamento? Vera Fonseca Conselheira do Conselho

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES REVISÃO DOS CONTEÚDOS Unidade II Ser Humano e Saúde 2 REVISÃO DOS CONTEÚDOS Aula 13 Revisão e Avaliação 3 REVISÃO 1 O sistema reprodutor

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA

PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA Geralmente a sintomatologia ocorre em crianças e raramente em adultos, provavelmente porque o parasito estimula certo grau de resistência. Multiplicandose intensamente, e é capaz

Leia mais

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE GARCIA, Thaynara Soares 1 ; MAGALHÃES, Juliana Cristina; AMARAL, Rita

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

Infecções Vulvo-vaginais

Infecções Vulvo-vaginais Infecções Vulvo-vaginais Sintomatologia: Leucorréia (Corrimento Vaginal) Prurido Dor Tumoração Lesões Verrucosas Queixas Urinárias (Ardor Miccional, Disúria, etc...) Leucorréia Inespecífica Leucorréia

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos 2010 DÚVIDAS MAIS FREQUENTES A transmissão pelo HPV é só sexual? Peguei do meu parceiro? Quando?

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre ISSN: 1676-4285 Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre Emerson Marques Pessoa¹, Lucinete Souza Fernandes¹, Sandreya Maia Mendes¹, Creso Machado Lopes¹

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BE ADRIANA JUSSARA E A ULHER QUE VALIA POR UITAS SAÚDE DA ULHER folder_saude_da_mulher.pdf 2 19/07/16 16:48 Leia o código e assista a história de Adriana

Leia mais

SAÚDE DA MULHER: ESTUDO CITOLÓGICO E MICROBIOLÓGICO DO TRATO GENITURINÁRIO DE PACIENTES DO CENTRO DE PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DA UNIVAP

SAÚDE DA MULHER: ESTUDO CITOLÓGICO E MICROBIOLÓGICO DO TRATO GENITURINÁRIO DE PACIENTES DO CENTRO DE PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DA UNIVAP 5 Recebido em 11/2012. Aceito para publicação em 09/2013. SAÚDE DA MULHER: ESTUDO CITOLÓGICO E MICROBIOLÓGICO DO TRATO GENITURINÁRIO DE PACIENTES DO CENTRO DE PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DA UNIVAP WOMEN'S

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF- 209 Pré-requisito:

Leia mais

Faculdade de Medicina do ABC

Faculdade de Medicina do ABC Faculdade de Medicina do ABC Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Disciplina de Ginecologia Prof.Dr.César Eduardo Fernandes Dr. Fernando Sansone Rodrigues TEMA - VULVOVAGINITES Vaginite - conceito

Leia mais

BIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS

BIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS BIOLOGIA 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Vida e Ambiente 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdo Doenças sexualmente transmissiveis

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS REGISTROS DE EXAME DE PAPANICOLAU EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ATUALIZAÇÃO DOS REGISTROS DE EXAME DE PAPANICOLAU EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL BIANCA BELMONTE DE SOUZA ATUALIZAÇÃO DOS REGISTROS DE EXAME DE PAPANICOLAU EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Porto Alegre 2011 1 BIANCA BELMONTE DE SOUZA

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico O QUE É? HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. É um vírus de grande relevância médica pelo fato de estar relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo do útero (um dos tipos

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Palavras-chave: citopatologia cervical. Carcinoma epidermóide. Metaplasia.

Palavras-chave: citopatologia cervical. Carcinoma epidermóide. Metaplasia. ASPECTO EPIDEMIOLÓGICO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO POR PAPILOMA VÍRUS HUMANO ASSOCIADO A INFECÇÃO POR Gardnerella sp. NO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO Marielena Vogel Saivish 1, Ana Carolina Ferreira Franco 2,

Leia mais

HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO INTRODUÇÃO MILENA NUNES ALVES DE SOUSA YNGRIDI RALINI FARIAS SILVA MONA LISA LOPES DOS SANTOS ROSA MARTHA VENTURA NUNES RAQUEL CAMPOS

Leia mais

FLOGO-ROSA. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g

FLOGO-ROSA. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g FLOGO-ROSA Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FLOGO-ROSA cloridrato de benzidamina APRESENTAÇÃO

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 02 - CIPA 2016/2017. O que são DST?

BOLETIM INFORMATIVO nº 02 - CIPA 2016/2017. O que são DST? BOLETIM INFORMATIVO nº 02 - CIPA 2016/2017 Novembro de 2016 - Orientações Gerais O que são DST? As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso

Leia mais

Prevenção do cancro do colo do útero

Prevenção do cancro do colo do útero Prevenção do cancro do colo do útero http:// Iechyd Cyhoeddus Cymru Public Health Wales Este folheto pretende dar informações que podem ajudar na prevenção do cancro do colo do útero. Ao realizar testes

Leia mais

Vacinação no homem. Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP. Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP

Vacinação no homem. Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP. Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP Vacinação no homem Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP Número médio annual de novos casos

Leia mais

Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Turma: 9º Ano

Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Turma: 9º Ano Matemática 1ª) A tabela a seguir mostra a evolução da receita bruta anual nos três últimos anos de cinco microempresas (ME) que se encontram à venda. Um investidor deseja comprar duas das empresas listadas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto Vulvovaginites Recorrentes Maristela Vargas Peixoto VULVOVAGINITES Frequência elevada Manifestações clínicas desconfortáveis Atividades cotidianas Desempenho sexual Alterações na pele e mucosas favorecem

Leia mais

A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO

A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO Adriane Policarpo Rose Guedes ¹; Priscila Trajano da Silva¹; Jeane Karla de Mendonça Mota². ¹Discente da Faculdade Maurício de Nassau, Campina Grande

Leia mais

VULVOVAGINITES NO PERÍODO GESTACIONAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

VULVOVAGINITES NO PERÍODO GESTACIONAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA VULVOVAGINITES NO PERÍODO GESTACIONAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Renata Dantas Jales 1 ; Carla Emanuelle Medeiros Nunes 2 ; Ellen Cristina Porto de Lima 3 ; Janeuma Kelli de Araújo Ferreira 4 ; Maria Benegelania

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

ANÁLISE DOS LAUDOS DE PAPANICOLAOU REALIZADOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

ANÁLISE DOS LAUDOS DE PAPANICOLAOU REALIZADOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 745 ANÁLISE DOS LAUDOS DE PAPANICOLAOU REALIZADOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Ana Paula Vieira Bringel¹, Marina Pessoa de Farias Rodrigues², Eglídia Carla Figueirêdo Vidal³ RESUMO: Estudo descritivo

Leia mais

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci Abordagem sindrômica das DSTs Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci DST - conceito Doença infecciosa adquirida por meio do contato sexual, que pode ser causada por vírus, bactéria ou protozoário. Glossário

Leia mais

Análise dos exames colpocitológicos não retirados por pacientes entre : estudo documental

Análise dos exames colpocitológicos não retirados por pacientes entre : estudo documental ISSN: 1676-4285 Análise dos exames colpocitológicos não retirados por pacientes entre 2007-2009: estudo documental Maria Alrimar Cavalcante Freitas Pinheiro¹, Camila Teixeira Moreira Vasconcelos², José

Leia mais

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ 1 PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ Hilania Valéria Dodou 1 Luan Costa Ferreira 2 Hilana Dayana Dodou 3 Márcia Luiza Pinheiro Silva de Souza 4 RESUMO O

Leia mais

Avaliação da adequabilidade da coleta do exame citopatológico na Estratégia Saúde da Família

Avaliação da adequabilidade da coleta do exame citopatológico na Estratégia Saúde da Família Avaliação da adequabilidade da coleta do exame citopatológico na Estratégia Saúde da Família Assessing the adequacy of the collection of the Pap test in the Family Health Strategy Daniela Savi Geremia

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto de Góes 2

Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto de Góes 2 ANÁLISE DOS RESULTADOS DE EXAMES COLPOCITOLÓGICOS REALIZADOS EM MULHERES COM IDADE ENTRE 20 E 60 ANOS NO PERÍODO DE 2006 E 2007, EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO PARANÁ Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto

Leia mais

BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC

BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC Bruna Luiza Spada; Paula Breda. Resumo Nas primeiras décadas do século XX, o corpo da mulher era visto apenas pela

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

Percepção feminina: o universo de mulheres que buscam a

Percepção feminina: o universo de mulheres que buscam a Percepção feminina: o universo de mulheres que buscam a realização do exame preventivo do câncer de colo do útero Izaedis Machado da Silva 1 Alessandra Mendes da Silva 2 Dugley Francisca Alves dos Santos

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO PAPANICOLAU PELAS MULHERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2003.

FATORES ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO PAPANICOLAU PELAS MULHERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2003. FATORES ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO PAPANICOLAU PELAS MULHERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2003. Luiza de Marilac de Souza Edwan Fioravente Resumo As neoplasias constituem-se na segunda

Leia mais

REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS

REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS PORTELLA, Bruna Maria Almeida 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; COSER, Janaína 2 ; ROSA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV:

Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV: Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV: O papilomavirus humano (HPV) é um DNA vírus com forma icosaédrica, de 55 nm de diâmetro e composto por 8000 pares de base. O genoma

Leia mais

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA Paulo Sérgio de Morais da Silveira Mattos* Resumo O câncer

Leia mais

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Branco MJ, Paixão E, Vicente LF. Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher. Lisboa: Instituto Nacional

Leia mais

INCIDÊNCIA DE GARDNERELLA VAGINALIS NAS AMOSTRAS DE SECREÇÃO VAGINAL EM MULHERES ATENDIDAS PELO LABORATÓRIO MUNICIPAL DE FRAIBURGO - SC

INCIDÊNCIA DE GARDNERELLA VAGINALIS NAS AMOSTRAS DE SECREÇÃO VAGINAL EM MULHERES ATENDIDAS PELO LABORATÓRIO MUNICIPAL DE FRAIBURGO - SC INCIDÊNCIA DE GARDNERELLA VAGINALIS NAS AMOSTRAS DE SECREÇÃO VAGINAL EM MULHERES ATENDIDAS PELO LABORATÓRIO MUNICIPAL DE FRAIBURGO - SC Ângela Domingos do Amaral * Mônica Frighetto** Nei Carlos Santin***

Leia mais

ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo.

ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo. Conhecimento das mulheres em idade reprodutiva sobre o exame preventivo do câncer cérvico uterino Conocimiento de las mujeres en edad reproductiva sobre el examen preventivo de cáncer cérvico uterino Edvaldo

Leia mais

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral Curso Técnico Subsequente em Curso Técnico em Enfermagem Nome do Curso - Curso Técnico em Enfermagem CÂMPUS Florianópolis/SC MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular

Leia mais

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA Juliana Romano de Lima¹ Marcone Almeida Dantas Junior¹ Maria Franncielly Simões de Morais¹ Carina Scanoni Maia¹ ¹ Universidade

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

DST - Proteja Sua Saúde

DST - Proteja Sua Saúde DST - Proteja Sua Saúde Adsense1 O sexo é importante na nossa vida. Ele nos dá prazer e, às vezes, filhos. Sexo é sinal de saúde, permite demonstrar carinho e confiança. Existem, entretanto, inimigos de

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS O que são? As Doenças Sexualmente Transmissíveis são doenças infecciosas transmitidas sobretudo através do contato sexual sem proteção, podendo também ser transmitidas

Leia mais

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados Everaldo Garcia Santos Júnior Graduando em Biomedicina Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Maicon Henrique Nogueira Graduando

Leia mais

PARTE I CARACTERISTICAS DAS PARTICIPANTES

PARTE I CARACTERISTICAS DAS PARTICIPANTES QUESTIONÁRIO PARTE I CARACTERISTICAS DAS PARTICIPANTES 1 IDADE ANOS 2 HABILITAÇÕES LITERÁRIAS 1º CICLO 2º CICLO SECUNDÁRIO BACHARELATO LICENCIATURA MESTRADO DOUTORAMENTO 3 PROFISSÃO ACTIVA ACTIVA/BAIXA

Leia mais

OCORRÊNCIA DE CANDIDÍASE NO EXAME CITOLÓGICO DE PACIENTES DO HOSPITAL GERAL DE CURITIBA

OCORRÊNCIA DE CANDIDÍASE NO EXAME CITOLÓGICO DE PACIENTES DO HOSPITAL GERAL DE CURITIBA OCORRÊNCIA DE CANDIDÍASE NO EXAME CITOLÓGICO DE PACIENTES DO HOSPITAL GERAL DE CURITIBA CANDIDIASIS WITHIN CYTOLOGICAL TESTS OF PATIENTS AT HOSPITAL GERAL DE CURITIBA Katy Millene Rodrigues Bernardo Farmacêutica

Leia mais

Diagnóstico e orientações preventivas nas infecções cervico-vaginais e no câncer cervical

Diagnóstico e orientações preventivas nas infecções cervico-vaginais e no câncer cervical DIAGNÓSTICO E ORIENTAÇÕES NO CÂNCER CERVICAL 33 O R I G I N A L Diagnóstico e orientações preventivas nas infecções cervico-vaginais e no câncer cervical Diagnostic and preventive guidelines for cervical-vaginal

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS Camila Rafaela Cavaglier¹, Maíra Oliveira Panão², Carolina Correia Billoti³,

Leia mais

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico?

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? Sylvia Cavalcanti Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? PRINCÍPIOS DA ESPÉCIE HUMANA ROGER X BUSCA DO PRAZER FUGA DA DOR Disfunções sexuais Disfunção do desejo Estímulo

Leia mais

Atendimento ginecológico de mulheres submetidas a transplante de células tronco hematopoéticas

Atendimento ginecológico de mulheres submetidas a transplante de células tronco hematopoéticas Atendimento ginecológico de mulheres submetidas a transplante de células tronco hematopoéticas INTRODUÇÃO O transplante de células tronco hematopoéticas (TCTH) é indicado para tratamento de doenças hematológicas

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais