UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR Departamento de Engenharia de Produção - DEP Curso de Especialização em Gestão Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR Departamento de Engenharia de Produção - DEP Curso de Especialização em Gestão Pública"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR Departamento de Engenharia de Produção - DEP Curso de Especialização em Gestão Pública Saúde do Trabalhador: Os motivos de afastamentos por saúde dos servidores da Universidade Federal de São Carlos Antonio Donizetti da Silva São Carlos - SP 2011

2 Saúde do Trabalhador: Os motivos de afastamentos por saúde dos servidores da Universidade Federal de São Carlos Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Gestão Pública, pela Universidade Federal de São Carlos UFSCar, sob orientação da Profa. Dra. Roseli Esquerdo Lopes. São Carlos - SP 2011

3 Ficha catalográfica Silva, Antonio Donizetti da. Saúde do trabalhador : os motivos de afastamentos por saúde dos servidores da Universidade Federal de São Carlos / Antonio Donizetti da Silva. -- São Carlos : UFSCar, p. Monografia - Programa de Pós-Graduação Latu Sensu em Especialização em Gestão Pública -- Universidade Federal de São Carlos, Saúde Ocupacional. 2. Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor (SIASS). 3. Afastamentos de saúde. I. Título.

4

5 Agradeço a todos os meus filhos por esta realização. Mattheus, Luíza, Leon e Ana Júlia que, juntos no espaço, mas não no tempo, não permitiram que eu ficasse ocupado com este trabalho e não os levassem para a escola, para o lanche, para o zoológico, para a universidade, à praia, ao jogo de bola, ao SESC e tantos outros lugares que me fizeram pensar em idéias para aqui apô-las

6 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo analisar os registros referentes aos afastamentos por saúde dos servidores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no ano de 2009, tendo em vista as orientações presentes nos documentos publicados pelo Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor (SIASS). Foi realizada uma pesquisa documental com dados fornecidos pelo Departamento de Assistência Médico e Odontológico (DeAMO) e Departamento de Desenvolvimento de Pessoal (DeDP) que trazem informações sobre os afastamentos dos servidores. Os dados organizados foram analisados de forma quali-quantitativa tendo sido quantificadas algumas características das ocorrências de afastamento, de acordo com o objetivo da pesquisa, e foram analisados com base em estudos sobre saúde/doença e trabalho bem como das novas políticas do Estado que tratam do tema, especificamente os documentos relativos ao SIASS. As análises revelaram três fatores representativos no conjunto dos dados: os afastamentos por licença gestante, para acompanhamento de familiares e por distúrbios mentais associados ao stress. Constatou-se que no caso das licenças para acompanhamento de familiares, essa tarefa é relegada às mulheres, tanto na categoria docente como na de servidores técnico-administrativos. Ao analisar esses dados, os estudos de Helena Hirata ajudam a compreender como tem sido a inserção profissional das mulheres, considerando o trabalho realizado em casa e o papel de cuidadora atribuído à mulher, inclusive no caso da UFSCar. PALAVRAS-CHAVE: Saúde Ocupacional, Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor (SIASS), Afastamentos de saúde

7 ABSTRACT This research aims to analyze the records relating to medical leave of employers at Federal University of São Carlos in the year 2009, based in the orientations registered on the official documents published on the Integrated Data Base of Worker s Health Attention-IDBWHA. It was developed a documental research with the data published by the Medical and Odontologic Assistance Department and the Personal Development Department which brought information s about the employers leave of absence by medical leaves. The data were organized and analyzed by quantitative and qualitative approach and also were quantified some characteristics of occurrence of leave of absence by health, concerned with the aim of the research and were analyzed with the studies about health/illness, work, and the actual State policies which are related with this issue, specially, with the documents related with the IDBWHA. After the specific data coleta, tree factors were representative in the analyze: the leave of absence by health for pregnancy, for relative s care giving and for mental health disturbs related with stress. Were identified that in cases of relative s care giving, this task were designed for women like lectures and technical workers from the university. The data analyzes were based in the studies of Helena Hirata (2002) which contributed to understand how have been the professional insertion of woman s at work, considering the work performed at home and the role of caregiver attributed to the women. Keywords: occupational health, medical leave.

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ASO CAT CID CIPA DeAMO DeAP DeSMeT EPC EPI GF NCOP ProGeP SeSST SIAPE SIASS SIPEC SRH TA s UFSCar Atestado de Saúde Ocupacional Comunicação de Acidente de Trabalho Código Internacional de Doenças Comissão Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho Departamento de Assistência Médico-odontológico Departamento de Administração de Pessoal Departamento de Segurança e Medicina no Trabalho Equipamentos de Proteção Coletiva Equipamentos de Proteção Individual Governo Federal Não Classificada em Outra Parte Pró-reitoria de Gestão de Pessoas Seção de Saúde e Segurança no Trabalho Sistema Integrado de Administração de Pessoal Subsistema Integrado e Atenção à Saúde do Servidor Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal Secretaria Geral de Recursos Humanos Tecnico-administrativos Universidade Federal de São Carlos

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figuras Figura 1 Organograma UFSCar/SeSST Gráficos Gráfico 1 Afastamentos (por motivos) de TA s, de jan a dez 2009 (em dias) Gráfico 2 Afastamentos (por motivos) de docentes, de jan a dez 2009 (em dias) Gráfico 3 Afastamentos de TA s, por motivos de saúde, em Gráfico 4 Afastamentos de docentes, por motivos de saúde, em Gráfico 5 Afastamentos de TA s, por motivos de saúde, em 2009 Dados DeAMo Gráfico 6 Afastamentos de docentes, por motivos de saúde, em 2009 Dados Gráfico 7 DeAMo Afastamentos, por categoria, em 2009 Dados DeAMO Gráfico 8 Afastamentos, por motivos, janeiro de Gráfico 9 Afastamentos, por motivos, fevereiro de Gráfico 10 Afastamentos, por motivos, março de Gráfico 11 Afastamentos, por motivos, abril de Gráfico 12 Afastamentos, por motivos, maio de Gráfico 13 Afastamentos, por motivos, junho de Gráfico 14 Afastamentos, por motivos, julho de Gráfico 15 Afastamentos, por motivos, agosto de Gráfico 16 Afastamentos, por motivos, setembro de Gráfico 17 Afastamentos, por motivos, outubro de Gráfico 18 Afastamentos, por motivos, novembro de Gráfico 19 Afastamentos, por motivos, dezembro de Gráfico 20 Afastamentos, por sexo, em Gráfico 21 Afastamentos, para acompanhamento de familiares, em Gráfico 22 Afastamentos, por faixa etária, em Tabelas Tabela 1 Resumo de todos os motivos de afastamentos em Tabela 2 Afastamentos, por sexo, TA s e docentes, ano de Tabela 3 Afastamentos, por faixa etária, de TA s e docentes, ano de

10 SUMÁRIO 1 Introdução Contextualização Objetivos Procedimentos Metodológicos Referencial Teórico Breve histórico da relação trabalho e saúde A Atenção à Saúde no Serviço Público Federal A Atenção à Saúde na UFSCar Afastamentos de TA s e Docentes da UFSCar em Afastamentos de TA s e Docentes no período de janeiro a dezembro de Doenças ligadas aos afastamentos na UFSCar, em Características gerais (sexo e faixa etária) Considerações finais Referências... 56

11 1 Introdução 1.1 Contextualização O Governo Federal, preocupado com a forma como a assistência à saúde era oferecida ao conjunto dos servidores, em seus mais variados órgãos de trabalho, resolveu articular nacionalmente um programa de assistência à saúde dos servidores da administração pública, com o objetivo de uniformizar a oferta desse benefício a todos esses servidores, implantando o Subsistema Integrado e Atenção à Saúde do Servidor (SIASS), vinculado à Secretaria Geral de Recursos Humanos, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, regulamentado pelo Decreto nº 6833 de 29 de abril de 2009 (BRASIL, 2009a). De acordo com o documento de criação do SIASS (2009), em 2003, o Governo Federal criou a Coordenação-Geral de Seguridade Social e Benefícios do Servidor da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Esta se configura como a principal iniciativa para eliminar as distorções existentes nas mais variadas modalidades de assistência. Busca-se, com isso, propiciar uma relação de trabalho mais justa e igualitária para seus servidores. A forma que o governo adotou para obter sucesso nessa empreitada foi abrir essa discussão com os vários órgãos da administração passando, inclusive, pelas entidades representativas dos servidores, tais como os seus sindicatos. Normatizar esses procedimentos foi apresentada como uma das principais - senão a principal meta do governo para oferecer essa assistência, como aponta o documento do SIASS (2009). Como parte dessa política de assistência à saúde do servidor, foi instituído o Decreto nº 6833, de 29 de abril de 2009, que regulamenta os exames periódicos para todos os servidores da administração pública federal direta, onde estão inseridas as universidades federais. A intenção dessa medida visava corrigir uma questão com a qual a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) tem se debatido: a utilização de um sistema de avaliação da saúde de seus servidores, técnico-administrativos e docentes, substituindo a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (CIPAS) e o Departamento de Segurança e Medicina no Trabalho (DeSMeT). 10

12 Essas duas unidades foram extintas na UFSCar, no final da década de 90, por iniciativa de sua Administração Superior e pela omissão da entidade representativa dos funcionários (sindicato) que, em particular, no caso da CIPA, não deu mais a necessária importância para o prosseguimento das suas atividades. Na UFSCar, as entidades sindicais sempre foram bastante atuantes e, desde os tempos em que as lutas políticas se concentravam prioritariamente no enfrentamento com a Ditadura Militar, na busca por democracia e direitos civis, esses movimentos também travaram, com bastante êxito, a luta por melhores condições de vida e trabalho para seus representados o que, na prática, se refletiu nas diversas conquistas no campo econômico e da saúde. Comissões de averiguação das condições de segurança e órgãos de fiscalização, tais como o extinto DeSMET e a CIPA, foram criados e tiveram significativa atuação nesse campo. Procurando compreender como esta questão está inserida no contexto da UFSCar, foi realizado um levantamento das principais doenças que acometeram os servidores da instituição, no ano de 2009, com a intenção de construir um diagnóstico para a detecção, prevenção e elaboração de políticas focadas para o atendimento desses servidores, nesse âmbito. Estudando-se a estrutura organizacional da UFSCar, no Curso de Especialização em Gestão Pública 1, percebeu-se a necessidade de entender como nessa estrutura apresentam-se as unidades de atenção à saúde dos servidores e como elas poderiam desenvolver os trabalhos relativos ao acompanhamento pericial, as variadas modalidades de atendimento e, principalmente, os órgãos que devem dar conta de lidar com a segurança no trabalho desses servidores. 1 Curso oferecido aos servidores TA s da UFSCar, pela Pró reitoria de Gestão de Pessoas (ProGeP) em parceria com o Departamento de Engenharia de Produção em

13 A UFSCar, a exemplo das demais universidades federais brasileiras, não teve um acompanhamento no que se refere à saúde de seus trabalhadores. O Departamento de Assistência Médico-odontológica da UFSCar (DeAMO) não faz registro dos acidentes de trabalho, a chamada CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) há pelo menos 14 anos. Em alguns casos, ela é, e foi feita, mas não na forma como prevê a Seção de Saúde e Segurança no Trabalho da UFSCar (SeSST), sendo este o agente responsável pela sua realização. Na estrutura da UFSCar não existe uma CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho), e o Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho foi extinto no ano de Com o advento da criação do SIASS, pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão do Governo Federal, estão previstos os procedimentos para que a administração federal celebre Termos de Cooperação Técnica para execução das ações e atividades de prevenção a doenças, acompanhamento da saúde dos servidores e realização de perícia médica oficial. Assim, faz-se necessário e urgente um diagnóstico da UFSCar que possa dar subsídios à implantação do Sistema, com vistas a atender a demanda de saúde e de segurança no trabalho de seus servidores. O presente estudo concentra-se na busca de aferir as maiores incidências de motivos de afastamentos dos servidores, justamente para facilitar a compreensão do atual quadro de adoecimento da UFSCar e os mecanismos que deverão ser adotados para uma eficaz Política de Atenção à Saúde. 1.2 Objetivos Este estudo teve como objetivo analisar os registros referentes aos afastamentos por saúde dos servidores da UFSCar no ano de 2009, tendo em vista as orientações presentes nos documentos publicados pelo SIASS. Procurou-se, com esta pesquisa, responder às seguintes questões: Quais foram as doenças que acometeram os servidores da Universidade Federal de São Carlos em 2009? Qual foi o índice de afastamento por doenças no período estudado? 12

14 O que o SIASS orienta frente às ocorrências referentes ao cuidado à saúde na UFSCar? Quais são os procedimentos adotados pela UFSCar frente aos registros referentes à saúde/doença dos servidores? 1.3 Procedimentos Metodológicos A partir da leitura de documentos da última gestão do governo federal sobre a saúde ocupacional dos servidores públicos e de autores que tratam sobre esse tema, apresentando um histórico crítico sobre a relação saúde e trabalho no Brasil, organizamos os procedimentos metodológicos desta pesquisa. Para a coleta de dados lançou-se mão da pesquisa documental. Esse tipo de pesquisa é utilizado para que se possa levantar dados e informações por meio de fontes produzidas pelo próprio pesquisador ou não. No caso deste estudo, os documentos se constituem de fichas arquivadas na Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (ProGeP) 2 e no DeAMO, que trazem informações sobre o afastamento dos servidores, e de documentos publicados pelo SIASS. Os dados organizados foram analisados de forma quali-quantitativa. Foram quantificadas algumas características das ocorrências de afastamento, de acordo com o objetivo da pesquisa, e foram analisados através de estudos sobre saúde/doença e trabalho e das novas políticas do Estado que tratam do tema, especificamente os documentos relativos ao SIASS. Com base nesses resultados estabeleceram-se as categorias de análise. Como aponta Minayo (2004): é o próprio caráter do objeto de estudo que indica o caminho a ser seguido na pesquisa. Esse objeto que é sujeito se recusa peremptoriamente a se revelar apenas nos números ou a se igualar com sua própria aparência. Desta forma coloca ao estudioso o dilema de contentar-se com a problematização do produto humano objetivado ou ir a busca, também, dos significados da ação humana que constrói a história (p.36). 2 Antes denominada Secretaria Geral de Recursos Humanos. 13

15 Analisar os dados referentes aos prontuários dos servidores exigiu a observação de uma série de questões éticas e legais, dentre as quais o sigilo dos nomes das pessoas. Isso implicou em um significativo tempo de negociação com os setores da UFSCar, responsáveis por essas informações, onde, a saída encontrada, foi o fornecimento dos dados sem a identificação das pessoas. Com os dados em mãos, precisamos fazer uma compilação para buscar várias informações tais como idade, sexo, faixa etária, categoria e identificação dos acometimentos à saúde, já que, nos dados trabalhados as mesmas estavam codificadas pelo número do CID (Código Internacional de Doenças). Após o levantamento de todas essas informações, começamos a transformálas em gráficos e tabelas para melhor demonstrá-las. Isso demandou um tempo razoável já que a quantidade de informações a serem apresentadas era bastante alta. 14

16 2 Referencial Teórico 2.1 Breve histórico da relação Trabalho e Saúde Neste capítulo, apresenta-se um breve histórico relativo à saúde do trabalhador, como este tema foi ocupando diferentes espaços e adquirindo importância no mundo do trabalho. Minayo-Gomez e Thedin-Costa (1997) analisam a relação trabalho e saúde desde a antiguidade até os dias atuais, destacando que só recentemente o tema passou a ocupar o centro das discussões sobre relações de produção. A relação entre o trabalho e a saúde/doença - constatada desde a Antigüidade e exacerbada a partir da Revolução Industrial - nem sempre se constituiu em foco de atenção. Afinal, no trabalho escravo ou no regime servil, inexistia a preocupação em preservar a saúde dos que eram submetidos ao trabalho, interpretado como castigo ou estigma: o "tripalium", instrumento de tortura. O trabalhador, o escravo, o servo foram peças de engrenagens "naturais", pertences à terra, assemelhados a animais e ferramentas, sem história, sem progresso, sem perspectivas, sem esperança terrestre, até que, consumidos seus corpos, pudessem voar livres pelos ares ou pelos céus da metafísica (p.22). Mendes e Dias (1991, p.2) apresentam uma revisão relativa à medicina do trabalho, indicando que esta surge na Inglaterra, na primeira metade do século XIX, com a Revolução Industrial. Naquele momento, o consumo da força de trabalho, resultante da submissão dos trabalhadores a um processo acelerado e desumano de produção, exigiu uma intervenção, sob pena de tornar inviável a sobrevivência e reprodução do próprio processo. Segundos esses autores, em 1830 iniciou-se as primeiras contratações de Médico do Trabalho, dando origem, então, à figura desse profissional no seio da indústria para fazer o trabalho de acompanhamento das atividades dos operários e das conseqüentes seqüelas que esse trabalho desenvolvido provocava nos mesmos. Esse profissional deveria gozar da total confiança do empregador para a realização dessa investigação. Ainda, ficaria a cargo do médico do trabalho a prevenção dos riscos e a responsabilidade pelos possíveis danos à saúde dos trabalhadores. Esta situação estava carregada de subjetividade, pois o médico estava lá para cuidar dessa 15

17 questão, mas a busca da isenção de responsabilidades por parte do empregador era a tônica evidente (Mendes e Dias, 1991). Assim, podemos constatar que as questões que envolvem a relação trabalho e saúde sempre foram relegadas ao segundo plano na história, particularmente, após o advento da Revolução Industrial. Com o advento da Revolução Industrial, o trabalhador "livre" para vender sua força de trabalho tornou-se presa da máquina, de seus ritmos, dos ditames da produção que atendiam à necessidade de acumulação rápida de capital e de máximo aproveitamento dos equipamentos, antes de se tornarem obsoletos. As jornadas extenuantes, em ambientes extremamente desfavoráveis à saúde, às quais se submetiam também mulheres e crianças, eram freqüentemente incompatíveis com a vida. A aglomeração humana em espaços inadequados propiciava a acelerada proliferação de doenças infecto-contagiosas, ao mesmo tempo em que a periculosidade das máquinas era responsável por mutilações e mortes (MINAYO-GOMEZ e THENDIN-COSTA, 1997,p. 22). Para os autores, esse trabalhador, embora com uma característica de liberdade, pois saía do regime escravocrata, tornou-se refém desse mesmo mecanismo que passa a aprisioná-lo não só na máquina que opera, mas no tempo que tem que dispor para dar conta da produção dos bens necessários à sua sobrevivência, na forma de salário. Esses fatores, combinados com o ambiente de trabalho, em sua maioria, mal dimensionado, com elevadas temperaturas, ambientes insalubres, dentre outros problemas, faz com que os trabalhadores sejam acometidos por várias doenças infecto-contagiosas e, o que é mais grave, tornam-se vítimas de mutilações e mortes relacionadas ao mundo do trabalho. Ainda, conforme Minayo-Gomez e Thendin-Costa (1997), essas condições provocam a necessidade de intervenção de normas e legislações, tendo como seu ponto culminante a presença do médico no interior das unidades fabris. Essa situação, no entanto, apresenta uma contradição bastante interessante pois, ao mesmo tempo em que esse profissional estava ali para a detecção dos problemas de saúde que aqueles trabalhadores contraíam, era um representante direto do patrão buscando intervir para que o trabalhador retornasse o mais breve possível ou nem se afastasse de suas atividades à linha de produção, num momento em que a força de trabalho era fundamental à industrialização emergente. 16

18 Mendes e Dias (1991) apontam que, com o advento da 2ª. Grande Guerra Mundial e do período pós-guerra, os custos provocados pelas perdas abruptas de vidas, combinados com a necessidade imperiosa de arregimentação de mão de obra, começaram a ser sentidos pelos empregadores e pelas companhias de seguro que passaram a ter que despender, relativamente, muitos recursos para o pagamento de pesadas indenizações por acidentes provocados pelo trabalho. Outro ponto destacado pelos autores é que a tecnologia passa também a incidir diretamente no desenvolvimento de novos processos industriais, junto com o uso dos mais variados e inovadores produtos químicos, fazendo com que a Medicina do Trabalho enfrentasse uma de suas mais árduas tarefas: responder à altura pelo descontrole e pela prevenção do crescente número de acidentes que esse novo modelo apresentava. Os autores apontam, ainda, que, em 1959, as experiências relativas à saúde do trabalhador nos países industrializados deram sustentação à Recomendação 112, aprovado pela Conferência Internacional do Trabalho 3. Esse Instrumento Normativo, de abrangência internacional, passou a servir como referencial e paradigma para o estabelecimento de normas legais, tais como as atuais normas brasileiras. De acordo com a Recomendação 112: a expressão 'serviço de medicina do trabalho' designa um serviço organizado nos locais de trabalho ou em suas imediações, destinado a: assegurar a proteção dos trabalhadores contra todo o risco que prejudique a sua saúde e que possa resultar de seu trabalho ou das condições em que este se efetue; contribuir à adaptação física e mental dos trabalhadores, em particular pela adequação do trabalho e pela sua colocação em lugares de trabalho correspondentes às suas aptidões; contribuir para o estabelecimento e manutenção do nível mais elevado possível do bem-estar físico e mental dos trabalhadores (MENDES; DIAS, 1991, p. 3). Faz-se necessário registrar que os trabalhadores, através de suas organizações por local de trabalho e de suas entidades de classe, também se rebelavam com relação a essa ordem de coisas e forçaram o patronato a ter que despender uma maior atenção aos mecanismos de prevenção dos acidentes e 3 A Conferência Internacional do Trabalho funciona como uma assembléia geral da Organização Internacional do Trabalho. Para maiores informações, consulte o site: 17

19 investimentos em instrumentais de segurança no trabalho. Isso leva a medicina do trabalho a ter grande destaque entre as grandes empresas dos países industrializados. A figura do Médico do Trabalho, presente até hoje na organização da planta de trabalho das empresas, buscava, prioritariamente, detectar as causas das doenças e de acidentes de trabalho, como apontam Minayo-Gomez e Thedin-Costa (1997): Assim, a Medicina do Trabalho, centrada na figura do médico, orienta-se pela teoria da unicausalidade, ou seja, para cada doença, um agente etiológico. Transplantada para o âmbito do trabalho, vai refletir-se na propensão a isolar riscos específicos e, dessa forma, atuar sobre suas consequências, medicalizando em função de sintomas e sinais ou, quando muito, associando-os a uma doença legalmente reconhecida (p.23). Para esses autores, as doenças adquiridas no processo laboral são dificilmente detectadas e, quando o são, na imensa maioria das vezes, já estão em estágio adiantado, até porque, em sua fase inicial são muitos, ou totalmente semelhantes às patologias mais comuns. Então, os agentes nocivos à saúde são assimilados como naturais pelos objetos e meios de trabalho, desconsiderando-se os motivos que os originam. Acentuam-se, desse modo, os limites da Medicina do Trabalho uma vez que, sua intervenção restringe-se a fatores pontuais acerca dos riscos mais evidentes. Enfatiza-se a utilização de equipamentos de proteção individual, em detrimento dos que poderiam significar a proteção coletiva; normatizam-se normas de trabalhar consideradas seguras, o que, em determinadas circunstâncias, conforma apenas um quadro de prevenção simbólica. Assumida essa perspectiva, são imputados aos trabalhadores os ônus por acidentes e doenças, concebidos como decorrentes da ignorância e da negligência, caracterizando uma dupla penalização (MINAYO-GOMEZ; THEDIN-COSTA, 1997, p. 23). Com o desenvolvimento de estudos e da pressão das organizações trabalhistas, formas mais amplas de análise dos problemas relativos à saúde do trabalhador foram adotadas. Nesta perspectiva, a Saúde Ocupacional passa a lidar com as questões da saúde do trabalhador, tendo um enfoque mais abrangente, com base em diversos fatores relacionados ao ambiente de trabalho, incorporando a 18

20 teoria da multicausalidade, onde um conjunto de fatores de risco é considerado na produção. Segundo Mendes e Dias (1991), no Brasil, a adoção e o desenvolvimento da Saúde Ocupacional deram-se tardiamente: Na legislação, expressou-se na regulamentação do Capítulo V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), reformada na década de 70, principalmente nas normas relativas à obrigatoriedade de equipes técnicas multidisciplinares nos locais de trabalho (atual Norma Regulamentadora nº 4 da Portaria 3214/78); na avaliação quantitativa de riscos ambientais e adoção de "limites de tolerância" (Normas Regulamentadoras 7 e 15), entre outras. Apesar das mudanças estabelecidas na legislação trabalhista, foram mantidas na legislação previdenciário-acidentária as características básicas de uma prática medicalizada, de cunho individual e voltado exclusivamente para os trabalhadores engajados no setor formal de trabalho (MENDES e DIAS, 1991, p. 4). O Modelo de Saúde Ocupacional, desenvolvido a partir da premissa de atender a uma necessidade da Produção, não obteve sucesso. Os autores apontam ainda os principais fatores relativos a essa questão: O modelo mantém o referencial da medicina do trabalho firmado no mecanicismo; não concretiza o apelo à interdisciplinaridade: as atividades apenas se justapõem de maneira desarticulada e são dificultadas pelas lutas corporativas; a capacitação de recursos humanos, a produção de conhecimento e de tecnologia de intervenção não acompanham o ritmo da transformação dos processos de trabalho; o modelo, apesar de enfocar a questão no coletivo de trabalhadores, continua a abordá-los como "objeto" das ações de saúde; a manutenção da saúde ocupacional no âmbito do trabalho, em detrimento do setor saúde (MENDES e DIAS, 1991, p. 4). As mudanças necessárias para melhorar as condições e os ambientes de trabalho são grandes e demoradas. Os movimentos sociais e dos trabalhadores contribuem muito para que as mudanças nas políticas sociais que envolvem saúde e segurança se concretizem. Com a participação ativa dos trabalhadores, as críticas aos programas de assistência tornam-se mais contundentes, questionando a prática da medicina do trabalho nas empresas com o objetivo de criar melhores condições de saúde. No Brasil, esta situação é agravada pela incapacidade do Estado em intervir no espaço do trabalho, indo ao encontro de interesses patronais. Minayo- 19

21 Gomez e Thedin-Costa (1997) apontam que a deficiência de formação de Recursos Humanos na área e a generalizada insatisfação profissional geram na rede pública de saúde dificuldades de avaliar e controlar as causas de doenças e acidentes. Os trabalhadores, muitas vezes, evitam apontar os sintomas de doenças com medo de perder o emprego, protelando o tratamento, levando para casa e seus espaços privados tais problemas. Esse tipo de atitude, segundo os mesmos autores, inibe reivindicações de ações mais incisivas aos responsáveis pela garantia da Saúde no Trabalho. As doenças profissionais têm como característica comum, segundo Mendes (1998), a não ocorrência na população geral, sendo gerada por uma condição de trabalho e/ou processos de produção. São doenças evitáveis em locais de trabalho que zelam pela integridade física e psíquica dos trabalhadores. O autor afirma, ainda, que, no Brasil, os registros indicam uma baixa incidência de doenças profissionais, mas, há evidências de falhas nos registros e nos diagnósticos. Atualmente, a Saúde do Trabalhador no Brasil compreende: Um corpo de práticas teóricas, interdisciplinares éticas, sociais, humanas e interinstitucionais, desenvolvidas por diversos atores situados em lugares sociais distintos e informados por uma perspectiva comum (...) configura-se um novo paradigma que, com a incorporação de alguns referenciais das Ciências Sociais particularmente do pensamento marxista amplia a visão da Medicina do Trabalho e da Saúde Ocupacional (MINAYO-GOMEZ e THEDIN-COSTA, 1997, p. 25). Os autores discutem a Saúde do Trabalhador, enquanto campo de conhecimento, como uma construção que combina interesses divergentes em um determinado momento histórico, estando presentes as contradições que marcam as relações entre capital e trabalho, buscando superar as concepções tecnicistas que marcaram essa área de conhecimento. Não se trata de apenas obter adicional de insalubridade ou periculosidade (monetarizar riscos), de instalar equipamentos de proteção, de diagnosticar nexos causais entre o trabalho e a saúde com vistas a obter benefícios da Previdência Social, embora tais procedimentos possam representar etapas de uma luta maior que é chegar às raízes causadoras dos agravos, à mudança tecnológica ou organizativa que preside os processos de trabalho instaurados (MINAYO-GOMEZ e THEDIN-COSTA, 1997, p.25). 20

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

Política de Atenção à Saúde do Servidor

Política de Atenção à Saúde do Servidor MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Secretaria de Recursos Humanos Política de Atenção à Saúde do Servidor um projeto em construção coletiva Campina Grande, junho de 2009 Administração Pública Federal Recuperação

Leia mais

A política de atenção à saúde, previdência e benefícios do servidor público

A política de atenção à saúde, previdência e benefícios do servidor público A política de atenção à saúde, previdência e benefícios do servidor público 1. POLÍTICA E ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR A ausência de uma política nacional de saúde do servidor, articulada em nível central,

Leia mais

Um Projeto em Construção Coletiva

Um Projeto em Construção Coletiva POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL Um Projeto em Construção Coletiva Brasília, outubro de 2008 1 O CONTEXTO O Poder Executivo Federal possui 529.003 servidores civis ativos 1, distribuídos

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

A Odontologia na Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal

A Odontologia na Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal A Odontologia na Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal 1 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Departamento de Políticas de Saúde, Previdência e Benefícios

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR EM PERÍCIA

SERVIÇO SOCIAL E A ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR EM PERÍCIA SERVIÇO SOCIAL E A ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR EM PERÍCIA Ana Paula Balthazar dos Santos Bruna Veiga de Moraes Lucia Goretti Gobatto Junkes Denise Espindola Lucas Bittencourt de Souza Nayanna Zacchi Sabrina

Leia mais

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Deveres dos médicos com relação à saúde do trabalhador Versa sobre normas específicas para médicos que atendam o trabalhador Fonte: Diário Oficial da

Leia mais

PROGEP PRÓ REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL

PROGEP PRÓ REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL PROGEP PRÓ REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL MISSÃO Atuar como agente de mudança desenvolvendo políticas de gestão de pessoas que contribuam para o alcance dos objetivos institucionais. Planejar

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

* +, -./ + - 0-1 2 - * 3 0 -

* +, -./ + - 0-1 2 - * 3 0 - * +, -./ + - 0-1 2 - * 3 0 - #$ % $ % & ' ( ) $ % & 1 Desafio 11: IMPLEMENTAR NOVAS TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REFERENTES À ÁREA DE PESSOAL QUE POSSIBILITEM A DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.488/1998 (Publicada no D.O.U.,de 06 março 1998, Seção I, pg.150 ) Modificada pela Resolução CFM n. 1.810/2006 Modificada pela Resolução CFM nº 1.940/2010

Leia mais

Política de Atenção à Saúde do Servidor

Política de Atenção à Saúde do Servidor MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Secretaria de Recursos Humanos Política de Atenção à Saúde do Servidor um projeto em construçã ção o coletiva Após 2003 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INICIATIVAS INSTITUCIONAIS

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF.Nº 206 DOU 24/10/12 seção 1 p.111 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA PORTARIA NORMATIVA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº 6, DE 23 DE OUTUBRO DE 2012

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº 6, DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº 6, DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

- Mesa Redonda: Qualidade de Vida no Trabalho - Pelotas/RS, 26 de novembro de 2014.

- Mesa Redonda: Qualidade de Vida no Trabalho - Pelotas/RS, 26 de novembro de 2014. - Mesa Redonda: Qualidade de Vida no Trabalho - Pelotas/RS, 26 de novembro de 2014. - Mesa Redonda Qualidade de Vida no Trabalho - Carlos Cezar Soares Batista Coordenação-Geral de Atenção à Saúde e à Segurança

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Manoel Messias Melo Secretário Nacional de Saúde do Trabalhador CUT Brasil 1 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho Projeto Pedagógico Campo Limpo Paulista 2014 FACCAMP

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

GELISE BARROS TEIXEIRA HENRIQUE CISNE TOMAZ

GELISE BARROS TEIXEIRA HENRIQUE CISNE TOMAZ CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde IMPLANTAÇÃO DO SUBSISTEMA INTEGRADO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR NO MINISTÉRIO DA SAÚDE, TERESINA/PÍ GELISE BARROS

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Subsistema Integrado de. Atenção à Saúde do Servidor

Subsistema Integrado de. Atenção à Saúde do Servidor Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL: uma construção coletiva. I - CONTEXTO EM TRANSFORMAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 18/ 02 /2008 17 / 02/2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Vitual Machine CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200 Grau

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR

A POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR http:///br/resenhas.asp?ed=4&cod_artigo=73 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e odontológica através da UNIDADE SIASS/INSS, de que trata

Leia mais

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG MAYER, Maria Fernanda (estagio I), e-mail: mariaf@onda.com.br NADAL, Isabela Martins (supervisora

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Profª Drª Marina Peduzzi Escola de Enfermagem da USP

Profª Drª Marina Peduzzi Escola de Enfermagem da USP Fórum Nacional de Educação das Profissões da Área da saúde - Fenepas Integrando ensino e serviços: a formação para o trabalho em equipe no ensino de graduação das profissões da área da saúde Profª Drª

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT O desenvolvimento do Vale do Ribeira: Dando continuidade aos trabalhos já realizados pelo Núcleo de Assessoria Técnica Psicossocial NAT e, em atendimento

Leia mais

Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba

Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba Autores Litza Márcia da Cunha Porto Sandra Magelli Moreira Silva Coelba- Companhia de Eletricidade do Estado

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

Caderno sobre Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho

Caderno sobre Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho Caderno sobre Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho Apresentação Houve um tempo em que o dinheiro e o trabalho humano viviam em luta. Sem acordo, esses importantes polos do desenvolvimento não negociavam

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

XIV Simpósio, XIII Encontro Jurídico de Direito e. III Mostra de Pesquisa em Direito de Lagoa Vermelha. Questionamentos posteriores a palestra:

XIV Simpósio, XIII Encontro Jurídico de Direito e. III Mostra de Pesquisa em Direito de Lagoa Vermelha. Questionamentos posteriores a palestra: XIV Simpósio, XIII Encontro Jurídico de Direito e III Mostra de Pesquisa em Direito de Lagoa Vermelha. Questionamentos posteriores a palestra: Gestão da Saúde e Segurança dos Trabalhadores. Boa tarde!

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais