ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ)"

Transcrição

1 ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) 1 Isabella Cabral SANTANA, 2 Lettícia Moreira dos Santos SANTANA; 3 Samara Grigório POLICARPO; 4 Maria Danielle Passos Ribeiro Campos BARBOSA; 5 Magda QUEIROZ 1 Bolsista de Iniciação Científica do SETEC/CTUR; 2 Bolsista de Iniciação Científica do SETEC/CTUR; 3 Bolsista de Iniciação Científica do SETEC/CTUR; 4 Orientadora - CTUR/UFRRJ; 5 Co-orientadora - CTUR/UFRRJ Introdução A Organização Mundial do Turismo (OMT), na Declaração de Manila de 1980 associa pela primeira vez turismo e acessibilidade. Neste documento o turismo é apresentado como um direito fundamental e necessário para o desenvolvimento humano. Para Brasil (2006) a acessibilidade é condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida. O Ministério do Turismo, em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade), iniciou a veiculação de uma campanha em prol de um turismo mais acessível no Brasil. Denominada Turismo Acessível Um Brasil onde todos podem viajar, a campanha apresenta dificuldades vividas por pessoas com deficiência em atividades relacionadas ao setor turístico. Com o permanente objetivo de promover a acessibilidade da oferta turística, as cidades têm desenvolvido ações que buscam tornar o turismo acessível para todos. Oferecer as melhores condições de acessibilidade aos seus produtos e serviços é um dos desafios a serem superados pelo setor turístico. Os portadores de deficiência física devem, ou deveriam obter acesso fácil a todas as áreas, pois é extremamente frustrante para eles quando a locomoção pelas áreas comuns do hotel é de difícil acesso ou até mesmo intransponível (GOULART, 2007). A promoção da acessibilidade constitui uma condição essencial para a dignidade social e à igualdade de oportunidades no acesso aos serviços turísticos.

2 Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a acessibilidade aos meios de hospedagem de Seropédica (RJ), destacar iniciativas nacionais e internacionais de acessibilidade aos espaços turísticos. Material e métodos O estudo foi desenvolvido ao longo das seguintes fases: 1) levantamento de elementos que logrem aprofundar o conceito de acessibilidade; 2) levantamento de iniciativas nacionais e internacionais de acessibilidade aos espaços turísticos, 3) elaboração do instrumento de consulta, 4) aplicação do instrumento de consulta, ainda que em caráter empírico, nos meios de hospedagem de Seropédica para identificar as principais iniciativas em matéria de acessibilidade. A metodologia utilizada é a pesquisa qualitativa, sendo desenvolvido o estudo em empreendimentos hoteleiros de Seropédica. Como instrumento foi utilizado a entrevista semiestruturada e a pesquisa documental. A análise dos dados foi realizada através da transcrição das entrevistas realizadas com os gestores dos empreendimentos hoteleiros. Através da pesquisa pode-se apurar o entendimento que os entrevistados possuem dos conceitos investigados, apurando se estes condizem ou não com a realidade encontrada. Resultados e discussão Os dados recolhidos nos questionários foram analisados estatisticamente, recorrendo ao programa Microsoft Excel. No que diz respeito à aplicação do referencial para que o estabelecimento hoteleiro proporcione idêntica qualidade de serviço a todos os clientes, foi proferida a análise a seguir apresentada para cada uma das quatro perguntas. Considera seu meio de hospedagem acessivo às pessoas com deficiência física? Para 60% dos entrevistados o seu meio de hospedagem não é acessivo às pessoas com deficiência física. Os demais consideram seu meio de hospedagem acessivo às pessoas com deficiência física (Figura 1).

3 Figura 1. Avaliação da acessibilidade das pessoas com deficiência física aos meios de hospedagem de Seropédica (RJ) Como você avalia o acesso ao meio de hospedagem? O acesso ao meio de hospedagem foi avaliado por 60% dos entrevistados como um acesso regular, 20% como de difícil acesso e 20% como de bom acesso (Figura 2). Figura 2. Avaliação sobre o acesso aos meios de hospedagem de Seropédica (RJ) Como você avalia a acessibilidade em relação ao estacionamento? O acesso ao estacionamento foi avaliado por 20% dos entrevistados como bom, 40% como ótimo e 40% dos entrevistados avaliam o nível de acessibilidade em relação ao estacionamento do meio de hospedagem como baixo (Figura 3). Figura 3. Avaliação da acessibilidade das pessoas com deficiência física ao estacionamento dos meios de hospedagem de Seropédica (RJ)

4 O estacionamento oferece espaço para a abertura total da porta do veículo e o piso regular e plano? Segundo 80% dos consultados os meios de hospedagem oferecem espaço para a abertura total da porta do veículo e o piso é regular e plano, para os demais não existem estacionamentos com espaço para a abertura total da porta do veículo e com piso regular e plano (Figura 4). Figura 4. Avaliação da estrutura física do estacionamento dos meios de hospedagem de Seropédica (RJ) Conclusões O termo acessível implica tanto a acessibilidade física como a acessibilidade de comunicação, sendo o espaço, edificação, imobiliário, equipamento urbano, ou elemento que possa ser alcançado, acionado, utilizado, e vivenciado por qualquer pessoa (ABNT, 2004). A acessibilidade aos serviços turísticos envolve a oferta de transporte adaptado, a oferta de hospedagem inclusiva e o desenvolvimento de atividades de lazer que possam ser executadas com autonomia total ou assistida e com segurança. O setor turismo necessita democratizar o acesso aos seus produtos turísticos e saber se comunicar com este público, conhecer suas necessidades para promover a adaptação das instalações físicas a suas necessidades. O Município de Seropédica precisa desenvolver ações para estruturar, ampliar e qualificar a oferta turística para o atendimento adequado de pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida, pois em grande parte dos meios de hospedagem não existem condições de acessibilidade condizentes, assim como, em edificações públicas, praças, e demais espaços.

5 As principais iniciativas desenvolvidas pelos meios de hospedagem de Seropédica (RJ) são iniciativas para o público com mobilidade reduzida e quase nada foi observado como iniciativa para beneficiar cegos, surdos ou mudos. Referências ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificações, mobiliário, espaços e equipamento urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, ABNT NBR 9050:2004. BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo e acessibilidade: manual de orientações. 2. ed. Brasília: GOULART, R. As viagens e o turismo pelas lentes do deficiente físico praticante do esporte adaptado: um estudo de caso f. Dissertação (Mestrado em Turismo) Curso de Pós-graduação em Turismo, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, OMT (Organização Mundial do Turismo). Declaración de Manila sobre el turismo mundial. Manila: OMT, 1980.

Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web. Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br

Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web. Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br Constituição Federal de 1988 Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Centro de Tecnologia e Sociedade

Centro de Tecnologia e Sociedade Centro de Tecnologia e Sociedade Legislação e Acessibilidade na Web Bruna Castanheira de Freitas bruna.freitas@fgv.br twitter.com/brucastanheiraf Análises Das políticas sobre acessibilidade no cenário

Leia mais

Palavras-chave: Acessibilidade. Deficiência Auditiva. Surdez. LIBRAS. Língua Brasileira de Sinais. Saúde.

Palavras-chave: Acessibilidade. Deficiência Auditiva. Surdez. LIBRAS. Língua Brasileira de Sinais. Saúde. CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE PARA INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM SERVIÇOS PARTICULARES DE SAÚDE DO ESTADO DO AMAPÁ. Aline Silva Ramos¹ Alexander Viana de Almeida Santos² Bruna Catriele Façanha Almeida²

Leia mais

Edição 2015/2016. Justificativa. Finalidade e Relevância

Edição 2015/2016. Justificativa. Finalidade e Relevância PROGRAMA UNIFICADO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO Edição 2015/2016 Justificativa Finalidade e Relevância Por um lado, a parceria já consolidada com a iniciativa privada e o poder público

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB Maria Abílio Fragoso (1); Jaqueline de Souza (1); Idairis Andrade dos Santos(2); Caio César Alves de

Leia mais

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS 1. Introdução Anderson Luís Furlan Este resumo objetiva apresentar de forma sucinta o que é, deficiência, dando enfoque a deficiência

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

Estudo do Perfil do Turista de Eventos Ano 2016

Estudo do Perfil do Turista de Eventos Ano 2016 Estudo do Perfil do Turista de Eventos Ano 2016 Agradecimento O Estudo do Perfil do Turista de Eventos de Gramado e Canela é resultado da parceria de diversas instituições públicas que entenderam a importância

Leia mais

1. TEMA DA PESQUISA 2. OBJETIVOS DA PESQUISA 1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA DA PESQUISA

1. TEMA DA PESQUISA 2. OBJETIVOS DA PESQUISA 1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA DA PESQUISA 3 1. TEMA DA PESQUISA O tema da pesquisa é Acessibilidade no Transporte Urbano, das Leis a Inclusão Social. A palavra acessível vem do latim accessibile e é um adjetivo que significa a que se pode chegar,

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL

ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL Mileide Cristina Stoco de Oliveira Magda Campos Curcino Eliane Ferrari Chagas

Leia mais

PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL

PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 Resultados Finais São Paulo, Julho de 2014 METODOLOGIA Objetivos: Investigar a imagem do Brasil junto aos profissionais de imprensa durante

Leia mais

Rita Bersch 2014 Assistiva Tecnologia e Educação

Rita Bersch 2014 Assistiva Tecnologia e Educação Tecnologia Assistiva ou Tecnologia de Reabilitação? TA Construção conceitual CAT Novembro de 2006, o Comitê de Ajudas Técnicas (CAT), estabelecido pelo Decreto nº 5.296/2004. Portaria nº 142 Secretaria

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ANÁLISE DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UEMS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ANÁLISE DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UEMS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ANÁLISE DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UEMS Silvia da Silva Félix 1 ; Celi Correa Neres 2 Área Temática: Educação Especial Resumo O

Leia mais

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ Fábio Cosme Pandolfo 1 Tiago Cássio Pandolfo 2 Dorival L. dos Santos Junior 3 Gabriel Francisco Alves 4 Maria Conceição

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5.

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A QUALIDADE DOS ESPAÇOS DE CIRCULAÇÃO URBANA - CALÇADAS - LOCALIZADAS NO ENTORNO DOS EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS/SP Amanda Chiles Pereira Marcos Antonio

Leia mais

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - 2009-2010 AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES A CPA agradece sua participação no processo de Autoavaliação

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

Pesquisa sobre o Turismo de Verão

Pesquisa sobre o Turismo de Verão Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa sobre o Turismo de Verão Um panorama sobre o turista que contribui para a movimentação da economia no período de verão na região da Grande Florianópolis

Leia mais

PROJETO DETRANSPORTE ACESSÍVEL ANDANDO MAIS.

PROJETO DETRANSPORTE ACESSÍVEL ANDANDO MAIS. PROJETO DETRANSPORTE ACESSÍVEL ANDANDO MAIS 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 Da Entidade Social Nome: Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Jaboticabal Endereço: Rua Ana Ramos de Carvalho, 69 Bairro: Nova

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS Mônica Barreto de Lima 1 ; Thaise Maria Tobal 2 UFGD/FCS Dourados MS, E-mail: monika.barreto@hotmail.com 1 Bolsista

Leia mais

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL 16 TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

REUNIÃO ÓRGÃOS SOCIAIS 1 DE DEZEMBRO DE 2013

REUNIÃO ÓRGÃOS SOCIAIS 1 DE DEZEMBRO DE 2013 REUNIÃO ÓRGÃOS SOCIAIS 1 DE DEZEMBRO DE 2013 1 AGENDA 1. DEFINIÇÃO SAÚDE, TURISMO DE SAÚDE E BEM-ESTAR E DOS SEUS SECTORES 2. MISSÃO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TURISMO DE SAÚDE E BEM-ESTAR CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA PARA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROPOSTA PARA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Unidade: Campus Santo Amaro Título da Proposta: O Código de Defesa do Consumidor (CDC) aplicado na hotelaria, agências de viagens e operadoras de turismo paulista nos anos de 2015 a 2016. Orientador (a):

Leia mais

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DE APOIO TURÍSTICO E DOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR: resultados finais

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DE APOIO TURÍSTICO E DOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR: resultados finais ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DE APOIO TURÍSTICO E DOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR: resultados finais Joélcio Gonçalves Soares (Estágio Curricular Obrigatório/UNICENTRO)

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013

IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013 IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORME Nº 01/2013 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Brasília, março de 2013 Comissão organizadora

Leia mais

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação TURISMO Conferências Visitas de Estudo O Turismo é o profissional que executa serviços de informação, animação e organização de eventos em empresas de turismo, de reservas em agências de viagens e de receção

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS

ANEXO I DO EDITAL DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 002/2013 - OFICINAS E PALESTRAS PARA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SERVIÇOS DE ACESSIBILIDADE O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Avaliação psicológica, fundamentos e processo

Avaliação psicológica, fundamentos e processo Avaliação psicológica, fundamentos e processo Ponto principal A centralidade dos aspectos éticos e de defesa dos Direitos Humanos; Devem subordinar todos os outros utilizados, inclusive, e principalmente,

Leia mais

A PESQUISA. Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq.

A PESQUISA. Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq. A PESQUISA Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq. A pesquisa Etapas da pesquisa científica Tipos de trabalhos científicos O projeto de pesquisa A PESQUISA Conceitos e definições Prof. M.Sc Janine Gomes

Leia mais

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

X CONFERÊNCIA DA RIICOTEC. Assunção, Paraguai

X CONFERÊNCIA DA RIICOTEC. Assunção, Paraguai Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República X CONFERÊNCIA DA RIICOTEC 22 a 24 Setembro 2010 Assunção, Paraguai DA NECESSIDADE AOS DIREITOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

Nota-se que o crescimento da categoria masculina no Brasil e no mundo de fato existe, porém ainda há um universo de oportunidades a ser explorado o

Nota-se que o crescimento da categoria masculina no Brasil e no mundo de fato existe, porém ainda há um universo de oportunidades a ser explorado o 1 Introdução Vaidade nunca foi uma prerrogativa feminina. Um dos temas dominantes na cultura ocidental (NETEMEYER et al., 1995), a preocupação do homem com bem-estar e beleza esteve sempre presente na

Leia mais

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE AUTORES: Renatha de Carvalho (renathacfisio@gmail.com), Andréa de Jesus Lopes (andrealopesfisio@gmail.com. CER II

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE AS PERDAS ERGONÔMICAS E AS SETE PERDAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO EM UMA USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL

AS RELAÇÕES ENTRE AS PERDAS ERGONÔMICAS E AS SETE PERDAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO EM UMA USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL AS RELAÇÕES ENTRE AS PERDAS ERGONÔMICAS E AS SETE PERDAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO EM UMA USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Suellen Szeremeta 1 ; Dra. Ana Regina de Aguiar Dutra (orientadora) 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL O Técnico de Turismo Ambiental e Rural é o profissional que participa na aplicação de medidas de valorização do turismo em espaço rural, executando

Leia mais

Miguel Dias. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC.

Miguel Dias. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC. Como elaborar um projeto de pesquisa para TCC. migdias@gmail.com www.migdias.weebly.com www.facebook.com/migueldias.pt Miguel Dias Bolsista PNPD/CAPES Universidade do Estado do Rio Grande do Norte O que

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 Apoio: Cooperação: SOBRE OS AUTORES Hugo Ferreira Braga Tadeu é Professor e Pesquisador da Fundação

Leia mais

2- Competências a Desenvolver

2- Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO 1º ANO - ANO LETIVO 2014/15 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: TURISMO-INFORMAÇÃO E ANIMAÇÃO TURÍSTICA Componente de Formação Técnica 1- Elenco

Leia mais

O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA

O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA HTTP://WWW.REVIDE.COM.BR/BLOG/SAMIRA-FONSECA/ BREVE HISTÓRICO CONSTITUCIONAL 1976 Constituição Brasileira expressamente

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

Tecnologia Assistiva: promoção da funcionalidade e independência da pessoa com deficiência intelectual

Tecnologia Assistiva: promoção da funcionalidade e independência da pessoa com deficiência intelectual Tecnologia Assistiva: promoção da funcionalidade e independência da pessoa com deficiência intelectual Daianne Serafim Martins Terapeuta Ocupacional - CREFITO 9510 Especialista em Educação Inclusiva Mestre

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

BARREIRAS ARQUITECTÓNICAS À ACESSIBILIDADE. SEMINÁRIO: Investigação em segurança e saúde ocupacionais presente e futuro E SAÚDE OCUPACIONAIS

BARREIRAS ARQUITECTÓNICAS À ACESSIBILIDADE. SEMINÁRIO: Investigação em segurança e saúde ocupacionais presente e futuro E SAÚDE OCUPACIONAIS E E SINÁRIO: DO TA BARREIRAS E E SINÁRIO: 1. Objectivo _ abordagem bibliográfica do tema, barreiras arquitectónicas à acessibilidade; _ evidenciar os ambientes arquitectónicos, espaço público, edifício

Leia mais

30 de Junho de Indústria de Artefatos de Concreto. Eng. Eduardo D Ávila ABCP RJ/ES

30 de Junho de Indústria de Artefatos de Concreto. Eng. Eduardo D Ávila ABCP RJ/ES 30 de Junho de 2011 Indústria de Artefatos de Concreto Eng. Eduardo D Ávila ABCP RJ/ES O que é a ABCP?... há 75 anos a ABCP foi fundada hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Educação Especial: Formação dos Professores na Cidade de Itaberaí Itaberaí-GO

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO Autores Terezinha Mônica Sinício Beltrão. Professora da Rede Pública Municipal de Ensino da Prefeitura do Recife e Professora Técnica da Gerência de Educação

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS ORIENTADA PARA O MAPEAMENTO DE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS: CONSTRUÇÃO DE UM MODELO

MODELAGEM DE PROCESSOS ORIENTADA PARA O MAPEAMENTO DE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS: CONSTRUÇÃO DE UM MODELO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Próreitoria de Assuntos Administrativos Projeto Mapeamento da Força de Trabalho da UFRRJ MODELAGEM DE PROCESSOS ORIENTADA PARA O MAPEAMENTO DE COMPETÊNCIAS

Leia mais

Governo do Estado do Pará Companhia Paraense de Turismo Secretaria de Estado de Turismo. Pesquisa de Demanda de Perfil da Melhor Idade 2012

Governo do Estado do Pará Companhia Paraense de Turismo Secretaria de Estado de Turismo. Pesquisa de Demanda de Perfil da Melhor Idade 2012 Governo do Estado do Pará Companhia Paraense de Turismo Secretaria de Estado de Turismo Pesquisa de Demanda de Perfil da Melhor Idade 2012 Belém-PA 2012 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira

Leia mais

RELATÓRIO DE QUALIFICAÇÃO

RELATÓRIO DE QUALIFICAÇÃO RELATÓRIO DE QUALIFICAÇÃO Conteúdo resumido Elementos pré-textuais Capa Folha de rosto Resumo da pesquisa com palavras chave Lista de quadros, gráficos, tabelas, abreviaturas e siglas (se houver) Sumário

Leia mais

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc PLANO DIRETOR DE ACESSIBILIDADE - PDAc DIRETRIZES DE TRABALHO DA SEACIS A Seacis participa de todos os Programas de Governo visando garantir acessibilidade e inclusão social das pessoas com deficiência,

Leia mais

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB E-mail: laudiceia.araujo@hotmail.com RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa

Leia mais

Turismode Saúde e Bem-Estar (avaliação do desempenho em 2011)

Turismode Saúde e Bem-Estar (avaliação do desempenho em 2011) Turismode Saúde e Bem-Estar (avaliação do desempenho em 2011) Ana Luisa Ladeiras administradora delegada janeiro de 2012 FICHA TÉCNICA Estudo realizado com o objetivo de fazer uma avaliação do desempenho

Leia mais

ITINERÁRIOS TURÍSTICOS ACESSÍVEIS DE PORTUGAL

ITINERÁRIOS TURÍSTICOS ACESSÍVEIS DE PORTUGAL ITINERÁRIOS TURÍSTICOS ACESSÍVEIS DE PORTUGAL A acessibilidade é um elemento central de qualquer política de turismo responsável e sustentável. Constitui simultaneamente um imperativo dos direitos humanos

Leia mais

RECONHECENDO AS PRINCIPAIS CARACTERISTICAS DA AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO

RECONHECENDO AS PRINCIPAIS CARACTERISTICAS DA AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO RECONHECENDO AS PRINCIPAIS CARACTERISTICAS DA AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO Patrícia dos Santos Zwetsch- Apresentadora (UFSM) Rosane Carneiro Sarturi- Orientadora (UFSM) INTRODUÇÃO Este trabalho

Leia mais

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social A publicação Orientações para Conselheiros de Saúde foi desenvolvida pelo Tribunal de Contas da União para fortalecer o controle

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

O Direito da Acessibilidade e comunicação dos surdos. Neivaldo Zovico Diretor Regional da Feneis/SP

O Direito da Acessibilidade e comunicação dos surdos. Neivaldo Zovico Diretor Regional da Feneis/SP O Direito da Acessibilidade e comunicação dos surdos Neivaldo Zovico Diretor Regional da Feneis/SP Filosofo Sócrates diz : Se não tivéssemos voz nem língua, mas apesar disso desejássemos manifestar coisas

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O PROGRAMA ESCOLA ACESSÍVEL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O PROGRAMA ESCOLA ACESSÍVEL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O PROGRAMA ESCOLA ACESSÍVEL Ingrid da Silva Ricomini Universidade de São Paulo Eixo Temático: Política educacional inclusiva Palavras chave: Financiamento da educação;

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Playgrounds. Indexadores: Playground; Equipamento para crianças. São Paulo, 18 de Agosto 2015.

DOSSIÊ TÉCNICO. Playgrounds. Indexadores: Playground; Equipamento para crianças. São Paulo, 18 de Agosto 2015. DOSSIÊ TÉCNICO Playgrounds Indexadores: Playground; Equipamento para crianças São Paulo, 18 de Agosto 2015. 1. RESULTADO FORNECIDO 1.1. Pesquisa e/ou levantamentos para indicação de Normas ABNT NBR 16071-1:2012

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DA REESTRUTURAÇÃO DAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DA REESTRUTURAÇÃO DAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DA REESTRUTURAÇÃO DAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Tânia Gonçalves Martins 1 Sergio Vasconcelos de Luna 2 Rua Jacuí, 40; bl.09, apto. 402 - Floresta.

Leia mais

O DESENHO UNIVERSAL E A ACESSIBILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DA AMAZÔNIA PARAENSE

O DESENHO UNIVERSAL E A ACESSIBILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DA AMAZÔNIA PARAENSE O DESENHO UNIVERSAL E A ACESSIBILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DA AMAZÔNIA PARAENSE Ronielson Santos das Mercês - UEPA 1 Priscilla Negrão Perdigão- FIBRA 2 Anderson Madson Oliveira

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE ACESSO A CADEIRANTES NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ELEVADORES FOCA

MANUAL DE OPERAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE ACESSO A CADEIRANTES NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ELEVADORES FOCA ACESSIBILIDADE MANUAL DE OPERAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE ACESSO A CADEIRANTES NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ELEVADORES FOCA Sejam bem-vindos! AB Introdução 3 Elevador FOCA Automático 4 Elevador FOCA Semi-automático

Leia mais

Como acontece a inclusão das pessoas com deficiência nos projetos de extensão em praticas aquáticas na FEF/UFG.

Como acontece a inclusão das pessoas com deficiência nos projetos de extensão em praticas aquáticas na FEF/UFG. Como acontece a inclusão das pessoas com deficiência nos projetos de extensão em praticas aquáticas na FEF/UFG. Cunha, Maycon Vasconcelos 1 ; Lima, Amanda Fonseca de 2 ; Nascimento, Oromar Augusto dos

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO [DREER] A tem por missão assegurar a inclusão familiar, educacional e social de crianças, jovens e adultos com deficiência ou outras necessidades especiais.

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Eu quero. Acessibilidade. Brasília, fevereiro de 2014

Eu quero. Acessibilidade. Brasília, fevereiro de 2014 Eu quero 1 2 Eu quero Acessibilidade Brasília, fevereiro de 2014 3 Índice Apresentação - 5 Conceito - 6 A quem abrange - 7 Proteção Legal - 8 Acessibilidade Arquitetônica Edifícios - 9 Acessibilidade no

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA Franciele Martins Marqueze Gabriel Henrique de Oliveira

Leia mais

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015 Indicadores de Qualidade da Educação Superior Brasília-DF Agosto 2015 Sobre o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES MARCOS LEGAIS da AVALIAÇÃO da EDUCAÇÃO SUPERIOR Constituição Federal

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

Caminho do Ouro ANO DE 2004 PIRENÓPOLIS SEMANA SANTA

Caminho do Ouro ANO DE 2004 PIRENÓPOLIS SEMANA SANTA Caminho do Ouro ANO DE 2004 PIRENÓPOLIS SEMANA SANTA Objetivo Conhecer os visitantes que frequentaram Pirenópolis durante a Semana Santa de 2004, com vistas à identificação do perfil, motivação e percepção.

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS INTRODUÇÃO SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Thialy Thaís da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) thialy_thais@hotmail.com As Salas de Recursos Multifuncionais (SRMF) foram instituídas pelo Programa

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES 2015/1

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES 2015/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES 2015/1 Em resposta ao Of. Circular Nº 170/2014, da Secretaria de

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA. Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA. Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional Valores Institucionais LEMA LIBERATO: uma escolha, um caminho, um futuro.

Leia mais

DISCIPLINAS/ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS/ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 374/2010 EMENTA: Estabelece o Ajuste Curricular do Curso de Graduação em Turismo, aprovado pela Resolução 226/2007 e alterada

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Gestão de Projetos Mestrado UFRGS. Istefani Carísio de Paula

Gestão de Projetos Mestrado UFRGS. Istefani Carísio de Paula Gestão de Projetos Mestrado UFRGS Istefani Carísio de Paula Programa 07/03 - Conceitos, definições e método de GP 14/03 Gestão de Portfólio 21/03-Iniciação e Planejamento do projeto 28/03 Planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03 DE 25 DE FEVEREIRO DE

RESOLUÇÃO Nº 03 DE 25 DE FEVEREIRO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO- CONSEPE Secretaria dos Órgãos Colegiados Superiores (Socs) Bloco IV, Segundo Andar, Câmpus de Palmas (63) 3232-8067 (63) 3232-8238

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 Júlia Regina Magni 2, Bruna Thays Uhde 3, Tarcisio Dorn De Oliveira 4. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de Urbanismo do curso de Engenharia

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO Criatividade e Economia Identificamos 4 pilares complementares que deveriam ter um papel dinamizador para a promoção do empreendedorismo e a articulação

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, hospitalidade e Lazer CURSO: Tecnologia em Gestão de Turismo FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

O Projeto Ensino de Química a Alunos com Deficiência Visual da UnB: 8 anos depois.

O Projeto Ensino de Química a Alunos com Deficiência Visual da UnB: 8 anos depois. Universidade de Brasília Instituto de Química O Projeto Ensino de Química a Alunos com Deficiência Visual da UnB: 8 anos depois. Larine Araújo Pires Orientadores: Gerson Mól e Patrícia Raposo Objetivos

Leia mais

Chegou a solução completa em projetos de franquia.

Chegou a solução completa em projetos de franquia. Chegou a solução completa em projetos de franquia. CONCEITO DIFERENCIAL PROCESSOS PRODUTOS FERRAMENTAS Não falta mais nada para o sucesso do seu negócio CONCEITO SOLUÇÕES COMPLETAS NO DESENVOLVIMENTO DE

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: TURISMO NOVA IGUAÇU Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao mercado,

Leia mais