Edição 2015/2016. Justificativa. Finalidade e Relevância

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edição 2015/2016. Justificativa. Finalidade e Relevância"

Transcrição

1 PROGRAMA UNIFICADO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO Edição 2015/2016 Justificativa Finalidade e Relevância Por um lado, a parceria já consolidada com a iniciativa privada e o poder público oferece uma oportunidade única para construirmos conjuntamente estratégias de inovação que podem ser aplicadas no desenvolvimento de produtos e destinos turísticos. Por outro, o conhecimento e a capacidade de inovação latente tanto nos pesquisadores quanto nos alunos da graduação dos cursos de Turismo desta universidade. Este contexto, oferece uma inestimável oportunidade para criar e experimentar novos formatos e modelos de viagens organizadas, baseadas no transporte turístico rodoviário. Assim, temos um grande desafio real que pode oferecer aos alunos de turismo um estímulo para que pensem, planejem e desenvolvam produtos turísticos rodoviários viáveis e sustentáveis, não apenas sugerindo, mas implementando uma proposta, avaliando os processos, identificando as dificuldades de operacionalização e propondo estratégias para solução dos problemas encontrados. A isto agrega-se a possibilidade de promover uma maior aproximação dos alunos do curso com os diferentes setores onde poderão atuar, compreendendo a importância da articulação entre os diversos segmentos para o desenvolvimento do turismo e, principalmente, na construção de destinos turísticos competitivos, com base na valorização dos aspectos sócio ambientais e no profissionalismo do setor. Objetivos e descrição sumária Os produtos de turismo rodoviário foram muito importantes para o desenvolvimento do turismo no Brasil, que de 1990 foram substituídos pelo transporte aéreo, e as empresas do segmento de transporte rodoviário por fretamento direcionaram seus esforços para atender outros públicos e a oferta do transporte turístico rodoviário foi reduzida drasticamente. Compreendendo que o turismo não se faz somente de destinos chave, e que deve ir além dos locais alcançados pelos aeroportos, consideramos que as cidades do entorno podem conformar circuitos regionais e também se tornarem destinos turísticos significativos, o que significar criar condições para que os turistas tenham esta mobilidade. De certa forma, investir no desenvolvimento de produtos turísticos focados no turismo rodoviário pode trazer uma contribuição relevante no fortalecimento do turismo regional e para ampliar a oferta de produtos turísticos no Estado de São Paulo.

2 Mesmo apresentando grande potencial para fomentar o desenvolvimento do turismo regional, a oferta de produtos de turismo rodoviário é muito escassa e as viagens existentes tem atendido apenas a uma demanda espontânea, com pouca ou nenhuma ação dos agentes de viagem na composição e oferta de pacotes. Isto se deve a inúmeros fatores como uma infraestrutura de suporte para este tipo viagem bastante incipiente, a oferta de atrativos e atividades de lazer nos destinos padronizada e focada nos turistas que chegam de automóvel, com pouca organização e profissionalismo. A escassez de oferta de viagens organizadas de turismo rodoviário tem dificultado a expansão e disseminação do turismo para os destinos localizados no interior do Estado de São Paulo e também limitado as opções de viagens para os públicos que teriam interesse e preferência pela participação em viagens organizadas. Neste cenário são poucas as agências de viagem que ofertam esta modalidade de viagem no Estado (no país também), e normalmente estão apoiadas nos modelos padrão de turismo de massa. Contudo alguns estudos realizados sobre o tema indicam que existe uma demanda espontânea para esta modalidade de viagem, que é atendida exclusivamente pela oferta de fretamento de ônibus turístico, sem acompanhamento ou organização dos profissionais da área. Acreditando que o turismo rodoviário é uma possibilidade de transformação para os destinos do interior do Estado de São Paulo e uma oportunidade de negócios para os empresários que atuam no turismo, e que os alunos dos cursos de Turismo da Universidade tem capacidade para criar e desenvolver produtos inovadores, propõe-se este projeto que tem por objetivo desenvolver, testar, monitorar e avaliar um roteiro de turismo rodoviário, que tem como premissas o desenvolvimento do turismo regional, a inovação na proposta de roteiros turísticos, a valorização das comunidades visitadas e a articulação dos diversos segmentos que atuam no turismo. Ao longo dos últimos três anos temos nos dedicado a construir parcerias com empresas do setor de turismo do Estado de São Paulo, especialmente as empresas de transporte rodoviário turístico, representada pela FRESP Federação das Empresas de Transporte Rodoviário por Fretamento do Estado de São Paulo, a fim de garantir uma maior aproximação da academia com os empresários do setor. Neste sentido temos nos dedicado a avançar na construção do conhecimento e de propostas de inovação para o segmento de turismo rodoviário, promovendo a inserção dos alunos da graduação e da pós-graduação nesta discussão. Até este momento foram implementadas uma série de ações como projeto de Iniciação Científica e Trabalhos de Conclusão de Curso, curso de extensão para empresários do segmento, projeto de pesquisa sobre o tema, com o apoio do CNPq. Atualmente, está em fase de finalização a primeira versão deste projeto de extensão que foi aprovado no Programa Aprender com Cultura Extensão, no período de A experiência tem se mostrado bastante relevante na consolidação da parceria com a iniciativa privada e o poder público, principalmente, na qualificação e aprimoramento da formação profissional dos alunos envolvidos na proposta, o que nos levou a encaminhar esta proposta.

3 Ações se detalhamento das atividades A elaboração do Projeto Piloto deverá considerar as seguintes etapas: Especificações de operacionalização o Definição das responsabilidades/contrapartidas dos parceiros do projeto o Definição dos municípios que comporão o Roteiro Turístico o Definição do público que deverá testar a proposta o Levantamento e seleção dos atrativos, equipamentos e serviços o Levantamento das condições de mobilidade nos destinos (infraestrutura) o Preparo da planilha de custos e receitas o Preparo do material de divulgação da proposta o Sensibilização e capacitação das equipes de trabalho envolvidas no projeto o Elaboração da planilha de acompanhamento de resultados o Elaboração do roteiro da viagem Implementação da Proposta o Inscrição dos participantes do projeto o Sensibilização dos turistas o Realização da viagem Avaliação dos Resultados o Encontro de avaliação da implementação do roteiros com os diversos segmentos participantes o Tratamento e organização das observações de campo e do processo Resultados esperados Os alunos deverão desenvolver competências para elaboração e implementação de projetos de turismo rodoviário; Os alunos deverão desenvolver habilidades para organização de viagens rodoviárias; Os alunos deverão desenvolver competências e habilidade de formatação e realização de capacitação operacional dos parceiros; Desenvolvimento e testar uma proposta inovadora no processo e no produto, de viagem rodoviária para um roteiro regional. Artigo científico sobre o processo de construção de novos modelos de Roteiro de Turismo Rodoviário Artigo para evento internacional sobre a inovação, as parcerias e a educação em turismo. Indicadores de acompanhamento

4 Envolvimento e comprometimento dos parceiros, em função da participação em reuniões de trabalho e da oferta de contrapartidas; Resultados das visitas técnicas e da realização da viagem teste; Relatórios de atividades com resultado/avaliação obtida em cada fase de desenvolvimento do projeto. Número de bolsistas Para o desenvolvimento das ações propostas neste projeto será necessário contar com 4 bolsistas, sendo dois do primeiro ano. Número total de participantes não bolsistas A equipe do projeto é composta pelos bolsistas, por uma aluna da pós-graduação (Mestrado em Turismo), dois docentes e dois pesquisadores pós-doc. Além da equipe do projeto, também contaremos com o apoio da FRESP Federação das Empresas de Transporte Rodoviário por Fretamento do Estado de São Paulo, da APRECESP Associação das Prefeituras das Cidades Estância do Estado de São Paulo e a equipe técnica de turismo dos municípios envolvidos. Público a ser beneficiado pelas ações do projeto O desenvolvimento do projeto piloto de turismo rodoviário terá reflexo em quatro públicos principais: os estudantes (bolsistas), os gestores e profissionais de turismo dos municípios envolvidos, os turistas que participarão das viagens piloto, os empresários do setor de transporte rodoviário por fretamento (eventual). Período de realização Esta fase deverá ser realizada no período de agosto de 2015 a julho de 2016.

5

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

Aprecesp. 70 cidades

Aprecesp. 70 cidades Aprecesp 70 cidades Quem somos Associação das Prefeituras das Cidades Estância do Estado de São Paulo Entidade privada, sem fins lucrativos Missão: Representar os interesses e trabalhar pelo desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007

PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007 PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007 O Prof. Dr. Paulo Rogério Stella, Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Fundação Santo André, no uso de suas atribuições legais, constantes no Regimento Geral

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Cidades Inteligentes

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Cidades Inteligentes CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS Cidades Inteligentes O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

Faculdade de Economia FEUC Universidade de Coimbra. Workshop Empreendedorismo social: teorias e práticas 30 de Junho 2011 Universidade de Aveiro

Faculdade de Economia FEUC Universidade de Coimbra. Workshop Empreendedorismo social: teorias e práticas 30 de Junho 2011 Universidade de Aveiro Faculdade de Economia FEUC Universidade de Coimbra Workshop Empreendedorismo social: teorias e práticas 30 de Junho Universidade de Aveiro Introdução sobre incubadoras sociais 1. Apresentação: Do ponto

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa.

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa. CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS MISSÃO DA UNIDADE: O Centro de Tecnologia e Ciências tem seu objetivo maior consubstanciado nos objetivos gerais de Ensino, Pesquisa e Extensão. No que tange ao objetivo

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO

DE PÓS-GRADUAÇÃO 6.2.2. DE PÓS-GRADUAÇÃO As áreas de abrangência da UFOB têm experimentado importante crescimento econômico e populacional nos últimos 30 anos, fato que tem ampliado significativamente a demanda por profissionais

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA, TECNOLOGIA E NEGÓCIOS Nº 01/2017

INSTITUTO DE PESQUISA, TECNOLOGIA E NEGÓCIOS Nº 01/2017 INSTITUTO DE PESQUISA, TECNOLOGIA E NEGÓCIOS EDITAL DE CRIAÇÃO E CADASTRO DE GRUPOS DE PESQUISA Nº 01/2017 O Instituto de Pesquisa, Tecnologia e Negócios (IPTN), no uso de suas atribuições legais, torna

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA GESTÃO PÚBLICA DO TURISMO NOS CAMPOS GERAIS RESULTADOS 2016

CONSULTA PÚBLICA GESTÃO PÚBLICA DO TURISMO NOS CAMPOS GERAIS RESULTADOS 2016 A Agência de Desenvolvimento do Turismo dos Campos Gerais ADETUR torna público o resultado da consulta pública realizada de 16 a 30 de junho por meio eletrônicos (site, e-mail e redes sociais) com o objetivo

Leia mais

ATUALIZAÇÃO/CADASTRAMENTO DE GRUPOS DE PESQUISA NO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA NO BRASIL CNPq

ATUALIZAÇÃO/CADASTRAMENTO DE GRUPOS DE PESQUISA NO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA NO BRASIL CNPq ATUALIZAÇÃO/CADASTRAMENTO DE GRUPOS DE PESQUISA NO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA NO BRASIL CNPq GRUPOS DE PESQUISA: DEFINIÇÃO E CRITÉRIOS ESTABELECIDOS PELA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA PROPe/UNESP a) Definição

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

É IMPOSSÍVEL VIVER SEM ELA!!!!

É IMPOSSÍVEL VIVER SEM ELA!!!! É IMPOSSÍVEL VIVER SEM ELA!!!! Premissas básicas da Rede RPMe Missão Incentivar o desenvolvimento da metrologia e sua cultura no cotidiano para aumentar a competência e qualidade e competitividade dos

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO ANEXO 1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO :: INFORMAÇÕES PRÉVIAS :: O projeto deve ser apresentado em, no máximo, 15 (quinze) páginas A4, incluindo anexos, com letra tipo Arial, tamanho 12; Todos os itens

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL n o 023/2006-CGCI/CAPES Chamada Pública de Projetos para a Escola de Altos Estudos Cooperação

Leia mais

Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial PPITI

Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial PPITI Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial PPITI Anápolis 2011 Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial - PPITI 1. Justificativa A inovação tecnológica é a introdução no mercado de

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EDITAL N 001/2016 SELEÇÃO DE VOLUNTÁRIOS NO PARQUE NACIONAL DE JERICOACOARA O Parque Nacional de Jericoacoara (PNJ), Unidade de Conservação Federal administrada

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus.

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Iniciação Científica PIC da Faculdade Processus, constitui-se em um conjunto de ações destinadas a propiciar

Leia mais

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP 1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP Fernando de Nielander Ribeiro Diretor Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP São Paulo, 25 de setembro de 2007. Estrutura do MCT Conselho Nacional de C&T

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE Seminário Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Uma proposta para os NITs do NE Teresa Lenice Mota (UECE) Colaboração: André Luiz Araújo (CEFET-CE) Aritomar Barros (UFC) BNB, 10 de abril de 2007

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE)

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE) FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE) 1. OBJETIVO GERAL O Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROJETO SEMENTE

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROJETO SEMENTE RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROJETO SEMENTE Introdução Submissão de projetos SEMENTE: Transformando ideias em projetos é uma plataforma virtual que se destina a subsidiar os Promotores de Justiça

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP

REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP TEXTO COMPILADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 44/09

PROJETO DE LEI N.º 44/09 PROJETO DE LEI N.º 44/09 Dispõe sobre a Política Municipal de Esporte e Lazer de Santa Bárbara d Oeste". A Câmara Municipal Santa Bárbara d Oeste decreta: CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º. - A Política

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO O presente Regimento Interno tem por finalidade regulamentar a subordinação, composição, atuação e competências do Núcleo de Pesquisa e Extensão da Faculdade

Leia mais

OUVIDORIA SENAI MT GETEC Cuiabá MT, Fevereiro 2014

OUVIDORIA SENAI MT GETEC Cuiabá MT, Fevereiro 2014 OUVIDORIA SENAI MT GETEC Cuiabá MT, Fevereiro 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS NO ESTADO DE MATO GROSSO FIEMT Jandir José Milan Presidente CONSELHO REGIONAL DO SENAI/MT Jandir José Milan Presidente SERVIÇO

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) EM FISIOTERAPIA

ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) EM FISIOTERAPIA ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) EM FISIOTERAPIA As AACC são componentes curriculares obrigatórios propostos para complementar a formação do aluno e futuro profissional. Conforme a legislação

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA Seminário sobre o Trem de Alta Velocidade Federaçã ção o das Indústrias do Estado de São S o Paulo FIESP Agência Nacional de Transportes terrestres

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES A EXPERIÊNCIA DO MATO GROSSO DO SUL

CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES A EXPERIÊNCIA DO MATO GROSSO DO SUL CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES A EXPERIÊNCIA DO MATO GROSSO DO SUL Fabiana Silveira Moura Doutora em Letras - Estudos de Literatura pela PUC-Rio. Analista de Formação EaD no Centro de Políticas Públicas

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ ARACRUZ 2010 INTRODUÇÃO A Iniciação Científica, segundo o Conselho Nacional

Leia mais

APRESENTAÇÃO HUB SEBRAE-SP

APRESENTAÇÃO HUB SEBRAE-SP APRESENTAÇÃO HUB SEBRAE-SP HUB SEBRAE-SP O QUE É HUB? O princípio do HUB vem da informática, sendo um dispositivo com diferentes portas para conexão de pequenos equipamentos de vários tipos. Nessse contexto,

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011 A Reitoria, por intermédio da Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, torna público e CONVIDA os professores da UNESP, interessados em Educação, a apresentarem propostas para obtenção de financiamento de projetos

Leia mais

AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO 8 AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO 130 Dentre as atividades de apoio para o desenvolvimento das políticas sociais, o Governo Federal investe em ações de avaliação, gestão da informação, disseminação do

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI -

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Diretrizes para Elaboração Eixos Temáticos Essenciais do PDI Perfil Institucional Avaliação e Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Gestão Institucional

Leia mais

CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Diamantina, agosto de 2009.

CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Diamantina, agosto de 2009. CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Diamantina, agosto de 2009. Até 2013 UFVJM estará entre as melhores instituições de ensino superior do Brasil... B SITUAÇÃO

Leia mais

De acordo ao PDI do IFSP, no que se refere às Políticas de Pesquisa, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são verdadeiros

De acordo ao PDI do IFSP, no que se refere às Políticas de Pesquisa, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são verdadeiros De acordo ao PDI do IFSP, no que se refere às Políticas de Pesquisa, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são verdadeiros fomentadores do diálogo dentro de seu território, cabe provocar

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA - Curso de Psicologia Currículo 2011/01 e 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de Psicologia

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

1. Escalabilidade em tecnologias de gestão de identidade; 2. Protocolos de autenticação e autorização;

1. Escalabilidade em tecnologias de gestão de identidade; 2. Protocolos de autenticação e autorização; Chamada de Propostas Programa de Gestão de Identidade 2013 1. Introdução A RNP oferece atualmente dois serviços ligados à autenticação e autorização: a infraestrutura de chaves públicas para ensino e pesquisa

Leia mais

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos JoelSaade Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos Guarulhos Agosto/2016 1. introdução Este documento reflete a Proposta de Gestão, conforme exigência

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Os recursos para o Prime são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Os recursos para o Prime são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). Perguntas Frequentes O que é o Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime)? Trata-se de um programa inovador criado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e sua Agência Financiadora de Estudos e

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. Fixa normas para o Programa de Iniciação Científica, no Instituto Superior de Educação

Leia mais

AGENDA DE PRIORIDADES

AGENDA DE PRIORIDADES FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO AGENDA DE PRIORIDADES DA INDÚSTRIA CATARINENSE AGENDA DE PRIORIDADES DA INDÚSTRIA CATARINENSE Apresentação Os números da indústria

Leia mais

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos Vitória ES Março/2010 1.Apresentação A elaboração do

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES)

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Santa Terezinha Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ)

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) 1 Isabella Cabral SANTANA, 2 Lettícia Moreira dos Santos SANTANA; 3 Samara Grigório POLICARPO; 4 Maria Danielle Passos Ribeiro

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA BOLSISTA PNPD COTA PPG EPIDEMIOLOGIA PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES)

SELEÇÃO INTERNA BOLSISTA PNPD COTA PPG EPIDEMIOLOGIA PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) SELEÇÃO INTERNA BOLSISTA PNPD COTA PPG EPIDEMIOLOGIA PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) 1. DESCRIÇÃO: A coordenação do Programa de Pós-graduação Epidemiologia da Universidade Federal do Rio

Leia mais

ATA DA CXXX REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DA TEC CAMPOS Realizada em 10 de agosto de 2016, às 09h Local: Sala de Reuniões da TEC CAMPOS

ATA DA CXXX REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DA TEC CAMPOS Realizada em 10 de agosto de 2016, às 09h Local: Sala de Reuniões da TEC CAMPOS ATA DA CXXX REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DA TEC CAMPOS Realizada em 10 de agosto de 2016, às 09h Local: Sala de Reuniões da TEC CAMPOS ATIVIDADE Pauta item nº 01 Aprovação de ata anterior: Foi apresentada

Leia mais

Prezado Empresário, CeBIT Brasil, País Parceiro 06 a 10 de março de 2012, em Hannover, na Alemanha

Prezado Empresário, CeBIT Brasil, País Parceiro 06 a 10 de março de 2012, em Hannover, na Alemanha Prezado Empresário, A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX), com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do Ministério das Comunicações (MC), do Ministério

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SACS ano 2013 SEMANA ACADÊMICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL DE CONVOCAÇÃO 1. Orientações Gerais 1.1. A Coordenação Geral da SACS ano 2013 - Semana Acadêmica de Ciências Sociais torna público o presente edital

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO EDITAL PROGRAD/PROPLAD Nº 01, de 05 de maio de 2014. As Pró-reitorias de Graduação (PROGRAD) e de Planejamento e Desenvolvimento (PROPLAD) no uso das atribuições que lhes conferem o Regimento Geral da

Leia mais

131 - Núcleo de Agroecologia Ivinhema: ATER diferenciada valorizando saberes, conhecimentos e experiências no Território do Vale do Ivinhema, MS

131 - Núcleo de Agroecologia Ivinhema: ATER diferenciada valorizando saberes, conhecimentos e experiências no Território do Vale do Ivinhema, MS 131 - Núcleo de Agroecologia Ivinhema: ATER diferenciada valorizando saberes, conhecimentos e experiências no Território do Vale do Ivinhema, MS PEDROSA, Rosangela Aparecida. APOMS, pedrosarosangela@hotmail.com;

Leia mais

SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA ATUAREM NO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID/UNIFESP CAMPUS GUARULHOS. Subprojeto Pedagogia

SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA ATUAREM NO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID/UNIFESP CAMPUS GUARULHOS. Subprojeto Pedagogia SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA ATUAREM NO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID/UNIFESP CAMPUS GUARULHOS Subprojeto Pedagogia EDITAL PROGRAD Nº. 10, de 26 de julho de 2016 A PRÓ-REITORA

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura Foco: Impactos da Emenda Constitucional do SNC na organização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 02/2014, DO COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS LINGUÍSTICOS CURSOS DE MESTRADO E DE DOUTORADO EM ESTUDOS LINGUÍSTICOS Regulamenta o processo de credenciamento, recredenciamento

Leia mais

Faculdade de Educação Superior do Paraná Centro de Extensão Iniciação Científica - CEIC

Faculdade de Educação Superior do Paraná Centro de Extensão Iniciação Científica - CEIC DIRETRIZES DA Iª MOSTRA FESP para FESP - 2015 O Centro de Extensão e Iniciação Científica CEIC têm como um de seus eixos de atuação promover o desenvolvimento de atividades tecnocientíficas e é nesse contexto

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria. I ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL Santa Maria - RS 25 a 27 de abril

Universidade Federal de Santa Maria. I ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL Santa Maria - RS 25 a 27 de abril Universidade Federal de Santa Maria I ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL Santa Maria - RS 25 a 27 de abril 2012 O presente documento tem por objetivo apresentar o I Encontro Nacional de

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA PÚBLICA SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROJETO INSTITUCIONAL DA UFRN À CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT 02/2016 CENTROS NACIONAIS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO II - MODELO DA PROPOSTA DE PROJETO PRÓ-EXTENSÃO EDITAL nº 0/03 PROEXT Campus: Projeto de Extensão Inserir aqui o Título de Projeto N o (PROEXT) - PRÓ-EXTENSÃO - Programa Institucional de Incentivo

Leia mais

PARANAPANEMA EM FOCO

PARANAPANEMA EM FOCO Encontro Ampliado do PIRH Nos dias 15 e 16 de fevereiro, acontece no Hotel Sumatra, em Londrina (PR), o primeiro Encontro Ampliado do Plano Integrado de Recursos Hídricos (PIRH) da Unidade de Gestão dos

Leia mais

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA O Centro Universitário Metodista IPA e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO OMETTO UNIARARAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPESQ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À PESQUISA

CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO OMETTO UNIARARAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPESQ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À PESQUISA CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMÍNIO OMETTO UNIARARAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPESQ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À PESQUISA PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Artigo 1º - O Programa

Leia mais