FESTAS PPGAC. Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FESTAS PPGAC. Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas"

Transcrição

1 20 FESTAS PPGAC Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira

2 Cadernos do GIPE-CIT Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário e Teatralidade Nº 20 FESTAS Organização: Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira PPGAC Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas Escola de Teatro/Escola de Dança Universidade Federal da Bahia

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Escola de Teatro/Escola de Dança Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas Cadernos do GIPE CIT N. 20 FESTAS Maio Coordenação Geral do GIPE-CIT Prof. Armindo Bião Conselho Editorial André Carreira (UDESC), Antonia Pereira (UFBA), Betti Rabetti (UNI-Rio), Cássia Lopes (UFBA), Christine Douxami (CNPq-UFBA), Eliana Rodrigues Silva (UFBA), Makarios Maia Barbosa (UFRN), Sérgio Farias (UFBA) Diagramação e Formatação Nádia Pinho - Fast Design Capa Desenho de Sônia Rangel Revisão: Érico José Souza de Oliveira Biblioteca Nelson de Araújo TEATRO/UFBA Caderno do GIPE-CIT: Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário e Teatralidade/ Universidade Federal da Bahia. Escola de Teatro / Escola de Dança. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas. N. 20, maio Salvador (Ba): UFBA/ PPGAC, p. ; 21 cm. Periodicidade semestral ISSN Teatro. 2. Festas populares 3. Festas religiosas. I. Universidade Federal da Bahia. Programa em Artes Cênicas. II. Título Impresso no Brasil em maio de 2008 pela: Fast Design - Prog. Visual Editora e Gráfica Rápida LTDA. CNPJ: / I.M.: / Tiragem: 300 exemplares

4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Lúcia Lobato e Érico José Souza de Oliveira... 5 HOMENAGEM A JEAN DUVINGAUD Armindo Bião... 7 FESTA: UMA TRANSGRESSÃO QUE REVELA E RENOVA Lúcia Lobato A TRADIÇÃO E A REINVENÇÃO EM UM OLHAR SOBRE A FESTA DO CONGADO Valeska Ribeiro Alvim REZAR, CANTAR E FESTAR HOMENAGEM A SENHORA DO ROSÁRIO: Pontuações sobre a congada em Uberlândia/MG Ana Maria Pacheco Carneiro FESTAS, MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES Célia Conceição Sacramento Gomes DE OLHO NA LAVAGEM DO BOMFIM: transfiguração de uma festa CÉLIDA SALUME MENDONÇA DIA DE FINADOS EM RIO REAL: uma festa dos vivos para os mortos Cristiano Fontes A RODA DO CAVALO MARINHO: espaço para uma memória espetacular de uma ancestralidade festiva Érico José Souza de Oliveira...78

5

6 5 Apresentação O Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia foi pioneiro no Brasil a implantar, em sua linha de pesquisa Matrizes Culturais na Cena Contemporânea, a disciplina Etnocenologia, inaugurada quando da fundação, em Paris, do Centro Internacional de Etnocenologia no dia 03 de maio de A partir de seu Manifesto de autoria de Jean Marie Pradier ficou definida como o estudo, nas diferentes culturas, das Práticas e Comportamentos Humanos Espetaculares Organizados (PCHEO) e tem como defesa de princípios a multiculturalidade, a alteridade, a pluridisciplinaridade e, entre outros a lógica da indistinção apresentada pelo Professor Dr. Armindo Bião na Conferência de abertura do I Seminário Nacional sobre Performáticos, Performance e Sociedade em na UNB, em Brasília. Os professores doutores Lúcia Lobato e Érico José Souza de Oliveira, ambos do PPGAC e com teses defendidas em Etnocenologia, no ano de 2006 inauguraram na disciplina Tópicos Especiais em Artes Cênicas um estudo específico que denominaram de Festas e Espetacularidade. A nova proposta foi fruto do próprio amadurecimento do Programa e conseqüente desdobramento do bem sucedido curso em Etnocenologia. A disciplina apresentou como conteúdo programático a conceituação de festas e sua função civilizatória, destacando dentre seus elementos constitutivos, o jogo, a brincadeira e o corpo festivo. Ressaltou sua dimensão espetacular, o grotesco, o riso, o significado dos comportamentos e das práticas espetaculares e as perspectivas de investigação das festas. Entre outros autores foram visitados Mikhail Bakhtin, Laplatine, Jean Duvignaud, Michel Maffesoli, Clilfford Geertz, Johan Huizinga, Renato Ortiz, Armindo Bião, Roberto da Matta entre outros. Ao final do curso os alunos foram avaliados a partir de seminários onde apresentavam uma descrição etnocenológica de uma festa de sua escolha. O sucesso alcançado nesses trabalhos incentivou os professores a fazerem uma seleção e organizar em artigos alguns dos referidos seminários que ora são publicados nesse 20º Cadernos do GIPE-CIT.

7

8 7 Homenagem a Jean Duvignaud Em nosso livro coletivo Artes do Corpo e do espetáculo: questões de etnocenologia (Salvador: P & A, 2007, 492 páginas), em sua Apresentação, rendemos discreta e sincera homenagem ao líder do encontro fundador da Etnocenologia, realizado em 1995, na UNESCO e na Maison des Sciences de l Homme, em Paris, França. Aqui e agora, voltamos a render mais uma sincera e discreta homenagem a nosso grande inspirador: Jean Duvignaud (La Rochelle, 22 de Fevereiro de La Rochelle, 17 de Fevereiro de 2007). Essa nova iniciativa é de dois pesquisadores do Programa de Pós- Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia PPGAC/ UFBA, Lúcia Fernandes Lobato e Érico José Souza de Oliveira, cujos doutoramentos tive a honra e o prazer de orientar. São eles que organizam a presente publicação. E o veículo é nosso periódico, do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário e Teatralidade, os Cadernos do GIPE- CIT, que publicamos já há dez anos. Na vida, assim como na arte e na academia, quando tudo corre bem, andamos, voamos, navegamos, subimos em espirais, passando por muitas encruzilhadas, o tempo todo. Por isso precisamos, sempre, fazer escolhas, usando o verbo, aquilo que distingue uma coisa da outra. De fato, é a linguagem que nos permite avançar. Mas é também a linguagem nossa língua que pode nos prender e fazer ficar parados, empacados. Pode até mesmo nos fazer retornar aos inumeráveis becos sem saída que existem por aí. A linguagem liberta, mas também pode aprisionar, pois a tentação de nos direcionarmos a nossos próprios umbigos é muito grande, nessas espirais do mundo. É a armadilha abissal por onde nossa vaidade nos engole, é o rodamoinho das lamas movediças mais internas de nós mesmos. A busca do conhecimento pode nos levar a perder a alma, mas certamente pode também nos levar a contribuir para a formação de novos pesquisadores e a criação de conhecimento novo. A crença em nosso próprio conhecimento, contudo, pode nos abrir os caminhos do mundo, mas também pode nos levar a nossa própria perda, de ponto de vista, da necessária humildade e recuo, quando

9 8 de eventuais passos falsos, tão naturais para quem anda muito. Só quem não anda não se machuca (?), nem a si nem aos outros. Jean Duvignaud caminhou muito, formou muita gente e nos legou obras de referência, particularmente nas áreas das artes do espetáculo, da sociologia. É certo que somos, a todo momento, levados a fazer escolhas, opções, eventualmente fazendo ou perdendo amigos e colegas. Perdemos o professor, o colega e o amigo, mas ganhamos muito em nossa memória. Esse é o risco da vida, da arte, da academia e das encruzilhadas, onde encontramos os mensageiros, os línguas intérpretes tradutores, as crianças perdidas, os exus e as pombagiras. É também aí que encontramos Hermes (Trimegisto) - o três vezes grande, que nos ensina a decifrar os textos e Mercúrio, o das asas e capacete alados, que protege as artes e o comércio. Pois, como não poderia deixar de ser, foi nas encruzilhadas da vida, da arte e da academia, que conheci Jean Duvignaud, e foi nas escolhas de palavras para nos comunicarmos que eu cresci como pessoa, artista e acadêmico, correndo riscos, me movimentando muito, ganhando e perdendo, errando e acertando. Mas não apenas eu é claro! Tanta referência pessoal pode ser a reafirmação da tentação do doutor Fausto, de conhecer o máximo e ser feliz para toda a eternidade. Mas, na verdade, trata-se apenas de um recurso retórico, para dar conta da grandeza do homem que perdemos em fevereiro de E que tanto se interressou por aquilo que nos encanta, a festa e o teatro, por exemplo, e pelo que é, simultaneamente, maravilhoso e também perigoso, o diferente, o diverso, o anômico. Escritor, crítico de teatro, sociólogo, dramaturgo, ensaísta, cenógrafo e antropólogo, francês, dirigente máximo da Maison des Cultures du Monde, Jean Duvignaud foi um desses seres das encruzilhadas, mensageiros do conhecimento, que nos ensinam a andar, voar, navegar, subir, falar e fazer escolhas. No caso muito particularmente do GIPE-CIT e do PPGAC/ UFBA, nosso mestre é referência maior, sem dúvida e nos tem muito inspirado, tanto antes quanto depois de maio de 1995, quando presidiu o colóquio de fundação da etnocenologia. Com suas obras dedicadas ao teatro, numa perspectiva bastante ampla, à festa e à diversidade cultural da humanidade, numa perspectiva de simpatia compreensiva, Jean Duvignaud nos legou um patrimônio útil e acessível,

10 9 universalmente, mesmo que sua também brilhante atuação como gestor cultural, na França, seja um bem mais particularmente usufruído por quem conhece seu país. Do mesmo modo, honrado com sua participação, a convite de meu orientador Michel Maffesoli, como presidente da comissão julgadora de minha tese de doutorado, na Sorbonne, em 1990, eu e meus colegas presentes a esse ritual de passagem acadêmico, na Sala Louis Liard, do histórico edifício universitário, pudemos usufruir, mais particularmente, de sua preciosa experiência e expressão acadêmica. Por isso meu prazer é multiplicado, aqui e agora, quando mais um leitor deste Caderno do GIPE-CIT, de número 20, é informado que esta obra é dedicada a Jean Duvignaud. E quando posso, num laivo deslavado de vaidade, arriscado sem dúvida, mas que, por isso mesmo, aumenta meu prazer, pois repito o poeta Caetano Veloso, tudo é perigoso, tudo é divino maravilhoso, reportar-me a três momentos em que encontrei, nas encruzilhadas, o grande mestre. O primeiro desses momentos pessoais e envaidecedores, repito - ocorreu em Salvador, Bahia, em Foi quando, na Escola de Dança da UFBA, onde então eu começava a lecionar Filosofia da Dança, a convite dos professores Dulce Tamara Lamego e Romélio Aquino, por sugestão da colega Maria da Conceição Castro Franca Rocha, li, deslumbrado, a Sociologia do Comediante (Zahar, 1972, trad. H. Facó, publicado originalmente em francês pela Gallimard, em 1965, com o título L acteur, sociologie du comédien). Ali, pude percorrer um vasto panorama da história e da sociologia desses outros seres das encruzilhadas, que são os atores, que vivem - e comunicam - entre a realidade e a fantasia, a sedução e a crítica, a servidão e a rebeldia. O segundo desses momentos ocorreu na cidade de Cuernavaca, no estado de Morelos, no México, em Foi durante a realização do II Colóquio Internacional de Etnocenologia, quando o ouvi cantar seguidas vezes - músicas brasileiras e falar entusiasmado de nosso povo, de nossos artistas e de nosso país. Na companhia de Dionísio, nos luxuosos jardins de Cuernavaca, nas ruínas de Xoxicalco e nas monumentais montanhas de Morelos, testemunhei, por exemplo, a força do Teatro Campesino e Indígena, fundado em 1971 e que tem suas origens em cerimônias, danças, festas e manifestações artísticas tradicionais

11 10 dos povos e comunidades indígenas e camponesas mexicanos, com a liderança de María Alicia Martínez Medrano. Poder acompanhar Monsieur Duvignaud em seus comentários sobre o Brasil, o México, a Europa e a África, nessa ocasião, encheu de sangue meu espírito e de ar meu corpo. O livro se fazia gente e conhecimento e eu nasci de novo nesse momento. O mais recente momento ocorreu em 2005, quando o visitei em sua casa natal, na cidade de La Rochelle, na Charente Maritime francesa. Conheci então sua família (como ele, também interessada pelas artes do espetáculo e pela diversidade cultural), bem como seus objetos de estimação, espalhados por toda a casa, muitos levados para ali daqui do Brasil. O Museu do Novo Mundo de La Rochelle (la rebelle), um porto de circulação de bens materiais e simbólicos, encruzilhada da anomia, registra as relações históricas entre essa cidade e o Brasil. A casa de Jaen Duvignaud também. Professor Duvignaud foi professor nas Universidades de Túnis, na Tunísia e Tours e Paris Diderot (Paris 7, Jussieu), na França. Fundou várias revistas, entre as quais Argumentos, com o filósofo Edgar Morin, nos anos 50, Causa comum, com o escritor Georges Perec e o filósofo Paul Virilio, nos anos 70, e Internationale de l imaginaire, com Chérif Khannadar e François Gründ, nos anos 90. Seus livros mais importantes são: L'Acteur, esquisse d'une sociologie du comédien, Paris, Gallimard, Rééd. L'Archipel, 1995; Durkheim, sa vie, son œuvre, Paris, PUF, 1965; Sociologie du théâtre, Paris, PUF, Rééd. Quadrige, 1999; Georges Gurvitch, symbolisme social et sociologie dynamique, Paris, Seghers, 1969; Anthologie des sociologues français contemporains, Paris, PUF, 1970; Spectacle et société, Paris, Denoël, 1970; Introduction à la sociologie, Paris, Gallimard, 1971; Sociologie de l'art, Paris, PUF, 1972; L'Anomie, hérésie et subversion, Paris, Anthropos, 1973; Le Langage perdu, essai sur la différence anthropologique, Paris, PUF, 1973; Fêtes et civilisations, Paris, Weber, 1974; Le Théâtre contemporain, culture et contre-culture, Paris, Larousse, 1974; Le Ça perché, Paris, Stock, 1976; Le Don du rien, essai d'anthropologie de la fête, Paris, Plon, 1977; Le Jeu du jeu, Paris, Balland, 1980; L' Or de la République, Paris, Gallimard, 1984; Le Propre de l'homme, histoires du comique et de la dérision, Paris, Hachette,

12 ; La Solidarité, liens de sang et liens de raison, Paris, Fayard, 1986; Chebika, étude sociologique, Paris, Gallimard, Rééd. Paris, Plon, 1990; La Genèse des passions dans la vie sociale, Paris, PUF, 1990; Dis l'empereur, qu'as-tu fait de l'oiseau? (récit), Arles, Actes Sud, 1991; Fêtes et civilisations ; suivi de La fête aujourd'hui, Arles, Actes Sud, 1991; Perec ou La cicatrice, Arles, Actes Sud, 1993; Le singe patriote. Talma, un portrait imaginaire (roman), Arles, Actes Sud, 1993; L'oubli ou La chute des corps, Arles, Actes Sud, 1995; Le pandémonium du présent, idées sages, idées folles, Paris, Plon, 1998; Le prix des choses sans prix, Arles, Actes Sud, 2001; Les octos, béant aux choses futures, Arles, Actes Sud, 2003; Le sous-texte, Arles, Actes Sud, 2005; La ruse de vivre, état des lieux, Arles, Actes Sud, Seu interesse pelo teatro, pela festa e pela anomia compõe um sistema coerente, tanto do ponto de vista conceitual quanto de sua produção literária. E é nesse interesse que todos os leirores desse Caderno do GIPE-CIT também poderão se encontrar e compreender a extensão da homeagem que aqui fazemos a Jean Duvignaud. Rio de Janeiro, 26 de outubro de 2007 Armindo Bião Coordenador do GIPE-CIT desde 1994

13

14 13 FESTA: Uma transgressão que revela e renova Lúcia Lobato 1 As festas, cada vez mais, vêem sendo reconhecidas no campo das Humanidades como um fenômeno necessário para a renovação e restauração do equilíbrio coletivo. Autores como Jean Duvignaud e Norberto Luiz Guarinelo, a partir de enfoques distintos, dedicaram atenção especial ao tema buscando compreender seu significado histórico e social na transformação das vidas em sociedade. Ambos ressaltam o lúdico como um dos elementos constitutivos das festas. Nesse sentido Johan Huizinga (2004, p. 234) argumenta que: Uma verdadeira civilização não pode existir sem um certo elemento lúdico, porque a civilização implica a limitação e o domínio de si próprio, a capacidade de não tomar suas próprias tendências pelo fim último da humanidade, compreendendo que esse está encerrado dentro de certos limites livremente aceitos. Este elemento lúdico tem expansão garantida nas festas. Digamos que os homens, para conviver com suas limitações acordadas em sociedade, desenvolveram uma espécie de fair play, que seriam ações realizadas de boa fé e com um evidente sentido lúdico. Para Duvignaud a festa estaria contemplada nesse savoir faire que destrói a aparente normalidade da vida coletiva, pois quebra com a seqüência do cotidiano instaurando o que sabiamente denominou subversão exaltante (1983, p. 31). Estaria na essência da festa a capacidade de despertar e animar os sentidos. Nela o participante perde o domínio da percepção e imerge no terreno das dimensões ocultas que o remetem, por sua vez, à dimensão do imaginário. 1 Professora Doutora da Escola de Dança e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Escola de Teatro e da Escola de Dança da UFBA.

15 14 As dimensões ocultas (DUVIGNAUD, 1983, p. 55) são dimensões da existência que deixam de corresponder às conformações tradicionais ou às configurações estabelecidas do espaço cotidiano e em geral contestam e destroem tais formas. As festas acontecem em extensões existenciais que são, para o autor, por exemplo, as ruas, as praças, os mercados, os bares, enfim, qualquer espaço onde pessoas possam se encontrar e comemorar um acontecimento ou até mesmo o simples encontro. É o lugar privilegiado do possível, da transgressão e do desafio. Nele a festa promove um recorte e constrói um cenário que pode ser social, religioso, militar entre outros, identificado pelos símbolos da tradição onde as pessoas vão interagir se vestindo, se movendo, cantando e dançando como personagens de uma cena. Duvignaud sublinha na festa o elemento do transe que, segundo ele, instaura um estado onde tudo é possível. Para o autor a festa não está vinculada à normalidade, à funcionalidade, nem à rentabilidade, o que não a torna por essa razão uma irracionalidade. A festa tem uma lógica interna que a constitui e para compreendê-la é necessário o estado presencial. É preciso vivenciá-la, respirar o seu ambiente, mesmo como um espectador com o corpo contraído. O dinamismo da festa é repleto de performances e ações espetaculares, que consagram a razão da existência e promovem a renovação. Nesse sentido, para o autor o elemento orgiástico é o principal responsável das festas. Norberto Luiz Guarinello, partindo de uma outra ótica, propõe pensar a festa a partir de quatro categorias de análise: 1º- Fazer uma fenomenologia da festa sem ignorar os sentimentos, os afetos e as emoções vivenciadas pelos participantes; 2º- Não pensar a festa como uma instituição passível de história; 3º- Abandonar a proposição de uma tipologia das festas; e finalmente, na 4ª categoria, propõe entendê-la como estrutura do cotidiano e não como uma realidade oposta. A partir dessas categorias elabora a seguinte definição para a festa: A festa é, portanto, sempre uma produção do cotidiano, uma ação coletiva, que se dá num mesmo tempo e lugar definidos e especiais, implicando a concentração de afetos e emoções em

16 15 torno de um objeto que é celebrado e comemorado e cujo produto principal é a simbolização da unidade dos participantes na esfera de uma determinada identidade. (GUARINELLO, 2001, p. 972) 2. É importante destacar que o autor não compreende o cotidiano como a dimensão do particular, mas sim o espaço e o tempo concreto das realizações sociais. Para Guarinelo, a festa é parte integrante deste cotidiano e implica necessariamente uma estrutura de produção e de consumo que vai determinar uma estrutura de poder que, por sua vez, tentará impor sua identidade, seus gostos, sua ideologia. Mas por outro lado, reconhece que por mais controlada e manipulada que seja uma festa, sempre é um ato de explosão coletiva e produzirá identidades provisórias em diferentes graus. Produto da realidade social, a festa produz identidades, mas nunca alcança o consenso, muito pelo contrário ressalta e expressa os conflitos e as tensões dessa mesma sociedade. Segundo Guarinelo, a festa unifica a partir de suas próprias regras e códigos de conduta, mas também diferencia. É possível dizer que cria uma espécie de unidade diferenciada que aglutina extremos aparentemente contraditórios numa prática lúdica ao mesmo tempo de cooperação e competição. Na visão de Guarinelo, resumindo, a festa implica numa produção social que subentende um trabalho com custos, planejamento, hierarquias e funções envolvendo uma participação coletiva que se legitima e conseqüentemente define suas regras. Em outra direção, para Duvignaud nenhum regulamento sobrevive nas festas, pois não será obedecido e nenhum ideal conseguirá se fixar. No momento em que a festa se instaura se apoderando de um determinado espaço, é estimulada à digressão e o homem se vê diante de um mundo sem códigos num reinado do desregramento. Segundo o autor é nesse momento que a festa se torna o instrumento para a comunidade alcançar a sua finalidade última: o mundo reconciliado a partir de um estado fraternal. 2 In JANCSÓ, Istven e KANTOR, Íris. Festa: Cultura e sociabilidade na América Portuguesa.V. II. São Paulo: Hucitec, EDUSP, Fapesp: Imprensa Oficial.

17 16 Se relacionarmos os dois posicionamentos conceituais sobre o fenômeno da festa e visitarmos o sentido da celebração na Antiguidade seria possível entender a festa de Guarinelo com um olhar apolíneo enquanto a festa de Duvignaud certamente só poderia ser apreendida sob as lentes de Dionísio. Enquanto Guarinelo privilegia a necessidade da obediência às regras e uma certa organização que implica acordos para o acontecimento, Duvignaud inverte essa razão apontando que é justamente o caráter da subversão ao estabelecido que promoverá a festa. O Carnaval é considerado uma festa por excelência. Se tomarmos como exemplo para nossas conjecturas o carnaval baiano e suas transformações podemos melhor compreender as distinções propostas pelos dois autores. É inquestionável que o carnaval baiano deixou de ser o espaço da irreverência espontânea, da brincadeira inconseqüente e da farra coletiva. O que antes era a realização da vontade festiva descompromissada transformou-se em exibição no formato de uma espetacularidade produzida, permitida e controlada pelos órgãos oficiais do poder municipal e estadual. O atual carnaval baiano, profissionalizado e mercadológico, tornou-se um teatro vivo da sociedade, passarela da performance dos famosos e dos políticos. Tornou-se a vitrine de produtores, emissoras locais, nacionais e internacionais interessadas mais na exploração dos efeitos da imagem lucrativa que nos registros da festa em si. Nessa nova realidade as entidades populares, para sobreviver, têm que se integrar e interagir com essa proposta de festa. Para tanto devem provar que têm um produto de valor, pois são portadoras legítimas das simbologias que dão a imagem e a digital local da festa. Tudo isso leva ao fenômeno contemporâneo de fortalecimento de uma cultura popular peculiar que, ao contrário das culturas de matrizes regionais tradicionais, supera os limites geográficos e se impõe como fenômeno planetário: a cultura midiática. Esta nova cultura veicula uma mentalidade e um conjunto de valores idênticos em qualquer parte do mundo, a serviço de uma indústria em expansão, a indústria cultural. A festa passa a ser um novo e atrativo produto de mercado que impõe a todo momento a novidade e o inédito. Assim são introduzidas as técnicas que atingem a emoção e acionam uma lógica da diversão. Nesse sentido a festa é

18 17 cooptada para o marketing que seduza e ative esse desejo criando uma necessidade não natural de consumir. E é nesse momento que cabe refletir sobre as propostas dos autores de referência nesse artigo pensando o carnaval contemporâneo de Salvador. Estamos diante de um carnaval apolíneo ou dionisíaco? É um reflexo do cotidiano contemporâneo da mentalidade soteropolitana? É um evento que exclui ou inclui? Qual é a sua prática marcadamente lúdica? Quais são os elementos que determinam a cooperação e a competitividade? Onde é possível encontrar o espontâneo, a brincadeira, a descontração e a farra? Onde a diversidade está estimulada? Onde há digressão e a quais códigos e padrões? Mas, seja lá como for, a festa é sempre presencial e é renovação. Citando Huizinga (2004, p. 222) em tempos contemporâneos, o jogo se transforma em negócio e, porque não os negócios se transformam em jogo. Essas são apenas conjecturas acadêmicas que estão ao largo da festa. E vale lembrar que muitas vezes o que é festa para uns pode não ser para outros, mas indubitavelmente todos sabemos o que é uma festa. Bibliografia: DUVIGNAUD, Jean. Festas e Civilizações. Fortaleza: Edições Universidade Federal do Ceará; Rio de Janeiro Tempo Brasileiro: GUARINELLO, Norberto Luiz. Festa Trabalho e Cotidiano. In: Jancsó, Istvan e Kkantor, Íris Festa: Cultura e Sociabilidade na América Portuguesa. V.II. São Paulo: Hucitec; Editora Universidade de São Paulo/ Fapesp: Imprensa Oficial, HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. Trad. João Paulo Monteiro. 5ª ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.

19 18 A TRADIÇÃO E A REINVENÇÃO EM UM OLHAR SOBRE A FESTA DO CONGADO Valeska Ribeiro Alvim 3 Após a ocorrência da disciplina Etnocenologia que tem como linha mestra o estudo das práticas e dos comportamentos humanos espetaculares organizados, o Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da UFBA resolve nos agraciar, com mais uma disciplina voltada para as práticas espetaculares que se intitula Festas e Espetacularidade 4. Tal disciplina focaliza os fenômenos das práticas festivas, suas formas de espetacularidade e suas funções sócio-culturais e civilizatórias. Durante a disciplina, a partir das aulas expositivas, leituras dirigidas, seminários avançados e debates com convidados que têm vasto conhecimento no assunto, busquei abordar uma manifestação popular como exercício para compreender a espetacularidade 5,como categoria filosófica, além de abordar as questões da tradição e as reinvenções vivenciadas pelas manifestações populares na contemporaneidade.. O avanço desses estudos traz possibilidades alternativas para a investigação, fundamentação teórica e aperfeiçoamento dos processos criativos de alguns profissionais da área da dança. Muitos ainda têm como referencial o olhar eurocêntrico 6 e, insistem em pensar e trabalhar as técnicas já codificadas como, por exemplo, o Balé clássico, a Dança Moderna, como únicas representantes da linguagem da dança, o que muita das vezes acaba excluindo as outras formas cênicas. 3 Bacharel e Licenciada em Dança pela Universidade Federal de Viçosa (2006). Atualmente mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. 4 Este texto foi produzido durante a Disciplina Tópicos especiais em Artes cênicas -TEA 507 ministrada pelos professores Lúcia Lobatto e Érico José. 5 De acordo com o professor Bião espetacularidade é o que ultrapassa o universo rotineiro, que revela rituais e os encontros inter-pessoais extraordinários ou extracotidiano. 6 A tendência para julgar a realidade social, política, cultural ou antropológica de uma dada comunidade de acordo com os critérios da cultura européia denota um ponto de vista eurocêntrico. A cultura da Europa torna-se o contexto de referência legitimadora e exclui qualquer realidade alternativa.

20 19 Sob essa perspectiva de um corpo total 7, penso que a análise das formas de produção e transformação das chamadas manifestações populares oferece uma alternativa para as práticas redutoras e tecnicistas sob as quais aqueles que se ocupam do oficio de dançar estão acostumados a pensar a dança e seu ensino. Tal abordagem, que se diferencia do etnocentrismo, requer a visão do corpo como algo simbólico dotado de pensamento, espírito e emoção, bem como do contexto histórico-social no qual está inserido. É sob esse enfoque que me proponho a pensar o congado como uma das manifestações de cultura popular que possibilitam um olhar acerca da espetacularidade. Antes de adentrar na manifestação em questão, teço inicialmente algumas considerações sobre o uso do termo festa. Empreendo, em seguida, a festa do Congado tal como é experienciada pelos congadeiros de São José do Triunfo, município de Viçosa, Minas Gerais. Mas afinal o que é uma festa? Para Norberto Luiz Guarinello (2001, p. 969), o caráter vago desse termo pode reunir uma série de entendimentos que se chocam: Os sentidos que o próprio senso comum atribui à festa são desta forma, bastante fluidos, negociáveis e contestáveis. Segundo o autor, a festa é parte do cotidiano de todas as sociedades humanas, necessária a esse cotidiano sendo, portanto, algo integrado e não adverso a ele. Na tentativa de entender esse termo, geralmente tratado de forma imprecisa, Guarinello aponta algumas características sob as quais a festa costuma ser circunscrita. Entre elas, está o fato de que implica uma determinada estrutura social de produção; envolve a participação concreta de um coletivo, distribuindo-se dentro de uma determinada estrutura de produção e de consumo da festa, na qual ocupam lugares distintos e específicos; aparece como uma interrupção do tempo social, uma suspensão temporária das atividades diárias que pode ser cíclica, ou episódica; articula-se em torno de um objeto focal, que pode ser um ente real ou imaginário; por fim, segundo o autor, a festa é uma 8 Não dualista, ou seja, que não vê o corpo como algo separado da mente, não eurocentrica, um corpo dotado de emoção e, que a todo tempo intercâmbeia e dialoga com o contexto no qual está inserido.

21 20 produção social que pode gerar vários produtos, tanto materiais como comunicativos ou, simplesmente, significativos. A conclusão de Guarinello é que a festa é, portanto, sempre uma produção do cotidiano, coletiva e que se dá num tempo e espaço definido e especial. Tal definição assemelha-se, como admite o próprio autor, ao caráter do jogo. Johan Huizinga (1996, p. 25) também atribui uma estreita relação entre jogo e festa: Em ambos predominam a alegria, embora não necessariamente, pois também a festa pode ser séria. Ambos são limitados no tempo e espaço. Em ambos encontramos uma combinação de regras estritas com a mais autêntica liberdade. Em resumo, a festa e o jogo têm em comum suas características principais. O modo mais íntimo de união de ambos parece poder encontrar-se na dança. O caráter espetacular da festa está presente em suas características principais, tais como sua organização coletiva e o rompimento do cotidiano num tempo/espaço. Para Pradier (1997, p. 02), por exemplo, O adjetivo espetacular designa uma variável intermediária que se refere a um modo especifico de tratamento de informação sensorial, quando a intensidade de um objeto percebido contrasta em relação ao ambiente. (...) a palavra espetacular só existe para nós sob a forma adjetival, enquanto que espetáculo designa um objeto finito. Mendes (2000, p. 80) chama atenção para o fato de que uma abordagem etnocenológica sobre manifestações populares abre a possibilidade para numa nova visão do corpo humano que pode contribuir para as práticas cênicas: O corpo como atividade simbólica, cujas dimensões físicas, somáticas, cognitivas, emocionais e espirituais interagem entre si e com o contexto cultural no qual ele se insere. A festa do congado O congado tem uma origem luso-afro-brasileira, uma vez que a devoção dos negros a Nossa Senhora do Rosário foi introduzida ainda na África pelos

FESTAS PPGAC. Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas

FESTAS PPGAC. Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas 20 FESTAS PPGAC Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira Cadernos do GIPE-CIT Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

INICIATIVAS PREMIADAS

INICIATIVAS PREMIADAS INICIATIVAS PREMIADAS Gestão Pública 1º LUGAR Programa de Valorização das Culturas Regionais: Cultura em Movimento Secretaria da Cultura do Estado do Ceará 184 municípios (CE) A iniciativa surgiu em 2003

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa Congada e ucáçá~o I fa til Justificativa PROJETOS CULTURAIS O Brasil é um país com grande diversidade étnica e cultural. É preciso dar importância e valorizar a cultura dentro e fora da escola, criando

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES Caio

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico 1 PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico Vera Maria Oliveira Carneiro 1 Educar é ser um artesão da personalidade, um poeta da inteligência, um semeador de idéias Augusto Cury Com este texto, pretendemos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem Autores: AZENILDA DE PAULA CABRAL e IVANISE MARIA BOMFIM SOARES Nem sempre a aprendizagem está diretamente ligada ao ensino. É possível ensinar e não

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo Resumo: A etnografia é uma metodologia emprestada da Antropologia Cultural que tem ajudado pesquisadores

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

2. O fato folclórico

2. O fato folclórico (...) O folclore, apesar de não percebermos, acompanha a nossa existência e tem grande influência na nossa maneira de pensar, sentir e agir. Quando crianças fomos embalados pelas cantigas de ninar e pelos

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo ESTUDO SONHO BRASILEIRO APRESENTA 3 DRIVERS DE COMO JOVENS ESTÃO PENSANDO E AGINDO DE FORMA DIFERENTE E EMERGENTE: A HIPERCONEXÃO, O NÃO-DUALISMO E AS MICRO-REVOLUÇÕES. -- Hiperconexão 85% dos jovens brasileiros

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA

O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA INTRODUÇÃO Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) 1 e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com

Leia mais

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO Miss. Gustavo Lima Silva (Beréu) & Wanessa S. B. Santos Silva (Brasil) Recife, 2010. SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais