DISCUSSÃO CONCEITUAL SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E DOMÍNIO PÚBLICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCUSSÃO CONCEITUAL SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E DOMÍNIO PÚBLICO"

Transcrição

1 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA FACULDADE SETE DE SETEMBRO - FASETE CURSO DE BACHACELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANOEL MARCELO MONTEIRO DE CARVALHO MENDES DISCUSSÃO CONCEITUAL SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E DOMÍNIO PÚBLICO PAULO AFONSO BA JUNHO 2009

2 MANOEL MARCELO MONTEIRO DE CARVALHO MENDES DISCUSSÃO CONCEITUAL SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E DOMÍNIO PÚBLICO Projeto apresentado no curso de Bacharelado em Sistemas de Informação para cumprimento da disciplina Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, sob orientação do professor Igor Medeiros Vanderlei. PAULO AFONSO BA JUNHO 2009

3 Dedico este trabalho ao meu filho Davi que está por vim e que é a principal razão dos meus esforços e pensamentos e que vai viver este mundo que a evolução tecnológica será sem dúvida ainda mais rápida que os pais dele viveram.

4 AGRADECIMENTOS A Deus por ter me concedido saúde e calma, para que este estudo fosse desenvolvido. Aos meus pais, Paulo e Laís, minha irmã Priscila, e minha esposa Alice por terem compreendido meus momentos de isolamento. Ao meu orientador, professor Igor Medeiros, pela dedicação e paciência durante todo o processo de criação deste trabalho. E a todos que, de alguma maneira, ajudaram na realização desta produção.

5 7 MENDES, Manoel Marcelo. Discussão Conceitual sobre Propriedade Privada e Domínio Público. 2009, 33 f. Monografia. (Bacharelado em Sistemas de Informação). Faculdade Sete de Setembro, Paulo Afonso-BA. Este trabalho tem como objetivo analisar as questões pertinentes à propriedade intelectual e domínio público sob a ótica da tecnologia da informação e comunicação (TIC), observando a legislação existente no Brasil, assim com as leis existentes no EUA e União Européia. Este trabalho partiu do propósito de mostrar como é frágil a linha que separa o que é domínio público do que não é, e de como isso interfere fortemente nas relações econômicas, culturais, políticas, ambientais e sociais. Para a realização desse estudo, foi feita uma análise das leis existentes, sites sobre o tema e também em artigos sobre a propriedade intelectual e domínio público. Com a análise, verificou-se que principalmente com a chegada de novas ferramentas de comunicação, aliada à tecnologia, em especial a internet, a digitalização está transformando a troca de informações em algo rápido e de baixo custo. No mundo atual, onde a carência de informações sempre aumentou as disparidades sociais entre os países, a luta pelo conhecimento e os interesses econômicos muitas vezes estão em claro confronto e então se faz necessário fazer uma caracterização do conceito de uso razoável e domínio público. Palavras-chave: Propriedade Privada, Domínio Público, Legislação, Tecnologia, Informação, Comunicação.

6 8 ABSTRACT This work main purpose is to analyze questions concerning intellectual property and public domain through the information technology and communication point of view. Watching closely the Brazilian legislation about the theme, as well as the American and European. This work came from the objective of showing how frail is the line that separates matters belonging to public domain from those which are not and how this can interfere strongly into economic, cultural, political, environmental and social relations. To accomplish this study, existent laws were analyzed, websites about the theme and also articles about intellectual property and public domain. With the analysis, it was verified the creation of new communication tools that associated with technology, especially the internet, digitalization is turning the exchange of communication into something faster and cheaper. Nowadays where the lack of information has always increased social disparity, the struggle for knowledge and economical interests are most of the times confronting each other, it is indispensable to recognize the concept of reasonable use and public domain. KEY WORDS: Private property, Public domain, Legislation, Information Technology, Communication.

7 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A PROPRIEDADE INTELECTUAL ORIGEM CONCEITO LEI BRASILEIRA LEIS E TRATADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DEFESA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL O DOMINIO PUBLICO CONCEITO DOMÍNIO PÚBLICO: DA ORIGEM ATÉ OS DIAS ATUAIS ENTIDADES DE APOIO A BUSCA PELO EQUILÍBRIO...30 CONSIDERAÇÕES FINAIS...34 REFERÊNCIAS...34

8 10 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento das novas tecnologias, tais como: a internet, a criação de softwares para editar vídeos e músicas, gravadores digitais, etc, abriu-se espaço para o crescimento exponencial da criatividade e liberdade de formas e pensamentos. Tarefas que anteriormente só poderiam ser realizadas por grandes estúdios e gravadoras, como a edição de vídeos e músicas, hoje em dia podem ser realizadas em computadores relativamente baratos, e com uma qualidade razoável, a partir da utilização de softwares específicos. Da mesma forma que a tecnologia tem facilitado a criação de obras, também possibilita o aproveitamento de obras já existentes e, tendo a internet como um repositório global de conteúdo, interligando todo o mundo de maneira on-line, ficou muito fácil apropriar-se de material alheio ou distribuir de maneira pirata produtos pertencentes a outras pessoas, sem preocupação com o direito autoral. Quando bem utilizada, as ferramentas da tecnologia da informação e comunicação (TIC) podem contribuir para o desenvolvimento da criatividade, permitindo que se construam materiais das mais diversas mídias de boa qualidade e que esta obra seja distribuída no mundo inteiro quase sem custo. Também pode ser utilizada por professores em sala de aula para estimular o aluno, com apresentações mais dinâmicas e divertidas, utilizando as várias formas de representação da informação(áudio, vídeo, imagem, texto) para estimular os diversos sentidos dos alunos, com maiores chances de prender a sua atenção e melhorar o seu aprendizado. A criação no mundo da tecnologia se alimenta da liberdade de criação, da questão de que se é possível fazer determinada coisa por qual motivo não fazê-la? A evolução da tecnologia da informação e também da comunicação está criando um verdadeiro sobressalto no mundo moderno. É o que estão chamando de Quarta Onda, que se caracteriza principalmente pela valorização da informação, onde os bens intangíveis apresentam um valor enorme frente a sistemas como o econômico, cultural, político, ambiental e social, e estes bens dependem do equilíbrio da linha tênue que define o que é Domínio Público do que não é. Com a evolução e barateamento dos sistemas de hardware e software, houve uma aceleração no processo de digitalização da informação, no qual quase todo tipo de informação pode ser representado e armazenado em mídias digitais. Isto, aliado ao desenvolvimento dos

9 11 meios de comunicação, principalmente a internet, fez com que houvesse um grande avanço na propagação da informação e do conhecimento a custos baixíssimos. Neste contexto é que estão inserido as questões relativas à Propriedade Intelectual na era da informação digital e que levam a necessidade de caracterização do conceito de uso razoável e de Domínio Público. Ambos os incentivos dados pela propriedade intelectual e pelo domínio público são importantes para manter este equilíbrio em perfeita harmonia. No entanto, na atualidade, as maiorias das atenções estão sendo voltadas para a proteção da propriedade intelectual. Com isso, este trabalho almeja fazer um estudo sobre como a questão da Propriedade Intelectual e do Domínio Público interfere fortemente nas relações socioeconômicas atuais e de que forma este assunto está sendo tratado atualmente pela justiça brasileira. Para isso será feito um estudo sobre as leis brasileiras existentes que são pertinentes a tecnologia da informação, como também procurar leis existentes em outros paises, em especial nos Estados Unidos da América e na União Européia. OBJETIVO GERAL Realizar um estudo sobre como a questão da propriedade intelectual e domínio público interferem fortemente nas relações socioeconômicas atuais e de que forma este assunto do ponto de vista da legislação está sendo tratado atualmente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Realizar um estudo para verificar a existência de leis no Brasil sobre domínio público e propriedade intelectual. Analisar se tais leis são adequadas ao ciberespaço. Procurar informações sobre como o assunto está sendo tratado em outros países mais desenvolvidos do ponto de vista de legislação. Identificar falhas no sistema jurídico atual sobre o domínio público e propriedade intelectual no mundo digital. METODOLOGIA DE PESQUISA

10 12 A metodologia a ser utilizada foi uma análise bibliográficas nas legislações existentes, em especial no Brasil, EUA e União Européia a respeito do tema, bem como em sites que contenham esta matéria. JUSTIFICATIVA Atualmente, com a intensificação da tecnologia da informação se evidenciou o quanto é delicada a linha que separa o domínio público da propriedade intelectual. Se anteriormente a era digital era complicado se fazer cópias de livros, por exemplo, hoje em dia pode até ser um pouco trabalhoso digitalizar um livro, mas após este primeiro trabalho se torna fácil fazer cópias assim como disponibiliza-las na internet. Uma vez transformado qualquer arquivo em um formato digital uma pessoa pode modificá-lo e copiá-lo de diversas formas, isto está transformando a sociedade, afetando principalmente as empresas de entretenimento que estão tendo que repensar o seu modelo de negócios. A velocidade que está ocorrendo a evolução tecnológica e de comunicação é superior a capacidade que os países tem para elaborar leis a respeito deste tema. É algo novo e que analogias feitas com propriedades intelectuais já existentes estão se mostrando ineficientes e incorretas. A necessidade de se fazer uma caracterização sobre a propriedade intelectual e domínio público está em como estas questões interferem fortemente nas relações socioeconômicas atuais. Somando este tema com o estudo sobre as legislações existentes no Brasil e nos países mais desenvolvidos é que está inserido a justificativa deste trabalho. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Este trabalho é composto por três capítulos intitulados: A Propriedade privada, O Domínio Público e A busca pelo Equilíbrio. No primeiro capítulo é feita uma apresentação da propriedade privada mostrando sua origem, seu conceito, lei brasileira, leis e tratados internacionais e organização do mundo em defesa da propriedade intelectual. No segundo capítulo será mostrado o que é domínio público, seu conceito, domínio público: da origem até

11 13 os dias atuais e entidades de apóio. No terceiro e último capítulo é mostrado os benefícios e a importância da propriedade privada e do domínio público.

12 14 1. PROPRIEDADE INTELECTUAL A fim de proporcionar um melhor conhecimento sobre a Propriedade Intelectual e facilitar o entendimento deste trabalho, neste capítulo serão apresentados os conceitos de propriedade Intelectual, bem como sua origem, legislações relacionadas e entidades governamentais ou não que atuam na defesa do direito de Propriedade Intelectual. 1.1 ORIGEM Antes de definir o termo Propriedade Intelectual, faz-se necessário compreender a origem e evolução do termo propriedade. A idéia de propriedade existe desde a pré-história, no período paleolítico, onde o ser humano vivia em pequenos grupos nômades, fabricava seus instrumentos de caça e pesca, e habitava cavernas. Nesta época, a propriedade era coletiva e consistia dos instrumentos de caça e pesca. Com o desenvolvimento da agricultura e a habilidade de criar animais, os grupos humanos passaram a se fixar em uma terra, que neste momento passou a ser a propriedade mais importante do grupo. Na chamada era dos metais, com o domínio de técnicas de drenagem e irrigação, ocorre um grande impulso na agricultura, que passa a produzir mais do que o necessário para o grupo consumir, o que dá origem à troca de mercadorias, o escambo. Desta forma, as pequenas aldeias agrícolas passam a formar centros urbanos. Vão surgindo as cidades-estado e por fim os pequenos reinos. Com o desenvolvimento das novas armas, os pequenos estados passam a dominar os outros mais fracos, dando início aos primeiros impérios. A venda de propriedades já existia na Suméria a 4000 a.c. Textos anteriores ao código de Hamurabi já previa penalidades para roubos. O conceito de propriedade está inclusive implícito no sétimo mandamento: não furtarás. Foram os romanos que criaram as bases para a propriedade privada como é conhecida hoje. O direito a propriedade privada estabelecida nas leis nasceu no século XVII com as mudanças institucionais implantadas na Europa e rapidamente se espalharam por todo o planeta. Neste momento os governantes perderam o poder de confiscar bens ou de limitar seu uso legitimo. Um judiciário independente e eficiente adquiriu o poder de preservar este direito.

13 15 A propriedade foi motivo de discussão de diversos filósofos ao longo de toda a historia. A lista inclui Platão, Aristóteles, São Tomás de Aquino, Hegel, Hobbes, Locke, Hume, Kant, Marx e Mill. Com o desenvolvimento da sociedade se percebeu que algo valioso não limitava-se apenas a bens concretos, os bens abstratos como idéias, invenções, livros, conhecimentos, também eram importantes Estes bens precisavam também ser protegidos e, dentro deste contexto, que foi criada a propriedade intelectual. Logo verificou-se que as mesmas regras aplicadas aos bens concretos não poderiam ser simplesmente utilizadas para proteger os bens abstratos. 1.2 CONCEITO A propriedade intelectual é um dos tipos de propriedade, mas apesar de existir leis sobre a mesma nenhuma se refere diretamente e satisfatoriamente sobre a propriedade intelectual na tecnologia da informação. O significado de direitos autorais fica consolidado na Lei n no art. 7º São obras intelectuais protegidas as criações do espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro. Na descrição dentro desta lei sobre obras intelectuais, fica claro o sentido de protegêlas, não importando em que meio são expressas, como também com qual finalidade serão usadas, importando somente nesta lei a sua proteção global deste direito. Segundo Walter Brasil Mujalli no livro Sistema de Propriedade Industrial no Direito Brasileiro sobre propriedade Intelectual: Esta corresponde ao produto do pensamento e da inteligência humana, que também tornou-se com o passar dos tempos, objeto da propriedade industrial. A propriedade intelectual é o esforço dispendido pelo ser humano, voltado a realização de obras literárias, artísticas e cientificas, como também, é o direito autoral.(1997, p. 20) Neste conceito fica claro a intenção do autor em defender o esforço, o trabalho para se realizar as suas obras, com também, a clara semelhança, segundo o autor, da propriedade intelectual e do direito autoral. De acordo com o magistério de Luiz Otavio Pimentel no livro Sistema de Propriedade Industrial no Direito Brasileiro, As diversas produções da inteligência humana e alguns institutos afins são denominadas genericamente de propriedade imaterial ou intelectual, dividida em dois grandes grupos, no domínio das artes e das ciências: a propriedade literária, cientifica e artística, abrangendo os direitos relativos as produções intelectuais na

14 16 literatura, ciência e artes; e no campo da industria: a propriedade industrial, abrangendo os direitos que tem por objeto as invenções e os desenhos e modelos industriais, pertencentes ao campo industrial.(2005,p. 126) Neste conceito, o autor faz uma caracterização restrita da propriedade intelectual e deixa de lado uma área efervescente da propriedade intelectual que é este tipo de propriedade na tecnologia da informação e comunicação. Na grande maioria dos intelectuais do direito brasileiro não é feita a clara atenção a propriedade intelectual na TIC. Este bem não possui uma estética, existe somente dados, e por isso não cabe em nenhuma das descrições relatadas pela legislação. Esta atenção ainda é bastante tímida no Brasil, refletindo neste, apenas decisões antigas dos países que estão na definida vanguarda deste assunto. No entendimento da OMPI(Organização Mundial da Propriedade Intelectual) propriedade intelectual é assim definida, Propriedade Intelectual é a soma dos direitos relativos às obras literárias, artísticas e cientificas, às interpretações dos artistas intérpretes e às execuções dos artistas executantes, aos fonogramas e às emissões de radiodifusão, às invenções em todos os domínios da atividade humana, ás descobertas cientificas, aos desenhos e modelos industriais, às marcas industriais, comerciais e de serviço, bem como às firmas comerciais e denominações comerciais, à proteção contra a concorrência desleal e todos os outros direitos inerentes à atividade intelectual nos domínios industrial, científico, literários e artístico.(2009) Para a OMPI a dimensão da propriedade intelectual é enorme e abrange todos os tipos de invenções humanas e projetos feito pelo homem. Por se tratar de uma organização criada com o intuito de zelar pela proteção dos direitos dos criadores e titulares no âmbito mundial foi feita uma descrição detalhada e completo da propriedade intelectual. Cabe salientar que a OMPI é uma organização intergovernamental com sede em Genebra na Suiça e é uma das agências especializadas da ONU(Organização das Nações Unidas). É composta por 180 países membros e é responsável pela proteção a propriedade privada como também pela administração de diversos tratados multilaterais legisla sobre aspectos legais e administrativos da propriedade intelectual. O assunto da propriedade intelectual já é novo comparado a outros tipos de direitos(a OMPI entrou em vigor em 26 de abril de 1970), quando se observa a propriedade intelectual com foco na tecnologia da informação e na comunicação o tema fica ainda mais jovem e imaturo. A própria tecnologia da informação, juntamente com a sua grande capacidade de inovação, produz novos produtos e ferramentas com uma capacidade jamais vista. O próprio programa de computador, apesar de já existir a certo tempo, ainda está passando por uma caracterização no direito brasileiro.

15 17 Conforme a INPI- Instituto Nacional de Propriedade Intelectual diferentemente das demais proteções conferidas pelo instituto que são afetas a propriedade intelectual, o registro de programa de computador e afeto ao direito autoral. A INPI apresenta-se como defensora da idéia de que o programa de computador é um esforço privado, e seus direitos estão mais semelhantes ao direito autoral do que a própria propriedade intelectual. Os programas usados nos computadores necessitavam de uma legislação que os definissem no Brasil, pois a sua comercialização no país, assim como em todo o mundo, estava em crescimento exponencial. Para suprir essas necessidades foi criada no Brasil em 19 de fevereiro de 1998 a lei n que dispõe sobre o programa de computador, sua comercialização no país e dá outras providências. Nas disposições preliminares da referida lei diz que: Programa de computador é a expressão de um conjunto organizado de instruções em linguagem natural ou codificada, contida em suporte físico de qualquer natureza, de emprego necessário em máquinas automáticas de tratamento da informação, dispositivos, instrumentos ou equipamentos periféricos, baseados em técnica digital ou análoga, para fazê-los funcionar de modo e para fins determinados.(1998) Nesta lei o direito brasileiro faz um conceito moderno e atual sobre o que é o programa de computador, seguindo o mesmo conceito de países mais desenvolvidos, como EUA e países da Europa. Segundo o autor Luiz Augusto Azevedo Sette no livro Direito Eletrônico sobre obra intelectual: é aquela derivada da criação ou espírito humanos, capaz de ser percebida pelos sentidos. Para Carlos Alberto Bittar, direitos intelectuais são assim definidos: Aqueles referentes a relações entre pessoa e as coisas (bens) imateriais que cria e traz à lume, vale dizer, entre os homens os produtos do seu intelecto, expressos sob determinadas formas, a respeitos dos quais detêm verdadeiro monopólio.(1992, p. 22) Para o autor o direito intelectual é definido com a combinação de pessoa com um bem imateriais e que essas pessoas possuem o monopólio do seu uso. Para Robert M. Sherwood no livro Propriedade Intelectual e Desenvolvimento Econômico a propriedade intelectual é assim defendida: A criatividade humana é o grande recurso natural de qualquer país. Como o ouro nas montanhas, permanecerá enterrado sem estímulo à extração. A proteção à propriedade intelectual é a ferramenta que traz à tona aquele recurso.(1993, p. 22) Para o autor o maior recurso natural de qualquer país é a criatividade humana, essência da propriedade intelectual, que transforma esse recurso natural em algo vistoso e valioso.

16 LEI BRASILEIRA O artigo do código civil brasileiro tem em seu objeto de atenção a propriedade em geral e diz em suas disposições preliminares que O proprietário tem a faculdade de usar, gozar, e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. Em 19 de fevereiro de 1998 foi sancionada pelo então presidente da república Fernando Henrique Cardoso o projeto de lei que faz a atualização da legislação sobre o software no Brasil(lei n 9.609) e no mesmo dia publicou a lei n que tem como foco a legislação sobre direitos autorais, incluindo a proteção ao programa de computador. Nesta lei, alguns pontos importantes são: 1. Aplicação de uma pena de seis meses a dois anos de detenção e multa para violação de Direitos do Autor do programa(multa de até 2 mil vezes o valor de cada cópia pirateada). Caso a cópia pirata esteja sendo usada para fins comerciais a pena passa a ser de um a quatro anos de detenção e a multa pode chegar a 3 vezes o valor de cada cópia pirateada. 2. Quem estiver usando uma cópia pirata poderá ser processado por crime de sonegação fiscal. A Receita Federal poderá fiscalizar a empresa para confirmar a procedência do software. 3. O produtor do software terá o direito sobre o mesmo com duração de 50 anos e não dependerá de nenhum registro prévio em qualquer órgão do governo. 4. Ficam excluídos os Direitos Morais. Desta forma o software pode ser modificado para se adequar às necessidades do usuário. 5. As empresas não poderão alugar o software sem prévia autorização do autor, desde que o software não faça parte da máquina alugada. 6. O empregador terá direito exclusivo sobre o programa desenvolvido pelo empregado durante a vigência do contrato. 7. Estão eliminados os cadastros e demais burocracias para a comercialização de software no Brasil. Nesta lei, as bases teóricas usada por países mais desenvolvidos foram transcritos nesta lei brasileira, porém se esqueceu de observar um fato novo que este assunto trás a tona, que é a questão da facilidade em fazer cópias piratas e de como este produto final pirata tem vantagens ao consumidor, por trazer qualidade muitas vezes semelhante e preço muito inferior ao original, o que transforma sua solução em algo difícil de resolver e de combater, já que é

17 19 visto com bons olhos pelo consumidor em geral. Além deste problema é difícil se caracterizar um produto pirata, pois é preciso analisar se a obra (escrita, musicais e audiovisuais) está sendo usada sem a autorização do detentor dos direitos autorais e o uso dessa obra pode se dar de diversas maneiras como: vendas e compras de CDs, download de arquivos pela internet, uso de músicas como toque de celular, etc. 1.4 LEIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Diversos países elaboraram leis para proteger os direitos autorais e propriedade privada, apesar desta proteção, se percebia problemas quando o objeto da proteção ultrapassava as fronteiras do país de origem, dificultando sobremaneira a aplicação das leis nacionais. No sentido de resolver este problema, foram redigidas leis e tratados internacionais para não só facilitar a aplicação das leis, como também unificar leis semelhantes. O objetivo de se elaborar tratados que tenham abrangência internacional com o sentido de preservar os direitos teve como inicio a Convenção Internacional para Proteção da Propriedade Industrial de Paris em 1967, que teve como tema especifico a questão de patentes e é complementada por diversos tratados, como é o caso da União de Paris. A União de Paris é um tratado internacional, assinado em 1883, porém, apesar de ter sido emendado diversas vezes manteve dois princípios fundamentais: o direito de prioridade e o principio do tratamento nacional. Pelo principio do tratamento nacional, os países membros estenderia a proteção aos cidadãos dos demais países signatários assim como sua população. Esta foi a principal contribuição deste tratado, pois esteve presente nele o desejo de que uma determinação esteja presente em diversos países. Além desta convenção teve também destaque a Convenção de Berna, elaborada em 1886 e reformulada em 1971 que assegura os direitos do autor sobre obras intelectuais, literárias e congêneres. Essa convenção tem conseguido firmar princípios e orientações que foram seguidas pelos países interessados, conseguindo de certa forma uma uniformização legislativa. A convenção de Berna e de Paris possuía secretariados que foram reunidos em 1893 sob a denominação de Bureaux Internacionaux Reunis pour la Protection de la Proprieté Intellectuelle(BIRPI).

18 20 Em 1967, os BIRPI forma substituídos pela organização Mundial de Propriedade Intelectual, cuja sigla é OMPI. Nos países de língua inglesa, é denominada oficialmente World Intellectual Property Organization, com a sigla WIPO. A OMPI tem sede em Genebra, na Suíça. Existe desde 26 de abril de 1970 e o Brasil faz parte como membro efetivo desde 20 de março de O objetivo de estudo da OMPI é a proteção a propriedade intelectual em todas as suas vertentes, e em 1970 foi criado um grupo consultivo de técnicos encarregados de elaborar estudos sobre a proteção jurídica do programa de computador e oferecer um parecer ao Bureau Internacional da OMPI. Este parecer foi solicitado pela ONU e serviu de base para uma possível aplicação em acordos internacionais. O grupo consultivo abordou as seguintes questões: 1. No plano nacional, qual a forma mais satisfatória de proteção jurídica para os programas de computadores, tanto do ponto de vista de países em desenvolvimento como de países produtores de computer software? 2. Que providências internacionais novas, que modificações ou reforços de medidas existentes devem ser previstos? Em 1977, o grupo se reuniu na sua sede e depois de analisar detalhadamente o documento preparado pela Bureau Internacional da OMPI, contendo as disposições-tipo sobre a proteção do software, aprovou sua publicação, que foi feita na revista Le Droit d Auteur, exemplar de janeiro de Com esta publicação a OMPI admitia um novo direito intelectual, com características sui generis(único em seu gênero). A estrutura das disposições-tipo é a seguinte: - O art. 1 define o objeto da proteção: programa do computador, descrição do programa, documentação auxiliar e software; - O art. 2 determina quem é o proprietário e o detentor dos direitos relativos ao software, quando este for criado por um empregado. Esse artigo regulamenta, também, a transferência e a devolução dos direitos relativos aos programas; - O art. 3 define a originalidade; -O art. 4 especifica que os direitos pela presente lei não se estendem as noções nas quais o programa é fundado ; - O art. 5 enumera os direitos do proprietário contra aquele que promover divulgação não autorizada, acesso não autorizado, cópia, utilização e venda não autorizada do software;

19 21 -O art. 6 trata da violação dos direitos do proprietário. Prevê dois casos que não são considerados violação: a criação independente e a situação particular dos navios e dos veículos estrangeiros em geral(inclusive espaciais ou aéreos) que atravessarem o território de um país, utilizando software criado em outro país; - O art. 7 trata da duração dos direitos conferidos pela lei(20 a 25 anos a partir da sua criação); -O art. 8 define as sanções civis cabíveis em caso de infração; -O art. 9 cuida da aplicação de outras leis. A OMPI não exclui, no que concerne a proteção do programa, a aplicação de princípios gerais de direito ou de outras leis, como a lei das Patentes, a dos Direitos Autorais ou sobre concorrência desleal. Esta publicação faz uma descrição detalhada do que é o software, não se atendo somente ao produto final como também a sua descrição e documentação. É uma descoberta deste novo direito intelectual e como deve ser regulamentado este novo direito. A França é um país que está se destacando no combate a pirataria no continente europeu. Foi aprovada no dia uma lei sobre a internet que estabelece a suspensão de acesso a internet para usuários que façam downloads ilegais. O governo irá enviar uma carta de advertência para cada usuário que desrespeitar a lei. Após a segunda carta de advertência o usuário tem o seu acesso a internet suspenso por até um ano. O usuário fica também obrigado a continuar o pagamento ao provedor enquanto a suspensão estiver valendo. Com esta lei a França se torna um dos países mais rígidos no combate a pirataria na internet. Esta lei foi embasada por mais de 10 mil assinaturas de artistas,cineastas, músicos e pessoas ligadas a cultura em geral. Apesar da lei ser bem severa no combate a pirataria, a sua eficiência é contestada até mesmo para pessoas do próprio governo, como a ministra de cultura francesa Christine Albanel que disse que esta lei tem um pequena chance de erradicar com o o fenômeno mundial que é a pirataria de produtos culturais. Uma lei com o mesmo molde da lei francesa foi introduzida no parlamento europeu que desconsiderou a lei, alertando do perigo de prejudicar usuários inocentes. O parlamento considerou que um usuário desavisado poderia fazer uma troca de arquivos de entretenimento sem saber que estaria violando alguma lei, e mesmo assim, ser punido com o bloqueio de seu acesso a internet. 1.5 ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DEFESA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

20 22 A Propriedade Intelectual se tornou um bem muito valioso na sociedade moderna. Não só para as pessoas de maneira geral, como também para empresas e governos. As pessoas são incentivadas a produzir mais e melhor quando são reconhecidas e remuneradas por isso. Este pensamento é o que rege o sistema capitalista que se mostrou mais eficiente que o socialismo defendido por Marx. A propriedade Intelectual está presente não somente nas pessoas como também nas empresas e este bem valioso tem que ser protegidos, independente da evolução tecnológica. Nenhuma empresa ira investir em um determinado projeto que seja de tecnologia da informação e comunicação (TIC) sem ter a certeza que terá o retorno de seus investimentos garantido. Diversas empresas estão diminuindo seus investimentos ou até mesmo falindo graças à revolução tecnológica irresponsável. Uma pesquisa realizada pela Business Software Alliance (BSA), apoiada pela Associação Brasileira das empresas de Software (Abes) e conduzida pela International Data Corporation (IDC) mostra que a indústria brasileira de tecnologia da informação pode perder 2,9 bilhões de dólares em quatro anos por conta da pirataria. A pesquisa mostra também que com a redução da pirataria poderia ser agregados até 11,5 mil empregos e 389 milhões de dólares em impostos até Este estudo baseia-se na geração de capital do mercado de TIC e sua contribuição para o Produto Interno Bruto(PIB). As conclusões mostram que, em 2007, o Brasil investiu cerca de US$ 20 bilhões em tecnologia, incluindo hardware, software e serviços. Este valor corresponde a 1,8% do PIB. Este valor é composto por mais de 22,5 mil empresas e 372 mil colaboradores, e a TIC arrecada US$ 7,1 bilhões em impostos relacionados. As pessoas possuem em suas mãos ferramentas capazes de copiar, multiplicar arquivos ou dados que deram muito trabalho e custaram caro para seus idealizadores. Essas cópias depois que estão prontas tem custo de reprodução baixíssimo e a qualidade é a mesma, de forma que o investimento para a produção do arquivo original é perdido ou diminuído fortemente graças a este problema. Esta é uma guerra injusta, pois enquanto as empresas buscam ferramentas de como proteger seus negócios, a inovação tecnológica é tão forte que acaba produzindo mil maneiras de se burlar aquela ferramenta criada pela empresa. As pessoas, em especial as jovens, foram criadas em um mundo onde não existe limite para a sua criatividade e que a agilidade na troca das informações é a regra número um. Esses jovens foram apresentados a este mundo sem que alguém os mostre o que é legal e o que não é. Se é cobrado um dinheiro por um determinado produto e ele encontra na internet uma

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS CARTILHA DE PI DO CADUCEUS SUAS IDEIAS PODEM SER VALIOSAS! Vivemos hoje no mundo da informação e do conhecimento, onde o crescimento e a sustentação de qualquer indústria são sobretudo determinados por

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Clarke, Modet & Co. - Brasil Dra. Patrícia Falcão. São Paulo, 29 de abril de 2015

Clarke, Modet & Co. - Brasil Dra. Patrícia Falcão. São Paulo, 29 de abril de 2015 Esse documento está licenciado pela licença Creative Commons Atribuição Não Comercial Sem Derivados (CC BY-NC-ND). Para saber o que você pode fazer ou não com este arquivo, leia este link antes de usá-lo:

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. GIOVANI CHERINI) Acrescenta o Capítulo IV-A ao Título II Dos Direitos Fundamentais, da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que Dispõe sobre o Estatuto da Criança e

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO

CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO FÁBRICA DE SUCESSOS LTDA. ME, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob Nº 14.464.760/0001-64, com sede na Alameda

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Direitos autorais. Alessandro Woserow Pedro Balistiero Fattore Guilherme Yagui Otavio Humberto Guerra e Sahm

Direitos autorais. Alessandro Woserow Pedro Balistiero Fattore Guilherme Yagui Otavio Humberto Guerra e Sahm Direitos autorais Alessandro Woserow Pedro Balistiero Fattore Guilherme Yagui Otavio Humberto Guerra e Sahm Direitos autorais O que é? O direito autoral é o reconhecimento naturalmente concedido a uma

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Fundamentos da tecnologia da informação Os conteúdos abordados neste módulo são: Componentes da Tecnologia

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Anteprojeto de lei para LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Considerações gerais A expansão da internet trouxe facilidades sem precedentes para o compartilhamento e reprodução de obras,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

QUESTÕES ÉTICAS E SOCIAIS NA EMPRESA DIGITAL

QUESTÕES ÉTICAS E SOCIAIS NA EMPRESA DIGITAL QUESTÕES ÉTICAS E SOCIAIS NA EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Quais são as questões éticas, sociais e políticas relacionadas com os sistemas de informação? 2. Existem princípios específicos de conduta que

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO FBT Tecnologia LTDA - ME., inscrita no CNPJ sob no 20.167.162/0001-26, com sede na Av Ipiranga 7464, 9º Andar Sala 914, Porto Alegre - RS, única e exclusiva proprietária do

Leia mais

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos,

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, Guia de Backup Introdução Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, apresentações, entre outras. Imagine que quando

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo VIII Seminário do Setor de Saúde da Britcham, tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO Maria Aparecida de Souza Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

Uso de Software Livre na Universidade

Uso de Software Livre na Universidade Uso de Software Livre na Universidade Diego Starling Fonseca Guilherme da Silva Nascimento Gustavo Henrique do Nascimento Pereira Luiz Henrique Bueno Byrro Marcelo Luiz Lacerda Esteves Rodrigo Alvaro da

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CÁSSIO AUGUSTO BARROS BRANT LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1ª Edição Belo Horizonte Edição do Autor 2012 B821l Brant, Cássio Augusto Barros

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

3. Que informações coletamos a seu respeito e como o fazemos. Poderemos coletar e processar os seguintes dados a seu respeito:

3. Que informações coletamos a seu respeito e como o fazemos. Poderemos coletar e processar os seguintes dados a seu respeito: Política de Privacidade 1. Introdução A PUGA Studios produz jogos de alta qualidade capazes de proporcionar experiências de entretenimento divertidas e acessíveis para qualquer um desfrutar. Na PUGA, respeitamos

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1 Ética: compromisso social e novos desafios Propriedade intelectual e bioética Cintia Moreira Gonçalves 1 A propriedade intelectual e a propriedade industrial estão previstas e protegidas no ordenamento

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

Paul Anwandter não recolherá informações de visitantes às nossas páginas web / wap, a menos que você nos fornecer sua informação

Paul Anwandter não recolherá informações de visitantes às nossas páginas web / wap, a menos que você nos fornecer sua informação Política De Privacidade Esta política de privacidade descreve os tipos de informações coletadas pelo nome do cliente no site e como usamos e proteger. Esta Política de Privacidade aplica-se apenas a este

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord CRIMES DE PIRATARIA DE SOFTWARE Prática ilícita caracterizada

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

SAIBA MAIS SOBRE O LINUX E DESCUBRA QUAL DISTRIBUIÇÃO É MELHOR PARA VOCÊ! CURSO

SAIBA MAIS SOBRE O LINUX E DESCUBRA QUAL DISTRIBUIÇÃO É MELHOR PARA VOCÊ! CURSO 1 AULA SAIBA MAIS SOBRE O LINUX E DESCUBRA QUAL DISTRIBUIÇÃO É MELHOR PARA VOCÊ! ROTEIRO PRÉ-REQUISITOS 1 INTRODUÇÃO 2 DISTRIBUIÇÕES LINUX 3 AJUDA PARA ESCOLHER SUA DISTRIBUIÇÃO LINUX 4 DÚVIDAS FREQUENTES

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Gestão de incidentes de segurança da informação Objetivo Os incidentes de segurança da informação precisam

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais