RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO"

Transcrição

1 RELATÓRIO E CONTAS 1S2014

2 PÁGINA 2 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

3 RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO

4 PÁGINA 4 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

5 01 Grupo Martifer

6 01 GRUPO MARTIFER DESTAQUES Total de Proveitos Operacionais nos 6M14 de 167 M (299M nos 6M13) Resultado Líquido Consolidado de -38 M que compara com -49M nos 6M13 Total de carteiras de encomendas de 543M ; i.e., Construção Metálica (316 M ) e Solar (227 M ) Total da Dívida Líquida Consolidada de 351 M (336M FY13) Martifer Metallic Constructions reforça capitais próprios em 28 M PRINCIPAIS INDICADORES FINANCEIROS M Jun-14 Jun-13 Var. (%) Proveitos Operacionais 167,0 298,8-44% EBITDA -3,3 2,3 n.m. Margem EBITDA -2% 1% -2,8 pp EBIT -22,3-27,4 19% Margem EBIT -13% -9% -4,1 pp Resultados financeiros -14,0-19,4 28% Resultados antes de impostos -36,2-46,8 23% Impostos -2,0-1,8-11% Resultado líquido do exercício -38,3-48,7 21% Atribuível a interesses não controlados -7,8 1,5 n.m. Atribuível ao Grupo -30,5-50,1 39% Resultado por ação -0,312-0,512 39% PÁGINA 6 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

7 PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS JANEIRO 2014 West Sea assina contrato para a Subconcessão dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo No âmbito de um concurso público internacional, foi adjudicada ao consórcio formado pela Martifer Energy Systems e pela Navalria, sociedades integrantes do grupo Martifer, a Subconcessão da Utilização Privativa do Domínio Público e das Áreas Afetas à Concessão Dominial atribuída à Sociedade Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC). O grupo Martifer, através da sua nova subsidiária West Sea Estaleiro Navais, Lda, pretende desenvolver a sua atividade no mercado nacional e internacional e implementar um projeto de construção e reparação naval, no âmbito do qual se prevê a criação de cerca de 400 novos postos de trabalho ao longo dos próximos 3 anos. Com esta subconcessão, o Grupo aumenta a sua capacidade de construção e reparação naval. A assinatura do contrato decorreu em janeiro de Martifer Solar USA INC e Martifer Aurora Solar LLC iniciaram voluntariamente um processo nos termos do Chapter 11 No dia 21 de janeiro as sociedades participadas Martifer Solar USA INC e Martifer Aurora Solar LLC iniciaram voluntariamente um processo nos termos do Chapter 11 (US Bankrupcy Code). FEVEREIRO 2014 Martifer Renewables concluiu venda da Rosa dos Ventos No dia 27 de Fevereiro, a Martifer Renewables concluiu, através da sua subsidiária Martifer Renováveis Geração de Energia e Participações, S.A. controlada a 55 %, a venda de 100% das ações da empresa da Rosa dos Ventos Geração e Comercialização de Energia, SA pelo valor total $R70,3m à empresa brasileira CPFL. A Rosa dos Ventos Geração e Comercialização de Energia, SA é a empresa detentora de parques eólicos com capacidade de produção de 14,7 MW de energia. A venda tinha sido acordada entre as partes envolvidas a 18 de junho de MARÇO 2014 Martifer conclui dois novos navios para a Douro Azul A Navalria, subsidiária da Martifer Metallic Constructions, concluiu, em março, a construção dos navios-hotel Viking Hemming e Viking Torgil, para a empresa Douro Azul. Os navios, que irão operar cruzeiros no rio Douro, foram construídos no prazo de um ano e contam com uma característica distintiva: uma proa arredondada, que torna possível a criação de um deck exterior com capacidade para 42 passageiros. Martifer Metallic Constructions reestrutura dívida e reforçará capitais próprios A Martifer Metallic Constructions terminou a reestruturação de parte da sua dívida de curto prazo para médio e longo prazo. RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 7

8 ABRIL 2014 Martifer Metallic Constructions reforça capitais próprios A Martifer Metallic Constructions reforçou, através dos acionistas de referência da Martifer SGPS, os capitais próprios em cerca de 28 milhões de euros. Martifer Solar e Adenium Energy com PPA para parque fotovoltaico na Jordânia A Martifer Solar e a Adenium Energy Capital celebraram um Acordo de Compra de Energia (PPA Power Purchase Agreement) com a utility nacional da Jordânia, NEPCO (National Electric Power Company), para um parque fotovoltaico de 10 MW. A Martifer Solar foi selecionada como developer principal do projeto e ficará encarregue dos serviços de EPC (Engineering, Procurement and Construction). Após a ligação à rede, a Martifer Solar será responsável pelos serviços de Operação e Manutenção (O&M). O projeto será desenvolvido com a Adenium Energy Capital, que irá financiar o projeto com um valor total de cerca de USD $26 milhões. Martifer Solar conclui construção de portefólio fotovoltaico de 78,4 MW para a Lightsource Renewable Energy no Reino Unido A Martifer Solar concluiu a construção de um portefólio fotovoltaico de 78,4 MW no Reino Unido. O cluster é constituído por cinco parques fotovoltaicos localizados nas regiões de Cambridgeshire, Devon, Nottingham e Swindon tendo sido construído para a Lightsource Renewable Energy. Assembleia Geral Anual da Martifer SGPS, S.A. Em 28 de abril de 2014 ocorreu a Assembleia Geral Anual da Martifer SGPS, S.A., com a participação de 79,85 % da totalidade do seu capital social, tendo sido aprovadas por unanimidade todas as propostas da Ordem de Trabalhos constante da convocatória. MAIO 2014 WEST SEA toma posse do Estabelecimento da Subconcessão Em 2 de maio de 2014, a sociedade West Sea - Estaleiros Navais, Lda, integrante do Grupo Martifer tomou posse do Estabelecimento da Subconcessão no âmbito da Subconcessão da Utilização Privativa do Domínio Público e das Áreas Afetas à Concessão Dominial atribuída à Sociedade Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC). PÁGINA 8 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

9 JUNHO 2014 Martifer Renewables celebra acordo de venda condicional do parque eólico de Gizalki ao Grupo Ikea Foi celebrado um acordo de alineação condicional, no âmbito do qual o Grupo IKEA irá financiar o desenvolvimento do parque eólico de Gizalki (36MW), na Polónia, que está pronto a ser construído (ready-to-build). A venda do projeto Gizalki será apenas concluída após a sua construção e ligação à rede. A venda destes ativos enquadra-se na política de rotação de ativos, implementada pela equipa de gestão da Martifer Renewables, área de negócio de RE Developer do grupo Martifer. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS SUBSEQUENTES JULHO 2014 Maioria dos ativos da Martifer Solar USA INC vendidos à BayWa No dia 1 de julho, as dinâmicas do processo de Chapter 11, iniciado pela Martifer Solar USA INC em janeiro, conduziram a que o tribunal do Nevada aprovasse a venda da maioria dos ativos da Martifer Solar USA, Inc. à proponente BayWa por 7,6 milhões de USD. O produto da venda está enquadrado com o book value dos ativos. Martifer Solar completa 8 MW na Ucrânia A Martifer Solar construiu um novo parque PV de 8MW, denominado Shargorod, na região de Vinnytsia, na Ucrânia. Ventinveste SA assina acordo com Ferrostaal GmbH Em Julho de 2014 foi constituída a sociedade Âncora Wind Energia Eólica, S.A. que visa concretizar a parceria entre a Ventinveste, S.A. e a Ferrostaal, GmbH para o desenvolvimento de projetos eólicos num total de 171 MW no âmbito do consórcio Ventinveste, estando previsto o início da construção após o financial closing, que se perspetiva para o final de AGOSTO 2014 Martifer SGPS acorda transmissão da participação na Nutre SGPS A Martifer SGPS decidiu no semestre proceder à venda da participação que detinha na Nutre, SGPS, SA. tendo no início do terceiro trimestre acordado, no âmbito de uma proposta de investimento nessa sociedade apresentada pelo grupo Orchadia, S.A., a transmissão daquela participação. A concretização da operação está sujeita ainda ao cumprimento de diversas condições, (incluindo, entre outras, decisões de Autoridades Governamentais). O valor da transmissão está em linha com o valor do investimento financeiro. RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 9

10 PÁGINA 10 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

11 02 Desempenho Financeiro

12 02 DESEMPENHO FINANCEIRO ANÁLISE DE RESULTADOS M Jun-14 Jun-13 Var. (%) Proveitos Operacionais 167,0 298,8-44% EBITDA -3,3 2,3 n.m. Margem EBITDA -2% 1% -2,8 pp Amortizações e depreciações -8,8-8,7-1% Provisões e perdas de imparidade -10,2-21,1 52% EBIT -22,3-27,4 19% Margem EBIT -13% -9% -4,1 pp Resultados financeiros -14,0-19,4 28% Resultados antes de impostos -36,2-46,8 23% Impostos -2,0-1,8-11% Resultado líquido do exercício -38,3-48,7 21% Atribuível a interesses não controlados -7,8 1,5 n.m. Atribuível ao Grupo -30,5-50,1 39% Resultado por ação -0,312-0,512 39% TOTAL DE PROVEITOS OPERACIONAIS Nos 6M14 o total de proveitos operacionais ascendeu a 167 milhões de euros (299 milhões nos 6M13) sendo 56 % respeitantes ao segmento de construção metálica, 32 % respeitantes ao segmento Solar e o remanescente ao segmento RE Developer. PROVEITOS OPERACIONAIS Jun-14 Jun-13 M PESO M PESO VAR.% Martifer Consolidado 167,0 100% 298,8 100% -44% Construção Metálica 94,3 56% 127,2 43% -26% Solar 53,5 32% 163,1 55% -67% RE Developer 19,4 12% 10,4 3% 85% Outras, Holding e Ajust. -0,1 0% -2,0-1% 95% O grupo mantém a estratégia de internacionalização, sendo a distribuição dos proveitos operacionais por país a seguinte: PÁGINA 12 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

13 Europa - Outros 3% Australia 0% America 18% Portugal 19% Asia 5% Africa 9% União Europeia 46% EBITDA E RESULTADO LÍQUIDO Nos 6M14 o EBITDA negativo do segmento de construção metálica (cerca de 3 milhões de euros) e solar (12 milhões de euros) foi quase na totalidade compensado pelo EBITDA positivo do segmento RE Developer (11 milhões de euros). EBITDA Jun-14 Jun-13 M MARG. M MARG. VAR.% Martifer Consolidado -3,3-2% 2,3 1% n.m. Construção Metálica -2,8-3% -16,0-13% 83% Solar -12,1-23% 12,0 7% n.m. RE Developer 11,0 57% 6,3 60% 75% Outras, Holding e Ajust. 0,6 0% 0,0 0% n.m. Os resultados financeiros consolidados foram negativos em 14 milhões de euros, apresentando assim uma melhoria face aos resultados financeiros dos 6M2013 (-19 milhões de euros) O Resultado Líquido Consolidado ascendeu a -38 milhões de euros apresentando assim uma melhoria de 21 % face ao resultado do período homólogo do ano anterior. RLE Jun-14 Jun-13 M PESO M PESO VAR.% Martifer Consolidado -38,3 100% -48,7 100% 21% Construção Metálica -21,9 57% -36,9 76% 41% Solar -16,9 44% 2,3-5% n.m. RE Developer 5,6-15% 1,7-3% >100% Outras, Holding e Ajust. -5,1 13% -15,7 32% 67% RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 13

14 INVESTIMENTO O investimento total em ativos fixos nos 6M14 foi de 9 milhões de euros sendo, maioritariamente, resultante do investimento no segmento de construção metálica (8 milhões de euros). INVESTIMENTO EM ATIVOS TANGÍVEIS E INTANGÍVEIS S2014 (M ) ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CAPITAL SITUAÇÃO FINANCEIRA M Jun-14 Dez-13 VAR. % Ativos Fixos (incluindo Goodwill) 232,6 230,0 1% Outros Ativos não correntes 147,2 164,9-11% Inventários e Devedores Correntes 304,8 322,9-6% Disponibilidades e equivalentes 37,0 39,2-6% Ativos não correntes detidos para venda 31,1 30,8 1% Ativo Total 752,7 787,8-4% Capital Próprio 104,1 100,0 4% Interesses não controlados 18,6 39,7-53% Total do Capital Próprio 122,7 139,7-12% Dívida e leasings não correntes 254,9 236,8 8% Outros passivos não correntes 41,0 37,5 9% Dívida e leasings correntes 132,4 138,1-4% Outros passivos correntes 201,7 224,5-10% Passivos relacionados com ativos não correntes detidos para venda 0,0 11,2 n.m. Passivo Total 630,0 648,1-3% PÁGINA 14 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

15 O valor total de ativo ascende a 753 milhões de euros (788 milhões a 31 de Dezembro de 2013), sendo que o valor dos ativos não correntes totaliza 380 milhões de euros. O valor do capital próprio a 30 de Junho de 2014 totalizava 122 milhões de euros que compara com 140 milhões de euros a 31 de Dezembro de A variação negativa resulta, essencialmente, do resultado líquido do período, que é parcialmente compensada pelo reforço de capitais próprios da Martifer Metallic Constructions. DÍVIDA LÍQUIDA O gráfico abaixo apresenta a evolução da divida liquida por segmento: Const. Metálica Solar RE Developer Holding 0 Dívida Líquida FY 2013 Dívida Líquida Dívida Líquida 1T2014 2T2014 Nota: Dívida Líquida = Empréstimos + Leasing Financeiro (+/-) Derivados Disponibilidades e Equivalentes A Dívida Líquida Consolidada do Grupo a 30 de Junho ascendia a 351 milhões de euros, 15 milhões acima do valor registado no final de 2013 (336 milhões de euros). Não obstante este aumento no 1º semestre de 2014, o Grupo continua focalizado no processo de diminuição da Dívida Líquida, mantendo-se empenhado no processo de venda de ativos não core, especialmente parques eólicos, projetos solares e, residualmente, pela venda de projetos imobiliários. RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 15

16 TENDÊNCIA DE DECRÉSCIMO DA DÍVIDA LÍQUIDA (2008 1S2014) - M No final do 1º semestre de 2014 a estrutura da divida liquida de médio longo prazo e de curto prazo era de 68% e 32 %, respetivamente (71% e 29% no final de 2013). ESTRUTURA DA DÍVIDA LÍQUIDA A CURTO PRAZO E MÉDIO E LONGO PRAZO Curto Prazo M/L Prazo 32% 68% O/S A divida de médio e longo prazo tem inerente quase na totalidade (98 %) taxa variável tal como no final do ano anterior. PÁGINA 16 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

17 ESTRUTURA DA DÍVIDA A MÉDIO E LONGO PRAZO - TAXA FIXA VS VARIÁVEL Fixa - M/L Prazo Variável - M/L Prazo 2% 98% RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 17

18 PÁGINA 18 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

19 03 Análise por Segmento

20 03 ANÁLISE POR SEGMENTO CONSTRUÇÃO METÁLICA ATIVIDADE A carteira de encomendas no final do 1º semestre totalizava 316 milhões de euros e está dispersa por vários países nas várias regiões geográficas. CARTEIRA DE ENCOMENDAS POR GEOGRAFIA África 63 Europa Ocidental 148 América Latina 71 Europa de Leste e Médio Oriente 34 PÁGINA 20 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

21 RESULTADOS M Jun-14 Jun-13 VAR. % Proveitos Operacionais 94,3 127,2-26% EBITDA -2,8-16,0 83% Margem EBITDA -3% -13% 9,7 pp Amortizações e depreciações -3,4-3,6 6% Provisões e perdas de imparidade -8,0-7,0-14% EBIT -14,1-26,6 47% Margem EBIT -15% -21% 5,9 pp Resultados financeiros -7,6-7,4-3% Resultados antes de impostos -21,8-34,1 36% Impostos -0,1-2,9 96% Resultado líquido do exercício -21,9-36,9 41% Atribuível a interesses não controlados 0,1 0,1-12% Atribuível ao Grupo -22,0-37,1 41% Os Proveitos Operacionais da área de Construção Metálica totalizando 94 milhões de euros (127 milhões de euros no período homólogo do ano anterior) foram penalizados, no primeiro semestre de 2014, pelo atraso de algumas obras. Esta redução afetou negativamente a performance do período, nomeadamente ao nível do EBITDA que, não obstante, apresenta uma melhoria de 83% face aos 6M13, com a margem EBITDA a aumentar 10p.p. face ao período homólogo do ano anterior. As vendas e prestações de serviços deste segmento continuam focalizadas no mercado externo, com Portugal a representar apenas 15% do volume de negócios total. Europa - Outras 0% Austrália 0% América 27% Portugal 15% Ásia 7% África 15% União Europeia 36% O EBITDA dos 6M14 foi negativo de apenas 3 milhões de euros (16 milhões de euros nos 6M13) refletindo um aumento de cerca de 83 % face ao primeiro semestre de RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 21

22 Os resultados financeiros negativos no valor de 8 milhões de euros e as provisões e imparidades no valor de 8 milhões contribuem de forma decisiva para o resultado líquido do período que totalizou -22 milhões de euros (-37 milhões de euros nos 6M13). A Dívida Financeira Líquida da área de Construção Metálica no final do 1º semestre de 2014 ascende a 133 milhões de euros (127 milhões de euros no final de 2013). O CAPEX total nos 6M14 foi de cerca de 8 milhões correspondentes, essencialmente, ao investimento que este segmento vem efetuando no Brasil. SOLAR ATIVIDADE A carteira de contratos chave na mão (assinados) é de 227 milhões de euros com a Europa e a Ásia a representarem 66 % do valor total. África 19 América 58 Europa 70 Ásia 80 PÁGINA 22 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

23 RESULTADOS M Jun-14 Jun-13 VAR.% Proveitos Operacionais 53,5 163,1-67% EBITDA -12,1 12,0 n.m. Margem EBITDA -23% 7% -30,1 pp Amortizações e depreciações -1,3-1,5 14% Provisões e perdas de imparidade -1,4-1,7 16% EBIT -14,8 8,9 n.m. Margem EBIT -28% 5% -33,2 pp Resultados financeiros -1,9-7,8 75% Resultados antes de impostos -16,8 1,1 n.m. Impostos -0,1 1,2 n.m. Resultado líquido do exercício -16,9 2,3 n.m. Atribuível a interesses não controlados -0,5 0,7 n.m. Atribuível ao Grupo -16,4 1,6 n.m. Os Proveitos Operacionais nos 6M14 registam uma redução de 67% face ao período homólogo do ano anterior ascendendo a 54 milhões de euros, contra os 163 milhões de euros registados nos 6M13. Esta redução resulta do atraso no início de alguns projetos, em particular no Reino Unido, Chile e na Jordânia. A atividade deste segmento continua focalizada no mercado externo, que representa mais de 70 % do volume de negócios conforme se pode verificar pelo gráfico abaixo. Africa 0% Asia 3% America 4% Europa (outros) 6% Portugal 28% União Europeia 59% O EBITDA nos 6M14 foi negativo de 12 milhões (12 milhões positivos nos 6M13) representado uma deterioração da margem EBITDA de 30p.p (de 7% nos 6M13 para -23% nos 6M14). Para a performance negativa do período contribuíram de forma RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 23

24 significativa a forte redução do nível de atividade, os custos de consultoria e apoio legal suportados nos Estados Unidos da América no âmbito do processo de recuperação de uma das subsidiárias a Martifer Solar USA, INC, assim como custos adicionais em algumas obras. Os Resultados Financeiros nos 6M14 registaram uma melhoria de 6 milhões ascendendo, no final do semestre, a -2 milhões de euros (-8 milhões de euros nos 6M13). O Resultado líquido do período é negativo de 17 milhões de euros (positivo de 2 milhões de euros no período homólogo do ano anterior) A Dívida Líquida no final dos 6M14 ascende a 61 milhões de euros, 10 milhões de euros acima do valor no final de RE DEVELOPER ATIVIDADE A Martifer Renewables tem atualmente 80 MW de parques solares e eólicos em operação dos quais 49 MW com contribuição para os proveitos operacionais. Os proveitos dos parques detidos em Portugal, com uma capacidade de 31 MW, por serem detidos em 50% contribuem para os resultados via método da equivalência patrimonial. RESULTADOS M Jun-14 Jun-13 VAR.% Proveitos Operacionais 19,4 10,4 85% EBITDA 11,0 6,3 75% Margem EBITDA 57% 60% -3,5 pp Amortizações e depreciações -3,3-2,6-25% Provisões e perdas de imparidade -0,8-12,4 94% EBIT 6,9-8,7 n.m. Margem EBIT 36% -84% 119,4 pp Resultados financeiros 0,5 10,5-95% Resultados antes de impostos 7,4 1,8 >100% Impostos -1,8-0,1 <-100% Resultado líquido do exercício 5,6 1,7 >100% Atribuível a interesses não controlados 3,1-0,2 n.m. Atribuível ao Grupo 2,4 1,9 31% O total de Proveitos Operacionais da RE Developer nos 6M14 ascendeu a 19 milhões de euros (10 milhões de euros nos 6M13) tendo sido influenciado, não só pelos parques eólicos e solares em operação no período, num total de 49 MW, mas também pela venda de parques eólicos no Brasil. O EBITDA atingiu 11 milhões de euros nos 6M14 (6M no período homólogo do ano anterior). O Resultado Líquido no final dos 6M14 foi positivo em 6 milhões de euros, quando nos 6M13 a Martifer Renewables tinha registado um Resultado Líquido de cerca de 2 milhões de euros. A Dívida Líquida no final dos 6M14 ascendia a 9 milhões de euros (13 milhões de euros no final de 2013). PÁGINA 24 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

25 04 Comportamento da Ação Martifer

26 04 COMPORTAMENTO DA AÇÃO MARTIFER PERFORMANCE DA AÇÃO Martifer PSI 20 Fonte: Reuters VOLUME TRANSACIONADO ( 000 ações) Fonte: Reuters No final dos 6M14 as ações da Martifer desvalorizaram cerca de 18,98 % com o PSI-20, o principal índice bolsista da Euronext Lisbon, a valorizar aproximadamente 3,7 %, relativamente ao final do ano O preço da ação Martifer fechou os 6M14 nos 0, 559 /ação. O preço máximo atingido foi de 1,20 /ação e o mínimo 0,534 /ação. O volume médio diário de ações transacionadas durante os 6M14 foi de ações ( no período homólogo do ano anterior). A capitalização bolsista da Martifer a 30 de Junho de 2014 situou-se nos 55 milhões de euros. PÁGINA 26 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

27 05 Perspetivas Futuras

28 05 PERSPETIVAS FUTURAS O Grupo mantém-se focado nos objetivos definidos para 2014: Descida do endividamento através da venda de ativos não core Aumento da eficiência operacional Crescimento da Carteira de encomendas, alavancado pelo estabelecimento de Parcerias Fortalecimento da estrutura de capitais É convicção da Administração que os resultados destes objetivos sejam visíveis no 2º semestre de 2014 apesar de todas as adversidades que a Martifer vem enfrentando. Oliveira de Frades, 27 de agosto de 2014 O Conselho de Administração, Carlos Manuel Marques Martins (Presidente) Jorge Alberto Marques Martins (Vice-Presidente) Mário Rui Rodrigues Matias (Vogal do Conselho de Administração) Luís Filipe Cardoso da Silva (Vogal do Conselho de Administração) Arnaldo José Nunes da Costa Figueiredo (Vogal do Conselho de Administração) Jorge Bento Ribeiro Barbosa Farinha (Vogal do Conselho de Administração) Luís Valadares Tavares (Vogal do Conselho de Administração) PÁGINA 28 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

29 INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA

30 INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA PARTICIPAÇÕES DOS MEMBROS DE ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO De acordo com o disposto nos artigos 447º e 448º do Código das Sociedades Comerciais são os seguintes os números de valores mobiliários emitidos pela Martifer SGPS, SA e por sociedades com as quais esta se encontra em relação de domínio ou de grupo, detidos no período de 1 de janeiro de 2014 a 30 de Junho de 2014, por titulares de órgãos sociais: TITULARES ÓRGÃO SOCIAL N.º DE AÇÕES EM 30/06/2014 Carlos Manuel Marques Martins Conselho de Administração Jorge Alberto Marques Martins Conselho de Administração I M SGPS, S.A. * Conselho de Administração Arnaldo José Nunes da Costa Figueiredo Conselho de Administração Luís Filipe Cardoso da Silva Conselho de Administração MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. ** Conselho de Administração Luís Valadares Tavares Conselho de Administração - Jorge Bento Ribeiro Barbosa Farinha Conselho de Administração - Mário Rui Rodrigues Matias Conselho de Administração - Manuel Simões de Carvalho e Silva Conselho Fiscal - Carlos Alberto da Silva e Cunha Conselho Fiscal - João Carlos Tavares Ferreira de Carreto Lages Conselho Fiscal - Hermínio António Paulos Afonso Revisor Oficial de Contas - José Carreto Lages Presidente da Mesa da Assembleia Geral - * Os Administradores Carlos Manuel Marques Martins e Jorge Alberto Marques Martins detêm a totalidade do capital social da I M SGPS, S.A., de cujo Conselho de Administração são igualmente Presidente e Vogal, respetivamente. ** Os Administradores Arnaldo José Nunes da Costa Figueiredo e Luís Filipe Cardoso da Silva são membros do Conselho de Administração da MOTA- ENGIL, SGPS, S.A. PÁGINA 30 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

31 FACTOS ENUMERADOS NO ARTIGO 447.º DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS NOME DO MEMBRO DO ÓRGÃO SOCIAL ÓRGÃO SOCIAL AÇÕES DETIDAS EM 30/06/2014 Carlos Manuel Marques Martins Conselho de Administração Jorge Alberto Marques Martins Conselho de Administração Mário Rui Rodrigues Matias Conselho de Administração - Arnaldo Nunes da Costa Figueiredo Conselho de Administração Luís Filipe Cardoso da Silva Conselho de Administração Luis António de Valadares Tavares Conselho de Administração - Jorge Bento Ribeiro Barbosa Farinha Conselho de Administração - Manuel Simões de Carvalho e Silva Conselho Fiscal - Carlos Alberto da Silva e Cunha Conselho Fiscal - João Carlos Ferreira de Carreto Lages Conselho Fiscal - Juvenal Pessoa Miranda Conselho Fiscal - Carlos Manuel Marques Martins e Jorge Alberto Marques Martins, respetivamente Presidente e Vice-Presidente do Conselho de Administração, além de titulares diretos das ações da Martifer SGPS, S.A., são detentores, em partes iguais, da totalidade do capital social da sociedade I M SGPS, S.A., a qual, por sua vez, em 30 de junho de 2014, era detentora de um total de ações da Martifer SGPS, S.A. Durante 2014 não ocorreram quaisquer transações de ações por parte dos membros dos órgãos sociais. RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 31

32 TITULARES DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS De acordo com o disposto na alínea b) do número 1 do artigo 8º do regulamento 5/2008 da CMVM, e dando cumprimento ao artigo 448º do Código das Sociedades Comerciais, abaixo segue a lista dos titulares de participações qualificadas, com indicação do número de ações detidas e percentagem de direitos de voto correspondentes, calculada nos termos do artigo 20º do Código dos Valores Mobiliários, em 30 de junho de 2014: ACIONISTAS Nº DE AÇÕES % DO CAPITAL SOCIAL % DOS DIREITOS DE VOTO 1 I M SGPS, SA ,70% 43,66% Carlos Manuel Marques Martins* ,07% 0,07% Jorge Alberto Marques Martins* ,23% 0,24% Total imputável à I M SGPS, SA ,00% 43,97% Mota-Engil SGPS, SA ,50% 38,35% Arnaldo José Nunes da Costa Figueiredo ** ,00% 0,00% Luís Filipe Cardoso da Silva ** ,00% 0,00% Total Imputável à Mota-Engil, SGPS, SA ,51% 38,35% 1 % Direitos de voto = N.º Ações Detidas / (N.º Total Ações - Ações Próprias) * Membro de um órgão social da I M SGPS, SA ** Membro de um órgão social da Mota-Engil SGPS, SA PÁGINA 32 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

33 DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE NOS TERMOS DA ALÍNEA C) DO NÚMERO I DO ARTº 245 DO CÓDIGO DE VALORES MOBILIÁRIOS Senhores Acionistas, Nos termos previstos na alínea c) do número 1 do artigo 245º do Código dos Valores Mobiliários, informamos que, tanto quanto é do nosso conhecimento: (i) a informação constante no relatório único de gestão expõe fielmente a evolução dos negócios, do desempenho e da posição da Martifer SGPS, S.A., Sociedade Aberta, e das empresas incluídas no perímetro de consolidação, contendo uma descrição dos principais riscos e incertezas com que se defronta; e (ii) a informação constante nas demonstrações financeiras consolidadas e notas explicativas foi elaborada em conformidade com as normas contabilísticas aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da situação financeira e dos resultados da Martifer SGPS, S.A., Sociedade Aberta, e das empresas incluídas no perímetro de consolidação. Oliveira de Frades, 27 de agosto de 2014 O Conselho de Administração, Carlos Manuel Marques Martins (Presidente) Jorge Alberto Marques Martins (Vice-Presidente) Mário Rui Rodrigues Matias (Vogal do Conselho de Administração) Luís Filipe Cardoso da Silva (Vogal do Conselho de Administração) Arnaldo José Nunes da Costa Figueiredo (Vogal do Conselho de Administração) Jorge Bento Ribeiro Barbosa Farinha (Vogal do Conselho de Administração) Luís Valadares Tavares (Vogal do Conselho de Administração) RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 33

34 PÁGINA 34 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

35 INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALAR CONSOLIDADA

36 PÁGINA 36 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

37 05 Demonstrações Financeiras Consolidadas Intercalares

38 05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS INTERCALARES DEMONSTRAÇÕES DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS SEPARADAS PARA OS SEMESTRES E TRIMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2014 E 2013 (valores em euros) NOTAS 1º SEMESTRE 2014 (NÃO AUDITADO) 1º SEMESTRE 2013 (NÃO AUDITADO) 2º TRIMESTRE 2014 (NÃO AUDITADO) 2º TRIMESTRE 2013 (NÃO AUDITADO) Vendas e prestações de serviços 3 e Outros rendimentos operacionais Custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas 6 ( ) ( ) ( ) ( ) Subcontratos 7 ( ) ( ) ( ) ( ) Fornecimentos e serviços externos 8 ( ) ( ) ( ) ( ) Gastos com o pessoal 9 ( ) ( ) ( ) ( ) Outros gastos operacionais 10 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Amortizações e depreciações 3 ( ) ( ) ( ) ( ) Provisões 11 ( ) ( ) ( ) ( ) Perdas de imparidade 11 ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado operacional ( ) ( ) ( ) ( ) Rendimentos e ganhos financeiros Gastos e perdas financeiros 12 ( ) ( ) ( ) ( ) Ganhos / (perdas) em empresas associadas e emp. Conjuntos 13 ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado antes de imposto sobre o rendimento ( ) ( ) ( ) ( ) Imposto sobre o rendimento 14 ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado depois de impostos ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado atribuível aos ativos não correntes detidos para venda Atribuível: - ( ) a interesses não controlados ao Grupo - - ( ) Resultado líquido do exercício ( ) ( ) ( ) ( ) Atribuível: a interesses não controlados 21 ( ) ( ) ao Grupo ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado líquido por ação: básico 15 (0,3118) (0,5128) (0,2063) (0,3681) das unidades operacionais em continuação (0,3118) (0,5128) (0,2063) (0,3665) dos ativos não correntes detidos para venda (0,0016) diluído 15 (0,3118) (0,5128) (0,2063) (0,3681) das unidades operacionais em continuação (0,3118) (0,5128) (0,2063) (0,3665) dos ativos não correntes detidos para venda (0,0016) Para ser lido com o anexo às demonstrações financeiras PÁGINA 38 RELATÓRIO & CONTAS 1S2014

39 DEMONSTRAÇÕES DO RENDIMENTO INTEGRAL CONSOLIDADO PARA OS SEMESTRES E TRIMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2014 E 2013 (valores em euros) 1º SEMESTRE 2014 (NÃO AUDITADO) 1º SEMESTRE 2013 (NÃO AUDITADO) 2º TRIMESTRE 2014 (NÃO AUDITADO) 2º TRIMESTRE 2013 (NÃO AUDITADO) Resultado líquido consolidado do exercício ( ) ( ) ( ) ( ) Justo valor de instrumentos financeiros derivados, líquido de imposto ( ) ( ) Diferenças cambiais decorrentes de: (i) transposição de demonstrações financeiras expressas em moeda estrangeira; (ii) investimento líquido nas subsidiárias; e (iii) atualização cambial do goodwill ( ) ( ) Resultados consolidados reconhecidos diretamente no capital próprio ( ) ( ) Rendimento integral consolidado do período ( ) ( ) ( ) ( ) Atribuível: a interesses não controlados ( ) ( ) ao Grupo ( ) ( ) ( ) ( ) Para ser lido com o anexo às demonstrações financeiras RELATÓRIO & CONTAS 1S2014 PÁGINA 39

01 GRUPO MARTIFER Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos

01 GRUPO MARTIFER Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos 01 GRUPO MARTIFER Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos 02 DESEMPENHO FINANCEIRO Análise de Resultados Consolidados Proveitos Operacionais EBITDA e Resultado Líquido Investimento

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS 1º SEMESTRE DE 2008

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS 1º SEMESTRE DE 2008 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS 1º SEMESTRE DE 2008 ÍNDICE Relatório de Gestão Consolidado Intercalar 3 Destaques 3 Análise EconómicoFinanceira 4 Análise por Áreas de Negócio 7 Riscos e Incertezas para

Leia mais

// TO STAY AHEAD RELATÓRIO & CONTAS 1T2012

// TO STAY AHEAD RELATÓRIO & CONTAS 1T2012 // TO STAY AHEAD MAIO 2012 ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO 03 01 GRUPO MARTIFER 05 Destaques 06 Principais Indicadores Financeiros 06 Principais Acontecimentos 07 02 DESEMPENHO FINANCEIRO 09 Análise de Resultados

Leia mais

Resultado Líquido das atividades continuadas fortemente influenciado por reforço de provisões e imparidades bem como encargos financeiros de 49,6 M

Resultado Líquido das atividades continuadas fortemente influenciado por reforço de provisões e imparidades bem como encargos financeiros de 49,6 M RESULTADOS 9M2014 DESTAQUES página 3 Total de Proveitos Operacionais nos 9M14 de 158 M Evolução na performance operacional, com reflexo no aumento do EBITDA (numa base comparável) de 35% para os 8,5 M

Leia mais

Órgão de Administração

Órgão de Administração CARACTERIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA MARTIFER SGPS, S.A. Órgão de Administração CARLOS MANUEL MARQUES MARTINS é Presidente do Conselho de Administração da Martifer (Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

01 GRUPO MARTIFER Mensagem do Conselho de Administração Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos 02 ENQUADRAMENTO

01 GRUPO MARTIFER Mensagem do Conselho de Administração Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos 02 ENQUADRAMENTO 01 GRUPO MARTIFER Mensagem do Conselho de Administração Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos 02 ENQUADRAMENTO Atividade Presença Internacional Histórico Envolvente de

Leia mais

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. EDIFÍCIO MOTA TEL: 351 22 5190300 SOCIEDADE ABERTA RUA DO REGO LAMEIRO,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015 ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS (Deliberar sobre a eleição dos membros do Conselho de Administração para exercerem funções

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR G1 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR 2 Destaques > Volume de negócios cresce cerca de 4%, ultrapassando 1.012 milhões de euros > Atividade internacional do Grupo representa aproximadamente 60%

Leia mais

GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL

GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL (não auditado) GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL A F. Ramada Investimentos foi constituída em 1 de Junho de 2008, como resultado do processo de cisão, do negócio de aços e sistemas de armazenagem, da Altri,

Leia mais

Órgão de Administração

Órgão de Administração CARACTERIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA MARTIFER SGPS, S.A. Órgão de Administração CARLOS MANUEL MARQUES MARTINS é Presidente do Conselho de Administração da Martifer desde a sua constituição em 2004 e um

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO 05

ÍNDICE RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO 05 RELATÓRIO E CONTAS 2013 ÍNDICE RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO 05 01 GRUPO MARTIFER 07 Mensagem do Conselho de Administração 08 Destaques 09 Principais Indicadores Financeiros 09 Principais Acontecimentos 11

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2015

Resultados do 1º trimestre de 2015 Resultados do 1º trimestre de 2015 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. 11º ano de liderança Liderança em Grupo de canais Número um no digital Novos conteúdos na área da ficção e entretenimento: A Única Mulher,

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do primeiro trimestre

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR 2 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR Destaques > Resultado líquido do Grupo cresce 50% para 37,9 milhões de euros > Atividade internacional do Grupo já ultrapassa os 72% do total > África e América

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado)

RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado) RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado) 3º Trimestre de 2014 Índice I - RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO... 4 1. Principais Indicadores Financeiros do Grupo... 4 2. Resumo da Atividade... 4 3. Indicadores Consolidados...

Leia mais

1. Nota introdutória. 2. Evolução da atividade. 3. Gestão de risco

1. Nota introdutória. 2. Evolução da atividade. 3. Gestão de risco 2 3 1. Nota introdutória A MOTA-ENGIL, SGPS, SA elaborou também Contas Consolidadas, sobre as quais emitiu pormenorizado relatório e das quais fará plena divulgação, procedendo à sua publicação. Assim,

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 113 SONAE, SGPS, SA BALANÇOS CONSOLIDADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E DE 2008 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Notas ACTIVOS NÃO CORRENTES:

Leia mais

RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO

RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO 01 GRUPO MARTIFER Mensagem do Conselho de Administração Destaques Principais Indicadores Financeiros Principais Acontecimentos 02 ENQUADRAMENTO Atividade Presença Internacional

Leia mais

Informação Intercalar

Informação Intercalar 1 Informação Intercalar Primeiro Trimestre 2016 (contas não auditadas) j Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6ºA, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO

ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA MARTIFER SGPS, S.A. ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO CARLOS MANUEL MARQUES MARTINS é Presidente do Conselho de Administração da Martifer desde a sua constituição em 2004 e um

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381 CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381 Sociedade Aberta Número único de Pessoa Colectiva e Cons. Reg.

Leia mais

Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599 1.201 879 769. Atividade Externa Atividade Europa

Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599 1.201 879 769. Atividade Externa Atividade Europa 17 abril 215 Destaques > Volume de negócios atingiu 2,4 mil milhões, dos quais 45% na região de África > EBITDA aumentou 13% para 49 milhões, traduzindo-se numa margem de 17% > Resultado líquido de 51

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Maia, 31 de Julho de 2008 Desempenho afectado por desvalorização dos activos ditada pelo mercado Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Rendas cresceram 4,5% numa base

Leia mais

Energia em movimento. Relatório de Contas Individuais 2014

Energia em movimento. Relatório de Contas Individuais 2014 Energia em movimento Relatório de Contas Individuais 2014 Energia em movimento Relatório de Contas Individuais 2014 www.galpenergia.com Relatório de Contas Individuais 2014 01 02 03 04 Contas individuais

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 1S14. 1 Relatório & Contas Sonaecom

RELATÓRIO E CONTAS 1S14. 1 Relatório & Contas Sonaecom \ 1 Relatório & Contas Sonaecom RELATÓRIO E CONTAS 1S14 A informação financeira consolidada contida neste reporte é baseada em Demonstrações Financeiras não auditadas, International Accounting Standards

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Informação Intercalar Primeiro Semestre 2015 (Contas não auditadas)

Informação Intercalar Primeiro Semestre 2015 (Contas não auditadas) Informação Intercalar Primeiro Semestre 2015 (Contas não auditadas) j Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6ºA, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 9ª Edição 2º semestre 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Após três exercícios em que a entrada em vigor de novas normas e alterações às existentes

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

COMUNICADO. - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS)

COMUNICADO. - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS) COMUNICADO - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS) A "TEIXEIRA DUARTE, S.A." procede à publicação de informação sobre os resultados de 2014 através

Leia mais

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2011

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2011 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2011 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. PASSEIO ALEGRE, 624 4169-002 PORTO PORTUGAL TEL. +351 226 190 500 FAX +351

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) "Assumir a Mudança" 4 de Junho de 2009

Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Assumir a Mudança 4 de Junho de 2009 Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) "Assumir a Mudança" 4 de Junho de 2009 César Gonçalves O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 COMUNICADO Ílhavo, 30 de Agosto de 2013 RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Destaques»» As vendas da VAA no primeiro semestre de 2013 atingiram 24,7 M ;»» O mercado nacional apresentou um crescimento

Leia mais

117 INFORMAÇÃO FINANCEIRA INDIVIDUAL 04 RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA 57 INFORMAÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA

117 INFORMAÇÃO FINANCEIRA INDIVIDUAL 04 RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA 57 INFORMAÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA 3 04 53 RELATÓRIO ÚNICO DE GESTÃO INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA 57 INFORMAÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA 117 INFORMAÇÃO FINANCEIRA INDIVIDUAL 141 RELATÓRIOS DE AUDITORIA E FISCALIZAÇÃO 07 GRUPO MARTIFER Mensagem

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação (Revoga o Regulamento da CMVM nº 4/2004 e altera os Regulamentos da CMVM nºs 7/2001

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO

ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA MARTIFER SGPS, S.A. ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO CARLOS MANUEL MARQUES MARTINS é Presidente do Conselho de Administração da Martifer desde a sua constituição em 2004 e um

Leia mais

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2012

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2012 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2012 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. PASSEIO ALEGRE, 624 4169-002 PORTO PORTUGAL TEL. +351 226 190 500 FAX +351

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS 2014 6. RELATÓRIO E CONTAS. individual

RELATÓRIO & CONTAS 2014 6. RELATÓRIO E CONTAS. individual RELATÓRIO & CONTAS 2014 6. RELATÓRIO E CONTAS individual Relatório de Gestão JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2014 A Jerónimo Martins (adiante designada por

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

COLEP PORTUGAL, S.A. Relatório e Contas Consolidadas 31 de dezembro de 2014

COLEP PORTUGAL, S.A. Relatório e Contas Consolidadas 31 de dezembro de 2014 COLEP PORTUGAL, S.A. Relatório e Contas Consolidadas 31 de dezembro de 2014 Colep Portugal, S.A. Apartado 14 3730-955 Vale de Cambra Portugal TEL. +351 256 420 100 FAX +351 256 422 059 www.colep.com Sede

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS (Não Auditadas) 1º Trimestre 2014

CONTAS CONSOLIDADAS (Não Auditadas) 1º Trimestre 2014 CONTAS CONSOLIDADAS (Não Auditadas) 1º Trimestre 2014 Índice I - RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO... 2 1. Principais Indicadores Financeiros do Grupo... 2 2. Resumo da Atividade... 2 3. Indicadores Consolidados...

Leia mais

SONAE INVESTIMENTOS, SGPS, SA. Sede: Rua João Mendonça, 529 4464-501 Senhora da Hora. Capital Social 1.000.000.000 Euros

SONAE INVESTIMENTOS, SGPS, SA. Sede: Rua João Mendonça, 529 4464-501 Senhora da Hora. Capital Social 1.000.000.000 Euros Sede: Rua João Mendonça, 529 4464-501 Senhora da Hora Capital Social 1.000.000.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação 501 532

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS (Não Auditadas) 1º Trimestre 2015

CONTAS CONSOLIDADAS (Não Auditadas) 1º Trimestre 2015 CONTAS CONSOLIDADAS (Não Auditadas) 1º Trimestre 2015 Reditus SGPS Relatório Financeiro Intercalar consolidado do 1º Trimestre 2015 0 ÍNDICE I - RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO... 2 1. PRINCIPAIS INDICADORES

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS)

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Volume de Negócios: 122,8 M (119,9 M em 6M09) 28 de Julho de 2010 1. Indicadores Chave O volume de negócios e o EBITDA apresentados

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira 1º trimestre de 2011 Resultado

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 14 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 14 mensagem presidente CONSelho DE ADMINISTRAÇÃO 08 MENSAGEM PRESIDENTE EXECUTIVO 12 01 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 18 02 ASPETOS REGULAMENTARES 36 03 PERFIL

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

1. Nota introdutória. 2. Evolução da atividade. 3. Gestão de risco. 4. Proposta de aplicação de resultados

1. Nota introdutória. 2. Evolução da atividade. 3. Gestão de risco. 4. Proposta de aplicação de resultados 2 3 1. Nota introdutória A MOTA-ENGIL, SGPS, SA elaborou também Contas Consolidadas, sobre as quais emitiu pormenorizado relatório e das quais fará plena divulgação, procedendo à sua publicação. Assim,

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

(Página intencionalmente deixada em branco)

(Página intencionalmente deixada em branco) Contas (Página intencionalmente deixada em branco) RELATÓRIO E CONTAS - 1º SEMESTRE 2015 I - Relatório de Gestão 1. Evolução dos Indicadores Chave 2. Resumo da Atividade 3. Comportamento Bolsista 4. Perspetivas

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

VAA-VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2015

VAA-VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2015 Relatório e Contas de 2015 VAA-VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2015 ÍNDICE RELATÓRIO E CONTAS SEPARADAS... 2 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO... 47 LISTA DOS TITULARES DAS PARTICIPAÇÕES

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais