História. Congresso de Viena. Independência da América Espanhola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História. Congresso de Viena. Independência da América Espanhola"

Transcrição

1 História Congresso de Viena 1. C A propostas liberais da Revolução Francesa, que tanto prejudicaram o absolutismo e a sociedade estamental do Antigo Regime, tinham sido expandidas pelas invasões napoleônicas por praticamente toda a Europa. Como consequência, os arcaicos monarcas absolutistas estavam em frangalhos vendo seus antigos impérios em franca decadência e seus privilégios sendo destruídos devido à ascensão dos ideais iluministas burgueses. Entretanto, as tropas napoleônicas foram destruídas, simbolicamente na Batalha de Waterloo, e as forças reacionárias do Antigo Regime, realimentadas pelo Congresso de Viena, buscaram ressuscitar o absolutismo e o parasitismo nobilárquico com a restauração e a legitimidade. Dentro dessa conjuntura, países como Áustria, Rússia, França e Prússia, com o apoio da Inglaterra e da França de Luís XVIII, criaram a Santa Aliança para, militarmente, aniquilar os focos liberais, exceto no Reino Unido. Vale salientar que o conservadorismo do Congresso de Viena em relação a Portugal e Espanha foi a tentativa, felizmente frustrada para os latinos americanos, de recolonização. 2. B A primeira gravura intitulada La Liberté guidant le peuple foi criada por Eugène Delacroix no intuito de divulgar os ideais radicais da Revolução Francesa numa clara ligação com os anseios populares na busca da destruição do parasitismo e autoritarismo dos reis absolutistas, destruindo os privilégios nobiliárquicos como a servidão numa forte ligação com as propostas revolucionárias do terceiro estado, seja o popular jacobino ou o burguês girondino. É importante ressaltar que Eugène Delacroix pintou A liberdade guiando o povo no século XIX para confirmar os ideais revolucionários liberais na década de 30, pois, nesse momento, já se sentia a contrarrevolução do Congresso de Viena sendo tratada na segunda gravura que foi pintada por Jean-Baptiste Isabey, nesse quadro se percebe a reunião elitista da antiga nobreza e suas dinastias absolutistas no intuito de resgatar o antigo regime por intermédio da legitimidade, restauração e equilíbrio do poder na Europa conservadora. Com a derrota das forças revolucionárias bonapartinas, oriundas da liberal Revolução Francesa, as antigas casas absolutistas da Europa se mobilizaram no Congresso de Viena para resgatar seus arcaicos privilégios e poderes estatais. Dentro dessa realidade, os monarcas absolutistas decidiriam algumas divergências numa espécie de votação, onde cada voto representaria um reino, por isso, Dom João VI, orientado pela sua aliada Inglaterra, criou o Reino Unido Brasil, Portugal e Algarves, tendo então D. João maior poder de negociação política. Outro aspecto relevante da criação do Reino Unido é que Portugal estava arruinado, pois tinha sido invadido por Napoleão no processo inicial que criou o Bloqueio Continental e D. João não desejava retornar a Lisboa, sendo assim, poderia continuar no Rio de Janeiro desde que o Brasil deixasse de ser legalmente colônia para ser um reino, ou seja, um espaço geográfico que possuísse um status superior e não uma simples colônia subalterna à metrópole. A Inglaterra continuou sua ascensão econômica manufatureira, levando-a a aumentar sua supremacia comercial marítima; a França dos Bourbons não ficou incólume, apesar do Congresso não querer prejudicá-lo, pois Luís XVIII pertence à ideologia do Antigo Regime. 4. D O objetivo do Congresso de Viena era destruir os anseios liberais iluministas do terceiro estado, principalmente da burguesia e do nascente radicalismo trabalhista do socialismo utópico no século XIX, dentro dessa realidade, buscou anular o poder bonapartino e resgatar as antigas coroas absolutistas por intermédio dos princípios da legitimidade e da restauração. Outro aspecto interessante é o de que deveria haver uma busca em igualar os poderes dos principais Estados europeus como Áustria, Prússia, Rússia, França (bourbons) e Inglaterra, para não mais haver supremacia de um sobre os outros, promovendo outra leva de guerras. Independência da América Espanhola 1. D O Paraguai é um país que no Período Colonial ficou isolado e distante da influência colonial mercantilista de Madri, tendo, na prática, maior ligação e vassalagem com as missões jesuíticas. Consequentemente, a Espanha não buscou interferir, explorar ou controlar o território paraguaio, então foi, no século XIX, natural o processo de emancipação ocorrer sem conflitos militares, mantendo o isolacionismo internacional com o governo de Francia que se tornou um ditador. É importante ressaltar que esse isolacionismo também, foi um instrumento para evitar ataques argentinos que queriam incorporar o Paraguai a Buenos Aires. 2. E A independência do México foi marcante porque, sob a orientação do padre Hidalgo e de Morelos, a proposta revolucionária não defendia os privilégios da aristocracia criolla, por isso as classes mais empobrecidas se aproximaram dessas lideranças, contudo esse programa radical foi marginalizado politicamente e o México ficou sob o domínio da oligarquia criolla, que pode ser simbolizada pelo conservador rei Itúrbide. A ideologia da independência mexicana dirigida pelos criollos uniu o liberalismo iluminista europeu com a defesa da mercantilista e atrasada plantation, por isso a necessidade da aristocracia latifundiária em isolar e enfraquecer os ideais de Hidalgo e Morelos, o que realmente ocorreu com o passar dos anos. 3. C O processo de independência do México teve seu início marcado por forte apelo popular, propondo reforma agrária e igualdade entre a população mexicana, seja a da elite ou a dos pobres pueblos, mas a aristocracia latifundiária tomou para si as rédeas do poder e manteve a perniciosa plantation que tanto explorava os camponeses e os índios. Contudo, em 1910, irrompeu uma revolução liderada por Zapata e Pancho Villa que, com o acordo de Ayalla, voltou a resgatar os interesses radicais do pueblo como a reforma agrária. O mural mostra os mártires, como Zapata, mortos com o fim da revolução e a manutenção das oligarquias no poder, contudo, a própria obra demonstra que os ideais populares e radicais um dia voltaram ao seio do povo numa nova revolução como a agricultura que em toda colheita ressurge. 1

2 4. C A independência norte-americana foi a pioneira e se ligou ao iluminismo liberal implantando uma república liberal, mas mantendo a escravidão negra para que o sul não se distanciasse do manufatureiro norte. A independência haitiana foi a segunda a ocorrer nas américas, sendo radical ao incentivar a abolição e levando esse país a inúmeros confrontos com a França napoleônica. Cuba teve a ajuda militar norte-americana no processo emancipatório contra a Espanha, contudo, ficou dominada pelos Estados Unidos com o Big Stick e a emenda Platt. As lideranças da independência argentina influíram na emancipação do Chile e não participaram das guerras do norte da América do Sul, nem tampouco da mexicana. A independência brasileira foi aceita por Portugal, após inúmeras batalhas, como na Bahia, como também depois da negociação organizada pela Inglaterra, onde Portugal reconhecia D. Pedro I como monarca do Brasil, acabando com o Reino Unido. Introdução à História Africana 1. C O texto mostra que a África negra não aceitou o imperialismo europeu, nesse caso específico o da Inglaterra vitoriana neocolonialista, que já tinha dominado o subcontinente indiano. O imperialismo europeu conseguiu dominar os povos africanos após inúmeras vitórias em campanhas militares com armamento moderno devido à tecnologia da Segunda Revolução Industrial, bem como das divisões tribais existentes entre as etnias negras. 2. B Quando o poder imperialista europeu penetrou em solo africano em busca de mercado consumidor para suas indústrias, usou vários artifícios para conseguir explorar as etnias negras e não somente as forças militares. Uma das ferramentas ideológicas mais utilizadas foi a do darwinismo social, que divulgava o falso discurso de que a raça superior era a branca europeia, por ter tido a inteligência em criar novas tecnologias industriais, consequentemente, os outros povos estavam fadados à extinção natural. O discurso europeu continuava a afirmar que, por questões de caridade, a Europa criaria o fardo do homem branco, onde os europeus se deslocariam para a África para ensiná-la a ser civilizada e não sucumbir a seu suposto atraso cultural. Quando os africanos percebiam que esse discurso era nocivo e não aceitavam o domínio imperialista branco, a Europa passava a manusear sua formidável máquina de guerra e invadia os territórios africanos. O continente africano foi palco do processo de exploração imperialista e a sua delimitação geográfica sofreu a imposição do domínio dos países europeus, conforme a Conferência de Berlim, em Tal divisão expressou-se nos mais diversos níveis, conforme a classificação étnica dos povos de cada região e também de acordo com os interesses de absorção da matéria-prima a ser extraída. Nesse sentido, as áreas de maior concentração de pobreza acham-se circunscritas ao ambiente do extrativismo vegetal, ou seja, a agricultura relativa à África Subsaariana. 4. C A questão se refere a uma forte característica de vastas áreas da África que não foi bem estudada e manuseada pelos africanos e contribuiu para que seus territórios fossem invadidos e explorados pela Europa imperialista do século XIX, bem como, atualmente, prejudica o crescimento econômico e político. A característica tratada é a existência de inúmeras tribos, essa realidade não é bem tratada pelos próprios africanos, levando a uma divisão interna nos países, provocando guerras civis pelo controle do Estado não por propostas ou programas partidários que poderiam solucionar os problemas próprios de regiões do terceiro mundo, mas pela simples posse de líderes tribais patriarcais que colocam seus valores étnicos acima do bem comum. Esses atritos enfraquecem as forças africanas favorecendo os grupos de exploração internos e internacionais, contribuindo, inclusive, para a propagação do racismo e da segregação da África do contexto internacional. O Liberalismo e os Socialismos 1. D O positivismo foi a filosofia da burguesia que amadureceu o capitalismo no século XIX, adaptando-o às grandes instituições monopolistas industriais-financeiras próprias da Segunda Revolução industrial. A burguesia tinha criado inúmeros avanços tecnológicos e acredita que o homem intelectual e elitista possuía a verdade por intermédio de seus conhecimentos baseados no método científico. Por isso, os grupos ligados ao misticismo, ao antigo regime e à esquerda socialista ou anarquista deveriam ser perseguidos em nome do progresso humano. Essa filosofia deu suporte à expansão da Europa durante o imperialismo. O liberalismo seria mais utilizado no século XVIII, onde ainda não existiam as grandes empresas monopolistas, ou seja, o positivismo é uma espécie de amadurecimento do liberalismo. 2. B A exploração capitalista que penalizava o nascente proletariado no início do século XIX passou a ser veementemente criticado pelos próprios operários, contudo, a classe trabalhadora não tinha meios de conhecer o funcionamento do capitalismo e iniciou suas revoltas quebrando as máquinas acreditando que os burgueses voltariam a implantar o trabalho artesão, gerando novos empregos. O luddismo gerou enorme impacto na sociedade inglesa, contudo, a industrialização se manteve inexorável. Já o cartismo foi o movimento operário mais amadurecido em relação ao luddismo, onde os sindicatos operários forçariam o parlamento a conceder voto universal, o objetivo do proletariado britânico foi o de criar o partido trabalhista, acreditando que a participação operária no Congresso acabaria com as mazelas do capitalismo. Com o aumento da exploração proletária promovida pela burguesia através de longas jornadas de trabalho, salários pequenos e aviltantes, inexistência de aposentadoria ou férias remuneradas, inúmeros intelectuais se agruparam no espectro da esquerda e passaram a criar teorias que destruíssem o capitalismo idealizando uma nova sociedade baseada na igualdade e no respeito humano chamada de socialismo. Os primeiros grupos foram chamados de socialistas utópicos, porque defendiam ideias distantes da realidade humana, ou seja, que eram inviáveis de serem 2

3 concretizadas e nesse universo temos Owen e Fourier. Já Proudhon estruturou suas concepções anarquistas num cuidadoso estudo científico sobre a sociedade, mas não se tornou socialista por não aceitar a existência de propriedades e nem de Estado, mesmo sendo proletário como o defendido por Karl Marx e Engels. Esses dois últimos são os principais representantes do socialismo ao utilizar o materialismo histórico e dialético num processo científico estruturado nos estudos econômico, histórico e sociológico, dentre outros da sociedade e da ciência humana. Vale salientar que o socialismo seria um período de transição entre o capitalismo e o comunismo, segundo a teoria marxista. 4. C A Segunda Revolução Industrial iniciou-se na segunda metade do século XIX e caracterizou-se pelo aumento da exploração proletária com a introdução do monopólio industrial-financeiro. A foto mostra uma linha de montagem que se caracteriza pelo crescimento da produção, já que o trabalhador vai se adequar a apenar um tipo de trabalho que, somado ao dos outros operários, compõe todo o processo industrial. Consequentemente, o proletariado fica alienado do entendimento do modelo produtivo, favorecendo a ideologia e exploração capitalista. A Europa no Século XIX e o Imperialismo no Século XIX 1. B O imperialismo europeu do século XIX penetrou na economia africana e asiática, se apropriando de suas riquezas, contudo, a burguesia positivista buscou camuflar essa exploração por intermédio de ideologias como o darwinismo social e o fardo do homem branco onde se criam supostas verdades biológicas, obviamente equivocadas, de que a raça branca europeia era superior à negra e à africana e a bondade do homem branco o levaria a penetrar nesses primitivos continentes para levá-los ao estágio da civilização. Como essas ideologias são falácias e deturpações da realidade, o que se viu foram as invasões neocoloniais que destruíram inúmeras sociedades, promovendo, inclusive, genocídios. 2. E O imperialismo europeu aniquilou a economia africana ao utilizar esse continente como mercado consumidor de sua superprodução industrial, que tinha que ser escoada para gerar lucro ao capitalismo monopolista industrialfinanceiro, próprio da Segunda revolução fabril. A entrada neocolonialista exploratória dos europeus era, inicialmente, baseada num discurso de que sua chegada seria positiva para as comunidades nativas, já que os brancos iriam repassar seus avanços tecnológicos para aprimorar a população africana num gesto de bondade. Esses discursos ideológicos que mascaravam a exploração eram chamados de darwinismo social e de missão do homem branco, que davam a entender que os negros eram inferiores aos positivistas europeus. O cristianismo foi outra ferramenta de exploração, já que os missionários brancos tentavam, também, aculturar os povos nativos ligando a imagem de Cristo ao estereótipo branco e à passividade, levando a África a aceitar o imperialismo. Conforme algumas comunidades não concordassem com essas ideologias, a Europa implantava invasões militares massacrantes, que levavam ao extermínio imenso contingente populacional de negros. A questão trata dos avanços de países imperialistas e de atritos entre eles mesmos pelo domínio de mercados consumidores e de fontes de matéria-prima. Na guerra russo-japonesa, o Japão nascido da revolução meiji venceu as tropas russas penetrando no nordeste do continente asiático, principalmente na Manchúria, região rica em minérios, já a derrota russa levou ao enfraquecimento do czar criando condições para que a população pobre criasse os soviets, elaborando uma revolução que antecedeu, em 1905, a socialista. Os Estados Unidos se aliaram a grupos latino-americanos, com a doutrina Monroe, para expulsar o Pacto Colonial espanhol da América Central e das Antilhas, no intuito de implantar seu próprio imperialismo, como pode ser observado por intermédio do big stick e da emenda Platt, dentro desse processo de expansão após a vitória sobre a Espanha, os USA navegaram no pacífico e passaram a interferir nas Filipinas, já que estas também tinham sido colônia da Espanha. Em relação à crise marroquina, França e Alemanha se tornaram adversárias pelo controle dessa parte do norte da África destruindo uma efêmera aliança anterior, inclusive com a Inglaterra. A revolta dos Boxers foi uma revolta nacionalista chinesa, logo após a revolta do ópio, no intuito de expulsar o imperialismo britânico, para tanto, os chineses buscaram destruir qualquer instrumento de articulação imperialista inglês. 4. A A Revolução Meiji foi essencial para o avanço da industrialização do Japão ao destruir a base feudal da sua sociedade com a aniquilação da aristocracia própria do shogunato e de seus colaboradores, como os samurais. O shogunato foi um sistema ruralizante onde a economia baseava-se na agricultura de subsistência, no extremo apego às tradições numa espécie de xenofobia e com fortalecimento das oligarquias regionais. Essa estrutura não permitia que o Japão penetrasse no mundo da industrialização, como consequência, grupos que buscavam a modernização ligaram-se ao imperador (meiji) e, através do uso de armamentos e táticas ocidentais, destruíram os shoguns e samurais centralizando o poder político e incentivando a industrialização com o óbvio crescimento educacional destruindo os resquícios do feudalismo. Os Estados Unidos no Século XIX 1. D A Guerra da Secessão foi um processo militar ímpar para a história norte-americana porque as forças ianques, que representavam a efervescente burguesia liberal e industrial do norte, derrotaram o poder dos confederados, que desejavam a expansão da mercantilista e obsoleta plantation para os territórios do oeste. Com a vitória do norte, a escravidão negra foi extinta e a conquista do oeste foi, posteriormente, efetivada, massacrando as tribos indígenas em gigantescos genocídios. O assassinato do presidente Abraham Lincoln ocorreu após a sua vitória na guerra civil. 2. C Na Guerra da Secessão, no século XIX, duas estruturas se confrontaram no intuito do vitorioso impor seu caráter ao país, é importante salientar que a independência norteamericana levou o país, no século XVIII, a se separar da Inglaterra, mas manteve as gritantes diferenças entre o norte 3

4 e o sul. O norte era capitalista, fabril e liberal, mas incentivador do protecionismo econômico; Já o sul era mercantilista, aristocrata e defensor da plantation que dificultava o avanço social e econômico, mantendo a escravidão negra, além de propagar o livre cambismo. Enquanto o sul propunha uma forte descentralização política, por isso eram chamados de confederados, entre os estados para que pudesse manter sua arcaica estrutura, o norte defendia uma maior centralização na busca por maior mercado consumidor. 3. B Ainda no século XIX, os Estados Unidos possuíam dois sistemas de funcionamento, o norte era dinâmico incentivador do liberalismo burguês e da industrialização fundamentada no trabalho livre e assalariado, enquanto que o sul tinha sua estrutura enraizada no plantation com a escravidão negra. Esse trabalho compulsório prejudicava o avanço do capitalismo industrial, pois os escravos, por não receberem salário, não pertenciam ao quadro de mercado consumidor, limitando o lucro do norte. A Guerra da Secessão acabou com a escravidão e impulsionou a economia. Contudo, o racismo se manteve vivo e muitos sulistas criaram a Ku Klux Klã (KKK) onde as pessoas que não estavam inseridas no considerado homem ideal deveriam ser perseguidos ou mortos, sendo o homem ideal o descendente da etnia anglo-saxônica branca e de fé cristã protestante, por isso muitos fundamentalistas religiosos defenderam a segregação de negros, judeus e católicos. 4. A No século XIX, os Estados Unidos já estavam amadurecidos economicamente e militarmente para buscar mercado consumidor para suas indústrias, consequentemente passaram a apoiar a independência das colônias espanholas na América Central e Antilhas com a doutrina Monroe ( A América para os americanos ), para que com o vácuo do poder espanhol com a independência, os Estados penetrariam em suas terras utilizando a força militar com o big stick e a jurídica com a emenda Platt, no caso específico de Cuba. Em relação ao Iraque, a invasão norte-americana no governo de George W. Bush foi uma afronta militar à soberania de Bagdá, por isso não pode ser ligada à doutrina Monroe, mas sim ao big stick. As Crises Imperialistas e a Primeira Guerra Mundial 1. A Com o término da Primeira Guerra Mundial, constatouse que a Alemanha (II Reich) e o império Àustro-Húngaro tinham sido derrotados e a Rússia bolchevique tinha deixado de ser capitalista para, pioneiramente, se tornar socialista. Diante dessa constatação, as nações poderosas como França e Inglaterra, sob certa discordância norteamericana do presidente Wilson defensor de uma paz sem vencido e nem vencedores, criaram o Tratado de Versalhes desestruturando a Alemanha que ficou desarmada, cedeu o território de Alsácia-Lorena, pagou gigantescas indenizações, desmembrou seu território através do corredor polonês etc. Em relação à Rússia leninista, os países capitalistas se uniram em busca de isolar e aniquilar o socialismo soviético, para tanto, incentivaram independências de regiões como os países bálticos, Lituânia, Estônia e Letônia, que outrora pertenciam à Rússia czarista. O império turco, por ter se aliado à Alemanha, passou a ser sumariamente perseguido e, paulatinamente, perdeu territórios no Oriente Médio, fragmentando-se. 2. E O Tratado de Versalhes foi uma obra das forças vencedoras (Entente) da Primeira Guerra Mundial, notadamente Paris, devido ao revanchismo francês. Esse tratado tinha o objetivo de destruir o império alemão do II Reich, que foi extinto, por isso se caracterizou em anular propostas de se conciliar com Berlim, que deixou de ser capital ao perder esse posto, por exigência da França para a incipiente e republicana Weimar, dentro desse contexto, as altas indenizações paga pelos alemães arruinaram sua economia, disseminando a hiperinflação e a recessão, já o desarmamento quebrou qualquer política de reerguimento de resgate moral dos junkers e a Alemanha além de devolver o território de Alsácia-Lorena para a França, viu o seu próprio dividido pelo corredor polonês simbolizado pela cidade de Dantzig. A divisão que cedia a administração para ingleses, franceses, americanos e soviéticos ocorreu na Segunda Guerra Mundial e não na primeira. Já a Liga das Nações foi criada após a I grande guerra, com o objetivo de evitar a segunda, mostrando fracasso no seu intento. 3. D O mapa e o enunciado deixam claro que o momento estudado é o posterior à Primeira Guerra Mundial, onde inúmeras etnias se tornaram soberanas, porque os países da entente, vencedores do conflito, buscaram enfraquecer os perdedores como a Alemanha e o império Áustro-Húngaro diminuindo seus territórios, por isso os povos húngaro, tcheco unido ao eslovaco e o polonês, tiveram apoio na sua luta pela independência. Em relação à Rússia, conforme o grupo marxista-leninista implantou o socialismo na revolução bolchevique em 1917, os países capitalistas para isolarem o governo marxista financiaram a guerra civil entre brancos e vermelhos e, também, apoiaram a independência dos países bálticos como a Estônia, Letônia e Lituânia. 4. D A causa econômica principal da Primeira Guerra Mundial foi a concorrência imperialistas entre os grandes países capitalistas por mercado consumidor e de fontes de matéria-prima na África e na Ásia. Dois grupos militares imperialistas nasceram: A Entente formada pela Inglaterra, França e sua aliada Rússia czarista e a Tríplice Aliança, formada pela Alemanha, Itália e Império Áustro- Húngaro, é importante ressaltar que a Itália, durante a guerra, abandonou a Alemanha e se aproximou da Inglaterra. Com a derrota da Tríplice Aliança, os países vencedores passaram a perseguir a Alemanha e o Império Áustro-Húngaro com o Tratado de Versalhes, como consequência, a Alemanha perdeu o status de II Reich, tornando-se uma República com a capital sendo a pequena Weimar. Os Estados Unidos entraram no conflito em 1917, quando a Rússia criou a revolução marxistaleninista e se tornou socialista, saindo dessa guerra capitalista imperialista com o tratado de brest-litovsky, enfraquecendo a Entente. Para fortalecer sua aliada econômica Inglaterra, os Estados Unidos entraram na guerra tendo papel destacado na derrota alemã no final da guerra de trincheiras. A Liga das Nações foi criada para evitar a Segunda Guerra Mundial buscando resolver as pendengas internacionais por intermédio de ações diplomáticas, o que se mostrou infrutífero. 4

5 República Velha I ( ) A Crise da República ( ); República Velha ( ) O Sistema Econômico 1. B Para sanar a questão do reduzido meio circulante, o governo de Deodoro da Fonseca desenvolveu uma política emissionista que autorizava a produção de papel moeda por parte de alguns bancos. Esse fato nos remete a tentativa do ministro Rui Barbosa de estimular a atividade industrial a partir da facilitação do crédito, mas que acabou resultando em uma grave crise, na qual, a especulação no mercado de ações gerou um grande número de falências e um quadro agudo de desemprego. Historicamente esse momento é conhecido como a crise do Encilhamento. 2. C Uma das grandes frustrações referentes ao novo regime republicano iniciado em 1889 e institucionalizado em 1891 com a Nova Constituição, se refere ao voto. Embora as eleições ocorressem de forma direta, a expressão universal presente no texto da Constituição é incoerente, podendo causar até dúvida aos candidatos, já que a grande maioria da população estava excluída, como era o caso das mulheres, padres, soldados e mendigos, além dos analfabetos. Na prática, apenas os homens maiores de 21 anos e alfabetizados podiam votar. Outro detalhe é o voto aberto ou descoberto, que facilitava sobremaneira a manipulação dos grupos oligárquicos mediante a concessão de favores ou pela coação física e moral. 3. A Logo no início da República, por iniciativa do ministro Rui Barbosa, foi autorizado uma emissão monetária a fim de se estimular a atividade industrial no Brasil. Porém, tal iniciativa foi seguida de uma forte onda especulativa que provocou falências e desemprego. Esse processo é historicamente conhecido como a crise do Encilhamento. Mais adiante, na gestão Campos Sales, foi feita uma reforma financeira a partir da renegociação da dívida externa (Funding Loan), através de medidas de controle e redução da oferta de crédito, que embora tenha gerado deflação, foi responsável também pela recessão econômica. Nesse contexto, também ocorreu uma elevação dos impostos (selos) para financiar a realidade econômica do país. Outro fato que merece destaque nas questões econômicas da República Velha foi a constante política de defesa do café, que, pelo aumento da produção sem correspondência de mercado consumidor, provocou acentuada queda nos preços do produto. Os estados de SP, RJ e MG então firmaram um pacto conhecido como Convênio de Taubaté, que tinha por finalidade valorizar artificialmente o preço do produto mediante intervenção do Estado na economia. Para tanto, realizou-se um novo empréstimo destinado, em grande parte, a compra e estocagem do excedente cafeeiro. 4. A No governo de Campo Sales foi realizado um acordo conhecido como Funding Loan. Na prática era um conjunto de medidas que envolviam a renegociação da dívida externa brasileira junto aos banqueiros ingleses. Foi feito um novo empréstimo, seguido de uma moratória negociada. Para cumprir os termos do acordo, o governo teve de tomar medidas como a retirada de moeda de circulação e aumento dos impostos (selos), que provocou um quadro de recessão e desemprego. República Velha II: Estrutura Social e Política; Análise Geral dos Governos 1. A Entre os movimentos sociais da Primeira República, sobressaiu-se no espaço urbano a Revolta da Vacina em 1904, contextualizada a partir do projeto urbanístico conduzido pelo prefeito do Rio de Janeiro, Pereira Passos e que seguia a prioridade estabelecida pelo presidente Rodrigues Alves que instituía como meta prioritária sanear e urbanizar o Rio de Janeiro. A decisão de retirar a população do centro para a periferia, somado à obrigatoriedade da vacinação contra a varíola, pelos pelotões sanitários, gerou forte reação popular em que logo o governo procurou indicar tais reações como um empecilho ao desenvolvimento do país, classificando seus integrantes de ignorantes. Vale lembrar que a reação popular não se tratava da ignorância do povo, mas principalmente pelo uso de métodos violentos e arbitrários, que discriminava especialmente a população mais pobre do Rio de Janeiro. 2. A A questão aborda alguns dos principais conflitos ocorridos na República Velha. Ainda que se manifestem de formas diferentes, em maior ou menor escala, são resultados do quadro de concentração fundiária, exclusão social e opressão política. No campo, podemos destacar a ação de movimentos conhecidos historicamente como messiânicos, que buscavam na religiosidade e na formação de comunidades autogestoras a solução para a situação de miséria a que eram submetidos. Neste movimento destacamos a atuação de lideranças carismáticas, como é o caso de Antônio Conselheiro em Canudos. Essas comunidades representavam uma ameaça constante ao poder do Estado pelas críticas que faziam ao modelo republicano e a questão dos impostos, aos coronéis que perdiam mão de obra barata e temiam pela perda de suas terras ante ao crescimento dessas comunidades e até da Igreja, que via nessas lideranças uma espécie de poder paralelo ao seu. A repressão sobre esses movimentos, a despeito do equívoco inicial de as terem subestimado, foi violenta e, para tanto, as autoridades procuravam classificá-los como sendo um antro de fanáticos e monarquistas, a fim de legitimar a repressão. Vale lembrar que a população pobre não foi beneficiada no contexto do saneamento e urbanização do Rio de Janeiro, nem tampouco houve clamor popular pela vacinação obrigatória contra a varíola, sendo justamente o contrário. Nisso, não podemos atribuir culpa ao povo alegando ignorância, já que, não houve campanha de esclarecimento sobre a importância do projeto de vacinação, além da mesma ter sido realizado de forma violenta. Por fim, embora tenham obtido o fim dos castigos corporais na Revolta da Chibata, a anistia prometida pelo presidente aos revoltosos não foi concedida. Os cangaceiros, pela sua ação, despertavam tanto o temor quanto admiração por, de alguma forma, representar uma reação ao modelo oligárquico e poder dos coronéis. 5

6 3. C A vitória de Hermes da Fonseca na eleição em 1910, ao derrotar seu oponente Rui Barbosa, representou a primeira eleição verdadeiramente competitiva da República Velha. De fato, a política dos governadores não produziu naquele momento para o vitorioso o mesmo resultado que beneficiou seus antecessores. Na prática, Hermes percebeu que não podia contar com o apoio deliberado e inquestionável dos estados e, por essa razão, ao assumir, promoveu uma política de intervenção nas regiões que lhe negaram apoio, ou que seus interesses foram contrariados. Essa política ficou conhecida como a Política das Salvações. 4. C Os textos se referem à Política do Café com Leite, expressão comumente utilizada para designar o domínio político nacional das oligarquias de São Paulo e Minas Gerais durante a Primeira República ( ). Este domínio era favorecido pela riqueza gerada nos dois estados em virtude da exportação de café que dominava a pauta brasileira. Vale salientar que São Paulo e Minas Gerais eram também os maiores produtores de leite, possuindo ainda o maior número de eleitores do Brasil. A leitura atenta dos textos nos permite concluir que houve momentos de crise nesta aliança, que não esteve marcada somente por harmonia e estabilidade. Um exemplo de dissidência ocorreu no processo eleitoral de 1930, quando o presidente paulista Washington Luís indicou outro político do PRP Júlio Prestes à sua sucessão, ao invés de um filiado ao PRM. 6

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

O imperialismo. Prof Ferrari

O imperialismo. Prof Ferrari O imperialismo Prof Ferrari Imperialismo ou neocolonialismo do séc. XIX Conceitos e definições sobre o imperialismo O imperialismo dos séculos XIX e XX resultou da expansão capitalista e atendia aos interesses

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. A proclamação da República correspondeu ao encontro de duas forças diversas Exército e fazendeiros de café movidas por razões

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar:

03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar: 03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar: UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ HISTÓRIA GERAL II PROFESSORA: FÁTIMA GEISLA 01. (FEI) Podem ser apontadas

Leia mais

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.)

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.) 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 1 O DIA GABARITO 1 33 HISTÓRIA QUESTÕES DE 51 A 60 51. Analise o mapa e o texto a seguir: (Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em:

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

História Geral Extensivo Pré-Técnico Cefet/Coltec. Módulo Vermelho

História Geral Extensivo Pré-Técnico Cefet/Coltec. Módulo Vermelho História Geral Extensivo Pré-Técnico Cefet/Coltec Módulo Vermelho Revolução Francesa 1789-1799 A Revolução Francesa foi um importante marco na História Moderna da nossa civilização. Significou o fim do

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

1 - Independências das nações latinoamericanas: Império Espanhol em 1800

1 - Independências das nações latinoamericanas: Império Espanhol em 1800 1 - Independências das nações latinoamericanas: Processo de libertação das colônias espanholas. Quando: Aproximadamente entre 1810 e 1830. Império Espanhol em 1800 Fatores externos: Crise geral do Antigo

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa.

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Aula 17 Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Esta aula abordará a Primeira Guerra Mundial, suas causas e conseqüências, entre as conseqüências; destaque para a Revolução Russa e a criação do primeiro

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências entre o Norte e o Sul dos EUA (

Leia mais

Revolução francesa. Monarquia absolutista*

Revolução francesa. Monarquia absolutista* Revolução francesa No desenrolar dos fatos históricos, alguns deles de tão marcantes, dividem os períodos da humanidade. Atualmente os seres humanos dividem a sua atuação no mundo em cinco partes. Pré-História

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

O fim do Regime Monárquico e a. O nascimento da República

O fim do Regime Monárquico e a. O nascimento da República O fim do Regime Monárquico e a Primeira República O nascimento da República MONARQUIA Forma de governo em que o poder supremo está nas mãos de um monarca ou rei. O cargo é vitalício e passado aos descendentes,

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil BRASIL COLÔNIA Independência do Brasil Enquanto o governo absolutista português reprimia com vigor os movimentos republicanos no Brasil, o absolutismo na Europa era contestado pela Revolução Francesa,

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL 4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL A Revolução Americana é um movimento de ampla base popular, a burguesia foi quem levou esta revolução avante. O terceiro estado (povo e burguesia) conseguiu a independência

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Imperialismo dos Estados Unidos na América Latina. 1) Independência das Treze Colônias no século XVIII: A) Fatores:

Imperialismo dos Estados Unidos na América Latina. 1) Independência das Treze Colônias no século XVIII: A) Fatores: Imperialismo dos Estados Unidos na América Latina 1) Independência das Treze Colônias no século XVIII: A) Fatores: * base ideológica: iluminismo * interesses das elites agrária, no sul e comercial, no

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: / /2012 Nota: Professora: Ivana Cavalcanti Riolino Valor da Prova: 65 pontos Orientações

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais