ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE"

Transcrição

1 ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por meio de registro fotográfico e filmagem para instruir procedimentos destinados a apurar a adequação de edificações e espaços públicos às normas de acessibilidade. Trata-se de um roteiro básico que pode ser complementado por mais fotos caso o vistoriador acredite necessário. Instruções para obtenção, manuseio e remessa das imagens: - Fotografar com resolução de 3 a 5 Megapixels. Resoluções mais altas geram arquivos muito grandes, dificultando a remessa eletrônica e resoluções menores dificulta observar detalhes nas imagens. - Para evitar equívocos quando da análise do material, todas as fotos deverão ser salvas em diretório nomeado como Nome do imóvel_comarca_data. Exemplo: ANEXO- MP_GOIANIA_ Todas as fotos transferidas para o diretório deverão ser renomeadas com o detalhe que apresentam. Exemplo: CALCADAEXTERNA.JPG, CORREDOR1.JPG, BANHEIRO2.JPG. - O diretório criado deverá ser compactado e enviado em mídia eletrônica (cd/dvd/pen drive) por malote, ou por , para a. Caso o arquivo seja maior que o limite aceito pela Intranet do MP-GO, ele poderá ser fracionado, dividindo as fotos entre eles. Exemplo: ANEXO-MP_GOIANIA_ _PARTE1. - Além das fotografias, deverá ser realizada filmagem, em resolução VGA (640) Standard, com narração simples que relate o nome de cada ambiente filmado. Esta filmagem deverá ser o mais abrangente possível, realizada na velocidade de uma caminhada pelo edifício ou espaço vistoriado, com giros lentos mostrando os ambientes. Para facilitar a remessa eletrônica, limitar o tempo de filmagem a no máximo 5 minutos por vez. Nomear o(s) arquivo(s) com o mesmo nome do diretório acima citado, em quantas partes for necessário. - O relatório fotográfico a seguir possui apenas como exemplo de roteiro básico para o responsável pela vistoria. Basta que as imagens sejam encaminhadas de acordo com as orientações acima. É necessária organizá-las em montagem similar a que segue para encaminhamento à. Os objetivos listados servem apenas para orientar a obtenção das imagens. - Gravar os arquivos (fotos e vídeos) em mídia digital (CD-ROM ou pendrive) quando for enviado via procedimento administrativo. 1/7

2 - Junto com as imagens e vídeos deve-se ainda apresentar as seguintes informações: Responsável pelo registro fotográfico nome, cargo e Comarca; Nome e endereço do local vistoriado, incluindo telefone de contato; Data da vistoria; Responsável pelo local - nome e cargo; Número de pavimentos; Número de edificações (blocos, pavilhões, etc.). Número de funcionários que trabalham no local; Há elevador? Há vaga de estacionamento exclusiva? Há portas com vão livre de passagem superior a 80cm? Quais? Há corredores com largura superior a 1,20m? Quais? A calçada frontal dificulta o acesso de pessoas com deficiência? Há banheiro exclusivo para pessoas com deficiência? Há presença de degraus ou obstáculos ao longo dos ambientes que dificultem o trânsito de pessoas? As informações supramencionadas devem ser preenchidas em planilha padrão anexa a este documento. Relatório Fotográfico ilustrativo das imagens a serem obtidas CALÇADA EXTERNA 1 - Visão da rua; 2/7

3 2 - Visão da calçada nas laterais do imóvel vistoriado; 3 - Piso das calçadas; 4 - Obstáculos nas calçadas; 5 - Rebaixo de calçada. ENTRADA DO EDIFÍCIO 1 - Visão da entrada do edifício; 2 - Rebaixos de calçada; 3 - Existência de rampas; 4 - Piso do acesso ao edifício (rampa, corredores). CIRCULAÇÃO EM ÁREAS DESCOBERTAS 1 - Visão do pátio interno (garagens, circulação de pedestres, lazer, etc) 2 Conexões entre pátio e prédio. 3/7

4 VAGAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1 - Vagas reservadas para pessoas com deficiência, idosos, grávidas (se existente). ENTRADA E ATENDIMENTO 1 - Desníveis na entrada do edifício; 2 - Existência de degraus ou rampas; 3 - Piso interno; 4 - Características da porta de acesso. 5 - Características da recepção (foto interna se necessário) 4/7

5 CIRCULAÇÃO HORIZONTAL DO EDIFICIO 1 - Piso; 2 - Largura da circulação; 3 - Barras de apoio; 4 - Sinalização e identificação. CIRCULAÇÃO VERTICAL DO EDIFÍCIO 1 - Piso; 2 - Corrimão; 3 - Largura; 4 - Existência de elevador (fotografar caso exista). 5/7

6 ESPAÇOS INTERNOS DO EDIFÍCIO 1 - Piso; 2 - Desnível; 3 - Sinalização. 6/7

7 BANHEIROS (fotografar todos os banheiros existentes) 1 - Porta do banheiro; 2 - Dimensão interna do banheiro; 3 - Existência de barras de apoio; 4 Circulação interna do banheiro. 7/7

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO Consulta técnica do 5º CRB,

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015.

RELATÓRIO TÉCNICO. Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015. RELATÓRIO TÉCNICO Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015. I - DAS INFORMAÇÕES 1. OBJETO: Obra construção do Instituto Federal do Amazonas Campus Humaitá; 2. PROPRIETÁRIO: Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h.

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA 24h. APRESENTAÇÃO As informações descritas neste documento têm o objetivo de orientar os municípios/distrito

Leia mais

Funcionários Terceirizados

Funcionários Terceirizados 1. Faixa etária de pessoas atendidas: Todas as idades 2. Bairros Atendidos TODOS 3. Existem critérios para que o espaço seja usado: Sim 3.1 No caso de sim, quais esses critérios: PRÁTICA ESPORTIVA 4. São

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

Fotografia 1 Vista frontal da escola de Aparecida, detalhe da fachada em desnível em relação a rua principal.

Fotografia 1 Vista frontal da escola de Aparecida, detalhe da fachada em desnível em relação a rua principal. RELATÓRIO TÉCNICO Nº 006-DINFRA/PRODIN/IFAM/2016 DA: A (O): PRODIN Manaus/AM, 05 de abril de 2015 I - DAS INFORMAÇÕES 1. OBJETO: Obra de reforma e ampliação do prédio anexo do Instituto Federal do Amazonas

Leia mais

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL A partir de agora, de acordo com o novo regulamento de serviços de água e esgoto, publicado em 04/07/08, todas as novas instalações de água deverão contar com proteção

Leia mais

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39 DECRETO N.º 4.220, DE 29DE JULHO DE 2015. Altera o Decreto n.º 3.988/2014, que Regulamenta a Lei Municipal n.º 4.739/2010, que dispõe sobre os procedimentos necessários para a obtenção do habite-se. legais,

Leia mais

ROTEIRO DE VISITA INSTITUCIONAL CENTRO DE REFERÊNCIA DE ATENDIMENTO À MULHER EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA. Equipe que realizou a visita:

ROTEIRO DE VISITA INSTITUCIONAL CENTRO DE REFERÊNCIA DE ATENDIMENTO À MULHER EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA. Equipe que realizou a visita: ROTEIRO DE VISITA INSTITUCIONAL CENTRO DE REFERÊNCIA DE ATENDIMENTO À MULHER EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA Equipe que realizou a visita: Dia e horário da visita: Promotora de Justiça que acompanhou a visita:

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1.

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 20 1.1 2º grupo 72 1.2 3º grupo 75 1.3 4º grupo 100 1.4 5º grupo 75 1.5 6º grupo 85 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral

Leia mais

Visando a otimização de nossos processos, disponibilizamos a todos os interessados uma versão de teste do sistema.

Visando a otimização de nossos processos, disponibilizamos a todos os interessados uma versão de teste do sistema. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS SISTEMA PREVENIR O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO Produto Utilização Ref. Cm. Indica o sentido da saída nos locais planos e sem escadas, onde a orientação seja PV10231 seguir à direita a partir do ponto

Leia mais

Página 1 EMEF OTTO EWALD JUNIOR. Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza. .: Fundação: 04/09/1970

Página 1 EMEF OTTO EWALD JUNIOR. Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza.  .: Fundação: 04/09/1970 EMEF OTTO EWALD JUNIOR Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza E-mail.: emefoej@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 04/09/1970 Criação: Decreto nº 4.922 Endereço: Rua Daniel Abreu Machado, 546 Bairro:

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO

I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação MEC SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PROINFÂNCIA DADOS DO PROGAMA : Criado

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS RESOLUÇÃO Nº 003/2007 DP/SUSER Estabelece e regulamenta o Programa de Estacionamento Especial para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção e dá outras providências O DIRETOR PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL

PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL PORTO DE IMBITUBA S.A. OBRA: SINALIZAÇÃO VERTICAL EXTERNAS E INTERNAS LOCAL: ÁREA PORTUÁRIA PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL DATA: JULHO/2013 NUMERAÇÃO EM PLANTA BAIXA QUANTIDADE DESCRIÇÃO

Leia mais

Câmpus Francisco Beltrão REGULAMENTO MOSTRA DE FOTOGRAFIA O CÂMPUS EM UM CLICK

Câmpus Francisco Beltrão REGULAMENTO MOSTRA DE FOTOGRAFIA O CÂMPUS EM UM CLICK REGULAMENTO MOSTRA DE FOTOGRAFIA O CÂMPUS EM UM CLICK DO OBJETO 1. A UTFPR,, promove O Câmpus em um Click. A Mostra de Fotografia tem como objetivo retratar o dia a dia, espaço e pessoas que fazem parte

Leia mais

Página 1 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA. Diretora: Marlinda Haddad Rabello. .: Fundação: 04/09/1970

Página 1 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA. Diretora: Marlinda Haddad Rabello.  .: Fundação: 04/09/1970 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA Diretora: Marlinda Haddad Rabello E-mail.: emefacs@vitoria.es.gov.br Fundação: 04/09/1970 Criação: Lei nº 4.922 Endereço: Rua Presidente Rodrigues Alves, 255 Bairro: República

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

Seguem abaixo o regulamento completo do Concurso e a Ficha de Inscrição que deverá ser entregue preenchida juntamente com o trabalho.

Seguem abaixo o regulamento completo do Concurso e a Ficha de Inscrição que deverá ser entregue preenchida juntamente com o trabalho. Caro(a) Estudante de Publicidade e Propaganda As inscrições para o Concurso de Publicidade e Propaganda 2010 Eleições: O Voto Consciente estarão abertas no período de 27 de abril a 8 de maio, na Diretoria

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

MANUAL EVENTOS APOIADOS

MANUAL EVENTOS APOIADOS MANUAL DE EVENTOS APOIADOS Atualizado em 06 de Maio de 2016 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NATUREZA DO APOIO... 3 3. PROPOSTA DE REALIZAÇÃO DO EVENTO... 3 3.1 PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS EVENTOS... 4 4. SERVIÇOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 174, de 01 de novembro de 2005.

Leia mais

PASSO A PASSO DO SISMOB Programa de Requalificação de UBS

PASSO A PASSO DO SISMOB Programa de Requalificação de UBS PASSO A PASSO DO SISMOB Programa de Requalificação de UBS PÁGINA INICIAL Aqui você tem acesso a: - Legislação do Programa - Documentos elaborados pela área técnica - Modelo da placa da obra - Modelos da

Leia mais

1º CONCURSO FOTOGRÁFICO NATAL DO CORAÇÃO REGULAMENTO

1º CONCURSO FOTOGRÁFICO NATAL DO CORAÇÃO REGULAMENTO 1º CONCURSO FOTOGRÁFICO NATAL DO CORAÇÃO REGULAMENTO 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 O Concurso Fotográfico NATAL DO CORAÇÃO 2012, é uma iniciativa da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Santa Maria (CDL) e Prefeitura

Leia mais

THE VOICE ACESC 2.016

THE VOICE ACESC 2.016 Capítulo I DA INSCRIÇÃO THE VOICE ACESC 2.016 Art. 1º. As inscrições dos clubes na ACESC deverão ser feitas entre os dais 15 Página 1 (quinze) de abril e 31 (trinta e um) de Agosto de 2.016. Art. 2º. Cada

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação RESOLUÇÃO N o 06, DE 10 DE JUNHO DE 2013. Trata de Instruções Normativas para a realização, pela UFJF, de processos de seleção de candidatos aos cursos de Mestrado e Doutorado abrigados pelos Programas

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011.

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011. DECRETO N.º 33648 DE 11 DE ABRIL DE 2011. Regula a construção de edificação em favelas declaradas áreas de especial interesse social, estabelece as normas para a legalização das edificações nas áreas que

Leia mais

FERRAMENTAS DE MERCHANDISING LÍDER MUNDIAL NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

FERRAMENTAS DE MERCHANDISING LÍDER MUNDIAL NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS FERRAMENTAS DE MERCHANDISING LÍDER MUNDIAL NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS BENEFÍCIOS Antecipa sua comunicação com os visitantes da feira; direto em público altamente qualificado; Ativação de marca; Possibilita

Leia mais

CURSO SALVE UMA VIDA

CURSO SALVE UMA VIDA CURSO SALVE UMA VIDA CURSO SALVE UMA VIDA 1. Do Curso 1.1. O curso Salve uma Vida é um Projeto de Responsabilidade Social da Sociedade Brasileira de Anestesiologia, subordinado à Diretoria Executiva, correspondente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 469 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013. Altera dispositivos e os Anexos da Resolução CONTRAN nº 402, de 26 de abril de 2012, com redação dada pelas Deliberações nº 104 de 24 de dezembro de 2010 e nº

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL CTGC N 01 DE 18 DE JANEIRO DE 2016

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL CTGC N 01 DE 18 DE JANEIRO DE 2016 EDITAL CTGC N 01 DE 18 DE JANEIRO DE 16 CHAMADA PÚBLICA PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSOS DE FORMAÇÃO INCIAL E CONTINUADA NA MODALIDADE PRESENCIAL 16/1 O DIRETOR-GERAL SUBSTITUTO EVENTUAL DO CAMPUS

Leia mais

EDITAL Nº 06/2016 Diretoria Geral

EDITAL Nº 06/2016 Diretoria Geral SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS CABEDELO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE OPERADOR DE BENEFICIAMENTO

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por:

Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016. Errata No item da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016 Errata 01 1. No item 6.2.2 da Resolução Técnica CBMRS n.º 05, Parte 03/2016, substituir por: 6.2.2 O recurso de 1ª instância deverá ser encaminhado à AAT ou

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DAS ÁREAS ARTÍSTICO-CULTURAIS. Cadastramento de Entidades e Inscrição de Candidatos

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DAS ÁREAS ARTÍSTICO-CULTURAIS. Cadastramento de Entidades e Inscrição de Candidatos SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA SEEC Eleição dos representantes da sociedade civil no Conselho Estadual de Cultura CONSEC MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DAS ÁREAS ARTÍSTICO-CULTURAIS

Leia mais

NÚCLEO DE ESTÁGIO E EMPREGABILIDADE III FEIRA DE EMPREGABILIDADE

NÚCLEO DE ESTÁGIO E EMPREGABILIDADE III FEIRA DE EMPREGABILIDADE NÚCLEO DE ESTÁGIO E EMPREGABILIDADE III FEIRA DE EMPREGABILIDADE Prezado Expositor: Este Manual foi elaborado para orientar e regulamentar sua participação na lll Feira de Empregabilidade evento promovido

Leia mais

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB AP 10 UP 8 Folha 1 / 6 AP 10 UP 8 Folha 2 / 6 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

MARCA COMEMORATIVA DOS CEM ANOS DO CEFET-BA.

MARCA COMEMORATIVA DOS CEM ANOS DO CEFET-BA. MARCA COMEMORATIVA DOS CEM ANOS DO CEFET-BA. CONCURSO. A Direção Geral do Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CEFET-BA através da Comissão do Evento CEFET-BA FAZ CEM ANOS, faz saber que se

Leia mais

O Manual de Acessibilidade Urbana é resultado do Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal realizado em julho de 2012.

O Manual de Acessibilidade Urbana é resultado do Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal realizado em julho de 2012. O Manual de Acessibilidade Urbana é resultado do Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal realizado em julho de 2012. Está sendo elaborado a pedido da Secretária da SMPD, Georgette Vidor, e da presidente

Leia mais

MEDIDAS DE SEGURANÇA FÍSICA E ELETRÔNICA EM DEPÓSITOS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM PRODUTOS CONTROLADOS PELO EXÉRCITO

MEDIDAS DE SEGURANÇA FÍSICA E ELETRÔNICA EM DEPÓSITOS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM PRODUTOS CONTROLADOS PELO EXÉRCITO MEDIDAS DE SEGURANÇA FÍSICA E ELETRÔNICA EM DEPÓSITOS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM PRODUTOS CONTROLADOS PELO EXÉRCITO (PARA AMPLA DIVULGAÇÃO AO PÚBLICO EM GERAL) Com o intuito de padronizar os procedimentos

Leia mais

O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de

O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de O A N T I G O É V I Z I N H O D O N O V O O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de outros tempos. Uma

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE OBRAS- SISMOB

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE OBRAS- SISMOB SISTEMA DE MONITORAMENTO DE OBRAS- SISMOB PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) http://dab.saude.gov.br/sistemas/sismob/ 1ºPASSO ACESSAR O SISTEMA CNPJ do Fundo Municipal de Saúde-

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/ Nº 134, de 14 de agosto de 2003.

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 012, de 24 de janeiro de 1996. O Diretor

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/6 A Coordenadoria do Sistema de Controle Interno do Município, considerando: a) o disposto na Lei Municipal nº 3.581, de 03 de novembro de 2005 que, em seu art. 8º dispõe sobre a possibilidade de regulamentação

Leia mais

Tribunal Superior Eleitoral

Tribunal Superior Eleitoral Tribunal Superior Eleitoral Eleições 2010 SPCE 2010 Manual para Importação da Prestação de Contas Agosto/2010 O SPCE, Sistema de Prestação de Contas de Campanhas Eleitorais, é o sistema desenvolvido pela

Leia mais

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo a- Conceito de Planos e características técnicas b- Angulação: Enquadramento e efeitos de sentido Conceito de Planos e características técnicas A idéia de Planificação

Leia mais

GERAIS BANCO MÚLTIPLO S/A

GERAIS BANCO MÚLTIPLO S/A T ERMOO DE AJUSTAMENTO DE C ONDUT A Nº 028/2004 Inquérito Civil Público nº 056/2003 Compromitente: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Compromissário: BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A Aos oito dias

Leia mais

Sincronismo H/V nos monitores modernos Marcus Manhães

Sincronismo H/V nos monitores modernos Marcus Manhães Sincronismo H/V nos monitores modernos Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Introdução Os problemas com sincronismo horizontal e vertical trazem dificuldades adicionais para os técnicos de manutenção.

Leia mais

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS Data prevista do evento: 19 e 20 de Maio de 2012 Data de entrega dos trabalhos: 29 de Fevereiro de 2012

Leia mais

Segurança: Todos os colaboradores devem utilizar Equipamentos de Proteção individual (E.P.I.), em condições de uso, tais quais:

Segurança: Todos os colaboradores devem utilizar Equipamentos de Proteção individual (E.P.I.), em condições de uso, tais quais: Segurança: 01 Equipamentos de Proteção Individual (E.P.I.): Ref.: NR-06 Todos os colaboradores devem utilizar Equipamentos de Proteção individual (E.P.I.), em condições de uso, tais quais: Botas; Óculos;

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 340, de 06 de novembro de 2007.

Leia mais

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Critérios para submissão e análise de trabalhos a serem apresentados no III Seminário Internacional de Extensão Universitária e DISPOSIÇÕES

Leia mais

TUTORIAL PORTAL MAIS EMPREGO

TUTORIAL PORTAL MAIS EMPREGO TUTORIAL PORTAL MAIS EMPREGO TRABALHADOR WEB Esse tutorial tem como objetivo instruir o trabalhador para se cadastrar no Portal Mais Emprego, verificar as vagas disponíveis e se autoencaminhar para vagas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO ANEXO X MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DO USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO - BOMSUCESSO 1. Histórico A unidade de Saúde Familiar Cornélia da Conceição do Bairro Bom Sucesso atende cerca de 70 usuários por dia, abrangendo

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CONCURSO NOVOS TALENTOS CINEMA E VÍDEO, PROMOVIDO PELO CONSULADO- GERAL DO BRASIL EM TÓQUIO

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CONCURSO NOVOS TALENTOS CINEMA E VÍDEO, PROMOVIDO PELO CONSULADO- GERAL DO BRASIL EM TÓQUIO REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CONCURSO NOVOS TALENTOS CINEMA E VÍDEO, PROMOVIDO PELO CONSULADO- GERAL DO BRASIL EM TÓQUIO 1. O Concurso NOVOS TALENTOS CINEMA E VÍDEO consiste em um concurso de filmes

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 150, de 30 de agosto de 2004.

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 21 DE MARÇO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO RIO Nº DE 21 DE MARÇO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO RIO Nº 41.417 DE 21 DE MARÇO DE 2016. Dispõe sobre a autorização de mesas e cadeiras em Polos Gastronômicos da Praça da Bandeira, Praça Saens Pena, Grajaú, Vila Isabel, Mariz e Barros e Baixo Uruguai

Leia mais

VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB

VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB Período: 18 a 21 DE OUTUBRO de 2011 Campus I da UEPB ASSUNTO:

Leia mais

MÓDULO SOE (SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO) - PARQUE MOSCOSO

MÓDULO SOE (SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO) - PARQUE MOSCOSO DATA DA VISITA: 12/02/2014 DATA DA VISITA: 30/04/2015 MÓDULO SOE (SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO) - PARQUE MOSCOSO Coordenador: Leinardo Araujo Vieira Téc. Esportiva: Julie Alessandra Marchette Endereço:

Leia mais

PROINFÂNCIA. Fundo Nacional. da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. de Desenvolvimento

PROINFÂNCIA. Fundo Nacional. da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. de Desenvolvimento Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DADOS DO PROGRAMA : Criado por meio da resolução N 06/2007 do FNDE; Busca prestar APOIO financeiro aos municípios na reestruturação

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 1 Objetivo... 3 2 Características Principais... 3 2.1 Área de Intervenção... 3 2.2 Projeto Executivo

Leia mais

Guia para elaboração e verificação de rótulos de Produtos certificados IBD

Guia para elaboração e verificação de rótulos de Produtos certificados IBD Junho 2011 Guia para elaboração e verificação de rótulos de Produtos certificados IBD IBD Certificações www.ibd.com.br Este documento tem por objetivo auxiliar os clientes IBD na elaboração e na verificação

Leia mais

Página 1 MÓDULO SOE (SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO) - CHÁCARA PARAÍSO. Administrador : Ivan Aguiar Lopes.

Página 1 MÓDULO SOE (SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO) - CHÁCARA PARAÍSO. Administrador : Ivan Aguiar Lopes. MÓDULO SOE (SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO AO EXERCÍCIO) - CHÁCARA PARAÍSO Administrador : Ivan Aguiar Lopes E-mail: ivaneafcol@hotmail.com Telefone: (27) 3315-2754 Endereço: Rua Chapot Presvot, Barro Vermelho

Leia mais

1.4. Cada participante poderá se inscrever em apenas 01 categoria e com apenas 01 trabalho.

1.4. Cada participante poderá se inscrever em apenas 01 categoria e com apenas 01 trabalho. REGULAMENTO A Comissão Organizadora da VI Semana do Meio Ambiente promove o I Concurso Desafio água, que irá premiar as melhores propostas nas categorias: FRASES, FOTOS e VÍDEOS. O tema central do evento

Leia mais

Registro de Candidaturas

Registro de Candidaturas Registro de Candidaturas Registro de Candidaturas Legislação: - Código Eleitoral - Lei n. 4.737, de 15/7/1965; - Lei Complementar n. 64, de 18/5/1990; - Lei n. 9.504, de 30/9/1997; - Resolução TSE n. 23.450/2015,

Leia mais

EDITAL PARA ESCOLHA DAS HOMENAGEADAS MULHERES NEGRAS QUE FAZEM A DIFERENÇA NO SUS 2016

EDITAL PARA ESCOLHA DAS HOMENAGEADAS MULHERES NEGRAS QUE FAZEM A DIFERENÇA NO SUS 2016 EDITAL PARA ESCOLHA DAS HOMENAGEADAS MULHERES NEGRAS QUE FAZEM A DIFERENÇA NO SUS 2016 1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O presente edital dispõe sobre a 5ª edição da homenagem Mulheres negras que fazem a diferença

Leia mais

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA LOTE 1 Versão: 003 Vigência: 11/2014

Leia mais

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO Obra: Residencial Ana Beatriz Local: Rua Adolfo Cattani, 775 - São Carlos-SP 1 CONSTITUÍDO: - O terreno com 1.746,58 m² tem acesso ao pavimento térreo pela Rua Adolfo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS PROCEDIMENTOS PARA COMPRA DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO NA UFPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS PROCEDIMENTOS PARA COMPRA DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO NA UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS PROCEDIMENTOS PARA COMPRA DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO NA UFPR Todas as solicitações de compra de materiais bibliográficos devem seguir orientações abaixo.

Leia mais

PLACAS E ADESIVOS OBRIGATÓRIOS PELA REGULAMENTAÇÃO ANP

PLACAS E ADESIVOS OBRIGATÓRIOS PELA REGULAMENTAÇÃO ANP PLACAS E ADESIVOS OBRIGATÓRIOS PELA REGULAMENTAÇÃO ANP Este trabalho é apenas um simples instrumento de auxílio ao revendedor, na verificação do atendimento às principais demandas relativas à fiscalização.

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto

NBR Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 1 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de projeto Sede: Rio de Janeiro Av. Treze

Leia mais

Manual do Sistema de Consulta de Endereços

Manual do Sistema de Consulta de Endereços Manual do Usuário Manual do Sistema de Consulta de Endereços CONSCEG (CEG-CDL-LIGHT) Template Versão 1.1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Orientações Gerais para o uso do Sistema... 4 Acesso... 4 CEG... 5

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

Ao proporcionar esse tipo de informação a COMGÁS reafirma o seu compromisso com a segurança e a qualidade das instalações de gás.

Ao proporcionar esse tipo de informação a COMGÁS reafirma o seu compromisso com a segurança e a qualidade das instalações de gás. Março / 2014 Introdução Muito além do que fornecer o gás natural aos seus clientes, a COMGÁS se preocupa em oferecer orientação sobre os procedimentos para projeto e execução das instalações internas de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 059, de 04 de março de 2016.

Leia mais