ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE"

Transcrição

1 ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por meio de registro fotográfico e filmagem para instruir procedimentos destinados a apurar a adequação de edificações e espaços públicos às normas de acessibilidade. Trata-se de um roteiro básico que pode ser complementado por mais fotos caso o vistoriador acredite necessário. Instruções para obtenção, manuseio e remessa das imagens: - Fotografar com resolução de 3 a 5 Megapixels. Resoluções mais altas geram arquivos muito grandes, dificultando a remessa eletrônica e resoluções menores dificulta observar detalhes nas imagens. - Para evitar equívocos quando da análise do material, todas as fotos deverão ser salvas em diretório nomeado como Nome do imóvel_comarca_data. Exemplo: ANEXO- MP_GOIANIA_ Todas as fotos transferidas para o diretório deverão ser renomeadas com o detalhe que apresentam. Exemplo: CALCADAEXTERNA.JPG, CORREDOR1.JPG, BANHEIRO2.JPG. - O diretório criado deverá ser compactado e enviado em mídia eletrônica (cd/dvd/pen drive) por malote, ou por , para a. Caso o arquivo seja maior que o limite aceito pela Intranet do MP-GO, ele poderá ser fracionado, dividindo as fotos entre eles. Exemplo: ANEXO-MP_GOIANIA_ _PARTE1. - Além das fotografias, deverá ser realizada filmagem, em resolução VGA (640) Standard, com narração simples que relate o nome de cada ambiente filmado. Esta filmagem deverá ser o mais abrangente possível, realizada na velocidade de uma caminhada pelo edifício ou espaço vistoriado, com giros lentos mostrando os ambientes. Para facilitar a remessa eletrônica, limitar o tempo de filmagem a no máximo 5 minutos por vez. Nomear o(s) arquivo(s) com o mesmo nome do diretório acima citado, em quantas partes for necessário. - O relatório fotográfico a seguir possui apenas como exemplo de roteiro básico para o responsável pela vistoria. Basta que as imagens sejam encaminhadas de acordo com as orientações acima. É necessária organizá-las em montagem similar a que segue para encaminhamento à. Os objetivos listados servem apenas para orientar a obtenção das imagens. - Gravar os arquivos (fotos e vídeos) em mídia digital (CD-ROM ou pendrive) quando for enviado via procedimento administrativo. 1/7

2 - Junto com as imagens e vídeos deve-se ainda apresentar as seguintes informações: Responsável pelo registro fotográfico nome, cargo e Comarca; Nome e endereço do local vistoriado, incluindo telefone de contato; Data da vistoria; Responsável pelo local - nome e cargo; Número de pavimentos; Número de edificações (blocos, pavilhões, etc.). Número de funcionários que trabalham no local; Há elevador? Há vaga de estacionamento exclusiva? Há portas com vão livre de passagem superior a 80cm? Quais? Há corredores com largura superior a 1,20m? Quais? A calçada frontal dificulta o acesso de pessoas com deficiência? Há banheiro exclusivo para pessoas com deficiência? Há presença de degraus ou obstáculos ao longo dos ambientes que dificultem o trânsito de pessoas? As informações supramencionadas devem ser preenchidas em planilha padrão anexa a este documento. Relatório Fotográfico ilustrativo das imagens a serem obtidas CALÇADA EXTERNA 1 - Visão da rua; 2/7

3 2 - Visão da calçada nas laterais do imóvel vistoriado; 3 - Piso das calçadas; 4 - Obstáculos nas calçadas; 5 - Rebaixo de calçada. ENTRADA DO EDIFÍCIO 1 - Visão da entrada do edifício; 2 - Rebaixos de calçada; 3 - Existência de rampas; 4 - Piso do acesso ao edifício (rampa, corredores). CIRCULAÇÃO EM ÁREAS DESCOBERTAS 1 - Visão do pátio interno (garagens, circulação de pedestres, lazer, etc) 2 Conexões entre pátio e prédio. 3/7

4 VAGAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1 - Vagas reservadas para pessoas com deficiência, idosos, grávidas (se existente). ENTRADA E ATENDIMENTO 1 - Desníveis na entrada do edifício; 2 - Existência de degraus ou rampas; 3 - Piso interno; 4 - Características da porta de acesso. 5 - Características da recepção (foto interna se necessário) 4/7

5 CIRCULAÇÃO HORIZONTAL DO EDIFICIO 1 - Piso; 2 - Largura da circulação; 3 - Barras de apoio; 4 - Sinalização e identificação. CIRCULAÇÃO VERTICAL DO EDIFÍCIO 1 - Piso; 2 - Corrimão; 3 - Largura; 4 - Existência de elevador (fotografar caso exista). 5/7

6 ESPAÇOS INTERNOS DO EDIFÍCIO 1 - Piso; 2 - Desnível; 3 - Sinalização. 6/7

7 BANHEIROS (fotografar todos os banheiros existentes) 1 - Porta do banheiro; 2 - Dimensão interna do banheiro; 3 - Existência de barras de apoio; 4 Circulação interna do banheiro. 7/7

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA) RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA) RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA) RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE Estacionamento da Inspetoria Regional de Pau dos Ferros Proprietário: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do RN 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

LEI Nº 3.387, DE 09 DE SETEMBRO DE A CÂMARA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 3.387, DE 09 DE SETEMBRO DE A CÂMARA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 3.387, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE NORMAS MUNICIPAIS DE ACESSIBILIDADE, APOIO, PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA À PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SETEC RI nº. 1188 PARECER TÉCNICO INTERESSADA: Promotoria de Justiça de Itapevi INQUÉRITO CIVIL: nº. 25/07 ASSUNTO: Acessibilidade às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, no local conhecido

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 SUMARIO 1.0.0 SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO... 02 1.1.1 NORMA NBR 9050... 02 1.2.0 PISO TÁTIL... 02 1.2.1 PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 1.2.2 PISO TÁTIL DE DIRECIONAL... 03 1.3.0 COMPOSIÇÃO DOS PISOS TÁTEIS DE

Leia mais

Página 1 CRAS - ITARARÉ. Coordenadora: Daphiny Soares Cavachini. Endereço: Rua das Palmeiras, 305

Página 1 CRAS - ITARARÉ. Coordenadora: Daphiny Soares Cavachini.   Endereço: Rua das Palmeiras, 305 CRAS - ITARARÉ Coordenadora: Daphiny Soares Cavachini E-mail: critarare@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua das Palmeiras, 305 Bairro: Itararé CEP: 29047-550 Telefone: (27) 3215-3132 Horário de Funcionamento:

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Funcionários Terceirizados

Funcionários Terceirizados 1. Faixa etária de pessoas atendidas: Todas as idades 2. Bairros Atendidos TODOS 3. Existem critérios para que o espaço seja usado: Sim 3.1 No caso de sim, quais esses critérios: PRÁTICA ESPORTIVA 4. São

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

8. Existe um acompanhamento das famílias já cadastradas Sim (PAIF) Programa de atenção integral à família

8. Existe um acompanhamento das famílias já cadastradas Sim (PAIF) Programa de atenção integral à família CRAS - SANTA MARTHA Coordenadora: Margareth Pereira Bergamin E-mail: crsmartha@vitoria.es.gov.br Fundação: 2010 Endereço: Av leitão da Silva, 3375 Bairro: Andorinhas CEP: 29045-115 Telefone: (27) 3332-7942

Leia mais

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias ACESSIBILIDADE DESENHO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de uso, com segurança, autonomia e independência de edificações, espaços, mobiliários, vias públicas, equipamentos urbanos e de

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MARÇO A MAIO DE 2017

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MARÇO A MAIO DE 2017 PERÍODO MARÇO A MAIO DE 2017 Andamento das Obras Serviços concluídos até 31/05/2017 Fachadas Instalações hidráulicas, elétricas, interfones, alarme de incêndio, sistema de monitoramento e controle de acesso;

Leia mais

Página 1 EMEF PROF. REGINA MARIA DA SILVA. Diretora: Djenane Santos Freitas Silva. .:

Página 1 EMEF PROF. REGINA MARIA DA SILVA. Diretora: Djenane Santos Freitas Silva.  .: EMEF PROF. REGINA MARIA DA SILVA Diretora: Djenane Santos Freitas Silva E-mail.: emefrms@vitoria.es.gov.br Endereço: Rodovia Serafim Derenze, s/n Bairro: Inhaguetá CEP.: 29.026-470 Telefone: (27) 3223-1538

Leia mais

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO 6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO I. BAIRRO AMÂNCIO PIMENTA Foto 1 Declividade acentuada acesso bairro Foto 2 Via em blocos sextavados em conjunto habitacional II. BAIRRO CAMPO VINTE Foto 3 Principal via

Leia mais

Residencial Villa Splendore 1

Residencial Villa Splendore 1 Perspectiva meramente ilustrativa Residencial Villa Splendore 1 de Estar 2 Residencial Villa Splendore Perspectiva Meramente Ilustrativa Residencial Villa Splendore 3 Aptº Tipo Finais 1, 2, 5, 6, 7 e 10

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO Consulta técnica do 5º CRB,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

Página 1 PLANETÁRIO DE VITÓRIA. Diretor: José Arlon da Silva. Fundação: 23/06/1995

Página 1 PLANETÁRIO DE VITÓRIA. Diretor: José Arlon da Silva.   Fundação: 23/06/1995 PLANETÁRIO DE VITÓRIA Diretor: José Arlon da Silva Email: joasilva@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 23/06/1995 Logradouro: Avenida Fernando Ferrari, 514 Bairro: Goiabeiras CEP: 29665-000 Telefone:

Leia mais

DATA DA VISITA: 12/02/2014 DATA DA VISITA: 29/04/2015. Página 1

DATA DA VISITA: 12/02/2014 DATA DA VISITA: 29/04/2015. Página 1 DATA DA VISITA: 12/02/2014 DATA DA VISITA: 29/04/2015 CENTRO DE CONVIVÊNCIA PARA TERCEIRA IDADE - CCTI - CENTRO Coordenador(a): Tarcila Rodrigues Endereço: Rua Coronel Monjardim, 147 Bairro: Centro CEP:

Leia mais

Comprovação de renda mensal compatível aos critérios de recebimento do benefício Bolsa Família. 6. Bairros atendidos

Comprovação de renda mensal compatível aos critérios de recebimento do benefício Bolsa Família. 6. Bairros atendidos CRAS - MARUÍPE Coordenadora: Cremilda Viana Astorga E-mail: cvastorga@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 2001 Endereço: Rua Dom Pedro I, 72 Bairro: Maruípe CEP: 29043-190 Telefone: (27) 3314-5311 Horário

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

CRAS - PRAIA DO CANTO. Coordenadora: Silvia Cristina Caldas. Endereço: Rua Francisco Rubim, s/n

CRAS - PRAIA DO CANTO. Coordenadora: Silvia Cristina Caldas.   Endereço: Rua Francisco Rubim, s/n CRAS - PRAIA DO CANTO Coordenadora: Silvia Cristina Caldas E-mail: crpcanto@vitoria.es.gov.br Endereço: Rua Francisco Rubim, s/n Bairro: Bento Ferreira CEP: 29050-680 Telefone: (27) 3315-2605 Horário de

Leia mais

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I

Visite https://www.i9treinamentos.com ANEXO I . ITEM. SIM. CALÇADAS. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21 A ANEXO I LISTA DE VERIFICAÇÃO EM ACESSIBILIDADE. ROTA ACES- SÍVEL DESCRIÇÃO AT E N D I M E N TO * ETAPA DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA

NOTA TÉCNICA nº 06/ SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA NOTA TÉCNICA nº 06/2016 - SEA ACESSIBILIDADE ETAPAS E CARTILHA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA NOTA TÉCNICA nº 06 SEA 1. Título: Acessibilidade Etapas e Cartilha 2. Versão:

Leia mais

Faixa etária de pessoas atendidas:

Faixa etária de pessoas atendidas: Quantidade de usuários cadastrados: 4427 Qual a média de pessoas atendidas por dia: 35 0 a 14 anos 15 a 24 anos 25 a 64 anos Acima de 65 anos Usuários na lista de espera: 0 Obs. Quanto à lista de espera:

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

As regras completas para o dimensionamento dos elementos de circulação são encontradas na IT- 11/2014.

As regras completas para o dimensionamento dos elementos de circulação são encontradas na IT- 11/2014. Saídas de Emergência Algumas pessoas acreditam que prover uma edificação de saídas de emergência consiste em implantar portas e saídas especiais. Eventualmente portas suplementares necessitam ser implantadas,

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função de vencer os desníveis, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. ESCADAS

Leia mais

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO Produto Utilização Ref. Cm. Indica o sentido da saída nos locais planos e sem escadas, onde a orientação seja PV10231 seguir à direita a partir do ponto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RELATIVO À ACESSIBILIDADE EM UMA IES: DIAGNÓSTICO E PROPOSTA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RELATIVO À ACESSIBILIDADE EM UMA IES: DIAGNÓSTICO E PROPOSTA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RELATIVO À ACESSIBILIDADE EM UMA IES: DIAGNÓSTICO E PROPOSTA Mônica Maria SOUTO MAIOR (1); Nelma Mirian Chagas de ARAÚJO (2) (1) IFPB, Av. 1º. de Maio, 720 Jaguaribe, João Pessoa-PB,

Leia mais

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes Em conformidade com a Politica Nacional de Mobilidade Urbana a Prefeitura Municipal de Bauru objetiva a criação de espaços adequados ao estacionamento de bicicletas, de modo a favorecer o transporte individual

Leia mais

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1.

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo º grupo º grupo º grupo º grupo 75 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 20 1.1 2º grupo 72 1.2 3º grupo 75 1.3 4º grupo 100 1.4 5º grupo 75 1.5 6º grupo 85 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral

Leia mais

Faixa etária de pessoas atendidas: DATA DA VISITA: 18/10/2013 DATA DA VISITA: 12/11/2014. Página 1. Quantidade de usuários cadastrados:

Faixa etária de pessoas atendidas: DATA DA VISITA: 18/10/2013 DATA DA VISITA: 12/11/2014. Página 1. Quantidade de usuários cadastrados: DATA DA VISITA: 18/10/2013 DATA DA VISITA: 12/11/2014 CRAS REGIÃO DE SAÕ PEDRO - TERRITÓRIO II - RESISTÊNCIA Coordenador (a): Juliana Moura Alves E-mail: crspedroterritorio2@vitoria.es.gov.br Fundação:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015.

RELATÓRIO TÉCNICO. Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015. RELATÓRIO TÉCNICO Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015. I - DAS INFORMAÇÕES 1. OBJETO: Obra construção do Instituto Federal do Amazonas Campus Humaitá; 2. PROPRIETÁRIO: Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano º ano º ano º ano 55 4ª série 68 1.

1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano º ano º ano º ano 55 4ª série 68 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano 45 1.1 2º ano 36 1.2 3º ano 56 1.3 4º ano 55 4ª série 68 1.4 5ª série 57 1.5 6º ano 70 1.6 7º ano 40 1.7 8º ano 45 1.8 9º ano 0 1.9 EJA 1ª à

Leia mais

Página 1 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA. Diretora: Marlinda Haddad Rabello. .: Fundação: 04/09/1970

Página 1 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA. Diretora: Marlinda Haddad Rabello.  .: Fundação: 04/09/1970 EMEF ARTHUR DA COSTA E SILVA Diretora: Marlinda Haddad Rabello E-mail.: emefacs@vitoria.es.gov.br Fundação: 04/09/1970 Criação: Lei nº 4.922 Endereço: Rua Presidente Rodrigues Alves, 255 Bairro: República

Leia mais

O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de

O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de O A N T I G O É V I Z I N H O D O N O V O O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de outros tempos. Uma

Leia mais

Página CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados. 1º grupo 0

Página CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados. 1º grupo 0 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 50 1.1 2º grupo 49 1.2 3º grupo 46 1.3 4º grupo 88 1.4 5º grupo 71 1.5 6º grupo 74 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral

Leia mais

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB E-mail: laudiceia.araujo@hotmail.com RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa

Leia mais

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos I Normas Gerais ANEXO II Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos 1 Para efeito das presentes normas entende -se por pavimento tátil os pavimentos que utilizam cumulativamente cor

Leia mais

Página 1 EMEF OTTO EWALD JUNIOR. Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza. .: Fundação: 04/09/1970

Página 1 EMEF OTTO EWALD JUNIOR. Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza.  .: Fundação: 04/09/1970 EMEF OTTO EWALD JUNIOR Diretor: Claudio Luiz Fernandes Barboza E-mail.: emefoej@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 04/09/1970 Criação: Decreto nº 4.922 Endereço: Rua Daniel Abreu Machado, 546 Bairro:

Leia mais

Acessibilidade Física

Acessibilidade Física Acessibilidade Física ACESSIBILIDADE FÍSICA OBJETIVO -> ACESSIBILIDADE FÍSICA - Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações,espaço,mobiliário,equipamentourbanoeelementos.

Leia mais

Programa dos equipamentos públicos municipais de cultura

Programa dos equipamentos públicos municipais de cultura Programa dos equipamentos públicos municipais de cultura 1. Biblioteca, 2. Teatro, 3. Museu, 4. Casa de Cultura Casa de Cultura (do distrito, do bairro) Programa de referência para terrenos de 700,00 m2

Leia mais

O condomínio Panorama Home & Resort, tem área de m², com acesso pela Avenida Mac Artur.

O condomínio Panorama Home & Resort, tem área de m², com acesso pela Avenida Mac Artur. Vista interna do condominio Fonte: SAMPAIO, 13/ out /2009. O condomínio Panorama Home & Resort, tem área de 17.700 m², com acesso pela Avenida Mac Artur. O terreno pertencia ao Grupo Pão de Açúcar, onde,

Leia mais

Página 1 CAJUN GURIGICA. Diretora: Alessandra Moreira. Endereço: Escadaria Joao Rosa Neto, s/n.

Página 1 CAJUN GURIGICA. Diretora: Alessandra Moreira.   Endereço: Escadaria Joao Rosa Neto, s/n. CAJUN GURIGICA Diretora: Alessandra Moreira E-mail: cajun.jab@gmail.com Endereço: Escadaria Joao Rosa Neto, s/n Bairro: Gurigica CEP: 29.050.945 Telefone: (27) 3227-5720 Horário de Funcionamento: 8h às

Leia mais

Página 1 CMEI MENINO JESUS. Diretora: Neli Maria Rodrigues. .: Fundação: 25/12/1936. Criação: Lei nº 3.

Página 1 CMEI MENINO JESUS. Diretora: Neli Maria Rodrigues.  .: Fundação: 25/12/1936. Criação: Lei nº 3. CMEI MENINO JESUS Diretora: Neli Maria Rodrigues E-mail.: sbcp.meninojesus@yahoo.com.br Fundação: 25/12/1936 Criação: Lei nº 3.905 Endereço: Rua Sete de Setembro, 321 Bairro: Centro CEP.: 29015-000 Telefone:

Leia mais

Boletim Técnico. Acesse Gestão Fiscal Filial Dados Educacionais Cadastrar as informações relativas à autorização de funcionamento da unidade de ensino

Boletim Técnico. Acesse Gestão Fiscal Filial Dados Educacionais Cadastrar as informações relativas à autorização de funcionamento da unidade de ensino SISTEC Produto : TOTVS Educacional 11.83.52 Processo : SISTEC Subprocesso : Não se aplica Data da publicação : 06/12/2013: O SISTEC é o Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica,

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES Boletim nº2 GT Acessibilidade SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES A Norma Brasileira de Acessibilidade ABNT NBR 9050, desde sua primeira edição em 01/09/1985, estabelece

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

Educação Especial (Transtorno Global de Desenvolvimento): Quantidade de alunos. SIM Possui sinalização em Libras: NÃO Possui material em Braile:

Educação Especial (Transtorno Global de Desenvolvimento): Quantidade de alunos. SIM Possui sinalização em Libras: NÃO Possui material em Braile: CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados: 285 Quantidade de alunos na lista de espera: Não há lista de espera Educação Especial: Quantidade de Alunos Cegueira 0 Baixa Visão 1 Surdez 0 Deficiência

Leia mais

Página 1. Faixa etária de pessoas atendidas De 5 a 10 anos; e acima de 24 anos De 5 a 7 e de 8 aos 14 anos de idade

Página 1. Faixa etária de pessoas atendidas De 5 a 10 anos; e acima de 24 anos De 5 a 7 e de 8 aos 14 anos de idade DATA DA VISITA: 04/11/2013 DATA DA VISITA: 04/12/2014 PROJETO PÉ DE MOLEQUE Coordenador(a): Período matutino - Marcelo Rodrigues Amorim Período vespertino: Francisco Sandro Lopes da Silva E-mail: mamoripmv@gmail.

Leia mais

Comissão de Acessibilidade Física Fazendo Gênero 2017 Denise Siqueira Karla Garcia Milena Brandão

Comissão de Acessibilidade Física Fazendo Gênero 2017 Denise Siqueira Karla Garcia Milena Brandão 1 Comissão de Acessibilidade Física Fazendo Gênero 2017 Denise Siqueira Karla Garcia Milena Brandão Seminário Internacional Fazendo Gênero Universidade Federal de Santa Catarina Instituto de Estudos de

Leia mais

EDIFÍCIO MIRADOR. Memorial Descritivo dos Acabamentos

EDIFÍCIO MIRADOR. Memorial Descritivo dos Acabamentos EDIFÍCIO MIRADOR Memorial Descritivo dos Acabamentos 01 Fachadas Fachadas frontal pastilha de porcelana e/ou cerâmica e pintura na parte interna das varandas, vidro verde laminado 8mm e esquadria em alumínio

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL

PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL PORTO DE IMBITUBA S.A. OBRA: SINALIZAÇÃO VERTICAL EXTERNAS E INTERNAS LOCAL: ÁREA PORTUÁRIA PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL DATA: JULHO/2013 NUMERAÇÃO EM PLANTA BAIXA QUANTIDADE DESCRIÇÃO

Leia mais

CADERNO DE PATROCÍNIOS Novembro/2016

CADERNO DE PATROCÍNIOS Novembro/2016 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO X INTRANS - EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO 28, 29 e 30 DE JUNHO DE 2017 SÃO PAULO CADERNO DE PATROCÍNIOS Novembro/2016 LOCAL Centro de

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

UNI FIAM FAAM INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO

UNI FIAM FAAM INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO UNI FIAM FAAM INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO Professores: Helena e Ana Cecília 2 semestre 2010 turma: 018 102 A08 Daniele Tavares RA: 4221679 Renata Pereira RA: 5386069

Leia mais

2. Quantidade de alunos na Lista de Espera

2. Quantidade de alunos na Lista de Espera 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º ano 47 2º ano 62 3º ano 75 4º ano 59 4ª série 84 5ª série 127 6ª série 87 7ª série 90 EJA 1ª à 4ª 57 EJA 5ª à 8ª 166 1.1 Dos alunos matriculados,

Leia mais

Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria

Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria Sistema vertical de transporte Tecnologia das construções Profª Bárbara Silvéria As escadas servem para unir, por degraus sucessivos, os diferentes níveis de uma construção. Para isso deveremos seguir

Leia mais

relatório da avaliação das condições de acessibilidade

relatório da avaliação das condições de acessibilidade relatório da avaliação das condições de acessibilidade identificação do cliente nome e descrição da atividade principal (a certificar) outras atividades relevantes /complementares data da visita Centro

Leia mais

Acessibilidade no Espaço Escolar

Acessibilidade no Espaço Escolar Acessibilidade no Espaço Escolar pessoas incluindo pessoas Ficha técnica Instituto Paradigma Presidência: Luiza Russo Diretoria Técnica: Danilo Namo Coordenação do projeto: Fabiano Puhlmann Equipe técnica

Leia mais

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ Fábio Cosme Pandolfo 1 Tiago Cássio Pandolfo 2 Dorival L. dos Santos Junior 3 Gabriel Francisco Alves 4 Maria Conceição

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

FUNCIONÁRIOS EFETIVOS

FUNCIONÁRIOS EFETIVOS NÚCLEO DE ESPORTES - IFES Coordenador: Cosme Eduardo Professores: Fernando Paes de Pontes e Francisco Santana Lopes Logradouro: Avenida Vitória, 1729 Bairro: Jucutuquara CEP: 29040-780 Telefone: (27) 3382-6430

Leia mais

Local de funcionamento do Núcleo

Local de funcionamento do Núcleo Data da Visita: 04/12/2013 CENTRO DE TREINAMENTO MUNICIPAL DE VÔLEI DE PRAIA Coordenador(a): Eduardo Marconi A. Padua Endereço: Praça dos Namorados (Quadra de Areia) Bairro: Praia do Canto Referência:

Leia mais

PERICIA NA ACESSIBILIDADE

PERICIA NA ACESSIBILIDADE AGOSTO 2017 Eng. Mecânico Sergio Yamawaki Presidente da Comissão de Acessibilidade do CREA-PR PERICIA NA ACESSIBILIDADE Segundo a ONU - 2012 Deficientes no Mundo 1 bilhão Segundo a ONU - 2012 A cada 5

Leia mais

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 ESCADA Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido. Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

FUNCIONÁRIOS EFETIVOS

FUNCIONÁRIOS EFETIVOS NÚCLEO DE ESPORTES - ÁLVARES CABRAL Coordenador: Marcos Tadeu Carvalho Loureiro Email: mugmtel@hotmail.com Logradouro: Av Marechal Mascarenhas de Moraes, 2100 Bairro: Bento Ferreira CEP: 29050-626 Telefone:

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

CIRCULAÇÃO VERTICAL. Escadas e Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

CIRCULAÇÃO VERTICAL. Escadas e Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas CIRCULAÇÃO VERTICAL Escadas e Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas CIRCULAÇÃO VERTICAL - ORIGENS A concentração de construções nas grandes cidades criou a exigência de um aproveitamento cada

Leia mais

CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL INFANTO-JUVENIL (CAPSi)

CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL INFANTO-JUVENIL (CAPSi) DATA DA VISITA: 13/10/2014 Coordenador (a): João Paulo Guidoni E-mail: crcapsinfantil@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Avenida Amélia da Cunha Ornelas, 431 Bairro: Bento Ferreira Telefone: (27) 3225-5497

Leia mais

Fotografia 1 Vista frontal da escola de Aparecida, detalhe da fachada em desnível em relação a rua principal.

Fotografia 1 Vista frontal da escola de Aparecida, detalhe da fachada em desnível em relação a rua principal. RELATÓRIO TÉCNICO Nº 006-DINFRA/PRODIN/IFAM/2016 DA: A (O): PRODIN Manaus/AM, 05 de abril de 2015 I - DAS INFORMAÇÕES 1. OBJETO: Obra de reforma e ampliação do prédio anexo do Instituto Federal do Amazonas

Leia mais

PROC 004 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC TRÂNSITO INTERNO

PROC 004 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC TRÂNSITO INTERNO PROC 004 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC TRÂNSITO INTERNO Estabelece regras para o trânsito interno do TESC. Por ordem da Diretoria do TESC, a Supervisora de Segurança Portuária, com base no Plano Nacional

Leia mais