AVALIAÇÃO DA INDÚSTRIA CERÂMICA DE BLOCOS E TELHAS DO RS E SC E SEUS IMPACTOS NA ECONOMIA DO RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA INDÚSTRIA CERÂMICA DE BLOCOS E TELHAS DO RS E SC E SEUS IMPACTOS NA ECONOMIA DO RS"

Transcrição

1 LABORATÓRIO DE MATERIAIS CERÂMICOS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE MATERIAIS UFRGS AVALIAÇÃO DA INDÚSTRIA CERÂMICA DE BLOCOS E TELHAS DO RS E SC E SEUS IMPACTOS NA ECONOMIA DO RS Ao: Sindicato das Indústrias de Olaria e de Cerâmica para Construção no Estado do Rio Grande do Sul - SINDICER/RS. Coordenação: C.P. Bergmann Porto Alegre, Março de 2013.

2 SUMÁRIO INDICE DE FIGURAS... III INDICE DE TABELAS... IV OBJETIVO... VIII 1 O SETOR CERÂMICA VERMELHA O SETOR DE CERÂMICA VERMELHA NO CONTEXTO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NACIONAL PRODUÇÃO DE BLOCOS E TELHAS NO BRASIL, RS E SC PRODUÇÃO RESERVAS DE MATÉRIAS-PRIMAS 8 3 ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA DE BLOCOS E TELHAS: RS E SC IMPACTO DAS INDÚSTRIAS DE BLOCOS E TELHAS DOS ESTADOS DO RS E SC NA ECONOMIA DO ESTADO DO RS PÓLOS CERÂMICOS DE SANTA CATARINA IMPACTO NA ECONOMIA DO ESTADO DO RS EXPORTAÇÕES DE TELHAS E TIJOLOS DO BRASIL E DOS ESTADOS DO RS E SC PANORAMA DO MERCADO DE TIJOLOS E TELHAS E DOS ESTADOS DE SC E RS CONCLUSÕES 33 5 BLOCO ESTRUTURAL: PRODUÇÃO E MERCADO NO RS CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DE BLOCOS ESTRUTURAIS NO RS ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DE BLOCOS ESTRUTURAIS BIBLIOGRAFIA ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO II

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 3.1: Mapa do Estado de Santa Catarina com divisões regionais de fiscalização da Secretaria de Estado da Fazenda. 13 Figura 4.1: Pólos cerâmicos de Canelinha, Rio Negrinho e Morro do Fumaça, no Estado de Santa Catarina. 19 Figura 4.2: Evolução da arrecadação do ICMS dos Estados do RS e SC, valores corrigidos pelo IGP-DI. 21 Figura 4.3: Evolução da arrecadação do ICMS de telhas nos Estados do RS e de SC, valores corrigidos pelo IGP- DI 22 Figura 4.4: Impacto na arrecadação de ICMS sobre telhas nos Estados do RS e de SC. 23 Figura 4.5: Evolução da arrecadação do ICMS de blocos nos Estados do RS e SC, valores corrigidos pelo IGP-DI. 23 Figura 4.6: Impacto na arrecadação de ICMS sobre blocos nos Estados do RS e de SC. 24 Figura 4.7: Evolução da arrecadação do ICMS de Telhas + Blocos nos Estados do RS e de SC, valores corrigidos pelo IGP-DI. 25 Figura 4.8: Impacto na arrecadação de ICMS sobre telhas e blocos nos Estados do RS e de SC. 25 Figura 4.9 Evolução da exportação de telhas do Brasil e dos Estados do RS e de SC no período Figura 4.10 Peso liquido de telhas exportadas do Brasil e dos Estados do RS e de SC no período Figura 4.11 Número de telhas exportadas do Brasil e dos Estados do RS e de SC no período Figura Evolução da exportação de tijolos do Brasil e dos Estados do RS e de SC no período Figura 4.13 Peso liquido de tijolos exportados do Brasil e dos Estados do RS e de SC no período III

4 Figura 4.14 Número de tijolos exportados do Brasil e dos Estados do RS e de SC no período Figura 5.1: Localização das empresas pesquisadas no Rio Grande do Sul. 28 Figura 5.2: Diversidade de tipos de peças produzidas por cada fabricante conforme largura. 30 Figura 5.3: Resistência à compressão declarada dos blocos por fabricante 31 Figura 5.4: Produção média mensal de unidades por fabricante. 32 Figura 5.5: Participação de cada fabricante na produção total. 32 IV

5 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1.1: Dados gerais das unidades locais industriais de empresas com 5 ou mais pessoas ocupadas, por unidade da federação, segundo as divisões e os grupos de atividades (CNAE 2.0) - Brasil, Sul Sudeste (exceto Espírito Santo). 3 Tabela 1.2: Número de empresas cerâmica vermelha (CNAE 2342-/02) no RS e SC. 3 Tabela 1.3: Déficit habitacional e inadequação habitacional. 5 Tabela 2.1: Produção de blocos/tijolos no Brasil. 5 Tabela 2.2: Números do Segmento de Cerâmica Vermelha. 5 Tabela 2.3: Produção de cerâmica vermelha no ano de Tabela 2.4: Produção relativa de cerâmica vermelha no ano de Tabela 2.5: Reservas das substâncias minerais. 8 Tabela 3.1: Levantamento de preços produtos cerâmicos 2010, por município na região de Tubarão e Criciúma. 10 Tabela 3.2: Preços praticados no RS em telhas e tijolos/blocos, valores em 13 R$. Tabela 3.3: Arrecadação de ICMS no segmento cerâmica vermelha no estado de Santa Catarina. 16 Tabela 3.4: Arrecadação de ICMS no segmento cerâmica vermelha no estado do Rio Grande do Sul. 17 Tabela 3.5: Valores de ICMS dos estados do RS e SC, nos anos de 2008 a Tabela 3.6: Arrecadação de ICMS no Segmento de Cerâmica Vermelha nos Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 18 Tabela 3.7: Arrecadação de ICMS no Segmento de Cerâmica Vermelha nos Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, corrigida pelo IGP-DI de 01/11/ Tabela 4.1: Números das Indústrias de telhas e blocos do Morro da Fumaça. 19 Tabela 4.2: Produção de Cerâmica Vermelha no ano de V

6 Tabela 4.3- Quantidade mensal de tijolos de SC que abastecem o RS. 30 Tabela 4.4- Quantidade mensal de telhas de SC que abastecem o RS. 32 Tabela 5.1: Resistências à compressão (em MPa) declaradas pelos fabricantes Blocos estruturais de 11,5cm de largura. 29 Tabela 5.2: Resistências à compressão (em MPa) declaradas pelos fabricantes Blocos estruturais de 14cm de largura. 29 Tabela 5.3: Resistências à compressão (em MPa) declaradas pelos fabricantes Blocos estruturais de 19cm de largura. 30 Tabela 5.4: Estimativa da produção de cada fabricante para o período referente ao mês de junho de Tabela 5.5: Dados referentes à produção de blocos de vedação e estrutural no RS. 34 VI

7 OBJETIVO O objetivo deste trabalho é realizar um levantamento do potencial das empresas do setor ceramista - telhas, blocos de vedação e blocos estruturais, excluídos pisos e azulejos - dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina e os seus impactos na economia de cada Unidade Federativa. VII

8 1. O SETOR CERÂMICA VERMELHA Os produtos de cerâmica vermelha abordados neste relatório são descritos segundo normas técnicas brasileiras no ANEXO 1. A cerâmica vermelha, também conhecida como cerâmica estrutural, integra o setor dos minerais não-metálicos da Indústria da Transformação Mineral, fazendo parte do conjunto de cadeias produtivas que compõem o Complexo da Construção Civil. Os produtos da cerâmica vermelha são caracterizados pela cor vermelha, representados por blocos de vedação e estruturais, telhas, tijolos maciços, lajotas e tubos, abrangendo 90% das alvenarias e coberturas utilizadas no país, além de outros produtos como objetos ornamentais e utensílios domésticos. O segmento utiliza basicamente a argila comum como principal fonte de matéria-prima. No Brasil, a argila destaca-se como a 4ª maior produção da mineração, posicionando-se abaixo da produção de agregados (631 Mt - areia 379 Mt e brita 282 Mt) e minério de ferro 372 Mt (Anuário Estatístico, 2011 Setor de Transformação de Não- Metálicos Ministério de Minas e Energia). O segmento apresenta-se com uma estrutura empresarial bastante diversificada, prevalecendo pequenos empreendimentos familiares (olarias, em grande parte não incorporadas às estatísticas oficiais), cerâmicas de pequeno e médio porte, com deficiências de mecanização e gestão, e empreendimentos de médio a grande porte (em escala de produção) de tecnologia moderna (Anuário Estatístico, 2011 Setor de Transformação de Não-Metálicos Ministério de Minas e Energia). Existem muitas divergências de dados referentes ao setor cerâmico. De acordo com informações obtidas no Anuário Estatístico 2011 (p. 43), o qual citou como fonte a ANICER, o Brasil possui em torno de 7400 empresas de cerâmica vermelha. Entretanto, de acordo com dados do site da ANICER, o mesmo apresenta 6903 empresas, gerando 293 mil empregos diretos e perto de 900 mil indiretos. Apresenta um faturamento anual da ordem de R$ 18 bilhões, o qual representa 4,8% do faturamento da Indústria da Construção Civil. Destaca-se, no entanto que estas informações referem-se ao ano de (http://www.anicer.com.br, acesso em 18/12/2012). 2

9 Estas divergências em termos de dados da indústria de cerâmica vermelha também ocorrem em relação às unidades federativas RS e SC. De acordo com informações do Instituto Nacional de Tecnologia de junho de 2012, SC possui 625 empresas de cerâmica vermelha e o RS 795. Entretanto, em pesquisa ao site do IBGE, tendo como base o Ano de 2010, encontram-se outros números, como pode ser visto na Tabela 1.1. Tabela 1.1: Dados gerais das unidades locais industriais de empresas com 5 ou mais pessoas ocupadas, por unidade da federação, segundo as divisões e os grupos de atividades (CNAE 2.0) - Brasil, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Variável Número de unidades locais (unidades) Classificação nacional de Atividades Econômicas (CNAE 2.0) = 23.4 Fabricação de Produtos Cerâmicos em 2010 no Brasil e Estados Brasil 5075 Santa Catarina 578 Rio Grande do Sul 349 A diferença é bem significativa, entretanto, é razoável que os números do IBGE sejam inferiores, pois foi tomado como base empresas com 5 ou mais pessoas e neste ramo, as pequenas empresas familiares são em grande número. Em função destas divergências quanto ao número de empresas, buscou-se informações junto ao Ministério do Trabalho, que possui um cadastro de empresas registradas, com o respectivo número de empregados, os quais são apresentados na Tabela 1.2. A distribuição das empresas por município dos estados de RS e SC encontra-se, respectivamente no ANEXO 2. Comparando-se as Tabelas 1.1 e 1.2, constata-se mais uma divergência de dados do setor. Tabela 1.2: Número de empresas cerâmica vermelha (CNAE 2342-/02) no RS e SC. Empresas RS SC Mais de 5 empregados a 5 empregados Não possui empregados Total Fonte: Ministério do Trabalho, dados extraídos da RAIS

10 Dados publicados em SEBRAE (2008), tomando como base o ano de 2006, mostram considerável diferença em relação aos números atuais. Na época, o segmento de cerâmica estrutural congregava no Estado RS cerca de 1470 empresas, envolvendo centenas de olarias com pequenas capacidades de produção, tipificando microempresas de pequeno porte de consumo térmico, precariedade e baixo nível tecnológico dos equipamentos envolvidos e pela reduzida capacidade de investimento. O Estado de Santa Catarina aparece na mesma pesquisa com 1116 empresas. Embora os dados encontrados sobre os produtos de cerâmica vermelha apresentem discrepâncias entre as fontes, nota-se que este segmento gera um grande número de empregos com considerável produção e faturamento. 1.1 O SETOR DE CERÂMICA VERMELHA NO CONTEXTO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NACIONAL O segmento de Cerâmica Vermelha tem indiscutível importância dentro do próprio Setor Cerâmico e em toda cadeia do Macro Complexo da Construção Civil. São milhares de empresas espalhadas por todo o País, produzindo, principalmente, blocos de vedação, telhas e componentes de lajes, além de blocos utilizados em alvenaria estrutural, pisos extrudados, manilhas e elementos vazados. Para destacar a importância deste segmento no contexto de desenvolvimento social nacional, cita-se a problemática do déficit habitacional no Brasil. O enfrentamento desta questão social passa pela necessariamente pela disponibilidade de produtos das indústrias de cerâmica vermelha. Assim, qualquer solução para diminuir o déficit habitacional certamente demandaria um forte crescimento da indústria de cerâmica vermelha. O déficit habitacional é estudado amplamente pelo Observatório de Políticas Urbanas e Gestão Municipal que lança oficialmente os resultados do déficit e da inadequação habitacional para as regiões metropolitanas, capitais, estados e grandes regiões, com base nos dados do Censo IBGE, dentro do trabalho intitulado "Necessidades Habitacionais". O déficit habitacional corresponde à necessidade de reposição total de unidades precárias e ao atendimento à demanda não solvável nas condições dadas 4

11 de mercado. A inadequação habitacional aponta para a necessidade de melhoria de unidades habitacionais com determinados tipos de precarização. Como podem ser vistos nas Tabelas 1.3, o déficit habitacional e a inadequação habitacional proporcionarão demanda de cerâmica estrutural vermelha com uma melhoria da situação econômica do país e com intensos programas habitacionais. Tabela 1.3: Déficit habitacional e Inadequação habitacional. Inadequação Habitacional Déficit Habitacional Absoluto Relativo Brasil ,30% Rio Grande do Sul ,40% Santa Catarina ,70% Fonte: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2009 (PNAD) IBGE 5

12 2. PRODUÇÃO DE BLOCOS E TELHAS NO BRASIL, RS E SC 2.1 PRODUÇÃO A Tabela 2.1 apresenta dados referentes à produção de blocos/tijolos e telhas no Brasil em Tabela 2.1: Produção de blocos/tijolos no Brasil. Nº Empresas Aproximado Participação no setor (%) Prod./mês (Nº de Peças) Consumo-ton/mês (Matéria-prima: argila) Blocos/Tijolos Telhas Tubos 10 0,10 325,5Km* - (Fonte: IBGE 2008 para Seção C, Divisão 23, Grupo 234, Classe , Fabricação de Produtos Cerâmicos Não-Refratários para Uso Estrutural na Construção, excluídas as palavras pisos e azulejos da razão social apud em ANICER acesso em 18/12/2012). *Produção apontada pela Associação Latino-Americana de Fabricantes de Tubos Cerâmicos (Acertubos), considerando o número de 10 empresas, responsáveis pela fabricação de 3.906km/ano Em 2010, baseando-se no crescimento de 11,6% do PIB da construção civil, estimou-se a produção de cerâmica vermelha em 84,8 bilhões de peças/ano. Os blocos e tijolos representaram 70% (59,4 bilhões) do segmento e telhas 30% (25,4 bilhões). A partir da produção estimada de 84,8 bilhões de peças cerâmicas, em 2010, considerando-se a massa média de 2,0 kg/peça, pode-se estimar a utilização de 170 Mt de argila (Anuário Estatístico, 2011 Setor de Transformação de Não- Metálicos Ministério de Minas e Energia), estes dados estão sintetizados na Tabela 2.2. A partir destes dados, pode-se extrair a produção mês de cerâmica vermelha no Brasil referente ao ano de 2010, conforme ilustrado na Tabela 2.3. Tabela 2.2: Números do segmento de cerâmica vermelha no Brasil. Número de unidades produtoras (empresas) 7400 Número de peças/ano (bloco) Número de peças/ano (telhas) Matéria-prima (argilas) 59,4 bilhões 25,4 bilhões 170 Mt Produtividade (Mil peças/operário/mês) 24,1 Faturamento (R$ bilhões) 18 Empregos diretos Fonte: ANICER apud Anuário Estatístico, 2011 Setor de Transformação de Não-Metálicos Ministério de Minas e Energia-Projeção para

13 Em relação às unidades federativas RS e SC, face à divergência de dados em relação ao número de empresas, optou-se por usar os dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Tecnologia de junho de 2012, por serem os dados mais recentes (utilizando inclusive dados do SINDICER), no tocante ao RS. Quanto à produção de cerâmica vermelha, em cada unidade federativa, calculou-se em cima do percentual de empresas em relação ao número de empresas nacionais (RS 10,74% empresas em relação ao número de empresas nacionais, logo corresponde a este percentual de produção; SC 8,44% - portanto, 8,44% da produção nacional). Para calcular os percentuais de blocos e telhas, levou-se em consideração informações do setor em que do total de cerâmica produzida no RS (70% blocos e 30% telhas) e SC (80% blocos e 20% telhas). Tabela 2.3: Produção de cerâmica vermelha no ano de Nº de Empresas Blocos/Tijolos/ mês Telhas/mês Matéria-prima (ton/mês) Empregos diretos BR RS* SC* Fonte: 1) BR - Anuário Estatístico, 2011 Setor de Transformação de Não-Metálicos Ministério de Minas e Energia-Projeção para *valores calculados de acordo com informações do setor. Pode-se constatar através da Tabela 2.4, confrontando-se a população de cada Estado e a produção de cerâmica vermelha, que tanto no RS quanto SC têm uma produção de telhas-mês da ordem de 2 vezes mais que a média brasileira. Quanto à quantidade produzida de blocos por mês em relação aos dados populacionais, é visivelmente superior para SC da ordem de 3 vezes mais que a média nacional e para o RS, 2 vezes mais que a média nacional. O ANEXO 3 apresenta dados populacionais e econômicos de ambos os estados federativos. Tabela 2.4: Produção relativa de cerâmica vermelha no ano de População Blocos-mês/pessoa Telhas mês/pessoa BR ,93 11,35 RS ,69 21,29 SC ,41 19,10 Fonte: Dados Populacionais: IBGE- Censo Demográfico, Demais dados: Calculados a partir da Tabela 2.2 (Produção mês/população). 7

14 2.2 RESERVAS DE MATÉRIAS-PRIMAS O Estado de SC apresenta argilas em reservas medidas, inferidas e estimadas muito superiores ao RS, como pode ser visto na Tabela 2.2. Como o Estado do RS apresenta uma extensão territorial superior ao de Santa Catarina, esperar-se-ia maior quantidade de reservas medidas, inferidas e estimadas no RS. No entanto, pelo fato do Estado de SC possuir forte presença de indústrias de revestimentos cerâmicos, as quais também utilizam argilas, há uma maior demanda por esta matéria-prima e consequentemente um maior estudo geológico em regiões no entorno do pólo cerâmico de Criciúma. Assim, o interesse por reservas em SC explica a maior quantidade de áreas medidas, inferidas e estimadas naquele Estado e não uma suposta escassez de argilas no Estado do RS. Tabela 2.5: Reservas das substâncias minerais no Brasil, RS e SC. Medida* (ton) Indicada** (ton) Inferida*** (ton) BR RS SC Argilas Comuns Argilas Plásticas Argilas Comuns Argilas Plásticas Argilas Comuns Argilas Plásticas Fonte: DNPM - Anuário Mineral Brasileiro *Reserva Medida: A tonelagem de minério é computada a partir das dimensões das ocorrências, sendo o teor determinado pelos resultados de amostragem. A tonelagem e o teor devem ser rigorosamente determinados dentro dos limites estabelecidos, os quais não devem apresentar variação superior ou inferior a 20% (vinte por cento) da quantidade verdadeira. **Reserva Indicada: A tonelagem e o teor do minério são computados parcialmente de medidas e amostras específicas, ou de dados da produção, e parcialmente por extrapolação até distância razoável, com base em evidências geológicas. As reservas computadas são apenas aquelas aprovadas pelo DNPM em Relatórios de Pesquisa e Relatórios Anuais (ou reavaliação de jazidas). ***Reserva Inferida: Estimativa feita com base no conhecimento da geologia do depósito mineral, havendo pouco ou nenhum trabalho de pesquisa. 8

15 3. ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA DE BLOCOS E TELHAS: RS E SC Um dos principais tributos incididos no segmento de cerâmica vermelha é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o qual no RS e SC têm redução da alíquota deste tributo conforme previsto em suas legislações tributárias, como segue: Em Santa Catarina, as alíquotas aplicáveis nas operações internas para telhas, tijolos, tubos e manilhas são de 7%, conforme regra o art. 7, III, b do Anexo 2 do RICMS-SC, exposto a seguir: DA REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO SANTA CATARINA DECRETO N 2.870, de 27 de agosto de (Resumido). Seção das Operações com Mercadorias Art. 7º Nas seguintes operações internas a base de cálculo do imposto será reduzida: III - em 58,823% (cinquenta e oito inteiros e oitocentos e vinte e três milésimos por cento) nas saídas de tijolo, telha, tubo e manilha, nas seguintes condições (Lei nº /96, art. 43): a) o benefício só se aplica ao produto cuja matéria-prima predominante seja argila ou barro; b) fica facultado aplicar diretamente o percentual de 7% (sete por cento) sobre a base de cálculo integral, desde que o sujeito passivo aponha, no documento fiscal, a seguinte observação: Base de cálculo reduzida: RICMS-SC/01 - Anexo 2, art. 7, III. PARANÁ As alíquotas aplicáveis às telhas e tijolos são de 12% conforme estampa o RICMS-PR, aprovado pelo decreto n de 21/12/2007, art. 14, II, m, 2, 3 e 5, ad litteram: Artigo 14. II Alíquota de doze por cento nas prestações de serviço de transporte intermunicipal e nas operações com os seguintes bens e mercadorias: destinados à construção civil: 2) tijolo, telha, tubo e manilha de argila ou barro: telhas e lajes planas pré-fabricadas, painéis de lajes, pré-lajes e pré-moldados de cimento, de concreto, ou de pedra artificial, mesmo armadas. Blocos e tijolos ( ) 9

16 No Rio Grande do Sul, o decreto Nº , de 9 de julho de 1998 (DOE DE ), prevê, resumidamente: Art. 1º - Com fundamento no disposto no art. 58 da Lei nº 8820, de , e alterações, e considerando que o Estado do Paraná faz concessão semelhante, fica introduzida a seguinte alteração no Livro I do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 37699, de , numerada em sequência às introduzidas pelo Decreto nº 38667, de a) tijolos e telhas, cuja matéria-prima predominante seja a argila ou o barro, excluídos os refratários: 1-53,847% (cinquenta e três inteiros e oitocentos e quarenta e sete milésimos por cento), quando a alíquota aplicável for 13% (treze por cento); 2-58,333% (cinquenta e oito inteiros e trezentos e trinta e três milésimos por cento), quando a alíquota aplicável for 12% (doze por cento). Assim, para o Estado do Rio Grande do Sul, existem casos específicos: a) Para os blocos e tijolos de concreto para construção possui uma redução da base de calculo de 41,176%, conforme diz o art. 23, XXIV: Art A base de cálculo do imposto nas operações com mercadorias, apurada, terá seu valor reduzido para: XXIV - 41,176% (quarenta e um inteiros e cento e setenta e seis milésimos por cento), a partir de 1 de janeiro de 1999, nas saídas internas de blocos e tijolos de concreto para construção, classificados no código da NBM/SH - NCM; b) Quanto às telhas, cuja matéria-prima predominante seja argila ou barro, excluídas as refratárias, a redução da base de cálculo é de 58,333%, quando a alíquota aplicável for 12%, o que resulta na alíquota liquida de 7% (art. 23, XVIII, a, item 2): c) Quanto às telhas de concreto classificadas na subposição da NBM/SH-NCM, a alíquota foi reduzida de 17% para 12% nas saídas internas ocorridas a partir de 11/08/2010, mas vigorará apenas até o dia 31/01/2011, conforme diz o art. 27, VI, letra f (Redação dada pelo art. 1º (Alteração do Decreto , de 10/08/10. DOE 11/08/2010). 10

17 Portanto, a tributação do ICMS dos produtos cerâmicos, conforme a legislação atual, varia conforme cada produto em particular. Os tijolos de cerâmica, excluídos os refratários, classificados no código da NBM/SH-NCM, gozam de isenção do ICMS nas saídas internas, conforme preceitua o art. 55 da Lei Estadual Nº de 27/12/2005. As telhas e cumeeiras, por sua vez, têm suas saídas internas tributadas pela alíquota de 12%, entretanto, por força da renovação do Convênio ICMS 50/93, de 30 de abril de 1993, levada a efeito pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) em 20 de janeiro de 2010, foi permitida a redução de sua base de cálculo até 31 de dezembro de Desta forma, a base de cálculo do imposto das telhas e cumeeiras foi reduzida para 58,333% conforme o Livro I, título V, capítulo II, art. 23, inciso XVIII, alínea a, item 2 do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (RICMS), resultando numa tributação equivalente a 7%. Esta redução da alíquota resulta em um ICMS de 7% sobre blocos e telhas em ambos os estados (RS e SC). Outro dado concernente ao ICMS é a pauta de preços mínimos sobre os produtos do segmento de cerâmica vermelha na Região Litoral Sul do Estado de Santa Catarina (regiões de Tubarão e Criciúma), enquanto que o restante do Estado de SC e também o RS não possuem pauta de preços mínimos sobre estes produtos. Segundo esta pauta, são designados valores mínimos para produtos de cerâmica vermelha, conforme apresentado na Tabela 3.1. É importante frisar que esta Pauta de Preços Mínimos apresenta valores bem abaixo dos praticados no mercado como pode ser visto na Tabela 3.1. Tabela 3.1: Levantamento de preços produtos cerâmicos 2010, por município na região de Tubarão e Criciúma. PREÇO PREÇO MÉDIO PRODUTO TIPO QTD ENTRADA SAÍDA PAUTA DIFERENÇA% Telha Americana Branca MI 530,00 752,50 310,00 242,74 11

18 Telha Americana Branca mesclada MI 573,33 861,66 310,00 277,95 Telha Americana Natural MI 586,25 821,25 370,00 221,96 Telha Americana Pêssego MI 310,00 Telha Americana Trincada MI 800, ,00 150,00 8,00 Telha Americana Vermelha MI 616,00 924,40 300,00 308,13 Telha Calha Comum Natural MI 342,30 537,69 227,00 236,87 Telha Calha Grande - Telhão Esmaltada MI 310,00 Telha Calha Grande - Telhão Natural MI 512,00 906,00 280,00 323,57 Telha Chata ou Germânica Esmaltada MI 495,00 Telha Chata ou Germânica Natural MI 200,00 305,00 445,00 68,54 Telha Colonial (Capa Canal) Esmaltada MI 560,00 Telha Colonial (Capa Cana) Natural MI 440,00 678,75 495,00 Telha Francesa e outras Natural MI 456,66 668,33 240,00 278,47 Telha Francesa de 1ª Natural MI 655,00 877,50 310,00 283,06 Telha Francesa de 2ª Natural MI 295,00 Telha Germânica Natural MI 200,00 300,00 195,00 153,85 Telha Germânica 1ª Esmaltada MI 200,00 300,00 660,00 45,45 Telha Germânica 2ª Esmaltada MI 390,00 Telha Germânica 3ª Esmaltada MI 95,00 Telha Goiva (Calha ou Cumeeira) Telha Goiva (Calha ou Cumeeira) Esmaltada MI 2250, ,00 485,00 618,56 Natural MI 802, ,25 500,00 241,25 Telha Holandesa Natural MI 530,00 752,50 250,00 301,00 Telha Holandesa 1ª Esmaltada MI 600,00 Telha Holandesa 2ª Esmaltada MI 380,00 Telha Italiana Esmaltada MI 1090,00 Telha Italiana Natural MI 500,00 700,00 550,00 127,27 Telha Plan Esmaltada MI 630,00 900,00 495,00 181,82 Telha Plan Natural MI 405,71 605,00 175,00 345,71 Telha Plan trincada MI 68,00 Telha Portuguesa Branca MI 464,00 724,00 265,00 273,21 Telha Portuguesa Branca mesclada MI 480,00 711,42 255,00 278,89 Telha Portuguesa Natural MI 461,25 662,50 260,00 254,81 Telha Portuguesa pêssego MI 500,00 690,00 250,00 276,00 Telha Portuguesa trincada MI 95,00 Telha Portuguesa vermelha MI 445,71 675,71 245,00 275,80 Telha Portuguesa 1ª esmaltada MI 961, ,83 725,00 187,42 Telha Portuguesa 2ª esmaltada MI 475,00 Telha Portuguesa 3ª esmaltada MI 95,00 12

19 Telha Romana branca MI 550,00 750,00 250,00 300,00 Telha Romana branca mesclada MI 550,00 750,00 250,00 300,00 Telha Romana natural MI 450,00 625,00 315,00 198,41 Telha Romana pêssego MI 550,00 750,00 250,00 300,00 Telha Romana trincada MI 95,00 Telha Romana vermelha MI 590,00 776,66 245,00 317,00 Telha Romana 1ª esmaltada MI 546, ,00 660,00 166,67 Telha Romana 2ª esmaltada MI 385,00 Telha Romana 3ª esmaltada MI 95,00 Telha Uruguaia natural MI 200,00 310,00 210,00 147,62 Telha Uruguaia 1ª esmaltada MI 660,00 Tijolo - 2 Furos MI 125,00 Tijolo - 4 Furos MI 158,00 Tijolo -6 Furos 10x15x20 MI 206,25 302,50 238,00 127,10 Tijolo - 6 Furos 10x15x30 MI 270,00 410,00 255,00 160,78 Tijolo - 6 Furos 12x18x25 MI 377,50 539,50 255,00 211,57 Tijolo - 6 Furos 8,5x13,5x1 8 MI 207,33 155,00 262,58 Tijolo - 8 Furos MI 362,00 526,00 170,00 309,41 Tijolo Laje Premoldada MI 360,00 561,60 175,00 320,91 Tijolo Maciço MI 375,50 552,50 170,00 325,00 Tijolo Vista - 2 Furos MI 335,00 520,00 245,00 212,24 Tijolo Vista - 4 Furos MI 385,00 452,75 280,00 161,70 Tijolo Vista - 6 Furos MI 502,25 732,50 370,00 197,97 Fonte: Secretaria de Estado da Fazenda SC(-Pesquisa efetuada na região Sul do Estado no 1º semestre/2010 (Tubarão e Criciúma); - Ato DIAT 76/2009, atualizado até o Ato DIAT 24, de (não houve outra alteração até ); -Fonte: auditoria fiscal da Receita Estadual. Dados obtidos em 13 empresas, com pesquisas feitas a campo. Regiões com Pauta de Preços Mínimos Figura 3.1: Mapa do Estado de Santa Catarina com divisões regionais de fiscalização da Secretaria de Estado da Fazenda. Fonte: Secretaria de Estado da Fazenda SC. 13

20 A Tabela 3.2 apresenta os preços praticados no RS para telhas e tijolos/blocos. As informações foram obtidas em consultas às empresas. A lista das empresas que forneceram dados encontra-se no ANEXO 4. Tabela 3.2 Preços praticados no RS em telhas e tijolos/blocos. Valores em R$. Telha - - Bagé Tijolo 6 furos 9x14x19 350,00 Bloco estrutural - - Telha Portuguesa ,00 Bom Princípio Tijolo 6 furos 9x14x19 420,00 Bloco estrutural 14x19x24 900,00 Telha - - Campo Bom Tijolo 6 furos 9x14x19 270,00 Bloco estrutural 9x19x29 520,00 Cachoeira do Sul Tijolo 6 furos 9x14x19 400,00 Telha francesa - 960,00 Telha - - Candelária Tijolo 6 furos 9x14x19 330,00 Bloco estrutural 14x19x ,00 Tijolo 6 furos 9x14x19 350,00 Feliz Bloco vedação - - Bloco estrutural - - Tijolo 6 furos 9x14x19 412,50 Gravataí Bloco vedação 9x14x24 460,00 Bloco estrutural - - Tijolo 6 furos 9x14x19 280,00 Pareci Novo Bloco de vedação 9x14x24 350,00 Bloco estrutural

21 Tijolo 6 furos 9x14x19 290,00 Pelotas Bloco vedação 11,5x14x19 820,00 Bloco estrutural 14x19x ,00 Tijolo 6 furos 9x14x19 370,00 Restinga Seca Bloco vedação maciço 9x14x19 360,00 Bloco estrutural 11,5x14x24 590,00 Santa Maria Tijolo 6 furos 9x14x24 720,00 Bloco estrutural 14x19x ,00 Tijolo 6 furos 9x14x19 400,00 Santa Rosa Bloco vedação - - Bloco estrutural 11,5x19x24 900,00 São Leopoldo Tijolo 6 furos liso 9x14x19 340,00 Tijolo 6 furos comum 9x14x19 585,00 Tijolo 6 furos 9x14x19 300,00 Bloco vedação - - Venâncio Aires Bloco estrutural - - Telha Francesa - 400,00 (3ª q) 600,00 (2ªq) 900,00 (1ªq) Tijolo 6 furos 9x14x29 520,00 Vila Flores Bloco vedação - - Fonte: Consulta aos produtores em janeiro de Bloco estrutural - - A Tabela 3.3 apresenta os dados da arrecadação de ICMS no segmento cerâmica vermelha no Estado de Santa Catarina, obtidos junto à Secretaria da Fazenda do Estado de SC. 15

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013.

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Tributação, Industrialização e Inovação Tecnológica

Tributação, Industrialização e Inovação Tecnológica 16 de junho de 2014 4 de Dezembro de 2013 1 Escopo: Análise da evolução da produtividade na construção, dos ganhos que a adoção de processos construtivos industrializados pode trazer e da distorção que

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Estudo da Indústria de Artefatos de Cimento no Estado de São Paulo

Estudo da Indústria de Artefatos de Cimento no Estado de São Paulo SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISA E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estudo da Indústria de Artefatos de Cimento no Estado de São Paulo Realização: Junho de 2002 Índice

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

O Impacto da Resolução nº 13/2012 do Senado Federal no Sistema FUNDAP e suas Consequências nas Finanças dos Municípios da Grande Vitória

O Impacto da Resolução nº 13/2012 do Senado Federal no Sistema FUNDAP e suas Consequências nas Finanças dos Municípios da Grande Vitória Copyright Todos os direitos reservados Revisado em Junho 2013 Aceito em Setembro 2013 O Impacto da Resolução nº 13/2012 do Senado Federal no Sistema FUNDAP e suas Consequências nas Finanças dos Municípios

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei: REVOGADA PELA LEI Nº 1.152, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007 Publicado na Tribuna São José Em, 22.05.1996 LEI Nº 18, DE 20 DE MAIO DE 1996 Dispõe sobre o Plano de Incentivo Empresarial, visando estimular a geração

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA

TERMO DE REFERÊNCIA SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA TERMO DE REFERÊNCIA SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA 1. A CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA CERÂMICA Segundo a Associação

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ICMS VERDE ARRECADADO PELA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

EVOLUÇÃO DO ICMS VERDE ARRECADADO PELA CIDADE DO RIO DE JANEIRO EVOLUÇÃO DO ICMS VERDE ARRECADADO PELA CIDADE DO RIO DE JANEIRO *Débora Mury Alves Chueiri, Nathalia Andrade da Silva, Luciana Vieira Esteves, Leonardo Duarte Batista da Silva, Alexandre Lioi Nascentes

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS Resolução Normativa nº 05/03 FUNDOPEM/RS E INTEGRAR/RS (Com alterações introduzidas pela Resolução Normativa nº 04/2004

Leia mais

Cristiano Coelho 1. Edson Roberto Vieira 2. Emerson Wruck 3

Cristiano Coelho 1. Edson Roberto Vieira 2. Emerson Wruck 3 O uso dos dados das pesquisas econômicas do IBGE para pesquisa e planejamento estratégico: uma análise das indústrias dos setores químico e farmoquímico/farmacêutico de Goiás Cristiano Coelho 1 Edson Roberto

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Perfil. dosetor. Arquitetura. e Engenharia Consultiva. Edição 2015

Perfil. dosetor. Arquitetura. e Engenharia Consultiva. Edição 2015 Perfil dosetor de Arquitetura e Engenharia Consultiva Edição 2015 SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional José Roberto Bernasconi Diretor Executivo Antonio

Leia mais

A indústria cerâmica brasileira

A indústria cerâmica brasileira A indústria cerâmica brasileira Gladstone Motta Bustamante 1 e José Carlos Bressiani 2 1 Ex-presidente da Associação Brasileira de Cerâmica, GMB-Consultoria 2 Ex-presidente da Associação Brasileira de

Leia mais

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR)

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 1 RESOLUÇÃO 13 X DECRETO 4316/95 RESOLUÇÃO 13 DECRETO 4316 COMENTÁRIOS Art. 1º A alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro LEI COMPLEMENTAR Nº 442, de 13 de maio de 2009 Procedência Governamental Natureza PLC/0006.2/2009 DO. 18.604 de 14/05/2009 *Alterada pela LC 534/11 *Ver Lei LC 534/11 (art. 72) *Regulamentada pelo Dec.

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte.

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte. de Segmentos CFOP 17/03/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1. Lei Complementar nº 87/1996... 4 3.2. RICMS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APOSTILA 5 LIVRO V DO RICMS-RJ. Atualizada até o Decreto 44.200 de 13/05/2013

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APOSTILA 5 LIVRO V DO RICMS-RJ. Atualizada até o Decreto 44.200 de 13/05/2013 DECRETO 27.427/00 - RICMS RJ LIVRO V PROF. CLÁUDIO BORBA 1 LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APOSTILA 5 LIVRO V DO RICMS-RJ Atualizada até o Decreto 44.200 de 13/05/2013 PROF. CLÁUDIO BORBA

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE Anexos 4.0 Substituição Tributária Anexos 4.2 Substituição Tributária das Operações com Água Mineral, Água Potável, Cerveja, Chope, Gelo e Refrigerante. Protocolo ICMS 11/1991 Alterações: Protocolo ICMS

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO ICMS ANTECIPADO - OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO para recolhimento pelos optantes do Simples Nacional? Na unificação das seguintes modalidades

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6140, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011. ALTERA OS ARTS. 54, 59, 62 E 69 DA LEI Nº 2657, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1996, QUE DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO MP 540/2011: SETOR MOVELEIRO Nossos levantamentos estão baseados nas principais informações levantadas em estudos feitos por diversos setores econômicos. Contamos com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

Responsáveis técnicos SÍLVIO ISOPO PORTO AIRTON CAMARGO PACHECO DA SILVA EDNA MATSUNAGA DE MENEZES. Gerência de Informações Técnicas SUINF/GEINT

Responsáveis técnicos SÍLVIO ISOPO PORTO AIRTON CAMARGO PACHECO DA SILVA EDNA MATSUNAGA DE MENEZES. Gerência de Informações Técnicas SUINF/GEINT Posição em 31/MARÇO/2011 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Política Agrícola e Informações - DIPAI Superintendência de Informações

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Cartilha de incentivos fiscais

Cartilha de incentivos fiscais Cartilha de incentivos fiscais Lei Municipal nº 11.186/2015 Por Secretaria de senvolvimento Econômico e Trabalho SUMÁRIO SOROCABA... 2 PORQUE INVESTIR?... 2 BENEFÍCIOS DE SE ESTABELECER EM SOROCABA...

Leia mais

Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado."

Imprimir Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado. Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 10.710 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007 Procede à Alteração nº 98 ao Regulamento do ICMS e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS SINDICATO DA CONSTRUÇÃO, GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NO ESTADO DE MATO GROSSO. (SINDENERGIA) ÍNDICE DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM PROPOSTA DE UM MODELO DE NOVOS COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DO FPM PARA OS MUNICÍPIOS DO INTERIOR IBGE - Abril/2008 OBJETIVOS Proposta de criação de novos coeficientes

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo:

Política de Valorização do Salário Mínimo: Nota Técnica Número 143 janeiro 2015 Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário Mínimo de 2015 fixado em R$ 788,00 Salário Mínimo de 2015 será de R$ 788,00 A partir de 1º de janeiro de 2015, o

Leia mais

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25 Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB, Emprego e Renda no Estado do Acre: Evolução no Período 2000 a 2013. Dr. Paulo Roberto Correia

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito presumido sobre o arroz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito presumido sobre o arroz Crédito presumido sobre o arroz 25/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 157, DE 20 DE JANEIRO DE 2004 - D.O. 20.01.04.

LEI COMPLEMENTAR Nº 157, DE 20 DE JANEIRO DE 2004 - D.O. 20.01.04. Nota Explicativa: "Os documentos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os textos publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais." LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE TRIBUTOS NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS.

INCIDÊNCIA DE TRIBUTOS NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. INCIDÊNCIA DE TRIBUTOS NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. OUTUBRO DE 2009 1 1. Apresentação Os acordos internacionais de comércio firmados na Organização Mundial do Comércio (OMC) reconhecem a legitimidade de

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

O que é a Revisão Fiscal?

O que é a Revisão Fiscal? Case de Revisão Fiscal em supermercado com faturamento médio de R$ 1.200.000/mês; A análise foi efetuada sobre o faturamento do 1º trimestre de 2009; Há menos de dois anos haviam realizado uma revisão

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 SÓCRATES ARANTES TEIXEIRA FILHO Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas AGOSTO/2015 Sócrates Arantes Teixeira Filho 2 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais