UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE SELO VERDE: SUA IMPORTÂNCIA E FUNCIONALIDADE Por: Cinthia da Costa Teixeira Figueiredo Orientador Prof. Francisco Carrera Rio de Janeiro 2010

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE SELO VERDE: SUA IMPORTÂNCIA E FUNCIONALIDADE Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Ambiental. Por: Cinthia da Costa Teixeira Figueiredo

3 3 AGRADECIMENTOS Ao Senhor Deus acima de todas as coisas. E ao meu esposo e filho que tiveram grande compreensão e paciência durante a confecção desta monografia. E a professora Haissa Carloni que me ajudou bastante com dicas importantíssimas.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia a minha mãe que apesar de todas as dificuldades da vida sempre me incentivou a estudar. E me deu a oportunidade de ter algo precioso e que ninguém pode roubar: o conhecimento. E ao meu pai in memória.

5 5 RESUMO Este trabalho disserta sobre a importância e funcionalidade dos rótulos ecológicos também conhecidos como selos verdes. De forma a esclarecer e incentivar mais empresas a adotarem não apenas o selo verde a sua imagem, mas a mudança de hábitos nocivos ao ambiente e o compromisso com a melhoria continua, diminuindo o impacto ambiental causado pela sua atividade. O estudo mostra de forma didática o que é uma rotulagem, seus tipos e classificação, bem como descreve o que é uma certificação ambiental (selo verde), seu objetivo e etapas. E também fala sobre o Sistema de Gestão Ambiental, que na verdade é o primeiro passo da empresa que objetiva adquirir melhor desempenho ambiental, bem como o controle e redução de seus impactos. No mesmo capítulo o leitor conhecerá um pouco sobre as normas ISO que é a responsável pela organização de todo o processo de certificação. Nada melhor do que exemplos reais de sucesso para concretizar o estudo. Os selos escolhidos para exemplificação foram o FSC (Forest Stewardship Council) da indústria madeireira e o selo do transporte coletivo do RJ. Mostrando como dois segmentos tão lesivos ao meio ambiente podem se desenvolver de forma sustentável, com menos impacto ambiental e ao mesmo tempo ganhando credibilidade, mercado e maior lucratividade. O objetivo final além de desmistificar a nomenclatura selo verde, é também gerar uma conscientização sobre a necessidade de desenvolver de forma sustentável com responsabilidade sócio ambiental; estimulando o leitor a se tornar um adepto desta linha de pensamento, e ao mesmo tempo encorajalo a inserir o seu cliente e /ou empresa na lista dos ecologicamente corretos.

6 6 METODOLOGIA Os métodos que levam ao problema proposto, como leitura de livros, jornais, revistas, artigos, bem como consulta a alguns sites oficiais. E como estudo de casos dissertará sobre os selos verdes FSC (Forest Stewardship Council) e os selos verdes da indústria de transporte coletivo do Rio de Janeiro. Será utilizado material oferecido nos sites oficiais e avaliado a importância e funcionalidade de cada um deles.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I -Rotulagens Ambientais 10 CAPÍTULO II - Certificação Ambiental 19 CAPÍTULO III Estudo dos selos 26 CONCLUSÃO 40 ANEXOS 42 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 49 ÍNDICE 52 FOLHA DE AVALIAÇÃO 54

8 8 INTRODUÇÃO Hoje em dia os consumidores estão cada vez mais exigentes no que diz respeito às questões ambientais. E por sua vez as empresas que buscam se adaptar às necessidades de seus clientes obtêm vantagens competitivas e sobrevivem no mercado. Esses consumidores verdes são aqueles que buscam a qualidade evitando produtos com impactos ambientais negativos; recusa produtos derivados de espécies em extinção; observam os selos verdes; leva em conta a biodegradabilidade do produto; escolhe produtos isentos de alvejantes e corantes; admitem sobre preço relativo à qualidade ambiental; não compra produtos com embalagens excessivas e preferem produtos com embalagens recicláveis. Segundo Giglio (2005), esta consciência sobre o consumo é denominada de consumerismo. E ela tem estimulado e demandado o aparecimento de novos selos verdes, certificados e auditorias ambientais. O tema desta monografia visa estudar como as empresas estão se organizando para atender este público seleto e em crescimento. Apresentando as rotulagens ambientais, seus tipos e como funcionam, desde a implantação do sistema de gestão ambiental (SGA) até a emissão do certificado pela organização ambiental responsável. Questionando sua importância e funcionalidade. Este assunto é de fundamental relevância, pois nos ajuda a entender como é possível atender às necessidades da geração atual sem comprometer o direito de as futuras gerações atenderem a suas próprias necessidades. Este é o conceito de desenvolvimento sustentável, segundo (Valle, Cyro 2002).

9 9 Como exemplo de sucesso será citado o selo verde FSC (Forest Stewardship Council) que é hoje o mais reconhecido em todo o mundo, com presença em mais de 75 países e todos os continentes. Atualmente, a comercialização com produtos certificados gera negócios da ordem de cinco bilhões de dólares por ano em todo o globo (WWF, 2010). Outro exemplo que também será avaliado até como uma forma de questionamento será o selo verde presente na indústria de transporte coletivo. Este estudo mostrará como um segmento considerado tão poluidor pode contribuir para diminuir o impacto ambiental e ajudar o nosso planeta a se tornar mais sustentável. Essa nova visão dos negócios, que se apóia na boa imagem ambiental da empresa, encerra dupla vantagem. De uma parte permite valorizar seus produtos e serviços quando se lança mão do marketiing ambiental. Esse é o fator que demonstra ser uma ferramenta eficaz na promoção dos negócios de diversos setores empresariais que por motivos históricos ou conjunturais, eram tidos como nocivos ao meio ambiente. (Valle 2002, p 147).

10 10 CAPÍTULO I ROTULAGENS AMBIENTAIS 1.1-Histórico Os primeiros rótulos obrigatórios surgiram durante a década de Eles obedeciam à legislação sobre a saúde e meio ambiente, principalmente na área de agrotóxicos e raticidas, e continham informações sobre uso e armazenagem. Já na década de 1970 quando o movimento ambientalista começou a pressionar apareceram os primeiros rótulos voluntários para produtos orgânicos Eles eram fornecidos por entidades ambientalistas ou pelo agricultor. Entre 1970 e 1980, as discussões sobre a redução da biodiversidade, a destruição da camada de ozônio, as mudanças climáticas, a chuva ácida, e outros temas começaram a intensificar. Nessas décadas os fabricantes de produtos verdes começaram a se preocupar em divulgar informações sobre suas práticas ambientalistas para conquistar os consumidores verdes agora em maior número e mais informados. A divulgação destas práticas ambientais estimulou o aparecimento de vários selos. Dentre eles pode-se citar os principais:

11 11 -O Blue Angel (ou Blau Angel) criado em 1978 pelo governo alemão e pertencente ao Ministério do Meio Ambiente, Conservação da Natureza e Segurança Nuclear. De acordo com Corrêa (1998) este selo não é adotado por todos os setores industriais para os quais foram adotados os critérios, mas eles estão cada vez mais sendo adotado pelo governo federal, estatal ou local. Sendo considerados em processos de licitação, mesmo não havendo exigência pela legislação alemã. - O Green Seal que foi criado em 1989 nos Estados Unidos pela iniciativa privada e organizações independentes sem fins lucrativos. Poucas empresas estrangeiras possuem esse selo. E segundo Baga e Miranda (2002) de cada 17 empresas, só três delas tinha o selo até Ele é representado por um globo azul encoberto por um sinal de checagem verde checkmark. - EcoMark é o programa de rotulagem do Japão que foi criado em 1989 pela Japan Environment Association (JEA), uma organização não governamental. No inicio tiveram várias críticas ao programa adotado. Sendo

12 12 posteriormente revisado, passando a ter a análise do ciclo de vida dos produtos e uma maior participação pública. (BAENA, 2000) - Ecolabel foi criado em 1992 pela União Européia. É um selo voluntário e exigido nos produtos importados, leva em consideração o ciclo de vida dos produtos e tem validade de três anos. -O selo ambiental ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) representa a ISO (International Organization for Standardization) no Brasil. A ABNT certifica produtos disponíveis no mercado e também considera os seus ciclos de vida. Tem por objetivo dinamizar a criação de novos programas de certificação ambiental de diversos produtos. Ela segue os padrões internacionais de certificação. Hoje é o rótulo ecológico brasileiro mais respeitado e tido como referência para as organizações. E depois do Blue Angel outros paises buscaram a rotulagem ambiental: Canadá (Environment Choice Program-ECP), países nórdicos (Nordic Swan), Singapura (Green Label), França, Índia, Nova Zelândia, Taiwan, Espanha e outros.

13 13 Nesse contexto alguns fabricantes começaram a declarar informações questionáveis em seus rótulos, como: reciclável, biodegradável, sem CFC, protetor da natureza etc. Assim a padronização com relação às informações e termos utilizados nos rótulos se tornava cada vez mais necessária. Devido ao aparecimento descontrolado de selos ambientais a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) em 1990, fez um levantamento sobre as características e compatibilidades dos selos com o GATT (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio). Os rótulos começaram a ser discutidos a nível internacional pela ONU (Organização das Nações Unidas), OCDE (já citada), OMC (Organização Mundial do Comércio) e pela ISO (Organização Internacional de Normalização). Segundo Castro, Castilho & Miranda 2004 a rotulagem ambiental enquadra-se não somente sobre o objetivo da proteção ambiental como também sob o escopo da prevenção de práticas enganosas, promovendo informações seguras ao consumidor. 1.2-Rotulagens no Brasil De acordo com Cyro, Valle 2002: A certificação ambiental transformou-se, nos anos recentes, em tema de grande relevância para as organizações que buscam aumentar sua competitividade e assegurar a estabilidade de seus negócios. A abertura da economia à competição internacional e a luta por fatias de mercado cada vez mais disputados exigem maior qualidade dos produtos gerados e serviços prestados, como também requerem uma imagem ambiental correta junto ao cliente, seja ele interno ou externo. Ter certificados ambientais de suas instalações e de seus produtos constitui, hoje, uma credencial para participar de alguns mercados internacionais. (p.147)

14 14 Segundo Corrêa, D.R. (2006), o Brasil é reconhecido como um dos países com a legislação mais avançada em relação à necessidade de proteção do meio ambiente, porém é preciso buscar novos meios para colocá-la em prática e intensificar os já existentes. O autor relata a necessidade do estímulo estatal à busca de certificação ambiental pelas empresas, especialmente pequenas e médias, para atingir uma tripla finalidade: a redução do impacto ambiental, a defesa da concorrência no plano interno e para manter o mercado internacional dos produtos e serviços brasileiros. O CONMETRO (Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), o IMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) e a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), são organismos públicos e privado responsáveis pela normalização aqui no Brasil. A ABNT é uma entidade privada reconhecida como foro nacional único em normalização e representante brasileira na ISO. (Corrêa, 2006). Ela ainda representa a International Eletrotechnical Comission (IEC), a Comissão Pannamericana de Normas Técnicas (CONPAT) e a Associação Mercosul de Normalidade (AMN). Segundo Corrêa (1998), no ano de 1990 a ABNT propôs ao Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental a implementação de um programa de rotulagem ambiental, porém devido às dificuldades diversas, este não teve êxito. Em 1993, a ABNT criou o Projeto de Certificação ambiental para Produtos, com o intuito de consolidar um processo voluntário de certificação ambiental. Corrêa (1998), afirma que a criação desse projeto seria uma espécie de reação à criação do rótulo Ecolabel. (da União Européia) Depois em meados de 1994, foi criado pela ABNT o Grupo de Apoio à Normalização Ambiental (GANA). O seu dever era de acompanhar e analisar os projetos desenvolvidos pelo TC-207 da ISO e estudar o impacto das normas internacionais nas organizações brasileiras.

15 15 Estas normas internacionais pertencem a ISO 14000, que teve início em 1993, pelo TC Vários aspectos são considerados: sistema de gestão ambiental, auditoria ambiental, avaliação de desempenho ambiental, rotulagem ambiental, características ambientais dos produtos e a análise do seu ciclo de vida. O capítulo II falará mais detalhadamente sobre esses aspectos. Mais recentemente, no dia 24 de Abril de 2003 foi publicado o Decreto Federal nº. 4680, o qual regulamenta o direito à informação assegurada pela Lei n de 11 de Setembro de 1990 quanto ao alimento e ingredientes alimentares destinados ao consumo humano ou animal que contenham, ou seja, produzidos a partir de organismos geneticamente modificados, sem prejuízo do cumprimento das demais normas aplicadas. E ainda no inciso 1º afirma-se que tanto nos produtos embalados como nos vendidos a granel ou in natura, o rótulo da embalagem ou do recipiente em que estão contidos deverá constar, em destaque no painel principal e em conjunto com o símbolo a ser definido mediante ato do Ministério da Justiça, uma das seguintes expressões, dependendo do caso: (nome do produto) transgênico, contém (nome do ingrediente ou ingredientes) transgênico(s) ou produto produzido a partir de (nome do produto) transgênico. 1.3 Tipos de rótulos De acordo com Biazin & Godoy, 2000 os selos são rótulos ambientais que tem como objetivo informar algumas características do produto ao consumidor; e eles são conhecidos como selo verde, selo ambiental ou rótulo ecológico. Atualmente existem diversos sistemas de rotulagem ambiental, porém eles são separados em apenas dois grupos os de iniciativa própria e os de rotulagem terceirizada. No primeiro grupo os fabricantes adotam e implantam os seus próprios programas de rotulagem. Já no segundo, o processo é conduzido por organizações independentes do fabricante.

16 16 Os rótulos de fabricantes, como o próprio nome já diz são emitidos pelo próprio fabricante. Eles possuem autodeclarações ambientais como: produto biodegradável, reciclável, não agressivo à camada de ozônio ou apoio a programas de proteção ao meio ambiente. Esses selos podem trazer informações incorretas ou parciais, por isso geram muita polêmica no mercado. Os rótulos de organizações ambientais são emitidos por unidades certificadoras. Esse processo pode ser voluntário ou mandatário (o fabricante é obrigado pelo governo a ceder informações). As rotulagens ambientais voluntárias ou compulsórias podem ser classificadas em três tipos: a) Rótulos de tema único: focam um tema particular, por exemplo, produto biodegradável ou reciclável, etc. Ou ainda podem ser informativos em relação ao desempenho, como dados sobre emissões, consumo de combustível, eletricidade, etc. b) Rótulos negativos: informam aos consumidores características perigosas ou prejudiciais dos produtos, por exemplo, ações negativas sobre a saúde das pessoas. c) Rótulos Eco labels : consideram o ciclo de vida dos produtos e são concedidos por organizações privadas ou governamentais. A análise do ciclo de vida é de extrema importância, pois toda fase de vida do produto pode causar conseqüências ambientais Classificação dos Programas de Rotulagem Os programas de rotulagens variam de acordo com os produtos em questão e com os problemas ambientais que eles causam. Eles podem ser

17 17 classificados de acordo com o número de características do programa. Sendo a mais importante o tipo de organização que administra o programa. Levando em consideração a organização responsável, a ISO classifica os programas em partes: Programas de 1ª Parte, Programas de 2ª Parte e Programas de 3ª Parte. Os programas de 1ª parte são aqueles feitos por partes que estão diretamente ligadas ao produto e são beneficiadas por ele (fabricantes, varejistas, distribuidores ou comerciantes). São também conhecidas como auto-declarações. Os programas de 2ª parte envolvem rotulagens de produtos ou embalagens concedidas por associações comerciais. As informações podem ser determinadas pelo setor industrial ou por órgãos independentes, e não estão direcionadas à fabricação dos produtos. Os programas de 3 ªparte são aqueles emitidos por partes que não estão ligadas à produção ou venda do produto. São criados por instituições governamentais, setor privado ou organizações sem fim lucrativo. Eles ditam normas para produtos que recebem o selo tipo I. 1.4 Classificação dos selos De acordo com a ISO os selos são classificados em três tipos: - Tipo I: é o selo verde dos produtos. Comparam produtos da mesma categoria. Leva em consideração seu ciclo de vida. São multicriteriosos e soa certificados por entidades dos programas de 3ª parte, que estipulam as normas e as acompanha através da certificação, auditoria e processos.

18 18 - Tipo II: são declarações ambientais confeccionadas pelo fabricante e produtores sobre a qualidade ambiental dos seus produtos..e como já foi falado é o selo mais polêmico e questionável, pois pode conter informações incorretas ou incompletas. Não são avaliados por organizações dos programas de 3ª parte, não são avaliados independentemente e não utilizam critérios prédeterminados e aceitos como referência. Eles são considerados os menos informativos. -Tipo III: também são selos verdes, mas obriga a informar nas embalagens o impacto ambiental referente a cada um dos seus componentes. (incluem avaliações do ciclo de vida dos produtos). São parecidos com os selos da indústria alimentícia que detalham níveis de gordura, proteína, vitaminas, etc. Diferentes dos de tipo I eles não julgam o produto, sendo essa tarefa efetuada pelos próprios consumidores que avaliam seus impactos ambientais através das informações fornecidas pela avaliação do ciclo de vida dos produtos (ACV). Esse selo continua em discussão como ISO Observe a tabela abaixo que define o tipo de selo e suas características de acordo com a ISO: Tabela 1-Tipo de Selos e suas características Fonte: BARBOSA, 2001

19 19 CAPÍTULO II CERTIFICAÇÕES AMBIENTAIS 2-1-Definição Em sua publicação, Corrêa, D.R.(2006), define certificação como um processo de verificação realizado por uma terceira parte emissora do certificado de que determinada empresa atua de acordo com determinados critérios uniformes em relação ao meio ambiente, estabelecidos numa norma técnica. A entidade certificadora emite a certificação quando existe conformidade entre o sistema de gestão ambiental da empresa e os critérios estabelecidos pela norma técnica. Uma outra definição, segundo D Isep (2004), certificação constitui um instrumento de comunicação que tem por base uma linguagem internacional padronizada, a qual dá acesso aos consumidores e empresas à política e ao desempenho ambiental da empresa certificada. A certificação ambiental é um fator de referência da qualidade do produto para o mercado. As características de um produto ou serviço devem ir de encontro às necessidades expressas ou implícitas pelo cliente (consumidor) e pela própria organização de acordo com as normas de qualidade. Neste ponto de vista, podemos definir certificação como a garantia da qualidade do produto para o consumidor que se preocupa com o meio ambiente. Ela se torna um atestado de conformidade ambiental do produto, processo, sistema ou serviço, garantindo o cumprimento e observância a todo o conjunto de exigências, instruções, normas técnicas e legislações vigentes, promulgados por autoridades e órgãos governamentais, comissões ou empresas para o tipo de atividade e região. (La Rovere,E.M. et al, 2001)

20 20 Considerando a Lei 6938 /1981 da Constituição Federal (Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente), a certificação é conferida ao órgão empreendedor que produz de acordo com a lei, preservando o meio ambiente a fim de obter um desenvolvimento sustentável Objetivo Antes de citar o verdadeiro objetivo da certificação, é necessário delimitar os seus três objetos: o produto, conjunto de produtos ou processos. O primeiro avalia as características do produto quanto ao seu ciclo de vida, observa se há preocupação com o meio ambiente durante o processo produtivo, desde a matéria-prima até seu descarte ou reciclagem. O segundo tem como objetivo acompanhar um grupo de produtos afins, porém já verificando se a produção respeita os requisitos relacionados à preservação do meio ambiente. O terceiro avalia o processo produtivo de uma empresa como um todo, verificando se este respeita à legislação e normas vigentes, neste último certifica-se a empresa. O objetivo da certificação ambiental é diferenciar produtos, processos e serviços através de um certificado respeitado e aceito internacionalmente ou nacionalmente. Considerando-se a confiabilidade, importância e níveis de referência e amplitude dos órgãos certificadores. Segundo D ISEP (2004), a certificação tem como objetivo promover a otimização do impacto ambiental da organização que o adota, não significando que esse impacto não exista.

21 21 Através da certificação empresas de vários segmentos tem a chance de minimizar os impactos ambientais que suas atividades provocam e ao mesmo tempo se projetar no mercado como uma empresa que se preocupa com o desenvolvimento sustentável do nosso planeta Etapas De acordo D Isep, 2004 algumas etapas devem ser seguidas para que o processo de certificação seja cumprido: a) Elaboração da política ambiental b) Planejamento c) Implementação e operação d) Verificação e ação corretiva e) Análise crítica pela administração, a qual não cessa devendo voltar à etapa A. Como falado no item E o processo deve ser constante, gerando um circuito de melhoria continua que deve ser o combustível que movimenta todo o ciclo. Para que um processo de certificação ocorra em uma empresa, esta deve criar um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) o qual seguirá basicamente a ordem acima estabelecida. A norma da série ISO que orienta para essa certificação ambiental é a 14001, denominada Sistemas de Gestão Ambiental - Especificação e Diretrizes para Uso (VALLE, Cyro 2002 p.137).

22 Sistema de Gestão Ambiental Em seu livro Manual de Auditoria Ambiental, La Rovere, E.L. et al (2002) definem um sistema de gestão ambiental como: Um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) corresponde a um conjunto inter-relacionado de políticas práticas e procedimentos organizacionais, técnicos e administrativos de uma empresa que objetiva obter melhor desempenho ambiental, bem como controle e redução de seus impactos ambientais (p. 7). Através de um SGA o empresário consegue identificar oportunidades de melhorias em seu segmento. Consegue diminuir o impacto ambiental gerado pela atividade de sua empresa sobre o meio ambiente e ao mesmo tempo melhora sua situação no mercado e suas possibilidades de sucesso. Segundo Maimon (1996), existem vários motivos que levam as empresas a adotar e praticar a gestão ambiental. Pode ser um processo obrigatório de atendimento à legislação ou uma fixação de política ambiental para conscientização do pessoal da empresa. ambiental são: Segundo La Rovere (et. al, 2001) os cinco princípios da gestão PRINCÌPIO I Conhecimento do objetivo da empresa, comprometimento com o SGA e definição da política ambiental.

23 23 PRINCÌPIO II Plano de ação para obedecer aos requisitos da política ambiental. PRINCÌPIO III Disponibilizar condições para a execução dos Objetivos e Metas Ambientais e fornecer ferramentas necessárias para sustentação. PRINCÍPIO IV Avaliações qualitativas e quantitativas periódicas do desempenho ambiental da empresa. PRINCÌPIO V Revisão e aperfeiçoamento da política ambiental, dos objetivos e metas e das ações implementadas para garantir a melhoria contínua do desempenho ambiental da empresa (La Rovere et al, 2001). O SGA de uma empresa deve ser confeccionado por um profissional especializado e qualificado na área de gestão ambiental, bem como o seu acompanhamento e direcionamento. 2-3-Normas ISO As normas ISO surgiram após a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente (UNCED, em inglês) realizado em Junho de 1992 no Rio de Janeiro. Esse marco representou um grande impulso para o movimento de normalização internacional, culminando no desenvolvimento da família de normas ISO 14000, a partir do compromisso da ISO de apoiar o objetivo do desenvolvimento sustentável. Em 1993, a ISO estabeleceu o Comitê Técnico 207-Gestão Ambiental (TC-207) com a função de desenvolver a série de normas internacionais na área ambiental. Ele é composto por um Comitê Técnico Coordenador se

24 24 secretariado pelo Canadá e por seis Subcomitês Técnicos (SC) representados por diferentes paises. Conforme demonstrado na figura abaixo: Tabela 2-Estrutura do Comitê Técnico TC-207 Fonte: Ambram, 2000 Os subcomitês de acordo com CAJAZEIRA (2003) são: SC1-Subcomitê de Gerenciamento Ambiental (Reino Unido-BSI) SC2-Subcomitê de Auditoria Ambiental (Hoalanda-Nederland Normalisatie Institut) SC3-subcomitê de Rotulagem Ambiental (Austrália-Standards Austrália Association) SC4-Subcomitê de Avaliação de Desempenho Ambiental (EUA- American National Standards Institute) SC5-Subcomitê de Análise de Ciclo de Vida (França-Association Française de Normalisation) SC6-Subcomitê de Termos e Definições (Noruega-Norges Standardiseringforbund) O TC-207 realiza reuniões anuais para avaliar o desenvolvimento do processo de elaboração das normas ISO 14000, debaterem a necessidade de

25 25 elaboração de novos documentos na área ambiental, e também definir e propor projetos em ação conjunta com outros órgãos internacionais, por exemplo, com a Organização das Nações Unidas (ONU) e com a Organização Mundial do Comércio (OMC). Ele também avalia e monitora a implementação das normas ISO nos diversos países. Segundo VALLE (2002), as normas ISO 1400 são voluntárias e não prevê a imposição de limites próprios para medição da poluição, padronização de produtos, níveis de desempenho, etc. Elas constituem em um sistema orientado para aprimorar o desempenho da organização por intermédio da melhoria contínua de sua gestão ambiental, não tendo a intenção de impor índices e valores mínimos. Através da ISO 14000, as normas ambientais ganham âmbito internacional e colocam a gestão ambiental no mesmo nível já alcançado pela gestão de qualidade. Significando mais um desafio para o bom êxito da empresa que exporta e disputa sua posição em um mercado globalizado. Como já falado a norma da série que orienta para certificação ambiental de uma organização é a ISO E para alcançar a certificação ambiental às empresas devem obedecer, as três exigências básicas da desta norma: Implantar um Sistema de Gestão Ambiental. Cumprir a legislação ambiental aplicável ao local da instalação. Compromisso com a melhoria contínua do seu desempenho ambiental. Certificação pelas normas ISO deve fazer parte da estratégia de uma organização que pretenda manter-se competitiva (VALLE, Cyro 2002 p.133).

26 26 CAPÍTULO III ESTUDOS DOS SELOS Este capítulo faz um breve estudo de dois selos verdes de segmentos diferentes, porém, com o mesmo objetivo de tornar as suas atividades mais sustentáveis diminuindo o impacto ambiental por elas causada. E demonstra a importância de cada um deles, bem como sua funcionalidade em cada setor. 3.1-SELO FSC (Forest Stewardship Council) O Forest Stewardship Council é um conselho que foi criado com o objetivo de promover a conservação ambiental e desenvolvimento sustentável das florestas do mundo inteiro. Produtos com o selo FSC têm a garantia que a madeira utilizada na sua fabricação é proveniente de uma floresta manejada com responsabilidade ambiental, social e econômica; e de acordo com a legislação vigente Histórico O movimento para criação do FSC começou desde Nesse período foram coletadas informações importantes para a criação de um sistema internacional de certificação. Mas ele só foi fundado em Outubro de 1993 em uma assembléia realizada na cidade de Toronto, Canadá com 130 participantes de 26 países. E em Abril de 1994 foi apontado Mr. Tim Symoff como diretor executivo do Conselho. Tendo o seu escritório sediado em Oaxaca, México.

27 27 O FSC é uma instituição não governamental, independente e sem fins lucrativos, a qual é responsável pelo credenciamento e monitoração de organizações certificadoras independentes no mundo inteiro. Em 1996, foi criado o Grupo de Trabalho do FSC do Brasil (GTFSC) formado por ambientalistas, movimentos sociais e empresas florestais e sendo coordenado pela WWF-Brasil. E em Setembro de 2001, foi criado em Brasília o Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil, com a autorização do FSC Internacional. O crescimento do número de florestas e empresas certificadas é em média de 40% ao ano desde E o total de Instituições certificadas já chega a 17 mil em todo o mundo. Levando em consideração a extensão de áreas florestais certificadas, também houve um crescimento de 16% nos últimos três anos. E, hoje temos um total de 130 milhões de hectares em todo o mundo, sendo cinco milhões deles aqui no Brasil. A certificação florestal segue alguns princípios e critérios que devem ser cumpridos e respeitados para que a organização obtenha o selo FSC. E é dividida em dois tipos: a certificação de manejo florestal e de cadeia de custódia Princípios e tipos A certificação florestal segue alguns princípios e critérios que devem ser cumpridos e respeitados para que a organização obtenha o selo FSC. São eles:

28 28 Obediência às leis do País e aos Princípios do FSC. Responsabilidade e direitos de posse e uso da terra devem ser definidos, documentados e legalmente estabelecidos. Direitos dos povos indígenas devem ser respeitados. Estabelecer relações comunitárias e os direitos dos trabalhadores. Manejo florestal deve incentivar o uso sustentável dos produtos e serviços da floresta. Assegurar a manutenção das funções ecológicas e integridade da floresta. Plano de manejo deve ser escrito, implementado e atualizado. Monitoramento e Avaliação do manejo florestal Manutenção de florestas de alto valor de conservação. Plantações manejadas e planejadas de acordo com os princípios acima, promovendo benefícios sócio-ambiental e econômico. Existem dois tipos de certificação florestal: a de manejo florestal e a de cadeia de custódia. A Certificação do Manejo Florestal é conferida a empreendimentos que extraem recursos florestais de maneira correta e com responsabilidade social, ambiental e econômica. Os empreendimentos florestais madeireiros ou não-madeireiros que exploram florestas naturais ou plantações florestais podem solicitar essa certificação. A avaliação é feita por uma equipe de auditores que indicam quais os pontos que devem ser modificados conforme as regras do FSC. A validade da certificação é de cinco anos, sendo o empreendimento monitorado anualmente. Terminando este período fica à escolha do empreendimento optar pela re-certificação.

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

A ROTULAGEM AMBIENTAL NO CONTEXTO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL

A ROTULAGEM AMBIENTAL NO CONTEXTO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL A ROTULAGEM AMBIENTAL NO CONTEXTO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Diego Castro 1 Selene Castilho 2 Silvia Miranda 3 Artigo elaborado em maio/2004 Nas últimas décadas, verificou-se no cenário mundial o desenvolvimento

Leia mais

Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar

Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar Crescimento da frota atendida 2765 28% 2896 2970 3453 3550 2007 2008 2009 2010 2011 Avaliações anuais Despoluir e Economizar O

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL MICHEL EPELBAUM 1

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL MICHEL EPELBAUM 1 A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL MICHEL EPELBAUM 1 RESUMO Dentre os vários instrumentos técnicos e gerenciais de proteção ambiental usados pelas empresas e pela sociedade, a certificação

Leia mais

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental A rotulagem ambiental Informações disponibilizadas nos rótulos de embalagens para que os consumidores possam optar por adquirir produtos de menor impacto ambiental em relação aos produtos concorrentes

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Planejamento e gestão ambiental Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 7 SérieISO 14000: definição, breve histórico, escopo, terminologia,

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br Soluçoes ~ Gráficas Digital Off-Set CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL www.dizart.com.br SOBRE O FSC É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles ocupadas devam ser manejados

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n 1,n Faculdade Anhanguera de São José/ Pós-graduação em

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 1ª Reunião Extraordinária de 2012 do Fórum Governamental de Responsabilidade Social SEMINÁRIO BRASIL-HOLANDA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL GOVERNAMENTAL Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM APRESENTAÇÃO A FIEB, através do seu Conselho de Meio Ambiente - COMAM, vem realizando desde o ano de 2000, o Prêmio FIEB Desempenho Ambiental. Em suas duas primeiras edições o Prêmio abrangeu as categorias

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 Dispõe sobre critérios para a elaboração de Planos de Controle de Poluição Veicular-PCPV e para a implantação

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

CERTIFICAÇÃO FLORESTAL

CERTIFICAÇÃO FLORESTAL ESTUDO CERTIFICAÇÃO FLORESTAL Luís Antônio Guerra Conceição Silva Consultor Legislativo da Área VI Direito Agrário e Política Fundiária ESTUDO OUTUBRO/2005 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc introdução à certificação florestal fsc normas, governança oportunidades prevenção, resoluçãoede conflitos e engajamento no manejo florestal responsável fsc novos princípios e critérios, indicadores genéricos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Entidades Signatárias do Protocolo de Cooperação 18/03/09

Entidades Signatárias do Protocolo de Cooperação 18/03/09 Entidades Signatárias do Protocolo de Cooperação 18/03/09 AELO - ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE LOTEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO Entidade que reúne e representa as empresas e os profi ssionais do setor

Leia mais

O consumo consciente de embalagens sustentáveis The conscientious consumption of sustainable packings

O consumo consciente de embalagens sustentáveis The conscientious consumption of sustainable packings O consumo consciente de embalagens sustentáveis The conscientious consumption of sustainable packings OLIVEIRA, Lorena Gomes Ribeiro Graduanda em Design de Produto Universidade do Estado de Minas Gerais

Leia mais

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Legislação e Gestão Ambiental no Brasil Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável Abril 2005 Evolução da Política Ambiental no Contexto Internacional

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO O que isto tem a ver com o modelo de gestão da minha Instituição de Ensino? PROF. LÍVIO GIOSA Sócio-Diretor da G, LM Assessoria Empresarial Coordenador

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa CAVACO S Combustível de Biomassa RESPEITANDO A NATUREZA www.cavacos.com EM 2014 OS NOSSOS SONHOS SÃO AINDA MAIORES. APRESENTAMOS AOS NOSSOS CLIENTES E PARCEIROS UMA NOVA CAVACO S, MUITO MAIS MODERNA, COM

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA

RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA Sammya Swyanne de Sousa Ferreira aswyanne@hotmail.com Andréia Matos Brito (FJN) deiamatosbrito@hotmail.com José Alday Pinheiro

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Inmetro como Ponto Focal de Barreiras Técnicas da OMC Flávia Alves Bento Gonçalves, 29 de Novembro de 2012 Metrologia Científica e

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA RESUMO No mundo dos negócios, inovar significa: desenvolvimento e introdução de novidade. A empresa deve inovar em tecnologia para se tornar competitiva e aumentar seu lucro. As inovações

Leia mais

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 341, de 24 de setembro de

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ.

CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ. CERTIFICAÇÃO INMETRO. MAIS UMA GARANTIA DA NAKATA PARA VOCÊ. A partir de 2013, alguns produtos automotivos devem estar certificados pelo Inmetro -- Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade FÓRUM MINEIRO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL Avaliação do Ciclo de Vida: Tendências, Aplicabilidade Oportunidades e Perspectivas ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade GP2 Grupo de

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Materiais de Construção II TC 031

Materiais de Construção II TC 031 Materiais de Construção II TC 031 Normalização Prof. Marcelo Medeiros Adaptado pela prof.a Laila Valduga Artigas 1 Normas e responsabilidades para engenheiros: Hammurabi, rei da Babilônia 1.800 AC, escreveu

Leia mais

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 Profissional com SELO DE QUALIDADE Certificar os conhecimentos e as habilidades do trabalhador em sua área de atuação torna-se uma receita para garantir a competitividade

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL MEIO AMBIENTE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS

CONGRESSO INTERNACIONAL MEIO AMBIENTE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS CONGRESSO INTERNACIONAL MEIO AMBIENTE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS WORKSHOP SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO FLORESTAL O EXEMPLO DO BRASIL 12 de agosto de 1999 Belo Horizonte - MG * Rubens Cristiano D. Garlipp

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais