Matriz de referência DE FÍSICA - SAERJINHO ANO ENSINO MÉDIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matriz de referência DE FÍSICA - SAERJINHO ANO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 1 ANO ENSINO MÉDIO MATÉRIA E ENERGIA TERRA E UNIVERSO H01 Reconhecer a equivalência entre massa e energia, descrevendo processos de conversão de massa em energia. H02 Reconhecer a equivalência entre massa inercial e massa gravitacional. H03 Diferenciar argumentos aristotélicos e newtonianos para a explicação de movimentos observáveis. H04 Reconhecer ordens de grandeza de medidas astronômicas simulando modelos de posições de astros do Sistema Solar. H05 Reconhecer como os equipamentos localizados em satélites podem ser usados para observar a Terra e para explorar o Sistema Solar. Relacionar os movimentos da Terra, Sol e Lua com a descrição H06 de fenômenos, tais como duração do dia e noite, estações do ano, x fases da lua, eclipses, etc. H07 Analisar as leis de Kepler sobre o movimento de planetas e satélites. H08 Reconhecer os conceitos de velocidade e aceleração, considerando as leis de Kepler sobre o movimento dos planetas. H09 Reconhecer a relatividade galileana para a descrição de movimentos. H10 Operar valores de comprimento, tempo, velocidade e aceleração utilizando unidades usuais de medidas. Diferenciar as características das grandezas físicas escalares e H11 vetoriais, reconhecendo velocidade e aceleração como grandezas vetoriais. H12 Reconhecer o legado da obra de Isaac Newton para a ciência e tecnologia. H13 Reconhecer as unidades básicas de medida das grandezas físicas, no SI, relacionadas às leis de Newton. Perceber a relação algébrica de proporcionalidade direta com o H14 produto das massas e inversa com o quadrado da distância da Lei da Gravitação Universal de Newton. H15 Reconhecer o conceito de inércia dos corpos, utilizando-o na solução de problemas. H16 Utilizar o conceito de ação e reação na solução de problemas simples do cotidiano. H17 Reconhecer que a ação da resultante das forças altera o estado de movimento de um corpo. H18 Diferenciar massa e peso de um corpo e suas unidades de medida no SI. H19 Resolver problemas envolvendo peso, massa e aceleração gravitacional. H20 Reconhecer os modelos sobre a origem do universo e os argumentos teóricos descritos por eles. H21 Reconhecer a velocidade da luz como uma constante fundamental da natureza. H22 Reconhecer a relatividade de medidas de espaço e tempo devido à invariância da velocidade da luz. H23 Reconhecer fenômenos da natureza comprovadores da relatividade de espaço e tempo. H24 Relacionar energia e massa reconhecendo a equação E = mc 2. H25 Conceituar quantidade de movimento linear e impulso. H26 Relacionar os conceitos de força, quantidade de movimento linear e impulso. H27 Reconhecer o princípio de conservação da quantidade de movimento linear.

2 1 ANO ENSINO MÉDIO h28 Reconhecer instrumentos e operações de medidas astronômicas antigas e modernas. TECNOLOGIA E SOCIEDADE h29 h30 Reconhecer a energia e seus processos de transformação como conceitos fundamentais para o desenvolvimento científico e tecnológico. Associar as intensidades de forças e tempos de duração das mesmas a situações do cotidiano como, por exemplo, no trânsito. h31 Reconhecer variáveis físicas de sistemas tecnológicos envolvendo movimentos.

3 2 ANO ENSINO MÉDIO H01 Diferenciar calor e temperatura, estabelecendo relações entre esses conceitos e suas unidades de medida. Reconhecer que a temperatura de um corpo é uma grandeza H02 associada à sua energia interna, isto é, à energia de movimento das partículas que o compõem. H03 Identificar variáveis simples de fenômenos naturais envolvendo calor e temperatura, relacionando-os com as propriedades da matéria. H04 Reconhecer os conceitos de trabalho e potência, a partir do funcionamento de uma máquina térmica. H05 Reconhecer o conceito de rendimento de uma máquina térmica, associando-o às perdas de calor irreversíveis. H06 Interpretar os fenômenos naturais, com e sem mudanças de estado da matéria, a partir de diagramas de calor e temperatura. H07 Relacionar o modelo atomista da matéria com os conceitos de calor, temperatura e energia interna. H08 Relacionar as variações de temperatura às mudanças de estado da matéria. H09 Reconhecer trabalho e calor como formas de transferência de energia. Reconhecer os processos de transferência de calor (condução, H10 convecção e radiação) e sua importância para a compreensão de fenômenos ambientais e cotidianos. Reconhecer o princípio de conservação da energia nos processos H11 MATÉRIA E ENERGIA termodinâmicos. H12 Reconhecer os limites da reversibilidade de processos de transformações termodinâmicas. H13 Identificar as diferentes fontes de energia e processos de transformação de energia presentes na vida cotidiana. H14 Reconhecer a relação de proporcionalidade entre a energia potencial gravitacional de um corpo, sua massa e sua altura relativa. H15 Reconhecer a relação de proporcionalidade entre a energia cinética de um corpo, sua massa e o quadrado de sua velocidade. H16 Reconhecer que a energia mecânica de um corpo é a soma das energias potenciais e energia cinética. H17 Reconhecer as transformações de energia presentes na produção de energia elétrica nas usinas hidrelétricas e termoelétricas. H18 Identificar as formas de dissipação de energia na produção de energia elétrica, considerando a irreversibilidade dos processos. H19 Identificar a natureza das interações no interior dos núcleos dos átomos identificando forças nucleares fortes e forças nucleares fracas. H20 Diferenciar os processos de fissão e fusão nuclear, considerando as reações químicas envolvidas e a produção de energia. H21 Reconhecer o Sol como uma fonte quase inesgotável de energia e que a energia por ele irradiada tem origem na fusão nuclear. H22 Reconhecer as transformações de energia presentes na produção de energia elétrica nas usinas nucleares. TERRA E UNIVERSO H23 Identificar os convenientes e inconvenientes do efeito estufa como condição necessária à existência da vida no planeta.

4 2 ANO ENSINO MÉDIO Tema Descritor B1 B2 B3 SER HUMANO E SAUDE h24 Analisar efeitos convenientes e inconvenientes para a saúde humana dos usos da energia nuclear. h25 Reconhecer a relação histórica entre as máquinas térmicas e o desenvolvimento da indústria na Europa pós-revolução Industrial. h26 Reconhecer como as ações humanas intensificam o efeito estufa na atmosfera ocasionando o aumento de temperatura da Terra. TECNOLOGIA E SOCIEDADE h27 h28 Reconhecer os processos de transferência de calor no funcionamento de máquinas térmicas de uso doméstico. Identificar os impactos ambientais e sociais devidos aos processos de geração de energia elétrica. h29 Relacionar a construção de usinas de energia elétrica aos recursos naturais, à necessidade de consumo da sociedade e aos impactos. h30 Analisar argumentos favoráveis e contrários à utilização da energia nuclear para produção de energia elétrica e para fins médicos, agrícolas e industriais.

5 3 ANO ENSINO MÉDIO MATÉRIA E ENERGIA SER HUMANO E SAUDE H01 Aplicar os conceitos elétricos de corrente, voltagem e resistência. H02 Representar circuitos elétricos em série e em paralelo, através de diagramas, determinando as resistências e as correntes elétricas nos elementos do circuito. H03 Determinar a corrente nos elementos de uma associação de resistores em série e em paralelo. H04 Resolver problemas utilizando a relação quantitativa entre potência, diferença de potencial e corrente elétrica. H05 Reconhecer como a eletricidade é gerada a partir do magnetismo. H06 Reconhecer os campos magnéticos produzidos por ímãs, considerando a inseparabilidade dos polos magnéticos. H07 Reconhecer o magnetismo terrestre e sua influência na orientação de bússolas. H08 Reconhecer que variação de fluxo magnético induz a corrente elétrica em um circuito. H09 Reconhecer a importância histórica dos experimentos de Oersted, Faraday e Ampère para o conhecimento científico e tecnológico relativos ao eletromagnetismo. H10 Reconhecer a luz como onda eletromagnética. H11 Reconhecer fenômenos relativos à luz (reflexão, refração, dispersão, difração, etc.) como fenômenos ondulatórios. H12 Relacionar frequência, período, comprimento de onda, velocidade de propagação e amplitude de uma onda. H13 Reconhecer o espectro eletromagnético em função de frequências e comprimentos de onda. H14 Identificar as cores relacionando-as com as frequências das ondas luminosas. H15 Diferenciar ondas mecânicas e ondas eletromagnéticas. H16 Reconhecer a onda como processo de transferência de energia sem transferência matéria. H17 Reconhecer a natureza dual da luz. H18 Reconhecer o efeito fotoelétrico como fenômeno cuja modelização tem importância histórica e tecnológica no cotidiano. H19 Reconhecer a relação entre frequência e comprimento de onda e suas unidades de medida como interpretações de fenômenos ondulatórios. H20 Reconhecer os fenômenos naturais que sejam manifestações de movimentos ondulatórios. H21 Reconhecer a natureza das radiações eletromagnéticas como originadas por movimentos ondulatórios. H22 Reconhecer o olho humano como receptor de ondas eletromagnéticas.

6 3 ANO ENSINO MÉDIO Tema Descritor B1 B2 B3 TECNOLOGIA E SOCIEDADE H23 H24 Utilizar amperímetros e voltímetros para fazer medidas em circuitos elétricos. Determinar o consumo mensal de energia elétrica numa residência pela leitura da conta de luz e do "relógio de luz". H25 Dimensionar a potência dos aparelhos elétricos possíveis de serem ligados simultaneamente em uma residência, sem acionar o disjuntor/fusível. H26 Determinar o consumo de energia elétrica em uma residência, a partir da potência elétrica dos aparelhos e tempo de funcionamento x dos mesmos. H27 Reconhecer o funcionamento de motores como equipamento de transformação de energia elétrica em outras formas de energia. H28 Reconhecer o funcionamento de um gerador como equipamento transformador de diferentes formas de energia em energia. H29 Reconhecer as propriedades magnéticas dos ímãs, agulhas magnéticas e bússolas. H30 Reconhecer o funcionamento de bobinas e de eletroímãs. H31 Reconhecer como eletroímãs são usados e construídos em dispositivos como campainhas elétricas, relés, telefone, etc. H32 Relacionar os conceitos da Física Ondulatória com o funcionamento de aparelhos de ressonância magnética nuclear, tomografia computadorizada, eletrocardiogramas, entre outros usados na Medicina. H33 Reconhecer o conhecimento científico e tecnológico como construções humanas inseridas em um processo sociohistórico e cultural.

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano PROCESSO SELETIVO FÍSICA 1. EIXO TEMÁTICO: PRINCÍPIOS E LEIS QUE REGEM A FÍSICA Objetivo Geral: Compreensão dos Conceitos, Princípios e Leis da Física no estudo do movimento dos corpos materiais, calor,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Inep EDITAL Nº 7, DE 18 DE MAIO DE 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Inep EDITAL Nº 7, DE 18 DE MAIO DE 2011. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Inep EDITAL Nº 7, DE 18 DE MAIO DE 2011. EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2011 EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento)

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2012 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

EXAME SUPLETIVO 2013 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO ENSINO MÉDIO FÍSICA

EXAME SUPLETIVO 2013 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO ENSINO MÉDIO FÍSICA SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS CENTRO EXECUTIVO DE EXAMES SUPLETIVOS GOVERNADOR SÉRGIO LORETO EXAME SUPLETIVO 2013

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁS. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁS. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁS Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE Curso: Ensino Médio Disciplina: Física Professores: Elisângela Schons. Aproveitamento: 100% JUSTIFICATIVA:

PLANO DE TRABALHO DOCENTE Curso: Ensino Médio Disciplina: Física Professores: Elisângela Schons. Aproveitamento: 100% JUSTIFICATIVA: . Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos Cursos: Ensino Fundamental Fase II e Ensino Médio. Rua Monteiro Lobato, 1038 Cep. 85950-000 Fone/Fax (44) 3649-5214 Site: www.potceebjapalotina.seed.pr.gov.br

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA:Ciências da Natureza - DISCIPLINA: Física ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA:Ciências da Natureza - DISCIPLINA: Física ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA:Ciências da Natureza - DISCIPLINA: Física ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1º 2 80 Competências a serem desenvolvidas: - Reconhecer

Leia mais

SM Física. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Física e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul

SM Física. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Física e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul Comparativos curriculares SM Física Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Física e o currículo do Apresentação Professor, Devido à inexistência de um currículo de abrangência

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 3ª SÉRIE

PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 3ª SÉRIE 3ª SÉRIE Tema Transversal 2016: SOMENTE UM CORAÇÃO GENEROSO PODE AMAR O PRÓXIMO SEM MEDIDA. ÁREA DE CONHECIMENTO: FÍSICA Física I Objeto de Estudo: Mecânica CONTEÚDOS: Cinemática Escalar Padrões de comprimento,

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONSELHO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONSELHO DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA: Física III CÓDIGO: 2DB009 VALIDADE: Início: 01/2013 Término: Eixo: Física e Química Carga Horária: Total: 50 horas / 60horas aulas Créditos: 4 Semanal: 4 aulas Modalidade: Teórica Integralização:

Leia mais

NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim APRESENTAÇÃO

NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim APRESENTAÇÃO NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim ONDAS E ÓTICA FÍSICA TERMODINÂMICA, APRESENTAÇÃO A disciplina aborda conteúdos como hidrostática, termodinâmica, ondas e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO ANO LECTIVO 2009/ 2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO ANO LECTIVO 2009/ 2010 ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO ANO LECTIVO 2009/ 2010 Objecto da avaliação: A prova de exame tem por referência os temas organizadores

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Física II Código da Disciplina: NDC157 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS (NDC) Programa

Leia mais

Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro CIEP Brizolão 258 Astrogildo Pereira - Saquarema Curso de Física

Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro CIEP Brizolão 258 Astrogildo Pereira - Saquarema Curso de Física Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro CIEP Brizolão 258 Astrogildo Pereira - Saquarema Curso de Física Planejamento do Curso de Física Ensino Médio Em conformidade com o Currículo Mínimo SEEDUC

Leia mais

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização DEPARTAMENTO DE FÍSICA-QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO OBJETIVOS / CONTEÚDOS... 1º PERÍODO Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização 1. MECÂNICA (FÍSICA) 1.1. Tempo, posição

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

MÓDULO 1 FÍSICA, PARA QUE SERVE ISSO? PROF.EMERSON

MÓDULO 1 FÍSICA, PARA QUE SERVE ISSO? PROF.EMERSON MÓDULO 1 FÍSICA, PARA QUE SERVE ISSO? PROF.EMERSON INTRODUÇÃO À FÍSICA DEFINIÇÃO A FÍSICA é a ciência das coisas naturais, cujo objetivo é a formação de leis que regem os fenômenos da natureza, estudando

Leia mais

FÍSICA ENSINO MÉDIO. Teleaula Palavras-Chave Página. Aula 01 Física. 3. Aula 02 Grandezas Físicas. Sistema Internacional de Unidades.

FÍSICA ENSINO MÉDIO. Teleaula Palavras-Chave Página. Aula 01 Física. 3. Aula 02 Grandezas Físicas. Sistema Internacional de Unidades. FÍSICA ENSINO MÉDIO Teleaula Página Aula 01 Física. 3 Aula 02 Grandezas Físicas. Sistema Internacional de Unidades. 4 Aula 03 Velocidade média. Movimento Retilíneo Uniforme. 5 Aula 04 Aceleração. Movimento

Leia mais

Exercícios complementares - Física

Exercícios complementares - Física - Física Exercícios Conteúdo Habilidade 1, 2 e 3 Grandezas físicas e unidades de medidas 4 Aceleração média 5 Força resultante 6 Gráficos do M.R.U. e M.R.U.V. 7 Leis de Newton 8, 9 10 e 11 Trabalho e energia

Leia mais

PROGRAMA DA PROVA DE FÍSICA

PROGRAMA DA PROVA DE FÍSICA universidade de aveiro PROGRAMA DA PROVA DE FÍSICA Domínio: Energia e sua conservação Subdomínio: Energia e movimentos - Energia cinética e energia potencial; energia interna. - Sistema mecânico; sistema

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 FÍSICO-QUÍMICA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 FÍSICO-QUÍMICA 7º ano Espaço Materiais Energia Atividades Práticas Compreender globalmente a constituição e a caracterização do Universo e do Sistema Solar e a posição que a Terra ocupa nesses sistemas. Saber associar

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Tema B- Terra em Transformação Nº aulas prevista s Materiais Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Relacionar aspectos do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme

Leia mais

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V 1. Desde a antiguidade, existiram teorias sobre a concepção do universo. Por exemplo, a teoria Aristotélica propunha que a Terra seria o centro do universo e todos os astros descreveriam órbitas circulares

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GEOCIÊNCIAS. ENEM FÍSICA Professor Juliano Cavalcanti

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GEOCIÊNCIAS. ENEM FÍSICA Professor Juliano Cavalcanti INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GEOCIÊNCIAS ENEM FÍSICA 2016 http://www.upf.br http://www.upf.br/ppgecm/ Professor Juliano Cavalcanti juliano@upf.br CARACTERÍSTICAS - Olhar crítico, de modo a resolver problemas

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Conteúdo Básico Comum CBC do estado de MINAS GERAIS. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Conteúdo Básico Comum CBC do estado de MINAS GERAIS. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Conteúdo Básico Comum CBC do estado de MINAS GERAIS Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise

Leia mais

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL Professor: Alencar Material a ser aplicado a uma turma de 30 alunos do terceiro ano do Ensino Médio em seis períodos de 50 min cada. Plano para 1ª aula Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE FÍSICA II CEAGRO AGRO0009 016.1 CARGA HORÁRIA TEÓR: 60 PRÁT: 0 HORÁRIOS: a. FEIRA (10:00-1:00) TURMA

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC.

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC. Questão 1: Um recipiente metálico, isolado termicamente, pode ser usado como calorímetro. Com esse objetivo, é preciso determinar primeiramente a capacidade térmica C do calorímetro, o que pode ser feito

Leia mais

ELETRICIDADE GERAL E APLICADA. Armando Alves Hosken Neto

ELETRICIDADE GERAL E APLICADA. Armando Alves Hosken Neto ELETRICIDADE GERAL E APLICADA Armando Alves Hosken Neto MAGNETISMO IMÃS: ATRAÇÃO DE CERTOS MATERIAIS (FERRO) MAGNETISMO IMÃ: Dispositivo capaz de atrair Fe, Co, Ni, Aço (ferromagnéticos) MAGNETISMO TIPOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE FÍSICA GERAL CEAGRO BIOL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE FÍSICA GERAL CEAGRO BIOL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE FÍSICA GERAL CEAGRO BIOL0012 2016.1 CARGA HORÁRIA TEÓR: 45h PRÁT: 0h CURSOS ATENDIDOS CIÊNCIAS BIOLÓGICA

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV E HABILIDADES REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV 2 Vídeo - Primeira Lei de Newton - Lei da Inércia 3 As três leis de Newton do movimento Sir Isaac Newton desenvolveu as três

Leia mais

Planificação anual. C. Físico-Químicas (8º Ano)

Planificação anual. C. Físico-Químicas (8º Ano) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA ES Lousada (Sede) AE Lousada Centro Escola Secundária de Lousada Ano letivo de 2012/2013 Planificação anual de C. Físico-Químicas (8º Ano) Reações químicas Sub tema Competências

Leia mais

Potência e Energia Elétrica

Potência e Energia Elétrica Potência e Energia Elétrica Para qualquer máquina, em particular, para os aparelhos elétricos, definimos potência como a taxa de transformação ou conversão de energia na forma de calor outra forma de energia,

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FÍSICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2016

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FÍSICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo Unidade 8 Eletricidade e Magnetismo Eletrostática e Eletrodinâmica Os fenômenos elétricos estão associados aos elétrons. Cargas Elétricas As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas Cargas opostas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas 8ºAno de escolaridade BLOCO 1 A ENERGIA (Tema: Terra em Transformação) Unidade Conteúdo Nº de FONTES

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

PLANO DE AULA DOCENTE CIÊNCIAS NATURAIS 4º ANO. Terrestre: Produção do Ecossistema

PLANO DE AULA DOCENTE CIÊNCIAS NATURAIS 4º ANO. Terrestre: Produção do Ecossistema PLANO DE AULA DOCENTE CIÊNCIAS NATURAIS 4º ANO Professora: Mariangela Morais Miguel Celeste: Produção do Universo 1.3. Sol Terra: Movimentos da Terra: - Rotação: dias e noites diferenças na duração dos

Leia mais

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara ELETRICIDADE Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Tensão (e/ou corrente) contínua Corrente contínua CC (ou DC - do inglês direct current)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA. Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º. Ementa Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º Ementa PLANO DE ENSINO Processos de eletrização, carga elétricas, força elétrica, campo elétrico, Lei de Gauss, potencial elétrico,

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

Tipos de forças fundamentais na Natureza

Tipos de forças fundamentais na Natureza Tipos de Forças Tipos de forças fundamentais na Natureza Existem quatro tipos de interações/forças fundamentais na Natureza que atuam entre partículas a uma certa distância umas das outras: Gravitacional

Leia mais

Programação Anual VOLUME VOLUME. 1. Introdução à Mecânica Conceitos fundamentais da Cinemática Grandezas fundamentais da Cinemática

Programação Anual VOLUME VOLUME. 1. Introdução à Mecânica Conceitos fundamentais da Cinemática Grandezas fundamentais da Cinemática Programação Anual 1 ạ Série 1 ọ 2 ọ 1. Introdução à Mecânica Conceitos fundamentais da Cinemática Grandezas fundamentais da Cinemática 2. Vetores Grandezas escalares versus grandezas vetoriais Características

Leia mais

1ª Daniella / Marcelo

1ª Daniella / Marcelo Química 1ª Daniella / Marcelo 1ª Série E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade conhecimento químico, incluindo Reagentes, produtos e suas propriedades H1. Identificar uma substância, mistura,

Leia mais

MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS

MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Elementos químicos e sua organização Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 10º Ano Planificação Anual 201-2016 Física

Leia mais

TRABALHO DE DISCIPLINA PENDENTE DP - 3º Ano

TRABALHO DE DISCIPLINA PENDENTE DP - 3º Ano ESCOLA ESTADUAL PADRE ALEXANDRE GRIGOLLI TRABALHO DE DISCIPLINA PENDENTE DP - 3º Ano Ensino Médio - Física Professor Lilian 2015 Trabalho de Disciplina Pendente de Física GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva 9º Ano Físico Química

Calendarização da Componente Letiva 9º Ano Físico Química AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANDRÉ SOARES (150952) Calendarização da Componente Letiva 9º Ano Físico Química 1º 2º 3º Períodos Período Período Período Número de aulas previstas (45 minutos) 39 36 21 Apresentação

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

INFORMAÇÃO DE PROVA/EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ÁREA DISCIPLINAR DE FÍSICA E QUÍMICA ANO LETIVO 2011 / 2012

INFORMAÇÃO DE PROVA/EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ÁREA DISCIPLINAR DE FÍSICA E QUÍMICA ANO LETIVO 2011 / 2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA ENSINO SECUNDÁRIO INFORMAÇÃO DE PROVA/EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ÁREA DISCIPLINAR DE FÍSICA E QUÍMICA ANO LETIVO 2011 / 2012 DISCIPLINA: FÍSICA (CÓDIGO 315) ANO:12º MODALIDADE

Leia mais

Física Interação e Tecnologia

Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação as Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser

Leia mais

Indução Eletromagnética

Indução Eletromagnética Indução Eletromagnética 1 Aprendemos que uma força eletromotriz (fem) é necessária para produzir uma corrente em um circuito. Até aqui, quase sempre tomamos uma bateria como a fonte de fem. Contudo, para

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética INDUÇÃO MAGNÉTIA Prof. ergio Turano de ouza Lei de Faraday Força eletromotriz Lei de Lenz Origem da força magnética e a conservação de energia.. 1 Uma corrente produz campo magnético Um campo magnético

Leia mais

O microfone e o altifalante. O altifalante é um aparelho que converte os sinais elétricos em sons originais

O microfone e o altifalante. O altifalante é um aparelho que converte os sinais elétricos em sons originais Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.3 - O microfone e o altifalante. - O campo magnético quem cria o campo e como se deteta. - O vetor campo magnético. - O campo elétrico quem cria o campo e como se deteta.

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo

Eletricidade e Magnetismo Eletricidade e Magnetismo De Gilbert à Faraday e Maxwell Victor O. Rivelles Instituto de Física da Universidade de São Paulo e-mail: rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/~rivelles Convite à

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas Professor: Xuxu USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica,

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Manhã)

Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) 1. Em museus de ciências, é comum encontrarem-se máquinas que eletrizam materiais e geram intensas descargas elétricas. O gerador

Leia mais

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS. Maria do Anjo Albuquerque

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS. Maria do Anjo Albuquerque RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS Maria do Anjo Albuquerque 19.Outubro.2010 Tínhamos visto que as estrelas são muitas vezes classificadas pela cor e, consequentemente, pelas suas temperaturas, usando uma escala

Leia mais

Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos d 1.

Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos d 1. 37 e A unidade da força resultante F, experimentada por uma partícula de massa m quando tem uma aceleração a, é dada em newtons. A forma explícita dessa unidade, em unidades de base do SI, é a) kg.m/s

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 80 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 80 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIBIOS Créditos: 4 Período: 2 o (segundo período) Disciplina: Biofísica Carga Horária:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 9.º ano CFQ

PLANO DE ESTUDOS 9.º ano CFQ PLANO DE ESTUDOS 9.º ano CFQ 2015-2016 O aluno, no final do 9.º ano, deve ser capaz de: - Compreender movimentos no dia-a-dia, descrevendo-os por meio de grandezas físicas. - Compreender a ação das forças,

Leia mais

Prof. Renato. ETEC de Vila Formosa ETEC Prof. Camargo Aranha SESI Carrão. Física 1ª. Série. Aula 1

Prof. Renato. ETEC de Vila Formosa ETEC Prof. Camargo Aranha SESI Carrão. Física 1ª. Série. Aula 1 Aula 1 1. Apresentação (Conhecimento / Reconhecimento) 1.1 Pessoal Nome, Formação, Profissão, Residência... 1.2 Disciplina (Levantamento / Classificação) Física 1ª. Série 2ª. Série 3ª. Série Mecânica /

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 233 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais

Função Destinado ao estudo das áreas de Física, Matemática, Química e Biologia no ensino médio.

Função Destinado ao estudo das áreas de Física, Matemática, Química e Biologia no ensino médio. Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa LTDA. Conjunto multidisciplinar FQBM, ensino médio EQ304 Função Destinado ao estudo das áreas de Física, Matemática, Química e Biologia no ensino

Leia mais

PLANO DE ENSINO IMPLANTAÇÃO: VERSÃO: PRÉ-REQUISITOS: FGE1001

PLANO DE ENSINO IMPLANTAÇÃO: VERSÃO: PRÉ-REQUISITOS: FGE1001 - CCT EMENTA: Oscilações mecânicas. Estática e dinâmica de fluidos. Ondas mecânicas e acústicas. Temperatura. Calor. Teoria cinética dos gases. Leis da termodinâmica. Máquinas térmicas. Refrigeradores.

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica, através de aproveitamento

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

f = B. A. cos a Weber

f = B. A. cos a Weber FLUXO MAGNÉTICO (f) Tesla T f = B. A. cos a Weber Wb metros quadrados m onde a ângulo formado entre n e B UEPG 1 PERGUNTA gera Se vimos que i B, será que o contrário é gera verdadeiro? Isto é, B i? EXPERIÊNCIAS

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 8 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 254, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU MATRIZ DA PROVA ESCRITA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FÍSICA E QUÍMICA B FORMAÇÃO CIENTÍFICA CÓDIGO 167 11º Ano de Escolaridade Cursos Tecnológicos Duração da prova escrita: 90 minutos Ano Lectivo:

Leia mais

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há Curso Técnico Subsequente em Eletromecânica Técnico em Eletromecânica CÂMPUS LAGES MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 285h Introdução à Eletromecânica 15 Não há Qualidade, meio ambiente,

Leia mais

2 Energia em movimentos

2 Energia em movimentos 2 Energia em movimentos Lei da conservação de energia Se se considerar todas as contribuições energéticas, macroscópicas e microscópicas, total p macroscópica c macroscópica Sistema isolado 2 Sistemas

Leia mais

UFRGS - VESTIBULAR 2008 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA

UFRGS - VESTIBULAR 2008 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA UFRGS - ESTIULR 008 RESOLUÇÃO D PRO DE FÍSIC COMENTÁRIO D PRO UFRGS apresentou uma prova de Física muito bem elaborada, abrangendo bem o conteúdo proposto pelo programa. Como é tradição no vestibular da

Leia mais

Prof. Guilherme Neves 1

Prof. Guilherme Neves 1 Aula 00 Física Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Saiu o edital da Polícia Civil do Distrito Federal. A banca organizadora será o IADES. São 20 vagas e

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

LECTURE NOTES PROF. CRISTIANO. Leis de Newton. Isaac Newton. Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202

LECTURE NOTES PROF. CRISTIANO. Leis de Newton. Isaac Newton. Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202 Fisica I - IO Leis de Newton Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202 crislpo@if.usp.br http://pt.wikipedia.org/wiki/isaac_newton Isaac Newton Teorema Binomial Cálculo Lei da gravitação universal

Leia mais

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Fundamental

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Fundamental Matemática EF Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Fundamental C1 Utilizar o conhecimento numérico para operar e construir argumentos ao interpretar situações que envolvam informações quantitativas.

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 4 - Mecânica e Termodinâmica da Energia. Sorocaba, Fevereiro de 2016

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 4 - Mecânica e Termodinâmica da Energia. Sorocaba, Fevereiro de 2016 Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 4 - Mecânica e Termodinâmica da Energia Sorocaba, Fevereiro de 016 Formas de Energia

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

1 01 Mate t máti t c i a e Fí F s í ic i a Prof. Diego Pablo

1 01 Mate t máti t c i a e Fí F s í ic i a Prof. Diego Pablo 1 01 Matemática e Prof. Diego Pablo 2 Matemática - Produto: 2 x 4 = 8 - Quociente ou Razão: 18 / 2 = 9 - Quadrado: 7² = 7 x 7 = 49 - Cubo: 4³ = 4 x 4 x 4 = 64 - Raiz Quadrada: 81 = 9 3 Matemática Grandezas

Leia mais

MECÂNICA AS LEIS DO MOVIMENTO. o estudo do movimento. Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas.

MECÂNICA AS LEIS DO MOVIMENTO. o estudo do movimento. Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas. MECÂNICA o estudo do movimento Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas. AS LEIS DO MOVIMENTO AS LEIS DO MOVIMENTO DINÂMICA FORÇA E MOVIMENTO cinemática Grandezas da Cinemática: interação

Leia mais

Física E Extensivo V. 8

Física E Extensivo V. 8 Extensivo V. 8 Exercícios 0) II. Verdadeira. Porque haverá variação do fluxo magnético. III. Verdadeira. 0) E 05) a) 03) de C para D 04) A O campo criado na espira retangular e na circular está aumentando.

Leia mais

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) 20 e Magnetismo

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) 20 e Magnetismo Magnetismo Magnetismo 1. Para ser atraído por um ímã, um parafuso precisa ser: a) mais pesado que o ímã b) mais leve que o ímã c) de latão e cobre d) imantado pela aproximação do ímã e) formando por uma

Leia mais

Unidade 12 - Potência

Unidade 12 - Potência Unidade 12 - Potência Introdução Definição Determinação da Potência média Unidade de potência Caso particular Rendimento Introdução Uma das maiores utilidades da Física é permitir àqueles que a estudam

Leia mais

Física e Química. Planificação. Curso Vocacional

Física e Química. Planificação. Curso Vocacional Física e Química Planificação Curso Vocacional 1º ano-2013/2014 2º ano-2014/2015 1º ano - Física Módulo Conteúdos Competências Avaliação Nº de aulas 1. A medida 1. Estimar grandezas físicas: - Estimativas

Leia mais

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série Site 02 01 - (Mackenzie SP) No circuito desenhado abaixo, a intensidade de corrente elétrica contínua que passa pelo resistor de 50 é de 80 ma. A força eletromotriz

Leia mais

Resistências Térmicas em Paralelo 53 Exercícios 54 Exercícios recomendados 54 III. Transporte por convecção 55 Alguns fatos do cotidiano 55

Resistências Térmicas em Paralelo 53 Exercícios 54 Exercícios recomendados 54 III. Transporte por convecção 55 Alguns fatos do cotidiano 55 SUMÁRIO I. Introdução Portfolio de Fenômenos de Transporte II 1 Algumas palavras introdutórias 2 Senso comum ciência 4 Uma pequena história sobre o nascimento da ciência 4 Das Verdades científicas 6 Tese

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA Nome: Nº 9º ano Data: / / 2016 Nota: Professores: Gladstone e Samuel A - Introdução Leia, atentamente, este roteiro, pois ele resgata conteúdos essenciais para o

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 49. Questão 48. alternativa B. alternativa B. alternativa A. alternativa D. A distância média da Terra à Lua é

Questão 46. Questão 47. Questão 49. Questão 48. alternativa B. alternativa B. alternativa A. alternativa D. A distância média da Terra à Lua é Questão 46 A distância média da Terra à Lua é 3,9 10 m. Sendo a velocidade da luz no vácuo igual a 30, 10 5 km/s, o tempo médio gasto por ela para percorrer essa distância é de: a) 0,77 s d) 77 s b) 1,3

Leia mais

Lista Aula 24. É (são) verdadeira(s): a) todas b) nenhuma c) somente II d) II e III e) somente III

Lista Aula 24. É (são) verdadeira(s): a) todas b) nenhuma c) somente II d) II e III e) somente III 1. (Uece 2015) Dentre as fontes de energia eletromagnéticas mais comumente observadas no dia a dia estão o Sol, os celulares e as antenas de emissoras de rádio e TV. A característica comum a todas essas

Leia mais

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da 01 As afirmativas: I) Falsa, pois o ângulo formado entre a normal ao plano da espira é de 60, assim o fluxo eletromagnético é: φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da espira

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

Matriz de referência DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS D01(B) - Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular. D02(B) - Relacionar fotossíntese e respiração celular nos organismos fotossintetizantes. D03(B)

Leia mais

0 0 A carga elétrica que passa nesse condutor nos 4 primeiros segundos vale 3

0 0 A carga elétrica que passa nesse condutor nos 4 primeiros segundos vale 3 0 0 A carga elétrica que passa nesse condutor nos 4 primeiros segundos vale 3 1 1 Sendo a carga elementar e = 1,6.10-19 C, a quantidade de elétrons que passa condutor nos 10 s vale 3,75.10 17. 2 2 A corrente

Leia mais

6. Análise de resultados Coerência na dimensão da grandeza obtida; consistência da expressão literal resultante; ordens de grandezas e valores

6. Análise de resultados Coerência na dimensão da grandeza obtida; consistência da expressão literal resultante; ordens de grandezas e valores APRESENTAÇÃO FÍSICA A Física procura explicar fenômenos e processos do mundo natural, desde os níveis mais fundamentais até os mais complexos, incluindo as aplicações tecnológicas. Ela deve ser tratada

Leia mais