Merchandising Social e Ficção Televisiva em países ibero-americanos: temas e produção de sentido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Merchandising Social e Ficção Televisiva em países ibero-americanos: temas e produção de sentido"

Transcrição

1 Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación Merchandising Social e Ficção Televisiva em países ibero-americanos: temas e produção de sentido Dra. Maria Cristina Palma Mungioli 1 Ligia Maria Prezia Lemos 2 Issaaf Santos Karhawi 3 Lorena Milanesi Brettas 4 Resumo: O presente estudo se propõe a analisar os temas presentes em ações/campanhas envolvendo temáticas sociais e/ou merchandising social veiculadas em ficções televisivas, principalmente em telenovelas dos países participantes do Observatório Ibero-Americano da Ficção Televisiva (Obitel). Constitui-se como base de análise as ficções produzidas nesses países ao longo de O corpus da pesquisa é composto pelas dez ficções de maior audiência em cada um dos países participantes e a análise se desenvolve a partir de aproximações que entrecruzam dados de audiência e temáticas sociais abordadas nessas ficções. O referencial teórico-metodológico tem como fundamentação os estudos de linguagem (Bakhtin) e a Análise do Discurso de linha francesa. O estudo visa a contribuir não apenas para a discussão de aspectos da abordagem de temáticas sociais em países ibero-americanos, mas também para a compreensão de algumas características da produção ficcional desses países. Palavras-chave: merchandising social,telenovela, ficção televisiva ibero-americana, Anuário Obitel, produção de sentido Abstract: The present study aims to examine the themes in actions/campaigns involving social issues and/or merchandising social of telenovelas broadcasted in participating countries of Obitel (Ibero-American Observatory on Television Fiction)). The analysis is based on the fictions produced in these countries in The corpus is composed of the ten most watched fictions of each country. The theoretical and methodological approach is based on language studies (Bakhtin) and Discourse Analysis from French origin. The study aims to contribute not only to discuss aspects of the approach to social issues in Ibero- American countries but also for understanding some features of the fictional production in these countries. Keywords: merchandising social, TV Fiction in Ibero-america, Anuário Obitel, production of meaning produção de sentido 1 Professora doutora da Escola de Comunicações e Artes USP. Pesquisadora do Centro de Estudos de Telenovela da ECA USP e do Observatório Ibero Americano da Ficção Televisiva. Coordenadora do GT Ficção Seriada da Intercom. 2 Mestranda em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, bolsista do CNPq. Especialista em Gestão da Comunicação ECA USP. Pesquisadora do Centro de Estudos de Telenovela ECA-USP e do Obitel - Observatório Ibero-Americano da Ficção Televisiva. 3 Mestranda em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, bolsista do CNPq. Pesquisadora do Centro de Estudos de Telenovela ECA-USP e do Obitel - Observatório Ibero-Americano da Ficção Televisiva. E- mail: 4 Bolsista AT do CNPq no Centro de Estudos de Telenovela ECA-USP. Pós-graduanda no curso de lato sensu em Mídia, Informação e Cultura, no Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação ECA-USP. 1

2 Introdução O presente estudo se propõe a analisar alguns aspectos das temáticas sociais presentes em ações/campanhas de merchandising social veiculadas em telenovelas dos países participantes do Observatório Ibero-Americano da Ficção Televisiva Obitel 5 tendo como base de análise as produções de Trabalhamos com dados do Anuário referentes às dez ficções de maior audiência em cada país. Em nossa análise, estabelecemos aproximações que entrecruzam dados de audiência, temáticas sociais e merchandising social referentes a essas produções. Articulando-se sobre uma rede internacional de pesquisadores e com o objetivo de realizar o estudo sistemático e comparativo das produções de ficção televisiva no âmbito ibero-americano, o Obitel foi criado em 2005 e vem se constituindo seja por meio da publicação de Anuários, seja pela realização de eventos de caráter científico 7, como um espaço-chave para a discussão da ficção televisiva no circuito produção, circulação e recepção. Nesse contexto, o Obitel 8 monitora a circulação internacional e propõe debates e discussões sobre o gênero. Atualmente, possui dois co-coordenadores gerais: a Profa. Maria Immacolata Vassallo de Lopes, da Universidade de São Paulo (Brasil) e o Prof. Guillermo Orozco Gómez da Universidad de Guadalajara (México). No Brasil, o Obitel é coordenado pela Profa. Maria Immacolata Vassallo de Lopes e está sediado no Centro de Estudos de Telenovela da Universidade de São Paulo. Enfatizamos que, em consonância com Lopes (2009) e Nicolosi (2009), neste trabalho, adotamos a denominação merchandising social para ações de caráter pedagógico ou sócio-educativo que, no Brasil, se caracterizam pela adoção de estratégias enunciativas e discursivas que não apenas colocam o tema em pauta, mas, principalmente, criam espaços para sua discussão. Para os demais países, utilizamos a expressão temáticas sociais conforme empregada pelos investigadores nos Anuários Obitel. 1. Telenovela no âmbito Obitel 5 Os países participantes do Obitel em 2009 foram: Argentina, Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, México, Portugal, Uruguai e Venezuela. 6 Dados que englobam o estudo e o monitoramento da programação de ficção de 2009 dos canais nacionais de televisão dos países acima mencionados. 7 I Seminário Internacional do OBITEL, Bogotá, 26/02/ 2005; II Seminário Internacional do OBITE, São Paulo, 1 a 4/11/2005; III Seminário Internacional do OBITEL, Guadalajara, 26 a 28/09/ 2007; IV Seminário Internacional do OBITEL, Rio de Janeiro, 23 a 25/06/2008; V Seminário Internacional Obitel, Rio de Janeiro, 10 e 11 de agosto de No Brasil, o Obitel conta com o apoio do CNPq. O Obitel Brasil também constituiu uma rede de pesquisadores de ficção televisiva com mais de quarenta pesqsuidores espalhados em diversas universidades brasileiras. 2

3 A centralidade do formato telenovela para compreensão da constituição dos espaços simbólicos que entretecem as culturas ibero-americanas é salientada por Lopes (2004). Para a pesquisadora, estudar a ficção televisiva pode revelar o modo como as indústrias culturais estão reorganizando as identidades coletivas e as formas diferenciação simbólica (LOPES, 2004, p. 127). Além disso, a telenovela tem sido um fator determinante na criação de uma capacidade televisiva nacional que se projetou não só numa larga produção como também numa particular apropriação do gênero em cada país (LOPES, 2004). Formato mais popular em , e que pode ser observado ao longo dos anos analisados nos Anuários 10, a telenovela apresenta-se como um objeto particularmente rico por suas especificidades no que se refere à produção de sentidos ensejada pela abordagem de temas de relevância social. A observação do tratamento dado a esses temas e até mesmo sua presença ou ausência possibilitam elementos importantes para a compreensão da diversidade cultural dos países analisados. Na tabela a seguir, observase essa prevalência do formato telenovela na maioria dos países participantes do Obitel em 2009: Tabela 1. Formatos de ficção nacional em números de títulos Formatos Telenovela Série Minissérie Telefilme Outros Total Argentina Brasil Chile Espanha EUA México Portugal Uruguai Venezuela Fonte: Tabela 5, Obitel p.30 Cabe ainda destacar que a representatividade da telenovela pode ser comprovada pela preferência das audiências nacionais que lhe garantiram a liderança como formato 9 Dados referentes aos dez títulos de maior audiência em 2009 entre todos os países observados no Anuário 2010 indicam que oito produções foram no formato telenovela, a saber: A favorita (telenovela - Brasil TV Globo), Caminho das Índias (telenovela - Brasil TV Globo), Viver a vida (telenovela - Brasil TV Globo), Dónde está Elisa? (telenovela - Chile TNV), Caras e bocas (telenovela - Brasil TV Globo), A grande família (série - Brasil TV Globo), Paraíso (telenovela - Brasil TV Globo), Bicho homem (especial - Brasil TV Globo), Cama de gato (telenovela - Brasil TV Globo), Valientes (telenovela - Argentina El Trece). (Fonte: Anuário Obitel 2010) 10 ANUÁRIO 2007, Culturas y mercados de la ficción televisiva en Iberoamérica. ANUÁRIO 2008, Mercados globais, histórias nacionais. ANUÁRIO 2009, A ficção televisiva em países ibero-americanos. Narrativas, formatos e publicidade. ANUÁRIO 2010, Convergências e transmidiação da ficção televisiva. 3

4 entre os dez títulos de ficção mais vistos entre os países Obitel em 2009 conforme se verifica na tabela a seguir. Formato/ País Tabela 2. Formatos e audiências das dez ficções mais vistas Telenovela Série Minissérie Telefilme Outros Audiência Domiciliar Máxima % Audiência Domiciliar Mínima % Argentina ,1 12,3 Brasil ,6 26,3 Chile ,7 22,5 Espanha ,58 7,33 EUA ,2 1,7 México ,4 9,7 Portugal ,6 8,8 Uruguai ,7 13,8 Venezuela ,21 5,10 Fonte: Tabela 11, Obitel p.40 Dessa forma, apesar do grande fluxo internacional de ficção televisiva 11, tornase patente a centralidade da telenovela como principal formato de consumo no espaço ibero-americano, o que nos leva a pensá-la como lócus privilegiado de enunciação e de construção do espaço simbólico mediado pelos meios de comunicação. Dentro desse quadro, evidencia-se a necessidade de se buscarem elementos para compreender as produções de sentido que a abordagem de temáticas sociais ou de merchandising social nas telenovelas ibero-americanas pode possibilitar. 2. Telenovela: enunciação e produção de sentido As manifestações enunciativas das emissoras de televisão encontram-se não apenas no conteúdo dos programas de ficção, mas também nas vinhetas, no tom (ufanista) característico da transmissão de eventos esportivos e nas imagens e músicas nas aberturas de boa parte das emissoras de televisão. 12 Jost (1997, p.4-5) define três 11 Cf. Anuário Obitel 2010, principalmente, Tabela 8 - Coproduções a 2009, p. 36; Gráfico 1 - Oferta de horas de ficção nacional e ibero-americana em 2009, p. 25; Tabela 2. Oferta de horas de ficção nacional e ibero-america a 2009, p.25; Tabela 4. Oferta de títulos de ficção nacional e iberoamericana a 2009, p Referimo-nos aqui às emissoras brasileiras. Na quase totalidade das telenovelas e minisséries da Rede Globo e de algumas experiências bem sucedidas em outras emissoras as imagens do Brasil e do povo brasileiro ganham destaque na abertura ou no tratamento estético e temático adotados. A título de exemplo, citamos apenas algumas produções de outras emissoras que ganharam relevância nacionalmente como Pantanal (1990), na extinta Rede Manchete, Éramos Seis (1994), no SBT e mais recentemente Prova de Amor ( ) e Cidadão Brasileiro (2006), na Rede Record. Na Rede Globo a cor local está presente em praticamente todas as suas produções por meio da inserção de cenas externas que primam pelos grandes planos que mostram as belezas e os encantos da vida rural ou de pequenas cidades 4

5 instâncias enunciativas por meio das quais é possível discernir o(s) discurso(s) das redes de televisão: a da rede, a da grade de programação e a dos programas. Jost (1997, p.4) trata a rede como intencionalidade e como personalidade do mundo no interior da qual (co)existem três tipos de discurso: (...) o discurso da empresa (sócio-econômico, balanço, etc.); o discurso da instituição (quais são os objetivos, as missões, o que se quer fazer? etc.); o discurso da marca, que é para nós o mais importante, uma vez que se define não somente pelo ato ilocutório dizer alguma coisa -, mas também por seu objetivo de agir sobre alguém, o que é outra lógica. A rede como marca quer não somente falar, mas prescrever comportamentos e, portanto, semantizar os objetos do mundo. A dificuldade, para uma rede, é colocar essas três vozes em uníssono do ponto de vista da entidade sócio- econômica. (JOST, 1997, p. 4-5) Com base no critério da intencionalidade, o pesquisador francês afirma que a construção da imagem de marca se faz por meio de duas vozes: a primeira delas diz respeito à rede como responsável pela programação. Pode-se perceber a intencionalidade por meio da organização e do ritmo dos programas da grade (seguir o ritmo do telespectador, provocar momentos de relaxamento, etc.). Essa intencionalidade é construída pelo analista. A segunda voz é aquela (...) da rede como pessoa, como ser do mundo, como instância, como personalidade mais ou menos estável que se manifesta por meio da logomarca, através da voz das apresentadoras, ou das vozes em off (...). (JOST 1997: 6) Nessa perspectiva, a voz da rede se aproximaria do ethos aristotélico, ou seja, da vontade de o orador causar uma boa impressão de si mesmo. Em termos performativos, pode-se dizer que a programação tenta seduzir o público pela imagem que ela constrói da rede. (JOST, 1997, p.6) Nesse sentido, falar de si mesmo, inclui a fala em off que faz a autopromoção e mesmo a publicidade fora da televisão. É tudo que contribui a forjar o que chamamos sua alma. (JOST, 1997, p.7 - grifo do autor) Portanto, a imagem de marca de uma rede de televisão é construída ao longo do tempo pelo entrecruzamento de discursos instaurados pela rede a partir de suas instâncias enunciativas que envolvem, como vimos, os discursos da própria rede de televisão, de outros veículos de comunicação (incluem-se aí gêneros publicitários ou de veículos ligados ao entretenimento e cultura: revistas, livros, pesquisas). Enfim, a rede como instância enunciativa constrói-se tanto com base nas diversas formas de enunciação que a caracterizam quanto pela própria relação responsiva (Bakhtin, 2002, do interior e a intensidade das relações entre personagens e espaço urbano nas grandes cidades, sobretudo nas metrópoles Rio de Janeiro e São Paulo. 5

6 2003) que (se) constitui (no) o interdiscurso 13, na medida em que, segundo Bakhtin, o enunciado só existe como resposta a outro enunciado. Enfim, como enunciado concreto (Bakhtin 2002) que se constitui por meio da contrapalavra 14, pois toda palavra, entendida aqui em sua dimensão discursiva, demanda uma resposta, uma atitude responsiva. Ou seja, o processo de comunicação verbal, e mais estritamente o processo de construção de sentidos, coloca em jogo não apenas a capacidade de o ser humano expressar-se por meio da fala em seu sentido estrito -, mas também, e principalmente, de se fazer entender e compreender por meio de todo um saber discursivo tecido pelas relações sociais de sujeitos constituídos social e historicamente. É dentro dessa compreensão que reside o princípio da responsividade que caracteriza o pensamento dialógico bakhtiniano. Com base nessa perspectiva, a ficção televisiva destaca-se nos processos de produção de sentido, pois constrói/desconstrói mecanismos que permeiam a constituição de discursos sobre os mais diversos aspectos da sociedade sociais, culturais, econômicos -, dando-lhes sentido, atribuindo-lhes valor, organizando-os, estabelecendo vínculos, mesmo que seja pela contradição, pela negação ou pelo esquecimento. Mecanismos esses que se fundam também nas relações de linguagem estabelecidas por meio dos discursos que dizem muito mais do que parecem expressar conforme lembra Foucault (1996, p.10): (...) o discurso (...) não é simplesmente aquilo que traduz as lutas ou os sistemas de dominação, mas aquilo por que, pelo que se luta, o poder do qual nos queremos apoderar. É incidindo sobre essa capacidade de criar sentidos, sentimentos aquilo por que se luta -, e identidades por meio de discursos que a televisão tem se consolidado ao longo dos anos - principalmente em países cujo surgimento desse meio de comunicação esteve marcado pela relação recorrente entre o ideário e atuação governamentais - no sentido de criar o laço social que caracterizaria esses países como nação Adotamos aqui a definição de interdiscurso apresentada por Eni P. Orlandi, in Análise de discurso: princípios e procedimentos, p. 31, segundo a qual o interdiscurso se estabelece a partir das relações entre memória e discurso. O interdiscurso é (...) definido como aquilo que fala antes, em outro lugar, independentemente. Ou seja: é o que chamamos de memória discursiva: o saber discursivo que torna possível todo dizer e que retorna sob forma do pré-construído, o já-dito que está na base do dizível, sustentando cada tomada de palavra. 14 Mikhail Bakhtin, Marxismo e filosofia..., p. 132, afirma: A compreensão é uma forma de diálogo; ela está para enunciação assim como uma réplica está para a outra no diálogo. Compreender é opor à palavra do locutor a contrapalavra. (grifo do autor) 15 Sobre o papel das mídias na construção das identidades nacionais de países latino-americanos comandados por governos populistas como aqueles instalados no Brasil (Getúlio Vargas), México (Cárdenas) e Argentina (Perón) no período de 1930 a 1950, Martín-Barbero & Rey (2001) afirmam: 6

7 3. Telenovela brasileira, temáticas sociais e merchandising social Considera-se merchandising social a explicitação nas tramas de mensagens socioeducativas que vêm ocorrendo desde a década de 1990 e que têm caracterizado a telenovela brasileira (Lopes, 2009). Nicolosi (2009), em consonância com Schiavo, define o merchandising social como uma ação com compromisso ideológico com o pensamento do autor da telenovela ou da emissora de televisão, mas não com um compromisso comercial. As ações de merchandising social na telenovela brasileira distinguem-se pela tentativa de formar opinião do público em relação a um tema abordado na ficção. Em termos constitutivos, é necessário que se evidencie o tema não apenas pelo seu tratamento ao longo da trama, mas também pela abertura de debates em torno de assuntos, opiniões, comportamentos. Assim, como define Lopes (2009, p.38), a mera ocorrência de um fato na trama (...) não caracteriza merchandising social. Para Canclini (1999), a participação social e a configuração das identidades se organizam, sobretudo, através do consumo, então, expandindo essa afirmação para o universo das sociedades latino-americanas e verificando que o processo de modernização dessas sociedades fez-se mais pelo âmbito privado do que pelo estado, temos novamente esta produção industrial como paradigma social de disseminação de padrões de consumo e estilos de vida que por sua vez vão movimentar todo o desenvolvimento de uma sociedade (JAKUBASCO e MOTTER, 2006, p. 5). De acordo com Lopes (2009), é a partir da década de 1990 que, no Brasil, o merchandising social passa a fazer parte das tramas das telenovelas de maneira sistematizada e institucionalizada. Essa inserção de temáticas sociais torna-se possível devido a transformações nas tramas decorrentes de uma abordagem naturalista em que as narrativas das telenovelas passam a ser identificadas com a vida real, (...) o que faz com que ela [a telenovela] ganhe verossimilhança, credibilidade e legitimidade enquanto ação pedagógica 16 (LOPES, 2009, p.37). Naquele primeiro processo de modernização, as mídias de massa foram decisivas para a formação e difusão da identidade e do sentimento nacionais. A idéia de modernidade que sustenta o projeto de construção de nações modernas nesses anos articula um movimento econômico entrada das economias nacionais na participação do mercado internacional a um projeto político: constituí-las em nações mediante a criação de uma cultura e de uma identidade nacional. 16 Para Nicolosi (2009), o conceito de ação pedagógica pode ser compreendido como um ato de enunciação que supõe seleção e combinação de conteúdo legitimado socialmente e enunciado por meios reconhecidos. Aceita-se, então, a telenovela enquanto um emissor/enunciador com competência reconhecida para proferir discursos socialmente legitimados. 7

8 Constitui-se, dessa forma, uma inter-relação recorrente entre ficção e realidade/cotidiano como um dos principais traços da telenovela brasileira. Essa interrelação, um dos fios condutores da telenovela brasileira, torna possível ao telespectador ver o seu dia-a-dia retratado nas tramas por meio da apropriação de temas que compõem o cotidiano das diversas camadas sociais representativas da sociedade brasileira. Essa característica propicia a discussão do tema a partir de vários enfoques oferecidos pelos diversos núcleos dramáticos, proporcionando, assim, tratamentos discursivos, temáticos e estéticos que se inter-relacionam dialogicamente. Tratamentos esses que se revelam como constituintes do próprio savoir-faire brasileiro em termos de telenovela como destaca Motter: Se o fio melodramático condutor da história, o apelo à emoção, o caráter de serialidade e duração a situam no espaço da novela, o compromisso social, um modo peculiar de estruturação do cotidiano e a incompletude que lhe permite manter com o telespectador um diálogo vivo configuram um fazer próprio, aprimorado e em permanente renovação que individualiza a telenovela como produção genuinamente brasileira. (MOTTER, , p.76) Dentro desse quadro, pode-se dizer que a inserção de temáticas sociais na trama das telenovelas torna-se possível não apenas pela proximidade entre realidade e ficção, mas também pela própria abrangência e importância da televisão como principal meio de comunicação brasileiro. É a influência da televisão no cotidiano nacional que permite (...) a difusão de informações acessíveis a todos sem distinção de pertencimento social, classe ou região (LOPES, 2009, p.23). É nesse sentido que a telenovela se apresenta como difusora cultural (Marques, 2008) ou, principalmente, como recurso comunicativo (Lopes, 2009) por apresentar modelos de comportamentos e representações culturais que atuam na construção da cidadania Temáticas Sociais nos países Obitel (exceto Brasil) Contextos e acontecimentos diversos em cada um dos países participantes do Obitel marcaram fortemente a escolha dos temas e sua respectiva abordagem. Entretanto, três aspectos podem ser percebidos no conjunto dos países (1) temas sociais e políticos no cerne da maioria das ficções televisivas ibero-americanas; (2) novas propostas de discussões temáticas, abordando sexo e violência, por exemplo, mesmo que de maneira ainda tradicional; (3) e novas formas e possibilidades de produção e distribuição da ficção, especialmente tecnológicas. Ao analisar as listas dos Dez Mais de cada país participante do Obitel podemos perceber um panorama das ações que abordaram 8

9 temáticas sociais ou, como conhecido no Brasil, merchandising social. 17 Essas abordagens revelam, entre outros, alguns temas em comum: discriminação racial e de gênero, corrupção, sustentabilidade, direitos humanos. Na Argentina, a análise das temáticas sociais revela a abordagem com base em dois grandes eixos: o da ordem social e o da individual. Entre os temas estão desde a corrupção política e policial a crises em diferentes fases da vida (como crise da meiaidade e rebeldia adolescente). Comparadas a anos anteriores da teledramaturgia argentina, as temáticas sociais das telenovelas mais vistas de 2009 apresentam uma tendência de distanciamento de questões consideradas de maior relevância social como o tráfico de mulheres e a síndrome de Down, temas tratados no ano anterior. As temáticas sociais, no Chile, ganharam destaque nas séries e minisséries que retrataram assuntos como a ditadura e passagens históricas do país sobre os quais não havia documentação oficial. Tais formatos permitiram, segundo a análise do Obitel, um tratamento temático mais calcado na verossimilhança, o que não seria possível ocorrer nas telenovelas chilenas. Na Espanha, entre as produções dos canais nacionais estatais, as temáticas sociais se concentraram na igualdade entre os sexos e em questões relacionadas aos direitos da mulher. Nas produções das regiões autônomas, também figuraram as temática da igualdade entre os gêneros, em especial a violência contra a mulher, além de temas como a homossexualidade e a gravidez indesejada. Destaca-se ainda no contexto espanhol, o fato de um seriado e não uma telenovela - assumir papel pedagógico ao lidar com questões como o tratamento de doenças, velhice, imigração, o que se configura, segundo a análise feita pelo país, como uma vitrina das temáticas que mais interessam aos cidadãos. Nas produções de língua hispânica veiculadas nos Estados Unidos, houve predomínio de temáticas referentes ao narcotráfico relacionando-se diretamente à realidade mexicana, ascendência da maior parte da audiência hispânica dos EUA. Destacou-se ainda a criação, a pedido do governo norte-americano, de uma personagem para estimular a participação dos hispânicos no Censo Populacional de Em relação às temáticas sociais o México destaca o foco político nas telenovelas do ano que, além de estabelecerem pautas de discussão, fizeram propaganda política, tomando partido sobre temas e ideologias particulares. Foram debatidos ainda temas 17 Para esta análise observamos não apenas os capítulos referentes a cada um dos países, mas também o capítulo Síntese comparativa dos países Obitel em 2009 conforme consta no Anuário

10 referentes aos direitos dos cidadãos como eutanásia, união estável, diversidade sexual além de a telenovela se apresentar como uma nova vitrina para o marketing político. Chamou atenção dos investigadores mexicanos o fato de que estiveram mais em evidência temas realistas que aqueles ligados ao universo tradicional das telenovelas mexicanas com mensagens positivas ou lições de vida. Essa constatação levou-os a denominar esse tipo de telenovela como neotelenovela, pois denota uma ruptura com o modelo tradicional, exacerbando um realismo cada vez mais cru e violento. Em Portugal, observa-se a veiculação de conteúdos provenientes de mercados latino-americanos, com destaque para telenovelas brasileiras produzidas pela Globo e Record, além de uma série argentina. Entre os títulos mais vistos, as temáticas sociais estiveram relacionadas à preservação ambiental, à violência doméstica, ao abuso de poder. O Uruguai caracteriza-se no âmbito Obitel como um grande importador de ficção que possui fraca produção nacional. As temáticas sociais abordadas nas tramas variam, portanto, de acordo com os temas discutidos nos países de origem das produções. Destacam-se entre as temáticas sociais abordadas nas tramas no ano de 2009: alcoolismo, dependência química, inclusão social, prevenção de doenças, alfabetização de adultos, corrupção e homossexualidade. E, finalmente, na Venezuela, pela primeira vez presente no Anuário Obitel, observam-se, ainda timidamente, a inclusão e mobilidade social de afrodescendentes e a maior visibilidade do tema GLBT Merchandising social nas telenovelas brasileiras em 2009 O Brasil apresentou continuidade na adoção de estratégias de merchandising social nas telenovelas caracterizadas pela construção de enredo e pelo tratamento temático e discursivo de mensagens socioeducativas fortemente entretecidas nas tramas e enredos. Entre as temáticas sociais presentes nas telenovelas de 2009, destacam-se a abordagem dos problemas vinculados à esquizofrenia, em Caminho das Índias; a tetraplegia e a anorexia alcoólica representadas em Viver a vida; a deficiência auditiva ocasionada por meningite em Cama de gato; a inserção de atriz portadora de deficiência visual em Caras e bocas, todas telenovelas da Globo; e o combate à pedofilia na telenovela Chamas da vida, na Record. Cabe destacar que, com relação à produção de sentidos proporcionada pela enunciação características de temáticas sociais/merchandising social na telenovela 10

11 brasileira, ela deve ser entendida com base nas três instâncias enunciativas definidas por Jost (1997). Essa característica deve-se, principalmente, ao fato de a principal rede de televisão do país, a Globo, possuir um forte engajamento em relação à abordagem de temáticas sociais em sua programação conforme pode ser observado no documento Ações Sociais Relatório e também em mensagens veiculadas pela emissora em se que destacam suas ações sociais e socioeducativas ou de merchandising social. Em termos de produção de sentido com relação à instância enunciativa referente ao conteúdo dos programas, deve-se levar em conta que a telenovela brasileira, compreendida como recurso comunicativo (Lopes, 2009), apresenta-se como um fenômeno complexo. Por isso, cabe lembrar que conforme aludimos anteriormente, em razão dos objetivos deste artigo, optamos por apresentar alguns elementos para discussão tendo como base algumas das temáticas sociais abordadas nas telenovelas de De acordo com Lopes & Orozco-Gomez (Anuário Obitel 2010, p.151), a análise da abordagem dos temas sociais permite-nos observar principalmente dois movimentos aproximação. Um primeiro movimento, no qual se evidencia a vertente melodramática da telenovela, surge preferencialmente força o ambiente doméstico e familiar no qual se evidencia mais intensamente a força e a coragem das mães. Geralmente, mães obstinadas no enfrentamento dos problemas dos filhos e parentes (entre os problemas destacam-se: a gravidez na adolescência em A favorita, ou o tratamento da drunkorexia 19 e da tetraplegia em Viver a vida). O segundo movimento é marcado pela vertente da telenovela brasileira mais próxima das lutas do cotidiano que se traduz na busca e na consolidação de direitos conquistados por meio de leis (contra a discriminação racial, a violência contra a mulher e a criança, tráfico de animais ou direitos a tratamento de doentes mentais e comportamentais). Este segundo tipo de aproximação ocorreu em A favorita, Caminho das Índias e Caras e bocas. As duas formas de abordagem convergem para uma construção de sentido em que os espaços privado e o público se (re)constroem constantemente nas relações cotidianas revelando uma dinâmica que caracteriza as sociedades em transformação. (Anuário, 2010, p. 151) 18 Disponível em: <http://estatico.redeglobo.globo.com/2011/05/30/balanco_social_rede_globo_2010.pdf> Acesso em 25/06/ Drunkorexia, ou anorexia alcoólica, é o termo criado nos EUA para definir o alcoolismo associado a distúrbios alimentares. 11

12 É ainda nesse espaço público de discussão que surge o prevalente protagonismo feminino que observamos nas ficções brasileiras, reiterado no ano de 2009, sobretudo nas telenovelas (A favorita, Caminho das Índias, Viver a vida, Cama de gato), mas que também se evidencia na série A grande familía. Esse protagonismo, no entanto, não se concretiza apenas em função da conquista amorosa ou da aceitação da sociedade, ao contrário, as mulheres das telenovelas, amam e se apaixonam profundamente, mas também exigem seus direitos e os direitos de seus filhos e lutam por eles (A favorita, Cama de Gato, Caras e bocas), discutem de igual para igual com maridos, pais e irmãos (Paraíso) e atuam no mundo do trabalho (A favorita, Caminho das Índias). Tais mulheres estão não apenas nos grandes centros urbanos, onde se passa a maioria das tramas (entre as sete telenovelas e minissérie analisadas, seis têm lugar em centros urbanos), mas também no interior do país (Paraíso). A forte presença de temática social/merchandising social na telenovela brasileira tem sido analisada também em função da credibilidade que esse produto cultural alcançou entre os brasileiros e que permitiu que se tornasse um espaço público de debates de temas representativos da modernidade que se vive no país, convertendo-se assim em um «recurso comunicativo» (LOPES, 2009, p. 21). Considerações finais A centralidade da telenovela como principal formato de ficção no espaço iberoamericano permitiu-nos considerá-la como lócus privilegiado de enunciação e de construção do espaço simbólico mediado pelos meios de comunicação. Dentro desse quadro, ganha relevância a abordagem de temáticas sociais ou de merchandising social nas telenovelas, uma vez que, como vimos, a análise desses temas permite-nos observar a complexa dinâmica envolvida na/pela construção de mediações (Martin-Barbero 2001) no espaço social e comunicacional ibero-americano. Sobretudo no Brasil, a telenovela representa um importante e amplo espaço para discussão de problematização do país, pois, devido à sua capacidade de síntese, pode abraçar como temática desde a intimidade privada até os problemas sociais. Além disso, em razão de seu caráter naturalista, faz referências tanto à vida cotidiana como a aspectos da vida da nação, constituindo uma narrativa com capacidade de traduzir o público através das relações afetivas, ao nível do vivido, misturando-se na experiência do dia a dia, vivida ela mesma em múltiplas facetas, subjetiva, emotiva, política, cultural, estética. (LOPES, 2009, p.27) 12

13 Esse imbricamento constante entre ficção e cotidiano permite à telenovela brasileira tratar de temas nacionais complexos com a mesma naturalidade com que se conversa com um amigo ou um vizinho e essa naturalidade advém de uma arquitetura baseada no cotidiano e que mescla o particular e o coletivo, o individual e o social, o local e o nacional/mundial (MUNGIOLI, 2008, p.14). Os temas, as discussões motivadas pela telenovela geram uma extensa paratextualidade que ultrapassa em muito os chamados meios de comunicação de massa e estabelecem um diálogo incessante com a sociedade. Assim, a forte correlação entre o público o privado, garantem à telenovela brasileira um papel extremamente importante na produção de sentidos. Papel devido não apenas à penetração da telenovela nas diversas camadas da sociedade brasileira, mas também ao tratamento discursivo, temático e estético que lhe são característicos. Esses tratamentos se revelam na constituição da inter-relação entre ficção e cotidiano (Motter, ) entretecida pelo fio melodramático que apela à emoção e pelo compromisso social que permite manter um diálogo vivo com o telespectador. Referências Livros BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. Martins Fontes. São Paulo, BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Hucitec. São Paulo, CANCLINI, Néstor García. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Editora UFRJ. Rio de Janeiro, FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Edições Loyola. São Paulo, LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Telenovela: Internacionalização e Interculturalidade. Loyola. São Paulo, LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GÓMEZ, Guillermo Orozco. (Orgs.). Obitel Convergências e transmidiação da ficção televisiva. Editora Globo. São Paulo,

14 LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GÓMES, Guillermo Orozco. (Orgs). Obitel A ficção televisiva em países ibero-americanos: narrativas, formatos e publicidade. Globo. São Paulo, LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; VILCHES, Lorenzo. (Orgs.). Obitel Mercados globais, histórias nacionais. Globo. São Paulo, LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; VILCHES, Lorenzo. (Orgs.). Obitel Culturas y mercados de la ficción televisiva en Iberoamérica. Gedisa. Barcelona, MARQUES, Jane Aparecida. Vozes da Cidade: O sentido da telenovela na metrópole paulistana p. Tese (Doutorado). Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Editora UFRJ. Rio de Janeiro, MARTIN-BARBERO, Jesús; REY, German. Os exercícios do ver. Editora SENAC. São Paulo, NICOLOSI, Alejandra Pía. Merchandising social na telenovela brasileira. Um diálogo possível entre ficção e realidade em Páginas da Vida p. Dissertação (Mestrado). Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Pontes. Campinas/SP, Artigos online JOST, François. Quand y a-t-il énonciation télévisuelle? In: Collège iconique Acesso em pdf CETVN. Site. Acesso de janeiro a junho de Artigos em periódicos 14

15 LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Telenovela como recurso comunicativo. MATRIZes / Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo (ago./dez.2009). São Paulo, ECA/USP/Paulus, ano 3, nº 1 MOTTER, Maria Lourdes. Telenovela: documento histórico e lugar de memória. Revista USP, , n. 48. p MOTTER, Maria Lourdes; MUNGIOLI, Maria Cristina Palma. Gênero teledramatúrgico: entre a imposição e a criatividade. Revista USP, 2008, v. n. 76, p Atas de congressos JAKUBASZKO, Daniela; MOTTER, Maria Lourdes. Os limites do merchandising social na telenovela brasileira. Em: VI Encontro dos Núcleos de Pesquisa do XXIX Congresso de Ciências da Comunicação Intercom MUNGIOLI, Maria Cristina Palma. Enunciação e Discurso na Telenovela: a construção de um Sentido de Nacionalidade. Em: XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação Intercom. Natal,

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva Promoção: Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC/Linha Media, Technologies, Contexts), Faculdade de Ciências

Leia mais

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS Petrilson Alan Pinheiro (petrilsonpinheiro@yahoo.com.br petripinheiro@yahoo.com) RESUMO O grande interesse por questões acerca das

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Merchandising Social Proposta de Temas e Subtemas a Serem Monitorados

Merchandising Social Proposta de Temas e Subtemas a Serem Monitorados Merchandising Social Proposta de Temas e Subtemas a Serem Monitorados 1. Novo Conceito de Merchandising Social Merchandising social televisivo é a veiculação de mensagens educativas, reais ou ficcionais,

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Produção acadêmica telenovela (CETVN e OBITEL) Quadro geral das produções acadêmicas a partir de 1995

Produção acadêmica telenovela (CETVN e OBITEL) Quadro geral das produções acadêmicas a partir de 1995 Produção acadêmica telenovela (CETVN e OBITEL) Livros publicados (2002 2012) 20 Capítulos de livros (1995 2012) 46 Artigos em periódicos nacionais e internacionais (1995-37 2012) Publicações em Anais de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

A HIBRIDIZAÇÃO E A CONVERGÊNCIA ENTRE O CAMPO MIDIÁTICO E O RELIGIOSO: SINTOMAS DE PÓS-MODERNIDADE

A HIBRIDIZAÇÃO E A CONVERGÊNCIA ENTRE O CAMPO MIDIÁTICO E O RELIGIOSO: SINTOMAS DE PÓS-MODERNIDADE A HIBRIDIZAÇÃO E A CONVERGÊNCIA ENTRE O CAMPO MIDIÁTICO E O RELIGIOSO: SINTOMAS DE PÓS-MODERNIDADE Robéria Nádia Araujo Nascimento Doutora em Educação. Professora do Departamento de Educação/UEPB Emilson

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Aluna: Juliana Pereira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO Elisa Peres Maranho 1 ; Gláucia Brida 2 RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

Contribuições do Icict ao VI Congresso da Fiocruz

Contribuições do Icict ao VI Congresso da Fiocruz Contribuições do Icict ao VI Congresso da Fiocruz Síntese das discussões dos Serviços e Laboratórios da Unidade 1. Introdução Por orientação do CD Icict, após a realização do Coletivo de Gestores da Fiocruz

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

TV a cabo: a dispersão da audiência

TV a cabo: a dispersão da audiência TV a cabo: a dispersão da audiência Valério Brittos * A família toda reunida em torno da televisão, discutindo as tramas de alguma das várias telenovelas, dando gargalhadas de programas humorísticos ou

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

TV a cabo: a dispersão da audiência

TV a cabo: a dispersão da audiência TV a cabo: a dispersão da audiência Valério Cruz Brittos Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Índice 1 Introdução 1 2 A dissolução do modelo massivo 2 3 Conclusões 4 4 Bibliografia 5 1 Introdução

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1.

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. Profa Dra Nanci Maziero Trevisan 2 Professora e pesquisadora da Universidade Anhanguera de Santo André

Leia mais

Análise de Mensagens Televisivas de Utilidade Pública: Observações Comparativas. 1

Análise de Mensagens Televisivas de Utilidade Pública: Observações Comparativas. 1 Análise de Mensagens Televisivas de Utilidade Pública: Observações Comparativas. 1 Clóvis Teixeira Filho 2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Resumo Tanto a sociedade civil, de forma institucionalizada,

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: INTRODUÇÃO

Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: INTRODUÇÃO MÍDIA E EDUCAÇÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS OFICINAS DE JORNAL E RÁDIO ESCOLAR NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NA ESCOLA IRMÃO JOSÉ OTÃO, EM SANTA MARIA (RS) Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: Este trabalho

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI COORDENAÇÃO Prof. Dr. Antonio Joaquim Severino FINANCIAMENTO: UNINOVE Auxílio Financeiro ANO DE INÍCIO: 2010 INTRODUÇÃO

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

COMPOLÍTICA Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política V Encontro da Compolítica, 2013

COMPOLÍTICA Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política V Encontro da Compolítica, 2013 COMPOLÍTICA Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política V Encontro da Compolítica, 2013 TEMAS SOCIAIS APROPRIADOS PELA MÍDIA: HOLOFOTES E ENQUADRAMENTO DO TRÁFICO DE PESSOAS. Denise

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias A mídia radiofônica utilizada como ferramenta para a Educação Física Escolar Joseane Alba josialba2014@gmail.com Gabriela Zucki

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO NA USP: PIONEIRISMO E CONTRIBUIÇÕES NA CONSTRUÇÃO DO CAMPO NO BRASIL

A PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO NA USP: PIONEIRISMO E CONTRIBUIÇÕES NA CONSTRUÇÃO DO CAMPO NO BRASIL A PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO NA USP: PIONEIRISMO E CONTRIBUIÇÕES NA CONSTRUÇÃO DO CAMPO NO BRASIL Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes - ECA Programa de Pós-Graduação em Ciências

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP) Resumo

Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP) Resumo Rebelde-RBD: narrativas amorosas, publicidade e poder Manifestações das relações amorosas nas letras das músicas, das estratégias da publicidade e das manifestações de poder presentes em Rebelde 1 Clóvis

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE COORDENAÇÃO COLÉGIO OFICINA 1 PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE DISCIPLINA CONTEÚDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO OFICINA DE LEITURA ARTES EDUCAÇÃO

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Edital de Projetos Comunitários 2016

Edital de Projetos Comunitários 2016 Edital de Projetos Comunitários 2016 Com o intuito de promover uma política institucional de extensão e ações comunitárias a partir do compromisso social de promoção dos valores democráticos, de igualdade

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais