UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PROJETO A VEZ DO MESTRE A TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA NO DIREITO DO TRABALHO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PROJETO A VEZ DO MESTRE A TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA NO DIREITO DO TRABALHO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PROJETO A VEZ DO MESTRE A TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA NO DIREITO DO TRABALHO. Rodrigo Lopes Magalhães Orientadora: Profª Denise Guimarães Abril de 2005

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA NO DIREITO DO TRABALHO. Trabalho elaborado para a conclusão do curso de Pós-graduação em Direito do Trabalho da Universidade Cândido Mendes.

3 3 AGRADECIMENTOS A minha esposa Fernanda e minha filha Mariana pelo tempo que deixei de estar com elas para a participação nas aulas e confecção desta monografia, e especialmente pelo incentivo na conclusão do curso e no companheirismo na experiência de marido e pai. Aos meus pais, Leandro e Delma, pela dedicação e abnegação com que acompanham minha caminhada pessoal, acadêmica e profissional. A minha amiga Erica, inseparável companheira deste curso e dos corredores dos Tribunais. A todos os professores com que pude trocar experiências e retomar o exercício do aprendizado. A todos vocês, muito obrigado!

4 4 RESUMO A terceirização já não é um fenômeno novo em nossa sociedade e nas relações de trabalho, uma vez que o despontar da globalização e o aumento do desemprego levaram o empresariado mundial à busca de redução de custos, principalmente mão-de-obra. Neste quadro considerado por muitos caótico para as relações de trabalho surge, principalmente, através das multinacionais, o fenômeno da terceirização despertando a atenção de sindicalistas, juristas e principalmente do legislativo. Para maioria dos envolvidos a terceirização é nociva as relações de trabalho, mas não podemos nos esquecer que a globalização imprimiu fortes mudanças no sistema organizacional e, conseqüentemente nos quadros funcionais das empresas que pela necessidade de busca de novos mercados passam a precisar de empregados cada vez mais especializados, transformado a terceirização das atividades-meio numa realidade inevitável na busca da sobrevivência de empresas e Estados. Assim, o objetivo deste estudo é demonstrar os aspectos da terceirização, inclusive o por cooperativas, destacando a responsabilidade do tomador de serviço, mesmo que seja a administração pública e o cuidado que deve ter o tomador de serviço na eleição do prestador para que não veja seu lucro se esvair no pagamento de créditos trabalhistas dos terceirizados.

5 5 SUMÁRIO Introdução 06 Capítulo I 08 Figuras do Contrato de Trabalho 08 Capítulo II 21 Conceito de Terceirização 21 Capítulo III 29 Evolução histórica da terceirização no Brasil 29 Capítulo IV 32 Terceirização de mão-de-obra 32 Capítulo V 40 Evolução da Legislação frente à terceirização 40 Capítulo VI 49 Jurisprudência Aplicada 49 Conclusão 55 Bibliografia 56 Índice 59 Anexos 60

6 6 INTRODUÇÃO A terceirização é um assunto polêmico que divide opiniões. Para muitos é um risco aos direitos do trabalhador e, para outros, a porta de entrada no competitivo mundo globalizado uma das alternativas modernas de adaptação das empresas à modernização em escala mundial. Com a dominação da globalização e os esforços de empresas e governos em destacar-se na economia mundial, a terceirização vem sendo uma das ferramentas principais, pois, quando bem e legalmente utilizada, proporciona uma melhora na produção, uma vez que fomenta a especialização da mão-de-obra e a liberação da tomadora de serviço para a especialização de sua atividade-fim deixando as atividades-meio para empresas de menor porte. Entretanto, estas empresas por serem de menor porte, e, com menor capital, que por muitas vezes pagam salários inferiores, causam uma queda na qualidade do serviço ou até mesmo a perda do contrato de terceirização, pois vê-la como um movimento de perda de direitos trabalhistas seria uma visão simplista de um fenômeno mundial cabendo ao ordenamento jurídico instituir meios para coibir os abusos através da regulamentação tornando o trabalho terceirizado uma forma viável de contratação e absorção de mão-de-obra, sem causar prejuízos ao interesses e direitos do trabalhador, conquistados ao longo de tantos anos de luta da classe operária.

7 7 Para o direito do trabalho a terceirização é o fenômeno pelo qual se dissocia a relação econômica de trabalho da relação justrabalhista que seria correspondente. (Mauricio Godinho Delgado)

8 8 CAPÍTULO I FIGURAS DO CONTRATO DE TRABALHO

9 9 1.1 Empregado A melhor definição para empregado está presente no art. 3º da CLT: Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Para Evaristo de Moraes Filho 1, o art. 3º contém todos os elementos para a caracterização justa e exata do que seja empregado. No mesmo sentido preceitua Amauri Mascaro do Nascimento, que resumidamente aglutina todos os requisitos acima citados. Empregado é a pessoa física que presta pessoalmente para outrem serviços não eventuais, subordinados e assalariados Para uma melhor análise do tema cabe o desmembramento do art. 3º da CLT: Pessoa física também conhecida como pessoa natural, a pessoa jurídica nunca poderá ser considerada empregada, pois a lei tutela a figura humana do empregador, parte hipossuficiente da relação de trabalho. Pessoalidade significa que somente aquele determinado empregado é que pode prestar o serviço, por 1 a) pessoa física ou natural, nunca jurídica; b) prestação de serviços não eventuais; c) a outra pessoa física ou jurídica (empregador); d) sob dependência ou subordinação deste; e) mediante salário. Quem, numa prestação de serviços profissionais ou de atividade, se revestir dessas qualificações, é inequivocadamente empregado daquele a quem os serviços são prestados. Tudo fica para apreciação minuciosa de cada caso contrato em espécie. Moraes Filho, Evaristo, Antonio Carlos Flores de. Introdução ao Direito do Trabalho, Editora São Paulo, 6ª Edição, 1993, pág. 93.

10 10 este motivo o contrato de trabalho é um contrato intuito personae em relação ao empregador, pois somente este é depositário da confiança do empregador. Habitualidade uma das formas de habitualidade ou não eventualidade com estampa a lei é a apuração em razão do número de dias trabalhados durante a semana, quando é fácil sua constatação. Por isso, o elemento habitualidade está ligado à idéia de trabalho prestado de forma contínua em conformidade com a demanda da empresa. Subordinação pode ser definida como o estado de dependência jurídica em que o empregado se encontra em relação ao empregador, por força do contrato de trabalho. Ela não é meramente técnica ou econômica, mas essencialmente jurídica, pois é através do contrato de trabalho que o empregado se obriga a cumprir as ordens técnicas de seu empregador. A subordinação jurídica pode ser caracterizada pela existência de horários, pela possibilidade de receber punições disciplinares, pelo controle de suas tarefas, pelo efetivo recebimento de ordens, bem como pela possibilidade de ter seu rendimento profissional avaliado. Todos esses aspectos podem evidenciar que a prestação de serviços não se dá de por conta própria e sim por conta e risco do empregador, daí o motivo da subordinação ser o fator determinante do contrato de trabalho. Onerosidade o contrato de trabalho é por definição bilateral, sinalagmático e oneroso por envolver diversas prestações e contraprestações. Assim, quando se dá valor econômico a força de trabalho posta pelo empregado a disposição do empregador, o contrato de trabalho se torna oneroso, pois em contrapartida este deve pagar salário.

11 11 Por outro lado, se o trabalho é voluntário, mesmo estando presentes todos os demais requisitos ensejadores da relação de emprego, não haverá vínculo de emprego ante a ausência de onerosidade Trabalhador autônomo O conceito legal de trabalhador autônomo é encontrado na letra b, do inciso IV, do art. 6º do Decreto 611/92, que deu nova redação ao Regulamento dos Benefícios da Previdência Social: é aquele que exerce, por conta própria, atividade econômica remunerada de natureza urbana, com fins lucrativos ou não. Em sua obra Curso de Direito Individual do Trabalho, José Augusto de Rodrigues Pinto, conceitua o trabalhador autônomo com muita propriedade: Autônomo é o trabalhador que utiliza sua energia pessoal sob sua própria direção. Em conseqüência, tanto é possível encontrá-lo trabalhando para obter resultado seu ou em benefício de outrem. Cabe destacar, que por não ser empregado, as relações jurídicas dos que se relacionam profissionalmente com os autônomos tem natureza civil, não se submetendo, até a promulgação da Emenda Constitucional n.º 45, a jurisdição da Justiça do Trabalho; entretanto, com a inclusão do inciso I, no art. 114, da Constituição Federal, a competência passa a ser

12 12 da Justiça do Trabalho para julgamento das lides envolvendo o trabalhador autônomo. Art Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar: I as ações oriundas da relação de trabalho, abrangidos os entes de direito público externo e da administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. (grifo nosso) Assim, por exercer por conta própria sua atividade profissional, para uma clientela múltipla e por explorar, em seu proveito a sua força, sem qualquer tipo de subordinação, o trabalhador autônomo se diferencia do empregador, do trabalhador eventual e do avulso Trabalhador Eventual Para Délio Maranhão 2, o trabalhador eventual diferencia-se do empregado exatamente pela atividade que exerce, uma vez que pratica serviços eventuais e/ou fortuitos que descaracterizam a relação de emprego. Os serviços do trabalhador eventual são contratados para atender a uma necessidade que não é corriqueira no dia-adia do empregador são situações excepcionais. Assim, pode-se conceituar o trabalhador eventual como aquele que presta serviços dissociados das necessidades permanentes da empresa, sem continuidade e, em períodos curtos de tempo. 2 MARANHAO, Délio. CARVALHO, Luiz Inácio B. Direito do Trabalho. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas, 17ª ed

13 Trabalhador Avulso Maurício Godinho Delgado 3 define como avulso o trabalhador que oferta a sua força de trabalho, por curtos períodos de tempo, a distintos tomadores, sem se fixar especificamente a qualquer deles. A distinção entre eventual e avulso está no fato de que o avulso tem sua força de trabalho ofertada, em um mercado especifico de trabalho através de uma entidade intermediária que se compromete a arrecadar a contraprestação pelo serviço prestado e realiza o pagamento do trabalhador. Legalmente, a melhor definição para o trabalhador avulso está na Portaria nº 3.107/71 do Ministério do Trabalho e Previdência Social: Entende-se como trabalhador avulso, no âmbito do sistema geral da previdência social, todo trabalhador sem vínculo empregatício que, sindicalizado ou não, tenha a concessão de direitos de natureza trabalhista executada por intermédio da respectiva entidade de classe. A categoria dos avulsos, segundo a Constituição de 1988, garantiu a esses trabalhadores avulsos a igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício e o trabalhador avulso (art. 7º, XXXIV, CF/88). Vale, ainda, destacar que a categoria dos avulsos é representada fundamentalmente pelos trabalhadores da orla marítima e portuária, como operadores de carga e descarga 3 DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 3ª ed. São Paulo: LTr

14 14 conferentes e conservadores dos mesmos, arrumadores, ensacadores de mercadoria e amarradores. O Art. 11, do Decreto /77, de forma definitiva definiu um a um os trabalhadores avulsos: Art. 11. Para os efeitos deste Decreto, compreendem-se entre os trabalhadores avulsos: I - estivadores, inclusive os trabalhadores em estiva de carvão e minérios; II - trabalhadores em alvarengas (alvarengueiros); III - conferentes de carga e descarga; IV - consertadores de carga e descarga; V - vigias portuários; VI - amarradores; VII - trabalhadores avulsos do serviço de bloco; VIII - trabalhadores avulsos de capatazia; IX - arrumadores; X - ensacadores de café, cacau, sal e similares; XI - trabalhadores na indústria de extração de sal na condição de avulsos.

15 15 Parágrafo único. O Ministro do Trabalho, mediante solicitação do Sindicato e ouvida a Comissão de Enquadramento Sindical, poderá incluir outras categorias na relação constante deste artigo Empregador Antes de chegar ao conceito de empregador, específico do Direito do Trabalho, deve-se passar pelo amplo e secular conceito de empresa, certo de que estas são as maiores empregadoras, frisando-se sempre que tal conceito esteve previsto nos diversos códigos da antiguidade e está nos da atualidade. No direito francês a idéia de empresa surgiu no art. 632 do Código Francês de 1807, que ao enumerar os atos de comércio, incluiu entre eles todas as empresas de manufaturas, de comissão, de transporte por terra e água e todas as empresas de fornecimento, de agência, escritórios de negócios, estabelecimentos de vendas em leilão, de espetáculos públicos. Entretanto, a melhor definição de empresa a que se chegou no direito francês foi de Michel Despax que conceituou empresa como sendo todo organismo que se propõe essencialmente produzir para o mercado certos bens ou serviços, e que independe financeiramente de qualquer outro organismo. Já no direito italiano, o que mais dedicou ao estudo de empresa, Vivante, que identificou o conceito jurídico com o conceito econômico escreveu que empresa é um organismo econômico que sob o seu próprio risco recolhe e põe em atuação sistematicamente os elementos necessários para obter um produto destinado à troca.

16 16 Assim como no direito francês, a modernidade alterou consubstancialmente o conceito e, na atualidade, o conceito de empresa no direito italiano é de que empresa supõe uma organização por meio da qual se exercita a atividade. No direito pátrio a conceituação de empresa iniciouse com a inclusão de empresa, definição prevista no art. 19 do Regulamento n.º 737, de 1850, entre os ato de comércio. Seguindo o conceito francês, Inglez de Souza, assim definiu empresa: Por empresas devemos entender uma repetição de atos, uma organização de serviços, em que se explore o trabalho alheio, material ou intelectual. A intromissão se dá aqui entre o produtor do trabalho e o consumidor do resultado desse trabalho, com o intuito de lucro. Na esteira do direito italiano, J. X. Carvalho de Mendonça, conceituou empresa com a organização técnicoeconômica que se propõe a produzir a combinação dos diversos elementos, natureza, trabalho e capital, bens ou serviços destinados à troca (venda), com esperança de realização de lucro, correndo ricos por conta empresário, isto é, daquele que reúne, coordena e dirige esses elementos sob sua responsabilidade. Tendo-se a necessidade de conceituar empresa para os mais diversos fins, o art. 6º da Lei nº 4.137/62, que coíbe o abuso do poder econômico considera empresa toda organização de natureza civil ou mercantil destinada a exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade com fins lucrativos. Seguindo no conceito moderno, o art. 15, inciso I e parágrafo único, da Lei nº 8.212/91 prevê que empresa é a firma individual ou coletiva que assume o risco da

17 17 atividade econômica urbana ou rural, com ou sem finalidade lucrativa, equiparando-se-lhe também os órgãos e entidades da administração pública direta, indireta e fundacional; além do autônomo e equiparado em relação ao segurado que lhe presta serviço; bem como a cooperativa, a associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade a missão diplomática e a repartição consular de carreira estrangeiras. Agora que o conceito de empresa já está bem fixado podemos chegar ao conceito de empregador como conceito exclusivo do direito do trabalho e que tem sua definição clássica prevista no art. 2º da CLT: Art. 2º Considera-se empregador a empresa individual ou coletiva que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço. E prossegue: 1º Equiparam-se ao empregador, para os efeitos exclusivos da relação de emprego, os profissionais liberais, as instituições de beneficência, as associações recreativas ou outras instituições sem fins lucrativos, que admitem trabalhadores como empregados. O conceito consagrado no texto celetista vem sendo muito criticado, uma vez que, como visto anteriormente, empresa é um conjunto de bens materiais e imateriais reunidos para a obtenção de um fim.

18 18 Assim, com o intuito de retificar o engano ocorrido na legislação, Orlando Gomes 4 sugere: se empregador é a empresa, esta não pode sofrer ofensas físicas; não obstante está entre as justas causas rescisivas do contrato o ato lesivo da honra e da boa fama ou ofensas físicas contra o empregador. Admitir-se-iam, assim, ofensas físicas contra a empresa. A expressão empregador designa, na técnica do Direito do Trabalho, a pessoa natural ou jurídica que utiliza, dirige e assalaria os serviços de outrem, em virtude de contrato de trabalho. ensina: Com entendimento semelhante Evaristo de Moraes Filho dentro da melhor técnica jurídica, somente uma pessoa natural ou jurídica pode revestir-se da qualidade de empregador, sujeito de direitos e obrigações. Pode ser um simples indivíduo, uma firma individual, uma firma societária ou coletiva, uma instituição ou fundação de qualquer espécie, com ou sem finalidade econômica. Com isso, há de acabar com ambigüidade e as confusões do art. 2º da CLT, que coloca a empresa como empregador, atribuindo-lhe qualidades subjetivas de titularidades de direitos e obrigações, 4 GOMES, Orlando; GOTTSCHALK, Élson. Curso de Direito do Trabalho, Rio de Janeiro: Forense, 13ª ed. 1994, pág. 93.

19 19 quando empresa é objeto de direito, e não sujeito de direito. Ela é da propriedade ou da titularidade de uma pessoa natural ou jurídica, nada mais. Está é que é, a rigor, sujeito de direito. 5 De forma definitiva, José Augusto Rodrigues Pinto 6 encerra a questão: Empregado e empregador são figuras simetricamente opostas de uma relação jurídica. Portanto se caracterizam de acordo com as mesmas exigências da relação estabelecida, apenas com inversão dos pólos que ocupam. Assim as idéias fundamentais de pessoalidade, onerosidade, permanência e subordinação estão presentes na noção do que é empregador, ainda que em funções alteradas. Apenas no caso da empresa pública (Decreto-Lei nº 200/67, alterado pelo Decreto-Lei nº 900/69), que é um patrimônio de efeito personalizado, é que a empresa alcança a condição de pessoa jurídica, tornando-se, assim, o único sujeito de direito correspondendo à definição legal de empregador. Portanto, ainda que o legislador entenda que empresa é sujeito de direito, estando assim correta a definição de empregador contida na lei, os melhores doutrinadores pátrios sustentam que empresa não é um sujeito de 5 MORAES FILHO, Evaristo; MORAES, Antonio Carlos Flores de. Introdução ao Direito do Trabalho, Ed. São Paulo, 6ª ed., 1993, pág PINTO, José Augusto Rodrigues Curso de Direito Individual do Trabalho 2ª ed. LTr.: São Paulo, 1995.

20 20 direito, mas uma organização de bens e serviços que visa determinado fim, sendo, por isso a melhor definição de empregador a de pessoa física ou jurídica.

21 21 CAPÍTULO II CONCEITO DE TERCEIRIZAÇÃO

22 Conceito Terceirização é a ligação existente entre duas empresas decorrente de um contrato regulado pelo direito Civil, Comercial ou Administrativo, visando a realização de serviços ligados à atividade meio da empresa tomadora do serviço. Não podendo ser confundido com merchandage, que é a atividade de intermediação de mão-de-obra para a execução de serviços que constituem a atividade fim da empresa, não sendo este permitido em nosso ordenamento jurídico. Assim, através da terceirização, uma empresa desconcentra suas atividades atribuindo apara terceiros a execução de determinadas atividades secundárias, com o intuito de aumentar sua lucratividade e competitividade. Para Octávio Bueno Magano, terceirizar significa a entrega a terceiro de atividades não essenciais da empresa. Marly A. Cardone 7, entende que a terceirização é a contratação dos serviços de uma terceira empresa para fins de execução de tarefas ligadas a atividade-meio da empresa contratante, podendo se dar tanto na produção de bens como na de serviços. A terceirização também pode ser chamada de subcontratação, parceria, focalização, desverticalização e outros, mas terceirização é o mais conhecido. Cabe destacar que parceria é o nome mais utilizado no sistema moderno de administração de empresas, uma vez que denota a participação da empresa contratada no processo produtivo ao prestar determinados serviços para empresa contratante. 7 Cardone, Marly A. A Modernização do Direito do Trabalho, LTr, 1992, pág. 63

23 23 Como salienta Sergio Pinto Martins 8, desverticalização também é usado para designar a contratação de serviços de terceiros que antes eram executados por empregados da tomadora de serviço. Assim, mesmo que a legislação brasileira ainda não tenha conceituado a terceirização, apenas editado leis que regulam poucas atividades consideradas como terceirizáveis, a Justiça do Trabalho vem através de seus enunciados e de análises do caso concreto, de modo restrito permitindo-a apenas nas atividades-meio 2.2 Terceirização lícita e ilícita A terceirização, como veremos adiante, só pode ocorrer em caso de atividade-meio da empresa tomadora de serviço sob pena de se considerar a relação empregatícia com o tomador ou sua responsabilidade subsidiária pelos créditos dos empregados. Para que se possa estabelecer a diferença entre terceirização lícita e ilícita deve-se analisar se a contratação é de trabalho temporário, na forma prevista na Lei nº 6.019/74, ou seja, para suprir uma necessidade transitória da tomadora de serviço. Outra forma de terceirização lícita é aquela enquadrada na Lei nº 7102/83, ou seja, as atividades de vigilância, englobadas nestas atividades a vigilância patrimonial, a segurança de pessoas físicas, o transporte e a garantia do transporte de qualquer tipo de carga. 8 a recontratação e a desverticalização de empresas são processos de terceirização, sendo que na primeira as empresas são concentradas numa espécie de fusão, e a desverticalização é o descarte de atividades não rendosas dentro da empresa, que está mais próximo da nossa terceirização. Martins, Sergio Pinto. A tercerização e o Direito do Trabalho, Atlas, 5ª edição, pág. 20.

24 24 Ainda no grupo das terceirizações lícitas podemos incluir as atividades ligadas à conservação e limpeza, elencadas no item III, do Enunciado 331, do Colendo TST. Define-se a terceirização como licita quando não se trata de atividades ligadas a atividade-fim da tomadora, incluindo-se nesta classificação por exemplo a manutenção e operação de elevadores. Portanto, se a terceirização não se encaixar em qualquer uma das hipóteses previstas nos incisos I, II e III, do Enunciado 331, do TST, podemos classificá-las como ilícitas. 2.3 Terceirização de atividade-fim Como indicado anteriormente o empregado não se confunde com o trabalhador autônomo e/ou com o cooperado na medida em que o empregado, como visto, é subordinado ao seu empregador enquanto o trabalhador autônomo e/ou cooperado não está sob a direção de ninguém, não se sujeitando, ao Poder Diretivo do empregador. O trabalhador autônomo difere ainda do empregado porque assume os riscos de seu empreendimento, no caso do empregado, é o empregador que assume este risco. O TST, assimilando a jurisprudência dos Tribunais Regionais e a realidade social, ante a ausência de legislação proibitiva de terceirização de serviços, sumulou a matéria, admitindo-se a terceirização de atividade-meio. Assim, valendo-se da faculdade que lhe confere o artigo 8º da CLT, o TST, traçou parâmetros que legitimam a terceirização, e define as responsabilidades dos integrantes da relação em questão. A premissa básica introduzida pelo TST é de que somente atividade-meio pode ser terceirizada, visto que a

25 25 empresa tomadora deve concentrar seus esforços na atividade-fim. Em outras palavras, o TST não admite o estágio avançado de terceirização. Segundo Augusto Cezar Ferreira de Baraúna, estágio avançado de terceirização é: O estágio avançado de terceirização consiste no repasse para terceiros das atividades-chave da empresa, tais como: gestão de certos processos como implantação de qualidade total, algumas atividades de pesquisa e desenvolvimento ou, até mesmo, a gestão de outros fornecedores. Ou seja, o estágio avançado admite que seja implementada uma política de distribuição comercial de responsabilidades, onde as partes contratantes se comprometem a produzir produtos de qualidade, objetivando o aperfeiçoamento do produto final, mesmo que seja repassada tecnologia de uma empresa para a outra. Para que este novo estágio de terceirização seja plenamente assimilado pela cadeia produtiva de produtores e fornecedores nesta altura abolida a nomenclatura de tomador e fornecedores de serviços, é necessária a implementação de alguns princípios comerciais que sirva como fundamento para sua boa estruturação, tais como: um maior entrosamento entre empresa-origem e empresa-destino na

26 26 produção comercial; maior atenção da empresa-origem na tecnologia de produção e de gestão da empresa-destino; transferência de know-how para a empresa destino, desde que essa transferência se traduza em benefícios futuros para a empresa-origem e desde que não gere desvantagens estratégicas posteriores; a terceirização não deve agregar valor ao produto final etc. Esta posição doutrinária tem como base o previsto no art. 170, II e VIII da Constituição Federal, que define como princípios da ordem econômica, entre outros, a função social da propriedade e a busca do pleno emprego, sem que se deixe de priorizar que toda atividade econômica é fundada na valorização do trabalho humano e tem por fim assegurar a todos a existência digna (art. 170, caput,cf/88) Portanto, é conflitante com esses princípios a idéia de haver empreendimentos sem empregados, onde todas as atividades são terceirizadas. Seria como que se admitir a obtenção de lucros sem a contrapartida social. A terceirização de atividade-fim alcançou patamares tão alarmantes que algumas categorias profissionais como a dos profissionais de informática, incluíram em suas Convenções Coletivas dispositivos de proteção ao trabalhador vitima desta prática: Entende-se por técnico profissional de informática, o trabalhador que exerça função na qual haja uso de conhecimento e/ou de tecnologia da informação,

27 27 diretamente ligados as atividades fim da empresa, quais sejam: desenvolvimentos, licenciamento e suporte de software, manutenção técnica de hardware, treinamento em informática, consultoria técnica em informática, processamento de dados, provimento de acesso, conteúdo ou aplicação de internet e serviços técnicos correlatos baseados em tecnologia da informação. (grifo nosso) Porém, a grande dificuldade que o legislador e principalmente o julgador do caso concreto podem encontrar, reside exatamente na capacidade de diferenciar atividade-meio de atividade-fim a de se evitar a ocorrência de fraudes. Uma das primeiras tentativas de se estabelecer tal diferença está presente na CLT, art. 581, 2º, da CLT, que dispõe sobre o que seria atividade-fim: Entende-se por atividade preponderante a que caracterizar a unidade do produto, operação ou objetivo final, para cuja obtenção todas as demais atividades convirjam, exclusivamente, em regime de conexão funcional. Assim, podemos dizer que atividade-fim é aquela ligada diretamente ao núcleo da atividade empresarial, a finalidade principal da empresa. Atividade-meio é aquela que não se dirige às atividades essenciais da empresa (tarefas de apoio), sendo apenas caminho para se alcançar à atividade-fim.

28 28 Podemos citar como exemplos de atividade-meio: o trabalho temporário (Lei nº 6.019/74), serviços especializados de vigilância, consultoria jurídica, manutenção de elevadores e as atividades ligadas a conservação e limpeza. Contudo, devemos sempre lembrar que a terceirização é um fenômeno global e o que se deve evitar é a fraude e não a terceirização, pois sendo lícita e não desrespeitando os direitos básicos do trabalhador, deve ser incentivada sob pena de ser reconhecido o vinculo de emprego com o tomador ou sua responsabilidade subsidiária.

29 29 CAPÍTULO III EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL

30 30 Até a década de 30 o Brasil sempre foi uma nação predominantemente agrícola tendo passado por grandes ciclos de culturas agrícolas. Com a subida de Getúlio Vargas ao poder, no início da década de 30, dá-se partida a primeira fase de industrialização no Brasil. Com a implantação da indústria de base, num segundo momento, mais decisivo, Juscelino Kubitscheck abre às portas do país as multinacionais, principalmente do ramo automobilístico e, finalmente, a ultima fase, denominada milagre econômico, ocorrido na época do regime ditatorial militar. Porém, no contra-fluxo mundial, o Brasil implanta uma política de protecionismo da industria nacional, o que levou nossa indústria ao afastamento da modernização técnica e administrativa que o mundo industrializado desenvolvia. Com o declínio do regime ditatorial e a democratização do país passou-se a uma inevitável abertura comercial, conhecida hoje, mundialmente como globalização que obrigou o empresariado brasileiro a pensar novas formas de aprimoramento da produção e da prestação de serviços. Nesse contexto de abertura, modernização e competição internacional é que a terceirização ganha força e defensores. O fator determinante para a opção do empresariado pela terceirização é a tentativa de solucionar questões internas, como redução de custos, extinção de setores e diminuição da estrutura hierárquica da empresa. No que tange a mão-de-obra, a terceirização é inserida como fator de flexibilização, ao eliminar a tomadora de serviço os custos econômicos diretos, com

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA Luciano Rocha Mariano 1 Limita-se o presente tema acerca da terceirização perante o Direito do Trabalho, focado no âmbito empresarial privado. De plano,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES DIREITO TRABALHO Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) O artigo de hoje é

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

Contratos de prestação de serviços - Terceirização

Contratos de prestação de serviços - Terceirização Contratos de prestação de serviços - Terceirização Inicialmente há que se esclarecer quais os pontos básicos que podem definir a licitude ou ilicitude da terceirização de serviços, tendo como base as permissões

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Câmara de Coordenação e Revisão Origem: PRT 3ª Região. Interessados: Assunto: - Temas Gerais 09.10. 1. CETUS HOSPITAL DIA ONCOLOGIA LTDA 2. TERRA NOVA SERVIÇOS LTDA ME 3. SOMA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO Guilherme Brandão Advogado As principais referências legais sobre a terceirização tiveram início na década de 60, no âmbito das

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 1 TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 Michel Olivier Giraudeau 1. O conceito de terceirização Sabe-se que a expressão terceirização

Leia mais

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium 1 Aula 01 1 Princípios 1.1 Conceito Segundo palavras de Maurício Godinho Delgado os princípios correspondem à noção de proposições ideais, fundamentais, construídas a partir de uma certa realidade e que

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho ROTEIRO DE AULAS - PARTE 4 DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho Relação de Trabalho Autônomo: - Trabalhador autônomo é pessoa física que exerce por conta própria uma atividade

Leia mais

Terceirização. Ivan Luís Bertevello

Terceirização. Ivan Luís Bertevello Terceirização Ivan Luís Bertevello INTRODUÇÃO Terceirizar os serviços é delegar para outras empresas serviços e atividades não essenciais (atividades-meio) da sua empresa, a fim de que possa se concentrar

Leia mais

Contrato de Facção não é Terceirização

Contrato de Facção não é Terceirização Contrato de Facção não é Terceirização A jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho tem distinguindo com bastante clareza o contrato de facção (que fragmenta a produção delegando a sua execução a

Leia mais

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1.1 FORMAÇÃO DE LITISCONSÓRCIO PASSIVO FACULTATIVO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços;

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços; Terceirização 1. Introdução O objeto de estudo da presente aula será o fenômeno moderno representado pela terceirização de determinadas atividades pelas empresas, seja como forma de aumentar sua produtividade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel em direito pela

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006)

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, representado, neste ato, pelo Procurador Regional

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA Manuel Martín Pino Estrada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Conceito de Terceirização. 3 A Súmula nº 331 do TST e a Terceirização nas Esferas Pública

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

Segurados do Regime Geral de Previdência Social

Segurados do Regime Geral de Previdência Social Segurados do Regime Geral de Previdência Social Segurados do RGPS Segurados obrigatórios e os segurados facultativos. Segurados: são pessoas físicas que contribuem para o regime previdenciário e, por isso,

Leia mais

CONCEITO DE EMPREGADOR

CONCEITO DE EMPREGADOR Art. 1º e 2º b) estabelece normas gerais a respeito das relações de trabalho, individuais ou coletivas, observado o interesse público. c) institui as normas que regulam as relações individuais e coletivas

Leia mais

1. Trabalhadores equiparados. Temporário, avulso, representante comercial. Estagiário. 2. Terceirização de atividades.

1. Trabalhadores equiparados. Temporário, avulso, representante comercial. Estagiário. 2. Terceirização de atividades. 1. Trabalhadores equiparados. Temporário, avulso, representante comercial. Estagiário. 2. Terceirização de atividades. 1. Trabalhadores equiparados aos empregados São trabalhadores equiparados aos empregados,

Leia mais

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE Poliana Beordo 1 1. INTRODUÇÃO: Para Plácido e Silva (2002) Súmula: é o que explica o teor, ou o conteúdo integral de alguma coisa,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 7 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p CONTRATO DE TRABALHO Contrato Individual de Trabalho o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física se obriga, mediante remuneração, a prestar

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 39 TERCEIRIZAÇÃO OS ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO E DO TRABALHO. Fernanda Manfio

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO E DO TRABALHO. Fernanda Manfio UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO E DO TRABALHO Fernanda Manfio O ENQUADRAMENTO SINDICAL DOS EMPREGADOS TERCEIRIZADOS PORTO ALEGRE 2014 FERNANDA

Leia mais

Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Options, Hiring e Retainer Fee. Elidie Palma Bifano

Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Options, Hiring e Retainer Fee. Elidie Palma Bifano Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Options, Hiring e Retainer Fee Elidie Palma Bifano Conceitos necessários Contrapartida ao trabalho ou esforço humano: salário, objeto

Leia mais

Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015

Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015 Reconhecido em 10/08/1988 Código: 012.350.49525-9 Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015 Consultoria Jurídica Consulente: Sindicato dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010. DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva

Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010. DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Regime do Emprego Público Professor: Rogerio Neiva DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva = ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB art. 7 CRFB São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: art. 7 CLT Os

Leia mais

PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL. 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO

PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL. 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO Relação de emprego, conforme a CLT, é apenas para trabalhadores urbanos. Art. 7º

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 Institui mecanismo de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões de encargos trabalhistas a serem pagos às empresas contratadas para prestar

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO É. precarização. Não ao PL 4330

TERCEIRIZAÇÃO É. precarização. Não ao PL 4330 TERCEIRIZAÇÃO É precarização Não ao PL 4330 CNTC TERCEIRIZAÇÃO É PRECARIZAÇÃO NÃO AO PL 4330 TRATAMENTO JUSTO E IGUALITÁRIO para todos os trabalhadores A CNTC é contrária ao modelo de terceirização que

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Fichamento Tipos de Trabalhadores (principais) / Twitter:@AnaBarbin

Fichamento Tipos de Trabalhadores (principais) / Twitter:@AnaBarbin Fichamento Tipos de Trabalhadores (principais) / Twitter:@AnaBarbin A expressão relação de trabalho traduz um conceito mais amplo, um gênero, que abrange várias espécies: relação de emprego; trabalho autônomo;

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO AUTOR ALESSANDRA CÔRTES MARINS ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE JANEIRO 2011

Leia mais

IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO. São Paulo, 14 de abril de 2015.

IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO. São Paulo, 14 de abril de 2015. IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO São Paulo, 14 de abril de 2015. ÍNDICE Cenário Por que as empresas terceirizam? Regramento legal

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante

Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante Tema: Relações Trilaterais. Trabalho temporário. privada. Cooperativas de trabalho. Terceirização na iniciativa Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante Advogado. Professor da Faculdade de Direito

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

A terceirização por intermédio de cooperativa de trabalho

A terceirização por intermédio de cooperativa de trabalho A terceirização por intermédio de cooperativa de trabalho Texto extraído do Jus Navigandi http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=3636 Bruno de Aquino Parreira Xavier advogado, consultor cooperativista

Leia mais

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador:

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: 4.3 - CATEGORIA Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: Cód. 01 Empregado; 02 Trabalhador avulso; Categoria 03 Trabalhador não vinculado ao RGPS, mas com direito ao FGTS;

Leia mais

AULA 21. Art. 79. A rescisão do contrato poderá ser:

AULA 21. Art. 79. A rescisão do contrato poderá ser: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 21 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 21 CONTEÚDO DA AULA: Rescisão do Contrato

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. PRINCÍPIOS 1.1. Princípio da proteção / protetivo / tutelar /

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Salário e Remuneração Uma Abordagem Ipso Jure Douglas Fronza* SUMÁRIO: 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES; 2. IMPORTÂNCIA DA DIFERENCIAÇÃO SALÁRIO-REMUNERAÇÃO; 3. SALÁRIO E REMUNERAÇÃO:

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina Plano de Ensino de Disciplina VERSÃO CURRICULAR: 2008/1 DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO II CÓDIGO: DIT 106 PRÉ-REQUISITO:DIT 105 DEPARTAMENTO:DIT C.H.TOTAL:60 H/AULA CRÉDITOS:04 PERÍODO: 8º EMENTA O poder

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO I. EMPREGADOR 1. Conceito A definição celetista de empregador é a seguinte: CLT, art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Trabalhista CÓDIGO: GCT016 UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

Direito Administrativo: Organização Administrativa

Direito Administrativo: Organização Administrativa Direito Administrativo: Organização Administrativa Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Administrativo I ministrada no semestre 2014.1 do curso de Direito. Autor:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N 0 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. Autor: Deputado

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO "A conciliação é o melhor caminho para a paz"

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A conciliação é o melhor caminho para a paz ENQUADRAMENTO SINDICAL. COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL. ENQUADRAMENTO. O fator de agregação dos trabalhadores não é a profissão por eles exercida, mas a natureza da atividade preponderante do empregador

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. (ART. 442 ao 456, CLT)

CONTRATO DE TRABALHO. (ART. 442 ao 456, CLT) Direito do Trabalho Aula 02 Contrato de Trabalho; Terceirização e afins; alteração contratual Maria Inês Gerardo CONTRATO DE TRABALHO (ART. 442 ao 456, CLT) CONTRATO DE TRABALHO Requisitos de validade

Leia mais

A VISÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO E O TRATAMENTO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

A VISÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO E O TRATAMENTO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO A VISÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO E O TRATAMENTO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Dra. Adriana Calvo Mestre em Direito do Trabalho, Professora Acadêmica e Consultora Trabalhista INTRODUÇÃO

Leia mais

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 Grasiele Augusta Ferreira Nascimento 1 Introdução Um dos temas mais debatidos em Direito do Trabalho refere-se à proteção ao

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Tutela do Trabalho dos Bancários

Tutela do Trabalho dos Bancários Tutela do Trabalho dos Bancários Éder Crestanello de Oliveira 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo As relações de trabalho surgiu e ganhou projeções por volta da I Guerra Mundial na Alemanha nazista, através

Leia mais

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório.

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. APRESENTAÇÃO Fundado em 2001 Mais de 130 advogados e 360 colaboradores

Leia mais

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 O secretário de relações do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, com atuação em Brasília

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 Disciplina: Direito do Trabalho I Departamento: Direito Social e Coletivo Docente Responsável: Anselmo Domingos da Paz Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira O IPI é tributo de competência da União Federal, conforme se pode observar da análise

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: DIREITO DO TRABALHO I Curso: Direito Carga Horária: 64

Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: DIREITO DO TRABALHO I Curso: Direito Carga Horária: 64 Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: DIREITO DO TRABALHO I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito do Trabalho e Processo do Trabalho PLANO DE ENSINO EMENTA:

Leia mais

Trabalho Temporário (Lei nº 6.019, de 3/1/74, e Decreto nº 73.841, de 13/3/74);

Trabalho Temporário (Lei nº 6.019, de 3/1/74, e Decreto nº 73.841, de 13/3/74); Lição 3. Contratos Especiais de Trabalho Trabalho Rural (Lei nº 5.889, de 8/6/73, e Decreto nº 73.626, de 12/2/74); Trabalho Doméstico (Lei nº 5.859, de 11/12/72, e Decreto nº 71.885, de 9/3/73); Trabalho

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador Terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador Terceirizado Segmentos 27/02/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Portaria 1.510 De 2009... 5 3.2 Portaria 373 De 2011... 8 3.3

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais