Arte doméstica: modos de morar em fins do século XIX no Rio de Janeiro e a casa de Rui Barbosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arte doméstica: modos de morar em fins do século XIX no Rio de Janeiro e a casa de Rui Barbosa"

Transcrição

1 Arte doméstica: modos de morar em fins do século XIX no Rio de Janeiro e a casa de Rui Barbosa Marize Malta (Escola de Belas Artes / Universidade Federal do Rio de Janeiro) Nas últimas décadas do século XIX e início do século XX, momento em que Rui Barbosa e sua família residiram na casa da rua São Clemente, as artes decorativas e aplicadas ocupavam lugar de destaque nos debates artísticos em diversos centros europeus e também no Brasil. Tal situação estava sendo motivada pela ideia do importante papel da arte no dia a dia da população, como uma forma de aprimoramento do estado de civilização das nações, com a prerrogativa de aglutinar um vasto público, e, ao mesmo tempo, inserir a arte na vida cotidiana 1. Diferente da elitização com que sempre esteve relacionada, servindo a papas, reis e aristocratas, a arte passaria a estar depositada em cada matéria trivial, aplicada em várias superfícies banais, impregnada nos mais corriqueiros objetos. A arte estaria ao alcance das mãos e, assim, próxima das pessoas as mais comuns, podendo estabelecer uma relação de intimidade com cada uma delas. A partir da segunda metade do século XIX se considera que o modo de vida de uma burguesia urbana, tomado como norma, estabelece o programa da habitação e fundamenta as escolhas espaciais 2. As exigências de higiene, conforto e bem-estar teriam que ser solucionadas em termos espaciais. Somado a isso e impulsionadas pela democratização de acesso às produções artísticas, de diversas modalidades, muitas famílias burguesas, ou tomando-as como modelo, depositaram na casa o lugar privilegiado para se desenvolver a educação estética de seus filhos e para exibir sua condição privilegiada e refinada de estar no mundo. Tudo aquilo que era mostrado em casa tinha o compromisso de dizer de seu dono e seria acessado visualmente por olhos treinados a perceberem detalhes e interpretarem gosto, status cultural, nível social, personalidade. No Brasil, as grandes casas de feição colonial foram sendo substituídas por palacetes, identificados, por sua vez, pela prática de se construir moradias mais luxuosas, em relação à dimensão, ao porte e à decoração, e de procurar demarcar um desejo de representar um estilo de vida diverso da rusticidade colonial ou da amplitude espacial aristocrática, optando por um certo afrancesamento dos modos de morar. A casa passou a ter o compromisso de aparentar um novo status econômico e cultural, para além da posse da terra e da mão de obra escrava produtiva. Ela se cercava de luxo, de um luxo de gosto burguês. Termos como bom gosto, aprazível, bem-estar começaram a fazer parte do vocabulário da população de posses residente no Rio de Janeiro. A boa sociedade veio aprender a morar com estilo e a sentir necessidade de estar cercada por ambientes aprazíveis. Em 127

2 História da Vida Privada no Brasil 2, Katia de Queirós Mattoso afirma, a partir da imagem da sala de estar do Solar do Jambeiro 3, em Niterói, RJ, datada do final do século XIX: Os rústicos móveis coloniais foram substituídos por mobiliário de estilo, às vezes importado da Europa 4. O uso da locução adjetiva de estilo especifica um diferenciador à rusticidade habitual das casas e ajunta um significado qualitativo ao móvel, enfatizando a importância do estilo para a aquisição da imagem de um novo paradigma. Os elementos arquitetônicos, os móveis e os objetos deixaram de ser identificados apenas como formas operacionais para priorizarem valores estéticos e simbólicos e se tornaram destacados objetos presentes no dia a dia, ampliando suas representações e significações. No Brasil, até o século XIX, os móveis eram raros e genericamente muito simples, salvo em espaços religiosos e em alguns poucos sobrados aristocráticos. Contudo, no decorrer do século, a decoração de interiores não foi apenas esparsa coadjuvante na ambientação das casas brasileiras. A decoração assumiu papel principal nas cenas da vida doméstica 5 ; as paredes receberam coberturas diferenciadas, os tetos se revestiram de forros trabalhados, as janelas e portas se enfeitaram, os móveis se multiplicaram, adornaram-se e adquiriram um poder de representação até então pouco usual. Figura 1 Família de fazendeiros, Johann Moritz Rugendas. Tal mudança de atitude ocorreu vagarosamente e no início do século XIX ainda não era claramente visível, como podemos observar por meio do ponto de vista de vários viajantes europeus. Alguns chamavam atenção para uma imagem de precariedade dos ambientes interiores das moradias da boa sociedade carioca. Rugendas, visitante no Brasil entre 1821 e 1825, declarou: Julgando-o apenas pelo interior de sua residência, pelas suas vestimentas e pela sua alimentação, o europeu teria dificuldade em acreditar que a maioria desses colonos é abastada e que muitos deles são mesmo ricos. (...) Os móveis se reduzem, comumente, a grandes baús nos quais se guardam as vestimentas e as roupas e que servem ainda, muitas vezes, de assento ou de leito. Há, também, grandes mesas. E somente num dos quartos laterais se encontram, assim mesmo raramente, móveis mais elegantes, espelhos etc

3 A representação de posses não equivalia ao padrão europeu, bem como não havia a preocupação de ostentação e, portanto, é compreensível o depoimento em tom de surpresa de Rugendas, que denunciava o disparate entre poder aquisitivo e representatividade deste nos usos, costumes e decoração do espaço doméstico dos brasileiros. A simplicidade dos interiores pode ser corroborada pela observação das imagens documentadas por Debret, pelo próprio Rugendas e Thomas Ender, dentre outros. É comum encontrarmos interiores escassamente mobiliados e até a permanência dos hábitos das senhoras se sentarem ao chão. Décadas mais tarde (nos anos 1880), foi a vez de outro europeu Eça de Queiroz que, contrariamente a Rugendas, denunciava o despropósito da adoção dos modos europeus pelos brasileiros, denunciando: Os velhos e simples costumes foram abandonados com desdém: cada homem procurou por na cabeça uma coroa de barão e com 47 graus à sombra, as senhoras começaram a derreter dentro dos gorgorões e veludos ricos. Já nas casas não havia uma honesta cadeira de palhinha onde, ao fim do dia, o corpo encontrasse pouso e frescura: e começaram os damascos de cores fortes, os móveis de pés dourados, os reposteiros de grossas borlas, todo o pesadume de decoração estofada com que Paris e Londres as defendem da neve, e onde triunfa o Micróbio. 7 Após seis décadas do depoimento de Rugendas, o panorama doméstico, através do depoimento do romancista português, transformara-se sensivelmente, pelo menos na então capital do Império e para a classe abastada. Somado a outros relatos de viajantes estrangeiros e cronistas brasileiros notamos a importância do século XIX na construção de uma imagem civilizatória do jovem Império, a partir da observação dos interiores das casas, que está presente nos depoimentos como um dos fatores denunciadores da falta ou presença de signos de ostentação e civilidade. Segundo Maria Cecília Naclério Homem 8, analisando cerca de 300 plantas de casas paulistas da virada do XIX para o XX, a implantação, em centro de terreno e a distribuição do palacete obedeciam a esquemas franceses, com circulação feita a partir do vestíbulo e divisão da casa em três grandes zonas: estar, serviços e repouso. Por outro lado, a sala de jantar em posição central e de maior dimensão que os outros cômodos, além de próxima à cozinha, bem como um gabinete e quarto independente para hóspedes na parte fronteira do térreo demarcavam a persistência dos hábitos coloniais. Ordem, clareza nas distribuições das atividades e dos personagens que frequentavam e residiam na casa (proprietários, visitantes e empregados) foram cada vez mais bem delineados nas casas oitocentistas. Especialmente o Rio de Janeiro é marcado pelas variações de combinações entre mudanças desejadas, de ordem burguesa, capitalista, urbana, e permanências, de bases agrárias e patriarcais. Aquilo considerado rural podia ser apropriado pelas novas casas urbanas e aquilo típico das cidades caberia ser incorporado nas casas rurais (figs. 2 e 3). Essas mesclas, de múltiplas nuances, trouxeram outras tipologias de casas senhoriais os palacetes rurais, ou casas-sede das fazendas, e 129

4 os palacetes urbanos, ou casas ou mansões. Somado a isso, deve-se atentar para o fato das frequentes reformas e ampliações sofridas por muitas casas que mantiveram certas tradições e acrescentaram inovações, alcançando novas configurações. É o caso do Paço de São Cristóvão (fig.3), de cujo módulo inicial, foram acrescentadas torres, escadarias, salões, quartos, e vários outros módulos, ao longo do reinado dos dois imperadores Pedro I e Pedro II. Por outro lado, era sua dimensão que se impunha, visto que seus interiores não eram muito afinados com seu porte e importância. Sua decoração nunca mereceu elogios significativos. Figura 2 Fazenda do Secretário, 2011 (fotografia do autor). Figura 3 Vista do Paço de São Cristóvão, 182?. Jean-Baptiste Debret. 130

5 Com uma aristocracia pautada para além dos rigores da corte portuguesa e diante de um período marcado pela negociação entre uma economia mercantil assentada na escravidão e outra exportadora capitalista, com a mobilidade dos proprietários que detinham os principais meios de produção, é com dificuldade que se pode definir os senhores e suas casas senhoriais no Brasil oitocentista. Além disso, a mudança da situação política de Colônia para Império e de Império para República em um mesmo século, acirra a flutuação dos que se encontravam em posição política e financeira privilegiada. Caio Prado Júnior lembra que com o café se desenvolveu a última das três grandes aristocracias do Brasil primeiro, os senhores de engenho, depois, os grandes mineradores e, por fim, os fazendeiros do café aristocracias as quais correspondiam à elite social brasileira 9 que, para celebrar o status social alcançado, construíam novas ambientações domésticas. Frente a essa instabilidade, preferimos a acepção de boa sociedade, pelo menos para o século XIX no Brasil, que inclui homens e mulheres, livres e brancos, partícipes do mundo político imperial e responsáveis por sua ordenação, que se reconheciam e se faziam reconhecer como integrantes do almejado mundo civilizado. Ilmar de Mattos a relaciona com a classe senhorial que se fundamentou na formação da política do Estado imperial e lhe deu suporte. 10 A noção foi ampliada por Maria do Carmo Rainho, alargando o vínculo com o mundo da política, incluindo grandes negociantes, bacharéis, banqueiros, altos funcionários e profissionais liberais. A autora aponta a importância da aparência para a noção de boa sociedade, em que seus membros são aqueles que por meio da aparência e não apenas do dinheiro e do poder, deixavam visíveis as diferenças que marcavam o abismo existente entre a boa sociedade e a sociedade comum, abismo do prestígio, do estilo de vida, do acesso ao mando. 11 Figura 4 Fachada principal da Vila Maria Augusta, Revista Paratodos, ano.v, n

6 Rui Barbosa (vila Maria Augusta), Cândido Gafrée e Eduardo Guinle (palacete Guinle Paula Machado), Bento Joaquim Alves Pereira (solar do Jambeiro), por exemplo, fariam parte desse elenco, que não são senhoriais no estrito sentido do termo, mas são inegavelmente membros da boa sociedade. A casa denominada Vila Maria Augusta, homenagem de Rui Barbosa à sua esposa, foi adquirida em 1893 e ocupada a partir de 1895, quando da volta da família do exílio, passado na Inglaterra. O monumento, um museu-casa 12, é um dos poucos exemplos preservados de residência urbana aburguesada no elegante bairro de Botafogo, um dos locais preferidos da boa sociedade carioca na virada do século. A espaçosa casa ofereceu abrigo aos muitíssimos livros 13 de Rui e às práticas familiares e sociais típicas do período: chás, jantares, saraus, festas, reuniões, casamentos. A casa já tinha um porte senhorial quando foi adquirida. O primeiro proprietário Bernardo Casimiro de Freitas, depois intitulado de barão da Lagoa, construiu a casa em 1849, terminando-a em Ampliações e embelezamentos foram, ao longo de décadas, atualizando as necessidades práticas, simbólicas, psicológicas, de representação. Presume-se que as principais benfeitorias foram empreendidas por Albino de Oliveira Guimarães, o segundo dono, que vendeu a propriedade para John Roscoe Allen, de quem Rui Barbosa comprou. Durante a permanência de Rui Barbosa no exílio, a casa de Botafogo passou novamente por reformas, comandadas por Antônio Januzzi 14, adequando-se às exigências dos novos donos: ganhou mais um banheiro (contíguo ao quarto do casal); foi construída escada externa para acesso direto à biblioteca e arrumadas baias nas cocheiras; passou por pintura geral e empapelamento das paredes. As reformas, portanto, não diziam respeito apenas às questões construtivas. Incluíam escolha dos materiais de revestimento e padrões decorativos, como os papéis de parede. A questão dos papéis de parede rendeu assunto em cartas trocadas 15 entre Rui Barbosa e Antônio Jacobina. Em 23 de outubro de 1894, Jacobina escreveu que iria enviar as medidas das salas para que Rui comprasse os papéis na Inglaterra. Em fevereiro de 1895 avisava que não remeteria mais as medidas porque Januzzi se comprometera a colocar os papéis 16. Em 14 de março de 1895 informava que despachava (...) amostras dos papéis da sua casa, os melhores do Rio; nas costas estão os locais a que pertencem. Vão as medidas para tapetes das salas e corredores, larguras e alturas das janelas para cortinas, que aí serão mais baratas caso queira comprar, ainda que a despesa é tanta que não sei se vale a pena o fazê-la pois lhe dará um grande desfalque. 17 Os pequenos recortes de papéis de parede cruzaram o oceano para aquiescência e aprovação do dono e já se antecipava que os revestimentos eram de qualidade, comprados nas melhores casas do Rio (infelizmente não sobreviveram até nós). Seguindo o fluxo do tema, Jacobina recomendava compra de tapetes e 132

7 cortinas na Inglaterra, apesar de saber da grande despesa que isso acarretaria a Rui. A decoração demandava gastos e não eram superfluidades. Se o momento talvez não fosse o mais propício para a compra dos artigos da decoração, não se aventava a hipótese de não adquiri-los. Eles eram tão importantes quanto a cadeira para sentar, a comida para comer, a terra para plantar. A casa (fig. 5), com seus três salões à frente, salas para refeições, gabinetes de trabalho e biblioteca do proprietário, quartos, banheiros e dependências de serviços estava adequada para as demandas do casal Rui e Maria Augusta e seus cinco filhos. A ordenação dos cômodos, por outro lado, não seguia estritamente as normas de distribuição usualmente adotadas naquele momento 18. A área social era mesclada com cômodos da zona íntima, apesar de a presença dos corredores evitar cruzamentos indesejados. Provavelmente o imperativo da localização e dimensão da biblioteca tenham levado a essa opção. O restante da casa seguia o costume: os cômodos sociais voltavam-se para a rua salas de receber e sala de jantar (esta mais recuada), os de serviço recolhiam-se aos fundos e os íntimos abriam-se para as laterais do terreno ou se acomodavam no sobrado. Figura 5 planta-baixa da Casa de Rui Barbosa e os setores de uso. Disponível em: Há de se atentar para o fato de que na Europa, entre 1850 e 1870, ainda se encontrava o dormitório principal da casa, geralmente destinado ao casal, próximo ou mesmo interligado ao salão, modelo que se assemelhava aos apartamentos reais, fato que permaneceu até a virada do século nas casas abastadas. O quarto do casal ainda costumava se localizar contíguo à área de recepção e muitas vezes abria-se para a rua. Sendo assim, o dormitório de Rui e Maria Augusta, incrustado no bloco social, conformava-se ao modelo aristocrático de distribuição dos cômodos. Como se esperava de um componente da boa sociedade carioca de entresséculos, Rui dividia o usufruto da casa de Botafogo com a casa de veraneio de Petrópolis 19. As fachadas das duas casas já sugeriam as conveniências decorativas da 133

8 época. A casa urbana impunha-se caprichosamente com sua linha classicizante, decorações em cantaria, estuques, gradis e a composição impecavelmente ordenada. A casa petropolitana optava por linguagem menos sóbria, adotava assimetrias, configurando um ar mais informal, e despia-se dos caprichos decorativos da casa de Botafogo. A tipologia do chalé se conformava à atividade de veraneio na serra e não necessitava de artifícios que dignificassem seus moradores, pois estes aí não habitavam. A residência permanente e oficial, sim, tinha o compromisso expresso de aparentar os símbolos da distinção, distinção esperada de um homem público e intelectual como Rui Barbosa. Como decoro e decoração andavam coligadas, esperavam-se encontrar nos ambientes privados as mesmas características da personalidade e de comportamento da pessoa em público. É o que se faz crer ao lermos os textos publicados nas revistas ilustradas ou através de relatos de vários visitantes à vila Maria Augusta. No ano de 1913, o professor português José Julio Rodrigues, integrante de uma comissão que veio ao Brasil para estudar a organização do ensino público, foi levado por Oliveira Lima à casa de Rui. São estas as suas impressões: Sem nenhuma pompa exterior, a casa de São Clemente tinha a simpática característica de fugir ao rococó intolerável das grades prateadas e das estatuetas de louça vidrada, simulando Minervas idiotas ou Alcebíades patetas! Moradia grande e simples, como convinha a um propósito de recato e de estudo, sereno e equilibrado... Subindo, transportas as salas de luxo trivial, para uso de senhoras, em que nada se sentia da entidade central do templo, enveredamos pelos longos e discretos corredores em que as estantes pejadas começavam a surgir, em direção ao recesso de trabalho em que, no isolamento e no silêncio, a mentalidade de Rui se adestrava. Uma cortina erguida nos desvendou a perspectiva do célebre gabinete manuelino, antes salão de trabalho e de recepção, austero, em gótico português, privativo do ilustre jurista e só franqueado aos mais próximos amigos e visitantes de nota. Foi naquele cenário de linhas graves, no enquadramento de estantes alinhadas, de frisos esculturais marcados pela luz fosca das lâmpadas, entre as poltronas de espaldar alto e veludos amortecidos dos tapetes, que, cercado, de políticos e de amigos, eu me aproximei, pela primeira vez, da pessoa de Rui Barbosa. 20 Os salões que, aos olhos do português, não simbolizavam em nada o dono da casa, aparentavam um luxo trivial, próprio para senhoras. Esperava-se encontrar imagens que traduzissem a personalidade do homem público e, ao mesmo tempo, indicassem facetas desconhecidas, que só seriam reveladas no âmbito da intimidade. O problema incidia na compatibilização de uma idealização construída a partir das atuações públicas com a imagem que se apresentava no âmbito do privado. A decoração da casa segue uma visível hierarquia tipológica. O vestíbulo (fig.6) é todo forrado de madeira, com apainelados trabalhados com molduras e 134

9 entalhes em bico de jaca. O piso recebe ladrilho hidráulico e traz uma imagem multicolorida a contrastar com a sobriedade do ambiente de entrada. Nos cômodos de receber (fig.7) a decoração é mais complexa: nos tetos é constante o uso de relevos em estuque e da policromia com vivos matizes; as paredes recebem cores mais saturadas e padronagens salpicadas (visíveis nas fotos antigas), que preenchem toda a superfície; sobre os pisos de tabuado, tapetes eram dispostos, trazendo mais estampas aos ambientes. Na caixa de escada que leva ao sobrado, um local de circulação, paredes e teto apresentam pinturas de troféus, promovendo diversão aos olhos pela variedade de desenhos. Figuras 6 Hall de entrada - Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Figura 7 Salão nobre - Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Na zona íntima (fig. 8) há comedimento: pinturas no teto de cores suaves, paredes com delicados frisos a delimitarem as grandes áreas vazias, preenchidas com única cor ou uso de papel de parede com desenhos simplificados (listrados, pequenos buquês, etc.). Nas partes de serviço (fig. 9) os relevos desaparecem, mas não a decoração. As paredes das áreas molhadas são revestidas, em meia altura, com azulejos bizotados ou com arabescos e os corredores recebem pintura de falso mármore. Os pisos são em ladrilho hidráulico. A sala mais imponente da casa é a biblioteca (fig. 10), seja pela dimensão (é o maior cômodo da casa), seja pela decoração que privilegia as altas estantes envidraçadas cobertas de livros, finamente encadernados com letras douradas. O monograma de Rui Barbosa é estampado em dourado no frontão da maior estante, reluzindo destacadamente a identificação do dono (fig. 11). É o único 135

10 móvel da casa que recebe esse tratamento identificador, o que mostra seu grau de importância para Rui Barbosa. Figura 8 Quarto de dormir do casal Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Figura 9 Copa Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Figura 10 Salão da biblioteca Figura 11 Detalhe do frontão do armário Casa de Rui Barbosa, 2010 biblioteca com monograma RB Casa de Rui (fotografia do autor). Barbosa, 2010 (fotografia do autor). 136

11 A grande quantidade de assentos e em couro lavrado sugere a frequência dos colóquios intelectuais, gerando uma sala de visitas sui generis. Os convidados que para lá se encaminhavam já saberiam de antemão os assuntos da conversa, diferentemente da sala de visitas ou do salão nobre, em que a formalidade imperava e os temas amenos eram preferíveis. Nas salas de receber predominavam os conjuntos de assentos, que, à época, encostavam-se às paredes ou à frente dos biombos, gerando certa rigidez. Dos sofás, cadeiras e canapés, os convidados apreciavam os objetos de arte, as superfícies decorativas, os móveis mais refinados da casa. Destacava-se a atualidade do gosto oriental nos móveis em laca, nas cerâmicas e em alguns tecidos (fig. 13). As paredes, os tetos e pisos mantinham-se enfeitados. A presença de peças de cunho artístico era constante. Na sala de estar (fig. 14), Rui implementou um decorativismo de referência erudita, histórica. As paredes do cômodo ostentam pinturas pompeianas. Elas são cópias de afrescos da Casa Della Fontana Piccola, em Pompéia, a partir dos modelos tirados do álbum Pompei Casa dei Vetti, editado em Por outro lado, o formato em L do cômodo, o cruzamento de fluxo para as salas de refeição e a dimensão avantajada dos assentos, impediam um arranjo convencional dos móveis nessa sala de estar, arrumação esta que convidava a uma estada mais informal. A diversidade de estilos também era flagrante, o que trazia à ambiência uma ideia de acolhimento democrático de diversas práticas e gostos: encontros familiares, chá da tarde com amigas, conversas após as refeições, recepção dos amigos. Para as refeições havia duas salas: a de jantar (fig. 12), contígua à de estar, destinada a ocasiões formais, e a de almoço, usada cotidianamente pela família e amigos próximos. Enquanto a primeira é mais ampla, austera e ostenta maior número de móveis vitrines e apoios para enfeites, oferecendo muitas superfícies para expor as artes decorativas, a segunda tem dimensão mais acolhedora e a decoração menos formal. O grau decorativo dos cômodos da intimidade dependia do gênero (se feminino ou masculino). Em relação aos cômodos sociais, eram menos trabalhados nos seus ornamentos. Os quartos de Rui eram austeros, cercados de estantes que se entremeavam com os outros móveis. O de Maria Augusta era alegre e refinado, teto pintado com flores e querubins, assentos delicados (como que esperando as filhas para as conversas diárias), minúcias nos ornamentos, tudo harmonioso, demarcando uma certa tipologia feminina (fig. 15). O dormitório dos dois, apesar de elegante, passava uma aura casta, sem exageros ornamentais, sem muitos detalhes que remetessem ao feminino sem deixá-lo masculino. Não havia predominância de gênero nas representações, nem qualquer imagem que remetesse a licenciosidades. O genuflexório e a imagem da Virgem com Menino Jesus (cópia de Murilo) demonstravam práticas católicas, como se prescrevia aos bons pais e mães de família (fig. 8). Se o quarto unia o casal, adotando uma única cama, símbolo de uma união por amor, cada um mantinha pelo menos um quarto separado, permitindo manter 137

12 sua individualidade e não se desvencilhar por completo da regra aristocrática europeia de o casal viver em quartos separados, símbolos da convivência de duas famílias nobres e da independência dos esposos 21. Mesmo que as imagens não refletissem algum gênero em especial, como no quarto do casal, as escolhas do decorativo pareciam se direcionar a uma vontade mais feminina. Bibelôs, frufrus, enfeites, minúcias eram, geralmente, relacionados ao mundo feminino. Todavia, segundo depoimento da esposa Maria Augusta sobre Rui, ela dizia: A casa merecia-lhe um especial carinho. Era ele quem escolhia as alfaias, os móveis, os cristais, os quadros, todos os adornos de nossa residência. Era profundamente artista. As faianças, os mármores e os bronzes atraíam-no, fascinavamno extraordinariamente. As peças grandes, como os dois grandes cloisonnés de Pequim, que a Câmara Federal lhe ofereceu, mereciam-lhe estima e admiração; mas as pequeninas peças, as estatuetas, as miniaturas, eram a sua paixão e o seu culto. Ele tinha numa de suas secretárias, arrumadas por ele próprio, um bando de músicos de velho Saxe, que comprou num antiquário de Paris. Comprando ora aqui, ora ali, ele reuniu uma coleção enorme de objetos, que, ao sairmos da casa de Botafogo, foi repartida consideravelmente. 22 A maioria dos móveis foi comprada por Rui, alguns deles adquiridos em suas viagens ao estrangeiro 23 (fig. 13), outros em leilões, alguns encomendados ou comprados nas lojas do gênero. O gosto pelos detalhes, pelos pequenos objetos decorativos não era exclusividade feminina como reza a tradição. Rui demonstrava interesse pelas artes decorativas e visuais. No acervo da biblioteca de Rui Barbosa podemos encontrar catálogos de galerias de arte, livros sobre os grandes pintores europeus, as exposições universais francesas 24, catálogos de móveis de empresas inglesas. Nessas publicações encontramos as anotações de Rui, principalmente nos textos que tratam de arte oriental, situação que sublinha uma preferência. Além disso, Rui era constantemente presenteado, com esculturas, principalmente. Observando o catálogo do leilão de seus bens, que ocorreu em 23 de dezembro de 1924, foram postos a venda 45 estátuas, a maioria com seus respectivos pedestais 25. O mobiliário da casa apresenta, no geral, feição mais austera, onde a influência francesa é branda, contestando a questão do (...) peso acumulativo da tradição francófila 26 na boa sociedade brasileira. Predominava o gosto pelo comedimento, pelas madeiras naturais, ora claras, ora escuras, por desenhos simples, linhas retas. É raro se ver os dourados, as curvas pronunciadas, os entalhes profundos, mesmo nos móveis dos cômodos sociais, onde seriam comumente encontrados. Preferia-se a planaridade, os detalhes sutis, uma certa sobriedade mesclada a uma delicadeza, conferindo ao conjunto de móveis ruianos simplicidade e refinamento. 138

13 Figura 12 Sala de jantar Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Figura 13 Sala de música Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Figura 14 Sala de estar Casa de Rui Figura 15 Quarto de vestir de Maria Barbosa, 2010 (fotografia do autor). Augusta Casa de Rui Barbosa, 2010 (fotografia do autor). 139

14 Além dos móveis preferencialmente ingleses, há presença de móveis antigos brasileiros e de outros que aludem aos luso-brasileiros. As referências do passado colonial não foram escondidas nos porões, como se imaginava, interagiam com a nova realidade. Tradição e contemporaneidade conviviam. As línguas inglesas, francesas, holandesas, espanholas dialogavam com a portuguesa. Um decorativo brasileiro se delineava nessa heteroglossia. Um gosto particular se configurava, voltando olhos interessados para dentro das casas. Como o próprio Rui Barbosa declarava: Essa aristocracia do espírito que o gosto pressupõe não depende absolutamente da riqueza, mas da elevação das impressões na nobilitação do sentimento, da inteligência delicada das relações entre o indivíduo e o mundo exterior, condições que o tornam compatível com a mediania das classes laboriosas 27. Esse gosto burguês, mediano, acabou por desenvolver uma arte peculiar: aprazível, decorativa, ao alcance das mãos. A arte doméstica, tal qual encontrada nas ambientações da casa de Rui Barbosa, foi a verdadeira arte que predominou nos lares finisseculares e moldou o gosto de quase toda a nação. Notas e referências 1. MANGONE, Fabio. La storia, gli stili, il quotidiano. In:. Architettura e artiapplicate fra teoria e progetto. La storia, gli stili, il quotidiano Napoli: Electa, 2005, p p ELEB, Monique; DEBARRE, Anne. L invention de l habitation moderne Paris Bruxelles: Hazan / Archives d Architecture Moderne, A fotografia apresentada no livro não identifica o local. Pudemos identificá-la através de pesquisa documental e iconográfica sobre o Solar do Jambeiro. 4. MATTOSO, Kátia M. de Queirós. A opulência na província da Bahia. In: : ALENCASTRO, Luiz Felipe (org). História da vida privada no Brasil 2 Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, p MALTA, Marize. O olhar decorativo: ambientes domésticos em fins do século XIX no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mauad X/Faperj, RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem pitoresca através do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, p Eça de Querioz apud TENREIRO, Joaquim. Móvel brasileiro, um pouco de sua história. Arquitetura - revista do Instituto de Arquitetos do Brasil, Rio de Janeiro, n. 31, p , jan p HOMEM, Maria Cecília Naclério. O palacete paulistano e outras formas urbanas de morar da elite cafeeira: São Paulo: Martins Fontes, PRADO JR., Caio. História econômica do Brasil. 18 ed. São Paulo: Brasiliense, p MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo Saquarema: a formação do Estado imperial. 5 ed. São Paulo: Hucitec, RAINHO, Maria do Carmo Teixeira. A cidade e a moda: novas pretensões, novas distinções - Rio de Janeiro, século XIX. Brasília: Ed. UnB, O museu de Rui Barbosa é o primeiro museu-casa brasileiro. Como tal apresenta praticamente todos os cômodos ocupados com seus móveis originais, do modo mais fidedigno possível à época de Rui, trabalho que demandou muitos anos de pesquisa da equipe de museólogos da Fundação. Há cerca de duas mil peças catalogadas e classificadas. Com respeito à formação do acervo, ver depoimento da museóloga REIS, Cláudia Barbosa. Painel 2 A Pesquisa sobre o Acervo. In: Seminário sobre museus-casas, 4, 2002, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, Disponível em: <http://www.casaruibarbosa.gov.br>. Acesso em ago A biblioteca de Rui conta com cerca de 37 mil volumes. Os livros, adquiridos junto com o imóvel, 140

15 são mantidos no local em que Rui os dispôs, o que faz com que a casa possua uma original coleção de tipos de armários-bibliotecas. 14. Em carta de 19 outubro de 1893 para Rui Barbosa, Antônio Jacobina comentou que Januzzi pedira dez contos para dar continuidade à obra, a qual não deveria parar em virtude de seu estado adiantado. O primo de Rui lamentava a permanência da obra sem que houvesse alguém acompanhando o serviço de perto e sem a presença do dono que se encontrava no exílio, em Londres. Cf., Carta de Antonio de Araújo Ferreira Jacobina para Rui Barbosa. Rio de Janeiro, 19 out Arquivo da Fundação Casa de Rui Barbosa, pasta CRF Cartas de Antonio de Araújo Ferreira Jacobina para Rui Barbosa. Rio de Janeiro, Arquivo da Fundação Casa de Rui Barbosa, pasta CRF Carta de Antonio de Araújo Ferreira Jacobina para Rui Barbosa. Rio de Janeiro, 9 fev Arquivo da Fundação Casa de Rui Barbosa, pasta CRF 731, documento CR 731 (39), Carta de Antonio de Araújo Ferreira Jacobina para Rui Barbosa. Rio de Janeiro, 14 mar Arquivo da Fundação Casa de Rui Barbosa, pasta CRF 731, documento CR 731 (41), GERE, Charlotte. Nineteenth-century decoration; the art of the interior. New York: Harry N. Abrams, 1989; PORTER, John R. Living in style: fine furniture in victorian Quebec. Montreal: The Montreal Museum of Fine Arts, 1993; ELEB, Monique; DEBARRE, Anne. Architecturre de la vie privée. Bruxelles: A.A.M., 1989 e L invention de l habitation moderne: Paris Bruxelles, Hazan, Alguns poucos móveis que pertenceram à casa de Petrópolis compõem hoje o acervo do museu do Rio de Janeiro. Os demais estão localizados em Salvador, Bahia, na casa em que Rui Barbosa morou na infância, funcionando como museu desde RODRIGUES, José Julio. A figura, a casa e o meio de Rui. In: Silhuetas e visões. Faro: Cácima, [s.d]. p Cfme. ELEB, 1995, op.cit. 22. Depoimento de Maria Augusta Rui Barbosa. Apud. REIS, Cláudia Barbosa, Álbum de objetos decorativos. Rio de Janeiro: FCRB, p Há peças da Argentina, Inglaterra, Espanha e Holanda, países em que Rui teve estada. 24. DIDRON, M. Ed. Rapport d ensemble sur les arts décoratifs. Exposition Universele Internationale de 1878 à Paris. Paris: Imprimerie Nationale, Jornal do Comércio, Rio de Janeiro,domingo, 21 de Dez NEEDELL, Jeffrey D. Belle Époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, p Citado por BARBOSA, Mario de Lima. Um dos pendores de Rui. Revista Branco, n. 9, out.-nov. 1949, p

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Entre que a casa é sua! (Reconstituição virtual dos interiores do Museu Casa de Rui Barbosa) Coordenador

Leia mais

Leveza para morar MORAR VISITE O DECORADO. Luptat alit nullaor periure mincip eugait ipit dolesto ipsusciliasas ectet periure mincip

Leveza para morar MORAR VISITE O DECORADO. Luptat alit nullaor periure mincip eugait ipit dolesto ipsusciliasas ectet periure mincip MORAR VISITE O DECORADO Leveza para morar Além de três quartos, sala ampliada e muito espaço para a interação, o apê tem área de churrasco e delicadezas por todos os ambientes TEXTO DOUGLAS GALAN FOTOS

Leia mais

Guia de Estilos de Decoração. Volume 1

Guia de Estilos de Decoração. Volume 1 Guia de Estilos de Decoração Volume 1 Índice de Estilos Clean Romântico Retrô Rústico Clássico Contemporâneo Decoração é uma arte, um dom. Como diz o dicionário, decorar é o ato de embelezar, aformosear,

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

SofiSticação despojada

SofiSticação despojada [ D E C O R A Ç Ã O ] Sofá na cor uva ganha destaque em meio à decoração sóbria com cores neutras e poucos modismos, apartamento de jovem casal ganha requinte na medida certa A busca do casamento perfeito

Leia mais

Mais amarelo na sala de jantar, no assento das Side Chairs (1952), de Harry Bertoia, da Knoll, e no cocar indígena, de uma tribo do Amazonas,

Mais amarelo na sala de jantar, no assento das Side Chairs (1952), de Harry Bertoia, da Knoll, e no cocar indígena, de uma tribo do Amazonas, tropical chic Apaixonado pelo Brasil, onde viveu sua infância, e pelo design dos anos 1950 e 1960, o francês Serge Cajfinger, presidente e diretor artístico da grife Paule Ka, mesclou as duas inspirações

Leia mais

Praticidade com requinte

Praticidade com requinte Praticidade com requinte Criar um projeto aconchegante e sofisticado para receber a família e, ao mesmo tempo, prático e funcional. Essa foi a linha seguida pela designer de interiores ao planejar este

Leia mais

soluções ++ Escorrega!

soluções ++ Escorrega! soluções ++ Escorrega! Por: Luciana Porfírio Imagens: Eric Laignel e David Hotson Um tobogã dentro de um luxuoso apartamento? Sim, isso é possível no projeto criado por David Hotson e Ghislane Viñas em

Leia mais

Estação Guanabara 2001

Estação Guanabara 2001 Anexo 1.30 Estação Guanabara 2001 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Mário Siqueira, Campinas SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: desconhecida. Data da Construção: 1915. Área do Terreno:

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia c a s e Escritório Iluminação contribui com identidade visual Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia INAUGURADA EM OUTUBRO DE 2007, A NOVA SEDE da CEAgro, localizada em Campinas, interior

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

Alegria. Internacional. que contagia

Alegria. Internacional. que contagia Internacional Texto Patricia Galleto Fotos divulgação ARte Beth Nito Alegria que contagia O estilo remete ora ao shabby chic, ora ao contemporâneo. O resultado dessa mistura é uma casa cheia de vida, incrementada

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Elaboração De Projeto De Design e Interiores

Elaboração De Projeto De Design e Interiores Elaboração De Projeto De Design e Interiores São Paulo, 01/01/2010 KASA CONCEITO Nome: Schaelle Caetano Campos ABD: 9103 - Designer de Interiores Tel: 11 2979 3780 7746 4246 E-mail: schaelle@kasaconceito.com.br

Leia mais

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois antes e depois Texto: M.N.Nunes Fotos: divulgação (antes)/jomar Bragança (depois) De roupa nova com 45 mil A ardósia deu lugar ao porcelanato e ao mármore, as esquadrias de ferro desapareceram e o vidro

Leia mais

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG casa Wilderness A construção, assimétrica, quebrada, composta por múltiplos volumes, que se contraem ou se expandem do corpo principal, reinventa, contemporânea, as tradicionais casas de campo britânicas.

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 10 Por Tania Eustáquio Reformas Para mostrar como é possível fazer interferências na arquitetura de um imóvel sem dor de cabeça com obras, prazos e orçamento,

Leia mais

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos sob medida projetos Referência FAMILIAR A decoração desta moradia, no Estoril, ficou a cargo das arquitetas de interiores Maria Ana Franco e Teresa Matos Correia, da Fusion. TEXTO: patrícia ROCHA PRODUÇÃO:

Leia mais

apartamento A sala foi ampliada com vidros e uma caixa de madeira que emoludura o ambiente. Tudo para garantir a vista panorâmica da cidade

apartamento A sala foi ampliada com vidros e uma caixa de madeira que emoludura o ambiente. Tudo para garantir a vista panorâmica da cidade apartamento São Paulo. SP A sala foi ampliada com vidros e uma caixa de madeira que emoludura o ambiente. Tudo para garantir a vista panorâmica da cidade Projeto: Maurício Karam Por: Nathália Braga Fotos:

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica e Gótica 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica O estilo românico germinou, desde o final do século X até XIII. Sua denominação foi dada por arqueólogos do século XIX, quando

Leia mais

Grande em todos os sentidos

Grande em todos os sentidos Arquitetura Maurício Karam Paisagismo Gilberto Elkis Fotos Sérgio Israel Grande em todos os sentidos 62 CASA DE CAMPO Espaçosa, confortável e elegante, a casa tem atrações para toda a família e espaço

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa

Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa 18 Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva APRESENTAÇÃO Instalado no Palácio

Leia mais

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio Foto Sérgio Israel Com a chegada da estação fria, vem também a oportunidade de tirar do armário os tapetes felpudos, as mantas de tricô e as almofadas de veludo. É o período do ano em que a casa se torna

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

Hotel das Paineiras - Varanda. Hotel das Paineiras

Hotel das Paineiras - Varanda. Hotel das Paineiras Hotel das Paineiras - Varanda Hotel das Paineiras Em janeiro de 1882, o Imperador D. Pedro II Unidos. Nesse dia, o imperador Pedro II e da Estrada de Ferro do Corcovado. O prédio concedeu aos engenheiros

Leia mais

Tecnologia LED reforça conceito de sustentabilidade em projeto do Grupo SustentaX

Tecnologia LED reforça conceito de sustentabilidade em projeto do Grupo SustentaX Tecnologia LED reforça conceito de sustentabilidade em projeto do Grupo SustentaX Golden é parceira de iluminação no projeto Casa Sustentável São Paulo ganha residência como referência de construção sustentável

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades CIANO MAGENTA AMARELOPRETO Casa & Construção É tempo de renovação A atmosfera é de renovação, regeneração, expectativas e esperanças. Páscoa vem do hebraico Pessach e significa passagem. A Ressurreição

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

Os Móveis da Casa Reis

Os Móveis da Casa Reis Os Móveis da Casa Reis 1 Este texto tem como objectivo dar a conhecer os móveis que fazem parte da riqueza da Ourivesaria Reis, no Porto. Foi fundada em 1880 por António Alves dos Reis, pai de Seraphim

Leia mais

Residencial. Poucos móveis e muito espaço: minimalista, a casa aposta em espaço para circulação

Residencial. Poucos móveis e muito espaço: minimalista, a casa aposta em espaço para circulação Residencial Poucos móveis e muito espaço: minimalista, a casa aposta em espaço para circulação 22 outono NAS CORES DO Casa de 230m² é aposta em tons terrosos, integração de ambientes e muita iluminação

Leia mais

Totalmente erguida em alvenaria estrutural, Obra racionalizada ARQUITETURA

Totalmente erguida em alvenaria estrutural, Obra racionalizada ARQUITETURA ARQUITETURA Obra racionalizada A alvenaria estrutural reduziu os custos da construção deste sobrado, que, apesar do método construtivo, tem cômodos integrados, no maior estilo contemporâneo POR CÍNTIA

Leia mais

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura arquitetura Rua do olhar texto Rodrigo Apolloni imagens Rafael dabul Descansar o olhar sobre certas fachadas, sobre certas casas, pode ser uma experiência reveladora em Curitiba. Uma cidade de mil arquiteturas,

Leia mais

Montando o seu Escritório

Montando o seu Escritório Montando o seu Escritório SAIBA COMO MONTAR UM AMBIENTE ADEQUADO AO TRABALHO Independentemente de ser um escritório comercial ou um home office, na hora de se decorar um escritório, é preciso atenção a

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural Denominação: Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia Localização:

Leia mais

O QUE É SER ALTO PADRÃO?

O QUE É SER ALTO PADRÃO? O PRODUTO IMPERADOR Concebido para atender as exigências do mercado de Alto Padrão, o produto conta com tudo que hoje é imprescindível para diferenciá-lo dos demais. Imponência, estilo único, elegância

Leia mais

O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico

O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico Dr. Luciano Migliaccio* FAU / USP Doutoranda Eliana Ambrosio** UNICAMP Esta apresentação é parte de uma pesquisa

Leia mais

monotonia Longe da Primeira morada do casal, este apartamento expressa um jeito de viver jovem e descolado 78 casa&construção

monotonia Longe da Primeira morada do casal, este apartamento expressa um jeito de viver jovem e descolado 78 casa&construção Longe da monotonia Primeira morada do casal, este apartamento expressa um jeito de viver jovem e descolado texto GABRIELA MESCHINI fotos MARIANA ORSI / DIVULGAÇÃO 78 casa&construção Sem limites Algumas

Leia mais

Nossos internautas: São bem formados e informados. Frequentadores assíduos do site 58% 52% 53%

Nossos internautas: São bem formados e informados. Frequentadores assíduos do site 58% 52% 53% Audiência Nossos internautas: São bem formados e informados Frequentadores assíduos do site Usam a internet para pesquisar preços e fazer compras Têm renda própria 58% 52% dizem que o site faz parte de

Leia mais

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre 8º Ano Artes 2º bimestre BARROCO A arte barroca desenvolveu-se no século XVII, num período muito importante da história da civilização ocidental, pois nele ocorreram mudança que deram nova feição à Europa

Leia mais

2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi

2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi 30 2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi convidado para projetar o Hotel Imperial em Tóquio, no Japão. A obra deveria

Leia mais

Registro de Incorporação Nº R-4-36.611 no 3º Ofício de Registro de Imóveis de Blumenau.

Registro de Incorporação Nº R-4-36.611 no 3º Ofício de Registro de Imóveis de Blumenau. Registro de Incorporação Nº R-4-36.611 no 3º Ofício de Registro de Imóveis de Blumenau. Imagens meramente ilustrativas. Perspectiva artística da fachada. As tonalidades das cores apresentadas podem sofrer

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta ISSN 2236-0719 Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta Universidade Estadual de Campinas Outubro 2011 Apresentação de Mesa-Redonda - 5 Carlos Gonçalves Terra

Leia mais

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Conceito de marketing: visão ampla Identificação das necessidades dos clientes

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

Vitrallis. Um novo modo de viver. Bem melhor.

Vitrallis. Um novo modo de viver. Bem melhor. Vitrallis. Um novo modo de viver. Bem melhor. Criamos o Vitrallis como um condomínio completo, pensado para os dias de hoje e para o seu futuro. Nos primeiros pavimentos, você encontrará todas as conveniências,

Leia mais

em evidência Arte e design INTERNACIONAL nova york. EUA

em evidência Arte e design INTERNACIONAL nova york. EUA INTERNACIONAL nova york. EUA Arte e design em evidência Decoração minimalista, peças contemporâneas, pitadas do estilo retrô e móveis e acessórios assinados compõem o décor Projeto: Carol Egan Texto: Érika

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Barroco. www.roginei.com.br

Barroco. www.roginei.com.br Barroco As origens da palavra são incertas. Talvez venha do português barroco ou do espanhol berrueco, que significa pérola de formato irregular. O Juízo Final (1536-1541) afresco de Michelangelo Capela

Leia mais

SALAS DE TV. Casa & Construção

SALAS DE TV. Casa & Construção CIANO MAGENTA AMARELOPRETO Casa & Construção SALAS DE TV A sala de televisão ocupa lugar de honra em muitas residências. Em tempos de Copa do Mundo então, apresentam-se como ambientes para receber amigos

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

Iluminação ponto a ponto

Iluminação ponto a ponto luminotécnico Iluminação ponto a ponto Atender aos diferentes usos de cada ambiente sem deixar de proporcionar muito conforto aos moradores: eis os objetivos da proposta luminotécnica dessa casa em Itu,

Leia mais

country Bragança Paulista Texto Cláudia Nogueira Fotos Sérgio Israel 60 CASAMIX CASAMIX 61

country Bragança Paulista Texto Cláudia Nogueira Fotos Sérgio Israel 60 CASAMIX CASAMIX 61 Bragança Paulista Tempero country A opção pelo rústico e um singular tempero country chique, transportou para esta morada, localizada em um condomíno fechado, todo o clima de casa de campo moderna Texto

Leia mais

Programa Educativo 22 de outubro a 18 de dezembro Local: Horários: Serviço:

Programa Educativo 22 de outubro a 18 de dezembro Local: Horários: Serviço: O OLHAR VIAJANTE Casa Fiat de Cultura apresenta, a partir de 22 de outubro, 184 obras de viajantes europeus que retrataram o Brasil ao longo do século XIX A chegada da corte portuguesa ao Brasil e a conseqüente

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

Curta. metragem. escritório vencedor. Por deborah apsan (visual) e lara muniz (texto) Projeto superlimão studio Fotos maíra acayaba

Curta. metragem. escritório vencedor. Por deborah apsan (visual) e lara muniz (texto) Projeto superlimão studio Fotos maíra acayaba escritório vencedor 2012 Curta metragem Andando de bicicleta rumo ao trabalho, Alexandre viu a casa de vila, hoje com 120 m 2, onde moraria com a mulher. No meio do projeto, a surpresa: Thomaz estava a

Leia mais

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto Museu Nacional de Soares dos Reis Porto 4 Museu Nacional de Soares dos Reis APRESENTAÇÃO O Museu ocupa, desde 1940, o Palácio dos Carrancas, construído nos finais do séc. XVIII para habitação e fábrica

Leia mais

internacional miami beach. EUA

internacional miami beach. EUA INTERNACIONAL internacional miami beach. EUA Apogeu decorativo em Miami Beach No bairro Apogee, em Miami, nos Estados Unidos, a decoração do apartamento com vista para o mar abusa de colecionáveis e enche

Leia mais

INTERNACIONAL. internacional MIAMI BEACH. EUA APOGEU DECORATIVO

INTERNACIONAL. internacional MIAMI BEACH. EUA APOGEU DECORATIVO INTERNACIONAL internacional MIAMI BEACH. EUA APOGEU DECORATIVO EM MIAMI BEACH NO BAIRRO APOGEE, EM MIAMI, NOS ESTADOS UNIDOS, A DECORAÇÃO DO APARTAMENTO COM VISTA PARA O MAR ABUSA DE COLECIONÁVEIS E ENCHE

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe.

A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe. A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe. A felicidade tem endereço certo. Residencial. Privilegiado. Completo. É assim o Bairro de Fátima. Uma das regiões mais valorizadas de Fortaleza. Central,

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL

O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL Eliana Maria Tancredi Zmyslowski Mestranda Universidade Anhembi Morumbi eliana.zmyslowski@globo.com Resumo

Leia mais

www.vendocasaalpha.com.br

www.vendocasaalpha.com.br www.vendocasaalpha.com.br Vendo casa no Alphaville Lagoa dos Ingleses, condomínio das Árvores (UH3), imóvel novo com Habite-se recente. Contato: leomuradas@gmail.com ou (31) 9146-8539 A casa foi construída

Leia mais

Deguste. com os olhos

Deguste. com os olhos 2 ARQUITETURA & DECORAÇÃO Especial A&D Projeto MAINA HARBOE Por Por Fernanda Pinho Fotos Marcelo Stammer Deguste com os olhos Quente, sofisticado e atemporal. Características que podem ser atribuídas ao

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

Patricia Marinho. destaque. 1 Cores e formas 2 Cartão-postal 3 Biblioteca Rui Barbosa 4 Integração 5 No balanço do mar

Patricia Marinho. destaque. 1 Cores e formas 2 Cartão-postal 3 Biblioteca Rui Barbosa 4 Integração 5 No balanço do mar retrato Patricia Parinejad destaque Patricia Marinho Arquiteta carioca apresenta alguns de seus principais parceiros na Cidade Maravilhosa 1 Cores e formas 2 Cartão-postal 3 Biblioteca Rui Barbosa 4 Integração

Leia mais

espaços marcantes Jocymara Nicolau e Andréa Posonski

espaços marcantes Jocymara Nicolau e Andréa Posonski Jocymara Nicolau e Andréa Posonski Rua Buenos Aires, 441 / 111. Batel Curitiba / PR (41) 3324.8592 www.np.arq.br espaços marcantes O projeto de interiores desta casa previu a criação de ambientes especiais

Leia mais

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes,

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes, Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII. O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa

Leia mais

Apartamento Janelas Verdes 74

Apartamento Janelas Verdes 74 JANELAS VERDES 74 Apartamento Janelas Verdes 74 Maio 2015 localização área bruta tipologia Rua das Janelas Verdes, 74-1ºD - Lisboa Portugal 38.70567,-9.16014 150 m 2 + 20 m 2 [pátio + varandas] T3 Bairro

Leia mais

Sua vida em versão luxo.

Sua vida em versão luxo. Sua vida em versão luxo. Sua vida merece ser compartilhada e apreciada num cenário inspirador para o seu dia-a-dia. Onde a proximidade com o trabalho, com o clube e com as coisas boas que a cidade oferece

Leia mais

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69 quente, adentrei a casa desta família; uma grade alta fazia a limitação entre o espaço público e o privado, aquele afastamento frontal demonstrava que se tratava de uma edificação que não se enquadrava

Leia mais

Bem-vindo ao Horizontes, no plural, como tudo o que a sua vida merece.

Bem-vindo ao Horizontes, no plural, como tudo o que a sua vida merece. Bem-vindo ao Horizontes, no plural, como tudo o que a sua vida merece. A EKO traz para Arujá um conceito inédito que une o conforto de uma casa às comodidades e à segurança de um apartamento, principalmente

Leia mais

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 6 3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 3.3.. O projeto: Implantação e áreas livres de uso comum Os materiais não se podem construir em si mesmo. São os homens que projetam e executam.

Leia mais

Tecidos e suas combinações

Tecidos e suas combinações www.casa.com.br/curso-decoracao Aula 1 Em um espaço decorado por ele e cercado de amostras e bandeiras de tecidos, o designer de interiores Fernando Piva ensinou como forrar corretamente os estofados,

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

para fora bordado moderno designers incorporam a técnica artesanal em peças exclusivas

para fora bordado moderno designers incorporam a técnica artesanal em peças exclusivas casa vogue 313 de dentro para fora setembro 2011 www.casavogue.com.br abril 2011 nº 313 setembro 2011 r$ 14,90 os novos arranjos dos top floristas brasileiros bordado moderno designers incorporam a técnica

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

Barroco Local / Espaço, Versalhes

Barroco Local / Espaço, Versalhes Barroco Local / Espaço, Versalhes O local Os palcos: a corte, a igreja, a academia O palco no reinado de Luís XIV Os palcos : a Corte, a Igreja e a Academia. A morada do rei - A Corte - tornou-se por isso

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

É neste pequeno e muito charmoso chalé abraçado pela natureza que o proprietário descansa e recarrega as energias para voltar ao trabalho

É neste pequeno e muito charmoso chalé abraçado pela natureza que o proprietário descansa e recarrega as energias para voltar ao trabalho chalés Refugiado na mata É neste pequeno e muito charmoso chalé abraçado pela natureza que o proprietário descansa e recarrega as energias para voltar ao trabalho Texto: Daniella Grinbergas Fotos: Pedro

Leia mais

ENTRE O CHARME DO BAIRRO PETRÓPOLIS E A INFRAESTRUTURA DO JARDIM BOTÂNICO, FIQUE COM OS DOIS!

ENTRE O CHARME DO BAIRRO PETRÓPOLIS E A INFRAESTRUTURA DO JARDIM BOTÂNICO, FIQUE COM OS DOIS! ENTRE O CHARME DO BAIRRO PETRÓPOLIS E A INFRAESTRUTURA DO JARDIM BOTÂNICO, FIQUE COM OS DOIS! Uma torre única, fachada feita com pastilhas de alta qualidade, incrível para você. RUA GUILHERME ALVES, 603

Leia mais

Alocalização não poderia ser

Alocalização não poderia ser %HermesFileInfo:F-6:20130714: 6 interiores Em meio à agitação de Nova York, arquiteta imprime luminosidade rara ao cotidiano familiar Cheio de luz Marcelo Lima / REPORTAGEM Alocalização não poderia ser

Leia mais

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 Pintura 452 "CENA DA PAIXÃO DE CRISTO", óleo sobre tela, moldura em madeira pintada de negro e

Leia mais

Doce abrigo. ninho decoração. Texto Stéphanie Durante Realização Nuria Uliana Fotos Edu Castello

Doce abrigo. ninho decoração. Texto Stéphanie Durante Realização Nuria Uliana Fotos Edu Castello Fachada Com estrutura de toras de eucalipto citriodora e detalhes de pedras da região de Luminosa, MG, a cabana fica em terreno alto na Serra da Mantiqueira. A claraboia ilumina a sala de estar Doce abrigo

Leia mais

Móveis Antigos. Baú de Madeira Restaurado. Maio 2011 pag 3

Móveis Antigos. Baú de Madeira Restaurado. Maio 2011 pag 3 Os preços e valores constantes deste catálogo substituem os apresentados nas versões anteriores. Visite o nosso site: http://coisasantigas.webnode.com.br/ Catálogo Maio/2.011 Móveis Antigos...3 Baú de

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais