Alexandra Paúl Oncologia Pediátrica, Hospital Pediátrico de Coimbra

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alexandra Paúl Oncologia Pediátrica, Hospital Pediátrico de Coimbra"

Transcrição

1 Alexandra Paúl Oncologia Pediátrica, Hospital Pediátrico de Coimbra

2 Quando o diagnóstico de cancro surge numa criança ou num adolescente, todas as suas rotinas diárias se alteram e este e sua família irão ter que aprender a lidar com perdas ou mudanças súbitas dos hábitos normais do dia a dia. ESCOLA

3 A maioria das crianças e dos adolescentes vê a escola não apenas como o sítio de aprendizagem mas também como um local de diversão e de amizade.

4 Dúvidas Medos Respostas Afastamento Ausência Saudade APOIO a estas crianças: bem mais do que apenas cuidados médicos multi-disciplinar papel ativo de pais, professores, amigos, entre outros

5 Doente e pais informar e planear Informar a escola Manter contacto com a escola Planear o regresso à escola Medicação Conselhos / indicações específicas Precauções especiais Tratamentos de emergência Proibições Contactos sos

6 Adolescentes Manter-se envolvido durante o período de ausência Manter contacto com os colegas e professores da escola No regresso, estar preparado para: Dúvidas e comentários por parte dos colegas de escola Diferentes maneiras de reagir dos colegas Colegas mais próximos compreendem melhor e são mais solidários Adequar estratégias de coping Possibilidade de reiniciar escola em tempo parcial

7 Adolescentes Preocupações frequentes: Auto-imagem / imagem corporal Auto-estima Aceitação dos pares Ter noção de que: Pedir ajuda quando necessário é NORMAL A vida continua e é mais do que apenas a doença Falar abertamente sobre o cancro ajuda a ultrapassar

8 Pais: a escola pode não ser um local seguro para o filho: Medo de infecções Medo de bulling / segregação Medo de afastamento / depressão

9 Professores Conhecimento sobre a doença, tratamento, efeitos 2ºs Impacto da doença no dia a dia na escola e limitações Informações úteis ao staff da escola (permissões, alertas, avisos, proibições, etc..) Informar e atualizar os pais Relação cooperativa

10 Professores Atualizar sobre o trabalho na escola (período de ausência) Inter-articular com a equipa do hospital Fornecer matéria / material de apoio Avaliar sempre que possível Teleaulas / skype..

11 Professores Preparar os colegas - esclarecer, tirar dúvidas, aconselhar Envolver a turma no apoio necessário Considerar reduzir turma (regresso às aulas) Vigiar A criança / adolescente A turma e sua interacção

12 Escola: dar respostas às necessidades Necessidades especiais Alterações neuro-cognitivas e emocionais Apoio escolar (professores, aulas) Ensino especial Equipamento específico Apoio psicológico

13 Escola: dar respostas às necessidades Necessidades especiais Limitações físicas Mobilidade na escola e participação no desporto Períodos de pausa ou descanço Micções / dejecções Alimentação e hidratação Equipamento específico

14 Preocupações do foro médico Infecções Imunizações Sequelas da doença Sequelas e/ou efeitos 2ºs de tratamentos Situações de emergência

15 Questionário Idade na altura do diagnóstico e actual Tipo de tumor Tratamento: Quimioterapia Radioterapia Cirurgia Transplante de medula Escola durante o tratamento? Tempo de ausência da escola?

16 Questionário Contacto com a matéria durante o tempo de ausência? Onde: Hospital? Em casa? Ambos? Quem apoiou? Professores? Colegas ou amigos? Pais? Outros? Contacto com os professores ou colegas durante o tempo de ausência? De que forma: Pessoalmente; por ; via skype; telemóvel outros

17 Questionário Informação dada à escola aquando do diagnóstico? Que informações foram dadas ou pedidas? Tipo de tumor Tratamentos a fazer Tempo de ausência Possibilidade de conseguires manter contacto com a escola Possibilidade de conseguires ter acesso à matéria dada Tempo após terminar tratamento para regressar à escola? Aviso prévio ao regresso à escola? De que forma: pessoalmente; por ; via skype; por telemóvel

18 Questionário Preocupações relativas ao regresso à escola? Medo de infecções Medo de ser foco de atenção Medo dos colegas gozarem Medo de ser deixado de lado Medo de não conseguir acompanhar a matéria Medo de não se conseguir adaptar Medo de não se conseguir mobilizar facilmente Outras: Sem medos ou preocupações Como corre o regresso às aulas? Muito bem; Bem; Razoavelmente; Mau

19 Questionário Dificuldades sentidas? Cansaço Falta de concentração Não consegue acompanhar a matéria Deixam-no sozinho Dificuldade em se mobilizar na escola (escadas, etc) Dificuldade em fazer educação física Outras: quais? Apoio dos amigos? Escola a tempo inteiro ou parcial? Ano letivo perdido? Sugestões ou ideias para melhorar o regresso e reintegração na escola.

20 Resultados 32 crianças e famílias; 19 M; 11 F; 2 NI Idade ao diagnóstico: 7 17 anos; mediana 10.5 anos Idade atual: 8 20 anos, mediana 14 anos TIPO DE TUMOR LEUCEMIA LINFOMA SARCOMAS ÓSSEOS SARCOMAS TECIDOS MOLES TUMORES SNC NÚMERO TRATAMENTO QT QT + RT QT + CIR QT + RT + CIR QT + RT + TMO NÚMERO

21 Resultados Tempo de ausência da escola variável: min 3 meses; máx 2 anos TEMPO DE AUSÊNCIA 3 6 M 6 12 M 18 M ± 24 M 1 ANO LECTIVO NÚMERO Escola informada da situação: sim 29; não - 3 QUEM? DIRECTOR TURMA / ESCOLA PROFESSORES COLEGAS NÚMERO

22 Resultados Informação prestada INFORMAÇÕES TIPO DE TUMOR TRATAMENTOS Adolescentes TEMPO DE AUSÊNCIA POSSIBILIDADE DE MANTER CONTACTO COM A ESCOLA POSSIBILIDADE DE TER ACESSO À MATÉRIA DADA NÚMERO INFORMAÇÕES TIPO DE TUMOR TRATAMENTOS Pais TEMPO DE AUSÊNCIA POSSIBILIDADE DE MANTER CONTACTO COM A ESCOLA POSSIBILIDADE DE TER ACESSO À MATÉRIA DADA NÚMERO

23 Resultados Contacto mantido com a escola durante a ausência: sim 27; não 5 Meio de contacto com os professores / colegas MEIO DE CONTACTO PESSOALMENTE SKYPE TELEMÓVEL OUTROS NÚMERO Contacto com a matéria: sim 25; não 7 LOCAL HOSPITAL CASA AMBOS NÚMERO APOIO PROFESSORES COLEGAS PAIS OUTROS NÚMERO

24 Resultados Maioria informou previamente a escola ao regresso Adolescentes e crianças Pais MOTIVOS DE PREOCUPAÇÃO INFECÇÕES 15 SER FOCO DE ATENÇÃO 8 BULLING / DISCRIMINAÇÃO 12 SEGREGAÇÃO 9 IMPOSSIBILIDADE DE ACOMPANHAR A MATÉRIA INADAPTAÇÃO 7 DIFICULDADE NA MOBILIZAÇÃO 6 OUTROS 4 SEM PREOCUPAÇÕES 6 12 MOTIVOS DE PREOCUPAÇÃO INFECÇÕES 26 BULLING / DISCRIMINAÇÃO 6 SEGREGAÇÃO 3 ISOLAMENTO FILHO 11 IMPOSSIBILIDADE DE ACOMPANHAR A MATÉRIA INADAPTAÇÃO 6 OUTROS 0 SEM PREOCUPAÇÕES 1 14

25 Resultados Adolescentes e crianças DIFICULDADES NO REGRESSO ÀS AULAS CANSAÇO 12 FALTA DE CONCENTRAÇÃO 6 IMPOSSIBILIDADE DE ACOMPANHAR A MATÉRIA SEGREGAÇÃO 1 DIFICULDADE NA MOBILIZAÇÃO 2 EDUCAÇÃO FÍSICA 9 7 Pais DIFICULDADES NO REGRESSO ÀS AULAS CANSAÇO 16 FALTA DE CONCENTRAÇÃO 8 IMPOSSIBILIDADE DE ACOMPANHAR A MATÉRIA SEGREGAÇÃO 5 DIFICULDADE NA MOBILIZAÇÃO 6 EDUCAÇÃO FÍSICA 16 OUTRAS 2 6

26 Adolescentes e crianças REGRESSO ÀS AULAS MUITO B0M 10 B0M 15 RAZOÁVEL 4 MAU 0 Resultados Pais REGRESSO ÀS AULAS MUITO B0M 14 B0M 12 RAZOÁVEL 2 MAU 0 Apoio dos amigos: sim 29, não 1 Horário escolar: maioria regressou a tempo inteiro 23 Ano letivo: maioria que não teve apoio perdeu ano escolar

27 Comentários - Pais

28 Comentários - Pais

29 Comentários - Pais

30 Comentários - Pais

31 Comentários - Pais

32 Comentários - Pais

33 Comentários - Pais

34

35 Sugestões - Filhos

36 Sugestões - Filhos

37 Sugestões

38 Referências:

Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados

Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados Filipa Rodrigues SERVIÇO DE PEDIATRIA IPOLFG, EPE Fevereiro 2016 Serviço de Pediatria - Objetivos dos Cuidados Cuidar das Crianças com doença

Leia mais

EDITOR: Ana Forjaz de Lacerda

EDITOR: Ana Forjaz de Lacerda EDITOR: Ana Forjaz de Lacerda 1ª edição Dezembro 2010 COLABORADORES Ana Forjaz de Lacerda Assistente Hospitalar Graduada, Serviço de Pediatria IPOLFG, EPE Carla Costa Enfermeira Graduada, Serviço de Pediatria

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

QUESTIONÁRIO 1º CICLO

QUESTIONÁRIO 1º CICLO QUESTIONÁRIO 1º CICLO Numeração do Questionário Caro(a) aluno(a) Venho convidar-te a participar num estudo sobre Gestão de tempo e Desempenho escolar no Ensino Básico. Peço-te por este motivo, que respondas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA PREÂMBULO Enquanto Estudantes de Medicina e, essencialmente, com o início da prática clínica, somos confrontados com a vida humana e obrigados a saber

Leia mais

Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João. Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11.

Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João. Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11. Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11.14 UHOP O prognóstico dos tumores pediátricos é determinado pela precocidade

Leia mais

3.11 Os problemas do controle da urina e fezes na criança: a) A criança que molha a cama ou as calças (enurese)

3.11 Os problemas do controle da urina e fezes na criança: a) A criança que molha a cama ou as calças (enurese) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.11 Os problemas do controle da urina e fezes na criança: a) A criança que molha a cama ou as calças (enurese) Introdução A maioria das crianças

Leia mais

Plano de Segurança do paciente

Plano de Segurança do paciente Plano de Segurança do paciente Enfª. M e Jovana Toniato . Plano de Segurança do Paciente Documento que aponta situações de risco e descreve as estratégias e ações definidas pelos serviços de saúde visando

Leia mais

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO Go Mag R do o Os Efeitos negativos da Obesidade na sua saúde e na sua vida: Menor expectativa de vida Baixa autoestima Mobilidade limitada Problemas nas articulações Ataque cardíaco Pressão alta 2R QUE

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 Turma: K Professora: Maria de Fátima Martinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Higiene,

Leia mais

3.15 As psicoses na criança e no adolescente

3.15 As psicoses na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.15 As psicoses na criança e no adolescente Introdução As psicoses são doenças mentais raras que, geralmente, se iniciam no fim da adolescência

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

Dicas EPIS ALUNOS. Balanço e Resultados Escolares Dica 1/3

Dicas EPIS ALUNOS. Balanço e Resultados Escolares Dica 1/3 Janeiro Balanço e Resultados Escolares Balanço e Resultados Escolares Dica 1/3 Aproveita o início deste período para fazeres um balanço do teu comportamento e dos teus resultados escolares no 1º Período.

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

III Casos clínicos IV Reunião de Neonatologia do Hospital do Funchal 6 Outubro 2012

III Casos clínicos IV Reunião de Neonatologia do Hospital do Funchal 6 Outubro 2012 III Casos clínicos IV Reunião de Neonatologia do Hospital do Funchal 6 Outubro 2012 Criança 11 anos com fibrose quística diagnosticada no primeiro ano de vida. História de infecções respiratórias recorrentes

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

Qualidade de Vida 02/03/2012

Qualidade de Vida 02/03/2012 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Descreve a qualidade das condições de vida levando em consideração fatores como saúde, educação, expectativa de vida, bem estar físico, psicológico, emocional e mental.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE E CAPACIDADE FORMATIVA INTERNATO MÉDICO DE RADIOTERAPIA

CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE E CAPACIDADE FORMATIVA INTERNATO MÉDICO DE RADIOTERAPIA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE E CAPACIDADE FORMATIVA INTERNATO MÉDICO DE RADIOTERAPIA Internato Médico de Radioterapia para o ano de Hospital: Serviço / Departamento: 1 Existência

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Tradução para: Feita por: E mail: NdC 1 As pessoas com sintomas de AR devem ter acesso atempado a um médico / profissional de saúde competente

Leia mais

Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3

Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3 Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português.

Leia mais

Imuno-Oncologia. Guia para o doente sobre. O que precisa de saber sobre o tratamento do cancro com Imuno-Oncologia

Imuno-Oncologia. Guia para o doente sobre. O que precisa de saber sobre o tratamento do cancro com Imuno-Oncologia Guia para o doente sobre Imuno-Oncologia O que precisa de saber sobre o tratamento do cancro com Imuno-Oncologia Existem várias opções para tratamento do cancro, nomeadamente cirurgia, quimioterapia, radioterapia

Leia mais

Newsletter Setembro 2013

Newsletter Setembro 2013 Caminho Mindful Depois das Férias Para muitos Setembro é o mês de regresso ao trabalho e a uma rotina diária onde experiencia uma maior atividade externa e um aumento do ritmo de vida. Nestas condições

Leia mais

Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança

Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança Jornada Paulista de Anestesia Pediátrica 2006 Profa Dra Norma Sueli Pinheiro Módolo UNESP Faculdade de Medicina de Botucatu Depto. de Anestesiologia Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança Anestesia

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2007/2008 Estabelecimento de Ensino: Escola Básica do 1º ciclo Agrupamento de Escolas: Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Nome: Data de Nascimento: Morada:

Leia mais

CAPE COD HOSPITAL OUT PATIENT REHABILITATION INFORMAÇÕES GERAIS DE SAÚDE. Data de Nascimento: Seguro Referência/Autorização:

CAPE COD HOSPITAL OUT PATIENT REHABILITATION INFORMAÇÕES GERAIS DE SAÚDE. Data de Nascimento: Seguro Referência/Autorização: CAPE COD HOSPITAL OUT PATIENT REHABILITATION INFORMAÇÕES GERAIS DE SAÚDE Nome: Diagnóstico: Data quando iniciou: Tipo de seguro: Data de Nascimento: Clínico Geral: Médico que encaminhou: Seguro Referência/Autorização:

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Curso de Português Médico Anexo 2

Curso de Português Médico Anexo 2 nemaac.net facebook.com/nem.academica geral@nemaac.net Curso de Português Médico Anexo 2 DEPARTAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL Aulas de Português Médico 06 Outubro a 17 de Novembro de 2016 Quintas feiras

Leia mais

APAE DE PARÁ DE MINAS PESQUISA DE SATISFAÇÃO RESUMO TÉCNICO

APAE DE PARÁ DE MINAS PESQUISA DE SATISFAÇÃO RESUMO TÉCNICO APAE DE PARÁ DE MINAS PESQUISA DE SATISFAÇÃO RESUMO TÉCNICO Novembro / 2015 1 1. APRESENTAÇÃO: A Pesquisa de Satisfação entre usuários e familiares é uma ação de monitoramento realizada pela atual Diretoria

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Questionário aos Pais e Encarregados de Educação 2015

Questionário aos Pais e Encarregados de Educação 2015 Questionário aos Pais e Encarregados de Educação Caros Pais e/ou Encarregados de Educação, professores e funcionários da EB Leão de Arroios - este inquérito é da responsabilidade da Associação de Pais

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO

DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO ESTA FARMÁCIA CUIDA DE SI DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO ESTA FARMÁCIA CUIDA DE SI O QUE É A DEPRESSÃO? A depressão é uma perturbação do humor que interfere na capacidade para funcionar

Leia mais

MODELO FORMATIVO Curso. Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00

MODELO FORMATIVO Curso. Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 PREPARAçãO PARA O NASCIMENTO: PRé PARTO (SET 2016) - COIMBRA Preparação para o Nascimento: Pré-Parto, construído por Maria João A uma das maiores referências na área da Preparação para o Nascimento e formar,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo.

Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo. Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo. Adaptação dos pais Para melhor informar o seu filho, ajudá-lo

Leia mais

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede 4ª Reunião do GT de Oncologia Projeto OncoRede Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Janeiro, 02 de Setembro de 2016 Clique para editar local e data Pauta da 4ª

Leia mais

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho TUMOR DO TESTÍCULO 10 / 100 000 homens entre os 20 e os 54 anos aumento da incidência nas últimas décadas Neoplasia sólida mais comum nos homens entre os

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 012/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico sobre a necessidade de Responsável Técnico na área de Enfermagem em Curso na área de Salvamento, Primeiros Socorros, Alpinismo Industrial

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

Uma perspectiva tridimensional - A experiência na CMB. Ana Cristina Amaro - Médica do Trabalho

Uma perspectiva tridimensional - A experiência na CMB. Ana Cristina Amaro - Médica do Trabalho Uma perspectiva tridimensional - A experiência na CMB Regresso ao Trabalho após uma Doença ou um Acidente; Gestão das questões administrativas relacionadas com os Acidentes de Trabalho; Prevenção dos Riscos

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

QUESTIONARIO. Há quantos anos o/a seu/sua educando/a frequenta esta escola?

QUESTIONARIO. Há quantos anos o/a seu/sua educando/a frequenta esta escola? QUESTIONARIO FAMILIAS Justificação A escola está a participar num projeto europeu cujo tema é combater o abandono escolar, melhorar a convivência e o rendimento escolar. O que se pretende é conhecer como

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Como sonhos podem transformar idéias ias em projetos solidários. Combatendo e vencendo o câncer infantil

Como sonhos podem transformar idéias ias em projetos solidários. Combatendo e vencendo o câncer infantil Como sonhos podem transformar idéias ias em projetos solidários Combatendo e vencendo o câncer infantil Resultados de uma aliança entre a universidade pública, as instituições privadas e a comunidade organizada,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: COMO INFORMAR NO CENSO ESCOLAR?

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: COMO INFORMAR NO CENSO ESCOLAR? Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais Coordenação Geral do Censo Escolar PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: COMO INFORMAR NO CENSO ESCOLAR?

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

SABER MAIS SOBRE ASTIGMATISMO

SABER MAIS SOBRE ASTIGMATISMO SABER MAIS SOBRE ASTIGMATISMO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 ASTIGMATISMO O que é o astigmatismo? É uma alteração

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos Autores Ananda Hoffmann Sandra da Silva Kinalski Silvia Furian El Ammar Ijuí, Rio Grande do Sul Objetivos Qualificar Técnicos

Leia mais

Questionário da Investigação

Questionário da Investigação ANEXO 3 Tema: Percepções dos Pais e Professores face à problemática da criança com Perturbação Espectro Autista a criação de uma Unidade Ensino Estruturado Questionário da Investigação 161 Apresentação

Leia mais

X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março

X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março isabelfernandeslopes@gmail.com SUMÁRIO» Conceito NEE/ NEEcp» Medidas educativas -Adequações do processo de ensino e de aprendizagem CEI» Construção

Leia mais

Ficha Resumida de Saúde do NHS

Ficha Resumida de Saúde do NHS Por favor leia atentamente este folheto. É importante que faça a sua escolha. Ficha Resumida de Saúde do NHS Os seus dados de saúde numa emergência Fichas Resumidas de Saúde O NHS vai introduzir (na Inglaterra)

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS DE LÍNGUAS E HUMANIDADES Planificação anual de ESPANHOL 10.º ano (iniciação) Turmas: E Professora: Cecília Marinho

CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS DE LÍNGUAS E HUMANIDADES Planificação anual de ESPANHOL 10.º ano (iniciação) Turmas: E Professora: Cecília Marinho CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS DE LÍNGUAS E HUMANIDADES Planificação anual de ESPANHOL 10.º ano (iniciação) Turmas: E Professora: Cecília Marinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

FICHA DE CADASTRO Preencha com as informações sobre seu filho(a)

FICHA DE CADASTRO Preencha com as informações sobre seu filho(a) I - DADOS PESSOAIS II FAMÍLIA PRODHE FICHA DE CADASTRO Preencha com as informações sobre seu filho(a) NOME: DATA DE NASCIMENTO: / / Sexo: ( )Masc ( )Fem ENDEREÇO: Nº BAIRRO: CEP: CIDADE: TELEFONES: RESIDENCIAL

Leia mais

TÉCNICA S. para um estudo eficaz

TÉCNICA S. para um estudo eficaz TÉCNICA S para um estudo eficaz Planeamento e organização do estudo O aluno capaz de estabelecer horários adequados e de organizar os seus estudos obterá melhores resultados escolares, terá tempo para

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Curso: OPÇÃO: Problemática da Doença Oncológica Licenciatura em Enfermagem Ano Lectivo 2012-2013 Ano Curricular 2º e 3º Semestre 1º Nº de Ects 3 Equipa Pedagógica: Regente/Coordenador

Leia mais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais Apresentação e Justificativa A exclusão é parte do convencional na coletividade humana. A discriminação tem origem em preconceitos antigos gerados

Leia mais

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 Índice Pág 1. Plano de Contingência para Vagas de Frio (PCVF)... 4 2. Grupos Vulneráveis. 4 3. Objetivos. 5 3.1 Objetivos gerais.

Leia mais

Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt

Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt Background: Processos biológicos e psicológicos (comportamentos, emoções e representações) colaboram

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO C.A.T.L INDÍCE

PROJECTO PEDAGÓGICO C.A.T.L INDÍCE PROJECTO PEDAGÓGICO C.A.T.L. 2011-2012 INDÍCE 1. Introdução 2. Organização e Gestão de tempo 3. Fundamentação Teórica 4. Competências Transversais 5. Competências Essenciais 6. Atividades a Desenvolver

Leia mais

1.1 Ser mãe, ser pai: O papel dos pais no desenvolvimento e educação dos filhos

1.1 Ser mãe, ser pai: O papel dos pais no desenvolvimento e educação dos filhos Páginas para pais O papel dos adultos na relação com a criança e com o adolescente 1.1 Ser mãe, ser pai: O papel dos pais no desenvolvimento e educação dos filhos Introdução Uma criança sem família não

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. O Acompanhamento da Pessoa. Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira

CATETERISMO CARDÍACO. O Acompanhamento da Pessoa. Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira CATETERISMO CARDÍACO O Acompanhamento da Pessoa Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira CATETERISMO CARDÍACO: O ACOMPANHAMENTO DA PESSOA CATETERISMO CARDÍACO Prática clínica baseada na evidência

Leia mais

Ensino fundamental. Ciclo 1. Balanços intermédios. do desenvolvimento das competências

Ensino fundamental. Ciclo 1. Balanços intermédios. do desenvolvimento das competências Ensino fundamental Ciclo 1 Balanços intermédios do desenvolvimento das competências Caros pais e encarregados de educação: O balanço intermédio que acabam de receber permite acompanhar o desenvolvimento

Leia mais

Calças custa 7.95. As crianças, quando iniciarem as aulas, devem trazer uma mochila.

Calças custa 7.95. As crianças, quando iniciarem as aulas, devem trazer uma mochila. Disponibiliza-se a seguir, informação As nossas geral expectativas para os pais sobre o dia-a-dia e as nossas tambem expectativas desta página, para ou uma os alunos. cópia Esta impressa informação pode

Leia mais

PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE)

PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE) PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE) Este plano deve ser preenchido pelos profissionais da saúde responsáveis pelo tratamento do aluno com diabetes juntamente com os pais ou responsáveis. O plano

Leia mais

Treinamento sobre Progress Report.

Treinamento sobre Progress Report. Treinamento sobre Progress Report. Objetivo O foco aqui é trabalhar o desenvolvimento pessoal de cada aluno. O instrutor irá analisar cada um e pensar em suas dificuldades e barreiras de aprendizado e,

Leia mais

PROGRAMA PSICO-EDUCATIVO PARA FAMÍLIAS EM RISCO GENÉTICO: O CASO DOS CANCROS HEREDITÁRIOS 1. PRESSUPOSTOS

PROGRAMA PSICO-EDUCATIVO PARA FAMÍLIAS EM RISCO GENÉTICO: O CASO DOS CANCROS HEREDITÁRIOS 1. PRESSUPOSTOS PROGRAMA PSICO-EDUCATIVO PARA FAMÍLIAS EM RISCO GENÉTICO: O CASO DOS CANCROS HEREDITÁRIOS Universidade de Aveiro, Portugal Secção Autónoma de Ciências da Saúde, Grupo de Investigação Saúde Familiar e Comunitária

Leia mais

Os desafios da Educação Inclusiva

Os desafios da Educação Inclusiva Os desafios da Educação Inclusiva Artur Ramísio Paula Gonçalves Mestrado em Ensino de TIC Instituto de Estudos Superiores de Fafe Docente: Profª Doutora Maria Celeste da Silva Leal de Sousa Lopes 2010

Leia mais

Promoção do sucesso escolar na transição do 1º para o 2º ciclo: Apresentação de um programa de ajustamento social e escolar em contexto rural

Promoção do sucesso escolar na transição do 1º para o 2º ciclo: Apresentação de um programa de ajustamento social e escolar em contexto rural Promoção do sucesso escolar na transição do 1º para o 2º ciclo: Apresentação de um programa de ajustamento social e escolar em contexto rural Vitor Coelho Introdução Do que se trata? O Projecto Atitude

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase 6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: Geografia Professores do Estúdio: Jefferson

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO Colaboradores 2012 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO O questionário de avaliação do grau de satisfação dos colaboradores foi aplicado por via Web distribuído por e-mail e em suporte

Leia mais

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA É responsabilidade da família: Ensinar a criança a assumir progressivamente responsabilidades sobre o cuidado de si mesma. Informar ã escola sobre alergias e intolerâncias alimentares, o tipo de dieta

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção a Saúde do Trabalhador da Saúde: O uso de Luvas e a lavagem correta das mãos entre os profissionais da

Leia mais

O que é o Cyberbullying?

O que é o Cyberbullying? O que é o Cyberbullying? O Cyberbullying baseia-se na prática que compreende comportamentos em diversos níveis que vão desde brincadeiras inoportunas, como colocar apelidos, discriminar, ignorar os colegas,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

Relatório de Atividade Letivo 2013/2014

Relatório de Atividade Letivo 2013/2014 Divisão de Assuntos Sociais Núcleo de Apoio Psicoeducativo Relatório de Atividade Ano Letivo 2013/2014 A. Equipa Técnica Clara Cabrita Ciências da Educação Cristina Martins Ensino Especial Élia Ramos Psicologia

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

SERVIÇO DE PSICOLOGIA CLÍNICA. Hospital de Sousa Martins Unidade Local de Saúde da Guarda, E.P.E.

SERVIÇO DE PSICOLOGIA CLÍNICA. Hospital de Sousa Martins Unidade Local de Saúde da Guarda, E.P.E. Hospital de Sousa Martins Unidade Local de Saúde da Guarda, E.P.E. Actividades Avaliação psicológica / psico-pedagógica; Intervenção psicoterapêutica; Aconselhamento psicológico; Intervenção em crise;

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: 1.º / 2.º ANOS

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: 1.º / 2.º ANOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: 1.º / 2.º ANOS MANHÃ Entrada: 9:00 H Intervalo: 10:30H às 11:00H Saída almoço: 12:30H TARDE Entrada: 14:00 H Intervalo:16:00 H às 16:30 H Saída: 17:30 H (depende da frequência

Leia mais

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho Stress e a caracterização de doenças psicológicas Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho camila@azevedonetto.com.br Definição Uma força que deforma corpos processo corporal para se adaptar a todas

Leia mais

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno Situações especiais Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update 2014 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais

Leia mais

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES Ano Letivo 2016 1º Bimestre 2º Bimestre RP MB RP DISCIPLINAS P1 P2 C1 B1 P3 P4 C2 B2 1 1 2 L. PORT/LIT. BRAS./RED. MB 2 MS 1 3º Bimestre 4º Bimestre RP MB C RP P5 P6 C3 B3 P7

Leia mais

PARA O DIA-A-DIA DAS CRIANÇAS E ADULTOS ALÉRGICOS A ALIMENTOS

PARA O DIA-A-DIA DAS CRIANÇAS E ADULTOS ALÉRGICOS A ALIMENTOS 11 PARA O DIA-A-DIA DAS CRIANÇAS E ADULTOS ALÉRGICOS A ALIMENTOS CONSCIENTIZAR alérgicos e todos que lidam com eles. Isso deve ser feito constantemente, no que se refere aos riscos e cuidados. Um dia a

Leia mais

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Como elaborar campanhas e treinamentos Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Por onde começar... Importante definir : Quais os focos de atuação do Controle

Leia mais

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R :

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R : AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA E CUIDADOS GERAIS 10º ANO TURMA F DOCENTE:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR

GESTÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR 2016>2017 mestrado GESTÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR regime blearning 1 APRESENTAÇÃO REGIME O curso de mestrado em Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar em regime de Educação a Distância (EaD)

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

Ficha de Apoio Ser um Aluno Exemplar. Disciplina de Formação Pessoal e Social (FPS)

Ficha de Apoio Ser um Aluno Exemplar. Disciplina de Formação Pessoal e Social (FPS) Ficha de Apoio Ser um Aluno Exemplar Disciplina de Formação Pessoal e Social (FPS) Professor Humberto Santos Ano-lectivo 2007/08 Escola Secundária de Achada Grande Praia/Cabo Verde Atitudes e comportamentos

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL Numa perspectiva global pretende-se que no 2º ciclo os alunos Adquiram e aumentem conhecimentos: Sobre o conceito de sexualidade e as suas diferentes

Leia mais

Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council

Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council Suporte Básico de Vida Objectivos No fim deste curso deverá conseguir: Abordar a vítima inconsciente. Executar compressões torácicas e ventilação boca-a-boca/nariz/nariz e boca. Colocar a vítima inconsciente

Leia mais