Juntos faremos a diferença!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juntos faremos a diferença!"

Transcrição

1 Juntos faremos a diferença! GUIA DE ACOLHIMENTO Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer o melhor. Contamos consigo!

2 COMO FUNCIONAMOS O QUE É UMA USF As U.S.F. Unidades de Saúde Familiares são um novo modelo de organização dos Cuidados de Saúde Primários, que visa garantir uma maior acessibilidade, continuidade e globalidade dos cuidados prestados. A NOSSA HISTÓRIA A U.S.F. Magnólia nasceu a 28 de Dezembro de 2007, tendo iniciado a sua atividade no dia 2 de Janeiro de 2008 no 1.º Piso do edifício do Centro de Saúde de Santo António dos Cavaleiros. O NOSSO FUNCIONAMENTO A U.S.F. Magnólia é constituída por uma Equipa multiprofissional de 8 Médicos, 7 Enfermeiras e 5 Secretárias Clínicas que se propõem prestar cuidados de saúde personalizados a uma grande parte da população de Santo António dos Cavaleiros abrangendo também a área de Loures. Todos os dias úteis da semana, os Médicos e Enfermeiros da U.S.F. Magnólia fazem a sua consulta. As consultas são marcadas com intervalos de 10 ou consoante o tipo de consulta. Para seu melhor esclarecimento, descrevemos os critérios e modo de marcação dos vários tipos de consulta, tratamentos, vacinação e visitas domiciliárias. A USF Magnólia dá formação a médicos, enfermeiros e alunos. Se não quiser a presença destes elementos na sua consulta, por favor alerte o profissional. RECEITUÁRIO Pedido: Por mail, fax ou no balcão administrativo. Levantamento: No prazo de 2 dias úteis após o pedido. Taxa moderadora: 3 (no caso da/o Utente não ser isenta/o). Exceção: No caso da medicação pedida não constar do processo clínico e/ou de não ser do conhecimento do Médico de Família a mesma poderá não ser prescrita. EXAMES Entrega: No balcão administrativo dentro do horário da/o Médica/o de Família. Levantamento: No prazo de 5 dias úteis após a entrega. Taxa moderadora: 3 (no caso da/o Utente não ser isenta/o). A U.S.F. não transcreve pedidos de exames seja do serviço público ou privado. ALGUMAS NOTAS QUE DEVE TER EM CONTA É da inteira responsabilidade da/o Utente a correta e atempada atualização de dados. Aquando da sua chegada, retire uma senha e aguarde a sua chamada em silêncio nas salas de espera da U.S.F. Respeite a privacidade dos outros Utentes. Não interrompa o atendimento. A qualquer registo no sistema informático corresponde uma taxa moderadora. O cumprimento das regras estabelecidas proporciona uma melhor qualidade no serviço e um melhor atendimento.

3 O QUE TEMOS PARA OFERECER CONSULTA ABERTA DO DIA Presencial (Exceção: Crianças com menos de 6 anos) No próprio dia Por ordem de chegada 10 minutos PLANEAMENTO FAMILIAR Mail, Presencial, No próprio dia SAÚDE ADULTO Mail, Presencial, eagenda Marcação Prévia SAÚDE MATERNA Mail, Presencial, Marcação Prévia CONSULTAS DE DIABÉTICOS E HIPERTENSOS Mail, Presencial, eagenda, Marcação Prévia (Exceção: Com indicação Médica ou Enfermagem) VACINAÇÃO Marcação Prévia 10 minutos CUIDADOS DE ENFERMAGEM (SALA DE TRATAMENTO) Marcação Prévia (Mediante apresentação de guia de tratamento) 30 minutos SAÚDE INFANTIL E JUVENIL DOMICÍLIOS MÉDICOS Mail, Presencial, eagenda, Marcação Prévia (Exceção: Exame Global 40 min) Marcação Prévia (apenas com médico de família) DOMICÍLIOS DE ENFERMAGEM Marcação Prévia (apenas com a enfermeira)

4 CARTA DE DIREITOS DO UTENTE 1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana. 2. O doente tem direito ao respeito pelas suas convicções culturais, filosóficas e religiosas. 3. O doente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos, curativos, de reabilitação e terminais. 4. O doente tem direito à prestação de cuidados continuados. 5. O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados. 6. O doente tem direito a ser informado sobre a sua situação de saúde. 7. O doente tem direito a obter uma segunda opinião sobre a sua situação de saúde. 8. O doente tem direito a dar ou recusar o seu consentimento, antes de qualquer ato médico ou participação em investigação ou ensino clínico. 9. O doente tem direito à confidencialidade de toda a informação clínica e elementos identificativos que lhe respeitam. 10. O doente tem direito de acesso aos dados registados no seu processo clínico. 11. O doente tem direito à privacidade na prestação de todo e qualquer ato médico. 12. O doente tem direito, por si ou por quem o represente, a apresentar sugestões e reclamações. CARTA DE DEVERES DO UTENTE 1. O doente tem o dever de zelar pelo seu estado de saúde. Isto significa que deve procurar garantir o mais completo restabelecimento e também participar na promoção da própria saúde e da comunidade em que vive. 2. O doente tem o dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias para obtenção de um correto diagnóstico e adequado tratamento. 3. O doente tem o dever de respeitar os direitos dos outros doentes. 4. O doente tem o dever de colaborar com os profissionais de saúde, respeitando as indicações que lhe são recomendadas e, por si, livremente aceites. 5. O doente tem o dever de respeitar as regras de funcionamento dos serviços de saúde. 6. O doente tem o dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada e de colaborar ativamente na redução de gastos desnecessários. A NOSSA CARTEIRA DE SERVIÇOS Os serviços prestados pela U.S.F. Magnólia, dentro do seu horário de atendimento, destinam-se exclusivamente aos Utentes inscritos nesta Unidade. Para seu conhecimento enumeramos a nossa carteira de serviços: Consulta de Saúde Adulto Consulta de Saúde Infantil e Juvenil Consulta de Saúde Materna Consulta de Planeamento Familiar Consulta de Diabéticos e Hipertensos Vacinação Cuidados de Enfermagem Domicílios (Médicos / Enfermagem) Na ausência prolongada do seu Médico ou Enfermeiro a U.S.F. Magnólia assegura a prestação de cuidados considerados fundamentais em todas as áreas. Estes serviços mínimos estão afixados para seu melhor esclarecimento nos nossos placards informativos. É compromisso desta Unidade conseguir-se marcar uma consulta programada (vigilância, por ex.) num prazo não superior a 15 dias úteis, exceto nos períodos a seguir às ausências do médico por férias, congressos, etc.. Queremos que tenha acesso a cuidados de saúde de qualidade

5 LISBOA E VALE DO TEJO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Das 08H00 às 20H00 - dias úteis MORADA Avenida Carlos Andrade s/n Santo António dos Cavaleiros CONTACTOS Telefones: / Fax: FORA DOS NOSSOS HORÁRIOS CONTACTAR Hospital Beatriz Ângelo Av.ª Carlos Teixeira n.º Loures Telefone: Fax: Linha de Saúde /

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax:

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax: CARTAA DE QUALIDADE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PORTA DO SOL Praceta Recarei de Cima, 56 4465-339 Leça do Balio, Matosinhos Telefone: 220969178; Fax: 220969179 e-mail: usf.portadosol@ulsm.min-saude.pt Horário

Leia mais

- O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana;

- O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; VI. Anexo 6.1. Anexo I Carta dos direitos e deveres dos doentes Direitos dos doentes - O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; - O doente tem direito ao respeito pelas suas

Leia mais

CARTA DA QUALIDADE. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia

CARTA DA QUALIDADE. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia CARTA DA QUALIDADE A Carta da Qualidade da USF Saúde no Futuro é uma declaração de compromisso dos profissionais desta Unidade com os cidadãos que nela estão inscritos. É para eles que a organização e

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ. Guia de Acolhimento do Utente

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ. Guia de Acolhimento do Utente UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ Guia de Acolhimento do Utente ÍNDICE 1. CONTATOS... 3 2. CARTEIRA DE SERVIÇOS... 4 3. HORÁRIO DA UCC DA SERTÃ E MARCAÇÕES... 5 4. PROFISSIONAIS DA UCC DA SERTÃ...

Leia mais

Somos parceiros na conquista da sua autonomia

Somos parceiros na conquista da sua autonomia MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CONVALESCENÇ A DE VILA POUC A DE AGUIAR Somos parceiros na conquista da sua autonomia Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Manual de Acolhimento do Utente

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Manual de Acolhimento do Utente UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Manual de Acolhimento do Utente 2 Conteúdo Estimado Utente... 3 1. Carteira de Serviços:... 3 Programas da carteira básica... 3 Programas da carteira

Leia mais

Com a linha dos Cuidados Bordamos a Saúde

Com a linha dos Cuidados Bordamos a Saúde Com a linha dos Cuidados Espere o melhor de nós Queremos tratá-lo com respeito. Queremos que tenha acesso a cuidados de saúde de qualidade. Compreendemos que queira recusar um acto médico ou que queira

Leia mais

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax:

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax: CIRURGIA GERAL Guia de Acolhimento do Utente Telf. 266 740 100 Fax: 266 740 126 www.hevora.min-saude.pt geral@hevora.min-saude.pt Cirurgia Geral Este Guia tem como objetivo fornecer informações simples

Leia mais

Guia do Utente PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE

Guia do Utente PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE Avª Afonso III, Lote 1 100-0 Lisboa T. 21 810 10 10 Fax. 21 812 21 Transportes públicos: Carris 42 e 18 A paragem é em frente á USF. PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE

Leia mais

PROCEDIMENTO Comunicação com os Utentes Versão: 02 Fevereiro 2013

PROCEDIMENTO Comunicação com os Utentes Versão: 02 Fevereiro 2013 1. OBJECTIVO Uniformizar as formas de comunicação com os utentes e manter atualizada a informação disponibilizada. 2. ÂMBITO Este procedimento aplica se a todos os sectores da USF, desde o momento em que

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

USF GLOBAL GUIA DO UTENTE. Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de Guia do Utente Pág.

USF GLOBAL GUIA DO UTENTE. Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de Guia do Utente Pág. USF GLOBAL GUIA DO UTENTE Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de 2016 Guia do Utente Pág.1 USF GLOBAL LOCALIZAÇÃO E CONTACTOS USF GLOBAL (Sede): Centro de Saúde da Nazaré,

Leia mais

Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação

Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação Av. Major Arrochela Lobo, 157, 4620-697 Lousada hospital@scmlousada.pt Tel.: 255 820 700. Fax: 255 820 765. 1 Informações

Leia mais

Carta da Qualidade. USF Ponte. maio 2012

Carta da Qualidade. USF Ponte. maio 2012 Carta da Qualidade 2012 2015 USF Ponte maio 2012 1 1.IDENTIFICAÇÃO Da USF Unidade de Saúde Familiar Ponte Rua Reitor Joaquim Augusto Maciel Ribeiro Torres Ponte 4805-273 Ponte - GMR Telefone: 253479170

Leia mais

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) A UCCI presta cuidados continuados integrados a pessoas portadoras de doenças raras

Leia mais

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SABROSA UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS DE MÉDIA DURAÇÃO E REABILITAÇÃO UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa 5060-303 Sabrosa Telefones: 259 931 120 / 118 ou 259

Leia mais

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE AOS NOSSOS UTENTES Uma Instituição de saúde centrada nos seus utentes tem que ser claramente pró-activa no acolhimento destes, facilitando

Leia mais

CONSULTAS DE PEDIATRIA

CONSULTAS DE PEDIATRIA CONSULTAS DE PEDIATRIA Guia de acolhimento Telef. 266 740 120 Telm. 961 981 650 consulta.externa.pediatra@hevora.min-saude.pt www.hevora.min-saude.pt Índice. Consultas de Pediatria. Equipa. Funcionamento.

Leia mais

Fluxograma do CIRCUITO DO UTENTE

Fluxograma do CIRCUITO DO UTENTE CIRCUITO DO UTENTE NO BALCÃO DE ATENDIMENTO RÉS/CHÃO Rés/Chão (Hall do Centro de Saúde) Secretariado Clínico 09:00 12:00 14:00 17:00 Secretário S Clínico Identifica o (ver foto/cartão) Atende utente verificando

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental

Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Ministério da Saúde MISSÃO E VALORES A USF DELTA presta

Leia mais

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente 1. Consentimento informado Check-list Focalização no Utente 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 Tem formalmente aprovada uma política de obtenção do consentimento informado e esclarecido para atos clínicos É garantido

Leia mais

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES Capítulo 1º Objecto e âmbito A Carta de direitos e deveres dos clientes materializa o compromisso da APPACDM de Soure relativamente aos serviços e programas que envolvem

Leia mais

GUIA DO UTENTE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DE TORNADA ACES OESTE NORTE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE

GUIA DO UTENTE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DE TORNADA ACES OESTE NORTE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE GUIA DO UTENTE ACES OESTE NORTE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DE TORNADA Unidade de Saúde Familiar de Tornada Estrada Nacional 8,

Leia mais

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES Junho de 2016 CARACTERIZAÇÃO DO ACES OESTE SUL O ACES Oeste Sul, é um serviço desconcentrado da ARSLVT, IP com autonomia administrativa e gestionária, nos termos previstos

Leia mais

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem.

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 86903 e 86906 CENTROS DE ENFERMAGEM ÂMBITO:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

A VOZ DOS UTENTES USF VALONGO

A VOZ DOS UTENTES USF VALONGO A VOZ DOS UTENTES USF VALONGO ANO 2015 AS QUEIXAS EM LIVRO DE RECLAMAÇÕES RECLAMAÇÕES/ SUGESTÕES / ELOGIOS Dia 13 de Janeiro de 2015 (queixa por email): Um doente reclama o atraso na validação de uma credencial

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

GUIA DO UTENTE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DO DAFUNDO AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DE OEIRAS

GUIA DO UTENTE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DO DAFUNDO AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DE OEIRAS GUIA DO UTENTE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR DO DAFUNDO AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DE OEIRAS ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO-IP MINISTÉRIO DA SAÚDE QUALIDADE NO CUIDAR Unidade

Leia mais

SERVIÇO DE MEDICINA INTENSIVA (SMI) GUIA DE ACOLHIMENTO À FAMÍLIA

SERVIÇO DE MEDICINA INTENSIVA (SMI) GUIA DE ACOLHIMENTO À FAMÍLIA SERVIÇO DE MEDICINA INTENSIVA (SMI) GUIA DE ACOLHIMENTO À FAMÍLIA O Serviço de Medicina Intensiva mais conhecido por Unidade de Cuidados Intensivos, é um serviço especializado para doentes com necessidade

Leia mais

MANUAL DE ACOLHIMENTO DO UTENTE

MANUAL DE ACOLHIMENTO DO UTENTE MANUAL DE ACOLHIMENTO DO UTENTE 0 INDICE Introdução. 2 Os Principios por que nos Guiamos. 3 Os Nossos Compromissos.. 4 Área de Abrangência e Inscrição - Área de Abrangência.. 5 - Inscrição... 5 Endereço

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior Regulamento Interno PASS Considerando a necessidade de regulamentar a resposta social, Programa de Acompanhamento (PASS), elaborou-se o presente regulamento com a finalidade de definir linhas orientadoras.

Leia mais

Manual de Acolhimento

Manual de Acolhimento Irmandade Nossa Senhora das Necessidades da Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Poiares Manual de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Mensagem do Provedor É dever da Mesa Administrativa

Leia mais

USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária

USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária [Ano] USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária Elaborado por: João Fernandes; João Rodrigues; Luísa Ramos Revisto por: Carlos Neves; Joana Fernandes Revisão: 2019 Índice Índice de figuras...

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

Movimento. Assistencial das. Unidades de Saúde. Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento. Paula Cunha NEP-Estatística

Movimento. Assistencial das. Unidades de Saúde. Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento. Paula Cunha NEP-Estatística 2013 Movimento Assistencial das Unidades de Saúde Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento Paula Cunha NEP-Estatística Ficha Técnica Título Movimento Assistencial das Unidades de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA PREÂMBULO Enquanto Estudantes de Medicina e, essencialmente, com o início da prática clínica, somos confrontados com a vida humana e obrigados a saber

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Melhoria da Segurança com o Programa da Acreditação na USF Dafundo Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Segurança Postura de análise crítica guiada pelos requisitos propostos Reconhecimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Bolsa de. Objetivos Individuais

Bolsa de. Objetivos Individuais Carreira Especial de Enfermagem Avaliação de Desempenho Biénio 2015 2016 Bolsa de s Individuais Sumário s Individuais de Realização pg. 03 s Individuais de Qualidade pg. 11 s Individuais de Aperfeiçoamento

Leia mais

REGULAMENTO REG VISITAS 25/06/2013. Enquadramento

REGULAMENTO REG VISITAS 25/06/2013. Enquadramento Enquadramento As visitas constituem, por regra, um forte contributo para a humanização no período de internamento dos utentes, pois permitem garantir o elo entre o utente e a sua rede social. O Hospital

Leia mais

Protecção de Dados na Informação de Saúde

Protecção de Dados na Informação de Saúde Protecção de Dados na Informação de Saúde Proteção de Dados um Direito Fundamental Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973) Convenção 108 do Conselho da Europa (1981); Diretiva 95/46/CE Carta

Leia mais

Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados ( )

Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados ( ) Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados (2011 2015) 27 de maio de 2016 ÍNDICE Sumário Executivo...4 I Evolução e Caracterização dos Recursos Humanos

Leia mais

CARTEIRA DE SERVIÇOS USF Lavradio

CARTEIRA DE SERVIÇOS USF Lavradio CARTEIRA DE SERVIÇOS USF Lavradio Elaborado por: Dr.ª Alda Monteiro; Dr.º Fernando Refacho Data: Julho de 2015 A Rever: Julho 2016 Aprovado: Conselho Geral 1. Introdução A Carteira de Serviços é um documento

Leia mais

GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV)

GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV) GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV) 1 O documento designado como curriculum vitae é um misto de CV e de PERFIL DE PRÁTICA. A OM tem mais do que um modelo (publicações de 14/09/2012 e

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

Regulamento Interno. ARS Centro, I.P. ACeS Baixo Vouga USF ALPHA. Válega e S. Vicente Pereira de Jusã. Versão 9 Fevereiro 2016

Regulamento Interno. ARS Centro, I.P. ACeS Baixo Vouga USF ALPHA. Válega e S. Vicente Pereira de Jusã. Versão 9 Fevereiro 2016 Regulamento Interno Versão 9 Fevereiro 2016 ARS Centro, I.P. ACeS Baixo Vouga USF ALPHA Válega e S. Vicente Pereira de Jusã Índice CAPÍTULO I - Disposições gerais... 4 Artigo 1º - Definição... 4 Artigo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

«Unidade dos afetos»: miniequipas ajudam a estabelecer uma relação mais próxima com os utentes

«Unidade dos afetos»: miniequipas ajudam a estabelecer uma relação mais próxima com os utentes 2016-10-19 18:47:05 http://justnews.pt/noticias/usf-santa-maria-unidade-dos-afetos-promove-atendimento-personalizado-e-integridade-nocuidar «Unidade dos afetos»: miniequipas ajudam a estabelecer uma relação

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Preâmbulo O presente regulamento é elaborado ao abrigo do artigo 75º da Lei Geral do Trabalho em Funções Publicas, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES 1 INTRODUÇÃO 2 MARCAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE DOENTES 3 RETORNOS E ALTAS HOSPITALARES 4 ATITUDE DOS ELEMENTOS DO CORPO DE BOMBEIROS 5 CONDUTA DOS UTENTES

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. Manuel Sebe e a Unidade

Leia mais

Colégio de Oncologia Médica

Colégio de Oncologia Médica Colégio de Oncologia Médica Critérios de avaliação de idoneidade formativa em Oncologia Médica A avaliação da idoneidade para a formação pós-graduada no internato médico de Oncologia Médica é um pilar

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

Regulamento. O presente Regulamento destina-se a definir as normas de ALL-AGE ACTIVIDADES LÚDICAS DE LISBOA, LDA.

Regulamento. O presente Regulamento destina-se a definir as normas de ALL-AGE ACTIVIDADES LÚDICAS DE LISBOA, LDA. REGULAMENTO O presente Regulamento destina-se a definir as normas de ALL-AGE ACTIVIDADES LÚDICAS DE LISBOA, LDA. Art 1º - Objetivos do Regulamento O presente Regulamento visa: 1. Promover o respeito pelos

Leia mais

HOSPITAL DE CARIDADE SÃO VICENTE DE PAULO. Cartilha Atendimento ao Cliente

HOSPITAL DE CARIDADE SÃO VICENTE DE PAULO. Cartilha Atendimento ao Cliente Cartilha Atendimento ao Cliente Esta cartilha vai ajudá-lo a conhecer quais os atendimentos de saúde devem ser procurados de acordo com a sua necessidade e de sua família. O Hospital de Caridade São Vicente

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

ÍNDICE. Artigo 1º (Objecto) 4 Artigo 2º (Visitas e Acompanhantes) 4 Artigo 3º (Responsabilidades das Visitas e Acompanhantes) 5

ÍNDICE. Artigo 1º (Objecto) 4 Artigo 2º (Visitas e Acompanhantes) 4 Artigo 3º (Responsabilidades das Visitas e Acompanhantes) 5 PREÂMBULO Considerando que o direito do Doente às Visitas e acompanhamento dos seus familiares e amigos, estabelecido na legislação vigente, assume papel destacado no seu apoio psicossocial, sendo que

Leia mais

USF Condeixa REGULAMENTO INTERNO

USF Condeixa REGULAMENTO INTERNO USF Condeixa REGULAMENTO INTERNO 2015 ÍNDICE INDICE INTRODUÇÃO 1 1-DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E ÀREA GEOGRÁFICA DE INFLUÊNCIA.2 1.1 Denominação...2 1.2 Lema. 3 1.3 Constituição.....3 1.4 Área Geográfica

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

Guia elaborado por Grupo dos Direitos e Deveres do Doente - Revisto em Maio 2010 Próxima Revisão Maio 2011

Guia elaborado por Grupo dos Direitos e Deveres do Doente - Revisto em Maio 2010 Próxima Revisão Maio 2011 Guia elaborado por Grupo dos Direitos e Deveres do Doente - Revisto em Maio 2010 Próxima Revisão Maio 2011 Guia geral de acolhimento ao Doente TRANSPORTES PÚBLICOS: METRO - Linha A Estádio do Dragão/Senhor

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B

- Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) BAIXO VOUGA III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. MANUEL SEBE e a Unidade

Leia mais

GUIA DO UTENTE. Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer melhor. Contamos consigo!

GUIA DO UTENTE. Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer melhor. Contamos consigo! GUIA DO UTENTE Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer melhor. Contamos consigo! Outubro de 2014 QUEM SOMOS? Somos uma nova equipa constituída por 5 médicos, 6 enfermeiros e 4 administrativas,

Leia mais

Acesso à Informação em Saúde NORMA CA.04. OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde

Acesso à Informação em Saúde NORMA CA.04. OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde DESTINATÁRIOS: Profissionais de saúde e utentes DIPLOMAS LEGAIS QUE SUPORTAM A NORMA: Lei nº 46/2007 de 24 de agosto Lei nº 67/98

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

Centro de Apoio Social da Carregueira Regulamento Interno das Residências Assistidas

Centro de Apoio Social da Carregueira Regulamento Interno das Residências Assistidas Capítulo I Da denominação e fins das Residências Artigo 1º Denominação O Centro de Apoio Social da Carregueira é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com o estatuto de Utilidade Pública,

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS CADERNO

NORMAS E PROCEDIMENTOS CADERNO Lar de Jovens Vida Nova NORMAS E PROCEDIMENTOS CADERNO Abril 2016 Normas e Procedimentos APRESENTAÇÃO Definição (O que é?) As Normas e Procedimentos Caderno é um documento, elaborado pela Cooperativa Pelo

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES

CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES Margarida Aguiar USF Valongo (coordenadora) Reunião Nacional de Directores Executivos dos ACES 6 de Março 2009- Peniche margarida.abreu.aguiar@gmail.com Contratualização Peça

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Fevereiro

REGULAMENTO INTERNO Fevereiro REGULAMENTO INTERNO 2015 Fevereiro Unidade de Saúde Familiar de Tadim Avenida General Humberto Delgado, nº 41. 4705-671 Tadim Telefone: 253 671 220 Fax: 253 339 038 Correio eletrónico: tadim@csbraga2.min-saude.pt

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

O PROCESSO DE AUTO DIAGNÓSTICO

O PROCESSO DE AUTO DIAGNÓSTICO Candidaturas a USF Modelo B O PROCESSO DE AUTO DIAGNÓSTICO A. Recomendações e procedimentos para o Auto Diagnóstico pág. 2 B. O Auto Diagnóstico quantitativo o MoniQuOr Adaptado às USF pág. 5 C. O Auto

Leia mais

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D.

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD.indd 1 19/10/2015 15:30:04 Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD Objetivo: Fornecer suporte ao paciente para que

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

PROPOSTA PARA CÁLCULO DE DOTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA CUIDADOS DIFERENCIADOS EM CONTEXTOS PEDIÁTRICOS

PROPOSTA PARA CÁLCULO DE DOTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA CUIDADOS DIFERENCIADOS EM CONTEXTOS PEDIÁTRICOS PROPOSTA PARA CÁLCULO DE DOTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA CUIDADOS DIFERENCIADOS EM CONTEXTOS PEDIÁTRICOS Não está demonstrado que exista um modelo para determinação de dotações de Enfermagem que considere

Leia mais

ffio,r r*1- usfrfrü -h unld.frjr ú' n.ruüì: J'.rrnilu. REGULAMENTO INTERNO 5T' USF.VIRIATO 'Y'**r:ïl:j:l"1":* -rl r- \ $nji"ïíio 'too

ffio,r r*1- usfrfrü -h unld.frjr ú' n.ruüì: J'.rrnilu. REGULAMENTO INTERNO 5T' USF.VIRIATO 'Y'**r:ïl:j:l1:* -rl r- \ $njiïíio 'too ffio,r 'Y'**r:ïl:j:l"1":* $nji"ïíio 'too REGULAMENTO INTERNO USF.VIRIATO -rl r- \,,I I 5T' \ r*1- usfrfrü -h unld.frjr ú' n.ruüì: J'.rrnilu. Viseu, 20'de fevereiro 2015 Índice LISTA DE ABREVIATURAS...

Leia mais

José Biscaia USF São Julião

José Biscaia USF São Julião Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa José Biscaia USF São Julião Patrocínio: Patrocinadores Globais O Centro de

Leia mais

Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde

Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde 2016-02-10 17:16:07 http://justnews.pt/noticias/eu-da-ao-utente-um-papel-mais-ativo-na-gestao-da-sua-saude Nova aplicação «eu+» vai permitir que o doente tenha um papel mais ativo na gestão da sua saúde

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DOS IDOSOS 3 4 - DIREITOS DOS FAMILIARES 4 5 - DEVERES DOS IDOSOS 5 6 - DEVERES DOS FAMILIARES 6 7 -

Leia mais

USF ANTA ACES GRANDE PORTO VIII ESPINHO/GAIA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL SAÚDE DO NORTE MINISTÉRIO DA SAÚDE

USF ANTA ACES GRANDE PORTO VIII ESPINHO/GAIA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL SAÚDE DO NORTE MINISTÉRIO DA SAÚDE REGULAMENTO INTERNO UNIDADE S A Ú D E FAMILIAR A N T A USF ANTA ACES GRANDE PORTO VIII ESPINHO/GAIA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL SAÚDE DO NORTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GLOSSÁRIO DE ABREVIATURAS SIGLA SIGNIFICADO

Leia mais

Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida REGULAMENTO INTERNO

Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida REGULAMENTO INTERNO Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida REGULAMENTO INTERNO Quinta do Conde, Julho de 2014 Documento originalmente aprovado em Conselho Geral

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Albergaria-a-Velha, 2011

REGULAMENTO INTERNO Albergaria-a-Velha, 2011 REGULAMENTO INTERNO Albergaria-a-Velha, 2011 1 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS RI - Regulamento Interno USF - Unidade de Saúde Familiar DA - Doença Aguda EAD - Exames auxiliares de diagnóstico CSA - Centro

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), que resulta da fusão da Direção-Geral dos Impostos (DGCI), da Direção-Geral das Alfândegas e dos Impostos

Leia mais