USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS"

Transcrição

1 USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS João Paulo Nascimento de Sousa Waldemiro de Aquino Pereira Neto

2 USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DO NÚMERO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS João Paulo Nascimento de Sousa Controle de Tráfego em Área de Fortaleza Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e Cidadania Waldemiro de Aquino Pereira Neto Departamento de Engenharia de Transportes Universidade Federal do Ceará RESUMO No processo de gestão do sistema viário urbano, as redes semafóricas apresentam papel fundamental para garantir um desempenho satisfatório nas condições de fluidez. Além de ações relacionadas à adequada programação dos tempos semafóricos, algumas ações simples, como mudanças nas regras de circulação das vias podem permitir a obtenção de ganhos significativos. Neste trabalho são avaliados, através de recursos de microssimulação, os impactos decorrentes de mudanças no sentido de circulação das vias, visando a redução da quantidade de estágios em uma interseção semaforizada. A pesquisa contemplou a realização de um estudo de caso em um cruzamento semaforizado da cidade de Fortaleza-CE, cujos resultados obtidos apontaram para a obtenção de melhorias nas condições de fluidez. 1. INTRODUÇÃO A cada ano a problemática envolvendo a circulação de pessoas e mercadorias assume maior relevância, principalmente em grandes centros urbanos. Vários fatores podem ser descritos como possíveis catalisadores de problemas, e já são de conhecimento comum. O aumento do volume de veículos, a dificuldade na implementação de alterações na infraestrutura viária, assim como a falta de integração do planejamento nas diversas esferas públicas, têm sido listados como vilões da deterioração das condições de mobilidade urbana, o que é evidenciado pelos congestionamentos recorrentes, além de conflitos mais graves entre os diversos elementos do sistema de transportes. Os profissionais de engenharia de tráfego têm utilizado diversas técnicas para amenizar e gerenciar os transtornos no sistema viário. Alguns exemplos como o uso de semáforos, construção de túneis, viadutos, rotatórias e binários tem sido sistematicamente utilizados no enfrentamento dos conflitos de circulação dos veículos. No entanto, para aplicação destas técnicas, a engenharia de tráfego exige que sejam realizados diversos estudos de planejamento, abrangendo pesquisas volumétricas (classificatória e direcional), de atraso, de origem e destino, o uso de simuladores de tráfego, entre outros. Embora os sistemas modernos de controle de tráfego possibilitem um melhor desempenho na operação da rede viária, permitindo uma otimização dos resultados, é fundamental acompanhar continuamente o desempenho deste sistema. Considerando especificamente o uso de semáforos em interseções, algumas medidas simples relacionadas a uma melhor operação destes dispositivos são capazes de trazer melhorias significativas na redução dos atrasos e elevação da velocidade média do tráfego. Um plano de operação bem ajustado à demanda de tráfego, com a utilização de tempos de verde, ciclo e defasagens bem dimensionadas em uma rede semafórica são medidas básicas para atingir esta finalidade. O desenvolvimento de tecnologias modernas, como controladores de tráfego demandados pelo tráfego, com planos semafóricos otimizados em tempo real facilitaram sobremaneira a atividade de gestão destas redes semafóricas. Entretanto, algumas ações simples relacionadas a mudanças na circulação das vias, também são capazes de trazer ganhos de desempenho. Um exemplo deste tipo de situação é a possibilidade de redução da quantidade de estágios em um 1

3 semáforo através de mudanças na circulação geral do tráfego. Ao se eliminar um estágio do plano semafórico de uma interseção é possível gerar uma maior capacidade nas aproximações do cruzamento, permitindo uma redução nos atrasos e uma possível melhoria da velocidade média, podendo assim elevar as condições gerais de fluidez. Porém, para avaliar este tipo de medida, é também importante avaliar os impactos gerados pela mudança na circulação dos veículos, como por exemplo, o tempo de percurso adicional do tráfego desviado para outras vias (ex: realização de laço de quadra) para se estimar o impacto da medida, comparando as perdas e ganhos para, assim, avaliar se a medida de uma forma global é favorável ou não. O objetivo deste trabalho é apresentar uma estratégia para identificar situações onde a implantação de mudanças na circulação, visando à redução no número de estágios semafóricos, pode contribuir para a melhoria das condições de fluidez do tráfego geral. Esta estratégia prevê o uso de recursos de simulação da operação do tráfego. Como objetivo complementar, o trabalho visa avaliar a utilização dessa estratégia em um cruzamento semaforizado na cidade de Fortaleza. 2. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM SEMÁFOROS Uma análise preliminar visando a redução da quantidade de estágio veicular de um semáforo, deve ser conduzida, levando em consideração os aspectos relacionados a configuração de geometria das vias existentes, bem como suas condições de trafegabilidade. Esses fatores interferem diretamente na viabilidade da proposta, e devem ser avaliados antes da aplicação da redução do estágio semafórico. Dentre os fatores a serem avaliados, podem ser destacados: a) Existência de vias alternativas Como a redução na quantidade de estágios de um semáforo está associada à eliminação de conflitos entre os movimentos de tráfego, é necessário verificar a disponibilidade de vias adjacentes para receber os fluxos decorrentes da transferência destes deslocamentos para outros locais. A inexistência de ruas para a realização do movimento de laço de quadra (movimento de mudança de direção ou de transposição da via por meio do contorno da quadra) e/ou existência de ruas muito distantes do cruzamento, dificultam a realização de tal movimento, muitas vezes inviabilizando a mudança proposta. b) Condições de circulação das vias alternativas A existência de vias estreitas ou com pequeno raio de giro, por exemplo, para a realização do laço de quadra, irá comprometer a capacidade de receber o tráfego desviado, especialmente se o mesmo tiver participação significativa de veículos comercias. Outro aspecto que deve ser considerado diz respeito ao uso e ocupação do solo lindeiro a estas vias. O carregamento de tráfego em vias estritamente residenciais pode elevar o potencial da ocorrência de acidentes, assim como o desvio para vias de comércio intenso pode resultar na penalização destes veículos, elevando significativamente seus níveis de atraso. c) Necessidade da implantação de outras intervenções na área de influência do cruzamento Dependendo de cada cenário viário e volumes de tráfego, algumas alterações à rede viária devem ser realizadas para viabilizar a redução de estágios em um cruzamento semaforizado. Em alguns casos, dependendo da dificuldade de acesso e do volume de veículos desviados, a implantação de um novo semáforo se faz necessária para garantir o acesso com uma maior segurança e com menos atraso à demanda veicular. 3. AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM UM SEMÁFORO ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE FORTALEZA Com o intuito de se avaliar os possíveis ganhos de desempenho a partir da redução da quantidade de estágios em um semáforo, após a verificação dos aspectos tratados na Seção 2, 2

4 a estratégia proposta inclui a realização de simulações da operação do tráfego com a utilização do simulador INTEGRATION. Essas simulações visam permitir a comparação do cenário atual do cruzamento (número atual de estágios) com o cenário modificado (redução do número de estágios), utilizando-se na avaliação as medidas de desempenho atraso veicular médio e tempo médio de viagem. Para a avaliação dessa estratégia foi realizado um estudo de caso em um cruzamento na cidade de Fortaleza (Av. Dr. Theberge e Av. Francisco Sá). A Figura 1 ilustra o cenário atual, onde a programação semafórica possui três estágios, apresentando a formação de grandes filas em todos os sentidos, principalmente nos horários de pico, gerando grandes atrasos e retenção de fluxo Obs: Dados de volume observados na hora de pico (7:00-8:00am) Figura 1: Cruzamento analisado e diagrama de estágios da situação atual. Através de coleta de dados em campo foi observado que a hora de pico no cruzamento corresponde ao horário 7:00 às 8:00 da manhã, com um volume total no cruzamento de 2450 veículos. Analisando os volumes por movimento, verificou-se que os maiores fluxos são os dos sentidos sul/norte da Av. Dr. Theberge e do sentido oeste/leste da Av. Francisco Sá. Avaliando-se as conversões à esquerda, percebe-se que o volume do sentido norte/leste da Av. Dr. Theberge é baixo, enquanto que a demanda do movimento de conversão sul-oeste é bastante considerável, com 293 veículos para a hora de pico. Com base nestas informações foi proposto o cenário apresentado na Figura 2, com a redução de um estágio, com os movimentos de conversão à esquerda da Av. Dr. Theberge sendo realizados através de laços de quadra. Para o processo de calibração do microssimulador a variável atraso médio veicular foi utilizada para comparar os resultados do simulador e os valores observados em campo, sendo encontrados erros percentuais médios relativamente baixos, inferiores a 10%. Figura 2: Cenário proposto avaliado 3

5 4. RESULTADOS E CONCLUSÕES Na Tabela 1estão apresentados os resultados da simulação do cenário atual e proposto para as medidas de desempenho utilizadas. Com base nos resultados, é possível perceber uma redução nos valores dos atrasos médios observados, proporcionando menores valores de atraso no cruzamento. Destaca-se a aproximação oeste do cruzamento, que teve uma redução do atraso de aproximadamente 40 segundos. Se considerada por sua vez a velocidade média estimada para cada aproximação do cruzamento nos dois cenários analisados, é observado um ganho para todas as aproximações, as quais passaram a imprimir velocidades médias maiores que 25 km/h. Tabela 1: Resultados da simulação do cenário atual x cenário proposto Aproximação Atraso Médio Veicular (s) Velocidade Média de Viagem (km/h) Atual Proposto Diferença Atual Proposto Diferença Norte 62,16 41,45-20,71 20,03 26,07 6,04 Sul 81,02 50,04-30,98 17,70 28,28 10,58 Leste 45,88 28,41-17,47 29,48 35,70 6,22 Oeste 74,32 33,05-41,27 16,51 29,20 12,69 Foi simulado ainda um cenário hipotético, considerando a realização do laço de quadra para a conversão a esquerda da aproximação sul através de via mais afastada do cruzamento, com um percurso total de 900 metros, a fim de verificar seu impacto nas medidas de desempenho. Foram levados em consideração para essa análise os indicadores atraso médio veicular e tempo médio de viagem das aproximações do cruzamento, cujos resultados estão apresentados na Tabela 2. Tabela 2: Resultados da simulação do cenário atual x cenário hipotético (laço de quadra estendido) Aproximação Atraso Médio Veicular (s) Tempo Médio de Viagem (s) Cen. Atual Cen. Hipotético Diferença Cen. Atual Cen. Hipotético Diferença Norte 62,16 42,46-19,70 102,89 104,78-1,89 Sul 81,02 51,17-29,85 115,52 118,33-2,81 Leste 45,88 29,72-16,16 70,44 59,98 10,46 Oeste 74,32 34,67-40,05 103,50 64,05 39,45 Comparando os resultados obtidos é verificado que mesmo com o aumento da extensão do laço de quadra no cenário hipotético, uma redução significativa do atraso em todas as aproximações do semáforo permanece sendo observada para a situação em análise. Se considerada por sua vez a variável tempo de viagem, é possível perceber um pequeno aumento nas aproximações norte e sul, sendo estas mais impactadas pela nova configuração do laço de quadra proposta pelo cenário hipotético, em comparação ao cenário atual. Percebese também que na aproximação leste houve uma redução do tempo de viagem de 10s, enquanto que na aproximação oeste, que não teve alteração na extensão do laço de quadra, foi observada uma redução de quase 40s no tempo médio de viagem. Vale ressaltar que estes resultados dizem respeito são aplicáveis estritamente ao cruzamento analisado. Interseções com outras configurações, como por exemplo, com volumes de conversão à esquerda mais elevados irão gerar resultados diferentes, cabendo uma análise específica caso a caso. Neste sentido, o uso da ferramenta de simulação em revela útil por permitir ao tomador de decisão ter uma estimativa dos resultados gerados na fase de concepção de intervenções no sistema viário. 4

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

ANALISE DE COMPATIBILIDADE DA GEOMETRIA VIÁRIA URBANA PARA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DO TIPO CEGONHEIRO O CASO DE FORTALEZA-CE

ANALISE DE COMPATIBILIDADE DA GEOMETRIA VIÁRIA URBANA PARA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DO TIPO CEGONHEIRO O CASO DE FORTALEZA-CE ANALISE DE COMPATIBILIDADE DA GEOMETRIA VIÁRIA URBANA PARA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DO TIPO CEGONHEIRO O CASO DE FORTALEZA-CE Waldemiro de Aquino Pereira Neto Marcos José Timbó Lima Gomes Nadja Glheuca

Leia mais

Aula 22. A travessia de pedestres em semáforos

Aula 22. A travessia de pedestres em semáforos Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2013 Aula 22 A travessia de pedestres em semáforos Esta aula é baseada no Texto 12 das Leituras complementares,

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido

Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido José Maurício Pinto Júnior Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A -

Leia mais

O cálculo do entreverdes conforme o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito

O cálculo do entreverdes conforme o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito O cálculo do entreverdes conforme o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Julho de 2015 Prof. João Cucci Neto Apresentação Este trabalho foi inteiramente baseado no Manual Brasileiro de Sinalização

Leia mais

ESTUDO DE CAPACIDADE. Fluxo Interrompido CAPACIDADE ~ FLUXO DE SATURAÇÃO S = fluxo de saturação (V eq /htv) para largura de via entre 5,5 e 18,0m

ESTUDO DE CAPACIDADE. Fluxo Interrompido CAPACIDADE ~ FLUXO DE SATURAÇÃO S = fluxo de saturação (V eq /htv) para largura de via entre 5,5 e 18,0m ESTUDO DE CAPACIDADE CAPACIDADE DE TRÁFEGO (C): é o máximo fluxo que pode atravessar uma seção ou um trecho de via, nas condições existentes de tráfego, geometria e controle, em um determinado período

Leia mais

SP 01/06/92 NT 146/92. Justificativa da Necessidade de Reavaliação dos Critérios de Instalação de Semáforos. Núcleo de Estudos de Tráfego

SP 01/06/92 NT 146/92. Justificativa da Necessidade de Reavaliação dos Critérios de Instalação de Semáforos. Núcleo de Estudos de Tráfego SP 01/06/92 NT 146/92 Justificativa da Necessidade de Reavaliação dos Critérios de Instalação de Semáforos Núcleo de Estudos de Tráfego Situação Atual A cada ano 250 novos semáforos são instalados em São

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

Gerenciamento Ativo de Tráfego: Avaliação das Condições Operacionais em Trecho de Uso do Acostamento como Faixa de Tráfego

Gerenciamento Ativo de Tráfego: Avaliação das Condições Operacionais em Trecho de Uso do Acostamento como Faixa de Tráfego Gerenciamento Ativo de Tráfego: Avaliação das Condições Operacionais em Trecho de Uso do Acostamento como Faixa de Tráfego Técnicas de gerenciamento de tráfego apoiadas em informações obtidas em tempo

Leia mais

GRUPO COM 04 PESSOAS

GRUPO COM 04 PESSOAS Departamento de Transportes Engenharia de Tráfego TT056 TRABALHO II ESTUDO DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS GRUPO COM 04 PESSOAS Profa.Márcia de Andrade Pereira Bernardinis TRABALHO II 1. Escolha

Leia mais

Características do tráfego

Características do tráfego Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 3 Características do tráfego Leitura do texto Cidades abarrotadas de veículos e congestionamentos

Leia mais

SOBRE O IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE UM CORREDOR EXCLUSIVO PARA ÔNIBUS EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO DE CASO PARA BELO HORIZONTE

SOBRE O IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE UM CORREDOR EXCLUSIVO PARA ÔNIBUS EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO DE CASO PARA BELO HORIZONTE SOBRE O IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE UM CORREDOR EXCLUSIVO PARA ÔNIBUS EM CENTROS URBANOS: UM ESTUDO DE CASO PARA BELO HORIZONTE Clarissa Pontes UFMG Brasil Ewerton Sanches ImTraff Consultoria e Projetos

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

IMPACTO NAS MEDIDAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DEVIDO À SUBSTITUIÇÃO DE INTERSEÇÃO SEMAFORIZADA POR ROTATÓRIA

IMPACTO NAS MEDIDAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DEVIDO À SUBSTITUIÇÃO DE INTERSEÇÃO SEMAFORIZADA POR ROTATÓRIA IMPACTO NAS MEDIDAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DEVIDO À SUBSTITUIÇÃO DE INTERSEÇÃO SEMAFORIZADA POR ROTATÓRIA Bruno Vieira Bertoncini Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel)

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Dados de março de 2010 Sumário 1 Avaliação Geral...3 1.1 Consumo de espaço, tempo e energia por auto, ônibus e moto...3 1.2 Custos para

Leia mais

Nova Concessão da Ponte Rio / Niterói

Nova Concessão da Ponte Rio / Niterói Nova Concessão da Ponte Rio / Niterói SECRETARIA Rio, 15/10/14 1. Histórico: Fechamento do Canal de São Lourenço (Niterói); Processo de Concessão anterior (1994); Decisão do Governo Federal apresentada

Leia mais

Mobilidade na Vistoria e Entrega de Obras

Mobilidade na Vistoria e Entrega de Obras Mobilidade na Vistoria e Entrega de Obras Sumário 1. Introdução... 03 2. Vistoria e Entrega com auxílio de tecnologias móveis - Mobuss Construção.......... 05 3. Construção.... 10 4. Inspeção Final.. 12

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Escopo da Intercontinental

Escopo da Intercontinental Escopo da Intercontinental A logística de distribuição é considerada hoje um dos principais fatores que influenciam no desenvolvimento organizacional do país, que por sua vez passa por uma estagnação de

Leia mais

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Ricardo Barros IPEA Mirela de Carvalho IETS Ao longo da última década, cada vez mais redes públicas de ensino municipais e estaduais passaram

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO

O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO Fernanda Zorzi 1 Catherine Chiappin Dutra Odir Berlatto 2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema principal a gestão financeira através

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 3. Características do tráfego

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 3. Características do tráfego Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2016 Aula 3 Características do tráfego Recomendações de leitura: - Texto VII: Cidades abarrotadas de

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DIMENSIONAMENTO DE RECURSOS PARA OPERAÇÃO DE EVENTOS E ATIVIDADES EM VIAS PÚBLICAS. Conforme solicitado

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DIMENSIONAMENTO DE RECURSOS PARA OPERAÇÃO DE EVENTOS E ATIVIDADES EM VIAS PÚBLICAS. Conforme solicitado Pág.: 1/5 I. PROCEO Autorização de Eventos. II. EXECUTATE Gestor de Trânsito III. MATERIAL ECEÁRIO Material olicitação para Autorização de evento/atividade Microcomputador com istemas C e AE Quantidade

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Popular / EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 2º prolongamento prazo

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Popular / EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 2º prolongamento prazo Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

ESTUDO DE TRÁFEGO DA ÁREA DE ENTORNO DO CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ

ESTUDO DE TRÁFEGO DA ÁREA DE ENTORNO DO CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA SEINFRA Centro de Eventos do Ceará ESTUDO DE TRÁFEGO DA ÁREA DE ENTORNO DO CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ RELATÓRIO TÉCNICO FORTALEZA, MARÇO DE 2012

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA.

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA. RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA São Paulo 2008 1 RESUMO Nenhum sistema construtivo pode ser apontado como

Leia mais

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Os salários serão administrados dentro das faixas salariais de cada classe de cargos. A determinação dos salários

Leia mais

Estudo de Caso: uso de micro simulação de tráfego para revisão do projeto da Av. Manoel Ribas, em Curitiba, com inclusão de ciclofaixa

Estudo de Caso: uso de micro simulação de tráfego para revisão do projeto da Av. Manoel Ribas, em Curitiba, com inclusão de ciclofaixa Estudo de Caso: uso de micro simulação de tráfego para revisão do projeto da Av. Manoel Ribas, em Curitiba, com inclusão de ciclofaixa RESUMO Francisco Caron MALUCELLI. Engenheiro Civil pela UFPR, Engenheiro

Leia mais

SP 10/03/82 NT 078/82. Mini Rotatória: A opinião da Comunidade. Virgínia Colaneri Reis Antunes Ivone Piwowarczyk. Introdução

SP 10/03/82 NT 078/82. Mini Rotatória: A opinião da Comunidade. Virgínia Colaneri Reis Antunes Ivone Piwowarczyk. Introdução SP 10/03/82 NT 078/82 Mini Rotatória: A opinião da Comunidade Virgínia Colaneri Reis Antunes Ivone Piwowarczyk Introdução A realização de pesquisas junto à população, averiguando sua opinião quanto às

Leia mais

Cálculo da Capacidade

Cálculo da Capacidade Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Cálculo da 2 1 - É o máximo de veículos que podem atravessar uma

Leia mais

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial.

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. AUTORES: Bruno Cosenza Botelho Nogueira (1) ; Edmundo José Moraes Negrão da Silva (1) ; Maria Ermelina Brosch Malatesta (1) (1) Companhia de Engenharia

Leia mais

A ocupação urbana da RMB, sobretudo da capital, é de concentração de serviços e infraestrutura nas regiões centrais que, consequentemente, também são

A ocupação urbana da RMB, sobretudo da capital, é de concentração de serviços e infraestrutura nas regiões centrais que, consequentemente, também são A Região Metropolitana de Belém é composta por sete municípios e tem cerca de 2,1 milhões de habitantes, de acordo com o Censo 2010, sendo a maior da região Norte. Belém e Ananindeua integram a RMB desde

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG 050 Rogério D Avila UFMG - Brasil Guilherme Cardoso

Leia mais

Implantando Pontos de Função com PSM

Implantando Pontos de Função com PSM Implantando Pontos de Função com PSM Diana Baklizky & Cecília Techy diana@metricas.com.br cecilia@metricas.com.br ti MÉTRICAS R. Domingos de Morais, 2243/36 São Paulo, SP Brasil www.metricas.com.br 1 Agenda

Leia mais

Resultados obtidos nas medições.

Resultados obtidos nas medições. Resultados obtidos nas medições. Os dados na sequência representam dois ensaios de aquecimento da água no reservatório de 200 litros de duas formas distintas. No primeiro aquecimento se faz o ensaio do

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD 1/6 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é estabelecer planos de contingência a serem aplicados nos casos de alteração das condições normais de operação do COD, seja por motivo de concentração

Leia mais

Planejamento integrado em 4D. Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS

Planejamento integrado em 4D. Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS Planejamento integrado em 4D Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS A GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos nasceu da convicção

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I Prof. MsC. Roberto Monteiro CONCEPÇÃO DE OBRAS DE FUNDAÇÕES Pof. Msc. ROBERTO MONTEIRO INTRODUÇÃO Comentário Inial O estudo de concepção

Leia mais

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20 1 Introdução Projetos de software normalmente estão bastante suscetíveis a passar por inúmeras modificações ao longo do seu ciclo de vida. Muitos deles falham ao atingir seus resultados necessários dentro

Leia mais

Considerando o acelerado crescimento urbano e industrial brasileiro e da frota de veículos automotores;

Considerando o acelerado crescimento urbano e industrial brasileiro e da frota de veículos automotores; RESOLUÇÃO CONAMA Nº 005, de 15 de junho de 1989 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso VII, do Art. 8º, da Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981 e

Leia mais

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS As primeiras incubadoras de empresas surgiram no Brasil na década de 80 e desde então, o número de incubadoras vem crescendo sensivelmente. Em 1982, foi fundado sob a

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

Tabela 4.1 Distribuição dos indicadores por tipo Tipo de Indicador No. de indicadores. Indicadores de Evento 93. Indicadores de Tendência 37

Tabela 4.1 Distribuição dos indicadores por tipo Tipo de Indicador No. de indicadores. Indicadores de Evento 93. Indicadores de Tendência 37 4 Estudo de Casos A metodologia proposta no capítulo 3 foi aplicada em casos reais coletados de equipamentos Caterpillar da Sotreq. As falhas aqui estudadas são referentes a dois componentes do caminhão:

Leia mais

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3. LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém

Leia mais

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DOS PRATOS CENTRO PIÃO DOS VAGÕES

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DOS PRATOS CENTRO PIÃO DOS VAGÕES DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DOS PRATOS CENTRO PIÃO DOS VAGÕES Autor: Warlisson Sousa de Almeida RESUMO Com a evolução dos tempos a técnica ferroviária foi sendo aperfeiçoada de tal

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES DEFESA DE TESE PROGRAMA DE DOUTORADO ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 0313101 APRIMORAMENTO DE UM CURSO DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO À

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Captura de Imagem (fotos) nos serviços de leitura de medidores em Baixa Tensão. Vanderlei

Leia mais

Processo Unificado (PU) Unified Process

Processo Unificado (PU) Unified Process Processo Unificado (PU) Unified Process 10 de junho de 2011 Adonai Canêz One comment Introdução O Processo Unificado (PU) surgiu para realizar o desenvolvimento de software visando a construção de sistemas

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU Mobilidade Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana Prefeitura de Nova Iguaçu Principais Ações Criação do Centro de Operações de Nova Iguaçu CONIG 76 câmeras Principais Ações Centralização

Leia mais

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia)

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) Sun Hsien Ming * Semáforos de LED s (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) A geração de luz utilizando a propriedade de emissão de diodos formados por cristais

Leia mais

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU ESTUDO DE IMPACTO NO TRÁFEGO Loteamento Fazenda Flores SPE Ltda ABRIL / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA Pós-Graduação em Logística e Supply Chain Valdick Sales 1 APRESENTAÇÃO Valdick sales Graduado em Ciência da Computação pela UFPE. Pós-Graduado em Redes e Banco

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/ Nº 134, de 14 de agosto de 2003.

Leia mais

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Ciclos de Vida 1 Ciclo de Vida de um Produto Qualquer desenvolvimento de produto inicia com uma idéia e termina com o produto pretendido. O ciclo de vida de um produto

Leia mais

Engenharia de Software I. Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza

Engenharia de Software I. Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza 1 Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 2 Rational Unified Process RUP Fase Inicição VISÃO GERAL 3 Visão Geral FASES do RUP 4 A partir

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO Introdução 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O elevado crescimento urbano verificado nos últimos anos, bem como a necessidade de construção de vias de comunicação, de forma a contribuir

Leia mais

FUNDAÇÃO FAT. Módulo Especial: "Aspectos Econômicos, Financeiros, Contratuais e Legais das Parcerias Público Privadas" TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

FUNDAÇÃO FAT. Módulo Especial: Aspectos Econômicos, Financeiros, Contratuais e Legais das Parcerias Público Privadas TRANSPORTE DE PASSAGEIROS FUNDAÇÃO FAT TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO INTERATIVO Módulo Especial: "Aspectos Econômicos, Financeiros, Contratuais e Legais das Parcerias Público Privadas" Apresentar por partes a estrutura, o prazo,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios e procedimentos para elaboração da Simulação Hidráulica dos Sistemas de Abastecimento de Água, visando: Simulação e Calibração do Sistema Existente;

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A.

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A. Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo Não Técnico IC10 Santarém / Almeirim (N118) Relatório nº AG/08/0424-5RNT Página 1 de 11 IC10 Santarém / Almeirim (N118) PLANO DE AÇÃO Resumo Não Técnico

Leia mais

CURVAS DE AGREGAÇÃO DE RECURSOS: UMA ANÁLISE DE SITUAÇÕES REAIS EM OBRAS RESIDENCIAIS

CURVAS DE AGREGAÇÃO DE RECURSOS: UMA ANÁLISE DE SITUAÇÕES REAIS EM OBRAS RESIDENCIAIS CURVAS DE AGREGAÇÃO DE RECURSOS: UMA ANÁLISE DE SITUAÇÕES REAIS EM OBRAS RESIDENCIAIS Lucia Bressiani (1); (2) Humberto Ramos Roman; (3) Luiz F. M. Heineck (1) Departamento de Engenharia de Civil Faculdade

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

6 ANÁLISE DOS RESULTADOS

6 ANÁLISE DOS RESULTADOS 6 ANÁLISE DOS RESULTADOS A SULGAS iniciou a construção do seu SAD, para o planejamento da distribuição de granéis líquidos, em setembro de 2002. Começando pela análise do seu processo de distribuição,

Leia mais

Segurança nas Rodovias e Força Centrífuga

Segurança nas Rodovias e Força Centrífuga Segurança nas Rodovias e Força Centrífuga Vinicius Isoppo Rodrigues (LASTRAN/UFRGS) João Fortini Albano (PPGEP/UFRGS) Resumo No Brasil ocorrem anualmente cerca de 35mil mortes e mais de 400mil feridos

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO VISIBILIDADE NA CAPACIDADE DE UMA VIA SECUNDÁRIA NÃO SEMAFORIZADA ESTUDO DE CASO

VERIFICAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO VISIBILIDADE NA CAPACIDADE DE UMA VIA SECUNDÁRIA NÃO SEMAFORIZADA ESTUDO DE CASO VERIFICAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO VISIBILIDADE NA CAPACIDADE DE UMA VIA SECUNDÁRIA NÃO SEMAFORIZADA ESTUDO DE CASO Felipe Viana Bezerra Maia Dante Diego de Moraes Rosado e Souza Autarquia Municipal

Leia mais

Aula 17. Sinalização semafórica: exercícios sobre programação semafórica (cont.)

Aula 17. Sinalização semafórica: exercícios sobre programação semafórica (cont.) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 17 Sinalização semafórica: exercícios sobre programação semafórica (cont.) 17.1. Exercício

Leia mais

Uma pesquisa sobre a percepção da legenda DEVAGAR pelos motoristas

Uma pesquisa sobre a percepção da legenda DEVAGAR pelos motoristas O texto a seguir é a reprodução fiel de um trabalho publicado como Nota Técnica 154, pela CET, de São Paulo, em setembro de 1992. A série Nota Técnica é de circulação interna à Companhia e serve para divulgar

Leia mais

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Brasília, 2014 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL Construção da nova Via Binário do Porto CRONOGRAMA 12/10 - sábado - Início da divulgação de medidas de redução de impacto sobre o trânsito Sinalização Incentivo ao uso de

Leia mais

CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS

CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS Cruzamento Rua das Pitangueiras x Avenida das Araucárias Segunda-feira, 05 de setembro de 2016 1 INTRODUÇÃO Com o objetivo de fomentar o uso do metrô, propondo intervenções

Leia mais

FAZENDO CIDADES FUNCIONAREM PARA AS PESSOAS.

FAZENDO CIDADES FUNCIONAREM PARA AS PESSOAS. FAZENDO CIDADES FUNCIONAREM PARA AS PESSOAS simule a vida real Legion Spaceworks Reconhecido mundialmente como o software líder de mercado em sua categoria, SpaceWorks simula o movimento de pedestres com

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana

Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Mobilidade Urbana Superintendência de Serviços de Transportes de Passageiros Gerência de Regulação e Outorga de Estrutura da Apresentação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Modelo

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

Empreitada de Execução das Redes de Saneamento de Benavente EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 4º prolongamento

Empreitada de Execução das Redes de Saneamento de Benavente EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 4º prolongamento Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES / Informações referentes a Agosto de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES / Informações referentes a Agosto de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES 13.455.136/0001-38 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO NET FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES IBOVESPA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO NET FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES IBOVESPA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO NET FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES IBOVESPA 14.104.106/0001-40 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Ana Bastos Silva, Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra João Pedro Silva, Dep. Engª Civil da ESTG, Instituto Politécnico

Leia mais

Pesquisa Operacional. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Pesquisa Operacional. Evanivaldo Castro Silva Júnior Evanivaldo Castro Silva Júnior Conteúdo Fundamentos da Pesquisa Operacional. Modelos Lineares. Métodos de solução gráfica e algoritmo simplex. Aplicações de Programação Linear. Análise de Sensibilidade.

Leia mais

Estudo de circulação da Rua de Costa

Estudo de circulação da Rua de Costa Estudo de circulação da Rua de Costa Cabral PELOURO DA MOBILIDADE Apresentação preliminar - Março 2015 ENQUADRAMENTO No âmbito do projeto Via Livre, que envolve a STCP, PM e DMGVP, a rua de Costa Cabral

Leia mais

Técnica de análise de conflitos

Técnica de análise de conflitos NT 210 Técnica de análise de conflitos Engº Sun Hsien Ming 1. Apresentação Tendo em vista a importância cada vez maior da análise de conflitos, julgou-se útil divulgar alguns conceitos e resultados constantes

Leia mais