Unidade III. Unidade III. Nesta unidade serão retomadas algumas temáticas que permearam o serviço social brasileiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III. Unidade III. Nesta unidade serão retomadas algumas temáticas que permearam o serviço social brasileiro."

Transcrição

1 Unidade III Nesta unidade serão retomadas algumas temáticas que permearam o serviço social brasileiro. O contexto histórico brasileiro está intimamente ligado à evolução do serviço social no Brasil, pois com a evolução político-econômica, novas demandas foram apresentadas e impostas para profissão. O golpe de 1964 traça uma linha tênue no serviço social. As primeiras ações do serviço social no Brasil iniciaram-se com a iniciativa do Centro de Estudos e Ação Social CEAS, no ano de Para tanto, requisitou-se do serviço social um rearranjo e uma revisão de seus ideários e embasamentos, em tal tarefa destacaram-se os congressos de serviço social no âmbito nacional e internacional, que propunham este rearranjo de modo emergencial. Intenta-se uma ruptura com o tradicionalismo e conservadorismo profissional, que revelam que o serviço social só poderia viver mudanças efetivas quando fosse conhecido e reconhecido no âmbito da universidade, através da conversa direta, da produção teórica e crítica, e de sua interlocução com as ciências sociais e os intelectuais. Apresentam-se três as vertentes que permeavam sua renovação: perspectiva modernizadora Araxá (1967) e Teresópolis (1970); reatualização do conservadorismo Sumaré (1978) e Alto da Boa Vista (1984); e a intenção de ruptura: Método BH (72/75) e INOCOOP, final da década de setenta. 5 O SERVIÇO SOCIAL A PARTIR DA DÉCADA DE 1930 A crise comercial de e o movimento de outubro de 1930 representaram marcos decisivos na trajetória da sociedade brasileira, pois foi nesse período que ocorreu a reorganização das esferas estatal e econômica no país. O período de 1930 a 1945 coincide com dois grandes fatores político-sociais: a Segunda Guerra Mundial (Europa) e o período do Estado Novo (Brasil), caracterizando o surgimento da profissão no 42 1 Os Estados Unidos vivenciavam um período de desenvolvimento e prosperidade, porém a partir de 1925, uma crise econômica assolava sua economia visto que o ritmo da industrialização não estava sincronizado com a classe trabalhadora, suas condições e salários. Os EUA estavam em plena euforia econômica, o que o impulsionava à superprodução, porém o mercado estava escasso e nem sempre ela era absorvida. Para tentar amenizar esta situação, os EUA foram obrigados a diminuir sua produção, realizar demissões massa, vivendo um estado de crise. Esta crise chegou à Bolsa de Valores e no mercado de ações, onde os preços despencaram, ocasionando o crash (quebra). Seus reflexos permearam a economia brasileira, com a crise da economia do café-com-leite e pela diminuição do mercado americano.

2 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Brasil sob influência europeia. É só a partir de 1945 que se observa uma expansão do serviço social no país, com o fortalecimento do capitalismo local e as mudanças mundiais decorrentes do período pós Segunda Guerra Mundial. Nesse período, o serviço social tinha as seguintes características: era assistencial, caritativo, missionário e beneficente. O Estado Novo era marcado por um contexto de modelo corporativista, por uma política industrialista, com participação da burguesia industrial na gestão do Estado e êxodo rural devido à industrialização. As legislações sociais têm um caráter vital nesse contexto, reconhecendo legalmente a cidadania e os direitos dos trabalhadores. Essa ação nada mais era do que uma forma social de exploração da classe trabalhadora. As primeiras ações do serviço social no Brasil iniciaram-se com a iniciativa do Centro de Estudos e Ação Social CEAS, no ano de Já em 1935, criou-se a Lei nº 2497, de 24/12/1935, que estabelecia o Departamento de Assistência Social do Estado, o primeiro no país. No ano de 1934, com a Carta Constitucional os serviços sociais se consolidam. A primeira medida legal no âmbito federal, nessa consolidação da ação profissional, ocorreu em 1938 através do Decreto-lei nº 525, de 01/07/1938, que organizou nacionalmente o serviço social, enquanto modalidade de serviço público. Nesse mesmo contexto, criou-se o Conselho Nacional de serviço social CNSS, que tinha uma função consultiva para o governo. O CNSS tinha como principais funções: realização de inquéritos e pesquisas sobre as situações de desajustes sociais; organização do plano nacional de serviço social, englobando os setores público e privado; sugerir políticas sociais a serem desenvolvidas pelo governo; opinar sobre a concessão de subvenções governamentais às entidades privadas. Sua função era igual a tantas funções e atribuições, manipuladora, com mecanismo de clientelismo político. Entre os anos de 1935 a 1939, a ação profissional limitava-se ao trabalho com migrantes, imigrantes, famílias de operários, menores, desvalidos, trabalhadores e egressos de reformatórios, penitenciárias e hospitais, com uma prática doutrinária e eminentemente assistencial. Eram incipientes as práticas em empresas, mais associadas à concessão de benefícios. As práticas desenvolvidas pelos primeiros assistentes sociais estavam voltadas para a organização da assistência, para a educação popular e para a pesquisa social. 43

3 44 O serviço social a partir de 1930 sofre transformações de ordem prática em seu discurso profissional, influenciadas pelo pragmatismo e assistencialismo ao ser verificada a necessidade de serem criados novos métodos e técnicas de buscar conteúdos teóricos e ideológicos em outras ciências, como na psicologia e na psiquiatria, a fim de haver uma adequação à realidade brasileira. No ano de 1938, a Seção de Assistência Social, foi organizada com a finalidade de melhor atender e reajustar certos grupos e desenvolve o chamado serviço social de casos individuais, a Orientação Técnica das Obras Sociais, o Setor de Investigação e Estatística e o Fichário Central de Obras e Necessitados. Segundo Iamamoto (2003) o método do serviço social de casos este tem por finalidade estimular o necessitado, fazendo-o participar ativamente de todos os projetos que se relacionam com seu tratamento (...) utilizar todos os elementos do meio social que possam influenciá-lo no sentido desejado, facilitando sua readaptação. A escola de serviço social passou por rápidos processos de adequação, como o ocorrido na firmação do convênio entre o CEAS e o Departamento de Serviço Social do Estado em 1939, para a organização dos centros familiares. Essa adequação refletiu na introdução de um currículo na escola, o Curso Intensivo de Formação Familiar. O Instituto de serviço social de São Paulo, que surgiu em 1940, veio como um desmembramento da Escola de Serviço Social, sendo patrocinado pela Juventude Universitária Católica JUC, destinando-se à formação de trabalhadores sociais especializados para o serviço social do trabalho. A fase entre é caracterizada como de influência europeia ou serviço social antigo, englobando, também, a chamada reação católica. Observa-se uma substituição da influência europeia pela norte-americana, marcada pelo Congresso Interamericano de Serviço Social, realizado em 1941, em Atlantic City (EUA), que alterava o processo de formação dos assistentes sociais e consequentemente a prática profissional. A mudança No Brasil também se apresenta a influência de ações ligadas à área de enfermagem. No ano de 1940 é introduzido o curso de Preparação em Trabalho Social na Escola de Enfermagem Ana Nery. Esse curso deu origem à Escola de serviço social da Universidade do Brasil. apresentava-se no discurso relativo ao cliente, sob a ótica de um julgamento moral através da análise de cunho psicológico, na qual era estudado o indivíduo a partir da se história familiar e individual. Essas eram influenciadas pela personalidade, sendo necessário, também, compreender os fatores econômicos e psicológicos. Introduziu-se a metodologia do serviço social de casos individuais, que tinha como característica a concepção teórica e ideológica de homem e de mundo permeada de neutralidade quanto ao seu objeto de estudo, porém com certo envolvimento o assistente social se colocava no lugar do outro.

4 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL A principal expansão do trabalho do assistente social se deu na área da saúde, que, a partir de 1948, passou a abordar aspectos biopsicossociais, demandando uma ampliação das equipes, que não mais se restringia aos médicos, para atender em uma perspectiva higienista. O higienismo coloca a necessidade de controlar e educar a população para hábitos de higiene, visando diminuir a ocorrência de doenças, especialmente as infectocontagiosas, decorrentes do processo de migração desordenado para os centros urbanos, com o aparecimento de habitações coletivas, além das condições insalubres de trabalho nas indústrias da época. Para lidar com a mudança de hábitos sem uma preocupação com a melhoria das condições de vida da população por meio de uma política habitacional ou de ações efetivas para a melhoria das condições de trabalho, tornando-o menos insalubre e sem qualquer projeto de acesso à educação, a saúde amplia suas equipes técnicas, dando ênfase ao trabalho em equipe multidisciplinar, para ampliar a abordagem em saúde, introduzindo conteúdos preventivos e educativos, e criar programas de atendimento a esse segmento da população, dada a inviabilidade de universalizar a atenção médica e social. Um fator que possibilitou a ampliação das equipes nos serviços de saúde foi o financiamento da saúde pela previdência social, que não garantia o acesso universal por ser contributiva. O assistente social que atuava nessa área vivia os conflitos da falta de acesso à saúde pelas populações que estavam fora do mercado formal de trabalho e, portanto, não tinham direito de utilizar os recursos existentes. Nesse contexto, os benefícios eram financiados pelos próprios indivíduos que os recebiam. O trabalho do assistente social na área de saúde era restrito ao atendimento de casos e era reconhecido como serviço social médico. Esse período histórico e social, cujo auge se dá em 1939, culmina com a retomada do aprofundamento do capitalismo no âmbito da expansão da produção industrial, com a intervenção estatal voltada para facilitar e intensificar acumulação, sendo pano de fundo para a ação profissional. 5.1 O serviço social na década de 1940: os congressos de serviço social e sua influência no perfil profissional O serviço social pós anos de 1940, ruma à sistematização e concretização de sua prática. A partir dessa década, o serviço social buscava conteúdos teóricos e metodológicos que melhor instrumentassem sua ação prática. É nesse contexto que se destacam os congressos de serviço social que influenciaram a profissão rumo a uma melhor adequação teórica e metodológica. No ano de 1942 ocorreu o 1º Congresso Pan-Americano de Serviço Social, no Chile, o qual apresentaria as primeiras expressões de mudança metodológica, porém com traços de continuidade, reafirmação da influência norte-americana, marcando uma nova hegemonia internacional. 45

5 Ainda no âmbito da América Latina, merece destaque o Congresso Pan-Americano de 1945, no qual compareceram 14 delegadas estrangeiras, com um caráter mais oficial. Esse encontro tinha uma divisão em três temas, sendo esses: 1. Ensino de serviço social. 2. Temas oficiais: serviço social no meio rural; serviço social industrial; serviço social em instituições médicas; serviço social da infância e adolescência. 3. Temas Livres. Era nítido o caráter de posicionamento político e ideológico no que se referia à profissão, debatia-se sobre sua atuação na indústria, verificada como um avanço. Prevalecia o caráter de neutralidade, a conciliação entre o capital e o trabalho, a ação educativa e de valorização integral do homem pelo serviço social, e que este deveria contar com a colaboração dos setores patronais e operários. O serviço social reafirmava os discursos do inicio da profissão como também o posicionamento junto às entidades e programas pan-americanos relacionadas à assistência e o apoio da Organização dos Estados Americanos OEA 2. A discussão que mais merecia destaque era sobre a formação para o serviço social, na qual se procurou definir normas para o funcionamento das escolas, a partir de um padrão mínimo de exigências, tais como planos de trabalhos, currículo básico, entre outros. Surgiu nessa época a Associação Brasileira de Escolas de Serviço Social ABESS e a Associação Brasileira de Assistentes Sociais ABAS. O primeiro Congresso Brasileiro de Serviço Social foi promovido no ano de 1947 pelo Centro de Estudos e Ação Social CEAS. Teve um caráter preparatório para o 2º Congresso Pan-americano a ser realizado em 1949, com ampla participação das entidades particulares e governamentais. Esse congresso foi marcado pela ausência de uma temática central. Os debates suscitados levaram a algumas conclusões organizadas em seis grandes campos: serviço social e família; serviço social de menores; educação popular e lazeres; serviço social médico; serviço social na indústria, agricultura e comércio; e os agentes do serviço social Sua ação baseava-se no impedimento do avanço comunista com a erradicação de suas fontes potenciais, implementando programas de assistência que amenizassem os ânimos.

6 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Essa diversidade de temas refletia muito o contexto e momento que o país vivia. O país vivia a plena efusão do Estado Novo, com um aparato assistencial desenvolvido que ampliava o mercado para o assistente social com a finalidade de atender as pressões desencadeadas pelos novos setores urbanos, atuando nas sequelas da miséria. Foi importante também, nesse contexto, a exposição realizada através da implantação do serviço social em entidades e programas específicos tais como o do serviço social da Indústria SESI, da Fundação Leão XIII, entre outras. Apresentou também a atuação do assistente social em áreas especificas, tais como: serviço social e doenças venéreas; delinquência infantil; refugiados em função de guerra; serviço social escolar. Esse congresso apresentava como preocupação central as condições da família proletária e a formação de lideres através do serviço social de grupo. O 1º Congresso Brasileiro de Serviço Social estabelecia, através dos seis grandes temas, as seguintes recomendações: Serviço social e família: criação de órgãos de assistência integral à família, moradias populares, legalização das uniões, assistência aos jovens decaídos. Serviço social de menores: dar prioridade à colocação familiar, criação de serviços de colocação familiar, reforma no código de menores e da justiça de menores: assistência à infância excepcional. Educação popular e lazer: necessidade de educação integral como fundamento da moral cristã, proporcionando educação integral à família operária, educação para adulto e o aproveitamento racional das horas de lazer; preparação de lideres. Serviço social médico: integração do serviço social nas instituições médicas com funções especifica do serviço social de caso, definindo suas funções. Serviço social na indústria, comercio e agricultura: visão de empresa como uma comunidade funcional, que produz um papel de consenso. Produziria o respeito mútuo entre os elementos da produção; serviço social como meio de reajustamento e emancipação; incorporação nas empresas da prevenção de acidentes, educação para a legislação social, estudo de soluções problemas no meio rural, com a criação de uma entidade rural. Criação de serviço social nas escolas rurais; Agentes de serviço social: visão do serviço social como atividade cientifica e também como filosofia de vida; formação de supervisores; intercâmbio entre escolas; criação de associação de alunos. 47

7 No ano de 1947, a Seção Regional de São Paulo, órgão ligado a ABAS, estabelecia o primeiro Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais. Saiba mais: Aprovado em , o Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais era fruto dos primeiros movimentos profissional rumo à profissionalização. Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais Aprovado em Assembleia Geral da Associação Brasileira de Assistentes Sociais (ABAS) Seção São Paulo, em 29 de setembro de Introdução I Moral ou Ética pode ser conceituada como a ciência dos princípios e das normas que se devem seguir para fazer o bem e evitar o mal. II A moral aplicada a uma determinada profissão recebe o nome de ética profissional; relacionada esta com o serviço social, pode ser chamada de deontologia do serviço social. III A importância da deontologia do serviço social provém do fato de que o serviço social não trata apenas de fator material, não se limita à remoção de um mal físico, ou a uma transação comercial ou monetária: trata com pessoas humanas desajustadas ou empenhadas no desenvolvimento da própria personalidade. IV A observância dos princípios da deontologia do serviço social exige, da parte do Assistente Social, uma segura formação em todos os ramos da Moral. Secção I Deveres fundamentais É dever do Assistente Social: 1. Cumprir os compromissos assumidos, respeitando a lei de Deus, os direitos naturais do homem, inspirando-se, sempre em todos seus atos profissionais, no bem comum e nos dispositivos da lei, tendo em mente o juramento prestado diante do testemunho de Deus. 2. Guardar rigoroso sigilo, mesmo em depoimentos policiais, sobre o que saiba em razão do seu ofício. 48

8 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL 3. Zelar pelas prerrogativas de seu cargo ou funções e respeitar as de outrem. 4. Recusar sua colaboração ou tomar qualquer atitude que considere ilegal, injusta ou imoral. 5. Manter uma atitude honesta, correta, procurando aperfeiçoar sua personalidade e dignificar a profissão. 6. Levar ao conhecimento do órgão competente da ABAS Seção São Paulo, qualquer transgressão deste Código. 7. Manter situação ou atitude habitual de acordo com as leis e bons costumes da comunidade. Secção II Deveres para com o beneficiário do serviço social I E dever do Assistente Social: 1. Respeitar no beneficiário do serviço social a dignidade da pessoa humana, inspirando-se na caridade cristã. 2. Aplicar todo zelo, diligência e recursos da ciência no trabalho a realizar e nunca abandonar um trabalho iniciado, sem justo motivo. II Não é permitido ao Assistente Social: Aceitar remuneração de um beneficiário de uma organização, por serviços prestados em nome desta. Secção III Deveres para com os colegas I É dever do Assistente Social: 1. Tratar os colegas com perfeita cortesia, evitando fazer quaisquer alusões ou comentários desairosos sobre sua conduta na vida privada e profissional. 2. Abster-se de discutir em público sobre assunto de interesse exclusivo e reservado da classe. 49

9 II Não é permitido ao Assistente Social: 1. Pronunciar-se sobre serviço confiado a outro Assistente Social, ainda que tenha em vista o bem do serviço social, sem conhecer os fundamentos da opinião daquele, e sem contar com seu expresso consentimento. 2. Aceitar funções ou encargos anteriormente confiados a um Assistente Social sem antes procurar informar-se da razão da dispensa deste, de sorte a não aceitar a substituição desde que esta implique em desmerecimento para a classe. Secção IV Deveres para com a organização onde trabalha I É dever do Assistente Social: 1. Pautar suas atividades por critério justo e honesto, empregando todo o esforço em prol da dignidade e elevação das funções exercidas. 2. Tratar os superiores com respeito, o que não implica restrição de sua independência quanto às suas atribuições em matéria específica de serviço social. II Não é permitido ao Assistente Social: 1. Alterar ou deturpar intencionalmente depoimentos, documentos, relatórios e informes de natureza vária, para iludir seus superiores ou quaisquer outros fins. 2. Valer-se da influência do seu cargo para usufruir, ilicitamente, vantagens de ordem moral ou material. 3. Prevalecer-se de sua situação para melhoria de proventos próprios em detrimento de outrem. 4. Prejudicar a execução de tarefas reclamadas pela natureza do seu cargo, ocupando-se de assuntos estranhos ao mesmo durante as horas de serviço. Secção V Disposições gerais 1. Qualquer alteração no presente Código somente poderá ser feita em assembleia geral da ABAS, Secção São Paulo, especialmente convocada para esse fim. 50

10 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL 2. O presente Código entrará em vigor na data de sua publicação. Desde a 1º formulação do Código de Ética em 1947 até a reelaboração em 1975 permaneceram vigentes as mesmas concepções filosóficas baseadas no conservadorismo e assistencialismo, sem muitos avanços. Já no ano de 1949, ocorreu o 2º Congresso Pan-Americano de Serviço Social no Rio de Janeiro, que teve como tema central O serviço social e a família, no qual se estabelecia uma concepção de família que pudesse elucidar o trabalho profissional. Este congresso reafirmava as teses dos congressos de 1945 e 1947, de estabelecer um discurso menos apostolar, de dar maio ênfase à psicologia e à técnica, definindo novas qualidade para o assistente social. Para o assistente social, era estabelecido como princípio: equilíbrio psicoafetivo para eliminar conflitos e não ser causa deles; utilizar técnicas científicas nos problemas de ajustamento do homem à coletividade; formação moral e religiosa, como também educação; reafirmação do serviço social de caso e a entrevista como principal instrumento de trabalho; maior solicitação para o serviço social de grupo e comunidade; chamamento para preparação do assistente social no meio rural devido à agroexportação. Manifestaram-se como respostas de inovação e contestação a partir desse congresso um trabalho mais coletivo e menos individual, a afirmação de uma terceira via: reformas sociais. O serviço social apresenta, nesse contexto, funções bem mais amplas, através de respostas que pudessem acompanhar o movimento da ordem econômica, moral e estrutural, na busca pela eliminação do pauperismo e na estruturação da sociedade que melhor contemplasse as exigências humanas. Elementos comuns nos três grandes congressos: conteúdo modernizante vinculado aos organismos internacionais: desenvolvimento de comunidade; formação para os assistentes sociais; posição do serviço social e dos assistentes sociais nas instituições; participação de pessoas de outras áreas nos congressos, vinculados à ação católica ou à ação social e à hierarquia do Estado. 51

11 5.2 O serviço social a partir dos anos 1950: rumo a uma renovação crítica A partir da influência teórica e metodológica estabelecida segundo o contexto dos congressos de serviço social, a década de 1950 seria marcada a fase de renovação crítica para a profissão. É nesse contexto que o serviço social passa a ter influências teóricas heterogêneas, com a presença da teoria da modernização. Esse período correspondia ao período do desenvolvimentismo brasileiro e de aposta no capitalismo industrial. Diante dessa realidade, o serviço social passa ser um agente de vital importância no enfrentamento da questão social, o que ampliava o universo de intervenção da profissão. Nessa mesma década, surge o método do desenvolvimento de comunidade DC, que propunha a melhoria nas condições imediatas do meio, contando com a participação dos grupos como coparticipantes na execução dos projetos e atividades, unidos pelo bem comum, porém deslocados de suas elaborações e proposições. Embora o desenvolvimentismo tenha se constituído como central no governo vigente governo Juscelino Kubitschek de Oliveira ( ) sua influência no serviço social estava limitada ao DC no meio rural, influenciado pelo funcionalismo, pelo qual se queria, através de suas ações junto à comunidade, corrigir as disfuncionalidades causadas pelo sistema capitalista, forçando a integração da população empobrecida aos projetos de desenvolvimento. O serviço social apresentava-se, portanto como agente do desenvolvimento. Já nos anos 50/60, segundo essa introdução do assistente social ao DC rural, um novo impulso ocorreu para na oferta e procura profissional: aumento do número de escolas; interiorização do serviço social; abertura de um novo campo de trabalho, incorporação de novas atribuições profissionais relacionadas à coordenação, planejamento e administração de programas sociais. O serviço social incorpora o DC em sua prática, porém um padrão moralizador é instaurado como forma de ajustamento do trabalhador e de sua família à ordem capitalista monopolista. O DC apresentava-se sob duas perspectivas: 1. DC ortodoxo: inspirado nos postulados funcionalistas que abordavam a comunidade como uma unidade constituída de partes independentes que devem colaborar para o equilíbrio do todo. Tinha como pano de fundo a modernização como uma unidade consensual. Seu caráter era acrítico, apolítico e aclassista DC heterodoxo: tinha uma visão mais abrangente da problemática brasileira e de uma maior abertura do espaço político, tendo um caráter mais crítico. Tinha força reivindicatória por direitos e mudanças estruturais como requisito fundamental ao desenvolvimento econômico do país. Era inspirado na vertente estrutural histórica engajamento no campo educacional com a conscientização e participação popular e no Movimento de Educação de Base MEB.

12 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Saiba mais: A organização de comunidade é implantada no Brasil na década de 1940 com a introdução da disciplina Comunidade nos currículos das faculdades de serviço social. A implantação da disciplina nos currículos se deu através de profissionais que se aperfeiçoaram em cursos nos Estados Unidos. Na década de 1950, a expressão desenvolvimento de comunidade passa a ser veiculada na América Latina, através do serviço social com forte influência norte-americana. Embora os termos desenvolvimento da comunidade e organização de comunidade tenham sido utilizados de forma indiscriminada, suas origens ocorreram em momentos distintos. A preocupação com trabalhos comunitários já aparecia nas primeiras décadas do século XX, especialmente nos Estados Unidos. Trata-se de um período no qual as contradições sociais se tornaram mais agudas, trazendo à tona a questão social, através de reivindicações por melhores condições de trabalho pela classe operária. A organização de comunidade surge como uma fórmula de desenvolver nas comunidades a consciência para que seus problemas fossem resolvidos pelos próprios envolvidos, através de suas iniciativas e seus próprios recursos. Já o desenvolvimento de comunidade terá como palco outro cenário e outro contexto histórico. Seu surgimento se dá a partir da Segunda Guerra Mundial. Nesse período, as colônias inglesas na África e na Ásia se preparavam para sua emancipação. O DC surge assim como estratégia de dominação e controle nos processos emancipatórios dos países colonizados sob a égide da Inglaterra e do bloco ocidental. Nesse sentido, a ação governamental, os trabalhos de técnicos e profissionais vão aparecer como elementos essenciais dos programas de DC. A institucionalização do DC se deu no pós Segunda Guerra, sendo que a partir da década de 1950 o termo DC será veiculado como processo através do qual os esforços do próprio povo se unem aos das autoridades governamentais com a finalidade de melhorar as condições econômicas, sociais e culturais das comunidades. Seus pressupostos em nível teórico, metodológico, ideológico e prático são: importância da integração entre povo e governo nos programas que visem o progresso nacional; importância da participação da população na solução dos seus problemas; 53

13 54 trabalho voluntário; procedimentos metodológicos de investigação, planejamento e execução. O DC na América Latina tomou forma a partir de 1910 com a criação em Buenos Aires da União Pan-Americana UPA. Com a UPA, vários departamentos foram organizados, entre eles o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, no qual se estruturou a Secção de serviço social. Foi através desse órgão que a Organização dos Estados Americanos OEA desenvolveu sua influência na formação e prática dos assistentes sociais. Esse estímulo dado ao serviço social deve ser entendido como estratégia dos países capitalistas, tendo como cabeça os EUA, de viabilizar, expandir e consolidar o modo de produção capitalista. O assistente social era visto como um profissional chave para realizar trabalhos comunitários de integração das populações aos ideais nacionais. A prática do DC no Brasil pode ser expressa pelo (a): desenvolvimento de comunidade entendido como uma estratégia governamental de integração social ao desenvolvimento; articulação da educação e do serviço social como instrumento no despertar de vocações; participação da comunidade, vista como elemento chave para atingir o desenvolvimento; comunidade compreendida de forma setorizada e localizada, culpabilizadas por sues problemas; DC como instrumento para superar o subdesenvolvimento; assistente social: elemento motivador. No Brasil especificamente, a profissão passa a ser regulamentada a partir 1957, quando é sancionada a Lei n Essa legislação vigorou durante 36 anos e foi substituída em 1993, pela Lei n A década de 1960 e sua influência no serviço social brasileiro A partir de 1960, o serviço social começa a sofrer importantes transformações no movimento de reconceituação da profissão na América Latina, que trazia uma denúncia do conservadorismo profissional iniciado na década de 1960 e desenvolvido até a década de 1980, influenciado pela conjuntura histórica mundial, principalmente na própria América Latina.

14 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Nessa década a profissão veio a questionar seus referenciais e requisitar uma renovação em diferentes níveis: teórico, metodológico, técnico-operativo e político. Esse processo de mudanças na formulação teórica e prática do serviço social não se deu de forma isolada, mas sim inserido no movimento das demais ciências sociais e humanas, que discutiam a temática do desenvolvimento e de suas repercussões na América Latina. Esse movimento, denominado de Movimento de Reconceituação, impôs ao assistente social a necessidade da constituição de um novo projeto profissional, comprometido com as demandas e interesses da população usuária dos serviços. O movimento foi reprimido pelo golpe militar de 1964, com a neutralização de todos os segmentos comprometidos com a democratização da sociedade e do Estado (Bravo, 2007). O controle e a repressão da classe trabalhadora pelo Estado e pelo grande capital e o atendimento das novas demandas submetidas à racionalidade burocrática exigiram a renovação do serviço social. A crise ideológica, política e de eficácia da profissão vinha a questionar a burocratização do serviço social, seu caráter importado e sua ligação com as classes dominantes. Apontava-se para três projetos: um que se propunha manter a matriz conservadora e tradicional, outro que intencionava uma modernização conservadora e um último que apresentava a direção de ruptura com o conservadorismo, um dos marcos dessa época foi o movimento de reconceituação. Nessa época o serviço social estabiliza-se sob mudanças técnicas, a chamada modernização conservadora que colocou a questão do método em debate, fundamentando-se ora por uma aproximação com o marxismo, porém com uma leitura reducionista; ora recusando o teoricismo pela prática. Com a influência norte-americana, o serviço social alcança sua maioridade na sistematização teórica e técnica, feita através do trabalho com indivíduos e famílias, como o serviço social de grupo e o serviço social de comunidade. Nos primeiros anos da década de 60, já com uma visão mais politizada e participativa (democratizada), o serviço social integra as experiências de DC com o comprometimento junto às transformações estruturais que permeavam o governo vigente governo de João Goulart ( ). Era desencadeado, também, o início de mudanças significativas no serviço social, numa conjuntura de aprofundamento do debate político na sociedade diante do agravamento da questão social e dos níveis de empobrecimento da população trabalhadora, contrastados com os índices de crescimento econômico verificados em finais dos anos 50. O II Congresso Brasileiro de Serviço Social, realizado no Rio de Janeiro em 1961, representa o marco oficial da inserção da profissão no projeto desenvolvimentista e da incorporação do DC numa perspectiva modernizadora e de atualização da profissão frente às novas demandas do Estado e dos setores dominantes. Com o governo João Goulart, abre-se um período de ampliação do espaço de participação política e de luta por transformações estruturais e reformas de base. 55

15 No serviço social começa a despontar a necessidade de sintonia com uma sociedade em mudança e de responder a demandas macrossocietárias que rompam com a visão tradicional. Marcam esse processo as experiências de grupos de assistentes sociais vinculadas à esquerda católica e aos projetos de educação de base e de organização popular em comunidades urbanas e rurais, inspirados nas teorias de educação para a libertação e no método de alfabetização de Paulo Freire. No entanto, o golpe de 64 e a ditadura militar interrompem o processo de radicalização democrática, o que põe fim ao pacto populista e ao engajamento dos que lutavam para a implantação de alternativas de desenvolvimento nacional-populares e democráticas no país. No período de 1965 a 1975, o Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio em Serviços Sociais (CBCISS) encarregou-se de adequar a profissão às exigências propostas pelos processos sociopolíticos emergentes no pós 1964, influenciado pelo estruturalismo funcional norte-americano, sem questionar a ordem social e política vigente (Netto, 2004). Para a implantação desse novo modelo, o Estado moderniza e amplia suas funções econômicas, sociais, políticas e culturais, orientando-se na integração da economia brasileira aos padrões internacionais definidos pelo capitalismo monopolista. Para isso, o Estado comprimiu o espaço político da sociedade civil, especialmente o de oposição. Mudanças nas políticas salarial e sindical foram acompanhadas pelo arrocho salarial, aumento dos níveis de exploração do trabalho e perda de direitos historicamente conquistados, como os direitos de greve, de liberdade de organização, de estabilidade no emprego. O golpe militar de 64 rompeu com quase todas as bases que evoluíam para uma nova ordem societária. O golpe impôs ao Brasil a retomada de outra ordem, de uma nova ordem político-institucional apoiada no fortalecimento do Estado. Essa ordem marcou o serviço social, consolidando a chamada modernização conservadora. A modernização conservadora veio questionar o tradicionalismo, não apenas o explicitado no serviço social brasileiro como também no latino-americano. Tal crítica, no contexto da América Latina, se entrecruza com as expectativas de mudança geradas pela a Revolução Cubana, que sugestionava uma nova ordem societária mais igualitária. Nesse quadro político, o serviço social, sob a influência do golpe e gestando suas ações, via essa modernização conservadora realizar uma revisão geral. A partir dessa revisão é feita a crítica, mesmo que de maneira tímida, atrelada às ciências sociais, debatendo a dependência e as teorias do desenvolvimento. Ocorre também, nesse contexto, ainda sob o ranço da influência da Igreja Católica, porém de modo crítico e não alienado, a emergência da chamada Igreja Popular e a Teologia da Libertação. O movimento estudantil entrecruza este caminho, contestando suas bases. 56

16 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL O movimento de reconceituação do serviço social na América Latina foi desencadeado pela ação da chamada de geração 65, constituída por grupos profissionais de vanguarda que apresentavam um questionamento no que se referia às bases conservadoras do serviço social. Nesse sentido, os seminários regionais de serviço social tiveram um papel importante e central, tendo como marco o I Seminário Regional Latino-Americano de Serviço Social realizado em 1965 na cidade de Porto Alegre. Esse movimento de renovação do serviço social constitui-se um fenômeno característico da profissão sob a vigência da autocracia burguesa, marcando uma diferenciação e uma redefinição profissional sem precedentes na trajetória profissional, dadas as novas condições postas pelo ciclo dos governos militares, os quais verificaram, nesse contexto, a necessidade de construir um novo projeto de sociedade. Um grande trampolim para essa mudança de pensamento está na inserção e na interlocução com o marxismo, com a apropriação da teoria social de Marx. Porém, para compreender essa renovação da profissão, devem-se considerar as determinações sócio-históricas mais amplas que incidiram sobre esse fenômeno profissional. Em síntese, as determinações consideradas nessa análise da relação existente entre o governo autocrático e a renovação do serviço social foi: 1. o significado do golpe militar de 1964; 2. o modelo de desenvolvimento econômico adotado pelos governos ditatoriais; 3. as mudanças na relação entre o Estado e as classes sociais; 4. a reorganização do estado e das políticas sociais nos marcos da modernização conservadora e as repercussões no mercado de trabalho dos assistentes sociais; 5. as determinações da nova configuração do mercado de trabalho dos assistentes sociais; 6. as determinações da política educacional dos governos militares sobre a formação profissional. O processo de renovação do serviço social expressa um quadro complexo e heterogêneo, composto por: vários projetos profissionais em confronto, com o pluralismo teórico, ideológico e político, fomentando a crítica; diversas concepções de intervenção profissional, derivadas da diversificação das matrizes teórico-metodológicas alternativas; 57

17 novas propostas de formação profissional; fraturas ideológicas. Até 1970, o cenário profissional era marcado: 1. pela ausência de polêmicas relevantes; 2. por uma relativa homogeneidade de intervenção e de propostas profissionais; 3. pela ausência de uma participação político-partidária neutralidade quanto ao cenário nacional; 4. pela carência de elaboração teórica; 5. por uma consensual direção interventiva e cívica. A ruptura com esse cenário tem suas bases na laicização do serviço social, apreendida como um dos elementos caracterizadores da renovação do serviço social sob a autocracia burguesa. Esse processo vinha se desenvolvendo desde o final da década de 1950, com a erosão do serviço social tradicional. Mas só foi efetivado a partir da modernização conservadora instaurada pela ditadura militar. A renovação do serviço social é marcada por uma dinâmica profissional que vai além das respostas funcionais às demandas e condicionamentos postos pelo mercado de trabalho, com traços de funcionalidade e congruência com o regime. Saiba mais: A renovação do serviço social se deu em pleno processo ditatorial, que, mesmo de forma repressora, reforçava e validava a ação profissional, porém tal ação era tradicional e conservadora. Tais ações provocavam uma diferenciação quanto ao serviço social tradicional: sua prática era empirista, reiterativa, paliativa e burocratizada, paramentada por uma ética liberal burguesa, funcionalista, mecanicista, idealista da dinâmica social. Havia nesse período de renovação a ausência de polêmicas, uma homogeneidade de intervenção, carente de uma elucubração teórica e de participação política. O assistente social era mero executor das políticas sociais, mantendo a ordem e fomentando o enquadramento social. 58

18 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Em síntese, o processo de renovação do serviço social teve como elementos: a. o pluralismo teórico-profissional; b. introdução de diferentes concepções profissionais, com diferentes visões de mundo e de sociedade, demonstrando o rompimento com a homogeneidade que a caracterizava a profissão nessas décadas; c. interlocução acadêmica e com outras ciências, deixando de ser subalterno dentro do âmbito acadêmico; d. fomento da investigação e da pesquisa. 6 TRAÇOS DO PROCESSO DE RENOVAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL A renovação do serviço social inicia-se mediante um conjunto de ações organizadas, com características inovadoras que articularam as bases do rearranjo de suas tradições e da ascensão segundo as tendências do pensamento contemporâneo, procurando dar respostas às demandas sociais. Essa renovação marca uma diferenciação e redefinição profissional dada pelas novas condições impostas pelo ciclo de governo militar e determinação sócio-históricas. O processo de renovação expressa um quadro complexo e heterogêneo, com um pluralismo teórico, vários projetos em confronto, diferentes concepções de intervenção e práticas, novas propostas de formação profissional e uma fratura ideológica. Nesse processo, a perspectiva modernizadora foi um esforço para adequar o serviço social enquanto instrumento de intervenção às novas técnicas que atendessem às exigências postas pelo período, porém tinha uma visão funcionalista. Essa tendência foi expressa nos seminários: 1 Araxá, em 1967, sendo a primeira produção teórica do CBCISS; 2 Teresópolis, em Essa perspectiva não rompe com as condições tradicionais, apenas moderniza, não questiona a ordem, apenas utiliza de novos espaços o funcionalismo estrutural é uma reatualização do conservadorismo, que trazia para a profissão um traço microscópico de sua intervenção e tinha uma visão de mundo positivista. Um dos maiores marcos desta expressão está expresso nos documentos de Sumaré e Alto da Boa Vista. 59

19 Há nesse momento uma produção de projetos profissionais para o serviço social, confrontando-se com a diversidade de intervenções e práticas, apresentando novas propostas, rompendo com as bases que o influenciavam em sua gênese. Ocorre uma laicização da formação, através de uma diferenciação da categoria e uma disputa por sua hegemonia, apreendida como uma das características da renovação do serviço social. Esse processo vinha se desenvolvendo desde o final da década de 1950, com a erosão do serviço social tradicional, mas só se efetivou a partir da modernização conservadora instaurada pela ditadura militar. Esse processo foi uma emergência de núcleos e vetores, permeados por elementos opositores e de contestação do regime e do serviço social tradicional. A profissão é repensada, reformulada, adere às ciências sociais, alcançando um novo patamar. Reatualiza-se o conservadorismo adéquam-se os instrumentos interventivos, há a intenção de ruptura. Relação entre o governo autocrático e a renovação do serviço social: a. significado do golpe militar de 1964; b. modelo de desenvolvimento adotado pelos governos ditatoriais, mudanças na relação entre Estado e classes sociais; c. reorganização estatal e das políticas sociais a fim de atender à modernização conservadora e os rebatimentos no mercado de trabalho dos assistentes sociais; d. aumento do mercado de trabalho do assistente social, repensando a ação e a formação; e. determinações da política educacional dos governos militares sobre a formação profissional. O contexto político vivia: modelo de desenvolvimento econômico voltado ao grande capital, com um governo ditatorial; forte intervenção militar; contramovimento preventivo, prevenindo uma democracia popular. Objetivando assim: romper com a democracia populista; adequar a economia brasileira aos padrões internacionais através do governo militar, para que o capital monopolista assegurasse, via ação do Estado, os favorecimentos da grande empresa e do capital (tripé econômico); coerção estatal, repressão, poder centralizador. 60

20 FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL A ruptura com esse cenário tem suas bases na laicização do serviço social que se dava em diferentes níveis na categoria profissional com o fim de alcançar sua hegemonia. Resumindo: As primeiras expressões da renovação do serviço social estão contidas nos Documentos de Araxá (1967) e Teresópolis (1970), além da experiência expressa pelo documento sistematizado na Escola de Serviço Social de Minas Gerais ( ), conhecido como Método BH. Ação do Estado: ideologia da segurança nacional contida na doutrina de segurança nacional que tinha como objetivo exercer funções de direção e planejamento de segurança nacional a partir das teorias de desenvolvimento a serem adotadas; doutrina de segurança nacional era utilizada para justificar a imposição de um sistema de controle e dominação, dispensando o apoio das massas e prevendo que o estado conquistaria certo grau de legitimidade a partir do constante desenvolvimento capitalista. Legitima a força do Estado, realizando um binômio entre segurança x desenvolvimento. Eram três o elementos que respaldavam essas ações: teoria do inimigo interno : enfatizava os inimigos internos ; o inimigo morava ao lado, todos eram suspeitos segundo o governo, que desenvolvia campanhas repressivas, anticomunistas, com muito abuso de poder (repressivo e armado). Esse Estado montava dois tipos de estrutura: criação de um aparato repressivo e de controle armado; e a montagem de uma rede de informações políticas para detectar os inimigos; o poder do Brasil no contexto internacional: condições geográficas favoráveis e vastos recursos naturais e grande população; o modelo econômico: não há segurança sem desenvolvimento econômico, principalmente industrial, justificando a interferência do Estado no planejamento econômico. A defesa militar, onde era necessária, como fim de aumentar a produção industrial, desenvolve-se um complexo industrial militar. O modelo mais desejável era o capitalista e não o liberal, com forte interferência do Estado no planejamento econômico, na produção direta, no investimento em infraestrutura e a apropriação dos recursos naturais. O desenvolvimento não visava à imediata melhoria no padrão de vida da população apenas impulsionava uma produtividade tendenciosa. Ideologia de modernização Teoria do Bolo. 61

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Reforma sanitária e sus primeira parte

Reforma sanitária e sus primeira parte Reforma sanitária e sus primeira parte Cidadão é o indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade (Herbert de Souza - Betinho) No alvorecer

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965)

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) INTRODUÇÃO Considerando que: A formação da consciência profissional é fator essencial em qualquer profissão e que um Código

Leia mais

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO FUNDAÇÃO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição ASSISTENTE

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade

MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade Beatriz Borges Viana Acadêmica do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Amazonas UFAM/Campus

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações.

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações. Criando ferramentas para a garantia ao direito à convivência familiar e comunitária. Documento Preparatório do Seminário Relaf 2013 Fortalecendo os Avanços. Criando ferramentas para a Garantia do Direito

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais