A EFICIÊNCIA DO MODELO BUROCRÁTICO MILITAR NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SEGURANÇA PÚBLICA PELA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EFICIÊNCIA DO MODELO BUROCRÁTICO MILITAR NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SEGURANÇA PÚBLICA PELA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS"

Transcrição

1 SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO RICARDO DE OLIVEIRA DIAS A EFICIÊNCIA DO MODELO BUROCRÁTICO MILITAR NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SEGURANÇA PÚBLICA PELA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS Goiânia 2011

2 RICARDO DE OLIVEIRA DIAS A EFICIÊNCIA DO MODELO BUROCRÁTICO MILITAR NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SEGURANÇA PÚBLICA PELA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Universidade Norte do Paraná UNOPAR VIRTUAL, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas. Tutora Orientadora: Daniela de Souza Ortega Araújo Professora Supervisora: Adriana Rampazzo Goiânia 2011

3 RICARDO DE OLIVEIRA DIAS A EFICIÊNCIA DO MODELO BUROCRÁTICO MILITAR NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SEGURANÇA PÚBLICA PELA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS Trabalho de Conclusão de Curso aprovado, apresentado à UNOPAR Universidade Norte do Paraná, no Sistema de Ensino Presencial Conectado, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas, com conceito final igual a, conferido pela Banca Examinadora formada pelo tutor orientador e professor supervisor: Tutor Orientador Universidade Norte do Paraná Prof. Surpevisor Universidade Norte do Paraná Cidade, de de 2011.

4 Dedico este trabalho aos meus filhos e a minha querida esposa, pelo carinho e compreensão durante as muitas horas em que estive ausente ou concentrado nos estudos para a conclusão deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS A Deus, por ter proporcionado saúde e clareza de pensamento nos momentos mais difíceis, mostrando-me o caminho a seguir, orientando minhas idéias e me permitindo cumprir mais essa missão. Aos professores, tutores e orientadores, pela dedicação em instruir, orientar e incentivar a produção deste trabalho. E a todos aqueles que me apoiaram direta ou indiretamente durante o período acadêmico. Muito obrigado.

6 A primeira política e a fundação para todas as outras é abandonar o ontem. Peter Drucker

7 DIAS, Ricardo de Oliveira. A Eficiência do Modelo Burocrático Militar na Prestação do Serviço de Segurança Pública pela Polícia Militar de Goiás f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) Sistema de Ensino Presencial Conectado, Universidade Norte do Paraná, Goiânia, RESUMO Este trabalho visa abordar a viabilidade do modelo burocrático militar para a eficiência do serviço de segurança pública prestado pela Polícia Militar de Goiás, como base para as transformações necessárias à implantação de novos modelos segurança pública que atendam a demanda da comunidade goiana. Foram relacionados diversos autores cujas teorias corroboram para sustentar os resultados obtidos, inferindo na necessidade de iniciar as mudanças de dentro para fora, mostrando que o modelo militar encontra-se ultrapassado para ser praticado por instituições de segurança pública ostensiva. Os resultados foram obtidos através da análise bibliográfica, documental, observação participativa, pesquisa de campo e análise comparativa das teorias em relação aos aspectos institucionais da Polícia Militar de Goiás. Através desta pesquisa foi possível concluir que o modelo burocrático militar colabora para a ineficiência dos processos institucionais e torna deficiente o relacionamento entre a corporação e a comunidade. Palavras-chave: Polícia Militar. Burocracia. Militarismo. Eficiência. Comportamento organizacional.

8 DIAS, Ricardo de Oliveira. Efficiency of the Bureaucratic Military Model in the Installment of Public Safety's Service for the Military Police of Goiás f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) Sistema de Ensino Presencial Conectado, Universidade Norte do Paraná, Goiânia, ABSTRACT This work seeks to approach the viability of the military bureaucratic model for the efficiency of public safety's service rendered by the Military Police of Goiás, as base for the necessary transformations to the implantation of new models public safety that assist the demand of the community goiana. They were several related authors whose theories corroborate to sustain the obtained results, inferring from within outside in the need of beginning the changes, showing that the military model is outdated to be practiced by institutions of ostensible public safety. The results were obtained through the analysis bibliographical, documental, observation no participative, field research and comparative analysis of the theories in relation to the institutional aspects of the Military Police of Goiás. Through this research it was possible to conclude that the military bureaucratic model collaborates for the inefficiency of the institutional processes and it turns deficient the relationship between the corporation and the community. Key-words: Military Police. Bureaucracy. Militarism. Efficiency. Organizational behavior.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Desdobramento da abordagem estruturalista Figura 2 - Principais características das organizações burocráticas Figura 3 - Características da burocracia, segundo Weber Figura 4 - Disfunções das Burocracias Figura 5 - Modelo burocrático de Merton Figura 6 - Hierarquia das necessidades segundo Maslow Figura 7 - Organograma da PMGO Figura 8 - Grau de burocratização das organizações Figura 9 - Modelo Burocrático de Weber e as disfunções da burocracia... 83

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA PROBLEMA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REFERENCIAL TEÓRICO A ABORDAGEM ESTRUTURALISTA E A TEORIA DA BUROCRACIA Conceitos Merton e as Disfunções da Burocracia O Modelo Burocrático de Merton O MODELO MILITAR PROFISSIONAL DA PMGO Da Natureza do Serviço Policial Militar Quem São as Polícias Militares Brasileiras O Modelo Burocrático das PMs Brasileiras ASPECTOS MOTIVACIONAIS CLIMA ORGANIZACIONAL EM CORPORAÇÕES MILITARES CULTURA ORGANIZACIONAL ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO Conceitos Maslow e a Hierarquia das Necessidades A frustração e a violência Herzberg e a Teoria dos Dois Fatores Mcgregor e as Teoria X e Teoria Y METODOLOGIA DELIMITAÇÃO DO ESTUDO... 62

11 6.2 TÉCNICA, ANÁLISE E INTREPRETAÇÃO DOS DADOS Limitações do Estudo A VIABILIDADE DO ATUAL MODELO BUROCRÁTICO MILITAR DA PMGO CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EM ESTUDO Cargos e Hierarquia Organograma da Polícia Militar de Goiás Produção Assistência Policial Militar do Ministério Público de Goiás APM/MP Assistência Social Histórico Da Empresa RESULTADOS DA PESQUISA Apresentação das Informações Coletadas Análise das Informações O modelo burocrático ideal e o modelo militar da PMGO A ocorrência das disfunções burocráticas no modelo militar da PMGO Apresentação Dos Resultados Internalização das regras e o apego aos regulamentos Valorização excessiva da hierarquia hierarquismo Despersonalização do relacionamento O paradigma da cultura policial militar A crise de identidade da PMGO Aspectos motivacionais do policial militar Conclusões CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

12 13 1 INTRODUÇÃO A sociedade brasileira vem passando por transformações que alteram os rumos das políticas públicas vigentes que direcionam o seu foco a essa nova e complexa dinâmica social. Tal transformação é fruto do desenvolvimento factível pelo qual vem passando o nosso país, alterando o comportamento dos cidadãos e impondo a necessidade de reformas que visam transformar o foco do Estado no que se refere a políticas públicas, estreitando assim a sua relação com a sociedade. Em Goiás, tais transformações veem exigindo do Estado uma política de segurança pública próxima, eficiente, imediata, mas que não deixe de atuar de forma estratégica, visando garantir a continuidade dos processos e agregar valor à prestação do serviço de segurança pública. A Polícia Militar de Goiás PMGO vem tentando se inserir nesse novo cenário, modernizando os seus processos e investindo em treinamento e equipamentos que possibilitem a corporação abraçar o novo foco da segurança pública estadual, priorizando o estreitamento das relações entre a Polícia Militar e a comunidade. Nesse processo, a PMGO tem intensificado a implantação de seus programas de policiamento comunitário e perseguido o objetivo de aproximar a comunidade da corporação, adotando medidas que possam inserir a polícia militar no dia-a-dia das pessoas através de uma relação de confiança, possibilitando ao cidadão fazer a sua parte como legalmente responsável pela segurança pública. Contudo, numa sociedade democrática, onde é priorizada a liberdade, a garantia do exercício dos direitos e a preservação da condição de pessoa humana, é necessário que a nossa PM seja moderna, proativa, ágil e acima de tudo, eficiente. O atual modelo militar adotado constitucionalmente pelas Polícias Militares deixa a nossa PMGO limitada aos aspectos fundamentais de uma cultura herdada das Forças Armadas Brasileiras que, através de um contexto histórico, colaborou para desvirtuar a verdadeira função da Polícia Militar. Mesmo com a promulgação da Constituição de 1988 e da abertura democrática do país, as polícias militares permaneceram vinculadas

13 14 constitucionalmente ao Exército Brasileiro, como uma forma de controle sobre esses exércitos estaduais, aparentando uma espécie de garantia de subordinação dos Estados à União. O modelo militar oriundo do Exército Brasileiro deixou muitas heranças no que se refere às características institucionais da PMGO, não acompanhando as mudanças ocorridas na sociedade brasileira durante o seu processo de redemocratização. Conforme demonstrado nesta pesquisa, o atual modelo militar da PMGO vem interferindo negativamente na eficiência de uma corporação com quase 153 anos de prestação de serviços a comunidade. Assim, como a sociedade brasileira vem evoluindo e se tornando mais complexa a cada ano, também se torna mais complexa a prestação de serviços por parte dos operadores fardados de segurança pública. Atualmente, modelos arcaicos de gestão como alguns modelos e sistemas militares de segurança pública, baseados em doutrinas repressoras e limitadoras, não correspondem mais a realidade em que se encontram inseridas as instituições militares de segurança pública. Em observação a essas referidas mudanças ou transformações sociais, torna-se importante questionar a viabilidade do atual modelo burocrático militar da PMGO, em relação a dinâmica social apresentada pela sociedade goiana e sua exigência por uma segurança pública eficiente, que priorize o exercício da verdadeira função constitucional da Polícia Militar. A partir da abordagem dos autores relacionados ao estudo do comportamento organizacional, abordagem comportamental da administração, teorias da motivação humana e aos estudos dos trabalhos realizados em diversas polícias militares do país, foi possível inferir que a PMGO tem necessidade de revisão dos seus processos. Ocorre então a necessidade de se priorizar uma gestão mais humanizada, que proporcione ao seu efetivo a possibilidade de atuar inseridos nos novos modelos de segurança pública, agregando maior comprometimento, satisfação motivacional e, por conseguinte, mais qualidade na prestação do serviço de segurança pública. O foco na eliminação das distorções burocráticas e na humanização dos processos, poderão funcionar como reforço do comprometimento dos operadores com a instituição, contribuindo assim para a inserção definitiva da PMGO

14 15 no novo modelo de segurança pública demandado pela sociedade goiana. Esta pesquisa visa determinar a viabilidade do atual modelo burocrático militar da PMGO e como ele influencia na eficiência da prestação do serviço de segurança pública por parte de seus operadores. O trabalho faz abordagem às principais teorias relacionadas ao tema desta pesquisa, estruturandose em sete capítulos que alistam autores como: Max Weber, Frederick Taylor, Henry Ford e Henri Fayol, Robert K. Merton, Frederik Herzberg, Douglas McGregor, sublinhados por Maximiano e Chiavenato - dois gurus da gestão no Brasil. Relacionam-se ainda diversos outros autores nacionais que publicaram obras referentes ao comportamento organizacional, ambiente organizacional, gestão de pessoas e motivação nas organizações militares e policiais militares brasileiras.

15 16 2 JUSTIFICATIVA O exercício da atividade de pesquisa tem por objetivo a transformação do conhecimento acadêmico por meio da prática, exteriorizando as teorias aprendidas e ampliando o entendimento contextual por meio da experiência proporcionada pela atividade. Os estudos para a produção deste trabalho contribuem para aumentar a bagagem teórica/acadêmica e, na medida da evolução dos conhecimentos adquiridos no processo de pesquisa, ajudam a identificar falhas e encontrar soluções para eventuais problemas apresentados pela corporação Polícia Militar de Goiás. O foco na modalidade pesquisa condiciona este trabalho a apresentar aspectos relacionados ao modelo burocrático militar da PMGO e verificar se esse modelo contribuiu ou não para a eficiência da corporação, no que se refere às transformações pelas quais a sociedade goiana vem passando em relação a demanda por segurança pública. O cenário atual apresenta uma demanda elevada por uma segurança pública de qualidade e que tenha uma abrangência social mais ampla, exigindo maior eficiência da corporação. Neste contexto, exercer segurança pública não se limita apenas cumprimento de normas e regulamento que direcionam o comportamento dos operadores, mas interferir socialmente com o intuito de apoiar o combate das causas dos problemas da segurança pública, agindo proativamente e garantindo o exercício da cidadania. Contudo, essa garantida da cidadania infere também no contexto interno da corporação policial militar, afetando suas fileiras que são compostas por homens e mulheres pertencentes a sociedade goiana, compartilhando dos mesmos problemas sociais, porém, com suas subjetividades reprimidas por um modelo militar extremamente hierarquizado e fechado. Isso determina que a responsabilidade inserida no trabalho de proporcionar segurança pública sob um modelo militar, submete seus operadores a uma carga emocional atribuída de alto nível de estresse, que pode interferir diretamente na qualidade do produto da Polícia Militar de Goiás.

16 17 Este problema, somado a escassez de efetivo, requer da corporação um trabalho de formação técnica bastante aprimorada, visando garantir a segurança no exercício da atividade policial militar e o máximo de eficiência nas ações, com intuito de proporcionar uma segurança pública de qualidade. Para que essa eficiência seja atingida, é necessário entender o funcionamento da PMGO como organização burocrática, buscando detectar eventuais falhas em seus processos e corrigi-las, de forma a viabilizar as suas atividades rumo a um novo modelo de segurança pública, necessário a sociedade goiana. Como organização burocrática, a PMGO apresenta as características descritas por Weber em seu modelo ideal de burocracia. Porém, essas características encontram-se mergulhadas num modelo limitador, padronizador, repressor da subjetividade e intolerante a mudanças, que colabora para o surgimento de disfunções graves no seu sistema burocrático, interferindo negativamente no comportamento organizacional. Chiavenato explica acerca da boa burocracia, afirmando que: A burocracia é uma forma de organização humana que se baseia na racionalidade, isto é, na adequação dos meios aos objetivos (fins) pretendidos, a fim de garantir a máxima eficiência possível no alcance desses objetivos. (CHIAVENATO, 2003, p. 258) Porém, o exercício da burocracia em modelos militares como o da PMGO, tende a proporcionar distorções que contribuem negativamente para o desempenho da corporação, inserindo-a num ciclo vicioso de ineficiência e descaso com a pessoa humana e principalmente, fazendo dos meios o fim, deslocando os seus objetivos em prol da manutenção de um modelo arcaico e repressor. É uma tendência natural das grandes organizações, buscarem equilíbrio entre os objetivos pessoais e os objetivos institucionais, pois isso visa a desenvolver o interesse e o comprometimento pela corporação, alinhando as expectativas dos colaboradores com o que a instituição tem a oferecer. Contudo, modelo militares tendem a cercear qualquer manifestação subjetiva, impondo regras duras que ofuscam os objetivos pessoais e afastam pessoas altamente capacitadas das fileiras milicianas, dando lugar àqueles que se comportam como meros cumpridores de ordens, limitados por uma incapacidade

17 treinada 1 que deteriora a discricionariedade, flexibilidade e capacidade de se adaptar às mudanças. Mesmo gestores, administradores, presidentes ou comandantes, não podem esquecer que as organizações são feitas de pessoas e para as pessoas, sendo elas o principal fator de sucesso em qualquer organização. Neste caso, os aspectos relacionados a burocracia e a boa gestão, tendem a estabelecer o comprometimento da tropa com a corporação, elevando a qualidades dos serviços prestados mediante a um alto grau de satisfação motivacional produtiva Conceito relacionado a disfunção da burocracia na qual o indivíduo apresenta um comportamento de superconformidade às rotinas e aos regulamentos. O impacto das exigências burocráticas sobre a pessoa provoca profunda limitação em sua liberdade e espontaneidade pessoal, além da crescente incapacidade de compreender o significado de suas próprias tarefas e atividades dentro da organização como um todo. (CHIAVENATO, 2003, p. 270).

18 19 3 PROBLEMA A ineficiência é entendida pela maioria das pessoas como uma das principais características das repartições públicas que, com o passar dos anos, cristalizaram a idéia de que burocracia é sinônimo das disfunções apresentadas no serviço público. Também na Polícia Militar de Goiás é possível observar o acontecimento das diversas distorções mencionadas por Merton como disfunções da Burocracia. Segundo Chiavenato, Max Weber, em seus estudos sobre a burocracia, afirmou que: A organização, para ser eficiente, exige um tipo especial de legitimidade, racionalidade, disciplina e limitação de alcance. A capacidade para aceitar ordens e regras como legítimas exige um nível de renúncia que é difícil de se manter. As organizações burocráticas apresentam uma tendência a se desfazerem, seja na direção carismática, seja na tradicional, onde as relações disciplinares são mais "naturais" e "afetuosas". Assim, a racionalidade da estrutura racional é frágil e precisa ser protegida contra pressões externas, a fim de poder ser dirigida para os seus objetivos e não para outros. (CHIAVENATO, 2003, p. 267). Contudo, ao desconsiderar a organização informal e a variabilidade da pessoa humana, Weber foi incapaz de prever que as distorções provocadas pelo fator humano poderiam gerar perversidades que causariam, ao contrario do que descreve o modelo ideal de burocracia, altos índices de ineficiência e dificuldade de se relacionar com o cliente. Em relação a essas distorções, podemos perceber que a Polícia Militar de Goiás, ainda enfatiza as disfunções burocráticas conceituadas por Merton, como se fossem características do seu próprio modelo burocrático. Contudo, convém afirmar que os modelos militares em geral, são os principais causadores das disfunções burocráticas, adotando como princípios as distorções relativas a dureza de um modelo que prioriza a hierarquia, a disciplina e a exibição constante de sinais de autoridade, como pressuposto de controle e manutenção de seus processos, deslocando seus objetivos e cobrindo a corporação com um manto de ineficiência.

19 20 Observando o comportamento organizacional causado pelo atual modelo burocrático militar da PMGO, levantou-se o seguinte questionamento: O atual modelo burocrático militar em uso na PMGO ainda é viável para subsidiar a eficiência da corporação, na prestação do serviço de segurança pública? O que chama a atenção é saber se o atual modelo militar continua sendo eficiente para o desenvolvimento das atividades de segurança pública da Policia Militar de Goiás. O tema tem sido debatido por outras corporações policiais militares e aplicado aos seus respectivos cenários. Porém, aparentando efeito das próprias disfunções burocráticas apresentadas nessas corporações, ocorre uma resistência à qualquer tentativa de mudança, bem como uma conformidade indiscutível em relação a subordinação das polícias fardadas ao modelo do Exército Brasileiro.

20 21 4 OBJETIVOS 4.1 OBJETIVO GERAL Polícia Militar de Goiás. - Verificar a atual viabilidade do modelo burocrático militar em uso na 4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Verificar a ocorrência das disfunções burocráticas no atual modelo gerencial da PMGO. - Analisar a influência do modelo burocrático militar da PMGO na motivação produtiva do policial militar e na qualidade do serviço; - Verificar quais são as características do modelo militar que interferem no comportamento organizacional;

21 22 5 REFERENCIAL TEÓRICO A abordagem teórica acerca do tema é bastante extensa e compreende diversas visões relacionadas à teoria da burocracia, teoria comportamental, teoria humanística, teoria das organizações e comportamento organizacional. Porém, os trabalhos relacionados a esta pesquisa são raros no meio policial militar, não sendo encontrados registros relevantes sobre pesquisas relacionadas ao modelo militar nas policias ostensivas, feitas pela PMGO. Entretanto, a apresentação do referencial teórico deste estudo permite fazer um confrontamento entre teorias motivacionais, modelo burocrático, modelo militar e disfunções burocráticas, introduzindo as respectivas teorias através de um apanhado histórico referente aos autores que fizeram abordagem ao assunto. Em relação ao este trabalho e, observando que as polícias militares de todo o Brasil adotam o mesmo modelo militar oriundo do Exército Brasileiro, podemos deduzir que as características estruturais entre as polícias militares são bastante semelhantes. Contudo, dado o contexto de instituição militarizada e levando em consideração que o próprio modelo burocrático é pouco flexível e avesso a mudanças, podemos observar que a PMGO apresenta as mesmas características estruturais básicas observadas nas demais polícias militares brasileiras. Esse fato é importante para que possamos aplicar os conceitos elaborados com base em pesquisas realizadas em outras PMs com o intuito de alcançar resultados reais em relação ao PMGO. 5.1 A ABORDAGEM ESTRUTURALISTA E A TEORIA DA BUROCRACIA Conceitos Etimologicamente, a palavra burocracia vem da composição linguística entre a expressão francesa bureau (escritório) e a palavra grega kratos

22 23 (poder), traduzindo o significado para exercício do poder por funcionário de escritório ou repartição pública. Porém, a primeira utilização do termo bureaucratie (burocracia) é creditada ao ministro francês do século XVIII, Jean-Claude Marie Vicent 2. (MENEGASSI, 2007, p. 21). Contudo, a burocracia, como sistema, é um modelo de produção que tem seu foco na racionalidade e a adequação dos meios, buscando maior eficiência no alcance dos objetivos organizacionais. Para Chiavenato (2003, p. 258): A burocracia é uma forma de organização humana que se baseia na racionalidade, isto é, na adequação dos meios aos objetivos (fins) pretendidos, a fim de garantir a máxima eficiência possível no alcance desses objetivos. As origens da burocracia remontam à época da Antiguidade. Os estudos que deram origem a Teoria da Burocracia, partiram do princípio que a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas, ambas oponentes e contraditórias, apresentavam uma visão incompleta de organização. Assim, a partir das críticas à teoria clássica pelo seu mecanicismo, suas práticas administrativas desumanas e injustas e também à teoria das relações humanas pelo seu romantismo ingênuo, surgiu a necessidade de formular uma nova teoria. Essa teoria deveria estudar as organizações sob o ponto de vista estruturalista, enfatizando sua racionalidade, ou seja, adequação dos meios aos objetivos (fins). (CHIAVENATO, 2003). Atualmente, a palavra burocracia transmite a idéia de exercício do poder por meio de escritórios ou repartições públicas. Entretanto, a burocracia, como forma de organização humana, remonta a antiguidade. Mas a teoria da burocracia na administração como vemos hoje, foi desenvolvida a partir da década 1940, conforme sublinha Chiavenato (2003, p. 258): A partir da década de 1940, as críticas feitas tanto à Teoria Clássica - pelo seu mecanicismo como à Teoria das Relações Humanas - por seu romantismo ingênuo - revelaram a falta de uma teoria da organização sólida e abrangente e que servisse de orientação para o trabalho do administrador. Alguns estudiosos foram buscar nas obras de um economista e sociólogo já falecido, MaxWeber," a inspiração para essa nova teoria da organização. Surgiu, assim, a Teoria da Burocracia na Administração. 2 Jean-Claude Marie Vincent, Seigneur de Gournay ( , economista).

23 24 Conforme menciona o autor, a partir dos estudos da obra do economista alemão Emil Maximillian Weber (Max Weber) 3, foi possível encontrar a inspiração necessária para fundar uma nova teoria mais sólida e abrangente, surgindo a Teoria da Burocracia. Resumidamente, a teoria da burocracia ramifica-se a partir de um desdobramento da abordagem estruturalista da administração, porém com uma visão teórica baseada em novas dimensões e novas variáveis. A figura 1 apresenta o surgimento da Teoria da Burocracia a partir da ramificação da Abordagem estruturalista. Figura 1 - Desdobramento da abordagem estruturalista Fonte: Chiavenato (2003, p. 255) O objetivo básico da burocracia era construir um modelo que garantisse a eficiência da organização a partir de uma estrutura que permitisse administrar de forma racional, impessoal e bastante produtiva. Em seus estudos, Weber descrevia esse modelo como modelo ideal de burocracia: Weber não tentou definir as organizações, nem estabelecer padrões de administração que elas devessem seguir. Seu tipo ideal não é o modelo prescritivo, mas uma abstração descritiva. É um esquema que procura sintetizar os pontos comuns a maioria das organizações formais modernas, que ele contrastou com as sociedades primitivas e feudais. Weber descreveu as organizações burocráticas como máquinas totalmente impessoais, que funcionam de acordo com regras que ele chamou de racionais regras que dependem de lógica e não de interesses pessoais. (Maximiano,2000, p. 62) 3 Max Weber foi um dos principais nomes da Teoria Estruturalista e da Burocracia sendo que a Escola Clássica da Administração era ainda composta por Frederick Taylor, Henry Ford e Henri Fayol.

24 25 A primazia do modelo burocrático se dava em torno da rotina dos processos, fazendo com que a administração da empresa funcionasse como uma máquina (inspiração no modelo Mecanicista da Administração Científica), porém, enfatizando a estrutura, enquanto o modelo científico fazia ênfase aos processos. Segundo Maximiano (2000), a burocracia caracteriza-se por uma forma de organização que enfatiza a rapidez, a precisão, a clareza, regularidade, confiabilidade e eficiência, que só podem ser atingidas através da divisão de tarefas fixas, supervisão hierárquica, regras detalhadas e regulamentos. Weber acreditava que as organizações burocráticas eram tecnicamente superiores as demais formas de organização, por enfatizarem características como precisão, velocidade, conhecimento, continuidade, unidade, subordinação estrita e redução dos custos materiais e humanos (características do modelo ideal de burocracia de Weber), conforme sublinha Maximiano (2000, p. 95): As organizações formais, ou burocráticas, apresentam três características principais, que as distinguem dos grupos informais ou primários. [...] essas três características formam o chamado tipo ideal de burocracia, criado por Max Weber. O tipo ideal é um modelo abstrato que procura retratar os elementos que constituem qualquer organização formal do mundo real. Maximiano, conforme figura 2, ainda relaciona a Formalidade, Impessoalidade e Profissionalismo como as principais características das organizações burocráticas. Figura 2 - Principais características das organizações burocráticas. Fonte: Maximiano (2000, p.95)

25 26 Ainda no modelo Weberiano de burocracia, conforme esclarece Maximiano (2000, p. 63), Weber procurou... Descrever o alicerce formal-legal em que as organizações reais se assentam. Sua atenção estava dirigida para o processo de autoridadeobediência (ou processo de dominação) que, no caso das organizações modernas, depende de leis. No modelo de Weber, organização formal e organização burocrática são sinônimas. Reforçando sua teoria, Weber enfatizou o estudo sobre a dominação e acreditava que a dicotomia autoridade-obediência era a base para a estruturação da burocracia. Chiavenato na sua abordagem ao tema, assim como Maximiano, observa acerca das dez características apresentadas pelo modelo burocrático e relaciona as conseqüências previstas pela utilização do Modelo Ideal de Burocracia de Weber, conforme figura 3. Figura 3 - Características da burocracia, segundo Weber Fonte: Chiavenato (2003, p. 266) As definições sobre Burocracia são fundamentais para o entendimento do funcionamento do modelo burocrático e a sua crescente utilização após a formulação da Teoria da Burocracia, apresentada por Weber. Após a concretização da escola estruturalista e a teoria da burocracia, as características de organizar detalhadamente, dirigir rigorosamente e com a maior eficiência possível, foram sendo aplicadas nos mais diversos tipos de organizações humanas, conforme descreve Chiavenato (2003, p. 254): Rapidamente, a forma burocrática de Administração alastrou-se por todos os tipos de organizações humanas, como indústrias, empresas de prestação de serviços, repartições públicas e órgãos governamentais, organizações educacionais, militares, religiosas, filantrópicas etc., em uma crescente

6. Modelo Burocrático

6. Modelo Burocrático 6. Modelo Burocrático Conteúdo 1. Burocracia 2. Teoria da Burocracia 3. Tipos de Sociedade 4. Tipos de Autoridade 5. Características da Burocracia segundo Weber 6. Disfunções da Burocracia 7. Modelo Geral

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

Etimologia bureau (francês) + krátias (grego); governo dos técnicost

Etimologia bureau (francês) + krátias (grego); governo dos técnicost BUROCRACIA é a organização eficiente por excelência MAX WEBER Etimologia bureau (francês) + krátias (grego); governo dos técnicost (Robert K. Merton; Philip Selznick) 1864-1920 objectivos Descrever as

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Faculdade Arquidiocesana de Curvelo Departamento de Administração Curso de Pós-Graduação. O Treinamento e o Modelo Burocrático de Organização

Faculdade Arquidiocesana de Curvelo Departamento de Administração Curso de Pós-Graduação. O Treinamento e o Modelo Burocrático de Organização Faculdade Arquidiocesana de Curvelo Departamento de Administração Curso de Pós-Graduação O Treinamento e o Modelo Burocrático de Organização Afonso Ferrão Júnior Ana Helena Soares Fernandes José de Anchieta

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa Gestão Empresarial Um Pouco de História... Aula 2 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Administração Pré-Científica Administração Científica Maior interesse

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com.

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA _ Prof. Wagner Rabello Jr. Currículo resumido: Wagner Leandro Rabello Junior é pós-graduado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e bacharel em Biblioteconomia

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

Origens da Teoria da Burocracia. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Origens da Teoria da Burocracia. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Origens da Teoria da Burocracia Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO A Burocracia é a necessidade que as organizações tem, para alcançar os objetivos estabelecidos, de maneira rápida e eficaz,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM As Teorias de administração e os serviços de enfermagem Teorias da administração no processo da enfermagem Administrar: é um processo de planejamento, organização, liderança

Leia mais

Clima Organizacional: um Estudo Comparativo entre uma Empresa Pública e as Melhores Empresas para se Trabalhar

Clima Organizacional: um Estudo Comparativo entre uma Empresa Pública e as Melhores Empresas para se Trabalhar 1 Clima Organizacional: um Estudo Comparativo entre uma Empresa Pública e as Melhores Empresas para se Trabalhar Deividy Attila Marcelino Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ Deividy_attila@yahoo.com.br

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

TGA TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

TGA TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, C. SOCIAS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINSTRAÇÃO TGA TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Profº Cláudio

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

GRUPO SCHEIDT. Satisfação em Conhecê-los!

GRUPO SCHEIDT. Satisfação em Conhecê-los! GRUPO SCHEIDT Satisfação em Conhecê-los! Grupo Scheidt 1 Grupo de Empresas especializadas em Segurança Inteligente na área Patrimonial e Eletrônica 52 anos Soma da Experiência dos Sócios na área de Segurança

Leia mais

A TEORIA DA BUROCRACIA

A TEORIA DA BUROCRACIA A TEORIA DA BUROCRACIA Uma das primeiras aplicações do termo Burocracia data do século XVIII, onde o termo era carregado de forte conotação negativa, designando aspectos de poder dos funcionários de uma

Leia mais

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA INTRODUÇÃO O constituinte de 1988 inaugurou no Direito Constitucional brasileiro um capítulo sobre a segurança pública, e o fez repartindo competência

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às conseqüências geradas pela Revolução Industrial e que poderiam ser resumidas

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

PROCESSO SELETIVO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO FEAC PNAP 2013/2 INSTRUÇÕES GERAIS

PROCESSO SELETIVO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO FEAC PNAP 2013/2 INSTRUÇÕES GERAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade FEAC PROCESSO SELETIVO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO FEAC PNAP 2013/2 Cursos:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

FUNÇÕES E ESTRUTURA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO BRASIL

FUNÇÕES E ESTRUTURA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO BRASIL FUNÇÕES E ESTRUTURA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO BRASIL Silvio Domingos de Freitas RESUMO No Brasil a administração pública ocorre em consonância com interesse público, a qual limita a autonomia das vontades

Leia mais

O Papel dos Municípios na Política de Segurança

O Papel dos Municípios na Política de Segurança 1 O Papel dos Municípios na Política de Segurança Jacqueline Muniz Centro de Estudos de Segurança e Cidadania - UCAM Jajamuniz@candidomendes.br Junho de 2000 Belo Horizonte Tradicionalmente, os problemas

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Teoria das Organizações Palavras chave: Planejamento, organização, empresas 1 Teoria das organizações Aula Tema 3 e 4 Gestão

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA OBJETIVOS Elaboração de diagnóstico da situação presente da Fundação; definição de metas institucionais de curto,

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II DATA:

Leia mais

www.boscotorres.com.br MA_19_Formalização do Comportamento - 1a_Parte 1

www.boscotorres.com.br MA_19_Formalização do Comportamento - 1a_Parte 1 FORMALIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO - I DISCIPLINA: Macro Análise das Organizações FONTE: Henry Mintzberg. Criando Organizações Eficazes. Atlas. São Paulo: 2006. Prof. Bosco Torres MA_19_Formalização do Comportamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único Rua Maria Tomásia, 22 Aldeota Fortaleza/CE Fone: (85) 3208.2222 www.masterconcurso.com.br 2 CONCURSO: TJ-Ce ASSUNTO: EXERCÍCIOS 01. O líder autocrático, na divisão de tarefas, determina quem vai executar

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas Gestão de pessoas Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Gestão de pessoas Gestão de pessoas ou administração de RH? Uma transformação das áreas e de seus escopos de atuação; Houve mudança ou é somente semântica;

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GERÊNCIA DE CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA - EXERCÍCIO 2014

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GERÊNCIA DE CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA - EXERCÍCIO 2014 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GERÊNCIA DE CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA - EXERCÍCIO 2014 1. APRESENTAÇÃO A Gerência de Controle Interno, unidade subordinada

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

45 Questões Quizz Int. Administração 1sem 2009

45 Questões Quizz Int. Administração 1sem 2009 45 Questões Quizz Int. Administração 1sem 2009 Questão 1 Entende-se por organização o conjunto de... a) técnicas que favorecem o processo de produção, cabendo a seus dirigentes encontrar métodos de trabalho

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

PARECER. Senhor Presidente da Comissão de Direito Penal do IAB.

PARECER. Senhor Presidente da Comissão de Direito Penal do IAB. PARECER Referências: Indicações nos 055/2007, de autoria do Deputado Celso Russomano e 097/2006, do Deputado Milton Monti, referentes, respectivamente, aos Projetos de Lei n''s. 1.017, de 2007 e 7.284,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME APRESENTAÇÃO Este projeto trata do Planejamento de Comunicação da Estratégia da Justiça Militar do Estado do

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional A Importância do Gestor Público no Processo Decisório Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional Contexto A administração pública brasileira sofreu transformações

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

Tipos de gestão e suas respectivas lideranças

Tipos de gestão e suas respectivas lideranças Tipos de gestão e suas respectivas lideranças RODRIGUES, Ellen Laura Aparecida Associação Cultural Educacional de Itapeva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RODRIGUES, Gabriel José Associação

Leia mais

Breves ressalvas sobre a necessidade de desmilitarização da Polícia Militar

Breves ressalvas sobre a necessidade de desmilitarização da Polícia Militar Breves ressalvas sobre a necessidade de desmilitarização da Polícia Militar Rodrigo Eduardo Rocha Cardoso 1 Discute um tema atual e relevante ao tratar da desmilitarização das Polícias Militares do Brasil.

Leia mais

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Professor José Luís Bizelli Alessandra D Aquila Cacilda de Siqueira Barros Luiz Antonio de Campos Paulo Desidério Rogério Silveira Campos Programa

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais