Os efeitos da aplicação das reservas chinesas em títulos americanos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os efeitos da aplicação das reservas chinesas em títulos americanos"

Transcrição

1 Os efeitos da aplicação das reservas chinesas em títulos americanos Bruna Pereira de Sá 1 Giselle Caroline Marques Ferraz 2 Resumo: É de conhecimento público que a China tem se destacado na economia mundial e muito se estuda a fim de saber quais seriam as razões para tal crescimento e desenvolvimento bem como suas relações com os demais países do mundo. Como e com quem este país se relaciona tem sido foco para algumas academias, e uma destas relações que este artigo procurará retratar. Sabendo que a China é possuidora de uma ampla reserva monetária e é o país que mais investe na compra de títulos públicos dos Estados Unidos, tivemos como principal objetivo deste artigo fazer uma analise sobre quais seriam os possíveis efeitos (nas economias tanto americana como na chinesa) de uma suspensão ou redução da compra desses títulos. Inicialmente conceituamos alguns termos fundamentais ao entendimento do conteúdo tratado introduzindo os títulos públicos. Depois fizemos um breve histórico das economias chinesa (esta que tem seus primeiros relatos de civilização e técnicas agrícolas desde 7000 anos a.c.) e americana (por enquanto, ainda é a maior potência mundial), e por fim retratamos quais serão os possíveis efeitos dessa relação, que é mais política do que financeira, da compra e venda de títulos públicos americanos. Palavras-chave: China, títulos públicos, Estados Unidos Abstract: 1 Graduanda em Ciências Econômicas da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. 2 Graduanda em Ciências Econômicas da Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES.

2 It is common knowledge that China has emerged in the world economy, and is studied in order to know what are the reasons for such growth and development and its relations with other countries. How and with whom this country has been the focus relates to some gyms, and these relationships that this article will seek to portray. Knowing that China is possessed of a large monetary reserves and is the largest investor in the purchase of government bonds in the U.S., had the main objective of this article to do an analysis on what possible effects (in both the Chinese and American economies) a suspension or reduction of the purchase of these securities. Initially conceptualized to some fundamental understanding of the content we treated introducing government bonds. Then we did a brief history of Chinese economies (that have its first reports of civilization and farming techniques since 7000 years BC) and American (for now, is still the world's greatest power), and finally depict what are the possible effects of that relationship which is more political than financial, purchase and sale of U.S. government securities. Keywords: China, government securities, United States Resumen: Es bien sabido que China se ha convertido en la economía mundial, y es estudiado con el fin de saber cuáles son las razones de este crecimiento y el desarrollo y sus relaciones con otros países. Cómo y con quién este país ha sido el foco se refiere a algunos gimnasios, y estas relaciones que este artículo va a tratar de retratar. Sabiendo que China está en posesión de una gran reserva monetaria y es el mayor inversor en la compra de bonos del gobierno en los EE.UU., tuvo el objetivo principal de este artículo hacer un análisis de lo posible los efectos (tanto en las economías china y estadounidense ) una suspensión o reducción de la compra de estos títulos. Inicialmente conceptualizado en cierta comprensión fundamental de los contenidos hemos tratado la introducción de bonos del gobierno. Luego hicimos una breve historia de las economías china (esto tiene sus primeros informes de la civilización y de las técnicas de cultivo desde 7000 años antes de Cristo) y americano (por ahora, sigue siendo la mayor potencia del mundo), y finalmente describimos cuáles son los posibles efectos de esa relación que es más político que económico, la compra y venta de títulos públicos EE.UU.. 2

3 Palabras clave: China, bonos del gobierno, Estados Unidos Introdução Para maior compreensão do tema e detalhamento das circunstâncias, este artigo foi dividido em quatro partes; onde inicialmente trataremos dos conceitos-chave necessários para compreender o mercado de títulos. Em seguida, relataremos a situação específica dos Estados Unidos, descrevendo o funcionamento da dívida pública americana e o papel do American Treasury (Tesouro americano) para a economia. Caracterizaremos também a China e a especificidade e origens de suas reservas, mostrando como estas são aplicadas no tesouro americano. Por fim, concluiremos explicando quais os efeitos dessa relação, se caso a China suspendesse ou reduzisse seu investimento nos títulos da dívida pública americana. 1. Conceitos Inicialmente apresentaremos os conceitos de alguns termos fundamentais ao entendimento do conteúdo que será estudado, baseado principalmente em informações do Tesouro Nacional brasileiro. Primeiramente, afirma-se que o conceito de dívida está simetricamente associado ao conceito de crédito, isto é, para cada unidade de dívida existirá uma unidade de crédito no sistema financeiro de determinada economia. Quando os gastos do governo não conseguem ser supridos pelas as arrecadações de impostos ou quando ele precisa de recursos para a gestão financeira (para controle do nível de atividade, crédito ou consumo), o governo recorre às entidades e sociedade, tomando dinheiro emprestado, esse valor que é tomado emprestado é chamado de dívida pública. A dívida pública pode ser de dois tipos, a interna que é quando o credor está dentro do país, e a externa que é quando o credor está fora do país. Credores esses que podem ser 3

4 bancos públicos ou privados, investidores privados, instituições internacionais e governos de outros países. Captam-se recursos para financiar a dívida pública seja para investimento (financiar gastos com planejamento e execução de melhorias em infraestrutura, bem como aumento do capital do Estado) ou para custeio (financiar despesas já existentes, e também a manutenção e conservação do patrimônio do Estado) no mercado financeiro por meio da emissão de títulos públicos pelo Tesouro Nacional. Esses títulos são produtos de renda fixa 3, podendo ser adquiridos por pessoas físicas e jurídicas. São considerados como investimentos de menor risco do mercado de capitais, devido o seu pagamento estar sob a responsabilidade do Estado. Para dar continuidade no objetivo de estudo deste trabalho, é importante também compreender o conceito de taxa de risco zero para títulos públicos. Para DAMODARAN(2007) basicamente, significa não existir risco de inadimplência nem incerteza a respeito das taxas de reinvestimento que devem estar relacionadas a um determinado período de tempo (para que os fluxos de caixa no início e fim da aplicação seja zero, assim tudo será reinvestido), ou seja, o investidor tem pleno conhecimento sobre os retornos esperados do ativo. Para cobrir a incerteza de seus ativos, os governos aplicam em seus ativos um prêmio de risco de inadimplência, ou seja: quanto maior for à incerteza com relação a um ativo maior retorno ele dará por meio do risco de inadimplência, quanto menor for à incerteza menor será o retorno. O Tesouro Nacional é considerado como o conjunto dos meios financeiros que estão à disposição de um Estado. Tem como uma de suas funções, os serviços de administração (gestão dos recursos), que em muitos países estão ligados ao Ministério das Finanças. Sendo os fundos públicos originados das receitas do estado, principalmente por meio da tributação. 2. Estados Unidos 3 Segundo informações da Receita Federal, entende-se por ativos de renda fixa, aqueles em que o retorno do capital ou a remuneração podem ser dimensionados no momento da aplicação. Isto é, a pessoa que adquiri tais ativos de renda fixa já sabe desde o primeiro momento da compra o valor que irá receber ao final do prazo da operação. Para tal, são utilizadas taxas de juros fixas (previamente determinadas) ou indexadas (baseadas em um índice, por exemplo: Selic). 4

5 Os Estados Unidos da América (EUA) são um país desenvolvido e formam (ainda) a maior economia do mundo. Com base nos dados de 2013 do Ministério das Relações Exteriores (MRE) possui um PIB por paridade poder de compra de US$ 16,72 trilhões e PIB per capita de US$ 52,839 (sendo considerada a sexta posição no ranking mundial). Onde em 2012 destacou-se no terceiro lugar do ranking mundial de IDH. Os Estados Unidos respondem a uma porcentagem significativa dos gastos militares do planeta e são um forte líder econômico, político e cultural. Considerando exclusivamente o Tesouro Norte-Americano (com base no site do U.S. Department of the Treasury), vemos que ele busca: manter a economia do país forte e criar oportunidades econômicas e de emprego através da promoção de condições que permitam o crescimento econômico e a estabilidade no país e no exterior, fortalecer a segurança nacional combatendo as ameaças e protegendo a integridade do sistema financeiro, e gerenciando as finanças e os recursos do governo dos EUA de forma eficaz. A gestão dos recursos monetários dos Estados Unidos sempre foi à função primária do Departamento do Tesouro (Treasury Department). Quer se trate de regulamentação dos bancos nacionais, da determinação da política econômica internacional, da coleta de imposto de renda e impostos especiais de consumo, emissão de títulos, relatos das operações financeiras diárias do governo ou emissão de moeda. A única preocupação que ainda une as atividades do Departamento de Tesouro é o dinheiro, pois é dividido em vários escritórios sendo cada um individualmente responsável por um procedimento. Embora formalmente estabelecido como um departamento executivo pela primeira sessão do Congresso em 1789, muitas funções do Departamento do Tesouro estavam sendo realizadas antes mesmo da assinatura da Declaração da Independência 13 anos mais cedo. Ao longo das décadas, as funções do Departamento tem se expandido e se tornado mais sofisticadas para atender às necessidades de uma nação em desenvolvimento. Hoje, o Departamento do Tesouro continua a ser a principal instituição financeira dos Estados Unidos, com uma agenda de tempo integral da contabilidade, cobrança de receitas, a produção de dinheiro, e formulação de política econômica. 5

6 Nos EUA o termo dívida nacional se refere às responsabilidades diretas do Governo dos Estados Unidos. Há vários conceitos diferentes de dívida que em vários momentos são usados para se referir à dívida nacional: - A dívida pública é definida como títulos da dívida pública emitidos pelo Tesouro dos EUA. Títulos estes que são principalmente títulos e valores mobiliários do Tesouro, títulos de capitalização e títulos especiais emitidos para os governos estaduais e locais. Uma parte fica em poder do público e uma parte vai para o fundo fiduciário 4 do governo americano (Government Trust Funds). - Dívida detida pelo público (exclui a parcela da dívida que é detida pelo fundo fiduciário do governo).esta parte é a mais importante pois mede a quantidade (acumulada) que o governo tomou emprestado para financiar déficits. - Dívida federal bruta é composta de títulos da dívida pública e uma pequena quantidade de valores mobiliários emitidos por agências governamentais. Durante muito tempo os títulos da dívida pública dos Estados Unidos foram considerados o investimento mais seguro do mundo (risco zero), exceto em outubro de 2013 quando a dívida atingiu seu teto de US$ 16,699 trilhões (o teto é o valor limite que o governo pode tomar emprestado no mercado para honrar seus compromissos) colocando em risco sua credibilidade, pois se este teto não fosse aumentado o Tesouro americano não poderia mais tomar dinheiro emprestado no mercado e poderia ficar sem caixa para honrar seus compromissos. Segundo dados divulgados no jornal online G1, publicado em fevereiro de 2014, antes do aumento do teto, inúmeros serviços e atividades do país que dependiam de servidores públicos deixaram de funcionar. Como o limite dos gastos foi ultrapassado, isso afetou a estrutura do governo, e o país passou a ser visto com desconfiança e tem de pagar mais juros pelos empréstimos feitos (como visto no tópico 1, a perda da credibilidade faz com que o prêmio de risco de inadimplência tenha de ser maior). A elevação dos juros nos EUA repercute também em outros países, visto que as taxas pagas lá são referência para o resto do mundo. 4 Um fundo fiduciário é um fundo composto por uma variedade de ativos destinados a proporcionar benefícios a um indivíduo ou organização. É utilizado para garantir a segurança financeira do beneficiário. Que neste caso é o governo americano. 6

7 O limite do teto é alto, pois reflete os efeitos da crise financeira de 2008 (o país precisava de mais dinheiro para estimular a economia) além dos altos gastos ao longo dos anos para financiamento de guerras e ações militares. O risco de comprometimento da credibilidade teve fim quando em fevereiro de 2014 o Congresso aprovou o aumento do limite legal da dívida para US$ 17,2 trilhões (previsto para ser aplicado até março de 2015). Os efeitos de uma crise neste aspecto provocaria uma falta de liquidez mundial, visto que a maior parte das reservas de moeda internacionais de todos os bancos centrais é em dólar. Os países que possuem maior parte dos títulos da dívida pública dos EUA seriam os mais prejudicados, pois o dólar perderia muito valor (dentre outros efeitos). Além do prejuízo para esses países, haveria turbulência nas bolsas de valores no mundo. Entretanto não aprofundaremos neste assunto, deixamos a sugestão de estudo para os demais pesquisadores. As tabelas a seguir foram extraídas da Carteira de Aplicação Estrangeira em Valores Mobiliários dos EUA de 2014 disponíveis no site do U.S. Department of the Treasury, e os comentários são traduções livres e adaptadas pelas autoras deste artigo. O objetivo de apresentá-las é mostrar como os países estão investindo nos títulos americanos, especialmente a China. 7

8 A distribuição de títulos norte-americanos de longo prazo, representada na tabela 8, mostra que, a China é a maior detentora de títulos americanos de longo prazo, com participações similares relatados na pesquisa ($ 1,730 bilhões) e no SLT 5 (1,729 $ bilhões). O Japão foi o segundo maior detentor, com $ 1,703 bilhões de participações totais em valores mobiliários americanos de longo-prazo na pesquisa e $ 1,706 bilhões no SLT. Semelhanças entre a pesquisa do Departamento do Tesouro Americano e SLT é verídica em outros países também. 5 SLT é uma abreviação de Securities Long Term (Títulos de longo prazo). O título completo do formulário que disponibiliza esses dados é Aggregate holdings of Long-Term Securities by U.S. and Foreign Residents (participação agregada de títulos de longo prazo por norte-americanos e estrangeiros residentes). Trata-se de um registro dos detentores de títulos de longo prazo. 8

9 Essa outra tabela mostra o total de títulos do Tesouro dos EUA, e fornece detalhes sobre participações estrangeiras de Títulos de Longo Prazo da dívida (Treasury long-term debt) discriminados em Nominais (Nominal) e Títulos do Tesouro Protegidos da Inflação (Treasury Inflation-Protected Securities TIPS). Vemos então que a China continua a ser o maior detentor de títulos do Tesouro Americano em junho de 2013, com um montante total de $ 1277 bilhões, um aumento de US $ 130 bilhões em relação a junho de China 3.1 Breve histórico da China A China tem seus primeiros relatos históricos desde o séc. XX a.c., e até o séc. XV representava cerca de 30% do Comércio e do PIB mundial, segundo estudos de PIRES (2009). Na China foi inventado o papel, a pólvora, papel-moeda, a bússola, dentre outros. Até por volta de 1820, o governo Chinês (então, dinastia 6 MING) não tinha interesse de expandir seu comércio/economia, e portanto vetou todas as tentativas de expansão marítima. 6 Dinastia é uma sucessão de soberanos, pertencentes à mesma família, por diversas gerações. Por um período de mais de 2 mil anos a China foi governada por dinastias, sendo a última delas a dinastia CHING (1644). 9

10 Após isso iniciou-se um período de conflitos para dominação do mercado chinês, pelas economias ocidentais (Primeira e Segunda Guerra do Ópio) 7 Seguiram vários conflitos, culminando na unificação só em 1949 quando os comunistas tomam o poder, dando início ao governo de Mao Tsé-Tung onde o país adota a coletivização de terras, dos bancos e das companhias estrangeiras. Falha a tentativa de aceleração do processo de industrialização com o Grande Salto para Frente 8. Em 1966, novamente sob o comando de Mao, instaurou-se a Revolução Cultural na tentativa de modificar a cultura e valores do país, instigando a população a se rebelar contra as normas/pensamentos vigentes. Entretanto isso serviu para que as tropas do governo identificassem os opositores e os perseguissem. Em 1976, após a morte de Mao, assume Deng Xiao Ping, que a partir de então passou a implantar reformas políticas e econômicas e futuramente propiciou a abertura das Zonas Econômicas Especiais para empresas estrangeiras, modernizando as áreas da indústria, agricultura, ciência e tecnologia. Tal modelo de abertura enfrentou rejeição da população, pois as reformas geraram inflação e desemprego. O país torna a enfrentar problemas internos, bem como todas as economias vinculadas ao modelo soviético. Após a dissolução dos protestos internos, o governo Chinês opta por continuar a abertura comercial e desde então a China apresenta crescentes avanços de desenvolvimento e crescimento econômico. 3.2 China atualmente Hoje a economia da República Popular da China é a segunda maior do mundo, superada somente (e ainda) pelos Estados Unidos. Segundo dados de 2013 do Ministério das Relações Exteriores (MRE) a china já tinha uma população de 1.360,8 milhões de habitantes, onde 7 A primeira em 1839/1942 e a Segunda em 1856/1860. Os ingleses afim de forçar a abertura comercial chinesa, começaram a vender ilegalmente ópio (Substância produzida na Índia, extremamente viciante e prejudicial à saúde) para a população da China. O vício provocou uma epidemia no país, fazendo com que o governo intervisse o que resultou em conflitos armados. Por fim, os britânicos venceram ambas as guerras, forçando dois tratados: na primeira, o Tratado de Nanquim; na segunda o tratado de Tianjin. Tais tratados infligiram à China a abertura de vários portos, bem como pagamentos de indenizações de guerra. Deixamos como sugestão de leitura o livro The Opium War de Julia Lovell. 8 Após o sucesso do primeiro Plano Quinquenal ( ), foi instituído o Segundo Plano Quinquenal ( ) que ficou conhecido como Grande Salto para Frente que tinha por objetivo estruturar as bases para o estabelecimento de uma ampla fase de industrialização. Entretanto, devido a graves secas e inundações, inexperiência técnica e insuficiência estrutural o plano entrou em colapso, gerando crise e fome na China. Mao Tsé-Tung é afastado da política. 10

11 94,3% é alfabetizada e possui expectativa de vida de 73,7 anos. Com um PIB de US$ 8,94 trilhões com paridade poder de compra de US$ 13,37 trilhões. Quanto ao comércio exterior em 2013 apresentou um crescimento de 88,5% em relação a 2009, de US$ 2,21 trilhões para US$ 4,16 trilhões. E em 2012 foi classificada no ranking como o 2º mercado mundial, após os Estados Unidos, sendo o 1ºexportador e o 2º importador. O saldo da balança comercial apresentou-se superavitário em todo o período sob análise, totalizando saldo positivo de US$ 261 bilhões em Desde o ínicio das reformas implantadas por Deng Xiao Ping, o PIB apresentou crescimento médio real de 10% ao ano. Segundo o PNUD (apud. NONNENBERG, 2010, p. 1) o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) passou de 0,53 (1975) para 0,78 (2006). Além de ser o 3 maior país em extensão territorial com Km². De acordo com a mídia estatal chinesa (apud. Epoch Times), 70% (ou 2,3 trilhões de dólares) estão investidos em ativos em dólar. Além do Tesouro Americano, isso incluiria a dívida de agências e corporações norte-americanas e ações nos EUA. O resto é investido predominantemente em euros (20-30%), libra esterlina e iene japonês (0-10%). O enorme crescimento das exportações resultou num contínuo crescimento dos saldos externos da China. Frente a isso, um importante dado fornecido em NONNENBERG (2010) é de que as reservas internacionais que até 1998 eram menores que US$ 150 bilhões em 2008 já chegava à US$ 2 trilhões. NONNENBERG (2007) explica em seu trabalho os motivos que levaram tal aumento nas reservas internacionais: Como foi possível à China acumular reservas internacionais em valores tão elevados, mantendo a taxa de câmbio fixa sem, ao mesmo tempo, gerar pressões inflacionárias? A contrapartida da elevação das reservas é o aumento da dívida pública. Quanto maior a dívida, maiores os encargos financeiros e maior o déficit fiscal. Entretanto, à diferença da maior parte dos demais países, tanto o déficit fiscal da China quanto o valor inicial da dívida pública eram relativamente pequenos. A dívida bruta do governo central passou de aproximadamente 6,5% do PIB em 1990 para 15,7% em (NONNENBERG, 2010, p. 12) Vemos ainda que enquanto a China apresenta um grande superávit no balanço de pagamentos, os EUA aumentaram bastante seu déficit (aumento da dívida pública explicado no tópico 2). 11

12 O mesmo autor citado faz uma importante observação pertinente a este trabalho sobre os superávits chineses e déficits americanos: É importante perceber que foram os superávits chineses que permitiram o crescimento dos déficits norte-americanos. Isso porque o excesso de poupança na Ásia resultou numa redução das taxas de juros globais, que contribuíram para a expansão do consumo (e do investimento) nos Estados Unidos que, por sua vez, acarretou o aumento do déficit em conta corrente. Dito de outra forma, o excesso de poupança (sobre os investimentos) da China financiou o excesso de consumo nos Estados Unidos. (NONNENBERG, 2010, p. 13) Outro importante aspecto a ser considerado é a elevada taxa de poupança chinesa. Explica o autor: Tanto o setor público quanto as famílias e as empresas apresentam poupanças líquidas positivas. A poupança das famílias vem se mantendo, de acordo com estimativas, em torno de 17% do PIB, ao mesmo tempo em que a poupança das empresas deve ter passado de cerca de 15% do PIB no início da presente década para próximo a 27% em As famílias poupam muito porque necessitam cobrir a maior parte dos gastos com saúde, educação e previdência, uma vez que o governo cobra por esses serviços, ainda que parcela expressiva da população receba alguns subsídios para saúde e educação. As empresas, boa parte delas de propriedade do Estado, auferem lucros muito elevados, em razão do forte crescimento da atividade e de custos relativamente baixos. Não apenas os salários são baixos, mas diversos serviços públicos como energia, transporte e saneamento são subsidiados pelo Estado, principalmente nas ZEEs. Além disso, os empréstimos são concedidos a taxas de juros bastante reduzidas, mesmo a empresas com riscos elevados. A forte participação da indústria também é um elemento importante nessa equação. As empresas industriais apresentam uma participação de investimentos maior do que a dos demais setores da economia e necessitam de maiores lucros retidos. Finalmente, o Estado obtém taxas de poupança mais elevadas do que a média dos demais países pois seus gastos em saúde, educação e previdência são bem menores do que os da maior parte dos demais. (NONNENBERG, 2010, p. 14) As políticas econômicas chinesas, inclusive essas que induzem altos níveis de poupança interna e promovem atividades relacionadas à exportação como o principal motor do crescimento econômico da China, contribuíram para um aumento das reservas cambiais da China na última década como já relatado acima. As Políticas cambiais da China tentam retardar (e se possível parar) a valorização do Yuan (ou RMB) em relação ao dólar. Isso faz com que as exportações chinesas fiquem mais baratas e as importações estrangeiras para a China mais caras do que ocorreria se a China mantivesse uma moeda flutuante. O principal objetivo desta política é promover as indústrias de exportação da China e encorajar o investimento estrangeiro. Para tal efeito, o banco central chinês deve intervir fortemente nos mercados de câmbio, comprando dólares suficientes para manter a taxa de câmbio chinesa favorável a esta política (moeda desvalorizada). 12

13 Tais políticas que induzem altas taxas de poupança visam amortecer o consumo interno e a demanda por importações, enquanto a transferência de recursos financeiros vão em grande parte, para as indústrias de exportação. 4. Relação entre China e Estados Unidos Devido à sua baixa taxa de poupança, os Estados Unidos tomam emprestado para financiar o seu déficit. Portanto, dependem de países com altas taxas de poupança, como a China, para investir algum do seu capital nos Estados Unidos. Tais investimentos ajudam a manter as taxas de juros dos Estados Unidos relativamente baixas e permitem que os Estados Unidos consumam mais do que produzem. Segundo MORRISON e LABONTE (2013), o mercado de títulos de dívida dos EUA é o único mercado global que é grande o suficiente para absorver uma grande parte das crescentes reservas chinesas. Tal ação é responsável também por garantir confiabilidade aos títulos americanos, que continuem sendo considerados os mais seguros e líquidos investimentos do mundo. A crescente dependência dos EUA sobre a China para comprar títulos do Tesouro dos EUA para ajudar a financiar seu déficit orçamentário tornou-se uma grande preocupação para muitos políticos norte-americanos. Muitas hipóteses foram levantadas no trabalho de MORRISON e LABONTE (2013) China s Holdings of U.S. Securities: Implications for the U.S. Economy onde supõe o que aconteceria com essa relação: 1) Alguns levantaram preocupações de que as grandes explorações da China poderiam dar-lhe vantagem econômica sobre os Estados Unidos. 2) Outros expressaram preocupação de que a China pode perder a fé na capacidade dos Estados Unidos de cumprir suas obrigações de dívida, e, portanto, poderia tentar liquidar tais ativos ou significativamente reduzir a compra de novos títulos, um movimento que alguns acreditam que poderia danificar a economia dos EUA. 3) Outros ainda afirmam que a compra de títulos dos EUA pela China era um fator importante que contribuiu para a crise das hipotecas subprime nos EUA e posterior desaceleração econômica global, pois isso ajudou a manter as taxas de juros reais dos EUA muito baixas e aumentou os desequilíbrios globais. 13

14 4) Autoridades chinesas, por outro lado, expressaram preocupações sobre a segurança de suas grandes explorações de dívida dos EUA, e alguns argumentaram que a China deve diversificar investimentos ou implementar políticas que retardem a acumulação de reservas cambiais, o que diminuiria a necessidade de comprar ativos americanos. Se a China reduzisse o investimento nos valores mobiliários dos Estados Unidos, isto poderia aumentar as taxas de juros dos EUA. Com taxas de juros mais elevadas os gastos com investimentos se tornariam menos vantajosos, e por sua vez reduziriam. Ceteris Paribus, a redução na aplicação das reservas chinesas no Tesouro faria com que a demanda externa global por ativos dos EUA caíssem, e isso faria com que o dólar se depreciasse. Com o valor do dólar depreciado, o déficit comercial iria diminuir, pois o preço das exportações americanas cairia no exterior e os preços das importações subiram nos Estados Unidos. As proporções dos efeitos de tal ação dependeriam se esta causasse ou não um efeito manada nos demais investidores estrangeiros, fazendo com que estes também reduzissem suas aplicações no tesouro americano. Considerações finais Vimos, portanto, que uma das possíveis consequências dessa relação seria uma espécie de desequilíbrio no mercado mundial, tanto econômica quanto politicamente. Isso se percebe, pois, se a China deixasse de financiar a dívida americana, isto provavelmente faria com que esta se desestabilizasse. Caso isso acontecesse, a própria China seria afetada, considerando que depende fortemente das exportações para o crescimento econômico e o emprego, e visto que os EUA são os maiores importadores de bens chineses (importações americanas da China em 2012 foram de milhões dólares). Além da China, um caos se estabeleceria no mercado financeiro internacional, visto que poderia provocar um efeito manada, pois a confiabilidade dos títulos americanos seria abalada. Desestabilidade das moedas, dos mercados de bens e serviços, enfim das economias como um todo além de acirrar a tensão entre os principais países (que além de potências econômicas, detém grande poderio bélico). É importante lembrar que tal equilíbrio anteriormente explicado é devido ao interesse mútuo dessas economias: tanto os Estados Unidos de financiar sua dívida pública quanto a China em aplicar suas reservas, mantendo assim o Yuan desvalorizado. E levantar ainda a hipótese 14

15 de que a China esteja se preparando para mudar sua estratégia voltando-se então para o mercado interno e diversificando investimentos. Entretanto, como não temos dados e fatos empíricos disponíveis para avaliar os reais efeitos de uma suspensão ou redução da compra de títulos americanos pela China, deixamos nossas hipóteses para serem comprovadas e/ou reavaliadas futuramente. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: Conheça o Tesouro Nacional. Disponível em: < al.pdf>. Acesso em 16 de maio. DAMODARAN, Aswarth. Finanças Corporativas: Teoria e Prática. Porto Alegre: Bookman, Foreign Portfolio Holdings of U.S. Securities. Disponível em: < Acesso em 13 de maio. MORRISON, Wayne M. Morrison e LABONTE, Marc. China s Holdings of U.S. Securities: Implications for the U.S. Economy. Disponível em: <http://fpc.state.gov/documents/organization/99496.pdf>. Acesso em 9 de maio. MRE/ DPR/ DIC Indicadores Econômicos da China. Disponível em: <http://www.brasilglobalnet.gov.br/arquivos/indicadoreseconomicos/indchina.pdf>. Acesso em 21 de maio. MRE/ DPR/ DIC Indicadores Econômicos dos Estados Unidos. Disponível em: <http://www.brasilglobalnet.gov.br/arquivos/indicadoreseconomicos/indestadosunid os.pdf>. Acesso em 21 de maio. NONNENBERG, Marcelo José Braga. China: estabilidade e crescimento. Revista de Economia Política. Vol. 30. No2. São Paulo. Abril/Junho PAULINO, Luís Antonio e PIRES, Marcos Cordeiro. Nós e a China: O impacto da presença chinesa no Brasil e na América do Sul. São Paulo: LCTE Editora Receita Federal. Renda Fixa. Disponível em: <http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2006/perguntas/aplicfinanrenfixare nvariavel.htm>. Acesso em 20 de maio. 15

16 Senado dos EUA aprova aumento do teto da dívida até março de G1 Economia. 02/2014. Disponível em: < Acesso em 24 de maio. U.S. Department of treasury. Disponível em: < Acesso em 16 de maio. 16

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA 170 CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA GALLE, Juliano M. 1 CAVALI, Roberto 2 SANTOS, Elaine de O. 3 Resumo: A crise financeira que surgiu nos EUA tem afetado o mercado financeiro

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002?

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? Resenha produzida por Paulo Springer de Freitas 1 Este texto é uma resenha do estudo O câmbio no Brasil: perguntas e respostas, de autoria de

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER?

DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER? DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER? Luiz Carlos Bresser-Pereira Capítulo 9 de Bresser-Pereira, org. (1989) Dívida Pública Crise e Soluções. São Paulo: Editora Brasiliense: 241-246. Trabalho apresentado

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar Quando os mercados financeiros globais enfrentam dificuldades, os bancos centrais coordenam swaps de moedas para aliviar a tensão. Devido ao importante

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Samuel Pessoa Tendências Consultoria 14 de abril, Hotel Unique ROTEIRO 1. Guerra cambial? 2. Desequilíbrio macroeconômico

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA Olá, amigos! Reta final de preparação da Receita Federal do Brasil e eis uma pequena amostra do que vocês podem esperar na prova vindoura! Segue abaixo uma listagem de questões pertinentes a assuntos certamente

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2011

1 a 15 de setembro de 2011 1 a 15 de setembro de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015 INFORMATIVO n.º 25 MARÇO de 2015 Esta edição do CEBC Alerta lista os principais destaques do Plano de Trabalho do governo chinês para 2015, apresentado pelo Primeiro-Ministro Li Keqiang e divulgado pela

Leia mais

Transparencia y auditoria de las deudas: condición para la Nueva Arquitectura Financiera Internacional 1

Transparencia y auditoria de las deudas: condición para la Nueva Arquitectura Financiera Internacional 1 Transparencia y auditoria de las deudas: condición para la Nueva Arquitectura Financiera Internacional 1 Rodrigo Vieira de Ávila Auditoria Cidadã da Dívida Jubileu Brasil auditoriacidada@terra.com.br A

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Indicadores Fiscais com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Indicadores

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Valor do portfólio da Temasek atinge recorde de R$ 250 bilhões

Valor do portfólio da Temasek atinge recorde de R$ 250 bilhões Comunicado à Imprensa Valor do portfólio da Temasek atinge recorde de R$ 250 bilhões - O portfólio apresentou um retorno total de 9% aos acionistas no período de 10 anos - Os investimentos realizados após

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008 Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP O CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO BRASIL: 1850-2008 10 9 FIM DA SUBST DE IMPORT 8 7 CRISE JANGO- RETOMADA? 6 5 4 ANOS 30 3 2 APOGEU

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Glossário Termos técnicos utilizados

Glossário Termos técnicos utilizados BALANÇA COMERCIAL BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BENS DE CAPITAL BENS DE CONSUMO (DURÁVEIS/NÃO DURÁVEIS) BENS INTERMEDIÁRIOS CAPACIDADE INSTALADA Apresentação do valor das exportações e importações de

Leia mais