PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: UMA EXPLICAÇÃO NECESSÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: UMA EXPLICAÇÃO NECESSÁRIA"

Transcrição

1 PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: UMA EXPLICAÇÃO NECESSÁRIA Daniele Cariolano da Silva Universidade Estadual do Ceará (UECE) Isabel Magda Said Pierre Carneiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE) Resumo O artigo tem por objetivo discutir o Projeto Político-Pedagógico (PPP) de uma escola da rede pública de ensino. Ele se constitui em uma explicação necessária diante do desconhecimento dos professores sobre a importância desse projeto na Didática como atividade pedagógica escolar e na construção da própria identidade institucional. Tratase de um estudo de conclusão de curso no âmbito do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Inserida numa abordagem qualitativa de educação, a pesquisa se classifica como estudo de caso, tendo como lócus o Colégio Militar do Corpo de Bombeiros Escritora Rachel de Queiroz, pertencente à Rede Pública de Ensino de Fortaleza. A primeira etapa do estudo se concretizou no aprofundamento da literatura pertinente, a partir de autores como Veiga (1996), Vieira (2008) e Libâneo (2008), a segunda incidiu sobre a coleta de dados por meio da análise documental e entrevistas semi-estruturadas e por último, ocorreu à análise das informações disponíveis. Os resultados evidenciam que o projeto político-pedagógico ainda é realizado na instituição escolar como mera burocracia, desconhecendo a sua essência, princípios, finalidades, estrutura e funcionamento, o que gera desafios ao processo didático de mediação entre os objetivos sócio-políticos e pedagógicos e os conteúdos e métodos de ensino. Considerando que este documento deve se materializar no trabalho didático, portanto pedagógico, com vistas à construção de uma escola democrática, pública, gratuita e de qualidade, tal desconhecimento expressa a perda da própria identidade escolar. Persiste a necessidade de um projeto político-pedagógico como teoria e prática para superar o cenário de desconhecimento por parte dos professores e ressignificar o processo identitário da escola. O PPP deve ser vivenciado de forma a estabelecer concepções e práticas pedagógicas para que a escola possa cumprir efetivamente seus propósitos, princípios e intencionalidades, além de seu compromisso com a formação do aluno e com a sociedade. Palavras-chave: Projeto político-pedagógico, Desconhecimento, Didática, Escola Introdução Este trabalho apresenta resultados de uma pesquisa de conclusão de curso desenvolvida no âmbito do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Tem-se como objetivo discutir o Projeto Político-Pedagógico (PPP) de uma escola da rede pública de ensino. Livro 1 - p

2 O panorama das atuais políticas de educação com vistas à reprodução das relações simbólicas e materiais dominantes geram a vivência nas escolas de projetos político-pedagógicos representativos do massacrante controle e imposição social de tais políticas, bem como da precarização e desvalorização da profissão docente seja por meio das péssimas condições de trabalho seja através da má formação inicial e continuada dos professores. Isso se dá, segundo Althusser (1985) uma vez que os mecanismos que produzem esse resultado vital para o regime capitalista são naturalmente encobertos e dissimulados por uma ideologia da escola universalmente aceita, que é uma das formas essenciais da ideologia burguesa dominante[...] (p. 80). Desse modo, uma escola que ainda se submete aos ditames dominantes que privilegiam os resultados quantificáveis, materializados na prática escolar em investimentos financeiros, em detrimento aos processos políticos e pedagógicos com fins a formação consciente e crítica do sujeito. Mediante suas idéias e práticas dissimuladas por uma suposta imagem de instituição igualitária e neutra, a escola ainda passa a se reduzir à função de inculcação da ideologia dominante de exclusão e desigualdade. Nesse contexto, as instituições de ensino têm grandes desafios a enfrentar como a construção e desenvolvimento de projetos pedagógicos de caráter efetivamente democrático, político e participativo, sendo provindos da e para a comunidade local na qual estão inseridos. Para tanto, persiste a necessidade que tais projetos sejam concretizados na escola por meio de seu reconhecimento e prática por parte do grupo docente, uma vez que a sua relevância se expressa no processo didático pelo qual os professores dirigem sua atividade de ensino cujo resultado é a aprendizagem. Os projetos representam a organização do trabalho pedagógico e a identidade escolar. Assim, o estudo em questão trata-se de uma proposta investigativa de natureza qualitativa em que, segundo Bogdan e Biklen (2006), o ambiente natural é tido como principal fonte de dados, sendo necessário ao pesquisador o seu contato direto e prolongado com o ambiente e, dessa forma, com a situação investigada; dá-se ênfase ao processo investigativo (ao tempo, espaço, sujeitos e relações que compõem a complexidade do cotidiano) em comparação ao produto da pesquisa; e, com vistas a retratar as perspectivas dos sujeitos, considerando que muitas das situações investigadas têm a sua relevância, o que justifica o fato dos dados obtidos serem diversos e predominantemente descritivos. Livro 1 - p

3 Nesse sentido, a pesquisa se classifica como estudo de caso, tendo como lócus o Colégio Militar do Corpo de Bombeiros (CMCB) Escritora Rachel de Queiroz, criado a partir de um convênio com a Secretaria de Educação do Estado do Ceará. Conforme Lüdke e André (1986, p.19) esse tipo de abordagem enfatiza a complexidade natural das situações, evidenciando a inter-relação dos seus componentes, propiciando desse modo, um retrato da realidade investigada em suas múltiplas dimensões sóciohistóricas. Isso se deu a partir de entrevistas semi-estruturadas e da análise documental, tomando como referências teóricas os estudos de Veiga (1996), Vieira (2008), Libâneo (2008), dentre outros. 2. Projeto Político-Pedagógico: evidenciando significações O processo de gestão democrática escolar deve ser vivenciado de forma descentralizada em que as ações são elaboradas e implementadas de modo não hierarquizado; participativa na qual há o envolvimento das comunidades local e escolar; e transparente em que todos têm conhecimento das decisões tomadas no contexto escolar. Trata-se de um processo de socialização do poder na escola que segundo Veiga (1996): [...] propicia a prática da participação coletiva, que atenua o individualismo; da reciprocidade, que elimina a exploração; da solidariedade, que supera a opressão; da autonomia, que anula a dependência de órgãos intermediários que elaboram políticas educacionais das quais a escola é mera executora. (p.18). Assim, uma gestão fomentada por princípios como coletividade, liberdade, solidariedade, democracia, reciprocidade, igualdade, qualidade e autonomia. Sua concretização no cotidiano escolar se caracteriza dentre outras ações pela criação, execução e avaliação do Projeto Político Pedagógico. Este define o rumo e o ritmo do trabalho pedagógico a ser realizado no espaço escolar. Trata-se de um documento de caráter político, pois deve se comprometer com a formação do cidadão para um tipo de sociedade e pedagógico, no sentido de se efetivar a função social da escola por meio da definição de princípios e práticas educativas necessárias aos propósitos da instituição. É uma forma de conduzir as ações educativas da escola sob a égide da descentralização, participação e transparência, constituindo [...] um desses espaços de intervenção que se articula a outros, no campo da política sindical, partidária e em outras formas de exercício da cidadania e da militância (VIEIRA, 2008, p.43). O PPP é um mecanismo que possibilita o conhecimento e a Livro 1 - p

4 transformação da realidade escolar mediante reflexão e ação, propondo para tanto, a participação como estratégia para efetivar a prática democrática, algo que implica uma construção contínua e coletiva. Desse modo, tal projeto pressupõe conhecimento da realidade escolar, o dia a dia da comunidade atendida, seus problemas sociais, práticas, necessidades, perspectivas e possibilidades. A participação coletiva é uma das condições para a viabilização desse mecanismo, por conseguinte, para a construção da identidade e autonomia escolar, uma vez que participação é interagir, é mover-se de forma construtiva e entrar em conflito algumas vezes, é deixar-se envolver, é sentir e ser ator, é tomar decisões e assumir decisões, é ser individual e coletivo ao mesmo tempo, é negociar com o grupo (LACERDA, 2004, p.50). Uma possibilidade de reconhecer, refletir e promover transformações estruturais, administrativas, políticas e pedagógicas na escola a partir da ação conjunta entre os sujeitos atuantes nesse espaço. O PPP se direciona tanto à organização do trabalho pedagógico da escola na sua globalidade como à organização da sala de aula, o que inclui processo didático de transmissão e assimilação de conhecimentos e habilidades, sendo mediado pelo professor com vistas à aprendizagem dos alunos. Tal processo implica [...] vincular conteúdos, ensino e aprendizagem a objetivos sócio-políticos e pedagógicos e analisar criteriosamente o conjunto de condições concretas que rodeiam cada situação didática (LIBÂNEO, 2008, p.56). Ação didática diz respeito às relações recíprocas que envolvem o aluno e os conteúdos de ensino, com o objetivo de se apropriar deles a partir da intervenção do professor, considerando que a inter-relação entre educandos e educador envolve contextos e determinantes internos e externos ao espaço de sala de aula. Entretanto, as políticas de educação vigentes refletem a burocratização, hierarquização e imposições do poder central para com a Educação e a profissão docente. É neste contexto que ocorre o desenvolvimento de projetos que não superam as relações corporativas, autoritárias, impessoais, racionalizadas e competitivas; de conflitos e poder; de hierarquização e fragmentação do trabalho. Portanto, que não levam ao conhecimento, reflexão e ação sobre as práticas pedagógicas vivenciadas na escola. De obrigatoriedade legal, o PPP tem a sua relevância e prioridade no que diz respeito à formulação e implementação, sendo expressas no Art.12, Incisos I e II da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Nº 9.394/96): Livro 1 - p

5 Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do sistema de ensino, terão a incumbência de: I elaborar e executar sua proposta pedagógica [...]; VII informar os pais e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica. Tais incumbências representam ações legais inovadoras na busca de se efetivar por meio de um instrumento de gestão o caráter pedagógico como significação e diretriz da ação educativa na escola, haja vista que se constitui como prática social por ser dirigida pedagogicamente. 3. Resultados Apesar da importância legal, técnica, política e pedagógica diante do desafio de se pensar e apreender novas concepções de homem, educação e sociedade, o projeto político pedagógico ainda é dirigido de cima para baixo como modelo pronto e acabado a ser aceito e formalizado pelas instituições de ensino, refletindo em sua essência as determinações e contradições sociais. Diante de um projeto institucional que não foi construído com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar e local, os processos de implementação e avaliação do mesmo não são efetivamente vivenciados, pois não há o sentimento de pertença dos sujeitos em relação ao projeto e à sua própria prática de sala de aula, uma vez que ele expressa a organização do trabalho pedagógico escolar. Percebe-se a ocorrência deste fato no seguinte depoimento Eu tenho 320 horas, 200 horas no estado e 120 na prefeitura. Aonde é que eu vou ter tempo pra me preparar. Onde eu vou ter tempo de passar um trabalho de pesquisa. Vai levar pra casa, vai trabalhar no sábado e no domingo. Eu tenho essa carga horária, o que posso fazer. Poderia reduzir a minha carga horária, ai reduziria o meu salário e eu preciso dele. Quando há necessidade a gente reformula a Proposta Pedagógica. Pra sentar mesmo e discutir, no meu caso, a gente não tem tempo pra isso. Constata-se o descompasso entre o que se diz e o que se faz, entre a teoria que norteia o processo de elaboração do PPP e a prática concreta que o valida como ação comprometida com a formação consciente e crítica do cidadão. O desafio do projeto institucional não se encerra na sua existência, mas se prolonga no seu desenvolvimento e avaliação, dando início novamente ao seu movimento de ação-reflexão-ação com a reconstrução do projeto. Este deve ser compreendido como processo sempre em Livro 1 - p

6 construção, renovando-se constantemente com o envolvimento de todos, de forma criativa, democrática, responsável, avaliativa e aperfeiçoável. A prática do professor não deve se desvincular do projeto educativo, pois é o instrumento de viabilização das propostas e finalidades sociais, cognitivas, políticas, culturais e humanísticas, escolhidas e compartilhadas pelos segmentos da escola. Tal desconhecimento e desvinculação teórica e prática se expressa no relato: O PPP. Isso aí eu não gostaria de explicar direitinho não. Essas deficiências que a gente quer dar a cunho e ferro em áreas específicas. No meu caso, estou procurando adquirir conhecimento até porque eu atuo na área da educação, o meu mestrado é voltado para a área da educação. Então, tenho que entender até porque quero me voltar para a área das ciências, tenho que entender como é que está sendo o PPP e todos esses PPPs. Percebe-se certo desconhecimento ou falta de informações suficientes para caracterizar o projeto político-pedagógico. Desconhece-se a essência, as finalidades e os princípios de um instrumento que deve nortear o processo didático escolar. Este deve mediar os âmbitos teórico (as bases teórico-científicas da educação) e prático (a ação do professor); investigar os elementos e aspectos fundantes do ensino e as condições políticas e sócio-históricas, determinantes e determinados, do processo de ensino e aprendizagem, incluindo os sujeitos e relações vivenciadas. Nesse sentido, o professor enfrenta desafios na viabilização de sua ação didática em sala de aula enquanto relação entre o quê e o como do processo de ensino com vistas a traduzir objetivos sociais em objetivos de ensino. Isso ocorre uma vez que tal processo se funda e se direciona por concepções de homem e sociedade, subordinandose desse modo, a fatores sociais, políticos, econômicos e pedagógicos da educação como um todo. No meu curso de licenciatura eu levei quatro anos, fui ver didática no final, numa cadeira de didática, de estrutura, uma de prática de ensino que não me ensinou nada. O que eu aprendi foi em sala de aula. O ensino de história me ajuda a atuar. No caso da minha formação não conheço nenhum amigo que tenha aprendido isso na universidade. Eu sou totalmente tímido. Entrei na sala e congelei, por que não tinha vivência nenhuma, não tinha prática. A Didática não se reduz ao modo pelo qual se deve ensinar e se posicionar em sala de aula, mas ao processo pelo qual torna possível relacionar conhecimentos sistemáticos a serem construídos e as finalidades de formação profissional e pessoal pretendidas pelo professor e a escola, sendo formalizadas na proposta pedagógica. Sendo uma disciplina de caráter pedagógico, a Didática se concretiza no estudo do processo de ensino, isto é, os conteúdos escolares, os métodos e formas Livro 1 - p

7 organizativas, as atividades e relações que envolvem professor e aluno, bem como as diretrizes que dão sentido e direcionalidade a tal processo educativo. Ela é ao mesmo tempo disciplina a ser estudada ao longo da formação profissional e instrumento pelo qual o professor lança mão para dá significação e direção a sua atividade de ensino e aprendizagem. Assim, o processo didático realizado em sala de aula deve ser fomentado pelas concepções e ações expressas na proposta pedagógica da escola. Segundo Veiga (1996), nos princípios (igualdade de acesso e permanência na escola, qualidade técnica e política, gestão democrática, liberdade e valorização do magistério) que devem nortear os elementos constitutivos da organização do trabalho pedagógico escolar (finalidades, estrutura organizacional, currículo, tempo escolar, processo de decisão, relações de trabalho e avaliação). Entretanto, a ação do professor em sala de aula ainda se dá no âmbito da individualidade e da fragmentação do trabalho, sendo descontextualizada das relações, dos espaços, tempos e sujeitos que envolvem a escola como um todo, portanto de um projeto maior, como se afirma no discurso: Eu tinha um aluno que era o campeão em conversar em sala de aula. Eu não conseguia dá o conteúdo. Brincava, se levantava, era uma coisa incrível. Por duas vezes eu coloquei ele para fora de sala de aula. Depois me toquei e comecei a investigar a vida dele por meio de amigos e descobrir que ele era filho único, os pais saiam para trabalhar e ele ficava trancado dentro de casa, amanhã todinha. Quando chegava ao colégio simplesmente aproveitava, tudo que ele não conversava de manhã, era à tarde todinha. Mas isso ai foi um problema que eu tive que administrar. Aluno em sala de aula é problema do professor, não é do coordenador, diretor. O desconhecimento dos pressupostos epistemológicos, filosóficos e sócio históricos pelos os quais a escola se organiza estrutural e pedagogicamente resulta em um processo didático restringido à transmissão de conhecimentos e descontextualizado da realidade escolar. Fato que gera uma prática na qual professor e alunos não se veem pertencentes a tal realidade, pois desconhecem conceitos e vivências que expressem a relação entre a escola que se tem e àquela que se pretende ter; o homem que se tem e àquele que se pretende formar. Decorrente das políticas que se detêm ao aspecto quantificável e suposto viabilizador da Educação para todos, ainda se vislumbram certos reducionismos conceituais e práticos quanto à proposta pedagógica em questão. Sua relevância passa a se vincular a resultados estatísticos de rendimento escolar, advindos de pesquisas em Livro 1 - p

8 diferentes esferas administrativas. Resultados estes, fundantes em dados quantitativos e que se apresentam como caracterizadores da qualidade do processo de ensino e aprendizagem. As propostas pedagógicas escolares se tornam necessárias e efetivas na medida em que proporcionam direta ou indiretamente bons resultados às instituições de ensino, posicionando-as nas projeções das escolas com os maiores índices de desenvolvimento educacional, o que geram específicos investimentos financeiros. Tal fato se constata no discurso sobre a importância do projeto politico-pedagógico para a escola: O resultado da escola em nível de estado, Ceará, Brasil, é válido. Se você olhar os resultados a escola está na ponta. As pessoas que estão aqui são da SEDUC, é estadual, trabalham na rede estadual. Então, porque dá certo aqui e não dá nas outras? Porque aqui tem um resultado bom e as outras não têm? O paradigma no qual a escola de qualidade exerce realmente o seu papel social quando se compromete com os indicadores de rendimento educacional, faz-se presente fortemente nas instituições de ensino e nas práticas de sala de aula ali vivenciadas. Enfatizam-se os resultados em detrimento do processo de aprendizagem, fato que muitas vezes, contraditoriamente, favorece a escola a se destacar dentre as primeiras colocações nos diversos programas implementados de avaliação da educação, pelos quais se geram estatísticas concebidas como indicadores de sucesso escolar, sinônimo de qualidade, equidade e eficiência do ensino e aprendizagem. É notória certa confusão e reducionismo do projeto pedagógico aos objetivos educacionais imediatistas, propostos pelas instituições de ensino e expressão das políticas vigentes no âmbito da educação. É o que revela o discurso abaixo: Além da aquisição de conhecimentos em todas as áreas, tem também a proposta de conduzir os alunos aos concursos, aos vestibulares da UECE, federal, CEFET, UNIFOR. A gente tem a LDB, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, mas o PPP não. Você poderia dizer algo sobre? O trabalho pedagógico escolar se fomenta nos princípios de igualdade, democracia, coletividade e autonomia, tendo por finalidade transformar de maneira contínua e participativa as relações entre os sujeitos, democratizar as decisões, promover meios e situações para melhorar o processo de ensino e aprendizagem, dentre outros fins. Tais modificações estruturais, funcionais e nas inter-relações pessoais e profissionais favorecem a melhoria dos indicadores educacionais. Estes por sua vez, não devem ser concebidos como princípios, funções sociais ou objetivos primordiais e inerentes ao fazer pedagógico, mas como finalidade última da educação. Livro 1 - p

9 Ressalva-se aqui, o não caráter formativo de tais exames avaliativos que segundo Fernandes (2001), limitados e padronizados pretendem a partir de seus resultados servir para definir e implementar políticas de correção das ineficiências do sistema. Somente se tornarão possíveis à construção, o desenvolvimento e a avaliação do PPP mediante relativa autonomia da escola, da formação e prática de seus profissionais e sua capacidade de delinear sua própria identidade, o que requer o resgate da escola como espaço de reflexão, crítica e ação coletiva. Torna-se inviável que a escola continue sendo direciona por poderes centralizadores que exercem o controle técnico burocrático, por conseguinte pedagógico, sendo as instituições de ensino meras executoras nas normas postas. O PPP reflete a cultura escolar, os valores e os princípios que as pessoas trazem inevitavelmente consigo no momento de elaborar e desenvolver este projeto. São profissionais, mas acima de tudo humanos que influenciam e sofre determinações externas e internas à sociedade e ao próprio ser. O projeto deve expressar a partir da ação didática de sala de aula tanto objetivos de formação intelectual, de desenvolvimento de habilidades e potencialidades cognitivas, como de formação social, de um projeto de sociedade. Fato que se evidencia abaixo: É o que nós esperamos do aluno, que ele desenvolva habilidades intelectuais, quanto à própria questão do tipo de sociedade, de cidadão. Agora, essa questão do cidadão ela é válida quando esse cidadão tem condições de ter uma participação ativa a partir do conhecimento construído, adquirido. Percebe-se no discurso o elemento político e pedagógico da ação didática com vistas não somente promover e compreender o processo de ensino, mas transformar e orientar a própria prática educativa escolar para finalidades sociais, éticas, coletivas e emancipatórias. A intervenção, a transformação e a direcionalidade para fins éticos emancipatórios sãos ações fundantes do trabalho pedagógico escolar, o que se torna imprescindível à compreensão e a explicitação dessas ações quando se objetiva uma real concepção e prática do ato pedagógico. A escola deve promover e preparar cultural e politicamente os alunos para que eles possam compreender e melhor se posicionar criticamente diante da sociedade em que vivem, reconhecendo e praticando seus direitos e deveres. Além disso, a instituição deve possibilitar a necessária formação profissional ao educando para sua inserção no mundo do trabalho, bem como formação humanística para seu desenvolvimento Livro 1 - p

10 integral. Tais finalidades educacionais devem estar expressas no projeto institucional, como se pode perceber no trecho do Projeto Político-Pedagógico (2007, p.01-02) do CMCB Rachel de Queiroz, lócus da pesquisa em questão. O Colégio Militar do Corpo de Bombeiros, criado pela Lei n.º999, de 14/01/2000 e regulamentado pelo Decreto Estadual n.º052, de 10/01/2000, tem por finalidades: I. Preparar para o ingresso no Corpo de Bombeiros; II. Atender prioritariamente ao ensino assistencial para dependentes de militares do Corpo de Bombeiros; III. Ministrar o Ensino Fundamental e Médio a alunos de ambos os sexos; IV. Atender também o ensino Fundamental e Médio para os filhos de civis; V. Desenvolver nos alunos o sentimento de amor à Pátria, a sadia mentalidade disciplinar consciente, o culto às suas tradições nacionais, regionais e os direitos humanos; VI. Aprimorar as qualidades físicas do educando; VII. Despertar a vocação para a carreira militar. Evidencia-se a relevância e dedicação concedidas à preservação e transmissão de princípios como o civismo e o nacionalismo através dos diversos contextos de ensino e aprendizagem a serem desenvolvidos. Isso caracteriza a identidade da instituição escolar, suas concepções e ações voltadas para um tipo de sociedade, de homem e de Educação. Portanto, a vivência de uma proposta escolar imbuída de sua própria especificidade, memória e trajetória particular, as experiências vividas pelos sujeitos que permitem ao coletivo a construção e (re) construção de sua ação educativa. Reflexões finais O processo de construção do Projeto Político-Pedagógico (PPP) pressupõe aos sujeitos envolvidos o autoconhecimento e o conhecimento das realidades que cerceiam o contexto escolar e local, o que justifica a necessidade desse projeto ser vivenciado em todas as suas fases e aspectos pelos próprios membros da comunidade. Dessa forma, por trás de um projeto institucional revelam-se a identidade de uma escola, suas finalidades, intencionalidade e compromissos, os pressupostos sociológicos e filosóficos que sustentam suas bases teóricas e metodológicas enfim, a cultura de uma comunidade na qual a escola se fundamenta e para a qual se direciona. A ausência de um processo coletivo de construção da identidade escolar por meio da elaboração, implementação e avaliação do PPP fazem com que projetos sejam engavetados por anos nas instituições de ensino, uma vez que são criados por pessoas não pertencentes à comunidade escolar e local e que incidem sob necessidades e possibilidades de escolas fictícias, desconexas ao contexto, sujeitos e relações. Livro 1 - p

11 Nesse sentido, projetos que se apresentam como meras formalidades burocráticas a serem administrativamente cumpridas, esquecendo-se desse modo, a pertinência dessas propostas no fortalecimento de ações pedagógicas objetivando transformar os espaços, tempos, sujeitos e realidades na escola, portanto, um desafio político, coletivo e pedagógico de todos e de cada um. O que valida concretamente um projeto institucional não é simplesmente seu conteúdo intrínseco, mas a consensualidade pela qual ele foi construído, deu-se a tomada de decisões e ações, sem coações e autoritarismos. O projeto escolar constitui um mecanismo dialógico na medida em que propicia e reflete a voz e vez dos representantes da comunidade escolar, seus fazeres e saberes em prol de uma escola democrática, transformadora, crítica e libertadora, considerando que a participação é premissa para tornar a escola viva e de todos (SEDUC, 2006, p.07). A construção do projeto institucional pressupõe a escolha de um referencial teórico que norteará as práticas pedagógicas e que, fomentado em pressupostos filosóficos, consiste em concepções sobre a sociedade, o homem, a educação, dentre outros elementos e relações. Além disso, em tal processo de elaboração, requer-se a escolha de bases metodológicas para a viabilização prática das concepções aderidas, isto é, necessita-se de situações e meios para se efetivar o fazer pedagógico de forma coerente com a realidade da escola e, desse modo, com as concepções assumidas por ela. A escolha por um ou por outro pressuposto teórico e metodológico na tentativa de superar a escola que se tem (o real) e construir a escola que se quer (o ideal), representa o modo de pensar, agir e sentir de uma comunidade escolar, a sua cultura e identidade. A escola compromissada com a formação de seres humanos ativos e críticos na vida social, política e econômica é aquela que contempla em seu projeto institucional ações voltadas não somente para a formação dos alunos, mas também para a formação continuada de seus professores como forma de valorização do magistério e do próprio trabalho pedagógico por ela desenvolvido. O processo de ensino e aprendizagem depende também da formação inicial e contínua desses profissionais, que conscientes de sua profissionalização devem reconhecer a concretude política e pedagógica da proposta escolar, bem como o seu papel social na viabilização desta. A formação teórica e metodológica permite que o professor submeta à análise e à crítica fundamentada as crenças e concepções vigentes, evitando que elas sejam superficialmente vistas e aceitas por simples voluntarismo ou modismo. Isso torna Livro 1 - p

12 possível uma ação didática em sala de aula coerente com os conteúdos das matérias, a ação de ensinar, a ação de aprender, aos objetivos sócio-políticos e pedagógicos e as condições concretas que fundamentam a prática do professor e o trabalho pedagógico escolar. A vivência plena do projeto pedagógico na medida em que se reconhece dentro de seu contexto sócio histórico, torna-se condição para que se estabeleça progressivamente a identidade da escola como espaço-tempo pedagógico na construção do conhecimento em sua dialeticidade e da cidadania como exercício ético e democrático de direitos e deveres. Referências ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Tradução Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro. Edições Graal, BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei Nº 9.394/96, de 20 de dezembro de Diário Oficial da União. Brasília: MEC, CEARÁ, Secretaria da Educação Básica. Instrumentos de gestão escolar. Fortaleza: SEDUC, FERNANDES, Maria Estrela Araújo. Avaliação institucional da escola: base teórica e construção do projeto. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, LACERDA, Cecília Rosa. Projeto político-pedagógico: construção, pesquisa e avaliação. Fortaleza, COLÉGIO MILITAR DO CORPO DE BOMBEIROS ESCRITORA RACHEL DE QUEIROZ. Projeto Político Pedagógico. Fortaleza: [s.n.], LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Damalzo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus, VIEIRA, Sofia Lerche. Política e gestão da educação básica. Fortaleza: Realce Editora & Indústria Gráfica Ltda, Livro 1 - p

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Palavras-chave: Creche. Gestão democrática. Projeto Político-Pedagógico.

Palavras-chave: Creche. Gestão democrática. Projeto Político-Pedagógico. GESTÃO DEMOCRÁTICA: FORTALECENDO A COMUNICAÇÃO E A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO Resumo VIEIRA, Ana Luzia da Silva - UNINOVE STANGHERLIM, Roberta - UNINOVE

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola.

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Prof. Dr. Juares da Silva Thiesen Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Centro de Educação - CED Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Ementa: Legitimidade

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais