REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE VIOLÊNCIA E PODER: UMA ALTERNATIVA POSSÍVEL DA PRATICA EDUCATIVA NA PERSPECTIVA DA ESCOLA UNITÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE VIOLÊNCIA E PODER: UMA ALTERNATIVA POSSÍVEL DA PRATICA EDUCATIVA NA PERSPECTIVA DA ESCOLA UNITÁRIA"

Transcrição

1 REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE VIOLÊNCIA E PODER: UMA ALTERNATIVA POSSÍVEL DA PRATICA EDUCATIVA NA PERSPECTIVA DA ESCOLA UNITÁRIA STIVAL Maria Cristina Elias Esper BERGAMO Edmir Aparecido Resumo Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação. O presente artigo pretende apontar elementos reflexivos sobre a violência, poder e da prática educativa da educação brasileira. A violência define-se como uma ação que rompe elos e redimensiona projetos com o uso da força, isto é, a aplicação de encaminhamentos ostensivos ou ocultos que visam assegurar, moderar ou coibir uma ação do sujeito ou grupo social. No âmbito das relações de poder, a força explícita nega a possibilidade de expressão da vontade individual ou coletiva por meio do discurso e do diálogo, além de sufocar os conflitos nítidos que fundam a política. Já, o novo conceito da escola unitária de Gramsci, como sendo uma prática educativa inovadora para escola pública brasileira, apresenta a instituição preparada para superar esse dualismo educacional, porque têm condições de fornecer aos alunos, sem tentar adivinhar qual a sua profissão; estudos universitários ou ramo na indústria; conhecimento universal, como para qualquer outro aluno neste Estado. O que impede o aparecimento de uma divisão de classe na escola, e da própria violência escolar. E a partir dessa escola unitária, o aluno e a comunidade escolar, tomam consciência que é preciso mudar o conceito da própria aprendizagem, onde os alunos passam a ser vistos agora como sujeitos transformadores. A escola torna-se a principal instituição a colaborar com esses alunos para realizar esse processo, ao jamais querer vê-los como um recipiente a ser preenchido por dados desconexos. Assim, esse artigo tem como objetivo entender a maneira de pensar, sentir e agir do educando na escola. Por isso esse artigo tem como problema, dentro de uma visão metodologia dialética de Gramsci, a realidade educacional brasileira, para tentar impedir o aparecimento da violência escolar. Palavras-chave: Violência. Escolar. Pratica educativa. Escola. Unitária. Introdução

2 8292 A violência define-se como uma ação que rompe elos e redimensiona projetos com o uso da força, isto é, a aplicação de encaminhamentos ostensivos ou ocultos que visam assegurar, moderar ou coibir uma ação do sujeito ou grupo social. No âmbito das relações de poder, a força explícita nega a possibilidade de expressão da vontade individual ou coletiva por meio do discurso e do diálogo, além de sufocar os conflitos nítidos que fundam a política. A repressão pode se exercer tanto pela ameaça, violência ostensiva ou tirania, quanto pelo silêncio, dissimulação ou ocultamento do que pode prejudicar a convivência social por não estar inserido nos padrões estabelecidos. Nesse sentido, a força possui um significado mais amplo, e que mercê ser analisada na constituição do Estado. A instituição do Estado moderno veio acompanhada por reflexões profundas sobre a relação do poder e a força: no campo dos filósofos, Maquiavel 1 pôde expressar de forma magnífico tal relação na obra principal que escreveu contemporaneamente: O Príncipe e Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio, na qual a violência foi retratada tanto como ação destruidora e com relação ao fundamento das leis e da ordem política: Os que criticam as contínuas dissensões entre os aristocratas e o povo parecem desaprovar justamente as causas que asseguraram fosse conservada a liberdade de Roma, prestando mais atenção aos gritos e rumores provocados por tais dissensões do que aos seus efeitos salutares. Não querem perceber que há em todos os governos duas fontes de oposição: os interesses do povo e os da classe aristocratica. Todas as leis para proteger a liberdade nascem da sua desunião... (...) Não se pode de forma alguma acusar de desordem uma república que deu tantos exemplos de virtude, pois os bons exemplos nascem da boa educação, a boa educação das boas leis e estas da desordem que quase todos condenam irrefletidamente. 2 Neste sentido, Maquiavel, a violência distingue-se do conflito, que está na raíz das relações de poder: a violência é entendida como o uso da força bruta no que refere ao conflito ou o dissenso, que são gerados pelo antagonismo de classes e, embora sejam desaprovados pela comunidade gerando outras influências e pelo reflexo que provocam, são salutares na política e precisam ser analisados por seus efeitos benéficos já que, do confronto e da 1 Na cidade de Florença nos anos de 1513 e 1514 é escrita a obra que inaugura o pensamento político moderno chamado O PRÍNCIPE de Maquiavel. Sendo considerada uma obra demolidora e revolucionária pelo movimento medieval e renascentista que operam no mundo cristão. 2 MAQUIAVEL, N., Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. (Livro I, cap. 4) Brasília; UnB, 1982, p. 31.

3 8293 desunião, nascem as leis vigentes 3. Assim, uma gestão governamental não é apenas aquele que tem bons propósitos, mas que reconhece a realidade do conflito e sabe agir no sentido da construção de uma ordem social e política. Logo, o dissenso aponta a representação das opiniões divergentes, isto é, apresenta-se como um instante valoroso na instituição política; a violência, ao contrário, é a força que reprime e emudece, isto é, é a força que anula o outro ao impor-se como a verdade. A violência seria o mecanismo dos poderosos que detém o poder e que pressupõe defender e ampliar suas posses; o conflito é portanto o meio que viabiliza a expressão e a construção do espaço público, beneficiando os que, nas relações de poder, desejam não apenas ser oprimidos neste processo. Maquiavel, porém, não descaracteriza a violência como procedimento basta apontar nos escritos sobre Cesar Bórgia 4 ou Castruccio Castracani. 5 O uso da força em estratégias de poder depende, assim na perspectiva de Maquiavel, da compreensão que se tenha do poder e da forma como se relacione meios e fins.portanto, os fins justificam os meios, não se pode empregar qualquer meio para alcançar um fim, mas sim os meios que possibilitam consolidar o objetivo proposto. -"Os fins justificam os meios"- seja tão mal interpretada. Mas para entender Maquiavel em seu real contexto, é necessário conhecer o período histórico que viveu, no sentido de entender todo contexto social. O fim ou o objetivo não existe em si e logo se constrói nas escolhas e na concretização das ações, isto é, depende dos meios e é evidente, em Maquiavel, que da escolha dos meios não estão excluídos os meios violentos. É a coerência entre meios e fins que possibilita a construção de uma política permeada pela ética e também geradora da liberdade. O discurso moderno sobre a política produziu-se, no escrito de Maquiavel, um discurso que, ao invade ao mesmo tempo que condena a violência marcante e seu caráter destruidor, demonstra a sua relação intrínseca às novas estruturas de poder e o seu papel renovador na construção de formas mais elaboradas de vida política: o Estado moderno, ao gerir as forças e os interesses contrapostos, cria as condições de vivência da liberdade e os mecanismos de garantia da paz. Na modernidade, percebe-se a violência inserida à natureza do poder na forma institucionalizada do Estado. Hegel apontou o duplo movimento pelo qual a violência move a 3 Segundo, Schlesener, as leis não representavam a garantia de defesa dos cidadãos, mas eram um instrumento de dominação e repressão, serviam para submeter às classes subalternas à ordem.(2002,p.24) 4 César Bórgia tornou-se modelo para o livro O Príncipe, de Maquiavel. Calculista e violento, tentou, com o apoio do pai, constituir um principado na Romanha em , Castruccio Castracani foi expulso de Lucca em 1300 ao lado dos negros, liderada por Bonturo dados.

4 8294 história que, enquanto processo, constitui-se no esforço em superar ou mesmo em eliminar a violência. No âmbito político, é no sentido de controlar a violência que o Estado e o direito atuam: se uma violência pode ser anulada com outra violência, a força exercida no contexto jurídico legitima-se. 6 A questão posta por Hegel assume novas formas no pensamento moderno e a teoria de Marx, ainda entendendo a violência como motor da história, acentua que o caracteriza violento das relações políticas resulta de uma violência mais radical que se caracteriza pela exploração do homem e sua transformação em mercadoria. Os escritos de Marx nos seus escritos: Manuscritos Econômico-Filosóficos, O Capital e A Ideologia Alemã, principais textos voltados ao esclarecimento do conceito de trabalho e do processo de auto-alienação do(a) trabalhador(a) a partir da análise do modo como se organizam as relações de trabalho e se produzem os valores (de uso e de troca) no interior do modo de produção capitalista. Para ilustrar, as questões mencionadas, partiremos dos escritos de Antonio Gramsci, que possibilitará uma discussão ampla sobre a hegemonia e a violência no contexto escolar. A Leitura De Gramsci Como Uma Possível Saída Contra A Violência Escolar, Instalada Nas Escolas Públicas Brasileiras. A leitura dos escritos de Antonio Gramsci poderá representar aos profissionais da educação subsídios teóricos para possíveis reflexões sobre a educação em determinado momento da história da educação brasileira. Hoje essa leitura ainda apresenta elementos essenciais para o debate, principalmente ante a necessidade de apontar a hegemonia que impera no âmbito educacional escolar. Revitalizar o sistema escolar no sentido de tornálo.um instrumento para elaborar os intelectuais de diversos níveis. (GRAMSCI,1995, p.9), eis uma proposta que poderia ser construída a partir dos pressupostos teóricos gramscianos. Para compreender, a dinâmica escolar, as obras de Gramsci desencadeiam momentos de reflexão e de pensar a realidade das instituições, o que contribuiu para uma análise aprofundada de perspectiva coletiva na superação das idéias de mercado, impostas pelo Estado, que invade as instituições escolares, descaracterizando o seu papel social. 6 HEGEL, F. Princípios da Filosofia do Direito. Lisboa: Guimarães Ed.,1986, p. 87.

5 8295 (...) certos textos de Gramsci onde se afirmava que para o trabalho era preciso uma escola que ensinasse a ser livre; ou que a escola devia ser escola e a fábrica, ironizando certas conexões artificiosas ou grotescas entre as duas; ou quando, ainda, criticava-se o ensino politécnico e o tecnológico por estarem centrados no instrumento de trabalho (empiricamente entendido) e não como momento histórico do homem em busca de sua libertação. (NOSELLA,1992,p.07) O autor Nosella analisa o papel da escola que possibilita algumas indagações: Como refletir sobre as mudanças necessárias no âmbito escolar brasileiro? Quais as implicações pedagógicas que invadem o contexto escolar?entende-se que as transformações no sistema escolar implicam o debate e a realização de um novo projeto de sociedade e de escola. Recorre-se aqui a alguns pressupostos gramscianos, sempre tendo em conta os limites postos pela comparação de duas realidades diversas: a italiana e a brasileira. Neste sentido, resgatar a concepção de Gramsci sobre a educação, é preciso rever os significado real das instituições escolares para elevação cultural das massas e sua importância no processo geral da luta hegemônica. Isso consiste em elaborar uma filosofia que, partindo do senso comum e ligada à vida prática das massas, mesmo que de forma implícita, tenha possibilidade de difusão, tornandose um sendo comum renovado. Os professores-intelectuais possuem a tarefa de combater as ideologias ortodoxas da instituição escolar. Porém, o desenvolvimento desse grupo de intelectuais é gradativo, mas constante, pois segundo (GRAMSCI, 1995, p.107): (...) criar um grupo de intelectuais independentes não é tarefa fácil, exigindo ao longo do processo, com ações e reações, com adesões e dissoluções, com novas formações muito numerosas e complexas; ela é a concepção de um grupo social subalterno, sem iniciativa histórica, que se amplia continuamente, mas de maneira desorgânica e sem poder ultrapassar um certo degrau qualitativo, que está sempre aquém da possessão do Estado, do exercício real da hegemonia sobre toda a sociedade, hegemonia que é a única a permitir um certo equilíbrio orgânico no desenvolvimento do grupo intelectual. Portanto, evidenciar a contribuição de Gramsci seria destacar a hegemonia exercida por uma classe social dominante, no decorrer de um momento histórico. Entender a hegemonia seria um trabalho profundo e significativo de análise da dominação na sociedade capitalista, logo para Gramsci sua perspectiva seria de transformação da sociedade, e não da reprodução.assim para mudar a hegemonia e como pode o proletariado estabelecer sua

6 8296 hegemonia sobre as outras classes subalternas da sociedade, pois a constituição de uma visão de mundo coerente e homogênea, que consegue alianças, é importante para a classe trabalhadora possa abalar a hegemonia burguesa e conquistar sua hegemonia ideológica antes da tomada do poder. Segundo o pressuposto apontado, os intelectuais professores tomassem consciência de sua função histórica na educação, compreenderiam o processo do desejo à ação educativa. A reconstrução da escola, não mais uma escola para a classe burguesa e outra destinada à classe trabalhadora, porém um projeto consolidado para escola unitária. Isto quer dizer, a escola unitária é importante na medida em que impede a dualização do homem, desde o inicio de sua educação, além de ser uma escola que trabalha desde cedo os valores humanos do novo homem. Portanto, projeto implica a mobilização da sociedade civil na discussão e construção uma escola que atenda aos seus interesses próprios. Para entender, as problemáticas vivenciadas no contexto escolar, é preciso entender o conceito de escola unitária na perspectiva de Gramsci que subsidiará o trabalho evitando a entrada da violência. A Escola Unitária De Gramsci Como Resposta De Pratica Educativa Ao Aparecimento Da Violência Escolar. No conceito de escola unitária de Gramsci é necessário que existisse por trás dessa vontade de educar, um Estado que garanta a todos os alunos um acesso igualitário à educação. A crítica de Gramsci à escola burguesa está implícita na própria formulação da escola unitária: Ao lado do tipo de escola que poderíamos chamar de humanista (e que é o tipo tradicional mais antigo) destinada a desenvolver em cada indivíduo humano a cultura geral ainda indiferenciada, o poder fundamental de pensar e de saber orientar-se na vida, foi se criando paulatinamente todo um sistema de escolas particulares de diferentes níveis, para inteiros ramos profissionais ou para profissões já especializadas e indicadas mediante uma precisa especificação. (GRAMSCI, 2001, p. 32). A intenção de Gramsci com relação à escola unitária, ao realizar essa crítica sobre o sistema educacional das escolas profissionais e clássicas italianas, era tentar realmente

7 8297 preparar cada aluno, mesmo que potencialmente, para ser um dirigente na sociedade. Assim, a escola unitária era uma escola de cultura geral, uma escola humanista. Não o humanismo tradicional e sim num sentido amplo, da relação do homem com a natureza, mediada pelo trabalho teórico e prático, intelectual e manual. (SOARES, 2000, p. 422) É nesse sentido que a escola unitária de Gramsci torna-se uma proposta inovadora e que desafia a violência escolar, uma vez que entende a realidade educacional no contexto das relações de hegemonia, ou seja, permite que os alunos construam a sua hegemonia independente da classe social em que se originam. Gramsci, com a escola unitária faz uma crítica à estrutura vigente da educação, de um lado a escola clássica e de outro a escola profissional, como se fosse possível dividir os alunos apenas organizando-os em grupos. O que permite conscientizar os trabalhadores dos problemas da escola, principalmente os problemas de divisão de classe social. Gramsci faz uma crítica voraz em relação a essa separação escolar por classes sociais: Pode se dizer aliás, que a crise escolar que hoje se difunde liga-se precisamente ao fato de que este processo de diferenciação e particularização ocorre de modo caótico, sem princípios claros e precisos, sem um plano bem estudado e conscientemente estabelecido (GRAMSCI, 2001, p. 33) Ao propor uma escola unitária, Gramsci reage contra esse dualismo escolar que é agravante aos alunos, tanto na própria escola quanto na vida futura em sociedade. De acordo com Soares, o adjetivo unitária da escola para Gramsci esta relacionado a um princípio muito mais amplo, uma vez que é um parâmetro para a análise sobre toda a organização da cultura em sociedade. Trata-se de um principio de igualdade ou unitário, que era a diretriz ambicionada por Gramsci para superar conflitos sociais, referindo-se a luta pela unificação histórica do homem, como uma possibilidade concreta a ser realizada por meio da educação a partir da escola. (SOARES, 2000, p. 410). Desse modo, Gramsci condena a escola profissionalizante, o papel do aluno é preparado para ser a mão de obra da fábrica e dificilmente, ou quase impossível, o dono da fábrica. Existindo assim na escola uma nítida divisão social que gera uma grande violência escolar, e que prepararia a formação para manutenção dos alunos das classes trabalhadoras na sua condição, com acesso somente àquela parte do saber que seria utilizada por eles na

8 8298 indústria. Mas, Gramsci também condena a escola tradicional que se dirige aos filhos da burguesia, e que o conhecimento é repassado de forma integral para os alunos, ou seja, para prepará-los minuciosamente para serem os futuros intelectuais, os dirigentes do Estado. Nas próprias palavras de Gramsci: A divisão fundamental da escola em clássica e profissional era esquema racional: escola profissional destinava-se às classes instrumentais, enquanto a clássica destinava-se às classes dominantes e aos intelectuais... o que pôs em discussão o próprio principio da orientação concreta de cultura geral, da orientação humanista da cultura geral fundada na tradição greco-romana. (GRAMSCI, 2001, p. 33) O novo conceito da escola unitária de Gramsci apresenta a escola pronta para superar esse dualismo educacional, porque têm condições de fornecer aos alunos, sem tentar adivinhar qual a sua profissão, se estudos universitários ou ramo na indústria, o mesmo conhecimento, como para qualquer outro aluno neste Estado. O que impede o aparecimento de uma divisão de classe na escola, e da própria violência escolar. Neste sentido, poder entender a afirmação de Gramsci sobre o conceito dessa escola unitária: A escola única inicial de cultura geral, humanista, formativa, que equilibre de modo justo o desenvolvimento da capacidade de trabalhar manualmente (tecnicamente, industrialmente) e o desenvolvimento das capacidades de trabalho intelectual. Deste tipo de escola única, através de repetidas experiências de orientação profissional, passar-se-á a uma das escolas especializadas ou ao trabalho produtivo. (GRAMSCI, 2001, p. 34) Para Gramsci, é possível ter uma escola com todos os alunos tivessem acesso ao conhecimento de forma igualitária e justa. Tendo a escola a tarefa de incentivar os seus professores a elaborarem um método que é bom para todos os alunos independente de sua origem social. Para ilustrar a autora reforça que: Para Gramsci os filhos dos operários tinham o direito a realizar sua individualidade do melhor modo possível e preparar para o futuro. Para tanto, necessitam de uma escola viva e livre, para que pudessem desenvolver as capacidades necessárias não

9 8299 só para o modo produtivo capitalista, mas para uma ação mais eficiente para coletividade. ( SCHLESENER,2002,p.71) O pressuposto para a escola unitária é assim uma nova sociedade, na qual todos tem acesso ao conhecimento verdadeiramente emancipatório, ao recebê-lo integralmente, mesmo com certa dificuldade inicial para compreendê-lo. Era o que Gramsci pretendia ilustrar se quiser criar uma nova camada de intelectuais, chegando as mais altas especializações, a partir de um grupo social que tradicionalmente não desenvolveu as aptidões adequadas, será preciso superar enormes dificuldades. (GRAMSCI, 2001, p. 52) Principalmente dos métodos escolares de ensinar. Por isso, Gramsci dividiu em duas fases a escola unitária, sendo que a primeira fase corresponde ao seguinte: O nível inicial da escola elementar não deveria ultrapassar três-quatro anos, e ao lado do ensino das primeiras noções instrumentais... deveria desenvolver sobretudo a parte relativa aos direitos e aos deveres atualmente negligenciados, isto é as primeiras noções do Estado e da sociedade, enquanto elementos primordiais de uma nova concepção do mundo que entra em luta contra as concepções determinadas pelos diversos ambientes sociais tradicionais, ou seja, contra as concepções que poderíamos chamar de folclóricas. (GRAMSCI, 2001, p. 37) A primeira atitude nessa fase inicial da escola unitária é a busca pela igualdade da informação para todos os alunos, para poder transformar gradativamente cada um desses alunos num intelectual para a sua classe, seja em qual atividade exercesse no futuro. Por isso, a necessidade de já se preocupar desde agora em desenvolver o espírito crítico. Assim, o trabalho cultural da escola inicial é desenvolvido, cuidadosamente, uma vez que é isso que será concebido como um embrião e uma molécula de toda a estrutura mais maciça (GRAMSCI, 2001, p. 42) A escola unitária tem a incumbência de se preocupar com todas as fases dos alunos, sem se limitar à sua realidade imediata. Por isso Gramsci também se preocupa com a última fase escolar. E a última fase da escola unitária é assim caracterizada por Gramsci: Por isso na escola unitária, a última fase deve ser concebida e organizada como a fase decisiva, na qual tende a criar os valores fundamentais do humanismo, a

10 8300 autodisciplina intelectual e a autonomia moral necessária a uma superior especialização, seja ela de caráter cientifico (estudos universitários), seja de caráter imediatamente prático-produtivo (indústria, burocracia, comércio, etc...) O estudo e o aprendizado dos métodos criativos na ciência e na vida devem começar nesta última fase da escola. (GRAMSCI, 2001, p. 39) Para Gramsci, o comprometimento da escola unitária é com a igualdade democrática de cada aluno, tanto na escola que possibilite ao aluno sair da escola e entrar no mundo do trabalho, com a compreensão clara de como funciona o Estado, e a partir daí, com base para continuar exercer suas atividades criadoras pelo resto de sua vida em sociedade. E isto com certeza impede o aparecimento da violência escolar, porque faz com que a escola não divida os alunos em classes sociais tornando-os em vez de igualitários rivais desde a escola. Mas, para isso Gramsci enfatiza que a organização acadêmica deverá ser reorganizada e vivificada de alto a baixo... integrando o trabalho acadêmico tradicional por meio de atividades contextualizadas à vida coletiva, ao mundo da produção e do trabalho. É na verdade uma nova forma de ver a organização cultural existente, que se elimina a separação entre o trabalho acadêmico e o mundo da produção, mas tenta unificá-los. Para isso será construído um mecanismo para selecionar e desenvolver as capacidades individuais da massa popular, que hoje são sacrificadas... congresso periódicos de diversos níveis fariam com que os mais capazes fossem conhecidos. (GRAMSCI, 2001, p. 41) E Gramsci salienta ainda que, para isso acontecer, primeiro a escola tem que entender que o estudo era um trabalho muito cansativo com um tirocínio particular próprio, e também muscular nervoso, é um processo de adaptação, é um hábito adquirido com muito esforço. (GRAMSCI, 2001, p. 51) Assim, essa escola deverá estimular os alunos a acreditarem nas suas possibilidades e nas condições de acesso a um conhecimento humanístico geral, indiferentemente do que eles almejassem para sua carreira. Nesse contexto, salienta a importância de um adequado currículo escolar: Um ponto importante, no estudo da organização prática da escola unitária, é o que diz respeito ao currículo escolar em seus vários níveis, de acordo com a idade e com o desenvolvimento intelectual moral dos alunos e com os fins que a própria escola pretende alcançar. A escola unitária ou de formação humanista... ou de cultura geral, deveria assumir a tarefa de inserir os jovens na atividade social, depois de têlos elevado a um certo grau de maturidade e capacidade para a criação intelectual e prática e a uma certa autonomia na orientação e na iniciativa. (GRAMSCI, 2001, p. 36)

11 8301 Assim, o currículo escolar para a escola unitária é uma ferramenta pedagógica fundamental, o mesmo deve acontecer com a escola brasileira tradicional se ela quiser ser uma escola unitária. O currículo deve visar o que a escola pretende alcançar com seu processo educacional, no nosso caso impedir o aparecimento da violência escolar por meio da união e não da separação dos alunos em classes sociais totalmente diferentes. Assim, na escola unitária, o currículo esta assumindo a tarefa de inserir os jovens alunos na atividade social, de acordo com a idade e os vários níveis de desenvolvimento cultural e moral de cada um deles. A escola unitária, segundo Soares, visa a dar aos filhos dos trabalhadores e camponeses, a oportunidade objetiva por esse método de difusão do conhecimento, para uma orientação didática concreta, entendendo que aquisição de conceitos é um exercício metodológico penoso. Para essa escola se torna necessário reforçar o seu papel educativo, para evitar deixar essas crianças entregues as forças espontâneas, que não se sabia qual seu interesse real. (SOARES, 2000, p. 429) Dando mais ênfase a essa tarefa da escola unitária preocupada com a aprendizagem dos filhos dos trabalhadores, Gramsci explica que nesta escola unitária, quem reforçava esse papel educativo da escola era o professor: O nexo instrução-educação somente pode ser representado pelo trabalho vivo do professor, na medida em que o professor é consciente dos contrastes entre o tipo de sociedade e cultura que ele representa e o tipo de sociedade e de cultura representado pelos alunos; e é também consciente de sua tarefa, que consiste em acelerar e disciplinar a formação da criança conforme o tipo superior em luta com o tipo inferior. (GRAMSCI, 2001, p. 44) O professor da escola unitária deve estimular nos seus alunos a disciplina pela busca de uma formação superior, mesmo que o aluno ainda estiver num tipo de cultura diferente. Nesse sentido se poderia criar uma relação ativa entre educador e educando. Esta realidade impede o aparecimento do professor medíocre que consegue fazer os alunos se tornarem mais instruídos, mas não conseguira que sejam mais cultos; ele desenvolverá, com escrúpulos e consciência burocrática, a parte mecânica da escola, e o aluno se for um cérebro ativo, organizará... a bagagem acumulada. (GRAMSCI, 2001, p. 45) Parafraseado, Soares, aponta que Gramsci retira da escola o ambiente escolástico e a insere na dimensão mais ampla do exercício da hegemonia. Por outro lado, o educador é

12 8302 formado pela combinação dos elementos filosóficos que através de sua atividade política reage sobre a sociedade. Com essa atitude, o educador consegue modificar a maneira de pensar, sentir e agir do maior número possível de pessoas, entre eles o educando. Assim, nessa realidade educacional da escola unitária a relação entre educador e educando torna-se uma relação ativa (SOARES, 2000, p. 440), o que impede o aparecimento da violência escolar, porque não se tem presente neste tipo de escola unitária a divisão social dos alunos em classes sociais antagônicas, de um lado os filhos da burguesia e de outro lado os filhos da classe trabalhadora, os futuros operários das fábricas. Considerações Finais Assim, Gramsci vai na contramão da realidade elitista de escola publica atual que gera a violência escolar, e exige uma completa reforma no modelo escolar para ter uma nova perspectiva sobre as suas atividades realizadas diariamente. Ao cumprir essa exigência da escola unitária de Gramsci a escola pública atual estará impedindo o aparecimento da violência escolar, porque ela esta sendo uma escola unitária que oferece um conhecimento igual para todos os alunos, independente de sua origem social ou de seu futuro profissional em sociedade. Na verdade a escola pública atual ao tornar-se unitária, ela esta automaticamente, além de impedir o aparecimento da violência escola, sendo uma nova pratica educativa para as escolas públicas. Ao partir dessa análise do conceito de escola unitária, o aluno e toda a comunidade escolar, tomam consciência que é preciso mudar o conceito da própria aprendizagem, onde os alunos passam a ser vistos agora como agentes transformadores. A escola torna-se a principal instituição a colaborar com esses alunos para realizar esse processo, ao jamais querer vê-los como um recipiente a ser preenchido por dados desconexos. REFERÊNCIAS GRAMSCI, A. (Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, Cartas do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

13 8303. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, NOSELLA, P. A escola de Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, Educação tradicional e educação moderna: debatendo com Saviani. In: Educação e sociedade, n.23, São Paulo, Cortez, abril, SCHLESENER, A. H. Hegemonia e Cultura: Gramsci. Curitiba: Ed. da UFPR, HEGEL, F. Princípios da Filosofia do Direito. Lisboa: Guimarães Ed.,1986. MAQUIAVEL, N. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. (Livro I, cap. 4) Brasília: UnB, MARX, K. O Capital (I), Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, A Questão Judaica, Cadernos Ulmeiro, n. 10, l978. SOARES, R. D. Gramsci, o Estado e a escola. Ijui: Unijui, 2000.

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA

UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA Resumo BERGAMO, Edmir Aparecido PUCPR edmirbergamo@yahoo.com.br

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA POSSIBILIDADE

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

Palavras-chave: Gestão; Democrática; Escola; Formação; Professores.

Palavras-chave: Gestão; Democrática; Escola; Formação; Professores. GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA, UMA LUTA PARA TRANSFORMÁ-LA EM REALIDADE CONCRETA, PRINCIPALMENTE POR MEIO DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Resumo BERGAMO, Edmir Aparecido - Faculdades Integradas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais