A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI"

Transcrição

1 A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Agência Financiadora: não contou com financiamento O pensamento de Antônio Gramsci e a sua concepção de educação permitem apresentar importantes elementos para uma reflexão sobre um modelo que contraria a experiência de educação vivida nos tempos atuais, um processo pensado por ele numa perspectiva de uma determinada estrutura de sociedade: o socialismo. Tais contribuições se alicerçam na sua atuação no movimento político italiano, mas pode apresentar-se aos nossos dias como uma grande experiência ao pensar a educação e de como ela pode ser estendida a outras instâncias da sociedade civil, dentre elas, a escola. Esse artigo tem como propósito apresentar como tema a concepção de educação e sua dimensão política, levantando referências teóricas e históricas presentes nos escritos de Gramsci com o objetivo de refletir sobre a dimensão política da educação na sociedade contemporânea e salientar as possibilidades de se pensar numa nova educação que pode ser construída a partir dessa dimensão, bem como, da leitura do pensamento gramsciano no âmbito da educação. As reflexões de Gramsci mostram-se como questões ainda atuais, pois por serem abertas apresentam condições de serem discutidas nos dias de hoje, ainda que tenham sido escritas em outro contexto histórico e sob influência que caracterizaram o período vivido pelo pensador italiano e homem político Antônio Gramsci durante sua prisão da década de 1920 a 1930, isolado da prática e do debate político sob as restrições do cárcere. A vida e o pensamento de Gramsci se fazem em um horizonte revolucionário que ilumina inúmeras questões, dentre elas a concepção de educação e cultura. Palavras-chave: Educação. Política. Gramsci. Cultura. Introdução Antônio Gramsci demonstra em seus escritos uma preocupação com a educação, mas a partir de uma análise mais profunda da política, filosofia e história para a educação e de como a escola pode ser vista como um aparelho disseminador de uma nova cultura, um espaço de construção para uma consciência política crítica. Nova cultura, nesse sentido, significa um ato político, ou seja, uma nova forma de pensar, um comprometimento coletivo em se analisar a

2 7252 contexto atual e pensar uma nova realidade. Gramsci enfatiza a importância da cultura para compreender melhor a política e, ser capaz de combater a ideologia da classe dominante. Seria por intermédio da cultura que se colocaria em prática o espírito popular criador, isto é, um conhecimento que pode ser universalizado, não havendo um privilégio para uma minoria que já se mostra beneficiada de diferentes maneiras, ao contrário, universaliza-se um conhecimento para a classe dominada, mas mobilizada a analisar as contradições existentes na sua realidade. Nesse sentido, o papel da escola é fundamental, pois sendo ela uma construção social dentro de um sistema caracterizado pelas desigualdades sociais e pelas contradições, características essas, inatas da sociedade capitalista; a escola assume esse papel fundamental no que diz respeito à formação de sujeitos com consciência e participação política, passando a representar um espaço de democratização e socialização do conhecimento sistematizado a todos, permitindo que o sujeito apresente condições de intervir na realidade em que vive, manifestando interesses, opiniões, reivindicações e demonstrando uma mobilização, ou seja, desenvolvendo sua consciência social. Os escritos de Gramsci, a concepção de educação e sua dimensão política Gramsci em suas produções no cárcere demonstra uma preocupação com a educação, por meio de uma análise da política, da filosofia e da história na educação, bem como, de que maneira a escola pode vir a ser provedora de cultura e como um espaço de desenvolvimento da consciência política crítica. A escola nessa nova perspectiva deve sustentar-se sobre dois eixos elementares: um eixo constituído pelos fins da educação, que definem a finalidade da escola e, o segundo determinado pelo contexto social em que a escola está inserida; pois ela não pode representar os interesses de outro contexto social que não seja aquele do qual faz parte, tampouco deve aceitar o papel de conformar-se com as problemáticas vividas no seu ambiente, ao contrário, abrir possibilidades para a educação que propicie a manifestação do ser humano na construção de um saber socialmente e historicamente construído. Para Saviani (1996) a educação mostra-se como uma atividade mediadora na prática social, uma teoria é prática na medida em que materializa, através de uma série de mediações, o que antes só existia idealmente, como conhecimento da realidade ou antecipação ideal de sua transformação. (Saviani, 1996, p.83)

3 7253 É nessa mediação, o conhecimento como ideal de transformação que permite que o sujeito se mobilize para a mudança da desigualdade para a igualdade e, isso é possível numa escola que apresente uma prática educativa com uma missão de democratização da sociedade como sendo à natureza própria do trabalho pedagógico. (Saviani, 1996, 88) Mas há que se pensar no conceito de educação e como Gramsci atribuía à educação papel fundamental na formação de um novo homem, o homem coletivo (Schlesener, 2009, 86) homem esse, fruto das suas relações e de relações historicamente construídas. À medida que interage, influencia-se e tem a oportunidade de alterar no contexto em que atua, podendo atuar na formação de uma nova ordem social de forma ativa e coletiva e, não de maneira singular como complementa Schlesener ocorre como formação da individualidade enquanto responsabilidade crítica e autônoma no processo de interação social (id. ibid.) Para Gramsci, a escola é um meio de formação vinculada a um projeto de sociedade e para que a participação política de todos seja efetivada faz-se necessário o envolvimento coletivo dos indivíduos através de uma renovação da estrutura política e da escola num modelo democrático. Mas para isso, a escola deveria ser reorganizada em novos moldes e padrões. Entretanto, Gramsci não vê apenas a escola como meio de disseminar conhecimento, atribui também a outros setores a incumbência de construir esse conhecimento e consciência política, contribuições vinda do partido, da igreja, dos movimentos, das associações, etc. Por isso, a ideia constantemente reforçada por Gramsci, a de que o homem não pode ser percebido isoladamente, mas a sua formação deve ser baseada na aliança indivíduo e ambiente, para uma nova compreensão da sua relação com a sociedade e a natureza. Nessa perspectiva, a escola integra-se como um conjunto, assim como outras instituições que desempenham, para as classes trabalhadoras, a função de elaborar uma nova cultura, como os partidos políticos, as associações de cultura, os jornais e também a escola por correspondência, caracterizando um processo de uma época específica na década de 1920 desenhada por Gramsci. Nos escritos de Gramsci fica evidente a impossibilidade de dissociar educação e política, uma vez que a primeira é elemento essencial na formação política do indivíduo e, a segunda, noção necessária para o sujeito compreender os conflitos existentes na sociedade capitalista. Segundo Schlesener (2009, p. 107) a dimensão política da educação se expressa no reconhecimento dos conflitos de classes que constituem a base da sociedade moderna e da necessidade de as classes trabalhadoras criarem a sua identidade e a sua cultura no processo

4 7254 de construção da hegemonia. Reconhecer e propor uma nova ordem social e política é associar educação e política com o propósito de criar uma nova sociedade, como diz Schlesener (2009) política e educação se entrelaçam. (p. 61) A educação como ferramenta para a emancipação humana, capaz de questionar os antagonismos na sociedade desigual, onde a classe trabalhadora tenha condições para lutar em busca do que denomina Guerratana apud Schlesener (2009) em busca da hegemonia alternativa (p. 62), mas que para Gramsci denomina-se como hegemonia ativa para atuar contra a hegemonia da classe dominante. A emancipação humana, a capacidade de analisar criticamente a sociedade e participar do movimento de mudança não se dá de forma isolada e instantânea; ocorre com o desenvolvimento da dialética, ou seja, pela filosofia da práxis, como é definida a dialética por Gramsci, uma evolução na capacidade humana em compreender a história em seu movimento contínuo e em suas contradições o que Schlesener denominava a dialética como sendo uma análise conjuntural sempre renovada. (id. p. 65) A filosofia da práxis como definida por Gramsci tem o objetivo de conduzi-los (simplórios) a uma concepção de vida superior. (GRAMSCI apud SAVIANI, 2007, p. 8) permitir que os mais desfavorecidos economicamente e socialmente tenham a oportunidade de politicamente atuar forma consciente. Mas como os fenômenos sempre mostram a aparência e, que por de trás, há outras verdades nem sempre evidentes, a escola como aparelho da hegemonia também se reveste de um papel que pode atender as exigências de um determinado grupo ou pode propiciar oportunidades de superar por meio da crítica em busca romper uma hegemonia imposta, como missão da escola numa perspectiva da classe operária. Nesse sentido, o Estado numa sociedade capitalista, assume o papel de educador quando concebe uma educação que reforça as desigualdades, quando para Gramsci ele deveria ser educador ao criar um novo tipo ou nível de socialização. (GRAMSCI apud SCHLESENER, 2009, p.73) num modelo de socialismo. Na perspectiva do processo de produção, a educação assume uma noção de política que separa dirigentes de dirigidos, reforçando a hierarquia, onde o homem deve se adaptar ao sistema e suas exigências na crescente produção de lucro e, num segundo modelo, Gramsci vê a dimensão política da educação como uma via de assegurar a formação de um homem integral levando em consideração as suas relações numa formação coletiva.

5 7255 (2009, p. 77) A concepção de educação e Estado para Gramsci é assim descrita por Schlesener Educar é, portanto, formar para a vida em sociedade, é realizar uma ideia de civilização. Se essa função cabe ao Estado, é necessário explicitar a sua estrutura e conhecer os mecanismos dos quais lança mão para criar e manter um certo tipo de civilização, ou seja, é preciso o papel de instituições como, por exemplo, o direito e a escola (ao lado de outras instituições sociais), no sentido de gerar e consolidar uma determinada forma de convivência social e de relações individuais. Antes de Gramsci ser preso, em seus escritos políticos, ele já descrevia essa dimensão política da educação como forma de os trabalhadores, no contexto italiano, de compreenderem melhor suas atividades práticas por meio do pensamento e análise, o dever de educar-se para aprofundar a consciência crítica uma forma de disseminar conhecimentos e experiência sem se deixar levar por influência de intelectuais que não compreendem a realidade e necessidades do operariado. Naquele contexto, Gramsci faz uma crítica à escola tradicional e expõe outros mecanismos de discussão e crítica das questões culturais como os jornais operários e conselhos de fábrica na intenção de se formar uma nova ordem social e política. Surge então, a partir daí críticas ao ensino mecânico, a escola unitária com vistas à conquista da classe trabalhadora, um conceito amplo, uma educação para a autonomia, a educação vista como uma manifestação natural do homem, construída socialmente no decorre de toda a sua vida. Saviani (2007) argumenta sobre a importância da educação na formação da consciência política do indivíduo. Entender a educação como um instrumento de luta. Luta para estabelecer uma nova relação hegemônica que permita constituir um novo bloco histórico sob a direção da classe fundamental dominada da sociedade capitalista - o proletário (...) destaca-se aqui a importância fundamental da educação. (SAVIANI, 2007, p. 3-4) A educação na formação do conhecimento e no engajamento pela luta política coletiva que a escola no modelo do socialismo se baseia. Assim, o conhecimento é definido por Sabóia (1990, p. 41) inspirada nas contribuições de Gramsci:

6 7256 O conhecimento na teoria gramsciana é luta política que se trava na "superestrutura" de um determinado "bloco histórico". É hegemonia. E hegemonia é filosofia; conhecimento, além de ação, por isso é a conquista de um novo nível de cultura. É a descoberta de coisas que não se conhecia e o esforço do desvendar, por dentro, a concepção de mundo de um determinado grupo social, de uma dada sociedade. (SABÓIA, 1990, p. 47-8) Dessa forma, a educação se apresenta como interação com os outros, na compreensão dessas relações em determinado momento histórico e de suas transformações históricas, manifestando-se na formação de sujeitos capazes e ativos, prontos para organizar mudanças sociais realmente significativas. Educação que dê subsídios na formação de sujeitos que desenvolvam uma nova consciência crítica, com uma nova forma de entender os conflitos de classe, conscientizados politicamente, capazes de superar o conformismo e o senso-comum. Mas, quando essas relações inexistem ou atuam de maneira fragmentada, a educação tende a manter e reforçar a hegemonia da classe dominante, nesse sentido a afirmação gramsciana que toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica. (SCHLESENER, 2009, p. 79) A questão pedagógica não apresenta um sentido acadêmico ou institucional, mas no sentido de educação, do conhecimento, da política. A educação como um desdobramento da teoria política e não simples teoria pedagógica. (id. ibid.) Significa que a educação como que para atender uma hegemonia necessita conhecer a organização cultural, as concepções de mundo existentes pela população e atividades das instituições culturais do local, isto considerando basicamente o período histórico da sociedade em questão. Não sendo possível fazer apenas uma análise da estrutura e superestrutura de maneira isolada, pois para Gramsci, a formação estrutural da sociedade compõe-se de estrutura (econômico e social) e superestrutura (político e ideológico). Explicitar o conceito de educação implica em compreender a noção de Estado e a sua estrutura, referindo-se aqui ao estado burguês, bem como, entender as relações de forças existentes e seu percurso histórico, enfim, identificar o papel do Estado como seu caráter educador como diria Gramsci como mantenedor de uma cultura e de relações de hegemonia. (SCHLESENER, 2009, p. 80) Esse caráter educador não educa, mas inculca valores que são ditos sob a força de uma ideologia dominante por meio da coerção e consenso, onde a classe dominada se submete e aceita os valores como se fossem seus, é a

7 7257 submissão, o surgimento da minoria hegemônica, mas com grande potencial, a classe dominante com uma força de poder de neutralizar a classe dominada pelo domínio e direção. Sendo assim, pensar na escola significa necessariamente discutir a hegemonia, a cultura e o conhecimento, elementos necessários para se construir uma instituição amparada no anseio de formar uma nova cultura, que venha de encontro aos interesses burgueses e do pensamento liberal, mas venha ao encontro de um novo modelo de sociedade preocupada na formação de um sujeito preparado para o pleno exercício da autonomia e da liberdade. (id., p. 82) Essa é a hegemonia que deve ser conquistada pela classe trabalhadora a partir da construção de novas relações sociais e políticas e o conhecimento da estrutura do Estado moderno, o que para Gramsci é a sociedade política e a sociedade civil, e não apenas a supremacia da primeira. Atuando de forma em que o não conformismo seja a energia para novas formas de agir e reagir diante das necessidades vividas pela grande maioria o proletariado. O Estado, ao desempenhar o seu papel de implementar um projeto econômico e político, consequentemente desenvolve uma função educativa de adequar os indivíduos às exigências da produção na sociedade capitalista, isto é, a política manifesta-se pela relação com a educação e a cultura e toda ação que vise concretizar um projeto político precisa considerar a questão da formação do homem. Por isso que, ao se pensar em educação necessariamente se busca na política os pontos de interesse que se almeja alcançar com essa educação. Gramsci na sua crítica ao ensino formal mostra a relação hierárquica existente entre quem ensina e quem aprende, o cotidiano escolar caracterizado pela submissão de muitos e controle da minoria, com o objetivo que reforçar e enaltecer os interesses da sociedade capitalista, isso feito com a inculcação de valores que não beneficiam a massa trabalhadora, mas reforçam a ideologia, uma homogeneização na forma de pensar. Diante do cenário caracterizado pelo jogo de interesses econômicos e políticos, reforçado por uma ideologia que concretiza ainda mais a hegemonia da classe dominante na sociedade capitalista é que se faz necessário se pensar numa nova forma de refletir sobre a educação num modelo diferente do vivido. Essas iniciativas pessoais e transferíveis, pois os interesses na perspectiva que contraria a exploração da força de trabalho e a distribuição desigual dos bens de produção, não devem ser interesses apenas na esfera individual, mas

8 7258 anseio de todo o grupo social que vive ludibriado pelo senso comum. Isso significa formar um novo homem, para uma nova civilização e como diz Schlesener (2009, p. 94): Intensificar o processo de educação das massas significa aprofundar a sua consciência política, isto é, evidenciar a extensão e o trabalho pedagógico no conjunto da estrutura social. A questão da educação, para os trabalhadores, é um problema de construir as condições de liberdade para todos (...) redimensionar o saber na sua relação com a prática e na sua dinamicidade são objetivos comuns para as classes subalternas e poderiam dar um novo significado ao processo de formação escolar. Uma educação que dinamize teoria e prática para uma nova consciência política e uma nova estrutura social, uma educação em uma instituição articulada com o projeto político para a transformação social. Para essa educação, é necessário se pensar que homem se desejar ter e qual o conceito de homem se tem. Mais necessário ainda, é ver o homem para essa nova civilização não como um homem singular ou um homem geral, mas sim, um homem concreto, este visto sob uma perspectiva histórica. E isso significa compreender o homem como fruto das suas relações, melhor ainda, como afirmava Gramsci o homem é um processo, precisamente o processo de seus atos. (GRAMSCI, 1978, p. 38) Nesse aspecto o papel definitivo da educação e da política, pois cada modelo de sociedade forma um homem e falar em educação significa pensar em um processo contínuo ao longo da vida, como Gramsci afirmava todo o indivíduo é não somente a síntese das relações existentes, mas também da história destas relações, isto é, o resumo de todo o passado. (id. p. 40) Para ele, a escola não é o principal meio de educação para a classe trabalhadora, a educação é um processo de formação política. Compreender o movimento histórico do Estado, as relações sociais da contemporaneidade e a necessidade de fomentar uma formação da consciência crítica dos indivíduos mostram-se como frutos do conhecimento, um compromisso da educação com a sociedade e da atuação do Estado diante da Instituição escolar. Assim, Schlesener (2007, p. 180) define a educação como sendo um desdobramento da política e implica a compreensão dos projetos sociais que as classes sociais pretendem conservar ou instaurar. Posteriormente, a autora explana sobre educação como sendo um conhecimento produzido historicamente, mostrando que a história é elemento necessário para compreender o presente tomando por base de reflexão o que foi construído no passado pelas sociedades.

9 7259 À escola cabe mostrar que este homem concreto é fruto da história e isso é possível por meio de uma educação crítica. Pensar na educação implica entender que, nos escritos de Gramsci, esta questão apresenta-se como elemento do conjunto de sua teoria política no processo de formação do homem para um determinado modelo de sociedade, um homem integral. Contrapondo-se ao pensamento gramsciano sobre educação, Estado e política e que por tal razão merece ser intensamente discutido, é de como a escola tem se mostrado nos dias atuais, de que forma ela enfrenta os conflitos inerentes a coletividade, enfim, como a escola que conhecemos hoje encara esses desafios e a que proposta ela se disponibiliza em atender. Na opinião de Schlesener (2007, p. 180) a escola é como o Estado: Assim como o Estado, a escola é o espaço de concentração de múltiplos conflitos que permeiam a sociedade, e muitas vezes não consegue gerir tais problemas, perdendo a expectativa de seus próprios objetivos. Essa escola permeada por uma nova realidade social, econômica e política, repleta de conflitos também se mostra como um espaço que necessita assumir o compromisso social: formar para o trabalho e, principalmente dar acesso ao saber historicamente construído, assumindo o papel de formação cultural, na concepção de uma forma de pensar autônoma do sujeito. Sobre a importância da cultura Saviani expõe que a cultura é instrumento necessário para a participação política das camadas populares. Assim, se os membros das camadas populares não dominam os conteúdos culturais, eles não podem valer os seus interesses, porque ficam desarmados contra os dominadores, que se servem exatamente desses conteúdos culturais para legitimar e consolidar a sua dominação. (SAVIANI, 1996, p.66) Dessa forma, as classes populares estarão fortalecidas politicamente. No projeto socialista o objetivo é criar uma vida coletiva, renovar a individualidade, oposto do praticado hoje na sociedade do consumo e acúmulo de capital. No contexto capitalista, a escola também é determinada socialmente, e cabe frisar que na sociedade baseada na produção capitalista e o conflito entre as classes sociais, o papel da cultura e da escola em especial, passa a ser o de assumir a responsabilidade vital que é a formação para a participação política. A instituição escolar passa a se constituir como um espaço para democratização de valores comuns a todos. Para Schlesener (2009) a educação no pensamento gramsciano consistiria no processo de formação de uma concepção crítica e histórica da realidade, que se caracterizaria pela formação de uma identidade de classe que traduziria em uma nova individualidade

10 7260 consciente e participativa. É o desejo de conceber um novo homem para uma nova sociedade. Considerações Finais A concepção de educação, em Gramsci, refere-se a um contexto mais amplo de instituição da política e de consolidação de um modelo de civilização que atenda aos interesses de uma determinada política em uma determinada sociedade. Sendo assim, qualquer Estado tem uma função educadora, ao passo que orienta e convence os indivíduos a uma determinada estrutura social e cultural. Mesmo que Gramsci faça uso de suas experiências históricas da sociedade capitalista da década de 1920, contexto em que os operários necessitavam se mobilizar e formar uma consciência crítica a partir de sua realidade rumo ao socialismo, suas reflexões continuam atuais, pois evidenciam as deficiências da sociedade atual no que diz respeito a educação a serviço do capitalismo. O pensamento gramsciano constitui-se num novo modelo de sociedade, um novo Estado, educação e homem, ao fazer uma análise crítica à política italiana propõe construção por novas relações coletivas e de consciência crítica, com o objetivo de permitir a efetiva liberdade de cada um no conjunto da vida coletiva. Seu pensamento e seus escritos apresentam-se hoje como uma contribuição inovadora para a compreensão da estrutura do Estado e da educação. A concepção de educação em Gramsci permite analisar o papel da educação hoje, da escola como esta se apresenta, uma instituição que precariamente consegue dar conta de alfabetizar e, em alguns momentos proporciona condições mínimas de formação para o emprego e praticamente nenhum acesso a cultura, com exceção à cultura tradicional, representatividade que a classe dominante delega às escolas com a divulgação de uma cultura que vem dar ainda mais consistência a hegemonia burguesa. A escola, para massa trabalhadora, necessita contribuir para a formação da individualidade desenvolvendo não só as capacidades necessárias para desempenhar uma função no modo de produção capitalista, mas para a participação política em ações eficientes para a vida coletiva.

11 7261 Nesse contexto, exige-se uma escola com uma significativa reformulação de métodos e conteúdos, no intuito de torná-la um prolongamento da vida comunitária, ou seja, trata-se de lutar por uma escola que responda aos mínimos objetivos sociais e que discuta problemas concretos, mantendo uma relação viva com a vida social e política, não separando os interesses da sociedade civil da sociedade política. REFERÊNCIAS FERREIRA, Naura Síria Carapeto(Org.). Políticas Públicas e gestão da educaçãopolêmicas, fundamentos e análises. Brasília: Líber Livro, Os intelectuais e organização da cultura. 2ª ed. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. 2ª ed. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, JESUS, Antônio Tavares de. O pensamento e a prática escolar de Gramsci. 2ª ed. Campinas: Autores Associados, SABÓIA, Beatriz. A Filosofia Gramsciana e a Educação. Revista Em Aberto, Brasilia, nº 45, ano 9, p , jan-mar SAVIANI, Dermeval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 17ª ed. Campinas: Autores Associados, Escola e Democracia: polêmicas do nosso tempo. 30ª ed. Campinas: Autores Associados, SCHLESENER, Anita Helena. A Escola de Leonardo política e educação nos escritos de Gramsci. Brasília: Liber Livro, Hegemonia e cultura Gramsci. 3ª ed. Curitiba: UFPR, 2007.

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

Palavras-chave: Gestão; Democrática; Escola; Formação; Professores.

Palavras-chave: Gestão; Democrática; Escola; Formação; Professores. GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA, UMA LUTA PARA TRANSFORMÁ-LA EM REALIDADE CONCRETA, PRINCIPALMENTE POR MEIO DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Resumo BERGAMO, Edmir Aparecido - Faculdades Integradas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA Resumo PARRA, Silvia 1 - SEEDPR Grupo de Trabalho - Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação. Agência Financiadora:

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa SCHLESENE, Anita Helena (anita.helena@libero.it) FERREIRA, Naura Syria Carapeto (nauraf@uol.com.br) Faculdade de Ciências Humanas, Letras e Artes no PPGE Universidade Tuiuti do Paraná/Brasil 1. Introdução

Leia mais

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA POSSIBILIDADE

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável. Marcos de Referência

Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável. Marcos de Referência Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável Marcos de Referência Se quisermos educação de qualidade para todos, precisaremos de todos pela qualidade da educação Jomtien, 1990

Leia mais

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ 1 A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ Resumo O presente trabalho tem por proposição identificar

Leia mais

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Resumo: neste artigo são traçadas algumas considerações sobre o sentido da educação e sua abrangência. Afirma-se que ela não acontece no isolamento,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1 Introdução O estudo em andamento procura analisar o projeto político-pedagógico de uma escola pública de

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO Sandra Maria Zanello de Aguiar, e-mail:szaguiar@gmail.com. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social

PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DE ATIVIDADES Detalhamento de ações Convênio Caixa Econômica Federal nº189201-11

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL Geni Pereira dos Santos Mestre em Comunicação, genipereira2000@yahoo.combr Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Este artigo discorre sobre

Leia mais

GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR

GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR 1 GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR Renata Pierini Ramos Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Aparecido Conti Mestrado em Educação Linha de

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

Gramsci e a sustentabilidade: as possibilidades de uma consciência ambiental crítica

Gramsci e a sustentabilidade: as possibilidades de uma consciência ambiental crítica Gramsci e a sustentabilidade: as possibilidades de uma consciência ambiental crítica VITANGELO PLANTAMURA Centro Universitário Nilton Lins, Manaus, Brasil Introdução O artigo objetiva analisar as contribuições

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO Schirley de Fátima Rietow Artur Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Atual aluna de especialização em Gestão

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado.

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado. AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA MAGDA LUCIANA BERTUCI ALVES 1 LIDIANE ANTONIA FERREIRA 2 RESUMO: Este artigo resulta de uma série de reflexões sobre a importância

Leia mais

AÇÕES E CONTRIBUIÇÕES DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO NO PLANEJAMENTO ESCOLAR: MANTENEDOR DO SISTEMA OU TRANSFORMADOR EDUCACIONAL

AÇÕES E CONTRIBUIÇÕES DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO NO PLANEJAMENTO ESCOLAR: MANTENEDOR DO SISTEMA OU TRANSFORMADOR EDUCACIONAL AÇÕES E CONTRIBUIÇÕES DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO NO PLANEJAMENTO ESCOLAR: MANTENEDOR DO SISTEMA OU TRANSFORMADOR EDUCACIONAL KRÜGER, Loni Elisete Manica Universidade Federal de Santa Maria RESUMO O presente

Leia mais

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE LUCIANE WEBER BAIA HEES Núcleo de Estudos e Pesquisas: Política e Gestão da Educação

Leia mais

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL?

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? Marilia Borges 1 INTRODUÇÃO Pretende-se apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que teve como perspectiva compreender se as medidas de proteção

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2, Caroline Goerck 3, Walter Frantz 4. 1 Projeto de Pesquisa do Doutorado

Leia mais

A APLICAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO CAMPO

A APLICAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO CAMPO A APLICAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO CAMPO Sérgio Ricardo Moreira de SOUZA; NETO, João da Cruz Gonçalves (PPGDA/FD/UFG) Palavras-chave: Reforma

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo SILVEIRA, Lisiane Fernandes da 1 - UFPR FINK, Rosane 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

Palavras-chave: controle social, sociedade civil, participação, políticas públicas.

Palavras-chave: controle social, sociedade civil, participação, políticas públicas. OS CONSELHOS GESTORES COMO MECANISMOS INSTITUCIONALIZADOS DE CONTROLE SOCIAL: UM OLHAR GRAMSCIANO Cristina Fioreze 1 Resumo Identifica-se contemporaneamente, como tendência a nível mundial, o estabelecimento

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com)

BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com) 01234 BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com) Reafirmando o compromisso com a escola pública e suas demandas emergentes,

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho).

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho). REVISTA ELETRÔNICA ARMA DA CRÍTICA NÚMERO 4/ DEZEMBRO 2012 ISSN 1984-4735 RESENHA: A EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAPITAL MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO HADDAD, Cristhyane Ramos UTP crisrhaddad@hotmail.com HADDAD, Monaliza Ehlke Ozório UTP monalizahaddad@uol.com.br PACHECO, Marinêz Menoncin UTP marinez_pacheco@hotmail.com

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGIA E A IDENTIDADE DOCENTE

EDUCAÇÃO, PEDAGOGIA E A IDENTIDADE DOCENTE EDUCAÇÃO, PEDAGOGIA E A IDENTIDADE DOCENTE CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESUMO Este texto tem como objetivo apresentar alguns pontos que possa contribuir para reflexão e problematização da pedagogia como

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos SERVIÇO SOCIAL Campus Regional de Ivaiporã 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Serviço Social PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL.

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. RESUMO STIVAL, Maria Cristina Elias Esper cristinaelias@terra.com.br

Leia mais

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO Falar em democracia e silenciar o povo é uma farsa. Falar em humanismo e negar os homens é uma mentira.

Leia mais

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social.

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. Silvana Dóris Perin 1 RESUMO: O presente artigo aborda a necessidade do conhecimento da realidade social para efetivação da práxis

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

O CONSELHO DE ESCOLA COMO PARCEIRO NA COMPREENSÃO DE PARÂMETROS E INDICADORES DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO

O CONSELHO DE ESCOLA COMO PARCEIRO NA COMPREENSÃO DE PARÂMETROS E INDICADORES DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO O CONSELHO DE ESCOLA COMO PARCEIRO NA COMPREENSÃO DE PARÂMETROS E INDICADORES DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO Roberta Ravaglio Gagno - FAFIPAR Rita Schane - UTP /SME Curitiba Resumo: Este artigo objetiva refletir

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? Jemis Sabrina Alves de Oliveira 1 Valdirene Alves de Oliveira 2 Resumo: O presente artigo pretende discutir

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

HIPÓTESES E AÇÕES DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE LICENCIATURA

HIPÓTESES E AÇÕES DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE LICENCIATURA HIPÓTESES E AÇÕES DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE LICENCIATURA Roberto Preussler 1, Neiva Ignês Grando 2 1 Professor de Educação Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO Maria Sebastiana Gomes Mota¹ Francisca Elisa de Lima Pereira² Resumo: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA Denise Knorst da Silva 1 denisek@unijui.tche.br RESUMO Neste trabalho é apresentada uma discussão sobre atividades

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST. VENDRAMINI, Célia Regina. Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO

EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST. VENDRAMINI, Célia Regina. Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST VENDRAMINI, Célia Regina Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO Ao estudar um movimento social de grande relevância social e política na conjuntura do país,

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO Adriano Francisco da Paz, Cesar Felipe Quintino dos Santos, Edna do Espirito Santo de Assis, Natália do Amaral Rodrigues, Selma Regina

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O ESPORTE E LAZER: REFLEXÕES A PARTIR DA METÁFORA DE DIRIGIR O CARRO

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O ESPORTE E LAZER: REFLEXÕES A PARTIR DA METÁFORA DE DIRIGIR O CARRO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O ESPORTE E LAZER: REFLEXÕES A PARTIR DA METÁFORA DE DIRIGIR O CARRO Nei Alberto Salles Filho Universidade Estadual de Ponta Grossa Grupo de Pesquisa Esporte, Lazer e Sociedade

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS Resumo Regiane Aparecida Kusman 1 - TUIUTI-PR Grupo de Trabalho - Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: não

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

EDUCAÇÃO EM OUTROS ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM: ENTRELAÇANDO SABERES

EDUCAÇÃO EM OUTROS ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM: ENTRELAÇANDO SABERES EDUCAÇÃO EM OUTROS ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM: ENTRELAÇANDO SABERES Ana Margarete Gomes da Silva Profª. Auxiliar da Universidade do Estado da Bahia UNEB Campus XI. anamag_@hotmail.com 1 INTRODUÇÃO O avanço

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA O Regulamento da Comissão Própria de Avaliação CPA foi aprovado pelo CONSUP mediante a Resolução nº 012/2013 data de 26 de novembro de 2013. E foram revisados

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

Políticas (públicas) Sociais de Educação e a Mobilização Social: desafios e perspectivas de ampliar a cidadania. Augusto Tarso Pinheiro Moreira

Políticas (públicas) Sociais de Educação e a Mobilização Social: desafios e perspectivas de ampliar a cidadania. Augusto Tarso Pinheiro Moreira Políticas (públicas) Sociais de Educação e a Mobilização Social: desafios e perspectivas de ampliar a cidadania Augusto Tarso Pinheiro Moreira Brasília, 29 de outubro de 2010 2 Políticas (públicas) Sociais

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM: FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ATIVIDADE EMPREENDEDORA* 1

EMPREENDEDORISMO JOVEM: FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ATIVIDADE EMPREENDEDORA* 1 EMPREENDEDORISMO JOVEM: FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ATIVIDADE EMPREENDEDORA* 1 Sandra Aparecida BRASIL (PG-UEM) Cintia Fernanda BRASIL (PG-UEM) Clariana Ribeiro NOGUEIRA (PG-UEM) RESUMO Empreendedorismo

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autora: GASPAR, Magna Lúcia Furlanetto gasparzinha@seed.pr.gov.br Orientadora: LEVANDOVSKI, Ana Rita anarita.faficop@yahoo.com.br A

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais