UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo

2 ELEVADOR O elevador representado na figura desloca-se entre dois pisos. O seu movimento é comandado por (subir, descer e parar) a partir dos comandos dados pelos operadores (botões de chamada bot_ch1 e bot_ch2) e das informações provenientes dos detectores de fim de curso (piso1 e piso2). 2

3 SISTEMA DE EMBALAMENTO Constituído por dois postos A e B. Os produtos do tipo A são desviados para um segundo tapete, direcionado para o posto A. Os produtos do tipo B seguem no mesmo tapete até ao posto B. 3

4 ENCHIMENTO DE EMBALAGENS Aula 07 - Linguagem Ladder 4

5 POSTO DE ABASTECIMENTO Em cada posto de espera existe um semáforo com duas luzes: verde, que significa que o carro pode avançar, e a vermelha, caso contrário. Quando atinge a respectiva posição de espera, o carro pára se a estrada comum estiver ocupada, ou prossegue em direção ao posto b se estiver livre. 5

6 ESTACIONAMENTO Em situação de repouso, a cancela deve estar em baixo e a luz vermelha acesa. Quando o condutor do carro pressiona o botão de chamada, a luz vermelha apagase dando origem à luz verde (que significa que o carro pode entrar) e a cancela levanta. Após passar pela cancela, o carro interrompe o feixe luminoso da célula fotoelétrica, o que leva a cancela a descer para a posição de repouso e a sinalização luminosa a voltar para a luz vermelha. Aula 07 - Linguagem Ladder 6

7 Flip Flop Set Flip Flop Reset Flip Flop Pulso Contador Up Contador Up Down Aula 07 - Linguagem Ladder 7

8 Opera como uma entrada SET de um flip flop, que é um elemento básico de memória em circuitos elétricos. Este elemento está associado ao controle de saídas digitais (Oxxxx) e contatos auxiliares (Rxxxx) e só pode ser colocado na oitava coluna da janela de edição. Aula 07 - Linguagem Ladder 8

9 Opera como uma entrada RESET de um flip flop, que é um elemento básico de memória em circuitos elétricos. Este elemento está associado ao controle de saídas digitais (Oxxxx) e contatos auxiliares (Rxxxx) e só pode ser colocado na oitava coluna da janela de edição. Aula 07 - Linguagem Ladder 9

10 Ladder Set e Reset Set Reset Estado 0 0 Qa ultimo ligado Aula 07 - Linguagem Ladder 10

11 Ativa a bobina de um relé por um único ciclo de varredura do programa. Esta ativação se dá através de uma transição de subida do sinal aplicado à sua entrada. Este elemento está associado ao controle de saídas digitais (Oxxxx) e contatos auxiliares (Rxxxx) e só pode ser colocado na oitava coluna da janela de edição. Aula 07 - Linguagem Ladder 11

12 Ladder Aula 07 - Linguagem Ladder 12

13 Inverte o estado do contato a ele associado, sempre que houver uma transição em sua entrada, de desenergizado para energizado. Este elemento está associado ao controle de saídas digitais (Oxxxx) e contatos auxiliares (Rxxxx) e só pode ser colocado na oitava coluna da janela de edição. Aula 07 - Linguagem Ladder 13

14 Ladder Aula 07 - Linguagem Ladder 14

15 Opera como um contador de eventos. Possui uma entrada para RESET do valor de contagem e um parâmetro de limite de contagem. A cada pulso na entrada de contagem, o valor do contador será incrementado de uma unidade até o limite definido. Aula 07 - Linguagem Ladder 15

16 Representado por um bloco funcional com duas entradas (A1 e A2) e uma saída B1 e utiliza dois operadores (P1 e P2). A1 UPC P1 B1 A2 P2 O operador P1 guarda o valor corrente da contagem e deve ser obrigatoriamente uma memória (M). O operador P2 contém o valor final da contagem e pode ser uma memória (M) ou uma constante (K). Aula 07 - Linguagem Ladder 16

17 A1 UPC P1 B1 A2 P2 A entrada (A2) habilita a contagem e uma transição do estado desenergizado para o estado energizado nesta entrada reseta o contador. A entrada (A1) representa a entrada de contagem. Para contar é necessário que a entrada (A2) esteja energizada e toda vez que a entrada conta (A1) transitar de desenergizada para energizada, o valor corrente da contagem será incrementado de um. A saída (B1) indica se a contagem chegou ao final (contagem = valor final da contagem). Aula 07 - Linguagem Ladder 17

18 Exemplo Ladder Aula 07 - Linguagem Ladder 18

19 Conta um determinado número de transições ocorridas na entrada conta. A contagem pode ser crescente (Up) ou decrescente (Down), dependendo do sentido fornecido pelo usuário como entrada para o bloco. A sua saída indica o fim da contagem. Aula 07 - Linguagem Ladder 19

20 É representado por um bloco funcional com três entradas e uma saída e precisa de dois operadores. O operador P1 guarda o valor corrente do contador e deve ser obrigatoriamente uma memória (M). O operador P2 contém o valor final da contagem e pode ser uma memória (M) ou uma constante (K). A1 UPCP1 B1 A2 P2 A3 Aula 07 - Linguagem Ladder 20

21 A1 P1 B1 A2 P2 A3 A entrada (A3) habilita a contagem. A entrada do meio (A2) indica o sentido da contagem, ou seja, se esta entrada for igual a 1 o valor corrente da contagem é incrementado a cada transição da entrada conta e será decrementado caso seja igual a 0. A entrada (A1) é a de contagem. Aula 07 - Linguagem Ladder 21

22 Exemplo Ladder Aula 07 - Linguagem Ladder 22

23 Fazer um programa em Ladder de acionamento do portão automático por intermédio de uma única botoeira. Aula 07 - Linguagem Ladder 23

Dispositivo de Selagem de Doce de Leite HI. Profª Danielle Casillo

Dispositivo de Selagem de Doce de Leite HI. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Dispositivo de Selagem de Doce de Leite HI Profª Danielle Casillo Estudo de Caso: Dispositivo de Selagem de Doce

Leia mais

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE I EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE Ligar e desligar uma lâmpada através de uma única chave pulsante. Toda vez que a chave for pressionada a lâmpada deve mudar de estado, mantendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Programável - CLP 2 Compactos Modulares Programável - CLP 3 Possuem incorporados em uma única unidade

Leia mais

Controlador Lógico Programável

Controlador Lógico Programável Controlador Lógico Programável Contadores Prof. Ms. Andouglas Gonçalves da Silva Júnior andouglasjr@gmail.com Introdução Contadores Mecânicos: Toda vez que a alavanca de acionamento se movimenta, o contador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Aula 05 - Grafcet - Exercícios 2 0 Verificação Botoeira 1 Botoeira acionada S Acionamento do Motor

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL APLICADA Aula 8- Registradores de deslocamento como contadores

ELETRÔNICA DIGITAL APLICADA Aula 8- Registradores de deslocamento como contadores ELETRÔNICA DIGITAL APLICADA Aula 8- Registradores de deslocamento como contadores Prof.ª Msc. Patricia Pedroso Estevam Ribeiro Email: patriciapedrosoestevam@hotmail.com 26/11/216 1 Registradores de deslocamento

Leia mais

Circuitos Digitais Contadores. Orivaldo Santana Jr. ovsj@cin.ufpe.br

Circuitos Digitais Contadores. Orivaldo Santana Jr. ovsj@cin.ufpe.br Circuitos Digitais Contadores Orivaldo Santana Jr. ovsj@cin.ufpe.br Roteiro Introdução Contadores Assíncronos Crescentes Contadores Assíncronos Decrescentes Contador Assíncrono Crescente/Decrescente Introdução

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 08 Linguagem Laddercont... Profª Danielle Casillo Funções Lógicas em Ladder A. Função NãoE (NAND) Consiste

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 09 Linguagem LadderSistemas Profª Danielle Casillo Sistemas Os diagramas lógicos estudados anteriormente

Leia mais

MÓDULO DE PASSAGEM LINEAR HCS

MÓDULO DE PASSAGEM LINEAR HCS LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 Revisado em 15/03/2007 MÓDULO DE PASSAGEM LINEAR HCS DESCRIÇÃO GERAL: O Módulo de passagem é um equipamento

Leia mais

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis 4.1 Introdução Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são dispositivos digitais, muito utilizados na indústria, capazes de armazenar instruções

Leia mais

2 a Lista de Exercícios

2 a Lista de Exercícios Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação INE 5406 - Sistemas Digitais - semestre 2011/2 Prof. José Luís Güntzel guntzel@inf.ufsc.br

Leia mais

Instalações Eléctricas

Instalações Eléctricas ENUNCIADOS DE PROBLEMAS DE CIRCUITOS DE COMANDO DE CONTACTORES ELECTROMAGNÉTICOS Baseados nos problemas propostos por : José L. Pereira da Silva José Mário T. Oliveira Manuel Fernando Izidoro Revistos,

Leia mais

Problemas para Automação Industrial. Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos

Problemas para Automação Industrial. Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos Problemas para Automação Industrial Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos Nota prévia: Estes problemas têm como principal objectivo dar a possibilidade ao aluno

Leia mais

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs 1) Introdução Em problemas nos quais as ações de comando são seqüenciais ou então tempo dependentes, a modelagem lógica, representada unicamente com

Leia mais

Aula 14. Contadores Assíncronos. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 14. Contadores Assíncronos. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 4 Contadores Assíncronos SEL 044 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Assíncronos X Síncronos l Contadores Assíncronos: O CLK é colocado apenas no primeiro FF (LSB) l Contadores

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Circuitos Lógicos Sequenciais (Parte

Leia mais

Contador. A ideia básica de um contador. Os flip-flops podem ser conectados juntos para realizar

Contador. A ideia básica de um contador. Os flip-flops podem ser conectados juntos para realizar A função de contagem é importante em sistemas digitais. Existem muitos tipos de contadores digitais, mas a finalidade básica deles é contar eventos representados por transições de níveis ou pulsos. Para

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212 ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212 Laboratório de Eletrotécnica TÓPICOS PRÁTICAS DE ACIONAMENTOS ELÉTRICOS DE MOTORES COM O USO DE CLP (Controlador Lógico Programável) APRESENTAÇÃO

Leia mais

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011.

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011. FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº 1.417 de 07 de outubro de 2011. CURSO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Sistemas de Automação PROFESSOR: Allan Jacson LISTA

Leia mais

Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos. Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM. Versão 1.

Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos. Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM. Versão 1. Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM PROXSYS Versão 1.4 Setembro -2015 Controlador Industrial CP-WS1

Leia mais

Exercícios de Programação CLP

Exercícios de Programação CLP Exercícios de Programação CLP 1 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando uma chave liga/desliga (knob) de duas posições. 2 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando push-bottoms,

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO TIA PORTAL: DETECÇÃO DE BORDAS POSITIVA E NEGATIVA NA LIGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO LADDER. CLEITON RODRIGUES MENDES¹

ARTIGO TÉCNICO TIA PORTAL: DETECÇÃO DE BORDAS POSITIVA E NEGATIVA NA LIGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO LADDER. CLEITON RODRIGUES MENDES¹ ARTIGO TÉCNICO TIA PORTAL: DETECÇÃO DE BORDAS POSITIVA E NEGATIVA NA LIGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO LADDER. CLEITON RODRIGUES MENDES¹ RESUMO: Este artigo técnico tem por objetivo a conceituação teórica e a aplicação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Circuitos Lógicos Sequenciais (Parte

Leia mais

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática Componentes dos Eletropneumática Fabricio Bertholi Dias Componentes dos Elementos de Entrada de Sinais Emitem informações ao circuito por meio de uma ação muscular, mecânica, elétrica, eletrônica ou combinação

Leia mais

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado Slide 1 Flip-flop NOR SR cruzado Flip-Flops Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado Flip-flop NAND SR cruzado Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado 6.071 Lógica Digital

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

Rua 4 de Fevereiro, Itoupava Norte CEP

Rua 4 de Fevereiro, Itoupava Norte CEP Instrumentação Industrial Ltda. Introdução Os Contadores Digitais Multi-Função Samrello da série CDFM-3, assumem a forma de Contador, Temporizador, Frequencímetro ou Tacometro, de acordo com programação.

Leia mais

Tecnologia Eletropneumática Industrial

Tecnologia Eletropneumática Industrial Tecnologia Tecnologia Eletropneumática Industrial Industrial Componentes dos Circuitos Elétricos Os componentes elétricos utilizados nos circuitos são distribuídos em três categorias: os elementos de entrada

Leia mais

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa 4. Memórias de Dados e de Programa Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP 4.1 Memórias Semicondutoras Algumas definições Célula: Dispositivo de armazenamento de 1 bit. Palavra:

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 ALGORITMOS

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 ALGORITMOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 ALGORITMOS Profª ª Danielle Casillo ESTRUTURA DE REPETIÇÃO Nos exemplos e exercícios que

Leia mais

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO PROXSYS Versão 1.3 Abril -2015 Controlador Industrial CP-WS1 1- Configurações

Leia mais

CPM800S. Manual do Usuário

CPM800S. Manual do Usuário CPM800S Manual do Usuário R Descrição Geral O CPM800S é um contador e totalizador microprocessado especialmente desenvolvido para máquinas de corte e solda. Possui algumas funções especiais como trabalho,

Leia mais

12/11/13. Obje%vos do laboratório. SST20707 Síntese de Sistemas de Telecomunicações. Síntese de máquinas de estado (FSM) Finite State Machine (FSM)

12/11/13. Obje%vos do laboratório. SST20707 Síntese de Sistemas de Telecomunicações. Síntese de máquinas de estado (FSM) Finite State Machine (FSM) Instituto Federal de Santa Catarina Área de Telecomunicações SST20707 Síntese de Sistemas de Telecomunicações Prof. Roberto de Matos Aviso de direitos Autorais: Transparências baseadas no trabalho do Prof.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DO CONTROLO DE ACESSOS TW2200

MANUAL TÉCNICO DO CONTROLO DE ACESSOS TW2200 MANUAL TÉCNICO DO CONTROLO DE ACESSOS TW2200 Introdução O TW2200 é um controlo de acessos stand-alone por impressão digital que utiliza a ultima tecnologia de leitura, ideal para aplicação em situações

Leia mais

Manual de Limpeza e Recolha de Cinzas

Manual de Limpeza e Recolha de Cinzas PORTUGUÊS Manual de Limpeza e Recolha de Osaka Doméstica versão Jan. 2014 Agradecemos a aquisição do nosso produto. Antes de utilizar o equipamento, leia cuidadosamente este manual e guarde-o para referências

Leia mais

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA CADEIRINHA ELÉTRICA AeroAndaimes Antes do início das operações: 01 - VERIFICAÇÕES DIÁRIAS RIAS: Amarração e fixação dos cabos de aço: Os cabos de aço de

Leia mais

Painel de interligação BT8011 / BT8012

Painel de interligação BT8011 / BT8012 Painel de interligação BT8011 / BT8012 Características Existem dois tipos de painel de interligação BC80: um é BT8011, o outro é BT8012. Eles são usados para controle automático/manual de equipamentos

Leia mais

Contadores. Contadores Assíncronos Crescentes

Contadores. Contadores Assíncronos Crescentes Contadores Variam seus estados sob o comando de um clock; São utilizados para: Contagens diversas; Divisão de frequência; Medição de frequência e tempo; Geração de formas de onda; Conversão analógico para

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO PARA AUTO ATENDIMENTO BANCÁRIO

SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO PARA AUTO ATENDIMENTO BANCÁRIO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO PARA AUTO ATENDIMENTO BANCÁRIO DESCRITIVO DO SISTEMA INTELIGENTE DE ABERTURA DE PORTAS O sistema inteligente de travamento de portas consiste na utilização de fechadura eletromagnética

Leia mais

ISBN Apresentação

ISBN Apresentação Serpentes e Escadas - TERMOQUÍMICA Apresentação Serpentes e Escadas é um jogo de percurso feito em tabuleiro. Sua origem é indiana e os registros mais antigos são do século XIII. Na ocasião, era utilizado

Leia mais

Introdução a Sistemas Digitais

Introdução a Sistemas Digitais Introdução a Sistemas Digitais Definição Sistemas Digitais Projeto Revisão: Circuitos Combinacionais Circuitos Sequênciais Máquinas de Estados Sistemas Digitais Definição Um sistema digital é um sistema

Leia mais

CENTRAL DE DETECÇÃO INCÊNDIO ENDEREÇAVEL

CENTRAL DE DETECÇÃO INCÊNDIO ENDEREÇAVEL CENTRAL DE DETECÇÃO INCÊNDIO ENDEREÇAVEL MANUAL DE UTILIZADOR NIVEIS DE ACESSO AO SISTEMA: Nível de Acesso 1 Utilizador geral (não necessita introdução de código) Neste nível só é permitido aos utilizadores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I. Nome do Aluno :

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I. Nome do Aluno : SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I Nome do Aluno : 1) Associe as definições abaixo : (a) Base de Numeração (b) Símbolos de um sistema de numeração (c) Valor de um número (d) Posição

Leia mais

Manual do técnico/usuário:

Manual do técnico/usuário: Manual do técnico/usuário: Produto: Placa I/O Semáforo PLACA VERSÃO 1 Versão deste manual: 1 Revisão deste manual: 0 Data do manual: 08/08/2009 M.c.u Tecnologia www.mcu.com.br 1 Histórico de Revisões:

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENG. DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENG. DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENG. DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Professor: Anderson Luiz de Oliveira Cavalcanti Autor:

Leia mais

HARDWARES. mais usados para o. CONTROLE de ACESSO

HARDWARES. mais usados para o. CONTROLE de ACESSO HARDWARES mais usados para o CONTROLE de ACESSO HARDWARES de ACESSO Leitores Portas Internas Acessórios para Cadastramento Leitor de Identificação Scanner de documentos WebCam para fotografias Fechaduras

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 05 Introdução ao CLP Profª Danielle Casillo CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL -CLP 2 CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato Programação de CLPs por Diagramas de Contato 1. Diagramas de Contato 2. Um CLP Genérico 3. Instruções de Entrada e Saída 4. Instruções Booleanas 5. Circuitos de Intertravamento 6. Detecção de Borda 7.

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo OPERADORES Um operador é um símbolo

Leia mais

CONTROLE PARA SEMÁFOROS DE UM CRUZAMENTO

CONTROLE PARA SEMÁFOROS DE UM CRUZAMENTO PARA SEMÁFOROS DE UM CRUZAMENTO Versão 2013 RESUMO Esta experiência tem como principal objetivo ilustrar a utilização de circuitos biestáveis, através do projeto de um circuito de controle das luzes de

Leia mais

SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL OBRA(S): EMT.rar INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO ESPECIFICAÇÂO TÉCNICA DOS ELEVADORES II - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS: Edifício: COMPLEXO SENAI Endereço: AV Norte Miguel

Leia mais

5. Fundamentos da Programação LADDER

5. Fundamentos da Programação LADDER 5. Fundamentos da Programação LADDER Este capítulo expõe os conceitos básicos da programação ladder. Independente da complexidade do programa de aplicação, há certos fundamentos da linguagem que são imprescindíveis

Leia mais

WiPOS-01 Manual do Usuário

WiPOS-01 Manual do Usuário WiPOS-01 Manual do Usuário 1. Introdução O sistema WiPOS é um equipamento eletrônico dedicado ao monitoramento da posição da mesa em centros de usinagem. Através de duas unidades remotas (UR1 e UR2), uma

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA DIGITAL - ET75C - Profª Elisabete N Moraes

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA DIGITAL - ET75C - Profª Elisabete N Moraes 9/5/26 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA DIGITAL - ET75C - Profª Elisabete N Moraes AULA 8 CONTADORES Em 2 de maio de 26. VARIAÇÕES DO FF- Tipo

Leia mais

Trabalho de Circuitos Integrados Digitais Maquina de Estados: Contador Código Gray

Trabalho de Circuitos Integrados Digitais Maquina de Estados: Contador Código Gray UFPR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Trabalho de Circuitos Integrados Digitais Maquina de Estados: Contador Código Gray Daniel Lauer Luciano F. da Rosa Curitiba, junho de 2010

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Sistemas Supervisórios - Aula 3 2 Minimize a aplicaçãowindowmaker. Selecione Acessórios. SelecionePaintbrush.

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES Relatório técnico apresentado como requisito parcial para obtenção de aprovação na disciplina de Sistemas Digitais.

Leia mais

Relés Temporizadores RTW

Relés Temporizadores RTW Relés Temporizadores RTW 5 Funções de 6 Faixas de, de 0,s a 0min Circuito Eletrônico com elevada precisão e imunidade a ruídos Compacto, com 22,5 mm de largura, montado sobre trilho ou com parafuso Indicação

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (VT01 / VT09)

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (VT01 / VT09) MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (VT01 / VT09) Pagina 1 / 5 1.0) VOLTÍMETRO - RACETRONIX A principal função do Voltímetro é indicar o valor da tensão (em volts) do sistema elétrico do veículo. O Voltímetro

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e controle Aula 02 Controle e Programação na Automação Profª Danielle Casillo AUTOMAÇÃO Tecnologia Integradora: Eletrônica:

Leia mais

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Neste Lab iremos descrever a implementação de um sistema para testar antigas memórias RAM, estática, modelo HM6116LP-4 que ainda são utilizadas

Leia mais

ITEM Instituto de Tecnologia Emerson Martins MANUAL DO KIT FPGA-EE REV-01

ITEM Instituto de Tecnologia Emerson Martins MANUAL DO KIT FPGA-EE REV-01 ITEM Instituto de Tecnologia Emerson Martins MANUAL DO KIT FPGA-EE03 www.professoremersonmartins.com.br 2016 REV-01 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO KIT FPGA EE03 Primeiramente o ITEM INSTITUTO DE TECNOLOGIA EMERSON

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA RELATÓRIO CONTADOR DE 6 BITS PROGRAMÁVEL Trabalho apresentado à disciplina de Projeto de Circuitos Integrados Digitais,

Leia mais

Eletrônica Digital II. Exemplo de um CI com encapsulamento DIP. Diagrama do CI 74XX76.

Eletrônica Digital II. Exemplo de um CI com encapsulamento DIP. Diagrama do CI 74XX76. Eletrônica Digital II Exemplo de um CI com encapsulamento DIP. Diagrama do CI 74XX76. Esquema interno do protoboard e colocação do CI com ligações. Aula Prática Ensaio Um Flip-Flop JK a) Objetivo: Testar

Leia mais

Guião do trabalho prático TP7

Guião do trabalho prático TP7 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Disciplina Automação Ramos Energia e Automação Guião do trabalho prático TP7 Projecto de Porta Automática baseado em Autómato Programável

Leia mais

SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO TELEMETRIA E PROJETOS MANUAL ACT146-DS. Especificações do Hardware

SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO TELEMETRIA E PROJETOS MANUAL ACT146-DS. Especificações do Hardware SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO TELEMETRIA E PROJETOS MANUAL ACT146-DS Firmware: 1.5.5 Especificações do Hardware - Alimentação, fonte externa 12 a 24Vdc 2A; - Modulo GSM Quadriband, funciona em todas as operadoras

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO

CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO 1 CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO INTRODUÇÃO Devido a necessidade geral de contadores, já existem muitos contadores de forma de CI's. Na série TTL 74 os mais simples são o 74LS90,

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA MONOFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev8 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO Chave de transferência automatizada - série MQ5 Um Tipo e significado MQ5 o tipo de controle (I; 0; II) o número de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TEORIA DA COMPUTAÇÃO Aula 02 Introdução à Teoria da Computação Prof.ª Danielle Casillo Linguagem: é uma forma precisa de expressar

Leia mais

Slides de aulas para a documentação de treinamento TIA Portal

Slides de aulas para a documentação de treinamento TIA Portal Slides de aulas para a documentação de treinamento TIA Portal Siemens Automation Cooperates with Education Utilização somente para instituições públicas de ensino F&E siemens.de/sce Diretório 020-100 Descrição

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 04 ALGORITMOS

INFORMÁTICA APLICADA AULA 04 ALGORITMOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 04 ALGORITMOS Profª ª Danielle Casillo ESTRUTURA CONDICIONAL Na vida real tomamos decisões

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos 1 COMANDOS INDUSTRIAIS Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Simulado 1 (S1) QUESTÕES DE CONCURSOS / ENADE * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO TELEMETRIA E PROJETOS MANUAL AC66-G V1.1. Especificações do Hardware

SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO TELEMETRIA E PROJETOS MANUAL AC66-G V1.1. Especificações do Hardware MANUAL AC66-G V1.1 Especificações do Hardware Firmware: 1.5.5 - Alimentação, fonte externa 12 a 24Vdc 2A; - Modulo GSM Quadriband, funciona em todas as operadoras brasileiras atuais. - 6 Entradas digitais

Leia mais

Tecnicas com Sistemas Digitais

Tecnicas com Sistemas Digitais Tecnicas com Sistemas Digitais Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 1 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Índice Índice...2 Introdução...3 Ruído (Bounce)...3 Transistor

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

7. Módulos Funcionais sequenciais Contadores Tipos de contador Entradas síncronas e assíncronas

7. Módulos Funcionais sequenciais Contadores Tipos de contador Entradas síncronas e assíncronas 7. Módulos Funcionais sequenciais... 7 2 7.1 Contadores... 7 2 7.1.1 Tipos de contador... 7 3 7.1.2 Entradas síncronas e assíncronas... 7 3 7.1.3 Entradas assíncronas dos Flip Flops... 7 3 7.2 Sintetização

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável Luiz Carlos Farkas (LCF) duardo Calsan (DC) ula no. 02 ) NTRDS Blocos Básicos M I O M B I N T N T R D S São o elo de ligação entre o CLP e o que acontece no meio ambiente.

Leia mais

Trabalho 1 GRAFOS. 3. Implementar uma rotina chamada Dijkstra(G, o, d) que determina o menor caminho

Trabalho 1 GRAFOS. 3. Implementar uma rotina chamada Dijkstra(G, o, d) que determina o menor caminho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC-203 Algoritmos e Estruturas de Dados II / 2011 Prof.ª Rosane Minghim Trabalho 1 GRAFOS

Leia mais

Inversor Trifásico 1CV e 2CV

Inversor Trifásico 1CV e 2CV Inversor Trifásico 1CV e 2CV Página 1 de 10 Esta linha de inversores de frequência da Neotec tende a unir a versatilidade do seu firmware com o desempenho a um baixo custo. Com isso pode ser inserido em

Leia mais

DRAFT. CLP e SDCD CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA

DRAFT. CLP e SDCD CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA CLP e SDCD Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Eng. Guilherme R. Dalmedico Eng. Guilherme A. Rutzen www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 2013/2014 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Introdução Este trabalho foi concebido para que os alunos familiarizem com a utilização e projeto de Circuitos

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA TRIFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS Circuitos com memória Latches NAND e NOR e exemplos de utilização Estado do Flip-flop ao ligar o circuito Pulsos digitais Sinais de clock e flip-flops com clock circuitos

Leia mais

Considerando que o fio e a polia são ideais, qual o coeficiente de atrito cinético entre o bloco B e o plano?

Considerando que o fio e a polia são ideais, qual o coeficiente de atrito cinético entre o bloco B e o plano? 2ª Série do Ensino Médio 01. No sistema a seguir, A e B têm massa m = 10 kg e a = 45 0. A aceleração da gravidade é de 10 m/s 2 e o peso da corda, o atrito no eixo da roldana e a massa da roldana são desprezíveis:

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo LAÇOS Laços são comandos da linguagem

Leia mais

Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint. Apresentação de Diapositivos - 90 min. 1. Criação de transições entre diapositivos

Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint. Apresentação de Diapositivos - 90 min. 1. Criação de transições entre diapositivos Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint Apresentação de Diapositivos - 90 min Ficha orientada nº5 Objectivos: Criação de transições entre diapositivos Aplicação de efeitos de animação Definição de

Leia mais