APONTAMENTOS DE SPSS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APONTAMENTOS DE SPSS"

Transcrição

1 Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar APONTAMENTOS DE SPSS Rui Magalhães

2 - 2 -

3 Menu DATA Opção SPLIT FILE Permite dividir, de uma forma virtual, o ficheiro em diferentes ficheiros com base nas categorias de uma ou mais variáveis Torna-se útil quando se pretende analisar apenas um grupo restrito de dados. Reagrupa os dados num único ficheiro Forma de apresentar os resultados Critério para a criação dos ficheiros Variáveis disponíveis - 3 -

4 Menu DATA Opção SELECT CASES Permite seleccionar os casos de acordo com um determinado critério. Considerar todo os casos Permite definir o critério de selecção Filtra os casos não seleccionados CUIDADO: Elimina os casos não seleccionados Permite definir o critério de selecção através de uma condição Grupo de funções préexistentes Teclado que permite construir a condição de selecção Variáveis disponíveis Significado de alguns dos símbolos: & - Conjunção ( ) ~ - Negação ** - Potência (ex: 2 3 =2**3) - Disjunção ( ) ~= - Diferente ( ) - 4 -

5 Menu DATA Opção WEIGHT CASES Variável que funciona como factor de ponderação - 5 -

6 Menu TRANSFORM Opção COMPUTE VARIABLE Permite criar uma nova variável através de uma expressão numérica. A expressão numérica pode envolver uma ou mais variáveis existentes Expressão numérica a partir da qual será criada a nova variável Nome da variável a ser criada Lista de variáveis existentes Teclado que permite construir a expressão numérica Grupo de funções pré-existentes Significado de alguns dos símbolos: & - Conjunção ( ) ~ - Negação - Disjunção ( ) ~= - Diferente ( ) ** - Potência (ex: 2 3 =2**3) - 6 -

7 Menu TRANSFORM Opção RECODE INTO DIFFERENT VARIABLES Permite criar uma nova variável através da recodificação de uma variável que já exista. A recodificação é efectuada através da definição de algumas regras Lista de variáveis existente Variável original -> Variável a ser criada Nome da variável a ser criada Descrição da nova variável Deve clicar neste botão após ter preenchido os campos acima Abre uma nova janela onde se estabelecem as regras para a criação da nova variável - 7 -

8 Local onde se armazenam as regras de codificação Valor da nova variável Valor da variável original Permite recodificar os valores um a um Permite construir intervalos do tipo [a; b] Permite construir intervalos do tipo [min; b] Permite construir intervalos do tipo [d; max] - 8 -

9 Menu TRANSFORM Opção VISUAL BINNING Permite agrupar uma variável quantitativa em classes (intervalos), criando para o efeito uma nova variável. Variáveis cujos valores irão ser agrupados em classes Nome da variável a ser criada Descrição (LABEL) da nova variável Máximo Mínimo Visualização das classes Permite definir as classes Atribuição de LABELs Classes fechadas ou abertas à direita - 9 -

10 Classes com amplitudes iguais Limite superior da 1ª Classe (deve ser > valor mínimo) Basta definir duas que a terceira fica automaticamente definida Classes com frequências iguais Número de classes 1 Amplitude das classes Basta definir uma das regras Classes baseadas na média e no desvio padrão

11 Menu ANALYZE Opção DESCRIPTIVE STATISTICS FREQUENCIES Permite construir tabelas de frequências e/ou calcular algumas medidas estatísticas sumárias (e também alguns tipos de gráficos) Variáveis disponíveis Variáveis a descrever Permite pedir algumas das medidas estatísticas Permite pedir alguns tipos de gráficos Quando seleccionada permite obter tabelas de frequências Frequência absoluta Frequência relativa válida Frequência relativa Frequência relativa acumulada

12 Medidas de tendência central Cálculo de percentis Medidas de dispersão Medidas que caracterizam a forma da distribuição

13 Menu ANALYZE Opção DESCRIPTIVE STATISTICS DESCRIPTIVES Permite calcular algumas medidas estatísticas sumárias. Variáveis disponíveis Medidas de dispersão Variáveis a descrever Medidas que caracterizam a forma da distribuição

14 Menu ANALYZE Opção DESCRIPTIVE STATISTICS EXPLORE Permite calcular algumas medidas estatísticas sumárias (e alguns tipos de gráficos. É também possível com este comando obter resultados em separado de acordo com uma ou mais variáveis Variáveis disponíveis Estatísticas descritivas + Intervalo de confiança Permite dividir os resultados em grupos Gráfico de caixa e fio (Boxplot) Opções de resultados: - Tudo - Estatísticas descritivas; - Gráficos Gráfico de Tronco e folha e/ou Histograma

15 - 15 -

16 Menu GRAPHS Opção LEGACY DIALOGS BAR Gráfico para uma variável Variáveis disponíveis Frequência relativa Definições do gráfico (janela ao lado) Variável que será representada no gráfico

17 Gráfico para duas variáveis Variáveis disponíveis Frequência relativa Definições do gráfico (janela ao lado) Variável que aparece representada no eixo horizontal do gráfico Variável que aparece na legenda do gráfico Exemplo 1 Exemplo

18 Menu GRAPHS Opção LEGACY DIALOGS PIE Variáveis disponíveis Frequência relativa Definições do gráfico (janela ao lado) Variável que será representada no gráfico

19 Menu GRAPHS Opção LEGACY DIALOGS BOXPLOT Gráfico para uma variável Variáveis disponíveis Variável que será representada no eixo vertical do gráfico Definições do gráfico (janela ao lado) Variável que será representada no eixo horizontal do gráfico

20 Gráfico para duas variáveis qualitativas e uma quantitativa Variáveis disponíveis Variável que será representada no eixo vertical do gráfico Definições do gráfico (janela ao lado) Variável representada no eixo horizontal do gráfico Variável que aparece na legenda do gráfico Exemplo 1 Exemplo

21 Menu GRAPHS Opção LEGACY DIALOGS ERROR BAR Gráfico para duas variáveis qualitativas e uma quantitativa Variáveis disponíveis Variável que será representada no eixo vertical do gráfico Definições do gráfico (janela ao lado) Variável representada no eixo horizontal do gráfico

22 Gráfico para duas variáveis qualitativas e uma quantitativa Variáveis disponíveis Variável que será representada no eixo vertical do gráfico Definições do gráfico (janela ao lado) Variável representada no eixo horizontal do gráfico Variável que aparece na legenda do gráfico Exemplo 1 Exemplo

23 Menu GRAPHS Opção LEGACY DIALOGS HISTOGRAM Variáveis disponíveis Variável a representar no gráfico

24 Menu GRAPHS Opção LEGACY DIALOGS SCATTER/DOT Gráfico para duas variáveis quantitativas Variáveis disponíveis Definições do gráfico (janela ao lado) Variável representada no eixo dos Y s Variável representada no eixo dos X s

25 Menu ANALYZE Opção COMPARE MEANS ONE-SAMPLE T TEST Procedimento a utilizar quando se pretende comparar a média (de uma variável) com um valor padrão (é necessário assumir que a população de onde foi retirada a amostra segue a distribuição Normal). Permite escolher a % do Intervalo de Confiança Lista de variáveis Valor que se pretende testar Variável que se pretende testar Na primeira caixa é apresentada uma análise descritiva da amostra observada. Estatísticas descritivas Dimensão da amostra média Desvio padrão Erro padrão da média Na segunda são apresentados os resultados da aplicação do teste t para uma amostra. valor que se está a testar intervalo de confiança valor do teste t graus de liberdade valor de prova

26 Menu ANALYZE Opção COMPARE MEANS INDEPENDENT-SAMPLES T TEST Procedimento a utilizar quando se pretende comparar o valor médio de uma dada variável entre duas amostras. Permite escolher a % do Intervalo de Confiança Lista de variáveis Variável que se pretende testar Permite escolher os grupos que se pretendem comparar Na primeira caixa é apresentada uma análise descritiva das amostras observadas. Estatísticas descritivas Dimensão de cada grupo média Desvio padrão Erro padrão da média

27 Na segunda são apresentados os resultados da aplicação do teste t para amostras independentes. teste de homogeneidade de variâncias intervalo de confiança valor do teste t graus de liberdade valor de prova erro padrão da diferença das médias

28 Menu ANALYZE Opção COMPARE MEANS PAIRED-SAMPLES T TEST Procedimento a utilizar quando se pretende comparar a diferença média de duas variáveis numa amostra. Variáveis disponíveis Pares de variáveis a comparar Permite escolher a % do Intervalo de Confiança Estatísticas descritivas Dimensão de cada grupo média Desvio padrão Erro padrão da média Diferença média intervalo de confiança Desvio padrão da diferença valor do teste t graus de liberdade valor de prova

29 Menu ANALYZE Opção DESCRIPTIVE STATISTICS CROSSTABS Permite construir tabelas de contingência e realizar diferentes tipos de testes estatísticos Qui-quadrado Valor observado Valor esperado K de acordo Risco relativo e Odds ratio McNemar % por linha % por coluna % total

30 Exemplo: % por COLUNA (o total de cada coluna soma 100%) Exemplo: % por LINHA (o total de cada linha soma 100%) Exemplo: % do TOTAL (apenas o total da tabela soma 100%)

31 Menu ANALYZE Opção NONPARAMETRIC TESTS BINOMIAL Permite comparar uma proporção com um valor padrão. Variáveis disponíveis Variáveis a testar Valor que se pretende testar Grupo que está a ser comparado Proporção observada Valor a testar Indica se foi utilizada a aproximação à Normal Valor de prova

32 Menu ANALYZE Opção NONPARAMETRIC TESTS CHI-SQUARE Permite efectuar o qui-quadrado de ajuste

33 Menu ANALYZE Opção REGRESSION LINEAR Permite efectuar uma regressão linear Variáveis disponíveis Medidas estatísticas Gráficos de dispersão Permite gravar resultados (criando novas variáveis Variável dependente Variáveis independentes

34 Estimativas dos coeficientes do modelo Permite pedir os intervalos de confiança Coeficientes de correlação e coeficiente de determinação e ANOVA (análise de variância) Estatísticas descritivas Estatísticas descritivas Dimensão da amostra média Desvio padrão Coeficiente de correlação Coeficiente de determinação Tabela da análise de variância (ANOVA) Coeficientes b 0 e b 1 Intervalos de confiança para os coeficientes Variável dependente Testes para os coeficientes do modelo

35 Resultados disponíveis Eixo dos Y s Eixo dos X s Permite construir o histograma dos resíduos padronizados Permite averiguar graficamente se os resíduos padronizados se afastam da distribuição Normal Valores previstos Resíduos

36 Menu ANALYZE Opção NONPARAMETRIC TESTS 1-SAMPLE K-S Permite testar se conjunto de valores segue ou não uma determinada distribuição (Normal, Uniforme, Exponencial, Poisson) Variáveis disponíveis Variáveis a testar Distribuição a testar

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Rinaldo Artes Em algumas situações, o acesso aos microdados de uma pesquisa é restrito ou tecnicamente difícil. Em seu lugar, são divulgados

Leia mais

Distribuição de frequências:

Distribuição de frequências: Distribuição de frequências: Uma distribuição de frequências é uma tabela que reúne o conjunto de dados conforme as frequências ou as repetições de seus valores. Esta tabela pode representar os dados em

Leia mais

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistência elétrica de um resistor a partir da curva V x I.

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistência elétrica de um resistor a partir da curva V x I. Determinação da resistência elétrica de um resistor Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi

Leia mais

Estatística. Apresentação de Dados em Gráficos

Estatística. Apresentação de Dados em Gráficos Estatística Apresentação de Dados em Gráficos Sobre os gráficos... Cada tipo de gráfico tem uma indicação específica Regra: Deve apresentar título e escala Título abaixo da ilustração Escalas Legendas

Leia mais

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Medidas de Dispersão Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Introdução Estudo de medidas que mostram a dispersão dos dados em torno da tendência central Analisaremos as seguintes

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Estatística António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo O tema da Estatística nos Cursos Científico-Humanísticos de

Leia mais

Janelas de aplicação 18 Janela de execução de um comando 21. Construção de uma tabela de dados: Data Editor

Janelas de aplicação 18 Janela de execução de um comando 21. Construção de uma tabela de dados: Data Editor Índice Índice temático 11 Introdução 13 Capítulo 1 Apresentação do software SPSS Janelas de aplicação 18 Janela de execução de um comando 21 Capítulo 2 Construção de uma tabela de dados: Data Editor Definição

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência Tabelas e Diagramas de Freqüência Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2 O primeiro passo na análise e interpretação dos dados de uma amostra consiste na descrição (apresentação) dos dados

Leia mais

Estimativas e Tamanhos de Amostras

Estimativas e Tamanhos de Amostras Estimativas e Tamanhos de Amostras 1 Aspectos Gerais 2 Estimativa de uma Média Populacional: Grandes Amostras 3 Estimativa de uma Média Populacional: Pequenas Amostras 4 Tamanho Amostral Necessário para

Leia mais

Teste Qui-quadrado de aderência Rinaldo Artes Insper Instituto de Ensino e Pesquisa 2014

Teste Qui-quadrado de aderência Rinaldo Artes Insper Instituto de Ensino e Pesquisa 2014 Teste Qui-quadrado de aderência Rinaldo Artes Insper Instituto de Ensino e Pesquisa 2014 Objetivo: Decidir se um conjunto de dados segue uma determinada distribuição de probabilidades. Exemplo 1: Uma emissora

Leia mais

Exploração e Transformação de dados

Exploração e Transformação de dados Exploração e Transformação de dados A DISTRIBUIÇÃO NORMAL Normal 99% 95% 68% Z-score -3,29-2,58-1,96 1,96 2,58 3,29 Normal A distribuição normal corresponde a um modelo teórico ou ideal obtido a partir

Leia mais

Curso: Engenharia de Prod. Mecânica Engenharia Elétrica Estatística e Probabilidade Prof. Eng. Vicente Budzinski Notas de Aula

Curso: Engenharia de Prod. Mecânica Engenharia Elétrica Estatística e Probabilidade Prof. Eng. Vicente Budzinski Notas de Aula Curso: Engenharia de Prod. Mecânica Engenharia Elétrica Estatística e Probabilidade Prof. Eng. Vicente Budzinski Notas de Aula 1. SOMATÓRIO 1.1 Índices ou notação por índices O símbolo Xi (lê-se X índice

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilizador Perfil Aluno V1 17/06/2015 4450-298 Matosinhos Maputo Página 1 de 20 ÍNDICE 1. Página Pessoal Aluno 4 1.1 Alterar Fotografia 4 1.2 Configuração da Página Pessoal 5 1.3 Conta Corrente

Leia mais

P R O G R A M A TERCEIRA FASE. DISCIPLINA: Estatística Aplicada à Pesquisa Educacional Código: 3EAPE Carga Horária: 54h/a (crédito 03)

P R O G R A M A TERCEIRA FASE. DISCIPLINA: Estatística Aplicada à Pesquisa Educacional Código: 3EAPE Carga Horária: 54h/a (crédito 03) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - DEF CURSO: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA CURRÍCULO: 2008/2 P R O G

Leia mais

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade 1 AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade Ernesto F. L. Amaral 31 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

NÍVEL DE ENSINO: CARGA HORÁRIA: PROBABILIDADE EST PROFESSOR-AUTOR:

NÍVEL DE ENSINO: CARGA HORÁRIA: PROBABILIDADE EST PROFESSOR-AUTOR: ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Bráulio Roberto Gonçalves Marinho Couto Janaína Giovani Noronha de Oliveira Octávio Alcântara Torres Reinaldo

Leia mais

Case Processing Summary

Case Processing Summary 17. O ficheiro Banco.sav encerra informação relativa a 474 empregados contratados por um banco, entre 1969 e 1971. Este banco esteve envolvido num processo judicial no âmbito da Igualdade de Oportunidade

Leia mais

Pesquisa Operacional II. Professor: Roberto César

Pesquisa Operacional II. Professor: Roberto César Pesquisa Operacional II Professor: Roberto César POPULAÇÃO E AMOSTRA População: refere-se ao grupo total. Amostra: é toda fração obtida de uma população (independente de seu tamanho). Quando usar Amostragem?

Leia mais

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli MINICURSO Uso da Calculadora Científica Casio Fx Prof. Ms. Renato Francisco Merli Sumário Antes de Começar Algumas Configurações Cálculos Básicos Cálculos com Memória Cálculos com Funções Cálculos Estatísticos

Leia mais

4-Teste de Hipóteses. Teste de Hipóteses

4-Teste de Hipóteses. Teste de Hipóteses Teste de Procedimentos Gerais Teste de média Z para 1 amostra Teste de média t para 1 amostra Teste de variância para 2 amostras A Distribuição de Fisher Teste de média t para 2 amostras Teste de média

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

Summary of Comments on VQEB_tutorial_LC50_prob_stat_2011.pdf

Summary of Comments on VQEB_tutorial_LC50_prob_stat_2011.pdf 1 2 3 4 5 Summary of Comments on VQEB_tutorial_LC50_prob_stat_2011.pdf Page: 1 Number: 1 Author: mrebelo Subject: Sticky Note Date: 27/03/11 14:19:35 Oi, seja bem vindo ao meu tutorial para calcular a

Leia mais

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Alguns conceitos População: é o conjunto de todos

Leia mais

Distribuição de Frequências

Distribuição de Frequências Distribuição de Frequências ENG09004 2014/2 Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br 2.1. Distribuições de Frequência Na análise de conjuntos de dados é costume dividi-los em classes ou categorias

Leia mais

índice Introdução Estatística Descritiva Capítulo 1 Capítulo 2 O que é a Estatística Escalas de medida Escalas Nominais Escalas Ordinais

índice Introdução Estatística Descritiva Capítulo 1 Capítulo 2 O que é a Estatística Escalas de medida Escalas Nominais Escalas Ordinais índice MENSAGEM DO AUTOR 11 AGRADECIMENTOS 13 Capítulo 1 Introdução Importância da estatística 17 O que é a Estatística? Escalas de medida Escala de medida qualitativa Escalas Nominais Escalas Ordinais

Leia mais

Matemática 3º Ciclo. Planificação Anual 7.º ano. N.º de aulas. Objectivos 1.º PERÍODO. Ano Lectivo 2009/2010. Apresentação 1. Teste Diagnóstico 2

Matemática 3º Ciclo. Planificação Anual 7.º ano. N.º de aulas. Objectivos 1.º PERÍODO. Ano Lectivo 2009/2010. Apresentação 1. Teste Diagnóstico 2 i Temas Sub-temas Objectivos 1.º PERÍODO Apresentação 1 Teste Diagnóstico 2 Múltiplos e divisores. Critérios de divisibilidade. Obter números, a partir de outros, por composição e decomposição; Números

Leia mais

Exemplo Número de Clientes da Loja

Exemplo Número de Clientes da Loja Exemplo Número de Clientes da Loja Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Clientes da Loja 2 o Semestre 2015 1 / 24 Clientes

Leia mais

Os dados quantitativos também podem ser de natureza discreta ou contínua.

Os dados quantitativos também podem ser de natureza discreta ou contínua. Natureza dos Dados Às informações obtidas acerca das características de um conjunto dá-se o nome de dado estatístico. Os dados estatísticos podem ser de dois tipos: qualitativos ou quantitativos. Dado

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade Unidade de Ensino: OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS ABSOLUTOS (adição e subtracção). Tempo Previsto: 3 semanas O reconhecimento do conjunto dos racionais positivos, das diferentes formas de representação

Leia mais

Folha de cálculo. Conceitos básicos. Criação de uma folha de cálculo. Formatação de uma folha de cálculo. Geração de gráficos

Folha de cálculo. Conceitos básicos. Criação de uma folha de cálculo. Formatação de uma folha de cálculo. Geração de gráficos Conceitos básicos Criação de uma folha de cálculo Formatação de uma folha de cálculo Geração de gráficos O Microsoft Excel é uma poderosa folha de cálculo electrónica usada por milhares de utilizadores

Leia mais

À caraterística de um indivíduo ou objeto à qual se pode atribuir um número ou uma categoria,

À caraterística de um indivíduo ou objeto à qual se pode atribuir um número ou uma categoria, MATEMÁTICA 3º CICLO FICHA Organização e Tratamento de Dados 11 População e amostra. Variável estatística. Organização e tratamento de dados Nome: N.ª: Ano: Turma: Data: / / 20 Para a realização desta ficha

Leia mais

Módulo de Aprendizagem I

Módulo de Aprendizagem I Módulo de Aprendizagem I Digitalizar fotografias para a base de dados do SiFEUP Notas: No decorrer deste módulo de aprendizagem, pressupõe-se que o utilizador já tem o scanner devidamente instalado no

Leia mais

Introdução a elaboração de questionário

Introdução a elaboração de questionário Introdução a elaboração de questionário Pré-requisitos: Lista das questões Criar uma nova pesquisa Para criar uma nova pesquisa, estando na tela inicial do sistema, clique em Nova pesquisa. No início da

Leia mais

Capítulo II Apresentação de dados

Capítulo II Apresentação de dados 11 Capítulo II Apresentação de dados (Normas técnicas da Fundação Instituto Brasileiro de Geograia e Estatística IBGE) II.1 Dados em tabelas II.1.1 Componentes de uma tabela Tabela 2.1 Casos de intoxicação

Leia mais

Estatística. Professora: Eliana Carvalho Estatística e Probabilidade 1

Estatística. Professora: Eliana Carvalho Estatística e Probabilidade 1 Estatística Fonte bibliográfica: FARIAS, Alberto Alves Introdução a Estatística MEYER, Paul L. Probabilidade: Aplicações à Estatística MONTGOMERY, Douglas C; Estatística aplicada e probabilidade para engenheiros.

Leia mais

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 INFORMAÇÕES Professor: Roberto C. Leoni BLOG: http://aedbest.wordpress.com Apostilas com exercícios e gabaritos Software R http://cran.r-project.org/

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

Estatística Lousã, 07 de Março de 2008

Estatística Lousã, 07 de Março de 2008 Estatística Lousã, 07 de Março de 08 A estatística é um ramo da Matemática que nos ajuda a recolher, organizar e interpretar dados para tirar conclusões e fazer previsões. Recolha, organização e representação

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Estatística Biologia Ano lectivo: 2011 /2012 Docentes Responsável Júri Vogal Vogal Responsável pela pauta Docentes que leccionam a UC Ana Maria Caeiro Lebre

Leia mais

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016 Planificação a médio e longo prazo Matemática B 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193 Ano letivo 2015/2016 Professor responsável: Paulo Sousa I O programa Matemática B do 11º Ano - Página

Leia mais

Figura Uso de coordenadas polares

Figura Uso de coordenadas polares INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O CAD trabalha com dois sistemas de coordenadas. O sistema de coordenadas cartesianas (Figura) e o sistema de coordenadas polares (Figura). No sistema de coordenadas cartesianas,

Leia mais

GUIA DE APOIO PAGAMENTO DE IMPOSTOS

GUIA DE APOIO PAGAMENTO DE IMPOSTOS GUIA DE APOIO PAGAMENTO DE IMPOSTOS 1ª FASE ADESÃO AO PORTAL DO CONTRIBUINTE Um dos representantes legais da empresa deverá registar-se no Portal do Contribuinte do MINFIN. 1º Organizar a informação para

Leia mais

Utilizando o nplot. Este programa é gratuito e para fazer download basta acessar:

Utilizando o nplot. Este programa é gratuito e para fazer download basta acessar: Utilizando o nplot O nplot é um programa simples que permite a construção rápida de gráficos e o ajuste de diversas curvas, como as lineares, quadráticas, exponenciais e gaussianas. Além disso, permite

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 2: PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 2: PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 2: PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO É importante ler e analisar atentamente este anexo, bem como o Manual do Promotor, antes de proceder

Leia mais

Tema 0: Módulo Inicial Nº de Aulas Previstas (90 m): 18

Tema 0: Módulo Inicial Nº de Aulas Previstas (90 m): 18 Planificação Anual Matemática A 0º Ano Ano Lectivo 0/0 Tema 0: Módulo Inicial Nº de Aulas Previstas (90 m): 8 (BLOCOS DE 90M) Revelar espírito crítico, de rigor e confiança nos seus raciocínios. Abordar

Leia mais

Exemplo Falhas em Tecidos

Exemplo Falhas em Tecidos Exemplo Falhas em Tecidos Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Falhas em Tecidos 2 o Semestre 2016 1 / 27 Rolos de Tecido

Leia mais

Estatística Analítica

Estatística Analítica Teste de Hipótese Testes Estatísticos 2 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 3 1 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 4 Principais Testes: Teste Qui-quadrado Teste T de Student Teste ANOVA Teste de Correlação

Leia mais

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas Trabalhando com Planilhas Eletrônicas 1 TABELAS NO SOFTWARE EXCEL Tabelas de Distribuição de Frequência Simples Para acompanhar as orientações a seguir, abra o arquivo do Excel disponibilizado para esta

Leia mais

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas

Trabalhando com Planilhas Eletrônicas Trabalhando com Planilhas Eletrônicas 1 TABELAS NO SOFTWARE EXCEL Tabelas de Distribuição de Frequência Simples Para acompanhar as orientações a seguir, abra o arquivo do Excel disponibilizado para esta

Leia mais

=E4/26 F10 =F4 = G4+F5

=E4/26 F10 =F4 = G4+F5 HISTOGRAMA O histograma é uma forma gráfica de apresentar a distribuição de freqüências de uma variável. O histograma é um gráfico de barras verticais construído com os resultados da tabela de freqüências.

Leia mais

Ficha de Trabalho nº 11 Matemática 7º ano Maio / 2011 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA

Ficha de Trabalho nº 11 Matemática 7º ano Maio / 2011 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA Ficha de Trabalho nº 11 Matemática 7º ano Maio / 2011 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA Recorda: A Estatística é um ramo da Matemática que nos ajuda a recolher, organizar e interpretar dados para tirar

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS)

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) O QUE É ESTATÍSTICA Estatística é a ciência de obter conclusões a partir de dados. Envolve métodos para

Leia mais

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER Criar o vídeo - início Para iniciar a criação de um filme, devemos em primeiro lugar criar uma pasta, onde colocaremos todos os objetos que pretendemos inserir

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Objetivos da aula Resolver exercícios do livro-texto com o auxílio do R. 1) Exercício 29 Uma amostra de dez casais e seus respectivos salários anuais (em salários mínimos)

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

MOQ-14 Projeto e Análise de Experimentos

MOQ-14 Projeto e Análise de Experimentos Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-14 Projeto e Análise de Experimentos Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br Regressão Linear

Leia mais

Tutorial de apoio ao estudante

Tutorial de apoio ao estudante Sumário: No final da leitura deste tutorial o estudante será capaz de utilizar algumas das funcionalidades básicas da plataforma elearning.ul.pt: 1 - Como editar o perfil 2 Como participar/publicar num

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 6ºAno - 2º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 6ºAno - 2º Ciclo Plano Curricular de Matemática 6ºAno - 2º Ciclo Domínio Conteúdos Metas Nº de Tempos Previstos Numeros e Operações Geometria Números naturais - Números primos; - Crivo de Eratóstenes; - Teorema fundamental

Leia mais

Pressuposições à ANOVA

Pressuposições à ANOVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula do dia 09.11.010 A análise de variância de um experimento inteiramente ao acaso exige que sejam

Leia mais

Interatividade no SIGA BRASIL

Interatividade no SIGA BRASIL Consultoria de Orçamento, Fiscalização e Controle Secretaria Especial de Informática 2 Interatividade nos Documentos SIGA BRASIL Versão 2007 Interatividade no SIGA BRASIL Ao final deste módulo, o usuário

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL 1 o º ciclo Índice ABRIR O EXCEL 2 O ambiente de trabalho do Excel.3 O botão do Office 4 OPERAÇÕES COM FOLHAS DE CÁLCULO.. 4 Criar um documento novo 4 Colunas, linhas e células. 5 Inserir Fórmulas 6 TUTORIAL

Leia mais

ANÁLISE DOS RESÍDUOS. Na análise de regressão linear, assumimos que os erros E 1, E 2,, E n satisfazem os seguintes pressupostos:

ANÁLISE DOS RESÍDUOS. Na análise de regressão linear, assumimos que os erros E 1, E 2,, E n satisfazem os seguintes pressupostos: ANÁLISE DOS RESÍDUOS Na análise de regressão linear, assumimos que os erros E 1, E 2,, E n satisfazem os seguintes pressupostos: seguem uma distribuição normal; têm média zero; têm variância σ 2 constante

Leia mais

Geometria (X 6 ) Português (X 3 ) Álgebra (X 4 )

Geometria (X 6 ) Português (X 3 ) Álgebra (X 4 ) ROTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS COMPONENTES PRINCIPAIS Consideremos o seguinte exemplo (exercício 6): 15 alunos de uma determinada escola foram sujeitos a testes de 6 disciplinas e os resultados obtidos encontram-se

Leia mais

Trânsito Forças e Movimento : Lei fundamental da dinâmica NOME: Nº TURMA: DATA: / /2009

Trânsito Forças e Movimento : Lei fundamental da dinâmica NOME: Nº TURMA: DATA: / /2009 Objectivo O objectivo desta actividade é verificar o que acontece com a aceleração de um corpo quando a resultante da força aplicada no corpo permanece constante, mas a massa do sistema é alterado. Questões

Leia mais

Distribuições de Probabilidade. Distribuição Normal

Distribuições de Probabilidade. Distribuição Normal Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal 1 Distribuição Normal ou Gaussiana A distribuição Normal ou Gaussiana é muito utilizada em análises estatísticas. É uma distribuição simétrica em torno

Leia mais

Junho Utilização do CCS

Junho Utilização do CCS Utilização do CCS Acesso O acesso à tela de login deve ser feito por meio da página principal do Banco Central na internet, www.bcb.gov.br, clicando-se no menu vertical de opções (parte esquerda), em Sistema

Leia mais

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA Roteiro da aula 1. Por que planejar a pesquisa? 2. Principais tipos de desenhos de pesquisa - Quantitativos ou qualitativos - Transversais ou longitudinais - Exploratórios,

Leia mais

Medidas Territoriais: Bairro, Distrito, Zona, Interdistrital, Intradistrital, Intermunicipal e outros Recortes do Espaço Urbano

Medidas Territoriais: Bairro, Distrito, Zona, Interdistrital, Intradistrital, Intermunicipal e outros Recortes do Espaço Urbano INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Ministério da Ciência e Tecnologia Medidas Territoriais: Bairro, Distrito, Zona, Interdistrital, Intradistrital, Intermunicipal e outros Recortes do Espaço Urbano

Leia mais

Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) Prof. Guilherme Neves

Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) Prof. Guilherme Neves Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) 31- (ANAC 2016/ESAF) A negação da proposição se choveu, então o voo vai atrasar pode ser logicamente descrita por a) não choveu

Leia mais

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização Manual das condições gerais que regulam a utilização dos serviços disponibilizados pela aplicação Arquivo, plataforma de gestão de informação, do Municipio

Leia mais

PLANILHA DE NIVELAMENTO

PLANILHA DE NIVELAMENTO GUIA PRÁTICO DataGeosis Versão 2.3 PLANILHA DE NIVELAMENTO Paulo Augusto Ferreira Borges Engenheiro Agrimensor Treinamento e Suporte Técnico 1. CRIANDO PLANILHA DE NIVELAMENTO Para criar uma Planilha de

Leia mais

Teclados Virtuais. Março 2012.

Teclados Virtuais. Março 2012. Março 2012. Índice 1. Introdução 2 Introdução ao adapro 2 Introdução aos Teclados Virtuais 3 2. Executar a aplicação de Teclados Virtuais 6 3. Teclado Virtual Tipo 1 7 3.1. Painel de Edição 7 3.2. Criar

Leia mais

PONTOS/TALÕES DE DESCONTO

PONTOS/TALÕES DE DESCONTO /TALÕES DE DESCONTO 1. Configuração de pontos... 3 Tipo de Critério... 5... 5 Cabeçalho... 5 Detalhes Artigo... 7 Lista... 7 Individual... 8 Modo de Atribuição... 8 Detalhes Família... 10 Lista... 10 Modo

Leia mais

GESPOS WINDOWS. Manual do Utilizador GESTÃO DE CORES E TAMANHOS

GESPOS WINDOWS. Manual do Utilizador GESTÃO DE CORES E TAMANHOS GESPOS WINDOWS Manual do Utilizador GESTÃO DE CORES E TAMANHOS 1 A Gestão de cores e tamanhos do Gespos Windows é seguramente a gestão mais eficaz para qualquer tipo de loja que comercialize produtos no

Leia mais

DISCIPLINA DE ESTATÍSTICA

DISCIPLINA DE ESTATÍSTICA UNIC UNIVERSIDADE DE CUIABÁ DISCIPLINA DE ESTATÍSTICA REPRESENTANDO DADOS Dados Qualitativos Quantitativos Métodos Gráficos Métodos Tabulares Métodos Gráficos Métodos Tabulares Barras Tabelas de Freqüência

Leia mais

Plano da Apresentação. Medidas de localização central. Medidas de localização central. Média. Média. Exemplo nota média em Metodologias

Plano da Apresentação. Medidas de localização central. Medidas de localização central. Média. Média. Exemplo nota média em Metodologias Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Plano da Apresentação Mediana Moda Outras médias: a média geométrica Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Metodologias de Diagnóstico Profª

Leia mais

Redução de ruído e Interpolação

Redução de ruído e Interpolação Redução de ruído e Interpolação 18 de Maio de 2010 Joana Nunes Nº 58497 Grupo 10 João Marques Nº 58513 Processamento Digital de Sinais Engenharia Biomédica 2º Semestre 2009/2010 1. Visualização do sinal

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO II Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO II Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO II Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): Eng.º Vitor M. N. Fernandes Web: http://www.vmnf.net/ipam Mail: vmnf@yahoo.com Aula 10 Sumário Relacionamentos entre

Leia mais

PJe - NOVIDADES DA VERSÃO ADVOGADOS E PROCURADORES

PJe - NOVIDADES DA VERSÃO ADVOGADOS E PROCURADORES PJe - NOVIDADES DA VERSÃO 1.7.1.5 ADVOGADOS E PROCURADORES Esse documento tem como objetivo apresentar as novidades da versão 1.7.1.5 do Sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe), liberada em 31/08/2015.

Leia mais

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos Margem de Contribuição

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos Margem de Contribuição O que é? é quantia em dinheiro que sobra do preço de venda de um produto, serviço ou mercadoria após retirado o valor do custo variável unitário. Esta quantia é que irá garantir a cobertura do custo fixo

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL Manual para procedimentos básicos A tela inicial irá apresentar um menu com as seguintes opções: Introdução, Manual, Vocabulário, Consulta e Sair. 1

Leia mais

Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada

Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada a) Quiquadrado de Pearson: mede a associação de tabelas de dupla entrada, sendo definida por: c ( e e ij ij n ) ij, em que é

Leia mais

Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM)

Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM) Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM) Matemática 1 MATÉRIA A SER ESTUDADA Nome do Fascículo Aula Ex de aula Ex da tarefa Funções Inequação do 1º grau, pág 59 2 4,5,6 Funções Inequação do 1º grau,

Leia mais

Objetivo: Determinar a eficiência de um transformador didático. 1. Procedimento Experimental e Materiais Utilizados

Objetivo: Determinar a eficiência de um transformador didático. 1. Procedimento Experimental e Materiais Utilizados Eficiência de Transformadores Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi Objetivo: Determinar

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 1.º Período - Números naturais Números e operações Contar Estender as regras de construção dos numerais decimais para classes de grandeza indefinida; Conhecer os diferentes

Leia mais

Probabilidade. Experiências aleatórias

Probabilidade. Experiências aleatórias Probabilidade Experiências aleatórias 1 Experiências aleatórias Acontecimento: Qualquer colecção de resultados de uma experiência. Acontecimento elementar: Um resultado que não pode ser simplificado ou

Leia mais

Incertezas nas medidas

Incertezas nas medidas Incertezas nas medidas O objectivo de qualquer medição é avaliar um produto ou o resultado, aceitando ou rejeitando esse produto ou esse teste (e. calibração, inspecção, investigação científica, comércio,

Leia mais

1. Selecione a linha que deseja excluir a declaração na coluna Ação, do painel Declarações. Após isso, clique sobre o botão "Excluir".

1. Selecione a linha que deseja excluir a declaração na coluna Ação, do painel Declarações. Após isso, clique sobre o botão Excluir. Declarações O que é isto? O que isto faz? Esta página tem por objetivo auxiliá-lo na localização de declarações já cadastradas, bem como na criação de novas declarações. Saiba que, uma vez localizada,

Leia mais

Física I 2009/2010. Aula02 Movimento Unidimensional

Física I 2009/2010. Aula02 Movimento Unidimensional Física I 2009/2010 Aula02 Movimento Unidimensional Sumário 2-1 Movimento 2-2 Posição e Deslocamento. 2-3 Velocidade Média 2-4 Velocidade Instantânea 2-5 Aceleração 2-6 Caso especial: aceleração constante

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA com o SPSS Statistics

ANÁLISE ESTATÍSTICA com o SPSS Statistics João Marôco 5 a. Edição ANÁLISE ESTATÍSTICA com o SPSS Statistics ANÁLISE ESTATÍSTICA com o SPSS Statistics 5ª Edição JOÃO MARÔCO É proibida toda e qualquer reprodução desta obra por qualquer meio físico

Leia mais

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida,

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, NOÇÃO DE MEDIDA O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, Medir uma dada grandeza consiste em comparar o seu valor com a respetiva

Leia mais

AVALIAÇÕES. Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT)

AVALIAÇÕES. Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT) AVALIAÇÕES Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT) Utilizam Propostas? SIM Inicia aqui PROPOSTAS Cada Docente fará o lançamento das suas propostas,

Leia mais

Matriz de Avaliação de Matemática

Matriz de Avaliação de Matemática Matriz de Avaliação de Matemática A prova de matemática do TRLQ (Teste de Raciocínio Lógico Quantitativo) tem por objetivo avaliar o preparo das pessoas que a realizam para cursar programas de ensino que

Leia mais

Olimpíadas de Física Prova experimental A. Sociedade Portuguesa de Física

Olimpíadas de Física Prova experimental A. Sociedade Portuguesa de Física Olimpíadas de Física 2003 Prova experimental A Sociedade Portuguesa de Física 30/Maio/2003 Olimpíadas Internacionais de Física 2003 Prova Experimental A Campo magnético terrestre Duração da prova: 2h 1

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA

CÁLCULO DA INCERTEZA CÁLCULO DA INCERTEZA O resultado de uma medição é somente um valor aproximado ou uma estimativa do Mensurando. ele é completo somente quando acompanhado do valor declarado de sua incerteza. A incerteza

Leia mais

Gestão Documental. Gestão Documental

Gestão Documental. Gestão Documental Alcides Marques, 2007 Actualizado por Ricardo Matos em Junho de 2009 Neste capítulo pretende-se analisar a temática da, começando por apresentar um breve resumo dos conceitos subjacentes e apresentando

Leia mais